Você está na página 1de 110

SESAP-RN e

Pref. de Natal-RN

1
Elton Chaves
Especialista em Unidade de Terapia Intensiva. Professor de cursos preparatórios de
enfermagem a mais de oito anos. Professor de cursos de Pós-graduações em Urgência e
Emergência. Aprovado em vários concursos públicos na Enfermagem, a exemplo do HUB
(EBSERH) e Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF).

Fernanda Andrade Barboza


Enfermeira graduada pela UFBA. Pós-Graduada em Saúde Pública e Vigilância Sanitária.
Servidora do TST. Trabalhou oito anos como enfermeira do Hospital Sarah. Aprovada em 1º
lugar para o Ministério da Justiça, 2º lugar no Hemocentro - DF, 2º lugar no Superior Tribunal
Militar (nomeada pelo TST).

Natale Oliveira
Enfermeira graduada em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Federal de Feira de
Santana. Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Feira de Santana. Atualmente
é Enfermeira Estatutária da Atenção Básica da Prefeitura Municipal de Salvador, Coach,
Mentora, Consultora, Palestrante, Escritora e Docente na Área de Concursos e Residências.
Conta com 16 aprovações em concursos e seleções públicas.

Polyanne Aparecida
Enfermeira graduada pela Universidade de Brasília (UnB). Doutoranda pela UnB na linha de
Processo de cuidar. Mestre pela USP na linha de Gestão em Serviços de Saúde. Atuou como
Analista de treinamento na Simulação realística do Hospital Israelita Albert Einstein em São
Paulo, e por 5 anos na Pediatria da Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação.

Rômulo Passos
Enfermeiro pela UFPB (2007). Especialista em Saúde Coletiva pela UFBA (2010). Mestrando em
Saúde da Família pela Faculdade Nova Esperança. Atuou como Coordenador da Atenção Básica
em Campo Alegre de Lourdes/BA. Atuou como Enfermeiro do HULW-UFPB (EBSERH). Autor de
livros nas áreas de Enfermagem e Políticas de Saúde para concursos. Aprovado em oito
concursos públicos. Atualmente é coordenador pedagógico e professor do site.

Sandy Yasmine
Enfermeira Graduada pela UFRN. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem
da UFRN. Atualmente atua como Enfermeira Assistencial do Hospital Universitário Onofre Lopes
(HUOL - UFRN).

2
3
Sumário
Políticas de Saúde e Legislação do SUS
1 - SUS NA CF/88 .............................................................................................5
2 - LEI Nº 8.080/90 ..........................................................................................6
3 - CONTROLE SOCIAL LEI Nº 8.142/90 ........................................................... 13
4 - DECRETO Nº 7.508/2011 ........................................................................... 15
5 - NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA ...................................... 16
6 - POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO (PNH) ......................................... 19
7 - POLÍTICA NAC. DE ATENÇ. INTEGRAL À SAÚDE DA CRIANÇA (PNAISC) ........ 21
8 - NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA ................................................................... 23
Conhecimentos Específicos em Enfermagem
1 - SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA.................................................................. 24
2 - BIOSSEGURANÇA NAS AÇÕES DE ENFERMAGEM ....................................... 29
3 - TEORIAS E PROCESSO DE ENFERMAGEM ................................................... 37
4 - CÓDIGO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM ......................................................... 39
5 - PLANEJ., GERENCIAMENTO E AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE SAÚDE ............... 42
6 - DIABETES MELLITUS.................................................................................. 47
7 - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA .......................................................... 50
8 - HANSENÍASE............................................................................................. 53
9 - HIV/AIDS .................................................................................................. 55
10 - TUBERCULOSE ........................................................................................ 59
11 - SAÚDE DA MULHER ................................................................................ 62
12 - SAÚDE DA CRIANÇA ................................................................................ 82
13 - IMUNIZAÇÃO .......................................................................................... 88
14 - SAÚDE DO IDOSO ................................................................................... 95
15 - URGÊNCIA E EMERÊNCIA ........................................................................ 97
16 - ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO CLIENTE EM ESTADO GRAVE ........... 107

4
POLÍTICAS DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DO SUS
1 - SUS na CF/88

Artigos 194 a 200

5
Competência do SUS
I - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de interesse para a saúde e participar da
produção de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros insumos;
II - executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador;
III - ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde;
IV - participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico;
V - incrementar, em sua área de atuação, o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação; (EC
nº 85, de 2015)
VI - fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como
bebidas e águas para consumo humano;
VII - participar do controle e fiscalização da produção, transporte, guarda e utilização de substâncias e
produtos psicoativos, tóxicos e radioativos;
VIII - colaborar na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho.

2 - LEI Nº 8.080/90
Disposições Gerais do SUS Art. 1º a 4º

6
Objetivos e Atribuições do SUS Art. 5º a 6º

7
Princípios e Diretrizes do SUS - Art. 7º

Organização, Direção e Gestão do SUS - Art. 8º a 14B

8
9
Subsistema de Atenção à Saúde Indígena no SUS

Subsistema de Atendimento e Internação Domiciliar no SUS

10
Assistência Terapêutica e Incorporação de
Tecnologia em Saúde no SUS

Serviços Privados de Assistência à Saúde


em parceria com o SUS

11
Recursos Humanos do SUS

Financiamento e Planejamento do SUS

 O Ministério da Saúde acompanhará → sistema de auditoria → a conformidade à


programação aprovada da aplicação dos recursos repassados a Estados e Municípios.
 Constatada a malversação, desvio ou não aplicação dos recursos, caberá ao Ministério da Saúde
aplicar as medidas previstas em lei.
 Para o estabelecimento de valores a serem transferidos aos entes federativos → utilizada a
combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de programas e projetos:

12
3 - Controle Social Lei nº 8.142/90

13
14
4 - Decreto nº 7.508/2011

15
5 - Nova Política Nacional de Atenção Básica

Infraestrutura, Ambiência e Funcionamento da Atenção Básica

16
Tipos de Equipe da Atenção Básica

Equipe de Saúde da Família (eSF)

Equipe da Atenção Básica (eAB)

17
1. (Residência Multiprofissional em Saúde-UERN/2017) A Portaria Nº 2.436, de 21 de
setembro de 2017 aprova a nova Politica Nacional de Atenção Básica – PNAB, com vistas à
revisão da regulamentação e operacionalização vigentes, no âmbito do Sistema Único de Saúde
– SUS, estabelecendo-se as diretrizes para a organização do componente Atenção Básica, na
Rede de Atenção à Saúde – RAS. Em relação à PNAB, assinale a alternativa correta.
a) Recomenda-se uma população adscrita por equipe de Atenção Básica (eAB) e de Saúde da
Família (eSF) de 1.500 a 5.500 pessoas, localizada dentro do seu território, garantindo os
princípios e diretrizes da Atenção Básica;
b) Equipe de Saúde da Família (eSF) é a estratégia prioritária de atenção à saúde e visa à
reorganização da Atenção Básica no país, de acordo com os preceitos do SUS, composta no
mínimo por médico, preferencialmente da especialidade medicina de família e comunidade,
enfermeiro, preferencialmente especialista em saúde da família; auxiliar e/ou técnico de
enfermagem, agente comunitário de saúde (ACS) e agente de combate às endemias (ACE).
c) Para equipe de Saúde da Família, há a obrigatoriedade de carga horária de 40 (quarenta)
horas semanais para todos os profissionais de saúde membros da ESF, excetuando-se o
profissional médico que pode optar por carga horária de 20 (vinte) horas semanais. Dessa
forma, com exceção dos médicos, os demais profissionais da ESF poderão estar vinculados a
apenas 1 (uma) equipe de Saúde da Família, no SCNES vigente.
d) Os Núcleos Ampliados de Saúde da Família (Nasf-AB) se constituem em uma equipe
multiprofissional e interdisciplinar composta por categorias de profissionais da saúde,
complementar às equipes que atuam na Atenção Básica, atuando de maneira integrada para
dar suporte (clínico, sanitário e pedagógico) aos profissionais das equipes de Saúde da Família
(eSF), não podendo serem vinculadas às equipes de Atenção Básica (eAB).
e) Em áreas de grande dispersão territorial, área de risco e vulnerabilidade social, recomenda-
se a cobertura de 100% da população com número máximo de 750 pessoas por ACS.

