Você está na página 1de 42

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA – UCB

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA


PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO
PLANO DE ENSINO

I - IDENTIFICAÇÃO

Curso: Mestrado em Direito.


Disciplina: Direito Ambiental Internacional – Disciplina da Linha de Pesquisa 2 –
Optativa.
Créditos: 3
Professor: Antônio Souza Prudente
Carga Horária: 45 horas/aula
Titulação: Mestre e Doutor em Direito Público – Ambiental

II - EMENTA
1- Conceito e Fontes do Direito Ambiental Internacional. A Emergência do Direito
ambiental Internacional. 2 – A Ordem Internacional e o meio Ambiente. 3 – Os
Grandes Temas do Direito Ambiental Internacional. 4 – A Poluição
Transfronteiriça da atmosfera. 5 – A Proteção da Diversidade Biológica. 6 –
Meio Ambiente e Direitos Humanos numa Perspectiva Integral. 7 – A
Cooperação Internacional para a Defesa do Meio Ambiente. 8 – A Tutela
Constitucional do Meio Ambiente na Perspectiva do Direito Internacional
Comparado. 9 – Sistema Tributário e Meio Ambiente na Perspectiva de uma
Tributação Ecologicamente Equilibrada. 10 – A Tutela Processual dos
Interesses Difusos Ambientais e a Técnica da Tutela de Urgência e de Coragem
na Defesa Adequada do Meio Ambiente.

1
III - CONTEÚDO
1ª Aula: Conceito e Fontes do Direito Ambiental Internacional.
A Emergência do Direito Ambiental Internacional.
1.1 – Educação ambiental e desenvolvimento sustentável, como
princípios fundamentais na proteção internacional do meio
ambiente.
1.2 – Os Tratados e convenções internacionais.
1.3 – Os atos das organizações intergovernamentais.
1.4 – Os princípios gerais do direito.
1.5 – Os princípios fundamentais do direito ambiental internacional.
1.6 – Os costumes internacionais.
1.7 – A doutrina internacional.
1.8 – A jurisprudência internacional.
2ª Aula: A Ordem Internacional e o Meio Ambiente.
1.1 - Antecedentes históricos.
1.2- Conferências das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e
desenvolvimento sustentável.
1.2.1 – A Conferência de Estocolmo sobre Meio Ambiente, de 1972.
1.2.2 – A Conferência do Rio de Janeiro sobre meio ambiente e
desenvolvimento – Eco/92.
I – O Relatório Brundtland e a Resolução nº 44/228 da
Assembléia Geral das Nações Unidas.
II – A Agenda 21 e as Convenções sobre a mudança de
clima e a biodiversidade.
1.2.3 – A Cúpula Mundial para o desenvolvimento sustentável, na
África do Sul, em 2002.
I – A implementação da Agenda 21.
II – Rio + 10.
3ª Aula: Os Grandes Temas do Direito Ambiental Internacional.

2
1.1 – Os megaespaços ambientais.
1.2 – Poluições Industriais e Movimentos Transfronteiriços de Resíduos
Perigosos.
1.3 – Proteção internacional da Flora, Fauna e Pesca e o combate à
desertificação ambiental.
4ª Aula: Espaços Marítimos e Oceânicos e a Proteção dos Rios, Lagos e
Bacias Internacionais.
1.1 – A Tutela das águas no Direito Ambiental Internacional.
1.2 – Utilização pacífica da energia nuclear e desarmamento.
1.3 – Responsabilidade civil por danos ao meio ambiente, na dimensão
do Direito Ambiental Internacional.
5ª Aula: A Poluição Transfronteiriça da Atmosfera
1.1 – A convenção de Viena para proteção da Camada de ozônio.
1.2 – Protocolo de Montreal sobre Substâncias que destroem a camada
de ozônio.
6ª Aula: O Protocolo de Quioto e a Proteção da camada de ozônio.
1.1 – Chuva ácida e poluição radioativa.
1.2 – A Convenção – Quadro sobre mudança do Clima.
1.3 – Mudanças Climáticas globais e a degradação da biodiversidade.
7ª Aula: A Proteção da Diversidade Biológica.
1.1– A importância da biodiversidade no contexto dos interesses difusos
ambientais.
1.2 - Biopirataria, biodiversidade e sustentabilidade.
1.3 - Os povos indígenas e a diversidade biológica.
8ª Aula: A Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica.
1.1 – Biodiversidade e biotecnologia.
1.2 – Fundamentos da análise de risco.
1.3 – Segurança ambiental.
1.4 – Agrossistemas Transgênicos.
1.5 – O princípio da precaução e o Protocolo de Cartagena.

3
9ª Aula: Meio Ambiente e Direitos Humanos numa Perspectiva Integral.
1.1 – Direitos fundamentais e meio ambiente.
1.2 – A Tutela do meio ambiente no sistema interamericano de proteção
dos direitos humanos.
1.3 – Melhoria das condições de vida da pessoa humana e a erradicação
da pobreza.
1.4 – A pobreza humana como fator de degradação ambiental.
10ªAula: A saúde como fator determinante do meio ambiente ecologicamente
equilibrado.
1.1- Educação ambiental como processo político de formação das
cidadanias: Ecocidadania.
1.2- A Tutela constitucional do meio ambiente familiar como direito
humano fundamental.
1.3- As questões sociais na pauta da Conferência do Rio/92.
11ª Aula: A Cooperação Internacional para a Defesa do Meio Ambiente.
1.1- Relacionamento entre normas internacionais de proteção ambiental
e o direito ao comércio internacional.
1.2- O comércio ilegal e legal das espécies ameaçadas de extinção.
1.3- Convenção sobre comércio internacional das espécies da flora e da
fauna selvagem em perigo de extinção.
1.4- A Tutela internacional dos bens naturais brasileiros e as Unidades
de Conservação da Natureza de proteção integral.
12ª Aula: O Desenvolvimento Sustentável na Perspectiva dos Direitos
Humanos e do Direito Ambiental Internacional.
1.1 – A Tutela internacional do meio ambiente no MERCOSUL.
1.2 – A Cooperação internacional na Tutela penal do meio ambiente e
os sistemas de informação ambiental.
13ª Aula: A Tutela Constitucional do Meio Ambiente na Perspectiva do
Direito Internacional Comparado.

4
1.1 – A proteção do meio ambiente, na dimensão difusa da Constituição
Federal do Brasil, de 1988.
1.2– A Tutela do meio ambiente no Direito Constitucional Português.
1.3 – O Direito Constitucional do Ambiente na visão política-comunitária
da União Européia.
1.4 – O Direito fundamental ao meio ambiente equilibrado, na
perspectiva da Carta Ambiental da França, de 2005.
14ª Aula: Sistema Tributário e Meio Ambiente, na perspectiva de uma
Tributação Ecologicamente Equilibrada.
1.1 – Princípios Tributários e ambientais.
1.2 – A extrafiscalidade da Tributação ecológica.
1.3 – Sistema Tributário vigente no Brasil e o direito fundamental ao
meio ambiente protegido.
1.4 – Os Tributos ambientais no sistema tributário nacional e a política
nacional do meio ambiente.
1.5- A tributação ecológica na perspectiva das Convenções
Internacionais.
15ª Aula: A Tutela Processual dos Interesses Difusos Ambientais e a Técnica
da Tutela de Urgência e de Coragem na Defesa Adequada do Meio
Ambiente.
1.1 – As class actions do sistema anglo-saxão.
1.2 – O devido processo legal coletivo.
1.3 – Legitimação ordinária e extraordinária nas ações coletivas e sua
repercussão na coisa julgada.
1.4 – Tutela jurisdicional inibitória do risco de dano ambiental como
instrumento de eficácia do princípio da precaução.
1.5 – O direito à Tutela jurisdicional efetiva na perspectiva dos direitos
fundamentais.
1.6 - Tutela jurisdicional de urgência e de coragem em defesa do meio
ambiente saudável e a técnica processual de antecipação de

5
tutela específica na determinação oficial.
1.7 – A eficácia da coisa julgada coletiva na dimensão do interesse
difuso ambiental.

IV – METODOLOGIA.
O Curso será ministrado com o aproveitamento das experiências vivenciadas
pelos estudantes e professores, tendo como principais estratégias as aulas
expositivas, apresentação de seminários, discussão de textos doutrinários e
jurisprudências, debates de questões ambientais emergentes e contemporâneas,
apresentação de palestras e de resenhas críticas e a elaboração de uma
monografia jurídica sobre tema de relevância para o Direito Ambiental
Internacional.

V – AVALIAÇÃO.
As avaliações serão feitas de forma continuada, utilizando-se da colaboração
dos alunos, sob a orientação do professor responsável pela disciplina, com
envolvimento em discussão e debates, fichamento de textos, elaboração de
resenhas e apresentação final de forma escrita e oral de uma monografia jurídica
sobre tema relevante do Direito Ambiental Internacional, com o mínimo de 30
páginas, nos padrões da metodologia científica do Direito.

VI – REFERÊNCIAS.

1- AUTORES ESTRANGEIROS

ACOT. Pascal. História da ecologia. Trad. Carlota Gomes. Rio de Janeiro:


Campus,1990.
AGUADO Paz M. De la Cuesta. Derecho penal del medio ambiente, Madrid:
Trotta.1997.
AGUILA, Rafael Hernández del. La crisis ecologica. Barcelona: Laia, 1989.
ALBAMONTE, Adalberto. Danni all’ambiente e responsabi!ità civile. Padova: Cedam,
1989.
ALEXY, Robert. Teoría de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estudios
Constitucionales, 1993.
________.A theory of constitucional rights. Tradução de Julian Rivers. Oxford: Oxford

