Você está na página 1de 11

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente Curso de Formação em Psicanálise Aula-1 Módulo

Curso de Formação em Psicanálise Aula-1 Módulo I

João Alberto Ricard Cordes Jr

2018

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

Esta apostila tem por objetivo ser um pequeno guia, um resumo das aulas para auxiliar os alunos do curso livre de formação em psicanálise do IPSEM. Todos os temas aqui abordados poderão ser estudados com mais profundidade nas obras indicadas como bibliografia recomendada ao final de cada aula.

1

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

Sumário

Uma pequena introdução a Gênese da Psicanálise

...................................................

3

A Histeria

5

As Hipóteses Fundamentais da Psicanálise

..............................................................

6

A Existência do Inconsciente O Determinismo Psíquico

....................................................................................

.......................................................................................... Bibliografia recomendada e estudos complementares

..............................................

7

9

10

2

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

UMA PEQUENA INTRODUÇÃO A GÊNESE DA PSICANÁLISE

Sigmund Freud foi um médico neurologista Austríaco que ficou mais conhecido como sendo o fundador e pai da Psicanálise. Nasceu em Freiberg, Moravia em 6 de Maio de 1856. Descendente direto de Judeus liberais, sua família contava com poucas posses, em vista disso, mudaram-se para Leipzig, Alemanha (1859), para se juntarem aos parentes que lá residiam. Freud seguiu para Viena (1860), onde viveu quase todo o restante de sua vida, vindo a falecer em Londres, Inglaterra em 1939.

Em 1873, aos 17 anos, entrou na faculdade de medicina em Viena. Com inclinação voltada para área de pesquisas. Como aluno, Freud iniciou um trabalho sobre o sistema nervoso central, orientado por Ernst Von Brücke (1876) bem como se dedicava ao estudo do sistema nervoso e reprodutor das enguias (estudo este que teve grande repercussão em sua época).

Após graduar-se em 1881, Freud inicia sua vida profissional na Clínica Psiquiátrica de Theodor Meynert (1882-83) como neurologista, e pouco tempo depois começa a se interessar pelo estudo da histeria. Mas foi em 1885, na França, orientado pelo Dr.Jean Martin Charcot, um dos médicos mais proeminentes de sua época, que Freud passou a se dedicar definitivamente ao estudo da mente, usando a hipnose sugestiva para tratar dos pacientes histéricos.

Com o uso da hipnose sugestiva, Freud passou a perceber que as causas dos sintomas histéricos não eram orgânicas, mas sim psíquicas. Então concluiu que os métodos médicos convencionais de tratamento não seriam efetivos, e nem adequados para o tratamento da histeria. Sendo assim passou então a usar a técnica da hipnose/sugestão, com intuito de aliviar os sintomas de seus pacientes.

3

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

Na Primavera de 1886 Freud em conversa com o médico fisiologista Josef Breuer, seu amigo intimo e colega de faculdade tomou conhecimento do caso da paciente de Breuer Ana O, e também do método que ele desenvolveu para tratamento da Histeria, conhecido como método Catártico. Reunindo- se com Breuer, e através do acompanhamento e discussão de casos clínicos, principalmente do caso Caso Ana O. (Berta Pappenheim) Freud passou a conhecer todos os pormenores do método catártico desenvolvido por Breuer. Por motivos pessoais Breuer não quis continuar a prática terapêutica que havia descoberto e nem publicou de imediato os resultados do tratamento de Anna O, porém ensinou seu método a Freud. Em 1893 ambos publicaram em conjunto um artigo sobre o método desenvolvido, e dois anos depois fizeram o livro que marcou o início da teoria psicanalítica, Studien über Hysterie (Estudos sobre a histeria). Esse livro é geralmente considerado um dos marcos iniciais da psicanálise.

Porém algum tempo depois Freud e Breuer passariam a ter suas primeiras divergências teóricas quanto à etiologia (causa) dos transtornos psíquicos histéricos. Para Breuer, os fundamentos dos transtornos histéricos eram fisiológicos ao passo que para Freud eram de natureza psíquica e também de caráter sexual. Mas o que causou de fato o rompimento entre os dois foi a Teoria da Sedução, desenvolvida por Freud, e que algum tempo mais tarde se mostrou totalmente equivocada, levando Freud a reconhecer seu erro e se desculpar (de forma informal) com Breuer.

Mais tarde Freud assumindo o caso Ana O, em uma experiência clinica com a paciente desenvolve por sugestão dela própria o método de livre associação de ideias, trocando a hipnose e o método Catártico de Breuer pela nova técnica, forjada por ele mesmo, uma nova abordagem dos processos mentais inconscientes.