18
6 - Política Nacional de Humanização (PNH)
 Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca pôr em prática os
princípios do SUS no cotidiano dos serviços de saúde, produzindo mudanças nos modos
de gerir e cuidar;

 A PNH estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores e usuários para construir


processos coletivos de enfrentamento de relações de poder, trabalho e afeto que
muitas vezes produzem atitudes e práticas desumanizadoras que inibem a autonomia e
a corresponsabilidade dos profissionais de saúde em seu trabalho e dos usuários no
cuidado de si.

Contextualização...

Fundamenta-se em:

19
Princípios Norteadores
 Valorização da dimensão subjetiva e social em todas as práticas de atenção e gestão,
fortalecendo/estimulando processos integradores e promotores de
compromissos/responsabilização.
 Estímulo a processos comprometidos com a produção de saúde e com a produção de
sujeitos.
 Fortalecimento de trabalho em equipe multiprofissional, estimulando a
transdisciplinaridade e a grupalidade.
 Atuação em rede com alta conectividade, de modo cooperativo e solidário, em
conformidade com as diretrizes do SUS.
 Utilização da informação, da comunicação, da educação permanente e dos espaços da
gestão na construção de autonomia e protagonismo de sujeitos e coletivos.

20
Marcas específicas da PNH que deverão ser alcançadas

2. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) Para a construção de uma política de qualificação


do SUS, a humanização deve ser vista como uma das dimensões fundamentais, não podendo
ser entendida como apenas um programa a mais a ser aplicado aos diversos serviços de saúde,
mas como uma política que opera transversalmente em toda rede do SUS. Nesse sentido, um
dos princípios que norteiam a Política Nacional de Humanização é
a) o fortalecimento do trabalho profissional especializado e voltado para o cuidado com o
indivíduo.
b) a redução das filas e o do tempo de espera, com ampliação do acesso e atendimento
acolhedor e resolutivo, baseados em critérios de risco.
c) a consolidação e expansão dos grupos de trabalho de humanização no Ministério da Saúde,
nas secretarias estaduais e municipais de saúde e nas demais instituições.
d) a construção de autonomia e protagonismo dos sujeitos e coletivos implicados na rede do
SUS.

7 - A Política Nacional de Atenção Integral


à Saúde da Criança (PNAISC)
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) é orientada pelos
seguintes princípios (Portaria nº 1.130/2015, art. 4º):

21
3. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) A Portaria nº 1.130, de 5 de agosto de 2015,
institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do
Sistema Único de Saúde (SUS). A PNAISC propõe como diretriz a ser observada na elaboração
dos planos, programas, projetos e ações de saúde voltadas para crianças
a) o direito à vida e à saúde.
b) a integralidade do cuidado na rede de atenção.
c) o acesso universal à saúde.
d) a organização das ações e serviços na rede de atenção.

22
8 - Notificação Compulsória

4. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) A Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016,


define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde
pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional. Em relação ao
que prevê essa portaria, considere as seguintes afirmativas:
I - Notificação compulsória é a comunicação obrigatória à autoridade de saúde, realizada pelos
médicos, profissionais de saúde ou responsáveis pelos estabelecimentos de saúde, públicos ou
privados, somente no caso de confirmação de doença, agravo ou evento de saúde pública.
II - Vigilância sentinela é o modelo de vigilância realizada a partir de estabelecimento de saúde
estratégico para a vigilância de morbidade, mortalidade ou agentes etiológicos de interesse
para a saúde pública, com participação facultativa, segundo norma técnica específica
estabelecida pela Secretaria de Vigilância em Saúde.
III - Notificação compulsória negativa é a comunicação mensal realizada pelo responsável pelo
estabelecimento de saúde à autoridade de saúde, informando que não foi identificado
nenhuma doença, agravo ou evento de saúde pública constante da Lista de Notificação
Compulsória.
IV - Evento de Saúde Pública (ESP) é a situação que pode constituir potencial ameaça à saúde
pública, como a ocorrência de surto ou epidemia, doença ou agravo de causa desconhecida,
alteração no padrão clínico-epidemiológico das doenças conhecidas, considerando o potencial
de disseminação, a magnitude, a gravidade, a severidade, a transcendência e a vulnerabilidade.

Das afirmativas, estão corretas


a) II e IV
b) I e II
c) I e III
d) III e IV

23
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS EM ENFERMAGEM
1 - SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA
Cálculo de Medicação

1. (HU-UFMT/EBSERH/AOCP/2014) Médico prescreveu para criança internada na Pediatria:


Metronidazol 125mg EV a cada 8 horas. Na instituição, há disponível Metronidazol 0,5% com 100ml de
solução injetável. Para execução da prescrição, quantos ml da droga serão necessários?
a) 5. b) 10. c) 12,5. d) 25. e) 50.

2. (Pref. Assú/RN/COMPERVE/UFRN/2014) Para administração de uma hidratação venosa, foi prescrito


1500 mL (mililitros) de soro glicosado a 5% para ser infundido em 24 horas. Nesse caso, o gotejamento,
em micro gotas por minuto deve ser, aproximadamente, de
a) 42 micro gotas por minuto.
b) 21 micro gotas por minuto.
c) 63 micro gotas por minuto.
d) 84 micro gotas por minuto.

24
Feridas e Curativos
Tipos de Cicatrização

25
3. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) Um paciente de 76 anos está internado na Unidade de Clínica
Médica há 32 dias. Durante exame físico, o enfermeiro observa, na região sacral, perda parcial da
espessura da derme, que se apresenta como uma ferida superficial com leito vermelho e sem esfacelo.
Apresenta-se, ainda, como uma úlcera brilhante, sem crosta ou equimose. Assim, o enfermeiro relata
em prontuário que o paciente apresenta uma úlcera por pressão em estágio
a) 1. b) 2. c) 3. d) 4. e) 5.

26
4. (Residência Integrada Multiprofissional em Saúde/COMPERVE/UFRN/2018) Para avaliação dos
pacientes, os enfermeiros utilizam escalas validadas por testes de confiabilidade. Assim, as escalas
utilizadas pelo enfermeiro para avaliar a alta de pacientes em pós-operatório imediato, na unidade de
recuperação pós-anestésica, o risco de úlcera por pressão e o risco de queda são, respectivamente,
a) Karnofisk; Bristol e Richmond.
b) Waterlow; Braden e Ramsay.
c) Homans e Brad; Leopold e Gosnell.
d) Aldrete e Kroulik; Norton e Morse.