6
University Press, 2002. p. 365.
ALIBRANDI, Tommaso e FERRI, Pier Giorgio. Il diritto dei beni culturali — La
protezione del patrimonio storico artistico. Roma: La Nuova Italia Scientifica,1988.
ALLABY, Michael. Oxford Dictionary of Ecology. 2. ed. United Kingdom:
Oxford University Press, 2004.
ALSINA. Jorge Bustamante. Derecho ambiental fundamentación y normatividd.
Buenos Aires: Abdedo-Perrol, l995
ÁLVAREZ, Luis Ortega (dir.). Lecciones de derecho dei medio ambiente. 3. ed. Valla
dolid/Espauha: Lex Nova, 2002.
BACHELET, Michel. Ingerência ecológica: Direito Ambiental em questão. Lisboa:
Instituto Piaget, 1997 (Coleção O Direito e os Direitos do Homem).
BALLETTA, Maurizio; PILLON, Barbara. Il danno ambientale. Napoles: Esselibri, 2001.
BERNSDORF. Positivierung des Umweltschutzs im Grundgesetz. In: Natur und Recht,
1997.
BETZ, F.S., Hammond, B.G. e Fuchs, R.L. 2000. Safety and advantages of Bacillus
thuringiensis-protected plants to control insect pests. Regulatory Toxicology 32:
156-173.
BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Trad. Carlos Nelson Coutinho. 7. Reimpr. Rio de
Janeiro: Campus, 1992.
BORN, Rubens Harry. A articulação do capital social pelo movimento ambientalista
para a sustentabilidade do desenvolvimento no Brasil. In: TRIGUEIRO, André
(coord.). Meio ambiente no século XXI: 21 especialistas falam da questão ambiental
nas suas áreas de conhecimento. Rio deJaneiro: Sextante, 2003.
BRIGANTI, Ernesto. Danno ambientale e tutela giuridica. Padova: Cedam, 1987.
BRUSCHI, Sandro. Valutazione dell’impatto ambientale. Roma: Edizioni delle Au-
tonomie, 1984.
CACCIN. Ricardo. Ambiente e sua protezione. 2 ed. Padova: Cedam, 1988.
CALLENBACH, Ernest; CAPRA. Fritjof; GOLDMAN Lenore; LUTZ, Rüdiger, MARBURG,
Sandra. Gerenciamento ecológico – Ecomanagement. Trad. Carmen Youssef.
São Pauto: Cultrix, 1993.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. A responsabilidade por danos ambientais:
aproximação juspublicista. In: AMARAL, Diogo Freitas. Direito do ambiente.
Oeiras: INA, 1994.
________.Direito constitucional e teoria da constituição. 4. ed. Coimbra: AImedina,
2000.
________.Direito público do ambiente. Coimbra: Faculdade de Direito de Coimbra,
1995.
________.Introdução ao direito do ambiente. Lisboa: Universidade Aberta, 1998.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MOREIRA, Vital. Constituição da República
Portuguesa anotada. 3. ed. Coimbra: Coimbra Ed., 1993.
CANOTILHO, Jose Joaquim Gomes. Estado constitucional ecológico e democracia
sustentada. In: FERREIRA. Heline Sivini; LEITE, José Rubens Morato. Estudos de
direito ambiental: tendências Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
________.Proteção do ambiente e direito de propriedade. Coimbra: Coimbra
Ed.,1995.
CAPELLA, Vicente Bellver. Ecología: de las razones a los derechos. Granada:
Ecorama, 1994.
CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma compreensão científica dos sistemas vivos. São
Paulo: Cultrix, 1996.
7
CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão cientifica dos sistemas
vivos. São Paulo: Cultrix, 1997.
_______.As conexões ocultas ciência para uma vida sustentável. São Paulo:
Cultrix, 2002.
_______.Alfabetização ecológica: o desafio para a educação do século 21. In: TRI--
-GUEIRO, André (coord.). O meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da
questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
CARAVITA, Beniamino. Díritto pubblico delI’ambiente. Bologna: Il Mulino. 1990.
CASTELLS. Manuel. A questão urbana. Trad. Arlene Caetano. São Paulo: Paz e Terra,
2000.
CATENACCI. Mauro. La tutela penale dell’ambiente. Milano: Cedam, 1996.
CECCHETTI, Marcello. Principi costituzionali per la tutela dell”ambiente. Milano:
Giuffre, 2000. p. 85- 116.
CESARIO. Ernesto. Danno ambientale e tutela jurídica. Padova: Cedam, 1987.
CICALA, Francesco Bernardino. La tutela dell’ambi ente diritto amministrativo,
penale e civile. Turim, 1977.
CICALA, Mario. La tutela dell’ambiente. Turim: Utet 1976.
________.Tutela deIl’ambiente e pianificazione urbanistica. Padova. Cedam. 1990.
CONTI, Giorgio. La valutazione di impactro ambientale. Padova: Cedam, 1990.
CRAIG, Paul. La encrucijada constitucional de la Unión Europea. Madrid: Civitas,
2002.
DAUSSET, Jean. Préface. In: SMETS, Henri. Le droit à I'eau. Paris: Conseil Européen
du Droit de I'Environment, 2002.
DELMAS-MARTY. Mireille. Acesso a humanidade em termos jurídicos. In MORIN,
Edgar (org.). A religação dos saberes. o desafio do século XXI. 2 ed. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
________.Trois défis pour un droit mondial. Paris: Semi, 1998.
DESPAX, Michel. Droit de l’environnement. Paris: Librairies Techniques, 1980
DORST, Jean. Antes que a natureza morra, Trad. Rita Buongermino. São Paulo:
Edgard Blucher, 1973.
DUSSEL, Enrique. Ética comunitária. Trad.Jaime Clasen 3. ed. Petrópolis Vozes,1994.
ERICKSON,John. Nosso planeta esta morrendo. Trad. José Carlos Barbosa dos Santos.
São Paulo: Makron, McGraw-Hill. 1992.
ESTRUCH, J.J., Warren, G.W., Mullins, M.A, Nye, G.J., Craig, J.A e Koziel, M.G. 1996.
Vip3A, a novel Bacillus thuringiensis vegetative insecticidal protein with a wide
spectrum of activities against lepidopteran insects. Proc. Nat. Acad. Sci. USA
93:5359-5394.
FALQUE, Max; LAMOTTE, Henri. Droits de propriété, économie et environnenten —
Les ressources marines. Paris: Dalloz, 2002.
FREESTONE, David; HEY, Ellen. Implementing the precautionary principIe:
challenges and opportunities. In: The precautionary principIe and international
law: the challenge of implementation. Hague: Luwer Law International, 1996.
FUZIO, R. Sanzioni penali e tutela del paesaggio. La tutela dei beni ambientali.
Padova: Cedam, 1988.
GIANPIEIRO, Franco. La responsabilità per danno all’ambiente. Milano: Giuffrè, 1988.
GIROD, Patrick. La réparation du dommage écologique. Paris: Librairie Générale de
Droit et de Jurisprudence, 1974.
GOLDBLATT, David. Teoria social e ambiente. Tradução de Ana Maria André. Lisboa:
Piaget, 1998.
8
GÓMEZ, Narciso Sánchez. Derecho ambiental. México: Porrúa, 2004.
GORBACHEV, Mikhail. Meu manifesto pela Terra. Trad, Zóia Prestes. São Paulo:
Ed. Planeta do Brasil, 2003.
GORE, AI. Urna verdade inconveniente. Barueri: Manole, 2006.
HAJEK, Ernst R. (coord.). Pobreza y medio ambiente en América Latina. Buenos
Aires: Konrad Adenauer Stiftung A. C. CIEDLA (Centro Interdisciplinario de Estudios
sobre el Desarrollo Latinoamericano), 1995.
HERRERO, Luis Jiménes. Perspectiva económica en el análisis interdisciplinar de la
problemática ambiental. Madrid: Fundación Universidad Empresa de Madrid, 1997
lTALIA, Salvatore. L’ammanistrazione dei beni culturali. Udine: Del Bianco,1988.
ITURRASPE, Jorge Mosset. Dano ambiental. 5 anos após a ECO-92, Congresso
Internacional de Direito Ambiental. São Paulo: Imprensa Oficial, 1997.
JAIN, R.K. environmental impacto analysis. New York; Van Nostrand Reinhold, 1997.
KISS, Alexandre Charles. Droit international de l‘environnement. Paris: A.
Pedone,1989.
KUNG, Hans. Uma ética global para política economia mundiais. Trad. Carlos
Almeida Pereira. Petrópolis: Vozes, 1999.
LAMARQUE, Jean. Droit de la protéction de la nature et de l’environnement. Paris:
LGDJ, 1973.
LAMY, Michel. As camadas ecológicas do homem. Trad. Maria João Batalha Reis.
Lisboa: Instituto Piaget, 1996.
LARRÈRE, Catherine; LARRÈRE, Raphaël. Do bom uso da natureza: para uma filo-
sofia do meio ambiente. Lisboa: Instituto Piaget. 2000.
LATOUR, Bruno. Políticas da natureza. Trad. Carlos Aurélio Mota de Souza. Bauru:
EDUSC. 2004.
LE PRESTRE, Philippe. Ecopolitica internacional. São Paulo: SENAC, 2000.
LIPOVETSKY, GilIes. O crepúsculo do dever: a ética indolor dos novos tempos de-
mocráticos. Trad. Fátima Gaspar e Carlos Gaspar. Lisboa; Publicações Dom
Quixote, 1994.
LOVELOCK, James. As eras de Gaia: a biografia de nossa terra viva. Trad. Beatriz
Sidou. Rio de Janeiro: Campus, 1991.
Macmillan Dictionary of The Environment. London: Macmillan, 1994.
MADDALENA Paolo. Danno pubblico ambientale. Rimini. Maggioli,1990.
_________.Responsabilità amministrativa, danno pubblico e tutela dell’ambiente.
Rimini: Maggioli, 1985.
MAGLIA, Stefano. Corso di diritto ambientale. Piacenza: La Tribuna, 2003.
MALINCONICO, Carlo. I beni ambientali. Padova: Cedam, 1991.
MASON, Michael. Environmental democracy. London: Earthscan Publications, 1999.
MATEO, Ramón Manin. Manual de derecho ambiental. Madrid: Trivium, 1995.
MATEO, Ramón Martín. Derecho ambiental. Madrid: Instituto de Estudios de Ad-
ministración Local, 1977.
________.Manual de derecho ambiental. 2. ed. Madrid: Trivium, 1998.
_________.Nuevos instrumentos para la tutela ambiental. Madrid: Trivium, 1994.
__________.Tratado de derecho ambiental. Madrid: Trivium, 1991.
MCNEILL R. Something new under the sun: an environmental history of the
twentieth-century world. W. W. Norton, 2001.
MEZZETTI, Luca. La "Costituzione dell' Ambiente". In: Manuale di diritto ambientale.
Padova: CEDAM, 2001. p. 85-142.
MICHEL, L. Staatszwecke, Staatsziele und Grundrechtsinterpretation unter
9
besonderes Berücksichtigung der Positivierung des Umweltschutzs in
Grundgesetz. Frankfurt/M., 1986. p. 277 e s.
MIES, Maria; VANDANA, Shiva. Ecofeminismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.
________. Die Umweltvertraglichkeitsprufung in Brasilien. Vorsorgen Statt Nur
Schaden Beseitigen. Dortmund: Dortmunder Vertrieb fur Bau- und Planung
sliteratur, 1994.
MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional. 2. ed. t. IV. Coimbra: Coimbra Ed.,
1993, p. 472.
MORAND-DEVILLER, Jacqueline. Le droit de l’environnement. Paris: PUF, 1987.
MORElRA, lara Verocai Dias. Vocabulário básico de meio ambiente. Rio de Janeiro:
Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente, 1990.
MOUSSIS, Nicolas. As políticas da Comunidade Europeia. Coimbra: Almedina, 1982.
MULLER-PLANTENBERG, Clarita; AB’SABER, Aziz Nacib (org.). Previsão de im-
pactos: o estudo de impacto ambiental no leste, oeste e sul. Experiências no
Brasil, na Rússia e na Alemanha. 2. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo,
1998.
MUNN, R. E. Environmental inpact assessment: principles and procedures. Toronto:
Scope 5, 1979.
NAIM-GESBERT, Eric. Les dimensions scientifiques du droit de l’environnement:
contribuition à l’etude des rapports de la science et du droit. Bruxelles: Bruylant,
1999.
NEBEL, Bernard. Environmental science. The way the world works. Englewood Cliffs:
Prentice Hall, 1990.
NEURAY, Jean-François. Droit de I'environnement. Bruxelles: Bruylant, 2001. p. 149.
________.Introduction générale, in l'actualité du droit de l'environnement: actes du
colloque des 17 et 18 novembre 1994. Bruxelles: Bruylant, 1995. p. 21.
NOGUEIRA, Antonio Vercher; GIMÉNEZ, Gema Diez-Picazo; DEL VALLE, Manuel
Castañón. La responsabilidad ambiental: penal, civil y administrativa. Madrid:
Ecoiuris, 2003.
ODUM, Eugene. Ecologia. Trad. Christopher J. Tribe. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.
OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Lisboa:
Instituto Piaget, 1995.
________.The Heritage and Future Generations. In: BINDÉ, Jerome (ed.). Keys to the
21 Century. New York: Berghan Books, 2001. p. 155.
OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Trad.
Joana Chaves. Lisboa: Instituto Piaget. 1997.
________.Naturaleza y derecho: para un debate ecológico en profundidad. Bilbao:
Ediciones Mensagero. 1996.
PAOLO, Maddalena. Dano pubblico alI ambiente. In: Danno all'ambiente e
responsabilità. Pisa: CEDAM, 1992. Atti del Convegno di S. Miniato.
PATTI, Salvatori. La tutela civile dell’arnhiente. Padova: Cedam, 1979.
PERALES, Carlos de Miguel. La responsabilidad civil por daños al medio ambiente.
Madrid: Civitas, 1997.
PETRELLA, Ricardo. O manifesto da água: argumentos para um contrato mundial.
Tradução de Vera Lúcia Mello Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 2002.
PEREZ, Oren. Ecological Sensitivity and Global Legal Pluralismo Rethinking the
Trade and Environment Conflict. Portland, 2004.
PIGRETTI, Eduardo A. Deretcho ambiental. Buenos Aires. Depalma, 1993.
POSTIGLIONE, Amedeo. II diritto all’ambiente. Napoli: Jovene. 1982.
10
________. Manuale dell’amhiente. Roma: La Nuova Italia Scientifica — NIS, 1986.
PRIEUR, Michel. Droit de I'environnement. Paris: Dalloz, 1991.
________.Droit de I'environnement. 5. ed. Paris: DaIloz, 2004. p. 65.
PRIEUR, Michel. Droil de l’environnement. 5. ed. Paris: Dalloz, 2004.
PUREZA. José Manuel. Tribunais, natureza e sociedade: o direito do ambiente em
Portugal. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 1997.
PUREZA. José Manuel; FRADE, Catarina. Direito do ambiente. Coimbra: Faculdade de
Economia da Universidade de Coimbra, 1998.
RANGEL. Paulo Castro. Concertação, programação e direito do ambiente. Coimbra:
Coimbra Ed., 1994. p. 14-19.
RAPOSO, Mário. O direito ao ambiente como direito fundamental. In: Centro de Estudos
Judiciários, Textos, Ambiente. Lisboa, 1994. p. 115.
REHBINDER. Eckard. O direito do ambiente na Alemanha. In: AMARAL, Diogo Freitas
do (org.). Direito do ambiente. Oeiras: INA, 1994.
REIS, João Pereira. Leis de bases do ambiente. Coimbra: Almedina, 1992.
RENGELlNG. Probablistische Methoden für der atomrechtlichen Schadenvorsorge.
1986, p. 217 e s.
RESCIGNO, Pietro. La Responsabilitá per i danni all’ambiente. La responsabilità
ell’impresa per i danni all’ambiente e ai consurnatori. Milano: Giuffré, 1978.
RODGERS. Williarn H. Environmental law. St. Paul, Minn-: West Publishing Co.,1977.
RODGERS JÚNIOR, William H. Environmental law. 2. ed. St. Paul: West Publishing
Co., 1994. p. 66.
RODOTÁ, Stefano. Introduziòni. La responsabilitá dell’impresa per i danni
all’ambiente e ai consumatori. Milano: Giuífrê, 1978.
ROTA, Demétrio Loperena. El derecho al medio ambiente adecuado. Madrid: Civitas,
1996.
SACHS, lgnacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice,1986.
SANCHES, Antonio Cabanillas. La reparación de los danos al medio ambiente. Pam-
plona: Aranzadi, 1996.
SAND, Peter H. Global Environment Change and the Nation State: perspectives of
international Iaw. In: BIERMANN, Frank; BROHM, Rainer: KINGWERTH. Klaus
(eds.). Proceedings of the 2001 Berlin conference on the human dimensions of global
environmental change. Postdam: Postdam Institute for climate Impact Research.
2002.
SANTOS, Boaventura de Souza. Europeização e direitos dos cidadãos: globalização
ou utopia. Porto: Afrontamento, 2001. p. 340-341.
SCOVAZZl, TuIlio, Elementi di diritto internazionale del mare. Milano: Giuffrè, 2002.
SILVA, Vasco Pereira da. Responsabilidade administrativa em matéria de ambiente.
Lisboa: Principia Edições Universitánas, 1997.
SINGER, Peter. Libertação animal. Tradução de Maria de Fátima St. Aubyn. Porto: Via
Óptima, 2000.
SINGER. Peter. Libertação animal. Porto Alegre: Lugano, 2004.
_______. Ética prática. Trad. Jefferson Luis Camargo. São Paulo: Martins Fontes 1994;
2.ED.1999.
SMETS, Henri. Le droit à I'eau. Paris: Conseil Européen du Droit de I'Environment,
2002.
SMITH, Denis. As empresas e o ambiente — Implicações do novo ambientalismo.
Lisboa: Instituto Piaget, 1997.
SMITH, Mark J. Manual de ecologismo: rumo a cidadania ecológica. Trad. Lígia Te-
11
opisto. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.
STEINBERG, Rudolf. Der okologische Verfassunsstaat. Frankfurt am Main: Suhrkamp,
1988.
TALLACHIM, M .. Ambiente e diritto deIla scienza incerta. In: GRASSI, S.;
CECCHETTI, M. ANDRONIO, A. (orgs.). Ambiente e Diritto, I. Firenze, 1999. p. 58 e
s.
TEUBNER, G.; FARMER, L. Ecological self-organization in environmental law and
ecological responsability: the concept and practice of ecological self-
organization. New York: Clichester, 1994.
TRAMONTANO, Luigi. Diritto dell”ambiente — Ecologia ed educazione ambientale.
3. ed. Napoli: Esselibri-Simone, 1996.
TRENNENPOHL, Curt. Infrações contra o meio ambiente—Multas e outras sanções
administrativas. Belo Horizonte: Fórum, 2006.
TURX, Jonathan; TURK, Amos. Environmental science. Philadelphia: Saunders
College Publishing. 1988.
Derechos humanos, desarrollo sustentable y medio ambiente. 2. ed. Ed. Antonio Au-
gusto Cançado Trindade. San José: IIDH, 1995. (Conferências do Seminário de
Brasília de 1992.)
The world environment 1972-1992: Two decades of challenge. Ed. Mostafa K. Tolba,
Osama A. El-Kholy, E. El-Hinnawi, M. W. Holdgate, D. F. McMichael e R. E.
Munn. London: Chapman & Hall, 1992. (The United Nations Environment Prograim.)
VERDE, Giuseppe. Diritto e società. Padova: CEDAM. 2002. v. 4.
WATSON, Alan. Legal transplants: an approach to comparative law. 2. ed. 1993.
WINTER, Gerd. A natureza jurídica dos princípios ambientais em direito
internacional, direito da comunidade européia e direito nacional. In: KISHI,
Sandra Akemi S.; SILVA, Solange Teles da; SOARES, Inês V. Prado (orgs.).
Desafios do direito ambiental no século XXI: estudos em homenagem a Paulo
Affonso Leme Machado. São Paulo: Malheiros, 2005.
WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico. São Paulo: Alfa-Omega, 1994.

2- REVISTA, PERIÓDICOS E DOCUMENTOS ESTRANGEIROS.

