Você está na página 1de 28

1

•Módulo 4

•Metodologias e Estratégias Pedagógicas

2
Metodologias e técnicas de ensino e
aprendizagem especificas para adultos
o Andragogia – respeito pelas caraterísticas especificas dos formandos adultos.

o A aprendizagem de adultos deve ser uma Aprendizagem Ativa, que envolva o


formando no seu processo de aprendizagem através da experimentação,
manipulação, descoberta, etc…

3
Metodologias e técnicas de ensino e
aprendizagem especificas para adultos
o Quanto mais ativo e participativo o formando se encontra na formação, maior será
o seu interesse. O Formador deve estimular a sua participação, recorrendo o
máximo possível métodos ativos, para que desta forma o formando interaja e se
sinta um elemento construtivo da formação.

o Naformação de adultos o Formador deve aproveitar as experiencias de cada um


dos formandos para desenvolver competências e estimular novas aprendizagens.

4
Metodologias e técnicas de autoestudo

o Capacitar o formando para aprender de forma significativa e autónoma.

o E-learning- ensino à distância que valoriza o autoestudo.

o Permitirque cada formando aprenda e progrida, ao seu próprio ritmo, com o seu
próprio tempo.

5
Métodos e Técnicas de autoestudo:
o Repetição

o Significado

o Segmentação

o Associação

o Organização

o Visualização

o Atenção

o Motivação

6
Métodos pedagógicos:
• Conjunto coerente de ações do Formador, destinadas a fazer desenvolver:

o A capacidade de aprender novas habilidades;

o Obter novos conhecimentos

o Modificar atitudes e comportamentos

• Implica ordenações de meios e direção a um fim, e consiste na aplicação


coordenada de um conjunto de técnicas e procedimentos.

7
Métodos

Ativos Passivos

Ativo Interrogativo Expositivo Demonstrativo Interrogativo

8
Método Expositivo
• Carateriza-se por:
o Comunicação unilateral/descendente;

o Método tradicional;

o Sessões: coletivas;

o Conteúdo: conhecimentos teóricos;

o Formador: autoridade;

o Formandos: agentes passivos;

o Relacionamento: formal- distanciado.

9
Método Interrogativo
• Caracteriza-se por:
o Comunicação processada nos dois sentidos;
o Formulação de questões;
o Formador: ativo;
o Formando: ativo;
o Promove o desenvolvimento das capacidades cognitivas;
o Método complementar a outros métodos;
o Utilizado quando se pretende controlar um conhecimento adquirido ou promover
a descoberta.

10
Método Demonstrativo
• Caracteriza-se por:
o Transformação do saber teórico em saber prático;

o Utilizado para aprendizagens psicomotoras;

o Exibição da correta execução de uma operação;

o Obedece a 4 etapas da execução (explicitar, demonstrar, executar e controlar);

o Formando ativo: imitação do gesto do formador;

o Permite manejar corretamente ferramentas e equipamentos.

11
Método Ativo
• Caracteriza-se por:
o Formação centrada no formando;

o Formador : animador e facilitador;

o Aprendizagem: pela própria atividade, partilha de experiências;

o Ênfase na descoberta pessoal;

o Avaliação: formativa.

12
Técnicas Pedagógicas

o Conjunto de meios ou formas que o formador utiliza, e que permite por em prática
o método, ou métodos desejados, ou seja, auxilia o método.

o As técnicas utilizadas devem estar sempre de acordo com o (s) método(s)


utilizado(s).

13
Técnicas Pedagógicas
o Trabalho de grupo o Colóquio

o “Brainstorming” o Conferência

o Estudo de caso o Demonstração

o Jogos pedagógicos o Técnica das perguntas

o Autoscopia o Aprendizagem por observação (nos


posto de trabalho)
o Jogo de papeis
o…
o Dinâmicas de grupo

o Exercícios práticos

14
Critério de Seleção dos Métodos e
Técnicas
• Imaginem que estão a criar uma formação, que fatores teriam em consideração na
escolha dos métodos e das técnicas?

• Não poderiam esquecer:


o Os objetivos
o O grupo dos formandos
o O local e o contexto da formação

15
Relações dentro do grupo de Formação
oA aprendizagem faz-se da interação entre os diferentes elementos do grupo
formativo.

o Os trabalhos de grupo favorecem a colaboração e cooperação.

o Aprender com os próprios erros e com os erros dos outros.

o As tarefas são vistas como desafios partilhados.