Principais Tipos de Coberturas


Considera-se cobertura todo material, substância ou produto que se aplica sobre uma
ferida, formando uma barreira física, com capacidade de proteção e regeneração celular.
Vejamos abaixo uma tabela que resume as principais coberturas utilizadas na prática de
enfermagem e que são recorrentemente cobradas pelas bancas examinadoras (FRANCO;
GONÇALVES, 2007; GEOVANINI, 2014; SMANIOTTO et al., 2010; CAMPOS et al., 2016).

27
28
5. (HU-FURG/EBSERH/IBFC/2016) O tipo de cobertura indicado para feridas limpas, pouco exsudativas e
prevenção de ulcera por pressão (UPP) e que não deve ser utilizado como curativo secundário é
chamado de:
a) Carvão Ativado. c) Hidrogel. e) Sulfadiazina de prata 31%.
b) Hidrocolóide. d) Filme transparente.

2 - BIOSSEGURANÇA NAS AÇÕES DE ENFERMAGEM

29
30
6. (UFRN/COMPERVE/2016) Em relação à assistência à saúde, o processamento de produtos
para saúde realizado com qualidade é um dos pilares do controle e prevenção das infecções.
Sobre esse tema, leia as seguintes afirmativas:

I - O monitoramento do processo de esterilização com indicador biológico deve ser feito em


dias alternados.
II - É proibido o uso de autoclave gravitacional de capacidade superior a 100 litros para a
esterilização de produtos para a saúde.
III - A esterilização de produtos para a saúde somente pode ser realizada em estufa.
IV A desinfecção de nível intermediário elimina bactérias vegetativas, micobactérias, a maioria
dos vírus e fungos, mas não destrói as bactérias esporuladas.

Das afirmativas, estão corretas

a) III e IV.
b) I e II.
c) II e IV.
d) I e IV.

Controle de Infecção Hospitalar

31
Comissões de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH
Vamos estudar sobre as CCIH, conforme disposições da Portaria do MS nº 2.616/98, que
regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no Brasil. Atualmente, o termo referido pela
ANVISA é Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS).

32
7. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) A Portaria 2.616/98 trata da organização e competência da
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). Em relação à CCIH, considere as seguintes
afirmativas:
I - A inexistência ou inoperância da CCIH configura negligência, acarretando responsabilidade civil para
instituição, e os profissionais envolvidos são responsabilizados civil e penalmente.
II - A CCIH deverá ser composta, no mínimo, por membros do serviço médico e de enfermagem.
III - É competência da CCIH elaborar e aprovar o seu regimento interno, adequar e supervisionar as
normas e rotinas técnicas e operacionais visando a prevenção e controle das infecções hospitalares.
IV - A CCIH é a executora do Programa de Controle de Infecção Hospitalar.

Em relação à CCIH, estão corretas as afirmativas


a) II e IV. b) I e III. c) II e III. d) I e IV.

Preparo da pele para punção venosa periférica

33
8. (Residência Integrada Multiprofissional em Saúde/COMPERVE/UFRN/2018) M.S.C é um senhor de
82 anos, internado na Unidade de Terapia Intensiva há 10 dias. Encontra-se sedado, intubado, com dieta
enteral, sondagem vesical de demora e acesso central de curta permanência. O Serviço de Controle de
Infecção Hospitalar orientou a equipe, através de Procedimento Operacional Padrão (POP), a adotar
algumas medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde para esse paciente, dentre
elas a
a) utilização rotineira da cânula nasotraqueal com um sistema de aspiração subglótica contínuo, uma
vez que M.S.C permanecerá sob ventilação mecânica por mais de 24 horas, o que facilitará a retirada do
acúmulo de secreção abaixo do balonete (espaço subglótico).
b) realização da higiene oral com gaze embebida em 5 mL de clorexidina degermante, a 0,02 %, durante
2 minutos, inclusive na superfície externa do tubo orotraqueal para prevenir colonização.
c) utilização rotineira de cateter uretral impregnado com prata para prevenir infecções e de cateteres
uretral de maior calibre possível para prevenir trauma de mucosa durante o manuseio do paciente.
d) realização do preparo da pele para inserção de cateter central de curta permanência, com solução
alcóolica de gliconato de clorexidina (> 0,5%) por 30 segundos, em movimentos de vai e vem.

34
9. (Pref. Nova Cruz/RN/COMPERVE/UFRN/2018) De acordo com a Agência Nacional de Vigilância
Sanitária (2013), as mãos devem ser higienizadas em momentos essenciais e necessários de acordo com
o fluxo de cuidados assistenciais para prevenção de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS)
causadas por transmissão cruzada pelas mãos, conhecidos como os “cinco momentos para a higiene das
mãos”. Sobre a aplicação dos cinco momentos para a higiene das mãos, considere as orientações a
seguir:
I - Há indicação para a higienização das mãos no momento 1, antes de tocar o paciente, ou seja,
momento que ocorre antes do contato com a pele íntegra do paciente e suas roupas. A ação de higiene
das mãos pode ser realizada tanto ao entrar no ambiente do paciente como ao se aproximar dele ou
imediatamente antes de tocá –lo.
II - O contato com superfícies nas imediações do paciente pode ocorrer quando itens são tocados entre
o momento da entrada no ambiente do paciente e o contato com ele. A higiene das mãos é necessária
antes do contato com essas superfícies e também antes do contato com o paciente. Se realizar a higiene
das mãos e tocar superfícies próximas ao paciente antes de tocá-lo, a higiene das mãos precisa ser
repetida.
III - Se o profissional de saúde estiver usando luvas no momento da exposição a um fluido corporal,
estas devem ser removidas imediatamente a seguir, e deve ser realizada a higiene das mãos. Essa ação
pode ser adiada até que o profissional de saúde deixe as imediações do paciente, retire e
despreze/processe os materiais/equipamentos (por exemplo, um tubo de drenagem abdominal) em
instalações adequadas, desde que ele só toque esse material/equipamento antes de higienizar as mãos.
IV - Se as luvas forem utilizadas para executar o procedimento limpo ou asséptico, a higiene das mãos
deve ser executada antes de serem calçadas, mas não há necessidade de higienização das mãos após a
retirada das luvas desde que não tenha presença de sujidades visíveis nas mãos.

Das orientações, estão corretas as presentes nos itens


a) I e III b) I e IV. c) II e III. d) II e IV.

Seguem as orientações da Anvisa sobre a organização dos lavatórios nos hospitais:

 Quarto ou enfermaria: 1 lavatório externo pode servir a, no máximo, 4 quartos ou 2


enfermarias.
 UTI: deve existir um lavatório a cada 5 leitos de não isolamento.
 Berçário: 1 lavatório a cada 4 berços.
 Ambientes destinados à realização de procedimentos de reabilitação e coleta
laboratorial: 1
 lavatório a cada 6 boxes.

35
Precaução Padrão

10. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) Um sistema de precauções tem por objetivo a prevenção


de transmissão de microorganismos de um paciente para outro, ou para um profissional da saúde.
Diante de um paciente com presença de vesículas disseminadas por todo o corpo e diagnóstico de
varicela, algumas medidas de precaução são recomendadas, considerando o modo de transmissão.
Entre essas medidas, encontram-se
a) as precauções de contato e as respiratórias para aerossóis.
b) as precauções de contato e as respiratórias para gotícula.
c) somente as precauções de contato.
d) somente as precauções respiratórias.

Artigos e Ambientes Hospitalares

36
3 - TEORIAS E PROCESSO DE ENFERMAGEM

11. (Pref. Assú/RN/COMPERVE/UFRN) O processo de enfermagem é um método sistemático de


prestação de cuidados, constituído por 5 passos. O passo que consiste na determinação das prioridades
imediatas e no estabelecimento dos resultados esperados é denominado
a) diagnóstico.
b) planejamento.
c) investigação.
d) avaliação.