ABRAMSON, Stanley H. Legislating risk: the USA struggles to reform its policies for
the assesment and management of risk. In: Intemational Journal of Environment
and Pollution, v. 9, n. 1, 1998, p. 111.
ACKERMAN, Bruce. The rise of world constitutionalism. Virginia Law Review, v. 83,
p.771, 1997.
_______. We the people: transformations. Cambridge: The Belknap Press of Harvard
University Press, 2001. p. 416.
_______.Social justice in the liberal state. New Haven: Yale University Press, 1980. p.
3.
ANDERSON, MichaeI R. (ed.). Human rights approaches to environmental
protection. Oxford: Clarendon Press, 1996. p. 275.
ANTIEAU, Chester James; RICH, William J. Modern constitutional law. 2. ed. v. 3. St.
Paul: West Group, 1997. p. 660.
ASA BRIGGS. The Welfare State in historical perspective. In: ASA BRIGGS. The
collected essays of Asa Briggs. Urbana, University of Illinois Press, 1985, p. 177.
BECK, Ulrich. A ciência é causa dos principais problemas da sociedade industrial.
12
Disponívelel em: <http://www.sj.univali.br/agenda21/contribuicoes-externas/ciencia-e-
causa-dos-principais-problemas.htmI>. Acesso em: 28 ago. 2002.
_______.Risk society: toward a new modernity. London: Sage, 1992.
BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política,
tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1997.
BORÉM, A, Freire, E.C., Pena, J.C.V. e Barroso; P.AV. 2003. Considerations about
cotton gene escape in Brazil: a review. Crop Breeding and Applied
Biotechnology 3: 315-332.
BRANDL, Ernst; BUNGERT, Hartwin. Constitutional entrenchment of environmental
protection: a comparative analysis of experiences abroad. Harvard
Environmental Law Review, v. 16, p. 8-9, 1992.
BREEN, Barry. Citizen suits for natural resource damages: cIosing a gap in federal
environmental law. In: BROOKS, Richard O. A constitutional right to a healthful
environment. Vermont Law Review, v. 16, p. 1110, 1992.
_______.Estado constitucional e democracia sustentada. Revista do Centro de
Estudos de Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente. Coimbra:
Coimbra Ed., ano IV, n. 8, p. 9-16, dez. 2001.
_______.Juridicização da ecologia ou ecologização. Revista Jurídica do Urbanismo e
do Ambiente. Coimbra, n. 4, p. 76, dez. 1995.
_______.Procedimento administrativo e defesa do ambiente. Revista de Legislação e
Jurisprudência. Coimbra, n. 3.802, p.325-326, 1991.
_______.Recensão, democracia e ambiente: em torno da formação da consciência
ambiental. Revista do Centro de Direito e Ordenamento do Urbanismo e do
Ambiente, Coimbra, v. 1, p. 93-95, 1998.
CHAPARRO. Eduardo A. (comp.). Actualización de la compilación de leyes mineras
de catorce países de América Latina y el Caribe. v. 2. Santiago: Cepal, 2002.
CHIAPPINELLI, John A. The right to a clean and safe environment: a case for a
constitutional amendment recognizing public rights in common resources.
Buffalo Law Review, v. 40, p. 604, 1992.
COASE, R. The problem of social cost. Journal of Law and Economics, v. 3, 1960.
COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPÉIAS. Comunicação da Comissão sobre a
avaliação de impacto. Bruxelles, 5 jun. 2002.
COMITÊ DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E
CULTURAIS. Água para a saúde é declarada um direito humano. Disponível em:
<http://www.ces.fau.edu>. Acesso em: 10 fev. 2003.
CORDEIRO, Antônio Menezes. Tutela do ambiente e direito civil. In: AMARAL, Diogo
Freitas. Direito do ambiente. Oeiras: lna, 1994. p. 383.
CORDINI, Giovanni. O direito do ambiente na Itália. In: AMARAL, Diogo Freitas. Direito
do ambiente. Oeiras: INA, 1994.
EKARDT, Felix. Information, Verfahren, Selbsregulierung, Flexibiliesierung.
Instrumente eines effektiven Umweltrechts? In: Natura und Recht, 4/2005, p. 215
e s.
_______.Steuerungsdefizite vom Umweltsrecht - Ursachen unter besonderer
Berücksichtigung des Naturschutsrechts und das Grundrechte. ZugIeich zur
Relevanz religiosen Sakularisats im offentlichen Recht. 2001.
FERNANDES, Edesio. Constitutional environmental rights in Brazil. In: BOYLE, Alan
E.; ANDERSON, Michael R. (eds.). Human rights approaches to environmental
protection. Oxford: Clarendon Press, 1996. p.275.
FINDLEY, Roger W. Civil liability and protection of environment in the United States.
13
Lusíada: Revista de Ciência e Cultura, Porto, número especial, 1996.
FINDLEY; Roger W.; FABER, Daniel A. Environmental law in a nutshell. 3. ed. St.
Paul: West Publishing, 1992, p. 240-256. In: GABA, Jeffrey. Environmental law. St.
Paul: West Publishing, 1994. p. 165-190 (Black Letter Series).
FUENZALIDA, Rafael Valenzuela. Responsabilidad civil por dano ambiental en la
legislación chilena. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 20, 2000.
FUTRELL, J. William. Direito ambiental: novos caminhos nos Estados Unidos.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 1, 1996.
GABA, Jeffrey. Environmental law. St. Paul: West Publishing, 1994. p.165-190 (Black
Letter Series).
GIESY, J.P., Dodson, S. e Solomon, K.R 2000. Ecotoxocological risk assessment for
Roundup herbicide. Reviews of Environmental Contamination and Toxicology 167:
35-120.
GRAD, Frank P. Environmental law. 3 ed. New York: Matthew Bender, 1985. p. 2.
GRAVELLE, Ryan K. Enforcing the elusive: environmental rights in East European
constitutions. In: Virginia Environmental Law Journal, v. 16, 1997, p. 633-660.
GUPTA, Rupta. Indigenous peoples and the international environmental community:
accommodating claims through a cooperative legal process. New York University Law
Review, V. 74, p. 1768 -1769, dez. 1999.
HÀBERLE, Peter. Derecho constitucional comum europeo. Revista de Estudios
Políticos, n. 79, p. 23, Enero/Marzo 1993.
________.EI Estado constitucional. Tradução de Héctor Fiz-Fierro. Lima: Fondo
Editorial da Pontificia Universidad Católica deI Perú, 2003.
HAMMOND, B.G., Vicini, J.L., Hartnell, G.F., Naylor, M.W., Knight, C.D., Robinson, E.H.,
Fuchs, R.L. e Padgette, S.R 1996. The feeding value of soybeans fed to rats,
chickens, catfish and dairy cattle is not altered by genetic incorporation of
glyphosate tolerance. Journal of Nutrition 126: 717-727.
HARRISON, L.A, Bailey, M.R, Naylor, M.W., Ream, J.E., Hammond, B.G., Nida, D.L.,
Burnette, B.L., Nickson, T.E., Mitsky, T.A, Taylor, M.L., Fucsh, R.L. e Padgette, S.R
1996. The expressed protein in glyphosate-tolerant soybean, 5-.
enolypyruvylshikimate-3-phosphate synthase from Agrobacterium sp. Strain
CP4, is rapidly digested in vitro and is not toxic to acutely gavaged mice. Journal of
Nutrition 126: 728-740.
HAWPKINS, Keith. Environment and enforcement. Oxford: Clarendon Press, 1984.
HEY, Christian; MEULEMAN, Louis; NIESTROY, Ingeborg (ed.). Environmental
governance in Europe: RMNO preliminary studies and background studies. The
Hague, 2003.
JACQUEMIN, Dominique. Écologie, éthique et création: de la Mode Verte à l' Étique
Écologique, Louvain-la-Neuve, Artel. Fides, 1994, p. 157-161.
JADOT, Benôit; SADELEER, Nicolas de. L'organization d'un régime de label
écologique officiel: questions de droit de l'environnement et de droit public. E.
Story-Scientia, 1995. p. 66.
KISS, Alexandre. Direito internacional do ambiente. In: Textos: ambiente e consumo.
Lisboa: Centro de Estudos Judiciários, v. 1, p. 135, 1996.
_______.The rights and interests of fucture generations and the precautionary
principIe. In: The precautionary principIe and international law: the challenge of
implementation. Hague: Kluwer Law International, 1996.
KISS, Alexandre; SHELTON, Dinah. International environmental law. 3. ed. New York:
Transnacional Publishers, Inc. 2004. p. 203.
14
_______.Manual of European Environrmental Law. Cambridge: Grotius Publications
Limited, 1997. p. 9.
KREUTER-KIRCHHOF,C. Dinamisierung des internationalen Klimaschutseregimes
durch Institutionalisierung. In: ZaõrRV (Zeitschrift für auslãndisches offentliches
Recht und Volkerrecht), 65 (2005), p. 967 e s.
KYMILICKA, Will; RAVIOT, Jean-Robert. Vie commune: aspects internationaux des
fédéralismes. Études internationals: chroniques des relations intemationales du
Canada et du Québec, v. XXVIII, n. 4, p. 779-843, décembre 1997.
LADEUR, Karl Heinz; PRELLE, Rebecca. Environrmental assessement and judicial
approaches to procedural errors: a european and comparative law analysis,
Journal ofEnvironmental Law, London: Oxford, v. 13, n. 2, p. 185-198, 2001.
_______.Environmental constitutional law. In: WINTER, Gerd (ed.). European
Environmental Law: a comparative perspective. Aldershot: Dartmouth, 1994. p. 18.
LAITOS, Jan G. Natural resources law: cases and materials. St. Paul: West
Publishing Co., 1985. p. 80.
LORENZEITI, Ricardo Luis. La nueva ley ambiental argentina. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 29, p. 287-306, 2003.
MALANCZAK, Peter. Die Konferenz der Vereinten Nationen über Umwelt und
Entwicklung (UNCED) und das internationale Umweltrecht. In: Festschrift für R.
Bernhardt. Berlim, 1998. p. 985 e s.
MATEO, Ramón Martín. Precios del agua y politica ambiental. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 32, 2003.
MITMAN, Gregg. In search of heath: landscape and disease in american
environmental history. Environmental History, v. 10, n. 2, 2005.
MORELLI, Lisa J. Citizen suit enforcement of environmental laws in the United
States: an overwiew. Environmental liability, London, v. 5, n. 1, 1997.
NACIONES UNIDAS. Consejo Económico y Social. EI agua, recurso fundamental
para el desarollo sostenible. Informe deI Secretario General. E/CN.
17/2001/PC/17. 2 marzo 2001.
NICKEL, James W. Intergenerational equity, future generations and sustainable
development. Congresso Internacional de Direito Ambiental, 1997, São Paulo. Cinco
anos após a ECO/92. São Paulo: Instituto o Direito por um Planeta Verde, 1997.
PADGETTE, S.R, Kolacz, K.H., Delannay, X., Re, D.B, LaVallee, RJ., Tinius, C.N.,
Rhodes, W.K., Otero, Y.I., Barry, G.F., Eichholtz, D.A, Peschke, V.M., Nida, D.L.,
Taylor, N.B. e Kishore, G.M. 1995. Development, identification, and
characterization of a glyphosate-tolerant soybean line. Crop Science 35: 1451-
1461.
PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO DA UNIÃO EUROPÉIA. Directiva
2000/60/CE, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de acção
comunitária no domínio da política da água. Jornal Oficial das Comunidades
Européias. L 327/1-L327/72, 22-12-2000.
REHBINDER, Eckar, Controlling the environmental enforcement deficit. West Ger-
many, Am. J. of Comp. Law, v. 24, 1976.
ROSENBLUM, Nancy L.; POST, Robert C. (eds.). Civil society and government.
Princeton: Princeton University Press, 2002.
SANDS, Philippe. Unilateralism, values, and international law. European Journal of
International Law, v. 11 , n. 2, 2000. p. 299-300.
________.Principles of international environmental law. 2. ed. United Kingdom:
Cambridge University Press, 2003. p. 965-973.
15
SAUER, Carl O. The agency of man on the earth. In: THOMAS IR., William L. (ed.).
Man's role in changing the face of the earth. v. 1. Chicago: The University of Chicago
Press, 1956. p. 68.
SAX, Joseph L. The search for environmental rights. In: Journal of Land Use &
Environmental Law. v.6, 1990, p. 96.
________.Implementing the public trust in paleontological resources. In:
SANTUCCI, Vincent L.; McCLEELAND, Lindsay (eds.). Proceedings of the 6 fossil
resource conference. Geological Resources Division Technical Report, 2001. p.
23173-23177.
SCHLICKEISEN, Rodger. The argument for a constitutional amendment to protect
living nature. In: SNAPE, William J. Biodiversity and the law. Washington: Island
Press, 1996. p. 221.
SELIGMAN, Adam B. The idea of civil society. New York: The Free Press, 1992.
SOROMENHO-MARQUES, Viriato. A internacionalização das questões ambientais e
o futuro da diplomacia ambiental. In: Textos: ambiente e consumo. Lisboa: Centro
de Estudos Judiciários, 1996.
STARCK, Boris. Domaine et fondement de la responsabilité sans faute. Revue
Trimestrielle de Droit Civil, p. 477-515, 1958.
STEINBERG, Rudolf. Der Õkologische Verfassungsstaat. 1998. p. 126 e s.
STEIN, Paul L. Are Decision-maker too Cautious with the Precautionary PrincipIe?
Environment and Planning Law Journal, v. 17, Feb. 2000.
STRIWING, Helena. Animal law and animal rights on the move in Sweden. Animal
Law Review, Michigan University ColIege of Law. v. 8, p. 93-106, 2002.
SYMONIDES, Janusz. The human right to a clean, balanced and protected
environment. In: International Journal of Legal Information, v. 20, n. 1. 1992, p. 29.
TAYLOR, Prue. An ecological approach to international law: responding to
challenge of climate change. New York: Routledge, 1988. In: KISS, Alexandre;
SHELTON, Dinah. International Environmental Law. 3. ed. New York: Transnacional
Publishers, 2004.
TESHIMA, R, Akiyama, H., Okunuki, H., Sakushima, J., Goda, Y., Onodera, H., Sawada,
J., Toyoda, M. 2000. Effect of GM and non-GM soybeans on the immune system
of BN rats and B10A mice. Journal of the Food Hygienic Society of Japan 41: 188-
193.
THE 1992 MAASTRICHT TREATY - Implications for European Environmental Law.
European Environmental Law Review, v.1, June 1992.
THE WORLD CONSERVATION UNION; WORLD WILDLIFE FOUNDATION. 1999.
MetaIs from the forests. Los bosques y sus minerales. Les métaux issus de la
forêt. Mining and forest degradation. Mineria y degradación forestaI.
Développement minier et dégradation des forêts.
THOMPSON JR., Barton H. Environmental Policy and the State Constitutions: the
potential role of substantive guidance. In: Rutgers Law Journal, v. 27, 1996, p.
871.
TRIBE, Laurence H. American constitutional law. 3. ed. v. 1. New York: Foundation
Press, 2000. p. 16.
_________.From environmental foundations to constitutional structures: learning
from nature's future. Yale Law Journal, v. 84, 1975, p. 549.
TUSHNET, Mark. The possibiIities of comparative constitutional law. Yale Law
Journal, v. 108, 1999, p. 1307.
U.S. EPA. 1993. Reregistration Eligibility Decision (RED): Glyphosate. Office of
16
Prevention, Pesticides and Toxic Substances, U.S. environmental Protection
Agency, Washington, D.C.
VAUGHAM, David. Current EC Legal Developments EC Environment and PIanning
Law. Selection of Papers given at the UIA. Environment Law Conference. Durham,
1990.
WHO. 1994. Glyphosate. World Health Organization (WHO), International Programme
of Chemical Safety (IPCS), Geneva. Environmental Health Criteia 159.
WHECHTER, K. Umweltschutz aIs Staatsziel. In: Natur und Recht. 1996. p. 321 e s.
WIENER, Jonathan B. Something borrowed for something blue: legal transplants
and the evolution of global environmental law. Ecology Law Quarterly, v. 27, p.
1295, 2001.
Williams, G.M., Kroes, R. e Munro, I.C. 2000. Safety evaluation and risk assessment
of the herbicide Roundup and its active ingredient, glyphosate, for humans.
Regulatory Toxicology and Pharmacology 31:117-165.
WILKINSON, David. Maastricht and the Environment: The Implications for EC's
Environment Policy of the Treaty on European Union. Journal of Environmental
Law, v. 4, n. 2, 1992.
________.Constitutionalizing environment protection in the European Union. In:
SOMSEN, H.; SEVENSTER, H.; SCOTT, J.; KRÃMER, L. Yearbook of European
Environmental Law. Oxford: Oxford University Press.
________.German Environmental Law: basic texts, an introduction. Dordrecht:
Martins Nijhol, 1994.
WOOLF, Sir Harry. Are the judiciary environmentally myopic? Journal of
Environmental Law, v. 4, n. 1, 1992, p. 4.
WORLD COMISSION ON DAMS. Barragens e desenvolvimento. Um novo modelo
para tomada de decisões. O relatório da Comissão Mundial de Barragens. Um
sumário. Tradução de Carlos Afonso Malferrari. Nov. 2000. Disponível em:
<http://www.dams.org>. Acesso em: 5 mar. 2003 .
_________.La seguridad del agua: evaluación preliminar de los avances en materia
de políticas desde Río. Programa Mundial de Evaluación de los Recursos Hídricos
de las Naciones Unidas (WWAP), 2001.

