Você está na página 1de 1

BNCC e Currículo Paulista: da resistência ao processo de

desnaturalização

Autores:
Email:

Afiliação:

Resumo
Este trabalho trata do acompanhamento e atuação junto às escolas do município de
Carapicuíba, Região Metropolitana de São Paulo, no que tange as discussões sobre a Base
Nacional Comum Curricular e sua implementação, conforme definido pela Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, Lei nº 9.394/1996). O objetivo é refletir
sobre a recepção do texto oficial e seu reflexo na organização de um "novo currículo".
Sendo assim, desenvolvo estudo à luz da Análise Crítica do Discurso (ACD), na vertente
proposta por Fairclough (2003, 2008, 2010) e do Realismo Crítico (RC), a partir do que
apresenta Resende (2009) e Bhaskar (1998). Ressaltamos a necessidade de clareza nas
reflexões sobre os textos institucionais que orientam os professores em diferentes
momentos de formação em serviço, tanto em aulas de trabalho pedagógico coletivo (ATPC)
quanto em Orientações Técnicas centralizadas. Segundo Fairclough (2010), ao tecer
comentários sobre o desenvolvimento de uma consciência crítica da linguagem pelas
pessoas e o desenvolvimento de suas próprias capacidades e práticas de linguagem, um
trabalho reflexivo pode acarretar a análise e, possivelmente, a mudança de suas próprias
práticas. Um ponto a ser considerado é o fato de que os documentos oficiais são pensados
e construídos desconsiderando as especificidades das regiões, o que implica: (i) a não
consideração dessas características por realmente não ser possível abarcar todas as
realidades em um único documento, sendo necessário outros para possíveis
complementações; ou (ii) o desconhecimento a quem esses documentos são dirigidos e das
características locais. Sobre um possível tom "universalizante" desses documentos oficiais,
temos que refletir sobre a questão da hegemonia e na relação entre dominação e controle.
Sobre isso, Resende e Ramalho (2011) nos colocam que, sendo a linguagem constituída
socialmente, ela apresenta consequências e efeitos sociais, políticos, cognitivos, morais e
materiais. Das escolas aqui acompanhados, embora grande parte dos profissionais
envolvidos admita a importância dos documentos oficiais como norteadores das práticas
de ensino e aprendizagem, ao exporem a relação desses documentos ao que efetivamente
ocorre na escola, em suas salas de aula, as reflexões são carregadas de clichês e falas
generalizadas, verbalizadas com a utilização de elementos que vão desde uma visão
tradicional para o ensino da língua até um posicionamento de "resistência" frente a qualquer
texto produzido institucionalmente, independente das concepções ou correntes teóricas
assumidas..

Palavras-Chave: Base Nacional Comum Curricular, Currículo do Estado de São Paulo,


Análise Crítica do Discurso.