Você está na página 1de 8
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

APELAÇÃO CÍVEL Nº 328942/PE (2001.83.00.021535-5) APTE : EDNA MARIA PIMENTEL DE ABREU ADV/PROC : LEÔNIDAS SIQUEIRA DE ANDRADE APDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : FERNANDO LUIZ DE NEGREIROS E OUTROS ORIGEM: 7ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ESPECIALIZADA EM QUESTÕES AGRÁRIAS) RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS - Segunda Turma

RELATÓRIO

O Excelentíssimo Senhor Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS (Relator):

Trata-se de apelação de sentença que julgou improcedente o pleito autoral, em que a parte autora pleiteava a revisão do contrato de mútuo, o cancelamento do protesto junto ao SERASA, bem como o pagamento de danos morais.

Nas razões de seu apelo, a parte autora sustenta a responsabilidade objetiva, de modo que é devida a indenização por danos morais. Requer ainda a condenação no percentual de 1% sobre o valor da indenização, a título de multa por litigância de má-fé, bem como pagamento de 20% sobre o valor da indenização a título de indenização pela má-fé.

É o relatório.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

APELAÇÃO CÍVEL Nº 328942/PE (2001.83.00.021535-5) APTE : EDNA MARIA PIMENTEL DE ABREU ADV/PROC : LEÔNIDAS SIQUEIRA DE ANDRADE APDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : FERNANDO LUIZ DE NEGREIROS E OUTROS ORIGEM: 7ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ESPECIALIZADA EM QUESTÕES AGRÁRIAS) RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS - Segunda Turma

VOTO

O Excelentíssimo Senhor Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS (Relator):

Trata-se de apelação de sentença que julgou improcedente o pleito autoral, em que a parte autora pleiteava a revisão do contrato de mútuo, o cancelamento do protesto junto ao SERASA, bem como o pagamento de danos morais.

De início, tenho que tanto a CAIXA quanto o Município de Belo Jardim têm responsabilidade no que se refere aos descontos em consignação realizados nos proventos de seus servidores/pensionistas, visto que a consignatária (CAIXA) informa os débitos, e o Município de Belo Jardim faz o controle dos descontos que são solicitados por diversas entidades, de modo que ambos são responsáveis solidários no presente caso. Dessa forma, não há o que se falar em ilegitimidade passiva, seja da CAIXA, seja do Município de Belo Jardim.

O instituto da Responsabilidade Civil revela o dever jurídico, em que se coloca a pessoa, seja em virtude de contrato, seja em face de fato ou omissão que seja imputada para satisfazer a prestação convencionada ou para suportar as sanções legais que lhes são impostas, tendo por intento a reparação de um dano sofrido, sendo responsável civilmente quem está obrigado a reparar o dano sofrido por outrem.

Nos termos do art. 927 do Código Civil de 2002, “Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo", sendo independentemente de culpa nos casos especificados em lei ou quando a atividade

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar por sua natureza risco para os direitos de outrem (parágrafo único).

Também é objetiva a responsabilidade civil decorrente de atividade bancária, já que o § 2°do art. 3°da Lei 8.078/90 inclui essa atividade no conceito de serviço, dispositivo este que foi declarado constitucional pelo STF ao julgar pedido formulado na ADI 2591/DF (rel. orig. Min. Carlos Velloso, rel. p/ o acórdão Min. Eros Grau, 7.6.2006). A propósito, a súmula do STJ n° 29 7 dispõe que o “Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras”.

Ressalte-se que a responsabilidade civil das pessoas jurídicas de direito público e das de direito privado prestadoras de serviços públicos é objetiva, independentemente de culpa, e está prevista no art. 37, § 6º, da Constituição Federal, “in verbis”:

“§ 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.”

Portanto, são pressupostos da responsabilidade civil: a) a prática de uma ação ou omissão ilícita (ato ilícito); b) a ocorrência de um efetivo dano moral ou patrimonial; c) o nexo de causalidade entre o ato praticado - comissivo ou omissivo. Nos casos de responsabilidade subjetiva, impende ainda verificar a existência de culpa.

O caso em apreço ainda envolve relação disciplinada pela Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor) em seu artigo 22, abaixo reproduzido:

“Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.

Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste Código.”