37
Diagnóstico de Enfermagem

12. (HU-UFTM/IADES/2013) Sobre o processo de enfermagem, assinale a alternativa correta.


a) As intervenções da NIC estão relacionadas aos diagnósticos de enfermagem e prontamente
constroem resultados dispostos em ordem alfabética.
b) Nursing Outcomes Classification (NOC) denomina e descreve as intervenções que os enfermeiros
executam.
c) O diagnóstico de enfermagem é definido pela NANDA como julgamento clínico sobre as respostas
individuais, familiares ou comunitárias aos atuais ou potenciais problemas de saúde.
d) NANDA refere-se a diagnósticos de enfermagem fundamentados em diagnósticos médicos .

Teorias de Enfermagem

38
13. (HU-UFJF/Intituto AOCP/EBSERH/2015) Considerando as teorias de enfermagem, é correto afirmar
que a Teoria Ambientalista foi proposta por
a) Hildegard Peplau.
b) Florence Nightingale.
c) Madeleine Leiningher.
d) Imogene King.
e) Dorothea Orem.

4 - CÓDIGO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM, LEI 7.498/86


E DECRETO 94.406/87

39
14. (Pref. Jucurutu/RN/COMPERVE/UFRN/2014) De acordo com a Lei nº 7498/86, de 25 de junho de
1986, o Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe, como integrante da equipe
em saúde,
a) a organização e a direção dos serviços de enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares nas
empresas prestadoras desses serviços.
b) a direção do órgão de enfermagem integrante da estrutura básica da instituição de saúde, pública e
privada, e a chefia de serviço e de unidade de enfermagem.
c) a prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotina aprovada
pela instituição de saúde.
d) a organização, o planejamento, a coordenação, a execução e a avaliação dos serviços da assistência
de enfermagem.

Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem

40
Classificação das Infrações

41
5 - PLANEJAMENTO, GERENCIAMENTO E
AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE SAÚDE
Dimensionamento do Pessoal de Enfermagem

15. (Residência Integrada Multiprofissional em Saúde/COMPERVE/UFRN/2018) De acordo com a


Resolução nº 543/2017, do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), o referencial mínimo para o
quadro de profissionais de enfermagem, para as 24 horas de cada unidade de internação (UI), considera
o sistema de classificação de pacientes (SCP) e a proporção profissional/paciente. Assim, para efeito de
cálculo, no período de 24 horas, devem ser observadas
a) 12 horas de enfermagem, por paciente, no cuidado semi-intensivo
b) 8 horas de enfermagem, por paciente, no cuidado intermediário.
c) 4 horas de enfermagem, por paciente, no cuidado mínimo.
d) 16 horas de enfermagem, por paciente, no cuidado intensivo.

Percentual do total de Profissionais de Enfermagem

42
Liderança e Supervisão na Enfermagem

16. (EBSERH/HE-UFJF-2015) “Na enfermagem, pode-se definir este tipo de liderança como a capacidade
de influenciar as outras pessoas a tomar decisões de modo que possibilitem a continuidade da
instituição a longo prazo e a estabilidade financeira da organização a curto prazo”. O enunciado refere-
se à
a) Liderança estratégica.
b) Liderança gerencial.
c) Liderança situacional.
d) Liderança motivacional.
e) Liderança direcional.

43
18. (HU-UFGD) (...) De acordo com os estudos de Lewin, Lippitt e White, em que tipo de liderança o
enfermeiro deve se basear para que seja realizada a reanimação cardiopulmonar?
a) Autocrática. d) Coaching.
b) Transformacional. e) Laissez faire.
c) Democrática.

Trabalho em Equipe

44
Manuais, Normas e Rotinas

Segurança do Paciente

45
10 PASSOS PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE

18. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) No que se refere à segurança do paciente, a aplicação sistêmica e


contínua de iniciativas, procedimentos, condutas e recursos na avaliação e controle de riscos e eventos
adversos que afetam a segurança, a saúde humana, a integridade profissional, o meio ambiente e a
imagem institucional é denominada
a) gestão de risco.
b) inclusão processual.
c) avaliação de resultados.
d) desempenho de qualidade.
e) sistematização de recursos.

19. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (2013), os


erros de medicação são definidos como falhas no processo do tratamento medicamentoso que têm o
potencial de ocasionar danos no paciente. Assim, é importante identificar os fatores causais de erros de
medicação relacionados à redação da prescrição médica, visto que muitos deles são iniciados no
processo de prescrição. Para isso, propõem-se algumas estratégias consideradas favoráveis à prevenção
desses erros, entre as quais,

46
a) prescrever medicamentos, exclusivamente, pela denominação comercial.
b) utilizar, de preferência, abreviaturas, principalmente no nome dos medicamentos, e símbolos nas
prescrições, especialmente as convencionais.
c) proporcionar informações ao paciente sobre o propósito de cada medicamento bem como sobre o
nome, a dose, a frequência e o uso adequado.
d) nunca realizar prescrições verbais, mesmo em situações de urgência e emergência.

6 - DIABETES MELLITUS

_______
1
De acordo com o CAB nº 36 sobre Diabetes Mellitus, a glicemia de jejum normal é < 110; e a glicemia de jejum
alterada é > 110 e < 126 (BRASIL, 2013). Por esse manual do MS ser antigo, compreendemos que os valores
descritos no gráfico são mais consistentes e atualizados.

47
20. (FURG/EBSERH/IBFC/2016 - Adaptada) Sobre o tratamento medicamentoso do Diabetes Mellitus
(DM), assinale V ou F.
( ) Os antidiabéticos orais constituem-se a primeira escolha para o tratamento do DM tipo 2 não
responsivo a medidas não farmacológicas isoladas.
( ) Se a pessoa não alcançar a meta glicêmica em até três meses com as medidas não farmacológicas,
o tratamento preferencial é acrescentar a metformina no plano terapêutico.
( ) A metformina diminui a captação da glicose e sua utilização na musculatura esquelética,
aumentando a resistência à insulina, e aumentando a produção hepática de glicose.

21. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) O cuidado ao paciente diabético requer o conhecimento


acerca das características dos tipos de insulina existentes. Em relação aos tipos de insulina, analise as
afirmativas a seguir:
I - A insulina ultrarrápida (análogos ultrarrápidos) tem início de ação entre 10 e 15 minutos e deve ser
injetada imediatamente após as refeições.
II - A insulina de ação intermediária, conhecida como NPH-humana, quando administrada, age no
organismo por até 18 horas.
III - A insulina rápida, também chamada de Insulina Humana Regular, tem o seu pico, ou seja, atinge o
ponto máximo no que diz respeito à redução de glicemia, por volta de 2 a 3 horas após sua
administração.

48
IV - A insulina de longa duração (análogos lentos) não tem pico e sua duração de ação no organismo é
de, no máximo, 24 horas.

Em relação aos tipos de insulina, estão corretas as afirmativas


a) I e IV.
b) II e III.
c) I e III.
d) II e IV.

22. (HU-UFS - Adaptada) Sobre o Diabetes e suas complicações, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F)
o que se afirma a seguir.
( ) A síndrome hiperosmolar é um estado de hipoglicemia grave, é mais comum em jovens com
Diabetes tipo I.
( ) A síndrome hiperosmolar é um estado de hiperglicemia grave (> 600 a 800 mg/dL), desidratação e
alteração do estado mental – na ausência de cetose.
( ) A retinopatia diabética é a principal forma de cegueira irreversível no Brasil. Acomete a maioria dos
portadores de diabetes após 20 anos de doença.

