Você está na página 1de 79

Norma Código

Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição VR01.02-01.001


Aérea Urbana
Processo Edição Folha
Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico 5ª 1 DE 79
Atividade Data
Obras de Distribuição 30/07/2013

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES
Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Este instrumento normativo substitui a Norma VR01.02-01.001 - Elaboração de


Projetos de Rede de Distribuição Urbana - 1ª edição de 04 de Setembro de 2006

2ª 24/03/2008 Retirada dos desenhos das montagens das estruturas de redes aéreas

Este instrumento normativo absorve e cancela a Norma VR01.02-01.009 -


Proteção Secundária em Transformador de Distribuição - 4ª edição de 01 de
Julho de 2003

Este instrumento normativo substitui a Norma VR01.02-01.001 - Elaboração de


Projetos de Rede de Distribuição Urbana - 2ª edição, de 24 de março de 2008.

Alterado o item 4.1.4 com a substituição dos condutores de alumínio nu por


condutores de alumínio protegido (condutor coberto com XLPE) em estruturas
3ª 28/01/2011 com ou sem espaçadores em áreas urbanas.

Alterado o item 4.21.4 definindo que na elaboração dos orçamentos para projetos
de redes devem ser previstos acréscimos de 3% no quantitativo de condutores
primários e 5% no quantitativo de condutores secundários.

Esta Norma substitui a Norma VR01.02-01.001 - Elaboração de Projeto de Rede


de Distribuição Aérea Urbana - 3ª edição.
Alterado o item 4.1 com a inclusão do subitem 4.1.4 e a transferência de alguns
subitens para o novo item 4.2. Este último item foi criado com foco na aplicação
4ª 17/06/2013
do padrão de rede.
Alterado no subitem 4.21.12 o padrão de utilização de cruzetas.
Incluído o item 4.18 Análise de viabilidade técnica.
Incluídos os subitens 4.1.4, 4.3.7, 4.3.8, 4.4.1, 4.4.18, 4.4.29 e 4.10.3.

Esta Norma substitui a Norma VR01.02-01.001 - Elaboração de Projeto de Rede


de Distribuição Aérea Urbana - 4ª edição.
5ª .30.07.2013
Alterados os itens 4.3.7, 4.3.8, 4.3.9. Incluído os itens 4.3.10, 4.3.12 e 4.3.13.
Retirado o item 4.21.12.

GRUPOS DE ACESSO
Nome dos grupos

DIRETOR-PRESIDENTE, SUPERINTENDENTES, GERENTES, GESTORES, FUNCIONÁRIOS OU


PRESTADORES DE SERVIÇOS.

NORMATIVOS ASSOCIADOS
Nome dos normativos

.VR01.02-01 - Projeto de Rede de Distribuição Urbana

VR01.02-01.002 - Projeto de Rede de Distribuição Compacta com Espaçador - Poste Circular - 15 kV

.VR01.02-01.004 - Projeto de Rede de Distribuição Compacta sem Espaçador - Poste Circular - 15 kV


Norma Código
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição VR01.02-01.001
Aérea Urbana
Processo Edição Folha
Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico 5ª 2 DE 79
Atividade Data
Obras de Distribuição 30/07/2013
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ÍNDICE

Página

1. OBJETIVO .....................................................................................................................................................5
2. RESPONSABILIDADES ................................................................................................................................5
3. DEFINIÇÕES..................................................................................................................................................5
3.1 ÁREA URBANA...........................................................................................................................................5
3.2 CARGA INSTALADA...................................................................................................................................5
3.3 DEMANDA ...................................................................................................................................................5
3.4 DEMANDA MÁXIMA....................................................................................................................................5
3.5 DEMANDA DIVERSIFICADA MÉDIA .........................................................................................................5
3.6 DEMANDA MÉDIA.......................................................................................................................................5
3.7 FATOR DE CARGA .....................................................................................................................................5
3.8 FATOR DE COINCIDÊNCIA........................................................................................................................5
3.9 FATOR DE DEMANDA................................................................................................................................5
3.10 FATOR DE SAZONALIDADE ...................................................................................................................5
3.11 FATOR DE UTILIZAÇÃO ..........................................................................................................................5
3.12 HORIZONTE DO PROJETO......................................................................................................................5
3.13 LIMITE TÉRMICO DO TRANSFORMADOR .............................................................................................5
3.14 PONTO DE ENTREGA ..............................................................................................................................6
3.15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA – RDU ............................................................................................6
3.16 REDE COMPACTA....................................................................................................................................6
3.17 RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO ........................................................................................................6
3.18 SISTEMA DE ATERRAMENTO ................................................................................................................6
3.19 TENSÃO CONTRATADA ..........................................................................................................................6
3.20 TENSÃO DE LEITURA ..............................................................................................................................6
3.21 TENSÃO NOMINAL...................................................................................................................................6
3.22 UNIDADE CONSUMIDORA ......................................................................................................................6
4. CRITÉRIOS ....................................................................................................................................................6
4.1 REDE ELÉTRICA DE DISTRIBUIÇÃO URBANA.......................................................................................6
4.2 REDES DE DISTRIBUIÇÃO PADRONIZADAS E SUAS APLICAÇÕES...................................................6
4.3 LOCAÇÃO DOS POSTES ...........................................................................................................................7
4.4 DIRETRIZES PARA PROJETO DA REDE PRIMÁRIA. .............................................................................8
4.5 DISTÂNCIAS MÍNIMAS RELATIVAS À REDE PRIMÁRIA......................................................................11
4.6 DIRETRIZES PARA A REDE SECUNDÁRIA. ..........................................................................................12
4.7 SAÍDA DE SUBESTAÇÕES. .....................................................................................................................13
4.8 ATERRAMENTO DO NEUTRO DA REDE SECUNDÁRIA. .....................................................................14
4.9 ATERRAMENTO DE EQUIPAMENTOS. ..................................................................................................14
4.10 LEVANTAMENTO EM CAMPO...............................................................................................................15
4.11 AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO.......................15
4.12 AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE MÉDIA TENSÃO. .....................18
4.13 AVALIAÇÃO DAS CARGAS DAS EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO. .............................................18
4.14 AVALIAÇÃO DAS CARGAS DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA ...................................................................18
4.15 CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CARGAS DA REDE SECUNDÁRIA...................................................19
4.16 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO:.........................................................................................21
4.17 QUEDA DE TENSÃO...............................................................................................................................22
4.18 ANÁLISE DE VIABILIDADE TÉCNICA...................................................................................................24
4.19 DIMENSIONAMENTO DA REDE PRIMÁRIA .........................................................................................25
4.20 PROTEÇÃO .............................................................................................................................................25
4.21 CÁLCULO MECÂNICO. ..........................................................................................................................30
4.22 DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO. ........................................................................................................33
4.23 RECOMENDAÇÕES GERAIS.................................................................................................................34
5. REFERÊNCIAS ............................................................................................................................................35
6. APROVAÇÃO ..............................................................................................................................................35
ANEXO I. RESISTIVIDADE E ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO .......................................................................36
ANEXO II. DEMANDA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BT ................................................................40
ANEXO III. DEMANDA DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO ..................................................................42
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 3 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS .....................................................................................................................................48


ANEXO V. GRÁFICOS ....................................................................................................................................60
ANEXO VI. FIGURAS ......................................................................................................................................63

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 4 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

1.OBJETIVO

Estabelecer critérios para a elaboração de projetos de rede de distribuição urbana, primária, aérea, em
cruzeta com condutores nus ou protegidos para 15 ou 36,2 kV e rede secundária isolada para 1 kV.

2.RESPONSABILIDADES

Compete aos órgãos de Planejamento, Projeto, Construção, Manutenção, Operação e Engenharia Básica,
cumprir e fazer cumprir este instrumento normativo.

3.DEFINIÇÕES

3.1Área Urbana
Definido de acordo com o sistema de cadastro centralizado da Coelba.

3.2Carga instalada
Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em
condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts.

3.3Demanda
É a média das potências elétricas instantâneas solicitadas ao sistema elétrico durante um período de tempo
especificado.

3.4Demanda máxima
É a maior demanda verificada durante um intervalo de tempo especificado.

3.5Demanda diversificada média


É o quociente entre a demanda das unidades consumidoras de uma classe, calculada por agrupamento de
suas cargas, e o número de unidades consumidoras dessa mesma classe.

3.6Demanda média
É a razão entre a quantidade de energia elétrica consumida durante um intervalo de tempo especificado, e
esse intervalo.

3.7Fator de carga
Relação entre a demanda média e a demanda máxima verificadas no mesmo intervalo de tempo.

3.8Fator de coincidência
Relação entre a demanda máxima de um grupo de consumidores ou cargas e a soma das demandas
máximas individuais de cada unidade.

3.9Fator de demanda
Relação entre a demanda máxima e a carga instalada correspondente.

3.10Fator de sazonalidade
Fator de correção da demanda diversificada média dos consumidores residenciais e comerciais, com o
objetivo de excluir a possibilidade de que a demanda medida não corresponda à máxima anual.

3.11Fator de utilização
Quociente entre a demanda máxima que está sendo solicitada de um equipamento e a potência nominal
deste equipamento.

3.12Horizonte do projeto
Período de tempo futuro em que, com as informações atuais, o sistema foi simulado.

3.13Limite térmico do transformador

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 5 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Temperatura do conjunto que compõe as partes condutoras e isolantes a partir da qual o transformador
começa a perder vida.

3.14Ponto de entrega
Ponto de conexão do sistema elétrico da distribuidora com as instalações elétricas da unidade consumidora,
caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.

3.15Rede de distribuição urbana – RDU


Rede de distribuição do sistema de energia elétrica situada dentro do perímetro urbano de uma cidade, vila
ou povoado.

3.16Rede compacta
Rede de distribuição aérea de energia elétrica com cabos cobertos fixados em espaçadores sustentados
por cabo mensageiro, apresentando uma configuração compacta.

3.17Resistência de aterramento
É a reação oferecida à passagem da corrente elétrica quando é aplicada uma tensão ao sistema de
aterramento.

3.18Sistema de aterramento
É o conjunto de condutores, cabos, hastes e conectores interligados que dissipa para a terra as correntes
que sejam impostas ao mesmo.

3.19Tensão contratada
Valor eficaz de tensão estabelecida em contrato, expressa em volts ou quilo volts;

3.20Tensão de leitura
Valor eficaz da tensão integralizado a cada 10 (dez) minutos, obtido de medição por meio de equipamentos
apropriados, expresso em volts ou quilo volts.

3.21Tensão nominal
Valor eficaz de tensão pelo qual o sistema é designado, expresso em volts ou quilo volts.

3.22Unidade consumidora
Conjunto composto por instalações, ramal de entrada, equipamentos elétricos, condutores e acessórios,
incluída a subestação, quando do fornecimento em tensão primária, caracterizado pelo recebimento de
energia elétrica em apenas um ponto de entrega, com medição individualizada, correspondente a um único
consumidor e localizado em uma mesma propriedade ou em propriedades contíguas.

4.CRITÉRIOS

4.1Rede elétrica de distribuição urbana.

4.1.1A rede aérea deve ser projetada para fornecer energia elétrica às unidades consumidoras, e em
obediência à legislação, conciliar os aspectos técnicos, de segurança, estéticos, sociais e econômicos.

4.1.2O sistema de distribuição recomendado para a rede urbana é o trifásico com três fios. As extensões
bifásicas ou monofásicas podem ser utilizadas para atendimento a pequenas cargas ou cargas isoladas.

4.1.3Sistema monofásico com retorno pela terra - MRT, não deve ser utilizado para atendimento a
localidades urbanas.

4.1.4A rede compacta deve ser tratada como rede primária nua para todos os aspectos de segurança que
envolvam construção, operação e manutenção. Portanto, seus condutores e acessórios não podem ser
tocados enquanto a rede não estiver desligada e corretamente aterrada, exceto na condição de linha viva,
sob pena de colocar em risco a segurança dos envolvidos na tarefa e terceiros.

4.2Redes de distribuição padronizadas e suas aplicações.


VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 6 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.2.1A rede de distribuição aérea urbana de média tensão em área urbana (definida de acordo com o
sistema de cadastro centralizado) deve utilizar cabos cobertos (condutor coberto com XLPE) fixados em
espaçadores, quando não existirem impedimentos técnicos para a sua instalação.

4.2.2Rede elétrica de média tensão com cabos cobertos fixados em espaçadores, também, deve ser
utilizada em áreas arborizadas.

4.2.3Rede primária com condutores nus de cobre deve ser utilizada nas proximidades, em até 500 metros
de indústrias emissoras de gases poluentes, ou em áreas com agressividade da atmosfera marinha.

4.2.4Classificamos como submetida à agressividade da atmosfera marinha a área compreendida entre o


limite de preamar e uma linha imaginária em terra situada conforme seguintes alíneas:
a) Até 0,5 km em áreas com anteparos naturais ou construções com alturas superiores a três vezes a
altura do poste.
b) Até 1,0 km em áreas com anteparos naturais ou construções com alturas inferiores a três vezes a
altura do poste.
c) Até 3,0 km em áreas livres (sem anteparos).

4.2.5Projetos de melhoramento em redes de distribuição aérea com cabos nus podem ser realizados com a
substituição dos cabos nus por cobertos, aproveitando e adequando as estruturas existentes, se em boas
condições.

4.2.6Rede aérea de média tensão com condutores isolados e multiplexados deve ser utilizada em
travessias, por questões de segurança, em áreas densamente arborizadas ou em saídas de subestações
conforme item 4.7.1.

4.2.7Nas áreas restantes, e não havendo impedimento técnico para a sua utilização, a rede elétrica de
média tensão pode utilizar condutores de alumínio nu.

4.2.8A rede de distribuição aérea para área com incidência de perdas deve ser aplicada em áreas urbanas
com elevado índice de desvios de energia elétrica, assim definido pela área de inspeção de clientes.

4.2.9A rede aérea de baixa tensão deve ser sempre montada com condutores de alumínio, isolados e
multiplexados, independentemente das características relativas à agressividade da atmosfera da área.

4.3Locação dos postes

4.3.1Os postes devem se locados nas calçadas, preferencialmente em frente às divisórias dos lotes.

4.3.2Os postes devem ser implantados o mais perto possível do meio fio de modo a deixar na calçada um
espaço livre para circulação de no mínimo 1,2 m.

4.3.3Em ruas não retilíneas com posteação simples, os postes devem ser locados do lado da rua cuja
calçada ou passeio seja o mais afastado do centro da curvatura.

4.3.4Os postes devem ser locados de tal forma que os vãos livres dos ramais de ligação tenham
comprimento máximo de 30 m e permitam ligar todas as unidades consumidoras previstas no projeto.

4.3.5Redes de distribuição urbana devem ser projetadas de forma que o vão máximo seja 40 m.

4.3.6Os projetos de reforma ou para atendimento as novas cargas devem aproveitar ao máximo à rede
existente, evitando-se na medida do possível a retirada de materiais do ativo imobilizado em serviço.

4.3.7Nas redes aéreas em condições normais devem ser utilizados postes de concreto. Em áreas de difícil
acesso devem ser utilizados postes de fibra com cruzetas poliméricas.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 7 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.3.8Em área litorânea submetida à agressividade da atmosfera marinha, definida conforme item 4.2.4,
deve ser utilizado poste de concreto DT ou circular com característica especifica para esta área (Poste
Concreto Orla).

4.3.9Os postes de concreto preferenciais para utilização em projetos de RDU estão no seguinte quadro:

Postes de Concreto Padronizados para Uso em RDU


Rede de BT Rede de AT
Poste DT Poste R Poste tipo DT Poste tipo R
9/200 9/200 11/200 12/400 `13/600 11/200 12/400 13/600
9/400 9/400 11/400 12/600 13/1000 11/400 12/600 13/1000
9/600 9/600 11/600 12/800 11/600 12/800
9/1000 9/1000 11/800 12/1000 11/800 12/1000
11/1000 12/2000 11/1000 12/1200
11/1500 11/1500 12/1500
11/2000 12/2000

4.3.10Os postes de fibra preferenciais para utilização em projetos de RDU estão no seguinte quadro:

Postes de Fibra Padronizados para Uso em RDU


Rede de BT Rede de AT
Poste
Poste circ Poste circ/quad (1) Poste circ (2)
circ/quad
9/200 9/200 11/200 12/400 11/400 12/1200
9/400 9/400 11/400 12/600 11/600
11/600 12/1000
11/1000 12/1200

Nota:
1. Aplicação do poste de fibra base circ. topo quad nas áreas de difícil acesso em substituição ao poste de
concreto DT.
2. Aplicação do poste fibra circ nas áreas de difícil acesso em substituição ao poste de concreto R.

4.3.11Na escolha do tipo de poste em redes que cortam áreas tombadas ou de proteção ambiental, devem
ser consultados os órgãos responsáveis pelo uso do solo.

4.3.12As cruzetas padronizadas para aplicação em redes de distribuição constam na tabela seguinte:

Cruzetas para aplicação em redes de distribuição


Descrição Código
Cruzeta concreto retangular 2400 mm 200 daN 3310007
Cruzeta concreto T 2400 mm 200 daN 3310001
Cruzeta concreto T 2400 mm 400 daN 3310009
Cruzeta polimérica 90x90x2400 mm 3340006

4.3.13Em redes de distribuição urbana devem ser utilizadas cruzetas de concreto para situações normais e
em região submetida à agressividade da atmosfera marinha. Em áreas de difícil acesso e naquelas de
aplicação do padrão de rede de distribuição aérea para áreas com incidência de perdas devem ser
utilizadas cruzetas poliméricas.

4.4Diretrizes para projeto da rede primária.

4.4.1A rede de distribuição aérea com cabos cobertos fixados em espaçadores, padronizada com base na
NBR 15992, deve ser aplicada em redes novas de distribuição urbana em áreas urbanas, quando não
existirem impedimentos técnicos.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 8 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.4.2A rede aérea de distribuição com cabo nu deve ser montada em estruturas tipo normal ou tipo beco,
padronizadas com base na NBR 15688 - Redes de distribuição aérea de energia elétrica com condutores
nus.

4.4.3As estruturas tipo Meio-Beco não devem ser utilizadas em projetos de redes novas. É um recurso que
somente deve ser utilizado para adequação de redes existentes às distâncias mínimas recomendadas.

4.4.4Os condutores da rede primária devem ser escolhidos mediante estudo econômico que leve em
consideração: densidade e crescimento da carga, capacidade de transporte de energia, características da
área, perdas técnicas, reaproveitamento dos padrões, agressividade da atmosfera, facilidades operacionais,
bitolas preferenciais, custo inicial e vida útil.

4.4.5Em observância aos parâmetros acima, foram escolhidas quatro seções de condutores de alumínio ou
de cobre, nus, três seções de condutores cobertos com XLPE para 15 kV e 36,2kV e três seções para
condutores isolados, que devem ser utilizados na rede aérea de distribuição

4.4.6Os condutores padronizados para a rede aérea primária estão no seguinte quadro:

Condutores Padronizados para Rede Aérea Primária de Distribuição Urbana


Tipo da Rede Condutores Padronizados
Rede nua de Alumínio 4 CAA; 1/0 CA; 4/0 CA e 336,4 CA
Rede nua de Cobre 25 mm², 35 mm², 70 mm², e 95 mm².
Rede Al com cabo coberto XLPE-15 kV 35 mm², 70 mm², 185 mm²
Rede Al com cabo coberto. XLPE-36,2 kV 70 mm², 120 mm², 185 mm²
Rede de Alumínio Multiplexada 15 kV 3x35+1x50; 3x70+1x50; 3x185+1x95

4.4.7A rede primária de distribuição urbana aérea com cabo nu de modo geral deve ser projetada com
cabos de alumínio CA, exceto o cabo 4 AWG que deve ser do tipo CAA em função da baixa tração de
ruptura do alumínio H-19.

4.4.8A rede compacta com espaçadores não deve ser usada em áreas com atmosfera agressiva.

4.4.9As principais características dos condutores de alumínio nu constam no quadro seguinte:

Parâmetros dos Condutores Nus de Alumínio


Seção Forma Diâmetro Características do Cabo
Nominal ção. do Fio S(mm²) Φ (mm) I max. ΩxKm Trac. Rup Massa Cód. SAP.
4 CAA 6x1 2,12 mm 24,69 6,36 140 A 1,3560 830 daN 85,49 2202001
2* CA 7fios 2,47 mm 33,63 7,42 180 A 0,8573 613 daN 92,72 2202021
1/0 CA 7 fios 3,12 mm 53,49 9,36 242 A 0,5390 903 daN 147,48 2202023
4/0 CA 7 fios 4,42 mm 107,22 13,25 380 A 0,2689 1737 daN 295,61 2202026
336,4 CA 19 fios 3,38 mm 170,46 16,90 514 A 0,1691 2786 daN 469,97 2202027
Nota: O cabo 2 CA somente deve ser utilizado em situações especiais definidas pelo planejamento.

4.4.10As principais características dos condutores nus de cobre estão relacionadas no quadro seguinte:

Parâmetros dos Condutores Nus de Cobre


Seção Forma Diâmetro Características do Cabo
Nominal ção. do Fio S(mm²) Φ (mm) I max. ΩxKm Trac. Rup Massa Cód. SAP.
16*mm² 7 1,7 15,88 5,1 136 1,240 552 DaN 144 2203014
25 mm² 7 2,06 23,32 6,18 180 0,795 908 DaN 210 2203015
35 mm² 7 2,50 34,36 7,50 230 0,538 1120 DaN 312 2203016
50*mm² 7 3,00 49,48 9,00 287 0,375 1644 DaN 446 2203017

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 9 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Parâmetros dos Condutores Nus de Cobre


Seção Forma Diâmetro Características do Cabo
Nominal ção. do Fio S(mm²) Φ (mm) I max. ΩxKm Trac. Rup Massa Cód. SAP.
70mm² 7 3,45 67,03 10,35 370 0,283 2200 DaN 590 2203020
95mm² 7 4,12 93,32 12,36 445 0,199 2800 DaN 842 2203022
120*mm² 19 2,90 125,50 14,50 550 0,148 3990 DaN 1132 2203023
Nota Os cabos 16 mm², 50 mm² e 120 mm², somente devem ser utilizados em situações especiais

4.4.11Cabos de cobre isolados para 1 kV devem ser utilizados para interligação de equipamentos.

