Você está na página 1de 61

Pag.

122

ra, tanto mais assustador porque pode permanecer quase tácito e através do qual opera algumas das
limitações ou mutilações ignoradas que os sistemas escolares sempre nos infligem.

Vemos aqui a função do conceito de arbitrariedade cultural (muitas vezes colocado em questão
pelos meus críticos): o instrumento de ruptura com a doxa intelectualizada. 16 intelectuais são, na
minha opinião, o menos propensos a tomar consciência da violência simbólica (em o exercido pelo
sistema escolar), porque eles próprios sofreram mais intensamente do que a maioria das pessoas e
porque continuam incentivar o seu exercício.

Em datas recentes, você estendeu sua elaboração do conceito de violência simbólico em um


ensaio sobre a divisão sexual do trabalho (1990c), onde suporta em uma combinação, fontes de
referência incomuns - seus próprios materiais dados etnográficos relativos à sociedade? • Gelin
tradicional, a visão literária de Virginia Woolf e textos clássicos de filosofia (de Kant a Sartre) tratados
como documentos antropológicos -, para ilustrar a especificidade teórica e histórica da Dominação
niascuiina. 1
Para ilustrar a lógica da dominação masculina que aparentemente constitui forma
paradigmática de violência simbólica, decidi basear a análise em minha própria pesquisa etnográfica
sobre os cabilños argelinos, por dois motivos. Primeiro, queria evitar a especulação vazia de discursos
Teorias e clichês relativos ao sexo e poder que até agora contribuiu para dificultar em vez de facilitar o
debate. Em segundo lugar, recorri a este procedimento para evitar a dificuldade crítica que origina o
exame de Dominação sexual: lidamos, neste caso, com uma instituição registrada por milênios na
objetividade das estruturas sociais e na subjetividade da estruturas mentais, de tal forma que a análise
tenha todas as oportunidades usar categorias de percepção como instrumentos de conhecimento ou de
pensamento que deve ser tratado como objetos de conhecimento. Esta sociedade montanhosa do norte
da África é particularmente interessante ser um autêntico museu cultural que manteve a atualidade,
através de suas práticas rituais, suas poesias e tradições orais, um sistema de representações ou,
melhor, um sistema de princípios de visão e visão comum a toda a civilização mediterrânica e que eles
vivem, até hoje, em nossas estruturas mentais e, em parte, em nossa estruturas sociais. Então, eu
abordo o caso dos cabileilos como espécie de "imagem amplificada" em que podemos decifrar mais
facilmente as estruturas fundamentais da visão de mundo masculina: cosmologia "Falonarcisista"
publicamente e coletivamente exibido por eles obcecado nosso inconsciente
LA VIOLENCIA SIMBÓLICA 123

Esta leitura demonstra, acima de tudo, que a ordem masculina é tão Ingrained que não requer
justificação: se impõe como evidente e universal (homem, vis •), é esse ser peculiar que se experiencia
como universal, monopolizando o ser humano, isto é, homo). Tende a ser admitido como auto-
evidente, em virtude do quase perfeito e imediato acordo que se estabelece entre, por um lado,
estruturas sociais como as que expressar na organização social do espaço e do tempo e da divisão
sexual de trabalho e, de outro, as estruturas cognitivas inscritas nos corpos e as mentes. Com efeito, os
dominados, neste caso, as mulheres, aplicam-se a qualquer objeto do mundo natural e social e, em
particular, da relação de dominação em que estão presos, bem como às pessoas através de que esta
relação é verificada, esquemas de pensamento impensados que são o produto da incorporação dessa
relação de poder na forma de pares de palavras (alto-baixo, grande-pequeno, fora-dentro, direito-
curvado, etc) e que os levam a construir essa relação do ponto de vista dos dominantes, isto é, natural
C01710.
O caso da dominação masculina mostra melhor que qualquer outro violência simbólica é
verificada através de um ato de conhecimento e ignorância localizada além dos controles da
consciência e da vai, na escuridão dos esquemas de habitus, que são, ao mesmo tempo, sexado e
sexagem. Também mostra que não é possível entender violência simbólica sem excluir a oposição
entre coerção e consentimento,imposição externa e impulso interno. (Depois de dois séculos de
Platonismo difuso, é difícil conceber que o corpo possa "pensar" de acordo com uma lógica que não é
a da reflexão teórica). Ou seja, pode-se dizer que a dominação masculina consiste naquilo Nós
chamamos isso de "uma prisão por dívidas". O trabalho de socialização tende a efetuar uma
somatização progressiva das relações de dominação sexual: impõe uma construção social da
representação do sexo biológico que é, em si, a base de todas as visões míticas do mundo; também
Inculca um corpo hexis que é uma autêntica tina incorporada política. Em outro palavras, a sociodice
masculina deve sua eficácia específica ao fato de que legitima a relação de dominação inscrevendo-a
num esquema biológico que é, em si, uma construção social biologizada.
Este duplo trabalho de inculcação, ao mesmo tempo sexualmente diferenciado e sexualmente
diferenciando, impõe aos homens e mlijer -é conjuntos disposições diferentes em relação aos jogos
sociais considerados fundamentais, como os jogos de honra e guerra (fatos para facilitar a exposição da
masculinidade, da virilidade) ou, nas sociedades avançado, todos os jogos mais valiosos, como
política, negócios,ciência, etc. Através da masculinização dos corpos masculinos e a feminização dos
corpos femininos, uma somatização é realizada do arbitrário cultural, isto é, uma construção duradoura
da incógnita
124 RESPUESTAS

cient. Tendo demonstrado isso, eu passo de uma ponta do espaço cultural o outro, para
explorar essa relação original de exclusão do ponto de vista vista do dominado, como expresso em
Virginia Woolf (1990c). Para o farol propõe uma análise extremamente lúcida de uma dimensão
paradoxal dominação simbólica, uma dimensão quase sempre ignorada pelos críticos feminista, isto é,
a dominação do dominante pela sua dominação, um olhar feminino para o esforço desesperado e
bastante patético que tudo o homem deve executar, em sua inconsciência triunfante, a conformidade
com o representação dominante do homem. Além disso, Virginia Woolf permite entender como, pelo
fato de que eles não conhecem o illusio que leva para se envolver nos jogos centrais da sociedade, as
mulheres escapam (relativamente) à libido dominarsdi que nasce dessa participação e, ortanto, são
socialmente propensos a adquirir uma visão relativamente lúcida de jogos masculinos nos quais eles
normalmente não participam – exceto aquisição.
Há ainda, para explicar o enigma, dos status mais baixos quase univeisaintente atribuído para
as mulheres. Aqui, você propõe uma solução congruente, embora diferente, com algumas respostas
feministas (ver, por exemplo, O'Brien, 1981).
Para explicar o fato de que, na maioria das sociedades sabido, as mulheres estão destinadas a
diminuir posições sociais, é necessário considerar a assimetria dos estatutos atribuídos a cada um dos
sexos na economia das trocas simbólicas. Em tanto que os homens são os sujeitos de estratégias
matrimoniais através do que buscam manter ou aumentar o capital simbólico, as mulheres eles são
sempre tratados como objetos dessas trocas dentro dos quais eles circulam como símbolos predispostos
a selar alianças. Sendo assim Investido com uma função simbólica, as mulheres são forçadas a
trabalhar continuamente para salvaguardar o seu valor simbólico, em conformidade com o homem de
virtude, definido como castidade e modéstia, e provendotodos os atributos corporais e cosméticos
suscetíveis de aumentar sua valor físico e seu poder de atração. Este objeto propriedades conferidas ao
mulheres é particularmente visível na importância que o sistema mítico-ritual Cabileño concede sua
contribuição reprodutiva. Este sistema nega paradoxalmente, o trabalho estritamente feminino de
gestação (do mesmo maneira que nega o trabalho agrícola no ciclo agrário) para o benefício de a
intervenção masculina no ato sexual. Da mesma forma, em nossas sociedades,o papel privilegiado que
as mulheres desempenham na produção simbolicamente, tanto em casa como fora, é sempre
desvalorizado, quando não ignorado.
Assim, a dominação masculina é baseada na lógica da economia do trocas simbólicas, isto é,
na assimetria entre homens e mulheres

LA VIOLENCIA SIMBÓLICA 125

mulheres que é instituído na construção social do parentesco e casamento, do sujeito e do


objeto, do agente e do instrumento. E é o autonomia relativa da economia de bens simbólicos que
explica como a dominação masculina pode se perpetuar apesar das transformações nos modos de
produção. Daí se segue que ele só pode espere libertação feminina autêntica através da ação coletiva
com o objectivo de quebrar na prática a concordância imediata do estruturas incorporadas e objetivas,
isto é, através de uma revolução simbólico capaz de questionar as bases da produção e reprodução do
capital simbólico e, em particular, a dialética da pretensão e a distinção subjacente à produção e
consumo de bens cultural como um sinal de distinção.

Anotações
1 Veja 1975a; 1977c; 1980j, pp. 95-112, 121-142; 1983e; bem como Bourdieu e Boltanski (1975a),
para uma explicação detalhada desta análise.
2 Será apresentada uma apresentação da distinção entre níveis e modos de análise estrutura e
interação na exegese crítica de Bourdieu (1971f, em particular a pp. 5-6; 1971c; 1980f, p. 98; 19870 da
sociologia da religião de Weber, onde reformula em termos de estrutura as relações entre os agentes
religiosos queWeber descreve em termos de interação. Esta distinção entre o estrutural e
A análise interacional é ilustrada no estudo das estratégias discursivas vendedores e
compradores de casas particulares implantam durante as fases de informação e barganha, onde
Bourdieu mostra como "a análise do discurso é autoformação,procurá-los apenas no discurso, para
descobrir as leis da construção da fala, que estão nas leis de construção do espaço de produção do
discurso "(Bourdieu e Christin, 1990, p. 79). Essa mesma distinção será observada mais adiante na
análise dodebates pós-eleitorais transmitidos pela televisão.
3 Em sua teoria sobre atos de fala, Austin (1962) analisa uma classe de expressões (por exemplo, "Eu
dou a este navio o nome da Rainha Elizabeth") que ele chama de "performativos",e isso não pode ser
descrito como verdadeiro ou falso, mas apenas como "sorte" (parabéns)ou "infeliz", conforme estejam
ou não em conformidade com certos "procedimentos convencionais". Então, o O filósofo sugere
claramente que sua eficácia simbólica depende das condições institucionais; mas, em vez de examinar
o caráter social dessas condições (de agente, momento, lugar,autoridade, etc.), limita-se a uma
distinção lingüística entre atos "locucionários", "perlocucionários" e "ilocucionário" (ver Thompson,
1984, pp. 47-48, para uma discussão sobre ponto). Fornel (1983) propõe uma análise teórica mais
detalhada da noção de "fortuna" de Austin, do ponto de vista de uma pragmática lingüística inspirada
na economia Política de linguagem de Bourdieu.
4 John Thompson (1991) explica essa questão de forma muito convincente. Snook (1990) ele também
examina em seu ensaio sobre a influência de Nietzsche e Wittgenstein no A concepção de linguagem
de Bourdieu.
5 Laks (1983) oferece uma ilustração empírica detalhada da correspondência sistemáticaexistente entre
as práticas sociais e linguísticas de um grupo de adolescentes dos subúrbios Parisienses, graças a uma
construção meticulosa de seu habitus de classe.
6 Este estudo, escrito na Alemanha por Bourdieu, por ocasião de uma estadia no Max Plank Institut für
Sozialforschung, foi publicado em alemão pela Syndicat Verlag, em

5. Para uma real politica da razão 199


Em um artigo publicado em 1967, em Social Research (Bourdieu e Passeron, 1967, p. 212),
você expressou a esperança de que, "embora a sociologia americana poderia, num dado momento e
devido ao seu rigor empírico, ser a má consciência científico da sociologia francesa '; A sociologia
francesa poderia "em virtude de sua exigência teórica, tornar-se a má consciência filosófica da
sociologia American. "Aliö ra, vinte anos depois, o que você pode nos dizer sobre isso?
Bachelard ensina que a epistemologia é sempre conjuntural e que a sua As proposições são
determinadas pelo principal risco do momento. Atualmente, a maior ameaça é a crescente divisão entre
teoria e pesquisa empírica que podemos observar em todos os lugares e que alimenta o
desenvolvimento paralelo de perversão metodológica e especulação teórica. Por esta razão, penso que
o que deve ser posta em causa é a distinção entre teoria e atividade empírica, e isso, na prática e não
em uma retórica Se a sociologia francesa tem que se tornar uma má consciência da sociologia
americana - ou vice-versa - então deve ser superar essa separação primeiro aplicando uma nova forma
de prática base científica baseada em uma maior demanda teórica, ao mesmo tempo que em um maior
rigor empírico

Então, qual é o ponto em que podemos babar do progresso científico? Isso realmente
avançou? sociologia no curso destas últimas décadas ou ainda estamos lutando contra os mesmos
males, é decil; os da "teoria suprema" e do "empirismo" Resumo, "que C.-Wright Mills diagnosticou
durante a década de 1950?
Em certo nível, o panorama sociológico não mudou muito durante o último quarto de século.
Por um lado, a pesquisa empírica em geral continua a fazer perguntas que são muitas vezes o produto
do significado acadêmico comum e não um pensamento científico digno desse nome
130 RESPOSTAS

Esta pesquisa empírica é freqüentemente definida por uma "metodologia"muitas vezes


concebida como uma especialidade em si, composta de uma coleção de receitas e preceitos técnicos
que todos devem respeitar, não para o propósito de conhecer o objeto, mas para ser (re) conhecido
como conhecedor do dito objeto. Por outro lado, temos o retorno de uma forma de a "teoria suprema"
(Grand Theo / 1y), separada de toda prática de pesquisa. A pesquisa positivista e a teoria teórica andam
de mãos dadas; isso Eles completam e se reverenciam. No entanto, em outro nível, as ciências redes
sociais sofreram profundas mudanças. Desde a crise do ortodoxia Lazarsfeld-Parsons-Merton dos anos
sessenta, multidão de desenvolvimentos surgiram e abriram um novo espaço para o debate (1988j).
Eu acho que aqui, entre outras correntes, na "revolução microsociológica" (Collins, 1985) defendido
pelo interacionismo simbólico e etnometodologia, ou em numerosas investigações de natureza
feminista. O ressurgimento de uma corrente histórica poderosa em "macrossociologia" e, agora, em
sociologia cultural, bem como alguns dos novos trabalhos em sociologia organizacional e econômico,
etc., tiveram efeitos positivos.
Mas, mais do que o progresso, seria útil falar sobre os obstáculos contra progresso e os meios
para superá-los. Sociologia é uma ciência muito mais avançado do que seus críticos, incluindo
sociólogos, gostariam reconhecer Conscientemente ou não, o estado deuma disciplina aplicando um
modelo evolutivo; a famosa imagem hierárquica das ciências de Auguste Comte ainda perdura em
nossas mentes como uma espécie de hit-parade ideal e as chamadas ciências "duras" são considerados
como o parâmetro com base no qual o as chamadas ciências "suaves". Um dos fatores que impedem o
progresso cientista nas ciências sociais é o fato de que havia, no passado, numerosas tentativas de
copiar a estrutura das ciências "duras"; Eu acho por exemplo, no paradigma macio e falso que se
cristalizou com Parsons após a Segunda Guerra Mundial e que a sociologia dominada Americano, bem
como a maioria da sociologia global para meados dos anos sessenta.
Ortodoxias científicas são o produto de uma simulação de ordemcientista que não se
conforma com a lógica agonística da ciência, mas para a representação da ciência projetada por uma
certa epistemologia positivista. (Um dos méritos de Kuhn tem sido pulverizar esse tipo de ortodoxia
positivista que imitava a cientificidade em nome de acumulação, codificação, etc. Simulação
semelhante de uma simulação de a ciência era, de fato, um fator de regressão. Porque, em honra do
verdade, um campo científico autêntico é um espaço onde pesquisadores concordar com as áreas de
discordância, bem como instrumentos através dos quais eles estão em posição de resolver acordos e
nada mais.)
PARA Uma real politica da razão 131

Na sua opinião, como deve ser o campo sociológico? Você poderia esboçar sua visão do que
isso poderia ser?
A ortodoxia americana dos anos 50 foi organizada através de uma negociação tácita: o
primeiro oferece a "grande teoria"; o segundo, "as estatísticas multivariadas", e o terceiro, as "teorias
médias" alcance ", que é a tríade capitolina do novo templo acadêmico. você diz que a sociologia
americana é a melhor do mundo e que todos os outros são apenas versões imperfeitas e, para
completar, um certo Terry Clark escreve uma pseudo-história da sociologia durkheimiana e francês,
mostrando que este último nada mais é que um estágio transitório no em direção a uma sociologia
cientificamente científica que, naturalmente, começa e termina nos Estados Unidos. Este esquema é o
que eu lutei quando Eu entrei na sociologia.
Outra maneira de simular a ciência é ocupar uma posição grau universitário de poder que
permite controlar as outras posições, programas de ensino, requisitos acadêmicos, etc., em uma
palavra, mecanismos de reprodução da universidade (1984b), e impor uma ortodoxia Situações
semelhantes de monopólio não têm nada a ver com um campo científico. Este último é um universo
autônomo onde, por se enfrentam, os investigadores devem desistir de todas as armas científico,
começando com os braços da autoridade universitária. Em um campo universitário autêntico, é
possível se envolver livremente e opor-se violentamente a qualquer contraditório com as armas da
ciência, porque a posição ocupada não depende dele ou porque é possível obter outra posição em outro
lugar. A história intelectual mostra que um ciência controversa, objeto de discussões e cheia de
autênticos conflitos, isto é, cientistas, é mais avançado que uma ciência onde um consenso baseado em
conceitos elásticos, programas ambíguos e tratados coletivo.
Em um campo vigorosamente autônomo, como o campo é hoje da matemática, o matemático
ansioso para triunfar sobre seus rivais apenas Você pode conseguir isso usando armas matemáticas,
sob pena de auto-exclusão. Por quê?
Portanto, devemos tentar estabelecer uma cidade científica onde as intenções mais obscuros
são forçados a sublimar na expressão científica. Este aqui visão não é utópica e eu poderia propor
medidas muito específicas para faça acontecer; por exemplo, elevar o nível de censura científica
através de uma série de ações destinadas a elevar o nível de treinamento, a exigência de um nível
mínimo de competência científica para entrar no campo, etc.
Em suma, é possível criar condições de tal forma que o mais medíocre dos participantes é
obrigado a comportar-se de acordo com os padrões científicos vigentes na época considerada. Os
campos

139 RESPUESTAS
cientistas mais avançados são o cenário de uma alquimia através da qual olibido dominarsdi
cientificamente é necessariamente transformado em libido sciendi(1990a, p.300). Essa é a razão da
minha resistência ao consenso suave de que, minha maneira de ver é a pior de todas as possíveis
situações científicas: de outra coisa, vamos até segurar conflitos!
_Está além da superação entre o medo e a empolgação, você denunciou numerosos dualismos
ou antinomias que impedem o desenvolvimento de uma ciência exata sociedade
Esses dualismos são persistentes e às vezes me pergunto se é possível neutralizá-los.Esta é uma das
primeiras tarefas de uma verdadeira epistemologia, isto é, uma epistemologia que inclui conhecimento
das condições redes sociais em que operam os esquemas científicos. Existem oposições (por exemplo,
a oposição entre individualismo e - não tenho certeza do que outra coisa - "holismo", "totalitarismo",
etc.) que estão completamente ausentes ou seja, que foram destruídos mil vezes ao longo da história,
mas eles sempre podem ser reativados com facilidade, obtendo - e isso É muito importante - ganhos
em todas as ocasiões. Em outras palavras, o demoli-los tem um custo enorme, porque eles estão
inscritos na realidade social você tem que quebrar, demonstrar, convencer, checar, construir
instrumentos que os fazem desaparecer, invente uma linguagem que permita escapar a elas; e todo esse
trabalho pode, a qualquer momento, ser totalmente aniquilado Por este motivo, é sempre necessário
recomeçar. Alain disse que "a conversa sempre acontece no nível mais estranho"; aqui, o mais estranho
pode sempre confiar no senso comum, invocar sempre o significado comum, que lhe dará a razão.
Há pessoas que, uma vez que as ciências humanas existem, isto é, de Durkheim na França,
não pararam de anunciar o "retorno do sujeito", o ressurreição da pessoa, artisticamente sacrificada
pelas ciências do homem. E essas pessoas são cada vez mais ouvidas e aplaudidas. Existem tantos os
indivíduos que pensam que existem como pessoas. Por que eles estão tão atrasados? a sociologia da
literatura e a sociologia da arte? Porque eles são terra onde os investimentos em todos os sentidos da
palavra em identidade A equipe é enorme. Então, quando o sociólogo chega, se ele realiza operações
científicas banais ou lembre-se que o que existe é o relacionamentos, enfrenta resistências gigantescas.
Está exposto em todos os momentos ser desafiado em nome do senso comum. Existem pessoas cuja
função histórica é retornar o marcador para zero. A ciência está ampliando sua peña, avançando pouco
a pouco, mas sempre tem alguém que diz: "fulano nega existência do indivíduo ... que escândalo!
"(ou," Mozart não deixa de ser muito superior ao Aznvour. ") Há muito a ganhar com esse tipo de
observação. Seu autor está posando como um intelectual ...
PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN I 33

