Você está na página 1de 132

Nº 1328 . 16/8 A 22/8/2018 . CONT. E ILHAS: €3,50 .

SEMANAL
A NEWSMAGAZINE MAIS LIDA DO PAÍS WWW.VISAO.PT

APOCALIPSE
COMO OS PATRÕES
DE SILICON VALLEY RESTAURANTES
SE ARMAM E BARES
EM DEUSES À BEIRA-MAR
E DESAFIAM
O FIM DO MUNDO
CINEMA BAIÃO
A NOVA BATALHA SEGREDOS
DE SPIKE LEE DO PARAÍSO
CONTRA O RACISMO ESCONDIDO

O DESCONHECIDO DO SUD-EXPRESS
QUE SURPREENDEU A EUROPA
A INCRÍVEL VIAGEM DE MARCELO, AOS 20 ANOS
• A DESCOBERTA DA LIBERDADE E DOS NOVOS COSTUMES, EM 1969
• A “NOVIDADE” DOS CAFÉS DE PARIS, NUM GRUPO
COM LEONOR BELEZA E MARIA DO ROSÁRIO CARNEIRO
• O DISCURSO DE IMPROVISO, NA SEDE DA NATO, EM BRUXELAS

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
SHI-10007000-1806-695_DG_PORT_VISAO_LB-SUMMER_2018_200x290.indd 1 18/06/2018 15:28
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VISÃO
16 AGOSTO 2018 / Nº 1328

10 Entrevista: Isabel Meirelles

RADAR
14 Imagens da semana
21 Raios X
GETTY IMAGES

22 A semana em 7 pontos
24 Holofote
26 Almanaque
27 Inbox
28 Transições
50 Os novos visionários do Apocalipse
São cada vez mais os que mostram uma fé cega na Ciência e na
29 Próximos capítulos Tecnologia para sobreviverem a um cataclismo e se tornarem imortais
– em particular os ricos e os poderosos de Silicon Valley

FOCAR
70 PSD: Rio e a geração de 70 32 Baião, paraíso escondido
A menos de uma hora do Porto, o cenário que inspirou Eça de Queirós
76 Os malefícios do ar para escrever A Cidade e as Serras. Terra de tradições fortes e de
condicionado excelente gastronomia, o concelho deu a volta à pobreza e, aos turistas,
78 Os seus direitos em tempos oferece agora o melhor de dois mundos
de férias
82 A má-língua faz bem à saúde
84 Entrevista com o velejador
40 A incrível viagem de Marcelo & Companhia
Como uma aventura no Sud Express, no final dos anos 60, marcou, para
Robert Scheidt sempre, um grupo de jovens universitários portugueses. Um deles chegou
a Presidente da República. No entanto, a NATO conhece-o desde 1969...
VAGAR
86 A missão de Spike Lee 58 Elon Musk: o génio está louco?
93 Pessoas Com problemas na empresa e pressionado pelos investidores, o visionário
e fundador da Tesla está cada vez mais imprevisível. O perfil de um
94 Tendências homem que se recusa a ser condicionado pela realidade de curto prazo

VISÃO SETE 64 No Panamá, pelos ritmos do Caribe


Aqui se acompanha um jovem músico português numa residência
artística na Escuelita del Ritmo, um projeto de inclusão social

Online W W W.V I S A O . P T
Últimos artigos na BOLSA DE ESPECIALISTAS VISÃO

97 Bares e restaurantes
ao longo da costa

OPINIÃO
6 António Lobo Antunes Carla Isidoro Catarina Marcelino Paulo Mendes Pinto
TENDÊNCIAS DE CONSUMO CIDADANIA E IGUALDADE CIÊNCIA DAS RELIGIÕES
8 Rui Tavares Guedes Chegou a geração M Residência alternada: Judaísmo, identidades
30 José Eduardo Martins sim ou não? e preconceitos
96 Capicua
130 Ricardo Araújo Pereira Todos os dias, um novo texto assinado por um dos 28 especialistas convidados

16 AGOSTO 2018 VISÃO 3

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
LINHA DIRETA Correio do leitor

A Costa Vicentina
dá corpo e alma a um
Algarve deslumbrante

LUCÍLIA MONTEIRO
Ademar Costa, Póvoa de Varzim

FOGOS E SIRESP
Os fogos de há um ano mataram
pessoas, animais e queimaram bens,
deixando um rasto de cinza. Uma
tragédia inaudita. As gravíssimas

Fazemo-nos aos caminhos


falhas do SIRESP/Altice foram também
cúmplices daqueles horrores, por
omissão, incompetência, falhas de
comunicação e por aí fora. Foi dito
pelo Executivo que este sistema de
Quando a VISÃO nasceu, em 1993, um artigo duro de ler e ainda mais de comunicações iria para as mãos do
escrever sinalizou o caminho principal da newsmagazine mais lida do País: Estado. Uma promessa que deu jeito
a reportagem. O mais nobre dos estilos jornalísticos para mostrar Angola fazer na altura... Agora que o Estado
podia deter o SIRESP, entrega-o de
em guerra, nas palavras e nas imagens dos repórteres José Plácido Júnior mão beijada à ganância incompetente
e Inácio Ludgero, fez a capa do primeiro número. da Altice, incumpridora. Porquê?
Com as reportagens vamos a qualquer lugar, das paisagens mais inóspitas Com que interesses?
Vítor Colaço Santos, João das Lampas
às terras mais ricas em águas e vegetação... e já estamos a descrever o paraíso
perdido que fica a uma hora do Porto. Os jornalistas Miguel Carvalho MONCHIQUE
e Lucília Monteiro fizeram-se à estrada para nos revelarem Baião. Aquele que Se não foi efetuada nenhuma prevenção,
já foi conhecido como um dos concelhos mais pobres de Portugal deu a volta significativa, qualquer ancião residente
na região sabia que os incêndios
à sina, fez-se povoar de turistas, mas não se estragou. Cultura, património, voltariam a Monchique. Infelizmente,
Natureza e gastronomia que só de ler nos fazem ficar com água na boca. excederam o que era expectável.
Outra viagem levou-nos a Portobelo, no Panamá. Acompanhámos Máximo Diamantino Reis, Portimão
Francisco, um adolescente lisboeta que foi fazer uma residência artística à
O REGRESSO DO CAMPEONATO
La Escuelita del Ritmo. E entre a música e a dança caribenhas, mergulhámos Exigimos que o País nos resolva todos
na História daquele que foi o principal mercado de escravos da América. os problemas, mas não nos
Nesta edição, percorremos ainda outro caminho, a bordo do Sud Express empenhamos em ajudar o mesmo País
e recuando ao ano de 1969. Com destino final em Bruxelas, encontramos a conseguir reformular, por exemplo,
o essencial para todos os anos não
três jovens universitários: Maria do Rosário Amaro da Costa (futura Maria termos fogo no verão e inundação no
do Rosário Carneiro), Leonor Beleza e... Marcelo Rebelo de Sousa. De resto, inverno. Não tentamos “agarrar” em
é ler como aquela viagem mudou as suas vidas. alguma ideia que possa melhorar a
nossa produtividade, que possa premiar
o mérito e não a “cunha”, que possa

Já nas bancas fazer a Justiça ser mais justa. Quando


vamos trabalhar “lá para fora”, somos
os melhores; cá dentro, esperamos que
os outros o sejam. Bem, já cá está o
primeiro F, de futebol, os outros dois, de
fado e de Fátima, vão surgindo. E vamos
alegremente culpando todos de tudo o
que de mau nos acontece!
Augusto Küttner, Porto

Contactos
CORREIO: Rua Calvet de Magalhães, 242,
2770-022 Paço de Arcos
visao@visao.pt
As cartas devem ter um máximo
25 MAIS RICOS SONO E SONHOS VIVER MAIS de 60 palavras e conter nome, morada
Quem detém Porque precisamos de E MELHOR e telefone. A revista reserva-se
as maiores fortunas dormir? As respostas O que há de novo na o direito de selecionar os trechos
do País da Ciência Ciência da longevidade que considerar mais importantes.

4 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Pandora_V_1328.indd 1 03-08-2018 14:25:54
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CRÓNICA

Há outro mundo
mas está dentro deste:
4 crónicas romenas – Terceira
POR ANTÓNIO LOBO ANTUNES

D
e Bucareste a Constância, de automóvel, Fomos recebidos pelo bispo, um homem imponente,
é uma viagem longa, através de grandes de longas barbas grisalhas. A certa altura disse
extensões de campos. Passam-se aldeias – Vamos rezar uma oração pelas almas eternas
e aldeias, algumas vilas, casas dispersas, dos escritores falecidos.
camponeses que caminham à beira da E, na igreja lindíssima, inúmeras vozes masculi-
estrada. A certa altura um mosteiro enorme nas cantaram uma oração arrepiantemente bela, que
com centenas de seminaristas. me emocionou até às lágrimas. Nunca senti Deus
O clero teve um papel importante durante o tão presente, tão próximo como nesse dia. As almas
ILUSTRAÇÃO: SUSA MONTEIRO

comunismo, bastantes padres foram presos, eternas dos escritores falecidos. Tomara eu que um
bastantes padres foram mortos. O clero, ao dia cantassem aquilo por mim. No fim deram-me
contrário de Portugal, não colaborou com a ditadura um terço que cabia no punho como uma pulseira.
e muito mais gente do que aqui frequenta as igrejas. Pedi a um padre que o benzesse. E saí de lá com o

6 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
espírito mais perto do Céu do que alguma vez bém mas não publicava nada, desgostoso com as
o tinha sentido. Tudo ali era de uma beleza grandiosa pobres produções dos meus doze ou treze anos
e tranquila e a mão de Deus passeava sobre as nossas e não valia a pena imaginar
cabeças. Depois mais campos, mais estradas, mais – Vou ser o melhor de todos
17-08-18 11:29

animais a lavrarem. E Constança junto ao Mar Negro, porque aquilo que me saía da caneta eram pobres
para onde o Imperador Octávio exilou Ovídio, onde patetices de criança e provavelmente seriam sempre
ele escreveu boa parte da sua obra e no qual morreu. pobres patetices de criança. Qualquer coisa, que
Ovídio é o meu poeta favorito. Tem uma estátua dele não imagino o que fosse, obrigava-me, no entanto,
num pedestal alto que faz lembrar um pouco a de a teimar. E passei vinte anos a teimar, todos os dias,
Bocage em Setúbal. Há anos que tento traduzi-lo, até que, de repente, veio ter comigo a Memória
de indicador no sujeito e mindinho no verbo e os de Elefante, após passar tempos sem fim com um
meus resultados são pobres comparados com a ex- romance que não me satisfazia. No fundo julgo que
traordinária riqueza do original. Outro dia consegui achava que podia ser capaz mas não sabia como.
verter para português versos seus que não me pare- De modo que continuava e destruía, continuava
ceram assim muito maus, embora bastante inferiores e destruía, continuava e destruía. E de súbito,
à versão original imagine-se, estava na cidade de Ovídio a receber
Há lágrimas na natureza das coisas o prémio com o seu nome, e perguntava-me, meio
e a tristeza do efémero toca-nos o coração assombrado, como é que eu cheguei aqui. Ainda
claro que isto é uma versão discutível face à polis- hoje me continuo a perguntar, assombrado, como é
semia da poesia de Ovídio, claro que que eu cheguei aqui. A teimar sem
há a presença de Calímaco embora descanso, penso eu, porque não
a presença de Calímaco seja mais ou Ainda hoje me há talentos, há bois que marram
menos óbvia nos grandes latinos, em
Ovídio como em Horácio ou Virgílio,
continuo a perguntar, e marram toda a vida, duvidando
sempre dos resultados. Agora já não
mas parece-me, apesar de tudo, acei- assombrado, como é duvido: sei quem sou. Em Constança
tável: com um toque de génio ficaria que eu cheguei aqui. o Dinu dizia-me
boa mas eu sou um prosador que
mantém com a poesia uma relação A teimar sem – Vão dar-te o prémio
perguntei-lhe
imperfeita. Porém ali estava eu em descanso, penso eu, – Como é que sabes?
Constança, na cidade onde o exilado
Ovídio morreu e na qual escreveu,
porque não há valores, e o Dinu respondeu que tinha
falado do meu trabalho, louvando-o,
por exemplo, a admirável Tristeza do há bois que marram a dois membros do juri que lhe res-
Exílio, sentindo a sua presença em e marram toda a vida, ponderam com uma pergunta
cada pedra, em cada esquina, em cada
bocadinho de ar que respirava. Estava duvidando sempre – Porque estás tu a bater a portas
abertas?
eu e estavam dúzias de escritores dos resultados e ele descansou. Queria tanto que
um pouco de toda a parte, para um eu ganhasse aquele prémio, o mais
encontro internacional e a entrega do importante do seu País e, palavra
Prémio Ovídio que me deu imenso prazer receber. de honra que eu não minto, e julgo que fiquei mais
Voltei corrido um ano, como era da praxe, para satisfeito por ele do que por mim. Depois deram-me
entregar o prémio ao laureado seguinte, por acaso mais prémios na Roménia, doutoramentos honoris
o meu amigo Amos Oz, que fez o mesmo com Vargas causa, essas coisas. E a alegria do Dinu enchia-me
Llosa, que fez o mesmo com não sei já quem, e gos- de satisfação. Quando o Zé Cardoso ganhou
tei imenso dos recitais de poesia em que os autores o prémio Pessoa telefonou-me
diziam os próprios versos, gostei de conversar com – É para te dar os parabéns porque ganhei um
pessoas que respeitava, gostei de conhecê-los e de os prémio
ouvir falar. Diante deles sinto-me o menino que fui e quando o Nobel que ele queria para mim não vi-
que interrompia, ao meio da viagem de eléctrico para nha telefonava ao nosso comum editor, Nelson
casa, de volta do liceu, a viagem para achatar o nariz de Matos, a dizer
na montra da cervejaria Coral, espreitando os inte- – Perdemos
lectuais que ali se juntavam, achando estranhíssimo e é talvez a isto que se chama amizade. Dinu,
que eles comessem como eu, de faca e garfo, trocan- que bom estarmos ambos em Constança a passear
do palavras que não conseguia ouvir mas que eram, junto ao Mar Negro, em paz. Que noites tão grandes
de certezas sublimes. E ficava o tempo que podia, sobre a água. Que pequenos almoços tão ensonados
pasmado de admiração, diante daqueles espíritos que e felizes no restaurante do hotel, Dinu, como
eu considerava privilegiados e cujas conversas, infe- as romenas são bonitas. Principalmente isso:
lizmente, não chegavam a mim. Eu sempre admirei como as romenas são bonitas. Amos Oz, para mim
e respeitei os artistas e, enquanto os olhava, repetia – É a mistura do sangue latino com o sangue
para mim mesmo eslavo
– Eles escrevem e eu a dizer que sim com a cabeça, claro. A uma
maravilhado de pasmo. Claro que eu escrevia tam- mistura dessas diz-se sempre que sim. visao@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 7

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
OPINIÃO
HISTÓRIAS
DA CAPA
Como se aumentam
os salários?
Procuram-se soluções
1

S
P O R R U I T A V A R E S G U E D E S / Diretor-executivo

abemos os factos: apesar dos de topo é 210 vezes o salário mínimo”.


tímidos aumentos do salário Não é a primeira vez que o primei-
mínimo e das reposições nos ro-ministro aborda o assunto. Na sua
cortes dos funcionários públicos, mensagem de Natal, já tinha prometido
os ordenados dos portugueses que o “emprego digno” e o “salário justo”
estão, em média, estagnados há iriam estar, ao longo de 2018, no centro
muito. Sabemos também que, ao das preocupações do Governo. Com uma
Esta capa tinha
longo dos últimos três anos, tem missão central: permitir as “condições
uma dificuldade
sido alargado o fosso entre os ordenados essenciais para os jovens perspetivarem
concreta: não
dos dirigentes de topo das empresas e os o seu futuro aqui connosco, em Portugal”. existem fotos da
dos seus funcionários – seguindo, aliás, Mais tarde, voltou ao mesmo tema e às viagem. Mas a de
uma tendência mundial e que já levou, mesmas promessas, tanto num artigo um comboio não
nos EUA, em nome da transparência, à escrito a propósito do 1º de Maio como era solução
obrigação de todas as empresas em Bolsa no discurso de encerramento do Con-
divulgarem a relação entre a remunera- gresso do PS, em que prometeu, pela
ção do seu CEO e o ordenado médio dos primeira vez, que o próximo Orçamento
seus trabalhadores. Sabemos ainda que,
embora o desemprego tenha vindo a des-
do Estado fará um esforço para permitir
“o regresso dos jovens que partiram”.
2
cer de forma acentuada e consistente nos A verdade é que, como sabemos,
últimos tempos em Portugal, para valores à exceção da fixação do valor do salário
abaixo dos 7 por cento, a taxa entre os mínimo, não é o Governo que decreta
jovens continua a ser preocupantemente os aumentos no setor privado. E, apesar
alta, quase a bater nos 20 por cento. de tantas e tão sucessivas promessas
E embora não saibamos, com o rigor dos de que “este ano é que é”, ainda não se viu
números, qual a verdadeira dimensão da qualquer anúncio ou vislumbre do debate
emigração jovem, existe a clara perceção que o Governo precisa de fazer com
de que ela não diminuiu com a saída da os empresários para, realmente, inverter
E um retrato
Troika – na verdade, tem até tendência a situação. Até porque esta preocupa-
de Marcelo dessa
para aumentar, devido à subida do preço ção atravessa, de uma forma ou de outra,
época?
da habitação e às baixas remunerações grande parte do mundo ocidental, onde Além da qualidade
oferecidas a quem, com formação e com- as economias dão sinais cada vez mais da imagem deixar
petências adquiridas, pretende iniciar preocupantes de estagnação, ao mesmo a desejar, a foto
uma vida digna de forma independente. tempo que se acentua o fosso da desigual- não conta uma
Como sabemos isto tudo, sabemos dade salarial, bem ilustrado por este dado história
finalmente que há uma pergunta que se compilado pelo investigador sul-africano
impõe. Uma pergunta que anda na cabeça R. W. Johnson: “Em média, em 1965, um
de muitos, mas a que poucos querem diretor-executivo norte-americano ganhava
dar resposta ou, sequer, falar seriamente
sobre ela. Mas a pergunta é assustadora-
20 vezes mais do que um trabalhador. Em
2013, em média, ganhava 296 vezes mais.”
3
mente simples: como se aumentam Portanto, a pergunta continua sem res-
os salários dos portugueses? posta e, assim, arrisca-se a transformar-
Na sua entrevista ao Expresso, no fim -se apenas em mais uma peça de retórica
de semana, António Costa abordou o política, com um valor inegável em véspe-
assunto, prometendo “um pacote fiscal ras de campanha eleitoral, mas sem qual-
muito agressivo”, no próximo Orçamento quer efeito prático na vida das pessoas,
do Estado, com incentivos para “atrair o contribuindo para deixar tudo na mesma,
regresso dos quadros jovens” que foram o que será desastroso a médio prazo. Aci-
para o estrangeiro, mas reconhecendo que ma de tudo, porque embora não saibamos A solução tem
essa medida, por si só, não chegará para qual é a sua solução, António Costa tem de passar por
resolver a situação. “É fundamental as razão no diagnóstico, quando diz que se uma espécie
empresas alterarem radicalmente as suas não se começar a pagar adequadamente de ilustração,
políticas salariais”, disse, dando o exemplo o trabalho qualificado “será impossível tentando captar
da discrepância de remunerações na EDP, recuperar esta geração”. Não pode haver o ambiente da
onde, segundo as suas contas, “o salário derrota pior. rguedes@visao.pt época e o espírito
da viagem

8 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AF-ImprensaVisao-200x290.pdf 1 10/07/2018 17:07

CM

MY

CY

CMY

SonaeSierra_V_1325.indd 1 18/07/2018 10:30:22


© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Isabel Meirelles Especialista em Assuntos Europeus
e vice-presidente da Comissão Política do PSD

Foi preciso vir Steve


Bannon, do outro lado do
Atlântico, para federar as
extremas-direitas europeias.
Nenhum dos líderes, nem
sequer Marine Le Pen, alguma
vez propusera isso
E M Í L I A C A E TA N O MARCOS BORGA

10 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
J
Jurista de formação, Isabel Meirelles
tem-se dividido entre a advocacia e
o ensino. Analista regular nos média,
é conhecida como especialista em
Assuntos Europeus. Foi senior lecturer
no Centro Europeu de Juízes e Advo-
gados, no Luxemburgo, e assessora
do Gabinete de Direito Europeu do
Ministério da Justiça. Adjunta dos
ministros da Justiça nos governos
de Estado. Qualquer pessoa bem-
-intencionada vê que isto é pôr em
primeiro lugar os interesses do País.
Rio terá colocado como seu hori-
zonte as autárquicas de 2020. Se,
das próximas legislativas, sair a
nova “geringonça”, será de manter a
estratégia?
Esta é uma estratégia para manter,
sim. Não é uma corrida de 100 metros,
mas uma maratona. Vão ser precisos
grandes pactos de regime para o de-
senvolvimento do País, seja na Saúde,
na Justiça, na Educação. Isso só pode
ser feito com elevação e sem facciosis-
mo. Nenhum partido consegue por si
só fazer essas reformas.
Em que circunstâncias poderia o
PSD aprovar o Orçamento do Esta-
do? Fazendo incluir que matérias?
Para isso precisava de uma bola de
cristal. Era necessário, primeiro, que
houvesse Orçamento e, existindo, que
lado, e, embora Michel Barnier tenha
sido um excelente negociador até
agora, estão em causa imensas variá-
veis que nós nem sonhamos, como os
serviços financeiros, a questão adua-
neira, as migrações. É como o cubo de
Rubik: quando se desacerta uma peça,
desacertam-se todas. Mas espero,
para bem de todos, que o Reino Unido
possa ficar com alguma ligação, não
direi umbilical, mas de boa vizinhança
com a UE.
Londres estaria a contar com que
todos os Estados cerrassem assim
as fileiras?
Talvez não, até porque têm andado
um pouco desavindos. Mesmo assim,
puseram-se de acordo em que, se um
quiser sair, a porta da rua será a ser-
ventia a casa, mas só depois de pactuar
um acordo com os restantes. E o Reino
Unido sempre foi malvisto; é um pais
eurocético; nunca quis aderir ao euro
de Sá Carneiro e de Balsemão, foi este fosse conhecido. Como não suce- e, no tempo de Thatcher, nem quis ser
também vereadora do PSD na Câmara de uma coisa nem outra, não podemos contribuinte líquido. Basta lembrar
de Oeiras. É hoje vice-presidente da pronunciar-nos. que ela dizia “quero o meu dinheiro
Comissão Política de Rui Rio. A nível europeu, um dos maiores de volta”. O Reino Unido sempre tem
O que lhe pareceu a declaração do impasses tem sido o Brexit. exigido o opting out, exceções atrás
ministro dos Negócios Estrangei- A primeira-ministra Theresa May de exceções na legislação europeia e
ros, Santos Silva, de que, em caso diz que o Reino Unido poderá sair ficava de fora quer fosse em segurança
de nova “geringonça”, deveria haver com um “no deal”, isto é, sem um e defesa, quer em política de migração.
maior compromisso dos parcei- acordo. Acredita? No fundo, este país sempre quis um
ros, designadamente em matéria Depois das demissões do seu minis- espaço de livre troca, uma espécie
europeia? tro dos Negócios Estrangeiros, Boris de centro comercial para escoar os
Acho extraordinariamente difícil. Os Johnson, e do negociador para o seus produtos para o continente.
partidos à esquerda do PS são pratica- Brexit, David Davis, ficou claro que as Já De Gaulle lhe chamava “o Cavalo
mente antieuropeus. E a União Euro- perspetivas são cada vez mais estrei- de Troia” na fortaleza europeia.
peia (UE) precisa de grandes reformas, tas. Theresa May quer um acordo de Como viu a viagem de Trump
quer na Zona Euro quer no que se comércio livre, eventualmente uma pela Europa, a exigir aumentos
refere a reformas institucionais em união aduaneira. Porém, o mercado nos orçamentos de Defesa?
geral ou a acordos sobre imigração. único pressupõe quatro liberdades – a É preocupante que o Presidente dos
Não vejo que eles se possam compro- circulação de pessoas e de trabalha- EUA declarasse isso, não tanto pelo
meter em algo tão integrador como o dores, de serviços, de capitais, de mer- assunto em si mas pela forma como
projeto europeu. cadorias. Em termos técnicos, con- o fez, ameaçando quase retirar o seu
Mas acredita que, com mais ou sidero que isso não é possível e que país da NATO. Não me lembro de um
menos compromisso europeu, saia ela está metida numa camisa de onze membro seu fazer este tipo de amea-
algo semelhante a este Governo, nas varas. Assim, provavelmente teremos ças. Enfim, é do seu estilo!
próximas legislativas? um hard Brexit, até porque os parla- Ele quer concretamente uma
Vai depender dos resultados eleitorais. mentos nacionais terão de sancionar subida para 2% do PIB.
Só a partir daí é que serão possíveis as o acordo. E, a nível de Bruxelas, basta Falava, aliás, em 4%, para depois
projeções. um Estado não aceitar para que o negociar até aos 2%. A Europa tem, de
A estratégia de Rui Rio para salvar acordo não exista. facto, de prover à sua segurança e de
António Costa de ser refém da O ministro Liam Fox previa que aumentar o orçamento, pelo menos
esquerda ainda não se refletiu nas seria “um dos acordos mais fáceis até aos 2% do PIB, se desejar um mí-
sondagens. Mesmo assim, tem dado de negociar da História da Huma- nimo de autonomia. Já é tempo, como
frutos? nidade”. Como se complicou? dizem Macron e outros líderes, de os
É uma estratégia que precisa de tem- Implicou dinheiro. E o dinheiro faz europeus pagarem a sua defesa, para
po, mas os portugueses compreen- andar o mundo, já dizia a Liza Min- que não nos tirem, um dia, o tapete.
dem-na, porque é uma estratégia de nelli. Há aqui uns milhões de euros Claro que é difícil uma integração de
seriedade, de ética, e não de política que Londres tem de pagar à UE, e é Forças Armadas, de Forças de Segu-
rasteira. Há que dar ideias; integrar em óbvio que, nesta questão, as partes não rança, criando, não digo um Exército
vez de desintegrar. É esta a visão, mais se entendem. Depois, estes acordos comum, mas uma cooperação policial.
do que de um político, de um homem envolvem 27 Estados-membros de um Aliás, já se têm feito missões de paz,

16 AGOSTO 2018 VISÃO 11

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
e a União da Europa Ocidental (UEO)
já foi um embrião de defesa europeia.
“Theresa May Mas podem mesmo ficar em
maioria?
Portanto, está na altura de os governos está metida numa Então não podem! Aliás, bastar-lhes-á
europeus apostarem nisso, para não
ficarem desprotegidos face a ameaças
camisa de onze ficar com uma minoria de bloqueio.
O Parlamento Europeu codecide com
difusas, pois uma grande questão é varas. Acho o Conselho Europeu. Portanto, todas
saber quem é o inimigo.
Porque não é o mesmo para todos.
tecnicamente as propostas de regulamentos e de
diretivas podem ser bloqueadas a nível
Exatamente. Para haver um Exército inviável a do Parlamento.
comum tem de haver uma política de
Defesa e uma política de Negócios Es-
pretensão que Em relação à imigração, como
evoluirá a situação a curto prazo?
trangeiros comuns. Se perguntarmos ela tem em só Os Estados-membros não se entendem
ao diversos Estados-membros qual é
o inimigo, uns dirão a Rússia, outros
manter com a nesta matéria. Trata-se de uma política
de grande sensibilidade e é muito
os EUA, outros o terrorismo, outros UE um acordo de difícil um consenso. Mas já vimos que
os migrantes. Não há aqui um fio con-
dutor que possa dar uma orientação
comércio livre” a UE só dança a várias velocidades.
A minha posição pessoal é que, se
coerente. Por isso, é uma política mui- houver uma meia dúzia de países que
to difícil de implementar. Só perante Que reflexos pode ter a era Trump aceitem, dentro das suas possibilida-
uma verdadeira ameaça os europeus na Europa? des, integrar estes migrantes é para aí
vão unir-se definitivamente. Steve Bannon, o estratego da que estes devem ir. Em contrapartida,
Quando Trump falava no aumento campanha de Trump, anda pela não podemos forçar outros Estados a
do orçamento, pensava na NATO. Europa a juntar os partidos de recebê-los, porque isso seria dar gás
E este ainda é bastante importante extrema-direita, o que é muito àqueles movimentos. É uma Europa
para os europeus, mas muitos já preocupante. Estes movimentos dizem de solidariedade, mas tem limites. Esta
alertaram para a necessidade de um que, se ganharem as eleições, saem imposição a todos resulta nos Viktor
aumento do orçamento, não só no da UE, da moeda única. Também é Orbán desta vida.
âmbito da NATO como da Política Ex- verdade que alguns têm feito marcha Viktor Orbán diz que as próximas
terna e de Segurança Comum (PESC). à ré, como é o caso de Itália, que dizia eleições europeias serão “decisivas.”
Acredita mesmo que os EUA que ia sair do euro e nada. O mesmo Concorda?
abandonariam a NATO? aconteceu na Grécia com o Syriza, no São as mais importantes desde que o
Acho muito difícil. A UE não é irrele- outro extremo político. Mas até, em Parlamento Europeu é eleito por sufrá-
vante, pelo contrário: trata-se de uma França, os eleitores de Marine Le Pen gio direto e universal. Há que combater
das maiores potências comerciais, que são extraordinariamente apegados o fenómeno, cada vez mais preocupan-
fala de igual para igual com a China ao euro, que é a construção mais te, que é a abstenção. No PSD, vamos
ou o Japão. A prova disso foi Claude democrática, o cimento agregador promover, a partir de outubro, uma
Juncker ir aos EUA e conseguir de para muitos cidadãos europeus, os série de debates sobre o que a UE pode
Trump uma marcha-atrás na guerra quais encaram a hipótese de saída do fazer pelos portugueses. Levaremos, a
comercial que este declarara à Europa. euro como uma perda para as suas várias capitais de distrito, personali-
É muito improvável os EUA viverem economias, o seu poder de compra. dades nacionais e estrangeiras. O que
sem a UE, e vice-versa. Apesar do Apesar de tudo, isso tem sido um estará em causa não é a eleição deste
sr. Trump, que, de vez em quando, travão. ou daquele deputado, mas a conti-
baralha e torna a dar, há checks and As extremas-direitas não podiam nuação de um projeto que deu imenso
balances, pesos e contrapesos, quer na juntar-se por si próprias? Steve desenvolvimento a Portugal, o qual
política norte-americana quer na da Bannon fará assim tanta diferença? é obra dos governos nacionais mas
UE, que fazem com que esta aliança Ele é um perigo. Viktor Orbán ganhou também dos fundos de coesão. E nisso
continue. as eleições na Hungria só com o dis- temos de agradecer a Jacques Delors,
Como tem visto a presidência curso anti-imigração. Estamos a falar que fez tudo para duplicar os fundos
de Juncker? de partidos que defendem regimes au- que se destinavam a nós. Estes podiam,
Sou suspeita, porque gosto imenso tocráticos, de pensamento único. Basta talvez, ter sido mais bem aplicados, é
dele. Foi um ótimo ministro das Fi- ver como Marine Le Pen tece loas a verdade, mas o nosso nível de vida não
nanças, ótimo presidente do Euro- Putin. Steve Bannon é um alter-ego de seria hoje o mesmo fora da UE.
grupo, um bom primeiro-ministro do Trump. Está a doutrinar estes partidos Vamos tê-la na lista de candidatos
Luxemburgo. Acho difícil fazer melhor e, mais do que isso, a congregá-los do PSD às europeias?
do que ele está a conseguir. Claro que numa federação, o tal movimento. Ainda é muito cedo para falar nisso.
se lhe podem apontar defeitos, como Nenhum dos líderes europeus, nem O importante é trabalhar as ideias,
a todas as pessoas, mas é talvez dos sequer Marine Le Pen, tinha proposto densificar projetos, e não ambições
últimos europeístas convictos com isto. Foi preciso vir alguém do outro pessoais por vezes mesquinhas. A mi-
que a UE tem contado. E ele tem feito lado do Atlântico para lhes dar esse nha ambição é servir o País e a Europa,
tudo para juntar as peças dispersas em cimento, criar uma vaga de fundo. Va- propor ideias. É muito triste ver que
vários domínios. Só esta ida aos EUA, mos ter eleições europeias em maio, e, só 30% dos eleitores vão às urnas em
regressando com um pré-acordo no se estes partidos ficarem em maioria, eleições que decidem o futuro político
bolso, faz dele um bom presidente. será a implosão do projeto europeu. da União Europeia. visao@visao.pt

12 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
GOOD DAYS

WATCH & ANKLE BRACELET


PVP 149€

W W W. E L E T TA . P T
E L E T TA W ATC H E S

Eletta_V_1325.indd 1 23-07-2018 11:31:39


© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
RADAR

> Foco na vitória


Ao quinto ensaio foi de vez
e alcançou o ouro europeu
que lhe faltava. Nelson Évora
entrou a ganhar no último dia
dos Campeonatos Europeus
de Atletismo, no passado
domingo, 12, em Berlim,
na Alemanha, sagrando-se,
pela primeira vez, campeão
europeu de triplo salto.
Aos 34 anos, campeão
mundial em 2007 e campeão
olímpico em 2008, o atleta
do Sporting voou 17 metros
e 10 centímetros. Agora,
a próxima missão é estar
ao mais alto nível para os
Jogos Olímpicos de 2020,
no Japão. Para voltar a fazer
história, esperamos.
Foto: Reuters/Kai Pfaffenbach

14 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
> Depois do sismo,
a tenda
Todos os dias, os números
crescem. O mais recente
balanço das autoridades
indonésias, feito na segunda-
-feira, 13, aponta para 436
vítimas mortais do sismo
de magnitude 6,9, que há mais
de uma semana atingiu a ilha
de Lombok, no Sul do país
(houve um novo terramoto
de 5,9, quatro dias depois).
Cerca de 70 mil casas, quase
500 colégios, 13 centros
de saúde, seis pontes
e 15 mesquitas ficaram no
chão. Estima-se que haja
ainda mais de 13 mil feridos,
muitos deles agora abrigados
em tendas ou em abrigos
temporários, depois
de terem sido retirados
do local, aguentando
o calor tropical típico deste
arquipélago do Sudeste
Asiático.
Foto: Sonny Tumbelaka/AFP
/Getty Images

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
> Jardim das delícias
Na imensa e silenciosa
paisagem subaquática
do Mar de Mármara, junto
à província turca de Balikesir,
o mês de agosto é de colheita.
Um homem mergulha nas
águas de cor esmeralda,
onde milhares de mexilhões
cresceram. Todos os anos,
no mês de fevereiro, mil
toneladas de moluscos
são plantadas em cordas,
no fundo do mar. Estes
crescem agarrados a elas,
atingindo o ponto ótimo para
serem apanhados no pico
do verão e servidos à mesa
de residentes e de turistas.
Foto: Tahsin Ceylan/Anadolu Agency
/Getty Images

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AR CONDICIONADO

ATÉ O VERÃO VAI QUERER


FICAR EM CASA.
O ar condicionado Daikin vai fazer deste verão, o mais descontraído de sempre. Com uma gama completa e única
que integra a tecnologia do futuro, Bluevolution, a Daikin assegura que o seu verão vai ser tão tranquilo que parece que
foi de férias. Descubra ainda o novo modelo Daikin Stylish, premiado pelo seu design elegante e pela capacidade em
alcançar novos níveis de conforto e eficiência energética. Saiba mais em www.daikin.pt

TECNOLOGIA DO FUTURO

Visite www.daikin.pt

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
RAIOS X

Mudanças na Uber Enquanto em Portugal foi aprovada a lei da Uber,


em Nova Iorque as licenças serão limitadas
e os motoristas terão de receber o salário mínimo

S Í L V I A C A N E C O scaneco@visao.pt

Este é um passo decisivo para as


cidades portuguesas, os utilizadores e os
Em Portugal
motoristas. Continuaremos disponíveis O regulamento esteve um ano a ser trabalhado
para contribuir para que Portugal seja no Parlamento e foi agora promulgado pelo Presidente
uma referência na mobilidade europeia” da República. Lei da Uber entra em vigor
Fonte oficial da Uber em Portugal a 1 de novembro e traz novas regras: os trabalhadores
serão obrigados a ter carta de condução há mais
de três anos, fazer formação, ter um certificado
de motorista validado pelo IMT e ter um contrato de

#Don’t Strand NYC


Revoltados com as
trabalho; as plataformas terão de entregar ao Estado
5% da receita de cada viagem; também as empresas
do setor do táxi poderão ter carros ao serviço da Uber
imposições de Nova
e a Lyft (sua principa Iorque, a Uber
uma campanha na
l rival naquela cidad
s redes sociais com
e) criaram
esta hashtag
Em Nova Iorque
É a primeira cidade dos EUA a restringir o número
de veículos e a estabelecer regras para os condutores.
Projeto de lei obriga a que os motoristas destas
plataformas recebam, pelo menos, o salário mínimo
(€11,20/hora). Estas empresas ficarão impedidas
de conseguir novas licenças e de contratar novos
trabalhadores durante um ano

Os salários
Portugal vs Nova Iorque

€500/mês €11,20/hora
Os vencimentos Um motorista
reais variam terá de receber
muito. Um por cada hora de
motorista trabalho 13 dólares
a tempo inteiro (€11,20), o que
ganhará entre significará um
€500 e €900 aumento de 22,5%
líquidos por mês nos seus salários

85% Os argumentos da Uber nos EUA


dos motoristas
de Nova Iorque
não recebem As restrições vão aumentar os preços
o salário mínimo das viagens e o tempo de espera.
Os clientes ficarão a perder
Asiático
A Uber não opera na Bulgária nem no Sudeste
Os argumentos do Conselho
de Nova Iorque
Analistas apontam para um aumento
de 160% no tráfego de Nova Iorque,
JOSÉ CARLOS CARVALHO

devido a estas empresas de transportes.


Houve um aumento da taxa de suicídio
entre os taxistas

16 AGOSTO 2018 VISÃO 21

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
7
PONTOS DA SEMANA

POR
SARA BELO LUIS*
GETTY IMAGES

AS FÉRIAS GRANDES
FAZEM MAL AOS MIÚDOS?
O assunto não interessa só aos pais de a Bélgica ou a Alemanha. A tudo isto
crianças em idade escolar e é muito acresce o facto de esta “perda de
mais sério do que, à primeira vista, conhecimento” também produzir
pode parecer. Chegar a casa, depois de efeitos na mobilidade social.
um dia de trabalho no escritório, vê-las Ou seja: as crianças menos abonadas
estendidas no sofá (a jogar PlayStation são as mais prejudicadas, uma vez
há horas, para trás e para diante que não têm tantas possibilidades
no Instagram, o enésimo vídeo no de frequentar campos de férias, com
YouTube...) e perguntar: porque raio hão desportos radicais, ou de alargar
de as férias de verão ser tão grandes? os seus horizontes em viagens por
Os três meses de férias são uma outros países. Estes esquecimentos
felicidade para os miúdos e um durante o verão são responsáveis,
problema para as famílias, já se sabe. segundo investigadores de Baltimore,
Porém, um estudo recente, realizado por dois terços da desigualdade na
na Duke University, na Carolina do aprendizagem entre ricos e pobres.
Norte, com alunos entre os sete e os No meio do desespero dos pais e do
15 anos, vem acrescentar um dado tédio dos filhos, o que fazer? A doutrina
novo a este problema: quando voltam divide-se e, como quase sempre
do seu longo verão, muitas crianças acontece nas matérias relacionadas
não se lembram de uma boa parte com a educação, todos têm uma
do que aprenderam no ano letivo opinião. Há soluções, digamos, mais
anterior, chegando esta “perda de dentro do sistema: aumentar o ano
conhecimento estival” a atingir os letivo, distribuir as férias por outros
25 por cento. “É bastante evidente períodos do ano, mais atividades de
que as crianças esquecem as coisas verão disponibilizadas pelo Estado
durante o verão”, diz o professor de (como o Governo inglês acaba de fazer).
Psicologia e de Neurociências Harris E, por fim, a solução apontada por
Cooper, citado pela The Economist. movimentos que defendem que
A tendência, observa, mantém-se as crianças devem dispor de mais
até em países com períodos de férias tempo sem um adulto sempre por
mais curtos, como o Reino Unido, perto: deixá-las ir para o parque.
*Subdiretora
sbluis@visao.pt

22 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
NÚMERO FRASE

26 957
Hectares
destruídos
“É completamente ridículo que
alguém escolha andar na rua
parecendo um marco do correio”
Boris Johnson, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros
britânico, na sua coluna do jornal The Telegraph,
pelo incêndio argumentando contra a proibição de as mulheres utilizarem
de Monchique burka, implementada recentemente na Dinamarca
Segundo dados
do Sistema Europeu
de Informação sobre ARGENTINA
Incêndios Florestais
(EFFIS), o fogo que
deflagrou no dia 3
Aborto “no”
de agosto na serra O senado argentino
de Monchique, no Algarve, rejeitou, no final da
destruiu cinco vezes mais semana passada, o projeto
do que a área ardida este de lei que tornaria o aborto
ano em todo o País (até legal até à 14ª semana
15 de julho,5 327 hectares) de gestação (naquele país,
e mais de metade dos o aborto só é permitido
41 mil hectares destruídos em caso de violação ou
na mesma região, em quando está em causa
2003. O valor é superior a saúde da mãe).
à extensão de hectares Os especialistas dizem
MODA que o resultado da votação
que ardeu na Suécia
(21 mil) e no Reino Unido
(18 mil).
Porque os negros vendem se deve à influência da
Igreja Católica, sobretudo
O assunto tem sido falado, a propósito das edições no norte do país,
de setembro: Beyoncé estará na capa da Vogue norte- maioritariamente contrário
DESEMPREGO -americana, Rihanna na da Vogue inglesa. Nada de novo; à legalização do aborto.
ambas são repetentes na arte de posar para as revistas A proposta mobilizou
E melhores de moda. A questão está em que, segundo um inquérito uma parte significativa
salários? do The New York Times, a percentagem de não-white
americans nas capas era de 26%, enquanto, no mês que
da sociedade argentina e
o Governo já fez saber que
A taxa de desemprego vem, chegará aos 50 por cento. Pela primeira vez na não permitirá a realização
desceu para 6,7% história da Vogue, a fotografia da produção de Beyoncé foi de um referendo sobre
no segundo trimestre, assegurada por um negro, Tyler Mitchell, e, na entrevista, a matéria. Em junho, dias
atingindo o valor mais igualmente conduzida por uma jornalista negra, Beyoncé antes da aprovação
baixo desde 2011, fez questão de dizer: “Quando comecei, há 21 anos, do projeto na câmara,
divulgou, na semana disseram-me que seria difícil fazer capas de revistas, o Papa Francisco
passada, o Instituto porque os negros não vendiam.” comparou o aborto com
Nacional de Estatística o nazismo: “É o mesmo
(INE). De acordo com os que faziam os nazis,
dados do INE, a população mas com luvas brancas.”
desempregada diminuiu IMIGRAÇÃO
14,2% relativamente
ao trimestre anterior. Xeque-mate
Entre os jovens (15
a 24 anos), o desemprego Chama-se Shreyas Royal, seria obrigado a regressar
também desceu, embora tem nove anos, vive em à Índia, quando o visto do
se mantenha elevado Londres desde os três e seu pai, gestor de sistemas
(19,4%). Sobre o retorno é considerada “a maior de informação da Tata,
dos jovens emigrados, promessa do xadrez caducasse, em setembro.
anunciou o primeiro- britânico de uma geração”, Após o caso ter sido
-ministro António Costa segundo Dominic Lawson, tornado público, a família
ao jornal Expresso que presidente da Federação foi informada de que, afinal,
pretende criar “um pacote de Xadrez inglesa. Foi o pai pode requerer um
fiscal muito agressivo para notícia depois de o Home novo visto com base no
atrair o seu regresso”. Office dizer que Shreyas talento excecional do filho.
REUTERS

16 AGOSTO 2018 VISÃO 23

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
HOLOFOTE

Devin Nunes O “bombardeiro” de Trump


Manter o poder Impor o medo
Ter o Congresso “TEMOS DE MANTER Com o aproximar
das eleições,
controlado
pelo Partido A MAIORIA, SENÃO o clima político
Republicano, custe
o que custar, é
TUDO ISTO VAI AO nos EUA tem-se
extremado. Alguns
a mais recente
estratégia traçada
AR.” ESTA É A FRASE- analistas dão conta
de que até alguns
pelo republicano, Gravação -CHAVE DITA PELO Caça às bruxas republicanos
Devin Nunes, começam a
para assegurar a
divulgada
A confissão foi
CONGRESSISTA NUMA Devin Nunes, neto
de portugueses duvidar das
continuidade da
Administração
feita durante uma
sessão à porta
AÇÃO DE ANGARIAÇÃO dos Açores, e que
Trump considera
políticas de
Trump. E estas
Trump. Porquê?
Porque é
fechada, longe DE FUNDOS, QUE ESTÁ “um grande herói declarações de
Devin Nunes
preciso parar a
dos jornalistas
mas gravada por NO CENTRO DA ÚLTIMA norte-americano”,
é o presidente mostram a adoção
investigação ao de um plano
Presidente, e
um elemento da
Fuse Washington,
POLÉMICA do Comité de
Inteligência da de emergência:
ao seu alegado uma organização Câmara e tem não conquistar
conluio com a progressista que
C E S A LT I N A P I N T O
usado o seu poder os eleitores
Rússia, e porque é pagou para entrar. para acusar o FBI pela bondade
preciso continuar A gravação e o departamento das políticas de
a usar o poder de áudio foi, de Justiça de Trump, mas pelo
da maioria para entretanto, andarem numa medo. Pois, se as
impedi-la. Pois, divulgada durante o caça às bruxas, investigações em
se perderem programa televisivo quando investigam curso acabarem
essa vantagem, a The Rachel o Presidente. Foi por acusar
investigação pode Maddow Show, mesmo forçado Trump, e não
seguir em frente. na MSNBC, que a retirar-se da o absolverem,
E esse é um risco pôs a nu todas as investigação, todos aqueles
que não podem contradições nas que envolve a “quinhões de
correr. A revelação teorias que têm Rússia, depois de poder vão ao ar”.
foi feita durante sido defendidas ter sido acusado Só resta a maioria
uma sessão pelos republicanos de partilhar republicana para o
de angariação em defesa do informações defender. Daí que
de fundos para seu Presidente confidenciais com seja necessário
um colega e também a a Casa Branca. mantê-la. De
republicano, de existência de uma Curiosamente, resto, o próprio
forma a convencer agenda precisa a investigação Devin Nunes
os presentes do e calculada para do seu grupo admitiu, na mesma
esforço que todos não haver o risco concluiu sessão, que às
têm de fazer para de a nomeação pela não vezes também
manterem os de Brett descoberta “estremece com os
lugares de poder. Kavanaugh, de qualquer tweets” de Trump,
indicado por prova de que são uma
Trump para conluio. grande misturada.
o Supremo
Tribunal dos
EUA, não vir a
ser confirmada.
JOSÉ CARLOS CARVALHO

24 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
ESTE É O SORRISO DE QUEM
PROCUROU EXPERTS
EM IMPLANTOLOGIA
DENTÁRIA!

