Você está na página 1de 12

35

AGO/SET 2018

D I R E c a O D O S O C I A L I S M O
NA
EDITORIAL

PCB NAS ELEIÇÕES 2018: COM BOULOS


E GUAJAJARA PELO PODER POPULAR!
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

EDITORIAL
Com Boulos e Guajajara rumo ao Poder Popular!

O quadro político nacional, em que dentro do aparelho do Estado e estabelecen- des da população sem atacar os ditames dos
se realizarão as eleições presidenciais, para do relações promíscuas com o grande bancos e monopólios. Jamais será possível
os governos estaduais e para o parlamento, é empresariado. governar para e com os trabalhadores e
o mais instável e indefinido desde 1989. O Por tudo isso os comunistas do PCB manter a defesa da liberdade religiosa, dos
aprofundamento da crise capitalista, em seguem propondo e construindo a mais direitos das mulheres, negros e LGBTs sem
especial nos países periféricos, impõe uma ampla frente social na prática cotidiana con- canais de democracia direta e ficando refém
agenda de grandes retrocessos sociais e tra a agenda econômica e social da ofensiva das velhas oligarquias políticas que contro-
políticos. Se a ascensão, no início dos anos reacionária da grande burguesia e do imperi- lam um congresso rodeado de corruptos,
2000, de governos progressistas com graus alismo. É preciso lutar amplamente pela máfias e reacionários ligados ao fundamen-
distintos de radicalização e mobilização, com liberdade dos 23 ativistas de junho de 2013, talismo religioso.
destaque na América Latina, se relacionava pela liberdade de Lula e seu direito de ser A ofensiva reacionária e a intensifi-
com sublevações populares contra os efeitos candidato, contra a reforma trabalhista e da cação da dependência brasileira ao centro
da crise da dívida dos anos de 1980 e das previdência, pela revogação da PEC de con- imperialista reforçam ainda mais a principal
políticas neoliberais, as eleições de 2018 gelamento dos gastos públicos, em defesa contradição no Brasil capitalista: a intensifi-
também poderão expressar o grau, o tipo e a do pré-sal e da Petrobrás, pela valorização do cação da exploração da força de trabalho e a
perspectiva de resistência nos anos que salário mínimo, etc. expropriação violenta de bens sociais e natu-
virão. Uma frente política e eleitoral, ao se rais do nosso povo e de nosso país. A saída
A experiência recente nos ensina propor a ser um polo para reconstruir o país política para a crise está na reorganização e
que a combinação entre a luta de massas e a na direção dos interesses populares e da fortalecimento dos trabalhadores, e não em
política institucional, em países com uma classe trabalhadora, deve se nortear por um ilusões no sentido de civilizar a burguesia
formação social autocrática, é um importan- programa que seja capaz de apresentar brasileira. Para o PCB, a candidatura de Gui-
te meio de obter avanços sociais e novas alternativas à onda reacionária em curso, ao lherme Boulos e Sônia Guajajara tem como
conquistas no campo das liberdades demo- mesmo tempo em que deve superar a recen- uma de suas principais metas a possibilidade
cráticas. Contudo, sem mudanças profundas te e desastrosa experiência de governos que de contribuir para a reconstrução da esquer-
nas estruturas políticas e econômicas, isto é, se pautaram na conciliação de classes para da brasileira na perspectiva da luta anticapi-
sem enfrentar privilégios seculares, comba- oferecer compensações sociais aos setores talista sem conciliação. Devemos atuar no
ter os interesses do grande capital e apontar populares. Não é possível avançar na con- interior da frente eleitoral com o PSOL,
para a transição rumo a uma economia plani- quista de direitos sem enfrentar, controlar e MTST e movimentos populares com o objeti-
ficada e socializante, sendo o Estado o taxar o capital financeiro. Nenhuma reforma vo de fortalecer a tão necessária unidade na
grande promotor do desenvolvimento das agrária será feita no país sem o enfrenta- resistência frente aos ataques em curso,
forças produtivas, o progressismo se parali- mento aos interesses do agronegócio. É apontando sempre para o horizonte de cons-
sa, se transforma num movimento de aco- impossível desenvolver ciência, educação e trução do poder popular e do socialismo em
modação, rearranjo entre as classes sociais novas tecnologias para atender as necessida- nosso país.