3- AUTORES NACIONAIS.
ABELHA. Marcelo. Ação civil pública e meio ambiente. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 2001.
ABRANTES, Joselito Santos. Bio(socio)diversídade e empieendedorismo ambiental
na Amazônia. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.
ADEDE Y CASTRO,João Marcos. Tutela civil do meio ambiente. Porto Alegre: Fabris,
2006.
AKAOUI, Fernando Reverendo Vidal. Compromísso de ajustamento de conduta am-
biental. São Paulo: RT, 2003.
ALMEIDA, Fernanda Dias Menezes de. Competências na Constituição de 1988. São
Paulo: Atlas, 1991.
ALMEIDA. Fernando. Meio ambiente e negócios. In: TRIGUEIRO, André (coord.). Meio
ambiente no secuio XXI: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas
de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
ALMEIDA, Humberto Mariano de. Mineração e meio ambiente na Cortstituição
17
Federal. São Paulo: LTr, 1999.
ALONSO, Paulo Sérgio Gornes. Pressupostos da responsabilidade civil objetiva.
São Paulo: Saraiva, 2000.
ALONSO JR., Hamilton. Direito fundamental ao meio ambiente e ações coletivas.
São Paulo: RT, 2006.
ALVES, Sergio Luis Mendonca. Estado poluidor. São Paulo: Juarez de Oliveira. 2003.
ANDERLE, Adelar. Poder de policia ambiental. In: HAUSEN, Enio Costa; TEIXEIRA,
Orci Paulino Bretanha, ALVARES. Pérsio Brasil (orgs.). Temas de direito ambiental:
uma visão interdisciplinar. Porto Alegre: Associação dos Ex-bolsistas da Alemanha
— AEBA, 2000.
ANTÔNlO, Adalberto Carim. A evolução e maturidade do direito ambiental brasileiro.
Manaus: Grafima, 1992.
ANTUNES, Luís FiIipe Colaço. O procedimento administrativo de avaliação de
impacto ambiental. Coimbra: Almedina, 1998.
ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1996. p.
37.
ANTUNES, Paulo de Bessa. Curso de direito ambiental. 2 ed. Rio de Janeiro: Renovar,
1992.
______.Dano ambiental: uma abordagem conceitual. Rio de Janeiro: Lumen Juris,
2000.
_______.Direito ambiental. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2006.
_______.Proteçdo ambiental nas atividades de exploração e produção de petróleo.
Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.
_______.PoIitica Nacional do Meio Ambiente — Comentários à Lei 6.938, de 31 de
agosto de 1981. Rio de Jaineiro: Lurnen Juris, 2005.
ARAGÃO, Maria Alexandra de Sousa. Objetivos, princípios e pressupostos da
política comunitária do ambiente: algumas propostas de revisão. In: Temas de
integração. Coimbra: Coimbra Ed., 1997.
_______.O princípio do poluidor-pagador: pedra angular da política comunitária do
ambiente. Coimbra: Coimbra Ed., 1997.
ARAÚJO, Gustavo H. de Souza; ALMEIDA, Josimar Ribeiro de; GUERRA, Antônio José
Teixeira. Gestão ambiental de áreas degradadas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
2005.
ARRUDA ALVIM; ALVIM, Thereza; ARRUDA ALVIM. Eduardo; SOUZA, James J. Marins
de. Código do Consumidor comentado, São Paulo: RT, 1991.
ATHIAS, Jorge Alex Nunes. Responsabilidade civil e meio ambiente: breve pano-
rama do direito brasileiro. In: BENJAMIN, Antonio Herman V (coord.). Dano
ambiental: prevenção, reparação e repressão. São Paulo: RT, 1993.
AYALA, Patryck de Araújo. A proteção jurídica das futuras gerações na sociedade do
risco global: direito ao futuro na ordem constitucional brasileira. In: LEITE, José
Rubens Morato; FERREIRA, Heline Sivini. Estado de direto ambiental:
perspectivas. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 2003.
AZEVEDO, Tupinambá Pinto de. Pessoa jurídica: ação penal e processo na lei
ambiental. Revista de Direito Ambiental, RT, n. 12, 1998.
BARACHO JÚNIOR, José Alfredo de Oliveira. Responsabilidade civil por dano ao
meio ambiente. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.
BARBIERI, Jose Carlos. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de
mudanças da Agenda 21. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
BARROSO, Lucas Abreu. A obrigação de indenizar e a deterrninação da responsabi-
18
lidade civil por dano ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2006.
________.O direito constitucional e a efetividade de suas normas: limites e
possibilidades da Constituição brasileira. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.
BECHARA, Erika. A proteção da fauna sob a ótica constitucional. São Paulo: Juarez
de Oliveira. 2003.
________.Teoria do direito e ecologia: apontamentos para um direito ambiental no
século XXI. In: FERREIRA, Heline Sivini Ferreira; LEITE, José Rubens Morato.
Estado de direito ambiental: tendências. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
2004. p. 103.
BENAKOUCHE, Rahah; SANTA CRUZ, Renë. Avaliação monetária do meio ambiente.
São Paulo. Makron Books, 1994.
BENJAMIN, Antonio Herman V. A implementação da legistação ambiental: o papel
do Ministério Público. Justitia, São Paulo, v 161, 1993.
_______.(org.).Direito ambiental das Áreas protegidas o regime jurídico das
unidades de conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.
_______.A insurreição da aldeia global versus o processo civil clássico. In: Textos:
ambiente e consumo. v. 1. Lisboa: Centro de Estudos Judiciários, 1996.
BENJAMIN, Antônio Herman V.; SÍCOLI, José Carlos Meloni; SALVINI, Paulo Roberto.
Manual prático da promotoria de justiça do meio ambiente. São Paulo:
Procuradoria-Geral da Justiça, 1997.
BENNATI, Paula. Efeito-estufa: aspectos técnico-científicos, históricos, jurídicos e
políticos. In: BENJAMIN, Antônio Herman; SÍCOLI, José Carlos Meloni (org.). O
futuro do controle da poluição e da implemntação ambiental. São Paulo: IMESP
2001.
BINSFELD, Pedro Canisio (org.) Biossegurança em biotecnoIogia. Rio de Janeiro,
lnterciência, 2004.
_________.Responsabilidade civil nas atividades nucleares. São Paulo. RT, 1985.
BOFF, Leonardo. Do iceberg à Arca de Noé: o nascimento de uma ética planetária.
Rio de Janeiro: Garamond, 2002.
______.Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres. São Paulo: Ática, 1995.
______.Ecologia, mundialização e espiritualidades. São Paulo: Ática, 1993.
______.Ethos mundial: um consenso mínimo entre os humanos. Brasília: Letraviva,
2000.
BOFF, Leonardo. Ecologia: grito da terra, grito dos pobres. Rio de Janeiro: Sextante,
2004.
BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 5. ed. São Paulo: Malheiros.
______.Teoria constitucional da democracia participativa: por um direito
constitucional de luta e resistência por uma nova hermenêutica, por uma
repolitização da legitimidade. São Paulo: Malheiros, 2001.
BORÉM, A. 2000. Escape gênico: os riscos do escape gênico da soja no Brasil.
Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento 10: 101-107.
BORÉM, A. Romano, E. e Sá, M.F.G. 2007. Fluxo gênico e transgênicos. Viçosa:
Editora UFV. 199 p.
BORÉM, A. 2001. Escape gênico e transgênicos. Rio Branco: Editora Suprema. 204 p.
BORÉM, A. 2005. Melhoramento de plantas. Viçosa: Editora UFV. 4. ed. 500 p.
BORÉM, A. e Ramalho, M.A.P. 2002. Escape gênico e impacto ambiental.
Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento 28: 44-47.
BORN, Rubens Harry. A articulação do capital social pelo movimento ambientalista
para a sustentabilidade do desenvolvimento no Brasil. In: TRIGUEIRO, André
19
(coord.). Meio ambiente no século XXI: 21 especialistas falam da questão
ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio deJaneiro: Sextante, 2003.
BRAGA, Antônio Sérgio; MIRANDA, Luiz Camargo de (org.). Comércio & meio
ambiente: urna agenda positiva para o desenvo!vimento sustentável. Brasilia:
MMA/SDS, 2002.
BRANCO, Samuel Murgel. Meio ambiente: uma questão de moral. São Paulo: OAK,
2002.
CAMARGO, Luís Henrique Ramos de. A ruptura do meio ambiente. Rio de Janeiro.
Bertrand Brasil. 2005.
CAMERON, J.; WADE-GERY, W.; ABOUCHAN, J. Precautionary PrincipIe and Future
generations. In: AGIUS, E.; BASUTTI, S. (org.). Future generations and international
law, 1998. p. 93 e s.
CAMINO, Maria Ester Mena Barreto. Jurisgaia: a ética jurídico-amhiental. In:
FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de (org.) Temas de direito ambiental
urbanístico. São Paulo: Max Limonad, 1998.
CARNEIRO, Ricardo. Direito arabiental: uma abordagem econômica. Rio de Janeiro:
Forense, 2001.
CARVALHO, Carlos Gomes de. Introdução ao direito ambiental. 3 ed. São Paulo:
Letras e Letras, 2001.
CARVALHO, Érilca Mendes de. Tutela penal do patrimônio florestal brasileiro. São
Paulo: RT, 1999.
CASCINO. Fábio. Educação arnbiental — Princípios, história, formação de
professores. São Paulo: Senac, 1999.
COSTA NETO, Nicolao Dino de Castro. Proteção jurídica do meio ambiente. Belo
Horizonte: Del Rey, 2003. p. 103 e 121.
CASTRO. Sônia Rabello de. O estado na preservação de bens culturais. Rio de
Janeiro: Renovar, 1991.
CASTRO E COSTA NETO, Nicolao Dino. Proteção juridica do meio ambiente. Belo
Horizonte: Del Rey, 2003.
__________. BELLO FILHO, Ney de Barros; CASTRO E COSTA, Flávio Dino de.
Crimes e infrações administrativas ambientais. Brasilia: Brasília Jurídica. 2000.
CERQUINHO, Maria Cuervo Silva Vaz. Do impacto ambiental. RT, São Paulo, v. 637.
1988.
CHAVES, Antônio. Poluição e responsabilidade no direito brasileiro. RT, São Paulo,
v. 534, 1980.
COIMBRA. Jose de Avila Aguiar. O outro lado do meio ambiente. Campinas,
Millennium. 2002.
COMPARATO, Fábio Konder. Direitos e deveres fundamentais em matéria de
propriedade. In: AMARAL JÚNIOR, Alberto do; PERRONE-MOISÉS, Cláudia
(orgs.). O cinqüentenário da Declaração Universal dos Direitos do Homem. São
Paulo: Edusp, 1999.
CONCEIÇÃO. Maria Collares F. da. O papel das ONGs na defesa do meio ambiente
— O exercicio da cidadania. In: FREITAS, Vladimir Passos de (coord.) Direito
ambiental em evolução. Curitiba: Jurua, 2002.
CONTAR, Alberto. Meio ambiente: dos delitos e das penas (doutrina, legislação,
jurisprudência). Rio de Janeiro: Forense, 2004.
COSTA, N.M.B e Borém, A. 2003. Biotecnologia e nutrição. São Paulo: Editora Nobel.
214 p.
DANTAS, Marcelo Buzaglo. Tutela de urgência nas lides ambientais: provimentos
20
liminares, cautelares antecipatórios nas ações coletivas que versam sobre o
meio ambiente. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2006.
DERANI, Cristiane. Direito ambiental econômico. São Paulo: Max Limonad, 1997.
_______.Meio ambiente ecologicamente equilibrado: direito fundamental e
princípio da atividade econômica. In: FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de
(org.). Temas de direito ambiental e urbanístico. São Paulo: Max Limonad, 1998.
p. 92.
DE RIVERO, Oswaldo de. O mito do desenvolvimento: os países inviáveis do século
XXI. Petrópolis: Vozes, 2002.
DESTEFANI. Marcos. A responsabilidade civil ambiental e as formar de reparação
do dano ambiental. Campinas: Bookseller, 2005.
DEUS. Teresa Cristina de. Tutela da flora em face do direito ambiental brasileiro.
São Paulo: Juarez de Oliveira, 2003.
DIAS. Edna Cardozo. A Tutela jurídica dos animais. Belo Horizonte: Mandamentos,
2000.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. 6. Ed. São Paulo:
Gaia, 2000.
________.Pegada ecológica e sustentabiIidade humana. São Paulo: Gaia, 2002.
DIAS, José Eduardo de Oliveira Figueiredo. Tutela ambiental e contencioso
administrativo. Coimbra: Coimbra Ed., 1997.
DINAMARCO, Cândido Rangel. O Poder Judiciário e o meio ambiente. RT. São Paulo,
RT, v. 631, 1988.
DINAMARCO, Pedro da Silva. Ação civil pública. São Paulo: Saraiva, 2001.
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro (Responsabilidade civil). São
Paulo: Saraiva. 1984.
______.O estado atual do biodireito. São Paulo: Saraiva. 2001.
DOITI, René Ariel. Ecologia (Proteção penal do meio ambiente).Enciclopédia Saraiva de
Direito. São Paulo: Saraiva, 1977. v. 29.
______.Meio ambiente e proteção penal. RT, São Paulo, v. 655, 1990.
DUARTE, Marise Costa de Souza. Meio ambiente sadio: direito fundamental em cri-
se. Curitiba: Juruá, 2003.
DURÇO, Roberto. Seguro ambiental. ln: FREITAS, Vladimir Passos de (org.). Direito
ambienlal em evolução. Curitiba: juruá, 1998.
EMÍDIO. Teresa. Meio ambiente & paisagem. São Paulo: SENAC. 2006.
FARIAS, Paulo José Leite. Competência federativa e proteção ambiental.
Porto Alegre: Sergio A. Fabris, Editor, 1999.
FELDMAN, Fábio. Apresentação. In: BENJAMIN, Antonio Herman V. (coord.). Dano
ambiental: prevenção, reparação e repressão. São Paulo: RT. 1993.
______.Entendendo o meio ambiente. Tratados e organizações internacionais em
matéria de meio ambiente. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente,
1997, v. I.
______.Guia da ecologia. São Paulo: Guias Abril, 1992.
______.Meio ambiente/consumismo. ln: TRIGUEIRO, André (coord). O meio am-
biente no século 21:21 especialistas falam da questão ambiental nas suas
áreas de conhecimento. Rio deJaneiro: Sextante, 2003.
FERNANDES, Edésio (org.). Direito urbanístico e politica urbana no Brasil. Belo
Horizonte: Del Rey. 2000.
FERNANDES, Paulo Victor. Impacto ambiental: doutrina e jurisprudência- São Paulo
- RT. 2005.
21
FERNANDES NETO, Tycho Brahe. Direito Ambiental — Uma necessidade. Florianó-
polis: Imprensa Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina, s/d.
FERRAZ, Antonio Augusto MelIo de Camargo. Apontarmentos sobre o inquérito civil.
Revista justitia, São Paulo, Ministério Público de São Paulo, 1992.
______.MILARÉ, Édis; NERY JÚNIOR, Nelson. A ação civil pública e a tutela ju-
risdictonal dos interesses difusos. São Paulo: Saraiva, 1984.
FERREIRA, Daniela Câmara; FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de. Direito
constitucional ao meio ambiente de trabalho seguro e saudável. In:
FIGUEIREDO,
Guilherme José Purvin de (org.). Temas de direito ambientaI e urbanístico. São Paulo:
Max Limonad, 1998. p. 103-115.
FERREIRA, Heline Sivini; LEITE, José Rubens Morato. A vida como uma invenção:
patentes e direito ambiental na sociedade de risco. Revista Seqüência,
Florianópolis, n. 44,p. 77-106, jul. 2002.
FERREIRA, Heline Sivini; LEITE, José Rubens Morato (org.). Estado de direito
ambiental: tendências. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2004.
FERREIRA, Ivette Senise. Tutela penal do palrimônio cultural. São Paulo: RT, 1995.
FERREIRA, William Santos. Tutela antecipada no âmbito recursal. São Paulo: RT,
2000.
FERRI, Mario Guimarães. Ecologia geral. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.
FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de. A propriedade no direito ambiental. Rio de
Janeiro: Esplanada, 2004.
______.Direito ambiental. São Paulo: LTr. 2000.
______.(org.). Temas de direito ambiental e urbanístico. São Paulo: Max Limonad,
1998.
______.Direito ambiental e a saúde dos trabalhadores. São Paulo: LTr, 2000.
FIORlLLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. São Paulo:
Saraiva, 2003.
FlORlLLO, Celso Antônio Pacheco; RODRIGUES, Marcelo Abelha; NERY, Rosa Maria
de Andrade. Direito processual ambiental brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey,
1996.
FIORILLO, Celso Antônio Pacheco; RODRIGUES, Marcelo Abelha. Manual de direito
ambiental e legislação aplicável. São Paulo: Max Limonad, 1997.
FIORILLO. Celso Antonio Pacheco, Curso de direito ambiental brasileiro. 3 ed.São
Paulo: Saraiva, 2002; 8. ed., 2007.
FREIRE, E.C., Barroso, P.AV., Pena, J.C.V. e Borém, A 2002. Fluxo gênico: análise do
caso do algodão no Brasil. Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento 29:104-
113.
DIAFÉRIA, Adriana. Biodiversidade e patrimônio genético no direito um ambiental
brasileiro. São Paulo: Max Limonad, 1999.
______.RODRIGUES, Marcelo Abelha; NERY, Rosa Maria Andrade. Direito processual
ambiental brasileiro. Belo Horizonte: Del Rey, 1996.
FOSTER, Nestor José. Por um código ecológico. RT, São Paulo, RT n. 522, 1979.
FRANGETTO, Flávia Witkowski. Arbitragem ambiental — Solução de conflitos (restrita
ao âmbito internacional?). Campinas: Millennium, 2006.
FREIRE, William. Código de Mineração anotado e legislação complementar mineral
e ambiental em vigor. 3. ed. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003.
FREITAS, Gilberto Passos de. A tutela penal do meio ambiente. ln: BENJAMIN,
Antonio Herman V (coord). Dano ambiental: prevenção, reparação e repressão.
22
São Paulo: RT, 1993.
_______.Do crime de poluição. In: FREITAS, Vladimir Passes de (org.). Direito Am-
biental em evolução. Curitiba: Juruá, 1998.
_______.Ilícito penal ambiental e reparação do dano. São Paulo: RT. 2005.
FREITAS, Mariana Almeida Passos de. Zona costeira e meio ambiente. Curitiba:
Juruá, 2005.
FREITAS, Vladimir Passos de. A Constituição Federal e a efetividade das normas
ambientais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.
_______.Direito administrativo e meio ambiente. Curitiba: Juruá, 2004.
FREITAS, Vladimir Passos de. A Constituição Federal e a efetividade das normas
ambientais. 2. ed. São Paulo: RT, 2002.
_______.(coord.). Águas — Aspectos jurídicos e ambientais. Curitiba: Juruá, 2000.
_______.Ação civil pública e dano ambiental individual. In: MILARÉ, Édis
(coord./org.). A ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios. São
Paulo: RT, 2005.
_______. Direito administrativo e meio ambiente. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2002.
_______.(org.). Direito ambiental em evolução. Curitiba: Juruá, 1998.
_______.(coord.). Direito ambiental em evolução. Curitiba:Juruá, 2000. n. 2.
FREITAS, Gilberto Passos de. Crimes contra a natureza. 8. ed. São Paulo:
RT, 2006.
FRONTINI, Paulo Salvador. Meio ambiente, sua natureza perante a lei e sua tutela —
Anotações jurídicas em temas de agressão ambiental. Legitimidade do Ministério
Público, órgão do Estado, para agir em juízo. In: MILARÉ, Édis (coord.). Ação civil
pública: Lei 7.347/1985— Reminiscências e reflexões após dez anos de
aplicação. São Paulo: RT. 1995.
GIDI, Antônio. Coisa julgada e litispendência em ações coletivas. São Paulo: Saraiva,
1995.
GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito de águas. São Paulo: Atlas, 2001.
GRECO, Leonardo. Competências constitucionais em matéria ambiental. RT, São
Paulo. v. 687,1991
GRINOVER, Ada Pellegrini. Ações ambientais de hoje e de amanhã. In: BENJAMIN,
Antonio Herman V (coord.). Dano ambiental: prevenção, reparação e repressão.
São Paulo: RT, 1993.
________.(coord.). A tutela dos interesses difusos. São Paulo: Max Limonad, 1984.
GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental: no consenso um embate? Campinas: Pa-
pirus, 2000.
LHAMMERSCHMIDT, Denise. Transgênicos e direito penal. São Paulo: RT. 2006.
HAUSEN, Enio Costa; TEIXEIRA, Orci Paulino; ÁLVARES, Pércio Brasil (org.). Temas
de direito ambiental: uma visão interdisciplinar. Porto Alegre: AEBA, APESP,
2000.
LANFREDI, Geraldo Ferreira. Política ambiental: busca de efetividade de seus
instrumentos. São Paulo: RT, 2002.
_________.Novos rumos do direito ambiental nas áreas civil e penal. Campinas.
Millennium. 2006.
LIMA, Luiz Henrique. Controle do patrimônio ambiental brasileiro. Rio de Janeiro
Eduerj, 2001.
LEAL. Márcio Flávio Mafra. Ações coletivas: história, teoria e prática. Porto Alegre:
Fabris, 1998.