16
Relações dentro do grupo de Formação
• Teoria Sócio- construtivista de Vygotsky

Um dos principais conceitos é o de “zona de desenvolvimento proximal” que será a


distância entre o desenvolvimento real dos formandos e aquilo que ele tem
potencial de alcançar (entre o ser e o tornar-se).

17
Criatividade Pedagógica
• O formador criativo desafia a inteligência das pessoas que estão consigo, obriga-
as a olhar para os problemas de maneira diferente, a encontrar soluções incomuns
para problemas que afinal não eram bem o que pensavam.

• Como facilitador e dinamizador de aprendizagens, é da responsabilidade do


formador gerar um ambiente propício para atividades diferentes, e antes que o
grupo consiga ganhar asas para encontrar soluções novas de forma autónoma terá
que ser o formador a propor momentos que apelem à inventividade. E aqui, o
mundo é o limite.

18
Criatividade Pedagógica

• O ensino da criatividade (por exemplo, através da realização de programas de


treino específicos), pode constituir um meio de provocar um desenvolvimento
global das pessoas envolvidas, de despertar nelas toda uma série de capacidades
de desenvolvimento pessoal e profissional que muitas vezes estão adormecidas.

19
Caraterísticas da Criatividade Pedagógica
• A) Capacidade de sentir os problemas;
• B) Disposição para vencer as dificuldades em vez de se imobilizar por elas;
• C) Curiosidade;
• D) Apresentação de atividades empreendedoras
• E) Autonomia;
• F) Atenção às diferenças dos formandos, aumentando as possibilidades de
aprendizagem.

20
Potencializar a Atitude Criativa
• Preparar-se para inovar antes da formação. Permita que a sua mente se mantenha
aberta à diferença.
• Comece por por em causa os princípios básicos da sessão que imaginou.
• Imagine, por exemplo, como faria sem a apresentação de powerpoint que
construiu, ou sem a documentação que planeou entregar aos formandos.
• Elabore um plano diferente para a sessão, não se fique apenas pelo plano “B”…o
alfabeto tem muitas mais letras…

21
Potencializar a Atitude Criativa
• Saia da sua zona de conforto e em pouco tempo encontrará outras formas de
desenvolver a sua sessão.
• Use técnicas ativas diferentes e inovadoras
• Os formandos vão gostar da sensação de novidade e contribuirão com a sua
imaginação.
• Todos os grupos são diferentes, encontre alternativas que os surpreendam e
encontrará no seu feedback oportunidades para desenvolver os conteúdos de
forma singular.
• Aprenda com os formandos.

22
Dramatização de Cenários Pedagógicos
• Escuto e esqueço; vejo e recordo; faço e entendo.
(Tao Te King)

• A dramatização é utilizada como forma de expressão e de experiências.


• Esta tática visa promover a aproximação pedagógica e proporciona a participação
da interação dos envolvidos no processo educativo.

23
Inclusão em Grupos Coesos
o “A união faz a força”.

• Respeito pela diferença para criar uma homogeneidade grupal;


• Utilização de diferentes técnicas, processos e produtos;
• Existe uma interdependência entre si, pois trabalham em função de um objetivo
comum, atingido pela contribuição do trabalho desenvolvido por todos;
• Existe a oportunidade de todos participarem nas decisões, o que contribui para a
co- responsabilização.

24
A Coesão do Grupo Permite:
o Que os membros permaneçam juntos;

o Que os membros do grupo confiem e sejam leais;

o Que os membros sejam seguros;

o Que os seus membros se deixem influenciar pelo grupo;

o Que aumente significativamente a satisfação dos seus membros, à medida que o


trabalho se desenvolve;
o Que a interação entre os seus membros se intensifique.

25
Dinamização de atividades indoor e
outdoor
o Indoor-
Mais apropriado para a coesão Grupal, aquisição de conhecimentos e
competência geral.

o Outdoor- Mais adequado para trabalhar o espírito de equipa (Team Building), a


liderança, o autoconhecimento…

26
Vantagens e desvantagens da aplicação
das diferentes técnicas pedagógicas
• O formador deverá utilizar os métodos e técnicas pedagógicas que estejam de
acordo com os seus princípios, com a sua personalidade, com os objetivos e
finalidade de aprendizagem.

• O formador deverá também e, sobretudo, ativar o formando no processo,


levando-o a pensar, duvidar e questionar, de forma racional, a validade daquilo
que vai recebendo, pois só desta forma chegará a reformulações e adaptações, só
desta forma se processará a verdadeira aprendizagem.

27
Caso tenha dúvidas ou questões…
• Use o nosso formulário;

• Mande mensagem ao formador;

• Participe na sessão síncrona.

28

Você também pode gostar