Você está na página 1de 3

Regimento do Mordomo-Mor

na Real-Imperial Casa de Portugal, Brasil, Algarves e Império Ultramarino Lusitano

dinastia templário-cristã Avis-Trastâmara-Lisbôa Restaurada

SARI, ainda sobre os Bragança, mas também sobre os Maçons,

não querendo insistir em inoportuna-lo, quisera compartilhar o que penso e opino


para que SARI entenda e talvez adote o mesmo posicionamento e aceite como
conselhos em relação a eles e como devemos proceder com os mesmos.

Em primeiro lugar, os Bragança não são nossos inimigos. Tal como disse NS o Salvador,
“deixa eles, pois quem não está contra nós, a nosso favor está”. Eles são a casa nobre
mais importante de Portugal desde que foram fundados. E são parentes de Avis, uma
linhagem irmã, por Avis foram fundados, dependem de Avis e de Avis possuem todo seu
poder. Se Bragança não é nada, Avis tampouco é. Se os Bragança forem gloriosos, gloria a
Avis

O ducado de Bragança sempre foi o mais poderoso e assim deverá ser para todo o
sempre. Ainda mais, foram leais e féis porque até mesmo ao restaurar o trono se
mantiveram fieis a coroa de Portugal e ao rei Dom Sebastião e sua semente através do
juramento da Imaculada Conceição. Até mesmo invocaram grande maldição sobre sua
semente que amarguram até os dias atuais. Isto tudo por lealdade a casa de Avis.

Assim devem ser reconhecidos e mantidos, como os mais altos e fieis vassalos. Não são
eles os responsáveis pela usurpação nem mesmo nós devemos seguir imputando-os esta
maldição. A maldição já há e se mantém por si só e por divina providencia. Segundo Sun
Tzu, precisamos saber bem quem somos e saber bem quem são nossos inimigos. Por isto
é bem importante que neste momento enfoquemos em saber quem e quantos somos.
Antes de contender com eles, nossos irmãos. Se sabemos isto, sairemos vencedores.

Sun Tzu diz também que melhor que partir para a contenda é ganha-los sem desferir um
ataque sequer. Pela diplomacia. E se assim vencemos, SARI “será o soberano que
determinará o destino dos povos e a segurança da nação” (A Arte da Guerra). Então
vamos lembrar dos maçons, quem são, quem foram e se realmente são ou não nossos
inimigos.

Opino que pela história se existiram alguns maçons responsáveis por alguns desmandos
que nos trouxeram problemas ou prejuízos não é um problema de toda a irmandade. A
maçonaria não é anti-cristã ou anti-monárquica. Mesmo que existam fortes correntes
satânicas e republicanas em seus meios. Pois por serem eles teoricamente liberais,
permitem que isto ocorra. Em tese, são historicamente não-católicos, mas de origem
cristã. Tal qual somos nós templários.

Em verdade, acho que não podemos descartar os elementos maçónicos que possam vir a
ser nossos aliados. Sun Tzu também disse que precisamos nos inserir nas fileiras dos
nosso inimigos e enfraquece-los nos aliando a seus aliados e favorecendo sua desunião. A
maçonaria hoje não é mais um corpo coeso nem mesmo tem uma cabeça como quando
foi aparelhada para uma missão específica. Uma vez cumprida sua missão, seus
patrocinadores que se serviram deste sistema de ordens ou irmandades que muito se
assemelhava aos templários e cruzados a abandonaram a sua própria sorte. Mesmo
deturpada e descaracterizada daquela irmandade universal de obreiros cristãos não-
católicos, a maçonaria conserva nossos segredos templários e nosso modo de
organização.

A estes últimos que citei, temos que ressaltar o que temos em comum e manter discreta
relação apenas com os elementos estritamente fiéis a nossa causa. Exaltemos os
cavaleiros que nos ajudem em nossas mais difíceis campanhas. Aos anteriores, sejamos
piedosos pois também são nossos irmãos e ainda choram seus primogénitos levados pelo
anjo destruidor. Apenas SARI pode livrá-los desta maldição. E que assim seja.