23
LEIS, Hector Ricardo. O labirinto: ensaios sobre ambientalismo e globalização. São
Paulo: Gaia, 1996.
LEITE, José Rubens Morato; AYALA, Patrick de Araújo. Direito ambiental na
sociedade de risco. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
LEITE, José Rubens Morato; PILATI, Luciana Cardoso; JAMUNDÁ, Woldemar. Estado
de direito ambiental no Brasil. In: KISHI, Sandra Akemi S.; SILVA, Solange Teles
da; SOARES, Inês V. Prado (orgs.). Desafios do direito ambiental no século XXI:
estudos em homenagem a Paulo Affonso Leme Machado. São Paulo: Ma1heiros,
2005.
LEITE, José Rubens Morato. Dano ambiental: do individual ao coletivo extrapatri-
monial. São Paulo; RT. 2000.
________.Dano extrapatrimonial ou moral ambiental e sua perspectiva no direito
brasileiro. In: MILARÉ, Édis (coord.). Ação civil pública: Lei 7.347/1985— 15 anos.
2. ed. São Paulo: RT, 2002.
________.(org). Inovações em direito ambiental. Florianópolis: Fundação José Arthur
Boiteux, 2000.
________.AYALA, Patryck de Araújo. Direito ambiental na sociedade de risco. Rio de
Janeiro: Forense Universitária. 2002.
________.BELLO FILHO, Ney de Barros. Direito ambiental contemporâneo. Barueri:
Manole, 2004.
________.DANTAS, Marcelo Buzaglo (org.). Aspectos processuais do direito
ambiental. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.
LEME MACHADO, Paulo Affonso. Direito ambiental brasileiro. 12. ed. São Paulo:
Malheiros, 2004.
_______.Estudos de direito ambiental. São Paulo: Malheiros, 1994.
LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. São Paulo: LTr, 2003.
LEVAI, Laerte Fernando. Direito dos animais. 2. ed. Campos do Jordão: Mantiqueira,
2004.
LIBSTER, Mauricio H. Delitos ecológicos. 2. ed. Buenos Aires: Depalma, 2000.
________.ALMEIDA, Fernando Dias Menezes de (org.). Estatuto da Cidade – Lei
10.257 de 10.07.2001: comentários. São Paulo: RT, 2002.
LOMBARDO. Magda Adelaide. Ilha de calor nas metrópoles — O exemplo de São
Paulo. São Paulo: Hucitec/Lalekla, 1985.
LOURES, Flávia Tavares Rocha. A responsabilidade penal ambiental em face dos
compromissos de ajustamento de conduta. In: YARSHELL, Flávio Luiz;
MORAES, Maurício Zanoide de (coord.). Estudos em homenagem à Professora Ada
Pellegrini Grinover. São Paulo: DPJ, 2005.
MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 12. ed. São Paulo:
Malheiros, 2004; 11. ed., 2003.
________.Ação civil pública (ambiente, consumidor, patrimônio cultural)
tombamento. São Paulo: RT. 1986.
________.Direito à informação e meio ambiente. São PauLo: Malheiros. 2006.
________.Estudos de direito ambiental. São Paulo: Malheiros, 1994.
________.Recursos hidricos: direito brasileiro e internacional. São Paulo Malheiros,
2002.
________.Regulamentação do estudo de impacto ambiental. Porto ALegre: Mercado
Aberto, 1986.
MAGALHÃES, Juraci Perez. A evoluçdo do direito ambiental no Brasil. São Paulo:
Oliveira Mendes, 1998.
24
________.Comentários ao Código Florestal: doutrina e jurisprudência. 2. ed. São
Paulo: Juarez de Oliveira. 2001.
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação civil pública: em defesa do meio ambiente,
do patrimônio cultural e dos consumidores. 9. ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2004.
MANCUSO. Rodolfo de Camargo. Ação civil pública em defesa do meio ambiente, do
patrimônio cultural e dos consumidores.10. ed. São Paulo: RT. 2007.
________.Ação popular: 5. ed. São Paulo: RT, 2003.
________. Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 6. ed. São Paulo:
RT. 2004.
________.Jurisdição coletiva e coisa julgada — Teoria geral das ações coletivas.
São
Paulo: RT, 2006.
MANDELLI JUNIOR, Roberto Mendes. Argüição de descumprimento de preceito
fundamental: instrumento de proteção dos direitos fundamentais e da
Constituição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
MARCHESAN, Ana Maria Moreira; STEIGLEDER, Annelise Monteiro; CAPPELLI, Sílvia.
Direito ambiental. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2004.
MANGABEIRA UNGER, Nancy. O encantamento do humano: ecologia e espirituali-
dade. São Paulo: Loyola, 1991.
MARCHESAN. Ana Maria Moreira; STEIGLEDER, Annelise Monteiro; CAPPELLI, Sílvia.
Direto ambiental. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2005.
MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Comentados ao Código de
Processo Civil. São Paulo: RT, 2000. v. 5, t. 1.
MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do processo de
conhecimento: a tutela jurisdicional através do processo de conhecimento. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.
MARQUES, José Roberto. Meio ambiente urbano. Rio de Janeiro: Forense Univer-
sitária, 2005.
MARTINS, Antônio Carlos Garcias. Mandado de segurança coletivo: legitimidade
para a causa e o regime da coisa julgada. Porto Alegre: Síntese, 1999.
MARTINS, Antônio Carvalho. A política de ambiente da Comunidade Econômica
Européia. Coimbra: Coimbra Ed., 1990. p. 99.
MAZZEI, Rodrigo; NOLASCO, Rita Dias (coord.). Processo civil coletivo. São Paulo:
Quartier Latin, 2005.
MAZZILLI, Hugo Nigro. A defesa dos interesses difusos em juízo: meio ambiente,
consumidor e outros interesses. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2003; 18. ed., 2005.
________.O inquérito civil. São Paulo: Saraiva, 1999.
________. A ação civil pública no Estatuto da Criança e do Adolescente. RT, São
Paulo, RT, v. 659, 1990.
MELO NETO, Francisco P.; FROES César. Empreendedorismo social: a transição
para a sociedade sustentável. Rio de janeiro: Qualitymark 2002.
MILARÉ, Édis. A ação civil pública e o Ministério Público como tutor dos intereses
difusos. Trabalho apresentado no Curso de Pós-Graduação da USP, inédito, São
Paulo, 1982.
________.A ação civil pública e a tutela jurisdicional dos interesses difusos (co-
autor). São Paulo: Saraiva, 1984.
________.(coord.).Ação civil pública: Lei 7. 347/1985 15 anos. São Paulo: RT, 2001,
2 ed., 2002.
25
________.(coord).Ação civil pública: Lei 7.347/1985 — Reminiscências e reflexões
após dez anos de aplicação. São Paulo: RT, 1995.
________.(coord).Ação civil pública após 20 anos: efetividade e desafios. São Paulo:
RT, 2005.
________.Ação civil pública na nova ordem constitucional. São Paulo: Saraiva,
1990.
________.Direito do ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. p. 211.
________.Curadoria do meio ambiente. São Paulo: APMP, 1988.
________.Instrumentos legais e econômicos aplicáveis aos Municípios. Sistema
Municipal de Meio Ambiente — Sismuma/Sisnama. Municípios e meio ambiente:
perspectivas para a municipalização da gestão ambiental no Brasil. Ed. Arlindo
Philippi Jr. (et al.). São Paulo: Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente,
1999.
________.Processo coletivo ambiental. In BENJAMIN, Antonio Herman V.
(coord.).Dano ambiental: prevenção, reparação e repressão. São Paulo: RT,
1993.
________.A distribuição do ônus da prova no Anteprojeto de Código Brasileiro de
Processos Coletivos (co-autor). ln: GRINOVER. Ada Peilegrini; MENDES, Aluisio
Gonçalves de Castro; WATANABE, Kazuo (coord.). Direito processual coletivo e o
anteprojeto de Código Brasileiro de Processos Coletivos. São Paulo: RT, 2007.
________.BENJAMIN, Antonio Herman V. Estudo prévio de impacto ambiental: teo-
ria, prática e legislação. São Paulo: RT, 1993.
________.COSTA JR., Paulo José da. Direito penal amhiental — Comentários à Lei
9.605/98 Campinas: Millennium, 2002.
________.Responsabilidade civil pelo dano ambiental e o princípio da reparação
integral do dano. RT, São Paulo, RT, n. 32, 2003.
MINAHIM, Mana Auxiliadora. Direito penal e biotecnologia. São Paulo: RT, 2005.
MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Tutela do patrimônio cultural brasileiro. Belo
Horizonte: Del Rey, 2006.
MIRRA, Álvaro Luiz Valery. Ação civil pública e a reparação do dano ao meio
ambiente. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002. p. 53-58.
________.A reparação do dano ambiental. Tradução do autor. Estrasburgo, França,
1997. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade de Estrasburgo.
MIRRA, Álvaro Luiz Valer: Ação civil pública e a reparação do dano ao meio am-
biente. 2. ed. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2004.
________.Fundamentos do direito ambiental no Brasil. São Paulo, RT, v 706, 1994.
________.Impacto ambiental. Aspectos da legislação brasileira. 3. ed. São Paulo:
Oliveira Mendes, 2006.
MORAES, Luís Carlos Silva de. Código Florestal comentado (com as alterações da
Lei de Crimes Ambientais—Lei 6.905/98). 3. cd. São Paulo: Atlas, 2002.
MORAES, Voltaire de Lima (org.). Ministério Público, direito e sociedade. Porto
Alegre: Fabris, 1986.
MORAIS, José Luis Bolzan de. Do direito social aos interesses transindividuais.
Porto Alegre: Livr. do Advogado Ed.
MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Introdução ao direito ecológico e ao direito
urbanistico. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1977.
MOSER, Antonio. Biotecnologia e bioética: para onde vamos? Petrópolis: Vozes,
2004.
________.Ecologia: perspectiva ética. Revista Eclesiástica Brasileira, Petrópolis,
26
1992.
MOTA, José Aroudo. O valor da natureza: economia e política dos recursos ambien-
tais. Rio de janeiro: Garamond, 2001.
MUKAI, Toshio. Direito ambiental sistematizado. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 1998.
MUKAI, Toshio. Direito ambiental sistematizado. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
2002.
MUSETTI. Rodrigo Andreotti. Da proteção jurídico-ambiental dos recursos hídricos.
São Paulo: LED, 2001.
NALINI,Jose Renato. Ética ambiental. 2. ed. Campinas: Millenuium, 2003.
_________.Ética e justiça. São Paulo: Oliveira Mendes, 1998.
NERYJUNIOR, Nelson. Responsabilidade civil por dano ecológico e a ação civil
pública. Justitia, São Paulo, v. 126, 1984.
_________.Principios do processo civil na Constituição Federal, São Paulo RT,
1992.
_________.et alii. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos
autores do anteprojeto. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.
______;___.O Ministério Público e a responsabilidade civil por dano ambiental
Justitia, São Paulo, v. 161, 1993.
NOAL, Fernando Oliveira; REIGOTA. Marcos; BARCELOS, Valdo Hermes de Lima
(org.). Tendências da educação ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul: Edunisc
(Universidade de Santa Cruz do SuI/RS). 1998.
NOGUEIRA NETO, Paulo. Estações ecológicas. Uma saga de ecologia e de política
ambiental. São Paulo: Empresa das Artes, 1991.
NUNES, Antônio de Pádua. Código de Águas. São Paulo: RT, 1982.
NUSDEO, Fábio. Desenvolvimento e ecologia. São Paulo: Saraiva, 1975.
OLIVEIRA, Antonio Inagê de Assis. O licenciamento ambiental. São Paulo: Iglu. 1999.
OLIVEIRA, Flávia de Paiva Medeiros de; GUIMARÃES, Flávio Romero. Direito, meio
ambiente e cidadania: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Madras,
2004.
OLIVEIRA. Helli Alves de. Da responsabilidade do Estado por danos ambientais. Rio
de janeiro: Forense, 1990.
OLIVEIRA, José Marcos Domingues de. Direito tributário e meio ambiente: pro-
porcionalidade, tipicidade aberta, afetação da receita. Rio de Janeiro: Renovar,
1995.
OLIVEIRA, Juarez de (coord). Comentários ao Código de Proteção do Consumidor.
São Paulo: Saraiva 1991.
OLIVEIRA JUNIOR, José Alcebíades; LEITE, José Rubens Morato (org.). Cidadania
coletiva. Florianópolis: Paralelo 27, 1996.
PACIORNlK, Joel Ilan. Tutela administrativa das águas. In: FREITAS, Vladimir Passos
de (coord.). Águas: aspectos jurídicos e ambientais. Curitiba: Juruá. 2000.
PÁDUA. José Augusto. Natureza e projeto nacional. In: PÁDUA, José Augusto (org.).
Ecologia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, IUPERJ, 1987.
PASOLD, Cesar Luis. Função social do Estado contemporâneo. Florianópolis:
Estudantil, 1988.
PASSOS, Luis Antonio Niro. Gestão ambiental: inovação e competitividade. Londrina:
Eduel, 2006.
PAVIANI,Jayme; SPAREMBERGER, Raquel F. Lopes. Homem, natureza, direito: no-
tas de estudo sobre biodireito e direito ambiental. Caxias do Sul: Educs, 2005.
27
PENNA, Carlos Gabaglia. O estado do planeta: sociedade de consumo e degradação
ambiental. Rio de Janeiro: Record. 1999.
_________.Considerações sobre desenvolvimento sustentável. In: FONSECA,
Denise; SIQUEIRA, Josafá (org.). Meio ambiente, cultura e desenvolvimento. Rio
de Janeiro: Sete Letras, 2002.
PEREIRA, Osny Duarte. Direito florestal brasileiro. Rio deJaneiro: Borsôi, 1950.
PHILLIPI JR., Arlindo; MAGLIO Ivan Carlos; COIMBRA, Ávila Aguiar; FRANCO, Roberto
Messias (org.). Municípios e meio ambiente: perspectivas para a
municipalização da gestão ambiental no Brasil. São Paulo: Associação Nacional
de Municípios e Meio Ambiente, 1999.
________;ALVES, Alaor Caffé (ed.). Curso interdisciplinar de direito ambiental.
Barueri: Manole, 2005.
PIMENTA, Carlos. Enquadramento geral da problemática do ambiente. In: AMARAL,
Diogo Freitas do (org.). Direito do ambiente. Oeiras: INA, 1994.
PIRES, Francisco Lucas. Introdução ao direito constitucional europeu. Coimbra:
Almedina, 1997. p. 15.
PIRES, Maria Coeli Simões. Da proteção ao patrimônio cultural: o tombamento
como principal instituto. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.
PIVA, Rui Carvalho. Bem ambiental. São Paulo: Max Limonad, 2000.
POLIDO, Walter. Seguros para riscos ambientais. São Paulo: RT, 2004.
PORFIRO JÚNIOR, Nelson de Freitas. Responsabilidade do Estado em face do dano
ambiental. São Paulo: Malheiros. 2002.
PORTILHO, Fátima. Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo:
Cortez, 2005.
PORTO, Mário Moacyr. Pluralidade de causas de dano e redução da indenização —
Força maior e dano ao meio ambiente. RT, São Paulo, RT, v. 638, 1988.
PRADO, Luiz Regis. Crimes contra o ambiente. 2. ed. São Paulo: RT, 2001; 1,
ed.,1998.
__________.Direito penal ambiental. São Paulo: RT, 1992.
PROENÇA, Luís Roberto. lnquérito civil: atuação investigativa do Ministério Público
a serviço da ampliação do acesso à justiça. São Paulo: RT, 2001.
__________.BRAGA, Benedito; TUNDISI, Benedito Braga (org.). Águas doces no Bra-
sil: capital ecológico, uso e conservação. 2. ed. São Paulo: Escrituras, 2002.
REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 1998.
REISEWITZ, Lúcia. Direito ambiental e patrimônio cultural. São Paulo, Juarez de
Oliveira, 2004.
RIBEIRO. Darcy. Os índios e a civilização. A integração das populações indígenas
no Brasil moderno. 1. reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
RICARDO, Fany (org.) Terras indígenas e unidades de conservação da natureza.
São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004.
RIFKIN, Jeremy. O século da biotecnologia: a valorização dos genes e a
reconstrução do mundo. Tradução de Arão Sapiro. São Paulo: Makron Books,
1999. p. 76.
RIOS, Aurdio Virgilio Veiga: IRIGARAY, Carlos Teodoro H. (org.). O direito
desenvolvimento sustentável: curso de direito ambiental. São Paulo: Peirópolis.
2005.
RODRIGUEIRO, Daniela A. Dano moral ambiental. São Pauto: Juarez de Oliveira,
2004.
RODRIGUES, Geisa de Assis. Ação civil pública e termo de ajustamento de conduta,
28
teoria e prática. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
RODRIGUES, José Eduardo Ramos. Sistema Nacional de Unidades de
Conservcição, São Pauto: RT, 2005.
RODRIGUES, Marcelo Abelha. Instituições de direito ambiental. São Pauto: Max
Limonad. 2002. p. 61.
_________.Elementos de direito ambiental. 2. ed São Paulo: RT, 2005.
_________;ROSA. Márcio Fernando Elias; FAZZIO JÚNIOR, Waldo. Improbidade
administrativa: aspectos jurídicos da defesa do patrimônio público. 4. ed. São
Paulo: AtIas, 1999.
ROSA, Vladimir d’. A punibilidade as infrações ao meio ambiente e seus beneficios
à educação ambiental. Porto Alegre: Imprensa Livre, 2006.
ROTHENBURG, Walter Claudius. Responsabilidade penal da pessoa jurídica e
medidas provisórias de direito penal. Sao Paulo: RT, 1999.
SÁ, Julio César de, MISI, Márcia Costa (org.). O direito e os desafios da
contemporaneidade. São Paulo: LTr, 1999.
SALVADOR, Antonio Rafael Silva. Aspectos processuais da ação civil pública. São
Paulo: Oliveira Mendes, 1997.
SAMPAIO, Francisco José Marques. Evolução da responsabilidade civil e reparação
de danos ambientais. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.
________.Responsabilidade civil e reparação de danos ao meio ambiente. 2 ed. Rio
de Janeiro: Lumen Juris, 1998.
SAMPAIO, José Adércio Leite; WOLD, Chris; NARDY, Afrânio José Fonseca. Princípios
de direito ambiental. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.
SANCTIS, Fausto Martin de. Responsabilidade penal da pessoa jurídica. São Paulo:
Saraiva, 1999.
_________.Socioambientalisnio e novos direitos. São Paulo: Petrópolis, 2005.
SANTOS, Maria Celeste Cordeiro Leite (org.). Biodireito — Ciência da vida, os novos
desafios. São Paulo: RT, 2001.
SANTOS, Thereza Christina Carvalho; CÂMARA,João Batista Drummond (org.). GEO
Brasil 2002: perspectivas do meio ambiente no Brasil. Brasília: IBAMA, 2002.
SANTOS, Valdir Andrade. Poluição marinha. Rio de janeiro: Lumen Juris, 2003.
SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livr. do
Advogado Ed., 2001.
________.A eficácia dos direitos fundamentais. 3. ed. rev. atual. e ampl. Porto Alegre:
Livr. do Advogado Ed., 2003.
SATHOURIS, Elisabet. A dança da terra: sistemas vivos em evolução — Uma nova
visão da biologia. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1998.
SATO, Jorge. Mata Atlântica: direito ambiental e a legislação. São Paulo: Hemus,
1995.
SCHMIDHEINY, Stephan. Mudando o rumo: uma perspectiva empresarial global so-
bre desenvolvimento e meio ambiente. Rio de Janeiro: Fundação Getutio Vargas,
1992.
SCHWENCK JR., Paulo de Mello; AZEVEDO, Pedro Ubiratan Escorel de (org.).
Regularização imobiliária de areas protegidas. São Paulo: Secretaria de Estado
do Meio Ambiente/Procuradoria-Geral do Estado, 1998.
SÉGUIN, Elida. Biodireito. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Jurís, 2001.
_________.Direito ambiental: nossa casa planetária. Rio de janeiro: Forense, 2000.
SENDIM, José de Souza Cunhal. Responsabilidade civil por danos ecológicos: da
reparação do dano através da restauração natural. Coimbra: Coimbra Ed., 1998.
29
_________.Responsabilidade penal da pessoa juridica. São Paulo: RT, 1998; 2. ed,
São Paulo: Método. 2004.
_________.Responsabilidade civil por danos ecológicos: da reparação através de
restauração natural. Lisboa, 1995. Dissertação (Mestrado em Direito) -
Universidade Católica Portuguesa.
_________.Responsabilidade civil por danos ecológicos: da reparação do dano
através da restauração natural. Coimbra: Coimbra Ed., 1998.
SILVA, Bruno Campos (org). Direito ambiental: enfoques variados. São Paulo: Lemos
& Cruz, 2004.
SILVA, Carlos Celso do Amaral e. O desenvolvimento industrial, a tecnologia e o
meio ambiente. A questão ambiental. São Paulo: Terragraph, 1994.
_________.Planejamento ambiental. A questão ambiental. São Paulo:
Terragraph,1994.
SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento. Direito ambiental internacional: meio am-
biente, desenvolvimento sustentdvel e os desafios da nova ordem mundial, 2.
ed, Rio de janeiro: Thex / Biblioteca Estácio de Sá, 2002.
_________.Direito ambiental constitucional. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2002.
_________.Direito urbanístico brasileiro, 3, ed. São Paulo: Malheiros. 2000.
SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. São Paulo: Malheiros, 1994.
_________.Curso de direito constitucional positivo. 9. ed. São Paulo: Malheiros,
1994. p. 41.
SILVElRA, Patrícia. Competência ambiental. Curitiba: Juruá, 2003
SIMÕES, Luciana Lopes; LINO, Clayton Ferreira, Sustentável Mata Atlántica, São
Paulo: SENAC, 2003.
SIRVINSKAS, Luis Paulo. Ainda sobre normas penais em branco e bem jurídico
tutelado nos crimes ambientais. Boletim IBCCrim, São Paulo, n. 73, 1998.
_________.Tutela penal do meio ambiente. 2. ecl. São Paulo: Saraiva, 2002.
__________.Direito internacional do meio ambiente: emergência, obrigações e
responsabilidades, São Paulo: Atlas, 2001.
SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de direito ambiental. São Paulo: Saraiva, 2003.
SOUZA, Nelson Mello e. Educação ambiental: dilemas da prática contemporânea,
Rio de Janeiro: Thex, 2000.
SOUZA, Paulo Roberto Pereira de Souza; MILLS, Jon (coord.). Conflitos jurídicos,
econômicos e ambientais. Maringá: Universidade Estadual de Matingá – UEM,
1995.
SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. O renascer dos povos indígenas para o
direito. Curitiba: Juruá, 2001.
SPAREMBERGER, Raquel Fabiana Lopes; AUGUSTIN, sérgio (org.). Direito ambiental
e bioáetica: legislação, educação e cidadania. Caxias do sul: Educs, 2004.
STEINGLEDER, Annelise Monteiro. As dimensões do dano ambiental no direito
brasileiro. Curitiba, 2003. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal
do Paraná.
STEIGLEDER, Anneliese Monteiro. Responsabilidade civil ambiental: as dimensões
do dano ambiental no direito brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004.
SZNICK, Valdir. Direito penal ambiental. São Paulo: Ícone, 2001.
TAVARES, André Ramos. Tribunal e jurisdição constitucional. São Paulo: Instituto
Brasileiro de Direito Constitucional (lBDC)/Celso Bastos, Editor, 1998.
TEIXEIRA, Pedro; VALLE, Sílvio (org.). Biossegurança – Uma abordagem

