Você está na página 1de 3

Monólogo do Amor Monólogo do amor - Definição.

Às vezes acompanho religião.

Meço as palavras por medo de levar um não.

Inevitavelmente perco todos os sentidos, Cego portador e tapo os ouvidos.

Sinto apenas o que sou.

Desdobro-me em vários.

É gostoso estar presente na família, Irmãs, Pais, Amigas.

É triste quando sou enganado,

E a amizade toma-se pecado.

A natureza gosta quando me possuem, Fica feliz quando apoio seu lado.

Assusto quando me alio ao possessivo. E o ciúme toma-se amigo.

Gostam quando caso com o desejo,

E namoro um pouco com a imaginação.

De todos meus conhecidos,

Sou o mais Ambivalente do que a própria. Pois mesclo desde a compreensão,

Até o ódio e a Traição.

A felicidade nem sempre me sorri, Lágrimas são mais presentes em mim. Quando demoro a
chegar,

A paixão abusa no meu lugar. Demoro porque o medo sempre me alerta,

Sabe que a tristeza me acompanhará.

Nem sempre ele acerta,

Pois quando cisma a felicidade vem me procurar.

Nunca a compreendo,

Ela é autista e se esconde onde não posso enxergar. Diz que anda comigo,

INVISÍVEL?

Não consigo lhe notar.

A paciência explica:

"Caro amigo, ela esta presente na simplicidade do olhar''.


ÓH! Como sou incompreendido,

Só confundo quem escolho flechar.

Prefiro quando a paz me da graças,

E enfeito a bondade nas ações.

Melhor do que quando chego na 'maldade'

Com segundas intenções.

Pois sinto cheiro de erro quando é para um par.

Ainda mais quando o preconceito resolve me apunhalar.

A inveja não entende como sou belo,

E não existe critério para eu chegar.

Nessa hora não me importo com inconveniência, Quero apenas com a felicidade reencontrar.

Onde ela esteja,

No breu ou na reencarnação,

Na amizade ou solidão.

Quem sabe no espelho,

Ou ate mesmo no conselheiro.

Moça ou rapaz.

Não importa em qual chego primeiro,

Nem tal qual irei atrás.

Eu apenas quero que entendam,

Que sou muitas coisas e ao mesmo tempo nada,

Vivo em todos e em nenhum.

Que é difícil a minha estrada.

E em contradição digo

Que não tentem

me entender.
Pois não peço

permissão, Não adianta correr. E chegarei a qualquer hora Para atingir seu coração, Talvez te
faça sofrer, Mais chegarei querendo, ou não