“ Só tenho a dizer bem.


Deixei de ter medo
de sorrir!

+ DE 26.000
CASOS DE SUCESSO
SUPERE OS SEUS MEDOS! JUNTE-SE RECUPERE O SEU SORRISO!

800 200 208


AOS SORRISOS DO PNID E ESCOLHA:

Profissionais de excelência
Serviço de Confiança Porto . Lisboa . Cascais . Braga . Coimbra . Portimão
Tratamentos Personalizados Santarém . Vila Real . Aveiro . Évora . Faro . Guimarães . Setúbal
Facilidades de Pagamento
BREVEMENTE NOVA CLÍNICA EM LEIRIA

WWW.PNID.PT

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
ALMANAQUE

TECNOLOGIA

O smartphone que
é um bloco de notas

A Samsung tem um novo

Mais televisão leva a menos sexo


smartphone topo de gama,
o Galaxy Note 9, que já
pode ser encomendado,
mas que só chega às lojas
Passar horas no sofá, em frente ao pequeno ecrã, diminui o apetite sexual, a 24 de agosto, com um
concluiu o estudo de uma universidade norte-americana. A culpa é das preço um pouco acima
dos 1 000 euros. Inclui boa
plataformas de streaming e dos novos hábitos que estas criaram parte da tecnologia que
já era utilizada no Galaxy
Ver televisão reduz a atividade sexual, acessível. Segundo os autores do estudo, estes S9 Plus: muita memória e
mas ter um carro ou uma moto aumenta dados tanto podem ajudar os países com taxas um processador poderoso,
a predisposição para o sexo. Estas são as de natalidade altas como os que as têm baixas. capaz de correr qualquer
conclusões de um estudo feito pela University No caso dos primeiros, é fazer com que haja app, incluindo os jogos gra-
of Delaware and Reed College, nos EUA, mais cidadãos com televisão e subscrição por ficamente mais exigentes.
através das respostas de quatro milhões de cabo e, no dos segundos, impor taxas e fazer
pessoas – de 80 países –, para o Demographic campanhas de esclarecimento para se limitar
and Health Surveys (instituto que recolhe a utilização do pequeno ecrã. O estilete, com funcio-
informação e dados nos países desenvolvidos). Além disso, o problema não é só o tempo nalidades de comando
Quem vê televisão em casa tem 5,7% menos que se passa em frente ao televisor; há que à distância, é a grande
vontade de ter sexo do que aqueles que não o acrescentar os serviços de streaming e os de novidade. Este género de
fazem, levando os investigadores a concluírem YouTube. Assim, quanto maior for o número caneta digital permite-nos
que “a televisão não mata a sua vida sexual, de horas de consumo, menor é o dedicado desenhar, livremente,
mas é capaz de dar-lhe alguma morbidez”. ao lazer, à família e às relações sexuais. no ecrã de 6,4 polegadas
Em contrapartida, ter um meio de transporte Ou seja: até se pode ver, de rajada, todos como se de papel se
para ir a qualquer lado aumenta a atividade os episódios de uma série, mas isso não tratasse, e também pode
ser usado para controlar
sexual, porque uma pessoa se torna mais substitui a vida real.
à distância algumas apps.

SAÚDE
A câmara não bate recor-
Ataques cardíacos não são doença de homens des nos megapíxeis, mas
permite, inclusive, con-
trolar a abertura da íris,
Mulheres tratadas por médicas têm mais que deram entrada num hospital da Florida, para fotografar melhor à
hipóteses de sobreviver porque o diagnóstico nos EUA, com doenças coronárias. Os dados noite ou fazer aquele efeito
padrão continua a ser o género masculino. mostraram que mais mulheres morreram de desfoque do fundo,
O género interessa? No que diz respeito quando tratadas por médicos homens, destacando o motivo. Uma
a ataques cardíacos, parece que comparando com o menor número de câmara para prós.
sim. Tanto quem os tem como óbitos de doentes homens que foram
quem os trata. O mito de que um tratados por homens ou por mulheres.
ataque de coração é uma doença A investigação rejeita que esteja em A bateria tem muito
de homens ajudou a que os causa algum tipo de sexismo. mais capacidade do que
sintomas das mulheres sejam A razão pode estar relacionada com o normal, o que garante
menos considerados e que, por o facto de os sintomas nas mulheres autonomia para um dia
consequência, o diagnóstico serem diferentes daqueles de que de utilização intensiva,
seja errado. Para comprovar sofrem os homens, embora o padrão ou até para dois dias
de utilização mais “leve”.
esta teoria, três professores de diagnóstico continue a ter como
analisaram os registos médicos de referência o masculino, para ambos
duas décadas relativos aos pacientes os sexos.

26 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
INBOX

M O D É S T I A À PA R T E Adoraria ter
Fico lixado visto isto na
ao ver que alguns
jornalistas não TV quando era
me incluíram no
grupo de possíveis
uma jovem
técnicos da
seleção argentina
membro da
DIEGO MARADONA
Desabafo irritado do ex-jogador
comunidade
LGBT, que
e ex-selecionador

nunca se sentiu
representada
na TV e se
O ensino que se faz
sentia sozinha
é o da superficialidade
HÉLDER SOUSA
e diferente
Diretor do Instituto de Avaliação
Educativa (IAVE), que cria os RUBY ROSE
exames do Ensino Secundário A atriz emocionada por interpretar
Batwoman, uma lutadora de rua, lésbica
e judia, que protege Gotham City

É normal sentir que FRASE DA SEMANA


não estou a fazer C H O Q U E F R O N TA L
o suficiente pela
minha bebé. (…) O limite de acesso
Trabalho muito,
treino-me e estou
ao SNS, sem
a tentar ser a melhor se reforçar
atleta que consigo a capacidade
SERENA WILLIAMS
Os dilemas da tenista norte- de resposta, já
-americana sobre a maternidade
[O incêndio de O tom leviano,
foi atingido
MIGUEL GUIMARÃES
Monchique foi] a tentativa de
Um vinho pode a exceção que branquear a realidade,
Bastonário da Ordem dos Médicos

transmitir-nos confirmou a a sobranceria são


nostalgia, alegria, regra do sucesso absolutamente
memórias antigas, da operação [de chocantes. António
sentido de pertença combate aos fogos], Costa fala do País
ao longo de todos ardido como José
e muitas outras os outros dias. Sócrates falava
emoções ANTÓNIO COSTA do País falido.
JOSEP ROCA Primeiro-ministro, na ASSUNÇÃO CRISTAS
Sommelier do restaurante quarta-feira, 8, após uma A líder do CDS, em
El Celler de Can Roca, o segundo reunião da Autoridade declarações ao Expresso
melhor do mundo Nacional de Proteção Civil

Fonte: Instagram, Expresso, Observador


16 AGOSTO 2018 VISÃO 27

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
TRANSIÇÕES

PREMIADOS
O filme português Alfaião,
realizado por André
Almeida Rodrigues, venceu
o prémio de Melhor Curta
europeia, no International
Documentary Festival of
Ierapetra, que decorreu na
ilha grega de Creta.

Raúl Alarcón, ciclista


espanhol da W52-FC
Porto, venceu a 80ª Volta
a Portugal, pelo segundo
ano consecutivo, chegando
ao fim da prova, em Fafe,
com 1m01s de vantagem
sobre Joni Brandão
(Sporting-Tavira).

MORTE
Nasceu em Lisboa como
Filipe Mendes, mas só com
o nome de Phil Mendrix, e V. S . N A I PA U L ( 19 3 2 - 2 0 18 )

A grande solidão de Sir Vidia


o seu emblemático cabelo
desgrenhado, ganhou o
reconhecimento de figura
icónica do rock português.
Guitarrista, fundador dos
Chinchilas, em 1965, fez Prémio Nobel da Literatura 2001, o britânico nascido em Trinidad
parte de muitas outras construiu uma obra fundada em fantasmas próprios: a diáspora, os
bandas, como Fluido, Psico, traumas coloniais, as periferias e a controvérsia, imperdoável para muitos
Heavy Band, Roxigénio e
Transatlântico. Já nos anos
1990, juntou-se aos Ena Pá Vidiadhar Surajprasad Naipaul desocultação das dimensões humanas,
2000 e aos Irmãos Catita, e tinha vinte e tal anos e era um aluno atravessará todo o seu percurso.
criou a Phil Mendrix Band. estrangeiro, alvo do desdém e da Vídia abandonou Trinidad porque
O solista mais célebre do sobranceria característicos da elitista sempre quis ser escritor. Estreando-
rock nacional tocou na Universidade de Oxford, dominada -se em 1957 com The Mystic
primeira grande edição do pelas castas e preconceitos classistas, Masseur, Naipaul consumou essa
Festival de Vilar de Mouros, quando escreveu Uma Casa para ambição com uma obra assente em
em 1971. Segunda-feira, Mr. Biswas (1961), romance marcante 30 volumes, abrangendo ficção, não
13, aos 70 anos. do século XX e passaporte para ficção, literatura de viagens, onde se
a literatura de primeira grandeza. destacam, por exemplo, A Curva do
O livro era um paradoxal ponto de fuga, Rio (1979), sobre os regimes africanos.
NOMEADOS uma evocação das suas raízes caribenhas Mas as polémicas provocadas pela
A Entidade Reguladora e da infância vivida numa sociedade personalidade difícil, pela turbulência
para a Comunicação multiculturalista, associada familiar (a vampirização da primeira
Social deu luz verde às às explorações da cana-de-açúcar e abnegada mulher, Patricia Hale,
nomeações de João e aos ciclos de pobreza pós-colonial, a relação sadomasoquista de 20
Fernando Correia Ramos que V. S. Naipaul repudiará – mas que anos com a amante, a dependência
e Rui Fernando Oliveira caracterizará como “uma mina de ouro, da última mulher, a paquistanesa
Goulart para a direção do ponto de vista da escrita”. Uma Casa Nadira), os comentários racistas e
de informação da RTP, para Mr. Biswas era um exorcismo e sexistas, as posições controversas
nos cargos de diretor- também uma homenagem ao pai cheia (como a comparação feita entre Islão
-adjunto de informação de compaixão: Seepersad, jornalista do e colonialismo, em 2001) e as famosas
e de subdiretor de Trinidad Guardian, aspirante falhado zangas literárias (esteve de relações
meios e conteúdos da
a romancista. Este impulso de superação cortadas com Paul Theroux durante
RTP e da RDP Açores,
das origens difíceis, de estatuto de 15 anos) macularam-lhe a aura. Uma
respetivamente.
eterno estrangeiro, de questionamento ambiguidade que reflete a sua literatura.
dos poderes e dos impérios coloniais, de Sábado, 11, aos 85 anos. S.S.C.

28 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A crise da
lira está a
PRÓXIMOS CAPÍTULOS
semear os
nervos nos
mercados

PERISCÓPIO

HERMANOS
Os caça-espanhóis
Um caça Eurofighter espanhol disparou um
míssil ar-ar, por engano, nos céus da Estónia, no
âmbito das operações de policiamento da NATO,
no Báltico, o que quase causou um incidente
diplomático, com o primeiro-ministro estónio a
exigir responsabilidades ao comando da Aliança.
O castigo a nuestros hermanos não podia ter sido
mais humilhante: foram substituídos por... F16 da
Força Aérea portuguesa! A Padeira de Aljubarrota
deve estar a dar voltas de júbilo, no túmulo...

DESTINOS
O fadinho dos Marretas
Ficou célebre a cabeçada que Pedro Santana
Lopes deu num vidro do estúdio da RTP, quando
TURQUIA se levantou, furioso, e irrompeu em direção à
régie, depois de um indiscreto microfone aberto

O novo susto da Europa


lhe ter chamado, a ele e ao seu parceiro de
debate, José Sócrates, “os marretas”. Durante
muitos meses, os dois contracenaram, em
horário nobre, aos domingos, e há quem diga
Queda livre da lira provoca receios de contágio que foi ali que lançaram, em definitivo, as
e é um teste sério à flexibilidade de Erdogan suas carreiras políticas. Mais tarde, seriam
adversários (legislativas de 2005), e Sócrates
substituiu Santana, no Governo. Ambos ex-líderes
Para Erdogan, a derrocada da lira turca só tem uma explicação:
partidários e ex-primeiros-ministros, foi por
há um ataque internacional concertado contra a Turquia.
uma diferença de escassos dois meses que os
Na verdade, há várias razões técnicas que se conjugam para dois abandonaram, também com estrondo, os
este efeito, que esta já ameaça não apenas o país mas vários respetivos partidos de sempre. Quem sabe, no
mercados emergentes e a Zona Euro. futuro, as linhas paralelas dos seus destinos se
Há muito que observadores e instituições internacionais vêm encontrem no infinito de uma nova formação
alertando para os riscos da política económica turca, assente em partidária...
taxas de juro baixíssimas e no endividamento externo. O lado
bom é que a economia tem crescido a bom ritmo; o mau é que PERDOA-ME
há um sobreaquecimento, demasiada dívida e o dinheiro, vindo O regresso do filho pródigo
do estrangeiro, está a escassear, não conseguindo alimentar o O antigo vereador social-democrata – e de
ciclo de refinanciamento. Assim, o ideal era que houvesse um Fernando Seara – em Sintra, Marco Almeida, vai
plano B: como deixar a economia turca fazer uma aterragem voltar ao PSD que – depois da rutura de 2013, em
suave, agora que o paradigma mudou? O problema é que o cujas autárquicas o viu candidatar-se contra o
presidente turco se tem recusado a fazer o que os especialistas partido, encabeçando o movimento “Sintrenses
defendem, a subida das taxas de juro para proteger o valor com Marco Almeida” – o receberá de braços
da moeda local e para refrear o endividamento. Recep Tayyip abertos. Pode estar encontrado o futuro candidato
Erdogan, aliás, tem-se afirmado como inimigo das taxas de social-democrata a Sintra. Agora, só falta Rui Rio
juro altas, sugerindo que estas provocam inflação, exatamente dar luz verde ao regresso de António Capucho...
o contrário do que sucede. A questão agora é se os bancos
turcos conseguem honrar os seus compromissos em moeda
estrangeira. É por isso que o BCE está preocupado: a Banca da
Zona Euro tem uma exposição de mais
de 140 mil milhões de euros aos bancos
turcos.
Enquanto Erdogan se centra na retórica,
A RESPOSTA o ministro das Finanças veio anunciar um
À CRISE ESTÁ plano para serenar os mercados. Porém,
o ceticismo é grande, já que o ministro
NAS MÃOS DO das Finanças, Berat Albayrak, é genro de
MINISTRO DAS Erdogan. E no centro da desconfiança
internacional face à Turquia está a figura
FINANÇAS, QUE do Presidente, e a dúvida sobre se este
É GENRO DE consegue acalmar o seu fervor ideológico
para tomar decisões técnicas que podem
ERDOGAN vir a revelar-se impopulares.
16 AGOSTO 2018 VISÃO 29

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
OPINIÃO

Vai dar tudo certo


P O R J O S É E D U A R D O M A R T I N S / Advogado e ex-deputado do PSD

P
ara pôr um grão de areia nesta alegria de Não percebi aquilo da autoestrada onde não po-
verão, o Expresso foi entrevistar o antigo demos ir sempre a 120, mas são assim os grandes,
deputado do PS Henrique Neto e ele saiu- não importa decifrá-los, importa confiar.
-se com uma que felizmente passou des- Talvez porque o desejo torna o irreal possível,
percebida: “O país não está melhor, mas os como escreve o poeta.
portugueses acham que sim.” Talvez porque no dia da entrevista, ilustrou as
Uma semana depois, o mesmo jornal redes sociais, com a mesma fatiota, ao comando do
lá corrigiu o tiro no otimismo com uma feito notável de Monchique.
belíssima e retemperadora entrevista ao Um sucesso nas palavras do dr. Costa. E aqui, coisa
nosso líder. Ficámos tranquilos. rara, deixou-se tolher pela modéstia. Mais do que
Estamos como um pero. um sucesso, inventou todo um novo paradigma no
Virámos, explica com paciência e carinho o dr. combate aos incêndios. Arrastar as pessoas, para não
Costa, a página da austeridade e estamos agora na haver mortos e deixar arder tudo, não porque não
fase do redentor rigor. haja químicos ou coordenação, mas pela beleza rege-
A carga fiscal bateu recorde no neradora da inatividade magistral.
ano passado (que isto do rigor pre- Notável, não é? Embrulha!
cisa de muita receita), mas agora, O dr. Costa goza o Estamos portanto a mudar de
anuncia o nosso benfeitor, vem aí, pagode sem o mínimo página, de vida, quase de planeta.
pela redução de impostos, a reso-
lução dos nossos maiores proble- de pudor. Porque pode. O dr. Costa goza o pagode sem o
mínimo de pudor. Porque pode.
mas. Tufas, mai nada. Não precisa de Não precisa de exibir inteligência,
Vamos atrair de volta os jovens
emigrantes qualificados e vamos
exibir inteligência, competência, conhecimentos, bom
senso, nada. Só falar e encher o va-
ter um bodo para os senhorios competência, zio, porque ninguém o contraria?
fazerem retomar um mercado de conhecimentos, bom Tudo o resto é mera implicância
arrendamento normal.
Os quadros mais qualificados senso, nada. Só falar e do Henrique Neto e do CFP, com
relatórios impróprios (90 páginas,
estão a fazer as malas para o re- encher o vazio, porque que horror) para a época das festas
gresso e até já o Robles desistiu lá
disso do alojamento local.
ninguém o contraria? e dos festivais e títulos aziagos
(“Riscos orçamentais e Sustentabi-
Que os salários desses mais lidade das finanças públicas”).
qualificados continuem baixos e sem qualquer Pois, parece que temos um risco superior a 50% de
perspetiva de subir ou que os senhorios não tenham entrar em crise a cada cinco anos, que cada crise nos
ganhado nenhum na ideia são minudências que não custa mas de 3% do PIB e levamos tantos anos a re-
atrapalham quem lidera, até porque o nosso primei- cuperar dela como os que dura, que só chegamos aos
ro-ministro não é de grandes teorias. Só de grandes 100% de dívida em 2030, que temos uma concentra-
convicções. Ele que não leva o PS para a esquerda ção de carga fiscal e consequente risco apenas em dois
nem para a direita, só em frente. Toda a gente sabe impostos e, entre outros fatores igualmente graves,
que para a frente é que é o caminho. somos o país da EU com maiores passivos potenciais
Os pessimistas têm algum receio do que pode à conta do brilho e do equilíbrio das nossas PPP.
acontecer a uma pequena economia aberta na véspe- Preocupações que o verão felizmente enterra na
ra de uma guerra comercial? Não há porquê, explica areia, como normalmente nós também o fazemos
o nosso visionário dr. Costa… e desata a falar da con- até chegar o FMI.
fiança dos empresários cá na terra. Toma, vai buscar. Valha-nos a oposição e o PSD que não se deixa
Também vamos precisar muito dos fundos co- ficar. Lançámos um novo cartão de militante cuja
munitários, mas não haverá problema nenhum com imagem vai “reforçar a afetividade e, por isso,
o rombo orçamental inevitável que os derrotistas a proximidade às bases do partido”.
preveem se tudo for executado. E porquê? Porque Como dizia o bispo Edir Macedo: vai dar tudo
sim. Arruma lá esta. certo! visao@visao.pt

30 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Lay_VQR_PalitosOrg-Fut_Visao_200x290.indd
FUT_V_1328.indd 1 1 19/07/2018
20/07/2018 16:53
16:52:07
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
BAIÃO
OS DIAS FELIZES
A 45 minutos do Porto, encontramos um paraíso perdido.
Um concelho que não fez caso da geografia do avesso e foi à luta
com paisagens imaculadas, literatura, gastronomia, património,
tradições ancestrais e a aristocracia humilde das suas gentes.
Rejeita a “Disneyficação” e os turistas continuam a chegar.
O futuro é aqui
M I G U E L C A R VA L H O
LUCÍLIA MONTEIRO

32 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
16 AGOSTO 2018 VISÃO 33

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Q
“Quando me irrito porque os grilos não se
calam é o máximo! É a minha noção de pa-
raíso.” António Mota está sentado na poltrona
de musgo e raízes do majestoso carvalho das
traseiras da igreja de São João de Ovil, fre-
guesia onde nasceu. Na juventude, deixou-se
abraçar pelas sombras daquela árvore e rabis-
cou, ali mesmo, num caderno, o que viria a
ser A Aldeia das Flores, primeira das 94 obras
saídas do seu imaginário literário de quase
40 anos. Algumas dessas páginas estão pre-
nhes de fadigas, lendas e mistérios da exis-
tência escutadas às mulheres e ao Adrianinho,
velho entrevado que escrevia a giz na lata
espalmada do regador e, afinal, haveria de
andar, andar até aparecer morto nas fragas
do Marão. “Ele dizia que os eremitas comiam
raízes, gafanhotos e dormiam numa cama
de fetos. Por causa disso, ainda hoje lhes tenho
um medo que me pelo!”, recorda o escritor,
a rir-se de histórias idas, mas vividas.
Mota já andou uma hora a pé para che-
gar à escola onde dava aulas. Hoje passa 80 Verde desmedido ram a ser pesados por ordem da presidência.
dias por ano longe de casa, a falar a miúdos Das cascatas Na então esquecida aldeia de Mafómedes,
e graúdos de narrativas de outros tempos, escondidas no Marão fez-se festa no dia em que ali colocaram
por sinal título de um livro em que resgata aos cumes a quase o primeiro contentor do lixo. Corria 2006
a memória e o viver das aldeias de Baião. É 1 500 metros de e a mudança começava, lentamente.
sempre com a ânsia de sossegar que o escri- altitude de cortar a Uma dúzia de anos volvidos, os motores
tor regressa e vai enfiar-se no seu refúgio de respiração, das vistas de busca fornecem, ao primeiro clique, listas
Vilarelho. Grilos, mochos, trovoadas, cheiros, secretas, mesmo por de hotéis, restaurantes, percursos e paisagens
enlevos de mesa e preguiças andarilhas, tudo cima dos carris da intactas, além dos melhores caminhos para
Linha do Douro, ao
lhe devolve o sentido de pertença. “Há dias, aqui chegar. Entre serras e o “Douro verde”,
património integrado
estava lá no meu sítio, em direto com Bra- Baião dispõe de 611 camas em alojamentos
na paisagem onde
sília, a rever a tradução de um livro. Depois nasce a casta avesso,
turísticos – alguns de luxo –, e é o concelho
fechei o computador e perguntei-me: de que Baião compensa com maior oferta no distrito, logo a seguir
preciso mais?” o sinuoso traçado ao Porto. Sem condições para prometer o
Há uns 15 anos, teclar no Google a palavra do seu território com que não pode dar (emprego à escala indus-
Baião devolvia resultados com os dramas da vistas e preguiças trial, projetos megalómanos e um território
pobreza e do isolamento do concelho. O lastro de tocar o céu menos acidentado, por exemplo), o municí-
de atraso e desesperança vinha de longe, e os pio misturou o melhor da sua Natureza, da
bifes servidos na cantina camarária chega- sua gastronomia, do seu património, da sua

34 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
antiguidade e da sua cultura para criar uma
Mosteiro e vinho com traço de Siza integridade que não é de postal.
Do interior da Quinta da Ermida, em Santa
Marinha do Zêzere, até se pode ver passar os
Estará para breve o regresso de Siza a situação financeira da câmara comboios, de cima, entre folhagens, sem so-
Vieira aos trabalhos de recuperação assim o permite.” A antiguidade
bressalto. Existe uma cachoeira do rio Zêzere
do Mosteiro de Santo André do edifício e a sua inserção na
dentro da propriedade, mas a zona preferida
de Ancede. Em 2014, o município paisagem apaixonaram Siza desde
de Baião encomendou ao arquiteto o o início. A reabilitação resultará
do cicerone Rui Silva é a dos moinhos, “onde
anteprojeto que visa o renascimento num complexo arquitetónico com toda a família aprendeu a nadar”. Nem a pe-
deste monumento, anterior valências na área da restauração, quena Matilde se imagina fora deste lugar de
à fundação da nacionalidade, mas turismo e cultura. Enquanto isso, intenso cheiro a figos. Os franceses, ingleses
a obra orçada em cerca de três o arquiteto foi desafiado a desenhar e austríacos tomam chá na esplanada ou
milhões de euros está suspensa o novo rótulo do vinho Lagar deixam-se ficar, espalmados e refastelados,
por falta de financiamento. Segundo do Convento, de casta avesso, na piscina debruçada sobre o Douro.
o autarca Paulo Pereira, há, porém, produzido pelo município na quinta Em São Tomé de Covelas, Joana e Carlos
boas notícias no horizonte, graças do mosteiro. “Tanto quanto sei, Azeredo queriam amor e uma cabana. Bem...
ao recurso a fundos comunitários. somos a única câmara a produzir e talvez um estúdio com jacuzzi, um Spa com
“Teremos de pedir emprestados o seu próprio vinho”, assinala vista para o Douro, um salão de jogos, tar-
770 mil euros à Banca, mas Paulo Pereira. tarugas, papagaios, “bambis”, javalis, patos,

16 AGOSTO 2018 VISÃO 35

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Fernando Alves e Baião
um amor antigo
As duas edições da iniciativa Virar a Mesa
do Avesso consolidaram a paixão assolapada
do jornalista da TSF pela região e a sua gente

Tudo começou à mesa, espécie de concha


claro. Há dois anos, afetuosa de amigos
Fernando Alves e os que se encontram,
escritores Joel Neto cozinham, falam de
e Nuno Camarneiro livros e de comida,
comiam à pressa, sem se armarem ao
durante o Festival pingarelho”. Para este
Literário Outono ambiente, contribui
Vivo, na ilha Terceira também, segundo
(Açores), aquando do Fernando Alves, “essa
desprazer nasceu a figura rara, ser humano
fome. “Comentávamos extraordinário, que
o pouco tempo para é o António Pinto”,
jantar e pensámos que rosto do restaurante
seria porreiro juntar o e da famosa Pensão
ato criativo da literatura Borges. A tertúlia
e esse sublime ato de literária e gastronómica
amor que é cozinhar é consequência de
para os outros”, explica um amor maior, feliz,
o jornalista da TSF. entre Fernando Alves
“Então, lembrei-me e o concelho situado
de Baião, liguei ao entre serras, com o
presidente Paulo Douro ao fundo. “São
Pereira e ele aceitou uns gajos que sabem ESTAS TERRAS INSPIRARAM
a ideia na hora.
O Joel e o Nuno são
o que querem, não se
deixaram levar pelo CAMILO CASTELO BRANCO,
grandes cozinheiros
e comprometeram-se
estigma do patinho
feio numa terra onde EÇA DE QUEIRÓZ, AGUSTINA
logo com a primeira
edição. Assim,
os acessos são de
digestão difícil”, assume
BESSA-LUÍS E MANOEL
nasceu esta iniciativa,
feita numa escala
o jornalista. “Habitam
um lugar que já foi a
DE OLIVEIRA, A PARTIR
de proximidade e fonte do mel, valorizam A4
DO DRAMA DE “FANNY OWEN”
a serra da Aboboreira, Baião
A4
intimidade, sem Porto
parangonas nem mantêm as clareiras do
caganças”. De pantufas, bosque defendidas, têm Rio Douro
já se realizaram duas
edições de Virar a Mesa
paisagens intocáveis,
sem devassa,
recuperaram escolas
Porto Baião
gansos, cabras e vacas de raça cachena, dessas
que limpam as matas porque as vão comendo.
do Avesso – a alusão
O casal também queria produtos feitos em
à casta dos vinhos da antigas para albergues
da Natureza e têm um
casa: pão, vinho, doce de limão, ervas aro-
região é propositada – a
máticas, chá biológico, bolachas, iogurtes e
última em junho, com
o arquiteto e fotógrafo
cuidado permanente em
manter os equilíbrios Rio Douro licores artesanais. A Quinta das Quintãs já é
Duarte Belo e o escritor ambientais e sociais. tudo isso nas mãos deles, mais 30 hectares
Paulo Moreiras. A É um paraíso verde”, de socalcos, a grafonola que toca um disco de
iniciativa amesenda no resume. Para Fernando António Menano, o mapa antigo do Douro, o
Restaurante de Tormes, Alves, Baião tornou-se altar e outras memórias bem polidas. “Num
da Fundação Eça de assim “uma espécie de tempo em que as propriedades só pertenciam
Queiroz, durante um fim aldeia gaulesa que não aos homens, aqui vingou uma mulher, Clotil-
de semana. O objetivo se deixou levar pelo País de de Azevedo, cujo brasão em losango está
é, além de passear da modernidade pimba, visível no exterior da casa de 1860”, assinala
pela região, “fazer uma de piscinas e festivais Joana. A quinta, por estes dias com lotação
coisa de puro prazer, todos iguais”. esgotada, atrai um misto de portugueses e

36 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
da aventura até de olhos fechados. Caminheiro
e devoto de desportos radicais, ele mergulha na
água gelada do rio Teixeira, desbrava terreno
íngreme até às cascatas ou recantos fluviais
mais envergonhados e trilha percursos ma-
treiros de montanha e fascínio. “São lugares
sagrados para contemplar e treinar o corpo e a
mente. Quando venho aqui, esqueço tudo”, diz.
Da persistência se faz o pote de mel da
região. E da aristocracia cúmplice da sua
gente humilde também. Por estas bandas, o
difícil recompensa, mas é avisado saber que
ainda se guardam segredos, não vá o foras-
teiro pensar que tem tudo numa bandeja ou
tentar passar-se por finório.
Em Teixeira, os últimos dias foram de ani-
mação na aldeia. Sónia Pereira acordou estre-
munhada e com uns bons quilos de biscoito
para cozer. Na cidade chamam-lhe doce da
Teixeira, e ela mete as mãos na massa pela úni-
ca casa certificada na confeção deste produto
regional. “Nas feiras há de tudo, mas este já o
meu bisavô fazia.” Em agosto, com romarias,
excursões e emigrantes, saem dali mil quilos
desta espécie de tábua fofa de farinha, água,
limão, sal, fermento e...alto! “A verdadeira re-
ceita tem segredo e esse nunca saiu da aldeia”,
assegura Sónia, de sorriso maroto. “Às vezes,
o pessoal de fora vem aí dar duas de treta com
os velhinhos, a ver se eles se descosem, mas eles
acrescentam sempre um ingrediente estranho
para estragar tudo.” Talvez por isso, só o genuí-
estrangeiros, em busca desta janela privile- Prazeres de tempo no ajude a suportar distâncias. “Uma senhora
giada para o rio. “Ao mesmo tempo, estamos lento Enquanto na vai sempre carregada para a Suíça, mas quando
a dar vida às nossas raízes”, explica o casal. Tasquinha do Fumo, o biscoito acaba, fica com o saco. Diz que é o
Isabel e Artur Soares cheirinho que ajuda a matar saudades...”.
PERSISTÊNCIA E SEGREDOS mantêm a cozinha
“Estamos a uma hora do resto do mundo”, e os sabores à antiga, QUEIROZ, EÇA E O OUTRO
descreve Alexandre Pinto, de Mosteirô, en- na Fundação Eça Nestas terras já se cruzaram páginas, cenários
quanto trincha a posta de vitela na brasa da de Queiroz, outro e enredos de Camilo Castelo Branco, Agustina
Tasca do Valado, em Mafómedes. “Isto, se Queiroz, jovem talento Bessa-Luís e Manoel de Oliveira, a partir do
da gastronomia,
pensarmos na distância até ao aeroporto, drama Fanny Owen. Em Gestaçô, berço das
sublima o frango
claro”, acrescenta. Da varanda do restaurante, bengalas, nasceu Soeiro Pereira Gomes. Em
alourado com arroz
os olhos repousam neste pedaço do Marão de favas d’A Cidade
Porto Manso, Alves Redol eternizou vidas
que se oferece selvagem, quase como veio ao e as Serras. Foi nestas esfareladas por um rio moribundo e sonhos
mundo. É um prodígio também apreciado terras de mistérios magoados pela Natureza esquiva. Quando
mais acima, a partir da antiga escola primária, e cenários naturais chegou a uma “prega de serra”, o Jacinto do
agora albergue da Natureza, ou mais abaixo, quase intactos que romance queirosiano escolheu ficar. Vindo da
a jiboiar no alpendre de um bungalow. Em o escritor António Cidade Luz, na verdade o seu mundo ilumi-
fevereiro, “a aldeia tinha 23 pessoas, 15 cães, Mota se inspirou nou-se em Santa Cruz do Douro, descansado
quatro vacas arouquesas e 150 cabras, mas o para grande parte de arrelias urbanas e progresso desenfreado.
pastor adoeceu e vendeu a maioria destas”, dos seus livros À Fundação Eça de Queiroz chegam cada vez
garante Ricardo Rocha, proprietário deste mais franceses, brasileiros, alemães e nórdicos,
santuário gastronómico, cuja fama anda de garante a administradora, Anabela Cardoso.
boca em boca graças às pecaminosas carnes Uns arrebatados pela exorbitância desmedida
de levar à mesa e ao talento da mulher, Paula do panorama. Outros de alma consolada, ain-
Pinheiro, na cozinha. “Quando preciso de da que derreados pelos três quilómetros do
umas batatas ou de uma galinha, está tudo Caminho de Jacinto, sempre a subir, desde a
aqui ao lado”, assegura o marido. “Há dias, Estação de Aregos/Tormes, na borda do Dou-
saiu daqui extasiado um chefe francês. Disse ro. E outros, por fim, a sublimarem a obra e o
que estava tudo divinal. Imagine como fiquei...” escritor, enquanto arregalam os olhos diante de
Agora é Alexandre Pinto quem vai à frente. objetos pessoais, se deleitam na biblioteca ou
Fotógrafo e videoamador, conhece o território imaginam que Eça por ali ande, escrevendo de

16 AGOSTO 2018 VISÃO 37

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
pé e atirando as folhas ao ar, sem as numerar,
como era costume. MODO DE USAR
Ah, e já cheira a frango alourado com arroz
de favas... António Queiroz Pinto anda de volta Sugestões para uns
de tachos e panelas, ali mesmo ao lado, no dias bem passados
Restaurante de Tormes. O grafismo da ementa
inspira-se no passaporte de Eça e viaja por Gastronomia Seis
receitas incluídas nas obras do escritor que festivais, refeições
à Eça (Restaurante de
nos topou à légua, com um século de avanço.
Tormes), museu rural
Neste caso, porém, o nome do cozinheiro
e etnográfico (Casa
não remete para parentescos com o autor de A do Lavrador), sabores
Cidade e as Serras, embora o talento, mesmo dos avós (Tasquinha
quando o tempero é outro, possa ter familiari- do Fumo), carne de
dades. Aos 25 anos, o Queiroz desta história já certificação arouquesa
trabalhou em “estrelas Michelin” da Catalunha e (Tasca do Valado),
Portugal, acama um premiado bacalhau assado a coerência que vem de
com grão-de-bico e pimentos e um celebrado longe (Pensão Borges)
anho assado com arroz de forno. “Podia estar e até a simplicidade
noutro sítio, mas aqui na Fundação Eça de e da grelha e dos
Queiroz trabalho para a minha terra”, justifica o assados (Restaurante
jovem talento da gastronomia, filho de António da Azenha). Biscoito
Pinto, Toninho, ícone da restauração baionense, da Teixeira. Vinhos
habituado a enlaçar almas sensíveis da terra. de casta avesso.
Ora, já que a mesa está posta debaixo da Quer mais?
ramada e a garrafa tem selo da fundação de
Tormes, a conversa bem pode escorrer para Paisagens/
um tema à feição do anfitrião. António Pinto Percursos Trilhos
fala do tempo das pipas transportadas para das Florestas
a Flandres, das virtudes deste microclima Naturais, dos
e dessa casta desviada da má fama, qual vidri- Caminhos de Água
nho de cheiro, permeável a “doenças”, avessa e dos Dólmenes.
de nome e por natureza. “Foram precisos uns Caminho de Jacinto.
bons anos, mas os vinhos de Baião atingiram Carvalhal da Reixela.
um patamar superior”, garante. Serra da Aboboreira.
Se dúvidas houvesse, os 91 pontos do Sin- Aldeia de Mafómedes.
gular 2015, da A&D Wines, atribuídos pelo Capela de Nossa
Senhora da Serra.
reputado crítico de vinhos norte-americano
Da Pala a Mosteirô
Robert Parker atestam-no. E também, já
(marginal do Douro).
agora, a chegada à região da elogiada dupla
de investidores da Covela, que, além dessa
e doutras quintas, gere as terras da Fundação Cultura Fundação Eça
Eça de Queiroz. São eles o britânico Tony de Queiroz. Mosteiro
Smith, antigo correspondente da Associa- de Santo André de
ted Press e do New York Times, e o empre- Ancede. Casa do
Lodeiro (Fanny Owen).
sário brasileiro Marcelo Lima. Para começo
Cemitério de Santa
da história, nivelaram salários de mulheres
Cruz do Douro (restos
e homens, elevaram o artesanal à excelência mortais de Eça).
e conseguiram que os vinhos atraíssem efer- Byonritmos (Festival
vescente curiosidade internacional por Baião. de Música e Dança).
Razões deste sucesso? “Um grande plano de
reconversão de vinhas, a evolução do saber DE UMA ANTIGA MERCEARIA
técnico, gente qualificada das universida-
des e excelentes vitivinicultores”, responde
Turismo Há
63 unidades de NASCEU UM MONUMENTO
o engenheiro agrónomo José António.
alojamento, das quais
a VISÃO conhece os À COMIDA DOS ANTEPASSADOS.
A autarquia explora a sua própria quinta
junto ao Mosteiro de Ancede. Daí retira vinho
Moinhos de Ovil, Quinta
da Ermida, Quinta das
NA COZINHA COM GRELHA
de casta avesso, produtos hortícolas, citrinos,
14 variedades de cereja e outros frutos que
Quintãs, Douro Suites,
Douro Royal Valley
NA PEDRA, POTE DE FERRO
abastecem a população, que são escoados para
a Casa de Baião no Porto e ajudam a promover
Hotel & Spa, Douro
Palace Hotel Resort
E FORNO A LENHA REINAM
o princípio de sustentabilidade e de segurança
alimentar. O futuro pode ser enxertado aqui?
and Spa, Bungalows de O BACALHAU, O COZIDO
Mafómedes e Albergue
“Em 2013, invertemos o abandono da agri- de Porto Manso. E O CABRITO ASSADO
38 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
cultura”, garante Paulo Pereira, presidente Luxos e imaginários e dólmenes numa extensão rara, mas o des-
da câmara. Em junho, o município também Baião é, logo tino é a Tasquinha do Fumo, na aldeia de
repovoou dois rios com quatro mil trutas. a seguir ao Porto, Almofrela, onde, entre clientes habituais
o município do distrito e sempre sob reserva, se contam políticos
UMA GALINHA PARA ACARINHAR com maior oferta da região e altos quadros do grupo Sonae.
Filho de pai almocreve e de mãe com a terceira de alojamento Da antiga mercearia, e a partir da cozinha
classe, este antigo professor de Educação Fí- turístico. Nos últimos com grelha na pedra, pote de ferro e forno
sica cresceu “um bocado atravessado, a pre- anos, os turistas a lenha, Isabel e Artur Soares ergueram um
cisar de dar umas cabeçadas para aprender”, de todas as geografias monumento à comida dos antepassados, onde
não param de chegar,
admite. Fundou duas discotecas, a Boom e a reinam o bacalhau, o cozido e o cabrito assa-
encantados com
Metropolis, jogou e treinou-se em equipas de do, os licores dela, o tato dele, e o que mais
a genuinidade
futebol da terra, já correu Portugal e a Europa e a variedade
aqui não cabe. Era na preservação de lugares
atrás de Mark Knopfler e abraçou o socialis- dos cenários, assim que Paulo Pereira pensaria quando,
mo moderado, depois de votar na APU e no dos percursos antes de o apetite beliscar, falava do carác-
PSR, “neste caso por causa do Mário Viegas, e das escolhas ter genuíno do território. “Não queremos a
de quem adorava as performances e a ironia”. ‘Disneyficação’, combatemo-la”, afirmou, re-
Paulo Pereira não deixa que passem cinco cusando a tentação de transformar Baião num
minutos sem referir José Luís Carneiro, secre- parque temático a céu aberto, folclórico, sem
tário de Estado das Comunidades, antecessor alma nem carácter, igual a tantos outros pelo
no cargo e com o qual fez dupla: “Muito disto País fora: “Provavelmente, muitos ganhariam
que hoje vemos começou com ele.” dinheiro rapidamente”, admite, “mas os de
Sempre que pode, Paulo Pereira monta na fora não podem chegar aqui e desiludirem-
bicicleta e percorre, também ele, as paisagens -se com as pessoas, a paisagem, o turismo e
graníticas da serra da Aboboreira. A conversa a gastronomia. Enganar quem nos procura
iniciada no gabinete estende-se agora até esse seria matar a galinha dos ovos de ouro.”
território megalítico, semeado de mamoas E essa não é de aviário. mbcarvalho@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 39

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A INCRÍVEL VI
DE MARCELO
Recuamos até 1969
e entramos no Sud-
-Express. Integrados num
grupo de universitários,
encontramos os jovens
Maria do Rosário Amaro
da Costa (futura Maria
do Rosário Carneiro),
Leonor Beleza e... Marcelo
Rebelo de Sousa. Entre Paris
e Bruxelas, a descoberta de
um admirável mundo novo,
em tudo oposto ao bafiento País
do Estado Novo: as raparigas
frequentam os cafés da Cidade-
-Luz. Discute-se a Guerra Fria.
Respira-se o Maio de 68. E vive-se
em liberdade... Todos a bordo!
FILIPE LUÍS

40 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VIAGEM
Marcelo Rebelo de Sousa
Aos 20 anos, uma viagem
no Sud-Express. Destino final,
Bruxelas, sede da NATO

16 AGOSTO 2018 VISÃO 41

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Na Ilha de Moçambique, 1969
Marcelo está ao centro e o
governador da “província”, o pai
Baltasar, à direita, de óculos

Nesse raro dia de sol da primavera de do CDS com o mesmo apelido –, que tracenava”, todas as semanas, com
Bruxelas, em 1969, os chefões da NATO seria, no futuro, conhecida por Maria o caladinho sujeito de Coimbra, em
estavam longe de imaginar que aquele do Rosário Carneiro, conheciam bem pleno Conselho de Ministros do Go-
jovem estudante universitário, de 20 o colega. Mas todos ficaram de boca verno de Cavaco Silva...
anos, acabado de chegar do esquecido aberta, quando ele decidiu abrir o li-
extremo ocidental da Europa, ainda vi- vro, naquele estudado improviso em EUROPA E GUERRA FRIA
ria a ser Presidente da República de um Francês. O que todos constatavam é Interrogado pela jornalista francesa
dos países-membros. Porém, o próprio que Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Christine Garnier, com quem terá tido
secretário-geral da Organização de De- Sousa, assim se chamava o miúdo, não um affair, o ditador António de Olivei-
fesa do Atlântico Norte, o italiano Man- tinha avisado ninguém. Como recorda ra Salazar, entretanto caído da cadeira,
lio Brosio, ex-resistente aos nazis na II hoje Leonor Beleza, “a verdade é que apeado do poder pelas limitações da
Guerra Mundial, ex-primeiro-ministro, os nossos anfitriões, que pareciam doença, mas ainda símbolo vivo do
ex-diplomata e ex-embaixador de Itália estar a receber-nos de má vontade, regime, tinha respondido, poucos anos
na União Soviética, não terá deixado de logo começaram a tratar-nos como antes, quando confrontado com as
pensar, por um momento, que o rapaz iguais, com simpatia e solicitude”. imagens de velhinhas que percorriam
havia de chegar longe. Quando os an- “E nós todos”, acrescenta Maria do os caminhos poeirentos do campo,
fitriões já se preparavam para ouvir a Rosário Carneiro, “sentimos uma vergadas sob molhos de lenha miúda
habitual ladainha portuguesa em defesa ponta de orgulho por assim nos ver- ou de feno à cabeça: “Fazem isso por
da Guerra Colonial e bocejavam perante mos representados pelo Marcelo, que sentimentalismo.” O cinismo ou, tal-
a perspetiva de terem de receber a biso- foi simplesmente brilhante”. Alguém, vez, o alheamento do ditador era, de
nha delegação de universitários lusos, na plateia, com ar vagamente trocis- certo modo, contagioso. Em 1969, o
o insuspeito jovem decidiu brindá-los ta, terá comentado: “Parece Jesus, no mais inquietante não era ver crianças
com uma inspirada dissertação de Templo, com os doutores...” descalças a caminho da escola. O in-
15 minutos sobre geoestratégia, o papel Um dos jovens, que discretamente quietante é que isso era considerado,
da NATO, a Guerra Fria e o futuro do tinha apanhado o Sud-Express em pela generalidade da população, uma
mundo. Atónitos, ficaram a olhar uns Coimbra, havia de se cruzar, mais situação perfeitamente normal. Maria
para os outros. tarde, pelos fios que a política tece, do Rosário Carneiro recorda a estada
Das testemunhas portuguesas pre- com este grupinho. Já nos anos 80, a de um mês na Áustria, ainda antes da
sentes, cerca de uma vintena de uni- ministra Leonor Beleza, remexendo icónica viagem do Sud-Express: “Fre-
versitários, participantes na visita de no baú de fotografias, descobriu um quentei um curso de alemão, numa
sensibilização e divulgação da NATO, instantâneo da delegação, entretanto residência para meninas. Havia rapa-
a convite da própria organização, perdido. Ao procurar identificar cada rigas de várias nacionalidades e esse
apenas duas, Leonor Beleza e Maria um dos companheiros dessa viagem convívio foi, também, uma descoberta.
do Rosário Amaro da Costa – irmã inesquecível, exclamou: “Olha! Este é Mas a maior revelação foi constatar
daquele que viria a ser o cofundador o Fernando Nogueira!” Afinal, “con- que o estereótipo que elas tinham da

