Você está na página 1de 4

II Seminário Iniciação Científica – IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

PRODUÇÃO DE MATÉRIA VERDE NO PERÍODO DAS ÁGUAS


DE PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E
SEQUEIRO*

OLIVEIRA, A. I.¹; JAYME, D. G.²; BARRETO, A. C3; FERNANDES, L. O.3; SENE, G.


A.4; BARBOSA, K. A.5; SILVA, C. F.5, JÚNIOR, D. J. R.5; ANDRADE J. C.6;
COUTINHO, A.C.6
1
Estudante de Zootecnia – IF Triângulo Mineiro – Uberaba; Bolsista do CNPQ;
2
Prof. IF Triângulo Mineiro – Uberaba; Orientador; E-mail: diogo@iftriangulo.edu.br
3
Prof. IF Triângulo Mineiro – Uberaba;
4
Estudante de Zootecnia – IF Triângulo Mineiro – Uberaba, Bolsista do FAPEMIG ;
5
Estudante de Zootecnia – IF Triângulo Mineiro – Uberaba;
6
Eng. Agrônomo Fazenda Energética, CEMIG S/A, e-mail: acco@cemig.com.br
*Apoio: FAPEMIG, IFTM, CEMIG, Epamig.

RESUMO
Objetivou-se com este trabalho avaliar a produção de matéria verde (MV) de pastagem de
Tifton 85 sob manejo de irrigação e sequeiro no período da águas. Foram utilizados 10 ha de
pastagem de Tifton 85, sendo 5ha sob manejo de irrigação e 5ha em sistema de sequeiro. As
pastagens foram manejadas em condições de lotação rotacionada, com 3 dias de ocupação e
21 dias de descanso, durante a época das águas, sendo o sistema formado por 8 piquetes (0,22
ha/piquetes). No primeiro dia de cada período experimental, foi realizada amostragem da
massa forrageira da pastagem, por meio do corte de quatro áreas delimitadas por um quadrado
metálico de 1x1 m, escolhidas aleatoriamente dentro de cada piquete, efetuando-se o corte no
nível do solo, com posterior pesagem do material colhido para determinar a produção de
matéria verde. A produção de matéria verde de outubro a dezembro e de fevereiro a março foi
superior (P<0,05) na pastagem manejada sob irrigação em comparação a pastagem manejada
sob condições de sequeiro. Concluiu-se que a irrigação de pastagens de tifton 85 no período
chuvoso propicia maior produção de matéria verde que a pastagem manejada sob condições
de sequeiro.
Palavras-chave: período chuvoso, produção de matéria verve, sistema de irrigação e
sequeiro, sistema rotacionado, Tifton 85.

INTRODUÇÃO
No Brasil, elevar a produtividade leiteira de forma sustentável e competitiva consiste no
maior desafio para a pesquisa, uma vez que há grande demanda por informações sobre o uso
de forrageiras tropicais manejadas intensivamente para produção de leite visando,
principalmente, à redução dos custos de produção, e que a especialização da pecuária leiteira
envolve o uso mais intensivo e racional de forrageiras tropicais. A utilização do tifton 85, do
II Seminário Iniciação Científica – IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

gênero Cynodon, é devido suas vantagens nutricionais, do potencial produtivo, da resposta à


fertilização, da adaptação a diferentes ambientes e da flexibilidade de uso, vêm sendo
intensivamente pesquisadas no Brasil. O valor nutritivo das forragens muda com o avanço do
período de pastejo, o que, em geral leva a menores produções de leite nestes sistemas, então
se torna necessário lançar mão de alternativas como pastejo rotacionado para minimizar esta
variação. Nas principais regiões produtoras de leite do Brasil, nota-se aumento na implantação
de sistemas intensivos de produção de leite em pastagens, buscando maior eficiência no uso
de insumos e recursos forrageiros (AROEIRA ET AL., 2004; DERESZ, 2001). A
intensificação dos sistemas de produção a pasto e a adoção de novas tecnologias podem
contribuir para aumentar a disponibilidade do produto final (leite) e a conseqüente queda nos
custos de produção (MATOS, 1996). Entretanto, na literatura nacional, existem poucos
trabalhos avaliando a viabilidade econômica de sistemas de produção irrigado e sequeiro em
pastejo rotacionado para bovinos, o que dificulta a tomada de decisão pelo produtor rural.
Quando se trata da bovinocultura de leite, o desafio é maior, pois existem diversos sistemas de
produção, em razão dos diferentes aspectos edáficos, climáticos, estruturais, composição do
rebanho e, principalmente, do nível tecnológico em uso. Um fator climático são os veranicos,
definido por ser um fenômeno meteorológico comum nas regiões meridionais do Brasil.
Consiste em um período de estiagem, acompanhado por calor intenso (25-35°C), forte
insolação, e baixa umidade relativa em plena estação fria. Para ser considerado veranico, é
necessária uma duração mínima de quatro dias, às vezes prolongada a várias semanas.
Objetivou-se com este trabalho avaliar a produção de matéria verde (MV) de pastagem de
Tifton 85 sob manejo de irrigação e sequeiro no período das águas.