30
multidisciplinar. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996.
TELLES, A. Queiroz. Tombamento e seu regime jurídico. São Paulo: RT, 1992.
TESSLER, Luciane Gonçalves. Tutelas jurisdicionais do meio ambiente. São Paulo:
RT, 2004.
THAME, Antonio Carlos de Mendes (coord.). A cobrança pelo uso da água. São Paulo:
Igual, 2000.
THEODORO, Suzi Huff (org.). Conflitos e uso sustentável dos recursos naturais. Rio
de Janeiro; Garamond, 2002.
TOMMASI, Luiz Roberto. Estudo de impacto ambiental. São Paulo: Terragraph, 1994.
TRIGUEIRO, André. Mundo sustentável. São Paulo: Globo, 2005.
TRINDADE, Antonio A. Cançado. Direitos humanos e meio ambiente: paralelos dos
sistemas de proteção internacional. Porto Alegre: Fabris, 1993.
VALLE, Cyro Eyer do. Qualidade ambiental — O desafio de ser competitivo
protegendo o meio ambiente. São Paulo: Pioneira, 1995.
_________.Qualidade ambiental: IS0 14.000. 5. ed. São Paulo: SENAC, 2004.
VARELLA, Marcelo Dias; BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro (org.). O novo em
direito ambiental. Belo Horizonte: Del Rey, 1998.
VIANA, Gilney SILVA, Marina; DINIZ, Nilo (coord.). O desafio da sustentabilidade
— Um debate socioambiental no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo,
2001.
VIEIRA, Fernando Grella. A transação na esfera da tutela dos interesses difusos e
coletivos: compromisso de ajustamento de conduta. In: MILARÉ, Édis(coord.).
Ação civil pública: Lei 7.347/1985 — 15 anos. São Paulo: RT, 2001; 2.ed., 2002.
VIEIRA, Paulo Freire; WEBER, Jacques. Gestão de recursos naturais renováveis e
desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez,
1996.
VIANA, Suzana Camargo. A construção do conceito de desenvolvimento susten-
tável. In: FONSECA. Denise Pini Rosalem da; SIQUEIRA, Josafá Carlos de (orgs.).
Meio ambiente, cultura e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Sette Letras. 2002.
VIGLIAR, José Marcelo Menezes. Ação civil pública. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
VITTA, Heraldo Garcia. O meio ambiente e a ação popular. São Paulo Saraiva, 2000.
WAINER, Ann Helen. Legislação ambiental brasileira: subsídios para a historia do
direito ambiental. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999.
WALDMAN, Maurício. Meio ambiente e antropologia. São Paulo: SENAC, 2006.
WATANABE, Kazuo. Apontamentos sobre “direitos difusos” (necessidade de
processo dotado de efetividade e de apoio permanente dos juízes e apoio dos
órgãos superiores da justiça em termos de infra-estrutura material e pessoaI). In:
MILARÉ, Édis (coord ). Ação civil pública: Lei 7.347/1985 — Reminiscências e
reflexões após dez anos de aplicação. São Paulo: RT, 1995.
WERNECK Mário; SILVA, Bruno Campos: MOURÃO, Henrique A.; MORAES. Marcus
Vinícius Ferreira de (coord.). Direito ambiental visto por nós, advogados. Belo
Horizonte: Del Rey, 2005.
ZULAUF, Werner E. A ideologia verde e outros ensaios sobre meio ambiente. São
Paulo: Geração Editorial, 1995.
A água no olhar da história. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 1999.
A humanização do meio ambiente. Trad. Regina Pinto Zingoni. São Paulo: Cultrix,
1972. (Simpósio do Instituto Smithsoniano.)
Agenda 21. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, l995.

31
Ambientalismo no Brasil — Passado, presente e futuro. São Paulo: Instituto
Socioambiental, 1997.
Áreas de domínio do cerrado no Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria do
Meio Ambiente, 1998.
Atlas de conservação da natureza brasileira. São Paulo: Metalivros. 2004
Atlas do meio ambiente do Brasil. 2. ed. Empresa Brasileira de Pesquisa
Agropecuária — Embrapa. Brasília: Terra Viva, 1996.
Biodiversidade brasileira: avaliação e indentificação de áreas e ações prioritárias
para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da
biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasilia: Ministério do Meio Ambiente,
2002.
Consumo sustentável. Programa das Nações Unidas para o o Desenvolvimento.
Trad. Admond Bem Meir. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, Idec, 1998.
Cuidando do Planeta Terra — Uma estratégia para o futuro da vida. São Paulo:
UICN
— União Internacional para a conservação da Natureza, PNUMA — Programa
das Nações Unidas para o Meio Ambiente e WWF — Fundo Mundial para a
Natureza (Governo do Estado de São Paulo, ECO 92), 1992.
Desenvolvimento urbano & meio ambiente. Boletim Infomativo. Universidade Livre do
Meio Ambiente, Curitiba, p.3, 1997.
Dicionário brasileiro de ciências ambientais. Org. Pedro Paulo de Lima e Silva, An-
tônio J. T. Guerra e Patrícia Mousinho. Rio de Janeiro: Thex, 1999.
Dicionário de ecologia e ciências ambientais. Ed. Henry W. Art. Trad. Mary Amazo-
nas L. de Barros. São Paulo: Melhoramentos, 1998.
Educação ambiental. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Companhia
de Tecnologia de Saneamento Ambiental — CETESB, 1987.
Gerenciamento de recursos hídricos. Coord. Fernando Antônio Rodriguez; Brasilia:
Secretaria de Recursos Hídricos, 1998.
Gestão participativa das águas. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente,
coord. Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental, 2004.
Manual de auditoria ambiental. Coord. Emilio Lèbre La Rovere. Rio de Janeiro:
Qualitymark, 2000.
Manual de avaliacão de impactos ambientais. Curitiba: SUREHMA/GTZ, 1992.
Manual de recuperação de áreas degradadas pela mineração técnicas de
revegetação. Brasília: IBAMA, 1990.
Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. 1988. (Publi-
cação da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.)
O desafio do desevolvimento sustentável. Brasília: Secretaria de
Imprensa/Presidência da República 1991. (Relatório do Brasil para a Conferência
das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.)
Projeto FLORAM — Urna plataforma. Revista Estudos Avançados/USP, São Paulo, v 4,
n. 9, 1990.
Rotulagem ambiental — Base para o programa brasileiro. Brasília: MMA/SPDS, 2002.

4- REVISTAS, PERIÓDICOS E DOCUMENTOS NACIONAIS.

