Você está na página 1de 2

A química o nosso dia-a-dia

Alquimia é a palavra que indica uma ciência mística conhecida como química da Antiguidade ou da Idade Média, que tinha
como principal objetivo a transmutação de um elemento em outro.
Um dos principais objetivos da alquimia era transformar metais não preciosos em ouro, como por exemplo, chumbo em
ouro. Assim, foram feitos vários esforços para criar a pedra filosofal, que teria a capacidade de transformar metais em ouro.
Outro dos alvos da alquimia era a criação do elixir da vida ou da imortalidade, que daria a imortalidade ou vida prolongada a
quem o bebesse.

Surgimento da Química
Raízes Históricas

• Século V a.C.: o filósofo Empédocles imaginou que toda matéria era formada por
quatro elementos: água, terra, fogo e ar.
• 400 a.C.: filósofos gregos Leucipo e Demócrito, propuseram que toda matéria era
constituída por pequenas partículas indivisíveis denominadas.
• 350 a.C., Aristóteles aprimorou a idéia dos quatro elementos associando a cada um deles
duas “qualidades” opostas.
• Cada um deles podia transformar-se em outro, pela adição ou remoção da “qualidade”
que possuem.
• O princípio do domínio da química é o domínio do fogo. Há indícios de que faz mais de
500.000 anos algumas tribos conseguiram este sucesso que ainda hoje é uma das
tecnologias mais importantes. Não só dava luz e calor na
noite, como ajudava a proteger-se contra os animais selvagens. Também permitia a preparação de comida cozida. Esta
continha menos microrganismos patogênicos e era mais facilmente digerida. Assim, baixava-se a mortalidade e
melhoravam as condições gerais de vida.
• Desde este momento teve uma relação intensa entre a cozinha e os primeiros laboratórios químicos até o ponto que a
pólvora negra foi descoberta por uns cozinheiros chineses.
• Finalmente, foram imprescindíveis para o futuro desenvolvimento da metalurgia materiais como a cerâmica e o vidro,
além da maioria dos processos químicos.

A Química como ciência

• O filósofo grego Aristóteles acreditava que as substâncias eram formadas por quatro elementos, paralelamente,
discorria outra teoria, o atomismo, que postulava que a matéria era formada por átomos, partículas indivisíveis que se
podiam considerar a unidade mínima da matéria. Esta teoria não foi popular na cultura ocidental dado o peso das obras
de Aristóteles na Europa.
• Entre os séculos III a.C. e o XVI d.C a química estava dominada pela alquimia. O objetivo de investigação mais conhecido
da alquimia era a procura da pedra filosofal, um método capaz de transformar os metais em ouro.
• Na investigação alquímica desenvolveram-se novos produtos químicos e métodos para a separação de elementos
químicos. A química, como é concebida atualmente, começa a desenvolver-se entre os séculos XVI e XVII. Por volta do
século XVIII desenvolvem-se métodos de medição cuidadosos que permitem um melhor conhecimento de alguns
fenômenos, como o da combustão da matéria.
Elaborando e debatendo ideias
Sem química nem mosquitos:

– Analise o texto, criticando (evidenciar qualidades e defeitos) e enfatizando a relação entre as expressões “totalmente
natural” e “ sem química”.

QUÍMICA: BICHO-DE-SETE-CABEÇAS?

A música “Química” talvez sintetize o sentimento de parte considerável dos estudantes em relação química estudada nas
escolas de ensino médio e fundamental. Em tempos de “geração saúde”, a química é considerada uma grande vilã. O
número de lojas especializadas do tipo “produtos naturais” vêm crescendo em nossas cidades. Elas trabalham com produtos
que tem rótulas do tipo: “Não contem produtos químicos”. É comum ainda ouvirmos frases como: “Não coma isso, é pura
química!”.
Por que a palavra química é utilizada nesse contexto? Será que a química realmente contribui para envenenar as pessoas em
nossa sociedade industrial?

