Você está na página 1de 8

Como

adestrar um Husky Siberiano?



O Husky Siberiano tem a sua origem vinda da Rússia, esse cachorro possui um porte médio e
está classificado no grupo dos Spitz e outros tipos primitivos, podendo ser considerado como cão
de caça ou de companhia. Este belíssimo animal possui uma cor branco e preta, cinza e branco ou
caramelo e branco, variando de acordo com a sua ninhada, onde ambos são bem bonitos e
imponentes. O Husky Siberiano está classificado na posição 45 na escala de inteligência, possuindo
um fácil aprendizado.
Esse cachorro custa aproximadamente o valor de R$ 1500,00 a R$ 2.500,00 variando muito da
cor e da ninhada do Husky Siberiano. É importante ressaltar que ele é recomendado para convívio
com crianças a cima de 5 anos, pelo fato de ser um cachorro grande e que gosta de brincar,
podendo machucar sem intenção em suas brincadeiras.

Comportamento
Geralmente o Husky Siberiano é bem dócil e apegado com as pessoas, tendo um grande
instinto de caçador, os siberianos com certeza poderão matar gatos, galinhas, coelhos, pássaros e
qualquer tipo de outros animais pequenos. Por isso, devido ao seu instinto de predador, é bom
evita-lo deixar em contato com outros animais em casa, a não ser que o mesmo for criado juntos
desde pequenos.
Esse tipo de raça, se criado em roça ou locais mais abertos, devem possuir um cercado seguro,
pois frequentemente eles desaparecem atrás de longas viagens para caçar, deixando o seu dono de
cabelos em pé, mas eles sempre retornam. Não deve-se passear com eles soltos ou sem coleiras,
pois são extremamente curiosos, o que os deixam um pouco avoados em relação ao que o seu dono
está falando.
Mas, se o seu Husky Siberiano for adestrado desde filhote, irá obedecer cegamente aos
comandos dados pelo seu dono. O Husky Siberiano é muito apegado ao seu dono, ficando até
mesmo doente e com depressão se for separado do mesmo, podendo morrer de tristeza, por isso
não afaste seu cachorrinho após aderi-lo a sua família, sendo fiel para o resto de sua vida.
Atividades físicas
Pelo fato de ser um cão bem ativo, o Husky Siberiano é uma raça a qual é criada para correr
quilômetros sem se cansar, por isso prepare o seu fôlego para acompanha-lo. Ele necessita de
muitos exercícios todos os dias, sendo longos passeio ou se você aguentar longas corridas, o
importante é não deixa-lo sem se exercitar, necessitando gastar a sua energia para não se tornarem
um problema para o seu dono.
Essa raça precisa de muito espaço e atenção, por isso um grande quintal já o suficiente para
alegra-lo. Por isso, se você deseja um cachorro brincalhão, fiel e bem amigo, o Husky Siberiano é o
parceiro ideal para você e sua família, mas lembre-se, terá que ter muito fôlego e disposição física
para acompanha-lo.
Adestramento
Pelo fato de serem bem inteligentes e dominarem matilhas, o Husky Siberiano é bem fácil de
se conseguir adestrar. Você pode treinar o seu Husky Siberiano para entocar dentro de uma gaiola,
pois o instinto deles é uma vontade natural de se entocar, sendo um grande tipo de treinamento
para educa-lo dentro de casa, pois um Husky Siberiano sabe que não deve sujar aonde ele dorme.
Por se rum pouco teimoso, esse cachorro necessita de um dono que tenha pulso firme para
poder ensina-lo, pois o Husky Siberiano é bem atencioso e carinhoso, uma vez ensinado o mesmo
absolve facilmente. Mas, assim como acontece com as outras raças, o processo de adestramento
de um Husky Siberiano é algo que precisa de bastante treinamento e busca de conhecimento, não
é algo que você conseguirá em um simples artigo. Por isso, sugerimos que você leia alguns artigos
aqui mesmo do portal para ajudá-lo no adestramento do seu cão.
Por onde começar o adestramento de cães?
Ao comprar um cão sempre queremos ensiná-lo truques como deitar, sentar, rolar, fingir de
morto e dar a pata. Ficamos muito orgulhosos do nosso animal quando estas tarefas são cumpridas
e adoramos vê-lo feliz. Estas atividades, conhecidas como adestramento, são ações baseadas na
repetição do movimento com a finalidade de condicionar um comportamento favorável.
Os cães domésticos são descendentes dos lobos e, por isso tem o comportamento coletivo
como se estivesse em uma matilha. Neste contexto, ou ele é o dominante ou é o dominado. Nas
matilhas existe sempre o Alfa, que é o líder dos demais lobos. Portanto, desde o início, você deve
deixar claro que é você quem manda.

