Você está na página 1de 53

Prof.

Moraes

Física Módulo FRENTE

Introdução à cinemática e M 01 A
01.
U
(Fatec-SP–2006) O motorista de um automóvel deseja desses atletas são, respectivamente:
percorrer 40 km com velocidade média de 80 km/h. Nos A) 1,0 m/s e 0,5 m/s
primeiros 15 minutos, ele manteve a velocidade média B) 10 m/s e 0,5 m/s.
de 40 km/h. C) 10 m/s e 5,0 m/s.
Para cumprir seu objetivo, ele deve fazer o restante do D) 50 m/s e 5,0 m/s.
percurso com velocidade média, em km/h, de:
A) 160 B) 150 C) 120 D) 100 E) 90 05. (FCM-MG–2004) Dois trens movimentam-se no sentido
contrário, em linhas paralelas retas e horizontais. Um
02. (Mackenzie-SP) Uma partícula descreve um movimento deles é de passageiro, tem 100  m de comprimento e
retilíneo uniforme, segundo um referencial inercial. move-se a 15 m/s em relação ao solo. O outro, de carga,
A equação horária da posição, com dados no SI, é tem 400 m de comprimento e velocidade de 10 m/s em
x = -2 + 5t. Neste caso podemos afirmar que a velocidade relação ao solo.
escalar da partícula é:
A) -2 m/s e o movimento é retrógrado.
B) -2 m/s e o movimento é progressivo.
C) 5 m/s e o movimento é progressivo
t=0
D) 5 m/s e o movimento é retrógrado.
A figura mostra o início do cruzamento dos trens, em
E) -2,5 m/s e o movimento é retrógrado.
que t = 0s
O tempo gasto para que os dois trens se cruzem
03. (UFV-MG–2000) Um aluno, sentado na carteira da sala,
totalmente é de:
observa os colegas, também sentados nas respectivas
A) 12 s B) 20 s C) 60 s D) 100 s
carteiras, bem como um mosquito que voa perseguindo
o professor que fiscaliza a prova da turma.
06. (Cesgranrio-RJ) Um trem sai da estação de uma cidade,
Das alternativas abaixo, a única que retrata uma análise
em percurso retilíneo, com velocidade constante de
CORRETA do aluno é:
50  km/h. Quanto tempo depois de sua partida deverá
A) A velocidade de todos os meus colegas é nula para
sair, da mesma estação, um segundo trem com velocidade
todo observador na superfície da Terra.
constante de 75  km/h para alcançá-lo a 120  km da
B) Eu estou em repouso em relação aos meus colegas,
cidade?
mas nós estamos em movimento em relação a todo
observador na superfície da Terra. A) 24 min C) 96 min E) 288 min

C) Como não há repouso absoluto, não há nenhum B) 48 min D) 144 min


referencial em relação ao qual nós, estudantes,
estejamos em repouso. 07. (Fuvest-SP) Dois carros, A e B, movem-se no mesmo

D) A velocidade do mosquito é a mesma, tanto em sentido, em uma estrada reta, com velocidades constantes
relação aos meus colegas, quanto em relação ao vA = 100 km/h e vB = 80 km/h, respectivamente.
professor. A) Qual é, em módulo, a velocidade do carro B em
E) Mesmo para o professor, que não pára de andar pela relação a um observador no carro A?
sala, seria possível achar um referencial em relação B) Em um dado instante, o carro B está 600 m à frente
ao qual ele estivesse em repouso. do carro A. Quanto tempo, em horas, decorre até que
A alcance B?
04. (UFMG) Na última Olimpíada, o vencedor da prova dos
100 m rasos foi o canadense Donovan Bailey e o da 08. (FEI-SP) Um corredor fundista está participando de
maratona (42,2 km) foi o sul-africano Josia Thugwane. uma prova de 5  km. Nos primeiros 3  km ele mantém
Os valores mais próximos para as velocidades médias velocidade constante de 1,5 m/s. No restante da prova,

1
Frente A Módulo 01

sua velocidade é de 2,0 m/s. Qual será sua velocidade


média durante a prova?
A) 1,667 m/s D) 1,850 m/s
B) 1,750 m/s E) 1,600 m/s x
C) 1,750 km/h A) Determine a distância x para a qual o eco é ouvido
3,0 s após a emissão da voz.
09. (Mackenzie-SP) Na última volta de um grande prêmio B) Determine a menor distância para que a pessoa possa
automobilístico, os dois primeiros pilotos que finalizaram distinguir a sua voz e o eco.
a prova descreveram o trecho da reta de chegada com
a mesma velocidade constante de 288 km/h. Sabendo 15. (UFV-MG) O tempo necessário para um motorista, em
que o primeiro colocado recebeu a bandeirada final cerca um carro a 40 m/s, ultrapassar um trem de carga (no
de 2,0 s antes do segundo colocado, a distância que os mesmo sentido do carro), de 0,18  km de comprimento,
separava neste trecho derradeiro era de: a 10 m/s, será, em segundos:

A) 80 m C) 160 m E) 576 m A) 5,4 C) 3,6 E) 6,0

B) 144 m D) 288 m B) 6,0.10-3 D) 3,6.10-3

10. (PUC-SP) Duas bolas de dimensões desprezíveis se 16. (UFSC–2001) Um trem A, de 150 metros de comprimento,
aproximam uma da outra, executando movimentos deslocando-se do sul para o norte, começa a atravessar
retilíneos e uniformes. Sabendo-se que as bolas possuem uma ponte férrea de pista dupla, no mesmo instante em
velocidades de 2 m/s e 3 m/s e que, no instante t = 0 s, que um outro trem B, de 500 metros de comprimento,
a distância entre elas é de 15 m, podemos afirmar que que se desloca do norte para o sul, inicia a travessia da
o instante da colisão é: ponte. O maquinista do trem A observa que o mesmo se

A) 1 s B) 2 s C) 3 s D) 4 s E) 5 s desloca com velocidade constante de 36 km/h, enquanto


o maquinista do trem B verifica que o seu trem está a uma

11. (UECE) Na disputa de uma corrida, dois ciclistas, X e velocidade constante de 72 km/h, ambas as velocidades

Y, partem juntos, mantendo constante o sentido do medidas em relação ao solo. Um observador, situado em

movimento. O ciclista X percorre 12  km nos primeiros uma das extremidades da ponte, observa que os trens

10  minutos, 20  km nos 15  minutos seguintes e 4  km completam a travessia da ponte ao mesmo tempo.

nos 5 minutos finais. O ciclista Y mantém durante todo Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S):
o percurso uma velocidade uniforme. Ao final da corrida, 01. Como o trem B tem o dobro da velocidade do trem A,
eles chegam juntos, isto é, empatam. A velocidade ele leva a metade do tempo para atravessar a ponte
constante do ciclista Y, em km/h, é: independentemente do comprimento dela.

A) 18 B) 24 C) 36 D) 72 02. A velocidade do trem A, em relação ao trem B, é de


108 km/h.
12. (FEI-SP) Em uma bicicleta com roda de 1 m de diâmetro, 04. Não podemos calcular o comprimento da ponte, pois
um ciclista necessita dar uma pedalada para que a roda não foi fornecido o tempo gasto pelos trens para
gire duas voltas. Quantas pedaladas por minuto deve dar atravessá-la.
o ciclista para manter a bicicleta com uma velocidade 08. O comprimento da ponte é 200 metros.
constante de 6p km/h? 16. Os trens atravessam a ponte em 35 segundos.
A) 300 B) 200 C) 150 D) 100 E) 50 32. A velocidade do trem B, em relação ao trem A, é de
108 km/h.
13. (UERJ) A velocidade normal com que uma fita de vídeo 64. O comprimento da ponte é 125 metros e os trens a
passa pela cabeça de um gravador é de, aproximadamente, atravessam em 15 segundos.
33 mm/s.
Assim, o comprimento de uma fita de 120 minutos de 17. (UFSCar-SP–2001) Três amigos, Antônio, Bernardo
duração corresponde a cerca de: e Carlos, saíram de suas casas para se encontrarem
A) 40 m B) 80 m C) 120 m D) 240 m numa lanchonete. Antônio realizou metade do percurso
com velocidade média de 4 km/h e a outra metade com
14. (Unicamp-SP) O menor intervalo de tempo entre dois sons velocidade média de 6  km/h. Bernardo percorreu o
percebido pelo ouvido humano é de 0,10  s. Considere trajeto com velocidade média de 4 km/h durante metade
uma pessoa defronte a uma parede em um local onde a do tempo que levou para chegar à lanchonete e a outra
velocidade do som é de 340 m/s. metade do tempo fez com velocidade média de 6 km/h.

2
Prof. Moraes
Introdução à cinemática e MU

Carlos fez todo o percurso com velocidade média de


5 km/h. Sabendo que os três saíram no mesmo instante
de suas casas e percorreram exatamente as mesmas
distâncias, pode-se concluir que:
A) Bernardo chegou primeiro, Carlos em segundo e
Antônio em terceiro. Esse navio demora 20 segundos para ultrapassar o bote.
B) Carlos chegou primeiro, Antônio em segundo e Ambos movem-se com velocidades constantes.
Bernardo em terceiro. Nessas condições, a velocidade do navio em relação à
C) Antônio chegou primeiro, Bernardo em segundo e margem do rio é de, aproximadamente:
Carlos em terceiro.
A) 0,50 m/s C) 2,5 m/s
D) Bernardo e Carlos chegaram juntos e Antônio chegou B) 2,0 m/s D) 4,5 m/s
em terceiro.
E) Os três chegaram juntos à lanchonete. 21. (UFPE–2003) No jogo do Brasil contra a China, na copa de
2002, Roberto Carlos fez um gol que foi fotografado por
18. (UFRS–2001) Um automóvel, A, faz o percurso de ida e de uma câmara que tira 60 imagens/segundo. No instante
volta sobre o mesmo trecho, de 20 km, de uma rodovia. do chute, a bola estava localizada a 14 metros da linha do
Na ida sua velocidade média é de 60  km/h e na volta gol, e a câmara registrou 24 imagens, desde o instante
sua velocidade média é de 40 km/h, sendo tA o intervalo do chute até a bola atingir o gol. Calcule a velocidade
de tempo para completar a viagem. Outro automóvel, média da bola.
B, faz o mesmo percurso, mas vai e volta com a mesma
A) 10 m/s C) 18 m/s E) 35 m/s
velocidade média, de 50 km/h, completando a viagem
B) 13 m/s D) 29 m/s
em um intervalo de tempo tB. Qual é a razão tA/tB entre
os citados intervalos de tempo?
22. (PUC-MG–2004) Numa avenida longa, os sinais de tráfego

Física
A) 5/4 C) 1 E) 5/6
são sincronizados de tal forma que os carros, trafegando
B) 25/24 D) 25/28
a uma determinada velocidade, encontram sempre os
sinais abertos (onda verde).
19. (Fuvest-SP–2003) Uma jovem viaja de uma cidade A para
Considerando-se que a distância entre sinais sucessivos
uma cidade B, dirigindo um automóvel por uma estrada
é de 175 m e que o intervalo de tempo entre a abertura
muito estreita. Em um certo trecho, em que a estrada é
de um sinal e a abertura do sinal seguinte é de 9,0 s, a
reta e horizontal, ela percebe que seu carro está entre
velocidade média com que os veículos devem trafegar
dois caminhões–tanque bidirecionais e iguais, como
nessa avenida para encontrar os sinais sempre abertos é:
mostra a figura. A jovem observa que os dois caminhões,
A) 60 Km/h C) 70 Km/h
um visto através do espelho retrovisor plano, e o outro,
B) 50 Km/h D) 40 Km/h
através do pára-brisa, parecem aproximar-se dela com a
mesma velocidade. Como o automóvel e o caminhão de
23. (Fuvest-SP–2004) João está parado em um posto de
trás estão viajando no mesmo sentido, com velocidades
gasolina quando vê o carro de seu amigo, passando por
de 40 km/h e 50 km/h, respectivamente, pode-se concluir
um ponto P, na estrada, a 60 km/h. Pretendendo alcançá-
que a velocidade do caminhão que está à frente é:
lo, João parte com seu carro e passa pelo mesmo ponto
??
A
50 km 40 km
B P, depois de 4 minutos, já a 80 km/h. Considere que
160 km 120 km
ambos dirigem com velocidades constantes. Medindo
o tempo, a partir de sua passagem pelo ponto P, João
A) 50 km/h com sentido de A para B. deverá alcançar seu amigo, aproximadamente, em:
B) 50 km/h com sentido de B para A. A) 4 minutos D) 15 minutos
C) 40 km/h com sentido de A para B. B) 10 minutos E) 20 minutos
D) 30 km/h com sentido de B para A. C) 12 minutos
E) 30 km/h com sentido de A para B.
24. (UFLA-MG–2004) Comportamento típico dos internautas
20. (UFMG-MG–2003) Um pequeno bote, que navega a uma é “baixar” músicas para o computador através de
velocidade de 2,0 m/s em relação à margem de um rio, é downloads. Os arquivos das músicas são da ordem de
alcançado por um navio, de 50 m de comprimento, que MB (106 bites) e a velocidade de downloads kB/s (103
se move paralelamente a ele, no mesmo sentido, como bites/segundo). Suponha um arquivo de 3,6 MB que deve
mostrado nesta figura: ser “baixado” à velocidade de 2 kB/s; então o tempo do
download será:

3
Frente A Módulo 01

A) 0,5 hora C) 4 horas E) 1 hora


Chegada Partida
B) 8 horas D) 2 horas
Vila Maria 0:00 min 1:00 min

25. (UEL-PR–2005) Um cão persegue uma lebre de forma Felicidade 5:00 min 6:00 min
que enquanto ele dá 3 saltos ela dá 7 saltos. Dois saltos
São José Terminal
m
do cão equivalem a cinco saltos da lebre. A perseguição 2k
Central Felicidade
inicia-se em um instante em que a lebre está a 25 saltos Arcoverde
à frente do cão. Bosque
Vila Maria
Considerando-se que ambos deslocam-se em linha reta, é
correto afirmar que o cão alcança a lebre após ele ter: A) 20 min C) 30 min E) 40 min

A) Percorrido 30 m e a lebre 70 m. B) 25 min D) 35 min


B) Percorrido 60 m e a lebre 140 m.
C) Dado 70 saltos.
29. (Fuvest-SP) Um automóvel faz uma viagem em 6 horas,
sendo que sua velocidade varia em função do tempo
D) Percorrido 50 m.
aproximadamente como mostra o gráfico a seguir:
E) Dado 150 saltos.
v(km / h)

26. (Fuvest-SP–2006) Um automóvel e um ônibus trafegam


60
em uma estrada plana, mantendo velocidades constantes
30
em torno de 100 km/h e 75 km/h, respectivamente.
Os dois veículos passam lado a lado em um posto de
0 1 2 3 4 5 6 t(h)
pedágio. Quarenta minutos (2/3 de hora) depois, nessa
mesma estrada, o motorista do ônibus vê o automóvel Qual a velocidade média do automóvel nessa viagem?
ultrapassá-lo. Ele supõe, então, que o automóvel deve
ter realizado, nesse período, uma parada com duração 30. (UFU-MG–2002) Conforme Figura 1, uma pessoa empurra
aproximada de: um carrinho contendo um grande bloco de gelo, com uma
velocidade constante v.
A) 4 minutos D) 15 minutos
B) 7 minutos E) 25 minutos v

C) 10 minutos Figura 1

27. (UFLA-MG–2006) A figura a seguir apresenta o percurso


que um motorista deve fazer, saindo de um local A para
d h
chegar em C, passando por B. O local A dista 45 km de
B, e de C, 120 km. O motorista deve deixar A às 7 horas O bloco, de comprimento d, encontra-se a uma distância
e chegar em C obrigatoriamente às 9h30. O motorista, h da borda dianteira do carrinho. Subitamente, a pessoa
ao deixar A, às 7 horas, encontra muita neblina no reduz a velocidade do carrinho para v/4, continuando a
trecho entre A e B, e por segurança, percorre o trecho empurrá-lo no mesmo sentido inicial, conforme Figura 2,
com velocidade média de 30 km/h. A partir de B, sem fazendo com que o bloco de gelo deslize sem atrito para
os problemas climáticos, e para chegar em C no horário a frente do carrinho.
previsto, 9h30, deve desenvolver uma velocidade média
v/4
de:
Figura 2
0 km 45 km 120 km

A (7 horas) B C (9h30min)

A) 120 km/h C) 60 km/h E) 80 km/h


Assinale a alternativa que corresponde ao instante, a
B) 90 km/h D) 75 km/h partir da redução da velocidade, em que o bloco de gelo
abandonará completamente o carrinho.
28. (Fuvest-SP–2007) Um passageiro, viajando de metrô, A) t = (h + d)/v C) t = 4(h + d)/v
fez o registro de tempo entre duas estações e obteve os
B) t = 4(h + d)/5v D) t = 4(h + d)/3v
valores indicados na tabela. Supondo que a velocidade
média entre duas estações consecutivas seja sempre a
mesma e que o trem pare o mesmo tempo em qualquer 31. Dois mísseis em treinamento de interceptação se
estação da linha, de 15 km de extensão, é possível estimar deslocam em movimento retilíneo uniforme numa mesma
que um trem, desde a partida da Estação Bosque até a direção e sentido. O gráfico representa o movimento
chegada à Estação Terminal, leva aproximadamente: desses mísseis.

4
Prof. Moraes
Introdução à cinemática e MU

s(m) 09. C

A 10. C

300 11. D

12. E
B
0 13. D
2 t(s)
14. A) 510 m B) 17 m

15. E
-400 16. 58

Pode-se afirmar que: 17. D

A) O míssil B se desloca em movimento retrógrado. 18. B

B) O míssil A é interceptado por B, em 4,0 s de movimento. 19. E

C) O míssil A é interceptado a 1553 m do lançamento. 20. D


D) Em 2,0 s de movimento os mísseis se encontram a 21. E
uma distância de 300 m um do outro.
22. C
E) Os mísseis não se interceptam.
23. C

24. A
32. (UFJF-MG–2006) Um homem parado numa escada rolante
leva 10 s para descê-la em sua totalidade. O mesmo 25. E

homem leva 15 s para subir toda a escada rolante de 26. C


volta, caminhando contra o movimento dela. Quanto 27. D
tempo o homem levará para descer a mesma escada 28. D
rolante, caminhando com a mesma velocidade com que

Física
29. 40 km/h
subiu?
30. D
A) 5,00 s C) 10,00 s E) 7,50 s
31. D
B) 3,75 s D) 15,00 s
32. B

33. (ITA-SP) Um avião, voando horizontalmente a 4000 m 33. D


de altura numa trajetória retilínea com velocidade
constante, passou por um ponto A e depois por um ponto
B situado a 3000 m do primeiro. Um observador no solo,
parado no ponto verticalmente abaixo de B, começou a
ouvir o som do avião, emitido em A, 4,00 segundos antes
de ouvir o som proveniente de B. Se a velocidade do som
no ar era de 320 m/s, a velocidade do avião era de:
A) 960 m/s C) 390 m/s E) 292 m/s
B) 750 m/s D) 421 m/s

Gabarito

Fixação
01. C

02. C

03. E

04. C

05. B

06. E

07. A) 20 km/h B) 3,0.10-2 h

08. A

5
Física Módulo FRENTE

MUV e lançamento vertical 02 A


Exercícios comprimento L e de 19 vagões, todos também de
comprimento L, está se deslocando, com aceleração
constante, em um trecho da ferrovia. Um estudante,
parado à margem da estrada e munido de equipamento
01. (UFSCar-SP–2007) Um pequeno objeto, quando lançado
adequado, mediu a velocidade do trem em dois instantes:
verticalmente para cima, retorna ao local de partida vi = 15 m/s quando passou por ele a extremidade
após ter decorrido o tempo 2t. Dos conjuntos de gráficos dianteira do trem e, 20 segundos mais tarde, vf = 25 m/s,
apresentados, aquele que se pode adequar perfeitamente quando por ele passou a extremidade traseira. Determine
à situação descrita, supondo desprezível a ação resistiva em metros, o comprimento L de cada vagão. Despreze o
espaço entre os vagões.
do ar, é:
posição velocidade aceleração
A)
04. Um móvel em M.U.V., cuja velocidade está representada
0 0 0 no diagrama a seguir, passa pela origem da trajetória
t 2t tempo t 2t tempo t 2t tempo
no instante t = 0. A velocidade média desse móvel, no
intervalo de tempo de zero até 5 s, é:
posição velocidade aceleração
v (m/s)
B)
0 0 0
t 2t tempo t 2t tempo t 2t tempo 90

posição velocidade aceleração


C)

0 0 0 30
t 2t tempo t 2t tempo t 2t tempo
t (s)

posição velocidade aceleração 0 5


D)
0 0 0 A) 40 m/s C) 50 m/s E) 60 m/s
t 2t tempo t 2t tempo t 2t tempo
B) 45 m/s D) 55 m/s

posição velocidade aceleração


E) 05. (UFRRJ-RJ–1999) Dois móveis A e B tem equações
0 0 0 horárias, respectivamente iguais a: SA = 80 – 5t e
t 2t tempo t 2t tempo t 2t tempo
SB = 10 + 2t2, onde SA e SB estão em metros e t em
segundos. Pode-se afirmar que:
A) Os móveis A e B têm posições iniciais, respectivamente
02. (UFJF-MG–2003) Um carro realizando um movimento iguais a 10 m e 80 m.
retilíneo uniformemente variado, tem o reservatório de
B) O movimento de A é progressivo e de B retrógrado.
óleo furado. Considerando que o intervalo de tempo em
que as gotas caem do reservatório é sempre constante, C) Os movimentos de A e B têm velocidades constantes.
qual das opções abaixo melhor representaria um trecho D) Ambos têm movimentos progressivos.
da configuração deixada pelas gotas (representadas pelo
E) O móvel A tem velocidade constante e B aceleração
símbolo ‘o’), quando estas caem sobre o piso? Despreze
constante.
a resistência do ar sobre as gotas.
A) o---------o---------o---------o---------o---------o 06. (Fuvest-SP) Uma torneira mal fechada pinga a intervalos
B) o--o-----o-------------------------------o-----o--o de tempo iguais. A figura a seguir mostra a situação no
C) o------------------o---o---o---o------------------o instante em que uma das gotas esta se soltando. Supondo
D) o---o------------------o---o------------------o---o que cada pingo abandone a torneira com velocidade nula
E) o--o-----o---------o------------o-----------------o e desprezando a resistência do ar, pode-se afirmar que
a razão A/B entre a distância A e B mostrada na figura
(fora de escala) vale:
03. (UFC-CE) Um trem composto de uma locomotiva de

6
Frente A Módulo 02
Prof. Moraes

o atrito com o ar, calcule quanto tempo duraria a


queda.
B) Devido ao atrito com o ar, após percorrer 200 m
B A em 7,0 s, o objeto atinge a velocidade terminal
constante de 60 m/s. Neste caso, quanto tempo dura
a queda?