4.4.12As principais características elétricas dos cabos de cobre isolados para 1 kV estão na tabela seguinte:

Parâmetros Elétricos dos Condutores de Cobre Isolados Para 1 kV (*)


Seção Φ Cond. Φ Ext. Kg/m Ω-/Km I-Amp ∆V-220V-3F ∆V-380V-3F
35mm² 6,95 11,70 0,404 0,6192 122 0,1772 0,0393
50mm² 8,04 13,40 0,355 0,4334 144 0,0860 0,0288
70mm² 9,67 16,50 0,748 0,3096 178 0,0649 0,0218
95mm² 11,41 19,00 1,032 0,2173 211 0,0471 0,0158
150mm² 14,25 22,80 1,571 0,1375 271 0,0426 0,0143

4.4.13As principais características físicas dos cabos de cobre isolados para 1 kV estão na tabela seguinte:

Dados construtivos dos Cabos de Baixa Tensão


Código do Seção Diâmetro Espessura Espessura da Diâmetro Massa
N° de Fios
Almoxarifado Nominal Nominal da Isolação Cobertura Externo kg.
2223022 10 mm² 7 3.72 mm 1,00 mm 1,0 mm 7,9 mm 142
2223035 16 mm² 7 4,71 mm 1,00 mm 1,0 mm 9,0 mm 204
2223023 25 mm² 7 5,87 mm 1,20 mm 1,10 mm 10,8 mm 309
2223030 35 mm² 7 6,95 mm 1,20 mm 1,10 mm 11,7 mm 404
2223024 50 mm² 19 8,27 mm 1,40 mm 1,20 mm 13,4 mm 555
2223025 70 mm² 19 9,75 mm 1,40 mm 1,20 mm 16,5 mm 748
2223029 95 mm² 19 11,42 mm 1,60 mm 1,30 mm 19,0 mm 1032
2223036 150 mm² 37 14,40 mm 1,80 mm 1,40 mm 22,80mm 1571
2223009 240 mm² 37 18,27 mm 2,2 mm 1,60 mm 26,7 mm 2545

4.4.14Os cabos de alumínio cobertos com XLPE para tensões de 15 kV ou 36,2 kV somente devem ser
instalados sobre isoladores poliméricos.

4.4.15As principais características dos condutores de alumínio cobertos com XLPE para tensões de 15 kV e
36,2 kV, estão no quadro seguinte:

Parâmetro do Cabo Coberto


Seção Forma Diâmetro Características do Cabo
Nominal ção. do Condut. S(mm²) Φ (mm) I max. ΩxKm Trac. Rup Massa Cód. SAP.
Cabo Coberto XLPE Al 15,0 kV
35 mm² 7x2,5 6,95 mm 34,34 13,6 149 A 1,1135 588 daN 190 Kgxkm 2212003
70 mm² 19x2,1 9,7 mm 65,77 16,2 229 A 0,5683 928 daN 315 Kgxkm 2212012
185 mm² 37x2,5 16,15 mm 181,53 22,6 438 A 0,2104 2452 daN 695 Kgxkm 2212011
Cabo Coberto XLPE Al 36,2 kV
70 mm² 19x2,1 9,75 mm 65,77 26,7 207 A 0,5683 928 daN 600 Kgxkm 2212005
120 mm² 19x2,8 12,9 mm 116,93 29,9 291 A 0,3246 1591 daN 895 Kgxkm Não padro.
185 mm² 37x2,5 16,15 mm 181,53 33,2 379 A 0,2104 2452 daN 1150 Kgxkm 2212006

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 10 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.4.16Em rede com cabos nus, as estruturas do tipo normal (N1; N2; N3 ou N4) devem ser utilizadas de
maneira geral em avenidas ou ruas cujas calçadas tenham largura mínima de 2,50 m além de serem
respeitadas as distâncias de segurança para paredes, sacadas, janelas, etc.

4.4.17Em ruas cujas calçadas tenham largura inferior a 2,50 m devem ser utilizadas estruturas tipo beco
(B1; B2; B3 ou B4).

4.4.18Quando na estrutura da rede compacta com espaçador não for alcançado os afastamentos mínimos
das fases às paredes das edificações, sacadas, terraços, etc. (anexo VI, figura 2), devem-se aplicar
estruturas com suporte afastador horizontal de aço, de maneira a alcançar estes afastamentos mínimos.

4.4.19A rede deve ser projetada o mais próximo possível das concentrações de carga e direcionar-se
longitudinalmente no sentido do crescimento da localidade.

4.4.20O caminhamento do circuito tronco não deve sofrer constantes mudanças de direção, em função de
pequenas concentrações de carga.

4.4.21A rede primária deve preferencialmente seguir o modelo da ”espinha de peixe”, onde existe um
circuito principal denominado tronco com diversos ramais ditos derivações do circuito tronco.

4.4.22O caminhamento do circuito tronco deve favorecer a expansão do sistema e ser projetada por ruas ou
avenidas bem definidas aprovadas pelas prefeituras municipais.

4.4.23As travessias de pontes, passarelas e viadutos devem ser executadas preferencialmente com rede
subterrânea.

4.4.24Em caso de projetos de rede exclusivamente primária com condutores nus, podem ser utilizados vãos
de até 80 m prevendo-se futura intercalação de postes para lançamento da rede secundária.

4.4.25Não é permitida emenda de condutores no vão de travessia sobre rodovias, ferrovias, águas
navegáveis e no cruzamento com outras redes.

4.4.26As estruturas do vão da travessia devem ser do tipo amarração quando exigido por normas
específicas, nos demais casos podem ser de suspensão com amarração na estrutura adjacente.

4.4.27A distância vertical mínimas dos condutores à superfície de águas navegáveis no seu mais alto nível
e na condição de flecha máxima é de H + 2 m. O valor de H corresponde à altura do maior mastro e deve
ser fixado pela autoridade responsável pela navegação na via considerada. Em casos de águas não
navegáveis, os cabos devem manter na pior condição a distância de 6,5 m sobre o nível máximo da
superfície da água.

4.4.28Em derivações devem ser usados estribos e grampos de linha viva para cargas de até 50 A,
independentemente do uso da chave fusível.

4.4.29Em derivações para cargas acima de 50 A, a conexão deve ser feita nas passagens ou rabicho
(aproximadamente 300 mm) da rede. As estruturas N1/N2, no ponto de derivação, devem ser modificadas
para N4.

4.4.30Em caso de travessias sobre rodovias ou ferrovias, o ângulo agudo entre o eixo da rede e o eixo da
via transposta deve ser de no mínimo 15º geométricos.

4.5Distâncias mínimas relativas à rede primária

4.5.1Em ruas e avenidas, a altura mínima dos condutores primários da rede de distribuição em relação ao
solo, é de 6,0 m, independentemente da tensão da rede primária ser 15 kV ou 36,2 kV.

4.5.2A altura mínima dos condutores à superfície de rodovias federais, estaduais ou municipais, na tensão
de até 36,2 kV e condição de flecha máxima é de 7 m.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 11 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.5.3A altura mínima dos condutores na tensão de até 36,2 kV aos boletos dos trilhos de ferrovias, na
condição de flecha máxima, deve ser de 9 m para as ferrovias não eletrificadas ou não eletrificáveis e, de 12
m para as ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis.

4.5.4A distância vertical mínima no cruzamento entre duas redes de distribuição com tensões diferentes, até
138 kV, deve ser de 2 m, mantendo-se a rede de maior tensão em nível mais elevado.

4.5.5As redes elétricas devem ser projetadas evitando-se proximidade de sacadas janelas e marquises,
mesmo atendendo as distâncias mínimas de segurança que são: 1,7 m na horizontal e 3,5 m na vertical.

4.5.6O projeto de Instalações elétricas com distâncias inferiores a 30 m de linhas de transmissão deve ser
alvo de estudo específico pela área de manutenção de linhas de transmissão.

4.5.7A distância mínima em qualquer estrutura entre a rede primária de 15 kV ou 36,2 kV e a rede
secundária ou qualquer equipamento de baixa tensão é de 1 m.

4.5.8As distâncias mínimas acima definidas têm como base as distâncias de segurança estabelecidas pela
ABNT através da NBR-15688, figuras no anexo VI.

4.6Diretrizes para a rede secundária.

4.6.1A rede secundária em caso de transformadores monofásicos ou trifásicos deve ser projetada a três fios
ou a quatro fios respectivamente em toda a sua extensão.

4.6.2Em decorrência do item anterior não deve haver redução no número de fases na rede secundária ao
longo do caminhamento da rede, favorecendo ao equilíbrio de cargas do sistema.

4.6.3O caminhamento da rede deve seguir, preferencialmente, pelo lado não arborizado das ruas,
minimizando interferências com outras concessionárias, principalmente com adutoras e rede de esgotos.

4.6.4A rede secundária deve ser montada pelo lado externo dos postes, ou seja, pelo lado oposto ao da
calçada, mesmo nos casos de postes com transformadores onde o secundário deve ser instalado em baixo
dos transformadores.

4.6.5Quando houver previsão da ligação de unidades consumidoras no lado do poste voltado para a
calçada, deve ser prevista uma armação secundária para fixação dos ramais de ligação.

4.6.6Ruas com alta densidade de carga, canteiro central ou com largura superior a 20 m devem ter
posteação nos dois lados de modo a eliminar o cruzamento da rua com ramais de ligação.

4.6.7Os condutores neutros dos diversos transformadores de uma área urbana devem ser interligados de
forma que a continuidade do neutro seja mantida em toda a extensão.

4.6.8As edificações de uso coletivo com subestação abrigada devem ter a malha de terra da subestação
interligada ao neutro da rede secundária através de um cabo de cobre nu, com seção mínima 35 mm².

4.6.9A rede secundária deve ser sempre projetada utilizando-se cabos de alumínio, multiplexados e
isolados para 1 kV nas seguintes formações e bitolas: 2x35+1x35 - 3x35+1x35 - 3x70+1x70 - 3x120+1x70.

4.6.10O condutor neutro da rede secundária, também isolado, confeccionado em alumínio liga deve
acumular a função de sustentação dos condutores fase.

4.6.11As características dos condutores fases dos cabos de alumínio multiplexados de Baixa Tensão - BT
estão no quadro seguinte:

Características do Condutor Fase dos Cabos Multiplexados de Baixa Tensão


Nº. de fios Φ (mm) Espessura da Φ Ext (mm)
Descrição do material Código
Min. Max. Min. Max. isolação (mm) Min. Max.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 12 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Características do Condutor Fase dos Cabos Multiplexados de Baixa Tensão


Nº. de fios Φ (mm) Espessura da Φ Ext (mm)
Descrição do material Código
Min. Max. Min. Max. isolação (mm) Min. Max.
Cabo As Al 1kV 1x10+1x10 NI 2230031 7 7 4,2 4,2 1,20 6,6 6,6
Cabo As Al 1kV 1x16+1x16 NI 2230032 6 7 4,6 5,2 1,20 7,0 7,6
Cabo As Al 1kV 2x16+1x16 NI 2230033 6 7 4,6 5,2 1,20 7,0 7,6
Cabo As Al 1kV 2x35+1x35 NI 2230034 6 7 6,6 7.5 1,60 9,8 10,7
Cabo As Al 1kV 3x10+1x10 NI 2230035 7 7 4,2 4,2 1,20 6,6 6,6
Cabo As Al 1kV 3x16+1x16 NI 2230036 6 7 4,6 5,2 1,20 7,0 7,6
Cabo As Al 1kV 3x35+1x35 NI 2230037 6 7 6,6 7.5 1,20 9,8 10,7
Cabo As Al 1kV 3x70+1x70 NI 2230038 12 19 9,3 10,2 1,80 12,9 13,8
Cabo As Al 1kV 3x120+1x70 NI 2230039 15 19 12,5 13,5 2,00 16,5 17,5

4.6.12As principais características do condutor neutro dos cabos de alumínio multiplexados de baixa tensão
estão no quadro seguinte:

Características do Condutor Neutro dos Cabos Multiplexados


Descrição do material Código Nº. fios Φ(Condutor) δ(isolação) Φ (externo) Trac. Rup
Cabo As Al 1kV 1x10+1x10 NI 2230031 7 4,10 mm 1,20 mm 6,50 mm 190 daN
Cabo As Al 1kV 1x16+1x16 NI 2230032 7 5,10 mm 1,20 mm 7,50 mm 289 daN
Cabo As Al 1kV 2x16+1x16 NI 2230033 7 5,10 mm 1,20 mm 7,50 mm 289 daN
Cabo As Al 1kV 2x35+1x35 NI 2230034 7 7,50 mm 1,60 mm 10,70 mm 1116 daN
Cabo As Al 1kV 3x10+1x10 NI 2230035 7 4,10 mm 1,20 mm 6,50 mm 190 daN
Cabo As Al 1kV 3x16+1x16 NI 2230036 7 5,10 mm 1,20 mm 7,50 mm 289 daN
Cabo As Al 1kV 3x35+1x35 NI 2230037 7 7,50 mm 1,20 mm 10,70 mm 1116 daN
Cabo As Al 1kV 3x70+1x70 NI 2230038 7 10,35 mm 1,80 mm 13,95 mm 2127 daN
Cabo As Al 1kV 3x120+1x70 NI 2230039 7 10,35 mm 1,80 mm 13,95 mm 2127 daN

4.6.13As principais características dos cabos completos em alumínio multiplexados de baixa tensão estão
no quadro seguinte:

Características dos Cabos Completos de Alumínio Multiplexados


Ω/ km- Ω/ km-
Descrição do material Código (kg/km) Isolante Ampacidade
70oC 90oC
Cabo As Al 1kV 1x10+1x10 NI 2230031 100 XLPE/PE 3,6286 3,8720 55 A
Cabo As Al 1kV 1x16+1x16 NI 2230032 136 XLPE/PE 2,2950 2,4489 73 A
Cabo As Al 1kV 2x16+1x16 NI 2230033 204 XLPE/PE 2,2950 2,4489 73 A
Cabo As Al 1kV 2x35+1x35 NI 2230034 423 XLPE 1,0432 1,1132 73 A
Cabo As Al 1kV 3x10+1x10 NI 2230035 152 XLPE/PE 3,6286 3,8720 48 A
Cabo As Al 1kV 3x16+1x16 NI 2230036 269 XLPE/PE 2,2950 2,4489 63 A
Cabo As Al 1kV 3x35+1x35 NI 2230037 562 XLPE 1,0432 1,1132 145 A
Cabo As Al 1kV 3x70+1x70 NI 2230038 1033 XLPE 0,5330 0,5686 220 A
Cabo As Al 1kV 3x120+1x70 NI 2230039 1560 XLPE 0,3053 0,3256 313 A

4.6.14Os cabos multiplexados isolados para 1 kV, utilizados na rede secundária, nas seções 10 mm² e 16
mm² podem ter isolação em PE ou XLPE

4.7Saída de subestações.

4.7.1As subestações com barramentos aéreos sem impedimentos físicos para as saídas dos alimentadores
devem ter as saídas projetadas com base no quadro seguinte, onde S representa o número total de saídas,
previstas para a subestação.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 13 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Saída de Alimentadores de Subestações


Nº de Saídas Tipos de Saída
S≤5 Aérea – Condutores nus
5 < S ≤ 10 Aérea multiplexados ou subterrâneos
10 < S Subterrânea

4.7.2Quando os alimentadores das subestações tiverem suas saídas em cubículos, estes alimentadores
devem continuar subterrâneos e ascender para a rede aérea em locais estratégicos, de modo a não
congestionar a área da saída da subestação, considerando-se os aspectos de segurança, operação,
confiabilidade, e estética.

4.7.3As seções dos condutores dos alimentadores variam em função da densidade de carga instalada e da
área de influência da subestação supridora.

4.8Aterramento do neutro da rede secundária.

4.8.1O neutro da rede secundária no mínimo deve ser aterrado com uma haste de 16x2400mm, conforme
seguintes critérios.

a) Em todo final de linha;


b) Na origem das instalações dos consumidores;
c) Nas mudanças de bitola de condutores;
d) A cada 200 m de rede secundária;

4.9Aterramento de equipamentos.

4.9.1Todas as partes metálicas como massa de equipamentos, mecanismo de manobra, quadros, painéis e
outros, sujeitos a contatos diretos ou indiretos, devem ser aterrados através de hastes de terra e todos os
aterramentos interligados entre si e ao neutro da rede secundária;

4.9.2Os transformadores de distribuição devem ser aterrados no mínimo através de uma malha composta
por três hastes de 16x2400 mm, espaçadas de três metros;

4.9.3Em caso de dificuldade de confecção da malha de terra com hastes espaçada de 3 m, recomenda-se
instalar uma haste em cada poste adjacente e interligar os aterramentos através da rede aérea.

4.9.4A malha de terra para os demais equipamentos de distribuição deve ser dimensionada de forma a
manter a resistência compatível com as necessidades técnicas do equipamento e pode ser calculada pelo
método proposto no memorial Técnico 01 do Anexo I;

4.9.5A malha de terra mínima para equipamentos deve ser formada por três hastes de terra instaladas em
linha ou em "pé de galinha".

4.9.6Considera-se que o sistema está efetivamente aterrado, quando os neutros estão ligados a terra por
meio de resistência ou reatância de muito baixo valor.
Ou seja: (Xo / X1 < 1,4).
Onde:
− Xo – Impedância de seqüência “zero“
− X1 – Impedância de seqüência “positiva”.

4.9.7O condutor de aterramento deve ser contínuo, o mais retilíneo possível, não ter emendas e ser de
cobre ou aço cobreado na bitola 35 mm² ou 2 AWG;

4.9.8O aterramento do neutro da rede secundaria e os dos equipamentos de distribuição devem ser
executados utilizando-se os materiais do quadro seguinte:

Composição do Aterramento de Rede

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 14 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Descrição Quantidade Código


Cabo aço cobreado 2 AWG 4,5 kg 2206000
Conector Cunha Est Branca/Verm 1 cda 2401006
Conetor Atr Aco 35/Ha 16 1 cda 2414034
Eletroduto PVC 20 mm Rosc 1 cda 3461100
Haste Terra Cobre 16x2400 1 cda 3470070
Arame aço zincado 12 BWG 2 Kg 4404015

4.9.9A resistência de aterramento dos transformadores não deve ser superior a 20 Ω (vinte Ohm), em
qualquer época do ano;

4.10Levantamento em campo

4.10.1O levantamento em campo é imprescindível para a elaboração de projetos que envolvam reformas
em redes existentes;

4.10.2O levantamento em campo para fins de projeto para atendimento a novas cargas deve fornecer as
seguintes informações:

a) Tensão Nominal do sistema elétrico na alta e na baixa tensão;


b) Localização do ponto de entrega definido em comum acordo com o cliente;
c) Localização dos transformadores e detalhes da rede secundária.
d) Aspectos da iluminação pública.
e) Compartilhamento dos postes com redes de comunicação.
f) Descidas subterrâneas da rede da concessionária ou das ocupantes.
g) Informações sobre o uso do solo por outras concessionárias.
h) Distâncias e caminhamentos necessários à elaboração do projeto.
i) Estruturas a serem utilizadas em função dos passeios e dos perfis das edificações.
j) Tipo e localização da arborização se existente.
k) Detalhes da rede existente para efeito de ampliação.
l) Números dos contratos ou dos medidores atendidos pelos ramais
m) Identificação dos ramais por fases e postes.
n) Aspectos de natureza estética.

4.10.3Na etapa de levantamento em campo para elaboração de projeto da rede de distribuição em áreas de
ocupação irregular sem urbanização definida, deve-se observar a definição das estruturas a serem
aplicadas de modo a manter os afastamentos mínimos das fachadas das edificações, marquises, janelas,
etc, no caso de previsíveis futuras alterações das edificações.

4.11Avaliação da demanda de Unidades Consumidoras de Baixa Tensão.

4.11.1A demanda das unidades consumidoras residenciais de baixa tensão deve ser calculada a partir da
classificação em função da carga instalada conforme as seguintes definições.
a) Unidade consumidora tipo A é aquela que pode possuir: geladeira comum, TV pequena, som, ferro
elétrico simples, liquidificador, e cinco lâmpadas, totalizando 1.320 W;
b) Unidade consumidora tipo B e aquela que além do que possui o TIPO A, pode possuir a mais:
Ventilador, chuveiro elétrico, espremedor de frutas, outra TV pequena, aparelho DVD, secador de cabelo e
cinco lâmpadas, totalizando 6.820W;
c) Unidade consumidora tipo C e aquela que além do que possui a do TIPO B, pode possuir a mais:
Computador com impressora, freezer, máquina de lavar, microondas, gril, ar condicionado, cafeteira
elétrica, outro chuveiro elétrico, TV grande e mini-system totalizando 18.470 W;
d) Unidade consumidora tipo D e aquela que além do que possui a unidade consumidora do TIPO C,
pode possuir a mais: Aquecedor elétrico, banheira de hidromassagem, ar condicionado, TV grande,
máquina de lavar louça, secadora de roupas, aparelho de fax e 2 kW de iluminação, totalizando 39.550 W;
e) Unidades consumidoras residenciais com carga instalada superior a 39,55 kW são consideradas
especiais e as unidades consumidoras assim classificadas devem ter suas demandas máximas calculadas
utilizando-se o fator de demanda igual a 0,45.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 15 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.11.2As demandas diversificadas das unidades consumidoras residenciais em função do tipo e quantidade
de unidades existentes em cada trecho foram obtidas a partir de curvas existentes em normas anteriores,
da atualização da carga instalada nas unidades consumidoras padrão e das demandas máximas obtidas a
partir do produto da carga instalada pelo fator de demanda.