49
Pé Diabético

23. (HRL-UFS/EBSERH/2016) Homem, 53 anos, diabético com história de claudicação intermitente, isto
é, dor em repouso que piora com exercício ou elevação do membro superior. À inspeção, observou-se
rubor postural do pé e palidez à elevação do membro inferior. Ao exame físico, o pé apresentou-se frio,
com ausência dos pulsos tibial posterior e pedioso dorsal. Diante do caso exposto, assinale a alternativa
que apresenta o tipo de úlcera diabética relatado.
a) Isquêmica. c) Mista. e) Úlcera de Pressão.
b) Neuropática. d) Venosa.

7 - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

50
Urgência e Emergência Hipertensiva

Estratificação de Risco para DVC

Etapas da estratificação do risco cardiovascular

51
24. (EBSERH/HE-UFSCAR-2015) A periodicidade de Consulta Médica e de Enfermagem aos portadores
de Hipertensão Arterial com risco cardiovascular moderado, de acordo com o Escore de risco de
Framinghan, deve ser
a) semestral. c) trimestral. e) bimestral.
b) anual. d) mensal.

52
8 - HANSENÍASE

Diagnóstico e Classificação Operacional

53
25. (Equipe RP) Com relação à hanseníase, marque V ou F nas questões abaixo.
a) Os pacientes paucibacilares podem transmitir a infecção enquanto o tratamento específico não for
iniciado.
b) No tratamento da criança (PB), a poliquimioterapia é constituída por rifampicina (600 mg), dapsona
(100 mg) e clofazimina (300 mg), com administração associada

54
c) A principal via de eliminação e entrada do Mycobacterium leprae no corpo são através das lesões
cutâneas.
d) A baciloscopia positiva classifica o caso de hanseníase em multibacilar (MB) independente do número
de lesões.
e) Estima-se que 90% da população não tenha defesa natural contra o M. leprae, e sabe-se que a
susceptibilidade ao M. leprae não tem influência genética
f) Não é uma doença de notificação compulsória
g) A forma multibacilar da doença é caracterizada por até cinco lesões de pele

9 - HIV/AIDS
Considerações Iniciais – HIV/AIDS

Pontos importantes

55
Fases da Infecção pelo HIV

HIV/AIDS

26. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) Desde o início da epidemia de AIDS no Brasil, até junho de 2015,
foram registrados, no país, 798.366 casos. Em relação às pessoas vivendo com HIV/AIDS (PVHA), é
correto afirmar:
a) Adultos e adolescentes que vivem com HIV não podem receber as vacinas do calendário nacional,
pois essa condição reduz a possibilidade de resposta imunológica consistente, considerando-se ineficaz
o uso de vacinas.
b) A infecção pelo HIV é identificada como o mais importante fator de risco para o desenvolvimento de
tuberculose ativa em indivíduos com tuberculose latente.
c) O quadro agudo da doença ocorre a partir das primeiras semanas da infecção pelo vírus até o
aparecimento dos anticorpos anti-HIV (soroconversão), que costuma ocorrer em torno da quarta
semana após a infecção.
d) O aparecimento de infecções oportunistas e neoplasias é definidor do quadro de infecção por HIV.
Nessa fase, a viremia plasmática alcança os níveis mais baixos, e o individuo torna-se pouco infectante.

56
Abordagem Sindrômica

57
Fases da Sífilis

58
Sífilis Congênita

27. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) No Brasil, o controle da sífilis é uma prioridade, sobretudo na


Atenção Básica e na Vigilância em Saúde. Para ampliar o diagnóstico precoce e o tratamento da
gestante/parceiro, foram implantados pelo Ministério da Saúde, respectivamente,
a) ampliação de unidades sentinela e o tratamento no pré-natal, no parto e no puerpério.
b) ações de assistência ao parto e vigilância da sífilis no puerpério.
c) o teste rápido e o tratamento com penicilina nas unidades básicas de saúde (UBS).
d) o teste rápido e uma quarta droga no esquema terapêutico.

10 - TUBERCULOSE

59
Definição Diagnóstica da Tuberculose

28. (IAOCP/EBSERH/2015) (...) A pesquisa bacteriológica é de importância fundamental em adultos,


tanto para o diagnóstico quanto para o controle de tratamento, sendo o método mais utilizado
a) o raio X de tórax.
b) a ressonância magnética.
c) a prova tuberculínica.
d) a baciloscopia direta do escarro.
e) a imunofluorescência.

Definição Diagnóstica - PPD


É método auxiliar no diagnóstico da TB. Pessoa reatora - não é suficiente para o
diagnóstico da doença tuberculose.

60
Tratamento da Tuberculose

29. (Equipe RP) Com relação à tuberculose, marque V ou F.


( ) a transmissão da tuberculose se faz por contato, salvo raríssimas exceções.
( ) A baciloscopia de escarro deve ser realizada no mínimo com 3 amostras.
( ) Em indivíduos sob suspeita de tuberculose, os exames para confirmação bacteriológica são
facultativos, a prioridade é o exame radiológico e o PPD (purified protein derivative).
( ) Isoniazida, etambutol, neomicina, despacilina e penicilina cristalina são as drogas utilizadas nos
esquemas padronizados pelo Ministério da Saúde para tratamento da TB
( ) O exame sorológico anti-HIV deve ser oferecido a todos pacientes com diagnóstico de tuberculose
confirmado.
( ) A equipe de enfermagem para durante os cuidados prestados ao paciente deve adotar as
precauções para transmissão de aerossóis.
( ) Na busca ativa, são considerados Sintomáticos Respiratórios (SR) os indivíduos com tosse por tempo
igual ou superior a cinco dias.
( ) O tratamento da tuberculose deve ser feito em regime hospitalar.

30. (EBSERH/CH-UFPA/AOCP/2016) Paciente masculino, 56 anos, foi diagnosticado com tuberculose


pulmonar, tendo iniciado o tratamento há 04 meses. Sabendo que esse paciente utiliza o esquema
básico para o tratamento, nessa fase, as medicações utilizadas são:
a) etambutol e isoniazida. d) isoniazida e pirazinamida.
b) isoniazida, rifampicina e etambutol. e) rifampicina e isoniazida.
c) estreptomicina, pirazinamida e etambutol.

61
11 - SAÚDE DA MULHER
Câncer do Colo do Útero

 É uma afecção progressiva iniciada com transformações intraepiteliais progressivas que


podem evoluir para um processo invasor num período que varia de 10 a 20 a.;

62
31. (Pref. Senador Eloi de Souza/RNCOMPERVE/UFRN) Segundo as diretrizes brasileiras, o exame de
Papanicolau deve ser disponibilizado às mulheres com vida sexual ativa, prioritariamente àquelas da
faixa etária de 25 a 59 anos, definida como população-alvo. Essa faixa etária foi determinada pelo fato
de
a) ser aquela em que prevalecem as lesões de baixo grau, cuja maior parte regredirá espontaneamente
e deverá ser apenas observada.
b) ser a de maior ocorrência das lesões pré-malignas de alto grau, passíveis de serem efetivamente
tratadas e não evoluírem para câncer.
c) ser aquela em que o risco de desenvolvimento do câncer cervical é mínimo uma vez que as lesões são
passíveis de tratamento e não evoluem para câncer.
d) as pessoas desse grupo apresentarem defesa imunológica reduzida e, em consequência, maior
vulnerabilidade para as lesões precursoras de câncer do colo do útero.