A) 2 B) 3 C) 4 D) 5 E) 6
12. (UFRS) Uma pedra foi deixada cair do alto de uma
torre e atingiu o chão com uma velocidade de 27 m/s.
07. (UFPE) A partir da altura de 7 m atira-se uma pequena
Supondo que, do início ao fim do movimento, o módulo
bola de chumbo verticalmente para baixo, com velocidade
da aceleração da pedra foi constante e igual a 9 m/s2,
de módulo 2,0 m/s. Despreze a resistência do ar e
qual é a altura da torre?
calcule o valor, em m/s, da velocidade da bola ao atingir
o solo. A) 3,0 m c) 27,0 m E) 81,0 m
B) 13,5 m D) 40,5 m
08. (Mackenzie-SP) Um corpo lançado verticalmente para
cima, no vácuo, com velocidade inicial vo, atinge a altura 13. (UFMG) Uma pessoa lança uma bola verticalmente para
máxima H. A altura h, alcançada por ele quando sua cima. Sejam v o módulo da velocidade e a o módulo
velocidade se reduz à metade da inicial, equivale a: da aceleração da bola no ponto mais alto de sua
A) H/2 C) 4H/3 E) 3H/4 trajetória.
B) H/4 D) 4H/5 Assim sendo, é correto afirmar que, nesse ponto:
A) v = 0 e a ≠ 0 C) v = 0 e a = 0
09. (UFES) Um objeto A encontra-se parado quando por ele
B) v ≠ 0 e a ≠ 0 D) v ≠ 0 e a = 0
passa um objeto B com velocidade constante de módulo
igual a 8,0 m/s. No instante da ultrapassagem imprime-se
ao objeto A uma aceleração, de módulo igual a 0,2 m/s2,
14. (UEL-PR) Para calcular a altura de uma ponte sobre

na mesma direção e sentido da velocidade de B. Qual a o leito de um rio, um garoto abandonou uma pedra
velocidade de A quando ele alcançar o objeto B? da ponte, a partir do repouso, e mediu o tempo

A) 4,0 m/s C) 16,0 m/s E) 64,0 m/s transcorrido até que ela atingisse a superfície da água.
Considerando a aceleração da gravidade igual a 10 m/
B) 8,0 m/s D) 32,0 m/s
s2 e sabendo que o tempo de queda da pedra foi de
2,2 segundos, pode-se afirmar que a altura da ponte,
10. (UFMG) A figura mostra uma bola descendo uma rampa.
em metros, é um valor mais próximo de:
Ao longo da rampa, estão dispostos cinco cronômetros, C1,
A) 16 B) 20 C) 22 D) 24 E) 48
C2, ....C5, igualmente espaçados. Todos os cronômetros
são acionados, simultaneamente (t = 0 s), quando a bola
começa a descer a rampa partindo do topo. Cada um dos 15. (UFSCar-SP–2001) Um partícula se move em uma reta com
cronômetros pára quando a bola passa em frente a ele. aceleração constante. Sabe-se que no intervalo de tempo
Desse modo, obtêm-se os tempos que a bola gastou para de 10 s ela passa duas vezes pelo mesmo ponto dessa
chegar em frente de cada cronômetro. reta, com velocidades de mesmo módulo, v = 4,0 m/s,

A alternativa que melhor representa as marcações dos em sentidos opostos. O módulo do deslocamento e o

cronômetros em um eixo de tempo é: espaço percorrido pela partícula nesse intervalo de tempo
são, respectivamente:
A) 0,0 m e 10 m D) 10 m e 10 m
C1
C2 B) 0,0 m e 20 m E) 20 m e 20 m
C3
C4
C5 C) 10 m e 5,0 m
A)
0 t
B) 16. (UERJ–2001) Suponha que, durante o último segundo
0 t
C) de queda, uma pedra tenha percorrido uma distância de
0 t
45 m. Considerando g = 10 m/s2 e que a pedra partiu do
D)
0 t repouso, pode-se concluir que ela caiu de uma altura,
11. (Unicamp-SP) Um objeto é lançado horizontalmente de em metros, igual a:
um avião a 2420 m de altura.
A) 105 B) 115 C) 125 D) 135
A) Considerando a queda livre, ou seja, desprezando

7
MUV e lançamento vertical

17. (Fuvest-SP–2002) Em decorrência de fortes chuvas, mais provavelmente, é:


uma cidade do interior paulista ficou isolada. Um avião A) K
sobrevoou a cidade, com velocidade horizontal constante, B) L
largando 4 pacotes de alimentos, em intervalos de tempos C) M
iguais. No caso ideal, em que a resistência do ar pode
D) Qualquer um, dependendo do módulo da velocidade
ser desprezada, a figura que melhor poderia representar de lançamento.­
as posições aproximadas do avião e dos pacotes, em um
mesmo instante, é: 20. (Unifesp-SP–2003) Uma ambulância desloca-se a 108 km/h
num trecho plano de uma rodovia quando um carro,
a 72 km/h, no mesmo sentido da ambulância, entra
na sua frente a 100 m de distância, mantendo sua
velocidade constante. A mínima aceleração, em m/s2,
g que a ambulância deve imprimir para não se chocar com
o carro é, em módulo, pouco maior que:
A) 0,5 D) 4,5
B) 1,0 E) 6,0
C) 2,5
A) B) C) D) E)
21. (UFV-MG–2003) Uma bola é solta de uma altura de
45,0 m e cai verticalmente. Um segundo depois, outra
18. (UFRS–2002) Um projétil é lançado verticalmente para
bola é arremessada verticalmente para baixo. Sabendo
cima, a partir do nível do solo, com velocidade inicial de 30
que a aceleração da gravidade no local é 10,0 m/s2 e
m/s. Admitindo g = 10 m/s2 e desprezando a resistência
desprezando a resistência do ar, a velocidade com que
do ar, analise as seguintes afirmações a respeito do
a última bola deve ser arremessada, para que as duas
movimento desse projétil.

Física
atinjam o solo no mesmo instante, é:
I. 1 s após o lançamento, o projétil se encontra na
A) 12,5 m/s D) 1,25 m/s
posição de altura 25 m com relação ao solo.
B) 7,50 m/s E) 0,75 m/s
II. 3 s após o lançamento, o projétil atinge a posição de
altura máxima. C) 75,0 m/s

III. 5 s após o lançamento, o projétil se encontra na


22. (UFC-CE–2004) Partindo do repouso, duas pequenas
posição de altura 25 m com relação ao solo.
esferas de aço começam a cair, simultaneamente, de
Quais estão corretas? pontos diferentes localizados na mesma vertical, próximos
A) Apenas I. D) Apenas II e III. da superfície da Terra. Desprezando a resistência do ar,
a distância entre as esferas durante a queda irá:
B) Apenas II. E) I, II e III.
A) Aumentar.
C) Apenas III.
B) Diminuir.
19. (UFMG–2002) Observe esta figura: C) Permanecer a mesma.
D) Aumentar, inicialmente, e diminuir, posteriormente.
E) Diminuir, inicialmente, e aumentar, posteriormente.

23. (Ufscar-SP–2004) Uma pessoa larga uma bola de tênis da


sacada de um prédio. Compare as cinco figuras verticais
seguintes, de 1 a 5.

1 2 3 4 5
Daniel está andando de skate em uma pista horizontal.
No instante t1, ele lança uma bola, que, do seu ponto de
vista, sobe verticalmente.
A bola sobe alguns metros e cai, enquanto Daniel continua
a se mover em trajetória retilínea, com velocidade
constante.
No instante t2, a bola retorna à mesma altura de que
foi lançada. A figura que melhor reproduz as posições sucessivas da
bola em intervalos de tempo sucessivos iguais, antes de
Despreze os efeitos da resistência do ar.
atingir o solo, é:
Assim sendo, no instante t2, o ponto em que a bola estará,
A) 1 B) 2 C) 3 D) 4 E) 5

8
Frente A Módulo 02
Prof. Moraes

24. (Fuvest-SP–2005) A velocidade máxima permitida em uma 28. (UFU-MG–2002) Considere o gráfico v x t abaixo,
a ut o-e s t rad a é d e 1 1 0 k m /h (a p rox im a da me nte associado ao movimento retilíneo de um objeto.
3 0 m/s) e um carro, nessa velocidade, leva 6 s para
parar completamente. Diante de um posto rodoviário, os 3
veículos devem trafegar no máximo a 36 km/h (10 m/s).
2

Velocidade (m/s)
Assim, para que carros em velocidade máxima consigam
obedecer o limite permitido, ao passar em frente do 1
posto, a placa referente à redução de velocidade deverá 0
Tempo (s)
0 1 2 3 4 5 6
ser colocada antes do posto, a uma distância, pelo
-1
menos, de:
-2
A) 40 m C) 80 m E) 100 m
B) 60 m D) 90 m
Com base no gráfico, assinale a alternativa que
corresponde a uma afirmação verdadeira acerca desse
25. (Unesp-SP–2006) Para deslocar tijolos, é comum
movimento.
vermos em obras de construção civil um operário
no solo, lançando tijolos para outro que se encontra A) O objeto estava em repouso entre os instantes t = 0
postado no piso superior. Considerando o lançamento s e t = 2 s.
vertical, a resistência do ar nula, a aceleração da B) A aceleração média do objeto, nos 6 s apresentados,
gravidade igual a 10 m/s2 e a distância entre a mão foi de -1 m/s2.
do lançador e a do receptor 3,2 m, a velocidade com
C) O deslocamento total do objeto, nos 6 s apresentados,
que cada tijolo deve ser lançado para que chegue às
foi de 4 m.
mãos do receptor com velocidade nula deve ser de:
D) A velocidade média do objeto, entre os instantes t = 2
A) 5,2 m/s C) 7,2 m/s E) 9,0 m/s
s e t = 4 s, foi de -2 m/s.
B) 6,0 m/s D) 8,0 m/s
29. (UFMG–2004) Da janela de seu apartamento, Marina
26. (UFSM-RS) A função horária para uma partícula em lança uma bola verticalmente para cima, como mostrado
movimento retilíneo é x = 1 + 2t + t2 onde x representa nesta figura:
a posição (em m) e t, o tempo (em s). O módulo da
velocidade média (em m/s) dessa partícula, entre os
instantes t = 1 s e t = 3 s, é:
A) 2 B) 4 C) 6 D) 12 E) 16

27. (UFU-MG–2003) Um móvel descreve um movimento


retilíneo, com atrito desprezível. A tabela abaixo
apresenta sua posição (x) em função do tempo (t).

t (s) x (m)
0,0 1,0
1,0 4,0
2,0 7,0
3,0 10,0
5,0 16,0 Despreze a resistência do ar.

Assinale a alternativa que melhor representa o gráfico Assinale a alternativa cujo gráfico melhor representa

correto para este movimento. a velocidade da bola em função do tempo, a partir do


16 instante em que ela foi lançada:
6
A) 5
C) 14
12
4 10
8
v (m/s)

3
x (m)

6
2 4
1 2
0 0
0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5
t (s) t (s)

28
12
B) 10
D) 24
20
8 16
a (m/s2)

6 12
x (m)

4 8
2 4
0 0
0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5
t (s)

9
MUV e lançamento vertical

A) C) B) A aceleração da partícula em B é maior do que em


A.

velocidade

velocidade
C) q = 4p
tempo tempo
D) O trabalho do peso da partícula é o mesmo nos
trechos AB e BC.
E) A quantidade de movimento da partícula em C é o
triplo daquela em B.
B) D)

33.

velocidade
(Unicamp-SP) As faixas de aceleração das auto-estradas
velocidade

devem ser longas o suficiente para permitir que um


tempo tempo
carro partindo do repouso atinja a velocidade de
100 km/h em uma estrada horizontal. Um carro popular
é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 18 s. Suponha
que a aceleração é constante.

30. (Mackenzie-SP) A aceleração de um móvel, que parte A) Qual o valor da aceleração?

do repouso, varia com o tempo de acordo com o B) Qual a distância percorrida em 10 s?


gráfico abaixo. O instante, contado a partir do início do C) Qual deve ser o comprimento mínimo da faixa de
movimento, no qual o móvel pára é: aceleração?
a (m/s )
2

34. (UFPE–2005) Uma pedra é lançada para cima, a partir do topo


4 de um edifício de 60 m com velocidade inicial de 20 m/s.
Desprezando a resistência do ar, calcule a velocidade da
8 t(s)
pedra ao atingir o solo, em m/s.
0 5
-2
35. (Unicamp-SP–1995) Para se dirigir prudentemente,

Física
A) 5 s B) 6 s C) 8 s D) 13 s E) 18 s recomenda-se manter do veículo da frente uma distância
mínima de um carro (4,0 m) para cada 16 km/h. Um
31. (Ufscar-SP–2004) Considere as quatro afirmações carro segue um caminhão em uma estrada, ambos a 108
seguintes. km/h.
I. No MRUV, a velocidade varia linearmente com o tempo. A) De acordo com a recomendação acima, qual deveria
II. Um carro em marcha à ré não pode realizar ser a distância mínima separando os dois veículos?
movimento acelerado. B) O carro mantém uma separação de apenas 10 m
III. O coeficiente angular da reta que você obtém ao quando o motorista do caminhão freia bruscamente.
construir o gráfico da velocidade x tempo fornece a O motorista do carro demora 0,50 segundo para
velocidade inicial do móvel. perceber a freada e pisar em seu freio. Ambos os
IV. Pode-se determinar a velocidade de um móvel no veículos percorreriam a mesma distância até parar,
MRUV, sem conhecer o tempo de percurso do móvel. após acionarem os seus freios. Mostre numericamente
que a colisão é inevitável.
Das afirmações apresentadas, são verdadeiras:
A) I e II, apenas. D) II e IV, apenas. 36. (FEI-SP–1995) No movimento retilíneo uniformemente
B) I e III, apenas. E) III e IV, apenas. variado, com velocidade inicial nula, a distância percorrida
é:
C) I e IV, apenas.
A) Diretamente proporcional ao tempo de percurso.
32. (UFMS–2005) Uma partícula de massa m inicialmente B) Inversamente proporcional ao tempo de percurso.
em repouso no ponto A, abandonada sobre o plano C) Diretamente proporcional ao quadrado do tempo de
inclinado liso, percorre, em intervalos de tempo iguais, percurso.
as distâncias p e q nos trechos AB e BC, respectivamente,
D) Inversamente proporcional ao quadrado do tempo de
conforme figura esboçada a seguir.
percurso.
p E) Diretamente proporcional à velocidade.
A B q
37. (Fuvest-SP–1996) Um carro viaja com velocidade de
C
90 km/h (ou seja, 25 m/s) num trecho retilíneo de uma
É correto afirmar que: rodovia quando, subitamente, o motorista vê um animal
parado na sua pista. Entre o instante em que o motorista
A) A velocidade média da partícula no trecho BC é igual à média
avista o animal e aquele em que começa a frear, o carro
aritmética das suas velocidades instantâneas em B e C.
percorre 15 m. Se o motorista frear o carro à taxa

10
Frente A Módulo 02
Prof. Moraes

constante de 5,0 m/s2, mantendo-o em sua trajetória 43. (UFRGS-RS–2004) Um automóvel que trafega com
retilínea, ele só evitará atingir o animal, que permanece velocidade constante de 10 m/s, em uma pista reta e
imóvel durante todo o tempo, se o tiver percebido a uma horizontal, passa a acelerar uniformemente à razão de
distância de, no mínimo: 60 m/s em cada minuto, mantendo essa aceleração
A) 15 m C) 52,5 m E) 125 m durante meio minuto. A velocidade instantânea do
automóvel, ao final desse intervalo de tempo, e sua
B) 31,25 m D) 77,5 m
velocidade média, no mesmo intervalo de tempo, são,
respectivamente:
38. (UFPR–2006) Em uma prova de atletismo, um corredor
de 100 m rasos parte do repouso, corre com aceleração A) 30 m/s e 15 m/s D) 40 m/s e 20 m/s
constante nos primeiros 50 m e depois mantém a B) 30 m/s e 20 m/s E) 40 m/s e 25 m/s
velocidade constante até o final da prova. Sabendo que
C) 20 m/s e 15 m/s
a prova foi completada em 10 s, o valor da aceleração
é:
44. (UFSC-SC–2005) No momento em que acende a luz
A) 2,25 m/s2 D) 3,20 m/s2 verde de um semáforo, uma moto e um carro iniciam
B) 1,00 m/s2 E) 2,50 m/s2 seus movimentos, com acelerações constantes e de
mesma direção e sentido. A variação de velocidade da
C) 1,50 m/s2
moto é de 0,5 m/s e a do carro é de 1,0 m/s, em cada
segundo, até atingirem as velocidades de 30 m/s e 20
39. (UFRJ–1999) Numa competição automobilística, um carro
m/s, respectivamente, quando, então, seguem o percurso
se aproxima de uma curva em grande velocidade. O
em movimento retilíneo uniforme.
piloto, então, pisa o freio durante 4 s e consegue reduzir
a velocidade do carro para 30 m/s. Durante a freada o Considerando a situação descrita, assinale a(s)
carro percorre 160 m. proposição(ões) CORRETA(S)

Supondo que os freios imprimam ao carro uma aceleração (01) A velocidade média da moto, nos primeiros
retardadora constante, calcule a velocidade do carro no 80 s, é de 20,5 m/s.
instante em que o piloto pisou o freio. (02) O movimento da moto é acelerado e o do
carro é retilíneo uniforme, 50 s após iniciarem seus
40. (UFPI–2000) Um jogador de basquetebol consegue dar movimentos.
um grande impulso ao saltar e seus pés atingem a altura (04) Após 60 s em movimento, o carro está 200
de 1,25 m. A aceleração da gravidade no local tem o m à frente da moto.
valor de 10 m/s2. O tempo que o jogador fica no ar,
(08) A ultrapassagem do carro pela moto ocorre 75 s
aproximadamente, é:
após ambos arrancarem no semáforo.
A) 1 s B) 2 s C) 3 s D) 4 s E) 5 s
(16) A moto ultrapassa o carro a 1200 m do semáforo.