Os primeiros passos
Existem alguns passos iniciantes para quem quer adestrar o cachorro desde seu nascimento.
Para dar início ao treinamento comece com passos pequenos.
• Os truques são as primeiras indicações para o seu cãozinho ser adestrado. Para instiga-lo
a sentar segure um petisco na frendo do animal e faça movimentos levantando a mão até que ele
se sente.
• Para que dê a pata, bata com os dedos em uma das mãos, indicando que pata dele deve
ser colocada no lugar apontado.
• E para deitar vá abaixando a mão até que o cão se deite. Para ele entender que isto é o que
você espera deles, dê o petisco ao cão no fim da ação. Mas somente no fim.
• Se o animal late excessivamente ele pode estar muito agitado. Portanto para diminuir os
latidos, procure fazer atividades que esgote a energia do pet. Leve-o para passear ou para correr e
sempre faça estímulos negativos aos latidos para que ele saiba que você recrimina o latido.
• Se o seu cão fica muito agitado quando vê outra pessoa, ou até mesmo você, e começa a
pular enfaticamente pise na coleira dele ou jogue um pouco de água no seu rosto, em repreensão.

Preparando o ambiente para adestramento de cães
Adestrar um animal de estimação não é tarefa fácil quando não somos profissionais do ramo.
É comum que aqueles que não têm condições de pagar um profissional tentem fazer, de forma
amadora, o adestramento de seu animal, mas muitas dúvidas podem surgir no meio deste processo.
No caso dos cães, por exemplo, qual a melhor forma de preparar o ambiente? Qual o melhor local?
Não basta a paciência e a dedicação, outras medidas, se tomadas, podem tornar o treino mais
eficiente, por isto, é fundamental tê-las em mente.

O cachorro tem que se sentir bem
É imprescindível que você conheça o seu cachorro, a raça e o temperamento. Cães de todas
as raças e idades podem ser adestrados. Os vira-latas, por exemplo, são notórios por causa de sua
sagacidade e inteligência. Ou seja, o primeiro passo, é saber com que tipo de animal você está
lidando, para poder dar início ao treinamento. Cada cachorro aprende no seu próprio tempo, o
respeito a este detalhe, garante o sucesso de treino.
No que se refere ao ambiente, escolha um local com poucas distrações. Caso, em meio ao
treino, o cão receba outros estímulos do ambiente, isto pode afetar sua concentração distraindo-o
dos comandos. Um tapete plano, dentro de casa, um jardim com um gramado plano, enfim, um
lugar tranqüilo, são locais adequados para o adestramento. Deixe o cachorro brincar um pouco
antes de começar, para que esteja descansado e sem energia acumulada.
Sabendo que as dificuldades virão
Caso tenha um filhote ou um animal novo em casa, é importante que respeite a fase de
adaptação do pet. Para tal, procure saber de seus hábitos anteriores, como a ração ingerida, e
mantenha da mesma forma, por alguns dias, até que o cão se adapte ao novo lar. Neste período é
inevitável que algumas coisas lhe fujam ao controle, como o animal acertar o local onde fazer as
necessidades. Tenha paciência, aos poucos, ele vai aprender, de acordo com seu comando, onde e
quando deve ir. Brinque com o cão para acalmá-lo e sempre tenha água limpa e sempre. Alimente-
o bem, regularmente e dê a ele um lugar confortável para dormir.
A atenção a estas observações fará com que seu cachorro se sinta bem e confortável no
ambiente em que se encontra e com você, fator de maior importância para o bom resultado do
adestramento. Ter confiança no lugar onde está e com quem está faz do cão, um melhor aprendiz.

