Você está na página 1de 7

SOBRE NOSSO COLEGIADO

O Colegiado Druídico Brasileiro Derulug é uma organização Fraternal, espiritualista,


cientifica, mística e filosófica, sem fins lucrativos, cultural, não sectária, apolítica,
apartidária, sem distinção de origem druídica, de sexo, orientação sexual, etnia, cor,
posição social ou cultural, ...

Segundo o antigo CDB a Tradição Druídica, ligada à Grande Tradição, privilegia


dentre outras qualidades humanas:

o O Conhecimento, ou seja, o fato de estudar e compreender como ocorrem as


coisas e os seres;
o O Amor, isto é, ter-se em conta a bondade profunda dos seres e sentir-se
próximo a eles, como consequência desta bondade;
o A Dignidade, reconhecendo todo ser espiritual como respeitável único e
insubstituível. É o sentido da dignidade humana que faz com que os Druídas
não estejam de acordo com o fato de considerarem-se os seres humanos
meramente como números;
o A Honra, que é a capacidade de respeitar ao Maximo, sua própria palavra
empenhada, mesmo em adversas circunstâncias. Assim deve-se ser capaz de
privilegiar o espírito mais do que a letra. Para o Druída, o sentido de honra é
função daquilo que pensa em sua alma e consciência e não do que lhe pode
ditar uma moral social;
o A Liberdade, que é a capacidade de julgar por si próprio o que considera bom e
agir em função de seu julgamento, sem se deixar influenciar por honras sociais,
pela chantagem ou pelo poder de pessoas.

A Tradição Druídica também pensa que os seres espirituais são fundamentalmente


bons e que podem progredir por seus esforços e por sua sinceridade em tornar-se
ainda melhores. Para ser admitido neste Colegiado, deve-se, em princípio, querê-lo
com todo seu coração.

O Druidismo praticado no Colegiado Druídico Brasileiro Derulug É Iniciático, filosófico


e moral, buscando elevar espiritualmente os seres da sociedade na qual convive. Assim,
O Colegiado Druídico Brasileiro Derulug está inteiramente sujeito à Tradição
Brasileira.

O principal objetivo do Colegiado Druídico Brasileiro Derulug é a elevação espiritual,


estabelecer a harmonia entre as forças Cósmo-Telúricas em seus Membros, o alívio das
sobrecargas e das escravidões, por meio da vitória sobre o erro e a ilusão e, assim,
ajudar homens e mulheres em seus esforços, em suas buscas, para alcançar o Poder de
uma Vida reta e fecunda, para a procura da Luz. A este Colegiado, toda pessoa sábia e
espiritualmente esclarecida pertence de direito por sua natureza, porque todos, mesmo
desconhecidos uns dos outros, são UNOS em seus objetivos, trabalhando sob a égide de
uma única Luz.

Segue-se, neste Colegiado Sagrado, nenhuma pessoa pode ser admitida por outra, se
ela mesma não tiver o poder de aí entrar em virtude de sua própria iluminação
interior. Por isso, uma vez admitida, não pode ser excluída, a menos que se exclua por
si mesma, ao se tornar infiel a seus princípios, esquecendo-se novamente do que tiver
apreendido por sua própria experiência. Existe uma organização exterior e uma
organização interior. São homens e mulheres que, tendo encontrado a Senda que
conduz ao Conhecimento, consentem em estabelecer, com todo aquele que deseje
entrar nesta Senda, um intercâmbio que facilite o despertar de experiências pessoais
benéficas.

De fato, as pessoas que já são suficientemente desenvolvidas espiritualmente para


entrar em comunicação com a Grande Fraternidade Espiritual serão instruídas
diretamente por este Espírito de Sabedoria. Aqueles, no entanto, que têm necessidade
de conselhos e da ajuda do exterior, que querem aprender e saber, encontrarão
acolhimento na Organização exterior.

Estudamos com profundidade um único Grande Livro, o Livro da Natureza no qual


estão contidas as chaves de todos os segredos. Seguimos o único método possível de
estudá-lo: o da experiência. Estudamos os textos do Ensinamento druídico,
confrontando-os com nossos estudos, nossas reflexões.

Nossos ensinamentos não são vendidos. Eles são dados gratuitamente. Contudo, é
exigido do novo Irmão que ele guarde para si certos Ensinamentos, sobre determinadas
coisas que concernem á Ordem na qual ele é admitido. E isto não é por Amor ao
Segredo, mas devido ao fato de que a existência de uma consagração em comum entre
os Buscadores gera, em certos limites, um poder psíquico que se degenera na palavra e
assim, “não é necessário que as coisas consideradas como Sagradas sejam expostas aos
olhares do vulgar para serem ridicularizadas e profanadas, porque isso resulta sempre
no mal”.

O Ensinamento do Colegiado conduz à plenitude do Ser, á Elevação espiritual, à Vitória


da Natureza Superior na realização do Estado mais elevado de Existência. Nele é
ensinado o Simbolismo do Druídismo, a Astrologia, a Radiestesia, a Dendroterapia, a
Onomância, etc. e, certamente a Filosofia Druídica e a Teologia de nossos antigos
Mestres Druídas.

A entrada da Grande Clareira está aberta a todos os homens e a ninguém é fechada. O


Colegiado acolhe, de fato, todos aqueles que procuram seguir a Senda Druídica.

O estudo está dividido em 5 Graus. No entanto, existem condições preparatórias. Uma


delas e a apresentação de trabalhos de pesquisas.

Inicialmente entra-se como DISCÍPULO NÃO INVESTIDO (MARCASSIM) e num


período aproximado de 2 anos, mas que cada um irá determinar pelos seus esforços,
dedicação e compreensão dos Ensinamentos, o MARCASSIM tornar-se-á DISCÍPULO
Bardo ou Ovate, conforme a Natureza do trabalho de pesquisa de passagem de grau
que tenha escolhido. Mas, só será um Discípulo-Investido após a Iniciação, quando
somente então poderá usar a sua Veste.