De fato, o debate entre a "filosofia do sujeito" e a "filosofia sem sujeito"(como os "filósofos


do sujeito", isto é, Ricoeur e outros, disseram durante Década de 1960) é uma das formas adotadas pela
luta entre ciências do homem e da filosofia, que, confundindo todas as tendências,sempre suportou
muito mal a existência das ciências humanas, percebida como uma ameaça à sua hegemonia, e ele
sempre resistiu a aceitar o princípios fundamentais do conhecimento científico do mundo social; em
em particular, o "direito à objetificação" que o sociólogo se auto-apropria ou o historiador digno desse
nome. Nesta luta - isso ficou evidente no Tempo de Durkheim, mas permanece assim, ainda que de
forma mais encoberta, a de João Paulo II e "direitos humanos" - os filósofos e filosofias que podem ser
caracterizados confusamente como espiritualistas, idealistas, "personalistas",etc., eles estão, é claro,
nas primeiras filas de combate. E para quem conhece a lógica (se não a lei) das alternâncias periódicas
de duas filosofias (mais valeria a pena dizer "visões do mundo"), o "retorno do sujeito" Tão celebrado
hoje pelas nossas revistas não é nada surpreendente: o triunfo, durante os anos sessenta, da "filosofia
sem sujeito" (com a "morte do homem" e outros comentários destinados a escandalizar Leitores Esprit)
foi apenas, como salientamos no artigo intitulado "Morte e ressurreição da filosofia sem sujeito"
(Bourdieu e Passeron, 1967),a "ressurreição" (mais sofisticada) da "filosofia sem sujeito", incorporada
na tudo pela sociologia durkheimiana, contra a qual a geração foi erguida do pós-guerra imediato - o
Aron da Introdução à filosofia da história e o Sartre do Ser e nada - e esse existencialismo condenará
as gimnasias (Eu penso no livro de Monnerot, hoje esquecido por aqueles, às vezes "sociólogos", que
repetem acreditando que eles inventam, Les faits sociaux ne sontas des choses). E a reação dos recém-
chegados nos anos setenta e oitenta contra aqueles que então dominaram o campo (em particular,
Foucault) - e que um ensaísta anti-sociológico, através de um sociologismo intrépido, chamado"o
pensamento de 68" - teve que propiciar, graças a uma conjuntura política de Depoimento muito
favorável, um retorno à defesa do indivíduo e do pessoa, da Cultura e do Ocidente, dos Direitos
Humanos, bem como do humanismo.
Esses conflitos aparentes, que mobilizam jornalistas e ensaístas, mesmo que aqueles que, no
campo científico, desejam obter um suplemento de notoriedade em responder à den -landa de um
"suplemento de alma ", disfarçam as oposições reais que são raramente relacionadas, enos diretamente,
com conflitos "mundanos". O espaço onde colocar o pesquisador não é a "corrente", seja a corrente
político ou "intelectual", entendido pelo que é discutido no "páginas gratuitas" dos jornais e
publicações semanais, mas o espaço relativamente intemporal - Marx e Weber, Durkheim e Mauss,
Husserl e Wittgenstein, Bachelard e Cassirer fazem parte disso, assim como Goffman

134 RESPUESTAS
Elias ou Cicourel - e totalmente internacional, daqueles que contribuíram para produzir a
problemática que enfrenta e que, muitas vezes, nada tem o que fazer com os problemas que surgem - e
que representam para ele – quem Eles mantêm os olhos no presente imediato.

E o mesmo princípio se aplica à maioria dos dualismos ...


`Por que esses dualismos são difíceis de erradicar? Em grande parte porque estão
predispostos a servir como um ponto de encontro para campos dentro campos, que são organizados em
torno de divisões antagônicas. Seu freqüência e proliferação é porque elas são a expressão natural, e
em certas forma sócio-lógica, dos espaços sociais constituídos em torno das divisões dualistas Se o que
estou dizendo é verdade, é fácil perceber que não é suficiente refutar um dualismo para acabar com
isso. Esta é uma ilusão intelectualista ingênuo e perigoso. Sabe-se que não basta descobrir o que é
metodologicamente correto; Você tem que fazer isso e você consegue que seja aceito. O A
epistemologia pura é freqüentemente impotente quando não é acompanhada Para uma crítica
sociológica das condições de validade (le epistemologie. Portanto, através de argumentos
epistemológicos, não é possível destruir um Streit (debate) em que as pessoas têm interesses
adquiridos. Eu acho que também Se você quisesse parar o avanço da ciência social, seria o suficiente
para lançar, como um osso é lançado em cães, St, ieiten. idiotas Infelizmente, o campo rancês é deste
tipo: não há Streit que não pegue. enraizadas em antagonismos sociais, irredutíveis, é que Eles têm
outro suporte social: pedagogia. Eu vim para pensar e dizer que o principal obstáculo ao avanço do
conhecimento científico, pelo menos nas ciências sociais, são os professores. Para ensinar, eleseles
precisam (e eu digo isso com total conhecimento, porque eu fui professor) oposições simples. Os
dualismos facilitam muito seu trabalho: eu tenho tila programa com uma primeira parte X, uma
segunda parte Y, e uma terceira parte, que eu sou eu mesmo Há alguns falsos debates mortos e
enterrados (interno-externo é um, qualitativo-quantitativo é outro) que apenas subsistem porque os
professores precisam deles para viver, porque eles permitem que eles elaborem currículos e
dissertações.

A sociologia da sociologia, embora não possa, por si só, destruir esses forças - isso seria o
mesmo que acreditar, mais uma vez, na força intrínseca do idéias verdadeiras, pode pelo menos
enfraquecê-los. Tem a capacidade de desenvolver reflexividade, para nos lembrar que, quando dizemos
algo, podemos obedecer motivos, mas também faz com que. E se imaginarmos uma cidade científico
utópico onde a sociologia da sociologia uniformemente difundido, isto é, em que essas artes marciais
do espírito eram acessível a todos, notamos a transformação de toda a vida científica.

PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN 135


Isso, desde que não foi reduzido à visão de Thersites. (Como pode perceber, não é possível
arriscar uma recomendação prática sem ver forçado a fazer uma recomendação contra o provável uso
do dito recomendação ...).
Como poderíamos traduzir esse conhecimento das dificuldades especiais dociência social em
formas concretas de ação ou organização, a fim de fortalecer a autonomia científica e reflexividade?

A existência de um corpo comum de instrumentos de reflexividade, dominados e usado por


todos, seria um fator muito poderoso de autonomia (o ausência de uma cultura epistemológica nima
nima explica por que pesquisadores tantas vezes eles constroem teorias de sua prática que são menos
interessante que sua prática de teoria). Mas devemos também mencionar o problema do financiamento.
Ao contrário de outras atividades intelectuais (em particular, filosofia), a sociologia tem um alto custo
(e reditúa) pouco). E é fácil se envolver no contrato de um contrato que exigir outro contrato (do qual
você não sabe muito bem se você é financiar as necessidades da pesquisa ou do pesquisador ...).
Haveria desenvolver uma política racional para a gestão das relações com os que conceder fundos para
as investigações (seja de agências governamentais, fundações ou patrocinadores privados). Outro
princípio: é necessário incluir na concepção do programa de pesquisa as condições real de sua
realização. Um ótimo questionário, um magnífico corpo de hipótese e um programa de observação
impecável que não contém condições práticas de sua realização são nulas e sem efeito. Disse isso, essa
forma de realismo científico não é ensinada, nem é inscrita espontaneamente no habitus da maioria das
pessoas que estão envolvidas para as ciências sociais. Eu vejo centenas de projetos de pesquisa muito
os brilhantes que abortam por não terem integrado as condições sociais de possibilidade de um
programa concebido em abstracto. Em uma palavra e em termos mais gerais, você tem que aprender a
evitar ser o brinquedo das forças habilidades sociais na prática da sociologia.

Sua extrema vulnerabilidade às forças sociais é o que me determina modo de ver, a


particularidade da sociologia e a dificuldade vivida afirmar sua cientificidade, isto é, alcançá-lo e obter
reconhecimento.A lém disso, acho que nem todas as discussões de estilo de Dilthey em torno do
caráter particular das ciências humanas, das ciências redes sociais obedecem às mesmas regras que
outras ciências: é produzir sistemas explicativos coerentes, hipóteses ou proposições organizadas em
modelos parcimoniosos capazes de representar um grande número de fatos que são empiricamente
observáveis e suscetíveis de serem refutados por modelos mais poderoso, regido pelas mesmas
condições de coerência

136 RESPUESTAS
lógica, sistemática e refutabilidade empírica. Toda vez que eu falo com meus amigos químicos, físicos
ou neurobiólogos, estou impressionado com as semelhanças existente entre a sua prática e a minha.
Um dia típico do sociólogo, com sua escores experimentais, análise estatística, leituras de artigos
especializados e discussões com colegas, é muito semelhante ao de um cientista comum.

Você rejeita o status único que deve ser atribuído à sociologia?

A maioria das dificuldades encontradas pela sociologia deve-se, precisamente, ao fato de


sempre: espera-se que seja uma ciência diferente dos outros. Na verdade, muito ou muito pouco é
esperado disso. Y Há sempre muitos "sociólogos" para responder a mais expectativas louco. Se fiz
uma lista de todos os assuntos sobre os quais os jornalistas me pedem entrevistas, você ficaria com
medo: esses tópicos incluem desde a ameaça de uma guerra nuclear até o comprimento das
saias,passando por problemas como a evolução da Europa Oriental, os rowdies ou a área dos Halles.
As pessoas dão ao sociólogo o papel de profeta capaz de dar respostas (aparentemente) coerentes e
sistemáticas todos os problemas da sociedade. Esta função é excessiva e insustentável; é tolice atribuí-
lo a qualquer um. Mas, ao mesmo tempo, ele se recusa ao sociólogo o que ele tem todo o direito de
reivindicar, ou seja, o capacidade de fornecer respostas precisas e verificáveis a perguntas que ele está
em posição de construir cientificamente.
A particularidade da sociologia é devida, em grande parte, à imagem social que os profanos
têm dela (o mesmo que muitos especialistas). Um Durkheim gostava de dizer que um dos principais
obstáculos para constituição de uma ciência da sociedade é que, nesses assuntos, todos se sentem
especialistas. Por exemplo, jornalistas que nunca eles sonhariam em refutar a biologia ou os trabalhos
físicos ou até mesmo em se envolver em uma discussão filosófica entre um físico e um matemático,
eles não têm Eu estou relutante em ensinar sabiamente sobre o que eles chamam de "o problemas da
sociedade "e para decidir sobre o valor da análise científica relativo ao funcionamento da universidade
ou do mundo intelectual, sem mesmo suspeitar das apostas específicas de tal análise (por exemplo, a
questão das relações entre estruturas sociais e estruturas cognitivas que, como em qualquer ciência, são
o produto da história autônoma de discussão científica e pesquisa (eu acho, por exemplo, que jornalista
que, por ocasião da publicação de La noblesse d'Etat, me perguntou, com toda a boa fé, e devo dizer
que com grande bondade ele falou, por três minutos, em favor das Grandes Escolas, antes do
presidente da a associação de ex-alunos da ENA (Ecole nationale d'administration), quem falaria
contra eles ... E quem não entendia, a propósito, como poderia Eu me recuso a fazer isso).

PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN 137


Isso explica a dificuldade que a ciência social experimenta em "decolar": está enfrentando
uma demanda muito urgente por respostas a perguntas que eles dizem respeito ao mundo inteiro e que,
às vezes, são "questões de vida ou morte ", como Max Weber disse sobre a profecia, e nem sempre tem
todas as condições de autonomia e todas as armas indispensáveis para se defender e resistir às pressões
de tal demanda (um situação que é, em si mesma, um produto da antiga dominação exercida para a
demanda de disciplina). E isso, acima de tudo, porque não está em condição de desencorajar,
desacreditar ou excluir aqueles que obtêm lucros Imediato para aceitar responder com o menor custo
para todas as demandas, é digamos, sem levar a cabo o indispensável - e difícil - trabalho que é
necessário transformar os "problemas sociais" do grande público em problemas sociológica suscetível
a receber uma solução científica.
Você atribui uma prioridade absoluta à defesa da autonomia do campo intelectual ...
Eu sou um defensor da autonomia convencido, resoluto e incondicional científico (o que
pode surpreender alguns, mas eu não acho que ninguém suspeito que minha sociologia está
conspirando com a ordem estabelecida). O A sociologia deve definir suas próprias funções por si
mesma. Alguns sociólogos eles se sentem compelidos a justificar sua existência como tal; se sentem
forçado a servir. Mas, servir quem e o que? Primeiro de tudo, o a sociologia deve afirmar sua
autonomia; deve sempre permanecer igualmente vigilante e ciumento de sua independência. Isso
representa, para ela, a única maneira de fornecer instrumentos rigorosos e adquirir uma política eficaz.
Porque a eficácia política que você pode ter será o resultado de sua autoridade propriamente científica,
isto é, sua autonomia.
O fortalecimento da autonomia do campo científico só pode ser resultado de reflexão coletiva
e ação sobre as condições de comunicação racional dentro do campo científico. Weber lembra que os
avanços mais importantes na arte da guerra eles consistiam menos em invenções técnicas do que em
inovações organizacionais, como a falange macedônia. Além disso, especialistas em as ciências sociais
poderão contribuir mais efetivamente para o progresso de sua disciplina esforçando-se para construir e
fortalecer todos os mecanismos institucionais capaz de contrariar as tendências dos difórcitos
tradicionais, nacionalismo em direção ao isolacionismo ou imperialismo, todas as formas de
dominação científica e intolerância, e buscando promover - formas de comunicação e mais confronto
aberto.

Eles não existem, não importa o que Habermas diga, os universais trans-históricos do
comunicação; mas o que indubitavelmente existe são formas (organização) comunicação social capaz
de favorecer a produção de
138 RESPUESTAS
universal Não se pode contar com a pregação moral somente para excluir"sistematicamente distorcida"
a comunicação da sociologia. Só uma Realpolitik da razão científica pode ajudar a transformar
estruturas de comunicação ajudando a modificar, ao mesmo tempo, os modos de funcionamento dos
universos onde a ciência é produzida e disposições dos agentes que rivalizam nesses universos;
portanto, o A instituição que mais contribui para moldá-los é a Universidade.

A visão do campo científico que você propõe repousa sobre uma filosofia de história da
ciência que milita em favor da superação de outra grande antinomia, que representa a essência da
Metodologia alemã e que renasce, hoje dia, no debate entre Habermas e os defensores do pós-
modernismo, para saber); o antinomia entre historicismo e racionalismo.
Eu penso, com efeito, que a ciência é completamente histórica, sem ser redutível à história.
Existem condições históricas de gênese e Avanço da razão na história. 3 Quando afirmo que uma
situação abertamente conflitante (embora não inteiramente científico) é preferível a um situação de
falso consenso, de consenso de trabalho, como Goffman diria, está em nome da convicção de que pode
haver uma política da razão. Não Eu acredito que a razão é inerente à estrutura da mente humana ou
idioma reside, sim, em certos tipos de condições históricas, em certas estruturas sociais de diálogo e
comunicação não violenta. A história é a cena do que poderia ser chamado, distorcendo uma expressão
de Elias, um processo de civilização científica, cujas condições históricas dar origem à constituição de
campos relativamente autônomos dentro do que todas as peças não são admitidas, em que há
regularidades princípios imanentes, implícitos e regras explícitas de inclusão e exclusão, o mesmo que
direitos de admissão cada vez mais rigorosos. A razão é verificada quando se torna parte, não das
normas éticas de uma razão prática ou cie as regras técnicas de uma metodologia científica, mas dos
mecanismos sociais da competição aparentemente anárquica entre estratégias dotadas de instrumentos
de ação e de pensamento capazes de regulamentar os seus próprios usos, bem como as disposições
duradouras operação do dito campo produz V pressupõe.

Ninguém se torna um cientista por conta própria. Assim como você não é um artista sozinho,
mas com a condição de participar do campu autíst.icu, dd Da mesma forma, o campo científico
permite a razão científica graças ao lógica de seu funcionamento. A razão, o que quer que Habermas
diga, tem sua própria história: rio caiu do céu em nosso pensamento ou nosso idioma O habitus
(científico ou outro) é um fator transcendente, mas com transcendência histórica, cujo destino está
ligado à estrutura e à história da um campo.
POR UM REALPOLÍTICO DE RAZÃO 139
Em outras palavras, se há liberdade do intelectual, não é pura liberdade de um cogito, mas a
liberdade coletivamente conquistada através da construção historicamente datado e localizado em um
espaço de crítica e discussão Regulamentado
Isso é algo que os intelectuais raramente reconhecem, que esperam sua salvação de uma
libertação individual, dentro de uma perspectiva de sabedoria e conquista iniciática. Muitas vezes, eles
esquecem que existe uma política de liberdade intelectual. Não pode haver ciência alguma
emancipatória, mas dentro das condições sociais e políticas que permitem sua existência Isso requer,
por exemplo, que tudo seja feito fim dos efeitos de dominação que distorcem a concorrência
científicas, como a eliminação (algumas pessoas dignas de participar no jogo (rejeitando pedidos
legítimos de bolsas ou fundos de investigação, que constitui uma forma brutal de censura comumente
aplicada), ou censura exercida por conveniência acadêmica, exigindo que as mentes mais inovadoras
dedicam muito do seu tempo à produção testes completos, de acordo com os cânones positivistas do
momento, de cada uma de suas propostas, impedindo-as de fazer inúmeras propostas novos cuja
validação completa poderia ser deixada para os outros. Tal como Mostrei-o no Homo acader►iicus, o
poder acadêmico é exercido, acima de tudo, através do controle do tempo. 4
O assunto histórico é uma conquista histórica, nunca concluída. É através de lutas históricas
dentro dos campos de forças históricas que avançamos em direção à universalidade (Bourdieu e
Schwibs, 1985). Nós só podemos Eu empurro a razão na condição de lutar por ela e introduzi-la na
história, praticar uma Realpolitik of Reason (1987d), por exemplo, intervenções a favor da reforma do
sistema universitário ou de ações dirigido a defender a possibilidade de publicar livros de escassa
difusão ou, talvez, combata contra o uso de argilitos pseudo-científicos em relação com problemas de
racismo, etc.
Mas, a causa (de quase todos os males e desgraças da sociologia, não é no fato de que ele não
sabe como realizar todas as suas práticas. seres humanos, mesmo aqueles com uma pretensão de
universalidade, como os da ciência, Em suma, filosofia, o direito, arte, etc., no fato de que nem sempre
éaltura de suas pretensões de ser "meta"?
Tudo depende do que se entende como "ser um objetivo". Com muita muitas vezes, em
debates científicos, as pessoas tentam ser um objetivo no sentido de "estar acima". Penso em um
experimento extremamente inteligente Kellog: o experimentador suspende uma banana fora do alcance
de um grupo de macacos; eles começam a pular para alcançá-lo. No final do dia
140 RESPUESTAS
Sultan, o mais esperto de todos, empurra sua fêmea sob a banana, sobe rapidamente para os
ombros, pega a fruta e a devora. Vendo isso, os outros macacos são agrupados em um círculo em torno
de outra banana com um mão levantada, esperando a oportunidade de subir nos ombros de outro. Este
paradigma se aplica a inúmeras discussões científicas; muitas vezes, os debates são estéreis, porque os
participantes não tentam entender o outros, mas escalam os ombros. Uma das motivações
inconscientes de A vocação do sociólogo é que a sociologia oferece uma das mais Certifique-se de ser
um objetivo Na minha opinião, a sociologia tem a obrigação de ser objetivo ", mas sempre em relação
a si mesmo, você deve usar o seu próprio instrumentos para descobrir o que é e o que está fazendo e
rejeitar controvertido emprego do "objetivo" que consiste apenas em objetificar os outros.
É este retorno reflexivo um projeto anti-trust ou a maneira de acessar umciência, mais rígida,
capaz de produzir efeitos políticos por causa de seu maior rigor?
Como acabei de explicar, no que diz respeito aos agentes individuais, nomeadamente,
inconsciência é determinismo cúmplice, da mesma forma que sugerem que o inconsciente coletivo dos
intelectuais é o caminho específico isso leva a cumplicidade destes com as forças sociopolíticas
dominantes. Eu acho que a cegueira dos intelectuais para as forças sociais que Eles governam o campo
intelectual e, incidentalmente, suas práticas, o que explica por que, coletivamente, com ares bastante
progressivos, a intelligentsia contribui com tantas vezes para a perpetuação da ordem estabelecida.
Estou muito consciente que tal julgamento é um tanto grotesco e chocante, porque contradiz Eu magen
que os intelectuais fabricaram de si mesmos: eles gostam de se considerar libertador e progressivo (ou,
pelo menos, neutro, não comprometido, especialmente nos Estados Unidos). E é verdade que, muitas
vezes, cerraram fileiras com os dominados (por razões estruturais, sob sua posição como dominada
pelos dominantes) .5 Mas eles o fizeram com muito menos frequentemente do que deveriam e, acima
de tudo, com menos frequentemente do que eles acreditam.
E esta é a razão pela qual você rejeita o papel timbrado da "sociologia crítica"? você sempre
tentou ficar longe de tudo o que poderia ser apresentado como uma sociologia "radical" ou "crítica".
É verdade. Eu posso até dizer que uma das minhas primeiras reflexões como um jovem O
sociólogo me levantou contra uma certa imagem da escola de Frankfurt. Eu acho que a ignorância dos
mecanismos coletivos de subordinação política e ética, e a superestimação da liberdade dos
intelectuais, eles muitas vezes levaram seus expoentes com mais sinceridade
PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN 141

progressistas (como Sartre) para continuarem a ser cúmplices dessas forças contra aqueles que eles
achavam que estavam lutando, apesar de todos os esforços que eles implantaram para tentar escapar
das restrições do determinismo intelectual. Esta superestimação levou-os a envolver-se de maneiras
ingênuas e pouco luta realista.
Entre os riscos que devem ser tomados para defender posições como Meu, é desapontar os
adolescentes. Todos os intelectuais sonham com ser "corruptores da juventude". É ingrato ter que dizer
a eles adolescentes cujas intenções subversivas são muitas vezes imaturas, isto é, onírico, utópico e
carente de realismo. Existe toda uma gama de estratégias de subversão que são, na verdade, estratégias
de deslocamento. Um dos objetivos do meu trabalho sobre intelectuais é demonstrar que a origem de
todos os conjuntos duplos e línguas duplas em um relacionamento de má fé com a posição dentro do
campo intelectual
Intelectuais são particularmente criativos Liar é sobre mascarar seus interesses específicos.
Por exemplo, depois de 68, havia no Mundo intelectual francês um topos que consistia em perguntar:
"Mas, de onde voce fala De que lugar eu estou falando? "As falsas confissões de um narcisismo
vagamente inspirado pela psicanálise jogou o papel das telas, no sentido freudiano da palavra, e teve o
efeito impedir uma explicitação verdadeira, isto é, a descoberta da posição social do falante, em
particular, sua posição dentro do espaço universitário. Proclamar "Isov um intelectual burguês!", Como
ele gostava de fazer Sartre, não tem grandes consequências. Mas, declare "Eu sou um adjunto em
Grenoble e eu estamos falando com um professor parisiense, "está me forçando a interrogar sobre as
conseqüências do que eu digo em um contexto onde eu não a verdade é precisamente dita, mas a
verdade dessa relação ...