42 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
1968-70
Periferia de Lisboa Os bairros
de lata eram um duvidoso “cartão
de visita”, para quem chegava às
portas da capital do Império

mulher portuguesa, de buço, lenço na


cabeça e tamanca nos pés, caía, com
estrondo, com minha presença. Eu era
igual a elas, tinha os mesmos gostos,
as mesmas preocupações, os mesmos
Portugal de barracas
O socorro às vítimas das cheias de 1967 fez despertar a consciência
comportamentos. Não pude deixar de social em jovens como Marcelo Rebelo de Sousa. O País era muito
me sentir aliviada e, ao mesmo tempo, diferente da Europa que se via das janelas do Sud Express...
orgulhosa.”
Recentemente, Marcelo Rebelo de
Sousa jantou com um grupo de jovens
O verdadeiro rosto da miséria económica e social e do falhanço
na casa dos 20 anos. Numa conversa
do Estado apareceu, nas suas piores formas, durante as cheias
distendida, abordou as diferenças de 1967, na região de Lisboa, que terão feito mais de meio
entre os 20 anos do seu tempo e a milhar de mortos. Os bairros de lata, a falta de condições de
atual geração. O Presidente da Re- vida, a repressão policial, a falta de liberdade política e cultural,
pública, embora omitindo a parte da a castração da intervenção cívica, a guerra colonial, a miséria
intervenção perante os representan- social, o obscurantismo, os presos políticos, o analfabetismo,
tes da NATO, em Bruxelas, deu como os índices de desenvolvimento social terceiro-mundistas
exemplo essa viagem no Sud-Express. constituíam o lado negro de um regime que glorificava
Pela sua memória viva, e tendo em o orgulho da “raça” portuguesa, o Império do Minho a Timor e,
conta a sua descrição colorida, terá nos anos 60, o próprio crescimento da Economia. O crescimento
perpassado uma nostalgia de aventu- económico, aliás, atrairia populações do campo para as grandes
ra, como se a “excursão” tivesse sido cidades, agora rodeadas de barracas. Os outros emigravam
uma espécie de interrail. Não foi nada ou desertavam...
disso. Leonor Beleza lembra-se de
um grupo muito controlado e enqua-
drado. Ainda assim, esse imaginário
picaresco mantém-se lá e repassa das
palavras de Marcelo: “Hoje é natural

16 AGOSTO 2018 VISÃO 43

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Amigos de sempre Marcelo
Caetano nomeou Baltasar
Rebelo de Sousa governador
de Moçambique

enquadrada e vigiada pelos respon-


sáveis da organização. “Não é que
tivéssemos muita consciência política,
mas sabíamos o que era a NATO e o
“SEJAM OUSADOS, Pacto de Varsóvia e, embora houvesse
CORAJOSOS, liberdade na Europa, essa perceção
da Guerra Fria, o medo da III Guerra
EXIGENTES E Mundial, o receio dos russos, e dos
CONTESTATÁRIOS países da Cortina de Ferro, e a ameaça
do nuclear eram muito mais sentidos
NA CONSTRUÇÃO lá fora do que cá. Notava-se esse clima
DA DEMOCRACIA, tanto em Bruxelas como em Paris.”
QUE DEVE SER NINGUÉM SEGUE AS INSTRUÇÕES depois de Angola, era uma das três
FEITA TODOS Todos quartanistas (frequentadores do frentes de guerra, com milhares de
OS DIAS” 4º ano da faculdade), foram seleciona- militares portugueses a combater, no
dos pelo Ministério da Educação – e, terreno, contra os “terroristas”. Ou
MARCELO REBELO DE SOUSA,
AOS JOVENS, NUMA CERIMÓNIA portanto, eram alunos “de confian- melhor, contra a FRELIMO de Sa-
EVOCATIVA DA CRISE ACADÉMICA ça”... Era ministro Veiga Simão, então mora Machel, que acabava de suceder
DE 1969 com 40 anos, um dos membros mais ao fundador do movimento, Eduardo
jovens do Executivo da “primavera Mondlane, recentemente assassinado.
marcelista” e autor de uma das mais Nesse ano, aliás, Marcelo não pararia
importantes reformas educativas em de viajar. No verão seguinte, o primo-
Portugal. Seria, depois, convertido à génito dos Rebelo de Sousa entraria
democracia e ministro nos governos num avião, rumo a Lourenço Marques,
de António Guterres. Os cerca de atual Maputo, para outra viagem que
20 universitários escolhidos tinham o marcaria para a vida. Aliás, se des-
por missão sensibilizar as entidades contarmos o improviso na NATO, foi
da NATO, com quem iriam contactar, na colónia portuguesa que proferiu o
para a importância do apoio diplomá- seu primeiro discurso público oficial...
tico e logístico dos aliados à Guerra
Ultramarina, como era designada, MARCELO CONTRA MARCELO
pelo regime de Salazar e, depois, pelo Na verdade, não era suposto o im-
de Marcelo Caetano, a guerra em An- provável porta-voz dos estudantes
gola, Moçambique e Guiné-Bissau. portugueses em visita à NATO seguir
Estas viagens da NATO eram recor- viagem: nem ele nem as suas duas co-
viajar, numa Europa sem fronteiras. rentes e procuravam sensibilizar os legas, amigas e companheiras de jor-
Os contactos entre países e entre jo- futuros quadros dos países-membros nada haviam sido selecionados para tal
vens de toda a Europa e do mundo, para a importância da defesa comum. “passeio”. Mas o jovem Marcelo queria
o Erasmus... Tudo isso ajudou a abrir Não seria a primeira vez que Bruxelas muito ir. Por alguma razão, já a teria
a cabeça. Mas essa viagem de uma recebia uma delegação portuguesa. fisgada: ele havia de dar uma imagem
semana foi, para nós, uma revelação. Talvez por isso, os anfitriões esti- positiva da nova geração portuguesa.
A descoberta de um mundo novo. vessem de pé atrás face à previsível Moveu mundos e fundos e falou com
Mudou as nossas vidas.” cartilha portuguesa, que defendia as o próprio Veiga Simão, que conhecia
Marcelo não exagera. A descoberta posições coloniais de um País cada vez por intermédio do seu pai. Bem à por-
do mundo e o novo cosmopolitismo mais isolado. Mas, como recorda Leo- tuguesa, há que o dizer, sem medo das
do final dos anos 60, que penetrava nor Beleza, contrariando as instruções palavras, meteu uma cunha, incluindo
em Portugal a conta-gotas, revela- recebidas em Lisboa, ninguém disse no pedido Leonor Beleza e Maria do
ram-se, por instantes, pela janela “uma única palavra” sobre a Guerra Rosário, que, entretanto, já havia mu-
aberta daquele comboio. A amiga Colonial. “Pelo contrário, o Marcelo dado de Direito para Ciências Sociais
Maria do Rosário, a quem o pró- desata a discorrer sobre outros temas, e Políticas.
prio Marcelo convenceu, a custo, a com aquele inesperado discurso, e os O mundo é pequeno. Veiga Simão
integrar a comitiva, confirma essas homens da NATO endireitaram-se nas terá sido bastante influenciado, na
impressões: “Foi uma viagem verda- cadeiras. Foi épico!” sua reforma educativa, pelas ideias
deiramente marcante.” Esta atitude daquele que viria a ser de uma jovem promessa da academia
Leonor Beleza recorda com sauda- eleito, quase 50 anos depois, Presiden- portuguesa, então com 26 anos, de seu
de a primeira vez que pisou a mag- te da República Portuguesa, era tanto nome... Adelino Amaro da Costa. Como
nífica Grand Platz, na capital belga, mais inaudita quanto é certo que o seu explica Maria do Rosário Carneiro, na
ficando-lhe desses dias a memória do próprio pai, Baltasar Rebelo de Sousa, sua biografia do irmão, Adelino Amaro
Roi d’Espagne, um magnífico café que tinha acabado de ser nomeado, no ano da Costa, histórias de uma vida inter-
encimava a praça. No entanto, Beleza anterior, governador-geral da “provín- rompida (Casa das Letras, 2010): “Em
lembra que esta viagem, longe de ser cia” de Moçambique. E Moçambique, novembro de 1969, um editorial não
uma espécie de interrail, foi muito a segunda colónia mais importante, assinado no Tempo lançara o debate

44 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
1968-70
Guerra Fria Em 1972, Richard Nixon,
Presidente dos EUA, encontra-se,
em Moscovo, com o seu homólogo
soviético, Leonid Brejnev

A emergência de Nixon
sobre a reforma do Ensino Superior
com o título ‘Bases de uma política
universitária’. (...) Trata-se de um do-
cumento com toda a probabilidade da
autoria de Amaro da Costa, pelo estilo, Em 1969, tomava posse Richard Nixon. De forma paradoxal, a sua
pelo conhecimento que revela e pela Administração de “falcões” operou o primeiro degelo da Guerra Fria...
qualidade do conteúdo (...)” Depois cita
Ana Paula Rias, na sua tese de dou-
toramento: “Não podemos deixar de Em janeiro de 1969, tomava posse, na Casa Branca, o Presidente
notar a semelhança deste documento, republicano Richard Nixon, que prosseguiria com a Guerra no Vietname,
datado de novembro de 1969, com o até à derrota e retirada das forças norte-americanas de Saigão, que
teor das Linhas Gerais do Ensino Supe- se registaria, apenas, em 1975. Chegava ao fim o impasse, seguindo
rior, apresentadas pelo ministro Veiga a doutrina “declarar vitória e retirar”. Algo neurótico e controverso,
Simão ao País, em janeiro de 1971.” De demitido por causa do escândalo Watergate, Nixon, que deu cobertura à
uma certa forma, Veiga Simão comun- política agressiva do carismático académico e seu secretário de Estado
gava de um certo espírito reformista, Henry Kissinger, foi, paradoxalmente, com Brejnev, protagonista no
no alfobre do qual estes jovens se for- ponto de viragem da Guerra Fria, graças aos entendimentos celebrados
mariam. Conhecia bem os Rebelo de em Moscovo, em 1972, para a redução dos sistemas antimísseis
Sousa e o jovem Marcelo, bem como balísticos intercontinentais, acordo conhecido por Tratado ABM.
os Amaro da Costa. Já no início desse ano, Nixon protagonizara um momento histórico,
Em 1971, Marcelo Rebelo de Sousa, ao deslocar-se a Pequim, reatando relações com a China comunista
a concluir o curso, é convidado por de Mao Tsé Tung. De um lado, a NATO, que juntava, numa aliança
Veiga Simão para trabalhar no GEPAE, militar, os países europeus ocidentais sob a capa protetora dos EUA;
Gabinete de Estudos e Planeamento da do outro, o Pacto de Varsóvia, criado em reação ao Tratado do Atlântico
Norte, que aglutinava os países ditos socialistas do Leste Europeu, em
Ação Educativa, chefiado por Adelino
torno da superpotência URSS (União Soviética, que unia, num só Estado,
Amaro da Costa. Estava em marcha a
a Rússia a outras repúblicas socialistas da Europa Oriental e da Ásia
reforma do Ensino Superior. O jovem Menor). O equilíbrio do terror – ninguém venceria uma guerra nuclear
Marcelo ainda nas eleições de 1969 – manteve a “guerra” em situação de “não beligerância” direta.
tinha apoiado a Situação. Porém, o
jovem promissor há anos que carrega

16 AGOSTO 2018 VISÃO 45

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Governante Treze anos depois
da viagem, Leonor Beleza
era secretária de Estado da
Presidência, no Governo Balsemão

do próprio Amaro da Costa, diretor do


GEPAE, também sempre lhe “pareceu
suspeita”. O ministro resiste, dando ori-
gem a uma troca de cerca de 40 cartas,
“SABÍAMOS O como relata o jornalista Vítor Matos, na
QUE ERA A NATO sua obra biográfica Marcelo Rebelo de
Sousa (Esfera dos Livros, 2012).
E O PACTO DE Decorridos 45 anos, em abril de
VARSÓVIA, MAS 2016, em Coimbra, numa sessão evo-
cativa da crise Académica de 1969,
A PERCEÇÃO DA Marcelo Rebelo de Sousa exortou os
GUERRA FRIA, jovens a serem “ousados, corajosos,
O MEDO DA III exigentes e contestatários na cons-
trução da democracia, que deve ser pública. Nesse tempo, o pai Baltasar
GUERRA MUNDIAL feita todos os dias”. ainda não tinha carro... No seu dis-
E A AMEAÇA DO curso de posse (com Salazar pratica-
1969, O ANO DE TODAS mente entrevado e vivendo na ilusão,
NUCLEAR ERAM AS ESPERANÇAS que durou os quase dois anos em que
MUITO MAIS Mas voltemos a 1969, ano em que, sobreviveu ao seu incapacitante AVC,
SENTIDOS LÁ em Portugal, ainda se vive em plena
“Primavera Marcelista”. Contextuali-
de que ainda era o chefe do Gover-
no...), o novo homem forte da Situação
FORA DO QUE CÁ” zemos o clima vivido quando se dá a abrira uma réstia de esperança a todos
LEONOR BELEZA A RECORDAR viagem no Sud-Express. Com listas da aqueles que esperavam uma mudança
OS DIAS EM BRUXELAS E PARIS, oposição a prepararem-se, ingenua- efetiva: “A fidelidade à doutrina bri-
EM 1969 mente, para eleições que se esperavam lhantemente ensinada pelo doutor
relativamente “livres”, o País parece Salazar não deve confundir-se com o
respirar um pouco. O já então famo- apego obstinado a fórmulas ou solu-
so advogado da família de Humberto ções que ele algum dia haja adotado.”
Delgado, Mário Soares, patrocinava, E mais adiante: “Quem governa tem
através da sua clandestina ASP (Asso- constantemente de avaliar, de optar e
ciação Socialista Portuguesa), as listas de decidir. A constância das grandes
da CEUD (Comissão Eleitoral de Uni- linhas da política portuguesa e das
dade Democrática) e o PCP, católicos normas constitucionais do Estado
progressistas e outros elementos da não impedirá, pois, o Governo de
esquerda não alinhada constituíam a proceder, sempre que seja oportuno,
CDE (Comissão Eleitoral Democrá- às reformas necessárias.” O professor
o vírus da reforma e das preocupações tica) que, mais tarde, daria origem de Direito Administrativo rematava
sociais. Já não é o mesmo desde que, ao MDP/CDE. O General Sem Medo com um ambíguo elogio ao seu ante-
em 1967, integrado no Grupo da Luz, fora assassinado, em 1965, por uma cessor, e como quem se vê livre de um
dinamizado pelo padre Vítor Melícias, brigada da PIDE, num ermo espanhol, fardo: “O País habituou-se, durante
e de que fazia parte o amigo Antó- junto à fronteira, mas a autoria do largo período, a ser conduzido por
nio Guterres, acorreu a colaborar no crime só seria reconhecida depois do um homem de génio. De hoje para
voluntariado para a ajuda às vítimas 25 de Abril. Soares havia sido auto- diante, tem de adaptar-se ao governo
das cheias da região de Lisboa. Em- rizado a regressar do seu desterro, de homens como os outros.”
bora nunca alinhando em qualquer imposto por Salazar, na ilha de São Em outubro de 1969, decorrido
perturbação da ordem, Marcelo está Tomé. Marcelo Caetano dera essa pro- apenas um ano de consulado mar-
já desiludido, tendo percebido que a va de boa vontade perante aquele seu celista, disputar-se-iam, assim, es-
suposta “Primavera Marcelista” não ex-aluno, dando mostras da esperada sas eleições para a Assembleia Na-
ia levar a lado nenhum. No Tempo abertura política e aguardando um cional. E, embora se mantivesse a
universitário, critica, em artigo, com gesto de reconhecimento que Soares proibição da atividade de partidos
dureza, as bases gerais da reforma das negou, porque, proferiu alto e bom políticos, exceto o partido único, a
universidades, para a qual era suposto som, “a justiça não se agradece”. União Nacional, que Marcelo Caeta-
trabalhar: “As reformas deverão salva- O último Presidente do Conselho no maquilhou com o nome de Ação
guardar a verdadeira democratização da ditadura, frequentemente tido Nacional Popular (ANP), foi permitido
do ensino, quantitativa e de conteúdo, como padrinho de batismo de Marcelo à oposição que apresentasse as refe-
o que me parece impossível no quadro Rebelo de Sousa, foi padrinho, sim, ridas listas em “comissões eleitorais”.
de um regime político autoritário e mas de casamento do pai, Baltasar O final da própria guerra em África,
antidemocrático.” Se fosse hoje, bem Rebelo de Sousa, com Maria das Ne- que bloqueava a evolução do regime, e
podia ser um polémico tweet... Marcelo ves, mãe de Marcelo. Aliás, foi Caetano se repercutia na crescente contestação
Caetano, furioso, escreve a Veiga Simão, quem, em 1948, a 12 de dezembro, universitária que Marcelo, Leonor e
a pedir-lhe que demita o jovem, por ter conduziu a parturiente ao hospital, Rosário tão bem conheciam, podia, a
ferido os deveres de “objetividade e de para dar à luz o pequeno que, aos qualquer momento, deixar de ser um
lealdade”. De passagem, diz que a ação 67 anos, viria a ser Presidente da Re- tabu. Antes de tomar posse, Caetano

46 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
1968-70
Maio de 68 Os protestos de
Paris alastraram do movimento
estudantil para as fábricas. Aqui,
tumultos junto à Renault

Revolta e contestação
auscultara, a medo, o Presidente da
República, Américo Tomás: “Teremos
oportunidade, nas eleições, de con-
sultar a opinião pública sobre a nossa
política ultramarina. Se for aprovada, Os anos 60 foram os dos direitos civis, da emancipação das mulheres,
da Guerra do Vietname, da Guerra Colonial portuguesa, das crises
muito bem. Senão...”
académicas e do Maio francês...
“Senão”, atalhou o velho almiran-
te, ele próprio o rosto dos ultras do
regime, “as Forças Armadas intervi-
rão!” Caetano deve ter percebido que Os grandes movimentos de contestação dos anos 60 deram origem
dali não levava nada. No entanto, a a enormes progressos no campo dos direitos cívicos. A década, que,
sua aceitação do cargo parecia con- pelo número de vítimas em conflitos armados, foi uma das mais
sagrar, ainda assim, um novo tempo. sangrentas do século XX, foi também a da origem do pacifismo. Nos
As próprias mudanças de imagem de EUA, os ativistas pelos direitos civis, nomeadamente Martin Luther
King, pastor e líder negro do movimento pela igualdade racial, pela
algumas das instituições, se bem que
via pacífica, seria assassinado, em Memphis, no Tennessee, em abril
simbólicas, davam sinais positivos.
de 1968. O movimento hippie, o Woodstock, as manifestações contra
Além da transmutação da UN em a Guerra do Vietname e a respetiva repressão policial, o Maio de
ANP, a Censura alterou o seu nome 68, em França, que começou por ser um movimento estudantil de
para um mais inócuo “Exame Prévio” protesto e rapidamente se alastrou ao operariado, os movimentos
e a odiada secreta, a PIDE (Polícia estudantis na Europa e nos EUA e as réplicas portuguesas (crise
Internacional de Defesa do Estado), académica de 1962, em que se destacou, entre outros, Jorge
havia de ser rebatizada com a mais Sampaio e a de 1969, na qual o protagonista mais conhecido foi
inocente sigla de DGS, correspon- Alberto Martins), e a contestação e deserção face à Guerra Colonial
dente a “Direção-Geral de Segurança”. foram acontecimentos que marcaram estes anos e aos quais
E quem não quereria sentir-se seguro?... os jovens protagonistas do texto ao lado, embora com origens
familiares conservadoras, não foram imunes.
OS ATALHOS DE RAUL SOLNADO
Este clima geral de mudança também
chegava lá de fora, com a nova cultura

16 AGOSTO 2018 VISÃO 47

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Crise académica de 1969
O estudante Alberto Martins
interpela o Presidente da
República, Américo Tomás

se inclua uma ala liberal, chefiada por


Francisco de Sá Carneiro que, antes
de vir a bater com a porta, há de dar
água pela barba a Marcelo Caetano.
“O ESTEREÓTIPO Não obstante o crescimento expo-
QUE TINHAM nencial do PIB, o grosso da riqueza
nacional era consumido na guerra.
DA MULHER As autoestradas resumiam-se à que
PORTUGUESA, ligava as Amoreiras ao Estádio Na-
cional – os mesmos sete quilómetros
DE BUÇO, LENÇO inaugurados por Duarte Pacheco nos
E TAMANCA, CAÍA anos 30 –, aos 22 km que separavam de sinal diferente ou, talvez, dois
COM A MINHA Sacavém de Vila Franca de Xira e aos
15 km que ligavam, em direção ao sul,
povos de conformismos ou incon-
formismos opostos...
PRESENÇA. EU o Porto aos Carvalhos.
ERA IGUAL A Na RTP, o programa de Carlos O MISTÉRIO DO SUTIÃ
Cruz, Raul Solnado e Fialho Gouveia, Certinho no seu fatinho e gravata,
ELAS, TINHA OS o mítico Zip Zip, parodiava, sema- de cabelo curto, Marcelo Rebelo de
MESMOS GOSTOS, nalmente, o que era possível paro- Sousa tinha, com Fernando Noguei-
AS MESMAS diar. Numa memorável rábula, Raul
Solnado, com um capachinho loiro,
ra, Leonor Beleza, Maria do Rosário
Amaro da Costa e seus companhei-
PREOCUPAÇÕES, veste a pele de um turista alemão, ros, um sentimento comum. E, em-
OS MESMOS herr Fritz, que enaltece a qualidade bora alguns deles não tivessem uma
das autoestradas portuguesas. Sobre- consciência política completamente
COMPORTAMENTOS” tudo, a espetacular via que liga Lisboa formada, como reconhece Leonor
MARIA DO ROSÁRIO CARNEIRO ao Porto –, mas queixa-se de se ter Beleza, teriam já a clara perceção do
EVOCANDO O PRIMEIRO CONFRONTO
COM A REALIDADE EUROPEIA perdido nuns atalhos, em Vila Franca, constrangimento em defender a po-
e de só ter conseguido retomar a bela lítica ultramarina nos areópagos in-
autoestrada nos Carvalhos... ternacionais. Numa palavra, sentiriam
Os jovens “guedelhudos” portugue- vergonha. A dissertação de Marcelo
ses, imunes à mensagem que se lia em acabou por salvar a situação. Fosse
outdoors – “Droga, loucura, morte” aquele um tempo de selfies e teria
– eram potenciais subversivos. No corrido ainda melhor...
verão de 1971, num raide no Algarve, O regresso a casa, mais calmo e
vários são presos por vagabundagem. distendido, deu-se com a paragem
Por ordens da DGS, a PSP rapa-lhes o em Paris. Por todo o lado por onde
pop. O álbum Sargent Pepper’s, dos cabelo, num gesto de humilhação que passavam, as pessoas viviam melhor
Beatles, tinha sido lançado em 1967. jamais esquecerão. do que em Portugal, como recor-
David Bowie tinha começado a impor- Mas o mundo não é a preto e da Rosário Carneiro (que partilhou
-se com o álbum homónimo, também branco. Maria do Rosário Carneiro quarto com Leonor Beleza). O sen-
em 1967. Joan Baez, casada com o invoca a sua estada na Áustria com timento de liberdade era reforçado,
ativista contra a Guerra do Vietname os seus 19 anos. Nessa altura, con- acrescenta, “pelo facto de estarmos
David Harris, preparava o álbum de seguiu entrar na vizinha Checos- longe dos nossos pais”. Marcelo re-
tributo a Bob Dylan, Any Day Now. E lováquia, mesmo antes da invasão gistará a diferença nos costumes: as
o próprio Dylan tinha colocado uma soviética. E ali encontrou um tipo raparigas frequentam livremente,
canção, Like a Rolling Stone, entre as de ditadura que nada tinha que ver, sem necessidade de acompanhante
mais divulgadas de sempre. mesmo assim, com o que se passa- masculino, os cafés dos boulevards!
Os cabelos e as barbas cresciam, va em Portugal: “Um sistema muito As suas colegas apontarão, “de facto,
chapéus e gravatas eram dispensa- mais opressivo, completamente o clima mais descontraído que se vive
dos ou, pelo menos, deixavam de policial. O que se via no campo, a nos relacionamentos entre rapazes e
ser acessórios obrigatórios. O boom miséria, os comportamentos das raparigas”. Nos bailaricos portugueses,
económico possibilitara a realização pessoas, tudo era pior do que em mães e tias ficam à espreita, nos can-
de grandes obras públicas em toda a Portugal. Lembro-me da revolta tos das salas. Na Europa, mademoi-
Europa Ocidental, dinamizada por das pessoas contra o regime, muito selles fumam tranquilamente os seus
um consumo crescente, pleno em- visível, e dos inúmeros piqueniques cigarrettes nas esplanadas e passeiam
prego e cruzada por modernas vias que faziam os jovens checos, como de mão dada com os seus namorados.
de comunicação. forma de convívio e resistência. Era No Sud-Express para Lisboa, um
Porém, no extremo ocidental da impressionante.” Dentre os jovens solavanco da composição provocou a
Península Ibérica, uma aldeia lusitana da delegação portuguesa à NATO, queda de várias malas que seguiam no
resistia, ainda e sempre, ao invasor. As em Bruxelas, Maria do Rosário era a espaço reservado às bagagens. Uma
eleições revelam-se uma nova farsa única que observara os dois lados da delas abriu-se e, à vista de todos, fi-
e o regime faz eleger todos os seus barricada da Guerra Fria. E a única cou exposto, desdobrado no chão da
candidatos, embora, no meio deles, que podia comparar duas ditaduras carruagem, um sutiã. Que, pelas suas

48 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
1968-70
Guerra colonial Soldados
portugueses combateram, durante
13 anos, em três frentes africanas:
Angola, Guiné-Bissau e Moçambique

dimensões, não pertencia a nenhuma


das jovens presentes – e também tal-
vez não servisse à destinatária. Todos
os olhares convergiram em Marcelo
Adeus, até ao meu regresso
Nas três frentes de guerra, Angola, Guiné e Moçambique, estiveram
Rebelo de Sousa, o proprietário da envolvidos cerca de 800 mil combatentes portugueses
mala. “É uma lembrança, para uma
amiga”, terá esclarecido o futuro Pre-
sidente de Portugal. Em 1969, completava-se o oitavo dos 13 anos de Guerra Colonial ou, na
“Claro que se ouviram umas bo- nomenclatura do regime, Guerra Ultramarina ou, ainda, como é designada
cas, próprias de jovens divertidos”, nos países formados a partir das ex-colónias, Guerra das Independências.
recorda, a rir, Rosário Carneiro. As hostilidades iniciaram-se a 4 de fevereiro de 1961, em Angola, com um
“E até houve quem sugerisse que ele ataque de nacionalistas às prisões de Luanda, ação duramente reprimida.
comprara o sutiã só para se armar...” Em março, a UPA (União dos Povos de Angola), de Holden Roberto, mais
A então namorada de Marcelo era tarde FNLA (Frente Nacional para a Libertação de Angola), patrocinaria
Teresa Beleza, irmã de Leonor, en- uma insurreição que alastrou nos distritos de Luanda, Cuanza Norte,
tão, com 17 anos – ia fazer 18. E logo Malange, Uíge e Zaire e redundou no massacre de 800 colonos brancos.
ali, sem o saber, se constituiu como Salazar proferiu então a frase famosa: “Para Angola, já, e em força.” Em
provável futura usufrutuária daquela breve, as tropas portuguesas seriam obrigadas a enfrentar mais dois
peça de lingerie parisiense. movimentos armados independentistas: o MPLA (Movimento Popular de
A 7 de setembro do ano anterior, Libertação de Angola), de Agostinho Neto, e a UNITA (União Nacional para
a Independência Total de Angola), de Jonas Savimbi. Começava a guerra
em Atlantic City, por ocasião do con-
que, em 23 de janeiro de 1963, alastraria à Guiné-Bissau, pela ação do
curso Miss América, um protesto
PAIGC (Partido para a Independência da Guiné e Cabo Verde), de Amílcar
feminista culminou na simbólica Cabral, e, em setembro de 1964, a Moçambique, com a guerrilha da
destruição de milhares de sutiãs, na FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique), de Eduardo Mondlane.
manifestação em prol dos direitos das Foram conflitos regionais que também podem ser entendidos à luz da
mulheres e que ficou conhecida como medição de forças das superpotências da Guerra Fria, que apoiavam uns
“a queima dos sutiãs”. Conhecendo-se ou outros movimentos. Morreram no “Ultramar” 8 831 dos cerca de 800
a natureza contestatária de Teresa mil combatentes envolvidos (embora menos de metade em sequência de
Beleza, seria de temer que a história combates, sendo as outras baixas mortais devidas a doenças ou acidentes).
não acabasse da melhor forma. Mas Registaram-se 30 mil feridos, 14 mil dos quais ficaram deficientes, e cerca
como garante, ainda hoje, em priva- de 140 mil homens com neurose de guerra. Em depoimentos filmados pela
do, o antigo namorado, “ela não era RTP, soldados portugueses desejavam boas-festas às famílias, terminando
dessas”. visao@visao.pt invariavelmente com a frase “adeus, até ao meu regresso”.

16 AGOSTO 2018 VISÃO 49

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
E C O N F U N D E -S E C OM AS
T Ó R IA D A H U M A NIDAD N D O . A G O R A ,
A HIS T Ó R IA S D O FIM DO M U
A
TEORIAS E A S ES R A M U M A F É C EG
M A IS O S Q U E MOST E M

E
SÃO CADA V E Z R A S O B R E V IV E R
L O G IA PA

F
E N A T EC N O
NA CIÊNCIA E S E T O R N A R EM

O
ACLIS M O
A QUALQUER CATIM E M PA R T IC U L A R ,

R
IC A M E N T E O R TAIS – A L L E Y
PRAT IL IC O N V

P
S P O D E R OSOS D E S
OS R IC O S E O

N O E
LHO
FILIPE FIA

T E C A L I P S
S
O APOC
D O © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
EF T A S
S E
16 AGOSTO 2018 VISÃO 51

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A
A nossa vida terá mesmo os dias contados?
Estamos fartos de saber que o mundo já devia
ter acabado. Desde o início dos tempos que
os profetas, os visionários, os cientistas e os
charlatães nos alertam para o dia do Juízo
Final. Os prognósticos sobre o Apocalipse são
um dos mais antigos desportos da Humani-
dade, e o mais provável é que neste preciso
O ARTISTA
IMORTAL
Inventor, cientista,
empresário, futurista,
génio louco – já
chamaram muita coisa
a Raymond Ruzweil.
Nascido há 70 anos
em Nova Iorque e
com uma vida pública
desde os 15 – quando
foi a um programa de
TV tocar uma peça
musical composta por
um computador que
ele próprio inventara
–, o atual diretor de
engenharia da Google
é um dos gurus da
Inteligência Artificial
e da imortalidade.
Já disse e escreveu
vezes sem conta que
a espécie humana
poderá migrar para
dentro de uma rede
informática até 2045
– até lá e à cautela,
rendeu-se aos
logo Johannes Kepler, passando pelo nosso
bem conhecido Cristóvão Colombo. Por ou-
tro lado, há sempre oportunistas dispostos a
agendar o fim do mundo a troco de redento-
res esquemas lucrativos. Edgar Whisenant,
um antigo engenheiro da NASA, vendeu
mais de quatro milhões de exemplares da
sua obra 88 Reasons Why the Rapture Will
momento haja alguém a alvitrar uma data Be in 1988. Como nesse ano nada aconteceu,
implantes capilares,
específica, a exemplo do que já aconteceu ele acabou por repetir a fórmula em 1989,
ao botox e a um
milhares de vezes ao longo da História. em 1993 e em 1994 – obviamente, com
cocktail diário de uma
Bernardo de Turíngia, um monge eremita centena e meia de
menos sucesso comercial. No entanto, um
alemão, leu e releu os textos bíblicos e chegou comprimidos. dos maiores burlões apocalípticos chama-
à conclusão de que tudo iria acabar a 25 de -se Lee Jang Rim. Este pastor sul-coreano,
março, no ano da graça de 992. A escolha não responsável por um movimento cristão
fora ao acaso e tinha em conta o aniversário evangélico, conseguiu, em 1992, convencer
da conceção de Jesus Cristo (nove meses antes mais de 100 mil pessoas que tudo acabaria
de 25 de dezembro), o aniversário da sua mor- a 28 de outubro. Muitas delas confiaram-lhe
te (uma Sexta-Feira Santa) e ainda o facto de as suas poupanças, só que, um mês antes
ocorrer nesse dia um eclipse solar (presságio da catastrófica data, as autoridades de Seul
da chegada do Anti-Cristo). Segundo rezam detiveram o suposto líder religioso, por
as crónicas, foi o suficiente para milhares crimes fiscais. Ficou, então, a saber-se que
de cristãos devotos, na Europa Central e do Lee Jang Rim aplicara mais de 4 milhões de
Leste, terem fugido para as montanhas e até dólares em fundos de investimento e que os
para a Terra Santa. dividendos só deveriam ficar disponíveis em
Claro que o êxodo e o pânico se repeti- 1995. A brincadeira valeu-lhe dois anos de
ram com a chegada do ano 1000, sem que prisão e, em 2011, foi um dos agraciados
nada de especial tenha acontecido. O Papa com o Ig Nobel da Matemática (uma paródia
Inocêncio III quis, também, dedicar-se às aos Nobel, realizada anualmente nos EUA,
adivinhações esotéricas e somou a data pela revista satírica Annals of Improbable
de fundação do Islão (618) com o famoso Research), pelo seu desempenho e rigor em
número do diabo (666). Ou seja: anunciou matéria de previsões.
que a grande e derradeira “batalha de Deus
Todo-Poderoso” contra as forças do mal iria SERES PURITANOS E PREVENIDOS
produzir-se em 1284. Este líder da Igreja Nos dias que correm, as teorias do Apocalip-
Católica foi dos mais influentes do período se parecem ter contornos mais complexos e
medieval, mas acabou por morrer (em 1216), científicos, apesar das incongruências e das
sem saber que estava a pôr em causa o próprio contradições de sempre. No entanto, os cren-
dogma da infalibilidade papal. tes no fim do mundo continuam a ser muitos.
Desde então, poderíamos fazer uma longa É o que sucede nos EUA, um país tradicio-
lista de gente ilustre que se deu ao trabalho nalmente conservador e dado a misticismos
de prever o Armagedão, do incontornável – basta recordar que, a par da Bíblia, o livro
mago Nostradamus ao astrónomo e astró- com maior sucesso editorial nos séculos XVII

52 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
e XVIII tinha como título The Day of Doom, Colisões experimente uma pesquisa online: o mais
sendo assinado pelo pastor puritano Michael
Wigglesworth.
Após a Segunda Guerra Mundial, e devido
homicidas conhecido motor de busca do planeta ofere-
ce-lhe mais de 13 milhões de resultados em
menos de um segundo. O fenómeno começa
aos medos inspirados na corrida nuclear com As estimativas cien- a chegar à Europa e, em França, já tem cerca
a União Soviética, muitos norte-americanos tíficas indicam que, a de 150 mil seguidores, os quais organizaram,
cada 100 milhões de
aderiram ao movimento sobrevivencialista em março, a primeira feira sobrevivencialista
anos, um corpo celeste
(survivalism), na convicção de que o planeta do Velho Continente.
de grandes proporções
iria inevitavelmente assistir a uma catástrofe colide com o nosso pla-
Mas o que fazem ao certo estes indivíduos?
atómica e que eles poderiam sobreviver- neta. Terá sido isso que A resposta que eles costumam dar é que são
-lhe. Um dos fundadores deste grupo foi sucedeu há 65 milhões pessoas normais e que se regem pelo mero
Kurt Saxon, um libertário pró-nazi que, aos de anos, quando um bom senso: armazenam água e víveres em
86 anos, continua vivo. Com a chegada do meteorito alterou a vida casa, na eventualidade de um cataclismo, e
novo milénio e face aos novos desafios apo- na Terra e extinguiu, aprendem técnicas de sobrevivência. Os mais
calípticos – mudanças climáticas, crash in- por exemplo, os dinos- abonados frequentam, ainda, cursos especiais
formático, pandemias globais, revoltas sociais, sauros. Os satélites de primeiros socorros ou de telecomunica-
Inteligência Artificial –, os sobrevivencialistas permitem identificar ções, e podem mesmo adquirir bunkers anti-
quiseram demarcar-se de Saxon e passaram cada vez melhor estes nucleares, salas de pânico, refúgios bacterio-
a chamar-se preppers (no sentido de esta- bólides espaciais e lógicos ou veículos blindados todo-o-terreno.
rem preparados para o pior). Para ter ideia fazer cálculos sobre Vamos a um exemplo concreto, para ficar bem
da magnitude e da importância desta gente, possíveis impactos. claro que estes consumidores já são levados

16 AGOSTO 2018 VISÃO 53

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
TECNORRELIGÕES E NOVAS IGREJAS
São cada vez mais os movimentos e os cultos tecnológicos a reconfigurarem
os conceitos de fé, de espiritualidade e de Deus. Quatro exemplos

Rumo ao futuro Sinteísmo


Aos 38 anos, o CV O sueco Alexander
do “pastor” An- Bard, de 57 anos,
thony Levandowski assume-se como
impressiona. Mal um “bissexual
termina Engenharia libertino” que
Fundação na Universidade Pregar aos robôs é também músico,
Terasem de Berkeley, é ator e filósofo. Após
Mais do que um
contratado pela ter estudado
Martine Rothblatt simples sacerdote
DARPA, agência do o zoroastrismo e
é conhecida por ser presbiteriano,
Pentágono para as escrito vários livros
advogada, cientis- Christopher Benek
novas tecnologias. sobre a revolução
ta (participou no é um tecnoteólogo.
Na Google e na provocada pela
Projeto Genoma O fundador e CEO
Uber revela-se um internet, decidiu
Humano) e uma das da CoCreators
guru dos veículos – em 2012 – criar
gestoras mais bem assume-se como
de condução au- um movimento em
pagos dos EUA. um especialista
tónoma. Em 2017, que os internautas,
Aos 64 anos, em Inteligência
multimilionário, em comunhão
a transgénero que Artificial e cristão
funda a Way of the e com a ajuda da
lidera a United transumanista.
Future, igreja que Ciência e da Tecno-
Therapeutics faz jus E por isso defende
tem por objetivo a logia, possam criar
à sua fama de cria- que as novas
“adoração de uma um novo Deus. Para
tura excêntrica. Em formas de vida,
entidade divina ele, os crentes digi-
2004, criou o Movi- O INVESTIDOR sejam robôs ou
baseada na Inteli- tais são o “Espírito
mento Terasem que FUTURISTA extraterrestres,
gência Artificial”. Santo 2.0”.
se tornaria depois Peter Thiel foi advo- devem ser
uma igreja transhu- gado, trabalhou em evangelizadas
manista, onde se Wall Street, escre- porque também
defende que “Deus veu discursos para a elas podem pecar
é tecnológico” e “a Administração Reagan e merecem “a
morte é opcional”. e foi dos primeiros redenção de Cristo”.
a perceberem que o
futuro do século XXI
podia estar na Cali-
fórnia. Foi assim que,
em 1996, este filho de a sério pelo mercado: o Tank é um SUV radi-
emigrantes alemães cal, comercializado há menos de um ano por
se estabeleceu em São uma empresa californiana, a Rezvani Motors,
Francisco e se tornou e parece saído de um filme estilo Terminator
um dos mais polémicos ou Mad Max. Com um motor V8 de 6,4 litros
investidores de Silicon e 500 cavalos de potência pode ser seu por
Valley. Agora, aos 178 mil dólares. Um valor que não inclui al-
50 anos, financia os guns extras úteis em cenários pós-apocalíp-
projetos futuristas em ticos – sistemas térmicos e de visão noturna,
que acredita: cidades estribos retráteis e revestimento especial de
flutuantes, fusão-ho- proteção balística.
mem-máquina, imorta- Produtos como o Tank podem ser um luxo
lidade... para o comum dos preppers, mas trata-se de
uma pechincha para a elite que vive na zona
sul da baía de São Francisco. Aqui, no famoso

GUERRAS ATÓMICAS Silicon Valley, existe uma das maiores con-


centrações de riqueza do planeta, e é notória
a crescente preocupação dos multimilionários
Só nove países têm arsenais nucleares mas, no
total, somam perto de 15 mil armas com o po- com o futuro.
der de destruir a Humanidade e de causar uma “Steve Huffman, 33 anos, cofundador e
nova era glaciar. Basta pensar que as mais re- CEO da Reddit, com uma fortuna avaliada
centes armas têm uma potência quatro mil ve- em 600 milhões de dólares, foi míope até
zes superior à que foi lançada sobre Hiroshima, novembro de 2015, data em que decidiu
em 1945. Albert Einstein disse que uma guerra fazer uma cirurgia a laser. Não se tratou de
pós-atómica seria feita com pedras. Será que uma intervenção por razões estéticas, mas
a Índia e o Paquistão – ou Trump, Putin e Kim por motivos de que ele não gosta muito de
Jong-un – vão ter isso em conta? falar: espera que isso lhe aumente as pro-

54 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
INTELIGÊNCIAS ARTIFICIAIS
Alguma vez iremos ter computadores que sejam entidades conscientes e com capacidade de
abstração? Será que o famoso Hal 9000, do filme 2001 Odisseia no Espaço, vai tornar-se realidade?
Estará a espécie humana a criar máquinas capazes de modificá-la e de destruí-la? Ilustres
cientistas, como o desaparecido Stephen Hawking, há muito que alertam para os perigos
da engenharia genética e da criação de humanoides.

A VEDETA
babilidades de sobreviver a um desastre, de DA REGENERAÇÃO aviões, iates com minissubmarinos, equipas
origem natural ou provocado pelo Homem.” Aos 55 anos, de segurança e uma série de outros brinque-
Eis como a revista New Yorker começava um o britânico Aubrey dos que os podem pôr a salvo no Alasca, no
artigo sobre os super-ricos do Silicon Valley, de Grey é uma celebri- Dubai ou nas Maldivas.
publicado há dois anos. E, com algumas ex- dade não apenas pelo
pressões vernáculas que a tradução a seguir seu visual mas pelos O KIWI TRANSHUMANISTA
omite, Steve Huffman explicava melhor as seus talentos enquanto No meio desta classe de gente abastada e pre-
suas razões: “Se o mundo acabar – e mesmo matemático, biólogo venida há um caso que merece uma atenção
que não acabe, caso tenhamos grandes cha- e engenheiro especial: Peter Thiel. O empresário, ativista e
tices –, arranjar óculos ou lentes de contacto informático. Defende filantropo, que foi cofundador do PayPal e que
iria ser uma enorme complicação. Sem estes que o envelhecimento integra o conselho de administração do Face-
eu estaria completamente lixado.” O jovem e a morte podem book, faz parte de um grupo de preppers ain-
empresário admitiu, também, que a sua ser evitados. da mais restrito. Com uma fortuna de quase
casa tem um local especial para se refugiar, três mil milhões de dólares, este apoiante de
onde a comida e as bebidas não vão faltar, e Donald Trump decidiu montar na Nova Ze-
que possui ainda painéis solares, duas belas lândia o seu refúgio pós-apocalítico. Embora
motas, armas e munições para o que der os pormenores do negócio nunca tenham
e vier. Precauções que se generalizaram a sido revelados na íntegra, Thiel terá com-
muitos outros privilegiados, que adquiriram prado vários hectares numa zona recôndita,
propriedades sui generis em vários pontos perto do lago Wanaka, e, como bónus, ainda
dos EUA – e não só. Alguns compraram ficou com a nacionalidade kiwi – a juntar à
segundas e terceiras residências em an- norte-americana e à alemã, por ter nascido
tigos silos atómicos, converteram-nos em Frankfurt. A sua opção pelo arquipé-
em mansões que, em teoria, podem lago onde se rodou O Senhor dos Anéis
resistir a quase tudo. Como se fez com que alguns outros multimi-
não bastasse, dispõem ainda lionários lhe seguissem o exemplo:
de frotas de helicópteros, o cineasta James Cameron, o velho

16 AGOSTO 2018 VISÃO 55

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AMEAÇA CLIMÁTICA
A não ser para Donald Trump e uns quantos negacionistas, as interferências humanas no clima da Terra são cada
vez mais óbvias, razão pela qual até já se fala numa nova era geológica – o Antropoceno. O ano de 2018 pode vir
a tornar-se o mais quente de sempre, desde que existem registos estatísticos, e os fenómenos extremos tendem
a banalizar-se. Um estudo da Nature Climate Change considera que “74% da população mundial será exposta
a vagas de calor mortais até 2100, se as emissões de gases continuarem a aumentar à taxa atual”.