Depois, o Discípulo-Investido passa um tempo em estudo e em preparação de novos


trabalhos de pesquisa, dirigidos conforme o Ensinamento que o atrai e que lhe convém.
No fim quando demonstrar suas qualidades, sinceridade e lealdade no seio do
Colegiado, é conferido ao Discípulo-Investido uma Iniciação em que recebe o título de
OVATE ou BARDO.

O Ovate é mais especializado nas ciências, nas curas, nas plantas curativas, na
radiestesia, na geobiologia, no estudo das Radiações astronômicas e astrológicas, etc.

O Bardo se ocupa especificamente das artes em geral, da historia, do simbolismo, etc...

Com o passar dos anos dedicados ao trabalho, á aplicação dos princípios Druídicos e
ao aperfeiçoamento dos conhecimentos, é o Bardo ou Ovate, iniciado como EUBAGE,
aquele que se prepara para a Grande Obra, aquele que no silêncio estuda. Finalmente,
é chegada a hora de receber as Insígnias da Dignidade de DRUÍDA/DRUIDESA. Tem,
assim, acesso a todos os conhecimentos e pode por sua vez, ensinar os Buscadores que
se decidem a seguir a Senda do Conhecimento. Um Druida ou Druidesa tem liberdade
e independência total, que deve saber usar nos rituais, dentro de seus grupos de
estudo...

Membros de outros grupos druídicos são bem vindos e respeitados em seu


conhecimento e Iniciação. Assim um não membro de outro grupo pode participar
conosco de nossos rituais usando suas próprias vestes. Mesmo os membros de outros
grupos serão respeitados, tendo apenas uma adaptação aos nossos sistemas...

É entre os DRUÍDAS/Druidesas, os Sacerdotes da Natureza, em conselho, que é


escolhido o Grande Druída, o verdadeiro chefe espiritual do Colegiado, que deve ter os
conhecimentos completos e estar em comunicação com o Colégio Invisível, onde é
admitido todo aquele que trás o Druidismo em seu coração, em seu interior, aonde só o
Amor, a dedicação, o trabalho desinteressado e a comunhão espiritual podem levar.

O Druídismo se apresenta como um conjunto muito antigo de ideais metafísicos de


base, herdados da Hiperbórea e da Atlântida.

Sempre existiu e sempre existirá uma Ordem muito antiga de Clarividentes, de Sábios
e de Instrutores ligada a mais antiga e pura Sabedoria, que em nossa época pode ser
qualificada de ligação Universal.

Entre os Druídas, somos instruídos pela Sabedoria Divina, “A Ponte Celeste”, cuja
vontade é livre. Ela escolhe seus Discípulos entre aqueles que lhes são devotados. Os
Mistérios que nos são ensinados abrangem o que pode ser conhecido a respeito do
Incriado da Natureza e do Homem.
Nosso local de reunião é a Clareira Cósmica que impregna o Universo, tão fácil de
encontrar para os eleitos e, entretanto, sempre escondido aos olhos do vulgar.

Uma experiência necessária é a Confiança Mútua entre o Mestre e o Discípulo. Aquele


ao qual falta confiança, não pode ser instruído nem guiado! Podem, sem duvida,
existir, coisas que, ao primeiro contato, parecem estranhas, e para as quais nenhuma
explicação possa ser dada ao Iniciante. Mas, quando um determinado nível de
desenvolvimento é atingido, tudo se torna claro. A Confiança necessária deve ser total e
é de pouca utilidade se for de curta duração!

A via do desenvolvimento da Alma, que conduz ao despertar dos sentidos interiores, é


longa. Sem paciência e sem coragem, nada será cumprido.

O fito daquele que segue a Senda Druídica é o de obter a Maestria de seu Ser Interior.
Por esta razão, não deve ele submeter-se aos desejos da natureza inferior, mas procurar
a natureza superior que é intuitivamente sentida, se bem que ainda desconhecida por
muitos. Isto será conhecida pelo Discípulo se este estiver determinado a achá-lo.

Obedecendo às indicações de seu Coordenador, em vez de seguir os seus desejos, a


natureza inferior é dominada. Isto leva à natureza superior.

O trabalho do Mestre pode, então, ser cumprido se ele ajudou o Discípulo a obter a
Plenitude e a Maestria de si próprio.

Essa conquista implica a Vitória da Divina Consciência, sobre o que nele é terrestre e
animal.

As grandes Almas estão sempre para ajudar aqueles que estão à procura de maior
plenitude das coisas. Não das coisas. Não será recusada a mão que socorre, a nenhum
daqueles e daquelas que procuram seguir a Senda.
O Colegiado Druídico Brasileiro Derulug, assim, buscará elevar a todos ao sentido mais
alto do Dever e à posse da Alegria de Espírito, o que é um sinal exterior de Paz Interior.
Possuir a Alegria de Espírito é ter, em si, o maior tesouro da existência mortal.

Ao Buscador desse poderoso tesouro, os braços de nossa Fraternidade estão sempre


estendidos.

O Conhecimento e a Sabedoria Druídica foi transmitida sob formas diversas: nos


chamados Livros de Pedras ou Megalitos, nos Contos, nas Canções populares, nas
transmissões orais, principalmente as perpetuadas em segredo no seio de
determinados grupos, nas Catedrais Góticas intituladas “Notre Dame”, em escritos do
início da Era de Peixes, na Cruz Druídica que encerra a filosofia e a cosmogênese, bem
como vários Princípios Druídicos, nas Tríadas que são uma forma de transmitir o
Ensinamento através de três sentenças.