Você está na página 1de 5
Tribunal de Justiga do Estado de Mato Grosso do Sul 20 de outubro de 2015 5* Camara Civel Agravo de Instrumento - N° 141 186-06.2015.8.12.0000 - Coxim Relator ~ Exmo. Sr, Des. Sideni Soncini Pimentel Agravante —: Banco Bradesco S.A. Advogado —_: Ana Lidia Oliveira Maia Advogado —_: Amandio Ferreira Tereso Junior Advogada —_: Maria Lucilia Gomes Agravado —_: Elton Gomes de Almeida Advogado —_: Orcilio Pereira da Rocha EMENTA - AGRAVO DE INSTRUMENTO — LIMINAR QUE SUSPENDEU OS EFEITOS DA CONSOLIDAGAO DE PROPRIEDADE, DO IMOVEL DADO EM GARANTIA ~ ALEGACAO DE VALIDADE DO NEGOCIO JURIDICO — NAO CONHECIDA ~ NO MERITO - NAO DEMONSTRADO A INEXISTENCIA DOS REQUISITOS DO ART. 273 DO CPC - DECISAO MANTIDA ~ RECURSO CONHECIDO EM PARTE E, NESTA EXTENSAO, IMPROVIDO. 1. Denota-se que a parte agravante extrapola os pontos abordados na deciso agravada quanto &s matérias recursais inerentes a0 mérito da agfo origindria (alienagao fiduciéria do bem imével e procedimento expropriatério), pois o juizo singular restr conceder apenas antecipagdo dos efeitos da tutela a fim de suspender os efeitos da consolidagdo da propriedade do imével objeto da matricula n®, 17.016 CRI-Coximm dai ue tais matérias ndo sero apreciadas neste recurso, sob pena de julgamento per saltum. 2. No mérito, a decisto agravada que deferiu a antecipagio da tutcla foi acertada, Porquanto se trata de situago em que a negativa da medida de urgéncia implicaria em sérios e imeversiveis prejuizos ao agravado, face & possibilidade de alienagao do imével através de leildo extrajudicial. Ademais, o agravante nao se desincumbiu de seu 6nus de ‘comprovar 0 desacerto da decisio, ACORDAO Vistos, relatados ¢ discutidos estes autos, acordam os juizes da S* Camara Civel do Tribunal de Justiga, na conformidade da ata de julgamentos, por unanimidade, conhecer em parte do recurso e, nesta extensio, negar provimento, nos termos do voto do relator. Campo Grande, 20 de outubro de 2015. Des. Sideni Soncini Pimentel - Relator Tribunal de Justia do Estado de Mlato Grosso do Sul RELATORIO O Sr. Des. Sideni Soncini Pimentel. © Banco Bradesco S.A. interpés recurso de Agravo de Instrumento em face da decisdo proferida nos autos da Agao Declaratéria ajuizada por Elton Gomes de Almeida, que deferiu a tutela antecipada para o fim de determinar a suspensdo dos efeitos da consolidagdo da propriedade do imével matricula n°. 17.016 CRI Coxim em nome do agravante, 0 qual foi oferecido em garantia pelo agravado. Sustenta que a decisdo de suspensdo do procedimento extrajudicial de consolidago da propriedade do imével implica em cerceamento de direito, pois esta impedido de reaver o seu crédito dimplemento do agravado. Aduz que as partes firmaram contrato perfeito, , eficaz e cumpriu sua fungao social. Afirma que a garantia de alienago fiduciéria que recaiu sobre o imével ¢ licita, nos termos do artigo 22, § 1°, da Lei 9.514/97. Por fim, afirma que a demanda é manifestamente improcedente porque ndo h4 como prosperar a suspenso dos efeitos da arrematagdo decorrentes de leildo extrajudicial do imével dado em garantia, pois respeitou-se o procedimento extrajudicial previsto na Lei 9.514/97, que frustradas as tentativas de notificagao no enderego fornecido no contrato, houve a notificagao via edital. Pugnou pela concessto do efeito suspensivo e, ao final, pelo provimento do recurso. recurso foi recebido somente no efeito devolutivo (F. 68-69). O agravado apresentou contraminuta pelo desprovimento do presente agravo (f. 73-80). E 0 juizo ad quo apresentou informagdes as f. 81-83, ratificando sua decisao. voTo OSr. Des. Sideni Soncini Pimentel. (Relator) Trata-se de agravo de instrumento interposto pelo Banco Bradesco S.A. em face da decisto proferida nos autos da Ago Declarat6ria ajuizada por Elton Gomes de Almeida, que deferiu a tutela antecipada para o fim de determinar a suspensio dos efeitos da consolidagao da propriedade do imével matriculado sob n°. 