Brinquedos que ajudam no adestramento de cães
Os brinquedos, muitas vezes, são considerados ferramentas ótimas para divertimento do cão.
Contudo, os brinquedos também ajudam na adestração do cão. Por isso é um assunto que deve ser
tratado aqui. Existem brinquedos que os cães gostam tantos, que passam a idolatrá-lo. Esses
brinquedos idolatrados podem servir como recompensa no adestramento, para quando o cão fizer
algo que lhe agrade. Além disso, os brinquedos também fazem o cão não sentir-se tentado em roer
coisas da sua casa, como seu controle e o pé da sua mesa. Este artigo visa expor quais brinquedos
recomendados para os cães, além disso irá também expor alguns cuidados necessários ao dar o
brinquedo ao cão, principalmente os naturais.
Antes de citas alguns brinquedos que servirão como exemplo para você entregar para seu cão,
é necessário explicar a importância de sempre estar variando os brinquedos entregues para o seu
cão, principalmente se ele não se apegar rápido a um deles. Assim como as crianças, os cães enjoam
rápido de um brinquedo. Por isso é importante fazer um rodízio de brinquedos para o cão sempre
sentir-se animado.
Os brinquedos mais recomendados para o seu cãozinho são brinquedos moles ou macios,
como por exemplo brinquedos de borracha. Além disso, é extremamente recomendável que os
brinquedos não sejam tão pequenos, pois corre o risco do cão engolir e lhe trazer dor de cabeça
mais tarde, além de poder custar a vida do cão. Os melhores brinquedos são aqueles que
proporcionam certo tipo de jogo ao cão, aumentando assim sua atenção e aliviando o estresse.
Brinquedos como bola de tênis, ossos de náilon, brinquedos de borracha e etc., são os
brinquedos mais recomendados para seu cão. Se você tiver a sorte dele se apaixonar por algum
desses e começar a carregar para todo lado que andar, comece a usar esses brinquedos para o
adestramento. Principalmente na fase filhote, é aconselhável você congelar esses brinquedos antes
de dar para o cão, pois isso alivia a dor que o cão irá sentir quando estiver trocando de dentes.
Agora brinquedos como bola de gude, bichos de pelúcia, brinquedos pequenos e etc., devem
ser evitados. Além de serem pequenos, a maioria possuem materiais resistentes. Se o cão,
acidentalmente, engolir esses brinquedos (e, acredite, isso é muito comum), pode trazer sérios
problemas digestivos para o cão. Vale também falar dos ossos naturais, que são aqueles restos de
ossos de galinha do almoço. Esses ossos podem trazer problemas digestivos para os cães se não
tiverem bem esterilizados. Além disso, podem trazer problema aos dentes dos cães e seu intestino.

A forma correta de recompensar o cão no adestramento
Durante muito tempo se pensou que, para domar um animal, era preciso usar de técnicas que
mostrassem ao animal a força do homem. Com isso, o método utilizado era, basicamente, o medo.
Cavalos, cães, animais selvagens de circo e muitos outros eram adestrados com base na dor e na
repressão. Do mesmo modo como, até pouco tempo atrás, a palmatória era utilizada para punir as
crianças na escola, a violência foi muito usada para domesticar e adestrar os animais.
Felizmente, essa mentalidade mudou muito nos últimos anos e surgiram métodos muito mais
eficientes, éticos e saudáveis para ensinarmos aos animais alguns truques e comportamentos.
Falando especificamente sobre os cães, o fato de muitos adestradores e especialistas em
comportamento animal terem estudado a fundo o funcionamento social dos cães e publicado
diversos livros sobre o tema, ajudou no desenvolvimento de técnicas modernas de adestramento,
que se baseiam no carinho e afeto e jamais na violência e intimidação.

