Você está na página 1de 5

EXMO. SR. DR.

JUIZ DE DIREITO DA _____ VARA DO SISTEMA DOS


JUIZADOS ESPECIAIS DE PEQUENAS CAUSAS E DE DEFESA DO
CONSUMIDOR DESTA COMARCA DE ITABUNA - BAHIA.

“Os que acham que a MORTE é o maior de todos os males é


porque não refletiram sobre os males que a INJUSTIÇA pode
causar.” - Sócrates.

BRUNA RAFAELA PEREIRA DE JESUS, brasileira, casada, auxiliar


administrativo, nascida em 14/08/1988, filha de Francisvaldo Pereira de Jesus e
Marineuza Pereira de Jesus, portadora do RG nº 1409203581 SSP/BA, inscrita no
CPF/MF sob o nº 031.084.715-03, de endereço eletrônico bruninha-
vitoria05@hotmail.com, residente e domiciliada na Rua Frei Joaquim Cameli, nº 21,
bairro Pedro Gerônimo, CEP 45606-482, Itabuna – BA, vem, respeitosamente, perante
Vossa Excelência, por meio de seu advogado que esta subscreve (procuração em anexo),
com endereço profissional na Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima,
Itabuna/BA, CEP. 45604-130, onde recebe intimações, propor a presente ação:

AÇÃO DE IDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS c/c PEDIDO DE TUTELA


ANTECIPADA

Em face do BANCO BRADESCO S.A., agência 3522, pessoa jurídica de direito privado,
inscrita no CNPJ nº 60.746.948/2989-36, com sede na Praça Siqueira Campos, nº 70,
Centro, CEP. 45.600-928, Itabuna/BA.

PEDIDO LIMINAR INAUDITA ALTERA PARS

Requer in limine litis, concessão de medida acautelatória em desfavor do


requerido com o mister de que este seja compelido a DEIXAR DE EFETUAR A
TRANSFERÊNCIA DA REMUNERAÇÃO DA AUTORA DE SUA CONTA
SALÁRIO PARA A CONTA CORRENTE, conforme se verificará no tópico “DOS
FATOS”, sob pena de multa diária a ser arbitrada por esse Juízo.

_____________________________________________________________________________
Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima, Itabuna/BA. CEP. 45.604-130.
E-mail: gabrielribeiroadv@hotmail.com
TEL/WHATSAPP: (73) 98827-8055
I - DA JUSTIÇA GRATUITA
Requer a autora que lhe sejam deferidos os benefícios da justiça gratuita, com
fulcro no disposto ao inciso LXXIV, do art. 5º da Constituição Federal e na Lei nº
1.060/50, em virtude de ser pessoa pobre na acepção jurídica da palavra e sem condições
de arcar com os encargos decorrentes do processo, sem prejuízo de seu próprio sustento
e de sua família.

II - DOS FATOS
A requerente é cliente do banco réu desde 2010, no qual possui duas contas, quais
sejam: corrente e salário.
Mensalmente, o salário da autora é depositado diretamente em sua conta salário.
Porém, como restará provado por meio de documentos anexos, o banco réu transferiu, em
07/08/2018, sem o devido conhecimento e autorização da requerente, o montante de R$
2.162,64 (dois mil, cento e sessenta e dois reais e sessenta e quatro centavos) de sua conta
salário para a corrente, objetivando cobrir débitos que a requerente possui com o
requerido.
Com a transferência indevida, o banco réu debitou do salário da autora os
seguintes encargos: mora da conta de telefone no valor de R$ 75,00 (setenta e cinco reais),
tarifa bancária no valor de R$ 28,80 (vinte e oito reais e oitenta centavos) e mora do
crédito pessoal tomado pela autora no valor de R$ 162,85 (cento e sessenta e dois reais e
oitenta e cinco centavos).
Salienta-se que o requerido agiu de má fé, uma vez que só poderia ocorrer débito
automático na conta salário para pagamento de dívidas caso houvesse autorização
expressa da requerente, o que não ocorreu. Dessa forma, transferiu de forma unilateral
todo o salário da requerente para sua conta corrente, a fim de cobrir débitos de
empréstimos pessoais e tarifas de serviços, como exposto acima.
Tal violação trouxe consequências financeiras para a requerente, visto que possui
dois filhos e um cônjuge que atualmente está desempregado, ou seja, a requerente é quem
arca com todas as despesas da casa (alimentação, vestuário, higienização, escola das
crianças, dívidas do marido), sendo o seu salário a única fonte de renda da família. Assim,
com os débitos provenientes dessa transferência ilegal, a autora viu seu salário diminuir,
causando transtornos financeiros e psicológicos.

III - DO DIREITO
A conduta do requerido em transferir a remuneração da requerente de sua conta
salário para a corrente é abusiva, que ofende os direitos basilares do consumidor e de
natureza contratual, especialmente o da boa-fé e da informação.