O GÉNIO SUICIDA
Mesmo sem nunca ter
tubarão de Wall Street, Julian Robertson, os concluído o curso cultural, intelectual e científico, que afirma
irmãos Matthew e Brian Monahan (donos da de Engenharia o dever moral de melhorar as capacidades
Inflection) ou o oligarca russo Mikhail Khi- Informática na Univer- físicas e cognitivas da espécie humana e de
mich. Personalidades que fizeram disparar o sidade de Stanford, na submetê-la às novas tecnologias, com o ob-
mercado imobiliário e levaram o Governo da Califórnia, Sam Altman jetivo de eliminar os aspetos não desejados
primeira-ministra Jacinda Ardern a restringir é um sobredotado e não necessários da condição humana – o
drasticamente as aquisições de propriedades para os computadores sofrimento, a doença, o envelhecimento e,
por estrangeiros. e os negócios. inclusive, a condição mortal.”
Porém, Peter Thiel é uma personalidade Este multimilionário Ora, Peter Thiel está longe de ser o úni-
polémica e excêntrica por levar até às últimas de 33 anos, presidente co transhumanista de Silicon Valley. Larry
consequências o seu caráter libertário. Rejeita da Y Combinator, Ellison, dono da Oracle, e muitos quadros
qualquer interferência do Estado na esfera revelou em março dirigentes da Amazon, do Facebook e da
individual e já admitiu que tem uma relação à revista MIT Techno- Apple partilham uma fé incondicional “nas
especial com a morte. Isto é: considera que logy Review que está tecnologias exponenciais” para resolverem
deve fazer tudo o que esteja ao seu alcance pronto para morrer e todos os problemas da Humanidade: na saú-
para a derrotar. Há dois anos confessou à para lhe preservarem de, na educação, na energia, na alimentação,
“digitalmente o cérebro
revista Inc. que é um adepto da parabiosis na pobreza...
para sempre”.
e das transfusões de sangue de pessoas mais
jovens, para que ele possa viver mais tempo. “HOMO DEUS” E “FAKE HUMANS”
E é um dos maiores financiadores privados A culpa de haver tantas individualidades ren-
do transhumanismo. Um conceito às vezes didas as estas ideias deve-se a Raymond Kur-
descrito como a “religião dos engenheiros zweil, o inventor nascido há 70 anos no bairro
informáticos”, o qual precisa de ser explica- nova-iorquino de Queens. É ele o verdadeiro
do por alguém que o tenha estudado a sério, guru do transhumanismo e o grande respon-
como é o caso de Nick Bostrom, filósofo sueco sável pela conversão de Sergey Brin e de Larry
da Universidade de Oxford: “É um movimento Page (a dupla fundadora da Google) à ideia de

56 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
PANDEMIA GLOBAL
No século XIV, a peste negra terá provocado mais
de 75 milhões de mortos. Em 1918, a gripe espanhola
infetou 500 milhões e roubou a vida a quase 5%
dos habitantes do planeta – mais do triplo dos mortos
da Primeira Guerra Mundial. Uma nova epidemia global
– provocada por uma arma biológica ou não
– pode ter efeitos devastadores.

VULCÕES ASSASSINOS
As grandes erupções costumam ocorrer a cada 50 mil anos,
e os cientistas consideram que esta é uma possibilidade bem mais
verosímil do que o fim do mundo causado por um meteoro.
O caso torna-se ainda mais dramático se acontecer com um dos
20 supervulcões existentes no planeta – provavelmente, as
bactérias seriam os únicos organismos vivos a sobreviver.

que a Ciência possui a capacidade de, em breve, académico norte-americano conhecido pela
converter os humanos numa espécie imortal, sua teoria sobre o fim da História, diz que o
nem que para tal tenha de desumanizá-los e transhumanismo é “a ideia mais perigosa do
de convertê-los em máquinas inteligentes e mundo”, e o biólogo francês Jacques Testart,
espirituais. Na última década, a empresa de responsável pelo primeiro bebé-proveta gau-
Mountain View, onde Kurzweil trabalha como lês, explica porquê: “É o novo nome do eu-
diretor científico desde 2012, foi decisiva para genismo. É o aperfeiçoamento da espécie (...).
acelerar a corrida em três áreas-chave: genéti- É a perspetiva de fabricar novos humanos
ca, nanotecnologia e robótica. O resultado está mais inteligentes, que vão viver três sécu-
à vista: a Inteligência Artificial (IA) ocupa já um los ou mais, com os outros a tornarem-se
lugar destacado nas nossas sociedades, e nós O OLIGARCA sub-humanos.” É a perspetiva do Homo
temos de convencer-nos de que nada disto é ETERNO Deus de que fala o historiador israelita
ficção científica. Podemos ainda estar longe da Yuval Harari, autor que acaba de regressar
É russo, tem 37 anos
“singularidade” anunciada por Kurzweil para aos desafios apocalípticos da Humanidade,
e diz que a família, o
2045 – em que haverá seres, desenhados ge- com 21 Lições para o Século XXI. Por causa
sexo ou a comida são
neticamente, que ingerem comprimidos para pura perda de tempo.
dos algoritmos, dos fake humans e dos de-
aumentar a sua capacidade intelectual e que Dmitry Itskov dedica a mónios cibernéticos, Anthony Giddens, um
podem estar ligados a uma rede informática sua fortuna à criação dos mais prestigiados cientistas sociais do
por uma entrada USB implantada na nuca –, de organismos artifi- mundo, propôs recentemente uma Magna
mas é espantoso que uma empresa privada ciais onde poderemos Carta da era digital, para que os poderes
domine hoje áreas tecnológicas que já são es- supostamente colocar públicos globais tentem regulamentar os
tratégicas para o futuro da Humanidade. O que a nossa consciência excessos tecnológicos, em defesa da ética
suscita inúmeras interrogações e polémicas. e viver para sempre, e da democracia. Não nos esqueçamos do
Stephen Hawking, o recém-desaparecido físico um polémico projeto que disse Kurzweil, quando uma vez lhe
britânico, afirmou que a IA “pode significar o conhecido como perguntaram se Deus existia: “Ainda não.”
fim da espécie humana”. Francis Fukuyama, o Avatar 2045. visao@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 57

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O GÉNIO ESTÁ
LOUCO?
Com um simples tweet deixou Wall Street em
alvoroço, graças à possível retirada de Bolsa
da Tesla. Mas este é apenas mais um gesto não
convencional de Elon Musk, o sonhador que
gosta mais do futuro do que de dinheiro
PA U L O M . S A N T O S

58 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Desnorte ou estratégia?
O comportamento errático de
Musk continua a surpreender
tudo e todos
16 AGOSTO 2018 VISÃO 59

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
T
Model 3 É o veículo que
pretende massificar a Tesla, mas
tem tido problemas na produção

Terá Elon Musk, o dono da Tesla, ima-


ginado que uma simples mensagem
de 61 carateres fosse suficiente para,
em poucos minutos, aumentar a sua
fortuna em mil milhões de euros?
“Estou a pensar em tirar a Tesla de
Bolsa a $420. Financiamento garan-
tido”, escreveu o milionário através da
rede social Twitter. Minutos depois, as
ações da Tesla dispararam, conseguin-
do um ganho de quase 11 por cento.
Esta é apenas a última jogada im-
previsível de um empresário como ne-
nhum outro. Um sonhador para quem
esse sonho é mais importante do que
ganhar dinheiro. O problema é quan-
do mudar o mundo é tão dispendioso
como construir os melhores carros
elétricos do planeta ou fazer turismo
espacial, o que obriga a ter parceiros
e acionistas, com bolsos fundos. Os
últimos meses têm sido absolutamente
demonstrativos da contradição entre
o visionário Musk, para quem a apre-
sentação de contas trimestrais é uma
maçada aborrecida, e os investidores,
que querem fazer dinheiro. mente difícil da produção. Aquando
Esta ideia de tirar a Tesla de Bolsa do resgate dos rapazes na gruta da
tem como pano de fundo essa dife- Tailândia, distraiu-se dos carros e en-
rença na forma de ver o mundo. Musk tusiasmou-se com a operação, envian-
diz que o lado financeiro da empresa do um minissubmarino e engenheiros
– enquanto companhia cotada, com
obrigações constantes de reporte –
ELON MUSK para ajudar. Quando um dos salvadores
dos jovens afirmou que Musk só queria
está a retirar o foco do que interessa: ESTÁ A visibilidade e que o submarino nunca

DESENVOLVER
construir carros cada vez melhores. funcionaria, Musk disparou no Twitter,
Fora de Bolsa, a pressão por resulta- acusando o nadador de ser pedófilo.
dos imediatos diminui. Por aí, tudo
certo com a teoria. Já a forma que o A MAIOR REDE Há até quem tenha estudado o padrão
de tweets de Musk, que tendem a au-
empresário escolheu para largar a in- MUNDIAL mentar exponencialmente em alturas

DE CARGA
formação, é tudo menos convencional. de maior pressão pública.
Tal como o próprio Musk. O visionário tem reforçado, desta
Nos últimos meses, aliás, têm sur-
gido relatos e indícios de que o criador RÁPIDA PARA forma, a aura do génio, sim, mas que
tem muito de louco. Mas olhando para
da Tesla está cada vez mais errático. AUTOMÓVEIS os seus inúmeros projetos, a verdade

ELÉTRICOS
Dormiu semanas seguidas no chão é que está sempre à procura do futuro
da fábrica, num momento particular- e, mesmo que a rentabilidade das suas

60 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
SER COMO
ELON MUSK
Pode ser amado ou
odiado, mas o empresário
tem um currículo
invejável. Eis algumas
regras e conselhos
do multimilionário dono
da Tesla

NUNCA DESISTIR
Já enfrentou falhanços e até
a bancarrota, mas nunca baixou
os braços. “Nunca desisto. Teria
de estar morto ou totalmente
incapacitado para o fazer”, disse
numa entrevista ao programa
60 Minutos

GOSTAR DO QUE SE FAZ


“Em qualquer atividade, mesmo
que sejamos os melhores
dos melhores, há sempre
a possibilidade de falharmos.
Por isso, é importante gostarmos
do que fazemos”, disse numa
apresentação

NÃO DAR OUVIDOS AOS MEDÍOCRES


Quando fundou a SpaceX, vários
amigos tentaram persuadi-lo
da ideia enviando-lhe imagens
de foguetões a explodir. Musk
avançou com mais motivação
e defende que não se pode dar
ouvidos aos detratores. “Temos é
ideias não seja evidente de imediato, pretende estender aos quatro cantos de provar que eles estão errados”
tem sempre conseguido sobreviver. do mundo. Recentemente, apostou
Elon Musk tornou-se um dos ho- numa empresa que está a desenvolver
mens mais ricos do mundo fazendo interfaces que possam ligar o cérebro TRABALHAR MUITO
apostas em negócios que poucos humano aos computadores e, pelo Numa conferência de uma
achavam possíveis de concretizar. meio, criou uma marca de automó- universidade lançou o repto
Criou um sistema de pagamentos veis que se tornou quase o símbolo aos jovens empreendedores:
seguros através da internet, quando da mobilidade elétrica. “Façam as contas. Se trabalharem
outros ainda se interrogavam se o 100 horas por semana e os vossos
comércio eletrónico estaria para ficar. ESTRATÉGIA OU IMPULSO? concorrentes 50, ao fim de um
A ousadia rendeu-lhe 150 milhões de Mais disruptivo é difícil. Sabe, como ano terão o dobro do avanço deles”
euros, após ter vendido a PayPal à eBay poucos, usar as várias formas de co-
por mais de 1,3 mil milhões de euros. municação para atingir os seus obje- FAZER ALGO IMPORTANTE
Anunciou que iria enviar foguetões tivos. Comunica diretamente, e com Na mesma entrevista ao
para o Espaço, substituindo-se aos sucesso, com os seus clientes e se- 60 Minutos, Musk admitiu que
governos, que abandonavam este tipo guidores. Conseguiu que quase meio nunca pensou que a Tesla iria ter
de missões por serem muito caras. Há milhão de pessoas lhe entregasse mil sucesso. “Achei que iria mudar a
poucos anos, começou a abrir túneis dólares para garantir a compra de um falsa perceção das pessoas de que
para criar uma rede de transportes carro, sem ter qualquer garantia sobre um carro elétrico teria de ser feio
terrestres ultra-rápida nos EUA e que esse dinheiro. Já fez tudo isso, mas a e chato como um carro de golfe”

16 AGOSTO 2018 VISÃO 61

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
APOSTA EM QUASE TUDO
Da corrida espacial aos automóveis, passando pela
Inteligência Artificial e a energia, o multimilionário
quer ser disruptivo em vários setores de atividade

CORRIDA AO ESPAÇO
Se algum projeto ilustra tão bem os
limites da mente de Elon Musk, esse
será, sem dúvida, a SpaceX. Trata-se
de uma empresa que o multimilionário
criou para revolucionar as viagens
espaciais. Numa primeira fase, fará
viagens de turismo espacial, mas o
seu objetivo é a colonização de outros
planetas por seres humanos. Por agora,
fez já dois lançamentos da nave Falcon
9 e prepara-se para o terceiro. Dentro
A ERA DO CARRO ELÉTRICO em breve, a NASA irá fazer alguns voos O CEÚ NÃO É O LIMITE
Começou a produzir o Tesla para com foguetes da empresa Elon Musk está a desenvolver o projeto
demonstrar que os carros elétricos não de telecomunicações Starlink, que
teriam de ser feios, chatos e lentos. poderá fornecer serviços de internet
Porém, o êxito do Model S fê-lo encarar de banda larga em qualquer parte
a aventura de outra forma. Mais tarde, do mundo, desde uma grande cidade
avançou para o Model X, um SUV até ao meio da selva da Amazónia.
familiar completamente elétrico. Já O serviço será sustentado por uma rede
em produção, embora com alguns anos de satélites que ficarão na órbita da
de atraso, está o Model 3, um veículo Terra. Aproveitando a SpaceX, Musk
menos exclusivo e mais acessível. Para colocou já dois satélites experimentais a
o final de 2019 ou início de 2020, deverá funcionar. O objetivo final será ter, dentro
arrancar a produção do crossover de cinco anos, 4 425 satélites em órbita
Model Y. Depois chegará a vez dos alta, suportados por mais 7 500 satélites
camiões elétricos de baixa órbita a circundar o planeta

sua mensagem sobre tirar a Tesla de preendedores. As suas ideias estão a do seja de carros totalmente elétricos.
Bolsa acabou por superar todas as revolucionar quase todas as ativida- E, para andar, estes carros terão de ser
suas estratégias de comunicação. Fica des em que se envolve, mesmo que carregados, tal como hoje abastecemos
a dúvida: foi estratégia calculada ou perca dinheiro durante muito tempo com gasolina ou gasóleo os carros com
impulso? Uma questão que sempre para conseguir provar que tinha ra- motores tradicionais. A par da produ-
marcou o percurso de Musk. zão antes de tempo. O caso da Tesla ção de carros, Elon Musk está a desen-
As ações da Tesla subiram, a sua for- é paradigmático. Segundo um estudo volver a maior rede de carregamento
tuna aumentou e atingiu os investidores do Centro de Estudos Automóvel da de carros elétricos em todo o mundo.
que apostam contra a Tesla, mas poderá Universidade de Duisburgo-Essen, na Em Portugal, existem quatro postos de
agora arcar com as consequências. Por Alemanha, a Tesla perde 11 mil euros carregamento super-rápido da Tesla e
um lado, irá enfrentar uma investigação por cada Model S e Model X que vende. poderão abrir mais sete até ao final do
da SEC, a entidade que regula o merca- Apesar do enorme êxito destes carros, ano. Trata-se de uma rede fechada que
do de capitais dos EUA, por ter divul- os prejuízos vão-se acumulando. O es- serve apenas para aquela marca. Todos
gado informação relevante através de tudo não leva em conta o Model 3, que os fabricantes que não tenham capaci-
uma rede social. E alguns investidores está a sugar capital a uma larga escala dade financeira para desenvolver uma
já avançaram com ações judiciais por à empresa norte-americana. Apesar rede tão extensa poderão ter de adotar
causa desta mensagem. Em termos de de perder dinheiro, Musk continua a o sistema da Tesla nos seus veículos.
comparação, uns anos antes, para fazer apostar firme. E estes terão de carregar na rede criada
um anúncio deste género ao mercado, a Porém, o grosso deste negócio po- por Musk. Pagando pelo acesso.
General Motors divulgou um prospeto derá ser outro. O êxito dos Tesla terá
com 230 páginas. A Musk, bastou-lhe servido para alargar e consolidar o DEBAIXO DE TERRA…
uma dezena de palavras. mercado dos veículos elétricos. Es- O mesmo conceito está a ser aplicado
Elon Musk move-se num caminho tima-se que em 2025, um terço das pelas suas empresas Hyperloop One
mais cósmico do que os outros em- vendas de automóveis em todo o mun- e Boring Company. A primeira fabrica

62 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
TRANSPORTE SUPER-RÁPIDO INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Chama-se Hyperloop One e pretende A NeuraLink é uma das suas apostas
ser um meio de transporte inovador e mais recentes e pretende criar
seguro, capaz de se locomover a mais interfaces que possam ligar o cérebro
de 1 000 km por hora. Trata-se de uma ao computador. O primeiro objetivo
espécie de comboio que se desloca em será o tratamento de doenças
carris, através de levitação magnética, cerebrais, mas Musk admite que,
o que lhe permite atingir velocidades no futuro, a NeuraLink poderá servir
superiores às de um avião comercial. para o “aperfeiçoamento humano”.
Toda a linha é construída no interior de Já pensou em poder comunicar
um túnel de baixa pressão. O veículo com um computador apenas com
é completamente autónomo, o que o pensamento, sem necessitar de um
evita erros humanos de pilotagem, e o ABRIR TÚNEIS PELO PLANETA teclado ou de voz? Musk quer esta
circuito é fechado, sem cruzamentos tecnologia a funcionar até 2028
de linhas Uma das maiores apostas de Elon Musk
é a sua firma de construção de túneis
Boring Company, através dos quais se
deslocará o Hyperloop, mas não só.
Para ele, a mobilidade terrestre passará
a ser feita debaixo do solo, porque
praticamente não existe limite para
as camadas de túneis que podem ser
sobrepostas, o que permite vários tipos de
tráfego. Depois, os túneis são à prova de
água, silenciosos e invisíveis para quem
está à superfície e, por fim, não criam
barreiras que dividam as comunidades,
como as estradas e os caminhos de ferro

uma espécie de comboios que se deslo- O negócio vai gerando dinheiro com
cam a uma velocidade superior a 1 000 estas operações, mas até agora ainda
quilómetros por hora, movimentados não cumpriu os desígnios que foram
por levitação magnética. Por razões de
segurança, estes veículos irão circular
ATRAVÉS apresentados por Musk: turismo es-
pacial e colonização de outros planetas.
em túneis subterrâneos. O primeiro
túnel está já a ser construído entre
DA STARLINK, Há outro grande projeto de Musk,
embora menos falado, que irá utili-
Los Angeles e Las Vegas, nos EUA, e ELON MUSK zar a SpaceX como fornecedora de
há um outro projeto para desenvolver
na Costa Este daquele país. IRÁ CRIAR serviços. Trata-se da StarLink, uma
empresa de telecomunicações que

… E PARA LÁ DAS NUVENS


UMA REDE DE irá fornecer internet em banda larga a
todo o planeta, independentemente do
Outra das maiores apostas de Musk é
a SpaceX, uma empresa de tecnologia
SATÉLITES QUE local onde a pessoa se encontre. Para
isso, o milionário quer enviar mais de
de exploração espacial. Apostou neste FORNECERÁ 12 mil satélites para o Espaço, para criar

INTERNET DE
conceito quando o Governo dos EUA uma rede que envolverá todo o planeta.
desinvestia no seu programa espacial, Serão cerca de 4 500 em órbita alta e
o que levou muita gente a vaticinar
um fim trágico para o dinheiro que o BANDA LARGA 7 500 em órbita baixa, para permitir
melhores latências de sinal.
multimilionário tinha ganhado com
a venda da PayPal. Desde então, a
EM QUALQUER Ter internet de banda larga em qual-
quer lugar e a qualquer hora é um so-
SpaceX foi contratada pela NASA para LOCAL DO nho bonito, mas pode ser também um

PLANETA
várias missões que serão tripuladas por negócio brutal, num planeta cada vez
astronautas da agência governamental. mais ligado. psantos@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 63

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AO RITMO
DO CARIBE
NUM LUGAR MÁGICO CHAMADO
PORTOBELO – ONDE, NO INÍCIO DO
SÉCULO XVII, SE ERGUEU O PRINCIPAL
MERCADO DE OURO, DE PRATA E
DE ESCRAVOS DA AMÉRICA –, UM
PORTUGUÊS DIRIGE A ESCUELITA
DEL RITMO, UM PROJETO MUSICAL
QUE QUER TIRAR OS MIÚDOS DA RUA.
HAVIA LÁ MELHOR CENÁRIO PARA UM
ADOLESCENTE LISBOETA SE AVENTURAR
NUMA RESIDÊNCIA ARTÍSTICA...
T E R E S A C A M P O S , PA N A M Á

Raízes
Ra
Portobelo da cultu parigas enverg
ra Los C a
ongos n ndo os trajes tr
as ruas a
de Porto dicionais
belo
CIDADE DO
PANAMÁ

EUA PANAMÁ

Golfo
do México Oceano
Atlântico
CUBA
MÉXICO
Mar das Caraíbas
NICARÁGUA
COSTA RICA VENEZUELA
Oceano Pacífico COLÔMBIA

EQUADOR

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Inclu
s
Escu ivo Aluno
elita s e pr
e arte del of
para Ritmo, pr essores d
romp ojeto a
er o c d
iclo d e cultura
a pob
reza

nero musical
de Los Congos, gé
Batucando Os sons An go la, Guiné e Congo
vos vindos de
trazido pelos escra

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A
Ao sábado à noite, há sempre con-
certo. Desta vez, é na esplanada do
restaurante Casa Congo. O nome
remete-nos para a cultura trazida de
África para as Américas, nos séculos
XVI e XVII, época em que o reino
do Congo dominava vários povos do
continente que era a base do tráfico
de escravos. A voz de um grupo de
miúdos faz-se ouvir sobre o rufar
dos tambores, deixando ainda espaço
Segundo, o músico que mais apregoou
o som do Caribe pelo mundo. Máximo
acaba de chegar para, durante 15 dias,
se atrever à estreia do conceito de re-
sidência artística com aqueles alunos.
No palco, a música segue agora para
um cover de Celia Cruz, com todos a
cantar em coro: “Ayyyyy, no hay que
llorar, que la vida es un carnaval...”

UMA HISTÓRIA DE AMOR...


anos, foi por esse amor à música que
Alejandra enfrentou a fúria do pai
para seguir o seu sonho. “Não o fará
com o meu nome”, vociferou ele. Foi
assim que adotou o nome de Gladys
Palmera, lançando-se na criação de
uma rádio pirata, misturando a alcu-
nha que o irmão lhe dera em pequena
com uma referência clara aos trópicos.
Hoje, detém um dos maiores acervos
de música latina.
para o saxofone, o clarinete, o piano e Estamos na baía de Portobelo, pouco Seria com a herança da família, di-
a guitarra elétrica. A mistura soa um mais de 100 quilómetros a norte da vidida com a irmã, Aurora, que se tor-
bocadinho a reggae, com samba, jazz Cidade do Panamá, um lugar rico em naria mecenas do ritmo caribenho, de-
e até um pouco de flamenco. “Colón, histórias de galeões e de piratas, cheio pois de lançadas as primeiras pedras da
Colón, venham para Colón...”, entoam da beleza natural típica das Caraíbas. Fundação Bahia de Portobelo. O intuito
como refrão. Segue-se a banda da À beira da água transparente e tran- era preservar e divulgar todo aquele
Escuelita del Ritmo, “que merece a quila, cresce uma vegetação frondosa património, tanto natural como cul-
vossa atenção”, há tempos a dar um que oferece cocos, mangas e ananases tural – e, para tal, serviram-se de duas
ar da sua graça nas redondezas. à população. Aves de toda a espécie de iniciativas particulares. Uma delas é a
“Colón, a província à qual pertence cor e bico pululam por estas redon- Casa Congo. O nome, foram buscá-lo
a cidade de Portobelo, já foi a tacinha dezas – que, já lá vamos, são muito à tal dança tradicional, a manifestação
de ouro da América Latina. Hoje, pa- mais do que um par de ruas com casas
rece o Haiti”, sussurram-nos, enquan- térreas coloridas, umas viradas para o
to nos apresentam aquele projeto que mar, outras para a montanha.
é musical mas também de cultura e de
arte, e que, gratuitamente, permite a
Esta é uma história que começa no
momento em que este lugar se tornou
A música
educação para todos, sem distinção de
sexo, religião ou condição socioeco-
o porto de abrigo das memórias de
infância da espanhola Alejandra Fier-
e a dança dos
nómica. “É uma forma de respeitar a
identidade da sua cultura e, ao mesmo
ro Eleta, que tem perto de 60 anos.
Foram vários os verões que ela aqui
Congos, que ficou
tempo, de inovar”, afiança o português
Rui Dinis, 37 anos, que há nove se
passou na casa da prima Sandra, hoje
uma fotógrafa panamiana reconheci-
do tempo colonial,
aventurou na travessia do Atlântico,
para dirigir a Escuelita del Ritmo.
da e filha de Carlos Almarán, o autor
da música Historia de un Amor, um expressam
Na assistência, está ainda outro
espectador muito especial. Máximo
bolero escrito em 1955, que conheceu
as mais diversas versões, da cabo-ver- o legado
Francisco, 15 anos, aluno de piano do
Conservatório Nacional em Lisboa,
diana Cesária Évora à francesa Dalida,
da grega Nana Mouskouri à espanhola da luta contra
miúdo que, por coincidência, “her- Luz Casal. Filha de banqueiro e afi-
dou” o nome verdadeiro de Compay cionada por salsa e rádio desde os 12 a escravatura
66 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Ensaio Máximo Francisco projeto. “Angariamos aqui cerca de local indicia claramente o contrário.
aprende os novos ritmos com 80 por cento dos recursos da escola”, É ele que nos faz notar que o nome da
Mary Ortiz (na foto, de costas), orgulha-se a ceramista Lourdes Gu- terra, atribuído por Colombo, é desde
estrela da companhia
tierrez, 47 anos, espanhola que veio de sempre escrito à portuguesa, e não em
Encontro Dois portugueses em
Sevilha, do bairro de Triana, onde cres- castelhano, e que isso é só mais uma
Portobelo: Máximo Francisco ceu a admirar os mapas de Portobelo achega para, também aqui, se alimentar
(à esq.) foi fazer uma residência inscritos numa parede. Afinal, era a tese de que o conhecido navegador
artística; Rui Dinis dirige daquele cais que a Armada espanhola era, afinal, português.
a Escuelita del Ritmo saía para as suas investidas além-mar. Para completar o cenário, falta
ainda dizer que estamos em pleno
PARAÍSO PROTEGIDO parque nacional, aquele que foi o
mais autêntica que ficou do período A escola de que Lourdes nos fala, o primeiro espaço natural protegido
colonial. Homens e mulheres escravos outro grande projeto que anima as do Panamá, espalhado ao longo de
que, ainda assim, mantinham o sentido vidas por aqui, é por sinal La Escue- 86 hectares, em que 20 por cento
da vida e o gosto por celebrá-la. Este é lita del Ritmo que, à boa maneira e ao são áreas marinhas, cheias de recifes
também o nome de uma corrente artís- gosto de Alejandra, não quer ser uma de corais e de pequenas praias, onde
tica que mistura fé, História e cultura academia de música formal, mas um as árvores entram mar adentro, ao
– negra e indígena. “É pelo meio dos ponto de encontro e de acolhimento lado das comunidades indígenas e de
tambores e da dança que o povo negro, para crianças e jovens da comunidade. Kuna, duas tribos muito ciosas da sua
o nosso povo, conta o seu legado de “Além de recuperar o espírito dos cultura e do seu espaço. Os Emberá
luta contra a escravidão, com um canto bailes tradicionais, o nosso objetivo é souberam, como ninguém, aproveitar
de agradecimento e de esperança”, há romper com o ciclo de pobreza, seja os recursos naturais das densas selvas,
de relatar-nos, mais tarde, Mama Ari, com bolsas de estudo seja com apoio onde habitam, e estão preparados para
62 anos, que promove demonstrações económico às famílias em risco”, conta receber estrangeiros, partilhando a
de dança para os turistas e que é figura Isabel, a amiga de Alejandra, que ajudou sua cultura e o seu estilo de vida. Já os
maior de uma comunidade que era a lançar o projeto – e que aqui ganha Kuna vivem, na sua maioria, na zona
matriarcal. E ainda nem sabíamos da relevância, porque foi quem conduziu conhecida como San Blás, constituída
existência dos Cimarrons, o grupo de a entrevista de emprego a Rui Dinis, por mais de 300 pequenas ilhas espa-
escravos que conseguiu escapar e que o português que então nem 30 anos lhadas ao largo da costa caribenha do
se refugiou na montanha, antes de se tinha e que estava decidido a deixar o Panamá, um paraíso protegido e um
aliar aos corsários e piratas, alimentan- seu emprego numa multinacional, em dos lugares mais bonitos do mundo,
do histórias como aquela que se conta Barcelona, para embarcar num projeto controlando com mão mais dura
sobre Francis Drake, um dos maiores que mudasse a vida das pessoas. quem entra e quem sai.
salteadores de sempre, que terá acaba- “Sente-se uma mudança substancial
do fundeado num caixão de chumbo, nos nossos adolescentes: mais autoes- UM LUGAR COM HISTÓRIA
junto à ilha que está à entrada da baía e tima, valores, cooperação, iniciativa, Máximo, o adolescente que estuda
que se chama, claro, Farallon del Drake. respeito pelo meio que os rodeia...”, piano no Conservatório em Lisboa, já
Porém, a Casa Congo é mais do que elenca o diretor da Escuelita que, nove está a ensaiar e a entrar no ritmo, ao
uma galeria de arte e um restaurante, anos depois, gosta de dizer que não mesmo tempo que nós fazemos estes
espaços que permitem apoiar aquela se vê a viver ali para sempre, mas pequenos mergulhos na História. Ao
população e obter fundos para outro cujo brilho nos olhos com que fala do fundo das duas ruas da freguesia, o

16 AGOSTO 2018 VISÃO 67

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
campo de futebol improvisado num mesmo que, em conjunto com os for- É um país cheio de cor
baldio também já o chamou por duas tes que contornam a baía, a UNESCO Nem os autocarros escapam
ao espírito alegre do Caribe
ou três vezes, para jogar ao lado dos declarou Património da Humanidade,
miúdos da terra, eufóricos: o país foi, em 1980, reconhecendo o seu caráter
pela primeira vez, a um campeonato excecional. A estrear A Casa Verde está
do mundo de futebol, na Rússia, e Celso há de ainda contar-nos a pronta e dará teto aos que vierem
isso nota-se. A seguir a este descam- razão da cor roxa que contorna a fazer residências artísticas
pado, há ainda um mercado ao ar igreja colonial, com quase 500 anos,
livre, onde duas mulheres de origem erguida ali ao lado. É a cor da vene-
Kuna vendem um pouco da sua arte, ração do Cristo Negro que, todos os
seja ela pulseiras de palhinha, colares outubros, ali chama milhares de pe-
de contas ou ainda panos bordados regrinos devotos – e que ficou famoso
cheios de cor e “passarada”. Só depois depois de um navio espanhol ter feito
encontramos alguns lugares icónicos três tentativas para largar o porto e no À Noite Fazem-se Amigos, ambos
daquela baía. só o ter conseguido fazer depois de de 2016). Nada, ainda assim, que se
Um é a Real Alfândega, que nos atirar para terra uma grande cruz de compare a uma residência artística
anos 1600 chegou a ser residência do madeira, que tinha um Cristo assim num local daqueles, desafio que o pai,
governador, onde se guardavam as pintado para evangelizar a população Pedro Nuno Neto, 45 anos, consultor
riquezas provenientes do Peru e do escrava. Além disso, em terra havia económico no México, lhe lançou. Em
Equador, cujo destino era Espanha. uma grave peste, uma epidemia de breve, há de estar numa apresentação
Como Portobelo era o principal porto varíola que acabou por desaparecer pública da banda da Escuelita, num
nas Américas, naquele período, ali se pouco depois de o El Naza – como a hotel na vizinha Colón, e, desta vez,
ergueu um sistema de defesa dos ha- imagem é carinhosamente conhecida já não será na plateia.
bitantes da cidade e das embarcações, – ter ficado para trás. Nos primeiros dias desta aventura,
um dos conjuntos mais impressionan- o recém-chegado conta com a ajuda
tes da arquitetura militar. Nada disso, MÁXIMO CONHECE MARY de Manuel, 19 anos, que se inscreveu
no entanto, invalidou que, 300 anos Máximo Francisco estuda piano, des- no projeto de música mal tinha feito
depois, boa parte fosse desmantelada de os 10 anos, e faz questão de dizer oito. Manuel toca saxofone e quer ser
e várias daquelas pedras levadas pelos que, agora que vai para o Secundário, advogado ou professor – “Ou políti-
norte-americanos para construírem quer dedicar-se exclusivamente à co”, diz, a rir-se, sentado na espla-
o famoso canal que leva o nome do composição. Lembra-se bem de ser nada que se ergue entre o mercado
país, uma via de navegação revista e garoto e de ter criado com um amigo e a Aduana, o nome caribenho da
aumentada, que liga o Atlântico ao um canal no YouTube. Eram os M&M antiga alfândega. Máximo está umas
Pacífico. Os andaimes a rodear o edi- – e é quando reparamos que a sua cara casinhas mais à frente, na segunda
fício revelam que, em tempos, houve não nos é completamente estranha: aula de percussão. Heraldo, 40 anos,
a intenção de reabilitá-lo. No entanto, afinal, quando era mais novo, ele já que está a ensinar-lhe os truques dos
não se avistam quaisquer outros sinais dera um ar da sua graça no progra- tambores, não se faz rogado em tecer
de obra em curso. “Fomos abando- ma Chefs’ Academy Kids, ao qual se todos os elogios ao projeto. “A música
nados”, lamenta-se Celso Anton, 48 seguiu a estreia no grande ecrã (em A é uma linguagem universal, não tem
anos, o guardião do monumento, o Breve História da Princesa X e ainda fronteiras. Mudou-nos a vida.”

68 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Segue-se o primeiro ensaio de crowdfunding para ajudá-la a pagar as Portobelo Digital.org, na qual partilha
grupo, agora acompanhado por Abdiel despesas de viagem e de alojamento, o sentido de comunidade local: “Até
Valdés, 40 anos. “Vá, mais uma vez...”, momento também apadrinhado pela o meu filho de sete anos já diz que
incentiva. Ao início da tarde, a maio- embaixadora de Portugal no Panamá, Portobelo é dele.”
ria da miudagem entra pela escola Ana Pessoa e Costa, 57 anos, então E porque não haveria de ser? Por-
adentro. Máximo começa por escre- presidente da Associação Diplomática, que aqui todos gostam de apregoar
ver, no quadro branco, os acordes de e uma fã aguerrida do projeto. “A Mary alto e bom som que o projeto, que
uma música da sua autoria. Com a é incrível. Eles são incríveis.” cruza as ruas, nasceu para todos,
ajuda do clarinete, do trombone, da sobretudo para os mais novos se
guitarra elétrica e afins, cada um vai O MUNDO A SEUS PÉS? inspirarem em algo que não fosse um
acrescentando um beat à composi- Além da mulher do primeiro embai- caminho cheio de equívocos, crentes
ção – “para lhe dar um bocadinho de xador português naquele país, que até nessa aventura que é aprender – e que
açúcar e de salero”, ri-se Mary Ann então tinha apenas um consulado, mul- sem aprendizagem não há aventura.
Ortiz, 20 anos, aluna da Escuelita tiplicam-se aqueles que já se renderam Jairo, 24 anos, o professor de pasa
desde os 12 e que, no ano passado, ao projeto que cresce em Portobelo. pasa, dança que mistura o congo com
foi a estrela da companhia no Festi- É o caso de Janelle Davidson, atriz e o reggae jamaicano, e que também en-
val de Jazz do Panamá, ao ganhar o produtora de espetáculos panamiana sinou uns passos a Máximo, é só mais
concurso que oferecia uma bolsa de que, desde 2016, é a mulher que está à um a fazer questão de nos confirmar,
estudo de seis semanas na Escola de frente do Instituto Nacional de Cultura. orgulhoso, como as suas aulas tam-
Música de Berklee, em Boston, nos Naquela manhã, atravessara o país para bém ajudaram a tirar miúdos da rua.
EUA. A população juntou-se num visitar a Escuelita e não conseguiu es- Será esse o espírito que Rui Dinis,
conder o seu espanto quando se cruzou diretor da Escuelita, conta levar na
com Renée Craft, uma norte-ameri- bagagem quando, em Lisboa, apresen-
cana que dá aulas no departamento tar o projeto à Embaixada do Panamá
O projeto, que da diáspora de África, na Universidade
da Carolina do Norte, e que há 17 anos
em Portugal. Não há razões para não
o fazer de peito cheio: conhecida em
cruza as ruas, ruma àquele lugar na América Central.
Estamos novamente na Casa Con-
todo o país, La Escuelita del Ritmo
também já tem o selo de aprovação
nasceu para todos, go, onde Renée recorda que descobriu
que havia um paraíso assim na Terra
de Harold Robinson, o coordena-
dor residente das Nações Unidas no
sobretudo para à conta de uma apresentação que um
professor da vizinha Colón fez na sua
Panamá. “O nosso sonho é não só
continuar a receber alunos para resi-
os mais novos universidade. “Falou-nos das rotas do
tráfico de escravos, e eu fiquei fascina-
dências artísticas como levar outros
daqui, para lhes mostrar o mundo.”
se afastarem da. Podiam ser os meus antepassados
na América”, relata ela, que começou
Afinal, as utopias também se fazem
de música e de salero. Ao ritmo do

de um caminho por fazer uma tese chamada Quando


o diabo toca: a tradição dos Congos
Caribe. tcampos@visao.pt
* A VISÃO viajou a convite da Fundação Bahia
– política negra no Panamá do sécu-
de equívocos lo XX e que hoje dirige a plataforma
de Portobelo/La Escuelita del Ritmo

16 AGOSTO 2018 VISÃO 69

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
PSD

FOCAR
A vez da geração de 70
Miguel Pinto Luz, Pedro Duarte e Luís Montenegro perderam
de vez a paciência para com a estratégia do líder e estão convictos
de que só um milagre eleitoral garantirá a sobrevivência política
de Rui Rio. Que ninguém duvide: eles vão mesmo avançar
em 2019. Pedro Santana Lopes corre em pista própria e já tem
“Aquele que nome para o novo partido, que é visto por Assunção Cristas
se empenha como uma oportunidade para o centro-direita
a resolver as O C TÁV I O L O U S A D A O L I V E I R A

dificuldades
resolve-as antes
que elas surjam.
Aquele que se
antecipa a vencer
os inimigos
triunfa antes que
as suas ameaças
se concretizem”
Sun Tzu
General e filósofo chinês
(544-496 a.C.)

70 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
N
Rutura Pinto Luz, Pedro Duarte
e Montenegro recusam que
o PSD seja uma muleta do PS
a ressaca do 25 de Abril
de 1974, quando Rui Rio
atingiu a maioridade e
aderiu à JSD, Luís Mon-
tenegro e Pedro Duarte
tinham aproximadamente
um ano (nasceram ambos
em 1973). Miguel Pinto
Luz nem isso – veio ao
mundo em 1977. O atual
presidente do PSD e os
três pré-candidatos à sua
sucessão pertencem a gerações com-
pletamente distintas. Não terá sido,
aliás, obra do acaso a estranheza com
que a família social-democrata enca-
rou o facto de estes três elementos da
geração de 1970 se terem resguardado
na luta pela chefia do partido, quando
Pedro Passos Coelho anunciou que não
se recandidataria.
O fator etário foi utilizado, em surdi-
na, como crítica por parte dos que fica-
ram no sofá a assistir ao duelo fratricida
entre Rio (61 anos) e Pedro Santana Lo-
pes (62), mas a verdade é que, por receio
ou taticismo, só mesmo o ex-presidente
da Câmara Municipal do Porto e o an-
tigo primeiro-ministro foram a jogo.
Agora, a um ano de umas eleições em
que as sondagens posicionam António
Costa a poucos pontos percentuais da
maioria absoluta, ninguém refuta que o
confronto geracional vai ter lugar após as
legislativas – isto, claro, se Rio se recusar
a sair de cena.
No PSD, não são poucas as vozes pró-
ximas do presidente que, sob anonimato,
vão confidenciando que o plano B (Rio
ser vice-primeiro-ministro de António
Costa) começa a parecer o plano A (que
deveria ser Rio chegar a primeiro-mi-
nistro). O partido entra em ebulição,
e os críticos estão a atingir o limite, ao
ponto de alguns dos seus apoiantes, nas
últimas diretas, estarem já à procura do
“cavalo vencedor” para as que se seguem.