4.11.3As demandas diversificadas das unidades consumidoras residenciais de baixa tensão devem ser
obtidas a partir das curvas plotadas no gráfico seguinte:

D e m a n d a D ive r s ific a d a
20
Demanda em KVA

15
T ip o A

10 T ip o B
T ip o C
5
T ip o D
0
11

13

15

17

19
1

Nú m e r o d e Un id a d e s

4.11.4A partir da plotagem das curvas acima foram obtidos os valores das demandas diversificadas das
unidades consumidoras tipo, conforme seguinte quadro:

Demanda Diversificada em kVA por Unidade Residencial


Quantidade Unidade Tipo A Unidade Tipo B Unidade Tipo C Unidade Tipo D
1 1,26 4,86 8,68 17,79
2 0,81 3,16 5,61 11,49
3 0,61 2,35 4,21 8,62
4 0,49 1,91 3,41 6,98
5 0,42 1,61 2,89 5,91
6 0,38 1,46 2,61 5,34
7 0,35 1,37 2,41 4,93
8 0,32 1,23 2,21 4,52
9 0,31 1,19 2,12 4,35
10 0,29 1,14 2,02 4,19
11 0,28 1,11 1,96 4,01
12 0,27 1,05 1,88 3,87
13 0,26 1,01 1,81 3,69
14 0,25 0,96 1,74 3,55
15 0,24 0,94 1,68 3,45
16 0,24 0,92 1,64 3,37
17 0,24 0,91 1,63 3,33
18 0,24 0,91 1,62 3,32
19 0,23 0,91 1,61 3,31
Mais 0,23 0,91 1,61 3,29

4.11.5As unidades consumidoras residenciais que também desenvolvem atividades comerciais, atendidas
em baixa tensão, são denominadas especiais e devem ter suas demandas máximas calculadas a partir da
carga instalada e da aplicação dos fatores de demanda do quadro seguinte:

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 16 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator de Demanda para Unidades Residenciais Especiais de Baixa Tensão


Carga instalada C < 1 1<C≤2 2<C≤3 3<C≤4 4<C≤5 5<C≤6 6<C≤7 7<C≤8 8<C≤9 9<C≤10 C>10
Fator de demanda 0,86 0,81 0,76 0,72 0,68 0,64 0,60 0,57 0,54 0,52 0,45

4.11.6A demanda de motores elétricos em regime permanente, para efeito de projeto de RDU, deve ser
obtida a partir do seguinte quadro:

Parâmetros de Motores
Valores Nominais do Motor Demanda (kVA) absorvida da rede por motor
Potência Fator de Rendi- Corrente 01 02 De 3 a 5 Mais de 5
No eixo Absorvida Potência mento 220 Volts Motor Motores Motores Motores
Motores Monofásicos
¼ 0,39 kW 0,63 0,47 2.8 A 0,62 0,50 0,43 0,37
1/3 0.52 kW 0,71 0,47 3,3 A 0,73 0,58 0,51 0,44
½ 0,66 kW 0,72 0,56 4,2 A 0,92 0,74 0,64 0,55
¾ 0,89 kW 0,72 0,62 5,6 A 1,24 0,99 0,87 0,74
1,0 1,10 kW 0,74 0,67 6,8 A 1,49 1,19 1,04 0,89
1,5 1,58 kW 0,82 0,70 8,8 A 1,93 1,54 1,35 1,16
2,0 2,07 kW 0,85 0,71 11 A 2,44 1,95 1,71 1,46
3,0 3,07 kW 0,96 0,72 15 A 3,2 2,56 2,24 1,92
4,0 3,98 kW 0,96 0,74 19 A 4,15 3,32 2,91 2,49
5,0 4.91 kW 0,94 0,75 24 A 5,22 4,18 3,65 2,91
2,49 7,46 kW 0,94 0,74 36 A 7,94 6,35 5,56 4,76
10,0 9,44 kW 0,94 0,78 46 A 10,04 8,03 7,03 6,02
12,5 12,10 kW 0,93 0,76 59 A 13,01 10,41 9,11 7,81
Motores Trifásicos
1/6 cv 0,25 kW 0,67 0,49 0,9 A 0,37 0,30 0,26 0,22
1/4 cv 0,33 kW 0,69 0,55 1,2 0,48 0,38 0,34 0,29
1/3 cv 0,41 kW 0,74 0,60 1,5 0,56 0,45 0,39 0,34
1/2 cv 0,57 kW 0,79 0,65 1,9 0,72 0,58 0,34 0,29
3/4 cv 0,82 kW 0,76 0,67 2,8 1,08 0,86 0,76 0,65
1,0 cv 1,13 kW 0,82 0,65 3,7 1,38 1,10 0,97 0,83
1,5 cv 1,58 kW 0,78 0,70 5,3 2,03 1,62 1,42 1,22
2,0 cv 1,94 kW 0,81 0,76 6,3 2,40 1,92 1,68 1,44
3,0 cv 2,91 kW 0,80 0,76 9,5 3,64 2,91 2,55 2,18
4,0 cv 3,82 kW 0,77 0,77 13 4,96 3,97 3,47 2,98
5,0 cv 4,78 kW 0,85 0,77 15 5,62 4,50 3,93 3,37
6.0 cv 5,45 kW 0,84 0,81 17 6,49 5,19 4,54 3,89
7,5 cv 6,90 kW 0,85 0,80 21 8,12 6,50 5,68 4,87
10 cv 9,68 kW 0,90 0,76 26 10,76 8,61 7,53 6,46
12,5 cv 11,79 kW 0,89 0,78 35 13,25 10,60 9,28 7,95
15 cv 13,63 kW 0,91 0,81 39 14,98 11,98 10,49 8,99
20 cv 18,40 kW 0,89 0,80 54 20,67 16,54 14,47 12,40
25 cv 22,44 kW 0,91 0,82 65 24,66 19,73 17,26 14,80
30 cv 26,93 kW 0,91 0,82 78 29,59 23,67 20,71 17,76
Notas:
Fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm;
Para cálculo da demanda os motores devem ser agrupados em 3 (três) classes:
Pequenos motores M ≤ 5 Cv;
Médios motores 5 Cv < M ≤ 10Cv;
Grandes Motores 10 Cv < M.
Aplica-se a tabela para os dois primeiros grupos separadamente e somam-se as parcelas;
Calcula a demanda dos grandes motores de modo semelhante às máquinas de solda à transformador e
acrescenta-se as demandas dos grandes motores ao subtotal já calculado.
No atendimento a motores individuais, atenção especial deve ser dada às correntes de partida dos motores
que em alguns casos podem chegar até a 8 (oito) vezes a corrente nominal do motor a plena carga

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 17 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.11.7A demanda máxima de um circuito constituído por unidades consumidoras residenciais de uma rede
nova deve ser definida a partir da classificação das unidades, da quantidade de unidades consumidoras em
cada classificação e dos valores em kVA correspondentes.

4.11.8Para calcular a demanda diversificada pontual de um grupo de consumidores de tipos diferentes


devem-se separar as unidades consumidoras por tipo, calcular as demandas dos tipos separados e somar
as parcelas das demandas calculadas relativas aos tipos.

4.11.9A demanda máxima para novas unidades consumidoras comerciais e industriais deve ser calculada
pelo método da carga instalada conforme estabelecido nas normas de fornecimento de energia elétrica.

4.12Avaliação da demanda de unidades consumidoras de média tensão.

4.12.1A demanda máxima das unidades consumidoras atendidas em média tensão, deve ser obtida a partir
dos seguintes itens:
a) Contrato de fornecimento de energia;
b) Carga instalada;
c) Informações do gerenciador do sistema.
d) Medições diretas;
e) Correlação: KVA = 0,0085 kWh 0,9243

4.12.2A demanda máxima para fins de projeto pode ser calculada a partir da carga instalada com aplicação
dos fatores de potência e demanda, típicos.

4.12.3As medições diretas para determinação da demanda real máxima das unidades de média tensão
devem acontecer por um período não inferior a 72 (setenta e duas) horas.

4.12.4O consumo em kWh utilizado para avaliação da demanda máxima deve ser obtido através da média
aritmética de pelo menos os 6 (seis) últimos consumos mensais.

4.13Avaliação das cargas das edificações de uso coletivo.

4.13.1O método recomendado para cálculo da demanda das edificações de uso coletivo (De) deve
considerar a diferença entre as curvas de carga para áreas residencial e comercial.

4.13.2A demanda da área de serviço (Ds) deve ser calculada pelo critério da potência instalada.

4.13.3A demanda para a área residencial (Dr) deve ser calculada pelo critério da área útil.

4.13.4A potência instalada deve ser calculada a partir das potências nominais dos aparelhos declarados.

4.13.5A potência em kVA dos eletrodomésticos deve ser calculada com base na potência em kW dos
equipamentos e nos fatores de potência específicos.

4.13.6O cálculo da demanda de edificações de uso coletivo deve ser feito conforme citado no Memorial
Técnico 02 do Anexo I.

4.14Avaliação das cargas da Iluminação Pública

4.14.1Deve ser prevista em todos os postes da RDU uma reserva de carga para a iluminação pública,
compatível com o nível de iluminação estabelecido pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT
para o porte da artéria, independentemente da existência de iluminação no local.

4.14.2Para dimensionamento dos transformadores e condutores secundários, as cargas de iluminação


pública devem ser consideradas com fator de demanda unitário.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 18 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.14.3No cálculo da demanda, considerando-se que as cargas estão em watts (potência ativa), o total das
cargas deve ser dividido pelo fator de potência do reator para termos as cargas em Volt Ampère (potência
aparente);

4.14.4Considerando-se que a iluminação pública pertence às prefeituras, compete a estas a informação das
cargas, compreendendo: tipos das luminárias, potência das lâmpadas e fatores de potência dos reatores.
Compete à Coelba a análise do projeto, dimensionamento dos transformadores e da rede secundária
destinada a alimentação da carga informada.

4.14.5No cálculo das cargas relacionadas à iluminação pública, além das potências nominais das lâmpadas
devem ser consideradas as perdas nos reatores.

4.14.6Para fins do dimensionamento elétrico, devem ser consideradas as seguintes perdas nos reatores.

Tabela de Perdas para Iluminação Pública


Tipo da Lâmpada Potência Nominal das Lâmpadas. Perdas no Reator
80 W 11 W
125 W 14 W
250 W 27 W
Vapor de Mercúrio 400 W 37 W
700 W 46 W
1000 W 65 W
2000 W 100 W
70 W 15 W
150 W 26 W
250 W 37 W
Vapor de Sódio 360 W 40 W
400 W 46 W
700 W 78 W
1000 W 111 W
400 W 37 W
Vapor Metálico 1000 W 65 W
2000 W 100 W

4.15Considerações sobre as cargas da rede secundária.

4.15.1Os projetos de RDU devem ser elaborados a partir das demandas diversificadas das unidades
consumidoras.

4.15.2As demandas diversificadas das unidades consumidoras variam ao longo do circuito secundário em
função do tipo e da quantidade de unidades consumidoras existentes no trecho considerado.

4.15.3As demandas diversificadas das unidades consumidoras comerciais e industriais existentes devem
ser calculadas a partir da substituição da base (kWh) da potência: kVA = 0,0058 xkWh 0,94724 pela média
aritmética dos consumos nos últimos 12 meses.

4.15.4As demandas máximas das unidades consumidoras comerciais e industriais existentes somente
devem ser calculadas através de medição direta quando destinada a processos jurídicos.

4.15.5No cálculo da demanda diversificada média dos consumidores comerciais e industriais devem ser
utilizados os fatores percentuais de coincidência conforme quadro seguinte:

Número de Consumidores
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 19 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fatores de Coincidência
100 92 88 82 79 77 75 74 73 72 72 71 71 71 71 71 71 70 70 70

4.15.6 Em projetos de melhoramento as cargas pontuais devem ser corrigidas aplicando-se os fatores.
a) Quanto à correção sazonal, se a carga foi medida;
b) Quanto à menor diversidade dos consumidores em caso de divisão do circuito;
c) Quanto ao aumento de demanda em função do futuro acréscimo na tensão;
d) Quanto ao crescimento vegetativo da área para o horizonte do projeto

4.15.7Em áreas com crescimento normal, as cargas devem ser projetadas com as seguintes taxas:
a) Horizonte para Redes Secundárias aéreas H ≅ 5 anos.
b) Horizonte para Redes Primárias aéreas H ≅ 10 anos.
c) Horizonte para Redes Subterrâneas de baixa tensão H ≅ 10 anos.
d) Horizonte para Redes Subterrâneas de alta tensão H ≅ 20 anos.
e) Taxa de crescimento vegetativo. i = 5%.

4.15.8A projeção da carga para o horizonte de projeto deve ser calculada pela expressão:

Cf = Ca ⋅ (1 + i )
H
Onde:
− Cf = Carga futura.
− Ca = Carga atual
− i = taxa de crescimento
− H = horizonte do projeto

4.15.9Áreas com elevado potencial de crescimento devem ser alvo de estudo específico onde às taxas são
fornecidas pela área de mercado e consolidadas pela área de planejamento da distribuição.

4.15.10Nas redes em operação, as cargas de iluminação pública devem ser subtraídas das cargas
acumuladas dos pontos significativos, antes de serem aplicados os fatores de correção quanto à
sazonalidade.

4.15.11A correlação entre kVA e kWh pode ser aplicada para eletrodomésticos conhecendo-se o fator de
carga por equipamento conforme tabela 01 do Anexo II

4.15.12Para cálculo do consumo mensal, em caso de desconhecimento dos fatores de potência específicos,
podem ser utilizados os fatores de potência típicos da classe, conforme tabela seguinte:

Fator de Potência Típico de Eletrodomésticos


Tipo de Equipamento Fator de Potência
Aparelhos Eletrodomésticos a motor (1 CV) 0,67
Aparelhos com resistência de aquecimento. 1,00
Lâmpada fluorescente, néon, vapor de sódio ou mercúrio 0,50
Lâmpadas fluorescentes através de descargas de gases 0,85
Lâmpadas incandescentes 1,00
Máquina de solda a arco 0,50
Máquina de solda a resistência 0,80
Motores de Indução de1 cv 0,67
Motores de Indução de 2 cv 0,73
Motores de Indução de 3 cv 0,80
Motores de Indução de 5 cv 0,83
Motores de Indução de 7,5 cv 0,85
Motores de Indução de 25 cv 0,86
Motores de Indução de 30 cv 0,87
Motores de Indução de 40 cv 0,89
Motores de Indução de 50 cv 0,91
Motores de Indução de 60 a 125 cv 0,92

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 20 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Motores de Indução de 150 cv 0,93


Motores de Indução. 200cv 0,94
Nota: Os valores de fator de potência para motores são médios para 75% da carga nominal

4.16Transformadores de distribuição:

4.16.1Sempre que possível os transformadores devem ser localizados no centro de carga do circuito de BT.

4.16.2Independentemente da queda de tensão, nenhuma carga pode situar-se a mais de 400


(quatrocentos) metros do transformador na tensão de 380/220 V nem a 200 (duzentos) metros do
transformador na tensão de 220/127 V a exceção da rede subterrânea.

4.16.3Em redes novas, os transformadores devem ser selecionados entre os padronizados seguintes:

Transformadores Padronizados Para a Distribuição


Tipo da Instalação Potência Padronizada
Instalações Monofásicas 5 kVA, 10 kVA e 25 kVA.
Instalações Trifásicas 15 kVA, 30 kVA, 45 kVA, 75 kVA, 112,5 kVA e 150 kVA.

4.16.4Ao longo do caminhamento da rede primária trifásica somente podem ser instalados transformadores
monofásicos em caso de atendimento a cargas individuais.

4.16.5Transformadores monofásicos com duas buchas na baixa tensão destinam-se exclusivamente às


unidades isoladas, portanto não devem possuir rede secundária.

4.16.6A rede secundária principal e consequentemente os transformadores de distribuição devem ser


projetados, preferencialmente, sob o tronco da rede primária.

4.16.7A liberação de carga em transformadores existentes está condicionada ao “limite térmico” do


transformador no horizonte do estudo;

4.16.8Os limites térmicos de transformadores instalados em redes aéreas de áreas residenciais ou


comerciais com curvas de carga convencional são de 150% e 130% respectivamente;

4.16.9Quanto ao carregamento, os transformadores devem ser projetados de forma que os fatores de


utilização no horizonte do projeto, normalmente cinco anos, atendam ao quadro seguinte:

Fatores de Utilização Recomendados


Emprego Fator de Utilização
Áreas sem potencial de expansão 1,10 a 0,90
Áreas com potencial de expansão dentro da média 1,0 a 0,80
Áreas com potencial de expansão acima da média 0,90 a 0,70

4.16.10Os transformadores de distribuição devem ser instalados de frente para o sistema viário, ficando as
chaves fusíveis do lado oposto (lado do passeio);

4.16.11Não devem ser instalados transformadores em postes com estruturas de amarração primária e que
possuam rede secundária.

4.16.12Não devem ser instalados transformadores em postes com derivação primária;

4.16.13Devem ser evitadas as instalações de transformadores em postes com ângulos ou de esquinas

4.16.14Os transformadores de distribuição com potência até 112,5 kVA ou chaves telecomandadas devem
ser instalados em postes com altura de 12 m e na face com resistência nominal mínima de 400 daN.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 21 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.16.15Por questões de segurança não é recomendada a instalação de transformadores monofásicos


(MRT) em área urbana.

4.16.16Em áreas com baixa densidade de carga, notadamente residenciais de média ou baixa renda,
devem ser utilizados transformadores de 10 kVA, 25 kVA, 30 kVA ou 45 kVA;

4.16.17Os Transformadores de 75 kVA e 112,5 kVA devem ser utilizados em áreas com alta densidade de
cargas, notadamente áreas comerciais ou para atendimento às edificações de uso coletivo;

4.16.18Transformadores com potência de 150 kVA podem ser instalados em postes de 600 daN somente
para ligações provisórias de eventos;

4.16.19Em rede urbana não é permitida a instalação de mais que um transformador no mesmo poste ou a
montagem de transformadores em estruturas formadas por dois postes ou bancadas;

4.16.20Os tanques dos transformadores de distribuição, os terminais do neutro de baixa tensão, e o


condutor neutro da rede secundária devem ser interligados e aterrados em único ponto;

4.16.21A ligação dos terminais de baixa tensão dos transformadores à rede secundária deve ser efetuada
com cabos de cobre isolados para 1 kV, conforme quadro seguinte.

Cabos para Conexão de Transformadores à Rede Secundária


Instalações Monofásicas Instalações Trifásicas
Potência do Cabo Isolado 0,6/1 kV Potência do Cabo Isolado 0,6/1 kV
Trafo - kVA 127 / 254 V 440 / 220 V Trafo - kVA 220 / 127 V 380 / 220 V
10 35 mm² 35 mm² 15 35 mm² 35 mm²
15 35 mm² 35 mm² 30 35 mm² 35 mm²
25 35 mm² 35 mm² 45 35 mm² 35 mm²
75 70 mm² 70 mm²
112,5 150 mm² 70 mm²
150 240 mm² 95 mm²

4.16.22Para avaliação das cargas da rede secundária é necessário registro gráfico de tensão e corrente,
com duração mínima de 72 (setenta e duas) horas, nas saídas dos transformadores e nos pontos mais
desfavoráveis da rede secundária.

4.16.23Devem ser subtraídas da demanda máxima do transformador a carga da iluminação pública e as


contribuições das cargas trifásicas comerciais e industriais no horário da ponta;

4.16.24Para avaliação do carregamento futuro do transformador, o carregamento atual deve ser corrigido
quanto à sazonalidade, utilizando-se como fator de correção sazonal a relação entre a demanda máxima
anual do alimentador e a demanda do alimentador no dia da medição atual.

4.16.25A demanda futura dos transformadores deve ser corrigida quanto ao acréscimo da potência a ser
absorvida pela carga quando a queda de tensão atual na rede secundária for diminuída conforme
determinam os gráficos 1 e 2 do anexo III.

4.17Queda de tensão

4.17.1As tensões de contrato e fornecimento das unidades consumidoras devem atender aos limites
estabelecidos por legislação específica através do PRODIST 8.

4.17.2Do ponto de vista da queda de tensão, a rede elétrica de distribuição urbana deve ser dimensionada
em função das unidades do grupo B.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 22 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.17.3Visando obedecer aos limites estabelecidos pela legislação e maximizar o uso dos condutores, a
tensão de leitura no ponto de entrega para unidades do grupo B deve estar compreendida entre 91,4% e
104% da tensão nominal.

4.17.4A partir dos valores acima deve ser distribuída no horizonte do projeto, para as redes primárias (∆Vp)
e secundárias (∆Vs), o total de 8,8% como o limite máximo para a soma das duas quedas de tensão;

4.17.5Em caso de indisponibilidade do valor da queda de tensão na rede primária deve ser aplicado em
projetos destinados a novas cargas o limite de 3,5% para queda máxima na rede secundária.

4.17.6Em rede secundária existente, podem ser liberadas novas cargas de clientes, sem alteração na rede,
desde que a queda de tensão (∆V), não ultrapasse 5%;

4.17.7O cálculo da queda de tensão em baixa tensão com condutores nus deve ser efetuado utilizando-se
os coeficientes unitários de queda de tensão padronizados conforme o quadro seguinte, a planilha da tabela
5 do anexo II ou por meios eletrônicos que utilizem os parâmetros padronizados nesta norma;

Valores Unitários de Queda de Tensão em BT Para 100 KVA X m – Condutores Nus


Tensão 220/127 Volts 380/220 Volts 254/127 V 440/220 V
Nº fase 3F 2F 1F 3F 2F 1F 2F 1F 2F 1F
4 CA 0,3229 0,7245 1,9195 0,1079 0,2428 0,6395 0,4799 1,9195 0,1599 0,6395
2 CA 0,2156 0,5870 1,2811 0,0723 0,1626 0,4269 0,3203 1,2811 0,1067 0,4269
1/0 CA 0,1514 0,3407 0,8827 0,0507 0,1142 0,2941 0,2207 0,8827 0,0735 0,2941
2/0 CA 0,1255 0,2825 0,7404 0,0421 0,0947 0,2467 0,1851 0,7404 0,0617 0,2467
16 CU 0,2637 0,5934 1,5698 0,0884 0,1989 0,5231 0,3925 1,5698 0,1308 0,5231
25 CU 0,1871 0,4210 1,1005 0,0627 0,1411 0,3667 0,2751 1,1005 0,0917 0,3667
35 CU 0,1445 0,3251 0,8548 0,0484 0,1090 0,2848 0,2137 0,8548 0,0712 0,2848
50 CU 0,1127 0,2536 0,6637 0,0378 0,0850 0,2211 0,1659 0,6637 0,0553 0,2211
70 CU 0,0904 0,2035 0,5299 0,0303 0,0682 0,1766 0,1325 0,5299 0,0441 0,1766
95 CU 0,0754 0,1696 0,4397 0,0253 0,0569 0,1465 0,1099 0,4397 0,0366 0,1465

4.17.8O cálculo da queda de tensão em baixa tensão com condutores isolados deve ser efetuado utilizando-
se os coeficientes unitários de queda de tensão padronizados nesta norma, conforme o quadro seguinte:

Valores Unitários de Queda de Tensão em BT para 100 kVA x m – Condutores Isolados


Tensão 220/127 Volts 380/220 Volts 254/127 V 440/220 V
Nº fase 3F 2F 1F 3F 2F 1F 2F 1F 2F 1F
Mult 25 0,2390 0,6129 1,4342 0,0801 0,1802 0,4779 0,3585 1,4342 0,1195 0,4779
Mult 35 0,1816 0,4086 1,1897 0,0609 0,1369 0,3631 0,2724 1,1897 0,0908 0,3631
Mult 50 0,1356 0,3052 0,8141 0,0455 0,1023 0,2713 0,2035 0,8141 0,1356 0,2713
Mult 70 0,0970 0,2182 0,5820 0,0325 0,0731 0,1939 0,1455 0,5820 0,0485 0,1939
Mult 120 0,0621 0,1396 0,3725 0,0208 0,0468 0,1241 0,0931 0,3725 0,0310 0,1241
35 1kV 0,1772 0,2638 0,7036 0,0393 0,0884 0,2345 0,1759 0,7036 0,0586 0,2345
50 1kV 0,0860 0,1935 0,5163 0,0288 0,0649 0,1721 0,1291 0,5163 0,0430 0,1721
70 1kV 0,0649 0,1461 0,3896 0,0218 0,0490 0,1298 0,0974 0,3896 0,0325 0,1298
95 1kV 0,0471 0,1060 0,2827 0,0158 0,0355 0,0942 0,0707 0,2827 0,0236 0,0942
120 1kV 0,0426 0,0959 0,2557 0,0143 0,0321 0,0852 0,0639 0,2557 0,0213 0,0852
150 1kV 0,0364 0,0819 0,2184 0,0122 0,0274 0,0728 0,0546 0,2184 0,0182 0,0728
240 1kV 0,0273 0,0614 0,1638 0,0091 0,0206 0,0546 0,0410 0,1638 0,0136 0,0546

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 23 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.17.9A demanda diversificada individual varia ao longo do circuito em função do número de unidades
existentes no trecho considerado;

4.17.10Deve ser aplicado o fator de coincidência de 0,85% para as quedas de tensão (∆V), dos diversos
componentes do sistema elétrico desde o barramento da subestação até o ponto de entrega;

4.17.11O valor de coincidência de 0,85% foi arbitrado com base em valores recomendados em literatura
circulante nas áreas de distribuição das concessionárias.

