Você está na página 1de 5

Comentário sobre as parábolas do tesouro escondido e

da pérola em Mateus 13.44-46 por Simon Kistemaker

Na parábola do tesouro escondido Jesus conta a história de certo homem


que encontrou um tesouro escondido num campo. O Senhor não diz quem foi o
homem que encontrou o tesouro nem tampouco como ele o encontrou, se
arando, cavando ou plantando no campo, não sabemos. Também não sabemos
qual foi o tesouro encontrado. O que sabemos apenas é que certo homem
encontrou um tesouro que estava escondido num campo.
Tal fato não era algo anormal e fora da realidade. Era uma coisa comum
tanto na época do Antigo Testamento (Pv. 2.4; Jr.41.8) quanto do Novo
Testamento esconder tesouros debaixo da terra por causa das guerras e
revoluções tão freqüentes na época. Era mais seguro guardar um tesouro
escondido no campo do que deixá-lo em casa, pois este, estando em casa,
poderia ser roubado por ladrões ou levado pelos invasores como despojo.
Acontecia, porém que, na maioria das vezes, o proprietário do tesouro morria
sem revelar a ninguém onde tinha escondido o tesouro. Assim, o tesouro
escondido no campo poderia ou não ser encontrado por alguém. O Senhor fala
de algo conhecido por seus ouvintes. Ele não está usando uma figura irreal e
fantasiosa ao falar do tesouro escondido. Mas ele está falando de algo real e
conhecido e também possível de acontecer. Na verdade, ao longo da história,
vários tesouros escondidos têm sido encontrados.
O homem que encontrou o tesouro no campo não estava à caça de
tesouros escondidos. Ele o encontrou ao acaso. E qual foi a sua reação ao achar
o tesouro escondido? A primeira coisa que ele fez foi esconder o tesouro de
volta. E depois, tomado por grande alegria por ter encontrado o tesouro, ele volta
para sua casa, vende todos os seus bens e compra aquele campo no qual o
tesouro estava escondido. Agora o campo era seu junto com o tesouro nele
escondido.
Agora atentemos para a parábola da pérola de grande valor. O Senhor
Jesus desta vez conta a história de um negociante de pérolas que estava à
procura das melhores. Pérolas tinham um grande valor no primeiro século da era
cristã assim como tem o diamante em nossos dias. Elas serviam como símbolo
de status e posição entre os ricos. Apenas os ricos as possuíam. A própria Bíblia
no Novo Testamento fala das pérolas como objeto de grande valor naquela
época (Mt. 7.6; I Tm. 2.9; Ap.18, 11,12). Por serem valiosas, as pérolas eram
muito procuradas por seus negociantes. Estes faziam longas viagens em busca
das melhores e mais valiosas pérolas. O homem da parábola é um negociante
que está em busca das melhores pérolas. Jesus não diz para onde ele foi, mas
tão somente diz que ele encontrou em sua busca a pérola que tanto procurava,
a pérola de grande valor. Uma oportunidade única na sua vida. Ele não sossegou
enquanto não a obteve. O que então ele fez para adquiri-la? Jesus diz que
aquele negociante, “tendo achado uma pérola de grande valor, vendeu tudo o
que possuía, e a comprou”. A pérola que tanto procurava agora era sua.
Comparando ambas as parábolas, observamos um ponto de semelhança
entre elas. Esse ponto de semelhança está na atitude dos dois homens depois
de terem encontrado o tesouro e a pérola: Ambos reconheceram o imenso valor
do que tinham encontrado e com alegria não hesitaram em vender tudo que
tinham para obterem o que tinham encontrado.
Observando esse detalhe da parábola de que os dois homens se
desfizeram de seus bens para possuírem o tesouro que encontraram podemos
nos perguntar: “Eles fizeram a coisa certa? Ou foi uma loucura o que eles
fizeram?” Certamente que seus parentes e conhecidos desaprovaram a atitude
deles por não saberem o que eles estavam fazendo. Mas ambos os homens
sabiam muito bem o que estavam fazendo e eles fizeram a coisa certa. Eles
descobriram que aquilo que encontraram era muito mais valioso do que tudo
quanto poderiam ter. Por essa razão, eles não pensaram duas vezes, mas com
o coração resoluto e alegre e sem nenhum sentimento de perda desfizeram-se
de tudo quanto possuíam para obterem o tesouro e a pérola que encontraram.
Este é o ponto central da parábola através do qual Jesus quer nos ensinar uma
verdade acerca do seu reino.