O AVISO A MARCELO
Pedro Duarte deu o tiro de partida. Em
entrevista ao Expresso, o ex-presidente
da JSD assumiu a rutura com a direção.
Se há pouco mais de meio ano não se
imiscuiu no combate, desta feita fez uma
avaliação diferente. “Estou preparado
para liderar uma nova estratégia no PSD
e uma nova esperança para o País, em
nome do interesse nacional”, afirmou
o diretor da campanha presidencial de
Marcelo Rebelo de Sousa, que, apurou a
VISÃO, comunicou previamente as suas

16 AGOSTO 2018 VISÃO 71

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Desfiliação Santana cumpriu
PSD o que anunciara à VISÃO: o futuro
não passará mais pelo seu PPD
/PSD e está a criar um partido

intenções ao Chefe de Estado. Conside-


rando ser “objetivo” que os sociais-de-
mocratas não conseguiram apresentar
uma alternativa de poder e que, ao invés,
têm dado sinais de poderem vir a ser
uma muleta do PS, definiu o prazo para
a referida clarificação: o final do ano.
Sem se deter demasiado nas questões
formais – os estatutos protegem Rio dos
adversários internos –, Pedro Duarte já
constituiu grupos de trabalho setoriais,
essencialmente compostos por pessoas
independentes, para apresentar uma
agenda para Portugal.
Porém, fontes sociais-democratas
ouvidas pela VISÃO desvalorizam a
movimentação. “Ele diz que quer ser
candidato e não diz como. Aquela entre-
vista foi só para dizer que existe e para
marcar terreno face ao Montenegro e ao
Pinto Luz”, critica um dirigente “laranja”.
A tese é acompanhada por outro in-
terlocutor próximo de Rio, que reduz as
ameaças do antigo deputado a “pólvora
seca”. “Nem no distrito dele [Porto] tem
apoios. As suas tropas estavam todas na
lista do Alberto Santos e estas perderam
a eleição para o Alberto Machado”, in-
siste essa fonte, recordando a batalha
pela maior estrutura distrital do PSD,
que decorreu a 30 de junho.
Mesmo que o ex-secretário de Es-
JOSÉ CARLOS CARVALHO

tado da Juventude tenha procurado


condicionar o calendário dos restantes
challengers, só José Eduardo Martins
se apressou a apoiá-lo e a subscrever
as críticas ao caminho trilhado por Rio.
“Diz muito do que todos nós pensamos.
É uma disponibilidade muito grande A tese dessa fonte é cristalina: “Não há para mais tarde. Outros cenários não
para o futuro do PSD, quando se concre- partido que se molde a um líder com o serão impedimento – nem uma der-
tizar. Farei tudo o que puder para que te- qual percebe que não chega lá [à vitória rota por “poucochinho”, em que Costa
nha sucesso”, disse ao Diário de Notícias em eleições]. E logo o PSD, que é uma voltasse a precisar do BE e do PCP para
o ex-secretário de Estado do Ambiente, máquina de triturar líderes...” Por isso, formar uma maioria estável, e muito
um dos maiores críticos de Passos, que revela que Montenegro, com a discrição menos uma hecatombe, em que os so-
chegou a ser apontado como candidato possível – já que no Congresso deixou cialistas alcançassem a maioria absoluta.
à liderança há menos de um ano. a nu que pretende ser o senhor que se A entrevista do primeiro-ministro ao
segue na São Caetano –, tem andado Expresso – em que reiterou que bloco
O JOGO DE PACIÊNCIA a ouvir pessoas de diversas áreas – da central, jamais, embora tenha salientado
Se Pedro Duarte revela impaciência com academia à cultura, de ex-políticos a que “o PSD não tem lepra” – adensou,
o estado da arte no partido, Montenegro empresários –, para quando chegar a porém, outra dúvida: e uma governação
e Pinto Luz recusam entrar em correrias. hora ter um “programa moderno” a como a de António Guterres, em que
Sabem que o tempo não favorece o lí- apresentar ao eleitorado. fazia arranjos parlamentares permanen-
der em funções e não têm interesse em O homem que durante seis anos deu a tes com Marcelo, seria viável? A mesma
abrir uma guerra sem quartel com Rio, cara por Passos Coelho na Assembleia da fonte não hesita: “O que aconteceu em
quando sabem que as legislativas estão República tem, de resto, confidenciado, 2015 mudou o paradigma da política
praticamente perdidas. “A sobrevivên- aos mais próximos, que está “mais do portuguesa, e o partido não aguentaria
cia do Rio está nas mãos do Costa. As que decidido” a concorrer nas próxi- quatro anos nisso. O Luís atirava-se na
soluções que António Costa encontrar mas diretas que deverão ser convocadas mesma...”
depois das eleições vão definir o futuro para o início de 2020. Só um inesperado “Instalou-se em Portugal uma dúvida
do Rio”, enfatiza um apoiante do ex-líder triunfo de Rio nas legislativas faria Mon- que é saber se o PS tem ou não a maio-
parlamentar do PSD. tenegro arrepiar caminho e guardar-se ria absoluta. Isso é um erro absoluto”,

72 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O futuro de Rui Moreira
PSD e CDS acreditam que o presidente
da Câmara do Porto pode ter ambições
nacionais e que não descartam que tenha
a tentação de vir a formar um partido

C
ontinua a ser um tema tabu reforça outro centrista próximo de As-
para Rui Moreira, e os sinais sunção Cristas, que também sublinha
contraditórios estão a susci- o desejo de Rui Moreira vir a suceder
tar dúvidas tanto a quem o a Jorge Nuno Pinto da Costa no FC
apoia como a quem lhe faz Porto. No entanto, refere o mesmo
oposição. O presidente da interlocutor, pode existir a vontade
Câmara Municipal do Porto oculta de ensaiar uma candidatura à
mantém a incerteza quanto Presidência da República, já com Mar-
ao seu futuro político, e PSD celo Rebelo de Sousa fora da equação.
e CDS começam a desconfiar de que o Quanto à constituição de um partido,
autarca esteja a ponderar outros voos. um membro da direção de Rui Rio des-
Entre sociais-democratas e cen- valoriza esse cenário e ironiza: “Nunca
tristas, admite-se que Moreira possa ouvi [falar disso]. Só se for com Pedro
até pensar em dar dimensão nacional Santana Lopes...”
à associação cívica “Porto, o Nosso A VISÃO procurou obter um co-
Movimento”, embora fontes de am- mentário de Rui Moreira, mas até à
bos os partidos realcem que, se o edil hora de fecho desta edição tal não foi
avançasse para a formalização de uma possível.
força política, estaria a contrariar o
pressuposto sob o qual pautou as
campanhas eleitorais em 2013 e 2017: a Incerteza
independência e a distância em relação O autarca
aos partidos. descartou
“É um caminho perfeitamente natu- um terceiro
ral e, a acontecer, tem que ver com tudo mandato, mas
lamentou o próprio Montenegro numa aquilo que ele está a fazer. O movimen- não disse
entrevista recente, que concedeu à SIC to dele tem gente do PS, do PSD e do se tenciona
Notícias, na qual também condenou CDS, e não sei se essas pessoas ainda continuar a
a “ambiguidade” com que o PSD tem serão todas leais aos seus partidos”, exercer cargos
feito oposição. “Temos deixado o pri- afirma um social-democrata que tem políticos
meiro-ministro à solta. Cometeríamos acompanhado o percurso de Moreira.
um erro político enorme se fôssemos Outro interlocutor admite que o movi-
percecionados como uma muleta do PS”, mento encabeçado por Francisco Ra-
avisou nessa altura. mos possa funcionar como “embrião”
Apesar de ter consigo muitos dos para as ambições do sucessor de Rui
indefetíveis de Passos, Montenegro Rio, no Porto. Um dirigente do CDS
tem descurado o trabalho na máquina recorda as entrevistas de Moreira, ao
“laranja”. “É necessário ganhar o apa- Público e à SIC Notícias, nas quais
relho”, adverte um dos seus, realçando excluiu cumprir um terceiro man-
que é preciso estar em contacto com as dato autárquico. “É um regionalista
concelhias e com as distritais, o que, ferrenho, e pode aparecer como o
por outro lado, o deixará mais exposto. grande homem do Norte”, defende
essa fonte, que não crê que o antigo
UM LIVRO A CAMINHO presidente da Associação Comercial
Quem também não está parado é Pinto do Porto pense em ser deputado ou,
LUCÍLIA MONTEIRO

Luz. O vice-presidente da Câmara Mu- mesmo, membro de um Governo.


nicipal de Cascais tem-se desdobrado “É um nº 1 e dificilmente trabalhará
em contactos, dentro e fora do partido, numa equipa que não seja ele a liderar”,

16 AGOSTO 2018 VISÃO 73

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
PSD

por ter a consciência de que Montenegro “a estratégia do CDS não muda em


arranca na pole position para o pós-Rio. nada pelo facto de aparecerem, mais ou
Do seu lado poderá ter uma parcela im- menos, atores políticos ou partidos no
portante da distrital de Lisboa, a qual espaço do centro-direita”.
presidiu até julho de 2017, bem como “A nossa estratégia tem sido definida,
alguns apoios com peso nos distritos desde sempre, como querendo um bloco
mais próximos da capital. alternativo ao do Governo das esquerdas,
Aos mais próximos o autarca tem e isso faz-se atingindo 116 deputados.
assegurado que nada o demoverá de Esses 116 deputados poderão resultar de
avançar. Será mesmo candidato, pois um somatório pós-eleitoral entre o CDS
não concebe que um presidente do PSD e o PSD, mas, de hoje para amanhã, se
ambicione menos do que ganhar as pró- for entre o CDS, o PSD e outros parti-
ximas eleições – como escreveu numa dos do centro-direita, eu não vejo mal
carta aberta a Rio, antes do Congresso
–, algo que na reunião magna de feve-
“SE OUTROS PARTIDOS nenhum nisso”, garante, mostrando-se
disponível para integrar um megaen-
reiro viria a ser qualificado como uma QUE VENHAM tendimento simétrico a que António
“casca de banana”. Costa conseguiu, de forma inédita, dar
Seja como for, marcou terreno. A SER CONSTITUÍDOS corpo. Com aparente tranquilidade, a
E agora divide-se entre vários proje-
tos que vão ser públicos, em outubro, TIVEREM UM PENDOR líder dos democratas-cristãos salienta
que não encara como “aspeto negativo,
e que servirão como base de reflexão
sobre algumas áreas da governação.
MAIS POPULISTA, ou como uma ameaça, haver mais vozes
ao centro-direita com representação
Pelo caminho, soube a VISÃO, Pinto
Luz publicará um livro que também
ISSO SERÁ COM ELES”, parlamentar, muito pelo contrário”.
Até pode ser, nota, “uma oportunidade
fará um diagnóstico ao estado do País ALERTA CRISTAS para mais vozes vincarem o discurso de
e avançará com eventuais soluções para centro-direita, alternativo, mesmo que
os seus principais problemas, à seme- projeto vai incorporar diversas soluções depois tenham as suas nuances” – numa
lhança do que Passos Coelho fizera em para que sejam recolhidos contributos alusão clara ao facto de, neste momento,
2010, através da obra Mudar. e ideias numa plataforma digital. “Vai só dois partidos assumirem, em pleno,
Contactado pela VISÃO, o vice-pre- ser um partido do século XXI”, assegura o papel de opositores ao Executivo no
sidente de Cascais limita-se a dizer que quem conhece bem o ex-presidente do Parlamento, ao passo que à esquerda
“é a altura de o partido estar unido”. PSD, que se despediu dos militantes, “existem quatro vozes diferentes [PS, BE,
“Temos um líder legitimamente eleito, numa carta aberta, há duas semanas. PCP e PEV] a falar em todos os debates”.
e o PSD deve focar-se em atos eleitorais Ficará apenas a faltar a recolha de assi- Já quanto à possibilidade de Santana
muito importantes para o País e para o naturas – e são necessárias 7 500 para Lopes vir a preconizar uma linha mais
partido, que são as europeias e as legis- que o Tribunal Constitucional (TC) dê eurocética, roubando eleitorado aos
lativas. Eu vou estar ao lado do partido luz verde ao partido. centristas, Cristas nega ter receios dessa
a fazer campanha”, finaliza. Ao contrário do que tem sido dito natureza e avisa que, “se outros partidos
e escrito, não será uma força eurocé- que venham a ser constituídos tiverem
“THE SANTANA SHOW” tica, embora bastante crítica de várias uma deriva ou um pendor mais populis-
Numa pista paralela, Santana Lopes opções que têm sido seguidas a nível ta, isso será com eles”. O CDS, garante,
acelera para formalizar a sua nova força comunitário: desde a ortodoxia orça- “não vai disputar essa área”, dado que
política. Logo na semana seguinte à pu- mental, imposta a países com níveis de “não é aí que se situa”. No entanto, ter-
blicação da entrevista, em que garantiu crescimento e desenvolvimento díspares, mina com um recado ao centrão: “Não se
à VISÃO que a sua participação no PSD ao plano bancário, passando ainda pela pode ser europeísta, sem se ser exigente
estava terminada, foi sondado por João inovação, políticas sociais e território. em relação aos caminhos que estão a ser
Pedro Varandas, do movimento Demo- Certo é que Santana não encabeçará percorridos na Europa.”
cracia 21 (D21), que espera ser partido a lista que o partido vai apresentar às Com outras forças emergentes no
no outono, mas os encontros foram europeias de maio. O seu objetivo será, centro-direita, além da encabeçada por
infrutíferos. O ex-provedor da Santa então, o ataque às legislativas, posicio- Santana Lopes – como a Iniciativa Li-
Casa da Misericórdia de Lisboa vai criar nando-se como mais uma força para beral, legalizada em dezembro pelo TC
um partido de raiz e “sozinho”, isto é, alargar as opções alternativas à chamada e presidida por Miguel Ferreira da Silva,
sem unir esforços com qualquer grupo geringonça. ou a D21, liderada por Sofia Afonso Fer-
já existente. reira, embora ainda se encontre em fase
De acordo com informações recolhi- A OPORTUNIDADE, SEGUNDO CRISTAS de recolha de assinaturas –, subsiste,
das junto de fontes próximas de Santa- Imune às guerras intestinas e geracionais ainda assim, uma dúvida: serão estes
na, o nome do partido já estará fechado entre antigos e atuais sociais-democra- partidos capazes de fazer os abstencio-
(depois de três hipóteses terem sido tas está Assunção Cristas. A presidente nistas sair de casa ou, então, mais não fa-
equacionadas), as traves-mestras dos do CDS considera, em declarações à rão do que dispersar o eleitorado tradi-
estatutos estarão redigidas, assim como VISÃO, que a saída de Santana é “uma cional do PSD e do CDS? Dentro de um
a respetiva declaração de princípios, e o questão interna do PSD” e vinca que ano, teremos a resposta. ooliveira@visao.pt

74 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
receba em casa
em primeira mão
a newsmagazine
mais lida do país

ASSINE POR 6 MESES E RECEBA +3 MESES GRÁTIS!


26 EDIÇÕES + 12 EDIÇÕES GRÁTIS
49% DE DESCONTO
68,25€ ou 5* x 13,65€

LIGUE 21 870 50 50
DIAS ÚTEIS DAS 9H ÀS 19H | INDIQUE AO OPERADOR O CÓDIGO PROMOCIONAL COBHT

OU VÁ A WWW.TRUSTINNEWS.PT/ASSINATURASVERAO

Campanha válida em Portugal, na versão impressa, até 30/09/18, salvo erro de digitação.
*Prestações mensais e sem juros, TAEG 0%, mediante pagamento por cartão de crédito ou débito direto.

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CLIMA

Os malefícios do ar condicionado
Eis a grande ironia: os aparelhos de refrigeração contribuem
– e muito – para o aumento das temperaturas globais. Mas como
enfrentar as ondas de calor sem estes sorvedouros de eletricidade?

O
JUSTIN WORLAND/TIME

calor extremo derreteu re- não tinham acesso a um arrefecimento rio da Organização Mundial de Saúde.
centemente estradas no Rei- artificial adequado. E uma análise da Os homens e mulheres tornar-se-ão
no Unido, provocou mais de Agência Internacional de Energia (IEA), cada vez menos produtivos, em fun-
70 mortes no Quebec e pro- em maio, uma organização intergover- ção do aumento do calor, com algumas
duziu um recorde de 48,8ºC namental, mostrava que apenas 8% dos partes de África e da Ásia a enfrentarem
em Chino, na Califórnia. Es- 2,8 mil milhões de pessoas que vivem um declínio de 12% nas horas de traba-
tes casos ilustram um para- nas zonas mais quentes do planeta têm lho por volta de 2050, como resultado
doxo desesperante para cien- ar condicionado, comparado com uma do stresse calorífico, de acordo com o
tistas e decisores políticos: percentagem acima dos 90% em lugares relatório da Energia Sustentável para
o ar condicionado mantém como os Estados Unidos da América Todos. E isto sem ter em conta que a
as pessoas ao fresco e salva vidas mas e o Japão. falta de refrigeração significa, muitas
é também um dos fatores que mais Para esses milhões de seres humanos, vezes, que as pessoas não conseguem
contribuem para o aquecimento global. ganhar o acesso ao ar condicionado não assegurar a segurança dos alimentos ou
Dois novos relatórios sublinham a é um luxo. Sem refrigeração, a exaustão a conservação de medicamentos.
escala do desafio. A 16 de julho, a Ener- devido ao calor pode conduzir a proble- À superfície, abordar a questão parece
gia Sustentável para Todos (Sustainable mas sérios, como a falência de órgãos e simples: os países precisam de alargar
Energy for All), uma ONG dedicada às até a morte. O número de pessoas que o acesso ao ar condicionado e fornecer
energias limpas, ligada às Nações Unidas morrem de doenças causadas pelo ca- instalações públicas a quem não pode
e ao Banco Mundial, dizia que 1,1 mil lor extremo poderá subir para mais de adquirir, por si, estes equipamentos.
milhões de pessoas no mundo inteiro 250 mil, em 2050, segundo um relató- É isso que se está a fazer. A Energia

76 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
PORTUGAL CORRIDA AO FRIO a China gasta, hoje, em eletricidade. Isso
representa um aumento para o triplo do
A onda de calor teve os seus efeitos consumo de energia em ar condicionado
na venda de aparelhos de refrigeração que temos atualmente, muito do qual
virá dos países em desenvolvimento,
Mais ventoinhas que continuam a depender muito dos
O verão só chegou em agosto aos combustíveis fósseis. No terreno, os
hipermercados e lojas que vendem países vão também precisar de construir
ventoinhas e ares condicionados. No mais centrais para responder à procura
Jumbo, do grupo Auchan, no início ou então correm o risco de ter uma rede
do mês, o crescimento da venda instável por ser insuficiente.
destes aparelhos “foi 930%”, segundo “O ar condicionado tem sido um
o jornal Público. Na Rádio Popular, enorme sorvedouro de eletricidade”,
nos primeiros três dias da onda de diz Erik Solheim, que dirige o progra-
calor deste agosto, venderam-se ma das Nações Unidas para o Ambiente.
mais aparelhos de refrigeração do “A refrigeração é provavelmente o maior
que os que tinham sido vendidos
consumidor de energia, e as pessoas
desde o início do verão. As lojas AKI
tendem a ignorá-lo.”
identificaram um crescimento de
700% na venda destes artigos, em
Além do consumo de energia, os pro-
comparação com as vendas das dutos de refrigeração podem também
semanas imediatamente anteriores. contribuir para as alterações climáticas,
As ventoinhas e os aparelhos de ar ao emitirem hidrofluorocarbonetos
condicionado portáteis são os mais (HFC), químicos que concentram o ca-
procurados. lor na atmosfera em taxas alarmantes.
GETTY IMAGES

Os cientistas afirmam que só as emissões


atuais de HFC podem acrescentar perto
Pouco ar condicionado
Os portugueses podem até sofrer
de um grau centígrado à atmosfera no
No escritório Em espaços com as ondas de calor, mas poupam final deste século – cerca de um terço da
de trabalho já não se vive sem uma mais na energia: há poucas casas meta inscrita nos Acordos de Paris como
temperatura regulada. A que preço? climatizadas no País. O Censos de aumento máximo da temperatura, antes
2011, levado a cabo pelo Instituto de o Globo sentir alguns dos efeitos mais
Nacional de Estatística (INE), com a catastróficos das alterações do clima.
Sustentável para Todos calcula que uns colaboração das autarquias, concluiu No entanto, assistimos ao começo
2,3 milhares de milhões de pessoas que, em 3,9 milhões de residências de uma solução global para o problema.
nos países em desenvolvimento estão à habituais, só 407 271 mil tinham ar As empresas desenvolvem tecnologia de
prestes a comprar aparelhos de ar con- condicionado. Um estudo feito, em refrigeração mais eficiente e sem HFC,
dicionado, em grande parte graças ao 2016, pela plataforma imobiliária e planeiam expandir a venda desses pro-
aumento dos rendimentos das famílias, Idealista confirma essa tendência: só dutos no mundo em desenvolvimento
à medida que estas saem dos níveis de uma em cada dez casas que estavam nos próximos anos. Em 2016, mais de
pobreza e integram a nova classe média à venda estavam equipadas com ar 170 países chegaram a um consenso cha-
global. E, em certos locais, programas condicionado. Estas concentravam- mado Acordo de Kigali, que estabelece
governamentais vão construindo centros -se, sobretudo, nos distritos de Faro metas para eliminar os HFC e que refaz
de refrigeração para aqueles que não têm (18,5%), de Setúbal (14,4%) e de Lisboa os padrões internacionais para o fabrico
aparelhos próprios. (12,5%). Já em Leiria, por exemplo, de aparelhos de ar condicionado.
“O mundo está a ficar mais rico e a apenas 2,6% das casas para venda Estes esforços vão ter de estar à altura
e 1,5% das casas para arrendar tinham
crescer, e grande parte do crescimento do imenso problema que enfrentaremos.
este sistema de arrefecimento
acontece nos trópicos”, diz Dan Ham- “Não é só pelo facto de as pessoas come-
/aquecimento artificial.
za-Goodacre, chefe do Programa de çarem a ter poder de compra para adquirir
Eficiência na Refrigeração de Kigali, uma um aparelho de ar condicionado ineficaz”,
iniciativa dirigida contra a poluição pro- diz Rachel Kyte, que chefiou o programa
vocada pelos sistemas de frio. “Estamos do Banco Mundial para as alterações cli-
prontos para uma completa explosão na “A REFRIGERAÇÃO máticas e que agora lidera a Energia Sus-
procura de frio artificial.” tentável para Todos. “Os governos têm de
É PROVAVELMENTE O MAIOR perceber a dimensão do problema que têm
ESPERANÇA TECNOLÓGICA
Porém, a utilização do ar condicionado
CONSUMIDOR DE ENERGIA, em mãos. Não é uma coisa que possam
descartar.” visao@visao.pt
como ferramenta para o desenvolvi-
mento é complexa, tanto a nível global
E AS PESSOAS TENDEM
como local. A IEA calcula que, sem ação A IGNORÁ-LA” © 2018, TIME Inc. Todos os direitos reservados.
dos governos, os ares condicionados vão ERIK SOLHEIM, CHEFE DO PROGRAMA Traduzido da TIME Magazine
consumir tanta energia em 2050 quanto DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O AMBIENTE e publicado com autorização da TIME Inc.

16 AGOSTO 2018 VISÃO 77

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
FIGURA

“É fácil
envergonhar
os homens”
As lições de Jane Fonda vão muito

CRÉDITO FOTO
além do exercício físico.
Aos 80 anos, ainda a fazer cinema
e televisão, deixa-nos uma certeza:
“Não é tão stressante ser velho
como quando se é novo e não se
sabe o que precisamos de saber”

LEX MARTIN/THE INTERVIEW PEOPLE

J
ane Fonda conta-nos onde vai local onde há um centro comunitário sente a falta do que nunca se teve. E de
buscar a sua energia, diz-nos com um ginásio. Não é uma casa de repente, quando estava com um homem
que não voltará a casar-se, repouso para reformados. Tenho um que era bom, pensei: “Oh, porque nunca
explica-nos que exercícios treinador que vem e trabalha comigo se me lembrei que isto era importante?”
faz, revela o que as mulheres eu tiver o dia livre. Mas também estou Um homem capaz de te acarinhar... Os
procuram nos homens, fala da a fazer Grace e Frankie, por isso não homens têm tanto medo de serem vul-
amizade entre mulheres, dos tenho muito tempo. neráveis quanto tu tens necessidade de
filhos e da morte. Confessa-se Então não se exercita sete dias por ser realmente acarinhada. Porque para
feliz por estar viva para ver semana? acarinhares alguém precisas de ser mui-
um movimento de mulheres Não o faço todos os dias. Às vezes, nos to aberto e vulnerável face a essa pessoa.
como o #Metoo, esperando que não seja intervalos do trabalho, treino-me quatro São essas coisas que eu procuraria hoje.
algo passageiro e que venha realmente a ou cinco vezes por semana. E também Porque a Jane também mudou com
fazer a diferença. tenho bons genes. os anos.
Qual é o segredo da sua energia? Que qualidades é que as mulheres É isso que eu quero dizer. Como tal,
Durmo nove horas. Sou saudável e dur- procuram nos homens? hoje, aos 80, eu respondo à mesma
mo muito, adoro dormir. Tenho energia, A forma como respondo hoje a essa questão de forma diferente.
sempre tive imensa. Mas agora que fiz pergunta é muito diferente da resposta Tem sido sempre um vulto do feminis-
80 anos, durmo bastante e tenho uma que dava quando tinha 20 ou 30 anos. mo. Como é que encara o movimento
energia boa, saudável. E aqui está o que acrescento às quali- #Metoo?
Ainda faz todas as suas rotinas de dades tradicionais: bondade. Só percebi Fico feliz por ainda estar viva para ver o
exercício? isso aos 70 e tal, quando estava numa que está a acontecer, porque acho que é
Faço quando tenho tempo. Vivo num relação com um homem bom. Não se mesmo importante. Não me parece que

78 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A grande diva Ativa, cheia
de “energia saudável”
como ela diz, eis Jane Fonda
a pôr o dedo nas feridas

aumento dos salários das mulheres, e não fazem isso. Quando as mulheres se
na descoberta das diferentes maneiras juntam, há uma hormona que se liberta
de estarmos ao lado das trabalhadoras no cérebro, a oxitocina, uma hormona
agrícolas, das porteiras e das empregadas do bem-estar que afasta o cortisol, que
domésticas. Tivemos muitas reuniões é uma hormona do stresse. Melhora a
com mulheres desses setores. É emo- nossa saúde e o nosso bem-estar. Foi
cionante. feito um estudo clínico em Harvard,
Falou da amizade entre mulheres... segundo o qual não ter amigas mulheres
Por razões evolucionárias muito pro- é tão mau para a saúde como o tabaco.
fundas, a amizade entre as mulheres é Por isso adoro entrar neste enredo que
diferente da amizade entre os homens. mostra como podemos ajudar-nos,
É também uma razão por que vivemos quando queremos ser vulneráveis umas
até mais tarde. Há estudos que o mos- com as outras.
tram. Do ponto de vista da evolução – e Continuamos a aprender na velhice?
estou muito interessada na evolução –, Ou tornamo-nos rabugentos?
os homens vão à caça individualmente: Algumas pessoas ficam rabugentas, mas
este vai atrás daquele tigre, outro tipo a maioria não. Escrevi um livro sobre a
persegue aquele antílope, homem que velhice, por isso sei alguma coisa sobre
é homem tem de trazer carne para casa. os velhos. Tem sido feito um enorme
É uma coisa individualista e competitiva, estudo longitudinal de centenas de
e os homens têm de obter resultados milhares de pessoas, cujos resultados
da sua atuação. Ainda é assim, como mostram que homens e mulheres, ca-
acontece há milénios, que se forma nos sados, divorciados – não interessa –,
corações e nas cabeças dos homens a ficam menos hostis, menos ansiosos,
ideia de masculinidade. Enquanto isso, mais fáceis, menos stressados, depois
as mulheres sentam-se à volta da fo- dos 50 anos. Os gerontologistas e os psi-
gueira a conversar. Sejam jovens ou de cólogos não sabem bem explicar porquê.
meia-idade, podem ser as avós que ficam Deve ter algo que ver com mudanças no
a tomar conta dos bebés, enquanto as cérebro, mas muito se deve ao facto de
mães vão apanhar bagas. Somos inter- termos bastante vida para trás. Já pas-
FRANCOIS G. DURAND/GETTYIMAGES

dependentes. Beneficiamos dessa evo- sámos por muito e não morremos. Já


lução. Quando as mulheres se juntam, lá estivemos. Não se fazem montanhas
mesmo que não nos tenhamos visto há de montinhos. Não é tão stressante ser
muito tempo, vamos depressa para um velho como quando se é novo e não se
nível profundo da alma. E não temos sabe o que precisamos de saber e o que
medo de chorar, não temos medo de precisamos de fazer.
ligar à nossa amiga e dizer: “Preciso de E já está mais descontraída com os
ajuda, não sei o que fazer.” Os homens seus filhos...
Preocupamo-nos sempre. É errado
seja uma coisa passageira. Julgo que vai pensar que, quando os filhos saem de
fazer mesmo a diferença, temos de nos casa, não temos mais preocupações.
assegurar disso. O movimento #Metoo Tenho um filho que é um ser humano
[Eu também] ainda está aí. É a história de perfeito. E que me ralha e me diz para
sobreviventes que vêm falar abertamente viver a minha vida. A minha filha... mães
do que lhes aconteceu. Porém, o Time’s e filhas têm uma relação mais stressada e
Up [É tempo] é o próximo passo. É as- ela sabe como me tocar nos pontos fra-
sim que fazemos mudanças estruturais “É MAIS IMPORTANTE cos. Sim, preocupo-me com ela, mas sei
permanentes a nível institucional, para
que o abuso e o assédio sexual no local ESTAR INTERESSADA DO que passa. É como a espuma, dissipa-se
passado um tempo. Faço meditação, isso
de trabalho não voltem a acontecer. Para
isso, em parte, é preciso haver equidade
QUE SER INTERESSANTE. também é bom. Pensava que o Bill tinha
baseado o argumento num livro, porque
nos rendimentos. Quando as mulheres AS PESSOAS QUE SÃO não podia acreditar que um tipo tivesse
ganharem justamente o mesmo que os esta empatia com as mulheres velhas
homens, o assédio sexual cairá dras- VERDADEIRAMENTE e os seus problemas [Bill Holderman,
ticamente. Trabalhei com empregadas
de mesa e vi isso acontecer nos Estados CURIOSAS ACERCA realizador do filme Book Club, de 2018,
uma comédia romântica sobre quatro
Unidos da América. Quando elas ganha-
rem o mesmo que eles – em vez de terem
DA VIDA MANTÊM-SE amigas, protagonizada por Diane Kea-
ton, Jane Fonda, Candice Bergen e Mary
de contar inteiramente com as gorjetas
–, o abuso sexual cairá para metade.
JOVENS, MESMO QUANDO Steenburgen]. Estávamos a meio do filme
ou coisa do género, quando percebi que
Por isso, o Time’s Up foca-se muito no SÃO VELHAS DE IDADE” não era adaptado de um livro.

16 AGOSTO 2018 VISÃO 79

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
FIGURA

MIKE MARSLAND/GETTYIMAGES
Bons genes
A atriz aos 80 anos,
fotografada
em maio, durante
o Festival de Cannes

Tem amigas que tenham estado a seu


lado nos últimos 50 anos? UMA VIDA CHEIA porque este me obrigou a isso: “Co-
nhece o teu inimigo.” Olha-o de frente
Cinquenta anos, não. Lamento dizer,
mas a maioria das minhas amigas mais Nasce em Nova Iorque, a 21 de dezembro
e conhece-o por dentro e por fora.
É a única maneira de ultrapassarmos o M
antigas já morreu. Quando se tem 80 de 1937, filha do ator Henry Fonda medo. Portanto, posso falar de envelhe-
anos, acontece. Por isso, as minhas e de Frances Ford Seymour, que cer. Fui casada com três homens fasci-
amigas são todas mais novas do que eu. se suicidou quando Jane tinha 12 anos nantes, os quais, e devo incluir o meu
A Eve Ensler, autora dos Monólogos da pai no grupo, tinham uma deficiência:
Vagina, é uma das minhas melhores Com o filme Barbarella, de 1968, falta de empatia e vulnerabilidade. Por
amigas. E há outras, cujo nome não eternizou-se como um dos maiores isso, quando acabei com esses casamen-
lhe diria nada. Eu gostava de ter a Mary sex symbol da América tos, fui estudar os homens e o género.
[Steenburgen] como uma das minhas É fascinante.
melhores amigas, é um ser humano Devemos ter medo da morte?
Ganhou dois Oscars, de Melhor Atriz
espantoso, com muita capacidade de Fico triste por as pessoas terem medo
Principal, nos anos 70, com os filmes
amar e de sentir compaixão. Estou a Klute e O Regresso dos Heróis
da morte. No México, não têm, ou em
apaixonar-me por ela. A Candy [Bergen] Madagáscar. Há culturas que não têm
passa tanto tempo em Nova Iorque que medo da morte. Há uma atitude de
é mais difícil. E a Diane [Keaton] é fora Casou-se três vezes: com o realizador “Mais tarde ou mais cedo, vamos en-
de série. É única. É especial. Estamos Roger Vadim; com o ativista e senador contrar-nos. Não me metes medo. Vem
todos fascinados com ela, mas é uma Tom Hayden; e com o magnata buscar-me.” No Dia de Finados, pego
Ted Turner, fundador da CNN
solitária, não é? em vinho e queijo e vou ao cemitério.
Tem pena de nunca se ter candidato a A vida não faz sentido sem a morte. Vi o
um cargo político? Os seus vídeos de fitness marcaram meu pai morrer e percebi que ele partia
Não, obrigada. Se eu sou eloquente é gerações de mulheres, entre os anos sem arrependimentos. E pensei: “OK,
porque já escrevi sobre tudo isto. Adoro 80 e 90 não tenho medo de morrer, não tenho
escrever livros. Estudo livros. Não tenho medo dos remorsos. É tarde demais
medo de envelhecer, por isso escrevi É ativista na luta pelos direitos para fazer qualquer coisa acerca disso.
dois livros sobre o envelhecimento, das mulheres desde os anos 60 Portanto, isso dita a forma como vivo.”

80 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Juventude Em 1965
quando era só atriz
e não ativista

Tento viver de maneira que no fim não tempo]. Por isso, muito cedo se bifurcam
tenha muitos arrependimentos. entre a cabeça e o coração. Quantos pre-
Pensa voltar a casar-se? sidentes elegemos que não têm empatia?
Não. Aos 80! Acabo de deixar o meu São muitas vezes machos alfa. Há uma
último namorado há cerca de um ano, masculinidade tóxica. Se não levam o ba-
vivo sozinha, e isso é tão bom. Ganho con para casa, sentem-se emasculados.
tanto com isso! Não seria capaz de ler E é então que acontece a violência. É fácil
três livros por semana se estivesse com envergonhar os homens. E quando são
alguém. Não conseguiria dormir nove envergonhados, os homens tornam-se
horas se vivesse com alguém. violentos. O crescimento do movimento
Como consegue dormir de mulheres deu origem a um aumento
nove horas? da violência doméstica. Li muitos livros
Não como à noite. Quando estou a tra- que me ajudaram a compreender o meu
balhar, janto às quatro. Tomo um grande pai e, especialmente, Ted Turner [o seu
pequeno-almoço e um grande almoço, terceiro marido]. E é difícil estar a re-
e é tudo. Por isso, chego a casa, tiro a sumir. Escrevi acerca disso.
maquilhagem, tomo um duche e vou Parece-me muito curiosa. É um dos

GETTYIMAGES
para a cama. seus segredos?
O que aprendeu com os homens? É. É mais importante estar interessada
Oh, meu Deus! Já lhe falei sobre a dife- do que ser interessante. Conheço estre-
rença nas amizades. Essa diferença leva las de cinema que só se ralam em serem
os homens a não terem o tipo de amiza- interessantes e falta-lhes algo como con-
des que as mulheres têm – não todos... –
mas quando são pequeninos, dizem-lhes “TENTO VIVER sequência. Ao passo que as pessoas que
são verdadeiramente curiosas acerca da
que um homem não chora, dizem-lhes
para não serem meninos da mamã, isso
DE MANEIRA A QUE vida, e do que nos faz vibrar, são muito
interessantes e mantêm-se jovens, mes-
tudo que é dito explicitamente pelos
pais, mães, professores, treinadores,
NO FIM NÃO TENHA MUITOS mo quando têm uma idade avançada,
como, por exemplo, aconteceu com o
ou implicitamente pelo zeitgeist [ar do ARREPENDIMENTOS” Stephen Hawking. visao@visao.pt

More Moving Moments Praias onde as cadeiras estarão disponíveis são:


√ Praia do Ouro
SOLUÇÕES CAPAZES DE MELHORAR O MUNDO Sesimbra (2 cadeiras)
DAS PESSOAS COM DIFICULDADES MOTORAS
√ Praia do Tamariz
Cascais (1 cadeira) Cadeiras de rodas
para que as crianças
√ Praia da Poça possam usufruir,
Cascais (1 cadeira) em família, de todas
as atividades balneares
√ Praia das Moitas
Cascais (1 cadeira)

√ Praia de São Lourenço


Mafra (2 cadeiras)

√ Praia da Foz do Lizandro


Mafra (1 cadeira)

√ Praia da Comporta
Grândola (2 cadeiras)

√ Praia Tróia-Mar
Grândola (1 cadeira)

√ Praia das Maçãs


Sintra (1 cadeira)

geral@moremovingmoments.pt
www.moremovingmoments.pt

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CIÊNCIA

Coscuvilhar faz bem


e recomenda-se
Falar de alguém pelas costas é um
comportamento tão natural como beber água.
E isso não é necessariamente mau

E
SARA SÁ

xiste a política, o desporto, a positivos, do ato de falar acerca da vida


música, a economia. No entan- de outrem. E isto, além de não ser um
to, todos estes assuntos impor- comportamento negativo, pode inclusi-
tantes e sérios só ocupam um vamente estar na base do aparecimento
terço do tempo que gastamos da linguagem. “O facto de estes temas
a conversar. A fatia do leão dos serem tão importantes para nós sugere
momentos com amigos e co- que esta seja uma função primordial da
nhecidos está por conta dos linguagem”, afirmou Robin Dunbar, num
assuntos sociais (chamemos-lhe artigo publicado na revista The Atlantic.
assim) – casamentos, batizados, “A fofoca é o que possibilita a existên-
amores e ódios. A conclusão é de Robin cia de sociedades humanas, tal como as
Dunbar, o professor da Universidade de conhecemos.”
Oxford, referência no estudo da Antro-
pologia e da Psicologia Evolutiva. FORA DO MEXERICO, FORA DO GRUPO
Numa análise conduzida pelo in- Por que razão precisamos de desenvolver
vestigador, que se dedica também ao uma forma tão eficaz de comunicar? Na
acompanhamento de primatas, dois teoria deste investigador, a necessidade
terços de todas as conversas, que man- foi surgindo à medida que os humanos
temos ao longo da vida, são sobre re- cresceram e se multiplicaram. De grupos
lações pessoais, que é como quem diz pequenos, em que todos os elementos
“mexericar”. Em termos sociológicos, se conheciam bem, os nossos antepas-
define-se fofocar ou coscuvilhar como sados passaram a viver em comunidades
o ato de falar de alguém, emitindo uma cada vez maiores. A sobrevivência num
avaliação da pessoa e do seu compor- ambiente hostil e agreste obrigou a que
tamento, quando o visado não está houvesse uma boa comunicação e uma
presente. O famoso “falar pelas costas”. excelente cooperação entre o grupo.
Todos praticamos este exercício, homens Ao mesmo tempo, também se tornou
e mulheres, novos e velhos, na aldeia ou essencial perceber quem é quem – onde
na cidade, no café ou nas redes sociais. estão as ameaças e a concorrência, quer
E não vem mal nenhum ao mundo por em termos de alimento quer em termos
isso, apesar de, desde pequeninos, nos de acasalamento. Quem é de confiança, escreve o professor de Psicologia Frank
sentirmos culpados por este tipo de quem é aldrabão, quem daria o me- T. McAndrew, da Universidade Knox,
atitudes. Aliás, classificar alguém como lhor parceiro, o aliado mais forte. Dar nos Estados Unidos da América, num
coscuvilheiro tem normalmente uma e receber este género de informação artigo de divulgação científica do site
conotação negativa. E é verdade que, passou a ser essencial. “Os indivíduos The Conversation.
por vezes, o mexerico pode ser usado que eram mais competentes a usar a Os genes destes indivíduos – os ven-
de forma nefasta para autopromoção, sua inteligência social, a interpretar, cedores do grupo – prevalecem até hoje,
confundindo-se com a intriga. prever e influenciar o comportamento ou seja, a nossa preocupação com a vida
Porém, psicólogos e antropólogos dos outros tornaram-se mais bem- dos outros é uma herança do cérebro
têm vindo a realçar outros aspetos, -sucedidos do que os que não o eram”, pré-histórico, que nos dá vantagem

82 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Evolução Cientistas defendem
que a linguagem surgiu para
que pudéssemos saber quem
era quem no grupo

A ETIQUETA DA FOFOCA É por isso que, por um lado, os mais


talentosos na arte da fofoca estão sempre
mais bem informados e gozam de boa re-
Não é por se tratar de um putação nos grupos alargados de pessoas.
“prazer culposo” que não Por outro, os que se mantêm à margem
deve ter regras. Siga as dicas
das conversas sobre a vida alheia acabam
e tire partido de uma boa
por não ser bem aceites, sendo classifica-
conversa sobre a vida
dos outros
dos como pessoas não confiáveis.

“QUEM TE AVISA...”
1 Manter segredo: Convém Estudos feitos em ambientes de trabalho
ser discreto, para não criar confirmam esta tese. A fofoca inofensiva,
conflitos entre colegas, pode cimentar a coesão
do grupo, além de animar os espíritos.
Também é importante para os recém-
2 Partilhar informação
útil: É preciso que
-chegados, que, ao participarem numa
a informação partilhada conversa deste tipo, ficam a perceber
seja vantajosa para o grupo, as normas e os valores que vigoram na
de modo a ser valorizada organização.
Em contexto laboral, a má-língua tem
ainda outra relevância que é a possibili-
3 Não contar mentiras:
dade de se transformar num estímulo.
Faltar à verdade pode fazê-
O receio de que nos tornemos alvo de
-lo perder a credibilidade,
além de prejudicar o visado
mexerico pode ser uma força positiva
de forma injusta que impede que nos aproveitemos dos

CRÉDITO FOTO
outros. Por exemplo, num estudo feito
com mariscadores de lagosta do Maine,
4 Estabelecer ligação nos EUA, verificou-se que aqueles que
com o ouvinte: desrespeitaram as normas de quando e
A passagem da informação
como as lagostas podiam ser apanha-
deve ser acompanhada
das eram expostos pelo grupo, ficando
por emoção, o que potencia
a relação entre
proscritos durante um período.
os coscuvilheiros Há uma certa função social, que per-
mite interiorizar os comportamentos
aceitáveis e os condenáveis, reforça um
trabalho de um grupo de investigadores
da Universidade de Queensland, Austrá-
lia. “O mexerico do dia a dia ajuda-nos a
construir ligações sociais e a desenvolver
um melhor conhecimento dos grupos e
das sociedades aos quais pertencemos”,
refere-se num comunicado.
Veja-se o caso #MeToo e o movimen-
to contra o assédio sexual que começou
com o diz-que-disse em torno do pro-
dutor de Hollywood Harvey Weinstein.
“A fofoca sobre Harvey Weinstein teve
sem dúvida nenhuma consequências
negativas para ele, tais como a perda de
trabalho e a expulsão de uma série de
empresas e sociedades, mas pode tam-
competitiva. “Hoje em dia, alguém que DOIS TERÇOS bém ter tido consequências para todos
seja bom a falar da vida dos outros é um nós, os que participámos nela”, sublinha
influenciador e um membro popular DAS CONVERSAS a psicóloga social daquela instituição
do seu grupo social. Divulgar segredos
é uma forma de estabelecer ligação e QUE MANTEMOS AO australiana, Jolanda Jetten. “Coscuvilhar
permite-nos monitorizar a reputação de
partilhar um bom mexerico com outra
pessoa é um sinal de confiança profunda:
LONGO DA VIDA SÃO... outras pessoas e, ao ficarmos a par dos
seus comportamentos, estamos mais
quem o faz acredita que quem recebe
esta informação sensível não a vai usar
SOBRE A VIDA bem posicionados para decidir se de-
vemos confiar nelas ou não, no futuro”,
contra si”, continua Frank McAndrew. DOS OUTROS resume a psicóloga. ssa@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 83

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Solitário “Quando estamos
DESPORTO sozinhos, temos de decidir
e fazer tudo por nós”, diz
Robert Scheidt, que começou
a velejar aos cinco anos

“A força de uma medalha fica


GETTY IMAGES

para o resto da vida”


Não existem receitas para se ser um campeão olímpico, diz o velejador
brasileiro Robert Scheidt. Há a vontade de vencer, o treino ao mais
alto nível e, no limite, a concretização perfeita na hora H

C
S U S A N A L O P E S FA U S T I N O

omo estratega da equipa 2020. Eleito por duas vezes Rolex O que, na sua opinião,
Onda Brasil, o velejador World Sailor of the Year, participou a vela tem de bom?
brasileiro Robert Scheidt, em seis edições dos Jogos Olímpicos, A interação com o mar e com o vento,
45 anos, esteve venceu cinco medalhas e ainda hoje a utilização dessa força da Natureza,
recentemente em Cascais, continua a dizer que nunca pensou e o facto de o mar trazer uma enorme
a propósito do Rolex TP52 alcançar esse sonho. sensação de liberdade para as crianças.
World Championship, Com que idade começou a velejar? Gostava que o seu filho viesse
considerado o melhor Aos cinco anos, como tripulante. a ser um bom velejador?
campeonato de monocascos Aos nove, sozinho. Mentiria se dissesse que não. O Erik
do mundo. À VISÃO falou Qual a idade ideal para já pratica futebol, vela, ténis e natação,
sobre o seu percurso e também sobre se começar? mas ainda é muito cedo para pensar
o seu futuro, agora que anunciou que Entre os sete e os dez anos, mas depende num treino de alto nível... As coisas
já não vai estar presente em Tóquio sempre da maturidade da criança. têm de acontecer com o tempo.

84 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O que é preciso para
se ser campeão olímpico?
Não existe uma receita, cada atleta
PALMARÉS As medalhas olímpicas mudaram
a sua vida?
Na verdade, um título mundial até
Robert Scheidt participou
tem a sua história, o seu caminho. em seis edições dos Jogos é mais difícil de ganhar do que uma
Tem que ver com a vontade e o Olímpicos, tendo vencido Olimpíada, mas a questão é que o
prazer que se retira ao praticar cinco medalhas. A par do reconhecimento é menor. Nos Jogos
determinado desporto, mas também velejador Torben Grael, Olímpicos, representamos o nosso país,
com a motivação em atingir-se um é o atleta brasileiro mais viajamos com uma delegação, fazemos
objetivo. Querer ganhar é uma coisa; medalhado em Olimpíadas parte de um grupo, e, por isso, a força
fazer um plano e executá-lo é mais dessa medalha fica para o resto da vida.
difícil. Há muitas pessoas que querem Já teve alguns percalços no mar?
ser campeãs olímpicas, mas que não LONDRES 2012 Aos 16 anos, a velejar sozinho e longe
querem passar por todas essas etapas, Bronze da costa, o leme do barco partiu-se
por todos esses sacrifícios. Porém, não Com o seu compatriota Bruno e fiquei sem conseguir direcioná-lo.
podemos ter nada como garantido: Prada, conquista a medalha Consegui arranjar a peça e, quando já
além de treinar, é preciso executar de bronze, igualando o estava a escurecer, regressei à praia.
as técnicas na perfeição durante velejador Torben Grael, como Salvei-me por pouco.
a competição. o maior medalhista brasileiro Prefere velejar sozinho ou em
Como foi consigo? em Olimpíadas equipa?
Tudo aconteceu de forma muito Acho que é importante viver esses dois
natural. Pratiquei muitos desportos, mundos. Quando estamos sozinhos,
mas de facto gostava muito de PEQUIM 2008 temos de decidir e fazer tudo por nós.
velejar. Fui melhorando até que, aos Prata Se correr bem, o mérito é nosso.
17 anos, consegui ganhar um título Troca a classe Laser pela Se não correr bem, a derrota também
mundial juvenil. Foi aí que ganhei classe Star é só nossa.
autoconfiança, que comecei a acreditar Qual o atleta que mais admira?
que podia ser um grande velejador, que Sou brasileiro, vou ter de responder
ATENAS 2004
despertei para o sonho das Olimpíadas, Ouro
que é o Pelé [risos].
essa competição mágica. O meu pai Nos Jogos Olímpicos na Onde gosta mais de velejar?
também me incentivou. Aconteceu Grécia, chega ao primeiro Em Ilhabela, no litoral norte da cidade
tudo passo a passo, nunca pensei lugar de São Paulo, e no maior lago de Itália,
que conseguisse participar em seis o lago de Garda, onde vivo atualmente.
Olimpíadas. O campo de regatas de Cascais
Como são os treinos de um Sidney 2000 é mesmo, como se diz, um dos
velejador de alta competição? Prata melhores do mundo?
Depende da categoria e da classe Quatro anos depois da Sim, não é exagerado dizê-lo. Tem
do barco. No caso dos barcos da classe consagração, volta ao pódio excelentes condições de vento e ondas,
Laser, a preparação física é muito na classe Laser e a raia possui uma boa estrutura.
exigente e o treino é quase diário. E, depois, a vila de Cascais é charmosa
Se não se estiver na água, é preciso ATLANTA 1996 e maravilhosa.
fazer musculação, natação ou bicicleta, Ouro Porque não estará presente nos
cinco ou seis dias por semana. Medalha conquistada Jogos Olímpicos de Tóquio,
na classe Laser em 2020?
Na decisão que tomei, pesou muito
o facto de terem retirado a classe Star.
Em 2016, ainda voltei à Laser, mas
é muito exigente fisicamente e, aos 43
anos, não foi fácil... Claro que vou sentir
falta daquela adrenalina... Achei que era
AOS 16 ANOS, O LEME o momento de pensar noutros desafios.
Como gostava de ser recordado?
DO BARCO PARTIU-SE. Com o passar do tempo, as pessoas
acabam por nos esquecer. No entanto,
CONSEGUI ARRANJAR julgo que é importante sermos um
A PEÇA E, QUANDO JÁ exemplo para as próximas gerações.
Sempre tive quem me ajudasse e, por
ESTAVA A ESCURECER, isso, gosto de apoiar os novos atletas, de
lhes mostrar que, se tivermos um sonho,
REGRESSEI PARA A PRAIA. é preciso trabalhar e, então, teremos
sempre uma oportunidade. Isto também
SALVEI-ME POR POUCO é uma lição para a vida. slopes@visao.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 85

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Spike Lee
CINEMA

VAGA R

“Um radical é um

‘ACORDEM’’
homem com os
pés firmemente
plantados no ar”
Franklin Delano
Roosevelt
32º Presidente dos EUA
(1882-1945)

O NOVO FILME DO REALIZADOR,


‘‘BLACKKKLANSMAN: O INFILTRADO’’,
É PROVOCATÓRIO E VAI MUDAR
A FORMA COMO SE VÊ
O RACISMO
REMBERT BROWNE/TIME

86 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
16 AGOSTO 2018 VISÃO 87

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
É
CINEMA

É um dia perfeito em Martha's Vineyard.


