Você está na página 1de 12

Anexos A

A.1 – Exemplo de cálculo pelo método dos dois pontos:

Supondo uma LT de 345 kV – circuito com dois cabos guarda pára-raios conforme a figura
abaixo: [6]
Referência: Folha de Trabalho 1 A

43
Método dos dois pontos : incidência de descargas e falhas de blindagem
Programa 1 – parte 1

Passo Procedimento Todas Lado Lado Equações


Esq. Dir.
Desenho da torre em escala,
determinar as coordenadas de todos
1 os condutores e cruzetas. Estabeleça Folha de trabalho 1A,
as médias das coordenadas X e Y anexada na página
dos condutores. anterior.
2 Estabeleça o índice ceráunico ( T ) 30 Mapa isoceráunico da
em número de trovoadas por ano. região em estudo.
3 Compute a incidência de raios ( N ) 3,6 N = 0,12 . T
para a terra / km2 / ano.
4 Compute a altura média dos cabos 34,6 h=hg -2/3 (hg – hgw )
guarda pára-raios.
5 Compute o número de raios na linha 72 NL=0,012T(b+4h1,09)
( NL ) / 100 km / ano.
A partir do desenho da torre, ache o
condutor de fase mais exposto a
descargas em cada lado da estrutura 1540 1540 Curva CIGRÈ
6 da torre, e observe a tensão de Fase Fase tensão x tempo
flashover (kV) dos isoladores B C para flashovers nos
correspondentes a 6µs, Vc. isoladores.
Confira o topo e fases medianas.
Compute a altura média, YΦ, para os
7 condutores fase selecionados no 22,7 22,7 h=hg -2/3 (hg – hgw )
Passo 6.
Usando os valores do Passo 6,
compute um condutor simples de
8 corona para cálculos de falhas de 0,19 0,19 R.Ln (2h/R) = V/E0
blindagem.
Tome E0 = 1500 kV/m.
Determinar o raio do condutor
9 simples equivalente de fase, lado 0,08 0,08 Re q  r11 r12 r13......r1N
sem corona (m).
Ref. [6]

Veja a seguir, as figuras 12.6.3, 12.5.12, e folha de trabalho 2 A, que são utilizados neste
caso exemplo.

44
Fig. 12.5.12 – resistência impulsiva Fig. 12.6.3 – curva Cigré

Folha trabalho 2 A – passo 31, corrente crítica de descarga.

45
Programa 1 – parte 2

Passo Procedimento Todas Lado Lado Equações


Esq. Dir.
Utilizando os resultados alcançados
nos Passos 8 e 9, adicione então, o
10 raio aproximado de corona, R0, para 0,27 0,27 Não há.
todo o conjunto (m).
Utilizando os resultados alcançados
nos Passos 10 e 9, e as alturas do
11 Passo 7, compute a impedância 342 342
efetiva de surto, ZΦ, do condutor
fase em ohms.
Usando os valores dos Passos 6 e 11,
compute a corrente mínima de I min 
2Vc
12 descarga, Imín., para flashover por 9 9 Z
falha de blindagem (kA).
A partir de Imín do Passo 12,
13 compute a distância mínima de 42 42 S = 10.I0,65
descarga S (m).
Selecione um fator β para a linha.
14 Use 1,0 para linhas de alta tensão,
0,8 para linhas de extra alta tensão e 0,8 Não há.
0,64 para linhas de ultra alta tensão.
Usando os resultados dos Passos 4, - 7,1 7,1
7, 13 e 14 e pelo desenho 1,43 1,43
dimensional da estrutura exemplo, m m
15 compute a coordenada X0 do cabo a dir a esq
guarda pára-raios para a melhor de B de B’
blindagem (m).
Compute o ângulo efetivo de
16 blindagem, αE, em graus.
Se α < αE, então a linha está 6,9 6,9
efetivamente blindada.
Até este ponto, se a blindagem efetiva existe, então a taxa de falha de
blindagem, Ns, é zero, e passamos direto para o Passo 24. Se a blindagem
efetiva não existe e as posições dos cabos guarda pára-raios, são mantidas
como mostrados na figura da estrutura exemplo, então vá para o Passo 17 para
iniciar os cálculos computacionais da falha de blindagem atual.
Usando o valor de S do Passo 12,
17 compute a largura descoberta Xs , 1,8 1,8 Xs= S[(1+sin(αs-W)]
em cada lado (m).

46
Programa 1 – parte 3
Passo Procedimento Todas Lado Lado Equações
Esq. Dir.

18 Ache a distância máxima de


escoamento, Smáx, que pode ocorrer 50,0 50,0
(m).

19 Conforme o Passo 12, entre com a 9,0 9,0 Não há.


corrente mínima Imín ( kA ).

