Você está na página 1de 4

JUSTIFICADOS

Romanos 3.21-31

Introdução
Motivo da Carta
Divisão da carta

Dilema desse momento


Como pode um Deus justo salvar pecadores?

1 – Justiça que provém de Deus - v.21


Não é uma justiça inata ao homem
Não é dependente da lei
Não é nova; a lei e os profetas testemunharam abundantemente dela

2 – Justiça mediante a fé – v.22


É recebida pela fé em Jesus Cristo – A mão estendida do mendigo
A própria fé não vem de nós

3 – Para todos os que creem – v.22-23


Judeus e gentios, ricos e pobres, sábios e ignorantes, homens e mulheres, cultos e bárbaros
Porque todos pecaram

SOBRE A JUSTIFICAÇÃO

O que é justificação?
Justificação é um termo jurídico
A culpa do pecador foi atribuída a Cristo e a justiça de Cristo é atribuída ao pecador.
Significa que a justiça de Deus foi plenamente satisfeita na obediência de Cristo, de forma
que aquele que nele crê é declarado justo diante do tribunal de Deus.
A justificação é um ato, único, eterno, perfeito

A fonte da justificação – v.24


Deus em sua graça é a fonte
A salvação é obra de Deus do início ao fim
É um plano eterno, perfeito, imutável do Pai
A cruz não foi a causa da graça, mas o resultado dela

A justificação é gratuita – v.24


Gratuita significa que não me custou nada
A graça é gratuita, mas não é barata. Custo a Deus seu filho.

A justificação não pode ser merecida – v.24


A graça é concedida aqueles que nunca poderiam obtê-la de outra forma
Nem antes nem depois

Cristo é o fundamento da justificação – v.24


Nossos pecados não foram desculpados, mas foram pagos na cruz
Redenção era um termo usado no mercado de escravos. Significa comprar um escravo a fim
de liberta-lo (Libertação de Israel do Egito)

Cristo é o sacrifício para propiciação – v.25


Literalmente o texto diz que Cristo é o sacrifício para o propiciatório.
Propiciatório era a tampa sobre a arca da aliança onde o sangue de um cordeiro era oferecido
uma vez por ano, no dia da expiação, para que a ira de Deus fosse aplacada.
Cristo é o sacrifício perfeito que propiciou, ou seja, afastou a ira de Deus de sobre aqueles
que nele creem.
Assim Deus demonstra sua justiça, permanecendo justo ao justificar pecadores, pois sua
justiça foi satisfeita e sua lei foi cumprida mediante o sacrifício da cruz.

Demonstrou sua justiça – v.25


Em sua graça, Deus não destruiu pecadores nem julgou definitivamente aqueles que
pecavam contra ele, adiando a punição do pecado.
Demonstrou sua justiça significa que Deus publicamente demonstrou, na cruz, o pagamento
do pecado no sacrifício de Cristo.
Na lei não havia um sacrifício que pudesse remover o pecado, que era apenas coberto até o
próximo dia da expiação. Em Cristo, Deus demonstra publicamente que os pecados dos
eleitos estavam sendo pagos, de forma que esses pudessem ser reconciliados com Deus.
Deus se faz então justo ao exigir o pagamento pelos pecados e justificador ao prover para
nós o cordeiro

Daqueles que tem fé – v.26b


A fé não é meritória, seu valor não está em si mesmo, mas em seu objeto, por isso dizer que
somos justificados pela fé é o mesmo que dizer que somos “justificados por Cristo”.

3 OBJEÇÕES (DIATRIBE)

- Onde está o motivo de vanglória? – v.27-28


Não há espaço para orgulho na salvação que recebemos
Não há méritos no mendigo que estende sua mão em busca de uma esmola
Não há méritos naqueles que receberam o dom de crer
Seja grato

- Deus salva a todos – v.29-30


Não há exclusividade na salvação, Deus alcança a pessoas de todos os povos, tribos, línguas
e nações

- A Fé confirma a Lei – v.31


Não há contradição entre fé e lei
A lei demonstra a incapacidade humana em obedecer a Deus, condenando-o e a fé capacita
o homem a descansar no sacrifício de Cristo
A fé liberta aqueles que a lei condena
Nossas obras não são para salvação, mas como fruto da mesma