O Poder Popular, um jornal a serviço das lutas populares e da Revolução Socialista.


Órgão oficial do Partido Comunista Brasileiro (PCB)
EXPEDIENTE

Conselho Editorial: Ricardo Costa, Eduardo Serra, Edmílson Costa, Roberto Arrais
(jornalista responsável – 985/DRT – FENAJ).
Colaboradores desta Edição: Luís Fernandes, Comissão Nacional de Agitação e Propaganda, Comitês
Regionais do PCB de Goiás, Rio de Janeiro, Roraima, Pernambuco, São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina,
Rio Grande do Sul, Ceará, Piauí e Minas Gerais.
Endereço Eletrônico: www.pcb.org.br Contato: pcb@pcb.org.br
Sede Nacional do PCB: Rua da Lapa, 180, Gr 801 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP.: 20.021-180
Telefax.: (21) 2262-0855 e (21) 2509-3843.

02
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

RIO DE JANEIRO

MUDAR O RIO É POSSÍVEL!


O Brasil e o Rio de Janeiro violência do crime organizado, do tráfi- é estudante de geografia na UFRRJ
vivem uma das suas piores crises eco- co, das milícias e das incursões arbitrá- (Rural). É militante da União da Juven-
nômicas, sociais e civilizatórias da histó- rias da polícia, além do sucateamento tude Comunista (UJC) desde 2015.
ria. Cada vez mais trabalhadores, traba- dos transportes, o abandono da saúde, Criada no meio de mulheres aguerri-
lhadoras e jovens sofrem com o ataque a destruição e o fechamento de esco- das, que jamais perderam a fé na vida
aos direitos, o arrocho salarial, o las, lonas culturais, teatros e cinemas e a ensinaram a ter esperança na luta,
desemprego, a política de guerra às dos bairros, o desmonte de projetos tem convicção no poder de resistên-
drogas na segurança pública e a inter- como os CIEPs e muitos outros des- cia diária, dignidade e superação do
venção militar, a cultura do estupro, o montes dos serviços públicos com o povo trabalhador brasileiro. Apren-
sucateamento da escola e universida- objetivo claro de favorecer o grande deu isso com o pai, metalúrgico, e a
de pública, assim como dos institutos capital. mãe, terceirizada do Detran, além do
federais. A política de austeridade e Está na luta desde a segunda exemplo de parte da família, que par-
corte de gastos sociais afeta o cotidia- metade dos anos 1990. Entrou no PCB ticipou do movimento das ligas cam-
no da população para beneficiar os em 2003, participou de diversas lutas ponesas em Pernambuco.
bancos e as grandes empresas. da juventude e do povo carioca pelo MARTA BARÇANTE, feminis-
É necessário e urgente renovar passe livre, em defesa da educação ta, sindicalista e comunista, é candida-
a Assembleia Legislativa e o Congresso pública, contra as privatizações do ta a Senadora na coligação “Mudar é
Nacional com gente que realmente patrimônio público e muitas outras Possível” (PSOL-PCB), que apresenta
defenda os interesses da juventude, batalhas. Foi diretor da Associação as candidaturas de Tarcísio Motta e
das mulheres, dos negros, LGBTI e da Municipal dos Estudantes Secundaris- Ivanete Silva para o Governo do Esta-
classe trabalhadora como um todo, por tas (AMES) e da União Nacional dos do e Chico Alencar para a outra vaga
meio de mandatos populares de resis- Estudantes (UNE). Em 2006, ajudou a do Senado. Marta estudou e se for-
tência e que sejam instrumentos de refundar a União da Juventude Comu- mou em Pedagogia na UERJ, na déca-
organização dos explorados e oprimi- nista (UJC). Atuante também no movi- da de 1970, onde iniciou sua militân-
dos, com ousadia para apontar que o mento cultural, participa de diversas cia no movimento estudantil durante
futuro do Estado do Rio e do Brasil é resistências no âmbito da cultura, blo- a ditadura militar. Foi professora e
socialista. cos de carnavais de esquerda e de defe- diretora do Sinpro-Rio e, em 1993,
sa da cultura popular, sendo fundador ingressou no TJRJ, passando a atuar
do Comuna que Pariu! e integrante d'O no Sind-Justiça, de cuja diretoria parti-
Samba Brilha. Sempre lutou pela unida- cipou entre 2001 e 2011. É militante
de dos movimentos populares contra do PCB desde 1983, foi fundadora da
os ataques do grande capital à classe Unidade Classista, é a Secretária Naci-
trabalhadora. Vamo que vamo sem onal de Mulheres, Gênero e Diversida-
medo de mudar o Estado do Rio! de Sexual do PCB e atua no Coletivo
Feminista Classista Ana Montenegro.
VAMOS JUNTAS: revogar as
contrarreformas de Temer; ampliar e
melhorar o atendimento do SUS, com
atenção especial à saúde da mulher;
aumentar a rede de creches públicas
HEITOR CESAR é professor de nos locais de moradia, trabalho e estu-
história e filosofia, atua na oposição do; garantir educação pública, gratui-
pela base no sindicato dos professores ta e de qualidade em todos os níveis;
do Rio de Janeiro, o Sinpro-Rio. Nasci- sepultar de vez a Reforma da Previ-
do e criado no subúrbio carioca, onde dência; criar políticas públicas de com-
se apaixonou pelo Botafogo e pela bate ao machismo, ao racismo e à
Portela, viveu as transformações que LGBTfobia.
fizeram de muitas pessoas reféns da MARIA CAROL tem 21 anos e
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