Acho que entendi: a ciência ainda é a melhor ferramenta da qual temos que realizar a crítica
da dominação. Você parece identifica rcom o projeto da Aufklárung (cii oposição aberta com o "pós-
modernista") quando ele afirma que a sociologia, quando se torna, é científica, constitui em si mesma
uma força progressiva. Mas não é paradoxal que, por um lado, você amplia a possibilidade de 111 /
espaço de liberdade, de uma consciência libertador que abre possibilidades históricas até agora
excluídas pela dominação simbólico e pela ignorância implícita no co-nrprensiórr do mundo social,
enquanto, por outro lado, expressa simultaneamente um desencantamento radical que torna-se quase
insuportável esse mundo social dentro do qual é necessário, apesar de tudo, que continuamos lutando?
Não há uma tensão de inertes e até uma contradição, entre essa disposição de produzir os instrumentos
necessários para aumentar a consciência e liberdade, e a desmobilização que uma consciência muito
aguda da eficácia dos deteminismos sociais ameaça promover?
142 RESPUESTAS
Como eu tentei fazer em Homo Acade »iicns, eu uso os instrumentos que fornece
reflexividade para tentar controlar os vieses introduzidos por inconsciência e avançar na identificação
de mecanismos suscetível de alterar a reflexão. Reflexividade é um instrumento pretendido promover a
ciência e não destruir a possibilidade dela. Não aponta Desencorajar a ambição científica, mas torná-la
mais realista. Ao contribuir para o progresso da ciência e, assim, para o avanço do conhecimento do
mundo social, faz o conhecimento das restrições sociais que operam contra o conhecimento, o que
torna possível uma política mais responsável na cietrcia como na política. Bachelard disse que "não há
mais ciência do que (oculto). "No caso da ciência social, essa revelação é ela mesma uma crítica social
que, por não pretender ser assim, é tão mais poderosa, mais poderosa é a ciência e, portanto, mais apta
a desmascarar mecanismos que devem fazer parte de sua eficácia para ser estranhos, tocando os
alicerces da violência simbólica.
Reflexividade não é um tipo de arte pela arte. Sociologia reflexiva pode libertar os
intelectuais de suas ilusões, começando com a ilusão de não ter ilusão, eu ficarei sozinho com relação a
eles mesmos, e posso, Inelios, contribuem para impedir qualquer contribuição passiva e inconsciente
dominação simbólica.
Mas, devo retornar à minha pergunta inicial: tel, desencantamento que estimula a
reflexividade talvez não represente o risco de condenar o sociólogo a essa "atitude passivamente
conservador "contra o qual foi defendido, o fundador do Année sociologique?
Existe um primeiro nível de resposta a esta questão: se o único risco que é corre é
decepcionar e desencorajar rebelião adolescente que, com muito muitas vezes não sobrevive a
adolescentes intelectuais, não tenho certeza que a perda é muito importante.
Essa é sua faceta antiprofética e, talvez, uma das características que distingue seu obm de de
Foucault
De fato, há todo um aspecto do trabalho de Foucault (embora seja óbvio que seu trabalho não
é reduzido a isso) que pode apoiar a rebelião de adolescente contai sua família e instituições (escola,
casas de repouso, etc.), que se juntam à pedagogia familiar i mponiendo "disciplinas", isto é, formas de
coerção social que são totalmente externas. As rebeliões adolescentes são frequentemente negações
simbólicas e utópicas da coerção redes sociais mais universais: eles escondem a análise exaustiva de
maneiras diferenciais que essas coerções assumem para os agentes do ambientes diferentes, bem como
que uma das formas de coerção social muito mais sutis do que aqueles que operam através do
treinamento de corpos.
POR UM REALPOLÍTICO DE RAZÃO 143

Claro, é um pouco ingrato decepcionar os adolescentes,especialmente porque há elementos


muito sinceros e profundos em suas rebeliões, como a propensão a desafiar a ordem estabelecida, a
renúncia de adultos submetidos e demitidos, hipocrisia universitária e toda uma série de coisas que eles
capturam muito bem porque não são cínicos ou desencantados, e porque eles não deram como fizeram,
pelo menos em França, a maioria dos membros da minha geração. É inteiramente possível que, para
ser um bom sociólogo, é necessário reunir disposições associadas para a juventude, como uma certa
capacidade de ruptura, rebeldia, "ingenuidade" sociais, e outros mais típicos da velhice, como o
realismo, a aptidão para enfrentar as duras e ingratas realidades do mundo social ...
É verdade que a sociologia exerce um efeito decepcionante, mas o realismo científico e
político por ela implícita e reforçada impede a luta lá onde não há liberdade - que é frequentemente um
álibi de má fe-, a fim de preencher completamente os cenários de verdadeira responsabilidade. Se é
verdade que a sociologia, e talvez com maior razão do que o que eu pratico, pode incentivar o
sociologismo, entendido como submissão às leis de ferro da sociedade (e isso, embora sua intenção
seja exatamente a contrário), penso que a alternativa proposta por Marx entre o utopismo e O
sociologismo é bastante ilusório: entre a renúncia do sociólogo e a voluntarismo utópico existe a
possibilidade de um utopismo racional, é digamos, um uso politicamente consciente e racional dos 105
limites da liberdade concedido por um verdadeiro conhecimento das leis sociais e, em particular, das
suas condições históricas de validade. A tarefa política da ciência social é se levantar contra o
voluntarismo irresponsável e contra o cientificismo fatalista trabalhar na definição de um utopismo
racional pela aplicação de o conhecimento do provável para promover o advento do possível. Tal
utópico sociológico, isto é, realista, é muito improvável entre os intelectuais. Isso, sem dúvida, porque
tem pequeno e porque não parece ser radical. Os extremos sempre parecem mais atraente e a dimensão
estética do comportamento político conta muito para os intelectuais.
Esta é também uma maneira de repudiar 1111 (1 imagem da política? RtatT queria para os
intelectuais, aa saber? a ideia de um zoon político racional é constituída através do exercício do livre
arbítrio e do auto-governo-ato político.
Eu não concordo plenamente com isso. Eu diria, sim, que esta imagem Tem sua própria
história e é parte integrante de um projeto histórico Aqueles que assumem esta posição devem saber
que são os herdeiros de uma longa linhagem de homens e mulheres que foram imersosem tais
condições históricas que poderiam contribuir para avançar pouca liberdade (1989h). Primeiro de tudo,
eles precisam levar em conta o fato
144 RESPUESTAS
que, para realizar este projeto, é necessário que haja filosofia ou sociologia (que implica formas
específicas de alienação), que filosofia ou ciências sociais como disciplinas oficiais, sancionadas pela
Estado, foram inventados, etc. Para que o intelectual pudesse existir como um mito eficaz que se sente
compelido a tomar posição com respeito ao apartheid na África do Sul, repressão na América Central e
na Romênia, e desigualdades entre os sexos, tinha que haver a Comuna de Paris, a Assunto Dreyfus,
Zola e muitas outras coisas. Não devemos esquecer que o instituições de liberdade cultural são
conquistas sociais da mesma forma que segurança social ou o salário mínimo (Bourdieu e Schwibs,
1985).
Você diria que seu método de análise e a sociologia que você pratica abrangem, mesmo
tempo, uma teoria do mundo social e uma ética? Sua sociologia reflete um Sorte ideal do seu
comportamento pessoal?
Eu ficaria tentado a responder, ao mesmo tempo, sim e não. Eu responderia não, se
mantivéssemos trancados na velha antinomia entre o positivo e o normativo Eu diria que sim, no caso
em que concordamos em pensar além esta oposição. Na verdade, é uma ética porque é uma ciência.
Sim O que eu digo é verdade, se é verdade que através do conhecimento de determinações tentadas
pela ciência torna possível uma forma de liberdade que é a condição e o correlato de uma ética, então é
também É verdade que uma ciência reflexiva da sociedade implica ou inclui uma ética, sem ser por
isso uma ética cientista. (Escusado será dizer que este não é o único mariera de fundamentar tina
ethics.) Neste caso, a moralidade torna-se possível tomando decisões que a ciência pode levantar sob
certas condições.
Permanecendo em um nível muito abstrato e formal, a sociologia é inútil de uma grande
coisa. Quando desce aos detalhes da vida real, torna-se um instrumento que as pessoas podem aplicar a
si próprias para fins quase clínicos. Sociologia nos dá uma pequena oportunidade para entender o jogo
em participar, e reduzir a influência das forças ciel campo onde nos desdobrámos, bem como das
forças sociais incorporadas que eles operam dentro de nós.
Penso, portanto, que existe um uso ético da sociologia reflexiva. O O objetivo da sociologia
não é categorizar, objetivar ou ignorar os outros porque são, por exemplo, "filhos de Fulano ou
N4engailo". Pelo contrário, permite entender o mundo, explicá-lo ou, para citar uma expressão de
Francisco Digamos que eu goste muito, "precise" (1986f); o que não significa que deve ser amado ou
preservado como é. Totalmente em conformidade com o comportamento do agente atuando em um
campo, entender a necessidade impulso para agir, é necessário retornar o que, no começo, parece ser
contingente Não é uma maneira de justificar o mundo, mas de aprender a
PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN 145
aceitar uma infinidade de coisas que de outro modo pareceriam inadmissíveis. (É claro que devemos
sempre ter em mente que as condições sociais de acesso a esta forma de tolerância social não são
distribuídos universalmente e que não devemos exigi-lo daqueles que não têm acesso a ele. Por
exemplo, É muito louvável ser anti-racista, mas esta atitude não deixa de ser uma mera Farisaísmo, se
não lutarmos simultaneamente pelo acesso eqüitativo à condições sociais - em termos de habitação,
educação, emprego, etc. – que tornar o anti-racismo possível.)
Isso abre a possibilidade de determinar verdadeiros espaços de liberdade, e construir uma
moral modesta, prática e localizada dentro dos limites da liberdade humana que, no meu caminho
(veja, não são muito amplas. campos sociais são universos onde as coisas mudam continuamente e
nunca eles são completamente predeterminados. No entanto, eles são muito mais do que aquilo Eu
acreditei quando comecei como sociólogo. Muitas vezes me sinto espantado pelo grau em que as
coisas são determinadas e, às vezes, considero: "Isso é impossível, eles vão pensar que eu exagero as
coisas." E acredite em mim Isso não me causa nenhuma satisfação. Na verdade, se eu percebo a
necessidade em um tão agudo, talvez seja porque acho particularmente insuportável. Como indivíduo,
eu pessoalmente sofro sempre que vejo alguém escravizados pela necessidade, sejam os pobres ou os
ricos.)

O estudo publicado em datas recentes sobre a experiência do "sofrimento social" Eu acho que
vem de uma concepção ética semelhante de sociologia, entendida como uma espécie de maieutica
social. É particularmente interessante para o fato de que ele está na intersecção entre ciência social,
política e moral cívico Além disso, ilustra o que poderia ser uma função sociológica da sociologia,
você sabe, o de provocar "curtos circuitos" na censura instituída pelos formulários reconhecida da
representação social e política.
Durante a última década, o campo político tem incluído cada tempo mais em si, em suas
rivalidades internas, em seus jogos e apostas particular. Os decisores políticos são mantidos em
cativeiro no ambiente tranqüilizante composto por tecnocratas úteis que não conhecem praticamente
nada da vida cotidiana de seus concidadãos e que, acima de tudo, eles não conhecem a magnitude de
sua própria ignorância. Eles governam com confiança no magia de pesquisas de opinião, esta
tecnologia pselido-científica da demagogia racional que só pode fornecer respostas arrancadas do força
para perguntas pré-fabricadas que os indivíduos questionados nem sequer são criados, pelo menos
nestes termos, até que alguém os formula para eles? Em reação a isso, propus realizar uma
investigação exploratório sobre sofrimento, miséria, desconforto ou ressentimento que fundamentam
as diferentes formas não institucionalizadas de protesto manifestou-se ultimamente (por alunos e
alunos, enfermeiros,
146 RESPOSTAS
professores, funcionários da ferrovia, etc.) e sobre as tensões motivar a "política privada" das
discriminações e recriminações diárias.
Emmanuel Terray (1990) mostrou que, na tradição hipocrática, a o verdadeiro remédio
começa com o tratamento de doenças invisíveis, isto é, com o conhecimento de fatos que o paciente,
ou porque ele não está ciente deles ou porque ele não consegue revelá-los. Esta pesquisa tem como
objetivo traduzir o mal-estar social em sintomas legíveis, suscetível de ser tratado politicamente. Para
isso, é necessário quebrar a tela de projeções, às vezes absurdas, outras vezes odiosas, por trás a partir
do qual o sofrimento é escondido e ajudar aqueles que abrigam os fantasmas e rancores sociais mais
injustificáveis (como o racismo) em seu esforço, sempre doloroso, descobrir as operações de
desmoralização degradação social, igualmente injustificável, que sustentam a sua rebelião, angústia ou
desespero, bem como a formidável violência reprimida quem vive neles.
Esta pesquisa é baseada na ideia de que o mais pessoal é o mesmo tempo, o mais impessoal;
que muitos dos dramas mais íntimos do desconfortos mais profundos, dos sofrimentos mais singulares
que podem experimentar homens e mulheres, obedecer a contradições objetivas, inerente às estruturas
do mercado de trabalho e da habitação, de sistema escolar ou a tradição sucessor, e geradores de bina
dupla, restrições contraditórias. Nós conduzimos entrevistas muito exaustivas para ajudar as pessoas
questionadas a revelar as causas seus dramas pessoais ou retrocessos diários; entrevistas que lhes
permitem livrar-se desta realidade externa que, da mesma forma que o Monstro alienígena, habita
neles e obceca-los, submetendo-os de dentro e tirando-os da iniciativa de sua própria existência. Alien
é um tipo de mito moderno que oferece uma boa imagem do que chamamos alienação; isto é, desta
presença de alteridade no centro do subjetividade Teríamos que citar exemplos disso, mas isso nos
levaria muito tempo. Eu vou apenas mencionar que conduzindo essas entrevistas Muitas vezes é uma
experiência muito dolorosa. Será difícil para mim esquecer isso jovem balconista da Alleray Street em
Paris, a quem interrogamos uma noite, assim como o longo corredor cinzento e empoeirado onde ela
obras, dois dias de três, das nove da noite para cinco em de manhã, em pé na frente dos sessenta e seis
armários em que ele distribui o correio, e a voz baixa, apesar de seu sotaque sulista, com o qual ele
descreveu sua vida invertida, seus movimentos ao amanhecer, depois uma noite de trabalho, para o
pequeno apartamento alugado em um distante região suburbana, sua nostalgia pelo retorno, agora
impossível, à província natal, etc. E o que dizer sobre esta pesquisa, mas viola praticamente todos os
preceitos da rotina metodológica; : ': talvez seja por isso que tem um certo
PARA UNA REALPOLITIK DE LA RAZÓN 147
capacidade de capturar tudo o que as pesquisas comuns permitem escapar através definição? Eu acho -
ou pelo menos, espero - que eu possa encontrar um duplo função, científica e política: lembrando os
pesquisadores que rotina dos inquéritos ordinários, sem mencionar o método metodológico ou teóricos
formais e formalistas, deixa escapar, e os tecnocratas que governar, tudo que formalmente
procedimentos democráticos da vida política (e, em particular, os ritos da vida partidária, congressos,
programas, moções, etc.) e as garantias formalmente científicas do investigação económica, fazem-nos
ignorar, nomeadamente os novos tipos de sofrimentos, bem como uma nova forma de injustiça.
.
Notas
Sobre a natureza agonística da ciência, ver 1976, 1991d. Veja também dissecção O que Bryant (1985)
faz do "positivismo instrumental" que inspirou e continua a impregnar para a sociologia americana
desde a Segunda Guerra Mundial.
2 Veja Chamboredon (1975) para uma crítica detalhada e devastadora dos Profetas e Patronos de
Clark, que revela o americanismo evolucionário inerente à sua imagem da universidade francesa.
3 Para Bourdieu, o campo científico é um campo como todos os outros e, ao mesmo tempo, único,
porque é capaz de gerar produtos (conhecimento verdadeiro) que transcendem as condições histórico
de sua produção. Esta "peculiaridade da história da razão científica" é discutida em 1991d e se destaca
claramente em relação ao funcionamento do "campo jurídico"(1986c).
4 Ver "Temps et pouvoir" em 1984b, pp. 120-139.
5 Para Bourdieu, os intelectuais (ou, mais genericamente, os produtores de bens simbólicos: artistas,
escritores, cientistas, professores, jornalistas, etc.) constituem a "fração dominada pela classe
dominante "ou, segundo uma formulação mais recente - e, em sua opinião, mais exatos ocupam o pólo
dominado do campo de poder (1979a, pp. 293-302, 321-336, 362-364; 1987a, pp. 172-174; 1989d, pp.
373-385, 482-486; 1989h).
6 "A sociologia não impõe uma atitude passivamente conservadora ao homem; pelo contrário, amplia
o escopo da nossa ação pelo simples fato de estender o campo da nossa ciência "(Durkheini, citado em
Filloux, 1970, página 267).
7 A questão do emprego social e político das pesquisas de opinião é discutida em 1980 e 1987a, pp.
217-224, assim como em Bourdieu e Champagne (1989) e Champagne (1990).
8 A análise de Bourdieu do mercado imobiliário privado é sobre "um dos os principais fundamentos da
miséria pequeno-burguesa "(" Un signe des temps ", introdução para o número de Acts de la pesquisa
em ciências sociais dedicado ao "Econômico de la maison ", números 81-82, março de 1990, p.2).

6. A objetivação do sujeito objetificante 149

Na sua aula inaugural no Collège de France, você disse que "qualquer A proposição
levantada pela ciência da sociedade pode e deve aplicar-se à própria Sociólogo "(1982c, p.7) é uma
sociologia de uma hora-sousian de Bourdieu? Você é capaz de se explicar? Se sim, porque é isso?
relutância em falar sobre a pessoa privada de Pierre Bourdieu?
Meu discurso sociológico é separado da minha experiência pessoal pela minha prática
sociológica, que é em parte um produto da sociologia da minha experiência social E eu nunca parei de
me tomar como objeto, não em um sentido narcisista, mas como um representante de um categoria. Eu
nunca irrito os outros tanto quanto quando eu me analiso me -Huirlo academices contém páginas e
páginas dedicadas a mim pessoa toda vez que eu analisar categorias às quais eu pertenço, porque, falar
sobre mim mesmo, revelar - por procuração - verdades que preocupama outros...
É natural que, na medida em que em meus escritos, eu chamei a atenção para a influência da
origem social, estou exposto a questões pessoais que eu tento resistir, sem dúvida e antes de tudo, para
escapar a qualquer tipo de alegação de exclusividade, seja negativo, e também, talvez, por defender a
autonomia, que me custou muito, do meu discurso com respeito para a pessoa individual que sou. Isso
não significa que esse indivíduo particular pode ser removido da objetivação. Eu posso ser objetivado
como tudo mundo e, como qualquer outro, eu tenho os gostos e preferências que eles correspondem à
minha posição dentro do espaço social. Eu sou socialmente classificadas e sei com precisão a posição
que eu ocupo nas classificações social. Se você entende meu trabalho, você pode deduzir muitos dos
meus características do conhecimento desta posição e sobre o que escrevo dela. Eu forneci todas as
ferramentas necessárias para isso; em Quanto ao resto, é da minha conta ...
É natural que, na medida em que em meus escritos, eu chamei a atenção para a influência da
origem social, estou exposto a questões pessoais que eu tento resistir, sem dúvida e antes de tudo, para
escapar a qualquer tipo de alegação de exclusividade, seja negativo, e também, talvez, por defender a
autonomia, que me custou muito, do meu discurso com respeito para a pessoa individual que sou. Isso
não significa que esse indivíduo particular pode ser removido da objetivação. Eu posso ser objetivado
como tudo mundo e, como qualquer outro, eu tenho os gostos e preferências que eles correspondem à
minha posição dentro do espaço social. Eu sou socialmente classificadas e sei com precisão a posição
que eu ocupo nas classificações social. Se você entende meu trabalho, você pode deduzir muitos dos
meus características do conhecimento desta posição e sobre o que escrevo dela. Eu forneci todas as
ferramentas necessárias para isso; em quanto ao resto, é da minha conta ...