41. (UFRJ–2001) Um paraquedista radical pretende atingir (32) 40 s após o início de seus movimentos, o carro e a
a velocidade do som. Para isto seu plano é saltar de moto têm a mesma velocidade.
um balão estacionário na alta atmosfera, equipado com
roupas pressurizadas. Como nessa altitude o ar é muito 45. (UFSCar-SP–2005) Em um piso horizontal um menino
rarefeito, a força de resistência do ar é desprezível. dá um empurrão em seu caminhãozinho de plástico.
Suponha que a velocidade inicial do paraquedista em Assim que o contato entre o caminhãozinho e a mão do
relação ao balão seja nula e que a aceleração da gravidade menino é desfeito, observa-se que em um tempo de 6
seja igual a 10 m/s2. A velocidade do som nessa altitude s o brinquedo foi capaz de percorrer uma distância de 9
é 300 m/s. Calcule: m até cessar o movimento. Se a resistência oferecida ao
movimento do caminhãozinho se manteve constante, a
A) Em quanto tempo ele atinge a velocidade do som.
velocidade inicial obtida após o empurrão, em m/s, foi
B) A distância percorrida nesse intervalo de tempo. de:
A) 1,5 B) 3,0 C) 4,5 D) 6,0 E) 9,0
42. (UFRRJ-RJ–2004) Numa determinada estação
orbital, deseja-se determinar a aceleração
gravitacional local. Com esta finalidade, deixa-
46. (UERJ-RJ–2005) Numa operação de salvamento marítimo,
foi lançado um foguete sinalizador que permaneceu aceso
se cair um corpo ao longo de uma trena, e são
durante toda sua trajetória. Considere que a altura h,
anotadas as posições e os respectivos instantes
em metros, alcançada por este foguete, em relação ao
de tempo. N o m o m e n t o e m q u e o c r o n ô m e t r o
nível do mar, é descrita por h = 10 + 5t – t2, em que t
mostrava t 1 = 0 s, o corpo encontrava-se na posição
é o tempo, em segundos, após seu lançamento. A luz
x1 = 0 cm; no momento t2 = 1 s, o corpo encontrava-se
emitida pelo foguete é útil apenas a partir de 14 m acima
na posição x2 = 8 cm; e no momento t3 = 4 s, na posição
do nível do mar.
x3 = 200 cm.
O intervalo de tempo, em segundos, no qual o foguete
Considere que o corpo cai com aceleração constante.
emite luz útil é igual a:
Nessas condições, determine o valor da aceleração.

11
MUV e lançamento vertical

A) 3 B) 4 C) 5 D) 6 B) O espaço percorrido pelo atleta desde que começou


a correr até parar.
47. (UFPE-PE–2005) Uma esfera de aço de 300 g e uma esfera
de plástico de 60 g de mesmo diâmetro são abandonadas,
51. (Fuvest-SP) A tabela indica as posições s e os
correspondentes instantes t de um móvel deslocando-se
simultaneamente, do alto de uma torre de 60 m de altura.
Qual a razão entre os tempos que levarão as esferas até numa trajetória retilínea.
atingirem o solo? (Despreze a resistência do ar) S (m) 0 0,4 1,6 3,6 6,4 ...
A) 5,0 B) 3,0 C) 1,0 D) 0,5 E) 0,2 t (s) 0 1 2 3 4 ...
A) Esboce o gráfico s x t desse movimento.
48. (Unicamp-SP–2007) Em muitas praças de pedágios
de rodovias existe um sistema que permite a abertura B) Calcule a velocidade média do móvel entre os instantes
automática da cancela. Ao se aproximar, um veículo t = 1 s e t = 3 s.
munido de um dispositivo apropriado é capaz de trocar
sinais eletromagnéticos com outro dispositivo na cancela. 52. (UFU-MG–2005) Um carro trafega por uma avenida, com
Ao receber os sinais, a cancela abre-se automaticamente velocidade constante de 54 km/h. A figura a seguir ilustra
e o veículo é identificado para posterior cobrança. Para as essa situação.
perguntas a seguir, desconsidere o tamanho do veículo.
A) O veículo aproxima-se da praça de pedágio a 40
km/h. A cancela recebe os sinais quando o veículo se
encontra a 50 m de distância. Qual o tempo disponível 38 m
para a completa abertura da cancela? Quando o carro encontra-se a uma distância de 38 m
B) O motorista percebe que a cancela não abriu e aciona do semáforo, o sinal muda de verde para amarelo,
os freios exatamente quando o veículo se encontra permanecendo assim por 2,5 s. Sabendo que o tempo
a 40 m da mesma, imprimindo uma desaceleração de reação do motorista é de 0,5 s e que a máxima
de módulo constante. Qual deve ser o valor dessa aceleração (em módulo) que o carro consegue ter é de

Física
desaceleração para que o veículo pare exatamente 3 m/s 2, responda:
na cancela? A) Verifique se o motorista conseguirá parar o carro
(utilizando a desaceleração máxima) antes de
49. (Unicamp-SP–2000) Um automóvel trafega com chegar ao semáforo. A que distância do semáforo ele
velocidade constante de 12 m/s por uma avenida e se conseguirá parar?
aproxima de um cruzamento onde há um semáforo com
B) Considere que, ao ver o sinal mudar de verde para
fiscalização eletrônica. Quando o automóvel se encontra
amarelo, o motorista decide acelerar, passando
a uma distância de 30 m do cruzamento, o sinal muda
pelo sinal amarelo. Determine se ele conseguirá
de verde para amarelo. O motorista deve decidir entre
atravessar o cruzamento de 5 m antes que o sinal
parar o carro antes de chegar ao cruzamento ou acelerar
fique vermelho.
o carro e passar pelo cruzamento antes do sinal mudar
para vermelho. Este sinal permanece amarelo por 2,2 s. Gabarito
O tempo de reação do motorista (tempo decorrido entre
o momento em que o motorista vê a mudança de sinal 01. D
e o momento em que realiza alguma ação) é 0,5 s. 02. E
A) Determine a mínima aceleração constante que o carro 03. 20 m
deve ter para parar antes de atingir o cruzamento e 04. E
não ser multado. 05. E
B) Calcule a menor aceleração constante que o carro 06. C
deve ter para passar pelo cruzamento sem ser 07. 12 m/s
multado. Aproxime 1,72 ≈ 3,0. 08. E

50. (Unicamp-SP) O gráfico da velocidade escalar, em função 09. C

do tempo, de um atleta inexperiente numa corrida de São 10. D


Silvestre é mostrado na figura. 11. A) 22 segundos

v(km/h) B) 44 segundos
12. D
13. A
24,0 14. D
I II
15. B
16. C
0 0,3 0,8 t(h)
17. B
Calcule:
18. E
A) A aceleração do atleta nos trechos I e II.

12
Frente A Módulo 02
Prof. Moraes

19. B
20. A
21. A
22. C
23. A
24. C
25. D
26. C
27. A
28. C
29. C
30. E
31. C
32. A
33. A) a ≈ 1,54 m/s2
B) Δx ≈ 77 m
C) Δx ≈ 250 m
34. 40 m/s
35. A) 27 m
B) Durante o tempo de reação (0, 50 s) o carro anda
15 m.
36. C
37. D
38. A
39. vo = 50 m/s
40. A
41. A) 30 s
B) 4,5 km
42. 28,0 cm/s2
43. E
44. 50
45. B
46. A
47. C
48. A) 4,5 s
B) a = -1,54 m/s2
49. A) a = -3 m/s2
B) a = 2,4 m/s2
50. A) 80 km/h2 e -48 km/h2
B) 9,6 km
s(m)
51. A)

1,0

0,4

1 2 t(s)

B) 1,6 m/s
52. A) 7 m após o semáforo.
B) Sim, com folga de 0,5 m, no fechar do semáforo.

13
Física Módulo FRENTE

Termometria e dilatometria 01 B
Exercícios aquecido de 0 °C a 100 °C. Sendo assim, ele:
A) Se contrai e depois dilata.

01. (Fuvest-SP) A televisão noticia que a temperatura em B) Se dilata e depois contrai.


Nova Iorque chegou aos 104 graus (naturalmente 104 C) Se contrai sempre.
graus Fahrenheit.) Converta para graus Celsius. D) Se dilata sempre.
A) 44 °C D) 30 °C E) N.d.a.
B) 40 °C E) 0 °C 06. (Mackenzie-SP) Relativamente à temperatura -300 °C
C) 36 °C (trezentos graus Celsius negativos), pode-se afirmar que
a mesma é:
02. (AFA-SP) Considere uma chapa quadrada, metálica, de
A) Uma temperatura inatingível em quaisquer condições
material homogêneo, contendo um orifício circular em e em qualquer ponto do Universo.
seu centro. Se a chapa for aquecida de modo uniforme e
B) A temperatura de vaporização do hidrogênio sob
o seu lado aumentar em 2%, então a área do orifício: pressão normal, pois, abaixo dela, este elemento se
encontra no estado líquido.
A) Diminuirá em 2%. C) Aumentará em 2%.
C) A temperatura mais baixa conseguida até hoje em
B) Diminuirá em 4%. D) Aumentará em 4%. laboratório.

03. (PUC-MG–2001) Um bloco A, cuja massa é igual a D) A temperatura média de inverno nas regiões mais
frias da Terra.
50 gramas, apresenta uma temperatura de 60 °C e um
bloco B, cuja massa é igual a 400 gramas, apresenta E) A menor temperatura que um corpo pode atingir
quando o mesmo está sujeito a uma pressão de 273
uma temperatura de 40 °C. Com essas informações,
atm.
conclui-se que:
A) O bloco A possui mais calor do que o B. 07. (Cesgranrio-RJ) Qualquer indicação na escala absoluta

B) O bloco B possui mais calor do que o A. de temperaturas é:

C) Se forem colocados em contato, haverá fluxo de calor A) Sempre inferior ao zero absoluto.
de A para B. B) Sempre igual ao zero absoluto.
D) Se forem colocados em contato, haverá fluxo de calor C) Nunca superior ao zero absoluto.
de B para A. D) Sempre superior ao zero absoluto.

04. (UFMG) O coeficiente de dilatação linear do latão é E) Sempre negativa.


aproximadamente 1,6 vezes o coeficiente de dilatação
linear do aço. Para encaixar-se um pino de latão em um 08. (Cesgranrio-RJ) Com o objetivo de recalibrar um velho
termômetro com a escala totalmente apagada, um
orifício numa chapa de aço, cujo o diâmetro é ligeiramente
estudante o coloca em equilíbrio térmico, primeiro, com
menor do que o diâmetro do pino, deve-se:
gelo fundente e, depois, com água em ebulição sob
A) Aquecer o pino de latão e resfriar a chapa de aço pressão atmosférica normal. Em cada caso, ele anota a
B) Aquecer a chapa de aço e resfriar o pino de latão altura atingida pela coluna de mercúrio: 10,0 cm e 30,0
C) Aquecer igualmente a chapa e o pino cm, respectivamente, medida sempre a partir do centro
do bulbo. A seguir, ele espera que o termômetro entre em
D) Manter a temperatura da chapa e aquecer o pino
equilíbrio térmico com o laboratório e verifica que, nesta
E) Resfriar a chapa e manter a temperatura do pino situação, a altura da coluna de mercúrio é de 18,0 cm.
Qual a temperatura do laboratório na escala Celsius deste
05. (UFES) Sob pressão normal, certo volume de água é termômetro?

14
Frente B Módulo 01
Prof. Moraes

do ponto de fusão do gelo, os termômetros registram


temperaturas iguais a:

A) 20 °C C) 40 °C E) 60 °C
B) 30 °C D) 50 °C
A) 25 °C e 77 °F D) 25 °C e 45 °F

09. (UEL-PR) O gráfico representa a relação entre a B) 20° C e 40 °F E) 25 °C e 53 °F

temperatura medida numa escala X e a mesma C) 20 °C e 45 °F


temperatura medida na escala Celsius.
Pelo gráfico, pode-se concluir que o intervalo de 13. (FEP-PA) Uma variação de temperatura de 100 ºC

temperatura de 1,0 °C é equivalente a: equivale na escala Kelvin ou absoluta uma variação de:
A) 212 K C) 180 K E) 80 K
B) 273 K D) 100 K

14. (UFV-MG) Uma régua foi utilizada para medir o


comprimento de um objeto, estando ambos a uma
temperatura de 15 °C. Utilizando esta mesma régua
para medir o comprimento do mesmo objeto em uma
sala onde a temperatura ambiente é de 40 °C, pode-se
afirmar que:
A) 0,50 °X C) 1,0 °X E) 2,0 °X A) O valor da medida de comprimento será menor que
B) 0,80 °X D) 1,5 °X aquele medido a 15 °C, independentemente dos
valores dos coeficientes de dilatação da régua e do
10. (Vunesp/FMTM–2002) Uma empresa brasileira fabricante objeto a ser medido.

de fluido de freio (óleo usado no mecanismo hidráulico B) O valor da medida de comprimento será sempre maior
de freios em veículos) pretende divulgar seu produto ao que aquele medido a 15 °C, independentemente dos
valores dos coeficientes de dilatação da régua e do
mercado norte-americano. No Brasil, esta divulgação
objeto a ser medido.
baseia-se na distribuição de folhetos que destacam como
C) O v a l o r d a m e d i d a d e c o m p r i m e n t o s e r á
uma das principais características do produto o seu maior
sempre o mesmo em ambas as temperaturas,
ponto de ebulição, que comparado às normas de controle
independentemente dos valores dos coeficientes de
de qualidade, supera o ponto de ebulição mínimo em 15 dilatação da régua e do objeto a ser medido.
°C. Para ajustar seu folheto ao novo mercado, precisa
D) O valor da medida de comprimento poderá ser maior
também apresentar esta diferença na escala Fahrenheit, ou menor que aquele medido a 15 °C, dependendo
que corresponde a: dos valores dos coeficientes de dilatação da régua e
do objeto a ser medido.
A) 59 °F B) 43 °F C) 32 °F D) 27 °F E) 13 °F
E) O valor da medida de comprimento poderá ser maior
ou menor que aquele medido a 15 °C, dependendo
11. (ITA) Ao tomar a temperatura de um paciente, um médico
apenas do tamanho do objeto a ser medido.
só dispunha de um termômetro graduado em graus
Fahrenheit. Para se precaver ele fez antes alguns cálculos 15. (UFRRJ) Sabendo-se que, para qualquer temperatura, a
e marcou no termômetro a temperatura correspondente diferença entre os comprimentos de duas barras de metal
a 42 °C (temperatura crítica do corpo humano). Em que é de 100 cm e os coeficientes de dilatação linear valem
posição da escala do seu termômetro ele marcou essa 12.10-6 °C-1 e 17.10-6 °C-1, calcule o comprimento inicial
da barra maior.
temperatura?

A) 106,2 B) 107,6 C) 102,6 D) 180,0 E) 104,4 16. (UFMG) O coeficiente de dilatação linear do latão é quase
o dobro do coeficiente de dilatação do aço. Uma lâmina
12. (UFBA) As indicações para os pontos de fusão do gelo bimetálica, constituída de uma lâmina de latão soldada
e de ebulição da água sob pressão normal de dois a uma lâmina de aço, tem comprimento Lo e é retilínea
termômetros, um na escala Celsius e outro na escala à temperatura To. Se a temperatura dessa lâmina passar
Fahrenheit, distam 20 cm, conforme a figura. A 5 cm para uma temperatura T = 2To, a figura que melhor

15
Termometria e dilatometria

representa o perfil da referida lâmina e seu comprimento utilização como combustível, a massa é o que importa.
final será: Um aumento da temperatura do ambiente leva a um
A) C) E) aumento no volume da gasolina. Para diminuir os efeitos
práticos dessa variação, os tanques dos postos, de
Aço gasolina são subterrâneos. Se os tanques não fossem
Aço
2 L0 L0 + ∆L subterrâneos:
0
Aço
I. Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais
quente do dia, pois estaria comprando mais massa.
B) D) II. Abastecendo com a temperatura mais baixa, você
estaria comprando mais massa de combustível para
L0 + ∆L Latão L0 + ∆L cada litro.
Latão
III. Se a gasolina fosse vendida por kg em vez de por
litro, o problema comercial decorrente da dilatação
17. (Fafeod-MG) Uma chapa quadrada de metal tem um furo da gasolina estaria resolvido.
quadrado no centro. Considere as dimensões indicadas
Destas considerações, somente:
na figura. Aumentando-se a temperatura da chapa, o seu
A) I é correta.
perímetro aumenta 30 mm. Nesse caso, o perímetro do
furo irá: B) II é correta.
C) III é correta.
D) I e II são corretas.
E) II e III são corretas.

20.

Física
(UFPA) Um corpo foi construído com material praticamente
indilatável. Quando a temperatura é de 20 °C ele flutua
num líquido mantendo submerso 80% do seu volume.
A) Permanecer o mesmo. A 70 °C o corpo fica todo submerso. O coeficiente de
dilatação do líquido é, em oC-1:
B) Diminuir 30 mm.
C) Aumentar 30 mm. A) 12.10-2

D) Diminuir 10 mm. B) 8.10-2

E) Aumentar 10 mm. C) 6.10-3


D) 5.10-3
18. (UFMG) O coeficiente de dilatação térmica do alumínio (Al)
E) 3.10-3
é aproximadamente, duas vezes o coeficiente de dilatação
térmica do ferro (Fe). A figura mostra duas peças onde um
21. (Cesgranrio) Um bloco de certo metal tem seu volume
anel feito de um desses metais envolve um disco feito do dilatado de 200 cm 3 para 206 cm 3 , quando sua
outro. À temperatura ambiente, os discos estão presos aos temperatura aumenta de 20 °C para 520 °C. Se um fio
anéis. deste mesmo metal, tendo 100 cm de comprimento a 20
°C, for aquecido até a temperatura de 520 °C, então seu
comprimento em centímetros passará a valer:

A� A) 101
B) 102

A� C) 103
D) 106
Se as duas peças forem aquecidas uniformemente, é
E) 112
CORRETO afirmar que:

A) Apenas o disco de Al se soltará do anel de Fe. 22. (FAU-SP) Um estudante, ao calibrar um termômetro
B) Apenas o disco de Fe se soltara do anel de Al. de mercúrio que ele mesmo fabricou, determinou
C) Os dois discos se soltarão dos respectivos anéis. erradamente para o primeiro e segundo pontos fixos
D) Os discos não se soltarão dos anéis. os seguintes valores na escala de temperatura de seu
termômetro:
19. (Enem) A gasolina é vendida por litro, mas em sua
1º ponto fixo = -37 °E (E = escala do estudante)

16
Frente B Módulo 01
Prof. Moraes

2º ponto fixo = 675 °E é:


Qual deve ser o valor da temperatura ambiente no tx (°X)
laboratório, sabendo que em um termômetro Celsius
ela vale 25 ºC?

A) 100 °E D) 712 °E 45°


80
B) 141 °E E) 675 °E

C) 25 °E
0
tc (°C)
23. (Fatec-SP) Certa escala termométrica adota os valores
A) tx = (tc + 80) D) tx = (tc – 80)
-20 °E e 280 °E, respectivamente, para os pontos de
fusão do gelo e ebulição da água, sob pressão de 1 atm. B) (tc/80) = (tx/100) E) tx = tc

A fórmula de conversão entre essa escala e a escala de C) (tc/100) = (tx/80)


Celsius é:
A) tE = tC + 20
27. (UNIRIO-RJ) Um pesquisador, ao realizar a leitura da
temperatura de um determinado sistema, obteve o valor
B) tE = tC – 20
-450. Considerado as escalas usuais (Celsius, Fahrenheit
C) tE = 3tC – 20 e Kelvin), podemos afirmar que o termômetro utilizado
D) tE = 3tC + 20 certamente NÃO poderia estar graduado:
E) tE = 3tC A) Apenas na escala Celsius.
B) Apenas na escala Fahrenheit.
24. (FEI-SP) As barras A e B da figura têm, respectivamente, C) Apenas na escala Kelvin.
comprimentos 1000 mm e 1001 mm, a 20 °C. Seus
D) Nas escalas Celsius e Kelvin.
coeficientes de dilatação linear são: αA = 3,0.10-5 °C-1
E) Nas escalas Fahrenheit e Kelvin.
e αB = 1,0.10-5 °C-1. Qual a temperatura em que a barra
C ficará na posição horizontal?
28. (UFRS–2002) Qualitativamente, os gráficos V1, V2 e V3,
apresentados a seguir, propõem diferentes variações de
volume com a temperatura para uma certa substância,
no intervalo de temperaturas de 2 °C a 6 °C. Do mesmo
modo, os gráficos D 1, D 2 e D 3 propõem diferentes
variações de densidade com a temperatura para a mesma
substância, no mesmo intervalo de temperaturas.

