Você está na página 1de 6

Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa

Coordenadas: 46°13’40”N, 6°8’14”L

Comitê Internacional da Cruz Vermelha

O emblema da Cruz Vermelha tornou-se um símbolo


internacional da causa humanitária, protegido pelaConvenção de
Genebra

Residência
Suíça

Prêmios Nobel da Paz (1917), Nobel


da Paz (1944)

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) MHM é uma organização humanitária,


independente e neutra, que se esforça em proporcionar proteção e assistência às vítimas
da guerra e de outras situações de violência.
Com sua sede em Genebra, Suíça, possui um mandato da comunidade internacional para
servir de guardião do Direito Internacional Humanitário, além de ser o órgão fundador
do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.
No seu constante diálogo com os Estados, o CICV insiste continuamente no seu caráter
neutro e independente. Somente sendo assim, livre para atuar de forma independente em
relação a qualquer governo ou a qualquer outra autoridade, a organização tem condições
atender aos interesses das vítimas dos conflitos, que constituem o centro da sua missão
humanitária.

Índice

 1História
 2Missão
 3Princípios Fundamentais
 4Emblemas
 5O Direito Internacional Humanitário (DIH)
 6As operações do CICV no mundo.
 7Conflito na Síria
 8Operação na Somália
 9Referências
 10Ligações externas

História[editar | editar código-fonte]


Ver artigo principal: História do Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Ambulância militar alemã.

A organização foi fundada por iniciativa de Jean Henri Dunant, em 1863, sob o nome
de Comitê Internacional para ajuda aos militares feridos, (ver: saúde militar)
designação alterada, a partir de 1876, para Comitê Internacional da Cruz Vermelha.
A assistência aos prisioneiros de guerra teve grande avanço a partir de 1864, quando foi
realizada a Convenção de Genebra, para a melhoria das condições de amparo aos feridos,
e em 1899, quando foi realizada a Convenção de Haia, que disciplinava as "normas" de
guerra terrestre e marítima.
Atualmente, o CICV não tem se limitado apenas à proteção de prisioneiros militares, mas
também a detidos civis em situações de guerra ou em nações que violem os Estatutos
dos Direitos Humanos. Preocupa-se ainda com a melhoria das condições de detenção, a
garantia do suprimento e distribuição de alimentos para as vítimas civis de conflitos, a
prover assistência médica e a melhorar as condições de saneamento especialmente
em acampamentos de refugiados ou detidos.
Também tem atuado em assistência a vítimas de desastres naturais, como
enchentes, terremotos, furacões, especialmente em nações com carência de recursos
próprios para assistência às vítimas.
O Comitê Internacional da Cruz Vermelha baseia-se no princípio da neutralidade, não se
envolvendo nas questões militaresou políticas, de modo a ser digna da confiança das
partes em conflito e assim exercer suas atividades humanitárias livremente.

Navio hospital USNS Mercy, Marinha dos Estados Unidos

A Cruz Vermelha Brasileira (CVB) é uma Sociedade Nacional, fundada em 5 de Dezembro


de 1908. A CVB é uma organização independente, neutra, tendo a sua sede nacional
localizada na cidade do Rio de Janeiro, tem 23 Filiais estaduais. A Cruz Vermelha
Brasileira conta hoje com 15 000 voluntários que trabalham para levar assistência
Humanitária às pessoas afetadas por desastres naturais, conflitos, violência armada e seu
mandado deriva essencialmente das convenções de Genebra, de 1949.
A 1 de Julho de 1983 foi feito Membro-Honorário da Ordem do Mérito de Portugal.[1]

Missão[editar | editar código-fonte]


A missão da CICV é proteger e apoiar vítimas dos conflitos armados e outras situações de
violência, sem importar quem elas sejam. Esta missão foi outorgada pela comunidade
internacional e possui duas fontes:
- as Convenções de Genebra de 1949, que incumbem o Comitê de visitar prisioneiros,
organizar operações de socorro, reunir familiares separados e realizar atividades
humanitárias semelhantes durante conflitos armados;
- os Estatutos do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho,
que encorajam a organização a empreender um trabalho semelhante em países que não
vivem uma guerra internacional, mas possuem situações de violência interna, às quais
portanto as Convenções de Genebra não se aplicam.
Suas principais atividades são:

 visitar prisioneiros de guerra e civis detidos;


 procurar pessoas desaparecidas;
 intermediar mensagens entre membros de uma família separada por um conflito;
 reunir famílias dispersas;
 em caso de necessidade, fornecer alimentos, água e assistência médica a civis;
 difundir o Direito Internacional Humanitário (DIH);
 zelar pela aplicação do DIH;
 chamar a atenção para violações do DIH e contribuir para a evolução deste conjunto
de normas.
Além disso, o CICV procura agir de forma preventiva e atua em parceria com as
Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho em cada país, a
exemplo da Cruz Vermelha Brasileira (CVB) no Brasil, e com a Federação Internacional
das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

Princípios Fundamentais[editar | editar código-fonte]


Na entrada do CICR

O trabalho do Comitê Internacional da Cruz Vermelha está baseado em sete princípios


fundamentais:

 Humanidade - socorre, sem discriminação, os feridos no campo de batalha e procura


evitar e aliviar os sofrimentos dos homens, em todas as circunstâncias.
 Imparcialidade - não faz nenhuma distinção de nacionalidade, raça, religião, condição
social e filiação política.
 Neutralidade - para obter e manter a confiança de todos, abstém-se de participar das
hostilidades e nunca intervém nas controvérsias de ordem política, racial, religiosa e
ideológica.
 Independência - as Sociedades Nacionais devem conservar sua autonomia, para
poder agir sempre conforme os princípios do Movimento Internacional da Cruz
Vermelha e do Crescente Vermelho.
 Voluntariado - instituição de socorro voluntário e desinteressado.
 Unidade - só pode haver uma única Sociedade Nacional em um país.
 Universalidade - instituição universal, no seio da qual todas as Sociedades Nacionais
têm direitos iguais e o dever de ajudar umas às outras.