150 RESPOSTAS
Sem ser redutível a isso, sua sociologia não representa, em grande parte, uma
maneiragerenciar a "conversão social" implícita em sua carreira e treinamento?
Meu trabalho em sociologia e etnologia eu realizei, pelo menos no mesmo medida, apesar e
graças ao meu treinamento. Que você não entende porque que eu reivindico, como artistas e escritores
freqüentemente fazem, o status de grande iniciador, de "criador não criado", que não deve nada a
ninguém. A única coisa que eu quero dizer é que eu tive que romper com a pretensão de obter a
categoria de teórico, registrado em minha carreira como aluno "filósofo" na Escola Normal, apesar de
eu ter me sustentado, em tudo momento, na minha formação e, em particular, na minha formação
filosófica. Em meus dias de estudante, aqueles que se distinguiram por um "brilhante trajetória "não
poderia, sob pena de categoria descendente, envolver-se em tarefas práticas tão banais como aquelas
que fazem parte do comércio do sociólogo. As ciências sociais são difíceis, por razões sociais:
Sociólogo é alguém que sai às ruas e interroga a primeira pessoa com quem você é, ouça e tente
aprender com ela. Isto é o que Sócrates costumava fazer. Mas os mesmos que celebram Sócrates são,
hoje, hoje, os últimos a entender e aceitar esse tipo de abdicação defilósofo-rei diante da "vulgaridade"
exigida pela sociologia.
Escusado será dizer que a conversão eu tive que experimentar palea O acesso à sociologia
não era estranho à minha trajetória social. Eu vivi mais da minha juventude em uma pequena aldeia no
sudoeste da França. E eu só pude - atender às demandas da instituição escolar, abrindo mão de muitas
minhas primeiras experiências e aquisições, e não apenas meu sotaque peculiar ... Etnologia e
sociologia permitiu-me reconciliar com o meu primeiro experiências e assumi-los sem perder nada,
penso eu, do que eu adquiri depois. Isso é algo que não é comum entre os vira-casacas, que eles muitas
vezes experimentam desconforto profundo e às vezes ficam envergonhados de suas origens e
experiências originais. A pesquisa que eu levei para fora, para 1000, naquela aldeia, permitiu-me
descobrir mais coisas sobre de mim mesmo que qualquer forma de introspecção.
Quando li Flaubert, descobri que eu havia sido, como ele, profundamente influenciada por
outra experiência social, a saber, a do internato. Flaubert escreveu em algum lugar que "quem
conheceu o internato com dez anos de idade, ele sabe tudo sobre a sociedade. "Erving Goffman
demonstrou Em Asiles, os "internados" e os "presos" precisam elaborar estratégias extraordinariamente
criativo, para ser capaz de resistir à coerção aterrorizante das "instituições totais". Às vezes, eu me
pergunto onde Eu aprendi a entender, ou mesmo antecipar, as experiências de situações que Eu não
sabia pessoalmente, como trabalho em cadeia ou rotina monótona do trabalho de escriturário da quarta
categoria. Eu acho que, na minha juventude e ao longo da minha trajetória social, o que me levou,
como muitas vezes acontece
O OBJETIVO DO OBJETIVO, SUJEITO 151
com as pessoas em ascensão, para conhecer ambientes sociais muito diversos, tomei toda
uma série de "negativas" mentais que meu trabalho sociológico tenta revelar.
E, em sua vida diária, você continua tirando "fotografias"?
Flaubert disse algo como: "Eu gostaria de viver toda a minha vida". Isso é algo que Eu
entendo muito bem; é sobre o desejo de viver todas as experiências humanas possível. Eu acho que
uma das satisfações mais extraordinárias que procura o trabalho de um sociólogo é essa possibilidade
de penetrar na vida dos outros.Por exemplo, certas pessoas que podem parecer muito entediadas no
contexto de convenções onde prevalecem acordos tácitos que pr • ohíben falar sobre coisas sérias, isto
é, sobre si mesmo, sobre o trabalho, etc., torna-se extremamente interessante assim que eles começam
a falar que estão comprometidos, como seu comércio favorito ou hobby. É evidente que, no todos os
dias, não me dedico em todos os momentos à sociologia. Mas sem percebo, tiro fotografias que, mais
tarde, passo a revelar. Eu considero que uma boa parte do que foi chamado de intuição, que forma a
base de numerosas hipóteses ou análises, origina-se nestas fotografias, muitas vezes muito velho.
Neste, o trabalho do sociólogo se assemelha ao do escritor (acho que, por exemplo, em Proust): como
ele, precisamos promovera explicitação das experiências genéricas ou específicas que, em geral, eles
passam despercebidos ou não se expressam.
Você não percebe qualquer oposição entre literatura e sociologia?
Claro, há uma diferença, mas você não precisa inventá-lo como oposição irredutível. É óbvio
que os sociólogos não devem e não podem fingir competir com escritores. Isso significaria nos expor a
sermos "escritores ingênuos", no mesmo sentido em que se fala de pintoresingênuo, por não conhecer
as demandas e potencialidades inerentes acumuladas à própria lógica do campo literário. Mas os
sociólogos podem encontrar nas indicações de obras literárias ou rotas de investigação proibidas ou
desiludidos pelas censuras do campo científico (especialmente sendo, como somos hoje, dominados
nas ciências sociais por uma filosofia positivista). E nosso trabalho de registro ou análise pode também
originam discursos que, sem obedecer a uma atenção "literário", pode produzir efeitos literários ou
representar escritores perguntas análogas àquelas que a fotografia formulou aos pintores de final do
século XIX.
Mas aproveito a oportunidade para salientar que os escritores eles ensinam muito mais que
isso; Tanto quanto eu estou preocupado, eles me ajudaram escapar das censuras ou premissas
implícitas na representação científica
152 RESPOSTAS

ou trabalho científico positivista. Por exemplo, há alguns meses, um amigo desde a infância ele veio
me visitar para falar sobre problemas pessoais que eu experimentei de uma maneira mais dramática e
sobre qual eu queria saber minha opinião. Ele me contou uma história que eu descreveria como
Faulknerian, que, a princípio, eu não entendi nada, apesar de ter quase todas as informações
indispensáveis. Depois de algumas horas, eu comecei entender: meu amigo me contou, ao mesmo
tempo, três ou quatro histórias homólogas e entrelaçadas, isto é, as suas próprias relações com os seus
esposa, que morreu alguns anos antes, de quem ela suspeitava que ele tinha traído com seu irmão mais
velho; a história de seu filho, a relação de o último com sua namorada, a quem ele criticava sua falta de
"seriedade"; a história de sua mãe, silencioso e misterioso observador dessas histórias, mais algumas
histórias secundárias. Não identificou qual das duas principais histórias, isto é, a sua ou a do seu filho
(em que o futuro da relação entre pai e filho, através do futuro da exploração e propriedade), foi o mais
doloroso; que foi usado para mascarar para o outro ou para dizer de uma forma velada, graças ao óbvio
homologia entre ambos. O que é certo é que toda a lógica da história descansou na ambiguidade
permanente das anáforas (eu nunca soube se o os pronomes "ele", "isto" ou "ela", entre outros,
referiam a si mesmo, a seu filho, sua esposa ou namorada de seu filho, todos os quais são
intercambiáveis, cuja caráter substituível formou a própria base do drama que ele experimentou). Lá eu
vi claramente a extensão em que as histórias de vida lineares, com muitas vezes compostas por
sociólogos e etnólogos, são artificiais. E as investigações mais formais de Virginia Woolf, Faulkner,
Joyce ou Claude Simon Nie agora parecem muito mais "realistas"(se isso palavra tem algum
significado), mais verdade do ponto de vista antropológico, mais perto da verdade da experiência
temporal, do que as histórias linear ao qual a leitura de romances tradicionais nos habituou. (Claro, eu
me coloco aqui na perspectiva do pesquisador, ou ciência, porque é evidente que temos o direito de
esperar - e assim espero da literatura muito mais coisas do que a revelação do "real" ...).
Como resultado, eu me vi cercado pouco a pouco para destacar toda uma série de perguntas mais ou
menos reprimidas sobre a biografia "e, mais genericamente, de questões sobre a lógica da entrevista
como um processo, a estrutura da experiência vivida e do discurso científico legítimo, digno de a
publicação científica, em resumo, todo um conjunto de documentos 'bruto' que eu costumava impedir,
de uma maneira mais inconscientequão consciente
Além disso, no meu trabalho sobre Flalubert, eu identifiquei muitos dos meus problemas que ele já
havia enfrentado e pelos quais contribuiu soluções, como o uso direto, indireto e indiretos gratuitos,
que constituem a essência da transcrição e publicação
O OBJETIVO DO OBJETIVO, SUJEITO 153
das entrevistas. Em suma, acredito que a literatura, contra a qual inúmeros sociólogos, desde o começo
e até hoje, acreditaram e eles acreditam que devem reafirmar a natureza científica de sua disciplina
(como explica Wolf Lepenies [1991] em Les Trois Cultures), é mais avançado, de vários pontos de
vista, que as ciências sociais e encerra um todo de problemas fundamentais - por exemplo, a teoria da
narração- que os sociólogos devem se esforçar para retomar e questionar, em vez de ostensivamente
proteger suas distâncias com relação às formas de expressão e pensamento que eles consideram
comprometedor.
Como muitos ilustres estudantes universitários franceses, entre os quais estão listados.
Durkheim, Sartre, Aron, Foucault e Denida, você é um ex-aluno da Escuela Normal Superio?
localizado na rua Ulm em Paris, tradicional berço da intelligentsia francesa. Ao mesmo tempo, como a
nobreza d'Etat atesta com tanta força (1989d), você é um dos críticos mais incisivos das escolas de
elite, seus produtos e privilégios. Ele apontou que <Jite nunca se sentiu plenamente justificado com ser
um intelectual, que você não sente a sua (nichas no mundo universitário ...
Este é um sentimento que eu experimentei com intensidade lacerante em dois momentos da
minha vida: quando entrei na Escola Normal e quando fui nomeado membro do Colégio da França.
Durante meus estudos no Escola Normal, me senti muito desconfortável. Eu poderia evocar a
descrição que Groethuysen faz da chegada de Rousseau em Paris, ou o que Nizan, em Aden-Arabia,
diz sobre sua experiência na escola normal: narra, ponto a ponto, o que senti naquele lugar; o que
mostra que o dito experiência não tinha nada de singular e isso estava ligado à minha trajetória social

Na França, a liecl vem de uma província distante, especialmente quando está localizado ao
sul do Loire, ele confere um certo número de propriedades que, em muitos pontos, se assemelham à
situação colonial. O A relação resultante de exterioridade objetiva e subjetiva favorece um vínculo
muito particular com as instituições centrais da sociedade francesa e, em especial, com o mundo
intelectual. Existem formas mais ou menos sutis de racisin social que não pode deixar de provocar um
certo tipo de lucidez: o fato de ser constantemente apontado como "outsider" incita a perceber as
coisas que os outros não podem ver ou sentir. Dito isto, é verdade que sou um produto da escola
normal que traiu a escola normal. Mas é necessário pertenceram à Escola Nornial para escrever tais
coisas sobre ela sem aparecer movido pelo ressentimento ...
Também poderia ser descrito sua nomeação na cadeira de sociologia do Colégio da França, a
mais prestigiada instituição científica francesa, com o seu próprio língua, é deci? ccnto a um processo
de "consagração social". Como eu afeto isso
154 RESPOSTAS
marcar sua pníctica científica? E, em termos gerais, de que maneira você usa seu conhecimento do
funcionamento do mundo universitário?
Não foi coincidência que no momento em que fui nomeado para o Colégio de a França
coincidiu com um trabalho exaustivo sobre o que eu chamo de mágica social da consagração e dos
"ritos de instituição" (1981a; 1982a, pp. 121-134; 1989a). Como eu não poderia tentar descobrir o que
estava envolvido em ser então consagrada? 4 Ao propor refletir sobre a experiência que eu Eu estava
vivendo eu mesmo, eu tentei me assegurar um certo grau de liberdade com quanto ao que estava
acontecendo comigo. Muitas vezes, meu trabalho é interpretado – um minha maneira de ver,
erroneamente - como determinista e fatalista. Mas desenvolver uma sociologia dos intelectuais, do
Colégio da França, do que implica o facto de conferir uma cadeira inaugural ao Colégio da França,
durante uma aula inaugural no Colégio da França, isto é, no instante preciso em que se está envolvido
em e pelo jogo, é igual a afirmar, se não a possibilidade de escapar completamente ao dito jogo, menos
a possibilidade de fazer um esforço neste sentido ... Para mim, o a sociologia tem desempenhado o
papel de um sócio-analista que me ajudou para entender e suportar as coisas (começando comigo
mesmo), que eu costumava encontrar intolerável Então, voltando à sua pergunta sobre o Colégio da
França, desde que este foi o nosso ponto de partida, acho que se eu tiver alguma oportunidade de evitar
ser aniquilada pela consagração, isso se deve ao fato que tentei analisar essa consagração. Eu acho que
até eu posso tirar proveito da autoridade que a consagração me deu para fornecer mais autoridade
minha análise - que eu julgo libertadora - da lógica e efeitos da mesmo

Infelizmente, nem sempre é possível fazer dois usos diferentes do Análise sociológica do
mundo social e, mais especialmente, do mundo intelectual: os usos que podem ser chamados de
clínicos, como os que eu evocado quando se fala em socioanálise, no sentido de que consistem em
pesquisar nos instrumentos de coleta científica para um auto-entendimento livre complacência e os
usos que poderiam ser descritos como cínicos, que consistem ao olhar para a análise de instrumentos
de mecanismos sociais para "promovido" no mundo social (isto é, precisamente, o que fizeram alguns
leitores de The Distinction, ao conceber esse livro como um manual de mundología) ou guiar suas
próprias estratégias no mundo intelectual. É claro que eu sempre me esforço para desencorajar leituras
cínicas e estimular leituras clínicas. Mas a verdade é que a lógica das lutas intelectuais ou políticos
favorecem um uso mais cínico e, acima de tudo, o uso controvérsia da sociologia, gerenciada como
uma ferramenta particularmente poderosa luta simbólica, que o uso clínico, que oferece um caminho
conhecer e entender os outros (e a si mesmo). No meu caso – para responder com mais precisão à sua
pergunta sobre o trabalho que eu dou para
O OBJETIVO DO OBJETIVO, SUJEITO 155
meu conhecimento do mundo universitário, eu acho que meu constrangimento proverbial em matéria
de estratégias universitárias demonstra que o uso cínico é estrangeiro, sem o qual eu posso assegurar-
lhe se isso é devido a minha deficiência ou a meus princípios, que me proíbem ...
Você decidiu dedicar-se à sociologia, mais do que à filosofia ou à psicanálise? porque ele
pensou que na ciência social ele iria encontrar instrumentos mais poderosos de desmistificação e auto-
apropriação?

Para prosseguir com uma resposta completa a essa pergunta, para uma longa análise sócio-
intelectual. 5 Em todo caso, acho que, dado que eu estava socialmente e considerando o que
poderíamos chamar de minhas condições produção social, a sociologia foi a melhor opção para mim,
se não fosse por para conciliar com a vida, pelo menos para encontrar relativamente aceitável mundo
em que ele foi condenado a viver. Neste sentido limitado, acredito Isabel 'conseguiu meu pI'OpósitO:
eu fiz uma espécie de terapia que, espero, também produziu ferramentas que podem ser de alguma
utilidade para os demais.
Eu sempre recorro à sociologia, para preencher de tentar libertar meu trabalho dos
determinantes sociais que muitas vezes impedem o trabalho do Sociólogos Dito isto, esclareci que não
acredito, de forma alguma, completamente livre deles. Em todos os momentos, eu gostaria de ver isso
que eu não vejo, e sempre peço, de uma marie um tanto obsessiva, que caminho eu parei de explorar,
qual é o parâmetro esquecido que continua me manipulando Um dos meus heróis intelectuais é Karl
Kraus: é sobre um dos poucos intelectuais que produziu uma crítica autêntica do intelectuais; Refiro-
me a uma crítica inspirada por uma fé verdadeira em valores intelectuais (e não por um
antiintelectualismo de ressentimento) e capaz de produzir efeitos reais.
Em conclusão, pode o Homo acadenlic_us ser considerado um tipo de autobiografia? Isto é o
que você parece sugerir no prefácio da versão em inglês do livro, onde ele afirma que dito obm
"contém uma grande proporção de autoanalisis por procuring "(1988h, p xxvi).
Eu diria bem que é uma "anti-autobiografia". Este livro é, ao mesmo tempo, uma iniciativa
de auto-revelação e um esforço para testar os limites reflexividade nas ciências sociais. Ao contrário
do que isso implica a representação coniúil do autoconociiniento como exploração de honduras em
particular, a íntima verdade do que somos, o impensável mais inconcebível, também se inscreve na
objetividade, isto é, na história das posições sociais que ocupamos no passado e que ocupamos no
presente.

156 RESPOSTAS
Esta é a razão pela qual acredito que a história social da sociologia, entendida como
exploração do inconsciente científico do sociólogo através de a explicação da gênese dos problemas, as
categorias de pensamento e os instrumentos de análise que emprega, é um pré-requisito indispensável
da prática científica. E o mesmo se aplica à sociologia da Sociologia Eu acho que se a sociologia que
proponho é distinta em algo de outras sociologias passadas e presentes, isso se deve principalmente ao
fato de que volta-se contra as armas que produz. Ele confia no conhecimento das determinações sociais
susceptíveis de dificultar a sua trabalho e, em particular, na análise científica de todas as coerções e
limitações inerentes à ocupação de uma determinada posição em um campo e em certa trajetória, para
neutralizar seus efeitos.
Adotar o ponto de vista da reflexividade não significa desistir do objetividade, mas
questionar o privilégio do sujeito que é isenta completamente arbitrariamente, como puramente
antiético, do trabalho de objetificação. Optar pela reflexividade é tentar dar conta do "sujeito" empírico
nos mesmos termos de objetividade construído pelo sujeito científico - em particular, colocando-o em
um determinado do espaço-tempo social e, com base nisso, a consciência e atingir o domínio (tanto
quanto possível) das restrições que podem operar contra o assunto científico através de todos os links
que o ligam a sujeito empírico, aos seus interesses, impulsos e premissas, que ele precisa quebrar para
ser totalmente constituído. Não basta pesquisar o assunto, como é ensinado pela filosofia clássica do
conhecimento, as condições de possibilidade e os limites do conhecimento objetivo que ele institui.
Você também tem que busca no objeto construído pela ciência as condições sociais de possibilidade do
"sujeito" (por exemplo, o skholè e toda a coleção de problemas, conceitos, métodos, etc. que tornam
sua atividade possível) e os possíveis limites de seus atos de objetivação. Isso força a rejeição de
pretensões absolutistas da objetividade clássica, mas sem cair em relativismo: as condições de
possibilidade do "sujeito" científico e as de seu objeto são uma e a mesma coisa; a qualquer avanço no
conhecimento de as condições sociais de produção dos "sujeitos" científicos um progresso no
conhecimento do objeto científico e vice-versa. Isso é evidente que nunca quando a investigação toma
como objeto campo científico em si, isto é, o verdadeiro sujeito do conhecimento cientista
Longe de minar os fundamentos da ciência social, a sociologia dos determinantes práticas
sociais do sociológico é a base viável cínica uma possível liberdade no quadro dessas determinações. E
somente desde que a plena utilização desta liberdade seja assegurada mediante a apresentação a todos
no momento desta análise, o sociólogo pode produzir uma ciência rigorosa do mundo social que, longe
de condenar os agentes ao ferro
O OBJETIVO DO OBJETO, SUJEITO 157
um determinismo rígido, oferece-lhes os recursos de uma consciênciapotencialmente libertador.
Anotações
1 Para uma crítica dessa ideologia, leia, por exemplo, "E quem criou os criadores?"(1980j, tradução
para espanhol, pp. 225-238) e a análise de Flaubert.
2 Bourdieu escreveu muito sobre literatura e escritores, seja sobre Flaubert, Faulkner, Virginia Woolf,
Mallarmé, Francis Ponge, literatura belga, leitores e leitores, as histórias em quadrinhos ou o campo
literário em geral (ver, 1971b; 1975d; 1983c; 1985c; 1987a,pp. 132-143).
3 Para um exame dessas questões e uma crítica da concepção linear das histórias da vida, ver
"L'illusion biographique" (1986e). Em La noblesse d'Etat, Bourdieu (1989d, pp. 140-162, 533-539 e
passim, bem como 199 libras) mostra que o poder de consagrar, produzir hierarquias sociais sagradas e
separações (como na instituição - no sentido ativo - de uma elite não só superior e separada, mas
também "reconhecido e reconhecido como digno de ser reconhecido") é o que define,
por si só, a "magia do Estado" como poder simbólico.
5 Bourdieu delineou essa socioanálise em vários lugares (1980f, pp. 7-41, 1987a, pp. 13-71).