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

Assim, tratando-se de reparação de danos, vigora o princípio da responsabilidade objetiva do fornecedor por danos patrimoniais ou morais causados aos consumidores, consoante disposição de seu art. 14:

“Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.”

Deste modo, mister se torna a conjugação de três elementos para que se configure o dever de indenizar: o ato ilícito, o prejuízo e o nexo de causalidade entre o atuar do ofensor e o dano sofrido pela vítima, sem investigação de culpa.

No caso em tela, para análise do ato ilícito, imperioso se faz o exame dos procedimentos de inscrição e manutenção do nome no SERASA distintamente.

Na hipótese em apreço, considero abusiva a cláusula 6.2 do contrato de empréstimo sob consignação (fls. 73) firmado pela autora junto à ré, que dispõe:

6.2 – Havendo averbação e não ocorrendo o repasse pela CONVENENTE no prazo máximo de 10 dias, após o vencimento do extrato, o DEVEDOR se obriga a efetuar o pagamento da prestação imediatamente, acrescida do valor dos encargos por atraso.

Assim, como no caso em análise a demandante comprovou a quitação da parcela relativa ao mês de maio de 2001 (fls. 22v), tenho que a inscrição do nome da autora em cadastros de proteção ao crédito foi indevida, diante da abusividade da cláusula que determina a necessidade de que o mutuário, que já teve a parcela do empréstimo descontada em folha, tenha que pagar novamente a parcela diante da inexistência do repasse do montante pela convenente.

Está comprovada, pois, a conduta ilícita da CAIXA, que inscreveu o nome da autora no SERASA, bem como do Município de Belo Jardim, que deixou de repassar o montante em questão.

O dano moral também está configurado, pelo só fato da inclusão do nome da autora no cadastro de inadimplentes, tendo esta quitado sua dívida, estando, portanto, em situação regular.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

O nexo de causalidade está inconteste, pois se a CAIXA e o Município de Belo Jardim tivessem tomado as providências necessárias, a manutenção do nome e a posterior situação embaraçosa para o autor não teriam ocorrido.

Resta, pois, fixar o montante a ser indenizado pela ré como forma de reparação pelos danos morais gerados por tal conduta danosa.

Este é o posicionamento expresso nos julgados abaixo, desta E.

Corte:

CIVIL. CEF. EMPRÉSTIMO. CONSIGNAÇÃO EM FOLHA. NÃO REPASSE DE PRESTAÇÃO. INSCRIÇÃO NA SERASA. DANO MORAL. INDENIZAÇÃO. CABIMENTO.

1 - Constatado o desconto em folha de prestação e o não repasse de valores à CEF, descabida nova cobrança frente ao mutuário e indevida a inscrição de seu nome nos serviços de proteção ao crédito.

2 - Dano moral configurado.

3 - Apelação da Caixa Econômica Federal não provida .

(TRF 5. AC 377440/PB. Terceira Turma. Relator Des. Carlos Rebelo

Júnior. DJ 13/11/2008, p. 307).

CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO MUNICÍPIO. DESCONTO DE VALORES DO CONTRA-CHEQUE DA APELADA. NÃO TRANSFERÊNCIA DO NUMERÁRIO PARA A CEF. INCLUSÃO INDEVIDA DO NOME DE SERVIDORA NO SERASA. DANOS MORAIS. OCORRÊNCIA.

1. Resta caracterizada a responsabilidade do Município de Cabedelo- PB, que deixou de repassar à CEF os valores descontados dos contra-cheques da apelada, correspondentes às prestações mensais de empréstimo sob consignação por ela firmado junto à CEF.

2. Ato omissivo do agente municipal que descumpriu o dever de

transferir os valores das parcelas do empréstimo para a CEF, tendo

em vista o convênio que a Prefeitura havia firmado com aquela

instituição bancária. O não envio dos valores representa verdadeira conduta omissiva, resultante de postura culposa do agente municipal, que foi negligente no cumprimento de um de seus deveres funcionais.

3. Presença de dano moral indenizável e do nexo causal, eis que,

em decorrência da inação do agente municipal, a apelada tornou-se inadimplente junto à CEF, tendo seu nome incluído no SERASA. 4. Apelação improvida.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

(TRF 5. AC 422511/PB. Segunda Turma. Relator Des. Manoel Erhardt. DJ 03/09/2008, p. 499).

