Você está na página 1de 9

Pensamento:

“A Matemática é o alfabeto que Deus


utilizou para escrever o Universo”

(Galileu Galilei)

Matéria de
Matemática
8º e 9º Ano
2015/2016 & 2016/2017

Diogo Alexandre
Índice
Classificação de Triângulos............................................................................................................ 2
 Classificação de Triângulos – Quanto aos lados ....................................................................... 2
 Classificação de Triângulos – Quanto aos ângulos ................................................................... 2
Critérios de Semelhança................................................................................................................ 2
Teorema de Tales .......................................................................................................................... 2
Teorema de Pitágoras ................................................................................................................... 3
 Descomposição de Triângulos retângulos pela sua altura referente à hipotenusa ................. 3
 Ternos Pitagóricos .................................................................................................................... 3
Potências de Expoente negativo ................................................................................................... 4
Simétrico / Inverso ........................................................................................................................ 4
Frações Decimais ........................................................................................................................... 4
Dizimas Infinitas Periódicas – Frações .......................................................................................... 4

DIOGO ALEXANDRE 1
Classificação de Triângulos
 Classificação de Triângulos – Quanto aos lados

Quanto aos lados, nós podemos classificar três tipos de triângulos, os equiláteros, os
escalenos e os isósceles.

 equiláteros – têm os lados todos iguais (têm todos a mesma medida);

 escalenos – têm os lados todos diferentes (têm todos medidas diferentes);

 isósceles – têm pelo menos dois lados iguais e um diferente.

 Classificação de Triângulos – Quanto aos ângulos

Quanto aos ângulos, nós podemos classificar três tipos de triângulos, os retângulos, os
acutângulos e os obtusângulos.

 retângulo – quando tem um ângulo reto (ângulo de 90o);

 acutângulo – tem todos os ângulos agudos (ângulo com - de 90o);

 obtusângulo – tem um ângulo obtuso (ângulo com + de 90o).

Critérios de Semelhança

Existem três critérios de semelhança entre os triângulos, o critério LLL, o critério LAL e
o critério AA.

 LLL – (critério lado, lado, lado) quando há três lados proporcionais;

 LAL – (critério lado, ângulo, lado) quando há dois lados proporcionais e um ângulo igual;

 AA – (critério ângulo, ângulo) quando tem todos os ângulos iguais (tendo dois, tem todos).

Teorema de Tales

Se duas retas concorrentes são intersetadas por duas retas paralelas entre si, os
comprimentos dos seguimentos de reta determinados pelas retas paralelas são determinados
diretamente proporcionais e vice-versa.

retas concorrentes 𝐴𝐸  𝐴𝐶
𝐴𝐷  𝐴𝐵
retas paralelas 𝐷𝐸  𝐵𝐶
“” significa proporcional.

DIOGO ALEXANDRE 2
Teorema de Pitágoras

O Teorema de Pitágoras dita que num triângulo retângulo, a soma dos catetos
elevados ao quadrado é igual à hipotenusa elevada ao quadrado.

( 𝑐 2 + 𝑐 2 = 𝐻2 ⇔ 𝐻2 = 𝑐 2 + 𝑐 2 )

Hipotenusa (𝑯) – corresponde ao lado que está á frente do ângulo de 90o, é sempre o lado
maior do triângulo.

Catetos (𝒄) – correspondem aos dois lados que tocam no ângulo de 90o.

 Descomposição de Triângulos retângulos pela sua altura


referente à hipotenusa

 Ao dividirmos um triângulo retângulo pela sua altura referente à hipotenusa,


obtemos dois triângulos retângulos que são semelhantes.

C C

A D D B

 [𝐴𝐶𝐷] ⇔ [𝐵𝐶𝐷] ⇔ [𝐴𝐵𝐶];

 O ângulo "𝑑" é igual nos dois triângulos [ACD] e [BCD].

 Ternos Pitagóricos

Os ternos pitagóricos são aqueles que são formados por tês números naturais 𝑎, 𝑏 e 𝑐,
tais que 𝑎2 + 𝑏 2 = 𝑐 2 . Como por exemplo 3, 4 e 5 ou 5, 12, 13 entre outros…

 Podemos dizer que dois ternos pitagóricos são da mesma família, apenas se um deles for
obtido a partir da multiplicação de um terno pitagórico por uma constante.

Exemplo: 3, 4, 5  × 2 (constante)  6, 8, 10 (3, 4, 5 e 6, 8 ,10 são ternos da mesma família).

DIOGO ALEXANDRE 3
Potências de Expoente negativo

Quando uma potência tem expoente negativo, a regra dita que o numerador troca de
lugar com o denominador, tornando assim a potência de expoente negativo para expoente
positivo.
3 −4 2 4 𝑎 −4 𝑏 4
Ex: (2) = (3) ou (𝑏 ) = (𝑎)

Nota: ao simplificarmos uma fração devemos, caso seja necessário, pôr o expoente da fração
positivo, e/ou desembaraçar o expoente, quando ele não for negativo.

Simétrico Inverso

Ex: 2 −2

Frações Decimais

Uma fração é decimal se e apenas se o seu denominador tiver dois e/ou cinco como
fatores únicos primos.
4 16 2
Ex: 16 O único fator primo
8 2 que tem é o dois,
4 logo é uma fração
16 = 2 4 2 decimal
2 2
1

Dizimas Infinitas Periódicas – Frações

Um dizima infinita diz-se periódica quando e apenas quando existe um perímetro que
se repete infinitamente.
3 Período – É o número de casas decimais
Ex: = 0,42857142857142 …
7
que ocupam o perímetro.
repete-se infinitamente
Perímetro – É o número em si (neste
caso seria 428571).

Esta dizima seria representada da seguinte forma: 0,(428571)

DIOGO ALEXANDRE 4
Regras para converter a dizima infinita periódica em fração:

 Se o comprimento do perímetro for 1, então multiplicamos por 9;

 Se o comprimento do perímetro for 2, então multiplicamos por 99;

 Se o comprimento do perímetro for 3, então multiplicamos por 999;

 Continuando… 9999, 99999, etc...

DIOGO ALEXANDRE 5
DIOGO ALEXANDRE 6
DIOGO ALEXANDRE 7
DIOGO ALEXANDRE 8