As vantagens e as desvantagens dos petiscos
As técnicas mais eficientes hoje em dia consistem, basicamente, no reforço positivo. Ou seja,
recompensar o animal quando ele fizer corretamente o que é esperado que ele faça. Ao contrário
de punir os comportamentos indesejados, recompensar os bons comportamentos estimula o cão a
realizar com cada vez mais prazer o que lhe é proposto, e, aos poucos, abandonar hábitos
desagradáveis e prejudiciais. Mas o que seria o “reforço positivo”? Nada mais é do que uma
recompensa pelo bom comportamento do cão. Essa recompensa pode ser um carinho, um elogio,
um afago ou mesmo um petisco. Esse último certamente é o mais atrativo para o cão, mas devemos
ter alguns cuidados com essa recompensa.
Nada deixará seu cão mais empolgado e disposto a aprender uma tarefa nova quanto um bom
petisco. Certamente ele se concentrará muito mais em você e se esforçará para aprender o mais
rápido possível sabendo que, depois de cumprir a missão, ganhará o saboroso petisco. O problema
é quando você condiciona seu cão a obedecer apenas quando tem um petisco em mãos. Ele pode
ficar dependente do petisco para lhe obedecer e isso não é o que esperamos. Há também outro
problema, que é quando temos um cão “educado e obeso”. Nem é preciso comentar que petisco
em excesso engorda o cão, né?
Portanto, sempre que estamos praticando adestramento com o cão devemos ir reduzindo
gradativamente o petisco como recompensa. Por exemplo, se o cão está aprendendo a dar a pata,
você lhe dá um petisco toda vez que ele lhe obedecer e der a pata. Depois, passe a dar o petisco a
cada três vezes, que ele acertar o truque. Depois reduza para uma a cada cinco e assim por diante.
Logo ele estará realizando a tarefa sem a necessidade de ganhar o petisco, sendo suficientes um
bom elogio e carinhos.

Nada melhor que carinho
A coisa que mais tem valor para um cão é o carinho de seu dono. Sempre o elogie bastante e
faça muito carinho quando ele lhe obedecer ou fizer algo que lhe agrade. Eles adoram ouvir um
“bom garoto” ou “boa garota” quando cumprem uma missão, junto com um belo carinho na cabeça.
O cão sempre aprenderá com mais facilidade e alegria os treinamentos que priorizam e estimulam
respeito mútuo entre o cão e se dono. Métodos violentos e impositivos estão ultrapassados e não
são bons para ninguém. Nem para o cão, que obedecerá por medo e não por amor e respeito, nem
para a pessoa que descarrega suas mágoas e frustrações num animal indefeso, achando que está
no “controle da situação”. Mostre-lhes como é bom aprender e fazer as coisas certas, como é bom
ganhar um petisco e, acima de tudo, como é bom receber o carinho sincero de um dono ama seu
cão!

A forma correta de corrigir o cão
Você sabia que grande parte dos problemas de comportamento dos cachorros são causados
pelos próprios donos? As pessoas têm muita dificuldade em entender que os cães são, de fato, cães
e não humanos. Na verdade, o cachorro nos vê como cachorros também, onde todos são membros
de uma matilha.
O cão é um animal que vive em sociedade e de forma organizada. Cada cão tem uma posição
muito bem definida na matilha, podendo haver alguma disputa, mas sempre respeitando as regras.
Na nossa casa não é diferente. Somos uma matilha, onde geralmente somos os líderes. Por isso,
quando quisermos corrigir algum comportamento indesejado do cão, devemos fazer do modo
deles. Não se esqueça que o cão não entende o “modo humano” de fazer as coisas.

O reforço positivo sempre é o melhor caminho
Tenha em mente que, na sua matilha, o cão deverá ocupar uma posição inferior a qualquer
membro de sua família, principalmente crianças. Isso deve estar bem claro para o cão, assim você
evitará que ele “dispute posição” nos níveis hierárquicos da família (veja nosso artigo sobre o Líder
da Casa). A maneira mais fácil de estabelecer essa escala hierárquica é através da educação e de
regras. Você e sua família determinam o que pode e o que não pode dentro de sua matilha.
É muito mais fácil você ensinar seu cão através do reforço positivo, onde você premia uma
ação correta, do que pela punição, onde você castiga o cão por uma atitude errada. O reforço
positivo tem resultados muito mais rápidos e eficientes e consiste em recompensar seu cão com
muito carinho, elogios e até petiscos toda vez que ele fizer o que se espera que faça. Mas, como
corrigi-lo quando fizer algo errado?
Existem diversas maneiras de corrigir o cão sem usar de violência, castigos ou punições. Para
isso, você deve “pensar como um cachorro”. O mais eficiente dos métodos é através da palavra
“não”. Ela deve ser dita sempre num tom firme e convicto, mas sem gritar ou ficar repetindo
insistentemente. Junte a isso uma postura corporal imponente e segura. Não fique explicando mil
coisas para o cão, falando sobre seu erro. Obviamente ele não entenderá o que você está dizendo
e ficará ainda mais confuso.
As mães corrigem os filhotes através de leves mordidas na nunca. Então, se você der toques
com a ponta dos dedos, de modo rápido e firme na nunca do cão, ele entenderá como correção de
algo errado (jamais use força nesse movimento para não machucá-lo). Você pode usar “armadilhas”
para corrigir atitudes indesejadas do cão, sem que ele perceba que foi você. Por exemplo, se o cão
tem o hábito de latir para todos que passam em frente à sua casa, talvez só você barrando essa
atitude não resolva o problema. Ele certamente continuará fazendo isso quando você não estiver
presente. Uma boa solução é você pegar uma latinha com pequenas pedrinhas dentro, se esconder
e arremessar próximo ao cão quando ele estiver tendo o comportamento indesejado. Não deixe
que ele o veja. Desse modo, ele tomará um susto e não associará a correção a você, e sim a atitude
dele. Assim sendo, mesmo sem sua presença, ele entenderá o que não pode fazer.

