Você está na página 1de 4

Young Writers 'Corner (YWC): Atenção Plena na

Psicologia Aplicada ao Esporte: Gerenciando a


Ansiedade Relacionada ao Esporte e Melhorando a
Auto-estima
Katherine Hirsch, Bacharel, Universidade de Windsor

Jonathan Stern, BA, Lake Forest College

Nos últimos anos, o interesse geral e a pesquisa sobre mindfulness e desempenho esportivo
cresceram, e agora é um pouco um "tópico quente" na psicologia do esporte. No coração da
atenção plena está o ato de prestar atenção propositadamente ao momento presente, e fazê-lo
sem julgamento (Kabat-Zinn, 1994). Mais especificamente, envolve observar, descrever, agir
com consciência, bem como não julgar e não reagir à experiência interior (Baer, Smith,
Hopkins, Krietemeyer & Toney, 2006). À medida que a prática da atenção plena cresce em
popularidade entre atletas e artistas (Thienot, Jackson, Dimmock, Grove, Bernier e Fournier,
2014), a prática está sendo amplamente separada de suas raízes budistas e retrabalhada por
pesquisadores, praticantes e intérpretes. técnicas, específico para psicologia do esporte e
treinamento de habilidades mentais (Baltzell, McCarthy, & Greenbaum, 2014). Essas
estratégias específicas de esportes são usadas para abordar uma ampla variedade de desafios
de desempenho (por exemplo, distração, preocupação, afeto negativo, dor de resistência), bem
como para auxiliar no desenvolvimento de habilidades específicas (por exemplo, flexibilidade
cognitiva, concentração aprimorada, ao controle). Neste breve artigo, exploramos pesquisas
recentes sobre o impacto da atenção plena na ansiedade e na autoestima relacionadas ao
esporte, as quais podem ter um impacto primordial sobre o desempenho esportivo ideal
(Woodman & Hardy, 2003). g., flexibilidade cognitiva, concentração aumentada,
autocontrole). Neste breve artigo, exploramos pesquisas recentes sobre o impacto da atenção
plena na ansiedade e na autoestima relacionadas ao esporte, as quais podem ter um impacto
primordial sobre o desempenho esportivo ideal (Woodman & Hardy, 2003). g., flexibilidade
cognitiva, concentração aumentada, autocontrole). Neste breve artigo, exploramos pesquisas
recentes sobre o impacto da atenção plena na ansiedade e na autoestima relacionadas ao
esporte, as quais podem ter um impacto primordial sobre o desempenho esportivo ideal
(Woodman & Hardy, 2003).

Atenção plena e ansiedade relacionada ao esporte


A atenção plena pode ser útil para ajudar os atletas a lidar melhor com a ansiedade
relacionada ao esporte, que pode ser caracterizada por experiências de ansiedade cognitiva
(por exemplo, preocupação, perturbação de concentração) e somática (por exemplo, tremores,
batimentos cardíacos acelerados) antes, durante ou após o desempenho (Robinson &
Freeston, 2015; Smith, Smoll, Cumming, & Grossbard, 2016). Estudos mostraram resultados
promissores relacionados à atenção plena e ao gerenciamento da ansiedade relacionada ao
esporte. Por exemplo, os pesquisadores identificaram que as intervenções de meditação
andando podem efetivamente reduzir a ansiedade esportiva para corredores de longa
distância; Essas intervenções utilizam técnicas de mindfulness para superar a distração, a má
forma de execução, a fadiga e a dor de resistência (De Petrillo, Kaufman, Glass, & Arnkoff,
2009). Intervenções com arqueiros e golfistas também foram bem sucedidos na redução da
ansiedade esportiva, usando técnicas como escaneamento corporal, respiração consciente,
meditação sentada e yoga consciente (Thompson, Kaufman, De Petrillo, Glass e Arnkoff,
2011). A atenção plena ajuda os atletas nessas instâncias a estarem conscientes de dicas
mentais e físicas sub-ótimas ou inúteis, se abrem para suas experiências e agem com
consciência não-julgadora diante do desafio e da adversidade.
Notavelmente, a pesquisa também apontou para o impacto do fluxo na relação entre
mindfulness e redução da ansiedade esportiva. O fluxo é definido como um melhor
funcionamento físico e psicológico resultante de um sentimento de liberdade, que se deve à
imersão no momento presente e à ausência de pensamentos negativos (Csikszentmihalyi,
1978; Jackson, 2000). Kee e Wang (2008) relataram que altos níveis de mindfulness estavam
associados a uma maior frequência de dimensões do fluxo. Da mesma forma, estudos
descobriram que altos níveis de ansiedade relacionados ao esporte se correlacionam com
níveis mais baixos de fluxo (Jackson, Kimiecik, Ford & Marsh, 1998; Jackson & Wrigley,
2004). Portanto, pode-se perceber que o fluxo pode atuar como um mediador na relação entre
atenção plena e ansiedade esportiva.