V1 V2 V3
25. (UFF-RJ) A figura mostra, alinhadas e separadas de uma
distância d, três barras homogêneas de comprimento
2 4 6 T(°C) 2 4 6 T(°C) 2 4 6 T(°C)
L = 10 m, à temperatura inicial de 10 °C. A. barra do meio
é constituída de aço, e as outras, de alumínio. D1 D2 D3

Dados: αaço = 11.10-6 °C-1 αAl = 23.10-6 °C-1


2 4 6 T(°C) 2 4 6 T(°C) 2 4 6 T(°C)

Dentre esses gráficos, selecione o par que melhor


representa, respectivamente, as variações de volume
e densidade da água com a temperatura, à pressão
A) Calcule a distância de separação d para que, ao se
atmosférica, no intervalo de temperaturas considerado.
aquecer somente a barra de aço até 50 °C, as barras
A) V1 - D1 D) V2 - D2
apenas se toquem, sem se comprimirem.
B) V1 - D3 E) V3 - D3
B) Repita o cálculo do item A para o caso de as três
barras serem aquecidas até 50 °C. C) V2 - D1

26. (FAAP-SP) O gráfico a seguir representa a correspondência 29. (UFMG–2006) João, chefe de uma oficina mecânica,
entre uma escala X e a escala Celsius. Os intervalos de precisa encaixar um eixo de aço em um anel de latão,
um grau X e de um grau Celsius são representados como mostrado nesta figura:
nos respectivos eixos, por segmentos de mesmo
comprimento. A expressão que relaciona essas escalas

17
Termometria e dilatometria

anel de latão apresentadores da previsão do tempo expressam,

eixo de aço erroneamente, a unidade de temperatura em graus


centígrados.
A manera de expressar corretamente essa unidade
é:
A) Celsius, pois não se devem citar os graus.
À temperatura ambiente, o diâmetro do eixo é maior
B) Graus Kelvin, pois é a unidade do sistema
que o do orifício do anel. Sabe-se que o coeficiente de internacional.
dilatação térmica do latão é maior que o do aço. Diante
C) Centígrados, pois não se devem citar os graus.
disso, são sugeridos a João alguns procedimentos,
D) Graus Celsius pois existem outras escalas em graus
descritos nas alternativas a seguir, para encaixar o eixo
centígrados.
no anel.
E) Graus Fahrenheit, pois é a unidade do sistema
Assinale a alternativa que apresenta um procedimento
internacional.
que NÃO permite esse encaixe.
A) Resfriar apenas o eixo. 32. (Acafe-SC) Uma barra de metal, de comprimento L0, na
B) Aquecer apenas o anel. temperatura de 0 ºC, é aquecida, aumentando o seu
C) Resfriar o eixo e o anel. comprimento.
D) Aquecer o eixo e o anel. O gráfico do comprimento, em função da temperatura,
L x T, que representa de forma correta a dilatação da
30. (UFSC–2007) Um aluno de ensino médio está projetando barra, está na alternativa:
um experimento sobre a dilatação dos sólidos. Ele utiliza L(m) L(m)
A) D)
um rebite de material A e uma placa de material B, de
coeficientes de dilatação térmica, respectivamente, iguais

Física
a aA e aB. A placa contém um orifício em seu centro,
L0 L0
conforme indicado na figura. O raio RA do rebite é menor
que o raio RB do orifício e ambos os corpos se encontram
T(°C) T(°C)
em equilíbrio térmico com o meio.

rebite L(m) L(m)


B) E)
A

L0

RA L0

RB T(°C) T(°C)

placa
L(m)
B C)

Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).


(01) Se aA > aB a folga irá aumentar se ambos forem
igualmente resfriados. L0

(02) Se aA > aB a folga ficará inalterada se ambos forem


igualmente aquecidos. T(°C)

(04) Se aA < aB e aquecermos apenas o rebite, a folga


aumentará. 33. (Mackenzie-SP) O gráfico mostra os comprimentos de

(08) Se aA = aB a folga ficará inalterada se ambos forem duas hastes metálicas, A e B, em função da temperatura
igualmente aquecidos. a que são submetidas. A relação c a A m entre o coeficiente
aB
(16) Se aA = aB e aquecermos somente a placa, a folga de dilatação linear do material da barra A e o coeficiente
aumentará. de dilatação linear do material da barra B é:
(32) Se aA > aB a folga aumentará se apenas a placa
for aquecida.

Soma ( )

31. ( A c a f e -S C ) N o s n o t i c i á r i o s , g ra n d e p a r t e d o s

18
Frente B Módulo 01
Prof. Moraes

L (cm) A de casa coloca álcool em um recipiente de vidro graduado


23 e lacra-o bem para evitar a evaporação. De madrugada,
B
20 com o termômetro acusando 12 ºC, ela nota, surpresa,
18
15 que, apesar de o vidro estar bem fechado, o volume
de álcool reduziu. Sabe-se que o seu espanto não se
justifica, pois trata-se do fenômeno da dilatação térmica.
A diminuição do volume foi de:

0 5 θ (°C) (Dado: γálcool = 1,1.10-3 ºC-1 >> γvidro)


A) 0,75 D) 1,00 A) 1,1% C) 3,3% E) 6,6%
B) 0,80 E) 1,25 B) 2,2% D) 4,4%
C) 0,90
37. (UFLA-MG) Um bulbo de vidro conectado a um tubo fino,
com coeficiente de dilatação desprezível, contendo certa
34. (EFOA-MG) É comum usar-se do expediente de
massa de água na fase líquida, é mostrado abaixo em
aquecer a tampa de alguns frascos para abri-los com
três situações de temperatura. Na primeira, o sistema
maior facilidade. Isto, em geral, é feito principalmente
está a 4 ºC; na segunda, a 1 ºC e, na terceira, a 10 ºC.
porque:
Conforme a temperatura, a água ocupa certa porção do
A) O aquecimento da tampa reduz a sensação de dor
tubo.
experimentada durante o esforço de abrir o frasco.
B) O aquecimento da tampa produz vapores que
contribuem para lubrificar a região de contato entre
a tampa e o frasco.
C) O aquecimento do ar dentro do frasco ajudará a
empurrar a tampa para fora.
D) O aquecimento da tampa faz com que aumente
4°C 1°C 10°C
o atrito e entre a mão do usuário e a tampa do
frasco. Tal fenômeno é explicado:
E) O aquecimento produzirá uma dilatação da tampa A) Pelo aumento de volume da água de 0 ºC a 4 ºC,
fazendo-a ficar mais “frouxa”. seguido pela diminuição do volume a partir de 4
ºC.
35. (UEPB) Uma pessoa encheu completamente o tanque B) Pela diminuição da densidade da água de 0 ºC a 4
de gasolinade seu carro e deixou-o estacionado ao Sol. ºC, seguido pelo aumento da densidade a partir de
Depois de um certo tempo, verificou que em virtude 4 ºC.
da elevação de temperatura, uma certa quantidade de C) Pelo aumento do volume da água a partir de 0 ºC.
gasolina havia entornado. Com base no conhecimento D) Pelo aumento da densidade de água de 0 ºC a 4
desse fato, analise as proposições a seguir: ºC.
I. A dilatação real da gasolina foi maior do que a E) Pela diminuição do volume da água a partir de 0
dilatação do tanque. ºC.
II. A quantidade que entornou representa a dilatação
real que a gasolina sofreu. 38. (Unifor-CE) O volume ocupado por uma dada amostra
III. O tanque de gasolina se dilatou. de água, em função da temperatura, é dado pelo gráfico
a seguir:
IV. O coeficiente de dilatação da gasolina é maior do que
o coeficiente de dilatação volumétrica do material de V
que é feito o tanque.

Com base na análise feita, assinale a alternativa


CORRETA.
A) Apenas as proposições II e III são verdadeiras.
0 4 T (°C)
B) Apenas as proposições I e III são falsas.
C) Apenas as proposições I e II são falsas. O gráfico que melhor representa a densidade (d) da água

D) Apenas a proposição III é falsa. em função da temperatura é:

E) Apenas a proposição IV é verdadeira. A) d D) d

36. (UFG-GO) Num dia quente em Goiânia, 32 ºC, uma dona

0 4 T(°C) 0 4 T(°C)

19
Termometria e dilatometria

A) t = 5y
B) d E) d
B) t = 5y + 15
C) t = y + 25
D) t = 60 y - 40

0 4 T(°C) 0 4 T(°C) E) t = y

C) d 42. (Fatec-SP–2006) Duas escalas de temperatura, a Celsius


(°C) e a Fahrenheit (°F), se relacionam de acordo com o
gráfico.

tc(°C)
0 4 T(°C) 100

39. (Mackenzie-SP) A temperatura, cuja indicação na escala


0 32 212 tf(°F)
Fahrenheit é 5 vezes maior que a da escala Celsius, é:
A) 50 °C A temperatura em que a indicação da escala Fahrenheit
B) 40 °C é o dobro da indicação da escala Celsius é:

C) 30 °C A) 160 °C D) 40 °F

D) 20 °C B) 160 °F E) 40 °C

E) 10 °C C) 80 °C

40. (UEL-PR) Uma escala de temperatura arbitrária X está 43. (UFU-MG–2006) O gráfico a seguir representa o
relacionada com a escala Celsius, conforme o gráfico a comprimento L, em função da temperatura q, de dois

Física
seguir. fios metálicos finos A e B.

°X L A

100

0 θ
0 30 50 °C
Com base nessas informações, é correto afirmar
As temperaturas de fusão do gelo e ebulição da água, sob que:
pressão normal, na escala X são, respectivamente:
A) Os coeficientes de dilatação lineares dos fios A e B
A) -60 e 250 D) -160 e 400 são iguais.
B) -100 e 200 E) -200 e 300 B) o coeficiente de dilatação linear do fio B é maior que
C) -150 e 350 o do fio A.
C) O coeficiente de dilatação linear do fio A é maior que
41. (PUCCampinas-SP) Em um termômetro de líquido, a o do fio B.
propriedade termométrica é o comprimento y da coluna D) Os comprimentos dos dois fios em q = 0 são
de líquido. O esquema a seguir representa a relação diferentes.
entre os valores de y em cm e a temperatura t em graus
Celsius. 44. (UEPG-RS–2001) A figura a seguir mostra dois frascos de
vidro (1 e 2), vazios, ambos com tampas de um mesmo
75 100 material indeformável, que é diferente do vidro. As duas
tampas estão plenamente ajustadas aos frascos, uma
y t internamente e outra externamente. No que respeita à

15 40 dilatabilidade desses materiais, e considerando av que


é o coeficiente de expansão dos dois vidros e que at é o
coeficiente de expansão das duas tampas, assinale o que
y (cm) t (°C)
for correto.
Para esse termômetro, a temperatura t na escala Celsius e
o valor de y em cm satisfazem a função termométrica:

20
Frente B Módulo 01
Prof. Moraes

1 2 a vida no Planeta, apresenta uma grande quantidade de


comportamentos anômalos.

Suponha que um recipiente, feito com um determinado


material hipotético, se encontre completamente cheio
de água a 4 °C.

(01) Sendo a t menor que a v , se elevarmos V água


a temperatura dos dois conjuntos, o vidro 1 se
romperá. material
hipotético
(02) Sendo a t maior que a v , se elevarmos
a temperatura dos dois conjuntos, o vidro 2 se
T(°C)
romperá.
(04) Sendo a t menor que a v , se elevarmos De acordo com o gráfico e seus conhecimentos, é
a temperatura dos dois conjuntos, ambos se correto afirmar que:
romperão.
A) Apenas a diminuição de temperatura fará com que a
(08) Sendo at maior que av, se diminuirmos água transborde.
a temperatura dos dois conjuntos, o vidro 1 se
B) Tanto o aumento da temperatura quanto sua diminuição
romperá.
não provocarão o transbordamento da água.
(16) Qualquer que seja a variação a que
C) Qualquer variação de temperatura fará com que a
submetermos os dois conjuntos, nada ocorrerá com
água transborde.
os frascos e com as tampas.
D) A água transbordará apenas para temperaturas
Soma = ( )
negativas.
45. (UFRS–2005) Em certo instante, um termômetro de
E) A água não transbordará com um aumento de
mercúrio com paredes de vidro, que se encontra à
temperatura, somente se o calor específico da
temperatura ambiente, é imerso em um vaso que contém
substância for menor que o da água.
água a 100 °C. Observa-se que, no início, o nível da
coluna de mercúrio cai um pouco e, depois, se eleva muito
48. (Mackenzie-SP) Um turista brasileiro sente-se mal durante
acima do nível inicial. Qual das alternativas apresenta a viagem e é levado inconsciente a um hospital. Após
uma explicação correta para esse fato? recuperar os sentidos, sem saber em que local estava,
A) A dilatação do vidro das paredes do termômetro se é informado que a temperatura de seu corpo atingira
inicia antes da dilatação do mercúrio. 104 graus, mas que já “caíra” de 5,4 graus. Passado o
B) O coeficiente de dilatação volumétrica do vidro das susto, percebeu que a escala termométrica utilizada era
paredes do termômetro é maior que o do mercúrio. a Fahrenheit. Desta forma, na escala Celsius, a queda
C) A tensão superficial do mercúrio aumenta em razão de temperatura de seu corpo foi de:
do aumento da temperatura. A) 1,8 °C
D) A temperatura ambiente, o mercúrio apresenta um
B) 3,0 °C
coeficiente de dilatação volumétrica negativo, tal
corno a água entre 0 °C e 4 °C. C) 5,4 °C

E) O calor específico do vidro das paredes do termômetro D) 6,0 °C


é menor que o do mercúrio. E) 10,8 °C

46. (UFU-MG–2005) Um frasco de capacidade para 10 litros 49. (Unicamp-SP) Na figura 1 pode-se ver como varia o volume V
está completamente cheio de glicerina e encontra-se à de 1 kg de água quando sua temperatura varia de 0° a
temperatura de 10 °C. Aquecendo-se o frasco com a 10 °C. Esboce o gráfico da densidade da água em função
glicerina até atingir 90 °C, observa-se que 352 mL de da temperatura neste intervalo. Na figura 2 mostram-se
glicerina transborda do frasco. Sabendo-se que o coeficiente dois recipientes A e B preenchidos com iguais massas
de dilatação volumétrica da glicerina é 5,0.10-4 °C-1, de água inicialmente a 4 °C. Os recipientes A e B estão
o coeficiente de dilatação linear do frasco é, em °C-1: isolados termicamente, com exceção da tampa de A e da
A) 6,0.10-5 C) 4,4.10-4 base B, que são condutoras e mantidas permanentemente
B) 2,0.10-5 D) 1,5.10-4 a 0 °C. Em qual dos dois recipientes a temperatura
uniforme de 0 °C será atingida primeiro? Por quê?
47. (UFPel-RS–2005) A água, substância fundamental para

21
Termometria e dilatometria

também L, ambos a uma mesma temperatura inicial.


0oC Quando a temperatura dos dois corpos for elevada para
um mesmo valor final, a razão entre o aumento do
diâmetro da esfera e o aumento do comprimento da barra
será de:

A) 1/3
50. (Unisc-RS) Considerando que o coeficiente de dilatação
B) 1
volumétrica do azeite é de 8.10-4 °C-1. A variação de
C) 1/9
volume de 1 L de azeite, quando sofre um acréscimo de
40 °C de temperatura, é, em cm , de:
3 D) 9/1
E) 3/1
A) 3,2.10-2

B) 3,2.10-4
54. (UFRJ) As figuras ilustram como funciona o “pisca-
C) 3,2.102 pisca” de um automóvel. O circuito é fechado por
D) 32 duas lâminas metálicas – uma de material A e outra

E) n.d.a. de material B – soldadas e de mesmo comprimento à


temperatura ambiente (figura 1). Ao serem percorridas

51. (Unaerp-SP) Com respeito a temperatura, assinale a por uma corrente elétrica, elas se dilatam desigualmente
afirmativa mais correta. e se encurvam, interrompendo o circuito (figura 2).
A) A escala Celsius é utilizada em todos os países do Quando se resfriam, restabelece-se o contato, e assim
mundo e é uma escala absoluta. A escala Kelvin só sucessivamente.
é usada em alguns países por isso é relativa.

Física
B) A Kelvin é uma escala absoluta, pois trata do estado
de agitação das moléculas, e é usada em quase todos
os países do mundo.
C) A escala Celsius é uma escala relativa e representa,
realmente, a agitação das moléculas.
D) As escalas Celsius e Kelvin referem-se ao mesmo tipo
de medida e só diferem de um valor constante e igual
a 273.
E) A escala Celsius é relativa ao ponto de fusão do gelo e
de vapor da água e o intervalo é dividido em noventa Compare os coefi-cientes de dilatação linear do material
e nove partes iguais. A (αA) e do material B (αB) e verifique se αA > αB,
αA = αB, αA < αB.
52. (Unirio-RJ) O nitrogênio, à pressão de 1,0 atm, se Justifique sua resposta.
condensa a uma temperatura de -392 graus numa escala
termométrica X. O gráfico representa a correspondência
entre essa escala e a escala K (Kelvin). Em função dos Gabarito
dados apresentados no gráfico, podemos verificar que a
temperatura de condensação do nitrogênio, em Kelvin, 01. B

é dada por: 02. D

03. C

04 B

05. A

A) 56 K 06. A

B) 77 K 07. D

C) 100 K 08. C

D) 200 K 09. D

E) 273 K 10. D

11. B
53. (UFV-MG) A figura ilustra uma esfera maciça de diâmetro 12. A
L e uma barra de mesmo material com comprimento

22
Frente B Módulo 01
Prof. Moraes

13. D

14. D

15. 340 cm

16. E

17. E

18. B

19. E

20. D

21. A

22. B

23. A

24. 70 °C

25. A) 2,2 mm

B) 5,7 mm

26. A

27. D

28. D

29. C

30. 01 + 16 + 32 = 49

31. D

32. B

33. A

34. E

35. D

36. B

37. D

38. A

39. E

40. C

41. C

42. A

43. C

44. 08 + 02 + 01 = 11

45. A

46. B

47. C

48. b
49. Recipiente B

50. d
51. b
52. b
53. b
54. αA > αΒ

23
Física Módulo FRENTE

02 B
Figura 1

Propagação de calor
reservatório

coletor de
energia solar

Exercícios A)
reservatório
C)
reservatório

01. (UFPR–2007) Com relação aos processos de transferência


de calor, considere as seguintes afirmativas:
1. A condução e a convecção são processos que dependem coletor coletor
das propriedades do meio material no qual ocorrem. reservatório reservatório
B) D)
2. A convecção é um processo de transmissão de calor
que ocorre somente em metais.
3. O processo de radiação está relacionado com a
propagação de ondas eletromagnéticas.
coletor coletor
Assinale a alternativa CORRETA.
A) Somente a afirmativa 1 é verdadeira.
03. (UFU-MG–1999) Uma jovem estudante de física, em uma
B) Somente a afirmativa 2 é verdadeira.
noite de muito calor, acorda durante a madrugada e, para
C) Somente a afirmativa 3 é verdadeira. se refrescar, abre a porta da geladeira. Considerando-se que
D) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. a casa está fechada e que suas paredes são adiabáticas,
E) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. podemos afirmar que a temperatura média do interior da
casa:
02. (UFMG–2005) Atualmente, a energia solar está sendo A) Permanece constante.
muito utilizada em sistemas de aquecimento de água. B) Diminui.
Nesses sistemas, a água circula entre um reservatório e C) Aumenta.
um coletor de energia solar. Para o perfeito funcionamento
D) Não pode ser precisada.
desses sistemas, o reservatório deve estar em um nível
superior ao do coletor, como mostrado na Figura 1. 04. (UFMG) As situações que se seguem descrevem processos
No coletor, a água circula através de dois canos diferentes de aquecimento:
horizontais ligados por vários canos verticais. A água fria Situação I: Esfregar uma mão na outra aquece as
sai do reservatório, entra no coletor, onde é aquecida, e duas.
retorna ao reservatório por convecção. Situação II: Um legume colocado dentro de uma panela
Nas quatro alternativas, estão representadas algumas de água fervente se aquece.
formas de se conectar o reservatório ao coletor. As setas Situação III: Uma resistência elétrica aquece a água do
indicam o sentido de circulação da água. chuveiro.

Assinale a alternativa em que estão CORRETAMENTE Situação IV: A temperatura da água colocada dentro de
representados o sentido da circulação da água e a uma garrafa térmica é aumentada quando a garrafa é
agitada vigorosamente.
forma mais eficiente para se aquecer toda a água do
reservatório. As situações em que ocorre passagem de calor de um
Figura 1 corpo para outro são:

reservatório A) I, II, III e IV C) I e IV


B) I, II e IV D) II e III

coletor de
05. (Enem–2000) O resultado da conversão direta de energia
energia solar solar é uma das várias formas de energia alternativa de
que se dispõe. O aquecimento solar é obtido por uma
reservatório reservatório
A) C) placa escura coberta por vidro, pela qual passa um

coletor coletor 24
Frente B Módulo 02
Prof. Moraes

tubo contendo água. A água circula, conforme mostra o em um tubo de ensaio, sendo o gelo mantido no fundo
esquema a seguir: por uma tela de metal. O tubo de ensaio é aquecido
conforme a figura. Embora a água ferva, o gelo não se
funde imediatamente. As afirmações abaixo referem-se
a essa situação:

Fonte: Adaptado de PALZ, Wolfgang, Energia solar e fon-


tes alternativas. Hemus, 1981. I. Um dos fatores que contribuem para que o gelo não
São feitas as seguintes afirmações quanto aos materiais se funda é o de que a água quente é menos densa
utilizados no aquecedor solar: que a água fria.

I. O reservatório de água quente deve ser metálico para II. Um dos fatores que concorrem para situação
conduzir melhor o calor. observada é o de que o vidro é bom isolante
térmico.
II. A cobertura de vidro tem como função reter melhor
o calor, de forma semelhante ao que ocorre em uma III. Um dos fatores que concorrem para que o gelo não
estufa. se funda é o de que a água é bom isolante térmico.

