Você está na página 1de 5

Retinoscopia

RETINOSCOPIA

Com estas provas, determina-se o erro refrativo ou defeito refrativo do paciente, sem que este
intervenha no resultado. Esta é a técnica mais importante que deve dominar um optometrista,
já que, além de determinar o defeito refrativo, também obtemos informação qualitativa do
sistema visual através da observação das características do reflexo retiniano (intensidade do
reflexo, oscilações de intensidade, oscilações do diâmetro pupilar, etc.).

GENERALIDADES:

É o método objetivo para investigar, diagnosticar e avaliar os erros refrativos do olho, realizado
com base no princípio dos focos conjugados da retina do paciente e o ponto nodal do
examinador.

Ao iluminar o olho com a luz do retinoscópio, a retina se comporta como um espelho que
absorve e reflete a luz até a pupila do paciente. Este reflexo é o que observa o examinador e
serve para determinar o estado refrativo do paciente.

OBJETIVO

Determinar objetivamente o estado refrativo em visão de longe em pacientes que colaboram


mantendo a atenção sobre um ponto de fixação.

MATERIAL

 Retinoscópio

 Caixa e armação de prova ou foróptero (greens)

 Optotipos

CARACTERÍSTICAS DO RETINOSCÓPIO:

Existem dois tipos de retinoscópio, segundo o feixe de luz que emitem.


Um em forma de ponto e outro em forma de fenda luminosa. Este último permite observar com
maior clareza o eixo do astigmatismo.

DISTÂNCIA DE TRABALHO E VALOR DIÓPTRICO À COMPENSAR

66 cm....................................+ 1.50 D
50 cm....................................+ 2.00 D
40 cm....................................+ 2.50 D
33 cm....................................+ 3.00 D
25 cm....................................+ 4.00 D
20 cm....................................+ 5.00 D
10 cm....................................+ 10.00 D

O sistema óptico do retinoscópio contém um espelho que varia os focos.


O espelho plano reflete os raios paralelos como se viessem do infinito.
O espelho côncavo possui um ponto focal que inverte o efeito dos raios refletidos, por isso o
movimento das sombras se observa contrário ao espelho plano, e se utiliza para confirmar o
ponto de neutralização.

CARACTERÍSTICAS DO REFLEXO RETINOSCÓPICO

 TAMANHO: Nos erros refrativos altos ou médios o reflexo é menor que o diâmetro
pupilar. No ponto de neutralização a pupila fica cheia (como lua cheia)

 INTENSIDADE: Em ametropias altas o reflexo é confuso e tênue.

 VELOCIDADE: Em ametropias altas o deslocamento através da pupila é lento. A


medida que se aproxima o ponto de neutralização, aumenta sua velocidade.

 DIREÇÃO:
Movimento Contra = MIOPIA
Movimento a Favor = HIPERMETROPIA

Tipos de retinoscopia
TIPOS DE RETINOSCOPIA:

 RETINOSCOPIA ESTÁTICA
 RETINOSCOPIA DINÂMICA

RETINOSCOPIA ESTÁTICA

OBJETIVO:

Determinar a refração objetiva para visão de longe, mantendo a acomodação em repouso.

REQUISITOS:

Que não exista TROPIA em visão de longe.

RETINOSCOPIA DINÂMICA

Existem 6 tipos de retinoscopia dinâmica, porém a mais utilizada e difundida é a técnica


dinâmica de Merchan e a que iremos mencionar no ítem a seguir.
OBJETIVO:

Determinar a refração objetiva para visão de longe mantendo a acomodação ativa, fixando
à uma distância próxima.

CARACTERÍSTICAS:

 MONOCULAR;
 COM A ACOMODAÇÃO ATIVA;
 PACIENTE FIXANDO A LUZ DO RETINOSCÓPIO OU A FIGURA IMANTADA NA
CABEÇA DO RETINO;
 REALIZADA A 40 cm DO PACIENTE;
 DESCONTAR DO VALOR FINAL (-1,25 esf), ESTE É O LAG DA ACOMODAÇÃO
DE ACORDO COM A TABELA;
 É UMA RETINOSCOPIA REALIZADA EM CASOS ESPECIAIS, DE CRIANÇAS
NÃO COLABORADORAS, ESTRABISMO E PROBLEMAS ACOMODATIVOS.