Qual é a mensagem que Jesus quer aplicar no nosso coração com o ensino das
parábolas do tesouro escondido e da pérola?
Antes de atentar para a verdade central que Jesus quer aplicar no nosso coração
com estas parábolas, vejamos primeiramente o que Jesus não está nos
ensinando nelas:

Jesus não está ensinando que o crente deve comprar a sua salvação assim
como os dois homens compraram o tesouro e a pérola. Alguns pensam assim
ao interpretarem estas parábolas. Mas não devemos chegar a essa conclusão,
pois a Bíblia, que não se contradiz em lugar nenhum, nos ensina em vários textos
que nossa salvação é uma dádiva graciosa de Deus (Ef. 2.8-10; 2Tm. 1.9). O
preço da nossa salvação foi o sangue de Cristo e não algo que podemos fazer
para obtê-la. Não podemos comprar o reino de Deus. Pelo contrário, Deus é
quem nos faz herdeiros e súditos do seu reino por pura graça mediante a fé em
Cristo.

Jesus também não está ensinando que o crente deve fazer um voto de pobreza
ao vender tudo quanto tem para se tornar participante do reino de Deus. Alguns
pegam o detalhe da parábola de que os dois homens se desfizeram de tudo que
tinham para obterem o que tinham encontrado e afirmam isso. Mas não é isso
que Jesus está ensinando. Não é assim que você agora, por ser um crente, vai
vender sua casa, seu carro e todos seus bens para seguir Cristo. Sempre existiu
e existirão cristãos fiéis que são ricos no sentido material. Isso é dom de Deus.
Ser cristão não é sinônimo de ser pobre no sentido material. Portanto, Jesus não
está nos ensinando a se tornar pobres nestas parábolas.

Qual é então a mensagem das parábolas do tesouro escondido e da pérola? A


verdade central da parábola que Jesus quer colocar no nosso coração é a
seguinte: O reino dos céus com tudo o que ele é e possui é um tesouro tão
valioso que a pessoa que o encontra reconhece que seu valor é maior do que
qualquer outro que exista na face da terra.
O crente que encontrou o Rei Jesus Cristo e todas as bênçãos do seu
reino (o perdão dos pecados, nova vida no Espírito, governo e cuidado de Cristo
sobre sua igreja, vida eterna), consciente de todos estes benefícios, abandonará
alegremente o seu velho estilo de vida para então viver em total gratidão e louvor
ao seu Rei e Salvador Jesus Cristo que, por pura graça, o faz desfrutar das
riquezas do seu reino. Por causa de sua grande alegria por ter encontrado o
Salvador de sua vida e se tornar um herdeiro do seu reino eterno, o crente não
desejará outra coisa senão viver para o seu Senhor. E ele fará isso sem nenhum
constrangimento, mas com toda alegria, pois ele agora sabe que, pela graça de
Deus, foi transportado do império das trevas (uma vida de miséria e pecado)
para o reino de luz do Filho Amado de Deus (perdão e salvação).

Aplicação Prática do Texto

Nestas parábolas destacamos as seguintes lições

1. Um imenso tesouro foi achado - Nada é mais precioso e belo do que o


Reino de Deus.

