Você está na página 1de 69

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

EQB353 - MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL E ENZIMOLOGIA

Fungos
Filamentosos e
Produção de Ácido
Cítrico
Prof Bernardo Dias
Página 1 de 69
Características
 Eucarióticos - pertencem ao Reino Fungi, Domínio Eukarya;
 São quimioheterotróficos (não possuem clorofila) – saprófitas,
simbiontes, parasitas;
 Geralmente são filamentosos, ramificados e multicelulares (5 a 10 mm
dimensão transversal) com crescimento apical;
 Absorvem nutrientes – digestão externa (enzimas);
 Não possuem celulose e nem tecidos vasculares;
 Podem ser uni ou pluricelulares (micro/macro) - micélio e corpos de
frutificação. A reprodução se dá por meio de esporos (com poucas
exceções), com diferenciação das estruturas;
 Aeróbios estritos

Página 2 de 69
100.000 espécies, talvez
existam até 1,5 milhões de
Habitat espécies;

Página 3 de 69
Podridão da laranja Podridão branca - Phanerochaete

Podridão descendente Basidiomiceto decompondo madeira


da videira Página 4 de 69
Página 5 de 69
Aspergillus flavus

Amanita muscari Psilocybe mexicana

amendoim Página 6 de 69
Citologia
80 a 90% de polissacarídeo,

Página 7 de 69
Página 8 de 69
Citologia dos Fungos

• Núcleo com cromossomos e membrana nuclear.

• Organelas citoplasmáticas superiores

• Encontram-se geralmente haplóides; núcleo torna-se


diplóide por meio de fusão nuclear no processo de
reprodução sexual.

• A parede celular é rígida e a membrana plasmática é


rica em ergosterol (vit. D)

• Reprodução: Sexuada e/ou Assexuada

Página 9 de 69
Estrutura da Parede Celular
Fungos

• Polissacarídeos: mananas e glucanas


• Manoproteínas: polímeros de manose
• Glucanas: polímeros de glucosil
• N-acetil-glucosamina
• Metabolismo: energia orgânica exógena (C, N, O).

Página 10 de 69
Modelo da Estrutura da Parede Celular
- Determina a forma e
garante a estrutura da
célula fúngica;

- Protege contra injúrias


mecânicas;

- Evita a lise osmótica


do protoplasto

- Bloqueia o ingresso de
moléculas tóxicas
Página 11 de 69
Morfologia celular

Página 12 de 69
A alimentação dessas células é feita
pela secreção de enzimas, que degradam
substâncias no meio exterior, gerando
pequenas moléculas que podem
atravessar a malha da parede fúngica e
assim serem absorvidas.

Imagem de microscopia eletrônica de varredura (cores


adicionadas) de micélio fúngico com as hifas (verde),
esporângio (laranja) e esporos (azul), Penicillium sp.
(aumento de 1560 x)

Quando em condições adversas, os fungos filamentosos desenvolvem


estruturas reprodutivas denominadas conídios (esporos), que é uma forma
de reprodução e de resistência às condições ambientais adversas.

As unidades fundamentais da estrutura dos fungos filamentosos são as


hifas, que são as células arranjadas sob a forma de filamentos.
Página 13 de 69
Morfologia
• A porção do micélio que se projeta acima da
superfície do substrato é denominada micélio aéreo ou
reprodutor.
• Aquela porção que penetra no substrato e absorve os
alimentos chama-se micélio vegetativo ou nutritivo.
• Tipos de hifa:

Página 14 de 69
Septos
• Algumas hifas podem ser quase que completamente
asseptadas durante a etapa de crescimento, mas um
septo pode separar as células mais velhas ou danificadas;
• A maioria dos fungos possui septos: células
individualizadas;
• Três tipos de septos:
• 1) Pseudo-septos: septos com muitos poros (peneira);
• 2) Septo simples:
• 3) Doliporo:
• -Outras formas também podem ocorrer
Página 15 de 69
Doliporo

Página 16 de 69
Parede Celular

Página 17 de 69
Membrana Citoplasmática

Página 18 de 69
Página 19 de 69
Página 20 de 69
Aplicações Industriais

Página 21 de 69
Reprodução dos Fungos Filamentosos

• A maioria dos fungos produz duas fases (ciclo de vida):

1) Somática: Todas as células que não estão envolvidas


com a reprodução.

2) Reprodutiva: Células envolvidas na produção de


esporos ou de qualquer estrutura especializada
envolvida na formação destes.

Página 22 de 69
Ciclo Reprodutivo dos Fungos

Página 23 de 69
Reprodução Assexuada

 Brotamento
 Fragmentação somática
 Fissão celular
 Esporulação: conídios e esporangiosporos. Estes
podem ser móveis (zoósporos) ou imóveis
(aplanósporos).

Página 24 de 69
• esporangiosporos: se originam no
interior de cavidades muito
especializadas, os esporângios. Da hifa,
forma-se uma vesícula (esporangióforo)
que forma esporos no seu interior;
depois a vesícula se rompe e libera os
esporangiosporos.

• blastosporos: uma única estrutura


desenvolve-se por brotamento ou
gemulação, com separação posterior
entre este e a célula mãe. Ex: leveduras.

• clamidosporos: as células terminais ou


intercaladas de uma hifa aumentam de
tamanho e desenvolvem paredes
espessas. Têm função de resistência.
Ex: Candida albicans. Página 25 de 69
• artrosporos: resultam da
fragmentação de uma hifa em
células isoladas.

• conidiosporos ou conídios:
originam-se, em alguns casos,
diretamente de hifas vegetativas
e, em outros, de partes
diferenciadas do talo, as quais se
denominam conidióforos. Ex:
Penicillium.