4.17.12As quedas de tensão momentâneas provocadas pelas “Cargas Perturbadoras”(Fornos a Arco,


Aparelhos de Solda, Aparelhos de Raios-X e Motores com Potência Superior a 2 cv por fase), devem ser
calculadas e comparadas com as quedas admissíveis em função da freqüência da ocorrência.

4.17.13As variações momentâneas de tensão estão limitadas pela curva abaixo e as quedas de tensão
15
admissíveis são calculadas pela expressão: ∆V % ≤ , onde ∆V% é a queda de tensão percentual
3+ f
admissível e ƒ é a freqüência da ocorrência por minuto.

4.17.14Os limites de variações momentâneas de tensão foram estudados inicialmente pelo IEEE - Institute
of Electrical and Electronics Engineers, Inc., e posteriormente incorporados às concessionárias de energia
elétrica com algumas aproximações.

4.17.15As variações momentâneas recomendados para as redes da Coelba devem obedecer às limitações
das curvas do gráfico abaixo:

L im ite d e A c e ita ç ã o d e O s c ila ç õ e s

6
% de Queda de Ternsão

5 5 ,1 P e rc e p ç ã o
4 ,5
A c e itá v e l
4 3 ,9
3 ,3 M á x im o
3 2 ,7 2 ,8
2 ,3 2 ,3
2 1 ,9
1 ,6 1 ,6
1 ,3 1 ,1 1 ,3 1 ,1
1 0 ,8 5 0 ,7 0 ,6
0
1 2 5 10 20 50
N º d e O s c ila ç õ e s p o r m in u to

4.17.16O dimensionamento dos condutores do circuito secundário deve ser feito com base na corrente
admissível do condutor, na queda de tensão considerando-se os pontos de ligação das cargas e nos
condutores padronizados;

4.18Análise de viabilidade técnica

4.18.1As unidades que elaboram projetos, e executam construções de redes de distribuição e ligações de
clientes devem, obrigatoriamente, ainda na fase de projeto da extensão de rede, solicitar à unidade regional
de planejamento do sistema elétrico da distribuição a elaboração de estudo de viabilidade técnica nas
seguintes situações:

a) Unidade consumidora com um ou mais transformadores cuja soma das potências seja superior a
112,5kVA;

b) Unidade consumidora com motor superior a 30 CV, independentemente da potência dos


transformadores;

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 24 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

c) Extensão de rede cuja soma das potencias dos transformadores seja superior a 200 kVA,
independentemente da tensão nominal;

d) Extensão de rede superior a 10 km em 13,8 kV;

e) Extensão de rede superior a 20 km em 34,5 kV;

f) Ramais MRT (Monofásico com Retorno por Terra).

4.19Dimensionamento da rede primária

4.19.1O dimensionamento dos circuitos primários deve ser efetuado com base em levantamento de carga,
estimativa de demanda e bitolas padronizadas para os condutores.

4.19.2Em caso de redes bifásicas a carga instalada ao longo da rede não deve superar 138 kVA na tensão
de 13,8 kV ou 345 kVA na tensão de 34,5 kV visando reduzir os problemas provocados pelo desequilíbrio.

4.19.3O cálculo da queda de tensão na rede primária e o ajuste da proteção para cargas superiores a 112,5
kVA devem ser calculados com o auxílio dos coeficientes padronizados conforme quadro seguinte ou
simulando-se o sistema por programas computacionais de fluxo de carga, a partir dos seguintes limites:
a) Cargas instaladas a distâncias superiores a 10 km na tensão de 13,8 kV;
b) Cargas instaladas a distâncias superiores a 20 km na tensão de 34,5 kV;
c) Motores elétricos com potência superior a 30 cv. (22 kW);
d) Redes primárias MRT com qualquer carga.

4.19.4Os coeficientes unitários padronizados para a queda de tensão na rede primária constam do seguinte
quadro:

Coeficientes Unitários de Queda de Tensão Em AT


Condutores de Alumínio CA Condutores de Cobre
Bitola AWG 11.9 kV 13,8 kV 34,5 kV Bitola mm² 11.9 kV 13,8 kV 34,5 kV
4 CAA 1,17 0,88 0,14 16 mm² 0,92 0,72 0,115
2 CA 0,82 0,56- 0,09 25 mm² 0,65 0,49 0,078
1/0 CA 0,59 0,45 0,071 35 mm² 0,51 0,38 0,061
2/0 CA 0,43 0,32 0,052 70 mm² 0,31 0,23 0,037
4/0 CA 0,31 0,28 0,038 95 mm² 0,26 0,196 0,032
336,4 CA 0,24- 0,18 0,028 120 mm² 0,217 0,164 0,026
Nota; Os valores se referem a 1MVA x km com espaçamento equivalente de 1,24 m

4.20Proteção

4.20.1Os transformadores devem ser protegidos contra sobre correntes através de fusíveis dimensionados
conforme seguinte quadro:

Elos Fusíveis para Transformadores de Distribuição


Tensão 11,9 kV Tensão 13,8 kV Tensão 34,5 kV
Pot.
3Φ-3Fios 2Φ-2Fios 1Φ-MRT 3Φ-3Fios 2Φ-2Fios 1Φ-MRT 3Φ-3Fios 2Φ-2Fios 1Φ-MRT
kVA
11,9 kV 11,9 kV 6,8 kV 13,8 kV 13,8 kV 7,9 kV 34,5 kV 34,5 kV 19,9 kV
3 - 0,5 H 0,5 H - 0,5 H 0,5 H - 0,5 H 0,5 H
5 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H 0,5 H
7,5 - 0,5 H 0,5 H - 0,5 H 0,5 H - 0,5 H 0,5 H
10 0,5 H 0,5 H 1,0 H 0,5 H 0,5 H 1H 0,5 H 0,5 H 0,5 H
15 0,5 H 1H 2H 0,5 H 0,5 H 2H 0,5 H 0,5 H 0,5 H
25 - 2H 5H - 1H 3H - 0,5 H 1H
30 1H 2H 5H 1H 2H 5H 0,5 H 0,5 H 1H

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 25 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

37,5 - 3H 6K - 3H 5H - 0,5 H 2H
45 2H - - 2H - - 0,5 H - 2H
75 5H - - 3H - - 1H - -
112, 5H - - 5H - - 2H - -
5
150 6K - - 6K - - 2H - -
NOTAS:
- Esta tabela foi projetada para atender transformadores com até três horas de pico de demanda.
- Caso o pico de demanda ultrapasse três horas, considerar um elo com capacidade maior.
- Caso haja queima do elo por sobrecarga ou por características de certas cargas existentes (motores,
aparelhos de solda elétrica, etc.), deve ser analisada a necessidade de aumentar a potência do
transformador ou, substituir o elo por outro de maior capacidade

4.20.2A coordenação do elo fusível do transformador com o elo de retaguarda do circuito primário pode ser
desprezada quando o elo de retaguarda resultar num valor muito elevado.

4.20.3No caso acima deve ser dada prioridade à proteção do equipamento e sacrificar-se à seletividade
entre os elos fusíveis protegidos.

4.20.4Os transformadores de distribuição com potência nominal inferior a 75 kVA e os de 75 kVA com
tensão secundária 380/220 V devem ser protegidos por disjuntores na baixa tensão se a rede secundária
utiliza condutores nus e existir razoável probabilidade de avarias provocadas por curtos circuitos na baixa
tensão ou por ligações irregulares.

4.20.5Nos transformadores protegidos por elo fusível e disjuntor termomagnético deve-se assegurar que o
elo fusível opere apenas na ocorrência de defeito interno no transformador ou externo a montante da caixa
de proteção.

4.20.6Para que haja coerência na proteção, a curva de tempo mínimo de fusão do elo fusível deve ficar
acima da curva de tempo do disjuntor, para todos os valores de corrente de curto-circuito e sobrecarga
dentro da zona de proteção do disjuntor.

4.20.7A aplicação da proteção no secundário de transformadores de distribuição deve ser precedida de


balanceamento de fases e medições de carregamento específicas.

4.20.8A proteção do secundário não introduz restrições à capacidade de carga do transformador,


permitindo-o liberar a máxima potência possível sem exceder limitações térmicas de projeto ou causar
danos na instalação.

4.20.9O disjuntor deve ser tripolar para transformadores trifásicos e monopolar para transformadores
monofásicos. A caixa do disjuntor deve ser colocada o mais próximo possível do transformador,
preferencialmente no terceiro furo abaixo da baixa tensão, quando de postes duplo T.

4.20.10A corrente nominal do disjuntor é definida, conforme a tabela abaixo, em função da potência do
transformador, da tensão do secundário, e do número de fases do transformador.

Dimensionamento do Disjuntor de Baixa Tensão dos Transformadores


Potência 3Φ-220/127 V 3Φ-380/220 V 1Φ-254/127 V 1Φ440/220 V 1Φ220 V
do Trafo. Disjuntor Nominal Disjuntor Nominal Disjuntor Nominal Disjuntor Nominal Disjuntor Nominal
5 kVA - - 25 10 25
10 kVA - - 40 32 50
15 kVA 50 25(*) 63 50 80
25 kVA - - 125 80 -
30 kVA 100 50 - - -

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 26 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

37,5 kVA - - 175 125 -


45 kVA 150 80 - - -
75 kVA - 150 - - -

4.20.11Os disjuntores devem ser acondicionados em caixa de policarbonato com espessura mínima de
3,0mm na cor cinza, ou de fibra de vidro coberta com resina de poliéster, com tratamento contra intempéries
e espessura de 5,0 ± 0,5mm.

4.20.12A proteção da rede primária deve ser feita por religa dores, chaves fusíveis ou seccionalizadores,
precedidos por consulta ao estudo de coordenação da proteção.

4.20.13Em princípio os circuitos troncos de alimentadores não devem possuir equipamentos de proteção
em série com os equipamentos das subestações.

4.20.14A proteção através de chaves fusíveis deve ser utilizada nos seguintes casos:

a) Pontos de derivação com Demanda Média Futura inferior a 25 A;


b) Na proteção primária de transformadores de distribuição;
c) Na proteção primária de banco de capacitores de distribuição até 600 KVAR;
d) Como derivação intermediária a cada 6 km de trecho contínuo quando o número de chaves em
série não ultrapassar a três.

4.20.15A coordenação de elos fusíveis tendo-se em vista os parâmetros elétricos das redes da Coelba
somente é viável para três chaves fusíveis em série e em caso especiais quatro chaves fusíveis.

4.20.16A instalação de mais que três chaves fusíveis em série somente é permitida mediante estudo
especial de proteção aprovado pela área de planejamento

4.20.17Os valores das correntes características dos elos fusíveis que devem subsidiar o estudo para
dimensionamento da proteção da rede primária, estão relacionados no quadro seguinte:

Característica das Correntes em Ampères nos Elos Fusíveis


Código dos Elos IMF - mínima de fusão IMI - máxima de interrupção IMD - máxima admissível
* 0,5 H 1,50 1,80 1,31
* 1H 2,50 3,30 2,18
* 2H 2,50 4,30 3,60
* 3H 4,70 5,90 4,11
* 5H 7,40 9,20 6,48
* 6K 12,00 14,40 10,50
* 8K 15,00 18,00 13,13
* 10 K 19,50 23,40 15,00
* 12 K 25,00 30,00 20,00
* 15 K 31,00 37,20 25,00
* 20 K 39,00 47,00 33,00
* 25 K 50,00 60,00 40,00
* 30 K 63,00 76,00 45,00
* 40 K 80,00 96,00 60,00
50 K 101,00 121,00 75,00
65 K 128,00 153,00 97,00
80 K 160,00 192,00 120,00
100 K 200,00 240,00 150,00
140 K 310,00 372,00 210,00
200 K 480,00 576,00 300,00

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 27 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Característica das Correntes em Ampères nos Elos Fusíveis


Código dos Elos IMF - mínima de fusão IMI - máxima de interrupção IMD - máxima admissível
Observação: O IMD foi levantado em laboratório

4.20.18O elo fusível protegido deve coordenar com o elo fusível protetor para o valor de máxima corrente de
curto-circuito no ponto de instalação do elo protetor.

4.20.19Na pior situação o elo fusível protegido deve coordenar com o elo fusível protetor para a corrente de
curto-circuito fase-terra mínima no ponto de instalação do elo protetor. (sistema trifásico a três fios).

4.20.20A corrente nominal do elo fusível deve ser no máximo 1/4 da menor corrente de curto-circuito fase-
terra mínimo, no fim do trecho por ele protegido.

4.20.21A corrente nominal de um elo fusível deve ser no máximo 2/3 da corrente correspondente à
demanda máxima, medida ou avaliada no ponto considerado, para pico de demanda de até três horas.

4.20.22A corrente nominal do elo fusível deve ser igual à corrente correspondente à demanda máxima para
pico de demanda com duração acima de três horas. O valor da demanda a considerar engloba as correntes
resultantes de manobra, quando for o caso.

4.20.23Os elos fusíveis das derivações devem ser dimensionados tomando-se com base a corrente da
demanda máxima admissível, a qual deve ser igual ou maior que a corrente da demanda máxima futura.

4.20.24No dimensionamento de elos fusíveis deve ser observado que o elo fusível protegido deve
coordenar com o elo fusível protetor para o valor da máxima corrente de curto-circuito ou para a corrente de
curto-circuito fase-terra mínimo no ponto de instalação do elo protetor (sistema trifásico a três fios).

4.20.25A coordenação de fusíveis deve ser efetuada utilizando-se os elos preferenciais 6K, 10K, 15K, 25K e
40K, com base nas curvas características dos elos, ou nos resumo dos do quadro seguinte.

4.20.26Os valores do quadro abaixo indicam as máximas correntes de curto-circuito para as quais os elos
coordenam.

Coordenação de Elos Fusíveis Tipo K


Elo Fusível Protegido
Elo Protetor
8K 10 K- 12 K 15 K 20 K 25 K 30 K 40 K
6K 190 A 350 A 510 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A
8K 210 A 440 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A
10 K - 300 A 540 A 840 A 1060 A 1340 A
12 K - - 320 A 710 A 1050 A 1340 A
15 K - - - 430 A 870 A 1340 A
20 K - - - - 500 A 1100 A
25 K - - - - - 660 A
Coordenação para Elos Fusíveis K e H
Elo Fusível Protegido
Elo Protetor
8K 10 K 12 K 15 K 20 K 25 K 30 K 40 K
1H 125 A 280 A 380 A 510 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A
2H - 45 A 220 A 450 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A
3H - 45 A 220 A 450 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A
5H - 45 A 220 A 450 A 650 A 840 A 1060 A 1340 A

4.20.27A instalação de elos fusíveis superiores a 25 K em derivações depende de estudo de coordenação


especial efetuado pela unidade de planejamento.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 28 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.20.28Em derivações protegidas por chaves fusíveis devem ser utilizados os materiais padronizados
conforme do quadro seguinte:

Materiais para Instalação de Chaves Fusíveis


Descrição Código
Conector Estribo Al IMP Dep.cabo
Grampo de Linha Viva Br 95/50 2415006
Cabo Nu Cobre 25 mm2 2203016
Elo Fusível 36,2kV Dep.Carga
Chave Fus 15,0KV 100A 10,0kA 0530010
Chave Fusível Dist.38,0kV 100A 5,0kA 0531005

4.20.29Os bancos de capacitores com potência superior a 600 KVAR devem ser operados através de 03
(três) chaves unipolares a vácuo de 200 A, código do SAP 0560001 montadas conforme padrão específico,

4.20.30Os bancos de capacitores de até 600 KVAR devem ser protegidos por chaves fusíveis cujos elos
devem obedecer ao quadro seguinte:

Chaves Fusíveis para Banco de Capacitores


Potência do Banco 11,9 kV 13,8 kV 34,5 kV
300 kVAr - (células de 100) Mín 15 K – máx 25 K Mín 15 K – máx 25 K Mín 10 K – máx 25 K
600 kVAr - (células de 200) Mín 30 K – máx 65 K Mín 30 K – máx 65 K Mín 12 K – máx 65K

4.20.31Entradas subterrâneas para edificações de uso coletivo ou ramais de ligação destinados a clientes
do grupo A devem ser interligados à rede aérea através de chaves fusíveis de 100 A com elos de 25 K se a
carga instalada for inferior ou igual a 500 kVA.

4.20.32Entradas subterrâneas para edificações de uso coletivo ou ramais de ligação destinados a clientes
do grupo A devem ser interligados à rede aérea através de chaves fusíveis de 100 A com elos de 40 K se a
carga instalada estiver compreendida entre 500 e 1000 kVA.

4.20.33Entradas subterrâneas para edificações de uso coletivo ou ramais destinados a clientes do grupo A
devem ser interligados à rede aérea através de chaves facas se a demanda máxima superar 40 A.

4.20.34Em rede nua devem ser utilizados isoladores de porcelana tipo pino ou pilar;

4.20.35Os isoladores instalados nas estruturas de RDU devem seguir o estabelecido no quadro abaixo

Padronização de Isoladores para Redes de Distribuição


Tipo de Rede Material Descrição Código
Porcelana (Orla) Isolador pilar 150kV 2314002
Rede nua classe 15 kV Porcelana (Normal) Isolador pino porcelana 2310007
Composto polimérico Isolador de suspensão 2322005
Rede nua classe 36,2 kV Porcelana Isolador pilar 170kV 2314001

4.20.36Os pára-raios da rede primária devem ser dimensionados conforme quadro seguinte:

Pára Raios Recomendados para Redes de Distribuição


Tensão Nominal do Sistema Descrição do pára-raios- Código do SAP
11,95 kV Pára-raios RD 12,0 kV 10 kA 0400025

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 29 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Pára Raios Recomendados para Redes de Distribuição


Tensão Nominal do Sistema Descrição do pára-raios- Código do SAP
13,8 kV Pára-raios RD 15,0 kV 10 kA 0400043
36,2 kV Pára-raios RD 33,0 kV 10 kA 0401024

4.20.37Em áreas urbanas com predominância de edificações horizontais devem ser instalados pára-raios
em todos os transformadores.

4.20.38Em áreas com predominância de edificações verticais, não devem ser instalados pára-raios em
transformadores localizados entre pára-raios adjacentes, cuja distância seja inferior a 500 m, em qualquer
direção da rede.

4.20.39Na rede urbana primária devem ser instalados pára-raios nos seguintes pontos:

a) Final de linha;
b) Em estruturas de conexão com redes subterrânea;
c) Nas estruturas de mudança do cabo nu para cabo protegido;
d) Nos transformadores de distribuição, conforme itens 4.20.37 e 4.20.38;
e) Nos reguladores de tensão, seccionalizadores e religadores, nos lados fonte e carga;
f) Em bancos de capacitores;
g) Em conjuntos de medição.

4.21Cálculo mecânico.

4.21.1As hipóteses de cálculo devem ser tomadas com base nas recomendações das NBR(s): 5433, 5434 e
5422, através das curvas recomendadas para a região Nordestes.

4.21.2Com a finalidade de reduzir o efeito das baixas temperaturas nas trações dos condutores e favorecer
trabalhos com “linha viva”, a flecha mínima a 5°C f oi limitada em 0,25 m.

4.21.3A distância mínima horizontal entre os pontos de fixação dos condutores na estrutura deve ser o

maior valor entre as soluções das equações:


Dh = 0,22 + 0,01Du ou Dh = 0,37 f + 0,0076 Du , e a
vertical o maior entre
D = 0,50 + 0,01Du ou 01 metro. (Du é igual à tensão em kV entre fases. NBR 5422);

4.21.4Para definição dos limites elétricos, foi considerado com modelo o poste de 11 metros com circuito
primário simples e espaçamento entre os condutores fase de 0,7 metros (Estrutura N1 ou N2).

4.21.5Em decorrência do modelo acima, os vãos máximos para os cabos nus ou protegidos nas tensões de
15 kV e 36,2 kV variam entre 60 e 80 m. As flechas máximas são 1,4 e 1,7 m respectivamente.

4.21.6O dimensionamento mecânico dos postes deve considerar que as estruturas são auto-portantes nas
condições climáticas mais desfavoráveis para a região:

a) Temperatura: Mínima = 5°C.


b) Temperatura Máxima = 50°C.
c) Vento máximo = 80 km/h na temperatura de 15°C.
d) Creep através do equivalente térmico de 5°C.

4.21.7No dimensionamento dos postes tipo DT em ângulo, deve ser considerada a variação do momento
resistente do poste em função do ângulo de aplicação dos esforços, conforme gráfico 3 (tres) do anexo III.

4.21.8As estruturas tipo N1 ou B1 (estruturas com cruzeta simples), devem ser utilizadas em trechos
tangentes ou com pequenos ângulos até os limites suportáveis pelos isoladores de pinos ou tipo pilar
informados na tabela após a seguinte.

4.21.9As estruturas N4 ou B4 devem ser utilizadas para ângulos até 60°, com qualquer condutor.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 30 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

4.21.10As estruturas N3-3 e B3-3devem ser utilizadas para ângulos superiores a 60º e inferiores a 120º.

4.21.11Em redes urbanas não devem ser utilizadas estruturas N2 ou B2 montadas em postes DT devido à
dificuldade de dividir-se o ângulo da rede em dois ângulos iguais, cada qual em um dos isoladores de pino.
(Para que esta montagem seja possível as cruzetas necessitam ser instaladas na bissetriz do ângulo da
rede e consequentemente os postes DT devem ser instalados com uma face inclinada em ralação a linha do
meio fio), fato que praticamente inviabiliza a instalação de braços de iluminação pública.

4.21.12As estruturas primárias e secundárias foram padronizadas em função da furação dos postes DT,
cujos parafusos, cintas em casos de postes tipo R, e demais características necessários as montagens
estão nas figuras de 08 a 16 do anexo VI.

4.21.13As estruturas do tipo PL1, que utilizam os condutores com formação triangular, fixos em isoladores
pilar, presos diretamente nos postes, devem ser montadas em postes DT ou tipo R de no mínimo 12 m;

4.21.14A partir das condições atmosféricas estabelecidas pela ABNT, do padrão utilizado na empresa, dos
arranjos físicos recomendados e das características dos condutores foram calculadas as trações de projeto
que devem servir para dimensionamento das estruturas.