Pense como um cão
Na natureza, um cão que descumpre as regras da matilha, é isolado e ignorado por um certo
tempo. Faça isso também. Em caso de agressividade do cão, por exemplo, isole-o por uns 20
minutos em um quarto ou espaço pequeno, sem distrações, no momento do ato indesejado.
Durante esse tempo, converse alto com sua família, riam e divirtam-se. Ele perceberá que vocês
estão felizes mesmo sem sua presença. Depois, quando soltar o cão, todos devem ignorá-lo. Nada
é pior para o cão do que ser isolado de sua matilha. Ele certamente entenderá que sua atitude não
será tolerada e buscará não repeti-la.

Seu cão dando a pata
Depois de ler o artigo, não esqueça de deixar seu comentário. Diga o que achou, tire dúvidas
e dê sugestões.
Alguns comandos são básicos (os comandos curtos) para ensinar ao seu cão, como sentar,
deitar e ficar. Porém, existem outros comandos que possuem uma função mais “visual” do que
propriamente útil. São os truques que você ensina ao seu cão, tanto para fortalecer a relação entre
vocês quanto para causar uma boa impressão nas pessoas. O mais comum de todos é o famoso “dá
a pata”.
Esse é um truque que demanda um pouco mais de tempo e paciência para o cão aprender,
mas vale a pena o esforço. O ato de dar a pata desperta nas pessoas uma sensação de segurança
em relação ao cão, principalmente os maiores. Mas o efeito mais importante desse truque é
desenvolver a confiança entre o cão e seu dono e reforçar a liderança, com diversão e alegria.

Como ensinar o cachorro a dar a pata
Não existe idade correta para ensinar esse truque ao cão, mas você terá melhores resultados
se for praticado quando ele ainda for filhote. Como o cão usa muito as patas dianteiras para se
comunicar ou pedir algo, o processo pode acabar sendo mais fácil do que se imagina, mas não tome
isso como regra. Em geral, o exercício terá que ser praticado diariamente, por pelo menos uma
semana até o cão começar a executar o truque com naturalidade.
Comece fazendo seu cão sentar, sempre prestando muita atenção em você. Pegue um petisco
com a mão fechada, para que ele apenas sinta o cheiro e não veja o que há nela. Leve sua mão (com
a palma virada para baixo) até próximo ao focinho do cão, porém um pouco para o lado. Desse
modo, o cão colocará seu peso mais em uma pata do que na outra. Instigue-o a querer descobrir o
que há em sua mão. Logo ele irá tentar “pegar” o petisco com a pata. Quando a pata encostar em
sua mão, elogie-o, vire a palma para cima, abra a mão e deixe-o pegar o petisco.
Quando ele estiver fazendo esse movimento com mais freqüência e naturalidade, comece a
introduzir o comando “dá a pata”. Dê o comando no exato momento em que o cachorro encostar a
pata em sua mão. Não se esqueça de sempre incentivá-lo com elogios e carinhos. Comece a alternar
a pata que ele deve dar a você. Faça isso repetindo o procedimento com a outra mão, na direção da
outra pata. Isso não será difícil para o cão compreender o que deve fazer.
Geralmente o cão fica empolgado quando percebe que está realizando corretamente a tarefa.
Cães gostam de aprender e mostrar ao dono que aprenderam. Porém, isso pode fazer com que ele
fique ansioso e comece a lhe dar a pata assim que sentar, sem que você dê o comando. Nesse caso,
diga firmemente “não” (mas sem agressividade). Assim que ele ficar sentado, prestando atenção,
mas sem dar a pata, dê o comando. Recompense-o novamente com carinhos e elogios. Conforme o
cachorro vá obedecendo com mais facilidade, vá reduzindo gradativamente a quantidade de
petiscos.