Página 26 de 69
Página 27 de 69
Conidióforos

 Conídios de Aspergillus agrupados em forma de cabeça, ao


redor de uma vesícula.

 No Penicillium falta a vesícula na extremidade dos conidióforos


que se ramificam dando a aparência de pincel.
Página 28 de 69
Reprodução Sexuada
• União de um núcleo haplóide doador com célula do
receptor.
• Aqueles fungos que apresentam apenas formação
assexuada de esporos são os fungos imperfeitos.

• HOMOTÁLICOS: são aqueles cujo micélio (ou talo)


é auto-fértil e podem, portanto, reproduzir-se
sexuadamente por si só, sem a participação de outro
micélio.
• HETEROTÁLICOS: são os que possuem micélio
auto-estéril e requerem a participação de outro talo
compatível para a reprodução sexuada.
Página 29 de 69
Página 30 de 69
Formação dos Zigotos

Página 31 de 69
Tipo de Esporos Sexuados

- zigosporos: as extremidades das hifas


próximas fundem-se, ocorre meiose e
desenvolvem-se os zigosporos.

- ascosporos: 4-8 esporos se formam no


interior de uma célula especializada, o
asco, na qual ocorreu meiose.

Página 32 de 69
Tipo de Esporos Sexuados

- basidiosporos: após a meiose, 4 esporos


geralmente se formam na superfície de
uma célula especializada, o basídio.

- oosporos: resultantes da união dos


elementos sexuados desiguais, o oogônio
e o anterídeo.

Página 33 de 69
Taxonomia

Parasitas em
plantas e animais

Endomicorrizas

Página 34 de 69
ZIGOMYCOTA

• Hifas cenocíticas.
• Maioria terrestres.
• Grupo de importância: muitas micorrizas
(associações mutualísticas com raízes de
plantas).
• Zigomiceto comum: Rhizopus (bolor negro
do pão), Mucor, Rhizomucor, Blakeslea,
Cunninghamella, Mortierella Página 35 de 69
Estrutura de A
reprodução
(Eporangióforo), A;
Foto macroscópica
da morfoespécie 5
do gênero Rhizopus,
B; Hifas com
projeções em forma
de rizóides, C. B

Página 36 de 69
Página 37 de 69
ASCOMYCOTA

 Fungos que formam “sacos” ou ascos em ascocarpos.


 Marinhos, de água doce ou terrestres
 Formam associações com algas, líquens e raízes.
 Incluem muitos patógenos de plantas.
 Incluem desde unicelulares (leveduras) até
multicelulares.

Página 38 de 69
conídios

ASCOMYCOTA
conidióforos
germinação

Ciclo de Vida micélio


germinação ascocarpo
ascósporos
gametângios

mitose
haplofase núcleos dos gametas

meiose diplofase
dicariofase plasmogamia

ascos jovens
hifas ascógenas

cariogamia Página 39 de 69
células-mães dos ascos
Página 40 de 69
Página 41 de 69
Tipos de Ascos

Ascomycota. Ascos com ascósporos de


Apiosordaria hispanica. Aumento de 200X.

Ascomycota. Ascos com 4 ascósporos


de Saccharomyces cerevisiae, uma
Página 42 de 69
levedura. Aumento de 400X.
Ascomycota. Conidióforo e conidiósporos de Aspergillus sp.

CONÍDIOS SUSTENTADOS
PELAS FIÁLIDES

VESÍCULA
CONIDIÓFORO

HIFA SEPTADA

A B

Página 43 de 69
A B
Aspergillus sp2 Aspergillus sp3

Aspergillus sp18 Página 44 de 69


Ascomycota. Conidióforo e conidiósporos
Página 45 de 69
de Penicillium sp.
B Penicillium sp 51 A

Penicillium sp. 18

C
Penicillium sp. 59 Página 46 de 69
BASIDIOMYCOTA

 Incluem os cogumelos ou um corpo de frutificação


conhecido como basidiocarpo.

 Importantes decompositores, em especial de


madeira.

 A reprodução assexuada é menos comum.


Página 47 de 69
Ciclo de Vida BASIDIOMYCOTA

Página 48 de 69
Basidiomycota. Basídio e
Basidiomycota. Basidiocarpo de basidiósporos de Schizophyllum
Coprinus cinereus em ágar batata-
commune. Microscopia eletrônica
dextrose.
de varredura. Aumento de 2500X.

Página 49 de 69
Reprodução Sexuada BASIDIOMYCOTA

Página 50 de 69
Aplicações Industriais

Página 51 de 69
Aplicações Industriais

Pleurotus ostreatus - Shimeji

Agaricus bisporus - Champignon

Lentinula edodes - Shitake

Página 52 de 69
Ácido Cítrico

Página 53 de 69
Características e Usos

Página 54 de 69
Características e Usos

30 tons limão  1 ton ácido cítrico

Limão + CaCO3  Citrato de cálcio

Página 55 de 69
Agentes

Página 56 de 69
Matérias-Primas

Azul da Prússia

Página 57 de 69
Matérias-Primas

Página 58 de 69
Bioquímica do Processo

Fixação Anaplerótica de CO2

Página 59 de 69
Bioquímica do Processo

Página 60 de 69
Bioquímica do Processo

Página 61 de 69
Regulação do Metabolismo

Página 62 de 69
Regulação do Metabolismo

Página 63 de 69
Condições de Fermentação

Página 64 de 69
Condições de Fermentação

Página 65 de 69
Sistemas de Produção

Página 66 de 69
Sistemas de Produção

Página 67 de 69
Sistemas de Produção

Página 68 de 69
Sistemas de Produção

Página 69 de 69