Você está na página 1de 4

A

 Magia  do  Fogo  


Por  Alexandre  Cumino  
 
A  Magia  do  Fogo  ou  Magia  Divina  das  Sete  Chamas  Sagradas  
revelada   por   Rubens   Saraceni   ao   Plano   Material   está   muito  
além   de   nosso   tempo   e   compreensão,   haveremos   ainda   de  
estudá-­‐la  durante  décadas  para  compreender  sua  abrangência  
nos  vários  níveis  de  consciência  e  campos  de  atuação,  por  meio  
das  diversas  ciências  humanas.  
   
Quando   começou   a   ministrar   este   curso   em   1.999   muitos  
umbandistas   chegaram   a   dizer   que   ele   havia   copiado   o   sistema  
de  “ponto  riscado”  usado  comumente  nos  rituais  umbandistas,  
por   vezes   identificados   como   “magia   de   pemba”.   No   entanto  
não  se  deram  conta  da  lacuna  de  explicações  que  há  sobre  tal  
pratica  mágico-­‐religiosa,  os  poucos  títulos  que  se  propõe  a  uma  
rasa   abordagem   do   tema   limitam-­‐se   a   associar   símbolos   com  
Orixás;   flechas,   cruzes,   ondas,   estrelas,   âncora,   espada,   lança,  
sol,  lua  e  outros  com  esta  ou  aquela  entidade,  montando  uma  
combinação   que   (seja   popular   ou   esotérica)   não   vai   além   de  
algumas  combinações  padrão.  
   
Na  Magia  das  Velas,  para  muito  além  de  explicar  boa  parte  do  
simbolismo   presente   na   Grafia   Sagrada   de   Umbanda,   há  
conceitos   que   transcendem   este   universo.   Seu   alcance   não  
encontra   limites   nos   conceitos   e   dogmas   criados   por   esta   ou  
aquela   religião.   Sua   pratica   revela   um   relacionar-­‐se   com   o  
sagrado  de  forma  aberta  e  racional.  
   
A   Magia   do   Fogo   é   praticada   com   o   uso   de   um   “giz   branco”  
análogo   ao   utilizado   em   quadro   negro,   que   pode   ser  
apresentado   na   sua   variação   umbandista   mais   conhecida   como  
“pemba”.   Que   é   um   mineral   derivado   da   “gipsita”,   o   mesmo  
que   dá   base   para   o   que   chamamos   de   “gesso”.   Com   o   auxilio  
de   tal   giz   é   possível   criar   “Espaços   Mágicos”,   que   são   formas  
geométricas   “riscadas”   no   chão   ou   em   outras   superfícies  
(pedras,   chapas   de   metal,   madeira   etc.).   Existem   espaços  
mágicos   em   forma   de   triângulo,   quadrado,   cruz,   estrelas   e  
círculos.   Estes   últimos   são   considerados   espaço   mágico   por  
excelência.   Classificam-­‐se   em   “ponto   riscado”,   “cabalas”   e  
“mandalas”,   palavras   adotadas   e   re-­‐significadas   para    
identificar  3  padrões  diferentes  de  simbologia  mágica.  
   
Todas   as   práticas   de   Magia   Divina   consistem   da   invocação   de  
Deus,   sua   Lei   Maior   e   sua   Justiça   Divina,   dos   Tronos   de   Deus  
que   manifestam   “poderes”   divinos   agrupados   em   qualidades  
distintas,  as  quais  se  relacionam  com  os  Sete  Mistérios  Maiores  
(Fé,  Amor,  Conhecimento,  Justiça,  Lei,  Evolução  e  Geração).  Há  
um  par  de  Divindades-­‐Tronos  para  cada  um  destes  mistérios  a  
trabalhar   nossas   virtudes   e   vícios   relacionando   estes   sentidos  
com   cores,   chacras,   fatores,   elementos,   verbos,   funções   e  
ações  determinadas.  Seu  método  de  utilização  é  extremamente  
prático,   durante   o   aprendizado   (curso)   numa   média   de   4   a   5  
meses   o   neófito   (aluno)   aprende   teoria   e   pratica,   colhendo  
resultados   positivos   durante   este   aprendizado,   no   qual  
encontra   espaço   para   testar,   exercer   e   reconhecer   a   ação   do  
que   foi   aprendido.   Já   nas   primeiras   aulas,   com   auxilio   do   livro  
Magia  Divina  das  Sete  Chamas  Sagradas  (Rubens  Saraceni  /  Ed.  
Madras)  o  aluno,  aprendiz  de  Magia  do  Fogo,  começa  a  praticar  
exercícios  simples  dentro  deste  universo.  
   