_____________________________________________________________________________
Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima, Itabuna/BA. CEP. 45.604-130.
E-mail: gabrielribeiroadv@hotmail.com
TEL/WHATSAPP: (73) 98827-8055
No caso em tela, MM., o dano moral produzido pelo requerido é presumido - In
re ipsa - pelo próprio fato, não necessitando a autora provar maiores dissabores além dos
já existentes. A má-fé absoluta e indiscutível que lesou o direito absoluto da requerente
justifica a concessão de danos morais, uma vez que se trata de um direito oriundo da
relação de consumo entre as partes, e se dá como responsabilidade objetiva.
Ademais, o STF tem proclamado que “a indenização, a título de dano moral, não
exige comprovação de prejuízo” (RT 614/236), por ser esta uma consequência
irrecusável do fato e um “direito subjetivo da pessoa ofendida” (RT 124/299).
A corroborar o exposto acima, insta transcrever o entendimento da 20ª Câmara
Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul:
“EMENTA. APELAÇÃO CIVIL. NEGOCIOS JURIDICOS
BANCARIOS. AÇÃO INDENIZATÓRIA. TRANSFERENCIA DE
VALORES ENTRE AS CONTAS SALÁRIO E CORRENTE.
AUSÊNCIA DE CONSENTIMENTO DA CONSUMIDORA. DANO
MORAL IN RE IPSA. Reconhecida a conduta ilícita da instituição
financeira, que, in casu, tem responsabilidade objetiva, resta
caracterizado o dano moral puro, também denominado in re ipsa, o qual
independe de comprovação. A transferência realizada pelo banco, de
valores entre as contas salário e corrente, sem o consentimento da titular,
por si só, já basta à caracterização do dano. O desconto não autorizado
em verba salarial é conduta grave, que merece severa repreensão. A
fixação do quantum deve corresponder à realidade dos fatos concretos, eis
que, consabido, tem por escopo compensar os prejuízos da vítima, bem
como evitar a prática reiterada dos atos lesivos. Indenização por danos
morais arbitrada em R$ 5.000,00. Honorários advocatícios majorados
para 20% sobre o valor de condenação, com base nos vetores do art. 20,
§§3º e 4º, do CPC, bem como nos parâmetros estabelecidos pela Câmara
em casos análogos. Apelo provido. Unânime.

(TJ-RS - Nº 70060394889 (N° CNJ: 0232051-85.2014.8.21.7000). Relator:


Des. Dilso Domingos Pereira. Data do Julgamento: 16/07/2014, 20ª
Câmara Cível).”

Além disso, salienta-se que o ato ilícito indenizável, sob o aspecto moral, é aquele
que viola direito e causa dano, como se infere no artículo 186 do Codex Civil, ao
mencionar “violar direito e causar dano”. A norma vigente civil é clara ao aduzir que:
“Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou
imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que
exclusivamente moral, comete ato ilícito.”

O nosso Codex Civil pátrio ainda trata mais adiante, em seu articulo 927 que:
“Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica
obrigado a repará-lo.”

O art. 14 do Código Consumerista estabelece a responsabilidade civil objetiva ao


fornecedor de serviços, o qual deve arcar com as consequências danosas do defeito em
sua atuação. Neste sentido, a transferência unilateral do salário da requerente evidencia
falha na prestação do serviço por parte do requerido, obrigando-o ao dever de indenizar.

_____________________________________________________________________________
Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima, Itabuna/BA. CEP. 45.604-130.
E-mail: gabrielribeiroadv@hotmail.com
TEL/WHATSAPP: (73) 98827-8055
Entre os direitos básicos do consumidor, está efetiva prevenção e reparação de
danos patrimoniais e morais, individuais, conforme o art. 6º, VI, do Código
Consumerista.
Sabido é que restam sobejamente provados os abusos cometidos pelo requerido
em comento e que esta, repita-se, em total afronta aos princípios balizais festejados na
Carta Magna, reconhecida Constituição Cidadã de 1988, desdenha do hipossuficiente.
Dessa forma, não restou à requerente outra alternativa senão buscar a tutela
jurisdicional.

IV - DOS PEDIDOS
Diante do exposto, requer:
A) Sejam deferidos os benefícios da justiça gratuita, com fulcro no disposto no inciso
LXXIV, do art. 5º da Constituição Federal e na Lei nº 1.060/50, em virtude de ser
pessoa pobre na acepção jurídica da palavra e sem condições de arcar com os
encargos decorrentes do processo, sem prejuízo de seu próprio sustento e de sua
família;

B) Reitera, ainda, in limine litis, concessão de medida acautelatória em desfavor do


requerido com o mister de que este seja compelido a DEIXAR DE EFETUAR
A TRANSFERÊNCIA DA REMUNERAÇÃO DA AUTORA DE SUA
CONTA SALÁRIO PARA A CONTA CORRENTE, sob pena de multa diária
a ser arbitrada por esse Juízo;

C) Seja designado dia e hora para audiência com o mister de celebração de possível
avença que ora se propõe;

D) A Citação do réu, para que, querendo, ofereça resposta no prazo legal, sob pena
de sujeitar-se aos efeitos da revelia;

E) Reconhecimento da relação de consumo e inversão do ônus da prova, nos termos


do art. 6º, VIII e 42, § único do Código de Defesa de Consumidor;

F) Seja, ao final, ratificada a liminar; bem como a condenação do réu ao pagamento


de danos morais in re ipsa no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), em razão do
constrangimento promovido, situação essa injustificada, leviana e desdenhosa.

G) Seja condenado, ao final o requerido, ao pagamento pecuniário de honorários


advocatícios (sucumbência), estes no percentual de 20% sobre o valor da causa,
isto em caso de recurso;

H) Provar o alegado por todos os meios de prova admitidos em direito admitidos,


dispensando-se oitivas de testemunhas por ser mera prova documental, e
depoimento pessoal do requerente.
_____________________________________________________________________________
Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima, Itabuna/BA. CEP. 45.604-130.
E-mail: gabrielribeiroadv@hotmail.com
TEL/WHATSAPP: (73) 98827-8055
Dá-se à causa o valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais).
Termos em que,
pede deferimento.
Itabuna/BA, 15 de agosto de 2018
Gabriel Ribeiro Santos
OAB/BA 58.798

_____________________________________________________________________________
Rua Monte Alto, nº 373, bairro Nossa Senhora de Fátima, Itabuna/BA. CEP. 45.604-130.
E-mail: gabrielribeiroadv@hotmail.com
TEL/WHATSAPP: (73) 98827-8055