4.21.15A tração de projeto varia de acordo com o vão máximo previsto para a rede já que a flecha máxima
foi limitada em 1,4 metros visando atender aos espaçamentos entre os diversos componentes da estrutura e
às alturas mínimas para o solo previstas na ABNT.

4.21.16Os vãos de 60 metros previstos para o cabo de alumínio, isolado para 1 kV, multiplexado, podem ser
utilizados em áreas rurais com baixa densidade de carga onde não é exigida luminosidade homogênea ao
longo da artéria.

4.21.17O cabo multiplexado de 120 mm² não deve ser instalado em vãos maiores que 50 metros devido ao
pequeno valor da relação entre a tração de ruptura e a massa do cabo.

4.21.18Os circuitos principais, denominados de alimentadores, quando situados em área submetida à


atmosfera agressiva, devem ser projetados com cabos de cobre nu com seção de 95 mm²

4.21.19 O cabo de cobre nu com seção de 120 mm², devido à sua elevada massa somente deve ser
utilizado para interligação de equipamentos ou alimentadores passíveis de trabalhar com corrente superior a
400 Ampères.

4.21.20As trações de projeto e os vãos máximos permitidos para os condutores utilizados em redes urbanas
estão especificados no quadro abaixo.

Tração de Projeto em daN

Condutores Nus de Alumínio


Vão 4CAA 2CA 1/0CA 2/0CA 4/0CA 336,4
40m 68 daN 81 daN 115 daN 211 daN 319 daN
80m 129 daN 137 daN 232 daN 419 daN 637 daN
Condutores Nus de Cobre mm²
Vão 16mm2 25 mm² 35 mm² 70 mm² 95 mm² 120 mm²
40m 68 daN 98 daN 139 daN 265 daN 364 daN 485 daN
80m 134 daN 195 daN 279 daN 528 daN 726 daN 970 daN
Cabos Multiplexados de Alumínio (mm2) Isolados para 1 kV
Vão 1x25+1x25 2x35+1x35 3x35+1x135 3x50+ 50 3x70+1x70 3x120+1x70
40m 145 306 306 454 529 529
60m 145 313 313 454 529 Vão ≤ 50m
Cabos Singelos de Alumínio (mm²) Protegidos para Média Tensão

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 31 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Vão 35 Al - 15kV 70 Al - 15kV 185 Al-15kV 70 Al - 35kV 120 Al - 35kV 185 Al - 35kV
40m 158 252 556 270 460 765
V=? V≤65m- 195 V≤70m - 309 Vão≤75m - 817 Vão≤50m - 270 Vão≤55m - 460 Vão≤60m - 765
Cabos de Alumínio (mm2) e Cordoalha - Rede Compacta com Espaçador
Vão 3x35- P15kV 3x70 - P15kV 3x185-P15kV 3x70 - P35kV 3x120 – P35kV 3x185 – P35kV
40m 735 790 1146
80m 809 1012 1184
Cabos de Alumínio (mm2) Multiplexados Isolados para 15 kV e Cordoalha CAL
Vão 3x35 – 20kV 3x70 – 20kV 3x185 – 20kV - - -
40m 368 412 683 - - -

4.21.21A estrutura N1 com isoladores tipo pino enroscados em pinos de aço de 100 daN, ou isoladores do
tipo pilar, fixos nas cruzetas através de parafusos prisioneiros para 300 daN, pode ser instalada em poste
tipo DT ou poste do tipo R, até os ângulos citados no quadro seguinte:

Ângulos Máximos nas Estruturas N1 em postes DT ou R


Material Vão básico de 40m Vão básico de 80m
Condutor Tração de Isolador de Isolador Tração de Isolador de Isolador
Projeto Pino Pilar. Projeto. Pino Pilar.
4 CAA 68 daN 60º 60° 129 daN 50° 60°
Cabo de 2 CA 81 daN 60° 60° 137 daN 47° 60°
Alumínio
1/0 CA 115 daN 57° 60° 232 daN 27° 60°
4/0 CA 211 daN 30° 60° 419 daN 18° 46°
336,4 CA 319 daN 20° 47° 637 daN 10° 30°
16mm² 68 daN 60° 60° 134daN 48° 60°
25mm² 98 daN 60° 60° 195 daN 33° 60°
Cabo de 35 mm² 139 daN 46° 60° 279 daN 23° 60°
Cobre 70 mm² 265 daN 24° 47° 528 daN 12° 36°
95 mm² 364 daN 17° 54° 726 daN 8° 26°
120mm² 485 daN 13° 40° 970 daN 6° 20°

4.21.22A estrutura PL1, utilizada em rede compacta com espaçadores, pode ser utilizada em ângulos até os
limites estabelecidos no quadro seguinte, cujo esforço resultante não pode exceder ao limite de resistência
do parafuso prisioneiro do isolador de pino, que é de 300 daN.

Ângulos Máximos nas Estruturas PL1 em postes DT ou tipo R na classe de 15 kV


Tipo do Seção do Vão básico de 40m
Tr. Pj. Vão Máximo
Cabo Condutor Tr. Pj. Isol.Pino Isol. Pilar.
35 mm 158 daN 37° 60° 195 daN Vão até 65 metros
Cabo Prot.
70 mm² 252 daN 25° 60° 309 daN Vão até 70 metros
15 kV
185 mm² 556 daN 10° 21° 817 daN Vão até 75 metros
70 mm² 270 daN 23° 60° 270 daN Vão até 50 metros
Cabo Prot.
120 mm² 456 daN 14° 42° 456 daN Vão até 55 metros
35 kV
185 mm² 765 daN 8° 25° 765 daN Vão até 60 metros

4.21.23Limitadas pelo esforço dos pinos de aço, de maneira semelhante a do item anterior, as estruturas N2
com isoladores poliméricos ou de porcelana montadas em postes tipo R com as cruzetas na bissetriz do
ângulo, podem ser utilizadas até os ângulos máximos do quadro seguinte.

Ângulos Máximos nas Estruturas N2 em postes Tipo R


Material Vão básico de 40m Vão básico de 80m
Condutor
Cabo de Tr. Pj. Isol.Pino Isol. Pilar.. Tr. Pj. Isol.Pino Isol. Pilar.
Alumínio 4 CAA 68 daN 60º 60° 129 daN 60° 60°

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 32 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

2 CA 81 daN 60° 60° 137 daN 60° 60°


1/0 CA 115 daN 60° 60° 232 daN 51° 60°
4/0 CA 211 daN 56° 60° 419 daN 27° 60°
336,4 CA 319 daN 36° 60° 637 daN 18° 60°
16mm² 68 daN 60° 60° 134daN 60° 60°
25mm² 98 daN 60° 60° 195 daN 60° 60°
Cabo de 35 mm² 139 daN 60° 60° 279 daN 42° 60°
Cobre 70 mm² 265 daN 44° 60° 528 daN 21° 60°
95 mm² 364 daN 31° 60° 726 daN 15° 48°
120mm² 485 daN 23° 60° 970 daN 12° 36°

4.21.24A estrutura PL2 com isoladores poliméricos ou de porcelana instaladas em postes tipo R, pode ser
utilizada em ângulo conforme quadro seguinte.

Ângulos Máximos na Estrutura PL2 instalada em poste tipo R


Vão básico de 40m
Tipo do Seção do Tração de
Ângulo Máximo Vão Máximo
Cabo Condutor Tração de Projeto
Projeto Isol.Pino Isol. Pilar.
35 mm 158 daN 60° 60° 195 daN
Cabo Prot. Vão até 60 metros
70 mm² 270 daN 46° 60° 309 daN
15 kV
185 mm² 556 daN 20° 43° 817 daN Vão até 50 metros
70 mm² 270 daN 28° 60° 309 daN
Cabo Prot.
120 mm² 456 daN 20° 60° 456 daN Vão até 60 metros
35 kV
185 mm² 765 daN 16° 46° 817 daN

4.21.25A fundação normal para os postes devem ser efetuada conforme a figura 6 do anexo VI onde a
profundidade da cava é igual a 10% da altura do poste mais 60 centímetros.

4.21.26Deve ser projetada fundação especial conforme figura 7 do anexo VI, para postes com esforço
nominal a partir de 1000 daN ou postes de qualquer esforço nominal quando o solo não apresentar a
resistência mínima de 2.000 daN/m².

4.21.27Os cabos protegidos, montados em cruzetas de 2,4 m ou na formação triangular, com isoladores
tipo pilar fixados diretamente no poste, devem ser tracionados conforme norma de montagem.

4.22Documentação do projeto.

4.22.1Todo projeto de expansão de Rede de Distribuição deve compor-se, no mínimo, dos seguintes
documentos:

a) Documento de origem (cópia do expediente);


b) Avaliação da carga;
c) Simulação do sistema atual;
d) Estudo de viabilidade para cargas a partir de 112,5 kVA.
e) Cálculo do carregamento dos transformadores envolvidos;
f) Cálculo de queda de tensão na rede secundária por transformador;
g) Cálculo mecânico dos postes de ângulo, fins de linha e travessias;
h) Licenças ambientais quando aplicáveis;
i) Projetos específicos para travessias quando aplicáveis;
j) Plantas do projeto executivo;
k) Orçamento do custo;
l) Cálculo do encargo de responsabilidade da Coelba e dos clientes envolvidos, quando aplicável.

4.22.2Projetos de reforma para atender níveis de tensão da ANEEL devem compor-se dos seguintes itens:

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 33 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

a) Planta contendo o levantamento da rede objeto do projeto da reforma na escala 1:1000;


b) Histórico de consumo nos últimos seis meses das unidades consumidoras trifásicas envolvidas, ou:
c) Gráficos de tensão nos bornes dos transformadores, pontos mais afastados e mais desfavoráveis
d) Testes gráficos de corrente nos bornes dos transformadores.
e) Memorial descritivo e memorial de cálculo, quantificando os fatores aplicados na correção das
cargas, em decorrência de: sazonalidade, baixa tensão, menor diversidade de consumidores no novo
circuito e projeção da carga em função do crescimento vegetativo para o horizonte do projeto;
f) Cálculo da queda de tensão dos circuitos secundários existentes e projetados;
g) Análise da regulação da tensão do sistema primário na alimentação do transformador;
h) Planta contendo o projeto de melhoramento;
i) Cálculo mecânico dos postes em deflexão, fins de linha e travessias;
j) Relação dos materiais;

4.23Recomendações Gerais

4.23.1Redes próximas a aeroportos além das recomendações básicas de segurança devem observar os
seguintes aspectos específicos.

a) Antes de qualquer definição, é necessário solicitar licença ao Departamento de Aviação Civil – DAC.
b) Os limites verticais de aproveitamento conforme figura 17 do Anexo VI, divulgado pela portaria
1141/GM5 do Ministério da Aeronáutica, referem-se à cota do centro geométrico da pista, exceto as rampas
que se referem à cota da cabeceira da pista. Para os aeródromos que possuem duas ou mais pistas, este
plano é aplicado separadamente para cada pista.
c) As distâncias mínimas para construção de redes aéreas e iluminação nas proximidades da
cabeceira da pista e na transversal em relação ao eixo, devem ser conforme quadro seguinte.

Distâncias Mínimas para a Instalação de Rede Próxima a Aeroportos


Cabeceiras da Pista Transversal ao Eixo
Distância em metros Tipo de Rede Iluminação Tipo de Rede Iluminação
D≤250 Subterrânea Não permitida Subterrânea Não permitida
250 < D ≤ 600 Subterrânea Não permitida Rede Aérea Não permitida
600 < D≤ 750 Poste de 9 m Não permitida Rede Aérea Permitida
750 < D Poste de 11 m Permitida Rede Aérea Permitida

4.23.2Os projetos devem ser desenhados utilizando-se os padrões de desenho tipos A1, A2, A3 e A4,
obedecendo à simbologia e as escalas padronizadas pela concessionária.

4.23.3Os projetos devem ser elaborados em plantas produzidas a partir de sistemas geo-referenciados,
preferencialmente em recorte da área selecionada diretamente do sistema centralizado de cadastro.

4.23.4Quando da elaboração de orçamentos para projetos devem ser previstos acréscimos de 3% no


quantitativo dos condutores primários e 5% no quantitativo de condutores secundários, para suprir perdas
com passagens e estribos.

4.23.5Os fatores de carga e de demanda, típicos utilizados nesta norma foram obtidos através de pesquisa
em várias concessionárias de distribuição da ABRADEE, cuja massa de dados da pesquisa está
relacionada na tabela 6 do anexo II.

4.23.6As estruturas e os postes padronizados neste documento disponibilizam uma faixa de 0,5 metros para
compartilhamento com as empresas de comunicação de acordo com o estabelecido pela ABNT, desde que
as ocupações e os esforços aplicados sejam informados conforme estabelece contratos específicos.

4.23.7Com exceção do estabelecido no item anterior, os postes da Coelba, instalados em via pública, ou em
faixa de servidão, destinados ao uso público, não devem ser utilizados como suporte para redes
particulares.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 34 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

5.REFERÊNCIAS

NBR 15688 - Redes de distribuição aérea de energia elétrica com condutores nus;
NBR 15992 - Redes de distribuição aérea de energia elétrica com cabos cobertos fixados em espaçadores
para tensões até 36,2 kV.

6.APROVAÇÃO

RICARDO JOSÉ BARROS VALENTE


Gerente do Departamento de Planejamento de Investimentos - EPI

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 35 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO I. RESISTIVIDADE E ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO

MEMORIAL TÉCNICO 01 - MEDIÇÃO DE RESISTIVIDADE E ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO

Para medição da resistividade do solo utiliza-se o método dos quatro pontos, método de Wenner, que
consiste na utilização do aparelho “MEGGER DE TERRA” de quatro ou cinco terminais ( C1, P1, C2, P2 e G
opcional ), conforme figura abaixo.

Método para cálculo da resistividade

a) Escolhe-se o ponto a ser medido (P) e a direção de alinhamento dos eletrodos

b) Efetua, em cada ponto, 5 medições, cada uma com afastamento diferentes entre os eletrodos. Os
espaçamentos (a) são: 2 m, 4 m, 8 m, 16 m e 32 m . Para cada espaçamento , enterre no solo (b) 20 cm de
cada eletrodo, nas posições indicadas na figura acima. Observe que os eletrodos devem ficar alinhados na
direção escolhida e o ponto P não deve ser alterado ao se mudar o espaçamento. Conforme figura abaixo.
Uma forma prática de marcar a posição em que são enterrados os eletrodos é utilizar duas trenas, fazendo
os zeros das mesmas coincidirem com o ponto P e alinhando-as na direção escolhida. Depois, basta ir
deslocando os eletrodos conforme cada espaçamento, lembrando sempre que os eletrodos adjacentes ao
ponto P, distam a/2 dele.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 36 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

c) Para cada espaçamento, faça a medição ajustando o potenciômetro e os multiplicadores do megger


até que o galvanômetro indique “zero”. O valor lido no aparelho tem a dimensão de resistência. Preencha
uma tabela conforme modelo seguinte:
Medição da Resistividade do Solo
Espaçamento (a)=(metros) Resistência (R)=(ohms) Fator K Resistividade(ρ)=(ohm x m)
2 12,78
4 25,24
8 50,32
16 100,6
32 201,1
R – É o valor da resistência lido no megger
O valor da resistividade se obtém multiplicando-se o valor R pelo fator K
Quando forem realizadas medições para mais de um ponto P, como no caso de determinação de
resistividade do solo de uma localidade, calcula a média aritmética das resistências encontradas para cada
espaçamento adotado e preenche a tabela para estas resistências médias. Caso, para algum dos
espaçamentos, a resistência apresente um desvio em módulo superior a 50 % em relação à média, o ponto
deve, temporariamente, ser desprezado e nova verificação ser feita com os pontos restantes.

Estratificação do Solo

Utiliza os valores de resistividade (ρ ) obtidos na TABELA, para cada espaçamento, como dados de entrada
para o programa “Estratificação do Solo”. O programa fornece uma estratificação do solo conforme figura
abaixo. O número de camadas obtidas na estratificação depende das características do solo.

Dimensionamento do Sistema de Aterramento Resultante

A partir dos valores obtidos na estratificação do solo (p1, d1, p2, d2,) e, utilizando o Programa “TERRA”,
calcula o valor da resistência de aterramento de uma haste padronizada (2400 mm x 16 mm).

Caso a utilização de uma única haste não seja suficiente, de forma a obter-se o valor desejado da
Resistência de aterramento, projeta uma malha de terra.

Utiliza inicialmente uma malha de terra na configuração hastes alinhadas interligadas por cabo de aço
cobreado. Utiliza no máximo 6 hastes espaçadas de 3 metros nesta configuração.
Caso, ainda assim, não se obtenha o valor desejado, utiliza uma configuração retangular de comprimento
igual ao máximo obtido na configuração anterior e largura, no mínimo igual a 3 m. conforme figura seguinte

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 37 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Medição da Resistência de Aterramento Resultante

Efetua as medições de resistência de aterramento, utilizando um megger de terra de quatro ou cinco


terminais. Para obter resultados confiáveis, o aparelho utilizado deve ser de corrente alternada e possuir
um filtro para eliminação de correntes de interferências. Verifica se estão disponíveis as informações sobre
a dimensão e a configuração do sistema de aterramento a ser medido e procede conforme a seguir:

a) Caso sejam conhecidas as dimensões e configuração do sistema de aterramento a ser medido,


verifica qual a maior dimensão do sistema de aterramento, e com este valor na tabela abaixo, determina o
valor de “D” e “X” a serem utilizados na medição. O valor de “D” depende das dimensões e configuração do
sistema de aterramento a ser medido. A resistência real do aterramento se dá quando a distância entre o
terra a ser medido e o eletrodo de potencial (X) é de 61,8% da distância entre o terra a ser medido e o
eletrodo de corrente (D), ou seja, “X” = 0,618 x “D”.

Configuração do Sistema de Aterramento


Número de Distância do terra a ser medido ao Distância do terra a ser medido
Hastes eletrodo de potencial: X (m) ao eletrodo de corrente: D (m)
1 16,1 26
2 21,0 34
3 24,5 40
4 27,5 45
5 30,0 48
6 32,5 52
7 34,5 56
8 36,5 59
9 38,0 62
10. 40,0 65
11 41,5 67
12 42,5 69

NOTA:
As distâncias de “X” e “D” da tabela acima são valores mínimos para se obter um valor de resistência de
aterramento com erro razoável. Portanto, podem-se utilizar distâncias maiores que as tabeladas, porém,
nunca menores, sob o risco de se ter erros inaceitáveis.

b) Desconecta a malha de terra do sistema energizado

c) Localiza o aparelho “Megger” próximo ao sistema de aterramento a ser medido e efetua as ligações
conforme instruções abaixo:

d) Conecta os terminais de corrente “C1” e de potencial “P1” entre si e liga ao sistema de aterramento
a ser medido.

e) Liga o terminal de potencial “P2” a um eletrodo cravado no solo, a uma distância “X” do sistema de
aterramento, o qual é chamado eletrodo de potencial ou móvel. – Observe-se que o eletrodo de potencial e
o terra auxiliar, descritos no subitem “c” abaixo, devem formar uma linha reta com o sistema de aterramento
a ser medido.

f) Liga o terminal de corrente “C2” a um eletrodo cravado no solo a uma distância “D” do sistema de
aterramento, o qual é chamado eletrodo de corrente ou terra auxiliar. Monta o terra auxiliar com uma ou
mais hastes metálicas de aproximadamente 0,50 m, cravadas firmemente no solo em local úmido e livre de
pedras e cascalhos. Caso o solo no local esteja muito seco, pode ser adicionado ao terra auxiliar água ou
solução de água e sal.

g) Efetua a leitura da resistência da malha de terra.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 38 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Caso sejam desconhecidas as dimensões e configurações do sistema de aterramento:

a) Crava o eletrodo terra auxiliar a uma distância entre 12 e 30 metros (“D”) do sistema de aterramento
a ser medido.

b) Crava o eletrodo de potencial a uma distância igual a 61,8 % da distância entre o terra a ser medido
e o terra auxiliar (“x”).

c) Liga o megger e executa a primeira medida, que deve ser tomada como referência.

d) Executa mais quatro medidas, aumentando e diminuindo o afastando entre o eletrodo de potencial
(eletrodo móvel) e o ponto a ser medido, de 3 m e 6 m em relação à posição da primeira medida. Os
eletrodos devem estar sempre alinhados.

e) Verifica os valores encontrados. Se tiver uma variação menor que 5 % em relação ao valor da
medida tomada como referência, considerarmos então, o valor da primeira medida como a resistência de
aterramento do sistema.

f) Se os valores encontrados tiverem uma variação maior que 5 %, aumenta-se a distância entre o
terra medido e o terra auxiliar. A seguir, efetuar novas medições, repetindo todos os passos deste
procedimento.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 39 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO II. DEMANDA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BT

MEMORIAL TÉCNICO 2 - CÁLCULO DA DEMANDA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BT

Demanda Diversificada das Unidades consumidoras Residenciais

A demanda diversificada média das unidades consumidoras residenciais monofásicas e bifásicas ligadas
em baixa tensão, para fins de projetos de melhoramentos na rede secundária de distribuição deve ser
calculada da seguinte forma.

g) Determina as demandas individuais diversificadas em kVA, das unidades consumidoras comerciais


ou industriais de baixa tensão, atendidas pelo circuito do transformador, a partir da substituição da base
(kWh) da potência:- kVA = 0,0058 kWh 0,94724, pelos respectivos consumos médios das unidades
consumidoras nos últimos 12 meses.

h) Obtém o registro gráfico de tensão e corrente, com duração mínima de 72 horas, nos
transformadores de distribuição e pontos mais desfavoráveis do sistema.

i) Verifica a hora da demanda máxima do transformador e a contribuição dos consumidores trifásicos


na hora da ponta.

j) Subtrai da demanda do transformador a parcela da demanda dos consumidores trifásicos


coincidente com a ponta de carga.

k) Corrige o resultado quanto à sazonalidade, utilizando como fator de correção sazonal a relação
entre a demanda máxima anual do alimentador e a demanda do alimentador no dia da medição do
transformador.

l) Corrige o resultado obtido acima quanto à melhoria de tensão, utilizando o fator de correção de
tensão determinado por interpolação na curva correspondente a tensão secundária do circuito conforme
gráficos 01 e 02 no anexo C. Caso não haja possibilidade de determinar o valor, adota-se 1,05 como valor
médio.

m) Subtrai-se da demanda corrigida a carga correspondente à iluminação pública.

n) Divide-se o resultado obtido pelo número de consumidores monofásicos e bifásicos, obtendo-se a


demanda diversificada média desses consumidores sob o ponto de vista do transformador.

o) A partir da quantidade de unidades consumidoras consideradas e do valor da demanda diversificada


encontrada, deve ser identificado o tipo da unidade consumidora predominante no trecho.