RORAIMA
CONTRA AS OLIGARQUIAS E OS ALIADOS
DO GOVERNO GOLPISTA DE TEMER
“O povo de Roraima tem
voz!” É com esse grito de unidade
que estudantes, trabalhadores e
trabalhadoras sem teto, servidores
públicos, movimento indígena e cole-
tivo cultural estão levantando a ban-
deira no Estado de Roraima: pelo
Poder Popular!
Com um programa político
assumido pela Frente de Esquerda
Socialista composta pelo PCB, PSOL,
PSTU, o Movimento dos Trabalhado-
res Sem Teto – MTST, Coletivos de
Lideranças Indígenas do Estado de não desiste de combater os descasos wapixana e do radialista Raphael
Roraima, Movimentos Sociais e Estu- dos sucessivos governos, os ataques Uchoa, respectivamente na primeira
dantis e Coletivos apoiadores das da burguesia aos direitos da classe e segunda suplência ao senado.
Artes e Cultura, o enfrentamento trabalhadora e dos setores popula- Paulo Thadeu Neves come-
tem como objetivo derrotar as oli- res. çou sua militância no movimento
garquias, os privilégios da classe Contra os retrocessos políti- estudantil, em plena ditadura militar,
dominante roraimense e os aliados cos e sociais em curso e para fazer e continuo na luta hoje como profes-
do governo golpista de Temer, lide- avançar as lutas em defesa de uma sor, jornalista, produtor cultural, radi-
rados por Romero Jucá (MDB-RR). nova sociedade e pelo Poder Popu- alista e militante do Partido Comunis-
Em visita ao Estado no mês de lar, é com esse time que o PCB entra ta Brasileiro.
junho, o candidato à presidência da em campo no Estado de Roraima Telma Taurepang é natural
República na chapa PSOL/PCB e Coor- para disputar as eleições em 2018. da Comunidade da Mangueira, muni-
denador Nacional do Movimento dos São seis candidaturas a Deputado cípio do Amajari, da etnia Taurepang.
Trabalhadores Sem Teto – MTST, Estadual, das quais três representam Professora, integrante do Conselho
a fração indígena: Indígena de Roraima – CIR, já exerceu
Guilherme Boulos afirmou que a
Tu x a u a C a r l o s S a n t o s a função de Tuxaua na sua comunida-
frente construída em Roraima foi
(21.222) e o professor Márcio Feito- de. Faz parte da Coordenação das
feita de baixo para cima: “Não quere-
sa (21.789) do povo macuxi e Wes- Organizações Indígenas da Amazônia
mos mais essa política de coronelis-
ley Manuel (21.777) do povo wapi- Brasileira – COIAB e atua na Secreta-
mo no Estado. Devemos dar um
xana. Na chapa ao legislativo rorai- ria de Política de Mulheres da Coor-
basta ao clientelismo e à compra de