MATERIAL E MÉTODOS
O experimento foi conduzido no Instituto Federal do Triangulo Mineiro no município de
Uberaba/MG. Os tratamentos propostos foram: Pastagem de Tifton 85 manejada em
condições de sequeiro; Pastagem de Tifton 85 manejada em condições de irrigação. A área
utilizada é de 10 ha de Tifton 85, sendo 5,0 ha para o sistema de pastejo irrigado e 5,0 ha para
o sistema de sequeiro. As pastagens foram manejadas em condições de lotação rotacionada,
recebendo adubação para permitir taxa de lotação de 7 UA/ha durante o período das águas,
mantendo em cada sistema um lote fixo de 11 vacas em lactação para efeito de avaliação do
desempenho animal. O restante dos bovinos para completar a taxa de lotação proposta,
entraram no sistema de acordo com a produção e disponibilidade de forragem no sistema “put
and take” conforme Euclides & Euclides Filho (1997). Cada sistema proposto possui uma
II Seminário Iniciação Científica – IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

área de 5,0 ha. Os sistemas de lotação rotacionada foram manejados com 3 dias de ocupação e
21 dias de descanso durante a época das águas, sendo o sistema formado por 8 piquetes (0,22
ha/piquete). Na época das águas a oferta de forragem foi mantida em 5% do peso vivo médio.
Foi realizada uma avaliação de disponibilidade de forragem sempre que os bovinos mudaram
de piquete, procedendo em função da disponibilidade de forragem o ajuste da carga animal.
No primeiro dia de cada período experimental, foi realizado amostragem de massa forrageira
da pastagem, por meio do corte de quatro áreas delimitadas por um quadrado metálico de 1x1
m, escolhidas aleatoriamente dentro de cada piquete, efetuando-se o corte no nível do solo,
com posterior pesagem do material colhido para determinar a produção de matéria verde. O
delineamento utilizado foi de blocos ao acaso com 12 repetições por tratamento e as médias
foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
De acordo com a tabela 1, a produção de matéria verde de outubro a dezembro e de fevereiro
a março foi superior (P<0,05) na pastagem manejada sob irrigação em comparação a
manejada sob condições de sequeiro. A maior produção observada para o Tifton 85 irrigado
foi dezembro a janeiro com produção de 19555,3 kg/ha de matéria verde, já no sequeiro o
período com maior produtividade foi de janeiro a fevereiro com 9861,4 kg/ha de matéria
verde, essas diferenças podem estar associadas às variações climáticas. Segundo Euclides
(1994) a quantidade e a qualidade de forragem produzida variam dentro e entre as estações do
ano, uma vez que o crescimento da planta forrageira é influenciado pelas características
químicas e físicas do solo e pelas condições climáticas.

Tabela 1. Produção de matéria verde (em kg/ha) de pastagem de Tifton 85 sob manejo de
irrigação e sequeiro no período chuvoso.
Períodos Irrigado Sequeiro Média CV(%)
1 (out-nov 2008) 7908,3a 5687,0b 6797,9 30,9
2 (nov-dez 2008) 13479,1a 7879,6b 10684,4 28,9
3 (dez-jan 2009) 19555,3 8862,5 14208,9 88,7
4 (jan-fev 2009) 697,9a 9861,4b 12779,7 33,9
5 (fev-mar 2009) 12285,4a 7375,0b 9830,2 26,0
Médias seguidas por letras minúsculas distintas na mesma linha diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de
probabilidade.
II Seminário Iniciação Científica – IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

CONCLUSÕES
A irrigação de pastagens de Tifton 85 no período chuvoso propicia maior produção de matéria
verde que a pastagem manejada sob condições de sequeiro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AROEIRA, L.J.M.; MARTINS, C.E.; CÓSER, A.C. et al. Sistemas alternativos para
produção de leite e carne a pasto. In: MARTINS, C.E.; CÓSER, A.C.; ALENCAR, C.A.B.
(Eds.) Sustentabilidade da pecuária de leite e de corte da Região do Leste Mineiro. Juiz
de Fora: Embrapa Gado de Leite, 2004. p.31-50.
DERESZ, F. Produção de leite de vacas mestiças Holandês x Zebu em pastagem de capim-
elefante, manejada em sistema com e sem suplementação durante a época das chuvas. Revista
Brasileira de Zootecnia, v.30, n.1, p.197-204, 2001.
EUCLIDES, V.P.B. Algumas considerações sobre o manejo de pastagens. EMBRAPA-
CNPGC, 1994. Documentos, 57. 31p.
EUCLIDES, V.P.B. ; EUCLIDES FILHO, K. Avaliação de forrageiras sob pastejo. In:
SIMPÓSIO SOBRE AVALIAÇÂO DE PASTAGENS COM ANIMAIS, 1997, Maringá.
Anais... Maringá: UEM, 1997, p. 85-111.
MATOS, L.L. Perspectivas em alimentação e manejo de vacas em lactação. [M.G.]:
Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite, 1996. 5 p. (Comunicado técnico)

Interesses relacionados