Demanda de Unidades com Carga Perturbadora


A demanda dos Consumidores com Cargas Perturbadoras, (Fornos a Arco, Aparelhos de Solda, Aparelhos
de Raio X, Motores com Potência Superior a 2 CV por Fase), deve ser calculada a partir das características
elétricas e regime de funcionamento das cargas, considerando-se os transitórios.

Demanda de Motores elétricos


p) A demanda de motores elétricos deve ser obtida conforme recomendado na tabela do item: 4.11.6.

q) A demanda diversificada das unidades consumidoras residenciais para fins de projeto para novas
extensões envolvendo o dimensionamento da rede secundária e do transformador deve ser obtida a partir
da classificação destas unidades consumidoras e do número de unidades em cada trecho do circuito.

A classificação das unidades consumidoras residenciais em função da carga instalada deve


obedecer ao seguinte critério:

r) Unidade consumidora tipo A é aquela que possui geladeira comum, TV pequena, som, ferro elétrico
simples, liquidificador, e cinco lâmpadas, (1.320 W).

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 40 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

s) Unidade consumidora tipo B e aquela que além do que possui o TIPO A, possui a mais: Ventilador,
chuveiro elétrico, espremedor de frutas, outra TV pequena, vídeo cassete, secador de cabelo e cinco
lâmpadas, ( 6.820W).

t) Unidade consumidora tipo C e aquela que além do que possui a do TIPO B, possui a mais:
Computador com impressora, freezer, máquina de lavar, microondas, gril, ar condicionado, cafeteira
elétrica, outro chuveiro elétrico, TV grande e mini-sistem, (18.470W).
ANEXO B. MEMORIAL TÉCNICO

u) Unidade consumidora tipo D e aquela que além do que possui a unidade consumidora do TIPO C,
possui a mais:
Aquecedor elétrico, banheira de hidromassagem, ar condicionado, TV de 29”, máquina de lavar louça,
secadora de roupas, um aparelho de fax e 2kW de iluminação, (39.550W).

As demandas diversificadas das unidades consumidoras residenciais em função do tipo e quantidade de


unidades existentes no trecho considerado foram obtidas a partir de curvas existentes em normas
anteriores, da atualização da carga instalada nas unidades consumidoras padrão, das demandas máximas
obtidas a partir do produto da carga instalada pelo fator de demanda.

Demanda Diversificada em kVA por Unidade Residencial


Quantidade Unidade Tipo A Unidade Tipo B Unidade Tipo C Unidade Tipo D
1 1,26 4,86 8,68 17,79
2 0,81 3,16 5,61 11,49
3 0,61 2,35 4,21 8,62
4 0,49 1,91 3,41 6,98
5 0,42 1,61 2,89 5,91
6 0,38 1,46 2,61 5,34
7 0,35 1,37 2,41 4,93
8 0,32 1,23 2,21 4,52
9 0,31 1,19 2,12 4,35
10 0,29 1,14 2,02 4,19
11 0,28 1,11 1,96 4,01
12 0,27 1,05 1,88 3,87
13 0,26 1,01 1,81 3,69
14 0,25 0,96 1,74 3,55
15 0,24 0,94 1,68 3,45
16 0,24 0,92 1,64 3,37
17 0,24 0,91 1,63 3,33
18 0,24 0,91 1,62 3,32
19 0,23 0,91 1,61 3,31
Mais 0,23 0,91 1,61 3,29

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 41 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO III. DEMANDA DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO

MEMORIAL TÉCNICO 03 - CÁLCULO DA DEMANDA DE EDIFICAÇÕES DE USO COLETIVO

O método recomendado para cálculo da demanda das edificações de uso coletivo (De) deve considerar a
diferença entre as curvas de carga para áreas residencial e comercial.

A demanda para a área residencial (Dr) deve ser calculada pelo critério da área útil, seguindo os seguintes
passos:

a) Calcula a área útil do apartamento;

b) Determina a demanda por apartamento com base na área e na seguinte tabela;

Demanda do Apartamento em Função da Área Útil


Area Útil Demanda Area Útil Demanda Area Útil Demanda
(m2) (kVA) (m2) (kVA) (m2) (kVA)
Até 40 1,00 101 – 110 2,35 261 – 280 5,42
41 – 45 1,05 111 – 120 2,54 281 – 300 5,76
46 – 50 1,16 121 – 130 2,73 301 – 350 6,61
51 – 55 1,26 131 – 140 2,91 351 – 400 7,45
56 – 60 1,36 141 – 150 2,10 401 – 450 8,28
61 – 65 1,47 151 – 160 3,28 451 – 500 9,10
66 – 70 1,57 161 – 170 3,47 501 – 550 9,91
71 – 75 1,67 171 – 180 3,65 551 – 600 10,71
76 – 80 1,76 181 – 190 3,83 601 – 650 11,51
81 – 85 1,86 191 – 200 4,01 651 – 700 12,30
86 – 90 1,96 201 – 220 4,36 701 – 800 13,86
91 – 95 2,06 221 – 240 4,72 801 – 900 15,40
96 – 100 2,16 241 – 260 5,07 901 – 1000 16,93

c) Determina o fator para diversificação em função do número de apartamentos conforme tabela


seguinte:

Fator de Diversidade em Função do Número de Apartamentos


Nº aptos F div. Nº aptos f. div Nº aptos f. div Nº aptos f. div
1 100% 16 89,50% 31 77,68% 46 71,96%
2 98,00% 17 88,82% 32 77,16% 47 71,62%
3 97,30% 18 88,22% 33 76,64% 48 71,29%
4 97,00% 19 87,68% 34 76,18% 49 70,98%
5 96,80% 20 87,20% 35 75,71% 50 70,68%
6 96,60% 21 85,90% 36 75,28% 51 70,39%
7 96,57% 22 84,77% 37 74,89% 52 70,17%
8 96,50% 23 83,70% 38 74,45% 53 69,85%
9 96,45% 24 82,75% 39 74,11% 54 69,60%
10 96,40% 25 81,84% 40 73,80% 55 69,35%
11 94,73% 26 81,00% 41 73,46% 56 69,11%
12 93,33% 27 80,26% 42 73,17% 57 68,88%
13 92,15% 28 79,54% 43 72,89% 58 68,66%
14 91,14% 29 78,90% 44 72,60% 59 68,44%
15 90,27% 30 78,27% 45 72,31% 60 ou + 68,23%

d) A demanda residencial é calculada a partir da multiplicação da demanda por apartamento obtida em


função da área, pelo fator para diversificação e pelo número de apartamentos.

e) Assume a demanda residencial (Dr) igual a 26KVA como o valor mínimo da demanda quando os
cálculos acima forem inferiores a este valor.
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 42 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Cálculo da Demanda da Área de Serviço Ds

A demanda da área de serviço (Ds) deve ser calculada pelo critério da potência instalada.

A potência instalada deve ser calculada com base na potência nominal dos equipamentos declarados pelo
consumidor.

A potência dos equipamentos em kVA deve ser calculada com base nos fatores de potência típicos dos
eletrodomésticos, e nos valores da tabela seguinte:

Fator de potência dos Eletrodomésticos


Tipo de Equipamento Fator de Potência
Lâmpadas incandescentes 1,00
Chuveiro, torneira, aquecedor, ferro, fogão e outros à resistência 1,00
Lâmpadas fluorescentes, néon, vapor de sódio ou mercúrio e Sem comp. de fator 0,50
outros através de descargas de gases: Com comp. de fator 0,85
Motores de Indução 1 CV 0,67
Motores de Indução. 2 CV 0,73
Motores de Indução. 3 CV 0,80
Motores de Indução. 5 CV 0,83
Motores de Indução. 7,5 CV 0,85
Motores de Indução. 25 CV 0,86
Motores de Indução. 30 CV 0,87
Máquina de Solda a arco 0,50
Máquina de Solda a resistência 0,80
Aparelhos Eletrodomésticos a motor (1 CV) 0,67

Nota: Os valores de fator de potência para motores são médios para 75% da carga nominal

O cálculo da demanda pelo critério da carga instalada

O cálculo da demanda deve ser efetuado a partir da seguinte fórmula:


Ds = a + b + c + d + e + f + g
onde as parcelas devem ser calculadas da seguinte forma:
a) A parcela (a) representa a soma das demandas referentes à iluminação e tomadas das áreas não
residenciais e residenciais do serviço, calculadas com base respectivamente nas duas tabelas seguintes:

Áreas não residenciais

Fator de Demanda para Áreas não Residenciais


Descrição Fator de Demanda %
Auditório, salões e semelhantes 100
Bancos, lojas e semelhantes 100
Barbearias, salões de beleza e semelhantes 100
Clubes e semelhantes 100
100 para os primeiros 12 kVA
Escolas e semelhantes
50 para o que exceder de 12 kVA
100 para os primeiros 20 kVA
Escritórios
70 para o que exceder de 20 kVA
Garagens comerciais e semelhantes 100
40 para os primeiros 50 kVA
Hospitais e semelhantes
20 para o que exceder de 50 kVA
50 para os primeiros 20 kVA
Hotéis e semelhantes 40 para os seguintes 80 kVA
30 para o que exceder de 100 kVA
Igrejas e semelhantes 100

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 43 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator de Demanda para Áreas não Residenciais


Descrição Fator de Demanda %
Restaurantes e semelhantes 100

Área residencial do serviço

Fator de Demanda para a Área Residencial do Serviço


Carga (Kw) Fd Carga (Kw Fd Carga (Kw Fd
CI < 1 0,86 4 < CI ≤ 5 0.68 8 < CI ≤ 9 0.54
1 < CI ≤ 2 0,81 5 < CI ≤ 6 0,64 9 < CI ≤ 10 0.52
2 < CI ≤ 3 0.76 6 < CI ≤ 7 0.60 CI > 10 0.45
3 < CI ≤ 4 0.72 7 < CI ≤ 8 0.57 - -

b) A segunda parcela b=b1+b2+b3+b4+b5 representa a soma das demandas dos aparelhos


eletrodomésticos e de aquecimento, calculadas utilizando as duas tabelas seguintes, cujos fatores devem
ser aplicados separadamente por grupos homogêneos de equipamentos.

Eletrodomésticos em geral exceto fogões elétricos

Fator de Demanda para Eletrodomésticos


Nº. de Apar. Fd % Nº. de Apar. Fd % Nº. de Apar. Fd %
1 100 11 49 21 39
2 92 12 48 22 39
3 84 13 46 23 39
4 76 14 45 24 38
5 70 15 44 25 38
6 65 16 43 26 a 30 37
7 60 17 42 31 a 40 36
8 57 18 41 41 a 50 35
9 54 19 40 51 a 60 34
10 52 20 40 61 ou mais 33

Fatores de demanda para fogões elétricos

Fatores de Demanda para Aparelhos de Aquecimento


Nº de Fator de Demanda % Nº de Fator de Demanda %
Aparelhos Pot<3,5kW Pot>3,5kW Aparelhos Pot<3,5kW Pot>3,5kW
1 100 100 16 39 28
2 75 65 17 38 28
3 70 55 18 37 28
4 66 50 19 36 28
5 62 45 20 35 28
6 59 43 21 34 26
7 56 40 22 33 26
8 53 36 23 32 26
9 51 35 24 31 26
10 49 34 25 30 26
11 47 32 26 a 30 30 24
12 45 32 31 a 40 30 22
13 43 32 41 a 50 30 20
14 41 32 51 a 60 30 18
15 40 32 60 < Nº 30 16
b1- chuveiros, torneiras e cafeteiras elétricas
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 44 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

b2- aquecedores de água por acumulação ou por passagem


b3- fornos, fogões e aparelhos tipo Grill.
b4- máquinas de lavar e secar roupas, máquinas de lavar louça e ferro.
b5- demais aparelhos (TV, conjunto de som, ventilador, geladeira, freezer, torradeira, liqüidificador,
batedeira, exaustor, ebulidor, etc).

c) A terceira parcela (c) representa a demanda dos aparelhos de ar condicionado tipo janela calculada
aplicando-se os fatores de demanda da tabela seguinte:

Fator de Demanda para Condicionadores de Ar


Nº. de Apar. Fd(%) Nº. de Apar. Fd(%) Nº. de Apar. Fd (%)
1 a 10 100 31 a 40 78 76 a 100 65
11 a 20 86 41 a 50 75 Acima de 100 60
21 a 30 80 51 a 75 70

d) A parcela (d) representa a demanda dos motores monofásicos e trifásicos calculada utilizando-se os
valores das duas tabelas seguintes:

Cálculo da demanda Individual de motores monofásicos

Valores Nominais dos Motores Monofásicos Demanda Individual Absorvida da Rede (kVA)
Potência Rendi Corrente 3a5 Mais de 5
F. P. 1 Motor 2 Motores
Eixo Cv Absolvida mento (220 V) Motores Motores
¼ 0,39 kW 0,63 0,47 2,8 0,62 0,50 0,43 0,37
1/3 0.52 kW 0,71 0,47 3,3 0,73 0,58 0,51 0,44
½ 0,66 kW 0,72 0,56 4,2 0,92 0,74 0,64 0,55
¾ 0,89 kW 0,72 0,62 5,6 1,24 0,99 0,87 0,74
1,0 1,10 kW 0,74 0,67 6,8 1,49 1,19 1,04 0,89
1,5 1,58 kW 0,82 0,70 8,8 1,93 1,54 1,35 1,16
2,0 2,07 kW 0,85 0,71 11 2,44 1,95 1,71 1,46
3,0 3,07 kW 0,96 0,72 15 3,20 2,56 2,24 1,92
4,0 3,98 kW 0,96 0,74 19 4,15 3,32 2,91 2,49
5,0 4.91 kW 0,94 0,75 24 5,22 4,18 3,65 2,91
2,49 7,46 kW 0,94 0,74 36 7,94 6,35 5,56 4,76
10,0 9,44 kW 0,94 0,78 46 10,04 8,03 7,03 6,02
12,5 12,10 kW 0,93 0,76 59 13,01 10,41 9,11 7,81

Cálculo da demanda Individual de motores trifásicos

Valores Nominais dos Motores Trifásicos Demanda Individual Absorvida da Rede (kVA)
Potência Rendi Corrente De 3 a 5 Mais de 5
F. P. 1 Motor 2 Motores
Eixo Cv Absorvida mento (220V) Motores Motores
1/6 0,25 0,67 0,49 0,9 A 0,37 0,30 0,26 0,22
¼ 0,33 0,69 0,55 1,2 0,48 0,38 0,34 0,29
1/3 0,41 0,74 0,60 1,5 0,56 0,45 0,39 0,34
½ 0,57 0,79 0,65 1,9 0,72 0,58 0,34 0,29
¾ 0,82 0,76 0,67 2,8 1,08 0,86 0,76 0,65
1,0 1,13 0,82 0,65 3,7 1,38 1,10 0,97 0,83
1,5 1,58 0,78 0,70 5,3 2,03 1,62 1,42 1,22
2,0 1,94 0,81 0,76 6,3 2,40 1,92 1,68 1,44
3,0 2,91 0,80 0,76 9,5 3,64 2,91 2,55 2,18
4,0 3,82 0,77 0,77 13 4,96 3,97 3,47 2,98
5,0 4,78 0,85 0,77 15 5,62 4,50 3,93 3,37
6.0 5,45 0,84 0,81 17 6,49 5,19 4,54 3,89
7,5 6,90 0,85 0,80 21 8,12 6,50 5,68 4,87
10 9,68 0,90 0,76 26 10,76 8,61 7,53 6,46
12,5 11,79 0,89 0,78 35 13,25 10,60 9,28 7,95
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 45 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Valores Nominais dos Motores Trifásicos Demanda Individual Absorvida da Rede (kVA)
Potência Rendi Corrente De 3 a 5 Mais de 5
F. P. 1 Motor 2 Motores
Eixo Cv Absorvida mento (220V) Motores Motores
15 13,63 0,91 0,81 39 14,98 11,98 10,49 8,99
20 18,40 0,89 0,80 54 20,67 16,54 14,47 12,40
25 22,44 0,91 0,82 65 24,66 19,73 17,26 14,80
30 26,93 0,91 0,82 78 29,59 23,67 20,71 17,76
50 44,34 0,90 0,83 125 49,27 - - -
60 51,35 0,89 0,86 145 57,70 - - -
75 62,73 0,89 0,88 180 70,48 - - -
Notas:
Fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm.
Os motores devem ser agrupados em três classes
Pequenos motores M ≤5 Cv;
Médios motores 5 Cv < M ≤ 10Cv;
Grandes Motores 10 Cv < M;
Aplica-se a tabela para os dois primeiros grupos separadamente;
Calcula a demanda dos grandes motores de modo semelhante às máquinas de solda a transformador.

e) A parcela (e) representa a demanda das máquinas de solda a transformador, calculada conforme
seguinte critério:
− 100% da potência do segundo maior aparelho;
− 70% da potência do segundo maior aparelho;
− 40% da potência do terceiro maior aparelho;
− 30% da potência dos demais aparelhos.

f) A parcela (f) representa a demanda dos aparelhos de raios X, calculada da seguinte forma:
− 100% da potência do maior aparelho;
− 10% da potência do segundo maior aparelho.

g) A parcela (g) representa a demanda para bombas e banheiras de hidromassagem, que deve ser
calculada utilizando-se os fatores de demanda da seguinte tabela:

Fator de Demanda para Banheiras


Nº. de Apar. Fd(%) Nº. de Apar. Fd(%) Nº. de Apar. Fd(%)
1 100 4 39 11 a 20 20
2 56 5 35 21 a 30 18
3 47 6 a 10 25 Acima de 30 15

Demanda dos estabelecimentos comerciais

A demanda dos estabelecimentos comerciais (Dc) deve ser calculada pelo método da carga instalada,
portanto utilizando a mesma fórmula e mesmas tabelas utilizadas no cálculo da demanda da área de
serviço, ou seja: Dc = a + b + c + d + e + f + g.

A demanda futura para a edificação deve ser calculada aplicando-se a fórmula:


Df = (Dr.Fr + Ds + Dc) Fu
Onde:
Df= demanda total da edificação
Dr= demanda total dos apartamentos residenciais, calculado pelo método da área útil.
Ds= demanda do condomínio calculada pelo método da carga instalada.
Dc= demanda das cargas comerciais, calculada pelo critério da carga instalada.

Fr= fator de segurança mínimo conforme tabela abaixo:

Fator de Segurança Mínimo


Dr (dem. Aptos.) Dr ≤ 25kVA 25kVA < Dr ≤ 50kVA 50kVA< Dr ≤ 100kVA Dr > 100kVA

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 46 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fr mínimo 1,5 1,3 1,2 1,0

Fu = fator de uso da energia elétrica, calculado através de histórico regional conforme definido abaixo.

O fator do uso de energia é igual ao coeficiente angular da reta interpolada entre os pontos obtidos através
das demandas calculadas por este método plotadas no eixo das abscissas e das demandas medidas por
medição direta, plotadas no eixo das ordenadas, considerando-se massa de dados obtida a partir de
amostra aleatória de edificações de uso coletivo existentes na região.

O fator de uso da energia é um índice que varia normalmente 0,7 e 1,0 e reflete a intensidade de uso da
energia elétrica pelo cliente médio da amostra considerada.

Quando este índice é desconhecido, por questões de segurança, deve-se utilizar o valor máximo.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 47 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 1 – Fatores Típicos

Fatores de Potência, Carga e Demanda Típicos


Descrição Fp Fc Fd
Extração e Tratamento de Minerais 0,79 0,25 0,51
Indústria de produtos de minerais não metálicos 0,81 0,32 0,48
Indústria Metalúrgica 0,86 0,27 0,27
Indústria mecânica 0,82 0,29 0,43
Indústria de material elétrico e de comunicação 0,88 0,34 0,50
Indústria de material de transporte 0,81 0,23 0,33
Indústria de madeira 0,74 0,17 0,32
Indústria de celulose, papel e papelão 0,84 0,37 0,54
Indústria de borracha 0,81 0,22 0,50
Indústria de mobiliário 0,77 0,20 0,50
Indústria de couros, peles e produtos similares 0,80 0,27 0,51
Indústria química 0,87 0,34 0,42
Indústria de prod. farmacêuticos e veterinários 0,80 0,22 0,45
Indústria de perfumaria, sabões e velas 0,83 0,22 0,45
Indústria de produtos de meterias plásticas 0,89 0,44 0,53
Indústria têxtil 0,89 0,46 0,55
Ind. de vestiário, calçados e artefatos de tecidos 0,81 0,30 0,36
Indústria de produtos alimentares 0,84 0,39 0,47
Indústria de bebidas 0,79 0,31 0,47
Fabricação do fumo 0,88 0,40 0,53
Indústria editorial e gráfica 0,83 0,33 0,51
Indústrias diversas 0,78 0,25 0,27
Indústria de utilidade pública 0,87 0,40 0,40
Indústria de construção 0,79 0,27 0,44
Agricultura criação animal 0,81 0,32 0,48
Indústria rural 0,72 0,15 0,38
Coletividade rural 0,88 0,52 0,22
Serviços de transporte 0,81 0,32 0,38
Serviço de comunicações 0,89 0,53 0,66
Serviços pessoais 0,82 0,24 0,44
Serviços comerciais 0,85 0,32 0,58
Serviços de Diversões 0,87 0,27 0,45
Esc. Centrais e reg. De gerência administrativa 0,86 0,30 0,64
Entidade financeiras 0,83 0,28 0,64
Comércio atacadista 0,84 0,27 0,61
Comércio varejista 0,86 0,29 0,60
Comércio e administração de imóveis 0,89 0,31 0,49
Comércios diversos 0,88 0,47 0,45
Cooperativas 0,81 0,19 0,61
Fundações e associação com fins não lucrativos 0,88 0,25 0,59
Poderes públicos 0,86 0,31 0,48
Serviços públicos 0,88 0,42 0,46
Suprimento a concessionária. de energia elétrica 0,90 0,70 0,51
Residencial 0,95 0,21 0,34
Residencial (serviço) 0,95 0,34 0,20
Residencial (vila operária) 0,95 0,06 0,39

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 48 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 2 – Fator de Carga por Equipamento


Fator de Carga por Equipamento
Pot. Residencial Comercial Industrial
Item Equipamentos
kVA Horas Fc Horas Fc Horas Fc
01 Aquecedor com capacidade até 80 litros 1,5 60 0,082
02 Balcão Frigorífico Grande 1,00 312 0,427
03 Balcão Frigorífico Pequeno 0,50 312 0,427
04 Banheira Hidromassagem com Aquecedor 6,66 3 0,004
05 Bebedouro Refrigerado 0,20 180 0,246 208 0,285 208 0,285
06 Betoneira 2,20 208 0,285
07 Bomba D’agua 1 CV 0,74 30 0,041 78 0,107 104 0,142
08 Bomba D’agua ½ CV 0,37 30 0,41 78 0,107 104 0,142
09 Bomba D’agua 2CV 1,47 30 0,041 78 0,107 104 0,142
10 Cafeteira Residencial 0,60 15 0,021
11 Cafeteira Comercial 1,20 104 0,142
12 Chuveiro Elétrico 4,20 30 0,041 156 0,214 104 0,142
13 Condicionador de Ar - Janela 7500 BTUs 1,20 180 0,247 260 0,356 260 0,356
14 Condicionador de Ar - Janela 10000 BTUs 1,35 180 0,247 260 0,356 260 0,356
15 Condicionador de Ar - Janela 12000 BTUs 1,45 180 0,247 260 0,356 260 O,356
16 Condicionador de Ar - Janela 15000 BTUs 1,8 180 0,247 260 0,356 260 0,356
17 Condicionador de Ar - Janela 18000 BTUs 2,40 180 0,247 260 0,356 260 0,356
18 Condicionador de Ar - Janela 21000 BTUs 2,70 180 0,247 260 0,356 260 0,356
19 Condicionador de Ar - Janela 30000 BTUs 3,52 180 0,247 260 0,356 260 0,356
20 Equipamento de SOM./MODULO 0,05 30 0,041 200 0,274
21 Espremedor de Frutas 0,20 16 0,022
22 Espremedor de Frutas 0,50 156 0,214
23 Exaustor/Coifa 0,10 30 0,041
24 Ferro Elétrico 1,00 30 0,041
25 Freezer Horizontal 0,50 240 0,329 468 0,641
26 Freezer Vertical 0,25 240 0,329 468 0,641
27 Frigobar 0,08 240 0,329 468 0,641
28 Fritadeira Grande 5,00 104 0,142
29 Fritadeira Pequena 2,50 156 0,214
30 Refrigerador 0,25 216 0,296 280 0,384
31 Refrigerador Duplex 0,50 144 0,197 188 0,257
32 Lâmpada Externa Pot. 300 0,411 300 0,411 300 0,411
33 Lâmpada residencial interna Pot 60 0,082
34 Liquidificador 0,35 3 0,004 104 0,142
35 Máquina de lavar louça 1,50 15 0,021 78 0,107
36 Máquina de lavar roupas c/ Aquecimento 1,50 15 0,021 208 0,285
37 Máquina de lavar roupas s/ Aquecimento 0,40 15 0,021 208 0,285
38 Máquina Secadora de Roupas 1,10 15 0,021
39 Máquina Secadora de Roupas 5,00 156 0,214
40 Forno a Micro Ondas 1,20 7,5 0,011 78 0,107
41 Sauna Grande 12,00 208 0,285
42 Sauna Pequena 4,50 10 0,014 208 0,285
43 Secador de Cabelo 1,00 6 0,008 156 0,214
44 Aparelho Televisor 0,10 180 0,246 260 0,356
45 Torneira Elétrica 2,50 5 0,007
46 Torradeira Elétrica 2,50 5 0,007
47 Ventilador / Circulador 0,10 180 0,247 208 0,285
48 Aparelho de Vídeo Cassete 0,04 60 0,082 260 0,285
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 49 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 3 – Valores Unitários de Queda de Tensão em Tensão Secundária de Distribuição.