Coleta do material para exame colpocitopatológico

63
32. (HRL-UFS/EBSERH/2016) Para ser considerado um indicador de qualidade da coleta em um laudo de
exame citopatológico, devemos considerar a presença de células
a) escamosas.
b) representativas da Junção Escamocolunar (JEC).
c) glandulares.
e) dendrítricas.
e) micróglias.

Câncer de Mama
O sintoma mais comum → aparecimento de nódulo, geralmente indolor, duro e irregular, mas há
tumores que são de consistência branda, globosos e bem definidos.

64
65
33. (HU-UFS) Na faixa etária de 40 a 49 anos, a recomendação e periodicidade no rastreamento de
câncer de mama é:
a) ultrassonografia bianual e mamografia anual.
b) exame Clínico de Mama anual e, se alterado, mamografia.
c) exame Clínico de Mama anual e mamografia a cada dois anos.

66
34. (Pref. São Gonçalo/RJ/FUNCAB) Os resultados do exame mamográfico são classificados de acordo
com o Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS). Esse sistema utiliza categorias de 0 a 6 para
descrever os achados do exame e prevê recomendações de conduta. Quando o resultado colocado na
categoria BI-RADS 1, significa que é um exame:
a) Negativo
b) Com achados provavelmente benigno
c) Incompleto
d) Com malignidade já comprovada
e) Com achado suspeito

Parto

67
35. (HU-UFC/EBSERH/AOCP/2014) A assistência de enfermagem é importante durante todo o período
do parto e pós-parto. Com relação ao quarto período, podemos afirmar que
a) denomina-se quarto período do parto (ou de Greenberg) ao período de pós-parto imediato, após a
dequitação. Não há na literatura consenso sobre sua duração exata, entretanto, inicia-se após a
dequitação da placenta.
b) é período de menor risco materno, com possibilidade de pequenas hemorragias, principalmente por
atonia uterina.
c) os sinais vitais, especialmente pressão arterial e pulso, devem ser mensurados a cada quatro horas.
Da mesma forma, deverá ser feito controle praticamente contínuo da retração uterina e do
sangramento.

68
d) nesta fase, devem-se considerar as seguintes questões: verificação constante da contração uterina (a
cada quatro horas), revisão do canal de parto sendo desnecessária a reparação das lesões porventura
existentes, por tornar o processo mais traumático.
e) a remoção da puérpera para a sala de recuperação (quando necessária) e enfermaria de alojamento
conjunto somente deverá ser efetuada durante o quarto período.

Planejamento Familiar

69
36. (EBSERH/AOCP/2015) Logo após a ovulação, as células da granulosa, sob influência do LH,
hipertrofiam-se acentuadamente e enchem a cavidade cística com conteúdo hemorrágico,
transformando-a em estrutura granulosa, tingida por um pigmento amarelo denominado
a) Estrogênio. b) Corpo Lúteo. c) Progesterona. d) Oócito.

Mulheres em Amamentação

70
71
Pré-Natal de Baixo Risco

Sinais de Certeza

Calendário de Consultas
 SEIS é o nº mínimo de consultas de pré-natal, com acompanhamento intercalado entre
médico e enfermeiro;
 O calendário deve ser iniciado precocemente (no 1º trimestre) e deve ser regular;

Cronograma:
 Até 28ª sem. – mensalmente;
 Da 28ª até a 36ª sem. – quinzenalmente;
 Da 36ª até a 41ª sem. – semanalmente.

37. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) Para ampliar a captação precoce das gestantes, o Ministério da


Saúde, por intermédio da Rede Cegonha, incluiu o Teste Imunológico de Gravidez (TIG) nos exames de
rotina do pré-natal, o que acelera o processo necessário para a confirmação da gravidez e o início do
pré-natal. O TIG pode ser realizado em toda mulher cujo atraso menstrual é superior a
a) 8 dias.
b) 15 dias.
c) 16 semanas.
d) 20 semanas.

72
Exames de Rotina

73
Regra de Näegele

74
38. (HDT-UFT/AOCP/EBSERH/2015) Paciente apresentou a data da última menstruação no dia
03/03/2015. Calcule a Data Provável do Parto (DPP), segundo Regra de Naegele.
a) 10/12/2015
b) 10/11/2015
c) 10/01/2016
d) 15/01/2016
e) 15/12/2015

75
Manobras de palpação (Leopold)

76
Manobras de Leopold

Situação

77
78
Pré-Natal de Alto Risco
Síndromes Hipertensivas da Gestação

39. (HU-UFRN/EBSERH/IADES/2014) Pré-eclampsia é uma classificação de HAS que ocorre na gestação.


A respeito dos achados clínicos dessa categoria, é correto afirmar que apresenta:
a) proteinuria, além da HAS.
b) anemia associada à HAS.
c) dislipidemia associada à HAS.
d) proteinuria e convulsões associadas.
e) hemorragia associada à HAS.

79
 Complicação grave → 4% a 12% de gestantes com pré-eclâmpsia ou eclampsia;
 Se relaciona a ↑ índices de morbiletalidade materno-fetal;
 Sintomas: mal-estar, epigastralgia ou dor no hipocôndrio direito, náuseas, vômitos, perda de
apetite e cefaleia;
 Embora acompanhe outras doenças, a síndrome Hellp em Obstetrícia é considerada como
agravamento do quadro de pré-eclâmpsia.

Situações Hemorrágicas na Gravidez

40. (Prefeitura da Paraopeba-MG/IDECAN/2013) Relacione corretamente as colunas a seguir.


1. Abortamento retido.
2. Abortamento habitual.
3. Abortamento espontâneo.
4. Abortamento incompleto.
5. Ameaça de abortamento.

80
( ) Quando apenas parte do conteúdo uterino foi eliminado.
( ) Perdas espontâneas e sucessivas de três ou mais gestações.
( ) Quando ocorre a morte do embrião ou feto e o mesmo permanece na cavidade uterina, sem ser
eliminado.
( ) É a ocorrência de sangramento uterino com a cérvix fechada sem eliminação de tecidos ovulares.
( ) É a perda involuntária da gestação.

Situações Hemorrágicas na Gravidez

81
41. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) Placenta prévia é definida como a placenta que se implanta total
ou parcialmente no segmento inferior do útero. O principal fator de risco para placenta prévia é a
a) Gemelaridade.
b) Cesariana anterior.
c) Multiparidade.
d) Curetagem anterior.

12 - SAÚDE DA CRIANÇA

42. (SES-SP/CAIPIMES) Considere um recém-nascido com os seguintes parâmetros no primeiro minuto


de vida: FC = 110 bpm, esforço respiratório irregular, tônus muscular com alguma flexão, irritabilidade
reflexa com hiperatividade e acrocianose. O Apgar no primeiro minuto de vida será:
a) 7. b) 6. c) 8. d) 9.

82
Descrição de alguns reflexos:

43. (Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes-PE/AOCP/2015) Sobre os aspectos do desenvolvimento de


uma criança, é possível observar a presença de alguns reflexos, por exemplo, aquele medido pelo
procedimento de segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente seus braços. Esse reflexo deve ser
sempre simétrico, é incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês. A qual reflexo o
enunciado se refere?
a) Reflexo Tônico-Cervical.
b) Reflexo Cutâneo-Plantar.
c) Reflexo de Moro.
d) Reflexo patelar.