Famílias caminham pelos passadiços
lotados da marina, enquanto homens
brancos em calções caqui atracam os
seus barcos e abrem cervejas. No meio
disto tudo está Spike Lee, sentado num
banco de madeira, a dar uma palestra
de sábado à tarde. “O Agente Laranja
está na presidência”, diz. “Se isto não os
motiva para levantarem o rabo e irem
recensear-se, não sei o que os motivará.”
Depressa se percebe porque Lee es-
colheu este local. Ele quer falar do Pre-
sidente Trump e de Barack Obama, bem
como de Colin Kaepernick [o jogador de
futebol norte-americano que causou po-
lémica ao protestar, ao não cantar o hino
nacional, antes de cada jogo da NFL] e
do Ku Klux Klan. Mas porquê fazê-lo
em privado quando o pode fazer aqui
fora, bem alto, para toda a gente ouvir?
Lee está na ilha para filmar cenas da
segunda temporada da série Ela Quer
Tudo (She’s Gotta Have It), transmitida
na Netflix e baseada no filme de 1986,
com o mesmo nome, que lançou a sua
carreira. Porém, o realizador também é
um habitué da zona, tendo construído
uma casa em Oak Bluffs, enquanto ro-
dava Malcolm X (1992). Embora a região
da Vineyard tenha raízes profundas na BlacKkKlansman: O Infiltrado é a após a Batalha de Atlanta, apresentada
América negra, com famílias de afro- obra mais acessível e mais bem recebida no clássico de 1939, E Tudo o Vento
-americanos a trabalharem em todos de Lee em mais de uma década. E é uma Levou. Scarlett atravessa filas de feridos
os estabelecimentos comerciais onde oportunidade para uma das vozes mais e de mortos, ao som de Swanee River.
entro, o realizador ainda se destaca – e singulares da sociedade se manifestar, A câmara recua, então, para mostrar uma
não é só por ser uma cara conhecida. Ele num momento em que as políticas nor- bandeira esfarrapada dos Estados Confe-
anda com uma mochila Mars Blackmon te-americanas sobre a raça e a identida- derados da América, ondulando orgulho-
(a icónica personagem do filme Ela Quer de estão mais fraturadas do que nunca. samente ao vento. Lee viu E Tudo o Vento
Tudo) e com um boné que diz “BLACKA”, A estreia coincidiu com o aniversário da Levou quando era estudante, em Nova
com os “a” da palavra substituídos por manifestação dos supremacistas bran- Iorque. “No fim, não se discutiu o con-
capuzes triangulares do Ku Klux Klan. cos, em Charlottesville, nos EUA, e do texto histórico nem se falou das atrizes
contraprotesto que resultou na morte de Hattie McDaniel ou Butterfly McQueen
RELER HISTÓRIAS Heather Heyer, uma ativista de 32 anos, naqueles papéis estereotipados. Apenas
Spike Lee é um anúncio subversivo quando um neonazi arremessou delibe- dissemos: “Não foi ótimo?” E pronto.”
de si próprio e de BlacKkKlansman: radamente o carro que conduzia contra Esta leitura seletiva da História nor-
O Infiltrado. O filme estreou-se em os manifestantes. As filmagens reais de te-americana fervilhou-lhe na mente
maio, no Festival de Cannes, tendo ar- Charlottesville surgem, aqui, como um durante anos. Quanto mais envelhecia
recadado o Grande Prémio, o segundo epílogo, um soco no estômago necessá- mais o realizador sentia a necessidade
mais importante troféu do certame [es- rio, tanto para os que interiorizam o fil- de conhecer e de dar a conhecer a ver-
treia-se em Portugal a 6 de setembro]. me, enquanto uma nova lembrança negra dade. Spike lembra-se de, quando era
Baseado numa história verdadeira do da História, como para aqueles que, por estudante de Cinema na Universidade de
início dos anos 1970, a de Ron Stallwor- engano, passam duas horas a pensar que Nova Iorque, terem mostrado O Nasci-
th, o primeiro agente afro-americano a estão a ver um filme cómico sobre uma mento de uma Nação (1915). “Falavam de
trabalhar no departamento da Polícia dupla de polícias. A atualidade de Bla- D. W. Griffith e da sua obra, mas as im-
de Colorado Springs, esta película cen- cKkKlansman: O Infiltrado e o aplauso plicações sociais e políticas desta nunca
tra-se na relação de Stallworth (papel que este suscitou fazem com que muitos foram discutidas”, conta. Neste período,
interpretado por John David Washin- digam que Spike Lee está de regresso. o KKK estava relativamente inativo. “O
gton) com um polícia veterano judeu Mas alguma vez ele se foi embora? filme conduziu ao renascimento do KKK”,
(Adam Driver), e na estratégia, arriscada O filme começa abruptamente, com a afirma Lee. “Portanto, fora diretamente
e original, que ambos encontram para se cena de Scarlett O'Hara (interpretada por responsável pelo linchamento e pela mor-
infiltrarem no Ku Klux Klan. Vivien Leigh) na estação de comboios, te de negros. Nunca se falou em tal coisa.”

88 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
E do clã caiu uma estrela
BlacKkKlansman chegou a
Spike Lee através de Jordan
Peele, o realizador estreante
de Foge! (Get Out), que é
também um comentário
sofisticado sobre o racismo
na América, vencedor do
Oscar de Melhor Argumento
Original. Quando Lee aceitou
fazer o filme, telefonou a
John David Washington
(filho do amigo, e ator em
vários projetos seus, Denzel
Washington). Recomendou-lhe
a leitura do livro de Stallworth,
Black Klansman, e disse-lhe:
“Conheço-te desde antes
de nasceres.” “Não lhe fiz
nenhuma audição ou leitura
de texto. Ainda não lhe tinha
enviado o guião e já sabia
que o mano conseguia fazer
o papel”, conta Lee. O ator
assumiu o importante papel,
apoiado por Adam Driver,
mais conhecido pela sua
participação na saga
Star Wars, na qual interpreta
o vilão Kylo Ren

Sabemos de tudo isto em Bla- adorei provocar o meu tio negro a falar O sargento responde-lhe: “Para um ho-
cKkKlansman: O Infiltrado. Spike Lee sobre política, racismo e sobre os seus mem negro, és muito ingénuo.”
quer que despertemos, que comecemos a problemas com Obama, numa sala cheia Esta é a forma de Spike Lee questio-
ser honestos ao falarmos dos EUA – e pe- de parentes para quem o 44º Presidente nar quando é que os afro-americanos, os
de-nos que conheçamos a nossa História. dos Estados Unidos da América nunca liberais e os norte-americanos, em geral,
errava. Lee oscila entre falar connosco vão parar de sucumbir ao que chama
SERVIÇO DE DESPERTAR ou para nós. É como se cada momen- okey-dokey, o “tudo bem”. Isto é, aos
Conversar com Spike Lee é prazeroso to fosse uma última oportunidade de truques – que ele chama trapaças, ma-
se se souber aguentar, lutar e calar. Ele passar a sua mensagem. Porém, quando nobras, subterfúgios e burlas – que os
é impetuoso, tem mau feitio e é inte- termina uma frase convictamente, sorri norte-americanos brancos héteros usam
lectualmente intimidatório? Sim. Tem e acrescenta: “E há outra coisa...” magistralmente para manter o controlo.
ar de quem não admite estar a perder Lee já usou o refrão “Acordem” em Lee estudou a História, compreende
tempo? Com certeza. Mas eu gosto dessa muitos dos seus filmes. É a primeira onde se escondem estes truques e as for-
atitude, pela mesma razão que sempre palavra ouvida em Não Dês Bronca mas que estes podem assumir no futuro.
(Do The Right Thing, 1989) e a última Ele está obcecado com o okey-dokey.
deixa em School Daze (1988). E esta E isso explica muito do que Spike Lee é.
também se ouve no novo filme. Para al- Há décadas que o realizador é ca-
“O ‘AGENTE LARANJA’ guns, a repetição pode ser excessiva. Em
BlacKkKlansman: O Infiltrado, o ci-
raterizado como um indignado, uma
expressão codificada que significa isto:
[TRUMP] ESTÁ NA neasta não permite que o espectador
falhe os paralelismos existentes entre o
“Porque é que tu, homem rico, continuas
tão zangado?” É uma armadilha comum:
PRESIDÊNCIA. SE ISTO racismo nos anos 1970 e o atual; entre a sociedade mainstream pode fazer com
as forças policiais da época e as de hoje; que os negros bem-sucedidos se riam
NÃO OS MOTIVA PARA entre o Klu Klux Klan e a chamada alt mais e se queixem menos. E muitos
LEVANTAREM O RABO E right, a direita radical; e entre o gran-
de feiticeiro do KKK, David Duke, e o
negros de sucesso, observados por Lee,
esquecem-se de quem são e dos que vi-
IREM RECENSEAR-SE, NÃO atual Presidente dos Estados Unidos
da América, Donald Trump. A certa
veram antes deles. “As pessoas alienam-
-se e pensam que deixam de ser negras,
SEI O QUE OS MOTIVARÁ”, altura, Stallworth diz ao seu sargento
branco: “Os EUA nunca elegeriam para
porque são aceites, é o okey-dokey a
funcionar”, defende Lee. Acrescenta:
DIZ SPIKE LEE Presidente alguém como David Duke.” “Eles veem-te à mesma como um preto.”

16 AGOSTO 2018 VISÃO 89

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CINEMA

Spike Lee sabe-o por causa do que a


História lhe ensinou. Viu como os Esta-
dos Unidos da América diluíram o legado
de grandes afro-americanos, tudo para
seguir em frente e camuflar as feridas.
“E há outra coisa”, diz Lee, apontan-
do para mim: “Nos seus últimos anos,
Muhammad Ali tornou-se um herói
nacional, um herói global.” No entanto,
antes disso, sublinha o realizador, Ali
foi vilipendiado por se opor à Guerra
do Vietname. Nos últimos dias de vida
do pugilista, a maioria dos norte-ame-
ricanos fingiu que tal nunca acontecera.
Quando Lee fala do que aconteceu
a Ali, a Martin Luther King e a outros
rebeldes, sabemos que ele está a lu-
tar contra a ansiedade do que os EUA
poderão, afinal, fazer-lhe, a ele. Essa é
uma das razões pelas quais o realizador
é tão eloquente e ousado, nunca tirando
o pé do acelerador: os norte-america-
nos ainda não mereceram o direito de
se sentirem confortáveis à sua volta.
O que o romancista e ativista James Bal-
dwin (1924-1987) disse, em 1968, podia
aplicar-se a Spike Lee, em 2018: “Não
nos cabe arrefecer a questão.”

CLIMA PERIGOSO
Spike Lee está sempre a delimitar as fron-
teiras, porque não pretende ser “higieni-
zado”. E o simples facto de existir como
negro num espaço de brancos exige lidar
com as alegadas vantagens de ser visto Infiltrado. Há uma frase no filme, re- porque espelha o sentimento atual de
como “confiável”. Uma mentalidade que, petida quatro vezes pelo propagan- muitas pessoas, até mesmo das que não
hoje, se infiltrou na sociedade, da arte à dista (Alec Baldwin), determinado em são assumidamente racistas. É essa frase
política e ao desporto. “Há esta ideia de espalhar o medo face aos negros e aos que me faz pensar, enquanto observo
que os atletas deviam apenas correr para judeus, o que resume o passado e o Lee a vociferar contra Trump (a quem
cima e para baixo, no estádio, jogar à bola e presente: “Tínhamos um grande estilo continua a referir-se como o Agente
calar a boca”, afirma Lee. “Mas há um his- de vida.” Como tantas outras situa- Laranja). Uma reação ao facto de termos
torial que demonstra não ser esse o caso. ções neste filme, os paralelos entre os tido oito anos de um Presidente negro,
E os poderes instalados não gostam disso.” anos 1970 e a atualidade são flagrantes. audível por pessoas que tentam apenas
Este sentimento é exacerbado por um A deixa do propagandista tem impacto, gozar as férias.
Presidente que passou das mensagens “Isto leva-me a outro ponto. Vamos
codificadas para um discurso assumido, parar de contar mentiras e de ensi-
o qual inclui ataques públicos a proe- nar tretas aos jovens. A fundação dos
minentes negros norte-americanos. Os
recentes tweets de Trump sobre a inte- LEE FAZ FILMES PARA Estados Unidos da América foi feita
com o genocídio dos nativos e com a
ligência inferior de LeBron James são
um bom exemplo disso. “Ele tem um
REABRIR FERIDAS QUE escravatura!” Agora, Lee fala mais alto
do que nunca. Ri-se a cada vez que diz
problema com os atletas norte-ameri- A AMÉRICA BRANCA algo óbvio. “Isso é a fundação, a fibra do
canos. Não gosta que os manos façam país”, declara, de pé no passeio, com três
tanto dinheiro”, afirma Lee. Porém, a GOSTARIA DE FINGIR QUE homens a observarem-no dos seus bar-
situação é mais profunda, acredita. “Esta
coisa é toda planeada. Ele tentou mesmo ESTAVAM SARADAS. É UM cos. “Não houve ninguém mais patriota
do que os negros que nem deviam tê-lo
provocar uma m*rda entre o Michael
[Jordan] e o LeBron. É a velha estratégia
PROVOCADOR QUE SABE sido.” Um homem salta do seu barco e
interrompe a nossa conversa: “Então,
de dividir para reinar.”
A fealdade do clima vigente está es-
BEM QUAL É O SEU PAPEL: acha que os Yankees estão feitos?”
É a quarta pessoa a interromper Lee
cancarada em BlacKkKlansman: O DIZER COISAS INCÓMODAS durante a nossa hora de conversa. Uma

90 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Frases incendiárias
Spike Lee sempre manifestou
opiniões veementes sobre o racismo
e a sociedade norte-americana. delas foi uma mulher branca que lhe
Eis alguns exemplos: apertou a mão e lhe disse: “Não vou
lavar mais a minha mão.” Ele ripos-
Eu não sou o Martin Malcolm X ajudou tou, desconfortável: “Não diga isso.” Ao
Luther King. Não preciso Martin Luther King que ela replicou, sem jeito: “Vou lavar,
sim. Boa-noite.” Era meio-dia e meia.
de ter um sonho. a tornar-se mais Os outros dois também queriam falar de
Eu tenho um plano. aceitável para a desporto. As pessoas adoram falar sobre
este assunto com Lee, um fã declarado
Frase incluída no
BOOK OF AFRICAN-AMERICAN América branca. das equipas de basebol e de basquetebol
QUOTATIONS
Os brancos podiam nova-iorquinas.

A escravatura escolher lidar ou com FINTAR OS PODERES

americana não foi um Malcolm ou com o É nestes momentos que a barreira cons-
truída contra o okey-dokey baixa o
western spaghetti do Dr. King. Como nessa suficiente para o Spike Lee ser cordial.

Sergio Leone. Foi um altura os muçulmanos Ele alimenta diariamente uma conversa
acerca dos Knicks e dos Yankees com um
Holocausto. Os meus diziam que os brancos estranho. No entanto, é nestas alturas

antepassados foram eram cães ou demónios, que ele levanta ainda mais a guarda,
porque é a falar de futebol norte-ame-
escravos. Roubados é claro que eles ricano que os outros se sentem mais à

a África. Eu honrarei acharam o Dr. King vontade para meterem na conversa o seu
trabalho. É um lembrete de que grande
a sua memória. mais aceitável do que parte da América branca ainda tem medo
TWEET em 2012, protestando achariam se o Malcolm do trabalho de Spike Lee, mas que adora
falar de certos assuntos na segurança do
contra o filme Django Libertado,
de Quentin Tarantino não tivesse estado camarote. Agarrar-se ao futebol é uma
presente forma simples de correr para a meta da
Eu faço olhares Entrevista ao THE NEW YORK TIMES,
igualdade, sem ter de abordar a História.
“Para usar uma terminologia do fu-
reprovadores aos casais em 1989, aquando da estreia do filme
Do The Right Thing tebol, é o clássico chutar para canto.
inter-raciais. Como (Não Dês Bronca) São mestres nisso”, diz Lee. Refere-se
a toda a gente, desde o branco que fala
punhais. Eles ficam Se tens uma família sobre desporto aos membros do Partido
desconfortáveis quando talentosa, e não
Republicano ou a outro grupo de bran-
cos poderosos qualquer. “É algo bem
me veem na rua a aproveitas, devias ser organizado, bem disfarçado. Portanto,
nós, o povo norte-americano, temos
Revista norte-americana
ESQUIRE, em 2013 alvejado a tiro realmente de parar com o okey-dokey.
Revista FILM COMMENT, em 1986 Temos de ser espertos e não embarcar
Não acredito que nestas diversões.”
o racismo possa ser O sexo e o racismo Quando vi o filme Bamboozled, em
2001 [sátira cinematográfica de Spike,
eliminado durante sempre andaram de em que um executivo negro cria um pro-
o tempo de duração mãos dadas. Vejam-se grama de televisão com piadas racistas,
que inesperadamente se torna um su-
da minha vida... ou da os milhares de homens cesso], eu era um caloiro no liceu e lidava
dos meus filhos ou negros que foram com brancos há apenas quatro anos.
A minha mãe era uma estratega a criar
netos. Mas acredito linchados e castrados. um miúdo negro, mas viu como eu era
que é algo pelo qual A razão por que o aceite na minha escola privada, maiori-
tariamente branca mas progressista, em
temos de lutar. Eu vou Klan apareceu foi para Atlanta, e sentia-se aterrorizada com o
continuar a trabalhar proteger as mulheres efeito que isso poderia ter na construção
da minha identidade e no apagamento da
para que esse dia do sul da América. minha negritude. A força magnética da
Frase incluída no assimilação fortalecia-se. A minha mãe
chegue Book of African-American
Quotations precisava de ajuda. Entra em cena Spike
Entrevista à CINEASTE, em 1991 Lee. Ao ver aquele filme, num serão de
domingo, vivi emoções novas – más

16 AGOSTO 2018 VISÃO 91

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CINEMA
CINCO DATAS DECISIVAS
A vida e a carreira de Spike Lee
em versão condensada

emoções. Na segunda-feira, fui zangado 1957 Shelton Jackson “Spike” Lee Spike Lee gosta que Obama também
para a escola. E embora não tenha ficado nasce em Atlanta, filho de uma tenha estado no barco. A Vineyard pode
assim durante muito tempo, sabia de- professora de arte e literatura ser a sua segunda casa, mas esta ocasião
mais para voltar a sorrir e a acenar e a afro-americanas e de um músico é especial. Lee veste o seu blusão da Nike
agir como se tudo corresse bem. de jazz. Aos três anos, a família e enfia o capuz na cabeça, e adverte-me
“Isso deve ter mexido contigo, hã?”, muda-se para Brooklyn, cenário para fazer o mesmo. Abdelnour acelera
diz Lee, rindo-se. Bamboozled é im- de quase toda a sua filmografia. e Lee deixa escapar um grito de mon-
portante, tal como o é BlacKkKlans- tanha-russa, esticando a mão para um
man: O Infiltrado, porque Spike Lee 1980 Realiza o seu primeiro filme: “dá-me cinco”. Dez minutos depois,
faz filmes para reabrir feridas que a The Answer [A Resposta], sobre abrandamos, e Lee começa a fazer per-
América branca gostaria de fingir que um jovem cineasta contratado por guntas a Abdelnour sobre as casas e
estavam saradas. É um provocador Hollywood para criar um remake de sobre quem mora lá: Diane Sawyer? Ted
que sabe bem qual é o seu papel: dizer O Nascimento de uma Nação, de D.W. Danson? Carly Simon?
coisas incómodas acerca da História e Griffith. Na cena final, o protagonista Na manhã em que Heather Heyer
do presente do racismo nos EUA. Na enfrenta o Ku Klux Klan de faca na foi morta, ele estava na ilha; Obama
época, Bamboozled não foi aclamado, mão. Académicos da faculdade, também. O antigo Presidente joga golfe
chocados, tentaram “dispensar”
porque ninguém estava preparado para num campo ao lado da casa de Lee. “Não
Spike da faculdade. Sem sucesso.
enfrentar estas questões. Quase duas tenho o telefone dele. Não me telefo-
décadas mais tarde, com BlacKkKlans- na. Não chegámos a esse ponto”, diz.
man: O Infiltrado, o público aprende a 2000 Defende que muita comédia Como muitos norte-americanos, Spike
abrir os olhos, ao mesmo tempo que o e música afro-americana, incluindo Lee tinha passado a manhã colado ao
realizador afina o modo de passar a sua o gangsta rap, não passava de “show ecrã da televisão. Após ver as notícias
mensagem. Ainda assim, a declaração de racista”. O ator Jamie Foxx verbalizou da contramanifestação, Lee foi até ao
que Spike Lee está de volta é um elogio o que, então, muitos pensavam: “Está buraco 18, onde viu os seguranças de
a chegar ao ponto em que ninguém
envenenado. “Humm. Como é a frase Obama. Foi ter com ele e disse-lhe: “Sr.
quer saber, porque ele fala tanto
famosa do irmão Mark Twain?”, diz Lee, Presidente, já sabe o que aconteceu em
[do racismo] que se transformou no
com uma careta maquiavélica. “Vai ao tipo zangado, no angry black man.”
Charlottesville?” Ele não sabia, foi Lee
Google.” Descubro o que ele procura: que lhe contou. “Pude ver o choque na
“As notícias da minha morte são ma- cara dele...” Quando o cineasta olhou
nifestamente exageradas.” 2015 Recebe um Oscar honorário pela primeira vez para as imagens, soube
de carreira. No ano seguinte, o como seria o fim do seu filme. “Vi este
AMIGOS ESPECIAIS
realizador boicota a presença na horrendo ato de terrorismo caseiro,
cerimónia da Academia, no âmbito
Mesmo quando está a dizer piadas, vermelho, azul e branco”, afirma.
das polémicas sobre a discriminação
Spike Lee nunca fala do seu trabalho Em Charlottesville, os norte-ame-
racial dos Oscars: “Como é possível,
com leviandade. “Faço isto há 30 anos. pelo segundo ano consecutivo, que
ricanos foram obrigados a enfrentar a
É muito importante que as pessoas per- os 20 candidatos na categoria Atores realidade de que vivemos num país em
cebam que Kevin Willmott e eu [autores sejam todos brancos?”, escreveu na que os supremacistas brancos podem
do argumento] somos realizadores, mas sua conta de Instagram. desfilar às claras, sem condenação por
também professores de cinema vete- parte da Casa Branca. Permitimos a cha-
ranos. Não andamos a brincar. Isto é cina de miúdos negros, desarmados, e
2018 BlacKkKlansman: O Infiltrado
a nossa vida. É a missão da nossa vida. a prisão em massa de afro-americanos.
vence o Grand Prix do Festival
Levamos esta m*rda muito a sério.” Um Presidente negro que teve de ser
de Cannes. E a Netflix pede uma
Deixamos a caixa de sabão onde es- segunda temporada da série She’s
publicamente perfeito durante oito anos,
távamos sentados e encaminhamo-nos Gotta Have It – ideia lançada pela foi sucedido por um Presidente branco
para a marisqueira Nancy’s. Sigo Lee mulher, a produtora Tonya Lewis Lee, que é sistematicamente desonesto. Mui-
até ao balcão. “O Doug está?”, pergunta numa altura de crise criativa vivida tos norte-americanos estão descansados
ele. O empregado vai à procura do tal pelo realizador. à sombra do progresso que a presidência
Doug, Lee escreve mensagens no tele- de Obama significou e do símbolo que
móvel, e as pessoas sacam dos telefones ele representou. E, no entanto, todos os
para o fotografar. Dois minutos depois, ganhos podem facilmente perder-se, em
um tipo branco, com barba e boné de particular numa sociedade que cerra
camionista, vem na nossa direção. Lee fileiras contra quem ameaça a ordem
e ele abraçam-se. O realizador mudou dominante. Lee anda há mais de 30
de humor, está entusiasmado. Afinal, anos a tentar dizer-nos isto. Ele espera
Doug Abdelnour é o dono do restau- que estejamos, finalmente, prontos para
rante e do barco ancorado na marina ouvi-lo. visao@visao.pt
ao lado. Vamos dar uma volta. “Põe o
pé a meio do degrau”, avisa Abdelnour,
quando Lee entra na embarcação. “Disse
© 2018, TIME Inc. Todos os direitos reservados.
o mesmo ao Barack; ele não me ligou”, Traduzido da TIME Magazine
conta Abdelnour. e publicado com autorização da TIME Inc.

92 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
PESSOAS

Dulce vs. Eliete


A reedição de Campo de Sangue,
o romance com que Dulce Maria
Cardoso se deu a conhecer aos leitores,
em 2009, foi agora lançada. É um bom
pretexto para rever uma história que
anunciou a sua singularidade logo aos
primeiros capítulos (quatro mulheres,
que têm em comum um crime e laços
afetivos misteriosos e pendentes),
a que se seguiria a publicação
de Os Meus Sentimentos (2005)
e O Chão dos Pardais (2009), volumes
que confirmariam a emergência de um
imaginário próprio da autora nascida
em Trás-os-Montes. O reconhecimento
e a conquista definitiva dos leitores
e da crítica aconteceriam com a mão
segura, exploradora de traumas
enterrados, através da voz de um
adolescente, evidenciada no romance
O Retorno (2011). E não há como um
velho amor para despertar a vontade
de reencontro. Mas sempre que
se falava com a autora, ela dizia-se
ocupada: “O novo romance...”
E, finalmente, depois de sete anos
de longa espera, há boas novidades
no horizonte: Eliete, o novo romance
de Dulce Maria Cardoso, cujos tema
e história ainda não são conhecidos,

Robert Mapplethorpe está previsto chegar às livrarias


na última semana de setembro.
É a primeira andorinha do Outono.

O PROVOCADOR DE CORPOS S.S.C.

Foi um dos fotógrafos que mais marcou e a mostra apresentada nos Encontros
a estética do século XX, e poucos o terão da Imagem de Braga, em 1993.
vivido com a sua entrega. O norte- As imagens de fortíssimo impacto
-americano Robert Mapplethorpe (1946- refletem obsessões, sexualidade
-1989) fotografava matérias sensíveis, que e questões de género, transgressões
tanto incluíam a nudez frontal, clássica e afetos de uma época em que
e esculpida dos corpos masculinos, como a party se fazia sem receio da ressaca.
as representações hiper-realistas O seu trabalho evidencia, por exemplo, a
de flores, por ele transformadas relação com a comunidade homossexual
em matéria gráfica e misteriosa. norte-americana, assim como os efeitos
A primeira retrospetiva dedicada ao seu da sida, a mesma doença que o vitimou.
trabalho em Portugal vai ser mostrada E há, ainda, a dimensão biográfica.
no Museu de Serralves, a partir Os autorretratos de Mapplethorpe são
de 20 de setembro, comissariada por abundantes. O artista transformou-se
João Ribas, atual diretor da instituição. a si próprio num campo fantasmático de
A exposição inédita, pois é organizada experimentação, encenação e exorcismo
de raiz, apresenta cerca de 170 identitário. Rebelde ou travestido
fotografias, incluindo retratos feitos e maquilhado, vê-se ao espelho.
em estúdio, naturezas-mortas, polaroides, Os cúmplices também foram retratados:
assemblages, objetos, e dois filmes. por exemplo, Patti Smith, jovem, na capa
Um acontecimento, dado que apenas do seu primeiro álbum, Horses (1975).
houve duas exposições anteriores de Aliás, a cantora escreveria sobre o fou
Mapplethorpe em Portugal: Black Flowers amour que ambos viveram no livro de
(1985), na Galeria Luís Serpa, memórias Apenas Miúdos (2011). S.S.C.

16 AGOSTO 2018 VISÃO 93

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
TENDÊNCIAS

Gigante
O La Bomba,
da Jacquemus,
custa 500 euros
e está esgotado
em todo o mundo

Está tudo na cabeça


Os chapéus estão de volta para fazer o que fazem melhor:
causar impacto. Enormes, de palha ou a remeter para décadas
passadas, eis as tendências de verão, na praia
ou na cidade
ROSÁRIO MELLO E CASTRO

94 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O
chapéu pana- de 2015, mas reflete na perfeição
má, de palha, a moda de hoje, que tanto se re-
arredondado e cria para a era das redes sociais
com uma ligeira como para incentivar quem a
curva, só se tor- 1 2 veste a dizer o que pensa.
nou realmente
popular quan- 3 4 PALHA DE LUXO
do Theodore Não será coincidência, cla-
Roosevelt usou ro, que o homem por detrás
um elegan- do chapéu mais procurado da
te exemplar de estação, Simon Porte Jacque-
fita preta, numa mus, apresentado na Semana
visita ao canal da Moda de Paris, no final do
do Panamá em ano passado, deva parte do seu
1906. Num fato em tons cla- sucesso ao Instagram. É difícil
ros, a fotografia do Presidente fazer percorrer o feed e não
dos Estados Unidos da Améri- passar pelo La Bomba, modelo
ca chegou às primeiras páginas inspirado numas férias no Sul
dos jornais da altura e deu um de França e companheiro de
empurrão àquela que se tornaria verão de modelos e bloggers de
uma das mais lucrativas expor- moda. De palha e tão largo que
tações do Equador. precisa de vários metros qua-
Raramente podemos desvalorizar o
poder de um chapéu: Winston Chur- CLÁSSICOS REINVENTADOS drados de praia só para si, é o símbolo
do sucesso da marca francesa.
chill não saía de casa sem percorrer a Neste verão e nas próximas estações, Com apenas 28 anos, Simon Porte
sua muito respeitável coleção; Ronald os chapéus atravessam décadas cresceu na era da internet e do vídeo,
Reagan foi capa da Time, em 2004, com e estilos completamente diferentes, mas sempre teve uma ligação ao campo,
o seu emblemático chapéu de cowboy; mas todos se vestem com atitude infiltrando-se na conservadora moda
e a propaganda revolucionária dos anos francesa sem formação em design nem
60 não teria o mesmo poder sem a ima- 1 Bucket hat Este modelo da Versace, conhecimento do sistema. É isso que lhe
gem de Che Guevara usando a sua boina para o verão de 2019, lembra dá charme, como notou Loïc Prigent, o
com uma estrela vermelha. A mesma que os anos 90 e bandas como os Oasis sempre crítico jornalista e realizador
artistas e intelectuais foram reinventan- de documentários de moda, numa en-
do, e que a moda de 2018, de Chanel a 2 Viseiras dos anos 80 A Christian trevista à Vogue norte-americana, em
Christian Dior, voltou a repensar, agora Dior apresentou novos chapéus, como que elogiou a honestidade do criador,
mais feminista e com materiais mais as boinas e este modelo amarelo qualidade rara num meio sobrelotado e
sofisticados. 3 Bonés Nada melhor do que juntar mais virado para o parecer do que para
As tendências deste verão (e algumas o glamour da Versace a um símbolo o ser: “A sua energia é tão interessante,
do próximo outono) podem não ser do streetwear tão real e genuína – as peças de roupa
todas políticas, mas não deixam de se que desenha são sexy de uma forma que
afirmar. Temos os bonés, que recupe- 4 Transparentes A Chanel apresentou nenhuma marca avant-garde consegue
ram referências da moda que vem das várias peças transparentes para este ser, sem nunca serem vulgares nem exa-
ruas; as viseiras dos anos 80, década em verão, incluindo botas pelo joelho geradas”, resume.
que usar um chapéu era tão importante É a moda a dizer-nos que o regresso
como uma boa permanente; e os mode- às coisas simples também se faz nas
los bucket, a lembrar a britpop dos anos passerelles, mensagem que está a ter
90. Nada melhor do que olhar para o
Reino Unido para se perceber até onde
“OS CHAPÉUS ERAM impacto em quem compra. Tal como
aconteceu com os cestos, que voltaram
chega a influência de um bom chapéu, USADOS POR RAZÕES às tendências nas últimas estações,
tão essencial nas corridas de Ascot como a lembrar Jane Birkin nos anos 70, e
nos corredores do Palácio de Bucking- CONFORMISTAS E, AGORA, também ao design de interiores – mais
ham. “Os chapéus começaram por ser
usados por razões conformistas e, agora, SÃO-NO POR PESSOAS uma prova de como se podem trans-
formar objetos funcionais em peças de
são-no pelas razões opostas, por pessoas
que querem ocupar o seu próprio espa-
QUE QUEREM OCUPAR luxo. Sem surpresas, o La Bomba está
esgotado há várias semanas, apesar
ço”, resumiu Philip Treacy, que já criou
vários modelos para a rainha Isabel II,
O SEU PRÓPRIO ESPAÇO” de o preço ultrapassar os 500 euros.
Quem disse que a simplicidade é barata?
ao jornal The Independent. A entrevista é PHILIP TREACY, DESIGNER rcastro@trustinnews.pt

16 AGOSTO 2018 VISÃO 95

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
CRÓNICA

A
ntigamente, em plena silly season e à falta de tema
que alimentasse a atualidade, o agosto em Lisboa
era tema comum para os cronistas da nossa praça.
Gabavam o sossego, a abundância de lugares
para estacionar, a disponibilidade dos melhores
restaurantes, a ausência de filas nas caixas de
supermercado, o trânsito desafogado e até a falta
P O R C A P I C U A / Rapper de portagem na ponte. Era um paraíso de trinta e
um dias, um providencial tema para a crónica da semana, e uma forma
de sentir menos inveja de quem estava a banhos no Algarve, no meio das

Agosto
filas, sem espaço para estender a toalha e tentando sobreviver ao stresse
familiar. Lisboa é que era!
Pois chegados a 2018, esse clássico da crónica estival deixou de fazer

na cidade
sentido. Em Lisboa não há época baixa e o inferninho continua. Filas
no aeroporto e na ponte, onde se paga na mesma, em todas as artérias
principais, em todas as ruas da Baixa, e nas entradas dos seus parques de
estacionamento. Restaurantes cheios e um cínico “ai não tem reserva?”
cada vez que temos a ousadia de perguntar se por acaso há mesa para dois.
Ruas lotadas de turistas, como em Roma, Paris ou Barcelona. E um nível
de stresse equivalente ao de Albufeira, Armação de Pera ou Quarteira em
pleno pico da época balnear.
No Porto acontece o mesmo e já lá vai o tempo das lojas e cafés
fecharem uma semanita em agosto para descanso do pessoal. Temos
hordas de europeus famintos por francesinhas. Temos hordas de senhoras
de meia-idade sedentas por atoalhados. Temos hordas de apreciadores
desejosos por bebericar um cálice de vinho do Porto. Temos pessoas em
elétricos, autocarros panorâmicos de dois andares, barcos a imitar os
rabelos, mesas de bares movidas a pedais e em todo o tipo de veículo
turístico mais ou menos barulhento. Temos multidões nas filas para o
bolinho de bacalhau, para o sorvete artesanal e para o pastel de nata (que é
de Lisboa mas não importa, porque em Barcelona também se vê flamenco
e as pessoas gostam muito)!
Resumindo, acabou o sossego e já ninguém fica na cidade em agosto
com a alegria de um adolescente que se vê sozinho em casa. Sobretudo se,
como eu, tem de aturar o Airbnb do andar de baixo e tentar dormir com os
ecos das tainadas no logradouro, onde no outro dia houve até uma dança
erótica, de stripper contratada a meio da tarde, para toda a vizinhança ver.
Claro: velhotas indignadas, maridos desgostosos por não terem estado
em casa àquela hora, crianças mandadas para o quarto e queixas para a
proprietária do rés do chão. Lisboa em agosto é que é!
Ora, como é costume quando escrevo sobre os impactos do turismo
nas nossas vidas, já sei que receberei muitas mensagens, dizendo que pelo
menos agora a(s) Baixa(s) estão vivas, os edifícios arranjados e a(s) cidade(s)
valorizada(s). Vou receber emails dizendo que dantes ninguém ia ao centro,
MARCOS BORGA

que ninguém lá vivia, que ninguém queria saber e que toda a gente tinha
medo de lá passar. E vou ter de responder que não é verdade. Que a cidade
não se faz só dos restauros dos edifícios. Que vivi na Baixa de Lisboa até
2006 e na Baixa do Porto até 2011, e que além de nunca ter tido medo ou
qualquer episódio que o justificasse, nunca deixei de sair à rua, de sair à
Já sei que receberei noite, de fazer vida e de aproveitar a cidade. E que como eu havia mais gente,
muitas mensagens, destemida e resistente, que gostaria muito de poder continuar a fazê-lo.
Vou ter de dizer, novamente, que essa narrativa, sendo uma
dizendo que pelo generalização, é falsa e só é proferida pelos que, por desinteresse, não
menos agora a(s) passavam nem perto. E repetir que esse “despreendimento”, de quem
prefere perder o direito à cidade, sentindo que “pelo menos” está bonita
Baixa(s) estão vivas, e cheia de gente (que pode pagar), é como aquele romantismo bacoco de
os edifícios arranjados novela. Ao estilo já-que-não-podes-ser-minha-espero-que-sejas-feliz-
e a(s) cidade(s) -com-outro-melhor-do-que-eu, com direito a um franzir de sobrolho
à Tony Ramos canastrão, que chega a ser pior do que passar um agosto
valorizada(s) inteirinho na cidade.

96 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
COM O PÉ
NA AREIA
Os melhores bares
e restaurantes ao longo
da nossa costa – agora
que apetece petiscar,
almoçar ou jantar,
com vista para o mar

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Sabores à beira-mar
Nestes 14 bares e restaurantes ao longo
da nossa costa, as férias de verão duram
mais tempo e os dias de sol prolongam-se
à mesa ou no areal da praia
F L O R B E L A A L V E S E S A N D R A P I N T O visaose7e@visao.pt

VILA JOYA SEA


ALBUFEIRA
Debruçado sobre a praia
do Xiringuito, o Vila Joya
Sea não é só um dos bares
de praia mais bonitos
(e exclusivos, acrescente-se)
do Algarve. É também um
verdadeiro paraíso para os
amantes da boa cozinha.
Há, no entanto, que ir com
tempo (ou fazer reserva) para
ser um dos 25 felizardos a
ter direito a um lugar, seja no
balcão ou nas mesas. Agora,
que se está devidamente
acomodado, é para a ementa,
criada pelo chefe austríaco
Dieter Koschina (com duas
Estrelas Michelin) e assente
nos mariscos e carnes
grelhados, que se viram
todas as atenções. Para dar
início à refeição, há cocktails
de autor, ostras, salada de
quinoa e mini waygu burger,
ideais para dias quentes.
Além do peixe do dia e dos
carabineiros grelhados, as
sugestões incluem ainda
sushi, sashimi e tataki de
atum. O resto... é paisagem
e muita descontração.


Praia do Xiringuito, Albufeira
> T. 289 5912 795 > ter-dom
13h-21h

98 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
A meio caminho
entre a piscina
do Vila Joya
e a quase pri-
vada praia do
Xiringuito, fica
o Vila Joya Sea,
de ambiente
descontraído
e com uma
ementa criada
pelo chefe
Dieter Koschina

MARCOS BORGA
CAPRICCIOSA BEACH LOUNGE
CARCAVELOS
Há palmeiras, areia, mar à vista e uma
lista de cocktails para provar pela
tarde fora. Podíamos ter viajado para
um destino longínquo, mas estamos
na praia de Carcavelos, e aqui também
não se está nada mal. Foram estes os
motivos que levaram os amigos Filipe,
Gabriel, Amanda e Ana a preferirem o
beach lounge da pizzaria Capricciosa ao
areal, ali a dois passos. “Aqui em cima,
a vista para o mar é muito melhor”,
diz Filipe, porta-voz deste grupo de
brasileiros em férias por Lisboa. Na zona
mais descontraída da pizzaria, saltam
à vista as camas, dispostas em cima
de um “tapete” de areia, viradas para o
azul do mar, entre mesas e cadeiras de
esplanada.
Qualquer que seja o lugar escolhido
(e as intenções para o dia), peça-se o
cocktail Sunset, preparado com infusão
de lúcia-lima, polpa de manga, lima,
Aperol e Absolut Blue, em versão copo
(€6), XL (€9, 0,5 litros) e XXL (€50,
3 litros), ou o Beach Lounge, sem álcool,
com lima, morango, hortelã e ginger ale.
Para acompanhar com um rotolini (rolo
de pizza com mozarela, tomate, salame
picante e orégãos), uma pizza ou uma
salada, sempre com muito sol à mistura.


FILIPE FARINHA

Praia de Carcavelos, Av. Marginal, Cascais


> T. 21 457 9254 > dom-qui 12h-24h, sex-sáb,
véspera de feriados 12h-1h > camas: no restaurante
€20 (dia), na praia €12,50 (dia), €7,50 (meio dia)

16 AGOSTO 2018 VISÃO 99

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
D.R.
PEIXINHO SESIMBRA
É tempo de passar o testemunho no Bar do Peixe,
aquela paragem obrigatória quando se entra na
Praia do Moinho de Baixo, mais conhecida como
do Meco. No restaurante que olha de cima para o
areal, continua a seguir-se a mesma receita: peixe
fresco, magistralmente grelhado por Jorge, o dono,
marisco delicioso e cocktails que têm gerado fiéis
consumidores ao longo dos anos (deixe-se aqui um
suspiro pela morangoska e outro pelo mojito). Este
ano, quem está aos comandos é Marta, filha de
Leonor e Jorge, recém-chegada da Austrália, onde
estudou fotografia, e do seu namorado, André.
Na cozinha, ao lado da mítica Gertrudes, pequenina
em tamanho mas grande a despachar serviço, está
também a sua filha, que promete seguir-lhe os
passos, para que, em breve, a mãe possa descansar.
E como se este sangue novo não bastasse, para que
o Bar do Peixe respirasse um ar renovado, eis que,
mesmo no areal, junto às espreguiçadeiras, abriu
o Peixinho. Aqui só podem comer-se sanduíches e
saladas feitas pela Sofia, a filha mais velha do casal,
que é nutricionista. E beber coisas de lata. Porém sabe
muito bem estar debaixo destes guarda-sóis, num
registo mais informal. Para qualquer emergência,
como beber uma magnífica sangria branca, por
exemplo, pode sempre recorrer-se aos serviços
do bar de cima – e ninguém sairá defraudado. L.O.


Praia do Moinho de Baixo, Aldeia do Meco, Sesimbra
> T. 96 728 2117 > qua-seg 11h-24h

TROIA BEACH CLUB GRÂNDOLA


Há que levar o fato de banho e ir com tempo,
ao Troia Beach Club. Ali, em dias de calor, o dia
começa (obrigatoriamente) com um mergulho na
piscina, e nem faltam as bolas de Berlim. Depois, MOREIRÓ BEACH BAR & LOUNGE VILA DO CONDE
há que espreitar a lista de bebidas, enquanto se
aprecia a paisagem que rodeia este clube de praia, É preciso passar por ruas estreitas, atravessando campos de
que pertence ao Troia Resort: de um lado, vê-se o azul milho e terrenos agrícolas, para se chegar à Praia de Moreiró,
do mar, a cerca de 150 metros; do outro, o verde da bem próxima do histórico Castro de São Paio, em Labruge.
serra da Arrábida, mais ao longe. Já com um mojito No entanto, será o facto de a praia não estar ali à mão de
ou uma caipirinha na mão (€7), deixe-se ficar a ouvir a semear que a faz ser tão especial. O bar, renovado em junho
música do DJ, durante a semana, a partir das 18 horas por José Carlos Gonçalves, está agora pintado de branco, com
e, aos fins de semana, a partir das quatro da tarde. guarda-sóis e mesas da mesma cor, um ou outro apontamento
de verga, e sabe bem ficar ali a olhar as ondas, por vezes fortes,

do Atlântico. A música ambiente é calma – o proprietário sabe
Troia Resort, 192, Troia, Grândola > T. 265 100 700 que “esta é uma praia única e há que a respeitar”. Do balcão
> seg-dom 9h-20h > piscina : €25 (dia), €15 (meio dia) saem sugestões para todas as horas – tigelas de açaí, saladas

100 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AREAL BEACH BISTROT
BY CHAKALL LOURINHÃ
Este ano, o Areal Beach
Bistrot by Chakall, na Praia do
Areal Sul, na Lourinhã, está
mais completo e requintado.
“Antes, funcionava como um
simples bar de praia, mas
agora nós também temos
um restaurante, uma ementa
mais elaborada e música
ao vivo”, explicam os chefes
(e irmãos) Chakall e Silvina
Lopez. Cada um tem as suas
tarefas definidas, com o
comando entregue a Silvina.
A nova ementa – há ainda
uma mais simples, em que
se destacam as empanadas
– combina os sabores
das cozinhas argentina e
portuguesa, e trabalhamos,
essencialmente, com
produtos da região Oeste:
peixe da lota de Peniche,
batata-doce, abóbora, entre
outros legumes comprados
a pequenos produtores:
“Têm uma qualidade e sabor
LUCÍLIA MONTEIRO

completamente diferente”,
defende Chakall, que viveu
12 anos na Lourinhã. Prove-
-se, então, o Cao Cao de
Gambas, nas entradas, e o Ojo
de Bife Argentino, nas carnes.
As amêijoas Já o polvo Nipo Tuga, uma
à Bulhão Pato tempura de polvo com migas
de salmão fumado (€9,50), feijão-fradinho e atum ou tomate são um dos de tomate e coentros, é uma
e mozarela (€7), hambúrguer com bacon e queijo das ilhas petiscos mais sugestão fresca e estaladiça.
(€5,50) –, mas são os petiscos os mais pedidos, como amêijoas apreciados Para terminar, uma bola de
à Bulhão Pato (€14), caracóis, pimentos padrón ou mexilhões. no renovado Berlim recheada com creme
E que bem sabem a sangria, as ponchas (de morango ou de Moreiró Beach de pera rocha e aguardente da
tangerina) ou os sumos naturais, que podem levar-se para Bar & Lounge, Lourinhã, receita especial do
o areal. Aos domingos, a partir das cinco da tarde, há sempre na Praia chefe, inspirada neste lugar.
um sunset com música num volume aceitável, para não destoar de Moreiró,
do ambiente em redor. em Labruge

Praia do Areal Sul, Estr. do Areal,
70, Lourinhã > T. 261 414 182
 > seg-dom 8h30-22h
Praia de Moreiró, Labruge, Vila do Conde > seg-dom 9h-20h

16 AGOSTO 2018 VISÃO 101

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
SÓ VERÃO ARMAÇÃO DE PERA PÔR DO SOL GRÂNDOLA
É com o pé (quase) na areia que A praia do Carvalhal tem um dos
se está no novo Só Verão, na Praia finais de dia mais bonitos que já
dos Pescadores, em Armação de vimos – e nada melhor do que
Pera, entre os restaurantes Praia assistir ao Sol a desaparecer
Dourada e Arte Náutica (todos per- lentamente no horizonte, comendo
tencentes ao hotel Vila Vita Parc). com o mesmo empenho.
Decorado em tons pastel, que A simplicidade joga a favor deste
combinam com as madeiras cruas restaurante com esplanada,
e douradas, no Só Verão respira-se mesmo em cima da areia, que
descontração e informalidade, a atrai pelas especialidades que
que se junta uma carta com pratos esperamos de uma cozinha
de comida portuguesa, sublinhe- portuguesa perto do mar.
-se: sopa de peixe com coentros, Os peixes são frescos e bem
gaspacho com croutons de alho ou grelhados (para pedir com vegetais
salada de polvo, para entrada. gordos e batatas ou arroz de
Os grelhados de peixe e de carne tomate), e o camarão frito à casa
não podiam faltar e, na secção a continua a ser um dos pratos mais
que chamaram Básicos de Verão, pedidos. O mesmo acontece com
as escolhas passam pelos tradi- a sopa de tomate com peixe e a
cionais polvo à lagareiro e massinha de garoupa, ricas e de
bacalhau à Brás. Entre um mer- sabores apurados, as espetadas
gulho e outro, provem-se as cai- de vazia e camarão, e as carnes
pirinhas e os mojitos de morango, que se dão bem com o carvão,
JOSÉ CARLOS CARVALHO

manga ou maracujá. como a picanha e os secretos


de porco. R.M.C.

