Você está na página 1de 2

The Square

“Quanta desumanidade é necessária antes de acessar sua humanidade?”

Há momentos na história que mudam o curso da humanidade, e assim como “a arte imita a
vida” há obras de arte que também fazem o curso da arte mudar profundamente, demarcando
um ponto sem retorno. O “Quadrado Negro” de Malevich é um bom exemplo disso, uma obra
de arte que oscila entre a vida e a morte, o tudo e o nada. Malevich exibiu sua obra em um local
sagrado chamando-o de "um ícone de nossos tempos", tentando nada além do fim da arte, sua
impossibilidade ou sua falta de necessidade, apontando assim para o fim de nós, nossa
impossibilidade ou a falta de nossa necessidade.

Traçando uma linha paralela entre a arte e a humanidade, mostrando o quanto entrelaçadas, mas
também distanciadas estão uma da outra, é que forma o pano de fundo de uma tela sobre a qual
o diretor e roteirista sueco Ruben Östlund desenha seu último filme, The Square.

O filme é ainda mais estratificado e complexo que seus filmes anteriores, mas ainda sim,
composto de cenas que giram em torno de experimentos de pensamento ético, comportamento
social, perda de valores morais - tudo dentro de uma paisagem internacional da arte
contemporânea de auto-indulgência e auto-importância.

O filme acompanha Christian, um respeitado curador do contemporâneo museu de arte sueco X-


Royal, que é jogado em uma crise existencial no auge de seu sucesso e na preparação para sua
nova exposição: “The Square”, que convida o público a realizar ou se envolver em um espaço
confinado e temporário de altruísmo. Mas antes da abertura da instalação, Christian tem que
lidar primeiro com as conseqüências de sua resposta a um roubo que lhe fora cometido, bem
como com a campanha de relações públicas do museu e sua vida se desenrolando no espaço
intermediário.

A instalação “The Square” é supostamente uma obra de arte quintessencial, na medida em que é
proposto a criar um ambiente social no qual as pessoas devem participar de uma atividade
compartilhada, agindo assim no mundo real, em vez de fazer parte da imaginação privada de um
artista. Christian explica em algum momento que "The Square é um santuário de confiança e
cuidado. Dentro dela todos compartilham direitos e obrigações iguais". Não mais apenas
testemunhando a injustiça, que pode passar despercebida, como no caso dos sem-teto que
ocorrem repetidas vezes ao longo do filme, a instalação tem como objetivo ativar o público em
participação direta - indivíduos tornando-se parte de uma comunidade coletiva, quebrando
abaixo a barreira entre sujeito e objeto, espectador e arte, chamando a ser encontros
intersubjetivos como uma questão de urgência e importância. No entanto, o contraste e
hipocrisia da instalação em relação à vida fora do museu, como em uma representação da vida
real, não poderia ser mais evidente. O comportamento de Christian, quando confrontado com
vários moradores de rua, mostra sua total falta de atenção, cuidado, compaixão e empatia -
ilustrando que ele próprio é incapaz de agir de acordo consigo mesmo. Contra a ética kantiana,
Christian usa um homem sem-teto no shopping como meio para um fim de suas necessidades
pessoais, demonstra sua superioridade quando, em um ato de humilhação, oferece dinheiro
dando uma nota de cada vez acima de uma mulher que pede por ajuda na beira da calçada,
mostra o poder do provérbio "Mendigos não podem escolher" ao sentir-se frustrado por sua
oferta de comprar um sanduíche para uma sem-teto, e ela pedir sem cebola - como se a ausência
de seu status financeiro fosse e devesse proibi-la de qualquer escolha. Assim como a bolsa de
uma jornalista, dizendo que aquele objeto não é uma obra de arte até que seja apresentado
dentro das paredes brancas de uma instituição de arte.

The Square não é uma simples sátira ou crítica do mundo da arte contemporânea. Em contraste,
Östlund vai um passo além e questiona a estrutura maior em que a arte está inserida, bem como
nossa relação com ela, colocando- nos em confronto com a questão de qual é o propósito da
arte, desafiando se a arte conceitual falhou em face de nossa humanidade e se não estamos mais
comprometidos com ela.

Anteriormente, pelo menos em geral, a principal função da arte era servir como a dimensão
estética da religião, comunicando visualmente o significado religioso além da linguagem. Com
o tempo, a arte se distanciou da religião e se transformou - como Eva da costela de Adão - em
uma imagem de ser e tornar-se cada vez mais progressista, racional e radical. No entanto, o
significado que a arte produziu, bem como o significado que foi atribuído à arte, pode ser visto
como um sistema ou forma de crença - não totalmente diferente da religião.

“The Square” confronta o credo da "arte como a nova religião", que é maravilhosamente
exemplificada por uma cena aparentemente insignificante, na qual três turistas mais velhos
entram no museu e o vigilante informa imediatamente que eles estão no prédio errado, como
este é um museu de arte contemporânea, enquanto a igreja - que eles supostamente estão
procurando - fica do outro lado da rua.

Enquanto o filósofo alemão G. W. F. Hegel via a religião como superação da arte na evolução
do Espírito em direção a formas cada vez mais elevadas de conhecimento filosófico, os artistas e
teóricos dos séculos subseqüentes entenderam a arte como substituta da religião e filosofia na
eterna busca espiritual por significado e verdade. Apesar do aspecto comercial da arte, é
possível argumentar que a arte é um domínio essencialmente santificado de valores mais
elevados, além do domínio de nossa existência mundana e cotidiana, que procura expressar
profundidade e amplitude de significado que a religião ou a filosofia parecem não mais
transmitir devido à ascensão do secularismo ou à institucionalização da pesquisa acadêmica.

O “The Square”, de Östlund, não apenas estabelece uma conexão estreita entre arte e religião,
mas também, adicionalmente e por extensão, a proximidade entre cinema e filosofia. O cinema
em geral, e o filme de Östlund em particular, podem ser vistos como experimentos auto-
reflexivos.

O universo cinematográfico de Östlund é regido pelas leis nietzscheanas - a salvação, se é que


existe tal coisa, só pode ser encontrada nesta vida, e qualquer forma de religião apontando para
o além é totalmente ausente ou empurrada para um canto muito distante para ser vista ou para
importam. A implacável e às vezes frenética busca da verdade de Östlund penetra em todas as
cenas, uma força imparável que luta com ideias e questões presentes desde o alvorecer da
humanidade. The Square tenta chegar mais fundo que a política, a religião ou a arte - até o
âmago do que significa ser humano, incutindo a urgência do altruísmo e o desejo de ir além da
Praça Negra de Malvich, saindo dela para descobrir o que está acontecendo nos limites de nosso
ser, postulando a arte e o cinema como um importante ponto de partida.