Você está na página 1de 20

Fundação Educacional Lucas Machado

FELUMA

Especialização em Psico-oncologia
Turma IV

O que é a Psico-oncologia

Fevereiro, 2011
O adoecimento

• Ameaça ao destino
• Ferida no sentimento de onipotência e
imortalidade
• Perda da ilusão de controle
Câncer

• Diz respeito a mais de 100 enfermidades distintas.


• É um grupo de doenças que se caracterizam pela
anormalidade das células e sua divisão excessiva.
• Têm em comum o crescimento desordenado de
células que invadem tecidos e órgãos, podendo
espalhar-se para outras regiões do corpo.
Inca, 2004
Diagnóstico
• Incertezas vividas pelo paciente e pela família
• Não se sabe qual será o fim
• Luta-se para conseguir a vitória mas não se
tem certeza
• Trabalha-se com chances
• Não há 100% de cura
Diagnóstico
Tratamento

• Muito invasivo
• Traz consigo a idéia de muito sofrimento,
humilhação e dor física
• Medo de mutilações e desfiguramento
• Muitas perdas desencadeando processos
emocionais
• Mais assustador até que o próprio diagnóstico
Prognóstico

• Um dos pontos mais críticos e desafiadores


para os oncologistas
• É estabelecido através de estatísticas

70 x 30
Repercussões

• O paciente de câncer tem muitas vezes


dificuldades no reconhecimento de suas
necessidades físicas e afetivas
• Sem poder reconhecê-las, não pode atendê-
las
Psico-Oncologia
“ O Câncer, assim como outras doenças que ameaçam a
vida são necessariamente transformadoras. É essencial
compreender e dar suporte a essas transformações, bem
como ouvir e aprender com o paciente, tendo sempre
em mente que estamos cuidando de um ser humano e
não apenas da enfermidade que ele traz.”

Maria Margarida de Carvalho/2002


Relevância

• Os relatos de pacientes sobre sintomas


somáticos são associados mais às suas
preocupações emocionais e sociais do que ao
seu estado geral de saúde.
Psico-oncologia
“... nasceu da necessidade de sistematizar o
corpo de conhecimentos que fornecem
subsídios à assistência integral do paciente
oncológico e sua família... Com recursos para
intervir desde a prevenção até a iminência da
morte, a Psico-oncologia se ocupa dos
aspectos psicológicos, afetivos e emocionais
do paciente que tem ou teve câncer...”
Aguiar, 2005, apud Gimenez, 1994
Duas vertentes maiores

• Os efeitos do câncer sobre o comportamento


e as emoções do paciente, suas famílias e
profissionais cuidadores
• Os comportamentos e os fatores sociais que
influenciam no risco do câncer e sua
prevenção.
Psico-Oncologia no Brasil
1º- Na assistência ao paciente oncológico e sua família e aos
profissionais de saúde envolvidos com a prevenção, o
tratamento a reabilitação e a fase terminal da doença;
2º- Na pesquisa e no estudo de variáveis psicológicas e sociais
relevantes para a compreensão da incidência, da recuperação
e do tempo de sobrevida após o diagnóstico do câncer;
3º- Na organização de serviços de oncologia que visem o
atendimento integral ao paciente (físico e psicológico)
enfatizando de modo especial a formação e o aprimoramento
dos profissionais de saúde envolvidos nas diferentes etapas
do tratamento.”
Gimenes 1994
Psico-Oncologia e a legislação
brasileira

• Em 1998 o Ministério da Saúde publicou a portaria


n.º3535/98 que entre outras diretrizes exigia a
presença de psicólogos clínicos em todos os centros
oncológicos do governo ou prestadores de serviços
ao SUS.
• Em 19 de dezembro de 2005 o Ministério da Saúde
publicou a portaria n.º 2439/05, a primeira a
instituir uma Política Nacional de Atenção
Oncológica Promoção, Prevenção, Diagnóstico,
Tratamento, Reabilitação e Cuidados Paliativos a
ser criada em todas as unidades
Princípios da Psico-Oncologia
• Atendimento ao paciente oncológico precisa ser integral.
• Sobrevivência, com qualidade de vida, passa a ser a meta do
tratamento oncológico.
• Qualidade de vida é constructo multidimensional que envolve
avaliação subjetiva dos domínios da vida que são importantes
para determinada pessoa.
• A experiência de um indivíduo com câncer é fortemente
influenciada pela época histórica onde vive, pelos aspectos
culturais e religiosos do grupo social a que pertence, pela
natureza do tratamento e pela perspectiva da sociedade, num
dado momento.
Princípios da Psico-Oncologia
• Atenção pontual às crises desencadeadas nas
diversas fases do tratamento.
• Atenção aos aspectos crônicos do câncer e as
implicações na qualidade da sobrevida.
• Ampliação do foco da Oncologia, da cura para o
bem-estar, com ênfase no controle de sintomas e
conforto do paciente.
• Reconhecimento de que os avanços em Oncologia
resultam em novos desafios para a equipe de Saúde,
para o paciente e para a família.
Princípios da Psico-Oncologia
• Atuação em equipes multidisciplinares, com
modo de funcionamento inter e atitude
transdisciplinar.
• Inserção nas rotinas dos serviços ( internação
e ambulatório).
• Participação em interconsultas.
• Atenção para o burn-out do profissional
Se eu pudesse deixar algum presente a
você...
... deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos.
A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo
afora...
Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se
repetissem.
A capacidade de escolher novos rumos.
Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é
indispensável:
Além do pão, o trabalho.
Além do trabalho, a ação.
E quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior
de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.
Mahtma Ghandhi
Obrigada!

mariliaaguiar@uaivip.com.br