O propósito do Senhor Jesus na parábola é mostrar que a pessoa que


encontrou o tesouro – no caso a vida no reino de Deus (Mt 13.44) – reconhece
ser ele de valor imenso, inestimável, único. Pertencer ao reino de Deus é o
tesouro de seres humanos pecadores transformados em filhos de Deus (Jo
1.14), os quais tiveram o perdão dos pecados e receberão a vida eterna através
da obra salvadora de Jesus na Cruz (Jo 3.16 e 5.24).
A parábola registra que o fato de encontrar o reino de Deus (tesouro e pérola)
gera muita alegria (Mt 13.44). Note que quem o encontra não se lamenta ou fica
saudoso das coisas que se desfez para ter o tesouro. Quem acha lugar na família
de Deus achou o que existe de mais precioso em todo universo criado, e a
ilustração de Jesus reflete a ação de uma pessoa, que descobrindo que foi salva
pela graça de Cristo, reconhece e age adequadamente diante da imensidão e
incalculável valor do que foi achado.
2. Uma completa troca de valores aconteceu – Por causa do Reino de Deus
abrimos mãos de outras coisas
As duas comparações da parábola deixam claro que para desfrutar da
posse do tesouro ou da pérola foi necessária uma troca completa de posses. No
texto, aquele que reconheceu ter achado uma grande preciosidade, vai e vende
tudo o que tem para assim desfrutar da posse do tesouro ou da pérola (Mt
13.44,46). Essas ilustrações são fortíssimas lições para a vida do nosso tempo,
onde ter e ostentar coisas e bens é marca de sucesso. Jesus mostrou que uma
pessoa que faz parte do reino de Deus fez uma troca completa de valores: Deus
e o Seu reino tem o primeiro lugar!
Na prática, significa que a vida mudou de propósito, pois após vender tudo
o que tinha (desfazer-se de tudo), investe tudo no reino de Deus. Como estamos
longe deste modo de vida! Como somos egoístas! Na prática, desejamos
desfrutar do tesouro do reino dos céus sem nos desfazer do apego a coisas e
bens terrenos. Aplicar esse ensino na vida cristã obedecer ao que as Escrituras
dizem: “Vocês foram ressuscitados com Cristo. Portanto, ponham o seu
interesse nas coisas que são do céu, onde Cristo está sentado ao lado direito de
Deus. Pensem nas coisas lá do alto e não nas que são aqui da terra.” (Cl 3.1-2).
Cidadãos do reino de Deus valorizam muito mais as coisas espirituais que as
terrenas.

3. O reino de Deus passou a ser a prioridade de vida - O Reino de Deus não


pode ficar em segundo plano em nossa vida e caminhada de fé.

Chamou-me muito atenção o fato de que depois da mudança completa de


valores, a pessoa que efetuou a troca agora só possui o tesouro, ou a pérola de
grande valor e nada mais. É fácil perceber que nessa situação a vida dessa
pessoa passou a girar em torno do seu tesouro. Em outras palavras, a ilustração
do Senhor Jesus mostra que o tesouro passou a possuir e determinar as
prioridades de quem o possuía. É exatamente isto que acontece no reino de
Deus. Somos propriedades de Cristo, quando o achamos como nosso Senhor e
Salvador (I Co 6.19-20 e I Pe 2.9).
Quem de nós tem as prioridades da vida definidas por Cristo? Quantos de
nós consultamos a Deus antes de fazer algo (Tg 4.13-15)? Quantos pedem
permissão a Jesus para se aproximar amorosamente de uma pessoa visando o
casamento? Será que realmente encontramos a pérola de grande valor?
Vivemos como quem tem apenas um tesouro? Verifique o que hoje tem sido
prioridade na sua vida e com sinceridade analise quem determinou tais
prioridades. Servos do Rei devem lembrar e praticar o que disse Jesus:
“Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que
Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas.” (Mt 6.33). Você acredita
realmente que pertencer a Cristo é o maior tesouro?

Uma palavra de alerta missionária precisa ser destacada. O fato de o


tesouro ter sido achado por uma pessoa e ele passar a lhe pertencer não
significa que a parábola permite a interpretação de exclusividade. Quero dizer
que a oportunidade de achar o precioso tesouro, de ser parte do reino de Deus,
não deve ser escondida ou desfrutada no particular, sem compartilhar. Deus
deseja que Ele venha a ser achado por qualquer ser humano. Foi isto que o
apóstolo Paulo revelou: “Ele [Deus] quer que todos sejam salvos e venham a
conhecer a verdade” (1 Tm 2.5). A chegada do reino de Deus faz parte do
anúncio do evangelho; logo todos devem ouvir acerca desse grande tesouro.
Relembro que o Senhor Deus ordenou ao profeta Jeremias dizer ao povo:
“Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.
Serei achado de vós, diz o Senhor” (Jr 29.13-14).
Algumas pessoas, mesmo declarando-se cristãs, se aventuram em
experimentar viver colocando o foco principal nos valores terrenos, como se esta
opção fosse melhor do que se submeter ao controle de Deus. Centenas de vezes
a Bíblia ensina que Deus é bom, que tudo que Ele faz é perfeito e bom (Gn 1;
Rm 12.2), e todo bom presente vem dele (Tg 1.17). Gosto muito de resumir esta
verdade bíblica dizendo que não existe nada melhor do que o bom Deus. Assim,
achar que um ser humano será mais feliz fora do reino de Deus é ilusão e
desfrutar prazeres temporários, os quais frequentemente são enganosos.
Investir a vida no reino dos céus é receber nesta vida cem vezes mais, e no
mundo por vir a vida eterna (Mc 10.29-30). Quem achou isto, encontrou o melhor
e mais precioso tesouro do universo.