III. A placa utilizada é escura para absorver melhor a A) Apenas a afirmativa I é verdadeira.
energia radiante do Sol, aquecendo a água com maior B) Apenas a afirmativa II é verdadeira.
eficiência. C) Apenas a afirmativa III é verdadeira.
Dentre as afirmações acima, pode-se dizer que, apenas D) Todas as afirmativas são corretas.
está(ão) correta(s): E) N.d.a.
A) I C) II E) II e III
B) I e II D) I e III
09. (Fuvest-SP) Têm-se dois copos, com a mesma quantidade
de água, um aluminizado A e outro negro N, que ficam
expostos ao sol durante uma hora.
06. (UFMG–2003) No verão, Tia Maria dorme coberta somente
Sendo inicialmente as temperaturas iguais, é mais
com um lençol de algodão, enquanto, no inverno, ela se
provável que ocorra o seguinte:
cobre com um cobertor de lã.
A) Ao fim de uma hora não se pode dizer qual
No inverno, a escolha do cobertor de lã justifica-se, temperatura é maior.
PRINCIPALMENTE, porque este:
B) As temperaturas são sempre iguais em qualquer
A) É mais quente que o lençol de algodão. instante.
B) É pior transmissor de calor que o lençol de algodão. C) Após uma hora, a temperatura de N é maior do que
C) Se aquece mais rápido que o lençol de algodão. a de A.
D) De início, a temperatura de A decresce (devido à
D) Tem mais calor acumulado que o lençol de algodão.
reflexão) e a de N aumenta.
E) As temperaturas de N e de A decrescem (devido a
07. (UECE) O clima de regiões próximas de grandes massas evaporação) e depois crescem.
de água, como mares e lagos, caracteriza-se por uma
grande estabilidade térmica, ao contrário de regiões no 10. (UFU-MG–2001) Analise as afirmativas a seguir e
responda de acordo com o código:
interior do continente, onde há acentuadas variações de
I. Nas regiões litorâneas, durante o dia, o mar se aquece
temperatura entre o dia e a noite. A propriedade que
menos que a terra pois a água possui calor específico
torna a água um regulador de temperatura é:
menor que a terra.
A) Sua grande condutividade térmica.
II. Um ambiente deve ser resfriado pela parte superior
B) Sua grande densidade. pois o fluido frio é mais denso e tende a descer.
C) Seu elevado calor específico. III. O vidro transparente à luz e opaco às radiações
infravermelhas é utilizado nas construções de estufas
D) Seu pequeno calor específico.
para plantas.
IV. As paredes internas das garrafas térmicas são
08. (UFMG) Em uma experiência, colocam-se gelo e água

25
Propagação de calor

revestidas com material refletor para que elas E) A diferentes propriedades de radiação de calor do
impeçam a condução de calor. ladrilho e da madeira.

A) Somente II e IV são corretas.


14. (FCMSC-SP) Os iglus, embora de gelo, possibilitam aos
B) Somente I e II são corretas.
esquimós neles residirem porque:
C) Somente II e III são corretas.
A) O calor específico do gelo é maior do que o da
D) Somente III e IV são corretas.
água.
B) O calor específico do gelo é extraordinariamente
11. (Vunesp) Uma garrafa de cerveja e uma lata de cerveja
pequeno, comparado ao da água.
permanecem durante vários dias numa geladeira. Quando
C) A capacidade térmica do gelo é muito grande.
se pegam com as mãos desprotegidas a garrafa e a lata
D) O calor específico do gelo é menor que o da água.
para retirá-las da geladeira, tem-se a impressão de que a
lata está mais fria do que a garrafa. Este fato é explicado E) O gelo não é um bom condutor de calor.

pelas diferenças entre:


15. (ITA-SP) Em uma garrafa térmica, uma das razões pela
A) As temperaturas da cerveja na lata e da cerveja na
qual o líquido quente se conserva aquecido é:
garrafa.
A) A camada espelhada impede a transmissão do calor
B) As capacidades térmicas da cerveja na lata e da
por condução.
cerveja na garrafa.
B) O vácuo entre as paredes duplas impede a transmissão
C) Os calores específicos dos dois recipientes.
do calor por radiação.
D) Os coeficientes de dilatação térmica dos dois
C) A garrafa é de vidro cujo coeficiente de condutibilidade
recipientes.
térmica é baixo.
E) As condutividades térmicas dos dois recipientes.
D) A pintura escura do revestimento externo absorve a
radiação térmica vinda de fora.
12. (UFSCar-SP–2001) Um grupo de amigos compra barras

Física
E) N.d.a.
de gelo para um churrasco, num dia de calor. Como as
barras chegam com algumas horas de antecedência, 16. (UFES) O uso de chaminés para escape de gases quentes
alguém sugere que sejam envolvidas num grosso cobertor provenientes de combustão é uma aplicação do processo
para evitar que derretam demais. Essa sugestão: térmico de:

A) É absurda, porque o cobertor vai aquecer o gelo, A) Radiação D) Convecção


derretendo-o ainda mais depressa. B) Condução E) Dilatação
B) É absurda, porque o cobertor facilita a troca de calor C) Absorção
entre o ambiente e o gelo, fazendo com que ele
derreta ainda mais depressa. 17. (Fuvest-SP) A figura ilustra um sistema de aquecimento
C) É inócua, pois o cobertor não fornece nem absorve solar: uma placa metálica P, pintada de preto, e, em
calor ao gelo, não alterando a rapidez com que o gelo contato com ela, um tubo metálico encurvado; um
derrete. depósito de água D e tubos de borracha T ligando o
D) Faz sentido, porque o cobertor facilita a troca de depósito ao tubo metálico. O aquecimento da água
calor entre o ambiente e o gelo, retardando o seu contida no depósito D, pela absorção de energia solar,
derretimento. é devido basicamente os seguintes fenômenos, pela
ordem:
E) Faz sentido, porque o cobertor dificulta a troca de
calor entre o ambiente e o gelo, retardando o seu
derretimento.

13. (UFES) Uma pessoa anda descalça no interior de uma


casa onde as paredes, o piso e o ar estão em equilíbrio
térmico. A pessoa sente o piso de ladrilho mais frio que
o de madeira devido:
A) A efeitos psicológicos. A) Condução, irradiação, convecção.

B) A diferentes propriedades de condução de calor do B) Irradiação, condução, convecção.


ladrilho e da madeira. C) Convecção, condução, irradiação.
C) À diferença de temperatura entre o ladrilho e a D) Condução, convecção, irradiação.
madeira. E) Irradiação , convecção, condução.
D) À diferença entre os calores específicos do ladrilho e
da madeira. 18. (UFRS) No interior de uma geladeira, a temperatura é

26
Frente B Módulo 02
Prof. Moraes

aproximadamente a mesma em todos os pontos graças à


circulação do ar. O processo de transferência de energia
causado por essa circulação de ar é denominado:
A) Radiação D) Compressão
B) Convecção E) Reflexão
Sendo T1 > T2 na condição de equilíbrio (estável), pode-
C) Condução se afirmar que:

19. (PUC-RS) No inverno, usamos roupas de lã baseados no I. A temperatura ao longo da barra não varia, sendo igual

fato de a lã: a (T1 – T2)/2.

A) Ser uma fonte de calor. II. A temperatura ao longo da barra decresce linearmente
da esquerda para a direita.
B) Ser um bom condutor de calor.
C) Ser um bom absorvente de calor. III. A temperatura no ponto médio da barra (L/2) é igual
a (T1 + T2)/2.
D) Impedir que o calor do corpo se propague para o meio
exterior. A) As três afirmativas são corretas.
E) Impedir que o frio penetre através dela até nosso B) Apenas as afirmativas II e III são corretas.
corpo. C) Apenas a afirmativa II é correta.
D) Apenas a afirmativa III é correta.
20. (UFSCar-SP) Nas geladeiras, retira-se periodicamente o
E) Nenhuma das afirmativas é correta.
gelo do congelador. Nos pólos, as construções são feitas
sob o gelo. Os viajantes do deserto do Saara usam roupas
23. (UFJF-MG–2006) Há pessoas que preferem um copo
de lã durante o dia e à noite. Relativamente ao texto
de cerveja com colarinho e outras sem o colarinho.
anterior, qual das afirmações a seguir NÃO é correta?
O colarinho é espuma que contém ar em seu interior.
A) O gelo é mau condutor de calor.
Considere que a cerveja seja colocada num copo com
B) A lã evita o aquecimento do viajante do deserto isolamento térmico. Do ponto de vista físico, a função
durante o dia e o resfriamento durante a noite.
do colarinho pode ser:
C) A lã impede o fluxo de calor por condução e diminui
A) Apenas estética.
as correntes de convecção.
B) A de facilitar a troca de calor com o meio.
D) O gelo, sendo um corpo a 0 ºC, não pode dificultar o
fluxo de calor. C) A de atuar como um condutor térmico.

E) O ar é um ótimo isolante para o calor transmitido D) A de atuar como um isolante térmico.


por condução, porém favorece muito a transmissão E) Nenhuma.
do calor por convecção. Nas geladeiras, as correntes
é que refrigeram os alimentos que estão na parte 24. (UEMT) As garrafas térmicas ou frascos de Dewar servem
interior. para a manutenção de temperaturas de líquidos em
temperaturas diferentes dado meio externo. Basicamente
21. (ITA-SP) Tem-se a sensação de que uma colher de as garrafas térmicas possuem tampa, parede dupla
alumínio, num dia muito frio, está muito mais fria do de vidro espelhado e vácuo entre essas paredes. É
o que outra de madeira, de mesma massa e equilíbrio evidente que não existe um isolamento perfeito e, após
térmico com ela, porque a colher de metal: certo tempo, o conteúdo da garrafa térmica muda de
A) Tem condutividade térmica maior do que a da colher temperatura.
de madeira. Sobre as as garrafas térmicas, pode-se afirmar que:
B) Reflete melhor o calor do que a de madeira. ( ) O vácuo, por ser mau condutor de calor,
C) Tem calor específico maior do que a de madeira. reduz as trocas de calor por radiação.
D) Tem capacidade térmica menor do que a de ( ) O vidro espelhado serve para refletir o calor
madeira. radiante, reduzindo as trocas de calor por radiação.
E) Tem capacidade térmica maior do que a de ( ) O vidro, por ser mau condutor de calor, reduz
madeira. a troca de calor por condução.

22. (Esal-MG) A figura mostra um corpo à temperatura T1 ( ) A redução da troca de calor, por convecção,
(fonte), colocado em contato com um corpo à temperatura é feita, mantendo a garrafa térmica fechada.
T2 (sumidouro), através de uma barra metálica condutora
de comprimento L e condutividade térmica K. 25. (UFG-GO–2005) Estufas rurais são áreas limitadas de
plantação cobertas por lonas plásticas transparentes
que fazem, entre outras coisas, com que a temperatura

27
Propagação de calor

interna seja superior à externa. Isso se dá porque: frio


A) O ar aquecido junto à lona desce por convecção até E) O ar frio descer, por ser menos denso do que o ar
as plantas. quente.

B) As lonas são mais transparentes às radiações da luz


29. (UFMS) O calor é uma forma de energia que pode se
visível que às radiações infravermelhas.
propagar através dos processes de condução, convecção
C) Um fluxo líquido contínuo de energia se estabelece de e irradiação. A respeito desses processos, é correto
fora para dentro da estufa. afirmar que:

D) A expansão do ar expulsa o ar frio para fora da A) A radiação infravermelha, oriunda do Sol, necessita
estufa. de um meio material para se propagar até a pele de
uma pessoa exposta ao Sol.
E) O ar retido na estufa atua como um bom condutor de
B) O processo de condução de calor através de uma
calor, aquecendo o solo.
janela de vidro de uma residência depende somente
da diferença de temperatura entre o interior e o lado
26. (PUC-SP–2002) Análise as afirmações referentes à
externo da residência.
condução térmica.
C) Nos três processos de propagação de calor, há
I. Para que um pedaço de carne cozinhe mais
também a propagação da matéria.
rapidamente, pode-se introduzir nele um espeto
D) O principal responsável pelo aquecimento da Terra é
metálico. Isso se justifica pelo fato de o metal ser
a irradiação térmica.
um bom condutor de calor.
E) Da mesma forma que no processo de irradiação
II. Os agasalhos de lã dificultam a perda de energia (na térmica, na convecção térmica não há deslocamento
forma de calor) do corpo humano para o ambiente, de massa.
devido ao fato de o ar aprisionado entre suas fibras
ser um bom isolante térmico. 30. (Unifor-CE) Considere as afirmações a seguir sobre o
calor:

Física
III. Devido à condução térmica, uma barra de metal
I. Em um líquido o calor se propaga devido à formação
mantém-se a um a temperatura inferior à de uma de correntes de convecção.
barra de madeira colocada no mesmo ambiente.
II. Um corpo claro absorve mais calor que um corpo
Podemos afirmar que: escuro.
A) I, II e III estão corretas. III. Um cabo de panela é feito de um material que dificulta
B) I, II e III estão erradas. a condução de calor.

C) Apenas a I está correta. IV. Uma pessoa sente frio quando perde calor rapidamente
para o ambiente.
D) Apenas II está correta.
E) Apenas I e II estão corretas. Dessas afirmações são verdadeiras somente:
A) I e II C) I, II e III E) I, III e IV
27. (FCE-BA) Um carro fechado no estacionamento na rua, B) I e III D) I, II e IV
exposto ao sol, absorve a energia radiante e fica aquecido.
A energia que atinge o teto do carro penetra nele graças 31. (UFV-MG–2003) Um resistor R é colocado dentro de um
ao fenômeno de: recipiente de parede metálica, noqual é feito vácuo e que
01) Convecção térmica. possui um termômetro incrustado em sua parede externa.
02) Iradiação térmica. Para ligar o resistor a uma fonte externa ao recipiente
foi utilizado um fio, com isolamento térmico que impede
03) Inversão térmica.
tranferência de calor para as paredes do recipiente. Essa
04) Condução térmica. situação encontra-se ilustrada na figura a seguir.
05) Variação térmica.
Termômetro

28. (PUC-RS) Numa cozinha, é fácil constatar que a


temperatura é mais elevada próximo ao teto do que o
próximo ao chão quando há fogo no fogão. Isso é devido
ao fato de:
Vácuo
A) O calor não se propaga para baixo. Metal
R
B) O calor não se propagar horizontalmente.
C) O ar quente subir, por se menos denso do que o ar
frio.
+ −
D) O ar quente subir, por ser mais denso do que o ar Ligando o resistor, nota-se que a temperatura indicada pelo

28
Frente B Módulo 02
Prof. Moraes

termômetro aumenta, mostrando que há transferência IV. O calor entra por condução e convecção e só pode
de calor entre o resistor e o trmômetro. Pode-se afirmar sair por radiação
que os processos responsáveis por essa transferência de
A(s) alternativa(s) que pode(m) justificar a elevada
calor, na ordem correta, são:
temperatura do interior da estufa é(são):
A) Primeiro convecção e depois radiação.
A) I, III C) IV E) II
B) Primeiro convecção e depois condução.
B) I, II D) II, III
C) Primeiro radiação e depois convecção.
D) Primeiro radiação e depois condução.
35. (UFAL–1999) Considere as situações descritas a seguir.
E) Primeiro condução e depois convecção.
I. Nas geladeiras, o congelador fica sempre na parte
superior.
32. (Faap-SP) As garrafas térmicas são frascos de paredes
II. Um talher metálico, introduzido parcialmente numa
duplas, entre as quais é feito o vácuo. As faces destas
panela com água quente, se aquece por inteiro.
paredes que estão frente a frente são espelhadas.
III. Um objeto colocado próximo de uma lâmpada
O vácuo entre as duas paredes tem a função de evitar: incandescente acesa fica muito quente.
A) Somente a condução.
A propagação do calor por condução ocorre,
B) Somente a irradiação. principalmente:
C) A condução e a convecção. A) Na situação I, somente. D) Nas situações I e II.
D) Somente a convecção. B) Na situação II, somente. E) Nas situações II e III.
E) A condução e a irradiação. C) Na situação III, somente.

33. (UNIFESP–2006) O SI (Sistema Internacional de 36. (UFSCar-SP–2003) Quando se coloca ao sol um copo com
água fria, as temperaturas da água e do copo aumentam.
unidades) adota como unidade de calor o joule, pois calor
Isso ocorre principalmente por causa do calor proveniente
é energia. No entanto, só tem sentido falar em calor como
do Sol, que é transmitido à água e ao copo, por:
energia em trânsito, ou seja, energia que se transfere
A) Condução, e as temperaturas de ambos sobem até
de um corpo a outro em decorrência da diferença de
que a água entre em ebulição.
temperatura entre eles. Assinale a afirmação em que o
B) Condução, e as temperaturas de ambos sobem
conceito de calor está empregado corretamente.
continuamente enquanto a água e o copo continuarem
A) A temperatura de um corpo diminui quando ele perde ao sol.
parte do calor que nele estava armazenado. C) Convecção, e as temperaturas de ambos sobem até
B) A temperatura de um corpo aumenta quando ele que o copo e a água entrem em equilíbrio térmico
com o ambiente.
acumula calor.
D) Irradiação, e as temperaturas de ambos sobem até
C) A temperatura de um corpo diminui quando ele cede
que o calor absorvido seja igual ao calor por eles
calor para o meio ambiente. emitido.
D) O aumento da temperatura de um corpo é um E) Irradiação, e as temperaturas de ambos sobem
indicador de que esse corpo armazenou calor. continuamente enquanto a água e o copo continuarem
a absorver calor proveniente do sol.
E) Um corpo só pode atingir o zero absoluto se for
esvaziado de todo o calor nele contido.
37. (Unicamp-SP) Quatro grandes blocos de gelo, de mesma
massa e à mesma temperatura inicial, envoltos em
34. (Faap-SP) Uma estufa para flores, construída em plástico impermeável, são pendurados na parede de um
quarto à temperatura de 25 °C, com portas e janelas
alvenaria, com cobertura de vidro, mantém a temperatura
fechadas. Conforme a figura a seguir, os blocos A e B
interior bem mais elevada do que a exterior. Das seguintes estão pendurados próximos ao teto e os blocos C e D
afirmações: estão próximos ao chão. Os blocos A e D estão enrolados
I. O calor entra por condução e sai muito pouco por em cobertores; os outros dois não estão. Considere que
convecção o único movimento de ar no quarto se dá pela corrente
de convecção.
II. O calor entra por radiação e sai muito pouco por
convecção A) Reproduza a figura e indique com setas o
sentido do movimento do ar mais quente
III. O calor entra por radiação e sai muito pouco por
e do ar mais frio.
condução
B) Qual dos blocos de gelo vai derreter

29
Propagação de calor

primeiro e qual vai demorar mais para derreter? numa garrafa térmica hermeticamente fechada. Ela
é constituída por duas paredes. A parede interna é
38. (PUC-SP–2005) Calor é uma forma de energia que se espelhada em suas duas faces e entre ela e a parede
externa existe uma região com vácuo. Como se explica
transfere de um corpo para outro em virtude de uma
o fato que a temperatura de um fluido no interior da
diferença de temperatura entre eles. Há três processos de
garrafa mantém-se quase que inalterada durante um
propagação de calor: condução, convecção e radiação. longo período de tempo?
Em relação à transferência de calor, afirma-se que: A) A temperatura só permanecerá inalterada, se o líquido
I. Em dias frios, os pássaros costumam eriçar suas penas estiver com uma baixa temperatura.
para acumular ar entre elas. Nesse caso, o ar acumulado B) As faces espelhadas da parede interna impedem
constitui-se em um bom isolante térmico diminuindo totalmente a propagação do calor por condução.
as trocas de calor, por condução, com o ambiente.
C) Como a parede interna é duplamente espelhada, ela
II. Correntes de convecção na atmosfera costumam reflete o calor que chega por irradiação, e a região de
ser aproveitadas por aviões planadores e asas delta vácuo evita a propagação do calor através da condução
para ganharem altura. Tais correntes são originadas e convecção.
por diferenças de temperaturas entre duas regiões D) Devido à existência de vácuo entre as paredes, o
quaisquer da Terra. líquido não perde calor para o ambiente através de
III. As paredes internas das garrafas térmicas são radiação eletromagnética.
espelhadas com o objetivo de diminuir as trocas de E) Qualquer material plástico é um isolante térmico
calor por radiação. perfeito, impedindo, portanto, toda e qualquer
propagação de calor através dele.
Está correto o que se afirma em:
A) I, II e III D) Apenas II e III
41. (UFRN) Em qual dos meios o calor se propaga por
B) Apenas I e II E) Apenas III convecção?
C) Apenas I e III A) água. C) Madeira. E) Vácuo.