Exames de Triagem Neonatal


Todo bebê que nasce no Brasil tem direito de realizar gratuitamente alguns exames muito
importantes para a sua saúde. São os exames da triagem neonatal, a saber: teste do pezinho, teste do
olhinho, teste da orelhinha, teste do coraçãozinho e teste da linguinha.

83
O teste do pezinho detecta precocemente 6 doenças congênitas:

EXAME DO REFLEXO VERMELHO (TESTE DO OLHINHO)


O Teste do Reflexo Vermelho (TRV), também conhecido como “Teste do Olhinho”, é um exame
capaz de identificar a presença de diversas enfermidades visuais como a retinopatia da prematuridade,
retinoblastoma, catarata congênita, glaucoma, infecções, traumas do parto e até mesmo a cegueira.
De acordo com as Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: detecção e intervenção
precoce para prevenção de deficiências visuais, todos os recém-nascidos devem ser submetidos ao TRV
antes da alta da maternidade e pelo menos 2 a 3 vezes ao ano nos 3 primeiros anos de vida. O TRV é um
método não invasivo, de simples realização com apenas o uso de um oftalmoscópio direto,
equipamento portátil e de baixo custo; sendo um procedimento extremamente barato, de fácil
realização e rápido (BRASIL, 2016).
De acordo com o Caderno da Atenção Básica acerca do Crescimento e Desenvolvimento e a Saúde
da Criança, o TRV deve ser realizado na penumbra (para a pupila ficar mais dilatada), com o
oftalmoscópio colocado aproximadamente de 5 a 10 cm de distância dos olhos da criança (o importante
é que o oftalmoscópio ilumine os dois olhos simultaneamente), para se observar o reflexo vermelho nos
dois olhos. Se for notado um reflexo diferente entre os olhos ou a presença de opacidade, a criança
deverá ser avaliada por um oftalmologista com urgência, pois poderá ter problemas como: catarata
congênita, retinoblastoma ou retinopatia da prematuridade (BRASIL, 2012).
Fique atento, pois essa técnica é descrita de forma diferente em várias literaturas, inclusive do
próprio Ministério da Saúde.

84
TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL (TESTE DA ORELHINHA)
Segundo as Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal, a Triagem Auditiva Neonatal
(TAN), conhecida como “teste da orelhinha”, tem por finalidade a identificação o mais precocemente
possível da deficiência auditiva nos neonatos e lactentes. Consiste no teste e reteste, com medidas
fisiológicas e eletrofisiológicas da audição, com o objetivo de encaminhá-los para diagnóstico dessa
deficiência, e intervenções adequadas à criança e sua família (BRASIL, 2012).
A TAN deve ser realizada, preferencialmente, nos primeiros dias de vida (24 a 48 horas) na
maternidade, e, no máximo, durante o primeiro mês de vida, a não ser em casos quando a saúde da
criança não permita a realização dos exames.
Deve ser organizada em duas etapas (teste e reteste), no primeiro mês de vida. A presença ou
ausência de Indicadores de Risco para a Deficiência Auditiva (IRDA) deve orientar o protocolo a ser
utilizado:

TESTE DA OXIMETRIA DE PULSO (TESTE DO CORAÇÃOZINHO)


De acordo com a Portaria do Ministério da Saúde MS nº 20/2014, deve-se realizar a aferição da
oximetria de pulso (teste do coraçãozinho), em todo recém-nascido aparentemente saudável com idade
gestacional > 34 semanas, antes da alta da unidade neonatal.
Local de aferição: Membro Superior Direito (MSD) e em um dos Membros Inferiores (MI). Para a
adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades aquecidas e o
monitor evidencie uma onda de traçado homogêneo.
Momento da aferição: entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar.
O resultado do exame pode ser da seguinte forma:

85
TRIAGEM DO FRÊNULO LINGUAL (TESTE DA LINGUINHA)
A Nota Técnica do Ministério da Saúde nº 09 de 2016 informa que a Triagem do Frênulo Lingual –
Teste da Linguinha tem o objetivo de identificar a anquiloglossia (frênulo lingual curto) e deve ser
realizado antes da alta hospitalar (24/48h de vida do RN).

44. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) Os exames de triagem neonatal podem prevenir doenças e até


mesmo detectar alguma alteração para evitar sequelas mais graves nos recém-nascidos. Em relação aos
testes de triagem realizados nos bebês, ao nascer, no Brasil, considere as afirmações a seguir.
I - O teste do olhinho, apesar de não ser obrigatório por Lei Federal no país, pode detectar a retinopatia
da prematuridade, a catarata congênita, o glaucoma, o retinoblastoma, as infecções e a cegueira.
II - O teste da orelhinha, garantido por Lei federal, é realizado pelo exame Potencial Evocado Auditivo de
Tronco Encefálico, em neonatos e lactentes sem indicador de risco para perda auditiva.
III - No teste do coraçãozinho, a aferição da oximetria de pulso deve ser realizada nos membros
superiores do recém-nascido, a fim de detectar, pela saturação do oxigênio, possível cardiopatia
congênita.
IV - No teste da linguinha, avalia-se o Frênulo da Língua em bebês recém-nascidos, uma vez que o
diagnóstico precoce possibilita o tratamento imediato e a prevenção dos problemas decorrentes da
anquiloglossia.
Das afirmações, estão corretas
a) II e III. b) I e II. c) III e IV d) I e IV.

Aleitamento Materno (AM)

Contraindicações do AM
Nas seguintes situações, o ALEITAMENTO MATERNO não deve ser recomendado
(interrupção permanente):
I - mães infectadas pelo HIV;
II - mães infectadas pelo HTLV1 e HTLV2;
III - uso de medicamentos incompatíveis com a amamentação, podendo ser contraindicação
absoluta ou relativa;
IV - criança portadora de galactosemia.

86
45. (Pref. Jardim de Piranhas/RN/COMPERVE/UFRN/2014) De acordo com o Ministério da Saúde, são
poucas as situações em que pode haver indicação médica para a substituição parcial ou total do leite
materno. Nas seguintes situações, o aleitamento materno NÃO deve ser recomendado para:
a) mães infectadas pelos vírus HIV, HTLV1 e HTLV2, usando medicamentos incompatíveis com a
amamentação.
b) mães com tuberculose, com hanseníase e infectadas com os vírus das hepatites B e C.
c) criança portadora de galactosemia, prematuras e/ou com baixo peso ao nascer.
d) criança portadora de doença infecciosa e/ou com baixo peso ao nascer.

87
13 - IMUNIZAÇÃO

Vacina BCG

46. (Pref. Ceará-Mirim-RN/COMPERVE/2016) A Vacina BCG integra o Programa Nacional de Imunização


com o objetivo de evitar as formas graves da tuberculose. De acordo com o Calendário Nacional de
Vacinação da Criança 2016, em relação à vacina BCG, é correto afirmar:
a) as crianças vacinadas na faixa etária preconizada que não apresentarem cicatriz vacinal após 06 (seis)
meses de administração da vacina, não devem ser revacinadas.
b) a vacina BCG deve ser aplicada, em dose única, por via intradérmica, o mais precocemente possível,
especialmente, se a criança apresentar baixo peso ao nascer.
c) a partir dos 5 (cinco) anos de idade, indivíduos portadores de HIV não devem ser vacinados, mesmo
que assintomáticos e sem sinais de imunodeficiência.
d) as crianças filhas de mãe HIV positivo não podem receber a vacina BCG até os 18 meses de idade,
mesmo estando assintomáticas.