REQUISITO:

O paciente não pode ser afácico.


Retinoscopia Estática
Técnica da retinoscopia estática
TÉCNICA DA RETINOSCOPIA ESTÁTICA:

1. Distância de trabalho = escolha sua distância de trabalho de acordo com o comprimento do


seu braço ou com a distância que se sinta cômodo. Mantenha-a constante durante a realização
do exame, já que qualquer variação altera os resultados. Esta distância deve-se compensar do
resultado final por meio de:

• A RL ou lente do retinoscópio é uma lente positiva, cujo valor dióptrico é igual ao inverso da
distância de trabalho em metros e este valor toma-se como ponto de partida.

• Se não utiliza RL, compense a distância de trabalho “NEGATIVA E ALGEBRICAMENTE” da


lente com a qual neutralizou as sombras.

EX: Neutralizou com + 4.00 - 1.00 X 0º


Dist. Trab. = 50 cm (+2.00)
Resultado Final = + 2.00 – 1.00 X 0o

EX: Neutralizou com - 2.00 esf.


Dist. Trab. = 50 cm (+2.00)
Resultado Final = - 4.00 esf

2. Utilize luz ambiente reduzida no gabinete, já que dilata a pupila e lhe ajuda a ver melhor o
reflexo.

3. Caso utilize o foróptero ou greens: Ajuste a cadeira de tal forma que os olhos do paciente
estejam na mesma altura dos seus olhos. Coloque o foróptero diante do paciente com a
respectiva distância pupilar e ajuste o nível do instrumento centrando os olhos nas aberturas.

4. Coloque de forma binocular as lentes de trabalho de acordo com a distância de trabalho.

5. Peça ao paciente que olhe por cima de sua orelha a letra “E” da tabela (20/200).

6. Coloque-se no eixo visual do olho direito do paciente. Observe com seu olho direito através
do retinoscópio o reflexo retiniano. Mantendo os dois olhos abertos (examinador). Não obstrua
com sua cabeça a visão do paciente.

7. Observe o meridiano horizontal com a faixa de luz do retinoscópio na posição vertical. Faça
um suave movimento horizontal e observe a intensidade, velocidade e direção da
sombra. Agora coloque a faixa de luz do retinoscópio na posição horizontal para observar o
meridiano vertical; e com um movimento vertical suave observe as características do reflexo.

8. A direção das sombras que acompanham o reflexo, se comparam com o movimento que se
realiza com o retinoscópio.
Segundo seja este movimento adicione:

Lentes positivas, se o movimento da fenda luminosa para direita gerar uma sombra que
acompanhe para o mesmo lado, dizemos que a sombra é “a favor”. A sombra a favor do
movimento do retinoscópio ocorre no caso de hipermetropia.

Lentes negativas, se o movimento da fenda luminosa do retinoscópio gerar uma sombra


contrária à sua direção, gerando uma sombra “contra”. A sombra contra do movimento do
retinoscópio ocorre em caso de miopia.

Retinoscopia Dinâmica
Técnica da retinoscopia dinâmica
TÉCNICA:

Retinoscopia Dinâmica Monocular de Merchan:

1. Coloque-se à 40 cm do paciente.

2. Oclua o olho esquerdo e peça ao paciente que olhe as figuras do retinoscópio.

3. Observe o movimento da sombra e inicie a neutralização em passos de 0.25 ou de


0.50.

4. O valor para visão de longe se compensa de acordo com a idade e segundo a tabela a
seguir:

IDADE COMPENSAÇÃO
Menos de 40 -------------------------- 1.25
40 – 44 -------------------------------- 1.50
45 – 48 -------------------------------- 1.75
49 – 52 -------------------------------- 2.00
53 – 56 -------------------------------- 2.25
57 – 60 -------------------------------- 2.50
61 – 64 -------------------------------- 2.75
Mais de 64 ----------------------------- 3.00

5. Repita o procedimento para o olho esquerdo.

6. Geralmente esta técnica se desenvolve logo depois de ter obtido o dado refrativo
mediante a retinoscopia estática, no quepermite uma análise objetiva sobre o estado da
acomodação do paciente. A retinoscopia dinâmica é de 0.50 a 0.75 dpts mais positiva
que a retinoscopia estática. Se a diferença é maior ou menor, indicará problemas na
acomodação.