Física
B) Vidro. D) Metal.
39. (Mackenzie-SP) No romance de Hans Ruesch, “Top of the
world”, são retratados os costumes dos esquimós. Durante 42. (Mackenzie-SP) Uma parede de tijolos e uma janela de
o relato de uma caçada, lemos: “A temperatura fez-se vidro de espessura 180 mm e 2,5 mm, respectivamente,
mais fria, lá nas alturas, com 45 ou 51 graus centígrados têm suas faces sujeitas à mesma diferença de temperatura.
(Celsius), abaixo de zero (...) - E eles precisavam Sendo as condutibilidades térmicas do tijolo e do vidro
ter o cuidado de não se esforçar, nem começar a iguais a 0,12 e 1,00 unidades SI, respectivamente, então
a razão entre o fluxo de calor conduzido por unidade de
transpirar (...)”.
superfície pelo vidro e pelo tijolo é:
Fisicamente, podemos dizer que a recomendação de
A) 800 B) 600 C) 500 D) 300 E) N.d.a.
não vir a transpirar se deve à possibilidade do fenômeno
da: 43. (UFLA-MG–2004) Numa sala de aula, à temperatura de
A) Vaporização do suor. D) Solidificação do suor. 27 ºC (T0 = 300 K) estão acomodados 30 estudantes.
Cada estudante apresenta a temperatura 37 ºC (T =
B) Condensação do suor. E) Fusão do suor.
310 K) e possui uma área efetiva de irradiação de 1,5
C) Sublimação do suor. m2. A lei de Stefan-Boltzmann trata do poder emissivo
dos corpos e diz que a potência líquida irradiada por
40. (Unirio-RJ–2000) estudante pode ser escrita por: Pe = t.A.4T03.DT, em que
t é uma constante de propocionalidade igual a 6.10-8
W/m2K4; A é a área efetiva de irradiação em m2; T0, a
temperatura absoluta da sala e DT, a diferença entre a
temperatura absoluta da sala e do estudante. Então, a
potência líquida total irradiada pelos estudantes nessa
sala é de aproximadamente:
A) 2,9 kW C) 0,1 kW E) 10 kW
B) 29 kW D) 1,0 kW

A figura anterior representa um corte transversal

GABARITO
01. D

30
Frente B Módulo 02
Prof. Moraes

02. D
03. A
04. D
05. E
06. B
07. C
08. D
09. C
10. C
11. E
12. E
13. B
14. E
15. C
16. D
17. B
18. B
19. D
20. D
21. A
22. B
23. D
24. F V V V
25. B
26. E
27. 04
28. C
29. D
30. E
31. D
32. C
33. C
34. D
35. B
36. D

37. A) Ar quente Ar frio

B) 1º - B; Último - D
38. A
39. d
40. c
41. a
42. b
43. D

31
Física Módulo FRENTE

Eletrização 01 D
exercícios
Fio Condutor

01. (UFMG–2007) Em seu laboratório, o Professor Ladeira


prepara duas montagens - I e II -, distantes uma da
terra
outra, como mostrado na figura 1.
Das figuras abaixo, a que melhor representa as
Em cada montagem, duas pequenas esferas metálicas, configurações das partes móveis dos eletroscópios,
idênticas, são conectadas por um fio e penduradas em um quando aproximarmos das partes superiores de ambos
suporte isolante. Esse fio pode ser de material isolante um bastão carregado negativamente, é:
ou condutor elétrico.
Em seguida, o professor transfere certa quantidade de A) D)
carga para apenas uma das esferas de cada uma das
montagens.
B) E)
Ele, então, observa que, após a transferência de carga,
as esferas ficam em equilíbrio, como mostrado na
figura 2. C)

Figura 1
03. (Fuvest-SP) Quando se aproxima um bastão B, eletrizado
positivamente, de uma esfera metálica, isolada e
inicialmente descarregada, observa-se a distribuição de
cargas representada na Figura 1.
I III
Mantendo o bastão na mesma posição, a esfera é
Figura 2 conectada à terra por um fio condutor que pode ser
ligado a um dos pontos P, R ou S da superfície da esfera.
Indicando por (→) o sentido do fluxo transitório (φ) de
elétrons (se houver) e por (+), (-) ou (0) o sinal da carga
final (Q) da esfera, o esquema que representa e Q é:
I II
bastão B +
+
Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar +++++ P + S
+++++ +
que, após a transferência de carga: R+
isolante
A) Em cada montagem, ambas as esferas estão
fig.1
carregadas.
B) Em cada montagem, apenas uma das esferas está P S P
A) + C) + E)
carregada.
C) Na montagem I, ambas as esferas estão carregadas
e, na II, apenas uma delas está carregada.
S
D) Na montagem I, apenas uma das esferas está B) D) 0
carregada e, na II, ambas estão carregadas. R

02. (EFOA-MG–2002) As figuras abaixo ilustram dois 04. (UFRS) Três esferas matálicas, X, Y e Z, estão colocadas
eletroscópios. O da esquerda está totalmente isolado da sobre suportes feitos de isolante elétrico e Y está ligada
vizinhança e o da direita está ligado à Terra por um fio à terra por um fio condutor, conforme mostra a figura
condutor de eletricidade. a seguir. X e Y estão descarregadas, enquanto Z está

Editora Bernoulli
57
32
Frente D Módulo 01
Prof. Moraes

carregada com uma quantidade de carga elétrica q.


Em condições ideais, faz-se a esfera Z tocar primeiro a M M M M
esfera X e depois a Y. Logo após esse procedimento, as
Luz
quantidades de carga elétrica nas esferas X,Y e Z são, P Violeta P P P
respectivamente:

X Y Z
(1) (2) (3) (4)
As figuras (1) a (4) a seguir ilustram o desenrolar dos
fenômenos ocorridos.
Podemos afirmar que na situação (4):
q q q q q
A) , e . D) , nula e .
3 3 3 2 2 A) M e P estão eletrizadas positivamente.
q
B) q, q e q . E) , nula e nula . B) M está negativa e P neutra.
2 4 4 2
C) M está neutra e P positivamente eletrizada.
q q
C) , e nula .
2 2 D) M e P estão eletrizadas negativamente.
E) M e P foram eletrizadas por indução.
05. (UFU-MG–2001) Uma bolinha metálica A, carregada com
carga positiva +12 C, está suspensa por um fio isolante
08. (UFSM-RS–2001) Uma esfera de isopor de um pêndulo
formando um pêndulo como na figura. Outra bolinha
elétrico é atraída por um copo carregado eletricamente.
metálica B, exatamente igual, encontra-se presa em
Afirma-se, então, que:
um suporte isolante, carregada com uma carga -8  C.
I. O corpo está carregado necessariamente com cargas
Fazendo-se oscilar a bolinha A, esta toca a bolinha B.
positivas.
Após o contato, as cargas nas bolinhas A e B serão,
II. A esfera pode estar neutra.
respectivamente:
III. A esfera está carregada necessariamente com cargas
negativas.

Está(ão) CORRETA(S):
-8 C
A B A) Apenas I. D) Apenas I e II.
+12 C
B) Apenas II. E) Apenas I e III.
C) Apenas III.
A) + 2 C e +2 C
B) +4 C e 0 C 09. (UEL–PR–2002) Na figura, está representado um

C) +8 C e -12 C eletroscópio de lâminas eletrizado. Um eletroscópio,


nessas condições, fica com suas lâminas móveis
D) +4 C e +4 C
separadas devido à repulsão eletrostática. Como é sabido,
o eletroscópio é um detetor de cargas. Ele é constituído
06. (UFMG) Duas esferas metálicas de mesmo raio possuem
por condutores de eletricidade, e uma parte desses
cargas Q1 = 10 µC e Q2 = -4 µC quando separadas.
condutores é envolvida por um isolante. O que ocorre
Colocando-as em contato e separando-as, suas novas
ao se aproximar da cabeça do eletroscópio eletrizado
cargas serão:
um bastão eletrizado de mesma carga que a desse
A) Q1 = 14 µC e Q2 = 14 µC
eletroscópio?
B) Q1 = 3 µC e Q2 = 3 µC
Cabeça
C) Q1 = 7 µC e Q2 = 7 µC
D) Q1 = 6 µC e Q2 = 0 µC
Isolante
E) Q1 = 0 µC e Q2 = -6 µC

07. (Fuvest-SP) Dispõe-se de uma placa metálica M e de Lâminas Móveis


uma esferinha metálica P, suspensa por um fio isolante,
inicialmente neutras e isoladas. Um feixe de luz violeta A) As lâminas do eletroscópio permanecerão como estão,
é lançado sobre a placa retirando partículas elementares pois o aparelho já se encontra eletrizado.
da mesma. B) As lâminas do eletroscópio se aproximarão, pois o
bastão eletrizado atrairá as cargas de sinal oposto.

33
Eletrização

C) As lâminas do eletroscópio se aproximarão, pois as o meio exterior, a carga final de C é de:


cargas do bastão eletrizado serão repelidas pelas A) 8 µC C) 4 µC E) Nula
cargas do aparelho.
B) 6 µC D) 3 µC
D) As lâminas do eletroscópio irão se separar mais, pois
as cargas distribuídas pela cabeça e lâminas vão se
13. (Vunesp-SP) De acordo com o modelo atômico atual, os
concentrar mais nestas últimas.
prótons e nêutrons não são mais considerados partículas
E) As lâminas do eletroscópio permanecerão como estão, elementares. Eles seriam formados de três partículas
pois as cargas do bastão eletrizado serão repelidas
ainda menores, os quarks. Admite-se a existência de 12
pelas cargas do aparelho.
quarks na natureza, mas só dois tipos formam os prótons
e nêutrons, o quark up(u), de carga elétrica positiva,
10. (UFMG–2001) Duas esferas metálicas idênticas –
igual a 2/3 do valor da carga do elétron, e o quark down
uma carregada com carga elétrica negativa e a outra
(d), de carga elétrica negativa, igual a 1/3 do valor da
eletricamente descarregada – estão montadas sobre
carga do elétron. A partir dessas informações, assinale
suportes isolantes. Na situação inicial, mostrada na
a alternativa que apresenta corretamente a composição
figura I, as esferas estão separadas uma da outra. Em
do próton e do nêutron.
seguida, as esferas são colocadas em contato, como se
(I) Próton
vê na figura II. As esferas são, então, afastadas uma da
outra, como mostrado na figura III. (II) Nêutron

Considerando-se as situações representadas nas figuras A) (I) d, d, d, (II) u, u, u


I e III, é CORRETO afirmar que: B) (I) d, d, u, (II) u, u, d
C) (I) d, u, u, (II) u, d, d
D) (I) u, u, u, (II) d, d, d
E) (I) d, d, d, (II) d, d, d

Física
I II III 14. (UFSCar-SP–2005) Considere dois corpos sólidos
envolvidos em processos de eletrização. Um dos fatores
A) Em I, as esferas se atraem e em III, elas se
repelem. que pode ser observado tanto na eletrização por contato
quanto na por indução é o fato de que, em ambas:
B) Em I, as esferas se repelem e, em III, elas se
atraem. A) Torna-se necessário manter um contato direto entre
os corpos.
C) Em I, não há força entre as esferas.
B) Deve-se ter um dos corpos ligado temporariamente
D) Em III, não há força entre as esferas.
a um aterramento.
C) Ao fim do processo de eletrização, os corpos adquirem
11. (Vunesp-SP) Em 1990, transcorreu o cinquentenário
cargas elétricas de sinais opostos.
da descoberta dos “chuveiros penetrantes” nos raios
cósmicos, uma contribuição da física brasileira que D) Um dos corpos deve, inicialmente, estar carregado
eletricamente.
alcançou repercussão internacional. [O Estado de São
Paulo, 21/10/90, p.30]. No estudo dos raios cósmicos, E) Para ocorrer, os corpos devem ser bons condutores

são observadas partículas chamadas “píons”. Considere elétricos.

um píon com carga elétrica +e se desintegrando (isto


é, se dividindo) em duas outras partículas: um “múon”,
15. (FCMSC-SP) A figura representa um eletroscópio de folhas
inicialmente descarregado.
com carga elétrica +e, e um “neutrino”. De acordo com
o princípio da conservação da carga, o “neutrino” deverá E
ter carga elétrica:
A) +e B) -e C) +2e D) -2e E) Nula S

Blindagem
12. (PUC-SP) Duas esferas A e B, metálicas e idênticas, estão metálica F

carregadas com cargas respectivamente iguais a 16 µC


e 4  µC. Uma terceira esfera C, metálica e idêntica às
A esfera E, o suporte S e as folhas F são metálicos.
anteriores, está inicialmente descarregada. Coloca-se C
Inicialmente, o eletroscópio está eletricamente
em contato com A. Em seguida, esse contato é desfeito
descarregado. Uma esfera metálica, positivamente
e a esfera C é colocada em contato com B.
carregada, é aproximada, sem encostar, da esfera do
Supondo-se que não haja troca de cargas elétricas com

34
Frente D Módulo 01
Prof. Moraes

eletroscópio. Em qual das seguintes alternativas melhor ++


+ ++ ---- E
se representa a configuração das folhas do eletroscópio +

(e suas cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto


de sua esfera?

L
+
A) + + D) -
+ + ++
+
+
- -
- -
- -
- - Ligando a esfera E à terra, por meio de um fio condutor,
observa-se que as lâminas L se fecham completamente
B) + E) porque:
– +
+ A) Cargas positivas de L sobem e neutralizam a esfera
+ – + E.
+ – +
+ – +
+ – + B) Cargas positivas de E descem e neutralizam L.
C) Cargas negativas de E escoam para a terra e cargas
C)
+ positivas sobem para E.
-
+ D) Cargas negativas da terra movem-se para o
+
+ eletroscópio, neutralizando as lâminas.
+
E) Cargas de E e de L escoam para a terra.

16. (Unb-DF) Na figura estão representados dois condutores


18. (UERJ–2000) Prótons e nêutrons são constituídos de
metálicos, descarregados, em contato entre si, suportados
partículas chamadas quarks: os quarks u e d. O próton
por barras isolantes. Aproxima-se deles um bastão isolante
é formado de 2 quarks do tipo u e 1 quark do tipo d,
carregado positivamente. Com o bastão ainda próximo dos
enquanto o nêutron é formado de 2 quarks do tipo d e 1
condutores, afasta-se um do outro. A representação correta
do tipo u.
das cargas presentes, agora, em cada condutor, bastante
Se a carga elétrica do próton é igual a 1 unidade de carga
afastados ente si e do bastão é:
e a do nêutron igual a zero, as cargas de u e d valem,
+ + respectivamente:
+
+ +
+
A) � e � C) –� e �

B) –� e –� D) � e –�
+ + - -
+ + + +
A) + + + + D) - - + + 19. (UFMG) Duas esferinhas metálicas, P e Q, suspensas por
+ + + + - - + +
fios isolantes e próximas uma da outra, se repelem.
Pode-se concluir, com certeza, que:
+ + - + A) Ambas têm cargas positivas.
- - - - +
+ + - + - +
B) - E) B) Ambas têm cargas negativas.
+ + - - - + - +
C) Uma tem carga positiva e a outra, negativa.
D) Uma tinha carga negativa e a outra, ao se aproximar
- - dela, adquiriu carga positiva por indução.
C) - - -
- - -
- - - - E) Ambas têm cargas de mesmo sinal, positivo ou
negativo.

20. (UFRRJ–2004) As afirmativas a seguir se referem aos


17. (UFMG) Um eletroscópio acha-se carregado, conforme a
processos de eletrização.
figura.
I. Na eletrização de um corpo neutro por indução, este
fica com carga elétrica diferente do indutor.
II. Na eletrização por atrito, os corpos ficam com cargas
elétricas de sinais iguais.
III. Na eletrização por contato, os corpos ficam com
cargas elétricas de sinais diferentes.

35
Eletrização

É CORRETO afirmar que: possível grudar o canudo em uma parede, mas o papel
A) Apenas a afirmativa I é verdadeira. toalha não.

B) As afirmativas II e III são verdadeiras. Assinale a alternativa que pode explicar corretamente o

C) As afirmativas I e III são verdadeiras. que o estudante observou.

D) Apenas a afirmativa II é verdadeira. A) Só o canudo se eletrizou, o papel toalha não se


eletriza.
E) Apenas a afirmativa III é verdadeira.
B) Ambos se eletrizam, mas as cargas geradas no papel
toalha escoam para o corpo do estudante.
21. (Cesgranrio-RJ) Um pedaço de cobre eletricamente
isolado contém 2.1022 elétrons livres, sendo a carga de C) Ambos se eletrizam, mas as cargas geradas no canudo
escoam para o corpo do estudante.
cada um igual a -1,6.10 -19
C. Para que o metal adquira
uma carga de 3,2.10  C, será preciso remover um em
-9 D) O canudo e o papel toalha se eletrizam positivamente,
cada quantos desses elétrons livres? e a parede tem carga negativa.
E) O canudo e o papel toalha se eletrizam negativamente,
22. (UFSM-RS–2001) Considere as seguintes afirmativas: e a parede tem carga negativa.
I. Um corpo não eletrizado possui um número de
prótons igual as número de elétrons.
II. Se um corpo não eletrizado perde elétrons, passa a Gabarito
estar positivamente eletrizado e, se ganha elétrons,
negativamente eletrizado. 01. C

III. Isolante ou dielétricos são objetos que não podem 02. E

ser eletrizados. 03. E

Está(ão) CORRETA(S): 04. E

Física
A) Apenas I e II. D) Apenas I e III. 05. A

B) Apenas II. E) I, II e III. 06. B

C) Apenas III. 07. A

08. B
23. (FGV-SP–2007) Em relação aos principais conceitos da 09. D
eletrostática, é correto afirmar que:
10. A
A) Um pêndulo eletrostático neutro é atraído tanto por
11. E
um corpo eletrizado negativamente como por um
12. B
corpo eletrizado positivamente, devido à indução.
13. C
B) No processo de eletrização por atrito de dois corpos
condutores, um fio terra pode ser conectado entre 14. D
esses dois corpos, permitindo a obtenção de cargas 15. C
mais elevadas.
16. D
C) Um corpo carregado eletricamente possui diferentes
17. D
quantidades de cargas positivas e negativas, de modo
18. D
que, aquele que nomeamos como positivamente
carregado, possui elétrons em excesso. 19. E

D) Os conceitos de campo elétrico e de potencial elétrico 20. A


são bastante semelhantes, visto que ambos envolvem 21. 1 em cada 1012 elétrons livres.
o conhecimento da intensidade, da direção e do
22. A
sentido de aplicação dos vetores de campo e de
23. A
potencial elétrico.
24. B
E) Quando dois corpos carregados eletricamente, mesmo
que de formatos distintos, se encostam, há uma
partilha de cargas elétricas de tal modo que ambos
fiquem com cargas de mesmo tipo e intensidade.

24. (UNIFESP–2005)Em uma atividade experimental de


eletrostática, um estudante verificou que, ao eletrizar por
atrito um canudo de refresco com um papel toalha, foi

36
Prof. Moraes

Física Módulo FRENTE

Força elétrica 02 D
exercícios (2) Sendo o sistema conservativo, a velocidade da carga
será nula, no ponto de coordenadas (0, -a).
(3) Se as duas cargas fixas fossem substituídas por
01. (UFMG) O arranjo de cargas puntiformes fixas nos vértices cargas negativas, o comportamento da carga -q não
de um quadrado que poderia ter força resultante nula seria alterado.
sobre uma das cargas é:
A) + + C) + E) 04. (Unimontes-MG–2005) A intensidade da força elétrica
entre duas cargas de mesmo módulo q está representada
+ no gráfico abaixo em função da distância d entre elas. O
valor de q em μC (1μC = 10−6 C) é:
B) + + D) +
F(103 N)
1,00
Dado: O valor da constante
+ + eletrostática é:
02. (PUCCampinas-SP) As cargas elétricas puntiformes Q1 e 0,75 1
K= = 9 x 109 Nm2/C2
4ε0
Q2, posicionadas em pontos fixos conforme o esquema a 0,50

seguir, mantêm, em equilíbrio, a carga elétrica puntiforme 0,25

q alinhada com as duas primeiras.


1,00 3,00 5,00 d (10-3 m)
4 cm 2 cm
A) 0,50 B) 0,25 C) 0,75 D) 1,00
Q1 Q2 q
05. (Fuvest-SP) Quatro cargas pontuais estão colocadas

De acordo com as indicações do esquema, o módulo da nos vértices de um quadrado. As duas cargas +Q e -Q
razão Q1/Q2 é igual a: têm mesmo valor absoluto e as outras duas, q1 e q2, são

A) 36 B) 9 C) 2 D) 3/2 E) 2/3 desconhecidas. A fim de determinar a natureza destas


cargas, coloca-se uma carga de prova positiva no centro

03. (UnB-DF) No sistema de cargas adiante representado, as do quadrado e verifica-se que a força sobre ela é F,

cargas +Q estão fixas, eqüidistantes da origem 0, mas a mostrada na figura. Podemos afirmar que:

carga -q pode mover-se livremente sobre o eixo y.


+Q q1
y

-q
Carga de
prova positiva
+Q +Q
0 X F q2
-Q
A) q1 > q2 > 0 D) q1 + q2 < 0
B) q2 > q1 > 0 E) q1 = q2 > 0
Supondo que a carga -q seja abandonada no ponto de C) q1 + q2 > 0
coordenadas (0, a), a partir do repouso, julgue os itens
adiante. 06. (UFMG–2006) Duas pequenas esferas isolantes - I e II -,
(0) A velocidade de -q será máxima na origem e, nesse eletricamente carregadas com cargas de sinais contrários,
ponto, a aceleração será nula. estão fixas nas posições representadas nesta figura:
(1) Depois de passar pela origem, a carga será freada
pela força resultante que atuará sobre ela.

