Você está na página 1de 13

Eletrônica Analógica – ELT02062

TRANSISTORES BIPOLARES
DE JUNÇÃO (TBJ)
AULA 3 – POLARIZAÇÃO CC
Prof. Victor Fernandes
Introdução

 Para a análise ou o projeto de um amplificador com transistor, é necessário o


conhecimento das respostas CC e CA do sistema
 Teorema da superposição: análise CC (polarização) separada da análise CA
 O valor CC de operação de um transistor é controlado por vários fatores,
incluindo uma vasta gama de pontos de operação possíveis nas curvas
características do dispositivo
 Equações-chave para a análise CC:
Introdução

 Uma vez identificada a corrente de base, os demais parâmetros, correntes e


tensões podem ser determinadas a partir das equações de um TBJ
‘Qualquer aumento em tensão, corrente ou potência CA
é resultado de uma transferência de energia das fontes CC aplicadas.’
 O termo polarização se refere genericamente à aplicação de tensões CC em
um circuito para estabelecer valores fixos de corrente e tensão
 Para amplificadores com transistor, a corrente e a tensão CC resultantes
estabelecem um ponto de operação nas curvas características que definem a
região que será empregada para a amplificação do sinal aplicado.
 Visto que o ponto de operação é fixo na curva, também é chamado de ponto
quiescente (Q)
Ponto de Operação
Pontos de operação (ou quiescente) de um TBJ, indicados por A, B, C e D

𝑃𝐶 > 𝑃𝐶,𝑚á𝑥

𝑉𝐶𝐸 < 𝑉𝐶𝐸,𝑠𝑎𝑡

𝐼𝐵 ≤ 0
Ponto de Operação
 Ponto A: Se nenhuma polarização fosse usada, o dispositivo estaria
inicialmente desligado, resultando em um ponto Q em A, isto é, corrente nula
através do dispositivo (e tensão igual a zero).
 Uma vez que é necessário polarizar um dispositivo para que ele possa
responder à faixa completa e um sinal de entrada, o ponto A não seria
adequado.
 Ponto B: Se um sinal for aplicado ao circuito, a tensão e a corrente do
dispositivo variarão em torno do ponto de operação, permitindo que o
dispositivo responda tanto à excursão positiva quanto negativa do sinal de
entrada. Mais distante do corte e da saturação.
 Ponto C: Permitiria alguma variação positiva e alguma negativa do sinal de
saída, porém, limitados pela tensão VCE,sat e corrente IB.
 Ponto D: Próximo dos valores máximos de tensão e potência. Logo, a excursão
da tensão de saída no sentido positivo será limitada caso a tensão máxima não
deva ser excedida.
 A temperatura também pode afetar o valor de 𝛽 e consequentemente o ponto
de operação
Limite dos Pontos de Operação

A operação no corte, na saturação e nas regiões lineares das curvas


características do TBJ são:
1. Operação na região ativa:
 Junção base-emissor polarizada diretamente. (VBE ≅ 0,7 V)
 Junção base-coletor polarizada reversamente. (VBC ≤ 0,4 V)
2. Operação na região de saturação:
 Junção base-emissor polarizada diretamente. (VBE ≅ 0,7 V)
 Junção base-coletor polarizada diretamente. (VBC > 0,4 V)
3. Operação na região de corte:
 Junção base-emissor polarizada reversamente.(VBE < 0,7 V)
 Junção base-coletor polarizada reversamente. (VBC ≤ 0,4 V)
Regiões de Operação (Revisão)

CORTE (𝐼𝐵 ≅ 0) ATIVA (𝐼𝐶 = 𝛽𝐼𝐵 ) SATURAÇÃO FORTE (FRACA)


 𝐼𝐶 = 0 𝐴;  0 < 𝐼𝐶 < 𝐼𝐶,𝑚𝑎𝑥 ;  𝐼𝐶 = 𝐼𝐶,𝑚𝑎𝑥 ;
 𝑉𝑅𝐶 = 0 𝑉;  0 < 𝑉𝑅𝐶 < 𝑉𝐶𝐶 ;  𝑉𝑅𝐶 = 𝑉𝐶𝐶 (𝑉𝐶𝐶 − 0,2);
 𝑉𝐶𝐸 = 𝑉𝐶𝐶 ;  0 < 𝑉𝐶𝐸 < 𝑉𝐶𝐶 ;  𝑉𝐶𝐸 = 0 𝑉 (≅ 0,2 𝑉);
𝐼𝐵

C C C

E E E
Chave Aberta Fonte de Corrente Chave Fechada
Polarização CC - TBJ

Tipos mais comuns de polarização:


 Polarização Fixa
 Polarização Estável do Emissor
 Polarização por Divisor de Tensão
 Método Exato (Equivalente de Thévenin)
 Método Aproximado (Restrito)
 Polarização com Realimentação de Coletor
 Polarização Seguidor de Emissor
 Polarização Base-Comum
Polarização CC - TBJ
Polarização Fixa
 Tipo de polarização mais simples: Vcc é o mesmo para base e coletor.
2 Malhas (Kirchoff de Tensão):
1) Base-Emissor
2) Coletor-Emissor

Circuito de Polarização Fixa do TBJ npn


Polarização CC - TBJ
Polarização Estável do Emissor
 O resistor de emissor é usado para melhorar o nível de estabilidade da
configuração com polarização fixa, sua resposta ficará menos sujeita a
alterações indesejáveis de temperatura e variações de parâmetros.

2 Malhas (Kirchoff de Tensão):


1) Base-Emissor
2) Coletor-Emissor

Circuito de Polarização do
Emissor para o TBJ npn
Polarização Fixa
EXEMPLO 1

Dado o circuito ao lado, determine:


(ignorar os capacitores)
Polarização Estável do Emissor
EXEMPLO 2

Dado o circuito ao lado, determine:


(ignorar os capacitores)
Polarização: Fixa X Estável do Emissor
EXEMPLO 3
Compare as tensões e as correntes de polarização dos circuitos dos exemplos 1
e 2 para o valor de 𝛽 = 50 e para um novo valor de 𝛽 = 100. Compare as
variações de IC e VCE para o mesmo aumento de 𝛽.

Exemplo 1 – Polarização Fixa Exemplo 2 – Polarização Estável do Emissor

+100% 0% +100% -76% +100% -9% +81% -35%