Você está na página 1de 3

SEGUNDA AULA DE ÉTICA

( 22/08/2018)

Ética é o conjunto de valores ou padrão pelo qual uma pessoa


entende o que seja certo ou errado e toma decisões.

Qual a diferença entre a ética e a moral?

 A ética é a ideia, o pensamento.


 A moral é normativa, posta em normas, documentos.

Qual a importância da Ética no dias de hoje?

Em um mundo cada vez mais globalizado e com necessidades


relacionais, cada vez maiores, a ética se torna imprescindível em vários assuntos
como:

A ecologia.

A alma

O espírito

A esperança

TIPOS DE VISÕES DE ÉTICAS

1.Ética antinomista

2.Ética generalista

3.Ética situacionista

4.Ética absolutista (não qualificado; conflitante e graduado).

1. Ética antinomista

Significa antilei, ou sem lei. Não há existência de leis morais obrigatórias.


Neste pensamento, as regras não servirão a todo o momento. É preciso analisar
caso a caso, portanto, sem a existência de uma lei moral obrigatória. O
antinomismo não considera a existência das leis morais objetivas, eternas,
contraditórias, mas acentua a responsabilidade individual com dimensões
pessoais, emocionais e finitas.
Alguns exemplos de visão antinomista

• O hedonismo voltado para o prazer relativizando todas as coisas em torno


do prazeroso, ou daquilo que é bom. A dor é má. No entanto, aquilo que
é bom para alguns, pode não ser para outros.

• O emotivismo do mundo contemporâneo contribui para o


desenvolvimento de uma sociedade sem padrões morais, pois argumenta
que a ética é feita a partir de aspectos emotivos. É expressão de nossos
sentimentos, pois o “não matar” é precedido de “não gosto de matar
alguém”, ou “sinto que matar é errado”

• O niilismo apregoa que vale tudo, pois o que entendemos como revelação
divina não é mais obedecido. O homem precisa recriar seus próprios
valores

• “Mentir não é nem certo nem errado: não existem leis.” (GEISLER, 2010,
p. 20)

2.Ética generalista

Afirma que existe uma lei absoluta. É um sistema que contém normas
éticas e se circunscrevem entre os extremos do legalismo e do antinomismo.
Para esta visão, existem apenas uma lei: a lei do amor (ágape)! Acredita que
todos os homens devem agir de forma responsável pelo amor, pois as normas
são apenas contingentes e são válidos se estiverem a serviço, em qualquer
situação, deste sentimento. Dentre seus adeptos, e suas respectivas obras,
estão Emil Brunner (O imperativo divino); Reinhold Niebuhr (Homem moral e
sociedade imoral) e John A.T. Robinson (honesto com Deus) e a influência de
Fletcher (Ética Situacional).

Alguns exemplos de visão generalista

Pragmatismo – “O certo é apenas aquilo que apropriado na maneira como nos


comportamos”. (GEISLER, 2010, p.42) Funciona e satisfaz em prol do amor,
desprezando soluções verbais e abstratas procurando respostas concretas e
práticas
Relativismo – há somente um absoluto e todas coisas estão sujeitas a ele. O
amor é imutável, assim também como o seu mandamento. É preciso esta
lembrança a todo o momento.

Positivismo – Os valores são resultados de uma forma voluntária e não racional.


Não são deduzidos, são pensados e decididos. Exige um passo de fé, não
buscando confirmações, mas justificativas no amor.

3.Ética situacionista

Reivindica que existem algumas leis gerais, mais não existem leis
absolutas. Acredita que o valor de leis éticas auxiliam o indivíduo a determinar
que tipo de ação irá o maior bem para o maior número de pessoas. Os
generalistas negam a existência de leis universais obrigatórias de valores
intrínsecos. Refletem a necessidade da existência de normas, oferecendo a
possibilidade de solução em conflitos, chegando a argumentarem a favor de
normas inquebráveis.

Alguns exemplos de visão situacionista

A necessidade de normas – As normas são necessárias como


mapeadoras do alcance do alvo expresso pelo indivíduo. Os critérios podem
ajudar a conduta do indivíduo. As pessoas precisam usar de princípios
reconhecidos para produzirem bons resultados quando obedecidos.

A solução para normas conflitantes – A solução para o problema acerca


do que fazer quando existe um conflito existe é a obtenção do “maior bem”. Sem
reivindicações de normas absolutas, o generalismo tem um fim absoluto que
funciona como uma norma ao auxiliar o indivíduo a determinar uma curso de
ação quando há um conflito de normas gerais. Existe sempre a possibilidade de
exceções.

“Mentir é certo algumas vezes: existe somente uma lei universal (...) o amor é
única lei absoluta, e mentir pode ser a atitude de amor de que tem de ser
tomada.”