Em torno de 1914 desenvolve a sua teoria Topográfica da mente, chegando ao que ficou conhecido como Primeira Tópica, que dividia a mente em Três aspectos: Inconsciente (ICS) Pré Consciente (PCS) e Consciente (CS). Logo após, por volta dos anos de 1923, amplia suas ideias inicias, pensando no aparelho psíquico como uma estrutura (Teoria Estrutural) com a abordagem do que seria a Segunda Tópica, criando o conceito de três instâncias psíquicas que seria o Id, as pulsões naturais e instintivas regidas pelo principio do prazer, o Ego como sendo o centro da consciência regido pelo

4

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

principio da realidade, e o Super Ego, sendo ele o sensor moral do Ego regendo através do principio da moralidade e pelo “Ideal do Eu”.

A HISTERIA

A Histeria, ou melhor, o conceito de Histeria, iniciou-se com Hipócrates no período Helenístico, mas foi com Sigmund Freud que o termo começou a se popularizar para fora do mundo acadêmico.

A palavra Histeria tem suas raízes no Grego, Hystéra (ὑστέρα ,útero).Termo derivado da cultura Helenística cunhado por Hipócrates. O Termo, posteriormente foi traduzido para o Francês como Hystérie. Como sua própria etimologia sugere, a palavra Histeria relacionava-se com afecções do útero. Para a medicina Helenística, mais especificamente para Hipócrates, os sintomas Histéricos tinham origem no mau funcionamento do útero. Hipócrates acreditava que os sintomas eram decorrentes do excesso de sangue e Linfa expulsados pelo útero que chegavam com violência ao cérebro, por causa do movimento bruto dele dentro do corpo, causando assim os mais variados tipos de sintomas.

Interessante notar que o conceito de Histeria, mesmo tendo dois importantes desvios (visão religiosa na idade média, e visão do Mesmerismo, como Magnetismo Animal) chegou quase intocado ao Séc. XVIII. Segundo Michel Foucault, até o séc. XVIII a ideia da relação do útero com a Histeria continuaram presentes nas origens das patologias nervosas. Foi a partir da Psiquiatria, com Philippe Pinel que a etiologia das doenças nervosas começaram a ser vistas como originadas no cérebro e não mais no útero.

Até o Início da Psicanálise, e dos estudos de Charcot, Breuer e Freud, a Histeria tinha um papel central na etiologia dos fenômenos sintomatológicos psíquicos. A Histeria era um manto conceitual o qual abarcava diversos tipos de fenômenos de ordem Motora/Sensorial, como por exemplo, os

5

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

distúrbios da visão, da audição, do paladar e do tato; excesso de sensibilidade ou anestesia geral; dores intensas, sem nenhuma origem orgânica. As motoras abrangeriam desde a paralisia completa, os tremores, os tiques nervosos, até contrações e convulsões. Outros sintomas histéricos são a perda completa ou parcial da voz, tosse, enjoos, vômitos e soluços. Mais raramente se percebia a incidência de amnésia e sonambulismo. Todos os tipos de neurose de conversão estavam sobre o manto da Histeria. Não existia até aquela época um diagnóstico preciso sobre as doenças psíquicas, e nem mesmo uma separação muito clara e definida entre causas fisiológicas e psíquicas dos sintomas. O conceito de Histeria, como um manto, abarcava todos estes sintomas, e de forma equivocada, os “explicava”.

AS HIPÓTESES FUNDAMENTAIS DA PSICANÀLISE

A Observação dos fenômenos histéricos, e seu estudo, levaram Freud a perceber que a causa destes fenômenos não eram orgânicas, mas sim psíquicas. Ele percebeu que a medicina de sua época não era capaz de dar respostas satisfatórias e nem adequadas aos fenômenos psícofisico observados, visto que suas causas não eram orgânicas. Logo existiria a necessidade de uma nova ciência para dar respostas de forma efetiva às enfermidades que tinham origem única e exclusivamente no psiquismo humano. Neste ponto Freud começa a discordar de Breuer. Joseph Breuer continuava a crer que a Etiologia da histeria se dava na fisiologia humana. Baseado em suas experiências clínicas, na auto- observação e nos seus estudos frequentes sobre histeria, Freud lança aquilo que seria os Pilares Fundamentais da Psicanálise os quais são: A Existência do Inconsciente e o Determinismo Psíquico. Partindo destes 2 pilares Fundamentais, Freud começa a desenvolver toda a teoria psicanalítica e seus principais postulados no inicio do séc XX.