Valores Unitários de Queda de Tensão em BT para 100 kVA x m


Tensão 220/127 Volts 380/220 Volts 254/127 V 440/220 V
Nº fase 3F 2F 1F 3F 2F 1F 2F 1F 2F 1F
Cabos de Alumínio Nu
4 CA 0,3229 0,7245 1,9195 0,1079 0,2428 0,6395 0,4799 1,9195 0,1599 0,6395
2 CA 0,2156 0,5870 1,2811 0,0723 0,1626 0,4269 0,3203 1,2811 0,1067 0,4269
1/0 CA 0,1514 0,3407 0,8827 0,0507 0,1142 0,2941 0,2207 0,8827 0,0735 0,2941
2/0 CA 0,1255 0,2825 0,7404 0,0421 0,0947 0,2467 0,1851 0,7404 0,0617 0,2467
Cabos de Cobre Nu
16 CU 0,2637 0,5934 1,5698 0,0884 0,1989 0,5231 0,3925 1,5698 0,1308 0,5231
25 CU 0,1871 0,4210 1,1005 0,0627 0,1411 0,3667 0,2751 1,1005 0,0917 0,3667
35 CU 0,1445 0,3251 0,8548 0,0484 0,1090 0,2848 0,2137 0,8548 0,0712 0,2848
50 CU 0,1127 0,2536 0,6637 0,0378 0,0850 0,2211 0,1659 0,6637 0,0553 0,2211
70 CU 0,0904 0,2035 0,5299 0,0303 0,0682 0,1766 0,1325 0,5299 0,0441 0,1766
95 CU 0,0754 0,1696 0,4397 0,0253 0,0569 0,1465 0,1099 0,4397 0,0366 0,1465
Cabos Multiplexados de Alumínio
Mult 25 0,2390 0,6129 1,4342 0,0801 0,1802 0,4779 0,3585 1,4342 0,1195 0,4779
Mult 35 0,1816 0,4086 1,1897 0,0609 0,1369 0,3631 0,2724 1,1897 0,0908 0,3631
Mult 50 0,1356 0,3052 0,8141 0,0455 0,1023 0,2713 0,2035 0,8141 0,1356 0,2713
Mult 70 0,0970 0,2182 0,5820 0,0325 0,0731 0,1939 0,1455 0,5820 0,0485 0,1939
Mul 120 0,0621 0,1396 0,3725 0,0208 0,0468 0,1241 0,0931 0,3725 0,0310 0,1241
Cabos de Cobre Isolados para 1 kV Instalados em Eletroduto
35 1kV 0,1772 0,2638 0,7036 0,0393 0,0884 0,2345 0,1759 0,7036 0,0586 0,2345
50 1kV 0,0860 0,1935 0,5163 0,0288 0,0649 0,1721 0,1291 0,5163 0,0430 0,1721
70 1kV 0,0649 0,1461 0,3896 0,0218 0,0490 0,1298 0,0974 0,3896 0,0325 0,1298
95 1kV 0,0471 0,1060 0,2827 0,0158 0,0355 0,0942 0,0707 0,2827 0,0236 0,0942
120 1kV 0,0426 0,0959 0,2557 0,0143 0,0321 0,0852 0,0639 0,2557 0,0213 0,0852
150 1kV 0,0364 0,0819 0,2184 0,0122 0,0274 0,0728 0,0546 0,2184 0,0182 0,0728
240 1kV 0,0273 0,0614 0,1638 0,0091 0,0206 0,0546 0,0410 0,1638 0,0136 0,0546

Tabela 4– Estruturas Padronizadas para RDU

Estruturas Padronizadas para RDU


Estrutura Utilização Básica
N1 Utilizada em tangente e em alguns ângulos.
N2 Utilizada como fim de linha nas seções 4CAA,16mm²Cu e 25mm2 Cu.
N3 Utilizada em fim de rede onde os esforços superarem os pinos duplos.
N4 Utilizada para amarração da rede e em grandes ângulos.
B1 Utilizada em tangente e em pequenos ângulos em ruas de calçadas estreitas.
B2 Utilizada também em fins de linha estaiada, nas seções 4AWG e 25mm2.
B3 Utilizada em fim de linha quando a tração do cabo supera a resistência do pino de aço.
B4 Utilizada para amarração da rede e em ângulos onde os esforços superarem o do pino.
Chave Fu Derivação com Chave Fusível
Trafo 3Ø Transformador de Distribuição Trifásico
Trafo 1Ø Transformador de Distribuição Monofásico Com Retorno Pela Terra - MRT
Redes Instalação de Redes Aéreas nas Proximidades de Aeroportos

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 50 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 4– Estruturas Padronizadas para RDU

Conectores padronizados para uso em RDR

Principal Derivação Descrição do Conector Código


4/0 CAA 4/0CAA Conector impacto Al 4/0 – 4/0 AWG 2400003
4/0 CAA 2/0 CAA Conector impacto Al 4/0 – 2/0 AWG 2400009
4/0 CAA 1/0 CAA Conector impacto Al 4/0 – 1/0 AWG 2400013
4/0 CAA 2 CAA Conector impacto Al 4/0 – 2 AWG 2400002
4/0 CAA 4 CAA Conector impacto Al 4/0 – 4AWG 2400018
2/0 CAA 2/0 CAA Conector impacto Al 2/0 – 2/0 AWG 2400002
2/0 CAA 1/0 CAA Conector impacto Al 2/0 – 1/0 AWG 2400016
2/0 CAA 2 CAA Conector impacto Al 2/0 – 2 AWG 2400014
2/0 CAA 4 CAA Conector impacto Al 2/0 – 4AWG 2400015
1/0 CAA 1/0 CAA Conector impacto Al 1/0 – 1/0 AWG 2400014
1/0 CAA 2 CAA Conector Cunha Est. Branca / Azul 2401005
1/0 CAA 4 CAA Conector Cunha Est. Branca / Vermelha 2401006
2 CAA 2 CAA Conector Cunha Est. Branca / Vermelha 2401006
2 CAA 4 CAA Conector Cunha Est. Cinza 2401000
4 CAA 4 CAA Conector Cunha Est. Cinza 2401000
25mm² Cu 25mm² Cu Conector Cunha Est. Cinza 2401000
35mm² Cu 25mm² Cu Conector Cunha Est. Branca / Vermelha 2401006
70mm² Cu 25mm² Cu Conector impacto Al 2/0 – 4AWG 2400015
70mm² Cu 35mm² Cu Conector Paraf Br 95/95 2410030
70mm² Cu 70mm² Cu Conector Paraf Br 95/95 2410030
120mm² Cu 70mm² Cu Conector Paraf Br 120/120 2410013
120mm² Cu 95mm² Cu Conector Paraf Br 120/120 2410013
120mm² Cu 120mm² Cu Conector Paraf Br 120/120 2410013

Tabela 4 – Dimensionamento de Elos Fusíveis para Transformadores

Elo Fusível Potência dos Transformadores em kVA


3F-13,8 kV 3F-11.9 kV 2F-13,8 kV 2F-11,9 kV 1F-7,9 kV 1F-6,9 kV
0,5 h 5 - 10 -15 5 - 10 -15 3 – 5 -7,5-10 3 – 5 -7,5-10 3 – 5 - 7,5 3 – 5 - 7,5
1H 30 30 15 - 25 15 10 - 15 10
2H 45 45 30 25-30 - 15
3H 75 75 37,5 37,5 25 -
5H 112,5 112,5 30-37,5 25-30-37,5
6K 150 150 - - - -
8K 225 225 - - - -

NOTAS:
1 - Esta tabela foi calculada para atender transformadores com no máximo 3 horas de pico de demanda.
2 - Caso o pico de demanda ultrapasse 3 horas, deve ser instalado um elo com capacidade maior.
3 - Caso haja queima do elo por sobrecarga ou por características de cargas especiais (motores, aparelhos
de solda elétrica, etc.), o transformador deve ser substituído por outro de maior potência.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 51 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 5 – Planilha para Cálculo de Queda de Tensão

Cálculo da Queda de Tensão

Processo de Origem: Localidade:

Código do Transformador: Endereço:

Tensão Primária: Tensão Secundária: Alimentador: Subestação: Período da Carga:

Representação Gráfica do Circuito do Transformador

Trecho Carga no fim Momento Condutor Unitária do Queda de Tensão ( % )


Designação Extensão do trecho Elétrico projetado condutor No Trecho (%) Total (%)
no trecho
A→B Hectômetro kVA kVA x hm % / kVA x hm kVA x hm x Unit ∑ dos trechos

Dimensionamento do Transformador
Porte da Demanda Sub Total Cargas Comerciais kVA. Total
Quantidade Iluminação Pública
Residência Diversificad Residencial Tipo Demanda
Tipo A Quantidade
Tipo B Pot. Lâmp. kVA% -Trafo
Tipo C kVA da
Tipo D Iluminação

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 52 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO IV. TABELAS

Tabela 6 – Massa de Dados da Pesquisa que Definiu os Fatores Típicos.

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Extração de Minério 463 - 1850 0,46 0,61 0,74
Extração minerais de metais não ferrosos 215 -1530 0,38 0,55 0,83
Ext. de minerais para fabricação de prod. Químicos 74 - 165 0,22 0,70 0,89
Extração pedras e outros materiais para Construção 63 – 113 0,11 0,49 0,61
Extração pedras e outros materiais para Construção. 156 - 1163 0,32 0,37 0,39
Extração de sal 70 - 70 0,10 0,77 0,77
Extração de outros minerais não metálicos 94 - 180 0,19 0,49 0,52
1071 -
Extração de petróleo e gás natural 0,68 0,38 0,38
1071
Extração minerais radioativos 38 - 38 0,23 0,29 0,29
Aparelhamento de pedras para construção. 30 – 438 0,25 0,30 0,29
Aparelhamento de outras pedras. 30 - 438 0,25 0,30 0,55
Britagem de pedras. 56 - 1006 0,12 0,47 0,73
Fábrica de cal 71 - 519 0,26 0,52 0,81
Fábrica de telhas, tijolos e artigos de barro cozido 57 – 368 0,15 0,64 0,88
Fábrica de outros artigos de barro cozido 489 - 981 0,37 0,52 0,69
Fábrica de material cerâmico. 80 - 466 0,23 0,66 0,84
Fábrica de material cerâmico 613 - 1450 0,53 0,37 0,42
Fábrica de peças de cimento, gesso e amianto. 95 - 2000 0,43 0,62 0,64
Fábrica de elaboração de vidro e cristal 52 - 1766 0,27 0,31 0,54
Benef. e preparação de minerais não metálicos, 30 - 1250 0,85 0,39 0,49
Fábrica de produtos de minerais não metálicos- 80 - 1079 0,54 0,49 0,77
Fábrica de produtos de minerais não Classificados 130 - 3099 0,40 0,56 0,78
Produtos de ferro gusa. 123 - 652 0,17 0,29 0,41
Produtos de ligas de ferro em formas primárias 228 - 747 0,37 0,56 0,80
Produtos de canos e tubos em ferro ou aço 776 - 776 0,25 0,18 0,18
Produtos de arames de aço 200 - 200 0,36 0,76 0,76
Metalurgia de metais não ferrosos em form. primária 315 – 315 0,59 0,33 0,33
Prod. ligas de metais não ferrosos e de formas primárias 140 - 520 0,21 0,47 0,64
Prod canos e tubos de metais e ligas não ferrosos 582 - 1700 0,27 0,16 0,23
Prod. de moldes e peças fundidas não ferrosas. 394 – 1800 0,31 0,20 0,37
Produção de arames e ligas de metais não ferrosos. 255 – 1070 0,29 0,30 0,37
Metalurgia do pó 52 - 550 0,25 0,85 0,90
Fábrica de estruturas metálicas 110 - 1564 0,18 0,22 0,41
Fábrica de artigos tref. Ferro de aço de metais N.F. 186 – 359 0,18 0,26 0,41
Estamparia, funilaria e latoaria. 99 - 1151 0,42 0,29 0,59
Serraria, fábrica de tanques, e artigos de caldeireiro 151 – 519 0,19 0,29 0,59
Fábrica de ferramentas manuais e uso pessoal 255 – 1426 0,45 0,64 0,70
Fábrica de outros artigos de metal não especificado. 41 – 1146 0,26 0,43 0,86
Fábrica de máquinas motrizes não elétricas. 102 – 510 0,24 0,53 0,54
Fábrica de máquinas, aparelhos e equip. Industriais. 21 – 1650 0,33 0,60 0,71
Fábrica de peças e acess. para máquinas industriais 183 – 380 0,31 0,18 0,22
Fábrica de máquinas para criação de animais 60 – 3530 0,30 0,41 0,81
Fábrica de aparelho e equip. para inst. indust. e com. 839 – 938 0,35 0,19 0,34
Fábrica máquinas e aparelhos. para uso doméstico. 80 – 108 0,32 0,62 0,63
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 53 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Manutenção de máquinas. aparelhos industriais. 103 – 399 0,28 0,31 0,54
Fábrica de máq., aparelho. e equip. não especificado. 298 – 500 0,22 0,65 0,72
Fábrica de máquinas e aparelhos para energia elétrica 69 – 505 0,23 0,55 0,88
Fábrica de material elétrico 61 - 3584 0,19 0,28 0,45
Fábrica de lâmpadas 794 - 794 0,87 0,77 0,77
Fábrica de material elétrico para veículos 191 - 4146 0,42 0,45 0,46
Fábrica de aparelhos/peças p/ uso doméstico 845 – 991 0,37 0,75 0,93
Manutenção de máquinas e apar. eletrônicos indust. 674 – 674 0,52 0,21 0,21
Const. de embarcação e fabric. motores marítmos 101 – 1124 0,22 0,35 0,58
Reparação de embarcação e de motores marítimos. 165 -143 0,19 0,30 0,46
Reparação de veículos rodoviários 405 - 405 0,24 0,81 0,81
Fábrica de peças/ acess. para veículos automotores 165 - 878 0,28 0,53 0,88
Recondicionamento ou recuperação de motores. 112 - 364 0,27 0,34 0,40
Fábrica de carrocerias p/ veículos automotores 117 - 1822 0,19 0,19 0,26
Desdobramento da madeira 52 - 1187 0,22 0,40 0,74
Fábrica estrutura de madeira e artigos de carpintaria. 125 – 198 0,13 0,25 0,33
Fábrica de chapas e placas de madeira aglomerada.. 322.-3221 0,59 0,33 0,33
Fábrica artigos diversos de madeira 95 - 142 0,17 0,30 0,37
Fábrica de móveis de madeira vime e junco 24 - 613 0,20 0,40 0,55
Fábrica de móveis de metais ou com predominância- 74 – 2212 0,20 0,16 0,20
Fábrica de artigos de colchoaria 112 - 264 0,21 0,47 0,66
Fábrica e acabamento de móveis 108 – 505 0,21 0,25 0,47
Fábrica de celulose e de pasta mecânica 163 - 748 0,30 0,28 0,39
Fábrica de papel, papelão, cartolina e cartão 152 - 5726 0,42 0,52 0,64
Fábrica de artefatos de papel. 60 - 60 0,24 0,59 0,59
Fábrica de artefatos de papelão, cartolina e cartão 228 – 281 0,39 0,55 0,79
Fábrica artigos diversos de fibra prensada ou isolante 376 – 376 0,51 0,55 0,55
Indústria de borracha. 337 - 337 0,50 0,66 0,66
Beneficiamento de borracha natural 183 - 1663 0,35 0,47 0,63
Fabri.ca de pneumáticos e Câmaras-de-ar. 115 – 686 0,23 0,40 0,56
Recondicionamento de pneumáticos 63 - 104 0,23 0,59 0,85
Fabricação de laminados e fios de borracha 214 - 889 0,22 0,38 0,51
Curtimento e outras preparações de couros e peles 83 – 1460 0,33 0,31 0,43
Fábrica de malas, valises e artigos para viagem 106 – 121 0,21 0,72 0,77
Produção de compostos químicos 116-12149 0,39 0,47 0,76
1010-
Fábrica de combustíveis e lubrificantes. 0,37 0,58 0,84
22200
Fábrica de gás de hulha e nafta 846 - 862 0,78 0,57 0,61
Fábrica de asfalto 66 - 200 0,21 0,71 0,73
Fáb. de graxas lubrificantes e derivados de petróleo 192 – 255 0,40 0,26 0,38
Fábrica de explosivos, munições e detonantes, 714 – 714 0,29 0,24 0,24
Fábrica de fósforos de segurança 841 - 841 0,35 0,47 0,47
Prod. de óleos, gorduras e cêras vegetais e animais 19 – 19 0,25 0,48 0,49
Fábrica de concentrados aromáticos. 686-686 0,51 0,37 0,37
Fábrica de preparados para limpeza e polimento- 115-4354 0,42 0,44 0,59
Fábrica de tintas, vernizes e impermeabilizantes 91 – 225 0,21 0,42 0,77
Fábrica de adubos, corretivos e fertilizantes do solo 132-324 0,27 0,41 0,55
Fáb. de outros produtos químicos não especificados 85 – 321 0,49 0,81 0,83