A hora certa de praticar
Pratique esse treino por, pelo menos, 10 minutos diários, mas nunca insista caso seu cão
demonstre desinteresse ou irritação. O melhor momento para praticar qualquer truque novo é
sempre antes de o cão fazer sua refeição, já que ele estará mais alerta, atento e disposto a obedecer,
sabendo que logo depois terá um belo almoço ou janta pela frente. Por fim, sempre termine o treino
em um momento positivo, nunca depois de o cão se recusar a realizar a tarefa. Encerrar em um
momento alegre estimulará o cão a realizar corretamente o truque na próxima vez que praticarem.

A arte de ensinar o cachorro a sentar
Depois de ler o artigo, não esqueça de deixar seu comentário. Diga o que achou, tire dúvidas
e dê sugestões.
Alguns truques e comandos são mais fáceis do que outros para o cão aprender. Mas um dos
que são, sem dúvida, mais fáceis, é o comando “senta”. Além de fácil, esse é um comando
extremamente útil no dia-a-dia do cão e no seu também. Através desse comando, você pode realizar
tarefas com muito mais tranqüilidade, como por exemplo, dar comida para o seu cão, receber visitas
ou apresentar o cão a outras pessoas (e outros cães também).
Existem diversas técnicas diferentes para ensinar o cachorro a sentar. Cada uma delas deve
ser aplicada levando em conta a idade e personalidade do cão, sua facilidade em aprender novos
comandos, seu grau de confiança, dentre outros fatores. Vamos abordar algumas dessas técnicas
que, certamente, facilitarão a sua vida e tornarão a relação com seu cachorro muito mais alegre.

Como ensinar o cachorro a sentar
A forma mais prática de ensinar seu cão a sentar, principalmente se ele for jovem, é o modo
natural. Esse método consiste em você passar um bom tempo ao lado do seu cão, deixando ele agir
naturalmente (sem interferências) e aguardar atentamente o momento em que ele sentar. Preste
atenção no exato momento em que ele encostar o traseiro no chão, diga de modo firme, mas gentil,
a palavra “senta” e acaricie-o, elogie-o (“bom garoto” funciona muito bem) ou lhe dê um petisco.
Repita o procedimento cada vez que ele sentar. Em pouco tempo ele estará associando o comando
“senta” ao ato de sentar. Depois pratique o comando curto quando ele estiver de pé, sempre
elogiando quando realizar a tarefa.
Outro método é induzindo-o a sentar, usando algum petisco. Chame a atenção do seu
cachorro, faça-o ficar à sua frente e prestando atenção em você. Pegue o petisco, segure
firmemente e leve até seu focinho para que possa cheirar (não o deixe morder ou tentar pegar, se
isso ocorrer, segure o petisco com sua mão fechada para que ele não tenha acesso). Logo depois,
leve a mão em direção a nuca do cão, mas bem próximo a cabeça dele. Automaticamente ele irá
sentar para poder ver o petisco.
Dê o comando no exato momento em que ele sentar e recompense-o com o petisco, elogios
e carinho. Vá reduzindo a quantidade de vezes em que ele é recompensado com petiscos
gradualmente. Em pouco tempo ele estará sentando sem a necessidade de petiscos e o elogio será
uma recompensa suficiente.
Para cães mais velhos e que nunca realizaram o truque, você pode usar coleira e guia. Faça-o
ficar parado ao seu lado. Com uma mão, segure a guia tencionando levemente para cima, e, com a
outra, empurre sutilmente seu quadril para baixo. Não use força no movimento para ele não achar
desagradável. Assim que ele sentar, repita os passos dos métodos acima, dando o comando,
elogiando-o e recompensando-o, diminuindo a quantidade de petiscos até que ele obedeça
naturalmente o comando.