Segunda parte
A prática da antropologia reflexiva (Introdução ao seminário da Escola Superior de Estudos
em Ciências Sociais, Paris, outubro de 1987)
Pouca necessidade de assimilar as regras de Descartes a este princípio de que químico cujo
nome eu não me lembro: pegue o que é necessário e prossiga na maneira apropriada, para que você
consiga o que deseja. Não admitir inundação isso não é verdadeiramente evidente (isto é, a única coisa
que você deve admitir); dividir o assunto nas partes requeridas (isto é, fazer o que ele deve fazer);
proceda de acordo com a ordem (a ordem em que você deve proceder); realizar enumerações
completas (isto é, aquelas que você deve completar): isto é exatamente o comportamento das pessoas
que dizem que você tem que buscar boas e evite o mal. Há pouca dúvida de que tudo isso está correto;
apenas o critérios do bem e do mal.
Leibniz, Philosophischen Schriften, ed. Gehrardt, IV, p. 329

1 . Transmitir um oficio 161

Hoje gostaria, por exceção, de tentar explicar um pouco as intenções pedagógico com o qual
desejo realizar este seminário. Na próxima sessão, pedirei a cada um dos participantes que se apresente
brevemente e expor em poucas palavras o assunto de seu trabalho; Isso, eu insisto, será feito sem
Preparação especial, de maneira muito natural. O que eu quero ouvir não é é uma abordagem formal,
ou seja, de tipo defensivo e egocêntrico mesmo, que antes de tudo tentar (o que é compreensível) para
invocar o medo de crítica, mas uma apresentação simples e modesta do trabalho realizado, a
dificuldades encontradas, problemas, etc. Não há nada mais universal e universalizável do que as
dificuldades. Cada um de vocês sentirá grande alívio para descobrir que muitas das dificuldades que
ele atribuiu à sua falta de jeito ou a incompetência pessoal é universalmente compartilhada e todos
grande benefício das dicas na aparência muito individualizada que eu pode oferecer
Devo salientar que, de passagem, entre todas as disposições que eu gostaria de poder
inculcar, é a capacidade de conceber a pesquisa como uma empresa racional não como uma espécie de
busca mística, sobre a qual se fala ênfase, para se acalmar, mas que só pode aumentar o medo ou a
angústia. Esta posição realista - que não é sinônimo de cínico – é visando o máximo retorno dos
investimentos e a distribuição ideal de recursos, começando com o tempo disponível. Sei que Este
modo de viver - o trabalho científico tem um toque de desencanto e que pode afetar a imagem de que
numerosos pesquisadores fingem preservar. No entanto, pode ser o melhor e até o único caminho para
proteger contra desapontamentos muito mais dolorosos, como o do pesquisador que cai de seu pedestal
depois de muitos anos de auto-automação, durante o qual ele dedicou mais energia para tentar se
adequar à ideia exaltado que ele tem de pesquisa, isto é, de si mesmo como pesquisador, que
simplesmente para realizar seu trabalho.
162 RESPOSTAS
A abordagem de uma investigação é o oposto de um show, uma exposição onde se tenta
mostrar e demonstrar seu valor. É um discurso em que um é exposto, assume riscos (para ter mais
certeza de desativar sistemas de defesa e neutralizar estratégias de auto-apresentação, eu gostaria de te
pegar de surpresa, te dando a palavra sem ser prevenido ou preparado; No entanto, não se preocupe, eu
vou saber como respeitar a sua hesitação). Quanto mais um é exposto, mais provável é que aproveitar a
discussão, e mais amigável será, eu sou seguros, críticas ou sugestões (a melhor maneira de "liquidar"
erros, e os terrores que muitas vezes os motivam, riam deles todos juntos).
Eu pretendo apresentar - o que eu indubitavelmente farei na próxima vez – pesquisa que
estou realizando atualmente. Então eles podem contemplar um estado que é frequentemente descrito
como incipiente, isto é, em um estado confuso, amorfo, obras que são usadas para descobrir em sua
forma final. O homo os acadêmicos apreciam tudo que é terminado. Como pintores ramplones, elimina
pinceladas, toques e retoques de seu trabalho; eu tive uma grande ansiedade quando descobri que
pintores como couture, o mestre de Mariet, havia deixado esboços magníficos, muito perto da pintura
impressionista - que surgiu apesar de si mesmo - e que, em muitas ocasiões, eles estragaram suas obras
dando-lhes a última mão exigido pelo moral do trabalho bem feito, bem acabado, do qual a estética
acadêmico foi a expressão. Vou tentar apresentar essas investigações em curso com a sua confusão
profusa: dentro de certos limites, é claro, porque estou ciente de que, socialmente falando, eu não
tenho tanto certo como você a confusão, que você vai me perdoar menos do que vou perdoá-los e, em
certo sentido, com boas razões (mas, apesar de tudo, com referência a um ideal pedagógico implícito
que, sem dúvida, deve ser questionado; o que leva, por exemplo, a medir o valor de um ensino e sua
eficácia pedagógica, pela quantidade e a precisão das notas que poderiam ter sido tomadas).
Uma das funções de um seminário como este é fornecer-lhes o oportunidade de observar
como o trabalho de pesquisa realmente ocorre. Eles não terão uma revisão abrangente de todas as
pontuações, de todas as repetições que foram necessárias para chegar ao relatório final que o cancelar
Mas o filme acelerado que apresentarei a você permitirá que você ter uma ideia do que acontece na
privacidade de uma oficina, comparável ao artesão ou ao pintor Quattrocento, com todas as suas
hesitações, atoleiros, renúncias, etc. Pesquisadores mais ou menos avançados apresentam objetos que
eles tentaram construir e estão sujeitos a perguntas; então, para o caminho de um velho "companheiro",
como se diz na linguagem de "trades", eu tento contribuir com a experiência obtida com base em todas
as minhas pontuações e erros do passado.
TRANSMITIR UM ESCRITÓRIO 163
O ápice da arte é, claro, ser capaz de fazer aposta smuito importante "teórico" sobre objetos
"empíricos" muito precisos e, em aparência, menor e até mesmo irrisório. Nas ciências sociais, você
tende a acreditar que a importância social ou política do objeto é suficiente por si só para apoiar a
importância do discurso que é dedicado a ele; isto é, sem dúvida a razão pela qual os sociólogos são
mais propensos a medir seus próprios importância através da importância dos objetos que estudam,
como aqueles que estão atualmente interessados no Estado ou no poder, estão com freqüentemente,
aqueles menos atentos aos procedimentos metodológicos. Na realidade, o que conta é a construção do
objeto e o poder de um método de pensamento que nunca se manifesta tão bem quanto em sua
capacidade de construir objetos socialmente insignificantes em objetos científicos, o que dá o mesmo,
em sua capacidade de reconstruir cientificamente, concentrando-os de um ângulo incomum, os grandes
objetos socialmente importantes. Isso é o que eu tento fazer, por exemplo, quando eu começo de uma
forma muito precisa do que é um certificado (deficiência, aptidão, deficiência, etc.), compreender um
dos principais efeitos do monopólio estatal do violência simbólica. Nesse sentido, o sociólogo está
hoje em um situação muito semelhante - mutantis mnutandis - ao de Manet ou Flaubert que, para
exercer plenamente o modo de construção da realidade que eles estavam inventando, eles aplicaram a
objetos tradicionalmente excluídos do arte acadêmica - exclusivamente reservada para aquelas pessoas
e coisas socialmente designado como importante -, o que os levou a ser marcados como "realista"
Você tem que saber como transformar problemas muito abstratos em operações práticas
científicas, o que implica, como será visto mais para a frente, uma relação muito especial com o que é
geralmente chamado de "teoria" ou "empiria". Nesta empresa, os preceitos abstratos, como
apresentados, por exemplo, no The Sociologist's Office - você precisa construir o objeto e colocar em
questão os objetos pré-construídos - embora tenham a virtude de acorde e coloque em alerta, eles não
são muito úteis. Isso é devido, sem dúvida, não há outra maneira de adquirir os princípios fundamentos
de uma prática - incluindo a prática científica – como não está praticando com a ajuda de um guia ou
treinador, que garante e tranquilizar, quem deu o exemplo e corrigir a enunciação, na situação,
preceitos diretamente aplicáveis ao caso particular.
Claro, pode acontecer que depois de ter assistido a duas horas de discussão sobre o ensino de
música, artes marciais, nascimento de uma crítica de jazz ou dos teólogos franceses, você se pergunta
se não eles perderam seu tempo e se realmente aprenderam alguma coisa. Eles não vão testemunhar
belas exposições relacionadas à ação comunicacional, a teoria da sistemas ou mesmo a noção
de campo ou habitus. Em vez de apresentar como fiz há vinte anos, uma explicação brilhante da noção
de
164 RESPOSTAS
estrutura na matemática moderna e física e as condições de aplicação do modo de pensamento
estrutural à sociologia (que é, indubitavelmente, muito mais "impressionante"), direi as mesmas coisas,
mas em um forma prática, isto é, através dos comentários mais triviais e banais, através de questões
elementares - tão elementares que omitimos com muitas vezes perguntam-lhes, e aprofundar os
detalhes de um estudo particular (você não pode realmente conduzir uma investigação - uma vez que é
disso que se trata - mas com a condição de fazê-lo com quem ser diretamente responsável por isso, o
que implica trabalhar com questionários, ler tabelas estatísticas, interpretar documentos e sugerir, de
acordo com caso, hipótese, etc .; é óbvio que você não pode, sob estas condições, realmente mais do
que um pequeno número de empregos e que aqueles que fingem "direta" um grande número deles não
faz verdadeiramente o que eles afirmam estar fazendo).
Como se trata essencialmente de comunicar um modus operandi, um forma de produção
científica que pressupõe um modo de percepção e um conjunto de princípios de visão e divisão, não há
outra maneira de adquiri-lo que vendo isso funcionar na prática, observando como (sem, para isso,é
necessário usar princípios formais) este habitus científico, chamando-opelo seu nome, "reage" a
decisões práticas: certos tipos de displays,determinado questionário, etc.
O ensino de um ofício ou, diria Durkheim (COM1), de uma "arte", entendida como "prática
pura sem teoria", exige uma pedagogia que não tem nada a ver aquele que se aplica ao ensino do
conhecimento. Como pode ser vistoclaramente em sociedades carentes de escrita e escolas - mas se
encaixa salientar que isso também se aplica ao que é transmitido nas sociedades com as escolas e,
inclusive, nas próprias escolas, inúmeras formas de pensamento e ação - muitas vezes o mais vital -
são transmitidos a partir do prática para praticar, através de modos de transmissão totais e práticos
baseado no contato direto e duradouro entre quem ensina e quem learn ("Faça o mesmo que eu"). Os
historiadores e filósofos das ciências -E, acima de tudo, os próprios cientistas - observaram
freqüentemente que uma parte muito importante da profissão de cientista é adquirida de acordo com
modos de aquisição totalmente práticos; o papel da pedagogia da silêncio, em que há pouca ênfase na
explicitação de ambos osesquemas transmitidos corito dos esquemas que operam na transmissão, é
sem dúvida mais importante em uma ciência porque o conteúdo, conhecimento, modos de pensamento
e ação são, eles mesmo, menos explícito e menos codificado.
A sociologia é uma ciência relativamente avançada, muito mais do que acredita-se
comumente, mesmo entre os sociólogos. Um bom indicador de colocar um sociólogo ocupa em sua
disciplina seria o auge da ideia de que você tem sobre o que você precisa saber para ser realmente até o

TRANSMITIR UM ESCRITÓRIO 165


próprio estoque de sua especialidade; a propensão a uma apreensão modesta de suas próprias
capacidades científicas não pode senão aumentar de acordo com conhecimento das aquisições mais
recentes em questão de métodos, técnicas, conceitos ou teorias. Mas a sociologia ainda ela é pouco
codificada e mal formalizada. Portanto, não é possível, como em outras disciplinas, referem-se a
automatismos de pensamento ou automatismos que substituem o pensamento (provas ex tenitinis, isto
é, a "evidência cega" dos símbolos, que Leibniz se opôs à evidência Cartesiano) ou, ainda, a todos os
códigos de bom comportamento científico -Métodos, protocolos de observação, etc.- que caracterizam
os campos mais cientistas codificados. Assim, para obter práticas conformes, é necessário conte com
os esquemas de habitus incorporados.
O habitus científico é uma regra incorporada ou, melhor dizendo, um modus operação
científica que funciona na prática de acordo com as regras do ciência, mas sem partir deles: esse tipo
de sentido do jogo científico faz com que alguém faça o que deve ser feito na hora certa, sem ter Era
preciso tematizar o que deveria ser feito e, menos ainda, regra que permitiu exibir o comportamento
adequado. O sociólogo que tentatransmitir um habitus científico se assemelha mais a um treinador de
esportes de alto nível do que um professor da Sorbonne. Ele afirma alguns princípios e preceitos
gerais. Você pode, claro, enunciar alguns, como eu fiz em o trabalho de um sociólogo, mas sabendo
que ele não deve se limitar a ele (em Em certo sentido, não há nada pior que a epistemologia, quando
se torna em um tópico de dissertação e um substituto para pesquisa). Prosseguir por indicações
práticas, de maneira muito semelhante à do treinador que faz um movimento ("Eu, ao invés disso, eu
faria isso" ...) ou através de "correcções" aplicadas à prática corrente e concebidas de acordo com o
para o próprio espírito da prática ("Eu não faria essa pergunta, exceto não nesses termos ").

2. Pense em termos relacionais 167

Em nenhum campo estes princípios são mais bem aplicados do que na construção do objeto,
a operação sem dúvida mais importante e, no entanto, mais ignorada, particularmente na tradição
dominante, que é organizada em torno de à oposição entre "teoria" e "metodologia". O paararaddigi
mrnaa (no um sentido de realização exemplar) da "teoria" teórica é o trabalho de Parsons, um pote
conceitual resultante da compilação meramente teórica (é para dizer, alheio a qualquer aplicação) de
algumas grandes obras (Durkheim, Pareto, Weber, etc.) reduzida à sua dimensão "teórica" ou, melhor
dizendo, professor ou, talvez, ao neofuncionalismo de Jeffrey Alexander, que é mais perto de nós.
Produto de ensino, essas compilações ecléticas e classificações servem para ensinar, e somente para
isso. Por outra parte, existe a "metodologia", um catálogo de preceitos que não epistemologia, como
uma reflexão que visa explicar os padrões de prática científica, do ponto de vista de seus erros e de
seus sucessos, nem à teoria científica. Aqui, penso em Lazarsfeld. O casal Parsons-Lazarsfeld (e, entre
eles, Merton, com suas teorias de mídia escopo) constituiu uma espécie de holding socialmente muito
"científica" poderoso que dominou, por trinta anos, o cenário da sociologia mundo A divisão "teoria" -
"metodologia" constitui, por oposição epistemológica, uma oposição constitutiva à divisão social do
trabalho cientista em um determinado momento (como a oposição entre professores e pesquisadores).
Eu acho que essa divisão deveria ser categoricamente rejeitada instâncias separadas, porque estou
convencido de que não é possível restaurar o concreto, combinando duas abstrações.
De fato, as escolhas técnicas mais “empíricas” são inseparáveis do construção mais "teórica"
do objeto. Está sempre em funcionamento de certa construção do objeto que tal método de amostragem
é imposto, certa coleta de dados ou técnica de análise, etc. Mais precisamente, qualquer dado empírico
só pode funcionar como evidência ou, como

168 RESPOSTAS
dizem os anglo-saxões, como prova, com base em um corpo de hipóteses derivado de um
conjunto de premissas teóricas. Agora, com muito a freqüência é prosseguida como se fosse evidente o
que pode ser levantado como prova. Isso, de acordo com uma rotina cultural que foi imposta e
inculcada, mais frequentemente do que não, para a educação (a famosa "metodologia" cursos das
universidades americanas). O fetichismo da evidência leva rejeitar trabalhos empíricos que não
aceitam tão claramente a definição como evidência: cada pesquisador não reconhece o status dos dados
(dados) mas a uma pequena fração do que foi dado; nem como deveria ser, com o que tem direito à
existência científica em virtude de sua problemática (o que é perfeitamente normal), mas apenas com o
que é apoiado e garantido pela tradição pedagógica a que pertence e apenas para este.
É significativo que "escolas" ou tradições ao redor de uma técnica de coleta de dados. Por
exemplo, no momento, alguns etnometodologistas só admitem a análise da conversação que é reduzir à
análise de um texto extraído de seu contexto, ignorando completar os dados que podem ser descritos
como etnográficos em relação ao ambiente imediato (que é designado, tradicionalmente, com o nome
da situação), para não mencionar os dados que permitiriam localizar a situação dentro a estrutura
social. Estes "dados", que muitas vezes são confundidos com o concreto são, na verdade, o produto de
uma formidável abstração – que isso acontece invariavelmente, desde que o dado é sempre construído,
mas que, neste caso, é uma abstração que não é conhecida como tal. Assim, teremos monomaníacos
das distribuições estatísticas, na análise do discurso, de observação participante, da entrevista aberta ou
aprofundado (em profundidade), da descrição etnográfica, etc. A adesão rígida a um ou outro desses
métodos definirá a associação em uma escola; por Por exemplo, os interacionistas são identificados
pelo culto da "etnografia" e os etnólogos, por sua paixão exclusiva pela análise da conversação. iY
Será considerado um rompimento radical com o monoteísmo metodológico o fato combinar análise do
discurso com análise etnográfica! Seria realizar a mesma análise em relação às técnicas de análise,
análise e de múltiplas variáveis, a regressão, a análise de caminho, a análise de rede, a análise fatorial.
Aqui, novamente, o monoteísmo prevalece. Isto é devido, sem dúvida, que dá a aparência de base
metodológica à arrogância da ignorância: a sociologia mais elementar da sociologia cn5cña que,
muitas vezes, as condenações metodológicas são uma forma de transformando a necessidade em
virtude, fingindo ignorar (no sentido ativo da palavra) aquilo que é simplesmente desconhecido.
Também seria necessário analisar a retórica da apresentação dos resultados que, quando se
torna uma exibição de dados, métodos procedimentos, muitas vezes serve para mascarar erros
elementares de