A doutrina e a jurisprudência são pacíficas em afirmar que, quanto a

esse tipo de dano, vale o arbitramento do juiz, que, levando em consideração as circunstâncias do caso concreto, arbitra o valor da reparação. Ademais, a reparação

deve ter fim também pedagógico, de modo a desestimular a prática de outros ilícitos similares, sem que sirva, entretanto, a condenação de contributo a enriquecimentos injustificáveis (RESp nº 355.392-RJ, Rel. Min. Castro Filho, DJU/II de 17.06.2002).

Assim, na hipótese em tela, tenho que deve ser reformada a sentença, para condenar as rés ao pagamento de indenização por danos morais, no montante de R$ 4.000,00 (quatro mil reais), sendo a metade do valor (R$ 2.000,00), a ser suportada por cada uma das rés, atualizados pela taxa de juros SELIC a contar deste decisum. Honorários advocatícios fixados em 10% (dez por cento) do valor da condenação.

Por fim, com relação à litigância de má-fé, esta não pode ser aqui reconhecida. As alegações formuladas pela CAIXA, por si só, não têm o condão de configurar possível má-fé da ré. Como não há nos autos outros elementos capazes de caracterizá-la, rejeito o pedido formulado pela apelante.

Diante do exposto, dou parcial provimento à apelação, para condenar as rés ao pagamento de indenização por danos morais, no montante de R$ 4.000,00 (quatro mil reais), sendo a metade do valor (R$ 2.000,00), a ser suportada por cada uma das rés, atualizados pela taxa de juros SELIC a contar deste decisum. Honorários advocatícios fixados em 10% (dez por cento) do valor da condenação.

É como voto.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

APELAÇÃO CÍVEL Nº 328942/PE (2001.83.00.021535-5) APTE : EDNA MARIA PIMENTEL DE ABREU ADV/PROC : LEÔNIDAS SIQUEIRA DE ANDRADE APDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : FERNANDO LUIZ DE NEGREIROS E OUTROS ORIGEM: 7ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ESPECIALIZADA EM QUESTÕES AGRÁRIAS) RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS - Segunda Turma

EMENTA

RESPONSABILIDADE CIVIL. CAIXA E MUNICÍPIO DE BELO JARDIM. DESCONTO DE PARCELA DE EMPRÉSTIMO CONSIGNADO NOS PROVENTOS DA AUTORA. AUSÊNCIA DE REPASSE À CAIXA. INCLUSÃO DO NOME DA AUTORA EM CADASTRO RESTRITIVO. CONDUTA ILÍCITA DAS RÉS. DANO MORAL CONFIGURADO.

1. Comprovada a quitação da parcela relativa ao mês de maio de 2001,

de modo que a inscrição do nome da autora em cadastros de proteção ao crédito foi indevida, diante da abusividade da cláusula que

determina a necessidade de que o mutuário, que já teve a parcela do empréstimo descontada em folha, tenha que pagar novamente a parcela diante da inexistência do repasse do montante pela convenente.

2. Comprovada, pois, a conduta ilícita da CAIXA, que inscreveu o nome

da autora no SERASA, bem como do Município de Belo Jardim, que deixou de repassar o montante em questão.

3. O dano moral também está configurado, pelo só fato da inclusão do

nome da autora no cadastro de inadimplentes, tendo esta quitado sua dívida, estando, portanto, em situação regular.

4. Apelação parcialmente provida, para condenar as rés ao pagamento

de indenização por danos morais, no montante de R$ 4.000,00 (quatro mil reais), sendo a metade do valor (R$ 2.000,00), a ser suportada por cada uma das rés, atualizados pela taxa de juros SELIC a contar deste decisum. Honorários advocatícios fixados em 10% (dez por cento) do valor da condenação.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

A C Ó R D Ã O

Vistos e relatados os autos em que são partes as acima indicadas, decide a Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5a. Região, por unanimidade, DAR PROVIMENTO PARCIAL À APELAÇÃO, na forma do relatório, voto e notas taquigráficas constantes dos autos, que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Recife/PE, 14 de julho de 2009. (data do julgamento)

Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS

Relator