Você está na página 1de 2

AD1 – Estratégia

Curso: Engenharia de Produção

Nome: Guilherme de Almeida Souza Matrícula: 16117160090 Polo: Itaperuna

Questão 1 (10 pontos) - Leia a seguinte fábula utilizada para


ilustrar a abordagem de Mintzberg et al. (2000).

Considere que os estrategistas de uma organização hipotética sejam


os cegos e a formulação da estratégia seja o elefante. Considere as
10 escolas do pensamento estratégico propostas por Mintzberg et al.
(2000) e realize uma reflexão crítica e paralela à Fábula aqui
apresentada (utilize no mínimo 300 e no máximo 500 palavras).
Resposta:
Segundo Pereira (2016), a parábola dos cegos e do elefante, tornou-
se popular, há dois séculos, através do poema “Os Cegos e o
Elefante” do americano John Godfrey Saxe (1816-1887), porém sua
origem remonta há séculos anteriores e foi uma das maneiras
utilizadas para difundir os ensinamentos centrais do sábio indiano
Mahavira (599-527 AC), tido como um dos seres iluminados do
Jainismo, uma das religiões mais antigas da Índia. Seus ensinamentos
consistiam na existência de “muitos lados da verdade”, ou o
pluralismo ou não-absolutismo de uma visão da verdade.
Há uma relação entre a Parábola dos cegos e do elefante e o
Pensamento Estratégico. Na parábola, seis homens cegos, ou
simbolicamente seis homens “na escuridão”, tentam apalpar um
animal que nunca tinham visto antes, um elefante (por analogia, ele
representa a estratégia), e então tentam fazer afirmações sobre o que
é esse animal. Cada homem entra em contato, através do tato, não
tendo assim a visão do elefante como um todo, com partes diferentes
do elefante (estratégia): pata, orelha, tromba, lateral e rabo. A partir
desse contato, não só tentam fazer afirmações, como fazem e acham
que detém a verdade sobre como o elefante é. Neste caso, essas
afirmações/verdades podem ser associadas as 10 escolas do
pensamento estratégico apresentadas por Mintzberg et al (2000)

AD1 – Estratégia
apud Nepomuceno (2018), onde, na tentativa de organizar o
“pensamento estratégico” cada escola desenvolve sua vertente ou
ponto de vista, diferentes entre si, que tratam da estratégia no
âmbito dos negócios.
Devemos ter em mente que cada escola, de certa forma, está
parcialmente correta, dentro de sua concepção. Porém cada escola
oferece uma visão fragmentada, e não global, do que é a estratégia,
ou seja, através delas, conseguimos perceber partes, específicas e
particulares, do que é a estratégia. Para compreendermos,
efetivamente, o pensamento estratégico, precisamos analisar todas
as escolas e suas visões de forma sistêmica, ou seja, precisamos
conhecer suas principais características, argumentos, conceitos,
modelos e processos, para, em seguida, articularmos essas visões,
buscando uma integridade, considerando a relação existente entre
elas, dessa forma, desenvolveremos uma visão integrada, que
realmente permita a compreensão do pensamento estratégico como
um todo.
Referências Bibliográficas
PEREIRA, Nando. O que é a realidade: a parábola dos Cegos e o Elefante, por John
Godfrey Saxe. Disponível em: dharmalog.com/2016/01/19/realidade-parabola-cegos-
elefante-mahavira-john-godfrey-saxe/ Acesso em: 14 ago 2018.
Nepomuceno, Lívia Dias de Oliveira. Aula 2 - Organização do Pensamento
Estratégico. CEDERJ, 2018. Disponível em:
https://graduacao.cederj.edu.br/ava/mod/resource/view.php?id=256380. Acesso em:
06 agosto 2018.

AD1 – Estratégia