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 54 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Fábrica de produtos farmacêuticos e veterinários 25 - 250 0,22 0,45 0,80
Fábrica de produtos de perfumaria 664 - 664 0,27 0,29 0,29
Fábrica de sabões, detergentes e glicerinas 128 - 260 0,20 0,48 0,50
Fábrica de sabões, detergentes e glicerinas 382 - 3033 0,35 0,40 0,44
Fábrica de artigos de material plásticos para indústrias 140 – 850 0,57 0,62 0,77
Fábrica artigos de material plástico, para uso doméstico 103 – 425 0,32 0,57 0,74
Fábrica Artigos de material plástico para uso doméstico 696 - 1981 0,68 0,43 0,47
Fábrica e acondicionamento de artigos de material
130 – 1089 0,39 0,65 0,90
plástico.
Fábrica de manilhas, canos, e conexões plásticas. 98 – 4060 0,40 0,39 0,47
Fábrica de outros artigos de material plástico, 185 – 850 0,31 0,53 0,82
Fábrica de estopa, e recuperação de resíduos têxteis 63 – 1909 0,40 0,27 0,49
Fiação, fiação de tecelagem e tecelagem 1455 -9417 0,71 0,43 0,59
Malharia e fabricação de tecidos elásticos 148 - 148 0,29 0,26 0,26
Fábrica de artigos de passamanaria, rendas e bordados 104 – 104 0,62 0,71 0,71
Fábrica de tecidos especiais, feltros e acabamentos 610 – 610 0,45 0,83 0,83
Fábrica de artefatos têxteis produzidos em tecelagens 150 – 194 0,29 0,83 0,88
Confecção de roupas e agasalhos 46 - 325 0,23 0,58 0,81
Confecções de roupas e agasalhos. 331 - 1050 0,33 0,40 0,44
Fabricação de chapéus 242 - 242 0,26 0,27 0,27
Fabricação de calçados 131 - 6224 0,35 0,44 0,80
Fabricação de acessórios do vestuário 231 - 231 0,58 0,21 0,21
Confecção outros artefatos de tecidos não especificados 113 – 491 0,33 0,31 0,53
Beneficiamento do café, cereais e produtos afins 32 - 405 0,14 0,37 0,56
1200 -
Moagem de trigo 0,56 0,61 0,69
3211
Torrefação e moagem de café 33 - 528 0,18 0,47 0,67
Fabricação de produtos de milho 46 - 145 0,28 0,51 0,80
Fabricação de farinhas diversas 72 - 2054 0,45 0,60 0,61
Benefic., moagem, e torref. de prod. alim.não espec. 74 – 265 0,26 0,41 0,68
Fábrica refeições em conservas, condimentos e doces 190 – 2025 0,30 0,31 0,46
Abate de animais 52 - 870 0,36 0,41 0,70
Preparação de conservas de carne 191 -780 0,44 0,46 0,63
Preparação de conservas de carne e salsichas 77 – 609 0,39 0,46 0,63
Preparação de pescados e fabricação de conservas. 186-2332 0,67 0,65 0,85
Preparação do leite e fabricação de laticínios. 130-1600 0,43 0,37 0,69
Fabricação de açúcar 465 - 2500 0,35 0,33 0,54
Refinação e moagem de açúcar 109 - 1513 0,45 0,34 ,056
Fabricação de balas, caramelos e achocolatados. 260-521 0,41 0,44 0,54
Fábrica de produtos de padaria, confeitaria e pastelaria 53 – 410 0,41 0,66 0,92
Fábrica de massas alimentícias e biscoitos 328 - 1261 0,42 0,65 0,85
Refinação de gorduras destinadas a alimentação. 42 – 1135 0,27 0,44 0,74
Fábrica de sorvetes, bolos e tortas geladas 92 - 92 0,68 0,89 0,89
Preparação de sal de cozinha 54 - 154 0,25 0,36 0,37
4227-
Fabricação de fermentos e leveduras. 0,52 0,52 0,52
44227
Fabricação de gelo 33 - 600 0,64 0,57 0,76
Fábrica de rações balanceadas para animais 308 – 1152 0,18 0,52 0,76
Fábrica de produtos alimentícios não especificados. 139 – 448 0,46 0,50 0,61
VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 55 de 79
Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Fábrica aguardente, licores e outras bebidas alcóolicas 55 - 1135 0,30 0,44 0,84
Fábrica de cervejas, chopes e malte 75 - 3406 0,48 0,46 0,48
Fábrica de bebidas não alcóolicas 117 - 2134 0,35 0,55 0,83
Engarrafamento e gaseificação de águas minerais 81 - 411 0,32 0,60 0,74
Destilação do álcool 860 - 4209 0,30 0,31 0,63
Fabricação de cigarros 195 - 2064 0,37 0,54 0,66
Fabricação de charutos e cigarrilhas 227 - 227 0,43 0,52 0,52
Impressão, edição, de jornais e outros periódicos 77 – 535 0,34 0,62 0,88
Impressão de materiais para propaganda 130 – 510 0,33 0,40 0,52
Fábrica de instrumentos e de materiais óticos 144 - 330 0,29 0,31 0,46
Fábrica de artigos de joalheria e ourivesaria 127 -127 0,22 0,31 0,31
Fabricação de brinquedos 100 - 100 0,13 0,73 0,73
Fabricação de outros artigos, não
33 – 1025 0,36 0,21 0,33
especificados/classificados
Geração e fornecimento de energia elétrica 217 - 217 0,21 0,37 0,37
Distribuição de gás 162 - 162 0,25 0,56 0,56
Tratamento e distribuição de água 67 - 759 0,60 0,51 0,63
Construção civil 40 - 897 0,30 0,37 0,47
Pavimentação, terraplanagem e construção de est. 82-140 0,24 0,73 0,86
Const. de obras de arte, viadutos, pontes, mirantes .etc. 255-328 0,28 0,23 0,28
Estações agrícolas 76 - 460 0,19 0,70 0,78
Estações agrícolas 464 - 1008 0,47 0,41 0,50
Extração vegetal 77 - 77 0,41 0,45 0,45
Criação animal, exclusive bovinocultura 38 - 521 0,38 0,55 0,83
Bovinocultura 20 - 255 0,18 0,33 0,59
Indústria rural 77 - 107 0,15 0,38 0,67
Coletividade rural 49 - 6203 0,52 0,22 0,44
Transportes aquaviários de passageiros e cargas 153 - 153 0,20 0,38 0,38
Administração portuária 51 - 4736 0,35 0,39 0,74
Transporte rodoviário 89 - 253 0,13 0,25 0,33
Transporte rodoviário de passageiro 110 - 168 0,42 0,53 0,83
Transporte rodoviário de carga 31 - 112 0,13 0,70 0,81
Garagem e parqueamento de veículos 75 - 172 0,40 0,27 0,30
Telegrafia, telefonia e correios. 20 - 1200 0,45 0,63 0,83
Radiodifusão e televisão 31 - 288 0,53 0,50 0,81
Estações de radiodifusão e televisão. 720 - 720 0,66 0,79 0,79
Serviço de jornalismo 31 - 473 0,58 0,64 0,75
Outros serviços de comunicações 25 - 648 0,44 0,74 0,84
Hotéis e motéis 40 - 123 0,31 0,59 0,72
Hotéis e motéis 140 - 500 0,46 0,48 0,84
Outros serviços de alojamento 97 - 100 0,36 0,46 0,63
Restaurantes e lanchonetes 20 - 131 0,34 0,63 0,70
Bares, botequins, cafés, confeitarias e sorveterias. 43 – 43 0,21 0,35 0,35
Serviços de higiene, barbearias, saunas lavanderias. 16-219 0,19 0,66 0,84
Serviços de engenharia, arquitetura e decoração 65 - 630 0,34 0,43 0,72
Assistência médica, odontológica e veterinária- 43 - 191 0,19 0,46 0,91
Hospitais e casas de saúde 33 - 1063 0,38 0,43 0,85
Laboratórios radiológicos 10 - 70 0,23 0,58 0,83

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 56 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Laboratórios e análise clínicas 111 - 193 0,36 0,50 0,71
Estabelecimentos privados de ensino do 1o. Grau 35 - 119 0,24 0,78 0,86
Estabelecimentos privados de ensino do 2o. Grau 26 - 373 0,35 0,40 0,79
Estabelecimentos privados de ensino superior 40 - 455 0,20 0,46 0,88
Estabelecimentos privados de ensino integrado- 55 - 237 0,18 0,44 0,61
Estabelecimentos privados de cursos livres 66 - 79 0,18 0,42 0,63
Outros estabelecimentos particulares de ensino. 45 - 332 0,19 0,50 0,78
Turismo e agências de viagens 62 - 520 0,21 0,35 0,48
Serviços auxiliares do comércio de mercadorias. 83 - 850 0,49 0,62 0,65
Armazéns gerais do trapiches 34 - 630 0,25 0,55 0,88
Publicidade e propaganda 412 - 412 0,64 0,61 0,61
Locação de bens móveis 130 - 130 0,16 0,54 0,54
Serviço de processamento de dados 86 - 908 0,45 0,60 0,65
Serviços de consultoria a organizações comerciais. 72 – 72 0,25 0,56 0,56
Serviços de fotografia, aerofotogrametria e correlatos. 74 – 74 0,25 0,91 0,91
Outros serviços comerciais não classificados. 36-225 0,34 0,23 0,40
Cinemas e teatros 70-149 0,24 0,63 0,90
Cinemas e teatros 170-636 0,31 0,25 0,46
Outros serviços de diversões não relacionados. 20 – 543 0,27 0,48 0,70
Escritório de empresa de extração de minerais. 59-59 0,27 0,84 0,84
Escritório. de empresa de produção de minerais não
52 – 527 0,36 0,77 0,79
metálicos
Escritório de empresas da indústria metalúrgica. 58 - 60 0,31 0,61 0,93
Esc. De empresa da indústria de borracha. 175 - 175 0,29 0,57 0,57
Escritório de empresa da indústria química. 116 - 552 0,31 0,44 0,60
Escritório de empresa da indústria têxtil. 102 - 102 0,35 0,75 0,75
Escritório de empresa da indústria de produtos.
155 – 155 0,35 0,46 0,46
alimentares
Escritório. de empresa da indústria de utilidade pública 183 – 305 0,27 0,79 0,90
Escritório de empresa da indústria de construção. 46 - 153 0,24 0,52 0,73
Escritório de empresa de indústria div. Não especificada 75 – 75 0,25 0,56 0,56
Escritório de empresa de serviço de transporte. 119 - 119 0,62 0,63 0,63
Escritório de empresa de serviços de comunicações. 973 - 973 0,30 0,36 0,36
Escritório de empresa de serviço de alojamento e
164-164 0,29 0,72 0,72
alimentação.
Escritório de empresa de serviços comerciais. 100 - 584 0,29 0,72 0,85
Escritório de empresa de entidade financeira. 2400 -2400 0,38 0,22 0,22
Escritório de empresa de comércio varejista. 115 - 115 0,34 0,86 0,86
Escritório de empresa de atividade não classificada. 60 – 332 0,22 0,69 0.76
Bancos comerciais e caixas econômicas 24 - 240 0,29 0,70 0,96
Bancos comerciais e caixas econômicas. 251 - 2735 0,36 0,58 0,83
Bancos e empresas de crédito, e financiamento. 53-143 0,22 0,58 0,77
Empresa de crédito imobiliário. 68 - 560 0,32 0,75 0,81
Empresa corretora de títulos e valores. 671 - 671 0,22 0,00 0,00
Empresa de seguros 567 - 567 0,54 0,63 0,63
Comércio atacado de ferro e produtos metalúrgicos. 31 – 84 0,23 O,57 0,64
Com. atac. máquinas, aparelhos e equip. para a ind. e
57-222 0,24 0,39 0,45
agrop.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 57 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Com. atac. Máq, aparelh. e equip. para uso com. profic./
76-116 0,28 0,59 0,67
dom..
Comércio atacadista de veículos. 112 - 112 0,31 0,73 0,73
Com. Atacadista de acessórios para veículos. 62 - 62 0,20 0,61 0,61
Com. atac. móveis, artigos de habitação e de util.
50 - 50 0,21 0,38 0,38
doméstica.
Comércio atacadista de produtos químicos e
80 - 225 0,37 0,54 0,63
farmacêuticos
Com. Atacadista de combustível e lubrificantes. 67 - 1438 0,22 0,51 0,74
Comércio atacadista de tecidos e fios têxteis. 85 - 507 0,26 0,00 0,00
Comércio atacadista de artigos de vestuário. 130 - 130 0,34 0,75 0,75
Comércio atacadista de frutas e legumes. 361 - 693 0,56 0,42 0,51
Comércio atacadista de leite e derivados. 35 - 64 0,39 0,55 0,59
Comércio atacadista de carnes, pescados e animais
54 - 126 0,48 0,83 0,86
abatidos
Comércio atacadista de carnes, pescados e animais
192 - 650 0,25 0,62 0,72
abatidos
Comércio atacadista de produtos alimentícios diversos 232 - 637 0,66 0,70 0,73
Comércio atacadista de bebidas, refrigerante e água
82 - 105 0,27 0,65 0,72
mineral
Comércio atacadista de cigarro fumos e artigos de
95 - 95 0,33 0,83 0,83
tabacaria
Com. atacadista de merc. em geral, com prod.
106 - 137 0,30 0,65 0,87
alimentícios
Com. atacadista de artigos usados e sucata 14 - 14 0,26 0,67 0,67
Empresa comerciais exportadoras 42 - 42 0,72 0,60 0,60
Com. varejista de ferragens, produtos metalúrgicos,
60 - 204 0,29 0,54 0,94
artigos sanitários materiais de construção elétrico
Comércio varejista de máquinas e aparelhos elétricos 178 - 178 0,31 0,98 0,98
Comércio varejista de veículos. 61 - 673 0,31 0,51 0,63
Comércio varejista de veículos e acessórios. 32 - 188 0,26 0,62 0,89
Comércio varejista de acessórios p/ veículos 89-89 0,33 0,48 0,48
Com. varej. de móveis, artigos de habit. e de util.
54 - 309 0,29 0,62 0,78
doméstica
Com. varej de livros, papel, impressos e artigos de
66 - 66 0,22 0,88 0,88
escritório
Comércio varejista de produtos químicos e farmacêuticos 86-165 0,25 0,56 0,57
Com. Varejista de combustível e lubrificantes. 49 - 150 0,34 0,57 0,74
Com. Varejista de gás liqüefeito de petróleo. 112 - 731 0,35 0,53 0,63
Comércio varejista de tecidos 73 -220 0,29 0,76 0,97
Comércio varejista de artigos de vestuário 50 - 276 0,30 0,70 0,98
Comércio varejista de carnes e peixes 58 - 171 0,58 0,63 0,78
Mercearias, armazéns e padarias. 38 - 38 0,31 0,34 0,34
Supermercados 36 - 932 0,49 0,70 0,98
Magazines 106 -765 0,33 0,62 0,87
Joalharia, relojoaria, artigo de ótica, material. Foto e
123 - 290 0,37 0,76 0,80
Cinemat
Comércio varejista de artefatos de borracha e plástico 70 - 70 0,25 0,57 0,57
Comércio varejista de couro e artefatos, exclusive
993-933 0,42 0,44 0,44
calçados.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 58 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

Fator Fator de
Carga (kW)
DESCRIÇÃO de Demanda
instalada
carga Típico Máximo
Comércio varejista de prod. não espec. ou não
35 - 1050 0,26 0,62 0,82
classificados
Compras e vendas de bens imóveis 61 - 182 0,36 0,56 0,82
Administração de imóveis 44 - 152 0,26 0,43 0,70
Comercial - serviço 45 - 150 0,47 0,45 0,59
Atividades não especificadas. ou não classificadas 72 - 500 0,22 0,42 0,64
Cooperativas de produção 117 - 408 0,21 0,28 0,30
Cooperativas de benef., indust. e comercialização 29 - 380 0,36 0,54 0,71
Cooperativas de compra e venda 107 - 130 0,20 0,59 0,63
Outras cooperativas não especificadas ou não
142 - 142 0,17 0,70 0,70
classificadas
Fundação beneficentes, religiosas e assistenciais 93 - 106 0,23 0,79 0,79
Fundações culturais, científicas e educacionais 90 -237 0,26 0,37 0,55
Outras fundações 114 - 114 0,21 0,80 0,80
Entidades religiosas. 73 - 108 0,31 0,51 0,59
Associações culturais, científicas e educacionais 134 - 134 0,18 0,39 0,39
Associações esportivas e recreativas. 21 - 245 0,24 0,59 0,85
Associações de empregadores 145 - 451 0,28 0,68 0,70
Associações de empregados 89 - 89 0,27 0,61 0,61
Assoc. de autônomos e profissionais liberais 286 - 286 0,25 0,14 0,14
Outras associações 93 - 493 0,13 0,51 0,88
Sindicatos de empregadores do setor secundário 109 - 109 0,26 0,63 0,63
Sindicatos de empregadores do setor terciário 60 - 60 0,30 0,69 0,69
Sindicato de empregados do setor terciário 123 - 123 0,24 0,53 0,53
Administração direta federal 25 - 1143 0,23 0,54 0,77
Irrigação federal 113 - 113 0,21 0,18 0,18
Administração direta estadual 9 - 1050 0,37 0,48 0,81
Administração autárquica estadual 150 - 2040 0,42 0,32 0,49
Administração direta municipal 67 - 482 0,32 0,49 0,80
Outros meios de transporte 1094 -1094 0,39 0,37 0,37
Tratamento e distribuição 22 - 3320 0,73 0,55 0,70
Esgoto 237 - 607 0,50 0,34 0,41
Saneamento 130 - 920 0,38 02,60 0,66
Fornecimento grosso para revenda 156 - 156 0,70 0,51 0,51
Residencial casa 58 - 58 0,24 0,45 0,45
Residencial serviço 40 - 443 0,34 0,20 0,51
Residencial vila operária 27 - 27 0,06 0,39 0,39

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 59 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO V. GRÁFICOS

GRÁFICO 1 - CURVA DE CORREÇÃO DA DEMANDA EM FUNÇÃO DA MELHORIA DA TENSÃO – 127V

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 60 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO V. GRÁFICOS

GRÁFICO 2 - CURVA DE CORREÇÃO DA DEMANDA EM FUNÇÃO DA MELHORIA DA TENSÃO – 220V

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 61 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO V. GRÁFICOS

GRÁFICO 03 - VARIAÇÃO DO MOMENTO RESISTENTE DOS POSTES DT

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 62 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 1 - AFASTAMENTOS MÍNIMOS

g e h (espaçamento sem cruzeta de ramal)


b

h
c
b

g
e

NEUTRO

FASE A

FASE B

FASE C 1.400 mín.


CONTROLE

FAIXA DE
máx.
500

100
mín.

OCUPAÇÃO

CABO TELEFÔNICO
5.700 máx.

REDE TELEFÔNICA
5.000 mín.

No caso de cotas mínimas entre diferentes níveis de cruzeta, os valores devem ser mantidos também entre
partes energizadas, independentemente do tipo de estrutura, conforme tabela 4.

AFASTAMENTOS MÍNIMOS(mm)
TENSÃO k ≤ 2500 k > 2500
a b c e g h i j
(kV) d f d f
15 150 500 800 800 800 800 200 600
350 150 500 200 100
36,2 150 700 900 1000 900 200 600
0

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 63 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 2 - AFASTAMENTOS DE CONDUTORES A EDIFICAÇÕES

A
B

A
B
FIG. a FIG. b
Afastamento vertical entre o
piso da sacada e os condutores

A A A

B
B B

FIG. c FIG. d FIG. e


Afastamento horizontal entre os condutores Afastamento horizontal entre os condutores e
e a parede dos edifícios as sacadas dos edifícios

AFASTAMENTOS MÍNIMOS - mm AFASTAMENTOS MÍNIMOS - mm


PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO SÓ PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO
SÓ PRIMÁRIO SÓ PRIMÁRIO
FIG. PRIMÁRIO SECUND. FIG. SECUND. PRIMÁRIO SECUND.
A A
N° A B N° B A B
13,8 kV 34,5 kV - 13,8 kV 34,5 kV - 13,8 kV 34,5 kV - 13,8 kV 34,5 kV -
a 1.000 1.200 500 1.000 1.200 - c 1.000 1.200 1.000 1.000 1.200 -
b 3.000 3.200 2.500 - - 2.500 d 1.500 1.700 1.200 1.500 1.700 -
e 1.500 1.700 1.200 1.500 1.700 1.200

NOTAS:
a) - Se os afastamentos verticais das Figuras a e b não puderem ser mantidos, exigem-se os afastamentos horizontais das
das Figuras d e e.
b) - Se o afastamento vertical entre os condutores e as sacadas exceder as dimensões das Figuras a e b, não se exige o
afastamento horizontal da borda da sacada das Figuras d e e, porém o afastamento da Figura c deve ser mantido.
c) - Se não for possível manter os afastamentos especificados neste desenho, todos os condutores cuja tensão exceda 300V,
fase terra, devem ser protegidos de modo a evitar contato acidental por pessoas em janelas, sacadas, telhados ou cimalhas.
d) - Os afastamentos especificados neste desenho se aplicam a redes apoiadas em postes.
e) - As cotas acima são valídas tanto para postes de seção DT como para seção circular.
f) - Para se obter o valor de B, se necessário, deve ser usado afastador de armação secundária, para as Figuras c, d e e.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 64 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 3 - AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRES CIRCUITOS DIFERENTES

34.500 V

15.000 V

600 V

900

800

34500V 900

1.000
800
600

1.800
15000V

1.500
600

600V

COMUNICAÇÃO

NOTA:
Os valores das cotas indicadas são para as situações mais desfavoráveis de flecha.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 65 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 4 - AFASTAMENTOS MÍNIMOS – CONDUTOR AO SOLO

34.500 V

15.000 V

600V

COMUNICAÇÃO E
CABOS ATERRADOS
6.000

6.000

9.000

9.000

7.000

7.000

5.000

5.500

6.000

6.000

4.000

4.000

6.000

6.000

3.000

3.500

5.500

5.500
6.000

6.000

Solo
FERROVIAS RODOVIAS RUAS ENTRADAS DE RUAS E VIAS
AVENIDAS PRÉDIOS E DEMAIS EXCLUSIVAS
LOCAIS DE USO A PEDESTRES
RESTRITO A VEÍCULOS

NOTAS:
a) Em ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis a distância mínima do condutor ao boleto dos trilhos é de 12 m para 13,8 kV, 23 kV
e 34,5 kV.
b) Os valores indicados pelas cotas são para as condições de flecha máxima (50° C).

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 66 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 5 - AFASTAMENTOS MÍNIMOS – RAMAL DE LIGAÇÃO

5.500

3.500

- Local de trânsito de veículos.

- Local de circulação de pedestres.

- Piso.
4.000

Local de passagem de veículo.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 67 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 6 - FUNDAÇÃO NORMAL PARA POSTES

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 68 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 7 – FUNDAÇÃO ESPECIAL PARA POSTES

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 69 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 8 – DIMENSIONAMENTO DE PARAFUSOS - POSTE DE 9 M

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 70 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 9 – DIMENSIONAMENTO DE PARAFUSOS PARA POSTES DT DE 11 METROS

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 71 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 10 – DIMENSIONAMENTO DE CINTAS PARA POSTES TIPO R DE 9 METROS

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 72 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 11 – DIMENSIONAMENTO DE CINTAS PARA POSTES TIPO R DE 11 METROS

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 73 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 12 – DIMENSIONAMENTO DE CINTAS PARA POSTES TIPO R DE 12 METROS

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 74 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 13 – CARACTERÍSTICAS DOS POSTES DT

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 75 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 14 – CARACTERÍSTICAS DOS POSTES TIPO R

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DOS POSTES TIPO R


Diâmetro (mm)
tem Comprimento(m) Resistência Nominal (daN) Massa )kg)
Topo Base
01 200 Tipo R-1 150 330 670
02 400 Tipo R-2 170 350 740
03 9 metros 600 Tipo R-3,5 200 380 910
04 800 Tipo R-4,5 220 400 990
05 1000 Tipo R-5 230 410 1100
06 200 Tipo R-1 150 370 910
07 400 Tipo R-2 170 390 990
08 600 Tipo R -3,5 200 420 1210
09 11 metros 800 Tipo R-4,5 220 440 1310
10 1000 Tipo R-5 230 450 1450
11 1500 Tipo R-8 290 510 1760
12 2000 Tipo R-
13 400 Tipo R-2 170 410 1130
14 600 Tipo R-3,5 200 440 1370
15 1000 Tipo R- 5 230 470 1640
12 metros
16 1200 Tipo R-6,5 260 500 1810
17 1500 Tipo R-8 290 530 1980
18 2000 Tipo R-
19 600 Tipo R-3,5 200 460 1540
13 metros
20 1000 Tipo R-5 230 490 1840
21 600 Tipo R-3,5 200 520 2040
16 metros
22 1000 Tipo R-5 230 550 2490

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 76 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 6 – USO DE FUROS DA REDE PRIMÁRIA NOS POSTES DT

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 77 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 7 – USO DE FUROS DA REDE SECUNDÁRIA NOS POSTES DT

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 78 de 79


Norma
Elaboração de Projeto de Rede de Distribuição Aérea Urbana

ANEXO VI. FIGURAS

FIGURA 8 – LIMITES DE APROVEITAMENTO NAS PROXIMIDADES DE AEROPORTOS.

VR01.02-01.001 5ª Edição 30/07/2013 79 de 79