Você está na página 1de 3

23/08/2018 Paulo Colina – Brasil – Poesia dos Brasis – São Paulo - www.antoniomiranda.com.

br

Ciência da Informação Livros


Poetas de A - Z Poesia Brasil Sempre Poesia dos Brasis Poetas de Brasília Poesía Ibero-americana
Poesia Visual
Ordem alfabética
Obras Publicadas Sobre o Autor Currículo Lattes Da Nirham Eros Ensaios, etc Terra Brasilis Poemas do Barão

Pesquisa personalizada

Foto: http://colinaspaulo.blogspot.com.br/

PAULO COLINA
on-line - visitor map poeta, escritor, teatrólogo, tradutor e militante
Click

Nasceu a 9 de março de 1950, em Colina (SP). Publicou Fogo Cruzado


(Contos), Edições Populares (SP), 1980; Plano de Voo (Poesia), Roswitha
Kempf /Editores, São Paulo, 1984. Traduziu, com Masuo Yamaki, Tankas, de
Takuboku Ishikawa, Roswitha Kempf/Editores, São Paulo, 1985 (1ª. Edição),
1986 (2ª. Edição). Participou das coletâneas Cadernos Negros 2 (Contos) e 3
(Poesia), Edição dos Autores, São Paulo, 1979 e 1980. Organizou e participou
de Axé — Antologia Contemporânea da Poesia Negra Brasileira, Global
Editora, São Paulo, 1982. Prêmio APCA — Associação Paulista de Críticos de
Artes — de literatura: Melhor Livro de Poesia do Ano. Em teatro, tem inédito
Entre Dentes (Drama para negros em um ato). Foi diretor da União Brasileira
de Escritores.

FORJA

entre uma calmaria


e outra
do mar de nossas peles
me bastaria amor cantar o fogo

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/sao_paulo/paulo_colina.html 1/3
23/08/2018 Paulo Colina – Brasil – Poesia dos Brasis – São Paulo - www.antoniomiranda.com.br

que somos na nascente


de suas coxas

mas há essa dor de outros tempos


e corpos
essa rosa dos ventos sem norte
na memória sitiada da noite

embora o gesto possa ser


no mais todo ternura
o poema continua um quilombo
no coração

PLENITUDE

embora só
vagueio tranquilo
senhor de todas as tormentas
enquanto saboreio teu batom

CORPO A CORPO

a vida é uma horda bárbara


de sentimentos

as noites tentam desde o princípio


de tudo
a derrubada de estigmas primários

o cotidiano tem sempre à mão


um repertório de sambas e blues

o papel branco vive me jogando


desafios na cara

ser marginal todavia


só interessa à paixão

bastaria ao poema apenas


a cor da minha pele?

FRONTEIRAS

sei das fronteiras


que a mim traçaram
desconheço contudo qualquer porta
que a noite não pede licença
que a pele é surda
e grita

sei da solidão que pudessem


os fracos
sempre a mim legariam
e paciente tocaio afetos
no momento desatento

ignorar porém quisera


que um beijo igualmente dilacera
que um beijo igualmente dói

Página publicada em setembro de 2014

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/sao_paulo/paulo_colina.html 2/3
23/08/2018 Paulo Colina – Brasil – Poesia dos Brasis – São Paulo - www.antoniomiranda.com.br

Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato


Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/sao_paulo/paulo_colina.html 3/3

Interesses relacionados