20 Conforme o Passo 18, entre com a 12,0 12,0 I = 0,029.S1,54


corrente máxima Imáx ( kA ).

Usando a corrente mínima, Imin do


21 Passo 19, ache a probabilidade Pmin 0,96 0,96
a qual a corrente Imin será excedida.

Usando a corrente máxima Imáx, do


22 Passo 20, ache a probabilidade Pmáx 0,92 0,92
a qual a corrente Imáx será
excedida.

Usando os valores dos Passos 2, 19,


23 21 e 22, compute o número de falhas
de blindagem por 100 km por ano, 0,013 0,013
denominado de NSF.

Some os valores em cada lado no


Passo 23 para achar o total da linha
de falha de blindagem por 100 km
24 por ano, NSF. 0,026 Não há.
Se o Passo 15 tiver mostrado um
bom valor de blindagem, insira Zero
aqui neste Passo.
Subtraia o resultado do Passo 24 do
Passo5 para estabelecer o total de
25 raios para a linha por 100 km por 72 Não há.
ano, para ser usado nos cálculos de
backflashover.

Vá para o programa 2, parte 1 e inicie os cálculos de backflashover.

47
Método dos dois pontos : Backflashovers
Programa 2 – parte 1
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Determine a tensão de
1 flashover do isolador 2156 2156 2156 2156 2156 2156 (Vi)2 = 820W
(Vi)2 em 2µs, em kV.
Repita o Passo 1, para o
2 tempo de 6µs ( kV ). 1540 1540 1540 1540 1540 1540 (Vi)6 = 585W
Multiplique o valor do
Passo1 por 1,8 para
3 estimar a tensão no topo 3880 Passo 1
da torre e média para
todas as fases (kV).
Usando a tensão do Passo
3 e E0 = 1500 kV/m,
4 compute o diâmetro de 1,05
corona do cabo guarda
(m). Use a altura da torre.
Usando os resultados do
Passo 4, compute a
5 impedância própria de 420 Vide fórmula
surto de cada cabo guarda 2.1.1
da torre ( ohms ).
Usando os resultados do
Passo 5, compute a
impedância de surto
6 combinada, Zs, do cabo 269 Vide fórmula
2.1.2
guarda (se somente um
cabo guarda, igual ao
Passo5).
7 Compute o fator de Vide fórmula
acoplamento para cada 0,49 0,33 0,25 0,25 0,33 0,49 2.1.3
condutor fase, Kn.
Determine a impedância
8 de surto da torre ZT, ( Ω ). 145
Determine o tempo de
9 trânsito da torre, τT, µs. 0,131
Determine o tempo de
10 trânsito no vão, τs, µs. 1,24 Vide fórmula
2.1.4
Nos cálculos de backflashovers, use as dimensões da torre.

Programa 2 – parte 2
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Compute o tempo de
trânsito, τpn, do topo da Vide fórmula
0,009 0,031 0,051 0,051 0,031 0,009 2.2.1
11 torre de cada mísula/
braço, em µs.

48
Selecione a resistência
de pé de torre R(Ω).
12 Reduza-a como 20 Fig. 12.5.12
mostrado na fig. 12.5.12
Compute a impedância
13 intrínseca do circuito, Zl 69,78
(Ω).
14 Compute a impedância de Vide fórmula
surto da torre Zw (Ω). 50,87 2.2.2
15 Compute o fator de Vide fórmula
atenuação da torre, ψ. 0,03 2.2.3
Compute o fator de
16 refração da resistência 0,242
de pé de torre, σm.
Compute a tensão do topo Vide fórmula
17 de torre em pu, (Vi)2, em 24,5 2.2.4
2µs.
Compute a componente
da tensão refletida 0 Vide fórmula
18 (V’t)2, de topo de torre, 2.2.5
das torres adjacentes.
Adicione os Passos 17 e
18 para achar a tensão Vide fórmula
19 do topo de torre atual, 24,5 2.2.6
(V”t)2, em kV.
Compute a tensão (VR)2
20 pela resistência de pé de 17,3 Vide fórmula
torre, em 2µs. 2.2.7
Reduza (VR)2 na mesma
proporção que o Passo
19 tinha reduzido a
21 partir do passo 17, para 17,3 Não há.
achar a tensão da
resistência de pé de
torre atual (VR)2 em 2µs.

Programa 2 – parte 3
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Para cada fase, compute
22 a tensão do suporte 24,0 22,8 21,7 21,7 22,8 24,0 Vide fórmula
(mísula), (Vpn)2, a 2µs. 2.3.1
Usando os resultados dos
Passos 7, 19 e 22 compute
23 cada tensão no isolador em 12,0 14,7 15,6 15,6 14,7 12,0 Vide fórmula
pu, a 2µs, (VSN)2, (kV). 2.3.2
24 Compute a tensão de
topo de torre (VT)6 a Vide fórmula
6µs, sem as reflexões 17,4 2.3.3
das torres adjacentes.