Com  o  desenrolar  das  aulas  são  estudados  os  símbolos,  signos  e  
ondas  necessários  para  desenvolver  uma  ciência  que  relaciona  
as   divindades   aos   “Espaços   Mágicos”,   lembrando   os   estudos  
milenares   no   ocidente   e   oriente   com   relação   ás   Mandalas  
Hindus   e   Rosáceas   presentes   nas   mais   diversas   catedrais.   São  
formas   geométricas   que   por   si   só   já   possuem   um   poder   de  
realização  no  inconsciente  coletivo  e  individual  de  cada  um.  
   
O   Próprio   Jung   fez   inúmeras   experiências   com   mandalas,  
concluindo  que:  
   
A  experiência  nos  ensina  que  o  “circulo  protetor”,  a  mandala,  é  
o  antídoto  tradicional  para  os  estados  mentais  caóticos.[1]  
   
Nesta   Magia   também   estudamos   os   fatores   dos   Tronos   de  
Deus,   em   que   cada   um   revela   uma   ação   da   Divindade   e   um  
poder   de   realização   em   nossas   vidas,   e   mais   uma   vez  
encontraremos   em   Jung   uma   afirmação   que   vai   ao   encontro  
deste  fundamento  em  M.D.:  
   
Chamamos   hoje   os   deuses   de   “fatores”,   palavra   que   provém   de  
facere,   fazer.   Os   que   fazem   ficam   por   detrás   dos   cenários   do  
teatro   do   mundo.   Tanto   no   grande,   como   no   pequeno.   Na  
consciência,   somos   nossos   próprios   senhores;   aparentemente  
somos   nossos   próprios   “fatores”.   Mas   se   ultrapassarmos   o  
pórtico   da   sombra,   percebemos   aterrorizados   que   somos  
objetos   de   fatores.   Saber   isso   é   decididamente   desagradável,  
pois   nada   decepciona   mais   do   que   a   descoberta   de   nossa  
insuficiência.[2]  
   
Assim   vamos   descobrindo   uma   forma   simples   e   prática   de  
acessar   a   Magia   Divina,   em   um   contexto   moderno   para   a  
realidade  urbana  em  que  estamos  inseridos.  
   
Como  se  já  não  bastasse,  todas  estas  informações  sobre  ondas,  
fatores,   mandalas,   símbolos,   grafia   sagrada,   cores   e   etc.  
durante   o   curso   de   Magia   do   Fogo   o   aluno   é   iniciado   e  
consagrado   no   Mistério   das   Sete   Chamas   Sagradas.   Também  
recebe  uma  Limpeza  Cármica    de  alcance  para  suas  ultimas  sete  
encarnações,  limpando  tudo  o  que  não  interessa  e  não  precisa  
mais   ser   “carregado”   por   ele   no   que   diz   respeito   a   energias  
negativas  do  passado  e  presente.  Por  meio  de  Rubens  Saraceni  
e  daqueles  que  foram  por  ele  preparados  já  se  formaram  mais  
de   10.000   praticantes   de   Magia   do   Fogo.   No   astral   se  
encontram  os  Mestres  de  Magia  que  acompanham,  inspiram  e  
intuem  seus  pares  aqui  no  plano  físico.  
   
Não  daria  para  abranger  o  todo  de  informações  que  envolve  a  
Magia  Divina  das  Sete  Chamas  Sagradas,  durante  este  período  
de  aprendizado  também  são  exploradas  as  qualidades  mágicas  
de  outros  elementos  como  “óleo  consagrado”,  “aros  de  cobre”,  
pedras  e  ervas  em  conjunto  com  o  fogo,  cores  e  grafia  sagrada.  
   
Esta   é   uma   oportunidade   de   adentrar   à   Arte   Real   pela   porta   da  
frente,   com   licença,   autorização   e   outorga   de   praticar   uma  
Magia   Divina   alicerçada   a   uma   Tradição   Mágica   no   astral.   O  
aluno   que   durante   alguns   anos   tiver   bons   resultados,  
desenvoltura   e   facilidade   de   ensinar,   poderá   também   receber  
autorização   para   iniciar   outros   praticantes,   desde   que   esteja  
regularmente   ligado   ao   Colégio   Tradição   de   Magia   Divina,  
fundado   por   Rubens   Saraceni   e   presidido   por   Dra.   Mirian  
Soares   de   Lima,   com   objetivo   de   regulamentar   e   manter   a  
integridade   dos   ensinamentos   recebidos   do   astral   por   Mestre  
Seimam  Hamisér  yê,  que  teve  sua  última  encarnação  na  Pérsia  
de  Zoroastro.