17.016 CRI Coxim em nome do agravante, que foi oferecido em garantia pelo agravado. agravante sustenta que a decisdo de suspensio do procedimento extrajudicial de consolidagdo da propriedade do imével implica em cerceamento de direito, pois esté impedido de reaver o seu crédito ante o inadimplemento do agravado. ‘Aduz que as partes firmaram contrato perfeito, vélido, eficaz e cumpriu sua fungao social. Afirma que a garantia de alienagdo fiducidria que recaiu sobre o imével ¢ licita, nos termos do artigo 22, § 1°, da Lei 9.514/97. Por fim, afirma que a demanda é manifestamente improcedente porque ndo h4 como prosperar a suspensdo dos efeitos da arrematagdo decorrentes de leildo extrajudicial do imével dado em garantia, pois respeitou-se o procedimento extrajudicial previsto na Lei 9.514/97, e que frustradas as tentativas de notificago no enderego fornecido no contrato, houve a notificagao via edital. Pugnou pela concess4o do efeito suspensivo e, ao final, pelo provimento do Tribunal de Justiga do Estado de Mato Grosso do Sul recurso. O recurso foi recebido somente no efeito devolutivo (F. 68-69). agravado apresentou contraminuta pelo desprovimento do presente agravo (f. 73-80). E 0 juizo ad quo apresentou informagbes as f. 81-83, ratificando sua decistio. Pois bem. Inicialmente, insta esclarecer que a decisto agravada acostada as f. 61-62 restringiu-se em deferir a tutela de urgéncia para determinar a suspensio dos efeitos da consolidagio da propriedade do imével ‘objeto da matricula n°. 17.016 CRI- Coxim dado em garantia na cédula de crédito bancério n? 237/1450/14042008-1 (f. 49-56). ‘No entanto, no presente recurso, 0 agravante extrapola os pontos abordados na decisio agravada ¢ em especial quanto as matérias recursais inerentes 20 mérito da agdo origindria (alienagdo fiducidria do bem imével e procedimento expropriat6rio). Diante disso, deixo de conhecer das demais matérias trazidas no presente agravo, pois dizem respeito ao mérito da Agio Declaratéria origindria do recurso € que ainda ndo foram enfrentadas pelo julgador ad quo, razo pela qual no sero apreciadas ¢ decididas nesta oportunidade, sob pena de julgamento per saltum. Com relagao a decisio agravada, os requisitos da tutela antecipada ‘encontram-se estampados no art. 273 do Cédigo de Processo Civil, in verbis: "Art. 273. 0 juiz poder, a requerimento da parte, antecipar, total ou arcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, «existindo prova inequivoca, se convenca da verossimithanea da alegagéo e: 1 haja fundado receio de dano irrepardvel ou de dificit reparagéo; 11 ~ fique caracterizado 0 abuso de direito de defesa ou 0 manifesto ‘Propésito protelatério do réu.". Acerca da verossimilhanga das alegagies ¢ fundado receio de dano irreparavel ou de dificil reparagdo, o jutzo singular acerca disso ponderou que: Compulsando o documento de f. 18/21, verifica-se que, de fato, jé houve a averbagdo da consolidagao da propriedade do imével objeto da ‘matricula n? 17.016 em nome do requerido, podendo-se, por isso, concluir ‘que a préxima fase a ser observada pelo banco credor é a alienagdo do bem ‘Por meio de leildo extrajudicial, conforme previsio no contrato trazido com «@ inicial. Assim, considerando que 0 autor afirmou nao ter sido constituido ‘em mora antes da consolidagio da propriedade do imével em favor do requerido, tenko como plenamente cabivel a suspensdo liminar do rocedimento extrajudicial deflagrado pelo banco para alienagao do bem, até que se decida o mérito da ago. Além disso, de se reconkecer o possivel desvirtuamento do escopo pretendido pela Lei 9.514/94, na medida em que ‘foi constituida alienagdo fiducidria de bem imével para garantia de "Cédula de Crédito Banccrio Crédito Pessoal”, e no com a finalidade de fomentar 0 financiamento de bem imével". (F. 61-62).