Pense em termos relacionais 169

construção do objeto, ao contrário, quando medido de acordo com os parâmetros deste


exibicionismo dos dados brittU111, o exposição rigorosa e econômica de resultados relevantes muitas
vezes a desconfiança dos fetichistas do protocolo (no duplo sentido) de uma forma de evidência ...
Mas, com o propósito de convertê-lo em um preceito positivo todas essas críticas, vou apenas dizer
que é necessário cuidar de todas as rejeições sectárias que estão escondidas por trás das profissões de
fé muito exclusivo, e tentar, em cada caso, mobilizar todas as técnicas que, dada a definição do objeto,
pode parecer relevante e, dado as condições práticas de coleta de dados são utilizáveis na prática.
Podemos, por exemplo, usar a análise de correspondência para realizar uma análise do discurso (como
fiz no caso dos discursos das diferentes empresas de produção de bens industriais), ou combinar a
análise estatística mais clássica com um conjunto de entrevistas em profundidade ou observações
etnográficas (como eu fiz em La distinção). De qualquer forma, a investigação é uma coisa muito séria
e difícil para que podemos nos dar ao luxo de confundir rigidez, que é o oposto do inteligência e
inventividade, com rigor, e dispensar isso ou aquilo do recursos que o conjunto das tradições
intelectuais do disciplina, e disciplinas relacionadas, tais como etnologia, economia e historia Isso me
faz querer avisar: "proibido proibir" ou "cuidado com cães de guarda metodológicos. "É claro, a
extrema liberdade que Eu prego, e isso me parece ser mero senso comum, tem como contrapartida
extrema vigilância sobre as condições de uso das técnicas, sobre a sua relevância para o problema
levantado e sobre as condições da sua aplicação. Eu freqüentemente descubro que nossos apóstolos de
rigor metodológico são bastante lenientes, mesmo descuidados, no próprio emprego daqueles métodos
daqueles que afirmam ser defensores ...
O que faremos aqui pode parecer ridículo. Mas, antes de tudo, o construção do objeto - pelo
menos de acordo com minha experiência como pesquisador - não é algo que é realizado de uma vez
por todas, através de uma espécie de ato teórico inaugural, e o programa de análise ou observações
através do qual essa construção é realizada não é um plano elaborado de antemão, como o de um
engenheiro: é um trabalho longo duração, que é realizada pouco a pouco, através de sucessivos
retoques e de um série de correções e retificações ditadas pelo que chamamos de experiência, isto é,
este conjunto de princípios práticos que orientam a pequenas escolhas e, no entanto, decisivas.
Portanto, apenas com base em uma idéia um tanto exaltada e muito irrealista da pesquisa, pode
Alguém surpreso que nós gastamos muito tempo discutindo detalhes em aparência - mesmo
insignificante - como a questão de saber se o pesquisador deve proclamar seu status como sociólogo ou
se esconder atrás de
170 RESPOSTAS
uma identidade mais aceitável - por exemplo, a de um etnólogo ou historiador - ouse é melhor incluir
uma determinada pergunta em um questionário para uma gestão estatística ou reservá-lo para um
interrogatório para os informantes, etcetera
Essa atenção aos detalhes dos procedimentos de investigação, cujos dimensão social
adequada (como encontrar bons informantes, como abordá-los, como expor os propósitos da
investigação e, mais geralmente, como "penetrar" o ambiente estudado, etc.) não é o menos
importante, deve ter o efeito de colocá-los em guarda contra o fetichismo dos conceitos e da "teoria",
que tem sua origem no propensão a considerar instrumentos "teóricos", como os de habitus, campo,
capital, etc., em si mesmos, em vez de fazê-los funcionar, para aplicá-los.
A noção de campo é, em certo sentido, a estenografia conceitual um modo de construção do
objeto que governará - ou guiará – tudo as decisões práticas da investigação. Funciona como um
lembrete: Devo verificar que o objeto que pretendo estudar não está preso em uma rede de
relacionamentos para a qual você deve a essência de suas propriedades. Através da noção de campo, o
primeiro preceito do método é levado em conta, que exige lutar por todos os meios a inclinação inicial
para conceber a mundo social realisticamente ou, como Cassirer diria, substantivamente, lista (ver
Substanzbegr iff und Fu, nktionsbegriff): é necessário pensar em termos relacional Agora, é mais fácil
pensar em termos de realidades em certa medida palpável, como grupos e indivíduos, que em termos
de relacionamentos. Por exemplo, é mais acessível conceber o diferenciação social sob a forma de
grupos definidos como populações, à noção de classe ou, ainda, aos antagonismos entre estes grupos,
que na forma de um espaço de relacionamentos. Os objetos comuns de investigação são realidades
apontadas ao pesquisador pelo fato de "eles se fazem sentir" de certa forma "ao levantar problemas"
(por exemplo, mães solteiras do gueto negro de Chicago. ") E, na maioria das vezes, o os
pesquisadores tomam como objetos os problemas colocados pelas populações delimitada de forma
mais ou menos arbitrária, obtida através de divisões sucessivas de uma categoria pré-estabelecida,
como "anciãos", "jovens", "imigrantes", etc. Então teremos, por exemplo: "o jovens dos subúrbios
ocidentais de Villeurbanne. "(Em todos estes casos, a primeira coisa que deveria ser feita seria levar o
trabalho social como um objeto de construção do objeto preconstrido: é aí que o verdadeiro ponto de
ruptura.)
No entanto, não é suficiente usar as grandes palavras da "grande teoria" para fugir para o
modo de pensamento realista. Por exemplo, em relação a poder, questões substancialistas e realistas
localização será solicitado (à maneira dos antropólogos culturalistas que se perguntavam
incessantemente
PENSAMENTO EM TERMOS RELACIONAIS 171
sobre o locus da cultura): alguns se perguntarão onde está ele, quem detém (quem governa?); outras, se
apropriado de cima ou de baixo, etc., de da mesma maneira que certos sociolinguistas se preocupam
em descobrir onde ocorre a mudança lingüística, seja entre os burgueses ou os pequenos burgueses,
etc. Para romper com este modo de pensar - e não pelo eu gosto de aplicar um novo rótulo para odds
velhos teóricos, vou falar sobre campo de potência (em vez de classe dominante, conceito realista
designando para uma população muito tangível de detentores dessa realidade, igualmente tangível, que
recebe o nome de poder): entendendo com ele as relações força entre as posições sociais que garantem
aos seus ocupantes uma quantidade suficiente de força social - ou capital - para poder participar das
lutas pelo monopólio do poder, do qual eles são dimensão capital as lutas pela definição da forma
legítima de poder (Penso, por exemplo, nos confrontos entre "artistas" e "burgueses" no século XIX).
Dito isso, uma das dificuldades da análise relacional é que, a na maioria das vezes, você não
pode capturar espaços sociais, mas na forma de distribuições de propriedades entre indivíduos. Isso,
porque a informação acessível está ligada aos indivíduos. Então, para entender o subcampo do poder
econômico e as condições sócio-econômicas de sua reprodução, somos forçados a questionar os
duzentos empreendedores francês mais importante No entanto, é essencial cuidar do regressão à
"realidade" das unidades sociais pré-construídas. Para eu sugiro que você recorra a este instrumento
muito simples e muito confortável de construção do objeto que é a tabela das características relevantes
de um conjunto de agentes ou instituições; por exemplo, ao analisar diferentes artes artes marciais
(luta, judô, karatê, etc.), diferentes estabelecimentos de ensino superior ou diferentes jornais
parisienses, vou escrever o nome de cada uma das instituições em uma fileira e vou abrir uma nova
coluna todos depois de descobrir uma propriedade necessária para caracterizar uma delas, que me
obrigará a investigar, em todos os outros, a presença ou ausência da referida propriedade. Isso, na fase
puramente indutiva da localização. Então, você terá que eliminar as sobreposições e reunir as colunas
reservadas características estruturalmente ou funcionalmente equivalentes, de tal forma que pode reter
todos esses recursos - e somente estes - que são capazes discriminar mais ou menos claramente às
diferentes instituições, isto é, as características relevantes. Este instrumento simples tem a virtude de
conceituar em termos relacionais as duas unidades sociais consideradas como suas propriedades, que
podem ser caracterizadas em termos de presença ou ausência (sim / não).
Ao custo de tal trabalho de construção, que não é realizado síria através de uma longa série
de pontuações, os espaços são gradualmente construídos que, embora só possam ser conhecidos na
forma de relacionamentos
172 RESPOSTA

objetivos muito abstratos, que não podem ser sentidos ou apontados com a dedo, constituem a essência
do mundo social. Eu os encaminho, por exemplo, para um trabalho que acabei de publicar sobre as
grandes escolas onde eu explico, através de uma espécie de crônica muito resumida de uma
investigação cuja realização levou cerca de duas décadas, como é a monografia passada, que tem todo
o aspecto da cientificidade, para um verdadeiro objeto construído: o campo das instituições escolares
assegura a reprodução do campo de poder. É menos fácil evitar a armadilha do objeto pré-construído
quando é, por definição, um objeto que me interessa, sem saber precisão a verdadeira razão para este
"interesse". Vamos ver o caso da escola Normal: o conhecimento inicial que posso ter dele, que é
muito mais pernicioso quando você experimenta isso como desmistificado e desmistificando, gera uma
série de perguntas extremamente ingênuas que qualquer estudante normal vai achar interessante
porque "eles surgem espontaneamente "o normando que é questionado sobre sua escola, é digamos,
sobre si mesmo: Os literatos normais têm uma origem social? maior que os cientistas? A ordem de
entrada contribui para determinar a escolha de disciplinas, matemática ou física, filosofia ou letras,
etc.? De fato, o problema espontâneo, no qual um poderoso intervém fator de complacência narcisista,
geralmente é ainda mais ingênuo. Corroborar isso, eles farão bem em consultar os trabalhos com
pretensão científica que, de há cerca de vinte anos, eles se dedicaram a essa ou aquela grande escola.
Ao final, você pode escrever um volume grosso cheio de fatos na aparência perfeitamente científico,
mas isso não afetará o essencial, ou seja, pelo menos como eu acredito, se a Escola Normal, para a qual
os links podem se juntar a mim afetivo, positivo e / ou negativo, produto dos meus investimentos
anteriores, não é, na realidade, mais do que um ponto localizado em um espaço de relacionamentos
objectivo (um ponto a partir do qual, por outro lado, o "peso" terá que ser determinado na estrutura); e
se, mais precisamente, a verdade desta instituição na rede de oposição e relações de concorrência que
assimilam conjunto de instituições de ensino superior, e que unem essa rede mesmo para o conjunto de
posições dentro do campo de poder, posições para o qual a passagem pelas grandes escolas permite o
acesso. Se for verdade que o real é relacional, é muito factível que eu não saiba nada sobre um
instituição sobre a qual eu acho que sei tudo, porque ela não é nada de suas relações com o todo.

Portanto, os problemas de estratégia que sempre surgem e quais ressurgir de novo e de novo
em nossas discussões sobre projetos de pesquisa: é melhor estudar extensivamente o conjunto de
elementos do objeto construído ou estudar intensivamente um fragmento limitado deste conjunto
teórico que carece de justificativa científico? A eleição que tem maior aprovação social, em nome de
de uma ideia ingenuamente positivista de precisão e "seriedade", é a
PENSAMENTO EM TERMOS RELACIONAIS 173
segundo: estudar "completamente um objeto muito preciso e circunscrito", os consultores de tese
considerariam. (Seria muito fácil demonstrar como virtudes pequeno-burguesas de "prudência",
"seriedade", "honestidade", etc. que poderia ser praticado igualmente na gestão de uma contabilidade
comercial ou um trabalho administrativo, são transformados aqui em "método científico ".)
Na prática, a questão dos limites do campo será levantada, uma questão aparência positivista,
à qual é possível dar uma resposta teórica (o limite de um campo é o limite de seus efeitos ou, no outro
sentido, um agente ou uma instituição faz parte de um campo na medida em que sofre e produz efeitos
na mesma), resposta provável para orientar estratégias de pesquisa destinada a encontrar respostas
factuais. A consequência disso, quase sempre se enfrentará a alternativa: análise intensiva de uma
fração praticamente tangível do objeto ou análise extensiva do objeto verdadeiro Mas o ganho
científico inerente ao conhecimento do espaço dentro do qual o objeto estudado foi isolado (por
exemplo, uma escola particular), que é necessário tentar entender, mesmo que superficialmente e, na
ausência de algo melhor, através de informações de segunda mão, encontra-se em que, sabendo o que
se está fazendo e conhecendo a essência da realidade de onde um fragmento foi abstraído, torna-se
possível pelo menos identificar as grandes linhas de força do espaço cuja coerção é exercida sobre o
ponto considerado (um pouco como os arquitetos do século XIX, que eles fizeram, com carvão,
esboços admiráveis de todo o edifício onde aquela parte que eles queriam representar estava localizada
todos os detalhes). E, acima de tudo, o risco de procurar (e "encontrar") em o fragmento estudou
mecanismos ou princípios que, na realidade, são fora disso, em suas relações com outros objetos.
Construa o objeto também que pressupõe, antes dos fatos, um postura ativa e sistemática:
romper com a passividade empirista, como só ratifica as preconizações do senso comum, não é
necessário propor grandes construções teóricas vazias, mas para tratar de um caso empírico com a
intenção de construir um modelo - que não precisa adotar uma forma matemática ou formalizada para
ser rigorosa, combinar os dados relevantes de tal forma que funcionem como um programa de pesquisa
que levantam questões sistemáticas, capazes de extrair respostas igualmente sistemático, em suma,
construir um sistema coerente qual deve ser testado col.io tal. Trata-se de investigar sistematicamente
o caso particular, constituído em "caso particular do possível", como diz Bachelard, para limpar suas
propriedades gerais ou invariantes que apenas pode descobrir através deste tipo de pesquisa (o fato de
que intenção é muitas vezes ausente das obras dos historiadores é devido, indubitavelmente, que a
definição social (sua tarefa, que é inscrito na definição social de sua disciplina, é menos ambicioso ou
174 RESPOSTAS
pretensioso, mas também menos exigente, desse ponto de vista, que o que é imposto ao
sociólogo).Raciocínio analógico, que é baseado na intuição racional do homologias (fundada, em si, no
conhecimento das leis invariantes dos campos), é um instrumento formidável para a construção do
objeto: torna possível mergulhar totalmente na particularidade do caso estudado sem se afogar, como
faz a ideologia empirista, e cumprir o propósito de generalização, que é a própria ciência, não através
da aplicação de grandes construções formais e vazias, mas por este caminho peculiar para conceituar o
caso particular, consistindo em concebê-lo realmente como tal. Essa maneira de pensar é aplicada de
uma maneira totalmente lógica dentro e através do uso do método comparativo, que permite conceituar
em termos relacionais um caso particular constituído se possível, baseado em homologias estruturais
existentes entre diferentes campos (o campo do poder universitário e o campo do poder religioso,
através da homologia própria relações professor-intelectual e bispo-teólogo) ou entre diferentes estados
de mesmo campo (o campo religioso na Idade Média e hoje em dia).
Se este seminário funcionar como espero, será apresentado como um realização social prática
do método que eu tento promover: você vai ouvir para pessoas que, apesar de trabalharem com
extrema variado, será submetido e será submetido a um interrogatório sempre guiado pelos mesmos
princípios; Desta forma, o modus o operandi que desejo transmitir será transmitido de uma certa
maneira prática, sem que seja necessário explicá-la teoricamente, por meio de sua aplicação repetida
para diferentes casos. Cada um, ouvindo os outros, vai pensar sobre sua própria pesquisa, e a situação
de comparação institucionalizada assim criado (o método, como a moralidade, só funciona se for bem-
sucedido inscrever-se nos mecanismos de um universo social) forçá-lo, ao mesmo tempo e sem
contradição, para particularizar seu objeto, para percebê-lo como um caso particular (isto, ao contrário
de um dos mais comuns da ciência social, a saber, a universalização do caso particular), generalizá-lo e
descobrir, aplicando questões gerais, as características invariantes que eu posso esconder sob a
aparência de singularidade. (Um dos efeitos mais diretos deste modo (o pensamento seria o de exclui a
semi-macro-clarificação, que leva à produção de conceitos concretos, resumos, resultante da
introdução clandestina, no discurso técnico, de palavras autóctones ou fatos não analisados.) No
momento em que foi mais diretivo, ele insistentemente recomendou aos pesquisadores que eles
estudarão pelo menos dois objetos: por exemplo, no caso dos historiadores, aparte do seu objeto
principal, isto é, certa editora do século wIII ou os colecionadores do Segundo Império, o equivalente
contemporâneo deste objeto - uma editora parisiense ou um grupo de colecionadores -,
PENSAR EM TERMOS RELACIONAIS 175
porque o estudo do presente tem, pelo menos, o efeito de obrigar a objetivar e controlar as
premonições que o historiador sempre projeta no passado, mesmo que ele só use, para descrevê-lo,
palavras contemporâneas (como "artista", o que nos faz esquecer que a noção correspondente é uma
invenção extraordinariamente recente).

3. Uma dúvida radical 177


Construir um objeto científico significa, em primeiro lugar, romper com o senso comum, isto
é, com representações compartilhadas por todos, seja de lugares comuns simples de existência
ordinária ou de representações funcionários, muitas vezes registrados em instituições e, portanto, tanto
no objetividade das organizações sociais como nos cérebros. O pré-construído está em todo lugar. O
sociólogo está ligeiramente sitiado tão pré-construído, como todo mundo. Sua tarefa é saber um objeto,
o mundo social, do qual é um produto, para que os problemas que surge sobre ele, e seus conceitos -
em particular, as noções classificações que você usa para conhecê-lo: noções comuns, como nomes de
profissões; noções científicas, como aquelas tratadas por tradição de sua disciplina - eles têm todas as
probabilidades de ser um resultado deste mesmo objeto. O que contribui para fornecer evidências -
Derivada da coincidência entre as estruturas e estruturas objetivas subjetivo, que impede que eles
sejam questionados.

Como pode o sociólogo colocar em prática a dúvida radical que é necessário questionar todas
as premissas inerentes ao fato que ele é um ser social e que, portanto, ele é socializado e tende a sentir
como um peixe na água dentro deste mundo social cujas estruturas têm internalizado? Como você
pode impedir que o mundo social se realize em sentido, através de sua pessoa e as operações
inconscientes de si mesmo de que ele é o assunto aparente, a construção do mundo social, do objeto
científico? Não construindo, como o hiper-empirismo faz positivista, que aceita sem questionar
quantos conceitos são propostos (achiwernent, adscription, profession, 'role, etc.), ainda é uma forma
de construir, porque implica registrar e ratificar algo que já está construído. Sociologia ordinária, que
poupa o questionamento radical de seus próprias operações e instrumentos de pensamento e que, sem
dúvida, consideraria essa intenção reflexiva como um vestígio de uma mentalidade
178 RESPOSTAS
filosófico e, portanto, como um remanescente pré-científico, é totalmente transferido para o objeto que
você pretende conhecer, e aquele que você realmente não conhece porque ele não se conhece Uma
prática científica que não questiona ela mesma não sabe, na realidade, o que está fazendo. Preso pelo
objeto que toma como objeto, revela algo deste objeto, mas algo que não é realmente objetificado, uma
vez que é sobre os próprios princípios da compreensão do objeto.
Seria fácil demonstrar que esta ciência semicientífica se baseia no mundo social seus
problemas, seus conceitos e seus instrumentos de conhecimento e que muitos as vezes, registra como
dado, como dados empíricos independentes do ato de conhecimento e ciência que o favorece, fatos,
representações ou instituições que são o produto de um estado anterior de ciência, em suma, que
registre-se sem reconhecer ...
Eu devo parar momentaneamente em cada um desses pontos. O ciência social está sempre
exposta a receber do mundo social que estuda os problemas que ela levanta sobre ele: cada sociedade
elabora, em a cada momento, um conjunto de problemas sociais considerados legítimos, digno de ser
discutido, publicado, às vezes oficializado e, de certa forma, garantido pelo Estado. Trata, por
exemplo, com os problemas propostos às grandes comissões oficialmente designadas para estudá-las e,
também, de uma maneira mais ou menos direta, aos próprios sociólogos, através de formas de
demanda burocrática (ofertas, programas de estudo, etc.) e financiamento (contratos, subsídios, etc.).
Numerosos objetos reconhecidos da ciência oficial, títulos de emprego, etc., são apenas problemas
grupos sociais contrabandeados para a sociologia (pobreza, delinquência, juventude, educação, lazer,
esportes, etc.), que demonstraria uma análise da evolução ao longo do tempo de grande divisões
realistas da sociologia, conforme expresso nas rubricas de os grandes periódicos ou nas denominações
dos grupos de trabalho participantes nos congressos mundiais da disciplina - variam de acordo com
com as flutuações da consciência social do momento. Este é um dos mediações através das quais o
mundo social constrói o seu próprio representação, usando sociologia e sociologia para isso. Para este
último, mais do que qualquer outro pensador, sai na fase de eu pensei que seu próprio pensamento
significa condenar-se a não ser mais do que o instrumento do que pretende conceituar.

Como escapar dessa situação? `Como o sociólogo pode escapar do persuasão clandestina
exercida em todos os momentos em sua pessoa, quando você lê o jornal ou assiste televisão ou até
mesmo quando pensa o trabalho de seus colegas? O fato de estar alerta já é importante; mas não é o
suficiente. Um dos instrumentos mais poderosos de ruptura é o história social de problemas, objetos e
instrumentos de pensamento, este é, a história do trabalho social, construção de instrumentos de
construção

Uma dúvida radical 179


da realidade social (como as noções comuns de papel social, cultura, velhice, etc. ou sistemas de
classificação), que funciona dentro do mundo social como um todo ou neste ou naquele campo
especializado e, muito particularmente, no campo das ciências sociais (o que levaria a atribuir um
programa e uma função muito diferente do que eles estão no presente ao ensino da história social das
ciências sociais; história que, em essência, ainda não está escrito). Uma parte importante do trabalho
coletivo expressado na revista Actes de la recherche en sciences sociales versa sobre a história social
dos objetos mais comuns da vida cotidiana: Eu penso, por exemplo, em todas aquelas coisas que se
tornaram comuns e, portanto, tão óbvio, que ninguém presta atenção a eles, como estrutura de um
tribunal, o espaço de um museu, o acidente de trabalho, o isolador, a caixa de entrada dupla ou,
simplesmente, a escrita ou a registro A história assim concebida não nasce de um interesse antiquário,
mas do desejo de entender por que e como é entendido.

