Você está na página 1de 3

MÓDULO DE SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE

ANEMIA

A anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) quando a


hemoglobina é inferior a 13g/dL em homens, 12g/dL em mulheres e 11g/dL para crianças
e gestantes.
Baseado no seu tamanho celular, ela pode ser microcítica (VCM < 80fL) que em
geral decorre da deficiência de ferro, inflamação crônica, talessemia, hipertireoidismo,
anemia sideroblástica, anemia de doença crônica, hemoglobinopatias e toxidades pelo
chumbo. As anemias macrocíticas (VCM > 100fL) classificam-se como megaloblásticas
pela deficiência de vitamina B12 ou de ácido fólico. As não megaloblásticas incluem o
alcoolismo, hipotireoidismo, doença hepática crônica, síndromes mielodisplásicas,
fármacos (zidovudina, metotrexato, carbamazepina, ácido valpróico, dentre outras). As
anemias normocíticas (VCM entre 80-100fL) podem ser de causa hemolítica ou não
hemolítica.

Anamnese
Geralmente a anemia cursa de forma assintomática. Devem ser investigados
hábitos nutricionais, história de parasitoses intestinais, fraqueza, sonolência, cansaço,
palpitações, letargia, angina, síncope, dor de cabeça, zumbido, perda de libido,
intolerância a esforços e dispneia progressiva durante o exercício físico. Questionar em
mulheres, a história de gestação, aleitamento materno e sangramento fisiológico
menstrual. O alcoolismo está relacionado a úlceras e varizes esofágicas, podendo sangrar.
História de câncer de colón direito em homens acima de 50 anos pode estar relacionado
ao achado da anemia. Pode haver picacismo na anemia ferropriva.
Dieta vegetariana implica na deficiência de vitamina B12. Alcoolismo aumenta o
risco de deficiência de folato. Parestesia associada à neuropatia periférica, déficit de
memória, desordens psiquiátricas como irritabilidade, depressão, demência pode se
manifestar na carência de vitamina B12.
Exame Físico
Inspeciona-se a pele e a palma das mãos em busca de palidez. A icterícia leve é
achado comum na anemia megaloblástica. Unhas quebradiças e coiloquínia são achados
tardios de anemia perniciosa, anemia megaloblástica e anemia ferropriva de longa data.
A glossite atrófica, língua despapilada, lisa, inchada, com aspecto de carne bovina, pode
ser observado. A dispneia pode ocorrer em virtude da descompensação da insuficiência
cardíaca. Taquicardia e hipotensão postural são achados comuns, assim como sopros
sistólicos no foco pulmonar, devido fluidez do sangue periférico. Hepato ou
esplenomegalia sugere provável hipertensão portal por anemia hemolítica. Ascite oriunda
de cirrose alcoólica leva a pensar em anemia por hepatopatia. Massa abdominais sugerem
câncer, cujo o sangramento é uma complicação.

Exames Complementares
Os principais exames são: hemograma completo, reticulócitos, esfregaço ou
lâmina de sangue periférico, plaquetas, ferro sérico, capacidade de ligação de ferro total
(TIBC), transferrina, saturação de transferrina, ferritina, ácido fólico, vitamina B12, Teste
de Coobs direto, bilirrubina indireta, eletroforese de hemoglobina, medulograma,
haptoglobina, endoscopia digestiva alta e colonoscopia.

Tratamento
O tratamento das anemias deve ser direcionado de acordo com a sua causa. A
primeira escolha na anemia ferropriva são os sais ferrosos. Em crianças a dose é de 4,5 -
6 mg/kg/dia de 8/8 horas. Nos adultos o sulfato ferroso 300 mg (60 mg de ferro elementar)
de 8/8 horas. Em 2 meses de tratamento, a hemoglobina e o hematócrito voltam ao
normal. Em crianças, tratar por 3 a 4 meses, ou por mais 2 meses quando houver
normalização da hemoglobina.
Reposição de ferro em gestantes: hemoglobina > ou igual a 11 g/dL (ausência de
anemia) manter a suplementação de 40 mg/dia de ferro elementar e 5 mg de ácido fólico,
a partir da 20ª semana; hemoglobina < 11 g/dL e > 8 g/dL (anemia leve a moderada),
solicitar exame parasitológico e tratar parasitoses, se presentes. Prescrever sulfato ferroso
(120 a 240 mg de ferro elementar/dia) de 3 a 6 drágeas/dia; hemoglobina < 8 g/dL (anemia
grave) a gestante deve ser referida imediatamente ao pré-natal de alto risco.
Na deficiência de vitamina B12 devido a carência nutricional, pode-se usar a
vitamina B12 (cianocobalamina) por via oral. O tratamento pela deficiência de ácido
fólico se faz com comprimidos de 1 a 5 mg 1x/dia.
O tratamento das anemias por doenças crônicas é direcionado para causa base
como as doenças inflamatórias, neoplasias e as infecções crônicas. Nas anemias
hemolíticas, tratamento conduzido pelo hematologista.

Bibliografia
Tratado de Medicina de Família e Comunidade, Volume II, Artmed, 2012