ACKER, Francisco Ihomaz van. O municipio e o meio ambiente na Constituição de


1988. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 1. 1996.
32
_________.Os estudos de impacto ambiental: da Resolução 001/1986 à Resolução
237/1997 do CONAMA. Avaliação de impacto ambiental. São Paulo: Secretaria do
Meio Ambiente, 1998.
Breves considerações sobre a Resolução 237, de 19.12.1997, do CONAMA, que
estabelece critérios para o licenciamento ambiental. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 8, 1997.
Poder Judidário e reserva legal: análise de recentes decisões do Superior Tribunal
de Justiça. Revista de Direito Ambiental, n. 21. São Paulo. RT, 2001.
ÁVILA, Elna Leite; ALMEIDA, lone Monteiro de. O estudo de impacto ambiental —
Licenciamento — Responsabilidade criminal. Revista do Ministério Público do
Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 27. 1992.
AYALA, Patryck de Araújo. Direito e incerteza: a proteção jurídica das futuras
gerações no estado de direito ambiental. Florianópolis, 2002. Dissertação
(Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina.
_______.O regime constitucional de exploração dos recursos hídricos e dos
potenciais energéticos em terras indígenas: o direito fundamental à água e a
proteção jurídica da cultura na sociedade de risco. In: BENJAMIN, Antônio
Herman (org.). Anais do 7º Congresso Internacional de Direito Ambiental, 2003. São
Paulo, Brasil. Direito, água e vida. Homenagem a Parvez Hassan. São Paulo:
IMPESP, 2003. p. 763-767.
AZEVEDO, Tupinambá Pinto de. Pessoa jurídica: ação penal e processo na lei
ambiental. Revista de Direito Ambiental, RT, n. 12, 1998.
BARROSO, Luiz Roberto. A proteção do meio ambiente na Constituiçao brasileira.
Revista Forense. Rio de Janeiro, v 317, p.177, 1992.
BARTH, Nelson Terra; GRANZIERA. Maria Luiza Machado. É necessário um código
de meio ambiente? Revista Saneamento Ambiental, São Paulo, n. 29, p. 34,
1994.
BEDNARSKI, José Luiz. Lei 9.605/1998: equívocos do legislador. Boletim IBCCrim,
São Pauto, n. 68, p. 4, 1998.
BELLIA, Vitor. Introdução à economia do ambiente. Brasília: lbama, 1996.
BELLO FILHO. Ney de Barros. Aplicabilidade da Lei de Improbidade Administrava à
atuação da Administração ambiental brasileira. Revista de Ambiental, São Paulo,
RT. v. 18, p. 78, abr/jun. 2000.
BELTRÃO, Antônio Figueiredo Guerra. A competência dos Estados federados em
meio ambiente a partir da ordem constitucional de 1988. Disponível em:
http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=4253>. Acesso em: 7 set. 2005.
BENJAMIN, Antônio Herman V. A insurreição da aldeia global contra o processo civil
clássico. Apontamentos sobre a opressão e a libertação judiciais do meio
ambiente e do consumidor. In: MlLARÉ, Édis. Ação civil pública: Lei 7.347/85 -
reminiscências e reflexões após dez anos de aplicação. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1995.
________.A insurreição da aldeia global versus o processo civil clássico. In:
Textos: ambiente e consumo. v. 1. Lisboa: Centro de Estudos Judiciários, 1996.
________.A natureza no direito brasileiro: coisa, sujeito ou nada disso. Caderno
Jurídico, São Paulo: Escola Superior do Ministério Público de São Paulo, ano 1, n. 2,
p. 151- 171, 2001.
________.(coord.). Dano ambiental: prevenção, reparação e repressão, função
ambiental. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993.
BENJAMIN, Antonio Herman V. A implementação da legistação ambiental: o papel
33
do Ministério Público. Justitia, São Paulo, v 161, 1993.
________.A proteção do meio ambiente nos países menos desenvolvidos: o caso
da América Latina. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 0, p 102-
103,1995.
________.(coord.). Dano ambiental. Prevenção, reparação e repressão. São Paulo:
RT,1993.
________.Responsabilidade civil pelo dano ambiental. Revista de Direito Ambiental,
São Paulo. RT, n. 9, 1998.
_______.Função ambiental. In: BENJAMIN, Antônio Herman V. (coord.). Dano
ambiental: prevenção, reparação e repressão, função ambiental. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 1993. p. 9-82.
_______.O princípio poluidor-pagador e a reparação do dano ambiental. In:
BENJAMIN, Antônio Herman V (coord.). Dano ambiental: prevenção, reparação e
repressão. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993. p. 226-236.
_______.Os princípios do estudo de impacto ambiental como limites da
discricionariedade administrativa. Revista Forense, v. 317, p. 34, 1992.
_______.Reflexões sobre a hipertrofia do direito de propriedade na tuteIa da
reserva legal e das áreas de preservação permanente. In: Instituto O Direito por
um Planeta Verde: 5 anos após a ECO-92. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado
de São Paulo, 1997. p. 11-36.
_______.Responsabilidade civil pelo dano ambiental. Revista de Direito Ambiental,
São Paulo, n. 9, p. 5-52, jan./mar; 1998.
_______.O regime brasileiro das unidades de conservação. Revisa de Direito
Ambiental, São Paulo, n. 21 2001.
________.Um novo modelo para o Ministério Público na proteção do meio
ambiente. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 10, 1998.
BIELSA, Rafael. Ação popular e o poder discricionário da Administração. Revista
Forense, Rio de Janeiro, v.157, 1955.
BIRNFELD, Carlos André Souza. A emergência de uma dimensão ecológica para a
cidadania: alguns subsídios aos operadores jurídicos. Florianópolis, 1997. 209 p.
Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina.
BITENCOURT, Cezar Roberto. Transação penal e suspensão do processo à luz da
Lei 9.605I1998. Boletim IBCCrim, São Paulo, n. 73, 1998.
BITTAR FILHO. Carlos ALberto. Do dano moral coletivo no atual contexto jurídico
brasileiro. Revista de Direirto do Consumidor, São Paulo, RT, v 12. p. 42-62, 1994.
BONALUME, Wilson Luiz. Crimes contra o meio ambiente. RT 644/235, São Paulo,
1999.
BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Função ambiental da propriedade. Revista de
Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 9, p. 67-85, 1995.
BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Função ambiental da propriedade. Revista de
Direito Ambiental, v. 9, p. 67-85, jan./mar. 1998.
BORTOLINI, Mara Cristiane. A nova tutela penal do meio ambiente. Revijur Revista
Jurídica do Ministério Público do Estado do Mato Grosso do Sul, Campo Grande/MS,
v 1, 1998.
BRAGA Rodrigo Bernardes. Considerações sobre o direito adquirido em matéria
ambiental. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 35. 2004.
BRANCO, Murgel. Conflitos conceituais nos estudos sobre meio ambiente. p. 231 .
BRINDEIRO, Geraldo. A implementação das normas de Direito Ambiental no Brasil:
o papel do Ministério Público. Revista da Procuradoria-Geral da Republica, São
34
Paulo, RT, n. 8, p. 104, 1996.
BUGALHO, Nelson R. A tutela penal das unidades de conservação. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 35, 2004.
_________.Crime de poluição, do art. 54 da Lei 9.605/1998. Revista de Direito Ambien-
tal, São Paulo, RT, n. 11, p. 23, 1998.
_________.Estudo prêvio de impacto ambiental. Revista dc Direito Ambiental, São
Paulo. RT, n. 15, p. 32. 1999.
_________.Instrumentos de controle extraprocessual: aspectos relevantes do
inquérito civil público, do compromisso de ajustamento de conduta e da
recomendação em matéria de proteção do meio ambiente. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 37, 2005.
BURLE FILHO. José Emmanuel. A natureza do Inquérito civil como atribuição
constitucional do Ministério Público. Revista Justitia, São Paulo, v. 165, 1994.
________;GAMA, Antônio Carlos Augusto. Ação civil pública promovida pelo
Ministério Público e ônus da sucumbência. Revista de Direito Ambiental, São
Paulo, RT, n.1, 1996.
________;MARTINS JÚNIOR, Wallace Paiva. Compromisso de ajustamento de
conduta e entidades paraestatais. Revista do Ministério Público de Goiás, Goiânia,
n.1, 1996.
CABRAL, Armando. Direito ao meio ambiente como direito fundamental
constitucionalizado. Revista de Direito Agrário e Meio Ambiente, ano II, n. 2, ago.
p. 12, 1987.
CABRAL, Armando Henrique Dias. Direito ambiental: o que é? Revista da
Procuradoria-Geral do Estado, n. 19 (47), Porto Alegre, 1989, p. 45.
CAIS, Cleide Previtalli. Proteção constitucional do meio ambieme — Função social
da propriedade (operacionalização processual). Revista do Direito Público, São
Paulo, n. 89, 1989.
_________.Juridicização da ecologia ou ecologização. Revista de Direito, Urbanismo
e do Ambiente, Coimbra, n. 4, 1995.
CAPPELLI. Sílvia. O estudo de impacto ambiental na realidade brasileira. São Paulo:
RT, 1993; Revista do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul. Porto
Alegre, n. 27, 1992.
CARVALHO. Délton Winter de. A proteção jurisdicional do meio ambiente: uma
relação juridica comunitária. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 24, p.
197, 2001.
CASTRO, Carlos Roberto de Siqueira. O direito ambiental e o novo humanismo
ecológico. Revista Forense, v. 317, p. 34, 1992.
CASTRO, Roberto de Siqueira. O direito ambiental e o novo humanismo ecológico.
Revista Forense. Rio de janeiro, v.317, 1992.
CAZETTA, Ubiratan. O dano ambiental e o processo penal. Revista de Direito
Ambiental. São Paulo. RT, n. 15. 1999.
________.Responsabilidade no direito ambiental brasileiro. Revista Forense, Rio de
janeiro, v.317, 1992.
__________.Reflorestamento compulsório — Uma aplicação da Lei 6.938/1981.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n. 2, p. 67-70. 1996.
COMPARATO, Fábio Konder. O papel do juiz na efetivação dos direitos humanos.
In: Direitos humanos: visões contemporâneas. São Paulo: Associação de Juízes
para a Democracia, 2001. p. 16.
CRUZ, Branca Martins da. Responsabilidade civil por dano ecológico. Lusíada:
35
Revista de Ciência e Cultura, Porto, número especial, p. 189, 1996.
CUSTÓDIO, Helita Barreira. A questão constitucional: propriedade, ordem
econômica e dano ambiental. Competência legislativa concorrente. In: BENJAMIN,
Antônio Herman V. (coord.). Dano ambiental: prevenção, reparação e repressão,
função ambiental. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993. p. 133-136.
_______.Direito à educação ambiental e à conscientização pública. Revista de
Direito Ambiental, v. 18, p. 38-56, abr./jun. 2000.
DAWALIBI. Marcelo. O poder de policia em materia ambiental. Revista de Direito
ambiental, São Paulo, RT, n. 14. 1999; Revista justitia, São Paulo, v 181-184.1998.
_________.Licença ou autorização ambiental? Revista de Direito Ambiental, São
Paulo,
RT. n. 17. 2000.
__________. Responsabilidade civil por dano ecológico. Revista Forense, rio de
Janeiro, v. 317, 1972.
DERANI, Cristiane. Meio ambiente ecologicamente equilibrado: direito fundamental
e princípio da atividade econômica. In: FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de
(org.). Temas de direito ambiental e urbanístico. São Paulo: Max Limonad, 1998.
p. 92.
FERNANDES, Antonio Scarance. A nova lei ambiental e a justiça consensual.Boletim
IBCCrim, São Paulo, n. 65, 1998.
_______.MAZZILLI, Hugo Nigro. O Ministério Público e a questão ambiental na
Constituição. Revista Forense, Rio de janeiro, v. 294, 1986.
________.Responsabilidade civil por dano ecológico. Revista de Direito Público, São
Paulo, v. 49 e 50, 1979.
________.SILVA, Solange Teles da. Responsabilidade penal das pessoas juridicas
de direito público na Lei 9.605/1998. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT,
n.10, p. 57, 1998.
FELDMANN, Fábio José; CAMINO, Maria Ester Mena Barret. O direito ambiental: da
teoria à prática. Revista Forense, v. 317, p. 95, 1992.
FERREIRA, Daniela Câmara; FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de. Direito
constitucional ao meio ambiente de trabalho seguro e saudável. In:
FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin de (org.). Temas de direito ambientaI e
urbanístico. São Paulo: Max Limonad, 1998. p. 103-115.
FIGUEIREDO, Lúcia Valle. Discriminação constitucional das competências
ambientais. Aspectos pontuais do regime jurídico das licenças ambientais.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 35, p.39-55, jul./set. 2004.
FINK, Daniel Roberto; PEREIRA, Márcio Silva. Vegetação de preservação permanente
e meio ambiente urbano. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 2, 1996;
Revista justitia, São Paulo, v. 173, 1996.
_________.Ações coletivas para a tutela do ambiente e dos consumidores — A Lei
7347, de 24.07.1985. Revista de Processo, São Paulo, RT, n. 44,1986.
FIORlLLO, Celso Antônio Pacheco. Fundamentos constitucionais da política
nacional do meio ambiente: comentários ao artigo 1º da Lei 6.938/81. Revista da
Pós-Graduação do Direito da PUCSP, n. 2.1995.
GEVAERD FILHO, Jair Lima. Anotações sobre os conceitos de meio ambiente e
dano ambiental. Revista de Direito Agrário e Meio Ambiente 2/16, Curitiba, Instituto
de Terras, Cartografia e Florestas, 1987.
GOMES, Luís Roberto. O princípio da função social da propriedade e a exigência
constitucional de proteção ambiental. Revista de Direito AmbientaI, v. 17, p. 160-
36
178,jan./mar., 2000.
GOMES, Manuel Tomé Soares. A responsabilidade civil na tutela do ambiente—
Panorâmica do direito português. Revista de Direito Ambental, São Paulo, RT, n.
4, 1996.
GRAU, Eros Roberto. Proteção do ambiente: caso Parque do Povo. Revista dos
Tribunais, São Paulo, v. 702, abr. 1984.
JONES, Carol Adaire. Avaliação da perda pública causada por danos aos recursos
naturais. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 4, 1996.
JUCOVSKY. Vera Lúcia R. S. Meios de defesa do meio ambiente. Ação popular
participação pública. Brasil-Portugal. Revista de Direito Ambiental, São Paulo. RT, n.
17, 2000.
__________.Responsabilidade civil do Estado por danos ambientais no Brasil e em
Portugal. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 12, 1998.
LAZZARINI, Álvaro. A proteção do meio ambiente pela Policia Militar. Revista de
Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 0, p. 108, 1996.
________.Aspectos administrativos do direito ambiental. Justitia, São Paulo, v. 169,
1995.
LECEY, Eladio. O direito penal na efetividade da tutela do meio ambiente. Revista de
Direitos Difusos, São Paulo, Esplanada — ADCOAS e IBAP, v. 18, 2003.
_________.Responsabilidade penal da pessoa jurídica: efetividade e questões
processuais. Revista de Direito Ambiental. São Paulo, RT, n. 35, 2004.
________.DANTAS, Marcelo Buzaglo; FERNANDES, Daniele Cana Verde. O dano
moral ambiental e sua reparação. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n
4, 1996.
LEITE, José Rubens Morato. Dano ambiental: do individual ao coletivo
extrapatrimonial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.
______.Ação popular: um exercício de cidadania ambiental. Revista de Direito
Ambiental, v. 17, p. 123-140,jan./mar. 2000.
LEME MACHADO, Paulo Affonso. Princípio da precaução. Disponível em:
<http://www.merconet. com.br>. Acesso em: 1999. Princípios gerais do direito
ambiental internacional. In: BENJAMIN, Antônio Herman V. (coord.). Dano
ambiental: prevenção, reparação e repressão. São Paulo: Revista dos Tribunais,
1993.
LENCIONI, Sandra. Região e geografia. São Paulo: Edusp, 1999. p. 148.
LOPES, Pedro Silva. Dano ambiental: responsabilidade civil e reparação sem
responsável. Revista Jurídica do Urbanismo e do Ambiente, Coimbra,n. 8, p. 33,
dez. 1997.
LEUZINGER, Márcia Dieguez. Criação de espaços territoriais especialmente
protegidos e indenização. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n. 25,
2002.
__________. Meio ambiente: propriedade e repartição constitucional de
competências. Rio de Janeiro: Esplanada, 2002.
LOURES, Flavia Tavares Rocha. A implementação do direito à informação
ambiental. Revista de Direito Ambiental, São Paulo. RT, n. 34, 2004.