49
Programa 2 – parte 3
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Compute a componente da
25 tensão refletida (V’τ)6, das -3,3 Vide fórmula
torres adjacentes a 6µs. 2.3.4
Usando os resultados dos
Passos 24 e 26 e
coeficientes de
26 acoplamento no Passo7, 7,2 9,4 10,6 10,6 9,4 7,2 Vide fórmula
compute a tensão total no 2.3.5
isolador em pu para cada
fase. (VSN)6, a 6µs.
Compute as relações das
tensões entre os Passos 1 e
23 para cada fase. Esta Vide fórmula
27 será a corrente de descarga 180 147 138 138 147 180 2.3.6
crítica requeridas para
flashover a 2µs.

Programa 2 – parte 4
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Compute as
relações de entre os
Passos 2 e 26 para
28 cada fase. Esta será 214 164 146 146 164 214
(Icn)6, a corrente
crítica de descarga
requerida para
flashover a 6µs.
Para cada fase,
selecione o mais
29 baixo valor das 180 147 138 138 147 180 Não há.
correntes dos Passos
27 e 28, como Icn.

Programa 2 – parte 4 (continuação)


Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Para cada valor de
Icn do Passo 29,
30 selecione a tensão 2156 2156 2156 2156 2156 2156 Não há.
Vcn que irá com
isto a partir dos
Passos 1 e 2 (kV).
Usando Passos 29
31 e 30, plote I’cn Folha de trabalho 2 A.
para 360º Vide fórmula 2.4.31
completos de cada
fase.
A partir da folha
trabalho 2 A, deter-
32 mine o % de tempo 0 12,5 37,5 37,5 12,5 0 Folha de trabalho 2 A.
nominal de cada
fase.

50
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Compute os
valores médios de
I’cn para cada fase
33 durante o tempo ---- 130 124 124 130 ---- Vide fórmula 2.4.1
que está
determinado.
Ache a
probabilida-
de que uma cor-
34 rente de descarga ---- 0,024 0,026 0,026 0,024 ---- Vide fórmula 2.4.2
do Passo 33 será
excedida para qq
raio incidente na
linha.
Multiplique raios na
linha no programa 1,
Passo 25 por 0,60
35 para es Não há.
tabelecer os raios 43
efetivos na torre por
100 km por ano.

Programa 2 – parte 5
Passo Procedimento Todas A B C A’ B’ C’ Equações
Multiplique o Passo
35 pelos valores do
Passo 32 e divida
36 por 100 para achar o 0 5,4 16,1 16,1 5,4 0 Não há.
número de raios na
torre por fase por
100 km por ano.
Multiplique cada
valor do Passo 36
pela probabilidade
correspondente do
37 Passo 34 para achar 0 0,13 0,42 0,42 0,13 0 Não há.
a expectativa de
raios que causarão
flashover em uma
determinada fase.
Some todos os
valores no Passo 37
38 para um total de 1,1 Não há.
backflashover por
100 km por ano.
Adicione a partir do
Passo 38, o total de
falhas de blindagem
39 da folha de trabalho 1,1 Não há.
1, Passo 23 para a
obtenção de um
total de falhas por
100 km por ano.

51
A.2 – Equações utilizadas no exemplo anterior:

Programa 2 - parte 1: Passo 6 – equação 2.1.2


Passo 5 – equação 2.1.1 Z  Z 12
Z S  11
2

Passo 7 – equação 2.1.3 Passo 10 – equação 2.1.4

Programa 2 – parte 2: Passo 14 – equação 2.2.2


Passo 11 – equação 2.2.1

Passo 15 – equação 2.2.3 Passo 17 – equação 2.2.4

Passo 18 – equação 2.2.5 Passo 19 – equação 2.2.6

Passo 20 – equação 2.2.7 Programa 2 – parte 3:


Passo 22 – equação 2.3.1

Passo 23 – equação 2.3.2 Passo 24 – equação 2.3.3

Passo 25 – equação 2.3.4 Passo 26 – equação 2.3.5

Passo 27 – equação 2.3.6 Programa – parte 4 :


Passo 33 – equação 2.4.1

Passo 34 – equação 2.4.2 Passo 31 – equação 2.4.31

A.3 - Tabelas de resultados das simulações no programa Flash®:

52
Tabela A1 – Resultados das simulações no Flash envolvendo variações dos espaçamentos
dos cabos pára-raios e da altura de montagem dos mesmos:

Folha de Simulações 2:

53
Tabela A2 – Resultados das simulações no Flash envolvendo variações dos espaçamentos
dos cabos pára-raios , altura de montagem dos mesmos e do valor da resistência de
aterramento:

54