Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS


DISCIPLINA: TECNOLOGIA E PRODUÇÃO DE SEMENTES
PROF. Dr. JOSÉ WALMAR SETUBAL

RELATÓRIO REFERENTE À PRÁTICA DO TESTE DE UMIDADE.

João Lopes
Geandro Carvalho
Ítalo Marques
Agda Lorena
Gabriela Sabrine

Teresina, fevereiro de 2014.


Introdução

A colheita de sementes com grau de umidade acima dos recomendados para


armazenamento seguro torna-se uma prática comum entre os produtores de sementes,
pois, as sementes permanecendo na lavoura após a maturidade fisiológica, ficam
expostas à ação das flutuações de temperatura e umidade relativa e do orvalho e/ou
chuvas que, em processos alternados de sorção e dessorção de água, podem causar
significativos danos físicos e fisiológicos.

Assim, para evitar o “armazenamento de campo” torna-se necessário antecipar


ao máximo o momento de colheita, obtendo sementes com grau de umidade tal que
ocorrerá a necessidade de secagem imediata, mas, em contrapartida, possibilitando obter
sementes que apresentem reduzidos índices de danificação e deterioração, permitindo ao
produtor melhor planejar a colheita.

O intervalo de tempo que separa o final da colheita do início do processo de


secagem deve ser o mais reduzido possível porque, nesta fase do processo, as sementes
com umidade elevada apresentam altas taxas de atividade respiratória e, o consumo
antecipado de reservas provoca um desgaste fisiológico que, na prática, produzirão
baixos índices de germinação e vigor no futuro.

Metodologia

O trabalho foi realizado no Laboratorio de Sementes , no Centro de Ciências Agrárias


da Universidade Federal do Piaui .
 Realizado com uma amostra inicial ( total ) .
 Pesou-se em balança de precisão uma amostra inicial total = 100,17 g (peso da
sementes úmidas ) .
 Após a pesagem da amostra inicial , foi realizado teste de pureza física .
 Do total de sementes puras ( 77,01g ) , foram retiradas 2 amostras :
Amostra 1 = Peso recipiente = 6,73 g
Grão =4,99 g
Amostra 2 = Peso recipiente =7,28 g
Grão =4,97 g
 Após as pesagens as amostras foram levadas para a estufa a 105°C , onde vão
permanecer por 24 horas .
 Passadas as 24 horas , pesa-se novamente as amostras , com o resultados
procede-se a fase de cálculos :

% de Pureza = Peso de sementes puras x 100


Peso final

Resultado e discussão

O método para analisar a umidade das sementes de milho foi o método da estufa
segundo as regras para a análise que determinam os teores adequados de umidades para
a comercialização das sementes.
O método demostrou-se eficaz na retirada da umidade disponível na semente
utilizando 105ºC por 24 horas.
A seguir temos uma tabela indicando os teores de umidade das respectivas
amostras dadas em porcentagem:

TABELA – Percentual de umidade das sementes pelo método dos 105ºC


AMOSTRAS % UMIDADE EM ESTUFA POR 24h

AMOSTRA MILHO 1 11,86%


AMOSTRA MILHO 2 10,98%

REFERÊNCIAS

BACCHI, O.; ZINK, E. Teor de umidade em sementes: comparação de resultados


obtidos com o emprego de diferentes métodos. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE
SEMENTES, 3., Recife, 1970. Anais. Recife, MA/CONTAP/USAID/ETA, . p.104-105.
1970