Você está na página 1de 34
PROJETO APLICADO DE EDIFICAÇÕES Daniel Lemos Mouço

PROJETO APLICADO DE

EDIFICAÇÕES

PROJETO APLICADO DE EDIFICAÇÕES Daniel Lemos Mouço

Daniel Lemos Mouço

Análise estrutural de lajes

Análise estrutural de lajes

Modelagem de lajes apoiadas sobre vigas

Modelagem de lajes apoiadas sobre vigas Lajes isoladas Cálculo simples Fácil interpretação dos resultados Somente para

Lajes isoladas

Cálculo simples Fácil interpretação dos resultados

Somente para lajes retangulares Somente calcula valores máximos Cálculo simplificado para lajes contíguas Não prevê momentos volventes Somente carregamento distribuído por área

X

Método dos elementos finitos

Melhor descrição do comportamento Qualquer caso de geometria e carregamento Prevê momentos volventes

Difícil interpretação dos resultados Cálculo dependente da discretização. Refino importante

Avaliação pelo método de lajes isoladas

Avaliação pelo método de lajes isoladas
Avaliação pelo método de lajes isoladas

Condições de contorno das lajes isoladas

Condições de contorno das lajes isoladas
Condições de contorno das lajes isoladas

Aproximação por tabelas: lajes isoladas

Aproximação por tabelas: lajes isoladas

Aproximação por tabelas: lajes isoladas

Aproximação por tabelas: lajes isoladas
Aproximação por tabelas: lajes isoladas

Compatibilização dos momentos:

Compatibilização dos momentos: • Após calcular as lajes isoladas, devemos fazer a compatibilização das lajes •

Após calcular as lajes isoladas, devemos fazer a compatibilização das lajes

contíguas; Ao compatibilizar os momentos negativos, os momentos positivos são reduzidos.

Compatibilização dos momentos: • Após calcular as lajes isoladas, devemos fazer a compatibilização das lajes •

Regra prática:

Para momentos negativos, adotar o maior entre:

  • a) MAIOR(0,8M1; 0,8M2)

  • b) (M1 + M2) / 2

A partir dos momentos negativos, corrigem-se os momentos positivos das lajes internas

A partir dos momentos negativos, corrigem-se os momentos positivos das lajes internas

Avaliação por elementos finitos

Avaliação por elementos finitos
Avaliação por elementos finitos

Resultado segundo o MEF

Resultado segundo o MEF Momento em y (kNm/m) Dificuldade na interpretação dos resultados!

Momento em x (kNm/m)

Resultado segundo o MEF Momento em y (kNm/m) Dificuldade na interpretação dos resultados!

Momento em y (kNm/m)

Dificuldade na interpretação dos resultados!

Lajes em nível ou inclinada, contíguas

Lajes em nível ou inclinada, contíguas
Lajes em nível ou inclinada, contíguas
Lajes em nível ou inclinada, contíguas

Lajes em níveis contíguas

Caso r ≥ h1
Caso r ≥ h1
Lajes em níveis contíguas Caso r ≥ h1 Caso r < h1
Lajes em níveis contíguas Caso r ≥ h1 Caso r < h1

Caso r < h1

Aproximação para lajes parcialmente engastadas

Aproximação para lajes parcialmente engastadas
Aproximação para lajes parcialmente engastadas
Aproximação para lajes parcialmente engastadas
Aproximação para lajes parcialmente engastadas
Aproximação para lajes parcialmente engastadas

Laje em balanço

Laje em balanço A laje em balanço não engasta a laje apoiada. No entanto, não temos
Laje em balanço A laje em balanço não engasta a laje apoiada. No entanto, não temos

A laje em balanço não engasta a

laje apoiada. No entanto, não temos como prever o momento de engasta mento.

Como aproximação, usamos a con dição de engaste em L1, mas esta solução pode ser contra a segurança se o momento de engastamento for muito alto.

Carregamentos

Carregamentos Os carregamentos em edificações são normatizados pela NBR 6120 (1980). Nela, estão disciplinados os pesos

Os carregamentos em edificações são normatizados pela NBR 6120 (1980). Nela, estão disciplinados os pesos específicos dos materiais a ser usados nos

projetos assim como as cargas de utilização de edificações.

Carregamentos Os carregamentos em edificações são normatizados pela NBR 6120 (1980). Nela, estão disciplinados os pesos

Adquira sua norma em: www.abnt.org.br

Carregamento permanente em lajes

O carregamento permanente pode ser entendido como a ação do peso dos diversos elementos construídos sobre a laje. No SI, o carregamento é expresso em kN/m²

a)
a)

Peso próprio

Carregamento permanente em lajes O carregamento permanente pode ser entendido como a ação do peso dos

É o carregamento volumétrico causado pela ação da gravidade. No caso de lajes, este carregamento é expresso em termos do peso da laje dividido pela sua área:

Carregamento permanente em lajes O carregamento permanente pode ser entendido como a ação do peso dos

Pesos específicos

Pesos específicos
b) Revestimento na laje É composto por diversas parcelas, tais como: camada de regularização, argamassa de

b) Revestimento na laje

É composto por diversas parcelas, tais como: camada de regularização, argamassa de assentamento, revestimentos cerâmicos (ou naturais). Este

carregamento depende do acabamento a ser utilizado na construção.