6

A Existência do Inconsciente

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

“A diferenciação do psíquico em consciente e inconsciente, é a premissa fundamental da psicanálise. Permite- lhe, com efeito, chegar a compreensão dos processos patológicos da vida anímica, tão frequentes como importantes, e subordina-los à investigação cientifica. Ou, dito de outro modo, a psicanálise não vê na consciência, a essência do psíquico, mas somente uma qualidade do psíquico que pode ser somada às outras, ou faltar em absoluto.”

Freud em O Ego e o Id 1923.

Segundo Freud, a descoberta do inconsciente não se deve única e exclusivamente a ele, mas sim aos filósofos, artistas e poetas. Antes de Freud, outros abordaram a problemática do inconsciente, de forma indireta. Assim Leibniz lançou a ideia das “pequenas percepções que escapam da consciência.” Hippolyte Taine descreveu a sensação consciente, como resultante de uma série de percepções inconscientes. Marco Aurélio “Carus” dizia que o inconsciente é um principio divino que preside a organização do mundo, da vida orgânica e da vida espiritual. Von Hartman descrevia o inconsciente como a Alma Universal (Anima Mundi) a natureza de tudo o que é vivo. Reflexões do mesmo calibre não escaparam da análise de filósofos como Friedrich Nietzsche, Schopenhauer, Hegel, Sócrates, que de forma indireta indicavam o dinamismo dos processos inconscientes. Também a literatura e a poesia estavam repletas de referências ao inconsciente, como por exemplo os escritos de, Yeats, William Blake, Shakespeare, e Poetas como Fernando Pessoa. Até religiosos como São Paulo de forma indireta sugeriram uma força, uma realidade, um aspecto inconsciente de si mesmo. Como, por exemplo, nestas passagens de Romanos:

Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço.

7

Romanos 7:15

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim.

Romanos 7:17 Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.

Romanos 7:19 Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.

Romanos 7:20 Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.

Romanos 7:21

Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros.

Romanos 7:23

Enfim, a literatura, a poesia, a filosofia, as artes, a religião e a ciência estão repletas de exemplos, referências e citações indiretas ou não ao inconsciente. Desta forma, fica claro a citação de Freud, que com sua sagacidade, percebeu na literatura, referências claras aos dinamismos inconscientes. Segundo ele, sua própria participação na descoberta, e no desenvolvimento do conceito de inconsciente limitava-se ao estudo cientifico dos processos que o compunha, visando desenvolver uma teoria cientifica a respeito do psiquismo Humano. Também Freud, foi o primeiro a dar “voz” ao inconsciente no ambiente clínico e acadêmico do séc XIX. Características pormenorizadas dos processos inconscientes, e todas as referências a respeito deste assunto serão estudadas com profundidade na próxima aula: Modelo Topográfico e Estrutural do Aparelho Psíquico.

8

O Determinismo Psíquico

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

O Segundo Pilar Fundamental da teoria psicanalítica desenvolvida por Freud é o conceito do determinismo psíquico. Para a Psicanálise, o Inconsciente é determinado por eventos mentais sucessivos. Todas as ideias inconscientes são de certa forma associadas, ligadas umas as outras, visando um objetivo determinado, uma meta comum. Ou seja, isso significa que na mente nada acontece por acaso. Por trás de cada ideia consciente que o individuo tenha existe uma cadeia de ideias interligadas até o inconsciente, ou até o fator gerador externo (ambiente) da associação de ideias em questão. Não existe descontinuidade na vida psíquica.

O Conceito de determinismo psíquico é o segundo pilar fundamental que torna a teoria psicanalítica viável. É através dele que se processa a livre associação de ideias. É através da Livre Associação de ideias e da Atenção Flutuante que traçamos uma investigação na cadeia de ideias do Analisando tendo em mente o objetivo final que é o de alcançar o conteúdo latente da questão, que o analisando traz para análise sem o saber.

9

IPSEM – Instituto de Psicanálise e Estudos da Mente

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA E ESTUDOS COMPLEMENTARES*

Noções Básicas de Psicanalise - Charles Brenner

Cinco lições de Psicanálise. Vol XI – Obras completas Ed Imago.

Estudos sobre a Histeria. – Vol II – Obras Completas Ed Imago.

Um Estudo Autobiográfico – Vol XX – Obras Completas Ed Imago.

Documentários;

  • 1. Análise de uma Mente – Sigmund Freud.

  • 2. A Invenção da psicanálise.

*Todo material sugerido poderá ser encontrado na área do aluno.

10