MAGALHÃES, Maria Luísa Faro. Função social da propriedade e meio ambiente:
princípios recicIados. In: BENJAMIN, Antônio Herman V. Dano ambiental:
prevenção, reparação e repressão. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993. p.
146-151.
MAGRI, Ronald Victor Romero; BORGES, Ana Lúcia Moreira. Vegetação de
37
preservação permanente e àrea urbana — Uma interpretação do parágrafo
único do art. 2.°do Código Florestal. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT,
n. 2, 1996.
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação popular: proteção do erário público, do
patrimônio cultural e natural, e do meio ambiente. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1994.
MARCHESAN, Ana Maria Moreira. Áreas de “degradação permanente”, escassez e
riscos. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n, 35, 2004.
MARCONDES. Ricardo Kochinsk; BITTENCOURT, Darlan Rodrigues. Lineamentos da
responsabilidade civil ambiental. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n.
3, 1996.
MARINONI, Luiz Guilherme. O direito ambiental e as ações inibitórias e de remoção
do ilícito.Disponívelem:<http://www.mundojuridico.adv.br/sis_artigos/artigos.asp?
codigo=498>. Acesso em: 19 out. 2005.
MARTIN, GiIles. Direito do ambiente e danos ecológicos. Revista Crítica de Ciências
Sociais, Coimbra, v. 31, p. 140, mar. 1990.
MARTINS, Neide Câmara. Considerações sobre o inquérito civil. Revista do Minis-
tério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. n. 27, 1992.
MEDEIROS, Rui. O ambiente na Constituição. Revista de Direito e Estudos Sociais,
Lex Edições Jurídicas, n. 1 a 4, jan./dez. 1993.
MEDINA, Paulo Roberto de Gouvêa. Aspectos da ação civil pública. Revista de
Processo, São Paulo RT, v. 47, 1987.
MELE, João Leonardo. Direito ambiental aplicado pela Polícia Militar. Meio ambiente
humano — Uso racional dos recursos naturais. Revista de Direito Ambiental, São
Paulo RT, n. 2, p. .165, 1996.
MELLO, Cláudio Ari. Improbidade administrativa: considerações sobre a Lei
8.429/1992. Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Politica, São Paulo, RT, v
3, n. 11, p 55, 1995.
MERCADANTE, Mauricio. Democratizando a criação e a gestão de unidades de
conservação da natureza a Lei 9.985 de 18.07.2000. Revista de Direitos Difusos,
São Paulo, ADCOAS e IBAP, v. 5, 2001.
_________.A participação comunitária na tutela do ambiente. Revista Forense, Rio
de Janeiro, v. 317, 1992; Revista do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre, n, 27, 1992.
_________.Direito do ambiente: um direito adulto. Revista de Direito Ambiental, São
Paulo RT, n. 15, 1999.
_________.Legislação ambiental e participação comunitária. RT, São Paulo, n. 651,
p. 22. 1990; Jus – Revista Jurídica do Ministério Público de Minas Gerais, Belo
Horizonte, n. 11, p. 45, 1991; Revista Justitia, São Paulo, n 152, p. 23, 1990.
__________.Por um reordenamento jurídico-ambiental. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 9, 1998.
__________.Princípios fundamentais do direito do ambiente. RT, São Paulo, RT, v.
756, 1998; Revista Forense, v. 352, 2000; Revista justitia, São Paulo, v 181-184,
1998.
__________.Realidade acorda juristas para o problema ambiental. Revista Pau
Brasil, São Paulo, v 9, 1985.
__________.Tratamento legal da recuperação de áreas degradadas. Revista de
Direito do Ministério Público do Estado de Rondônia, Porto Velho, v. 1, 1994.
__________.Tutela jurisdicional do ambiente. Revista intercâmbio. Edição especial
38
Meio Ambiente (português/inglês), Rio de Janeiro, v. 5. n 13, 1992; Revista do
Advogado, São Paulo, n. 37, 1992.
__________.Uma lei paradigmática: 6.938/Sl. In: ALMEIDA, Gabriel Gino; SERAFINI,
Leonardo Zagonel (org.). Direito, politica e meto ambiente: 25 anos da Lei
Federal 6.938/1981. Curitiba: Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná,
2006.
__________.ARTIGAS, Priscila Santos. Compensação ambiental: questões
controvertidas. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 43. 2006.
__________.COIMBRA. José de Ávila Aguiar. Antropocentrismo x ecocentrismo na
ciência jurídica. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n 36, 2004.
__________.FERRAZ, Antonio Augusto Mello de Camargo; MAZZILLI, Hugo Nigro.
O Mïnistério Público e a questão ambiental na Constituição. Revista Forense,
Rio de Janeiro, v. 294, 1986; RT, São paulo, RT, v.611, 1986; Justitia, São Paulo, v.
131-A, 1985; revista FMU – direito, São Paulo, v. 3, 1989.
_____;______.O papel do terceino setor na proteção juridica do ambiente. Revista
de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 35, 2004.
_____; ______. Meio ambiente e os direitos da personalidade. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 37, 2005.
_____;MAGRI, Ronald Victor Romero. Cubatão: um modelo de desenvolvimento não-
sustentável. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 1 e 2, 1992;
Revista do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 27, 1992.
_____;PEREIRA, Márcio Silva; COIMBRA, José de Avila Aguiar. Zoneamento
ecológico-econômico, zoneamento agro-ecológico e o Código Florestal (as-
pectos juridicos, científicos e sociais). Revista de Direitos Difusos, São Paulo,
IBAP/APRODAB, v. 32, 2005.
_____;SETZER, Joana. Aplicação do princípio da precaução em áreas de incerteza
científica: exposição a campos eletromagnéticos gerados por estações de
radiobase. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n. 41, 2006, p. 7-25.
CASTANHO, Renata. O compromisso de ajustamento de conduta e o fundo de
defesa de direitos difusos: relação entre os instrumentos alternativos de
defesa ambiental da Lei 7.347/1985. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT,
n. 38, 2005.
_______. Interesses difusos: a ação civil pública e a Constituição. Revista de Infor-
mação Legislativa, Brasília, n, 94, 1987.
_______.Princípios fundamentais do direito ambiental, Revista de Direito Ambiental,
São Paulo, RT, n. 2, 1996.
_______.Proteção do meio ambiente: a omissão do Poder Público e o papel social
do Judiciário no controle da administração pública. Revista de Direito Ambiental,
São Paulo, RT, n. 30, 2003.
MIRRA, Álvaro Luiz Valery. Fundamentos do direito ambiental no Brasil. Revista
Trimestral de Direito Público, São Paulo, v. 7, p. 179, 1994.
_______.Princípios fundamentais do direito ambiental. In: OLIVEIRA JÚNIOR, José
AIcebíades; LEITE, José Rubens Morato (org.). Cidadania coletiva. Florianópolis:
Paralelo 27, 1996.
MOREIRA, José Carlos Barbosa. Ação civil pública. Revista Trimestral de Direito
Público, São Paulo, Malheiros, n. 3, 1993.
__________.Ação popular no direito brasileiro como instrumento de tutela
jurisdicional dos chamados interesses difusos”. Temas de direito processual.
São Paulo:
39
Saraiva, 1977; Revista de Processo, São Paulo, RT, n. 28, 1982.
__________.Ações coletivas na Constituição Federal de 1988. Revista de Processo,
São Paulo, RT. n 61, 1991.
__________.Por um Código Nacional do Meio Ambiente. Revista de Ciência Política,
Rio de janeiro, Fundação Getúlio Vargas, n. 4, 1989.
__________.Meio ambiente — Tributação e vinculação de impostos. Revista de
Direito Tributário, São Paulo, n. 56, 1991.
______;_____.O Ministério Público e a responsabilidade civil por dano ambiental.
Justitia, São Paulo, v. 161, 1993.
________.EIA/RIMA — O conflito e a solução. Bio — Revista da Associação Brasileira
de Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, n. 2, 1990.
MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Política agrícola e fundiária e ecologia.
Revista Forense, v. 317, p. 74, 1992.
________.Competência concorrente limitada: o problema da conceituação das
normas gerais. Revista de Informação Legislativa. Brasília, p. 127-162, out./dez.
1988.
NAÇÕES UNIDAS. Declaração do Rio de Janeiro sobre o meio ambiente e
desenvolvimento (1992). In: SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento e. Direito
ambiental internacional. Rio de Janeiro: Thex, 1995.
OLIVEIRA, Sulivan Silvestre. A necessidade de codificação das leis ambientais no
Brasil como forma de garantir a eficaz proteção ambiental do cidadão. Revista
de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 7, p. 87-90, 1997.
_______.Crimes contra a fauna — Competência da Justiça Estadual. Revista de
Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 8, 1997.
________.Avaliação de impacto ambiental x estudo de impacto ambiental. Revista
de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 17, 2000.
PAZZAGLINI FILHO, Marino. Inquérito civil. Caderno de Doutrina e jurisprudência, São
Paulo. Associação Paulista do Ministério Público, n. 34, 1995.
PAZZAGLINI FILHO, Marino. Princípios constitucionais e improbidade
administrativa ambiental. Revista de Direito Ambiental São Paulo, RT, n. 17, p.
117, 2000.
PFEIFFER, Roberto Augusto Castellanos. A publicidade e o direito de acesso a
informações no Iicenciamento ambiental. Revista de Direito Ambiental, São
Paulo, RT, n. 8, 1997.
POMPEU, Cid Tomanik. Recursos hídricos na Constituiçao de 1988. Revista de
Direito Administrativo, Rio de Janeiro, n. 186, 1991.
PORTANOVA. Rogério. Direitos humanos e meio ambiente: uma revolução de
paradigma para o século XXI. In: BENJAMIN, Antônio Herman (org.). 10 anos da
ECO-92: o direito e o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Imprensa Oficial,
2002. p. 681 -694.
PROBLEMA ARTIFICIAL: governo proíbe cultivo de transgênicos, que hoje já são
8% da safra nacional de soja. Revista Veja, São Paulo, ano 36, n. 10, p. 59, mar.
2003.
PROGRAMA DE GOVERNO 2002. COLIGAÇÃO LULA PRESIDENTE. O lugar da
Amazônia no desenvolvimento do Brasil. Belém, set. 2002.
PRESTES, Vanêsca Buzelato. Plano diretor e estudo de impacto de vizinhança
(EIV). Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 37, 2005.
REBOUÇAS, Aldo da Cunha. Proteção dos recursos hídricos. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 32, 2003.
40
REGIDOR, José Ramos. Ressarcir os povos e a natureza. Revista Eclesiástica Brasi-
leira, Petrópolis, v. 52, 1992.
RIBAS, Luiz Cesar. Metodologia para avaliação de danos ambientais: o caso flores-
tal. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 4,1996.
ROCHA. Carlos de Carvalho. Estudo prévio de impacto ambiental — Questões e
perspectivas. Revista do Ministério PúbIico do Estado do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre, n. 27, 1992.
ROCHA. Julio César de Sá da. Direito ambiental, meio ambiente do trabalho rural e
agrotóxicos. Revista de Direito Ambiental, v. 10, p. 106-122, abr./jun. 1998.
ROCHA, Maria Isabel de Matos. Reparação de danos ambientais. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 19, 2000.
_________.Aspectos juridicos das unidades de conservação. Revista de Direito
Ambiental, São Paulo, RT, n. 1, 1996.
_________.Patrimônio cultural: análises de alguns aspectos polêmicos. Revista de
Direito Ambiental. São Paulo, RT, n. 21, 2001.
SABELLA, Walter Paulo. A omissão administrativa como causa de conflituosidade
social. Revista de Processo, São Paulo, v. 38, 1985.
_________.O dano ambiental e a responsabilidade. Revista Forense, Rio de Janeiro,
v. 317, 1992.
SANCHEZ, Luís Enrique. Os papéis da avaliação de impacto ambiental. Avaliação de
impacto arnbiental: situação atual e perspectivas. São Paulo: EDUSP, 1991;
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n. 0, 1995.
_________.Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Pauto:
Oficina de Textos. 2006.
SANTILLI, Juliana. A co-responsabilidade das instituições financeiras por danos
ambientais e o licenciamento ambiental. Revista de Direito Ambiental, São Paulo,
RT, n. 21, 2001.
SANTOS, Maria Luiza Werneck dos. Considerações sobre os limites da competência
normativa do Conama. RT, São Paulo, ano 91, v. 799, maio 2002.
SANTOS JUNIOR, Humberto Adami; LOURES, Flávia Tavares Rocha. O papel do
advogado na implementação da Justiça Ambiental e no combate ao racismo
ambiental. Revista de Direito Arnbiental, São Paulo, RT, n, 27, p. 170, 2002.
SCAFF, Fernando Facury; TUPIASSU, Lise Vieira da Costa. Tributação e políticas
públicas: o ICMS ecológico. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 38,
2005.
SEARA FILHO, Germano. Apontamentos de introdução à educação ambiental.
Ambiente— Revista Cetesb de Tecnologia 1, São Paulo, 1987.
_________. Educação ambiental: questões metodológicas. Ambiente — Revista
Cetesb de Tecnologia 6, São Paulo, 1992.
SHECAIRA, Sérgio Salomão. A responsabilidade das pessoas jurídicas e os delitos
ambientais. Boletim IBCCrim, edição especial, São Paulo, n. 65, p. 3. 1998.
SILVA, Américo Luis Martins da. Direito do meio ambiente e dos recursos naturais. São
Paulo: RT, 2004. v 1.
SILVA, Cláudio Barros. A questão ambiental e os delitos lesa-humanidade. Revista
de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n 9, 1998.
SILVA, lvan Firmino Santiago da. Responsabilidade penal das pessoas juridicas:
uma análise dos critérios de imputação. Revista de Direitos Difusos, São Paulo,
Esplanada — ADCOAS e Instituto Brasileiro de Advocacia Pública — IBAP, p. 2.442,
mar.-abr. 2003.
41
SILVA, Luciano Antônio da. A questão ambiental e a participação da Policia Militar.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 2, p. 145, 1996.
SILVA, Paulo Régis Rosa da. Repartição constitucional de competências em matéria
ambiental, Revista do Ministério Público (nova fase), Porto Alegre, v. 1, n, 27, 1992.
SILVA FILHO, Derly Barreto e. A processualidade das licenças ambientais como
garantia dos administrados, Revista de Direito Arnbiental, São Paulo, RT, n, 5,
1997.
SIRVINSKAS, Luis Paulo. Ainda sobre normas penais em branco e bem jurídico
tutelado nos crimes ambientais. Boletim IBCCrim, São Paulo, n. 73, 1998.
_________.Tutela penal do meio ambiente. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
SOARES, Guido Fernando Silva. As ONGs e o direito internacional do meio am-
biente. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RI, n. 17, 2000.
_________.O meio ambiente e a justiça no mundo globalizado. Justiça Penal – crítica
e sugestões, São paulo, RT, n.14, 1999.
SOUZA, José Carlos Rodrigues de. Improbidade administrativa e meio ambiente.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT. n. 14, 1999.
_________.Responsabilidade penal da pessoa jurídica e sua justificativa penal.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, v. 9, p. 141, 1998.
SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. A proteção Jurídica dos bens culturais.
Revista da Procuradoria Geral do Estado do Paraná, curitiba, Imprensa Oficial, v. III,
1991.
_________.Medidas compensatórias para a reparação do dano ambiental. Revista
de direito Ambiental, São Paulo, RT, n.36, 2004.
TOPAN, Luiz Renato. O Ministério Público e a ação civil pública ambiental no
controle dos atos administrativos. Revista Justitia, São Paulo, v. 165, 1994.
VAZ, Paulo Afonso Brum; MENDES, Murilo. Meio ambiente e mineração. Revista de
Direito Ambiental, São Paulo, RT, n. 7, 1997.
VEIGA, José Eli da. Contabilidade ambiental. Revista Intercâmbio, Ed. especial meio
ambiente (português/inglés). Rio de Janeiro, v. 5, n. 13,1992.
_______.Legislação ambiental brasileira: evolução histórica do direito ambiental.
Revista de Direito Ambiental, São Paulo, RT, n.0, p. 158-163, 1995.
VITTA, Heraldo Garcia. Da divisão de competências das pessoas políticas e meio
ambiente. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, n. 10, p. 93-101, abr./jun. 1998.
WOLFF, Simone. A consolidação das leis federais na prática: proposições para a
consolidação das leis ambientais: proteção à fauna. Disponível em:
<http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_48/Artigos/ART_SIMONEhtm>.
Acesso em: 28 novo 2005.

42