Os maçons já não são os mesmos. Eu diria que são tão coitados e pobres quanto nossos
irmãos Bragança. Ambos foram usados pelos que hoje mandam no mundo e já não
servem mais. Pois já ganharam o mundo para seu imperialismo e globalização. O plano
para usurpar-se do Brasil, tal como já o haviam feito com toda America e meia Europa
envolveu aos Bragança de modo que eles não foram fortes o suficiente para manter o
regime, sucumbindo ao golpe em 1889.

Com certeza, se fosse Avis, o Império existiria até hoje. E seus descendentes mais
letrados, letrados segundo a educação dos poderosos, se iludem com as ideologias dos
imperialistas. Acreditam nas lisonjas perversas de Babilonia. Deixa eles! Não sabem
quem são, que força tem (ou não tem), não sabem achar aliados onde há, nem sabem
quem são seus reais inimigos. Mas sim, deixa eles porque quanto mais divulgam a nossa
causa, melhor fica para nós.

Os seguidores dos Bragança são reacionários, falsos conservadores. São de uma classe de
gente muito desclassificada, filhos dos golpistas e traficantes que os destronaram. Tal
como em Portugal, a consorte do usurpador miguelista é neta de regicida. São gente sem
estirpe ou nobreza, torpes tiranos amantes de despotas. Preferem a Bolsonaro como rei
do que a Dom Luiz. Aliás, d Luiz e d Bertran são preteridos. O preferido é d Raphael,
talvez mais manipulável, mas tampouco é um primogénito. Eles aguardam seus príncipes
fechar os olhos para agir, fingem obedecer seus caudilhos, mas a verdade é que nem
mesmo são capazes de agir. Esta hora nunca vai chegar, segundo Sun Tzu.

Sun Tzu disse que não podemos prolongar guerras e batalhas. O povo não pode perecer.
Os Bragança estão prolongando a restauração por muitos anos e o povo está perecendo.
Batalhas longas desmotivam os soldados, segundo Sun Tzu. Os bragancistas estão se
demorando mais de um século e ao falar com eles parece que pedem um segundo século
de prazo para derrotar a republica que os destronou. Nós restauraremos a monarquia
logo logo. A armada dos Bragança está adormecida já. Mas logo logo
escutarão a voz de SARI e se levantarão a lutar. Não faz falta contendermos com eles.

Sobre os maçons, são uma velha associação de pedreiros cristãos. Responsáveis pela
burguesia que se emancipou do clero e da nobreza, e hoje são a classe tirana que chefia
o imperialismo neoliberal globalizante. Não digo que seja a maçonaria esta cabeça, mas
sim a burguesia. O plano que o professor Loryel Rocha se refere que conspirara contra a
monarquia para instaurar uma republica no Brasil e em Portugal é por conta de uma
corrente desta maçonaria, que foi utilizada pela cabeça da besta, Babilônia. E os
Bragança foram indefesos para o matadouro, e continuam cegados a adorar seus algozes.
Quem conspirou contra os países do hemisfério sul foi a Jurisdição Sul do Supremo
Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito, cujo maior expoente foi Albert
Pike, um professo satanista norteamericano autor de Moral e Dogma e da codificação de
tal rito. Esta é a principal corrente deles por aqui. Mas não são a maçonaria, apenas uma
facção.

Objetivamente proponho que findado o ano de 2017, ano da Restauração de Avis, ano
judaico 5777, que no ano de 2018 enfoquemos em retomar o Calendário de Encontros de
Monarquistas pela Restauração do Império e o Censo do 5 o império. Pois restauraremos as
Mesas de Consciência, uma para cada estado. Providenciarei as cartas patentes.
Precisaremos saber quem vai estar a frente da cada uma. Estas pessoas levarão a cabo a
restauração das milícias e nos ajudarão a organizar os cartórios de nobiliarquia e as
autoridades heráldicas. Devem ser os maiores nobres da corte.

Atenciosamente,
Viva Elrei Dom Sebastião, sua semente há retornado!
Viva Dom Antonio Cezar, nosso príncipe esperado!
R.I.Cons.L.d.S.Alano,
Mordomo-Mor dos Lisbôa
de SARI duque de Lisbôa & chefe da Real-Imperial Casa de Portugal, Brasil, Algarves &
Império Ultramarino Lusitano Dom Antônio Cezar I, “o príncipe esperado” & C.L.U.B.
Comunidade da Dinastia Templário-Cristã de Avis-Trastâmara-Lisbôa Restaurada

Você também pode gostar