Você está na página 1de 1

PONTILHISMO - Neo Impressionismo

Surgida na segunda metade do século XIX, a técnica do Pontilhismo foi utilizada por pintores franceses neo-
impressionistas. A técnica, também conhecida como Pintura de Pontos, consiste na justaposição de pontos de
cor criando o efeito desejado pelo pintor nos olhos do observador. Os artistas George Seraut e Paul Signac
impulsionaram o Pontilhismo como técnica e o Divisionismo como teoria baseando-se em estudos científicos
do químico Michel Chevreul cuja obra De la loi du contraste simultané des couleurs (Da lei do contraste
simultâneo das cores), publicada em 1839, demonstra que cada cor ao lado de outra, sem serem
mescladas, têm sua aparência original modificada.

Antes do neo-impressionismo, experiências divisionistas foram testadas por Jean-Antoine Watteau (1684-
1721), Eugène Delacroix (1798-1863) e Pierre-Auguste Renoir (1841-1919). São consideradas obras
representativas divisionismo (apresentando técnicas do pontilhismo) Um Domingo de Verão na Grande Jatte
(1886) e Banhistas em Asnières (1884) de Seraut, já no início do neo-impressionismo, bem como Retrato de
Félix Fénéon (1890) e Entrada do Porto de Marselha, (1911) de Signac.

O neo-impressionismo foi um movimento artístico que tanto se desenvolveu a partir do impressionismo como
também se opôs a ele. Apesar de George Seraut manter características impressionistas (pinturas ao ar livre e
representação da luz e cor), suas obras apontam para direção diversa. Ele abandona o foco impressionista na
representação naturalista dos ambientes e na incidência da luz, privilegiando o corte geométrico e a pesquisa
científica da cor. Após a morte de George Seraut, Paul Signac torna-se líder da tradição pontilhista
demonstrando algumas particularidades, como por exemplo, pontos e manchas mais evidentes que obras
divisionistas anteriores.

A influência do neo-impressionismo pode ser observada em obras de Vincent van Gogh (1853-1890), Paul
Gauguin (1848-1903), Henri Matisse (1869-1954) e Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901). No Brasil,
diversos artistas (Belmiro de Almeida, Eliseu Visconti, Rodolfo Chambelland, Artur Timóteo da Costa,
Guttmann Bicho), da época da Primeira República (1889-1930), utilizaram procedimentos divisionistas em
suas paisagens e pinturas decorativas. Influências neo-impressionistas podem ser observadas nas cores claras
e luminosas das obras Efeitos de Sol (1892) de Belmiro de Almeida (1858-1935) e Moça no Trigal (s.d.) de
Eliseu Visconti (1866-1944).