Atenção plena e auto-estima aprimorada


prática da atenção plena, usado tanto como um stand-alone ou intervenção complementar,
pode percorrer um longo caminho em ajudar as pessoas em uma infinidade de (desempenho)
cenários para superar o stress, ansiedade e depressão (Donald, Atkins, Parker, Christie, e
Ryan, 2016; Gouda, Luong, Schmidt e Bauer, 2016; Parker, Nelson, Epel e Siegel, 2015). Este
tem sido atribuída a associações entre mindfulness e aumento da capacidade de lidar com as
tarefas da vida diária, incluindo uma maior tolerância para os estados desagradáveis da mente
(Remmers, Topolinski, & Koole, 2016; Solhaug et al, 2016).. Além disso, a prática atenção tem
sido mostrado para aumentar as qualidades favoráveis que aumentam o bem-estar e
desempenho, tais como a auto-estima (Bajaj, Gupta, & Pande, 2016;. Gouda et al, 2016; Tan
Lo, Ge, e Chu, 2016 ).

É importante ressaltar que, juntamente com estudos sobre mindfulness e ansiedade


relacionada ao esporte, a conexão entre mindfulness, auto-estima e ótimo desempenho
também foi identificada no domínio do esporte. Os atletas enfrentam constantemente desafios
competitivos difíceis e, quando ficam aquém das expectativas, muitas vezes sentem dúvidas e
pensamentos negativos sobre suas habilidades (Richard et al., 2016; Röthlin et al.,
2016). Essas experiências pessoais negativas podem se intensificar através de interações
subsequentes com pais, colegas e treinadores. Os atletas podem se esforçar para lidar com
pensamentos negativos causados por expectativas internas e externas. Muitos percebem a
mera presença de pensamentos e sentimentos negativos relacionados ao desempenho como
evidência de inadequação pessoal (Denny & Steiner, 2009). Melhorar a auto-estima e a
resiliência por meio de intervenções de mindfulness não significa que o atleta nunca enfrentará
desafios ou terá experiências aversivas. Mas, ao contrário, a prática consciente ajudará os
atletas a reconhecer e se relacionar com experiências negativas com menos julgamento, e
passar por eles com mais recursos (Bajaj et al., 2016; Denny et al., 2009; Richard et al., 2016).

Um estudo com 46 jovens atletas na Coréia do Sul demonstrou um aumento significativo da


autoestima, resiliência e felicidade após um programa de yoga de oito semanas de mindfulness
administrado, além da atividade esportiva específica (Yook, Kang & Park, 2017). Intervenções
de mindfulness também foram encontradas para ajudar atletas do sexo feminino a improvisar
durante performances desafiadoras, facilitando um aumento em sua auto-estima e auto-
compaixão (Mosewich, Crocker, Kowalski e DeLongis, 2013; Richard, Halliwell, & Tenenbaum,
2017). Além disso, a atenção plena foi combinada com técnicas mais tradicionais, como a
visualização, em um esforço para ajudar os atletas a lidar com a ansiedade da
competição; essa combinação foi bem-sucedida em ajudar os atletas a aumentar sua auto-
estima (Röthlin, Birrer, Horvath & Holtforth, 2016).

