Você está na página 1de 4

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA


DISCIPLINA: METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS
PROFª. Me. ANA JÚLIA RÊGO VIEIRA DA LUZ

O QUE ENSINAR EM CIÊNCIAS

Érica Letícia Moreira Silva

CAXIAS-MA

2018
SANTOMAURO, B. O que ensinar em Ciências. Rev. Nova Escola, n.219, 2009. Disponível
em:<http://revistaescola.abril.com.br/ciencias/fundamentos/curiosidadepesquisador-
425977.shtml>

O artigo intitulado: O que ensinar em ciências faz uma explanação sobre a maneira de
se ministrar a disciplina de Ciências, visto que possui grande importância social, por se
apresentar como uma das primeiras disciplinas que promove o conhecimento cientifico, desta
forma quando é bem trabalhada na escola, auxilia os alunos a buscar, esclarecer e verificar as
vivências e envolvendo o meio ambiente e a sociedade.
O artigo composto por 8 páginas, dividido em tópicos: Investimento em tecnologia e
reprodução de procedimentos; Mitos pedagógicos; Teoria e prática juntas no processo de
investigação; O valor didático da experiência depende da forma como é feita; Metodologias
mais comuns no ensino de ciências e Expectativas de aprendizagem em ciências do 1º ao 9º
ano.
A autora começa sua narrativa apresentando dados do Pisa (2006), onde afirma que: “o
desempenho geral do Brasil em Ciências não é bom, tal afirmação pode ser justificada devido
a pouca importância que a disciplina possuía, tenta-se atualmente melhorar tanto a disposição
dos conteúdos quanto a forma que os mesmos são repassados para os alunos. Observa-se que
as forma de abordagem, ainda fica restrita apenas à reprodução de conhecimento o professor
tem como bases apenas o conteúdo do livro didático e o aluno exerce à tarefa de memorizar
para se tornar apto a dar a resposta correta.
No capitulo intitulado: Investimento em tecnologia e reprodução de procedimentos,
Santomauro aborda que o desenvolvimento das tecnologias altera nossa vida e que traz novos
caminhos para o processo ensino-aprendizagem, desta forma, era necessário incentivar a
formação de profissionais que para poder utilizar a mesma, dando-lhes autonomia e
independência, facilitando e proporcionando uma aprendizagem mais significativa com
novidades, criação e iniciativo.
A integração da tecnologia ao processo de ensino-aprendizagem pode produzir diversas
formas de ensinar e aprender, auxiliando na prática reflexiva e instigando a busca do
conhecimento para além da sala de aula.
A autora explana em Mitos pedagógicos, alguns pontos que auxiliam no ensino de
ciências quando aplicados de forma correta. Ela afirma que o desenvolvimento de atividade
prática não carrega em si todos os conteúdos que se quer ensinar, não adiantar demonstrar aos
alunos experimentos, sem desenvolver exposições teóricas, sem primeiro permitir que os alunos
tenham um conhecimento prévio do que vai exposto.
Muitos professores utilizam a afirmação que a inexistência de laboratório é uma
justificativa para não desenvolver aulas práticas, no entanto, sabe-se que atualmente é possível
a utilização de materiais alternativos sendo capaz de suprir a sua falta, além de deixar a
metodologia de ensino e de aprendizagem mais proveitosa, por fazer uma relação direta com o
cotidiano dos alunos. Para Santomauro, o ensino apoia-se em concepções equivocadas e que
não desperta o interesse das turmas, deve-se esquecer antigas ideias como a de que a
memorização é importante para aprender os conteúdos.
Segundo Santomauro somente nos anos de 1970, o ensino experimental mostrou-se
necessário, que Ciências só se aprende quando há uma situação para resolver, foi necessário
unir a prática com teoria, o aluno deve aprender a levantar hipóteses, interpretar os resultados,
elaborar problemas, pesquisar, fazer registros e aplicá-las a novas circunstâncias.
Corroborando assim, com o que diz Neto (2014), que afirma para o ensino das ciências
não basta ter motivação dos alunos, o professor também deve estar motivado, fazendo utilização
de alguns procedimentos metodológicos adequados, os quais seriam: observação,
experimentação, solução de problemas, discussões, leituras e método científico propriamente
dito.
O professor, passa a ter a função de orientar as ações dos alunos e o livro um material
de consulta. A autora menciona que a metodologia investigativa, realiza mais que mais do que
verificar se os conteúdos foram aprendidos, ela contribui na identificação das dificuldades e no
trabalho de aperfeiçoamento dos procedimentos de ensino, tornando possível perceber uma
grande evolução quando comparados as diferentes estratégias de ensino existentes ao longo do
tempo.
Este artigo nos faz refletir a respeito da necessidade da formação do professor na busca
de uma mudança em sua prática pedagógica, pois, no ensino não se pode ressaltar apenas
questões conceituais, as informações e teorias devem ter relação com o dia-a-dia, com o
contexto social, evitando a aprendizagem mecânica de informações.
Os conhecimentos devem permitir aos alunos constituição de uma visão de mundo mais
pronunciada, necessitando a reorganização dos conteúdos escolares e dos procedimentos
metodológicos aplicados na abordagem destes, porém o artigo, apresenta de forma resumida as
propostas para o ensino da disciplina com base na atualidade, podendo se tornasse enfadonho
ao leitor.
Este artigo é indicado a todos que atuam na área da educação para que possam refletir
sobre sua ação docente no sentido de aprimorar sua pratica pedagógica, chamando ainda a
atenção para a necessidade da formação para o uso das novas tecnologias e maneiras didáticas
de ensino no ambiente escolar, sendo um artigo de fácil entendimento.
Beatriz Santomauro, autora do artigo: O que ensinar em ciências.
Érica Letícia Moreira Silva, graduanda do 5º período do curso de Licenciatura em
Química do Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Maranhão-Campus Caxias
(IFMA).

REFERÊNCIAS

NETO, E. S. L. O ensino de ciências naturais no ensino fundamental em duas escolas


públicas do município de José de Freitas-PI. 2014. Monográfica (Graduação em Licenciatura
plena em Ciências Biológicas) – Faculdade do Médio Parnaíba – FAMEP, Teresina.

CAMARGO, N. S. J; BLASZKO, C. E; UJIIE, N. T. O ensino de ciências e o papel do


professor: Concepções de professores dos anos iniciais no ensino fundamental. In: XII
Congresso Nacional de Educação- EDUCARE. Curitiba, 2015.