37
Frente D Módulo 02

C) Q 3Q
+ –
P Q R S
I II D) Q 3Q

A carga da esfera I é positiva e seu módulo é maior que E) Q 3Q


o da esfera II.
Guilherme posiciona uma carga pontual positiva, de peso 10. (UFV-MG–2000) Um sistema é constituído por um corpo
desprezível, ao longo da linha que une essas duas esferas, de massa M, carregado positivamente com carga Q, e
de forma que ela fique em equilíbrio. por outro corpo de massa M, carregado negativamente
com carga Q. Em relação a este sistema pode-se dizer
Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar
que o ponto que melhor representa a posição de equilíbrio que:

da carga pontual, na situação descrita, é o: A) Sua carga total é -Q e sua massa total é 2M.

A) R B) P C) S D) Q B) Sua carga total é nula e sua massa total é nula.


C) Sua carga total é +2Q e sua massa total é 2M.
07. (UFMG) A figura apresenta cargas elétricas q1, q2 e q3 D) Sua carga total é +Q e sua massa total é nula.
fixas nos vértices de um quadrado. E) Sua carga total é nula e sua massa total é 2M.

q q3
11. (UFES) A força que as cargas +q e -q produzem sobre
uma carga positiva situada em P pode ser representada
pelo vetor:

q1 q2
D
-q
d A
C
As forças que a carga q exerce sobre as cargas q1, q2 e d P
q3 são iguais em módulo. Podemos concluir que: +q B
A) q1 = q3 > q2 D) q3 < q2 < q1
A) A C) C E) Nulo
B) q1 = q2 = q3 E) q1 = q3 < q2
B) B D) D
C) q3 > q2 > q1

12. (Unicamp-SP) Uma pequena esfera isolante de massa


08. (UEL-PR–2002) Considere a lei de Coulomb, relativa igual a 5.10-2 kg é carregada com uma carga positiva de
à força entre cargas elétricas em repouso, e a lei da 5.10-7 C está presa ao teto através de um fio de seda.
Gravitação de Newton, relativa à força entre massas. Em Uma segunda esfera com carga negativa de 5.10-7  C,
relação a essas duas leis, é CORRETO afirmar: movendo-se na direção vertical, é aproximada da
A) Na lei de Coulomb, as forças podem ser do tipo primeira. Considere k = 9.109 Nm2/C2.
atrativas ou repulsivas.
B) Na lei da Gravitação, as forças são sempre do tipo
repulsivas.
C) Na lei de Coulomb, as forças são sempre do tipo
q1= +5.10-7 C
atrativas.
D) Na lei da Gravitação, as forças podem ser do tipo
atrativas ou repulsivas.
movimento q2= -5.10-7 C
E) Na lei de Coulomb, as forças são sempre do tipo
repulsivas.
A) Calcule a força eletrostática entre as duas esferas
quando a distância entre os seus centros é de
09. (UFPE–2002) Duas partículas de mesma massa têm
0,5 m.
cargas Q e 3Q. Sabendo-se que a força gravitacional é
B) Para uma distância de 5.10-2 m entre os centros, o
desprezível em comparação com a força elétrica, indique
fio de seda se rompe. Determine a tração máxima
qual das figuras melhor representa as acelerações suportada pelo fio.
vetoriais das partículas.

Q 3Q 13. (PUC-RS–2001) Quatro pequenas cargas elétricas


A)
encontram-se fixas nos vértices de um quadrado,

B) Q 3Q conforme figura. Um elétron no centro desse quadrado


ficaria submetido, devido às quatro cargas, a uma força,

38
Prof. Moraes
Força elétrica

que está corretamente representada na alternativa: B) 0,43 µC D) 0,13 µC

+2Q +2Q
16. (UFMG–2001) Duas cargas elétricas idênticas estão fixas,
separadas por uma distância L. Em um certo instante,
uma das cargas é solta e fica livre para se mover.
Considerando essas informações, assinale a alternativa
+1Q +1Q cujo gráfico MELHOR representa o módulo da força
elétrica F, que atua sobre a carga que se move, em função
da distância d entre as cargas, a partir do instante em
A) D) que a carga é solta.

A) C)
B) E)

C)
B) D)
14. (UFV-MG–2003) Oito cargas positivas, +Q, são
uniformemente dispostas sobre uma circunferência de
raio R, como mostra a figura a seguir. Uma outra carga
positiva, +2Q, é colocada exatamente no centro C da
circunferência. A força elétrica resultante sobre esta 17. (UFRJ–2004) Uma pequena esfera carregada com uma
última carga é proporcional a: carga Q1 está em repouso, suspensa, por um fio ideal
isolante, a um suporte. Uma segunda esfera, de mesmas

Física
+
dimensões e massa que a primeira, carregada com uma
+ +
carga Q2, |Q2| > |Q1|, apoiada em uma haste isolante,

C está abaixo da primeira, estando seus centros na mesma


+
+ +
+
vertical, como ilustra a figura 1. Verifica-se, nesse caso,
que a tensão T1 no fio é maior que o módulo do peso da
+
+ +
+
esfera.
+
+

A) (8Q2)/R2 D) (16Q2)/R2
Fig.1 Fig.2
B) (10Q )/R2 2
E) Zero
Q1 Q2
C) (2Q )/R
2 2

Q2 Q1
15. (UFPE–2003) O gráfico a seguir mostra a intensidade da
força eletrostática entre duas esferas metálicas muito
pequenas, em função da distância entre os centros das A) Determine se as cargas Q1 e Q2 têm mesmo sinal ou
esferas. Se as esferas têm a mesma carga elétrica, qual sinais contrários. Justifique sua resposta.
o valor desta carga? B) Invertendo as posições das esferas, como mostra a
Dado: ko = 9.109 Nm2.C-2 figura 2, a tensão no fio passa a valer T2. Verifique
se T2 > T1, T2 = T1 ou T2 < T1. Justifique.
F(µ N)

40 18. (Unimontes-MG–2003) Um estudante verificou que,


colocando uma carga positiva q = 2,0.10-8 C no ponto
30 P da figura abaixo, atuava sobre ela uma força elétrica
F = 8,0.10-4 N, com direção horizontal e sentido da
20 esquerda para a direita.

10
++ P
+++ F
0 q
0 2,0 4,0 6,0 8,0 r(m) +++
A) 0,86 µC C) 0,26 µC E) 0,07 µC
Retirando-se, então, a carga q = 2,0.10-8 C, e colocando-

39
Frente D Módulo 02

se no mesmo ponto P uma outra carga positiva A


q1 = 3,0.10-8 C, é CORRETO afirmar que aparecerá sobre
ela uma força de:
A) 8,0.10-8 N C) 1,2.10-3 N
B) 2,4.10-3 N D) 8,0.10-4 N

B C
19. (Fuvest-SP–2004) Pequenas esferas, carregadas com
cargas elétricas negativas de mesmo módulo Q, estão A) Nula, pois encontra-se eqüidistante das cargas B e
dispostas sobre um anel isolante e circular, como indicado C.
na figura I. Nessa configuração, a intensidade da força B) Vertical para cima, somente se as cargas forem
elétrica que age sobre uma carga de prova negativa, positivas.
colocada no centro do anel (ponto P), é F1. Se forem C) Vertical para baixo, somente se as cargas forem
acrescentadas sobre o anel três outras cargas de mesmo negativas.
módulo Q, mas positivas, como na figura II, a intensidade D) Vertical para cima, qualquer que seja o sinal das
da força elétrica no ponto P passará a ser: cargas.
E) Vertical para baixo, qualquer que seja o sinal das
I II
– – cargas.
– – – –

θ θ θ θ 22. (Fuvest-SP) Uma esfera condutora A, de peso P, eletrizada


– – – –
P positivamente, é presa por um fio isolante que passa por
P
+ + uma roldana. A esfera A se aproxima, com velocidade
+ constante, de uma esfera B, idêntica à anterior mas
neutra e isolada. A esfera A toca em B e, em seguida, é
A) Zero D) F1
puxada para cima, com velocidade também constante.
B) (1/2)F1 E) 2F1
Quando A passa pelo ponto M a tração no fio é T1, na
C) (3/4)F1 descida e T2 na subida. Podemos afirmar que:

20. (Fuvest-SP–2006) Um pequeno objeto, com carga


elétrica positiva, é largado da parte superior de um plano
inclinado, no ponto A, e desliza, sem ser desviado, até
atingir o ponto P. Sobre o plano, estão fixados 4 pequenos A
discos com cargas elétricas de mesmo módulo. As figuras
M
representam os discos e os sinais das cargas, vendo-
se o plano de cima. Das configurações abaixo, a única B
compatível com a trajetória retilínea do objeto é:

A) T1 < T2 < P D) T2 < P < T1


B) T1 < P < T2 E) P < T1 < T2
C) T2 < T1 < P

23. (Fuvest-SP) Três pequenas esferas carregadas com carga


de mesmo módulo, sendo A positiva e B e C negativas,
A) B) C) D) E)
estão presas nos vértices de um triângulo equilátero.
No instante em que elas são soltas, simultaneamente,
21. (FMTM-MG–2004) Nos vértices do triângulo eqüilátero ABC
a direção e o sentido de suas acelerações serão melhor
da figura são fixadas três cargas elétricas puntiformes e
representados pelo esquema:
de mesmo sinal. A força elétrica resultante sobre a carga
A será:

40
Prof. Moraes
Força elétrica

A A suas respectivas cargas. As esferas A e B são metálicas e


A) D)
carregadas e a esfera C é de cortiça (material dielétrico)
e está descarregada.
(+Q) (+2Q)
I)
A B
C B B (-Q) (+2Q)
C II)
A A B
A (+Q)
B) E) III)
A C
(-Q) (-Q)
IV)
C B C B A B
C

A
C)
A(S) MELHOR(ES) representação(ões) para os vetores
forças está(ão) em:
A) I e II C) III e IV E) IV
C B B) I e III D) III
24. (Fuvest-SP) Duas cargas pontuais positivas, q1 e q2 = 4q1,
são fixadas a uma distância d uma da outra. Uma terceira 27. (Cesgranrio-RJ) Duas pequenas esferas condutoras, a e
carga negativa q3 é colocada no ponto P entre q1 e q2, a b, têm cargas de sinais contrários, sendo que a carga de
uma distância X da carga q1, conforme mostra a figura. a é três vezes maior que a carga de b. Qual das seguintes

Física
configurações representa as forças eletrostáticas
q1 q3 q2(= 4q1)
exercidas entre a e b?
P a b
X A)
a b
d B)
a b
A) Calcule o valor de X para que a força sobre a carga C)
q3 seja nula. a b
D)
B) Verifique se existe um valor de q3 para o qual tanto
a b
a carga q1 como a q2 permaneçam em equilíbrio, E)
sem necessidade de nenhuma outra força além das
eletrostáticas entre as cargas. Caso exista, calcule
este valor de q3; caso não exista, escreva “não existe” 28. (Mapofei-SP) Duas esferas condutoras idênticas, muito
e justifique. pequenas, de mesma massa m = 0,30 g, encontram-se
no vácuo, suspensas por meio de dois fios leves, isolantes,
25. (UFU-MG–1999) Duas cargas puntuais, Q e q, separadas de mesmo comprimento L = 1,00 m, presos a um mesmo
por uma distância d e situadas no vácuo, se repelem. A ponto de suspensão 0. Estando as esferas separadas,
tabela, abaixo, mostra o valor da força elétrica em função eletriza-se uma delas com carga Q, mantendo-se a outra
do inverso do quadrado da distância entre as cargas. neutra. Em seguida, elas são colocadas em contato e
depois abandonadas, verificando-se que, na posição
F (N) 9000 9000/4 1000 9000/16 9000/25 9000/36 de equilíbrio, a distância que as separa é d = 1,20 m.
(1/d2) (m-2) 104 104/4 104/9 104/16 104/25 104/36 Considere Q > 0.

Dados: Q = 1,0.10-4 C e ko = 9,0.109 N.m2/C2. 0

A) Determine a carga q.
L = 1,00 m.
g
B) Supondo Q (fixa) e q abandonada, a partir do repouso,
na posição d  =  0,01  m, determine sua energia
cinética, ao passar pela posição d = 0,02 m.

26. (UFRN) Em cada uma das quatro figuras abaixo, estão d = 1,20

representadas as forças entre pequenas esferas com


A) Determine o valor de Q.

41
Frente D Módulo 02

B) Determine o valor da carga q que deve ser colocada sobre uma mesa isolante, conforme mostrado na
no ponto 0 a fim de que sejam nulas as forças de figura. Um pequeno corpo C, eletrizado com uma carga
tensão nos fios. também positiva + q, é abandonado sobre a mesa, nas
Adote k0 = 9.109 N.m2/C2 proximidades de + Q. Em virtude da repulsão elétrica
entre as cargas, o corpo C se desloca em linha reta sobre
29. (UFMG–2003) Aproximando-se um pente de um a mesa. Considere que a força resultante que atua sobre
pedacinho de papel, observa-se que não há força entre C é devida apenas à carga Q. Sendo a sua aceleração e

eles. No entanto, ao se passar o pente no cabelo, e em v sua velocidade, pode-se afirmar que, enquanto C se

seguida, aproximá-lo do pedacinho de papel, este será desloca:

atraído pelo pente. a) |a| diminui e |v| diminui.

Sejam F(pente) e F(papel) os módulos das forças b) |a| diminui e |v| aumenta.

eletrostáticas que atuam, respectivamente, sobre o pente c) |a| aumenta e |v|diminui.


e sobre o papel. d) |a| aumenta e |v| não varia.
Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que e) |a| não varia |v| aumenta.
A) O pente e o papel têm cargas de sinais opostos e
F(pente) = F(papel).
B) O pente e o papel têm cargas de sinais opostos e Gabarito
F(pente) > F(papel).
C) O pente está eletricamente carregado, o papel está 01. C

eletricamente neutro e F(pente) = F(papel). 02. B


D) O pente está eletricamente carregado, o papel está 03. Itens corretos: 0, 1 e 2
eletricamente neutro e F(pente) > F(papel).
Item incorreto: 3

04. A
30. (Cesgranrio-RJ) A figura a seguir mostra três esferas
05. D
iguais: A e B, fixas sobre um plano horizontal e carregadas
eletricamente com qA = -12 µC e qB = +7 µC, e C, que 06. C

pode deslizar sem atrito sobre o plano, carregada com 07. E


qC = +2 µC (1 µC = 10  C).
-6
08. A

09. C

10. E

11. D
Não há troca de carga elétrica entre as esferas e o 12. A) F = 9.10-3 N
plano.
B) T = 1,4 N
Estando solta, a esfera C dirige-se de encontro à esfera 13. C
A, com a qual interage eletricamente, retornando de
14. E
encontro a B, e assim por diante, até que o sistema atinge
15. D
o equilíbrio, com as esferas não mais se tocando.
16. C
Nesse momento, as cargas A, B e C, em µC, serão,
respectivamente: 17. A) Sinais contrários.

B) T1 = T2
A) -1, -1 e -1
18. C
B) -2, -1/2 e -1/2
19. E
C) +2, -1 e +2
20. E
D) -3, zero e +3
21. D
E) -3/2, zero e -3/2
22. D

31. (UFMG) Observe a figura: 23. C

24. A) x = d/3
Q q B) q3 =-(4/9)q1
+ + V 25. A) q = 10-6 C
c
Uma carga elétrica puntual + Q encontra-se fixada B) K = 45 J

42
Prof. Moraes
Força elétrica

26. D

27. E

28. A) 1,2.10-6 C

B) -6,94.10-7 C
29. C
30. B

31. B

Física

43
Física Módulo FRENTE

Campo elétrico 03 D
Exercícios III. O campo elétrico criado por uma das cargas modifica
o campo elétrico criado pela outra.

Com relação a essas afirmativas, conclui-se que:


01. (UFMG) Um bastão de vidro M, eletrizado positivamente, A) Apenas a I é correta.
é colocado nas proximidades de uma pequena esfera
B) Apenas a II é correta.
metálica P, não eletrizada, suspensa por um fio leve de
C) Apenas a III é correta.
material isolante. Observa-se que P é atraída por M.
Considere as afirmativas seguintes: D) Apenas a I e a II são corretas.
E) Apenas a II e a III são corretas.

03. (UFU-MG–2004) Duas cargas positivas iguais, de módulo


q, são colocadas nos vértices de um quadrado de lado L,
M P como mostra a figura a seguir.
+
++
++ +q Q
++
++
++
++ L
++
++
++
++
P L +q
I. Em virtude da indução eletrostática, na região de P
mais próxima de M aparecerá carga negativa. Uma outra carga, de módulo e sinal desconhecidos, é
II. A carga positiva e a carga negativa induzidas em P colocada no ponto Q(veja figura). Deseja-se que qualquer
têm o mesmo valor absoluto. outra carga a ser colocada no ponto P permaneça sempre
III. A esfera P é atraída por M porque o campo criado em repouso.
pela carga de M não é uniforme Com base nessas informações, assinale a alternativa que
Pode-se concluir que: corresponde ao sinal e módulo da carga que deve ser
colocada no ponto Q.
A) Apenas a afirmativa I é correta.
A) Negativa, de módulo 2q¹2
B) Apenas a afirmativa II é correta.
B) Positiva, de módulo 2q¹2
C) Apenas as afirmativas I e II são corretas.
C) Negativa, de módulo 2q
D) As afirmativas I, II e III são corretas.
D) Positiva, de módulo 2q
E) Apenas as afirmativas II e III são corretas.

02. (UFF-RJ–2001) Estão representadas, a seguir, as linhas


04. (Fuvest-SP–2005) Três grandes placas P1, P2 e P3, com,
respectivamente, cargas +Q, –Q e +2Q, geram campos
de força do campo elétrico criado por um dipolo.
elétricos uniformes em certas regiões do espaço. As
figuras abaixo mostram, cada uma, intensidade, direção
e sentido dos campos criados pelas respectivas placas
P1, P2 e P3, quando vistas de perfil.

Considerando-se o dipolo, afirma-se:


I. A representação das linhas de campo elétrico resulta
da superposição dos campos criados pelas cargas
puntiformes.
Colocando-se as placas próximas, separadas pela
II. O dipolo é composto por duas cargas de mesma
intensidade e sinais contrários. distância D indicada, o campo elétrico resultante, gerado

44
Frente D Módulo 03
Prof. Moraes

pelas três placas em conjunto, é representado por: O campo elétrico entre duas placas carregadas com
cargas iguais, mas de sinais contrários, é uniforme.
2E0 3E0
A)
A respeito da força elétrica que atua sobre uma carga
P1 P2 P3 +q, colocada entre as referidas placas, pode-se afirmar
que:
E0 E0 2E0 2E0
B) A) Aumenta à medida que a carga +q se distância de
+q à placa negativa.
P1 P2 P3
B) É inversamente proporcional à distância de +q à placa
E0 2E0 3E0 2E0 negativa.
C) C) É inversamente proporcional à distância de +q à placa
P1 P2 P3 positiva.

D) 2E0 2E0 D) É nula, qualquer que seja a posição de +q entre as


placas.

P1 P2 P3 E) Tem o mesmo valor, qualquer que seja a posição de


+q entre as placas.
2E0 2E0 2E0
E)
07. (UFRS) A figura representa as linhas de força do campo
P1 P2 P3 elétrico que existe em certa região do espaço. Sobre
uma carga de prova positiva colocada em P, agirá uma
D D
força:
Nota: onde não há indicação, o campo elétrico é nulo.
A
X
05. (UFV-MG–2004) Duas cargas, de sinais opostos e de B P C
X X X
mesmo módulo, estão dispostas próximas uma da outra,
D
conforme representado na figura a seguir. X

O par de vetores que representa o campo elétrico


resultante nos pontos 1 e 2 é: A) Dirigida para A. D) Dirigida para D.
B) Dirigida para B. E) Nula.
d d
C) Dirigida para C.
}
}

– +

1
08. (UFSCar-SP) Na figura está representada uma linha de
força de um campo elétrico, um ponto P e os vetores A,
2 B, C, D e E.

A) 1 C) C) 1 E) 1
A) B) D) E)
1 1 1 1 1
2 2 2 A
E
B) 2 2
1 D) 1 2 2 2

2 2 P
D B

06. (UFMG) Observe a figura.


C
+Q -Q
Se uma partícula de carga elétrica positiva, suficientemente
pequena para não alterar a configuração desse campo
+
elétrico, for colocada nesse ponto P, ela sofre a ação de
uma força F, melhor representada pelo vetor:
+ A) A B) B C) C D) D E) E
+q

+
09. (UFMG–2000) A figura mostra duas esferas carregadas
com cargas de mesmo módulo e de sinais contrários,
mantidas fixas em pontos eqüidistantes do ponto O.
+

45
Campo elétrico

Y de elétrons.
D) Um excesso de 2.1010 prótons em relação ao número
P O Q de elétrons.
+ – E) Igual número de elétrons e prótons.