Paciência sempre ajuda
Alguns cães terão mais dificuldade em aprender esse ou outro comando. Tenha paciência,
cedo ou tarde ele irá aprender (todos os cães têm essa capacidade). Lembre-se sempre de usar o
reforço positivo e nunca dê o comando num tom bravo, desse modo ele obedecerá por prazer e não
por medo. Caso o cão perca o interesse, não insista. Pare e recomece no dia seguinte tudo de novo.
Com certeza, com o tempo, ele aprenderá.

Fazer as necessidades no lugar certo. Seu cão é capaz!
Todos sabem o quanto é desagradável um cão que vive fazendo suas necessidades nos lugares
mais inapropriados. Seja nos pés da mesa e do sofá, ou nos tapetes, no meio da cozinha, etc. Além
do cheiro nada agradável e da chance de pisar em cima, esse hábito pode danificar seus móveis ou
até mesmo apresentar risco de doenças, principalmente quando temos criança em casa.
Geralmente pensamos que o cão faz isso como uma provocação ou por simples
desobediência. Mas, definitivamente, esse não é o caso. Os motivos variam desde insegurança e
medo, até uma forma de chamar atenção de seu dono, tanto positiva quanto negativamente.
Também existem os casos onde o cão não possui um ambiente adequado para fazer suas
necessidades, ou necessita de alguns passeios diários para se “aliviar”.

Como ensinar o cachorro a fazer as necessidades no lugar certo?
O primeiro passo para ensinar seu cão a fazer as necessidades no local correto é identificar o
motivo pelo qual ele faz no local errado. Se o cão for filhote e ainda não souber onde deve fazer, o
procedimento é simples. Alimente-o de forma regrada, sempre nos mesmos horários e com a
mesma quantidade de ração em cada refeição. Com isso, seu organismo funcionará num ciclo
padrão.
Preste atenção no tempo que ele leva para fazer suas necessidades depois das refeições.
Sabendo isso, quando estiver perto da hora das necessidades, leve-o até o local desejado e deixe-o
relaxado, não interfira. Assim que ele fizer, elogie, acaricie, ou até mesmo, dê um petisco para ele.
Assim, ele irá associar os elogios ao seu ato, entendendo como correto.
Quando você flagrar seu cão fazendo as necessidades no lugar errado, pegue-o
imediatamente e leve-o até o local apropriado. Use palavras agradáveis para incentivar que ele
termine no local correto. Caso ele faça isso, recompense-o com carinhos e elogios. Jamais grite, bata
ou esfregue seu focinho no xixi ou cocô. O cão pode desenvolver sérios traumas e esse problema
pode, inclusive, piorar ao ponto de se tornar crônico.
Se o problema do seu cão for por dominância, marcar território ou como forma de chamar a
atenção, os procedimentos são outros. Mostre para ele que você é o líder. Nunca o deixe passar por
uma porta antes de você, nem que ele ocupe o seu espaço, te empurrando ou subindo em você sem
que você tenha chamado. Nunca alimente seu cão pouco antes de você se alimentar. Lembre-se:
primeiro o dono, depois o cão. Isso reforça a sua liderança. Ensine-o os comandos básicos, como
sentar, deitar e ficar.
Não prenda seu cachorro no local onde deve fazer as necessidades. Ele vai associar o
confinamento a uma coisa negativa e, provavelmente, não irá sozinho até esse local, se tornando
dependente de que você o leve até lá. Quando fizer xixi ou cocô num local indesejado, limpe com
produtos especiais que eliminam os odores para que ele não volte a fazer. É importante que ele não
veja você realizando esse procedimento.

Dicas finais
Lembre-se de que o local escolhido para que seu cão faça as suas necessidades deve estar
distante do ambiente onde ele dorme e se alimenta. Existem no mercado diversos produtos que
ajudam nessa questão. Sprays para eliminar o odor, outros com cheiro de xixi para incentivá-lo a
fazer em cima, postes artificiais para os machos e até mesmo um produto que você joga no xixi e
ele fica sólido, facilitando a limpeza.Sempre use o reforço positivo para seu cão, jamais a violência.
Cães aprendem com os estímulos bons, e se tornam mais confiantes e felizes. E não se esqueça de
levar sempre junto nos passeios um saquinho para recolher o cocô que ele possa vir a fazer na rua.