Para evitar ser o objeto dos problemas que serão tomados pelo objeto, elaborar a história
social do surgimento desses problemas, de suas constituição progressiva, isto é, trabalho coletivo -
muitas vezes em condições de competição e luta, era necessário conhecer e reconhecer estes problemas
como legítimos, confessáveis, publicáveis, públicos e oficiais: podemos pensar sobre os problemas da
família, divórcio, crime, drogas, trabalho de mulheres, etc. Em todos os casos, você descobrirá que o
problema aceito como evidente pelo positivismo ordinário (que é o primeiro impulso de todo
pesquisador) tem sido socialmente produzido dentro e através do trabalho coletivo de constrição da
realidade social; que comissões, reuniões, associações, ligas de defesa, movimentos, manifestações,
petições, demandas, deliberações, votos, cargos, projetos, programas, resoluções, etc, de modo que o
que foi e poderia ter permanecido um problema privado, particular e senhor lgulal ', tornou-se dez
pmblema social, um problema público dos quais se pode falar / falar - vamos pensar em aborto ou
homossexualidade - ou, ainda, em um problema oficial, objeto de tomada de posição oficial, mesmo de
leis e decretos. Aqui, pode-se analisar o papel particular do campo político e, acima de tudo, do campo
burocrático: através da lógica muito particular da comissão burocrática, que estou examinando de
propósito da elaboração, em 1975, de uma nova política de assistência habitacional França, este campo
contribui decisivamente para a consagração econstituição de problemas sociais "universais". A
imposição de problemática experimentada pelo pesquisador - como qualquer agente social, e da qual se
torna um intermediário sempre que aceita estudar, sem examiná-los, temas atuais - incluindo-os,
exemplo, nos seus questionários, é muito mais provável que os problemas tidas como certas em um
universo social são aquelas que têm maior
180 RESPOSTAS
probabilidades de se beneficiar com bens, materiais ou simbólicos, mais oportunidade de ser, como
dizem, bem visto pelos gestores científicos e administrações (isto é, por exemplo, o que faz inquéritos,
esta ciência sem um cientista, são completamente aprovados pelo que têm recursos suficientes para
solicitá-los, que são mostrados o mais crítico para a sociologia mais radicalmente quebra isso com seus
pedidos ou pedidos).
Eu só adicionarei, para complicar ainda mais as coisas e mostrar o quão difícil, quase
desesperada, é a situação do sociólogo, que o trabalho de produção de problemas oficiais, ou seja,
aqueles dotados desse tipo de universalidade que lhes dá o fato de ser garantido pelo Estado, quase
sempre admite, no momento, àqueles indivíduos que receberam em chamar especialistas, entre os
quais alguns sociólogos que eles servem como a autoridade da ciência para garantir ou sancionar a
universalidade, objetividade e falta de interesse na representação burocrática da problemas Isso
significa que o sociólogo digno desse nome, que não o que deve ser feito, de acordo comigo, ter
alguma chance de ser verdadeiramente o assunto dos problemas que podem surgir sobre o mundo
social, deve tomar como objeto a contribuição que a sociologia, isto é, que os seus próprios colegas
contribuem, de boa fé, para a produção dos problemas oficiais: que tem todas as probabilidades de
aparecer uma amostra insuportável de arrogância ou uma traição de solidariedade profissional, aos
interesses corporativos.
Nas ciências sociais, como todos sabemos, rupturas epistemológicas muitas vezes são
rupturas sociais, rupturas com crenças fundamentais de um grupo e, às vezes, com as crenças básicas
da guilda dos profissionais, com a coleção de certezas compartilhadas sobre as quais o conLrretr
descansa. nic doctonint opinio. Praticar a dúvida radical na sociologia é equivalente a quebrar as regras
do jogo. Isto é, sem dúvida, o que ele experimentou Descartes que, para espanto de seus comentaristas,
nunca se estendeu ao política - sabemos quão prudentemente ele aludiu a Maquiavel - o modo de
pensei que ele tão ousadamente inaugurar no campo do conhecimento.
Isso nos leva a considerar os conceitos, termos e métodos que o profissão costumava falar
sobre o mundo social e conceituá-lo. A linguagem representa um problema particularmente dramático
para o sociólogo: constitui, em efeito, um imenso depósito de construções naturalizadas pi e,
portanto,ignorado como tal, que funcionam como instrumentos inconscientes de construção. Então, eu
poderia citar a taxonomia profissional, seja dos nomes das profissões usadas na vida cotidiana, ou de
as categorias ou CSPs empregados pelo I NSEE (Institut National de la Statisque et des Etudes
Economiques), um belo exemplo de conceituação burocrática, universalidade burocrática e, mais
geralmente, o exemplo de todas as
UMA DÚVIDA RADICAL 181
classificações (classes de idade, jovens-anciãos, classes sexuais, homens-mulheres; que, como
sabemos, não escapam à arbitrariedade social, etc.) que os sociólogos usam sem pensar muito, porque
são categorias sociais de entendimento comum para toda uma sociedade ou, como eu os chamo,
categorias de compreensão do professor) (sistemas adjetivos, meio brilhante, etc., usado para avaliar o
trabalho dos alunos ou do virtudes dos colegas), e porque eles são os ativos de sua corporação (o que
não impede que sejam baseados, em última análise, em homologias estruturais, as oposições mais
básicas do espaço social, como as raras-banais, único comum, etc.). Mas acho que é preciso ir ainda
mais longe e questionar apenas a classificação das profissões e os conceitos empregada pêra designar
os tipos de ofícios, mas também o próprio conceito de profissão ou, para colocar em inglês, profissão,
que serviu de base para um todo de pesquisa e pista, para alguns, representa uma espécie de santo e
sinal metodológico. Profissão é uma noção mais perigosa mantém todas as aparências e, em certo
sentido, seu uso implica um avanço em comparação com tantas miscelâneas teóricas ao estilo de
Parsons. Conversa profissão significava aderir a uma realidade autêntica, a conjuntos de indivíduos
com o mesmo nome, como os advogados, dotados de um status mais ou menos equivalente econômico
e, acima de tudo, organizado em associações profissionais com uma deontologia, circunstâncias
coletivas que definiu as regras de admissão à guilda, etc. Profissão é uma palavra de linguagem
comum que foi contrabandeada para a linguagem científica; mas é, em especial, uma construção social,
produto de todo trabalho social de construção de um grupo e uma representação deste grupo, que ele
sub-repticiamente introduziu a ciência no mundo social. Isto é o que Isso faz o "conceito" funcionar
tão bem. Até certo ponto, muito Bem: se você aceitar isso para construir seu objeto, você encontrará
listas prontas, centros de documentação que coletam informações relacionadas ele e talvez, se você for
habilidoso, fundos para estudá-lo. Refere-se a realidades em algum sentido muito real, porque alude,
ao mesmo tempo, a um categoria social - socialmente construída sobre a superação, por exemplo,
diferenças questões econômicas, sociais e étnicas que tornam a profissão dos advogados em um espaço
de competição e uma categoria mental. Mas sim, ao considerar o espaço das diferenças que o trabalho
de alegação teve que superar indispensável para construir a profissão, não é de admirar que não seja de
um campo, então tudo fica complicado. Como extrair uma amostra de um campo? Sim, num estudo
sobre o campo da magistratura, você não tem em consideração ao presidente do Supremo Tribunal, ou
se, num estudo sobre o campo intelectual francês durante os anos cinquenta, omitir a considerar Jean-
Paul Sartre, seu campo é destruído porque esses personagens caracterizar, por si só, uma posição. Há
posições em certos lugares que
182 RESPOSTAS
eles governam toda a estrutura. Em uma amostra representativa dos escritores concebido como
profissão, não há problema.
Enquanto é dado como dado, o dado - as famosas datas de os sociólogos positivistas - não
dão nenhum problema. Tudo caminha rodas; tudo é evidente. As portas se abrem e também as bocas.
O que o grupo ousaria desafiar o sacrossanto registro do historiógrafo? Um pesquisa refere-se a bispos
ou empresários que aceitam (tacitamente) o problemas episcopais ou patronais podem contar com o
apoio da secretaria do episcopado ou do CNPF (Conseil National du Patronat Français), e Bispos ou
empresários que comentam seus resultados não deixarão de um diploma de objetividade para o
sociólogo que soube dar uma realidade objetiva -Público- à representação subjetiva de seu próprio ser
social. Em resumo contas, contanto que você adira à aparência socialmente constituída, tem a seu favor
todas as aparências, mesmo as da ciência. Por ele caso contrário, quando você pretende trabalhar com
um objeto real construído, as coisas ficarão complicadas: o avanço "teórico" gera um alimento de
dificuldades "metodológico". Os "metodologistas" logo encontrarão falhas nas operações que é
necessário levar a cabo para apreender, mal bem, o objeto construído. (A metodologia assemelha-se à
ortografia, ao que foi dito ser "a ciência dos asnos". É um censo de erros que somente os estúpidos
cometem. Para ser honesto, devo dizer que, entre os falácias, há algumas que eu não poderia ter
descoberto. Mas na maior parte, são falhas triviais, com as quais se alegram professores Os sacerdotes,
como lembra Nietzsche, vivem do pecado ...) Entre as dificuldades, há a questão que acabei de
mencionar, ou seja, a que dos limites do campo que os positivistas mais intrépidos - quando não
simplesmente omitir e simplesmente posar, admitindo como eles vêm listas já preparadas-resolver por
meio de uma "definição operante" ("eu chamo escritor ... "), sem perceber que a questão da definição
(" So-and-so não é um verdadeiro escritor ") está em jogo no próprio objeto. quem participa do jogo,
quem realmente merece o nome de escritor. A própria noção de escritor - e também, apesar de todos os
esforços de codificação e homogeneização por homologação, o conceito de iaw e, •) - está em jogo no
campo dos escritores (ou iawyeis): a luta em torno da definição legítima, que tem como uma aposta - a
palavra, por definição, indica-lo, a fronteira, o limite, o direito, às vezes, o Nu us me ci «Usus, é
característico de campos dentro de sua universalidade.
A abdicação empirista tem a seu favor todas as aparências e todas as aprovações porque,
salvando a construção, deixa o mundo social que é, para a ordem estabelecida, as operações essenciais
da construção científica, a escolha do problema, a elaboração de conceitos e categorias de análise e,
portanto, cumpre, mesmo que, por padrão, uma função basicamente conservador, para ratificar a doxa.
Entre todos os obstáculos

MA DÚVIDA RADICAL 183


contra o desenvolvimento de uma sociologia científica, um dos piores é o fato que as verdadeiras
descobertas envolvem os maiores custos e benefícios mais reduzidos, não só nos mercados ordinários
do existência social, mas também no mercado universitário, que se encaixaria espere maior autonomia.
Como eu tentei mostrar sobre o custos e benefícios científicos e sociais das noções de profissão e
campo, muitas vezes é necessário, para ser científico, perder as aparências do científicos, contrariam os
padrões existentes e desafiam os critérios de rigor científico (poderíamos, a partir deste ponto de vista,
os respectivos estatutos de sociologia e economia). Aparências não Eles são mais que
aparência. Muitas vezes, a verdadeira ciência não parece muito atraente e, para promover seu avanço,
muitas vezes é necessário expõem-se a não exibir todas as pistas externas da cientificidade (que eles
são muito fáceis de simular). Entre outras razões, porque os semiluihiles eles reparam em falhas
aparentes os cânones da "metodologia" elementar e porque sua segurança positivista os inclina a
perceber como "falhas" e como efeitos da falta de jeito ou ignorância, escolhas metodológicas
fundadas em uma rejeição das instalações da "metodologia".
Escusado será dizer que a reflexividade obsessiva, que é uma condição deuma prática
científica rigorosa, não tem nada a ver com o falso radicalismo das questões da ciência que hoje
proliferam. (Penso em que introduzem a velha crítica filosófica das ciências sociais, mais ou menos
atualizado, no mundo das ciências sociais americanas, cujas defesas imunitárias foram aniquiladas
paradoxalmente por várias gerações de "metodologia" positivista. A análise da lógica prática e as
teorias espontâneas de que vale a pena conferir um significado para o mundo não é um fim em si
mesmo; nem é crítica das premissas das análises da sociologia ordinária ("arreflexiva"), em
nomeadamente no domínio das estatísticas. É um momento absolutamente decisivo, de romper com os
pressupostos do senso comum, ser comum ou científico Se for necessário objetivar os esquemas de
praticidade, é mostrar que a sociologia não pode ser mais do que um ponto de vista sobre o mundo,
nem mais nem menos científico do que qualquer outro, mas por separar a razão científica da razão
prática, para evitar que contaminar o primeiro, para evitar tratar como instrumento de conhecimento
qual deve ser o objeto do conhecimento, isto é, tudo que molda a praticidade do mundo social, as
premissas e os esquemas de percepção e compreensão. Tome como um objeto senso comum e
experiência inicial do mundo social como uma adesão não ética a um mundo que não foi constituído
como objeto diante de um sujeito, é precisamente uma maneira de evitar ficar preso no objeto, para
transportar na ciência tudo o que permite a experiência doxic do mundo social, isto é, não apenas a
representação pré-construída deste mundo, mas também os esquemas

184 RESPOSTAS
mais cognitivo que formam a base da construção da dita imagem. E aqueles etnometodologistas que
seguem a descrição dessa experiência, sem se preocupar com as condições sociais que tornam isso
possível - é a adequação das estruturas sociais e mentais das estruturas objetivo do mundo e das
estruturas cognitivas através das quais é apreendido, eles não fazem nada mais do que reformular as
questões da filosofia tradicional no que diz respeito à realidade do realidade: a fim de medir os limites
das aparências do radicalismo que às vezes confere seu populismo epistemológico (ligado à
reabilitação de pensamento comum), basta observar, por exemplo, que eles nunca advertiu sobre as
implicações políticas da experiência doxic do mundo que, em sua qualidade de aceitação fundamental -
inacessível a crítica - de ordem estabelecido, constitui a base mais segura de um conservadorismo mais
radical do que aquele que visa estabelecer a ortodoxia política (como doxa direita e direita).

4. Ligação dupla e conversão 185


O exemplo que acabei de incluir, o da noção de profissão, é apenas um caso particular. Na
verdade, toda a tradição científica da sociologia deve ser questionada em todos os momentos, isto é, há
sempre desconfiar dela. Portanto, esse tipo de ligação dupla a qual todo sociólogo digno desse nome é
continuamente exposto: sem os instrumentos de pensamento Ele herdou de sua tradição científica, ele
não é ninguém, se alguma coisa, um amador, um autodidata, um sociólogo improvisado e, muitos Às
vezes, não o melhor informado, por ser tão evidente em alguns casos limites de sua experiência social;
No entanto, esses mesmos instrumentos expor ao perigo permanente de incorrer no erro, correndo o
risco de apenas substituir a doxa ingênua do senso comum com a doxa de senso comum científico, que
oferece, com o nome de ciência, um simples transcrição do discurso do senso comum. Isso é o que eu
chamo Efeito Diafoirus: muitas vezes observei, especialmente nos Estados Unidos Unidos, que para
realmente entender o que ele ou ela está falando Sociólogo, é necessário (e suficiente) ter lido o New
York Times da semana ou do mês anterior, que o cientista social traduz nessa terrível tela de
linguagem, nem realmente concreto nem realmente abstrato, que eles impõem a ele, sem ter
consciência disso, sua formação e a censura do establishment sociológico.
Mas não é uma tarefa fácil escapar dessa alternativa: a ignorância indefesa de autodidata
desprovido de instrumentos de construção, ou semi-educação do semi-cientista, que aceita sem
questionar categorias de percepção ligada a um estado do mundo científico, conceitos semi-
construídos, mais ou menos diretamente tirado do mundo social. Essa contradição é feita mais evidente
no caso da etnologia onde, devido à diferença de tradições culturais e o estranhamento resultante, não
podem ser sustentados, na sociologia, a ilusão de uma compreensão imediata. Por exemplo, eu deveria
confessar que se ele tivesse me jogado "no chão" sem ter lido o Etnologistas, talvez eu não teria notado
a diferença radical que os meus relatórios
186 RESPOSTAS
mantes, ea linguagem usada por eles, eles estabeleceram entre o primo "paralelo" e o bônus "cruzado".
Neste caso, qualquer um não percebe nada, ou permanece preso nas categorias de percepção e formas
de pensar (o juridismo dos etnólogos) herdado de seus predecessores (que, muitas vezes, eles os
herdaram de outra tradição científica, como a direita Romana) Isso favorece uma espécie de
conservadorismo radical, tendendo a reproduzir a doxa científica.
Daí a antinomia da pedagogia da pesquisa: ela deve transmitir instrumentos de construção da
realidade, problemas, conceitos, técnicas e métodos, ao mesmo tempo que uma formidável disposição
crítica, uma inclinação para questionar tais instrumentos (por exemplo, classificações, do INSEE ou
outros, que não caíram do céu nem saíram estruturados da realidade). É evidente que, como qualquer
mensagem, essa pedagogia tem probabilidades de sucesso muito desiguais, de acordo com as
disposições socialmente constituída dos destinatários: a situação mais favorável é a daquelas pessoas
que têm uma cultura científica e uma certa rebelião contra esta cultura ligada na maioria das vezes a
uma experiência não relacionada com a universo culto, o que significa que eles não são enganados tão
facilmente - ou, simplesmente, alguma resistência à representação asséptica e falta de realismo do
mundo social proposto pelo discurso socialmente dominante em sociologia Eu penso em Aaron
Cicourel, que estava em contato suficiente, durante sua juventude, com os "delinqüentes" das favelas
de Los Angeles, questionando espontaneamente a representação oficial de "delinqüentes": não há
dúvida de que essa familiaridade com o universo estudado, bem como a sua competência estatística,
levou-o a levantar, antes das estatísticas da delinqüência, objeções que todos os preceitos
metodológicos da mundo teria sido incapaz de gerar.
Entre os obstáculos que uma verdadeira pedagogia do pesquisa, encontramos, acima de tudo,
a pedagogia ordinária dos professores ordinárias, que reforçam as disposições à conformidade inscrita
na própria lógica da reprodução escolar e também, como eu disse, no incapacidade de acessar "a
própria essência das coisas" sem qualquer instrumento de percepção. Estou convencido de que a
educação ordinária da sociologia, bem como as produções sociais resultantes desta educação e
condenados a voltar a ela, hoje são os principais obstáculo para o desenvolvimento da ciência social.
Existem muitas razões para isso. Só me lembro de um, que mencionei muitos vcccs: eles perpetuaram
e canonizam oposições mais ou menos fictícias entre autores (Weber-Marx, Durkheim-Marx, etc.),
entre métodos (quantitativos-qualitativos, macrossociológicos, microssociologia, estrutura-história,
etc.), entre conceitos, etc. Sim, bem são úteis para afirmar a existência do professor, que desta forma
colocado no topo das divisões que descreve, essas operações de classificação, como todas as falsas
sínteses de uma teoria desprovida de
DOBRO DE LIGA E CONVERSÃO 187
empiria e todas as advertências castradoras e inúteis de uma "metodologia"sem conceitos, eles
trabalham acima de tudo como sistemas de defesa contra verdadeiros avanços científicos que ameaçam
o falso conhecimento dos professores. As primeiras vítimas são, claro, os estudantes: exceto por
provisões especial, isto é, a menos que sejam especialmente indisciplinados, eles são condenado a
permanecer sempre na retaguarda de uma guerra científica ou epistemológico, como os professores.
Isso porque, em vez de fazê-los começar, como seria a coisa certa, onde os pesquisadores vieram mais
avançados, eles são reposicionados de novo e de novo - este é um das funções do culto escolar aos
clássicos, que é tudo ao contrário de uma verdadeira história crítica da ciência - em terreno
comprovado, onde eles são forçados a lutar eternamente batalhas passadas.
Correndo o risco de fingir levar as dúvidas radicais ao extremo, eu gostaria de evocar as
formas mais perversas que o pensamento pode assumir na sociologia preguiçoso: por exemplo, o caso,
certamente muito paradoxal, em que um pensamento crítico, como o de Marx, pode funcionar no
estado de Impensável, não só no cérebro dos pesquisadores, se eles defendem ou não a Marx, mas
também na realidade que registram como mera verificação Faça uma pesquisa simples sobre classes
sociais, suas existência ou não existência, seu número e sua natureza antagônica ou não, como muitas
vezes tem sido feito, especialmente com a intenção de refutar a teoria Marxista, significa pegar o
objeto, sem perceber, os vestígios existente na realidade dos efeitos produzidos pela teoria de Marx
para através, em particular, dos esforços das partes e dos sindicatos que tentou "promover a
consciência de classe".
O que estou dizendo aqui sobre o efeito teórico que a teoria pode exercer Marxista de classes
sociais, e do qual a "consciência de classe" empiricamente quantificado é parcialmente um produto,
apenas constitui um caso de um fenómeno mais geral: a existência de uma ciência e práticas sociais
redes sociais inspiradas por essa ciência, como as pesquisas de opinião (opinião, recomendações no
campo da comunicação, publicidade, etc .; mas também a pedagogia ou, ainda, com freqüência cada
vez maior, a ação de políticos ou funcionários, empresários ou jornalistas, etc., fazem o número de
agentes, no coração do mundo social, insistir na sua prática e, sobretudo, no seu trabalho de
reprodução de representações do mundo social, conhecimento aprendido, quando não científico. Para
que a ciência corra cada vez mais freqüentemente, o risco de Inadvertidamente, registre os produtos de
práticas supostamente científicas.
Por fim, e de maneira mais sutil, a submissão aos hábitos de pensamento, mesmo para
aqueles que em outras circunstâncias poderiam exercer uma formidável efeito de ruptura, também
pode levar a formas inesperadas de engenhosidade E não duvido em afirmar que o marxismo, em seus
usos sociais, mais
188 RESPOSTAS
comuns, é frequentemente a forma quintessencial, já que é a mais insuspeito, do eco cientista pré-
computado. Vamos supor que nós propomos estudar a "ideologia legal", "religiosa" ou "professorial".
Palavra ideologia visa marcar a ruptura com as representações que o próprios agentes tentam conferir
em sua própria prática: isso significa que eles não eles devem levar suas declarações ao pé da letra, que
eles obedecem a certas interesses, etc .; mas, dentro de sua violência iconoclasta, leva a esquecer essa
dominação, da qual é necessário escapar para objetivá-lo, somente Ele exerce porque ele não é
conhecido como tal. Consequentemente, deve ser reintroduzido no modelo científico, o fato de que a
representação objetiva de a prática tinha que ser construída contra a experiência inicial de tal prática
ou, se preferir, que a "verdade objetiva" (esta experiência é inacessível para a experiência em si. Marx
permite que as portas da doxa, do adesão ingênua à experiência inicial; mas atrás da porta encontrar
uma armadilha, e quem confia no senso comum científico esquece retornar à experiência inicial que a
construção científica deixou em suspense. A "ideologia" (para a qual, agora, seria melhor designar com
outro nome) não manifesta-se ou reconhece-se como tal e deve esta ignorância sua eficiência
simbólica. Em suma, não é suficiente romper com bom senso comum, nem com senso comum
científico em sua forma ordinário devemos romper com os instrumentos de ruptura que anulam o
mesma experiência que serviu de base. E isso, para construir modelos mais completos, cobrindo a
ingenuidade inicial e os verdade objetiva que ela esconde e na qual, através de outra forma de
engenhosidade, Ele repara as pessoas semi-deficientes, aquelas que pensam que são mais espertas.
(Aqui não Resistirei à tentação de salientar que o prazer de sentir-se pronto, desmistificado e
desmistificador, para jogar desencantado desencantado, motiva muitas vocações sociológicas ... o que
só aumenta o sacrifício exigido pelo rigor metodológico. )
Quando se trata de conceituar o mundo social, é impossível superestimar as dificuldades ou
as ameaças. A força do preconst.rtrido está em o fato de que, estando inscrito tanto nas coisas como
nos cérebros, é apresentado sob o pretexto de provas, que passa despercebido por sua manifestar
personagem. A ruptura é, na verdade, uma conversão da aparência e podemos afirmar, em relação ao
ensino da pesquisa sociológica, que em primeiro lugar deve "fornecer novos olhos", como às vezes o
filósofos iniciáticos. É sobre produzir, se não "um novo homem", então menos "um novo visual", um
olhar sociológico. E isso não é possível sem uma verdadeira conversão, um melarro, uma revolução
mental, uma mudança em toda a visão do mundo social.
O que chamamos de "ruptura epistelológica", isto é, o questionamento de preconstruções e
princípios comuns que tendem a aplicado para realizar essas construções, muitas vezes implica
DOBRO DE LIGAÇÃO E CONVERSÃO 189
romper com modos de pensar, conceitos e métodos que eles têm em seu por favor, todas as aparências
do bom senso, bom senso comum e bom senso científico (tudo o que a disposição positivista
dominante venera e reconhece). Sem dúvida, você vai entender que quando você está convencido,
como sou, de que a primeira tarefa das ciências sociais E, portanto, do ensino de técnicas de pesquisa
em ciências social é estabelecer como uma norma fundamental da prática científica conversão do
pensamento, a revolução do olhar, a ruptura com pré-construído e com tudo o que, na ordem social - e
na universo científico sustenta, é sempre considerado suspeito de exercitar um ensinamento profético e
exigir uma conversão pessoal.
Ter uma consciência muito aguda das contradições apropriadamente do empreendimento
científico que tentei descrever, tenho visto muitas vezes forçado a me perguntar, antes de um trabalho
enviado para mim avaliação, devo realmente tentar impor a visão crítica que eu parece indispensável
para a construção de um verdadeiro objeto científico, fazendo uma crítica do objeto pré-construído que
sempre apresenta o risco para aparecer como uma violação, como uma espécie de anexação. A
dificuldade é ainda maior quando, nas ciências sociais, a base do erro quase sempre mentiras, pelo
menos segundo a minha experiência, em provisões socialmente constituído e também em medos e
fantasmas sociais; de tal maneira que muitas vezes é difícil declarar publicamente um julgamento
crítico que, através de práticas científicas, na verdade diz respeito profunda, intimamente ligada à
origem social, ao sexo e ao grau de da consagração escolar anterior: penso, por exemplo, no excesso de
humildade (mais provável entre meninas do que meninos, entre pesquisadores de origem "humilde" -
como às vezes é dito - e os menos escolástica consagrada, etc.), que não é menos fatal que a arrogância
(A posição correta seria, na minha opinião, muito improvável de certa ambição com modéstia muito
modesta, indispensável para inserir o detalhe do objeto). E o diretor de pesquisa ansioso para
realmente cumprir seu papel, ele deve às vezes assumir o papel bastante perigoso e, em qualquer caso,
injustificável, de "diretor de consciência".
Na verdade, a ajuda mais decisiva que a experiência permite fornecer investigado - iniciante
é incitá-lo a levar em consideração, durante o definição do seu projeto, as condições reais de execução,
ou seja, a recursos (por exemplo, em termos de tempo e habilidades específicas), tem (em particular, a
natureza de sua experiência social e treinamento recebidas), bem como as possibilidades de acesso a
informantes, informações, documentos, fontes, etc. Muitas vezes, o elo ideal entre um pesquisador e
"seu" objeto só pode ser alcançado no final de um trabalho real de sócio-análise, através de uma série
de fases de superinvestimento e desinvestimento.
190 RESPOSTAS
A sociologia da sociologia, sob a forma muito concreta da sociologia do sociólogo, do seu
projeto científico, suas ambições ou dimensões, sua ousar e temer, não é um complemento espiritual
nem um sorte de luxo narcisista: consciência das provisões atores favoráveis ou adversos associados à
sua condição social, escolar ou sexo, oferece uma oportunidade, sem dúvida limitada, para controlar
tais disposições. Como sabedoria, de acordo com os estóicos, a sociologia da sociologia em nada
influencia o primeiro movimento, mas permite o controle o segundo ... As armadilhas dos impulsos
sociais são inumeráveis, e os O estudo sociológico do próprio universo pode ser o caminho mais
perverso para satisfazer, por procedimentos sutilmente desviantes, esses impulsos reprimido. Por
exemplo, um ex-teólogo se transformou em sociólogo pode, ao estudar os teólogos, incorrer em uma
espécie de regressão e expressar-se como teólogo ou, pior ainda, usar a sociologia para resolver Contas
teológicas. O mesmo acontecerá no caso do filósofo antigo, que sempre será exposto ao perigo de
encontrar na sociologia da filosofia uma maneira de libertar, por outros meios, guerras filosóficas