X 12. (UFMG) Na figura, um elétron desloca-se na direção x,


com velocidade inicial v0. Entre os pontos x1 e x2, existe
Considerando essa situação, é CORRETO afirmar que o
um campo elétrico uniforme, cujas linhas de força também
campo elétrico produzido pelas duas cargas:
estão representadas na figura. Despreze o peso do elétron
A) Não pode ser nulo em nenhum dos pontos
nessa situação. Considerando a situação descrita, assinale
marcados.
a alternativa cujo gráfico melhor descreve o módulo da
B) Pode ser nulo em todos os pontos da linha XY.
velocidade do elétron em função de sua posição x.
C) Pode ser nulo nos pontos P e Q.
vO
D) Pode ser nulo somente no ponto O. -
P
x
10. (PUC-RS) Duas cargas pontuais, cujas quantidades de 0 x1 x2

carga são iguais em módulo e sinal, estão colocadas no v


A) C) v
vácuo. A figura representa as linhas de força do campo v0
v0
elétrico produzido pela interação dessas duas cargas.
0 0
0 x1 x2 x
0 x1 x2 x

B) v D)
v
v0
Q Q v0
+ +

Física
3 0 0
0 x1 x2 x 0 x1 x2 x
p
1 2

4
5 13. (FEI-SP) Quanto à representação das linhas de força da
figura a seguir, podemos afirmar que:
No ponto P, eqüidistante de ambas as cargas, o vetor-
campo-elétrico E será mais bem representado pelo
segmento:
A) 1 B) 2 C) 3 D) 4 E) 5
q1 q2

11. (Mackenzie-SP) O módulo do vetor campo elétrico


(E) gerado por uma esfera metálica de dimensões
desprezíveis, eletrizada positivamente, no vácuo
(k = 9.109 N.m2/C2), varia com a distância ao seu centro A) q1 é positivo; q2 é negativo e |q1| < |q2|
(d), segundo o diagrama dado. Sendo e  =  1,6.10-19  C B) q2 é positivo; q1 é negativo e |q2| > |q1|
(módulo da carga do elétron ou do próton) a carga
C) q2 é negativo; q1 é positivo e |q1| > |q2|
elementar, podemos afirmar que essa esfera possui:
D) q2 é negativo; q1 é positivo e |q2| = |q1|
E(104 V/m)
E) q2 é positivo; q1 é negativo e |q2| < |q1|

28,8 14. (FURG–RS) A figura mostra as linhas de força do campo


elétrico:

A B C
3,2
d(10 m)
-2

0 1,0 3,0

A) Um excesso de 1.1010 elétrons em relação ao número


de prótons.
B) Um excesso de 2.1010 elétrons em relação ao número
de prótons. As afirmativas referem-se a essa figura:
I. A intensidade do campo elétrico E na região A é maior
C) Um excesso de 1.1010 prótons em relação ao número

46
Frente D Módulo 03
Prof. Moraes

do que na região C. ++++++++++++++++++++

II. Uma carga negativa colocada nas regiões A ou C sofre


v0
uma força para a esquerda. q 1.8 m

III. Uma carga positiva colocada nas regiões A ou C sofre


uma força para a direita.
Com base neste experimento, é correto afirmar que a
Está(ão) correta(s):
carga dessa partícula vale:
A) I
A) -1,62.10-19 C C) -1,0.10-23 C
B) I e a II
B) +8,1.10-18 C D) +9,0.10-38 C
C) I e a III
D) II e a III 18. (UFF-RJ) Três cargas elétricas puntuais, de módulos
E) I, II E III q e sinais conforme indicados na figura, formam um
triângulo equilátero MNP. Assinale a alternativa que
15. (UFV-MG–2001) A figura representa a configuração melhor representa as direções e sentidos dos vetores:
de linhas de campo elétrico produzida por três cargas força elétrica que atua na carga situada no ponto M e
puntuais, todas com o mesmo módulo Q. Os sinais das campo elétrico existente nesse mesmo ponto.
cargas A, B e C são, respectivamente: M
(-)

A B C
A) Negativo, positivo e negativo. (+) (-)
N P
B) Positivo, negativo e positivo.
Força elétrica Campo elétrico
C) Positivo, positivo e positivo.
D) Negativo, negativo e negativo. A)

E) Negativo, negativo e positivo. B)

16. (PUC-SP) O esquema representa um pêndulo cuja esfera C)


de peso P encontra-se carregada com uma quantidade
de carga positiva q. No caso (1) o pêndulo está situado D)
num campo elétrico uniforme vertical, dirigido para baixo
e de intensidade E. No caso (2) o sentido do campo é E)

invertido, sendo conservada sua intensidade. A diferença


T1 – T2 entre as intensidades das forças de tração no fio
19. (UFV-MG) A figura a seguir representa duas cargas
nos casos (1) e (2) vale:
puntiformes, de mesmo módulo e sinais opostos, e um
ponto P localizado na bissetriz do segmento que liga as
E E cargas.
T1 T2
P
(2)
Bissetriz

A) Zero C) qE E) 2P – qE
B) 2P D) 2qE
+ -
17. (UFU-MG–2004) Num experimento com uma partícula Q -Q
muito pequena, mas de massa conhecida de 9.10-31 Kg,
verificou-se que, ao arremessar esta partícula numa
A alternativa que representa o vetor campo elétrico
região de um campo elétrico de módulo 10-3  N/C, ela
resultante no ponto P é:
descreveu uma trajetória parabólica, conforme figura
abaixo. A partícula, ao entrar perpendicularmente ao
A) C) E) Vetor nulo
campo, no centro médio das duas placas, com uma
velocidade inicial v0, demora 10-4 s para atingir uma das B) D)
placas laterais.

47
Campo elétrico

20. (FCMMG–2000) Duas cargas elétricas M e N, iguais em 23. (UFF-RJ–2000) Duas partículas de massas iguais e cargas,
módulo, estão eqüidistantes de um ponto P, como na respectivamente, 2q e –q estão em repouso e separadas
figura: por uma distância 4x, conforme a figura.
M
P

O módulo do campo elétrico no ponto P, devido à presença


das duas cargas, é:
A) Menor, se as cargas forem positivas. Desprezando-se a ação do campo gravitacional, as
B) Maior, se as cargas forem de sinais contrários. partículas, após serem abandonadas, vãose encontrar em:

C) Maior, se as cargas forem negativas. A) 0 B) x C) 2x D) 3x E) 4x

D) Independente do sinal das cargas.


24. (UFOP-MG–2002) Considere a configuração de cargas

21. (UFV-MG–2005) A figura a seguir ilustra uma partícula elétricas pontuais representada nesta figura:

com carga elétrica positiva (Q), inicialmente mantida 2Q – Q P


em repouso no ponto B, presa a uma linha isolante R R

inextensível. Esse conjunto se encontra numa região Sendo k0 a constante da lei de Coulomb, o módulo do
onde há um campo elétrico uniforme representado pelo campo elétrico resultante criado pelas cargas elétricas
vetor E. 2Q e -Q no ponto P é igual a:
B A) Zero C) k0Q/R2
A Q
B) k0Q/2R2 D) 3k0Q/2R2
E

Física
C
Arco de círculo
25. (Fuvest-SP–2001) Duas pequenas esferas, com cargas
elétricas iguais, ligadas por uma barra isolante, são
D
inicialmente colocadas como descrito na situação I. Em
Supondo que, após a partícula ser abandonada, as únicas seguida, aproxima-se uma das esferas de P, reduzindo-se
forças que atuam sobre ela são a força elétrica e a tensão à metade sua distância até esse ponto, ao mesmo tempo
na linha, é CORRETO afirmar que a partícula: em que se duplica a distância entre a outra esfera e P,
A) Se moverá ciclicamente entre os pontos B e D, como na situação II. O campo elétrico em P, no plano
percorrendo a trajetória pontilhada da figura. que contém o centro das duas esferas, possui, nas duas

B) Se moverá do ponto B para o ponto C, percorrendo situações indicadas:


a trajetória pontilhada, e então permanecerá em
P P
repouso no ponto C.
C) Se moverá do ponto B para o ponto D, percorrendo
a trajetória pontilhada, e então permanecerá em
repouso no ponto D.
D) Se moverá em linha reta do ponto B para o ponto A
e então permanecerá em repouso no ponto A.
E) Permanecerá em repouso no ponto B. Situação I Situação I

A) Mesma direção e intensidade.


22. (UFES–2004) A massa da partícula alfa é quatro vezes
B) Direções diferentes e mesma intensidade.
a massa do próton, e sua carga é o dobro da carga do
próton. Considere-se que uma partícula alfa e um próton C) Mesma direção e maior intensidade em I.
são submetidos à influência de um mesmo campo elétrico D) Direções diferentes e maior intensidade em I.
externo. Os módulos das acelerações causadas pelo
E) Direções diferentes e maior intensidade em II.
campo elétrico externo na partícula alfa e no próton são,
respectivamente, aα e ap. A relação que essas acelerações
satisfazem é: 26. (Unicamp-SP) Considere uma esfera de massa m e carga q

A) ap = aα/4 D) ap = 2aα pendurada no teto e sob a ação da gravidade e do campo


elétrico E como indicado na figura a seguir.
B) ap = aα/2 E) ap = 4aα
C) ap = aα

48
Frente D Módulo 03
Prof. Moraes

B) A carga em (A) da figura (II).


θ

30. (Unificado-RJ–2002) Quatro cargas elétricas pontuais,


E m,q de mesmo módulo q, estão situadas nos vérticesde um
quadrado, como mostra a figura.

A) Qual é o sinal da carga q? Justifique sua resposta. 1 2

B) Qual é o valor do ângulo q no equilíbrio?

27. (UFG-GO) Um elétron penetra numa região entre duas


P E
placas, onde existe um campo elétrico uniforme dentro
da região mostrada na figura. Qual deve ser a intensidade
do vetor-campo-elétrico para que o elétron atinja a placa
no ponto P? Despreze a força gravitacional.
3 4

d A) Quais devem ser os sinais para que, no centro do


V0 E
quadrado, o vetor campo elétrico resultante E tenha
e, m o sentido indicado na figura?
d
P Carga 1 Carga 2 Carga 3 Carga 4

x A) + + + +
B) + + – –
28. (Fuvest-SP) O campo elétrico de uma carga puntiforme C) + – + –
em repouso tem, nos pontos A e B, as direções e sentidos D) – – + +
indicados pelas flechas na figura a seguir. O módulo do E) – – – –
campo elétrico no ponto B vale 24 V/m. O módulo do
B) A carga que colocada no ponto P médio do lado do
campo elétrico no ponto P da figura vale, em volt por
quadrado produziria, nesse ponto, o mesmo campo
metro: E é:
A) -2q C) ¹2q E) +4q

A B) ¹2q D) +2q

B 31. (PUC–2000) Três cargas puntiformes +Q, -Q e +Q estão


fixas nos vértices A, B e C de um quadrado, conforme a
figura.
P +Q -Q
A B

A) 3 C) 3¹2 E) 12
B) 4 D) 6

29. (Unicamp-SP) Considere as cargas puntiformes colocadas


nos vértices do quadrado (Figura I) e nos vértices do
+Q
triângulo eqüilátero (Figura II). Desenhe o campo elétrico D C

resultante (direção, sentido e o valor do ângulo com a Abandonando uma quarta carga +Q no vértice D, ela:
reta AB) para:
A) Se desloca na direção DC, afastando-se de Q.
C D C B) Se desloca na direção DA, aproximando-se de Q.
+q -q -q
C) Permanece em equilíbrio.
D) Se desloca na direção DB, afastando-se de -Q.
E) Se desloca na direção DB, aproximando-se de -Q.

-q +q +q +q
B A B A 32. (UFPR) Na figura estão representadas duas placas
Figura I Figura 2 metálicas muito grandes e paralelas, carregadas
eletricamente com densidade de carga de módulos
A) A carga em (A) da figura (I).
iguais. No centro das placas existem pequenos orifícios,

49
Campo elétrico

M e N, através dos quais é lançado um elétron (e) em carrega por atrito. Considere que uma dessas gotas
trajetória retilínea (x) com velocidade escalar (v). Dentre negativamente carregada tenha ficado em repouso entre
os gráficos seguintes, o que melhor representa o módulo as placas, como mostra a figura.
de (v) em função da distância (d) percorrida pelo elétron, Suponha que o módulo do campo elétrico entre as placas
medida a partir de O, é: seja igual a 2,0.104  V/m e que a massa da gota seja
6,4.10-15 kg. Considere desprezível o empuxo exercido
e M N x pelo ar sobre a gota e g = 10 m/s2.
0

v v
A) D) Placas

M N d M N d
A) Determine a direção e o sentido do campo elétrico E
v existente entre as placas.

B) E) B) Sabendo que o módulo da carga q do elétron vale


1,6.10-19 C, calcule quantos elétrons em excesso essa
M N d M N d
gota possui.
v
C) 35. (Mackenzie-SP) Na figura, um elétron de carga ­e e
massa m, é lançado com velocidade inicial v, no campo
M N d
elétrico uniforme entre as placas planas e paralelas, de
comprimento L e separadas pela distância d. O elétron
33.

Física
(UnB-DF) Em certa região do espaço existe um campo
entra no campo, perpendicularmente às linhas de força,
elétrico unidirecional, cuja intensidade é dada pelo gráfico
num ponto eqüidistante das placas. Desprezando as
abaixo como função do tempo. Considere uma carga
ações gravitacionais e sabendo que o elétron tangencia
pontual colocada no centro da região, em repouso, no
a placa superior (ponto A) ao emergir do campo, então
instante t = 0. É CERTO que:
a intensidade deste campo elétrico é:
E
A
E0 +++++++++++++

t d v
0
t 2t 3t
-E0 -------------------

L
I. Entre 0 e t a carga sofrerá uma aceleração
A) E = eL2/mdv2 D) E = mdv2/eL2
constante.
B) E = eL/mdv E) E = mdv2/2eL2
II. A velocidade da carga entre os instantes t e 2t estará
C) E = mdv/eL
decrescendo.
III. Entre os instantes 2t e 3t, a carga estará em
36. (Cesgranrio-RJ) O conjunto das quatro cargas pontuais
repouso.
representadas na figura produz, em P, um vetorcampo-
IV. Se a quantidade de carga for dobrada, a força sobre
elétrico nulo. Retirando-se a carga positiva (2), o vetor-
a carga será dobrada.
campo em P será representado como em:
V. Independentemente do seu sinal, a carga estará
acelerada no trecho 0 e t e estará desacelerada no
trecho t a 2t.

34. (UFRJ) Robert Millikan verificou experimentalmente que a


carga elétrica que um corpo adquire é sempre um múltiplo
inteiro da carga do elétron. Seu experimento consistiu
em pulverizar óleo entre duas placas planas, paralelas
e horizontais, entre as quais havia um campo elétrico
uniforme. A maioria das gotas de óleo pulverizadas se

50
Frente D Módulo 03
Prof. Moraes

Após emergir desta região, o elétron atingirá uma tela


(1) (2) vertical situada à distância de 0,40 m das placas.
P
(4) Dados: massa do elétron = 9,1.10-31 kg
(3)
carga do elétron = 1,6.10-19 C
A) D) Considerando desprezíveis o campo elétrico na região
(1) (1)
externa às placas e a ação gravitacional, calcule:
(4) (3) (4) (3)
A) O módulo da força elétrica que atua no elétron entre
B) E) (1) (Vetor-campo nulo) as placas, representando, na figura II a seguir, sua
(1) P
(4) (3) direção e sentido.
(4) (3)
B) O tempo que o elétron leva para emergir da região
C)
entre as placas.
(1)
C) O deslocamento vertical que o elétron sofre ao
(4) (3) percorrer sua trajetória na região entre as placas.
D) As componentes horizontal e vertical da velocidade
do elétron, no instante em que ele emerge da região
37. (Mackenzie-SP) Considere uma região do espaço com
entre as placas.
campo gravitacional uniforme de 10 N.kg de intensidade -1

e com campo elétrico uniforme vertical descendente, de E) O deslocamento vertical que o elétron sofre no seu
percurso desde o ponto O até atingir a tela.
20 kN.C de intensidade. Uma partícula, de 6 g de massa
-1

e -3 µC de carga, é lançada no ponto P dessa região com


39. (UFV-MG) Um pêndulo simples, cuja extremidade inferior
velocidade horizontal para a direita. A curva que melhor
é composta por um corpo de massa “m” e carga elétrica
representa a trajetória da partícula é:
positiva “q”, está imerso em um campo elétrico uniforme de
A) D) hélice
intensidade “E”, conforme a ilustração a seguir. Considere
P Reta
como “g” o módulo da aceleração da gravidade local.
P

B) E) hélice E
Parábola P
P
θ

C)
P A) Represente, em uma figura, todas as forças que
Parábola atuam sobre o corpo de massa “m”.
B) Expresse, em termos das grandezas “m”, “q”, “E” e
“g”, o ângulo θ correspondente à situação de equilíbrio
38. (UFF-RJ–2000) A figura representa duas placas metálicas acima.
paralelas de largura L = 1,0.10-2 m, entre as quais é criado
um campo elétrico uniforme, vertical, perpendicular às 40. (UFRJ) Entre duas placas planas, condutoras e paralelas,
placas, dirigido para baixo e de módulo E = 1,0.104 V/m. carregadas com cargas de módulos iguais mas de sinais
Tela contrários, há um campo elétrico uniforme. Um próton
L 0,40m e uma partícula a penetram na região entre as placas,
Figura 1
eqüidistantes delas, com a mesma velocidade v0 paralela
V
às placas, como mostram as figuras a seguir.

Figura 2

Lembre-se de que a partícula α é o núcleo do átomo


Um elétron incide no ponto O, com velocidade horizontal
de hélio (He), constituída, portanto, por 2 prótons e 2
v = 1,0.107 m/s, percorrendo a região entre as placas.

51
Campo elétrico

nêutrons. 05. E

Despreze os efeitos de borda. 06. E

A) Calcule a razão entre os módulos das acelerações 07. B


adquiridas pelo próton e pela partícula α. 08. A
B) Calcule a razão entre os intervalos de tempo gastos 09. A
pelo próton e pela partícula α até colidirem com a
09. A
placa negativa.
10. D

41. (UFRJ–2002) Um aluno deseja carregar duas placas A e 11. D


B por indução. Utilizando cabos isolantes, o aluno junta 12. A
as duas placas e as coloca entre duas outras placas 13. B
grandes, paralelas, C e D, ligadas a uma bateria, como
14. D
ilustra a Figura 1. Ainda entre as duas placas C e D, ele
15. B
separa as placas A e B (Figura 2) e em seguida as retira
16. D
daquela região (Figura 3).
17. A

A B A B 18. D
A B
19. D
C D C D 20. C

21. A
Figura 1 Figura 2 Figura 3
22. D
A) Indique os sinais das cargas das placas A e B no 23. C
estado final.

Física
24. B
B) Compare os módulos dessas cargas entre si, indicando
25. B
se o módulo da carga de A é maior, igual ou menor
26. A) O esquema abaixo mostra as forças atuantes na
do que o módulo da carga de B.
esfera:
Justifique suas respostas.
T T = tração aplicada pelo fio
P = peso aplicado pela Terra
42. (UFV-MG) Um filete de água pura cai verticalmente de Fe = Força elétrica devida ao campo
Fe
uma torneira. Um bastão de vidro carregado com uma elétrico E. O sinal da carga é negativo,
carga líquida negativa é aproximado da água. Nota-se pois, devido à geometria do sistema,
conclui-se que a força elétrica tem
que o filete encurva-se ao encontro do bastão. Isto se P
sentido oposto ao do campo
deve ao fato de:
B) θ = arctg ((|q|.E)/mg) (SI)
A) O bastão produzir um acúmulo de carga líquida
27. E = 2mv02/qx2
positiva no filete de água.
28. D
B) O filete de água pura possuir necessariamente uma
carga líquida positiva. 29. A) Observe a figura:
C D
C) O filete de água pura possuir uma carga líquida
negativa. E ED
C 45º
D) Os momentos de dipolo das moléculas da água B EB A EC
E
se orientarem no campo elétrico produzido pelo EC
bastão. 60º
B A EB
E) Ser significativa a atração gravitacional entre o bastão
e o filete de água. B)

Gabarito 12
0 °

01. C
30. A) C
02. D
B) C
03. A
31. D
04. E

52
Frente D Módulo 03
Prof. Moraes

32. D

33. Todas corretas.

34. A) De cima para baixo.

B) 20 elétrons.

35. D

36. D

37. A

38. A) F = 1,6.10–15 N vertical e dirigida para cima.

B) 1,0.10–9 s

C) 8,8.10–4 m

D) VA = 1,0.107 m/s

Vy = 1,8.106 m/s

E) 7,2.10–2 m

39. A) Observe a figura abaixo:


T

Fel

B) θ= arctg (qE/mg)

40. A) 2

B) ¹2/2

41. A) A: positiva/ B: negativa.

B) Iguais

42. D

53