Você está na página 1de 2

EDUCAÇÃO

Disciplina
Positiva

No quotidiano frenético que


a maioria de nós, pais, temos
não há tempo (e, sobretudo,
disponibilidade mental) para
educar no final do dia

Educar sem
gritos
é
nem castigos: p o ssí v e l?
C
“ omo é que se educa uma criança ve incluir sempre firmeza e carinho melhor quando se sentem melhor”,
sem gritos nem castigos?”, per- ao mesmo tempo. começaria por responder, provavel-
guntou-me uma mãe depois de Objetivo: ajudar os mais novos a mente, Jane Nelsen, cuja frase tem
eu lhe explicar o que é a Discipli- resolver problemas e a desenvolver corrido mundo e dá que pensar. No
na Positiva. Desenvolvido por Jane habilidades para a vida, tais como quotidiano frenético que a maioria
Nelsen, psicóloga norte-americana, responsabilidade, autonomia, coope- de nós, pais, temos não há tempo (e,
em conjunto com a colega e amiga ração e autoestima. Mas, afinal, é ou sobretudo, disponibilidade mental)
Lynn Lott, na década de 1980, este não possível educar sem gritos nem para educar no final do dia.
modelo educativo assenta sobretudo castigos? “As crianças portam-se Quando chegamos a casa, temos de
no respeito pela individualidade de


cada criança, no foco nas soluções,
no procurar as razões por detrás do
comportamento, para depois atuar Disciplina Positiva surge como uma opção no meio
sobre ele de uma forma positiva e do caos que existe em muitas casas, porque permite às famílias
efetiva, e também no estímulo con- e aos educadores encontrarem um equilíbrio, um terreno
tínuo, propondo uma atuação por intermédio, que não é nem punitivo nem permissivo
parte de pais e educadores, que de-
8

CRSE_008a009_sem gritar.indd 8 12-12-2017 15:45:35


Por: Dr. Nuno Pinto Martins
Fundador da Academia Educar pela Positiva
e coautor do site de parentalidade chupetavip.pt

Para educar de uma forma mais positiva e efetiva


é essencial que os pais tenham a capacidade
de se acalmar nos momentos de conflito, para
poderem depois agir em vez de reagir, sem entrarem
numa luta de poderes, que não leva a lado nenhum.

ter tudo sob controlo e ser autoritári-


os, na base do “fazer porque eu que-
so reservar tempo de qualidade para
eles (às vezes, cinco minutos de con-
❝ Envolver as crianças
em atividades úteis e
ro, quando eu quero e como eu que- versa entre mãe e filho fazem mila- permitir que participem
ro”. Até que chegamos a um ponto em gres...), saber escutar ativamente em nas soluções para os seus
que nos sentimos culpados por termos vez de ouvir, dialogar, dar importân- próprios problemas faz com
sido demasiado duros e exigentes. E cia ao que pensam e sentem. Envol- que se sintam importantes
“saltamos” para o outro extremo, o da ver as crianças em atividades úteis e, consequentemente,
permissividade, abrindo exceções e fe- e permitir que participem nas solu- diminui os focos de tensão
chando os olhos ao que habitualmen- ções para os seus próprios problemas entre pais e filhos
te estabelecemos como regras. Porém, faz com que se sintam importantes e,
voltamos ao autoritarismo quando já consequentemente, diminui os focos
não nos suportamos por termos sido de tensão entre pais e filhos. Funda- não terá vontade de melhorar a con-
tão permissivos e por vermos os nos- mental é também evitar superprote- duta nem estará a desenvolver sen-
sos filhos serem tão insolentes. Entra- gê-los – em minha casa, por exemplo, tido de responsabilidade, mas sim
mos numa luta de poderes que, inva- não faço nada pelos meus filhos que medo de ser ele próprio. E no futu-
riavelmente, não tem vencedor. eles consigam fazer sozinhos. E não ro, provavelmente, irá repetir aque-
ter medo de pedir desculpa quando le “mau” comportamento ou um ou-
A Disciplina Positiva como erramos, porque isso não nos fragili- tro qualquer igualmente desafiante.
modelo alternativo za, pelo contrário, aproxima-nos e re-
A Disciplina Positiva surge como força a relação, a conexão. Acalmar antes de (re)agir
uma opção no meio do caos que exis- Para educar de uma forma positiva
te em muitas casas, porque permi- O castigo resulta? é essencial que os pais tenham a ca-
te às famílias e aos educadores en- As respostas vão variando: há pacidade de se acalmar nos momen-
contrarem um equilíbrio, um terreno quem ache que sim e que não, e tos de conflito, para poderem depois
intermédio, que não é nem punitivo quem tenha dúvidas. A maioria dos agir em vez de reagir, sem entrarem
nem permissivo, e que se baseia na pais castigam porque é mais fácil e numa luta de poderes, que não leva
tal ideia da firmeza e amabilidade rápido “resolver” os conflitos, e por- a lado nenhum. Nas situações de ten-
ao mesmo tempo. Se é fácil pô-la em que não conhecem alternativas, agin- são, não conseguimos aceder ao nos-
prática? Não. Mas ninguém disse que do muitas vezes por instinto e con- so córtex pré-frontal, zona do cérebro
educar era fácil. É necessário tempo, dicionados por aquela que foi a sua que regula, designadamente, as nossas
paciência e alguma criatividade. No própria educação. O castigo resulta, emoções e as relações com os outros, o
entanto, é algo que requer uma mu- de facto, mas apenas no curto prazo, que faz com que atuemos de forma ir-
dança de consciência. É preciso que os porque põe fim ao “mau” comporta- racional, em linguagem comum. Daí a
pais se consciencializem, em primei- mento no imediato. Porém, quais se- importância de nos acalmarmos antes
ro lugar, de que são a principal refe- rão os resultados a longo prazo? Ima- de atuar. Às vezes, basta respirarmos
rência dos filhos. E que eles são es- gine que o seu superior hierárquico a fundo... Depois, é necessário agir com a
pelhos, absorvem e reproduzem tudo coloca “de castigo” porque fez algo de tal firmeza e carinho ao mesmo tempo,
o que veem e ouvem. Tendo isto pre- errado. Teria vontade de melhorar? passando a mensagem de forma posi-
sente, é necessário haver coerência. Os castigos resultam habitualmen- tiva e sempre com o amor incondicio-
Não podemos dizer-lhes hoje uma coi- te em rebeldia ou submissão, porque nal presente. O simples tom de voz faz
sa e amanhã outra. Também é preci- quem é sistematicamente castigado toda a diferença.
TEXTO E AGRADECIMENTOS: Dr. Nuno Pinto Martins, pai de duas crianças (de sete e três anos), educador parental e em sala de aula com certificações internacionais em Disciplina Positiva 9
(pela Positive Discipline Association, EUA), fundador da Academia Educar pela Positiva (www.educarpelapositiva.pt) e coautor do site de parentalidade chupetavip.pt (www.chupetavip.pt)

CRSE_008a009_sem gritar.indd 9 12-12-2017 15:45:43