88
Vacina hepatite B

Vacinas pentavalente, DTP e dT

89
Vacina dTpa

Vacina rotavírus

Vacinas Pneumocócica 10v e Meningocócica C

90
Vacina Influenza

Indicações da vacina influenza:

Vacina pneumocócica 23 valente

91
Vacinas tríplice viral e varicela

Vacinação contra a poliomielite no Brasil

92
Vacina HPV

Vacina hepatite A

Vacina febre amarela

93
Calendário Nacional de Imunização

94
47. (Pref. Nova Cruz/RN/COMPERVE/UFRN/2018) De acordo com o Ministério da Saúde (2017), a
vacinação contra a febre amarela, no Brasil, é recomendada onde a transmissão é considerada possível,
principalmente para indivíduos não vacinados e expostos a locais em que o vírus ocorre naturalmente.
Portanto, a vacina está recomendada nas ações de rotina dos programas de imunizações, devendo ser
aplicada em residentes
a) das áreas com recomendação de vacina e em viajantes que se deslocam para qualquer região de mata
no Brasil.
b) das áreas com recomendação temporária e/ou permanente de vacina e em viajantes que se deslocam
para essas áreas
c) das áreas de regiões de mata em todo o Brasil e em viajantes que se deslocam para essas áreas.
d) das áreas com circulação de mosquitos do gênero Aedes e em viajantes que se deslocam para essas
áreas.

14 - SAÚDE DO IDOSO

95
48. (Equipe RP) Qual tipo de demência é caracterizada pelo início pré-senil (> 45 a), com mudanças na
personalidade e no comportamento e/ou alteração da linguagem:
a) Doença de Alzheimer.
b) Vascular.
c) Corpúsculos de Lewy.
d) Frontotemporais (Doença de Pick).

96
49. (HC-UFMG/AOCP/EBSERH/2015 - Adaptada) Sobre o Alzheimer, é correto afirmar que:
a) É uma doença do cérebro que provoca tremores e dificuldades para caminhar, se movimentar e se
coordenar.
b) É uma doença psiquiátrica, que se caracteriza pela perda do contato com a realidade e fala
desconexa.
c) Tem início insidioso, perda de memória e declínio cognitivo progressivo. A pessoa apresenta
dificuldade para lembrar-se de fatos recentes e para aprender coisas novas, e lembra-se de coisas que
ocorreram em um passado mais distante.

15 - URGÊNCIA E EMERÊNCIA

97
Choque
Principais tipos de choque

98
Classificação de Risco de Triagem de Manchester

50. (HU-UFG/AOCP/EBSERH/2015) [...] O Enfermeiro define um caso como prioridade 1 – urgência,


atendimento o mais rápido possível. Nessa situação, a cor correspondente é
a) vermelho.
b) preto.
c) verde.
d) amarelo.
e) azul.

Escala de Coma de Glasgow

99
51. (AOCP/2014) Segundo a Escala de Glasgow.
a) Escores de 09 a 12 indicam lesão neurológica moderada, apresentando a abertura ocular à dor;
resposta verbal com palavras inapropriadas e resposta motora com movimentos de retirada.
b) Escores de 09 a 12 indicam lesão neurológica mínima com abertura ocular à voz, resposta verbal
confusa e resposta motora que obedece a comandos.
c) Escores de 09 a 12 indicam lesão neurológica grave e necessidade de via aérea definitiva; abertura
ocular à dor; resposta verbal de palavras incompreensíveis e resposta motora de flexão anormal.
d) Escores de 09 a 12 indicam lesão neurológica irremediável com abertura ocular à dor; resposta verbal
nenhuma e resposta motora de extensão anormal.
e) Escores de 09 a 12 indicam lesão neurológica grave com abertura ocular à voz; resposta verbal
confusa e resposta motora com movimento de retirada.

Suporte Básico e Avançado de Vida

100
Sequência do SBV

Compressões

Profundidade

101
Posicionamento das mãos na PCR

52. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) De acordo com a American Heart Association 2015, na


Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) de qualidade, durante o suporte básico de vida para adultos, os
socorristas devem
a) comprimir o tórax a uma profundidade de, pelo menos, 1,5 polegadas (3 cm).
b) limitar a interrupção das compressões torácicas a menos de 15 segundos.
c) realizar compressões torácicas a uma frequência de 100 a 120/min.
d) permitir o retorno parcial do tórax após a compressão, para favorecer o retorno venoso.

Manobra de Heimilich

102
Obstrução de vias aéreas em crianças e bebês

Suporte Avançado de Vida (SAV)

103
Ritmos cardíacos da PCR

104
Ressuscitação neonatal

Queimaduras

53. (Prefeitura Teresina/PI - FMS/NUCEPE/UESPI/2015) Na emergência de um hospital, um adulto deu


entrada vítima de queimadura por água quente. No exame físico, apresenta eritema, edema, flictemas e
dor na região da perna. De acordo com o exame físico qual a classificação da queimadura desse
paciente:
a) 1º grau.
b) 2º grau.
c) 3º grau.
d) 4º grau.
e) Indefinida por causa do flictema

105
Extensão das Queimaduras

Angina Pectoris

106
54. (TJ-AM/FGV/2013) A angina de peito é uma síndrome clínica comumente caracterizada por
episódios ou paroxismos de dor ou pressão na região anterior do tórax. Os sintomas variam de acordo
com o tipo de angina, podendo ir desde um desconforto até a dor agonizante. A dor em repouso,
possivelmente causada pelo vasoespasmo da artéria coronária, é característica da
a) angina estável. c) angina refratária. e) isquemia silenciosa.
b) angina Instável. d) angina Prinzmetal.

55. (EBSERH Nacional/Instituto AOCP/2015) O infarto agudo do miocárdio possui como uma de suas
principais características
a) o acometimento principalmente de homens com menos de 45 anos.
b) a elevação rapidamente das enzimas hepáticas.
c) a dor leve e com menos de 10 minutos de duração.
d) o fato de a pressão diastólica sempre se elevar a níveis superiores a 180 mmHg.
e) a existência de oclusão de uma artéria ou ramo de coronária.

16 - ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO
CLIENTE EM ESTADO GRAVE

Gasometria Arterial

POLÍTICAS DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DO SUS

107
56. (UFRN/COMPERVE/UFRN/2016) Maria, 50 anos de idade, foi atendida na Unidade de
Pronto Atendimento, onde foi realizada uma gasometria arterial que demonstrava pH,7,20;
PaCO2, 25mmHg; PaO2, 92mmHg; HCO3-10,2 mEq/L. A enfermeira deve interpretar esses
resultados como uma
a) acidose metabólica. c) alcalose metabólica.
b) acidose respiratória. d) alcalose respiratória.

108
Gabarito
______________________________________________
Políticas de Saúde e Legislação do SUS
1-E 2-D 3-D 4-A

______________________________________________
Conhecimentos Específicos em Enfermagem

1-D 15 - C 29 - F F F F V V F F 43 - C
2-C 16 - A 30 - E 44 - D
3-B 17 - A 31 - B 45 - A
4-D 18 - A 32 - B 46 - C
5-B 19 - C 33 - B 47 - B
6-C 20 - V V F 34 - A 48 - D
7-B 21 - B 35 - A 49 - C
8-D 22 - F V V 36 - B 50 - D
9-D 23 - A 37 - B 51 - A
10 - A 24 - A 38 - A 52 - C
11 - B 25 - F F F V F F F 39 - A 53 - B
12 - C 26 - B 40 - 4 2 1 5 3 54 - D
13 - B 27 - C 41 - B 55 - E
14 - C 28 - D 42 - A 56 - A

109
110