Parece que cultivar a consciência do momento presente permite que os atletas adotem e
gerenciem desafios dentro e fora da competição, particularmente desafios relacionados ao
pensamento negativo, autoestima e ansiedade esportiva. Para um atleta, esses fatores podem
ter um papel importante em ter uma experiência positiva ou negativa no desempenho esportivo
(Baird, 2018; Galante & Ward, 2014; O'Rourke, Smith, Smoll, & Cumming, 2014). Assim,
parece que o aprimoramento dos elementos fundamentais da psique humana, como a
consciência não julgadora, pode ser crucial para administrar e dominar as demandas mentais,
físicas e emocionais de competir no esporte. À medida que os pesquisadores e profissionais
continuarem a avaliar e aplicar os mecanismos da atenção plena, poderemos entender melhor
como as experiências de pressão, ansiedade, preocupação,

Referências
Baer, RA, Smith, GT, Hopkins, J., Krietemeyer, J., & Toney, L. (2006). Usando métodos de
avaliação de auto-relato para explorar as facetas da atenção plena. Avaliação, 13 (1), 27-45.
Baird, JD (2018). Efeitos mediadores de comportamentos de coaching percebidos na auto-
estima de um adolescente adolescente. Dissertação Abstratos Internacionais.
Bajaj, B., Gupta, R. e Pande, N. (2016). A auto-estima medeia a relação entre atenção e bem-
estar. Personalidade e diferenças individuais, 9496-100. doi: 10.1016 / j.paid.2016.01.020
Baltzell, A., McCarthy, J., & Greenbaum, T. (2014). Estratégias de mindfulness: Consultoria
com treinadores e atletas: Histórico e apresentação do workshop anual de convenções da
AASP de 2013. Journal of Sport Psychology in Action, 5, 147-155.
Csikszentmihalyi, M. (1978). Atenção e abordagem holística ao comportamento. Em KS Pope &
JL Singer (Eds.), O Fluxo da Consciência (pp. 335-385). Nova York: Plenum.
De Petrillo, LA, Kaufman, KA, Glass, CR e Arnkoff, DB (2009). Mindfulness para corredores de
longa distância: um teste aberto usando Mindful Sport Performance Enhancement
(MSPE). Journal of Clinical Sport Psychology, 3 (4), 357-376.
Denny, KG, & Steiner, H. (2009). Fatores externos e internos que influenciam a felicidade em
atletas colegiais de elite. Psiquiatria Infantil e Desenvolvimento Humano, 40 (1), 55-72. doi:
10.1007 / s10578-008-0111-z
Donald, JN, Atkins, PB, Parker, PD, Christie, AM e Ryan, RM (2016). Estresse diário e os
benefícios da atenção plena: examinar as relações diárias e longitudinais entre a percepção do
momento presente e as respostas ao estresse. Jornal de Pesquisa em Personalidade, 6530-
37. doi: 10.1016 / j.jrp.2016.09.002
Galante, M., & Ward, RM (2017). Líderes estudantis: um exame da liderança transformacional,
do atletismo e da autoestima. Personalidade e diferenças individuais, 106157-162. doi: 10.1016
/ j.paid.2016.11.017
Gooding, A., & Gardner, FL (2009). Uma investigação da relação entre mindfulness, presot
routine e percentual de throw livre de basquete. Journal of Clinical Sport Psychology, 3 (4),
303-319.
Gouda, S., Luong, MT, Schmidt, S. e Bauer, J. (2016). Alunos e professores se beneficiam da
redução do estresse baseado em mindfulness em um estudo piloto incorporado à
escola. Fronteiras em Psicologia, 7.
Jackson, SA (2000). Alegria, diversão e estado de fluxo no esporte. Em YL Hanin (Ed.),
Emoções no Esporte (pp. 135–155). Champaign, IL: Cinética Humana.
Jackson, SA, Kimiecik, JC, Ford, SK e Marsh, HW (1998). Correlatos psicológicos do fluxo no
esporte. Jornal do esporte e psicologia do exercício, 20, 358-378.
Jackson, SA, & Wrigley, WJ (2004). Experiência ideal em esportes: questões atuais e direções