Praia dos Pescadores, Armação de 
Pera, Silves > T. 282 314 697 > seg-dom Praia do Carvalhal, Grândola
12h-22h (jun-out) > T. 265 497 225 > seg-sex 9h-24h

102 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Entre sumos naturais,
limonadas e cerveja, servida
em chávena gelada, o bar da
praia da Costa Nova, em Aveiro,
tem saladas, sanduíches e tostas

COSTA NOVA BEACH CLUB AVEIRO


Pintado de um branco imaculado e com camas de rede, o Costa
Nova Beach Club podia estar nas Caraíbas, mas fica no Litoral
de Aveiro, onde um grupo de amigos, entre os 40 e 50 anos,
decidiu recuperar as memórias das suas férias de infância,
passadas neste areal. Renovado no ano passado, assumiu o
nome da praia e da marca de louça em grés da região, a qual
nos chega à mesa, desde os pratos às chávenas. O branco é a
cor predominante, já se disse, com apontamentos em cinza nas
almofadas e nas espreguiçadeiras, de uso gratuito, ou no tapa-
-sol a pensar nas famílias com bebés. As batatas fritas – feitas
como antigamente, pela mesma senhora que as vendia na praia
– são viciantes (a partir €2,50) e, além das saladas (vegetariana,
camarão e de atum), servem-se também massas com tomate
e manjericão ou de frango (a partir €8), sanduíches e tostas,
a qualquer hora do dia. Para refrescar, há gelados, cocktails,
cerveja numa chávena gelada e, até, espumante. Para brindar
LUCÍLIA MONTEIRO

às memórias das férias de verão, pois então.


Praia da Costa Nova, Aveiro > seg-dom 10h-20h

MAGIC CACTUS SINES


Fábio, 31 anos, e Miguel, 27, são dois irmãos que acabam
de chegar de Inglaterra para transformar a Praia da
Vieirinha, entre São Torpes e Porto Covo, no spot mais
cool da região. Deixaram os bares de Londres entregues
a pessoas de confiança e aventuraram-se na zona do
coração, onde sempre fizeram mergulho nas férias em
família. Como este bar de praia, onde se come mesmo
com os pés na areia, está rodeado de catos e das suas
flores, o nome veio por arrasto, em inglês, que é para
todos perceberem. No entanto mesmo sem a ajuda da
língua universal, não haveria quem não captasse a boa
onda – as mesas e as cadeiras são às cores, há duas
redes para nos baloiçarmos à deriva, um barco antigo de
madeira, mesas feitas com troncos, toalhas que são panos
étnicos, espreguiçadeiras abrigadas do sol. Tudo isto,
com vista direta para o mar, sem interferências. Porém,
o Magic Cactus não é apenas um lugar para estar em
contemplação. Aqui também se trata, e bem, do estômago.
A ementa foi pensada (e executada, claro) pelo chefe
António Mateus. Das suas mãos saem robalos grelhados
(€12,50), polvo à lagareiro (€15) e amêijoas (€12,50),
mas também coisas mais simples como pregos, bifanas e
tostas (€5,50). Expresso Martini é a bebida fetiche da casa,
dizem-nos quando já estamos de saída. Agora, teremos de
lá voltar para ver se vale realmente a pena. L.O.


Praia da Vieirinha, Sines > T. 269 869 007 > seg-dom 10h-24h

16 AGOSTO 2018 VISÃO 103

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
DAIKIRI LOUNGE BAR
VILA NOVA DE GAIA
No areal da praia da Madalena,
junto ao passadiço, fica o único
lugar onde encontrará coqueiros,
sempre bem cuidados por
Gabriel Alves e Tiago Martins,
os concessionários do bar. Para
os dias quentes sugerem-se os
cocktails Coronorita (€7) ou a
sangria Sparkling Blue (€18/
jarro), as recentes entradas
na carta. Acompanhe-se com
panquecas de aveia, servidas
com morangos e mapple syrup
(€4,50), pudim de tapioca com
açaí, além de saladas frescas,
wraps e smoothies. Nos fins
de tarde, em particular ao fim
de semana, a música ao ritmo
de DJ convidados eleva
a temperatura. S.S.O.


Praia da Madalena, Vila Nova de Gaia
> T. 91 842 4324 > dom-qui 10h-24h,
sex-sáb 10h-2h
D.R.

PRAIA DA LUZ PORTO PRINCESA ALMADA


O som do bater das ondas Entre mergulhos e banhos de sol na Praia da
embala quem desce pela Avenida Princesa, vale a pena fazer uma pausa para
do Brasil até à esplanada do experimentar o tártaro de salmão e o pica-pau
restaurante Praia da Luz, na Foz de atum com tomate cherry, cebola roxa e sumo
do Porto, uma das poucas que de lima, duas novidades da carta do restaurante
ali permanecem, seja verão ou Princesa, assinada por Miguel Simões de Almeida.
inverno. É uma espécie de dois- A par das clássicas amêijoas à Bulhão Pato, um
-em-um, este lugar onde tanto se dos petiscos favoritos do chefe formado na Suíça,
pode estar de biquíni e chinelos bem como dos diversos peixe grelhados e mariscos,
na esplanada, a beber um cocktail aposta-se em sugestões “mais alternativas e menos
ou a comer uma salada, como óbvias num restaurante deste género”, diz o chefe,
sentar-se numa das duas salas do enumerando ainda o arroz negro de choco fumado,
restaurante (a do andar de cima um prato criado para esta época balnear. Os finais de
tem uma vista desafogada para o tarde são preenchidos com DJ, cocktails frescos ou
mar), para um almoço ou jantar sumos detox, feitos com fruta natural e, sempre que
descontraído. Da cozinha de possível, biológica.
Renato Sá, com consultadoria do
chefe Luís Américo, tanto saem 
ostras ao natural (€12) como Praia da Princesa, Costa de Caparica, Almada > T. 21 154 1242
tártaros, ceviches, carpaccios e > seg-sex 11h-22h30, sáb-dom 11h-23h45
saladas – a portuguesa, com ovos
de codorniz e azeitonas, é uma
das novidades (€16).


Av. Brasil, Porto > T. 22 610 0853
> seg-dom 9h-02h

104 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
MARÉ AT PINE CLIFFS ALBUFEIRA
O clube de praia do Pine Cliffs Resort, na Praia do Barranco
das Belharucas, apresenta-se neste verão com novo nome.
O agora Maré at Pine Cliffs tem a supervisão de Stuart Sage,
chefe-executivo do hotel de cinco estrelas, que desenvolveu uma
ementa inspirada nos sabores do mar e nos produtos algarvios:
nas entradas, tártaro de atum amarelo com funcho, rúcula,
abacate e alcaparras (€18), salada de lulas grelhadas com
vegetais murchos e vinagrete de limão confitado (€12) ou ceviche
de cavala com salada algarvia (€12); nos pratos principais, peixe
fresco do dia no carvão, temperado com limão, azeite, ervas
e alcaparras crocantes (€32) ou carabineiros grelhados
(€48/3 unidades), para partilhar. A carne não fica de fora,
aconselhando-se o frango piripiri à la Maré (€18), com molho
tradicional (leve, médio e extra-picante). Para terminar, deixe-se
tentar pelo arroz-doce tradicional com gelado de canela (€10,50).
Seja para almoçar, petiscar ou jantar, a localização, no areal,
continua a ser a mais-valia deste restaurante e bar de praia, que
conta também com uma programação de festas, com destaque
para as sextas-feiras, dia de sunset White Friday.


Praia do Barranco das Belharucas, Pinhal do Concelho, Albufeira
> T. 289 500 100 > seg-dom 9h-23h, serviço à la carte 12h-21h30

Tudo no
restaurante
Princesa faz
lembrar o
verão, desde
os simples
petiscos, como
as gambas
com alho e os
chocos grelha-
dos, ao tártaro
de atum
D.R.

VISÃO 105

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Manifesto
O QUE ANDAMOS A GOSTAR (OU NEM POR ISSO) DE DESCOBRIR POR AÍ

F L O R B E L A A L V E S falves@visao.pt

> muitíssimo bom > bom


DO LIXO DO MAR GAZELA COM NOVA CASA
Um peixe feito com A Cervejaria Gazela abriu mais
uma sala na Rua de Entreparedes,
chinelos de plástico que nº 8, bem maior e mais próxima da
original, na Batalha, no Porto, onde,
foram parar a uma praia além dos famosos cachorrinhos,
também serve francesinha em pão
na África do Sul é uma bijou. Só encerra ao domingo
das nove instalações que
podem ver-se no átrio do
Oceanário, em Lisboa. > bonzinho
A exposição Keep The À BORLA PARA A PRAIA
Oceans Clean, da autoria Neste verão é mais fácil chegar
de João Parrinha e Xandi às 29 praias de Vila Nova de Gaia.
Há duas carrinhas pão de forma
Kreuzeder, do projeto descapotáveis para transportar
os veraneantes, entre a Afurada
Skeleton Sea – Arte do e S. Félix da Marinha, das 9h às 13h
e das 15h às 20h
Mar, quer alertar para o
problema do lixo marinho
> assim-assim
O MUNDO NA RUA
Sessenta fotografias premiadas
pela National Geographic estão
expostas na Rua Brito Capelo, em
Matosinhos, até ao final de outubro.
A mostra, intitulada Imagens
Icónicas, leva-nos a viajar da China
aos Estados Unidos da América
numa galeria ao ar livre

> para esquecer


CIVISMO PRECISA-SE!
O lixo continua a amontoar-se nos
contentores de várias ruas do Porto.
Ainda que se apregoe pelo melho-
ramento na sua recolha, continua a
faltar civismo que impeça a coloca-
ção de sacos de lixo sem regras

106 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
COMER E BEBE R

LUÍS FERRAZ
Midori Sintra
Parque de diversões
A nova carta de um dos mais antigos restaurantes japoneses do País é uma janela
para a imaginação do chefe Pedro Almeida

O Hassun é um Primeiro, as boas notícias: a nova carta seu elegante sotaque australiano, explica as suas
reflexo dos do restaurante Midori, no Penha Longa escolhas, todas portuguesas, como o branco
produtos da Resort, em Sintra, é uma aventura – Horácio Simões Grande Reserva 2016, uma edição
estação, feito liga-se Japão a Portugal, sem filtros, e limitada, ou o Filipa Pato 2017, outro “branco
de pequenas tempera-se com as memórias do chefe fresco, para combinar com peixe fresco”, resume.
amostras da Pedro Almeida. A má, que na verdade Antes de chegar a esta nova fase, o chefe
imaginação do também é boa, é que o Midori está mais pequeno, Pedro Almeida passou mais de um ano a fazer
chefe, como desde que, no ano passado, se decidiu apostar experiências com centenas de pratos, num
a cabeça de numa cozinha mais livre e arriscada, ideal para ser laboratório de ingredientes e de ideias que
camarão frita
servida num restaurante com menos mesas e evoluíram até aqui. No sushi, por exemplo, estão
com plâncton
enormes janelas viradas para o jardim (midori muitas das suas influências portuguesas, algumas
e aioli de yuzu,
e o suspiro de
significa verde). Nada mais apropriado, então, do delas de infância. Conta que em miúdo teve “a
cogumelos que chegar-se à sala por uma porta quase invisível sorte de aprender com três grandes cozinheiros,
shitake com e começar-se pelo Hassun, reflexo dos produtos a avó, a mãe e o pai, que era especialista em
pipis e miso da estação, feito de pequenas amostras da petiscos”, ri-se. Por isso, os nigiris, que também
imaginação do chefe: o falso tofu de couve-flor se comem à mão, esticam a corda com atum
com yuzu, uma surpresa; o crocante de nori com fumado e muxama, carapau braseado com azeite
toro de cebolada, que se derrete na boca; a cabeça de alho ou toro na brasa. Quando chega à mesa
de camarão frita com plâncton e aioli de yuzu, o Oshazuke, arroz cozido com cogumelos, ovo
como um dia de verão; e o suspiro de cogumelos e trufa, não há como escapar ao cheiro intenso e
shitake com pipis e miso, uma obra-prima para delicioso. Come-se com precaução, para poder
quem adora. Tudo para comer à mão, claro está. analisar cada uma das suas camadas, e porque
Seguem-se o miso de caldo-verde, um repetente, e ainda nos falta provar o pregado com caldeirada,
os sashimis de salmonete e de lula, todos comuns mais uma aliança bem-sucedida. Depois do
aos dois menus de degustação disponíveis – o Kiri clímax, nada como regressar à base com a frescura
(€95 ou €145, com vinhos), de sete momentos, e o das cerejas e a leveza do pão de ló Castela, doce e
Yama (€130 ou €190), de nove. Vale a pena deixar amargo na medida certa, como tudo o que é bom.
os vinhos com a sommelier Andrea Smith que, no Rosário Mello e Castro


Penha Longa Resort > Estrada da Lagoa Azul, Sintra > T. 21 924 9011 > ter-sáb 19h30- 23h

16 AGOSTO 2018 VISÃO 107

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
COME R E B E B E R

O Escaroupim Salvaterra de Magos


Mesa regional
POR
MANUEL
Uma cozinha sólida e um lugar extraordinário, na borda d’água, a convidar para um passeio
G O N ÇA LV E S através da lezíria
D A S I LVA

comer&beber@visao.pt

D.R.
O restaurante O nome do restaurante é o mesmo da dezena de pratos de carne. O rio dá as enguias
fica na aldeia aldeia de avieiros onde se encontra, à que merecem destaque especial – as mais
de Escaroupim, beira do Tejo, praticamente sobre as pequenas fritas, com um bom arroz de feijão a
felizmente águas, sete quilómetros a montante de acompanhar, as outras grelhadas ou cozinhadas
preservada Salvaterra de Magos: Escaroupim. Foi no tacho, em caldeiradas e ensopados deliciosos;
e que conta aqui que se fixou uma comunidade de dá as “folhas de oliveira”, como chamam aos
a história dos pescadores de Vieira de Leiria, após anos de linguadinhos, fritos com arroz de tomate ou de
“avieiros”, contínuo vai e vem, entre a pesca do sável, no feijão, outra delícia; e dá a lampreia e o sável que,
comunidade de Tejo, pelo inverno fora, e a pesca no mar, no nas respetivas épocas, são pratos emblemáticos
pescadores de
resto do ano, quais “nómadas do rio”, como lhes (uma em arroz, outro frito com açorda de ovas).
Vieira de Leiria
chamou Alves Redol. No princípio, dormiam nos Do mar chega mais peixe, como o robalo e o
que ali se fixou
barcos estreitos e compridos, depois em cabanas linguado, em regra destinados ao grelhador.
de caniço e, por fim, em pequenas casas de Ainda nos peixes, um aceno especial para o
madeira pintadas com cores vivas. Fixaram-se. arroz de bacalhau com farinheira, malandrinho
A aldeia de Escaroupim, felizmente preservada, e guloso, e outro para o bacalhau no forno
conta esta história, e o restaurante faz parte dela, à lagareiro. Nas carnes há boas sugestões de
respeitando os seus valores, tanto nas instalações caça, como a tarte de perdiz, e outras propostas
– casa de madeira, sala envidraçada e luminosa, a considerar, como a carne de alguidar com
com cadeiras de madeira forradas a azul, batatas a murro, as migas à alentejana com porco
caminhos de mesa da mesma cor sobre toalhas preto, e os vários bifes. Doçaria interessante
amarelas e brancas, guardanapos igualmente com a panacotta e o toucinho do céu em maior
coloridos –, como na gastronomia. evidência. Garrafeira centrada na Região do Tejo
A ementa é extensa e diversificada: mais de com outras referências, nomeadamente Alentejo
uma dúzia de pratos de peixe e perto de uma e Douro. Serviço eficiente e simpático.


Largo dos Avieiros, Escaroupim, Salvaterra de Magos > T. 263 107 332 / 91 253 9228 > seg-qua 12h-15h, sex-sáb 12h-15h,
19h30-21h30 > €20 (preço médio)

108 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Quinta de Camarate
Taberna do Valentim Branco Doce 2017
Viana do Castelo Uvas das castas
Alvarinho (56%)
Figura entre os restaurantes e Loureiro (44%),
clássicos de Viana do aroma a frutos
Castelo e deve a sua tropicais; paladar
nomeada, sobretudo, à também frutado
frescura do peixe e à arte com volume e
de o grelhar. Isto é verdade, bom equilíbrio.
mas redutor, porque não Doce, sem ser late
tem em devida conta alguns harvest ou colheita
cozinhados no tacho, como tardia. É para
o arroz de peixe e a beber jovem, como
aperitivo, ou para

Bons lançamentos, má produção


caldeirada, que se lhe
comparam. Se, há oito anos, acompanhar sushi
ganhou com a mudança de ou sobremesas.
instalações, na mesma zona, €6,99

Vinhos em 2018
a Taberna do Valentim está
melhor ainda, depois da
cobertura da esplanada, que
Três Bagos Sauvignon
permite o seu funcionamento Blanc Branco 2017
durante todo o ano.
A vitrina dispensa muitos
Num ano em que se provam tantos vinhos bons, Monocasta,
clientes de consultarem o tempo, esse desmancha-prazeres, dá cabo fermentado e
estagiado, durante
a ementa, porque decidem da produção quatro a cinco me-
logo ali, mas convém
saber que há outras coisas ses, em inox (80%)
“Todos os dias chegam ao mercado novos e em barricas de
apetecíveis, como as vinhos que são outros tantos desafios para
pataniscas de bacalhau, carvalho francês
os enófilos”, escrevi eu, há pouco tempo, nesta (20%), tem aromas
as petingas fritas e a sopa coluna, a chamar a atenção dos apreciadores tropicais e a maçã
de peixe, por exemplo. para a qualidade e diversidade da oferta e a verde, típicos da
Para grelhar, há sempre
incitar uma melhor escolha. Referia-me aos casta; paladar
espécies de qualidade, como
vinhos portugueses, lançados nos últimos meses, que são fresco com estru-
robalo, linguado, rodovalho
e, no verão, sardinha.
mesmo bons e que valem, muitos deles, bem mais do que tura, acidez e equi-
Também no fogão preparam- custam. Semanas depois, calhou provar um duo Quinta líbrio cativantes.
-se pratos saborosos e de Camarate, o Branco Doce e o Branco Seco, lançados Pronto para beber,
apreciados, como o arroz simultaneamente. Ao escrever a nota de prova do mas com potencial
de peixe, que leva tamboril, primeiro, então publicada, reparei neste pormenor: foi de evolução em
raia e garoupa ou corvina; criado em 1986, com as castas Moscatel de Setúbal, garrafa. €9,50
o ensopado de peixe, que Riesling e Gewurztraminer; as castas estrangeiras foram
substituídas, na década de 90, por duas dos Vinhos
é feito na cataplana; e a
caldeirada, com tamboril, Verdes: Loureiro e Alvarinho; em 2007, o Loureiro deu
Esporão Colheita
raia, congro e cherne ou lugar ao Verdelho (com mais complexidade) e, depois, a Regional Alentejano
corvina. A lampreia à
bordalesa, ou em arroz, e o
Moscatel foi caindo e acabou por sair do lote, em 2009.
Quanto ao Branco Doce, começou por ser Fernão Pires,
Branco 2017
sável frito com arroz branco com a marca Palmela, a seguir Moscatel de Setúbal e Só Antão Vaz e só
e salada, à maneira do Alto Fernão Pires, já com a marca Camarate, e mais de uvas cultivadas
Minho, são imperdíveis nas recentemente passou a ser Alvarinho e Loureiro. É um na Herdade do
suas épocas. Boa doçaria pormenor revelador, porque, com as técnicas atuais, fazer Esporão, segundo
tradicional e regional com bem os vinhos está ao alcance de qualquer um; melhorá- práticas de agri-
realce para o leite-creme, cultura biológica,
-los, indo à procura das castas ideais, já supõe que elas
as rabanadas e a pera com fermentação
existam nas vinhas (e não é por capricho que, na Quinta
bêbeda. Garrafeira parcial em cubas
de Camarate, há uma coleção ampelográfica com mais de betão e estágio
adequada, sendo o vinho
da casa um bom Alvarinho.
de 560 castas diferentes, de todo o mundo); e dar-lhes de quatro meses,
Serviço eficiente caráter exige abertura de espírito, talento e coragem. sobre borras finas.
e simpático. Fazer vinho é, portanto, um desafio exigente, sobretudo Cristalino, belís-
quando tudo pode ruir, por causa do tempo, como sima cor palha,

aconteceu com o recente escaldão. A chuva na floração aroma citrino, com
Avenida Campo do Castelo, 45, e os ataques fortíssimos do míldio e do oídio causaram notas de fruta bran-
Viana do Castelo > Tel. 258 827 505 prejuízos, mas ainda havia expectativas de boa colheita, ca, paladar fresco
> seg-sáb 12h30-14h30, 19h30- que o escaldão deitou por terra. As perdas são enormes.
-21h30 > €25 (preço médio)
e final elegante.
€9,99

16 AGOSTO 2018 VISÃO 109

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
SA IR

D.R.

Taproom Oitava Colina e 21 Brew Pub Lisboa


Artesanais e muito originais
No bairro da Graça, oitocentos metros, a pé, separam as duas novas casas,
onde a cerveja artesanal é a protagonista
No sentido Poucas empresas podem dar-se ao krakauer, pickles daikon, coentros, maionese
dos ponteiros luxo de se situarem mesmo de frente e molho sriracha; já a Florinda alia o adocicado
do relógio: para o monumento que lhes serve de do seu malte de caramelo à doçura da maçã
a taproom da logótipo. Sentados numa das mesas da caramelizada do cheddar-apple com salsicha
Oitava Colina; nova taproom da Oitava Colina, é a thüringer; a opção feita com salsicha veggie e
no 21 Brew Igreja da Graça que a nossa vista coleslaw vai bem com a Vila Maria, mais leve.
Pub há quatro alcança de imediato. Não confundir esta O doce do molho asiático das asinhas de frango
cervejas Gallas novidade com o pequeno quiosque, inaugurado (€7,50) poderá ser limpo pelo amargor da Vila
que nunca em abril, no recuperado Largo da Graça. Ambos Iolanda, uma double IPA. Nós provámos a
saem da lista;
servem a cerveja artesanal da marca Oitava sanduíche de cachaço de porco, coleslaw e
sanduíche
Colina, negócio dos irmãos Pedro e Sérgio molho barbecue (€7,50) com a refrescante Vila
de cachaço de
porco, coleslaw
Romão, a caminho dos quatro anos de atividade, Maria, mas Pedro Romão sugeria antes a Zé
e molho com uma produção de dez mil litros mensais. Arnaldo, uma preta frutada que aguenta bem a
barbecue, com Aberta oficialmente a 20 de julho, na taproom, comida condimentada, como este porco desfiado
a refrescante a ideia foi criar finger food que combinasse, que passa cinco lentas horas no forno. Em breve,
Vila Maria, da na perfeição, com as cervejas que saem das dez vão lançar a Vila Prazeres com framboesa, uma
Oitava Colina torneiras (€2 a €4,30 de 25cl; €4,50 a €7,80 de sour com acidez forte.
50cl). E há combinações bem saborosas, servidas Oitocentos metros, a pé, separam a Taproom
com chips de batata-doce, muito estaladiças e Oitava Colina do 21 Brew Pub, aberto há um
apetitosas. Para cada um dos três hot dogs (€8), mês. O número 21, prefixo telefónico do Rio de
há uma cerveja apropriada. O amargo da Urraca Janeiro e de Lisboa, batiza o novo bar de cerveja
vai suportar o picante do banh mi com salsicha artesanal, propriedade de dois amigos brasileiros.

110 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
POR LISBOA
ROSA RUELA

Para lá
das armas
Conseguir ver logo além da
primeira impressão não é
para todos, mas treina-se.
Ou a vida acaba a ensinar-
nos a fazê-lo e com mais
frequência e mestria. Pensei
nisso quando um destes
dias passei rente à fachada
da Espingardaria Central A.
Montez, na Praça D. João da
Câmara, 3, ao Rossio, e não
torci o nariz.
Embora me delicie com o seu
lettering pintado em pedra
rebocada (expressão que
aprendi com um projeto em
Design de Comunicação de
Carolina Cravinho), a ideia
de que lá dentro se vendem
sobretudo armas levou-me
sempre a afastar-me sem
MARCOS BORGA

olhar para trás. Desta vez,


parei, atentei nas montras e
só não entrei porque a loja
estava fechada.
“Espingardas, revolwers,
pistolas, cargas, todos os
O carioca Gustavo Gallas, que criou há seis accessorios para caçadores,
meses a marca Gallas, e Vinicius Praça, que Além da artigos para esgrima”,
trabalhava na área financeira no Rio de Janeiro taproom, a
Oitava Colina
e foi deslocado para Lisboa, no verão do ano
tem também
passado. Agora é Vinicius quem, atrás do balcão,
um pequeno
orienta as dez torneiras (€2,60 a €3,60 de 25 cl; quiosque no
€4,95 a €6,90 de 50cl), de onde saem cervejas renovado
com nomes bastante sugestivos: Caparipa, um Largo da
chope com aroma mais cítrico e floral; Wit Cinco Graça, onde
de Abril, feita de casca de laranja, refrescante, estão à prova
leve e clara, com baixo amargor; All The Way as cervejas
to Stout, a preta com sabor a menta e baunilha, com nomes prometem anacronicamente
remete para o chocolate After Eight, muito de vilas e as letras gravadas a preto,
refrescante apesar dos 7% de teor alcoólico; personagens remetendo para o início
Simcoe, uma monocasta feita com um lúpulo do bairro. do século XX. Aberta em
topo de gama bastante cítrico e de amargor 1902, por Gonçalo Heitor
elevado; Extremadura, para muitos apreciadores Ferreira (de início no Largo
a mais interessante, por ser feita com picante de Camões), em 1920 a loja
habanero, bastante encorpada. Apesar da curta passou para o empregado
ementa de comida, tudo está pensado para boas António Duarte Montez,
harmonizações: sanduíche de salmão (€5,90), um exímio atirador que
hambúrguer da semana (pode ser de borrego, ganhou mais de duzentas
de maminha ou de frango, €7,30), nachos medalhas, escapando assim
(€2,40), tábua de frios (€4,50), queijo brie a ficar na memória só como
com geleia (€3,90). Sempre com o elétrico 28, o homem que vendeu as
ora para cima ora para baixo, em pano de fundo. nove carabinas Winchester
Sónia Calheiros utilizadas no atentado que
vitimou el-rei D. Carlos e o

príncipe D. Luís Filipe, a 1
Taproom Oitava Colina > R. Damasceno Monteiro, 8A, Lisboa de fevereiro de 1908. É uma
> ter-dom 12h-23h, sex-sáb 12h-1h > prova cinco copos €7 “loja com história”, esta,
> 21 Brew Pub > R. Angelina Vidal, 53A, Lisboa > seg-qui e muito bem.
12h-23h, sex 12h-1h, sáb 16h-1h > prova quatro copos €5,70

16 AGOSTO 2018 VISÃO 111

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
SA IR

The George Terrace Vila Nova de Gaia


E o Douro ali tão perto Vindimas Almeirim
Na renovada esplanada da Sandeman, a música ao vivo embala os dias,
A centenária Quinta do Casal
enquanto se bebe um copo e se provam os petiscos do chefe Pedro Limão Branco, que se estende por
uma herdade com mais de
1 100 hectares de terreno,
em Almeirim, e tem uma
tradição agrícola e vitivinícola
com 200 anos, é a primeira
da região do Tejo a fazer a
vindima. Para participar no
programa Fernão Pires do Casal
Branco – Vindimas 2018, que
vai decorrer na sexta, 24, e é
um dos vários organizado pelos
Vinhos do Tejo, será necessário
fazer reserva até 20 de agosto.
No próprio dia, pelas 9 horas,
os visitantes serão recebidos
com um aperitivo, seguindo-
-se a partida de trator rumo
às vinhas, para participar na
LUCÍLIA MONTEIRO

apanha da uva branca da casta


Fernão Pires, uma das mais
antigas e a mais cultivadas
na região. Já na adega, pelas
13h30, faz-se a prova vínica
A felicidade está algures por aqui, entre a vista aberta sobre o casario comentada e almoça-se (ementa
da Ribeira, junto ao Douro e à Ponte de D. Luís I, o novo cardápio de ainda a definir) ao sabor de
petiscos do chefe Pedro Limão e a música ao vivo. Há novas razões um branco de colheita jovem,
para passar pelo contentor da Sandeman, à beira-rio – “mantém-se a outro branco com madeira, um
mesma estrutura, mas agora com uma carta diferente, em que ficaram tinto de colheita jovem e um
branco de colheita tardia. Depois
apenas alguns dos cocktails originais, como o Port&Tonic, o Bliss
da vindima, e quando forem
e o Crushed”, diz Bernardo d’ Eça Leal, do irreverente grupo de hostels e
engarrafados, estes vinhos
restaurantes The Independente Collective, escolhido pela Sogrape para levar serão frutados, aromáticos
a experiência da Sandeman para além do vinho do Porto, com a recente e frescos. S.P.
inauguração de um hotel de charme.
Pelo Sandeman Stage vão passar alguns dos novos nomes das músicas

portuguesa e brasileira, num alinhamento bastante eclético de sons e tribos, Adega do Casal Branco > Quinta do
diz Bernardo. Depois de Luca Argel, Marcelinho da Lua e Sultão Veneno, em Casal Branco, EN 118 Km, Almeirim
setembro, sobem ao palco Luiz Gabriel Lopes e Edu Mundo, além de grupos > €65 (adultos), €40 (6-14 anos), inclui
boné, tesoura e cesta de vindima
como Conexão Groove, B-Mesmo e Sérgio Gurí Quarteto. Os concertos
acontecem aos sábados, às 20h, com abertura assegurada por Farofa,
o DJ residente, e a intenção é dar a conhecer artistas fora da caixa, tal como
já acontece com os Concertos n’ O Átrio, no The Decadente, em Lisboa.
Sem nunca perder de vista o enquadramento, provam-se os deliciosos
palitos de cenoura com dip de feijoada caseira (€2), os chips de batata (€2,50),
o polvo com tapenade de azeitona (€7) e as tostas de mascarpone e massala
(€5,50) do chefe Pedro Limão. E, claro, os petiscos acompanham-se com os
originais cocktails com vinho do Porto, criados por João Castro, como o Filipa
de Lencastre (€7), o Drunken Apple (€8) e o Invictus (€7). Um belo fim de tarde
de verão não precisa de muito mais. Susana Silva Oliveira


Lg. Miguel Bombarda, 3, Vila Nova de Gaia > T. 22 099 3371 > seg-dom 12h-21h30
> Encerra entre nov. e fev.

112 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
JÁ NAS
BANCAS

Conheça as nove ilhas dos Açores


e os bons exemplos de turismo ativo e sustentável.

UMA EDIÇÃO, NATURALMENTE, A NÃO PERDER


Para receber a revista em sua casa, ligue 21 870 50 50
Dias úteis, das 9h às 19h

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
COMPRA R

Vista Alegre
Arte, engenho e imaginação
Na fábrica da marca portuguesa, em Alcobaça, trabalha-se o vidro e o cristal, entre a modernidade
do design e os saberes de antigamente. A coleção “Única” é a novidade mais artística
A linha de montagem sucede-se com sobre a relação entre o Homem e a Natureza,
a elegância de uma dança, como se num processo que é “artístico e intuitivo, sem
um maestro imaginário conduzisse recurso a moldes, por isso, nenhuma peça é igual
quem ali trabalha o vidro, tubos de à outra”, descreve, entusiasmada com esta
ferro que rodopiam no ar, peças que liberdade. Já Bruno Escoval, autor de Ripple e
entram e saem dos fornos fumegantes Caneleto, diz que o facto de as coisas não saírem
(as temperaturas podem chegar aos 1 000oC), à primeira faz parte do encanto. “É um trabalho
ajustes que se fazem na fase de seleção final. muito próximo do vidreiro, que implica tempo
A coreografia não está estudada, mas parece, até e capacidade de experimentar.” Nas peças Ripple,
porque manipular o calor e o frio não é para por exemplo, o vidro fica à mercê da gravidade,
todos. Exceção feita ao mestre António Esteves, deixando-se cair como uma gota antes de lapidar,
que por ali se mexe com a naturalidade de quem explica, enquanto pega numa jarra e a vira ao
começou a soprar o vidro no dia em que fez contrário. Trilogy, de Hugo Amado, é uma
12 anos. “Achava bonito ver a fusão do material, homenagem a quem dedica vidas inteiras a esta
o calor”, conta. Passou por várias fábricas, com arte, que tem na técnica da garrafa de seis vinhos
destaque para o Estúdio Jasmim, na Marinha um marco. “Quem queria ser vidreiro tinha de
Grande, e aprendeu com os melhores. Já estava dominá-la”, conta Hugo, que é responsável,
reformado, mas quis juntar-se ao staff da fábrica há 24 anos, pelo Gabinete de Desenvolvimento
de vidro e cristal da Vista Alegre, antiga Atlantis, de Produto dos Cristais Atlantis. “Uma vez que
em Alcobaça, onde lidera uma equipa de quatro trabalhamos estas peças sem moldes, o mestre
elementos (um deles uma mulher, caso raro Esteves pode depois usar os dedos [protegidos
nestas andanças), responsável pela Única. De art por um jornal molhado] e nós podemos fazer
crystal e vidro, esta nova coleção é soprada, e experiências, inclusivamente com as cores.
trabalhada à mão por artesãos, e divide-se em O melhor é quando as coisas acontecem
quatro linhas, imaginadas por três designers da por acaso e depois temos de perceber como
Vista Alegre. Em Portal, Diana Borges reflete repeti-las”, ri-se. R.M.C.

A fábrica de
vidro e cristal
da Vista Ale-
gre e o Museu
da Atlantis
organizam vi-
sitas guiadas,
de segunda
a sexta-feira,
em vários
horários,
mediante
marcação
prévia, indivi-
duais ou em
grupo.
D.R.


À venda nas lojas Vista Alegre e em www.vistaalegre.com > a partir de €380

114 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VER

Festas do Mar
Cascais
António Zambujo dá
início às Festas do
Mar, de regresso à

D.R.
Baía de Cascais, para

O Sol da Caparica Almada


10 dias de concertos
gratuitos à beira-mar,
com alguns dos
nomes maiores da

Em português é que nos entendemos música portuguesa.


O espetáculo de
abertura, nesta
sexta, 17, terá como
GNR, Sara Tavares, Carminho, Linda Martini e Miguel Araújo convidada especial
Luísa Sobral.
são alguns dos nomes que vão passar pela Costa da Caparica, Depois, seguem-se
em mais uma edição deste festival Anjos (18), Carolina
Deslandes (19), José
Cid (20), Agir (21),
“Trata-se de um Foi em 2013 que O Sol da Caparica deu pela primeira vez Gisela João (22),
festival jovem à costa e apenas cinco anos bastaram para se tornar uma David Fonseca (23),
e urbano, que referência no calendário nacional dos festivais de verão. Diogo Piçarra (24)
decorre num O conceito é simples, como diz à VISÃO Se7e o diretor e Pedro Abrunhosa
parque verde artístico, António Miguel Guimarães: “Por um lado, tem (25). Para o último
junto à praia, como objetivo celebrar a língua portuguesa e toda a música dia das Festas do
e isso também lusófona e, por outro, trata-se de um festival jovem e urbano, que Mar (domingo, 26),
faz toda a decorre num parque verde junto à praia, e isso também faz toda a quando acontece a
diferença”, diz diferença.” Como é habitual, o cartaz junta artistas, emergentes e procissão, por terra
António Miguel e mar, em honra de
consagrados, oriundos das mais diversas latitudes musicais e
Guimarães, Nossa Senhora dos
geográficas, todos eles abrangidos pelo enorme guarda-sol da lusofonia
diretor artístico Navegantes (às 15h),
do Sol da
– como acontece já esta quinta, 16, com a presença dos portugueses está marcado um
Caparica Virgul, Jorge Palma, Peste & Sida, Carminho, Linda Martini, PAUS concerto especial
e Deejay Kamala, os brasileiros Silva e Filipe Catto, os são-tomenses da Sinfónica de
Calema ou o angolano Anselmo Ralph. Do cartaz, destaque para Cascais que, este
a homenagem à diva cabo-verdiana Cesária Évora, no sábado, ano, “convida a
18, pelas compatriotas Lura, Nancy Vieira, Elida Almeida e Lucibela. lusofonia”: Anselmo
O festival recebe novamente a iniciativa Debaixo da Língua, Ralph e Paulo Flores
do jornalista Rui Miguel Abreu, que nos últimos quatro anos tem (Angola), Fafá de
realizado um conjunto de entrevistas a diversas personalidades ligadas Belém (Brasil), Lura
à indústria musical, editado depois em livro. Nesta edição, o programa (Cabo Verde), Karyna
inclui ainda apresentações da Lisbon Poetry Orchestra, um projeto de Gomes (Guiné),
Alexandre Cortez, antigo músico dos Rádio Macau, que une a música Stewart Sukuma
à poesia de David Mourão-Ferreira, António Gedeão, Sophia de Mello (Moçambique), Ana
Breyner Andresen, Jorge de Sena, Natália Correia, Ary dos Santos, Laíns e Luís Represas
Alexandre O’Neill ou Mário Cesariny. Como é da tradição, o domingo, (Portugal), Tonecas
último dia de O Sol da Caparica, é dedicado às crianças, com alguns Prazeres (São Tomé
espetáculos inéditos: o concerto infantil, escrito e composto por João e Príncipe) e Piky
Monge e Manuel Paulo, e o espetáculo de Rita Guerra, dedicado ao Pereira (Timor-Leste).
Como já é tradição,
repertório de filmes da Disney. Miguel Judas
a despedida faz-se
com fogo de artifício.

Parque Urbano da Costa da Caparica, Almada > 16-19 ago, qui-dom 16h > €17 a €37 
(passe), €2 (dia da criança) Baía de Cascais
> 17-26 ago 20h30 > grátis

16 AGOSTO 2018 VISÃO 115

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VER

Bob Log III Lisboa Nu Guinea + De Los Miedos


Lisboa
O super-homem-orquestra do rock and roll O duo napolitano cria música
para a pista de dança, feita
a partir de jam sessions e
O multi-instrumentista norte-americano está de regresso a Portugal, sintetizadores fundidos com
instrumentos reais. Depois
para um concerto único do álbum de estreia de 2016,
The Tony Allen Experiments,
que contou com a participa-
É uma banda, é uma palco, com um fato de homem-bala e
ção do mestre da percussão
orquestra, é um músico? um capacete de astronauta espelhado do Afrobeat, regressaram aos
Não, é Bob Log III, a esconder-lhe a cara, no qual tem discos este ano, com Nuova
o super-herói da música, acoplado um microfone que lhe Napoli, e vêm ao Musicbox,
que, em palco, é tudo isso distorce a voz, enquanto canta (urra) em Lisboa, para o apresentar.
ao mesmo tempo e, por os versos, com os quais acompanha as
vezes, ainda consegue ser mais descargas de garage blues rock da sua 
qualquer coisa. Aliás, se há alguém guitarra. Sabe-se que surgiu algures Musicbox > R. Nova do Carvalho,
a quem o termo multi-instrumentista nos desertos do Arizona, de onde 24, Lisboa > T. 21 347 3188
> 17 ago, sex 24h > €10
assenta que nem uma luva, essa pessoa partiu à conquista do mundo. Certo
é Bob Log III, já que todo o seu dia, reza a lenda, cruzou-se com outro
espetáculo é feito a solo, com recurso
a uma guitarra elétrica, um bombo
ser híbrido musical, de seu nome
The Legendary Tigerman, de quem se Sallim Lisboa
e um címbalo – estes dois últimos tornou por uns tempos companheiro
tocados com as pernas. Além destes de estrada – por vezes com alguns A jovem cantautora portugue-
superpoderes musicais, Bob é todo ele duelos de palco à mistura. Pode ser sa é a proposta que se segue
uma personagem de ficção científica que isto aconteça de novo, neste esta sexta, 17, nas Noites de
– há até quem lhe chame regresso a Lisboa, numa sala onde já Verão, uma coprodução da
extraterrestre –, apresentando-se, em anteriormente se encontraram. M.J. Associação Cultural Filho
Único com a EGEAC (Empre-
sa de Gestão de Equipamen-
tos e Animação Cultural) que,
em agosto, apresenta concer-
tos no Jardim das Esculturas
do Museu Nacional de Arte
Contemporânea do Chiado.
O ciclo termina na sexta se-
guinte, dia 24, com a atuação
do octogenário contrabaixista
americano, radicado em
França, Barre Phillips, um
dos pioneiros do cruzamento
entre o free jazz americano e
a improvisação europeia.


Museu Nacional de Arte
Contemporânea do Chiado
> R. Serpa Pinto 4, Lisboa
> T. 21 343 2148 > 17 ago,
sex 19h30 > grátis
D.R.


Musicbox > R. Nova do Carvalho, 24, Lisboa > T. 21 347 3188 > 16 ago, qui 22h30 > €10

116 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Inimigo Exposto
Lisboa
Já vimos isto... Pedro
Santana Lopes ves-
tido de futebolista,
agarrado ao joelho,
encimado por uma
legenda, em que o
videoárbitro o avisa
para deixar de fazer
fitas (à semelhança de
Neymar, no Mundial

D.R.
de Futebol)? Esta e

Mulheres Modernas na Obra de José de Almada Negreiros


outras ilustrações
recentes de Nuno
Saraiva, para o suple-

Tavira
mento satírico Inimigo
Público, apresentam-
-se, aqui, em duas
versões: o esboço

Tantas e tão diferentes


a tinta da China e o
exemplar do jornal
com cores vivíssimas.
Dois níveis de leitura
Banhistas, bailarinas, benditas ou rebeldes? Todas estas representações femininas, que revelam as afina-
ções do ângulo cómi-
pintadas pelo mestre modernista, estão patentes numa exposição inédita, a sul co – e que provam que
as toalhas de mesa de
A figura longilínea de uma e as contradições da época. Há as silhuetas papel são boas telas
improvisadas. Há
mulher-odalisca de pele elegantes das figuras sentadas à mesa dos
também um punhado
translúcida, adornada apenas cafés, fumadoras, desafiantes e intelectuais,
de desenhos mais
com um chapéu-touca e sapatos bem como os traços das raparigas antigos, publicado
vermelhos, entretida em emancipadas, de irreverentes cabelos entre 2003 e 2006
contemplação narcísica perante o curtos – ou ainda as acrobatas angulosas, – e Santana Lopes
espelho de mão, foi obra encomendada para as dançarinas vertiginosas e as desportistas também por lá anda-
um vestiário de senhoras de um famoso confiantes. Corpos que ensaiam uma va, além de Moisés a
estabelecimento noturno lisboeta, do século libertação, à época transgressora, como os das apartar os mares ou o
passado. Por estes dias, Nu (Pintura para duas Banhistas, sentadas na praia: a pintura, Lucky Luke solitário.
o Bristol Club) – uma das várias pinturas feita para o café A Brasileira, põe em primeiro Numa vitrina, repousa
de cariz erotizante criadas por Almada plano os corpos femininos, em fatos de banho ainda a primeira
Negreiros – está temporariamente instalada reveladores, exemplos de uma autonomia ilustração de Saraiva
no Museu de Tavira, integrada nas inexistente na sociedade de então. Mas para o IP, a célebre
55 pinturas e desenhos (maioritariamente Mulheres Modernas... também contempla ilustração inspirada
pertencentes ao acervo da Coleção Moderna pinturas dedicadas às representantes do na capa de Rumo à
do Museu Calouste Gulbenkian), escolhidos povo, ou ainda os retratos da pintora Sarah Lua, de Tintim, com o
pela curadora Mariana Pinto dos Santos, Affonso, companheira de Almada Negreiros. ensaísta Eduardo Pra-
para esta exposição centrada na A exposição apresenta, igualmente, uma do Coelho a dirigir-se
representação do corpo feminino pela mão vertente documental, constituída por para um foguetão que
do mestre modernista. desenhos, excertos e artigos, publicados pelo é um corpo feminino.
S.S.C.
Estas mulheres pintadas por Almada artista nos jornais e revistas da época. Um
Negreiros revelam as revoluções de costumes bom reencontro. Sílvia Souto Cunha

Galeria Passevite
 > R. Maria da Fonte, 54,
Museu Municipal de Tavira > Calçada da Galeria, Tavira > T. 281 320 500 > até 14 out, ter-sáb 10h-12h/14h-17h30 > €3 Lisboa > T. 918 753 471 >
até 13 set, ter-sáb 15h-20h

16 AGOSTO 2018 VISÃO 117

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VER

E.S.T.A.R. Odemira/Aljezur
Artes sem rede
À quinta edição, os Encontros de Teatro e Animações de Rua estreiam-se em Vila Nova
de Milfontes, antes de descerem para Odeceixe

D.R.