Comendo e respirando química

Podemos afirmar que a química é uma ciência constituída de três aspectos básicos: os fenômenos, as teorias e a linguagem.
Fenômenos – fatos relacionados aos materiais e sua transformações, podendo ser naturais ou artificiais (laboratório ou
indústria). Falar sobre os produtos vendidos em um supermercado ou sobre o consumo de gasolina de um automóvel é tratar
de fenômenos químicos.
O que nos mantém vivos é o conjunto de substâncias químicas que constituem os alimentos que consumimos diariamente –
como aminoácidos, carboidratos, sais minerais, proteínas e vitaminas –
sejam eles obtidos diretamente da natureza ou não. Diversas substâncias são produzidas continuamente em nossas células,
que são sofisticados “laboratórios” de síntese.
Ao discutirmos as questões preliminares, podemos constatar que, no dia-a-dia, utilizamos um número considerável de
diferentes materiais. O repelente de mosquito do anúncio tem como princípio ativo um produto natural: um óleo extraído da
citronela por intermédio de técnicas desenvolvida pelos químicos. Esse óleo é constituído de uma mais substâncias
químicas.

Surgimento da Química
Antiguidade

• Egito: extração do ferro, fabricação do vidro, Os egípcios conhecem a fermentação que permite-lhes produzir cerveja.
Eles fabricam corantes utilizados, sobretudo para maquiagens.
• China: Fabricação das porcelanas, utilização da Pólvora.
• Grécia: Para Empédocles existem quatro elementos: a água, o ar, o fogo e a terra, que se atraem ou se repelem. Platão
retoma mais tarde esta teoria associando estes quatro elementos a formas geométricas. O filósofo Anaxágoras vê o
mundo em mudança perpétua, sem criação nem destruição de matéria, mas com reordenações das partículas
elementares. Leucipo, e depois Demócrito, acham que a matéria está composta de partículas elementares, os átomos.
• Nascimento da alquimia: A alquimia nasce em Alexandria por volta do século IX a.C. Os alquimistas tentam conseguir
ouro a partir de diversos metais. Seu objetivo é a fabricação da pedra filosofal, que transmuta os metais em ouro e
permite a preparação do elixir da panacéia ou remédio universal. Os corpos classificam-se em sólidos, líquidos e vapores
e segundo a sua cor. Eles interagem segundo leis de simpatia e de antipatia.
• Idade Média: A civilização árabe conta alquimistas brilhantes. Procurando ouro, trabalham sobre outras matérias como
por exemplo o ácido nítrico e aperfeiçoam a destilação.
• Ocidente: A alquimia aparece no Europa com raiz em traduções de textos árabes. Além disso, adotam-se os numerosos
termos árabes (por exemplo, álcali) que ainda hoje se usam.
• Século XVI: Paracelso, através da sua prática da medicina e suas investigações sobre os medicamentos, é considerado
como o precursor da química moderna.
• Século XVII: Newton, que é alquimista além de físico, acha que existem forças entre as partículas, comparáveis às forças
de gravitação.
• Século XVIII: Descoberta do oxigênio por Scheele e Priestley. Síntese da água por Cavendish.
• Século XIX: 1828: Síntese da uréia por Wöhler, demonstrando a unidade da química mineral e da química orgânica,
anteriormente considerada dois campos independentes (refutação do «princípio de vida»). 1869: Mendeleiev publica a
sua classificação periódica dos elementos.
• Século XX: 1913: Bohr publica o seu modelo da estrutura do átomo. 1926: Schrôdinger
publica o seu modelo da estrutura do átomo, modelo que se utiliza hoje. 1953: Descoberta da estrutura do DNA por
Watson e Crick.

DEBATENDO O TEXTO......
Após a leitura atenta do texto, responda em seu caderno:

01. Explique o título do texto.


02. Procure dar um outro título ao texto.
03. Qual é a diferença entre a alquimia e a Química?
04. Cite algumas situações de seu cotidiano em que seja possível observar a aplicação da Química.
05. Quais eram os objetivos da Alquimia?