Emblemas[editar | editar código-fonte]


Desde que o CICV foi criado, seus fundadores identificaram a necessidade de utilizar um
emblema único e universal, facilmente reconhecido. A ideia era que o emblema protegesse
não apenas os feridos em campanha, mas também as pessoas que prestavam
assistência, incluindo as unidades médicas, mesmo as do inimigo. De acordo com os
Convênio de Genebra e seus Protocolos Adicionais, os emblemas reconhecidos são a cruz
vermelha, o crescente vermelho e o cristal vermelho. Estes emblemas estão reconhecidos
pelo direito internacional e têm a função de proteger as vítimas de conflitos e os
trabalhadores humanitários que prestam assistências às mesmas.
Quem tem direito a usar os emblemas? Os membros do Movimento Internacional da
Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, incluindo as unidades de saúde das forças
armadas, voluntários das Sociedades Nacionais, delegados do CICV e os meios de
transporte de saúde.

O Direito Internacional Humanitário (DIH)[editar | editar código-


fonte]
O Direito Internacional Humanitário (DIH) é um conjunto de normas - entre elas
Convenções de Genebra e as Convenções de Haia - que rege as práticas de guerra com o
objetivo de limitar os efeitos dos conflitos armados por razões humanitárias. Embora a
prática da guerra seja muito antiga, apenas há 150 anos os Estados criaram normas
internacionais para proteger as pessoas. O DIH, de quem o CICV recebeu dos Estados o
mandato de guardião, é também conhecido como "Direito da Guerra" ou "Direito dos
Conflitos Armados".

As operações do CICV no mundo.[editar | editar código-fonte]


Com 12,3 mil funcionários, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha está presente em
mais de 80 países por meio de delegações, subdelegações, escritórios e missões. As
atividades fazem parte do mandato da organização de proteger a vida e a dignidade das
vítimas de guerra e de promover o respeito pelo Direito Internacional Humanitário.

Conflito na Síria[editar | editar código-fonte]


Em resposta à violência que afeta a Síria desde março de 2011, o CICV presta assistência
às pessoas que estão dentro da Síria, que enfrentam condições de vida extremamente
difíceis, e as centenas de milhares de sírios que tiveram que fugir para a Jordânia e o
Líbano. O trabalho do CICV realizado no país é feito em conjunto com o Crescente
Vermelho Árabe Sírio. A organização distribui alimentos e outros artigos básicos,
restabelece o abastecimento de água, apoia os serviços de saúde e restabelece o contato
de membros de famílias afastadas pelo conflito.
O presidente do CICV, Peter Maurer, realizou uma visita de três dias em janeiro de 2014
ao país. Durante a missão, ele realizou reuniões oficiais com representantes de alto
escalão do governo e pressionou para que a organização tenha maior acesso humanitário
e seguro à população que necessita ajuda. Maurer esteve ainda com famílias deslocadas
pelo conflito na zona rural de Damasco e com funcionários e voluntários do Crescente
Vermelho Árabe Sírio.
Presente na Síria desde 1967, o CICV também trabalha no Golã ocupado. A organização
se ocupa do restabelecimento dos contatos entre sírios e parentes detidos no exterior.

Operação na Somália[editar | editar código-fonte]


Na Somália, o CICV presta assistência emergencial às pessoas afetadas diretamente pelo
conflito armado, que vivem em uma situação quase sempre agravada por desastres
naturais, e administra extensos programas de primeiros socorros, assistência médica e
assistência básica à saúde. Promove o respeito ao Direito Internacional Humanitário (DIH)
e realiza projetos de agricultura e água para melhorar a segurança econômica e as
condições de vida da população.
O agravamento da seca do Chifre da África motivou o Comitê a aumentar sua operação no
país, no qual milhares de pessoas sofrem com a escassez de água e de alimentos. A
organização começou a trabalhar na Somália em 1977, para responder às necessidades
humanitárias da guerra entre este país e a Etiópia.

Referências
1. Ir para cima↑ «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da
busca de "Comité Internacional da Cruz Vermelha". Presidência da República Portuguesa.
Consultado em 3 de abril de 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui imagens e outras mídias sobre Comitê Internacional da Cruz Vermelha

 Perfil no sítio oficial do Nobel da Paz 1917 (em inglês)


 Perfil no sítio oficial do Nobel da Paz 1944 (em inglês)
 Comitê Internacional da Cruz Vermelha (em português)
 Cruz Vermelha Portuguesa
 Cruz Vermelha Brasileira
 Texto da Convenção de Genebra (em português)
 Munições Cluster (em português)
Precedido por Nobel da Paz Sucedido por
Henri la Fontaine 1917 Thomas Woodrow Wilson
Precedido por
Nobel da Paz Sucedido por
Comitê Internacional Nansen para os
1944 Cordell Hull
Refugiados
Precedido por Prémio Nobel da Paz Sucedido por
Linus Pauling 1963 Martin Luther King Jr.
com Federação Internacional das
Sociedades da Cruz Vermelha e
do Crescente Vermelho
Prémio Balzan para a
Precedido por humanidade, da paz e da Sucedido por
Abbé Pierre fraternidade entre os povos Abdul Sattar Edhi
1996