Você está na página 1de 3

IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.

br

Introdução ao Estudo dos seres vivos – Roteiro de aula - Competência I – Profª Patrícia Brito
e-mail: mplbrito@yahoo.com.br

1 Introdução ao estudo dos seres vivos: 2 Sistema de classificação de Lineu

Para estudar a vida há a necessidade de ordenar e É uma classificação com níveis de hierarquia onde a
classificar os seres vivos. unidade é a espécie:

A Taxonomia é o ramo da Biologia que trata da Reino (Categoria mais geral) → Filo (em
classificação e descrição dos seres vivos. Zoologia) ou Divisão (em Botânica) → Classe →
Ordem → Família → Gênero → Espécie
1.1 Critérios de classificação: (unidade de classificação)

A – Sistemas artificiais: utilizam critérios Usa-se também algumas características


arbitrários, de acordo com o critério de cada intermediárias com: subordem, subfamília,
classificador. Ex.: animais voadores e não voadores. superfamília, subespécie e etc.

1735 – Carl Von Linné (Lineu): Sistema naturae, 2.1 Regras de nomenclatura
onde criou um sistema de classificação e
nomenclatura dos seres vivos. - É binomial (formada por dois nomes);
Até então, o Criacionismo era o - É escrita em itálico ou sublinhada;
pensamento vigente e pregava o Fixismo, - Composta pelo epíteto genérico (1º nome), que
conhecido também como Princípio da deve ser iniciado com letra maiúscula e pelo epíteto
Imutabilidade das Espécies, que postula que as específico (2º nome), iniciado com letra minúscula;
espécies são imutáveis e permanecem sempre com - É universal.
as mesmas características com as quais foram
criadas.
Ex.: Homo sapiens
- Meados do séc. XIX: surgimento dos primeiros ↓ ↓
questionamentos sobre o fixismo. epíteto genérico epíteto específico

- 1858: lançadas idéias sobre seleção natural a partir nome da espécie
dos trabalhos de Charles Darwin e Alfred R.
Wallace. 3 Sistemas naturais de classificação

A partir das primeiras noções sobre Os sistemas naturais de classificação se


evolução das espécies iniciaram-se as primeiras baseiam em categorias hierárquicas, como Lineu,
idéias sobre uma classificação dos seres vivos que mas dão mais valor evolutivo. Ex. Canis familiaris
levasse em conta o processo de evolução das
espécies. Reino Animalia
Filo Chordata
B – Sistemas naturais: tentam ordenar os Classe Mammalia
organismos de maneira natural, buscando Ordem Carnívora
compreender as relações de parentesco entre eles. Família Canidae
Daí a Sistemática, ramo da Biologia que se Gênero Canis → espécies mais próximas
preocupa com a descrição, nomenclatura e a Espécie Canis familiaris
classificação dos seres vivos, procurando entender
as relações evolutivas. São necessários conhecimentos básicos de
Evolução para a compreensão dos sistemas de
classificação.
IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.br 1
IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.br

4 Noções de Teoria Sintética da Evolução e o Anagênese (ana: pra cima): uma característica
conceito biológico de espécie surge ou se modifica, sendo responsável pela
Lógica: novidade evolutiva. Ex.: fixação de característica
através de mutação ou recombinação.
Os indivíduos de uma população são diferentes
entre si;

Variações vantajosas para o ambiente favorecem a
sobrevivências daqueles que as possuem;

Estes se reproduzem mais e passam as
características adiante;

Ao longo do tempo as populações acumulam
diferenças a ponto de não serem mais consideradas
a mesma espécie (evoluem).

- Darwin e Wallace não sabiam explicar essas


variações
1940: formulada a Teoria Sintética da Evolução,
que explicou lacunas:
- Aumento da variabilidade genética acontece por:
mutação e recombinação genética.
- Fatores que atuam sobre a variabilidade genética:
deriva genética e seleção natural.

População (unidade evolutiva): agrupamento de


indivíduos de uma mesma espécie que ocorre em
uma mesma área geográfica, em um mesmo Conceito filogenético de espécie: Espécie é uma
intervalo de tempo. população ou grupo de populações definidas por
uma ou mais condições derivadas, constituindo o
Conceito biológico de espécie: agrupamento de menor agrupamento taxonômico reconhecível.
populações naturais, potencialmente intercruzantes,
produzindo descendentes férteis e Observação: pode ser aplicável a qualquer
reprodutivamente isolados de outros grupos de organismo.
organismos.
Observação: só é válido para indivíduos com 6 Construção de um cladograma
reprodução sexuada.
Vamos considerar os organismos A, B, C e D e 5
5 Sistemática Filogenética ou Cladística caracteres:

Formulada inicialmente por Willi Hennig, 1966

Considera um grande número de características:


anatômicas, fisiológicas, comportamentais e
moleculares. Pelo volume, geralmente são utilizados
programas de computador. Ex.: peixes.

Cladogênese (kládos: ramo; genesis=origem):


Ruptura da coesão em uma população gerando
duas ou mais populações. Ex.: formação de
barreiras geográficas.

IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.br 2
IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.br

- Caráter: apresenta duas condições, a derivada e a Monera: agrupa todos os procariontes, divididos
primitiva. em dois sub-reinos: Archeobacteria (Archea) e
- Grupo externo: grupo aparentado que surgiu Eubacteria.
antes na evolução (ele geralmente possui os Protista: eucariontes unicelulares heterótrofos
caracteres na condição primitiva). (protozoários) ou unicelulares e muticelulares que
- O cladograma deve ter o mínimo de passos não formam tecidos verdadeiros e são autótrofos
possíveis. (algas).

Fungi: reúne eucariontes heterótrofos,


considerando como fungos alguns grupos que
possuem flagelo no ciclo de vida.

Plantae: inclui multicelulares autótrofos com


tecidos verdadeiros.

Animalia: agrupa multicelulares heterótrofos que


se alimentam por ingestão.

7 Classificação geral dos seres vivos

- Até meados do século XX: divisão em apenas


dois reinos: dos Animais e dos Vegetais.

- 1958: Copeland (1902-1968): Reinos Monera,


Proctista, Metaphyta e Metazoa.

- 1969 Wittaker (1924-1980): Reinos Monera,


Protista, Fungi, Plantae e Animalia.

Classificação geral dos seres vivos

Anotações:
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
- 1978 Carl Woese: baseado no RNAr ________________________________________
(Domínio=superior a Reino) – Archea, Bactéria, ________________________________________
Eucarya. ________________________________________
________________________________________
7.1 Atual sistema de classificação ________________________________________
________________________________________
Sofreu algumas modificações de Whittaker (1969) ________________________________________
IFMA Campus Centro Histórico Disciplina Biologia 2 – Estudo dos Seres Vivos – Profª Patrícia Brito mplbrito@yahoo.com.br 3