A vila de Odeceixe continua a ser de Odeceixe, a performance Não Obrigado!,


“a casa-mãe” do E.S.T.A.R., que, que pretende “sensibilizar o público relativamente Durante o
em agosto, nos apresenta teatro de rua, às graves consequências para o ambiente e o festival em
Odeceixe, o
novo circo, clown, marionetas e, turismo da exploração de petróleo no Algarve”,
Largo 1º de
desta vez, roda acrobática. salienta João Costa. Por Vila Nova de Milfontes
Maio terá um
Este ano, além da vila, na Costa passará ainda a companhia brasileira Circo Poeira mercado de
Vicentina, onde ficará durante três dias, de (que também atuará em Odeceixe) e o Helium artesanato,
23 a 25, os espetáculos viajam, pela primeira High, do malabarista português Hélio Pina, com com artesãos
vez, até Vila Nova de Milfontes, nas próximas o seu monociclo. Já em Odeceixe, veremos o locais (23-25
segunda e terça, 20 e 21. “É um festival de teatro Vira, do chileno Mr. Dyvinetz a surpreender com ago, 19h-24h).
mas também de animação turística”, que traça acrobacias e equilíbrio numa roda, o italiano Luca
“um roteiro na costa algarvia e alentejana, onde Bellezze num espetáculo de clown sem palavras,
existem espaços arquitetónicos”, lembra o diretor o Melafio, o teatro dos portugueses 3 em Pipa,
artístico João Costa, da associação cultural Mais ou Menos Isso, e as sombras intimistas da
Mãozorra, organizadora do E.S.T.A.R., que, este Alma d’Arame, que apresentará A Boa Sentença
ano, receberá companhias de Espanha, Brasil, do Sultão no moinho da vila. O festival encerra
Itália, Chile e Portugal. com o espetáculo de novo circo No Molestar,
Caberá à própria Mãozorra a abertura do da companhia espanhola Vaivén Circo, sobre
festival, no areal da praia de Milfontes (20 ago, as relações humanas numa fábrica do início
16h), com o espetáculo de robertos (marioneta do século XX, que valeu a Miguel Ángel Moreno,
tradicional portuguesa) O Barbeiro. Dias depois, fundador e ator da companhia, o Prémio Nacional
será ainda a associação a protagonizar, já no areal de Circo 2016. F.A.


Forte de S. Clemente, Vila Nova de Milfontes, Odemira > 20, 21 ago, sex 16h, 22h, sáb 22h, 23h > Areal da Praia, Miradouro da Praia,
Largo 1º Maio, Odeceixe, Aljezur > 23-25 ago, qui 16h, 19h, 22h, sex e sáb 19h, 22h, 22h30, 23h > grátis

118 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Janelas da Alma Vila do Conde
M/6
Os 700 anos da fundação M/6
do Mosteiro de Santa Clara
constitui, este ano, o tema
daquele que é considerado o
maior teatro musical de rua do
País, em que os atores – 400
voluntários, de várias idades
– são a própria comunidade.
O título, Janelas da Alma,
evoca as muitas janelas do
mosteiro, de onde as monjas
em clausura assistiam às
movimentações da vila,
nomeadamente, a chegada e
a partida dos barcos no rio ou
M/6
o movimento dos mercados M/6
no terreiro. Era, ainda, a
partir dessas janelas que
cantavam e distribuam pão.
Começaram, em junho, os
ensaios deste espetáculo, que
decorre agora entre esta sexta
e segunda-feira, 17 a 20, com
textos de Amauri Alves e José
Coutinhas, coprodução de
Marcelo Lafontana, e que fará
o público recuar no tempo.
O teatro musical de rua integra
o projeto Um Porto para o
Mundo, que tem como objetivo
apresentar a candidatura da M/6
construção e da reparação M/6
naval em madeira a Património
Imaterial da UNESCO,
enaltecendo uma técnica dos
estaleiros, onde chegaram a
ser construídas as caravelas
dos Descobrimentos. F.A.


Cais da Alfândega (junto à Nau
Quinhentista), Vila do Conde > 17-20
ago, sex-seg 22h > T. 252 248 400
> €5 (adultos), €1 (3-12 anos)

M/6
M/6

M/6
M/6

BILHETES À VENDA WWW.TICKETLINE.PT


BILHETES À VENDA
INFO WWW.TICKETLINE.PT
E RESERVAS LIGUE 1820 (24h)
INFO E RESERVAS LIGUE 1820 (24h)

UAU_SnowShow_V_1328.indd 1 18/07/2018 16:04:12


© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
VER

Cinema nas Ruínas


Lisboa
Sónia Braga dividiu
opiniões. Fez,
para uns, uma
interpretação
exuberante de uma
mulher de terceira
idade, que resiste
à expulsão dos
condóminos de
um prédio, devido
à especulação

DR
imobiliária – tema

Maryline
a que os habitantes
de várias cidades
do nosso país não

Tentar a sorte
estarão alheios
–, enquanto, para
outros, construiu
uma personagem
arrogante, que não
Uma jovem da província quer ser atriz. O segundo filme, realizado pelo também ator conseguiu descolar
Guillaume Gallienne, fala sobre o caminho atribulado na perseguição de um sonho do papel de diva
que há na atriz.
O filme é Aquarius,
É um filme levezinho, de verão, às suas origens campestres. À sua frente, do brasileiro Kleber
que sabe bem ver quando o que uma mesa igualmente cinzenta, a servir de Mendonça Júnior,
queremos é estar duas horas cenografia. É-lhe dito para agarrar na peça estreou-se em 2016
e é, agora, exibido ao
protegidos do calor de lá de fora. de mobiliário, como se fosse algo de muito
ar livre nesta terça,
Maryline é a história de uma importante para si. Está a fazer uma audição.
21, no Convento do
rapariga de província, que sonha Maryline vai sendo pontuado por Carmo, integrado no
ser atriz e que decide, por isso, mudar-se flashbacks, em que se percebe a vida que Cinema nas Ruínas.
para a grande cidade, Paris, tentando a sua esta rapariga tinha na aldeia – um lugar O ciclo começa nesta
sorte. Adeline d’Hermy ficou com o papel remoto e desesperançado, que lhe deu segunda, 20, com
de protagonista, num piscar de olhos à o empurrão final para fugir dali e perseguir Peregrinação, de
icónica Monroe que não será mera o seu sonho, aquando da morte do pai. João Botelho, e acaba
coincidência. Esta Maryline com “e” As cenas por que a aspirante a atriz passa são a 1 de setembro, com
também é loira e naïf – é essa inocência, clichés, uns atrás dos outros: o do abuso dos Cinema Paraíso, de
associada a uma certa dose de tontice, que auditores, o da timidez e das vergonhas por Giuseppe Tornatore.
torna a sua persona tão cativante no grande que passa, o da não postura, o das rábulas à Da programação
ecrã. Guillaume Gallienne chegou a referir sua falta de cultura e incapacidade de falar fazem ainda parte
que quem o inspirou a escrever e a realizar fluentemente inglês. A consciencialização filmes como: Nico,
esta história foi uma mulher que conheceu que nos possa ser feita acerca do preconceito 1988, de Susanna
há 16 anos, uma mulher modesta e humilde, com que, por vezes, tratamos os outros Nicchiarelli,
cuja narrativa de vida o tocou bastante. nunca é demasiada, e o ar arrefecido com A Viagem de Chihiro,
O filme começa com um plano de frente que, durante duas horas, isso nos é lembrado de Hayao Miyazaki
de Maryline, um pouco nervosa, rosada, é bom para ajudar-nos à interiorização dessa e No Coração da
com um pano cinzento atrás de si, a fazer ideia. A rematar o texto, referência ainda Escuridão, de Paul
Schrader. C.M.S.
de cenário. Esta usa um vestido de alças às à participação da cantora e atriz Vanessa
florezinhas, com camisola por baixo, a aludir Paradis. Cláudia Marques Santos

Convento do Carmo
 > Lg. do Carmo, Lisboa
De Guillaume Gallienne, com Adeline D'Hermy, Vanessa Paradis e Alice Pol > 107 minutos > 20 ago-1 set (exceto 26
ago), seg-dom 21h30 > €8

120 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
AF_200x90mm_PRIMA.pdf 1 31/07/2018 13:02:03

• JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA •

JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA
JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA

O novo projeto editorial


que desafia as regras

O que há de novo
Talentos emergentes
Escolhas e tendências
Tribos urbanas

NÃO É O QUE ESTÁ À ESPERA


• JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA • JÁ ESTÁ À VENDA •

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
L IVROS E DI S C OS

Macbeth Jo Nesbo
Ambição eterna
Um encontro feliz entre o génio de Shakespeare
e a prosa frenética de um autor maior do policial nórdico

O Pequeno Livro das


Grandes Invenções
Vários autores
Primeiro foi o fogo, a
seguir a roda, mais
tarde a agricultura
e depois... Desde
tempos imemoriais,
o ser humano
tem mostrado
uma capacidade
GETTY IMAGES infinita para inovar
e descobrir o
que se pensava
impossível. É esse
espírito engenhoso
À medida que o romance se foi afirmando ao longo do e insatisfeito que
século XX, a ideia de originalidade tornou-se central. este livro celebra, ao
Sedentos de aventuras, os leitores passaram a estar mais reunir uma centena
interessados na novidade do que na repetição, que é a de invenções que
marca da herança clássica. Já não era só “quem conta um mudaram o mundo.
conto acrescenta um ponto”, mas sobretudo “novos contos”. Algumas estão tão
Talvez devido à fúria editorial que marca os nossos tempos, ou pelo presentes no dia a
esgotamento de soluções, do universo da língua inglesa têm chegado dia, que se afigura
propostas em sentido contrário. Velhas personagens, como Hercule difícil imaginar a vida
Dos oito previs- Poirot ou James Bond, voltaram através de outros escritores, que sem elas. Pensado e
tos, Macbeth, assim homenageiam os mestres. Mais recentemente, a editora Hogarth escrito pela equipa
de Jo Nesbo desafiou oito autores a recriar, em romance, outras tantas peças de da editora Guerra
(Bertrand, 528 Shakespeare, num projeto que coincidiu, em 2016, com a celebração e Paz, O Pequeno
págs., €19,90), dos 400 anos da morte do dramaturgo. O resultado é inesperado Livro... (224 págs.,
é o sexto título, e cativante, com alguns encontros verdadeiramente felizes, como €15,50) destaca-se,
publicado em o que juntou Jo Nesbo à tragédia de Macbeth. ainda, pelo grafismo
Portugal, desta Na famosa peça de Shakespeare, Macbeth é sinónimo de ambição apelativo. De recorte
coleção de ro- clássico, ao jeito
desmedida e de avidez sem limites, que corroem por dentro,
mances basea- dos antigos álbuns
transformando em inimigos os mais próximos. No mundo do crime
dos nas peças de curiosidades,
em que se movimenta, Jo Nesbo tem descrito cenários idênticos. recupera as primeiras
de Shakespea-
re, depois das
Os seus policiais estão cheios de desejos veementes e irracionais que representações dos
versões de Anne acabam em crime, como os de Macbeth. O que seduz na sua recriação inventos. Organizado
Tyler, Howard é a inversão da lógica. Ainda que instrumentalizada, a negra sede de em sete áreas, vai
Jacobson, Jea- poder está dentro da força policial que combate o mundo da droga e do clipe à vacina, do
nette Winter- os seus cartéis em permanente luta. Apesar de não haver bruxas, como arado ao sutiã, da
son, Margaret na peça, mas capangas bem armados, Macbeth será um inspetor cada escova de dentes
Atwood e Tracy vez mais isolado no seu vórtice de paranoia e culpa. E também saberá, ao sabão, passando
Chevalier tarde demais, que a “fútil ambição” destrói tudo, incluindo “as próprias por muitos outros
fontes da sua vida”. Hoje, como ontem. Luís Ricardo Duarte inventos. L.R.D.

122 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O Banco do Tempo
que Passa Hubert Reeves

D.R.
Nas noites quentes de

Furriel não é Nome de Pai agosto, a contemplar o céu


estrelado, talvez se tenha
com maior intensidade a

Catarina Gomes
consciência da migalha que
somos na saia do universo,
para usar a expressão do
poeta holandês Lucebert.

Os filhos do Império O Banco do Tempo que


Passa (Gradiva, 336 págs.,
€18,50) é o livro ideal
para essas ocasiões.
Quebrou-se o silêncio em torno dos filhos E para todos os dias do
que os militares portugueses deixaram em África ano, diga-se. Em textos
curtos, Hubert Reeves
sintetiza uma vida inteira
Fernando Hedgar da Silva depositava grandes dedicada à Ciência, à
esperanças no encontro com um ex-militar astrofísica e à cosmologia.
À semelhança de obras
português, que tinha optado por permanecer na
anteriores, algumas já
Guiné após o fim da Guerra Colonial (1961-1975).
publicadas em Portugal,
Quando o homem lhe perguntou como se chamava como a célebre
o pai, Fernando respondeu o único nome que Um Pouco Mais de Azul,
a mãe, timidamente, lhe havia dito: “Furriel. O meu pai o grande cientista francês
chama-se Furriel.” O ex-militar ficou incrédulo e explicou-lhe alia a simplicidade
que Furriel não era um nome; antes uma patente. Afinal, a um conhecimento
Fernando sabia menos de nada sobre o seu pai. E era esse “A identidade enciclopédico. São
vazio que o preenchia quase por inteiro. Seria o seu da pessoa é meditações cósmicas
testemunho a motivar a jornalista Catarina Gomes a escrever feita da soma de sobre o universo, religião,
um livro sobre os filhos que os militares portugueses todos os seus ecologia e acaso, entre
abandonaram, depois da Guerra Colonial. Tudo começou nomes.” A frase, outros temas, a que se
com uma viagem à Guiné, em 2013, com o objetivo de revelar, da antropóloga juntam frases inspiradoras
no Público, estas histórias da História que ficam por contar. francesa (“O importante é agitar a
Seguiram-se quatro anos em que os contactos com estes Françoise vida. Temos todo o tempo
filhos e filhas, de identidade truncada, se foram Zonabend, serve do mundo para estar
de epígrafe mortos”, de Yasmina Reza)
multiplicando. A maioria tem como única herança dos pais
ao livro Furriel e exercícios lançados
uma vida inteira de discriminação: eram “filhos de tuga”;
não é Nome diretamente ao leitor.
eram filhos do “inimigo”. Pelo meio, também há (re)encontros de Pai (Tinta-
felizes. Catarina Gomes escreve que “todos os dias morrem Como este: “No duche,
-da-China, 224 deixar a água correr
metades desta história” – os pais portugueses estão na fase págs., €16,90). lentamente pelas
final das suas vidas (os filhos têm entre 40 e 50 anos). Um nome, e às costas. (...) Pensar que
As relações entre militares portugueses e mulheres africanas vezes nem isso, há 14 milhões de anos
são, muitas vezes, romantizadas – todos os filhos gostam de é a herança todas as partículas que
se imaginar fruto de um grande amor. Contudo, estas crianças destes filhos constituem o nosso corpo
também foram fruto de casos de prostituição, de agressões que procuram já existiam. (...) Ligar-se a
sexuais ou de violações. Catarina Gomes chama-lhe um livro os pais tal passado para sentir que
de pós-reportagem, no qual conta o que aconteceu, depois participamos na prodigiosa
da publicação das histórias no jornal, e se assume como aventura do Universo.”
participante no enredo, em busca destes pais desaparecidos. Talvez numa destas noites
Sem alarido, numa comoção sublime. Vânia Maia de verão, debaixo de um
céu estrelado. L.R.D.

16 AGOSTO 2018 VISÃO 123

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
L IVROS E DIS C OS

Ye Kanye West
Um disco em forma de divã
O rapper norte-americano está de regresso à velha
forma, depois dos equívocos mediáticos, pessoais
1/1 Liars
e artísticos Nem um ano passou sobre
a edição do último disco da
banda, o aclamado TFCF,
A vida não tem corrido muito bem a Kanye West, apresentado em Lisboa na
tendo em conta o seu apoio a Trump, o última edição do festival
cancelamento da digressão por alegados problemas Mexefest, e os Liars já
mentais ou, ainda, as declarações sobre a estão de regresso com um
escravatura ter sido “uma escolha”. Uma carreira novo trabalho, que marca
construída por discos geniais afundou-se, quase igualmente a sua estreia
por completo, com o seu ego gigantesco a pesar no pântano na composição de bandas
mediático. Com uma humildade até agora pouco conhecida, o sonoras para cinema. Para
artista norte-americano responde, do melhor modo que sabe, Ye é um álbum os fãs, 1/1, título tanto do
apresentando um trabalho em que se reafirma como um dos de apenas sete disco como do filme, é
melhores produtores de hip-hop de sempre e um rapper faixas, com também um regresso ao
pouco mais de passado: conta com Aaron
como também há poucos. Ye é um disco cru e direto – talvez
20 minutos, Hemphill, o antigo membro
o mais pessoal –, no qual Kanye aborda a depressão, a
que é também da banda nova-iorquina que
infidelidade, a adição aos opiáceos e os pensamentos suicidas: saiu no ano passado (tendo
“E eu penso em matar-me, e eu amo-me muito mais do que um exercício
terapêutico, formado os Nonpareils),
vos amo, a vocês, portanto hoje pensei em matar-vos”, diz, em deixando os Liars como um
registo de spoken word, em I Thought About Killing You. Este bem revelado
no manifesto projeto unipessoal do líder
tema serve de mote para as confissões, os desabafos e até os australiano Angus Andrew.
inscrito na
pedidos de desculpa seguintes, tudo embalado por uma Ao todo, alinham-se 15
capa: “I hate
sonoridade soul e R&B, a puxar para uma nostalgia do being/ Bi-Polar/ temas eletrónicos (só num
passado e a aconchegar o futuro no confuso presente. “Não te it’s awesome” destes, Helsingor Lane, é
enganes, miúda, eu continuo a amar-te”, canta em No (“Detesto ser/ que se ouve a voz de Angus,
Mistakes. “Continuamos todos a ser os mesmos miúdos de Bipolar e, mesmo assim, pouco
sempre”, diz em Ghost Town, um dos melhores temas, feito / é fantástico”) mais do que sussurrada), a
com os amigos 070 Shake, Kid Cudi e PARTYNEXTDOOR, e resvalar para o dubstep. Têm
no qual também declara: “Tenho tentado tudo para que me por objetivo dar a conhecer,
amem, mas tudo o que faço só vos afasta cada vez mais de através da música, a
mim.” Com discos destes, talvez não. M.J. conturbada mente de Lissa,
a protagonista do filme: uma
jovem de 20 anos que vive na
Pensilvânia rural, a braços
com problemas de drogas e
desilusões amorosas com
muito sexo à mistura. Não
é de admirar que todo este
disco seja uma montanha-
-russa de ambientes, que,
no espaço de uma faixa, vão
desde as sonoridades mais
contemplativas até à euforia
total. Apesar da ligação
à obra cinematográfica,
o disco sobrevive por si
próprio, assumindo-se como
um exercício artístico um
pouco mais abstrato do que
é habitual nos Liars. E é
precisamente isso que faz
GETTY IMAGES

deste 1/1 uma obra especial.


M.J.

124 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
TV

All or Nothing: Man. City Amazon Prime Video


As lições de Pep Guardiola Desencantamento
Documentário de oito episódios, com acesso ao balneário, mostra
os bastidores da campanha rumo à conquista da Premier League
Netflix
Aos primeiros acordes,
reconhece-se logo
Rebel, Rebel, êxito de
David Bowie, que serve
de banda sonora a
este conto épico sobre
como tornar-se adulto.
Matt Groening já nos
mostrou o presente
com os disfuncionais
Simpsons, mas tam-
bém nos levou numa
viagem ao futuro em
Futurama – criações
que lhe valeram 12
prémios Emmy. Agora,
em Desencantamento,
série de animação de
dez episódios, há um
regresso ao passado,
REUTERS

com bonecos que


mantêm os mesmos
traços das produções
Em 2017-2018, O trailer cumpre, na perfeição, o seu propósito de aguçar anteriores. No reino
o City arrasou a a curiosidade. “Claro que, nas conferências de imprensa, medieval em ruínas
concorrência na vou defender-vos até ao último dia das nossas vidas, mas de Dreamland, o ca-
Premier League, aqui vou dizer-vos a verdade”, avisa Pep Guardiola, em samento real entre o
terminando príncipe Guysbert de
pleno balneário do Manchester City, dirigindo-se aos
com 19 pontos Bentwood e a princesa
jogadores que liderou rumo à conquista da Premier League,
de avanço Bean não chega a acon-
na época passada, com direito a recorde de pontos (97), vitórias (31) tecer. A acompanhar
sobre o vizinho e golos (105). Não se admirem, portanto, se os mimos para inglês ver
United, 23 sobre a fuga da princesa,
se transformem em duras reprimendas (aqui, que ninguém nos ouve), estará o seu animado
o Tottenham
disse-lhes o treinador espanhol. companheiro elfo e o
e 25 sobre o
Acontece que a equipa de filmagem da Amazon Prime Video seu demónio pessoal
Liverpool
não só ouviu como gravou. O resultado é o documentário All or Luci. Durante a viagem,
Nothing: Man. City, de oito episódios, com acesso ao balneário, o trio encontrará ogres,
aos campos de treino e aos gabinetes do clube, ao longo de toda a duendes, harpias, dia-
temporada. Os bastidores de uma caminhada triunfal no campeonato binhos, trolls e muitos
inglês, sem passar ao lado do fracasso na Liga dos Campeões, por humanos idiotas. S.C.
culpa do Liverpool. “Alguns de vocês jogam melhor quando estão
chateados comigo. Então, se me odeiam, odeiem-me, não há qualquer 
problema”, atira Guardiola, noutro momento de balneário já divulgado Estreia 17 ago, sex
para promover a estreia mundial do documentário, em mais de 200
países, na plataforma de streaming da Amazon.
Bernardo Silva, o único português no plantel dos campeões
ingleses, faz parte do “elenco”, nos oito episódios, mas o treinador
rival do Manchester United, José Mourinho, também tem direito
a fazer de si próprio em três episódios. A narração ficou a cargo
do afamado ator britânico Ben Kingsley. Rui Antunes


Estreia 17 ago, sex

16 AGOSTO 2018 VISÃO 125

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
ESCA PA R

D.R.
Casa Amora Lisboa
Amor(a) à primeira vista
Tem o encanto de um prédio do século XX, revestido a azulejo, com tetos trabalhados
e um terraço acolhedor – e também a simpatia dos patrões e funcionários, além dos muitos
detalhes para descobrir

Estamos no tranquilo bairro das acompanham o verde da paisagem. Em certos


No check-in, Amoreiras, em Lisboa, na guesthouse dias, também há arroz-doce, bastante apreciado
cada hóspede
Casa Amora e, enquanto aguardamos por quem ali pernoita e que Nita diz levar “sal e
recebe um te-
pelo anfitrião Juan, o nosso olhar mais umas coisas só minhas”. Juan, que
lemóvel com
o contacto da
curioso distrai-se na cozinha, perto da entretanto se aproxima, acrescenta outro
Casa Amora, salinha de espera, e depois nas loiças ingrediente especial: “É feito com amor.”
disponível da Bordallo Pinheiro, que fazem lembrar a casa Agora, é a vez de o anfitrião sul-africano
a qualquer das avós. Também nos entretemos a observar a mostrar os recantos da Casa Amora, composta
hora, 30 mi- cozinheira Nita, que anda de volta dos sumos e por cinco quartos e seis estúdios, que se
nutos de cha- dos bolos, para servir ao pequeno-almoço. E é estendem por dois prédios, dos proprietários
madas diárias com esta são-tomense de 43 anos, de lenço à Luís Capinha e João Canilho. Os nomes dos
e gratuitas, volta da cabeça, a combinar com as toalhas das quartos prestam homenagem a Lisboa e ao
acesso ao mesas, e sorriso generoso, que nos perdemos na seu lado mais artístico, através de figuras que
serviço Uber, conversa, numa viagem ao sabor das saudades marcaram a cultura portuguesa. Seguimos
Google Maps, e da comida de São Tomé e Príncipe, a sua terra visita pelos três quartos duplos: no da poetisa
TripAdvisor natal. “Cozinhar é o que eu mais gosto de fazer, Florbela Espanca, o olhar cola-se à banheira de
e informação e aprendi com a minha mãe”, explica. E ferro fundido; no da fadista Amália Rodrigues,
sobre Lisboa, acrescenta: “Em África, desde muito novas, temos a varanda privada pisca-nos o olho, e no de
selecionada de ajudar as mamãs que vão trabalhar bem cedo Beatriz Costa, os tons fortes lembram a energia
pela casa para os campos”. Já na mesa do encantador contagiante da atriz. Nos quartos individuais,
(onde comer e terraço, desperta-se o paladar com a prova dos podemos escolher o Fernando Pessoa, com o teto
beber, bolos à fatia (de banana, de maçã ou de chocolate, original de estuque e uma pequena biblioteca
o que visitar). por exemplo), feitos com fruta e ovos biológicos, privada. Lá dentro, há de tudo um pouco,
e do pão da Eric Kayser, que barramos com as principalmente a alma de uma cidade artística
compotas caseiras, entre outras iguarias que e boémia. Sandra Pinto


R. João Penha, 13, Lisboa > T. 91 930 0317 > a partir de €130

126 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
O gosto dos outros

Estelle
Valente Gosta de fado
e, quando pre-

Típica de Alfama Lisboa Nasceu em Paris,


cisa de estar consigo mesma, “es-
teja muito triste ou muito alegre”,
vai sempre à Maria da Mouraria, do
A casa do senhor Manuel e da dona mas há oito anos que fadista Hélder Moutinho e da Bela
Lurdes é um dos poucos cafés de bair- não passa sem a luz
ro, em Alfama, onde Estelle vive. “Junta
pessoas muito diferentes e ali encontro de Lisboa. Fotógrafa
os meus amigos. É também onde vou oficial da fadista Gisela
ver os jogos de futebol e, apesar de ser
casa de benfiquistas, recebem muito
João e colaboradora
bem esta portista”, brinca a fotógrafa. do Teatro São Luiz,
aqui partilha
os lugares que lhe
dão paz e onde
se sente em casa
Janelão do Teatro São Luiz
I N Ê S B E L O ibelo@visao.pt
Lisboa
“É enorme, lindíssimo e tem uma luz
muito bonita para fotografar”, diz Estelle
O Miradouro de Santo Estêvão, sobre o janelão do São Luiz que fica
no primeiro andar do teatro, ao lado do
no coração de Alfama, é um
Jardim de Inverno. “Toda a gente devia
refúgio: “Sempre que preciso
ir lá acima, para o ver”, aconselha.
de paz, silêncio e, sobretudo,
de ver o horizonte”

Lanzarote Espanha
Esteve cinco dias na casa de José
Disco “Gisela João” Saramago em Lanzarote, a fotografar
para um livro que sairá em breve, da
Não é só porque é um “grande álbum” jornalista Anabela Mota Ribeiro. “Fiquei
que Estelle Valente escolhe o primeiro apaixonada por aquela ilha negra,
disco da fadista Gisela João, com vulcânica. Senti-me na Lua, em Marte.
quem tem crescido profissionalmente. Melhor, senti-me fora deste mundo.
DIANA TINOCO

“Mudou a minha vida e, nesse sentido, É tudo muito tranquilo, percebi por que
representa tudo para mim.” razão Saramago escolheu viver ali.”

16 AGOSTO 2018 VISÃO 127

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
J OGOS

Palavras cruzadas O S T E R M O S - C H AV E D A AT U A L I D A D E

> > HORIZON TAIS >> 1. O futebolista português Cristiano Ronaldo disse
que a opção pelo (…) “foi uma decisão fácil”, tendo em conta a dimensão do
clube campeão italiano, pelo qual assinou por quatro anos. Mulo. // 2. Caminhar.
Mata de arecas. // 3. Televisão (abrev.). Mamífero cervídeo de grande porte, que
vive nas regiões frias do Hemisfério Norte e que é domesticável. // 4. Estrofe
de oito versos. Designa carência ou ausência (prep.). // 5. Aguardente (gír.). De
modo nenhum. // 6. Que tem as mesmas características. Bill (…), fundador da
Microsoft, tem o hábito de partilhar connosco as suas leituras preferidas – este
ano, escolheu cinco, com temas que vão do “porque é que acontecem coisas
más às pessoas boas?” ou “para onde vai a Humanidade?”. // 7. Nove mais um.
Costume. // 8. Indica lugar, tempo, modo, causa, fim e outras relações (prep.).
Casta de uva preta. // 9. A mim. Risca de cor diferente. // 10. Hospedo. Assalta.
// 11. Arca em que os comediantes transportavam os seus vestuários
e adereços. Guarnecer de asas. >> V E RT I CAI S >> 1. Cano que conduz o
metal derretido para o molde. Algarve – o bom, o novo, e o renascido – lugares
e (…) diferentes para descobrir o futuro da região, longe das multidões.
// 2. Caminhada ou outro qualquer modo de deslocação para chegar de um
lugar a outro, mais ou menos distante. Tecido fino como escumilha. // 3. Seis
em numeração romana. Pancada (interj.). Red. de maior. // 4. Incorreta. Observe.
// 5. Evoluciona. Língua falada outrora a sul do Loire. // 6. Qualquer pessoa que
não se sabe ou não se deseja nomear. Substância utilizada para condimentar
os alimentos. // 7. Larva que se cria nas feridas dos animais (Brasil). Ânsia da
morte. // 8. A si mesmo. Pessoa ou coisa que está próxima de quem fala.
// 9. Os (…) descobriram que os ratos também são “parvos” – como se o que
leva alguém a não abrir mão de uma opção claramente errada não fosse
intrigante q. b., uma investigação conclui que os ratos fazem o mesmo.
// 10. Contr. dos pron. “me” e “a”. Mulher ou qualquer fêmea que teve um ou
mais filhos. Baú. // 11. Gemido de agonia. Sufixo de abundância. Rio da Suíça.

>> Q U I Z >> 1. B. // 2. A // 3. C // 4. A // 5. B // 6.C // 7. A // 8. B// 9. C // 10. C


SOLUÇÕES

// 4. Errada, Veja. // 5. Evolui, Oc. // 6. Tanas, Sal. // 7. Ura, Agonia. // 8. Se, Esta. // 9. Cientistas. // 10. Ma, Mãe, Arca. // 11. Ulo, Oso, Aar.
// 8. Em, Vianesa. // 9. Me, Listra. // 10. Alojo, Ataca. // 11. Sóraco, Asar. >> VERTICAIS >> 1. Jito, Ideias. // 2. Viagem, Ló. // 3. VI, Truz, Mor.
>> HO R I ZO NTA I S >> 1. Juventus, Mu. // 2. Ir, Arecal. // 3. Tv, Rena. // 4. Oitava, Sem. // 5. Ardosa, Não. // 6. Igual, Gates. // 7. Dez, Uso.

Sudoku DIFÍCIL Quiz


POR FILIPE LUÍS

1. Qual o ciclista que 6. O núcleo do átomo é composto


mais vezes ganhou por...
a Volta a Portugal? A. Neutrões e eletrões
A. Joaquim Agostinho B. Eletrões e protões
B. Marco Chagas C. Protões e neutrões
C. José Maria Nicolau
7. Que artista pintou As Meninas,
2. Em que ano se deu o último em exposição no Museu do Prado,
grande incêndio na serra de em Madrid?
Monchique? A. Velázquez
A. 2003 B. El Greco
B. 2004 C. Antonio Moro
C. 2005
8. Estes jogadores alinharam no
3. Em que forte da barra Benfica, Porto e Sporting, mas só
do Tejo caiu Salazar da cadeira? um foi campeão pelos três. Qual?
A. Catalazete A. Fernando Mendes
B. São Julião B. Eurico Gomes
C. Santo António C. Derley
4. De que rei era filho 9. Que Presidente americano reatou
bastardo D. João I, relações com a China comunista?
o Mestre de Avis? A. Ronald Reagan
A. D. Pedro I B. Jimmy Carter
B. D. Fernando C. Richard Nixon
C. D. Afonso IV
10. O filme Detroit, de Kathryn
5. Embora nascida no Egito, Bigelow, retrata que acontecimento?
Cleópatra era de origem... A. Desemprego na indústria automóvel,
DÊ-NOS NOTÍCIAS > T.21 469 8101 > T. 22 043 7025 A. Síria 2015
> VISAOSE7E@VISAO.PT B. Grega B. Inundações, 2014
C. Mesopotâmica C. Conflitos raciais, 1967

128 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
Proprietária/Editora: TRUST IN NEWS, UNIPESSOAL LDA.
Sede: Rua Rodrigo Reinel, 9, 1.º - Esq. 1400-319 Lisboa.
NIPC: 514674520.
Gerência da TRUST IN NEWS: Luís Delgado,
Filipe Passadouro e Cláudia Serra Campos.
Composição do Capital da Entidade Proprietária: 10.000,00 euros,
Principal acionista: Luís Delgado (100%)
Publisher: Mafalda Anjos
THALGO
O cuidado profissional 100% satisfação!
Este cuidado profissional oferece uma
eficácia dupla de adelgaçamento e firmeza
Diretora: Mafalda Anjos graças ao seu protocolo 100% adaptável
Diretor-Executivo: Rui Tavares Guedes aos objetivos e à morfologia de cada
Subdiretora: Sara Belo Luís corpo feminino. O CUIDADO BODY
Editores-Executivos: Catarina Guerreiro e Filipe Luís
Gabinete Editorial: José Carlos de Vasconcelos (Coordenador)
SCULPT reduz visivelmente a celulite
EXAME/Economia: Tiago Freire (diretor) e corrige a flacidez cutânea, em zonas
Editores: Alexandra Correia (Sociedade), Filipe Fialho (Mundo), Inês Belo precisas. A sua tecnologia patenteada
(VISÃO Se7e), João Carlos Mendes (Grafismo), Manuel Barros Moura (visao.pt) BODY PALP, inspirada na terapia das
e Pedro Dias de Almeida (Cultura) ventosas, desestrutura os capitons
Redatores Principais e Grandes Repórteres: Cláudia Lobo, José Plácido
instalados, tonifica o corpo, reposiciona
Júnior, Miguel Carvalho, Patrícia Fonseca e Rosa Ruela
Redação: André Moreira, Carmo Lico (online), Cesaltina Pinto, Clara Cardoso,
os volumes e remodela a silhueta. A sua
Clara Soares, Clara Teixeira, Florbela Alves (Coordenadora VISÃO Se7e/Porto), técnica Push-Up inédita remodela as
Joana Loureiro, José Pedro Mozos, Luísa Oliveira, Luís Ribeiro (Coordenador nádegas, que recuperam volume e forma.
Sociedade), Margarida Vaqueiro Lopes, Nuno Aguiar, Octávio Lousada Oliveira,
Paulo C. Santos, Paulo Zacarias Gomes, Rosário Mello e Castro (Coordenadora VISÃO
Sete), Rui Antunes, Sandra Pinto, Sara Rodrigues, Sara Santos (redes sociais), Sara Sá,
Sílvia Caneco, Sílvia Souto Cunha, Sónia Calheiros, Susana Lopes Faustino, Susana
Silva Oliveira, Teresa Campos (Coordenadora Radar) e Vânia Maia SWAROVSKI TRUSSARDI
Grafismo: Paulo Reis (Editor adjunto), Teresa Sengo (Coordenadora),
Ana Rita Rosa, Edgar Antunes, Hugo Filipe e Patrícia Pereira
Eyewear Collection
SOUND OF DONNA
Os seus passos ecoam pelas escadas,
Infografia: Álvaro Rosendo e Manuela Tomé
Fotografia: Fernando Negreira (Coordenador), Diana Tinoco, o vento sopra no seu cabelo...
José Carlos Carvalho, Lucília Monteiro, Luís Barra e Marcos Borga Elegante mas não convencional, Sound of Donna é
Copydesk: Rui Carvalho
uma fragrância que não deixa ninguém indiferente.
Secretariado: Sofia Vicente (Direção), Teresa Rodrigues (Coordenadora),
Ana Paula Figueiredo e Luís Pinto A sua família olfativa é nova: Oriente/Floral/Gulosa/
Colunistas: Adolfo Mesquita Nunes, António Lobo Antunes, Capicua, A nova coleção FW-18-19 da Swarovski aposta em Amadeirada. Nas notas de cabeça, verdes e vivas, o sumo
Germano Silva, Isabel Moreira, João Semedo, José Eduardo Martins, Paul Krugman, modelos cheios de brilho, glamour e formas originais, da tangerina namora as amêndoas verdes crocantes
Pedro Norton, Ricardo Araújo Pereira, Rita Rato e Thomas Piketty dedicadas às mulheres modernas e multifacetadas. e a frescura incomparável da magnólia. Nas notas de
Colaboradores Texto: Manuel Gonçalves da Silva, Manuel Halpern, Miguel Judas Inspirada na sua coleção de joalharia, a linha da coração, a sensualidade hipnótica da tuberosa é realçada
Ilustração: João Fazenda (Boca do Inferno), Susa Monteiro (António Lobo Antunes)
Centro de Documentação: Gesco
Eyewear exala os elementos de design característicos pela inequívoca feminilidade da rosa e pela suave carícia
Redação, Administração e Serviços Comerciais: Rua Calvet de Magalhães, e exclusivos da Swarovski. Modelos femininos, do heliotrópico. Nas notas de base, o equilíbrio subtil de
nº 242, 2770-022 Paço de Arcos – Tel.: 214 698 000 Fax: 214 698 500 modernos e fáceis de usar, destacam a beleza dos três elementos que habitualmente contrastam: madeira
Delegação Norte: Rua Conselheiro Costa Braga nº 502 – 4450-102 MATOSINHOS cristais Swarovski, proporcionando um brilho de sândalo, patchuli e acorde Mont Blanc. Este último
Telefone – 220 993 810 definitivo que realça o estilo único de cada mulher. ingrediente é a verdadeira Estrela de toda a criação.
Marketing: Marta Silva Carvalho (diretora) – mscarvalho@trustinnews.pt
Marta Pessanha (gestora de marca) – mpessanha@trustinnews.pt
Publicidade: Directora Comercial – Vânia Delgado – vdelgado@trustinnews.pt
Directora Coordenadora Publicidade – Maria João Costa – mjcosta@trustinnews.pt
Gestora de Marca – Ana Ribas – aribas@trustinnews.pt
Gestor de Marca – José Carolino – jmcarolino@trustinnews.pt
Gestora de Marca – Mariana Jesus – mjesus@trustinnews.pt
Assistente Comercial – Elisabete Anacleto – eanacleto@trustinnews.pt
Assistente Comercial – Florbela Figueiras – ffigueiras@trustinnews.pt
Delegação Porto: Gestora marca – Margarida Vasconcelos
– mvasconcelos@trustinnews.pt
Assistente Comercial – Rita Gencsi – rgencsi@trustinnews.pt
Telf. Lisboa – 21 469 80 00 – Telf. Porto – 220 990 052
Branded Content: Directora – Rita Ibérico Nogueira – rnogueira@trustinnews.pt
Produção, circulação e assinaturas: Vasco Fernandez (Diretor),
Nuno Carvalho, Nuno Gonçalves, Pedro Guilhermino e Paulo Duarte (Produtores).
Helena Matoso (Coordenadora de assinaturas).
Serviço de apoio ao assinante. Tel.: 21 870 50 50 (Dias úteis das 9h às 19h)
Impressão: Lisgráfica – Casal de Sta. Leopoldina – 2745 Queluz de Baixo. COLEÇÃO SAFARI
AND THE CITY DA C&A
Distribuição: VASP MLP, Media Logistics Park, Quinta do Grajal. Venda Seca,
2739-511 Agualva-Cacém Tel.: 214 337 000.
Pontos de Venda: contactcenter@vasp.pt – Tel.: 808 206 545, Fax: 808 206 133 Os tons terra invadem os looks citadinos,
Tiragem média: 76 100 exemplares
Registo na ERC com o nº 112 348
seja para levar para o emprego ou
Depósito Legal nº 127961/98 – ISSN nº 0872-3540 para um passeio ao final da
Estatuto editorial disponível em www.visao.pt
tarde. Com peças femininas
e funcionais, os looks criados
A Trust in News não é responsável pelo conteúdo dos anúncios
nem pela exatidão das características e propriedade dos produtos com esta tendência oferecem estilo
e/ou bens anunciados.
A respetiva veracidade e conformidade com a realidade, são da integral
e conforto. Blusas texturadas, casacos estilo
e exclusiva responsabilidade dos anunciantes e agências ou empresas militar de algodão/linho em verde tropa e calças
publicitárias. Interdita a reprodução, mesmo parcial de textos, fluídas, são alguns dos must have desta coleção.
fotografias ou ilustrações sob qualquer meios, e para quaisquer
fins, inclusive comerciais. A moda está sempre a mudar, mas o que não muda é
o compromisso da C&A em proporcionar um estilo
inspirador e sustentável para toda a família, com
a melhor qualidade e a um preço justo. As nossas
10 linhas abrangem todo o ciclo de vida e garantem
que os consumidores estão bem vestidos para todas Renovamos e desenvolvemos as nossas coleções
ASSINATURAS as ocasiões. A nossa inspiração vem diretamente para celebrarem, inspirarem e adequarem-se às
da riqueza, beleza e energia da vida diária. vidas dinâmicas e variadas dos nossos clientes.
Ligue já
21 870 50 50
Dias úteis – 9h às 19h

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
BOCA DO INFERNO

Ver futebol:
um desporto caro
POR RICARDO ARAÚJO PEREIRA

H
á 30 anos quase não havia futebol na te- lhores momentos e às vezes nem isso porque, “por
levisão. Agora quase não há outra coisa. razões a que somos alheios, só foi possível captar os
Naquela altura era preciso ouvir os relatos últimos instantes deste lance”. Agora vemos todos
na rádio. Agora há canais de televisão que os jogos da primeira divisão, vários da segunda e
transmitem o jogo e outros que transmi- alguns treinos. Além dos campeonatos estrangeiros
tem um jornalista a ver o jogo e a relatá-lo. e das competições internacionais. Parece que, neste
Em breve, aposto, teremos outro canal a momento, para ter acesso a todos os jogos, é preciso
fazer o relato do canal que está a fazer o pagar mais ou menos 50 euros por mês, ou seja, 600
relato. Imagino que uma estação de baixo euros por ano. Há o campeonato inglês, que é o me-
orçamento, que não tenha dinheiro para lhor do mundo. O espanhol, que é o segundo melhor.
subscrever o canal que está a dar o jogo, passe a usar O italiano, onde joga Cristiano Ronaldo. O francês,
esta estratégia em breve: fazer o relato do relato. que tem Leonardo Jardim. Entretanto, Paulo Sousa e
“Neste momento, o jornalista que está a ver o jogo Vítor Pereira estão na China. E ainda falta a Liga dos
diz que o Benfica está a atacar. Parece que a bola foi Campeões, claro. Os campeonatos mais obscuros
para fora. Diz que agora é pontapé de baliza.” É como foram ganhando os chamados “factores de interes-
se um vizinho nosso tivesse um vizinho que tem um se”. Um dos “factores de interesse” mais comuns é a
vizinho que o deixa ver o jogo. presença de “jogadores bem conhecidos do futebol
E há ainda os comentários ao futebol, os comen- português”. Que “pontificam” em certas equipas.
tários aos comentários, as pessoas que assinalam o Assistir ao jogo da equipa chinesa em que “pontifica”
excesso de comentários, e as que, como eu, além de um jogador “bem conhecido do futebol português”
observarem tudo isto, ainda se observam a si mesmas porque “actuou” no Estoril entre 2013 e 2015 é, de re-
a observar, imaginando assim obter algum tipo de pente, uma absoluta necessidade. Não é ironia, estou
salvação. Quando eu tinha 15 anos os jogos não eram mesmo curioso por saber o que fará Sebá ao serviço
transmitidos, salvo raríssimas excepções. Havia o do Chongqing Lifan, clube em que pontifica. Já estou
Domingo Desportivo, que dava o resumo dos me- a poupar dinheiro para subscrever todos os canais.

Há canais
de televisão
que transmitem
o jogo e outros
que transmitem
um jornalista
a ver o jogo
e a relatá-lo.
Em breve,
aposto, teremos
ILUSTRAÇÃO: JOÃO FAZENDA

outro canal
a fazer o relato
do canal que está
a fazer o relato

130 VISÃO 16 AGOSTO 2018

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
81780

A SUA SAÚDE MERECE


A MELHOR VISAO

A NOVA REVISTA PARA QUEM SE INTERESSA POR SAÚDE_


PARA ASSINAR LIGUE 21 870 50 50 OU VÁ A LOJA.TRUSTINNEWS.PT
Dias úteis das 9h às 19h. Indique ao operador o código promocional COBCI

© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)
© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)

JLC_V_1328.indd 1 19-07-2018 15:49:08


© Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Ficheiro gerado para o utilizador 81780 - nsergiobarros@gmail.com - 172.17.21.102 (17-08-18 11:29)