Argamassa de contrapiso:

b) Revestimento na laje É composto por diversas parcelas, tais como: camada de regularização, argamassa de

Valores adotados: de 3 a 7 cm, dependendo do caimento utilizado na laje ou

das imperfeições.

b) Revestimento na laje É composto por diversas parcelas, tais como: camada de regularização, argamassa de

Revestimento de piso

Revestimento de piso Existem diversos tipos de piso diferentes no mercado, com composições, tamanhos e pesos
Revestimento de piso Existem diversos tipos de piso diferentes no mercado, com composições, tamanhos e pesos

Existem diversos tipos de piso diferentes no mercado, com composições, tamanhos e pesos diferentes. Além disso, ainda é possível a instalação de piso sobre o piso existente. Desta forma, sugere-se a adoção de um valor a favor da segurança, com 50 kgf/m².

c) Alvenarias

2 Direções:
2 Direções:
c) Alvenarias 2 Direções: 1 Direção: Paralela à menor direção Paralela à maior direção

1 Direção:

Paralela à menor direção

c) Alvenarias 2 Direções: 1 Direção: Paralela à menor direção Paralela à maior direção
c) Alvenarias 2 Direções: 1 Direção: Paralela à menor direção Paralela à maior direção

Paralela à maior direção

c) Alvenarias 2 Direções: 1 Direção: Paralela à menor direção Paralela à maior direção
c) Alvenarias 2 Direções: 1 Direção: Paralela à menor direção Paralela à maior direção

Famílias de tijolos cerâmicos normalmente usados:

Famílias de tijolos cerâmicos normalmente usados: Composição: Nomenclatura em função do posicionamento dos tijolos: Paredes internas
Famílias de tijolos cerâmicos normalmente usados: Composição: Nomenclatura em função do posicionamento dos tijolos: Paredes internas

Composição:

Nomenclatura em função do

posicionamento dos tijolos:

Famílias de tijolos cerâmicos normalmente usados: Composição: Nomenclatura em função do posicionamento dos tijolos: Paredes internas
Famílias de tijolos cerâmicos normalmente usados: Composição: Nomenclatura em função do posicionamento dos tijolos: Paredes internas

Paredes internas típicas:

Chapisco: 5mm Emboço: 15 mm

Reboco: 5mm

Famílias de tijolos de concreto:

Famílias de tijolos de concreto:

Steel frame ou drywall:

Steel frame ou drywall: Enquanto no primeiro sistema construtivo o aço (e as paredes) têm função

Enquanto no primeiro sistema construtivo o aço (e as paredes) têm função estrutural, no segundo, isso não ocorre, servindo apenas de painel de vedação.

Steel frame ou drywall: Enquanto no primeiro sistema construtivo o aço (e as paredes) têm função

Woodframe:

Woodframe: Sistema construtivo muito usado nos EUA. Semelhante ao drywall, mas as paredes são estruturadas por

Sistema construtivo muito usado nos EUA. Semelhante ao drywall, mas as paredes são estruturadas por madeira.

Woodframe: Sistema construtivo muito usado nos EUA. Semelhante ao drywall, mas as paredes são estruturadas por

Exemplo:

Calcule o carregamento atuante na laje, considerando a planta apresentada

Exemplo: Calcule o carregamento atuante na laje, considerando a planta apresentada

d) Demais carregamentos permanentes

d) Demais carregamentos permanentes Piscinas e decks

Piscinas e decks

d) Demais carregamentos permanentes Piscinas e decks

Telhados apoiados sobre lajes

Telhados apoiados sobre lajes Caixas d´água
Telhados apoiados sobre lajes Caixas d´água

Caixas d´água

Telhados apoiados sobre lajes Caixas d´água
Telhados apoiados sobre lajes Caixas d´água

Telhados verdes

Telhados verdes
Telhados verdes

Carregamento acidental em lajes

Carregamento acidental em lajes O carregamento acidental em lajes é obtido através das tabelas e recomendações

O carregamento acidental em lajes é obtido através das tabelas e recomendações da NBR 6120.

Carregamento acidental em lajes O carregamento acidental em lajes é obtido através das tabelas e recomendações

Carregamento acidental

Carregamento acidental

Transferência do carregamento das lajes para as vigas

Método das charneiras plásticas
Método das charneiras plásticas
Transferência do carregamento das lajes para as vigas Método das charneiras plásticas
Transferência do carregamento das lajes para as vigas Método das charneiras plásticas
Transferência do carregamento das lajes para as vigas Método das charneiras plásticas
Transferência do carregamento das lajes para as vigas Método das charneiras plásticas
Transferência do carregamento das lajes para as vigas Método das charneiras plásticas

Transferência dos carregamentos para as lajes maciças armadas em 2 direções

Transferência dos carregamentos

para as nervuradas e armadas em 1 direção

Transferência dos carregamentos para as lajes maciças armadas em 2 direções Transferência dos carregamentos para as
Transferência dos carregamentos para as lajes maciças armadas em 2 direções Transferência dos carregamentos para as

Exercício:

Aplique as charneiras plásticas no problema abaixo, indicando os ângulos das retas

Exercício: Aplique as charneiras plásticas no problema abaixo, indicando os ângulos das retas