Você está na página 1de 1

Encontro Internacional de Pesquisadores em Saúde Mental

Encontro de Especialistas em Enfermagem Psiquiátrica


Vulnerabilidade e Saúde Mental: perspectivas para o cuidado
ISSN: 978-85-86862-72-4

EXPRESSÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE DE PERSONAGENS HOMOSSEXUAIS NA TELENOVELA AMOR À VIDA


EDUARDO NAME RISK (/saude-mental/autores/eduardo-name-risk?lang=pt-br) MANOEL ANTÔNIO DOS SANTOS (/saude-mental/autores/manoel-antonio-dos-santos-0?lang=pt-br)
;

Categoria da apresentação
Pôster

Eixo Temático
SAÚDE MENTAL E POPULAÇÕES VULNERÁVEIS E EXCLUÍDAS (IDENTIDAD

Introdução: A indústria cultural refere-se ao conjunto de meios de produção e reprodução a partir dos quais a obra de arte e seu projeto
conceitual se corrompem na forma de mercadoria. Na história da televisão brasileira, a novela é um produto bastante popular que
conquistou características próprias como gênero televisivo. Desde a década de 1970, as telenovelas brasileiras apresentam uma série
de personagens homossexuais, em um primeiro momento caracterizados majoritariamente de forma efeminada e cômica. Atualmente,
em geral, são retratados com características masculinizadas e buscam vínculos monogâmicos. A Teoria Queer mostra-se importante
recurso para discutir esta mudança, pois questiona a coerência e estabilidade do sujeito enquanto “portador” de “orientação sexual” tal
qual os personagens planos das telenovelas são descritos. Objetivo: Analisar as expressões de gênero e sexualidade sobre as
homossexualidades na telenovela “Amor à vida” (2013) a partir de personagens homossexuais. Método: A pesquisa tem delineamento
qualitativo. O material foi organizado de forma separada conforme a Análise de Conteúdo na modalidade temática. Os dados foram
analisados segundo o referencial teórico da Teoria Queer, Psicanálise, Teoria Crítica e literatura da área de Comunicação sobre
telenovelas. Resultados: Amor à vida discute os seguintes temas relacionados à gênero e à sexualidade: dilemas familiares decorrentes
da homossexualidade, discriminação contra gays, direitos sexuais (adoção e reprodução assistida por iniciativa de casais gays). Quanto
aos personagens, a caricata “regeneração moral” de Félix, de vilão a mocinho, embora a princípio possa ser interpretada positivamente,
isto é, a tentativa de transformar o ⶈ�o narrativo do personagem como alguém “bom”, capaz de prover e de receber afeto, é enquadrada
heteronormativamente, visto que o protagonista/antagonista alcança um relacionamento estável e familiar com seu parceiro, Niko. Em
outras palavras, a “bicha má” transforma-se em um “gay do bem” que ocupa os altos estratos do “regime de visibilidade” das
homossexualidades. Conclusão: A presença das homossexualidades na teledramaturgia atual, ainda que estimule o debate público a
respeito do tema, reveste-se do argumento identitário que naturaliza e normaliza as sexualidades sem conseguir colocar em pauta as
vicissitudes do regime heteronormativo. (CAPES)
Palavras-chave: Indústria cultural. Teoria Queer. Gênero. Homossexualidade. Telenovela.