5. Participante de objetivação Uni 191

O que chamei de objetivação participante (que não devemos confundircom "observação


participante") é, sem dúvida, o mais difícil os exercícios, porque requer romper com adesões e
aderências mais profundo e mais inconsciente; muitas vezes, com aqueles que sustentam o "interesse"
próprio do objeto estudado para o silêncio "estuda isto, isto é, o que ele menos quer saber sobre sua
relação com o objeto que ele está tentando conhecer. É o exercício mais difícil, mas também o mais
necessário porque, como eu tentei para fazê-lo no Homo academicus, o trabalho de objetivação é, neste
caso, em um objeto muito particular, no qual eles são inscritos, então implícito, alpino dos mais
poderosos determinantes sociais dos princípios da apreensão de qualquer objeto possível: por um lado,
os interesses específicos associados à pertença ao campo universitário e para a ocupação de uma
determinada posição neste campo; e, por outro categorias socialmente constituídas da percepção da
enunciação universitária e do mundo social, aquelas categorias de compreensão do professor) que,
Como expliquei, eles podem estar comprometidos com uma estética (cori el arte ramplón) ou uma
epistemologia (como a epistemologia do ressentimento que, fazendo uma virtude da necessidade,
sempre valorize o insignificante restrições do rigor positivista, contra todas as formas de audácia
científica).
Sem tentar explicar aqui todas as lições que uma sociologia reflexiva pode tirar desta análise,
gostaria apenas de salientar uma das instalações Ines segredos do trabalho científico, que meu próprio
trabalho de pesquisa sobre tal objeto me obrigou a trazer, tendo como conseqüência imediata - o que
mostra que a sociologia da sociologia não é luxo - um melhor conhecimento do próprio objeto. Em um
Em princípio, ele havia construído um modelo do espaço universitário como um espaço de posições
ligadas por relações de força específicas, como de forças e campo de lutas para conservar ou
transformar o referido campo de
192 RESPOSTAS
forças. Eu poderia ter parado lá, mas fiquei perturbado por certas observaçõesque, em outras ocasiões,
durante meu trabalho em etnologia, eu fato sobre o "epistemocentrismo" associado à posição
científica; também o desconforto que me causou, no momento da publicação, o sentimento de ter
incorrido em uma espécie de desonestidade quando institui como observador de um jogo em que
continuei a participar, ele me forçou a reconsiderar minha posição. Então, eu tinha uma consciência
particularmente aguda o que implicou a pretensão de adotar a posição de observador i mparcial,
onipresente ao mesmo tempo que ausente, pelo fato de permanecer escondido por trás da absoluta
impessoalidade dos procedimentos, e capaz adotar um ponto de vista quase divino em relação aos
colegas que também concorrentes. Objetiva a pretensão à posição real que, como eu disse antes, leva a
empregar a sociologia como uma arma nas lutas que são travadas dentro do campo em vez de
transformá-lo em um instrumento de conhecimento de essas lutas e, portanto, o próprio sujeito
conhecedor que, quer goste ou não, nunca pare de participar deles, é o mesmo que encontrar uma
maneira de reintroduzir na análise, a consciência das premissas e preconceitos associados à Ponto de
vista local e local de quem constrói o espaço dos pontos de vista.

A consciência das limitações da objetivação objetivista me fez descubra que existe no mundo
social e, em particular, no mundo universidade, toda uma série de instituições cujo efeito é retornar
aceitável a lacuna entre a verdade objetiva e a verdade experimentada do que é e faz; tudo que os
sujeitos objetivados Eles tentam lembrar quando se opõem à análise objetivista, afirmando que "Este
não é o caso". Temos, por exemplo, sistemas de defesa coletiva que, em universos em que cada um
quer lutar pelo monopólio de um mercado onde não há mais clientes do que os próprios concorrentes e
onde a vida é, portanto, muito difícil, eles permitem que se aceite aceitando os subterfúgios ou as
gratificações compensatórias que ele dispensa o entorno. Esta dupla verdade, objetiva e subjetiva, é o
que constitui a verdade completa do mundo social.
Embora me incomode um pouco fazê-lo, gostaria de evocar, como último exemplo, uma
abordagem apresentada aqui sobre o assunto de uma noite transmissão eleitoral na televisão que,
apesar de sua aparente facilidade -Por causa de seu conteúdo inteiramente acessível à intuição imediata
reúne todas as dificuldades que um sociólogo pode encontrar. Como inás além de uma descrição
inteligente, mas sempre suscetível, como eu disse Mallarmé, de "incorrer em um pleonasmo em
relação ao mundo"? Em efeito, há um grande risco de repetir com outras palavras coisas que atores já
haviam dito ou. fez e extrair significados de primeira ordem dramatiza a expectativa do resultado; Há
controvérsias entre os participantes em torno do significado do resultado, etc.), para listar com palavras

UM OBJETIVO PARTICIPANTE 193


significados simples (ou enigmáticos ...) que são o produto de intenções conscientes e que os atores
poderiam enunciar-se, se tivessem tempo para fazê-lo ou se eles não tinham medo de cometer. Na
verdade, eles sabem muito bem - pelo menos na prática e, hoje em dia, cada vez mais consciente de
que em uma situação na qual é uma questão de impor uma representação mais favorável ao próprio
cargo, o reconhecimento público do o fracasso é, de fato, impossível; não há, de fato, qualquer
evidência universalidade dos números e seu significado, e a estratégia de "negar a evidência "(52% é
superior a 48%), embora aparentemente esteja condenada ao fracasso, retém alguma validade (o X
ganhou, mas o Y não perdeu; o X ganhou, mas com uma margem menos contundente - pelo menos não
tanto como eles haviam previsto - na ocasião anterior, etc.).
Isso é realmente essencial? O problema da demarcação é colocado em um forma
particularmente atraente, porque o analista encontra no objeto concorrentes para a interpretação do
objeto, que freqüentemente eles também usam a autoridade da ciência. Além disso, é levantado em
muito agudo porque, ao contrário do que acontece em outras ciências, a descrição simples, mesmo
construída - isto é, destinada a identificar todas as características relevantes e apenas aqueles, falta de
validade intrínseco que abrange quando se trata da descrição de uma cerimônia segredo entre os Hopi
ou a coroação de um rei na Idade Média: o cena foi testemunhada e compreendida (em algum nível e
em certa medida) por vinte milhões de telespectadores, e o registro do filme o restaura de um maneira
tal que nenhuma transcrição positivista pode superar ou mesmoaproximado
De fato, não é possível escapar da infinita série de interpretações que eles refutam um ao
outro - o hermeneut - testemunham uma luta entre hermeneuts, que estão competindo para a palavra
final sobre um evento ou um resultado, mas para a condição de realmente construir o espaço de
relações objetivas (estrutura), das quais as trocas de comunicação diretamente observado (interação)
são a manifestação. Ele tenta apreender uma realidade oculta, que só se revela ocultando-se, que não é
visto, exceto na forma anedótica das interações no que é disfarçado. O que significa isto? Tem um
conjunto de indivíduos identificado por nomes próprios (Sr. - 1., jornalista; S r. Y., historiador; Sr. X.,
cientista político, etc.), que trocam, por assim dizer, declarações aparentemente justificável, como uma
"análise do discurso" cujas "interações" visível, aparentemente, revelar todos os instrumentos próprios
análise Na verdade, a cena que é representada, as estratégias empregadas por os agentes para ter
sucesso na luta simbólica pelo monopólio do i mposición do veredicto, pela reconhecida capacidade de
dizer a verdade sobre o objeto do debate, constitui a expressão das relações de força objetiva entre os
agentes envolvidos e, mais precisamente, entre os
194 respostas
diferentes campos em que operam, onde ocupam cargos mais ou menos elevado. Em outras palavras, a
interação é o resultado visível, e meramente fenomenal, da intersecção entre campos hierárquicos.
O espaço de interação funciona como uma situação de mercado linguístico, dotado de
características conjunturais cujos princípios podemos esclarecer. Desde o início, é um espaço pré-
construído: a composição social do grupo é determinado com antecedência. Para saber o que é isso
pode ser dito e, acima de tudo, o que não pode ser dito no palco, é é necessário conhecer as leis de
constituição do grupo de locutores; é preciso saber quem é excluído e quem é excluído. A mais radical
das censuras é ausência. Consequentemente, as taxas de representação devem ser consideradas (nos
sentidos estatísticos e sociais) das diferentes categorias (sexo, idade, escolaridade, etc.) e, portanto, as
probabilidades de acesso ao espaço de expressão; bem como, secundariamente, as probabilidades de
acesso a a expressão, mensurável em termos de tempo. Outra característica é que o jornalista exerce
uma forma de dominação (conjuntural e não estrutural) em um espaço de jogo que ele construiu e em
que ele é colocado em uma situação de árbitro, impondo normas de "objetividade" e "neutralidade".
Mas não podemos parar por aqui. O espaço de interação é o lugar em que a interseção entre diferentes
campos é atualizada. Na sua luta por impor o veredicto "imparcial", isto é, fazer sua visão
reconhecidos como objetivos, os agentes têm forças que dependem sua pertença a campos
objetivamente hierárquicos, bem como sua posição dentro de seus respectivos campos. Primeiro, há o
campo político: políticos, porque eles são tão envolvidos diretamente no jogo e, portanto, diretamente
interessados e percebidos como são imediatamente capturados como juízes e partes e, portanto, eles
sempre suspeitam de produzir interpretações parciais e interessadas e, portanto, desacreditado. Eles
ocupam diferentes posições no campo política: eles estão localizados dentro deste espaço porque eles
pertencem a um partido, mas também por causa de seu status naquele partido, sua notoriedade, ou
nacional, etc. Em segundo lugar, há o campo jornalístico: jornalistas pode e deve adotar uma retórica
de objetividade e neutralidade (apoiando, se necessário, os "cientistas políticos"). Em terceiro lugar, é
o campo da "ciência política", dentro do qual os "cientistas políticos mediadores" ocupam um lugar
não rentável, embora gozem de prestígio no exterior (em em particular, antes dos jornalistas, aqueles
que dominam do ponto de vista estrutural). Em quarto lugar, há o campo do marketing político, com o
publicitários e assessores em comunicação política, que apoiam com justificativas "científico" seus
veredictos sobre políticos. Há, finalmente, o campo "universidade" em si, com os especialistas em
história
UM OBJETIVO PARTICIPANTE 195
eleitorais, especialistas em comentar os resultados eleitorais. Então, nós temos um progressão, dos
mais "comprometidos" aos mais desengajados, tanto estruturalmente como estatutariamente: o campo
universitário é aquele que tem maior "visão global", mais "distanciamento". Quando vem, como no
caso da saraiva eleitoral, para produzir uma retórica de objetividade que seja o mais eficaz possível,
tenha uma vantagem estrutural sobre os outros.
As estratégias discursivas dos diferentes atores e, em particular, a efeitos retóricos que visam
produzir uma fachada de objetividade, dependerá das relações de força simbólica existentes entre
campos e as vantagens que pertencem a esses campos conferem aos diferentes participantes; em outras
palavras, eles dependerão dos interesses vantagens específicas e as vantagens diferenciais que as
garantem, dentro deste situação peculiar da luta simbólica pelo veredicto "neutro", sua posição dentro
dos sistemas de relações invisíveis que se estabelecem entre os diferentes campos dos quais fazem
parte. Assim, o cientista político apreciará, como tal vantagem sobre o político e o jornalista, devido ao
fato de que reconhece uma maior objetividade e porque é capaz de recorrer a sua competência
específica, por exemplo, à história eleitoral que lhe permite faça comparações. Você pode se juntar ao
jornalista, cujas pretensões de A objetividade reforça e legitima. O resultado de todos esses
relacionamentos objetivos são relações de força simbólica que se manifestam na interação soba forma
das estratégias retóricas: essas relações objetivas determinam, essencial, quem pode interromper a
comunicação, interrogar, responder evasivo, retorne as perguntas, expanda sem ser interrompido, faça
ignorar interrupções, etc., que está condenado a usar etratégias de negação (de interesses, de estratégias
interessadas, etc.), rituais negativos para responder, fórmulas estereotipadas, etc. Aqui, cabe
aprofundar um pouco mais sobre o particular, demonstrando como a compreensão das estruturas
objetivas permite dar conta dos detalhes da discursos e estratégias retóricas, cumplicidades ou
antagonismos, "jogos" em suma, tudo o que a análise do discurso acredita ser capaz de deduzir
exclusivamente dos discursos.
Mas por que, nesse caso, a análise é tão difícil? Sem dúvida, porque aqueles que o sociólogo
procura objetivar competir por monopólio de objetivação objetiva. De fato, dependendo dos objetos
que você estuda, o Sociólogo é mais ou menos removido (os atores e as apostas que observa, mais ou
menos diretamente envolvido em rivalidades com eles, mais ou menos impulsionado, portanto, para
entrar no jogo metadiscurso, fingindo objetivar. Quando se trata do jogo analisado, como aqui, para
manter um metadiscus de propósito de todos os discursos do Thomas -O político que afirma ter
vencido; o do jornalista que finge apresentar um relatório objetivo dos erros; o "cientista político" e o
especialista na história eleitoral, aqueles que procuram monopolizar o entendimento e
196 RESPOSTAS
explicação objetiva do resultado, com base na comparação do desvios ea análise das tendências
evolutivas - quando chega uma palavra, para ser colocada neta, isto é, acima, graças à força única do
discurso, a tentação de usar o conhecimento de estratégias empregadas pelos diferentes atores, a fim de
tornar a própria "verdade" para descrever a verdade do jogo e, assim, triunfar no dito jogo. Também
aqui, a relação objetiva entre sociologia política e "mediação da ciência política" ou, mais
precisamente, entre as posições que a observador e os observados ocupam em seus respectivos
campos, objetivamente hierárquico, é o que governa a percepção do observador, impondo, em
particular, os pontos cegos revelando seus próprios "interesses investidos" ("interesses adquiridos").
A objetivação da relação do sociólogo com o seu objeto constitui, como torna-se evidente,
neste caso, a condição da ruptura com a propensão investir no objeto, que é, sem dúvida, a razão de
seu "interesse" em direção a esse objeto. De certa forma, é necessário ter renunciado a tentação de usar
a ciência para intervir no objeto, a fim de ser em posição de realizar uma objetivação que não seja
simples visão redutivo e parcial que pode ser tido, uma vez dentro do jogo, de outro jogador, mas a
visão global que pode ser tido de um jogo que é possível para pegá-lo porque se retirou dele. Apenas a
sociologia da sociologia E o sociólogo pode conferir um certo domínio dos objetivos sociais que eles
podem ser buscados através de objetivos científicos diretamente perseguidos. A objetivação
participante que, indubitavelmente, representa a cúpula do A arte sociológica só pode ser alcançada se
se basear numa objetificação tanto quanto possível completude do interesse de objetivar - inerente ao
fato da participação -, bem como em um questionamento do referido interesse e representações isso
induz.