futuras. Em T. Morris e J. Summers (Eds.), Psicologia do Esporte: Teoria, Aplicações e
Questões (2ª ed.) (Pp. 423-451). Milton, Austrália: Wiley.
Kabat-Zinn, J. (1994). Onde quer que você vá, lá está você. Nova Iorque: Hyperion.
Mosewich, AD, Crocker, PE, Kowalski, KC e DeLongis, A. (2013). Aplicando a autocompaixão
no esporte: uma intervenção com mulheres atletas. Jornal do esporte e psicologia do exercício,
35 (5), 514-524.
O'Rourke, DJ, Smith, RE, Smoll, FL e Cumming, SP (2014). Relações de climas motivacionais
iniciados por pais e treinadores para a autoestima de jovens atletas, ansiedade de
desempenho e motivação autônoma: quem é mais influente? Journal of Applied Sport
Psychology, 26 (4), 395-408. doi: 10.1080 / 10413200.2014.907838
Parker, SC, Nelson, BW, Epel, ES e Siegel, DJ (2015). A ciência da presença: um mediador
central dos benefícios interpessoais da atenção plena. Em KW Brown, JD Creswell, RM Ryan,
KW Brown, JD Creswell, RM Ryan (Eds.), Manual de Mindfulness: Teoria, Pesquisa e Prática
(pp. 225-244). Nova York, NY, EUA: Guilford Press.
Remmers, C., Topolinski, S. e Koole, SL (2016). Por que ser atento pode ter mais benefícios do
que você imagina: A atenção plena melhora a regulação do humor explícita e
implícita. Mindfulness, 7 (4), 829-837. doi: 10.1007 / s12671-016-0520-1
Richard, V., Halliwell, W., & Tenenbaum, G. (2017). Efeitos de uma intervenção de
improvisação sobre habilidades de performance, auto-estima, criatividade e mindfulness dos
skatistas de elite. The Sport Psychologist, 31 (3), 275-287. doi: 10.1123 / tsp.2016-0059
Robinson, G. e Freeston, M. (2015). Intolerância à incerteza como preditor de ansiedade de
desempenho e robustez da confiança esportiva em estudantes universitários-atletas. Journal of
Clinical Sport Psychology, 9 (4), 335-344.
Röthlin, P., Birrer, D., Horvath, S. e Holtforth, MG (2016). Treinamento de habilidades
psicológicas e uma intervenção baseada em mindfulness para melhorar o desempenho atlético
funcional: Projeto de um ensaio clínico randomizado e controlado usando avaliação
ambulatorial. Psicologia BMC.
Smith, RE, Smoll, FL, Cumming, SP e Grossbard, JR (2006). Mensuração da ansiedade
multidimensional do desempenho esportivo em crianças e adultos: a Escala de Ansiedade
Esportiva-2. Jornal do esporte e psicologia do exercício, 28 (4), 479-501.
Solhaug, I., Eriksen, TE, de Vibe, M., Haavind, H., Friburgo, O., Sørlie, T., & Rosenvinge, JH
(2016). Experiências de estudantes de medicina e psicologia no aprendizado da atenção:
benefícios, paradoxos e armadilhas. Mindfulness, 7 (4), 838-850. doi: 10.1007 / s12671-016-
0521-0
Tan, J., Lo, P., Ge, N., & Chu, C. (2016). A autoestima medeia a relação entre mindfulness e
ansiedade social entre estudantes chineses de graduação. Comportamento social e
personalidade, 44 (8), 1297-1304. doi: 10.2224 / sbp.2016.44.8.1297
Thienot, E., Jackson, B., Dimmock, J., Grove, Jr., Bernier, M., & Fournier, JF
(2014). Desenvolvimento e validação preliminar do inventário de mindfulness para o
esporte. Psicologia do Esporte e Exercício, 15 (1), 72-80.
Thompson, RW, Kaufman, Ka, De Petrillo, LA, Glass, CR e Arnkoff, DB (2011). Um ano de
acompanhamento do Mindful Sport Performance Enhancement (MSPE) com arqueiros,
golfistas e corredores. Journal of Clinical Sport Psychology, 5 (2), 99-116.
Woodman, T. e Hardy, L. (2003). O impacto relativo da ansiedade cognitiva e da autoconfiança
no desempenho esportivo: uma meta-análise. Journal of sports sciences, 21 (6), 443-457.