mense há ainda a participação da denação Geral das Organizações Indí-
votos. Repudiamos a atitude de
professora Lindivalda Feitosa genas da Bacia Amazônica – COICA.
alguns setores do Estado que usam
um discurso de xenofobia para jogar (21.000) do Coletivo dos Trabalha-
dores Municipais em Luta, assim AMAPÁ: UMA MULHER NEGRA DE
povo contra povo. Quando a gente
como da coordenadora do MTST no LUTA PARA
faz política com ódio e trata o estran-
Estado, Maria Ferraz (21.123) e do O SENADO
geiro como inimigo é isso que ocor-
re”, disse. estudante e quadro da União da
Juventude Comunista (UJC), Darlan No Amapá, o PCB lança Joa-
A Convenção Eleitoral Unifi- quina Lino, mulher negra feminista
cada do PCB, PSOL e PSTU aprovou Souza (21.121).
Para a disputa ao Congresso que atua na FEMEA- Federação de
as candidaturas de Fábio Almeida Mulheres do Estado do Amapá, articu-
(PSOL) ao Governo do Estado, Nacional, o PCB lançou as candidatu-
ladora nacional do MAMA - Movimen-
Telma Taurepang (PCB) e Lourival ras do professor e jornalista Paulo
to articulado de Mulheres da Amazô-
(PSTU) para o Senado Federal. Os Thadeu a Deputado Federal (2121)
nia, fundadora e conselheira do
partidos de esquerda e organizações e da liderança indígena Telma Tau-
CEDMAP- Conselho Estadual dos Dire-
sociais de Roraima escrevem assim repang a Senadora da República
itos da Mulher. No Pará, o candidato
uma nova história, após 518 anos de (212), tendo ainda o professor indí- do PCB é César Borges (Deputado
luta e resistência desse povo, que gena Misaque Antone, do povo Federal).
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

PERNAMBUCO

NADA SOBRE A GENTE, SEM A GENTE

Diante da gigantesca crise eco- protagonismo da mulher trabalhadora. rios pernambucanos, para retomar o
nômica e política que vive o Estado de Josias Leandro é funcionário sindicato para as lutas. Morador da
Pernambuco (18% de desemprego e público, filho de trabalhadores rurais e cidade do Cabo de Santo Agostinho,
mais de mil e quinhentas obras para- candidato a deputado federal. Come- atua em defesa das causas populares
das, para citar apenas dois exemplos), o çou sua militância no PCB ainda no movi- nos movimentos comunitários.
PCB apresenta suas candidaturas pro- mento estudantil, atuou na Associação São também candidatos: a
fundamente sintonizadas com as lutas dos Moradores da Charneca, bairro do deputado federal, Paulo Camelo de
sociais, as demandas dos trabalhadores Cabo de Santo Agostinho, ajudou a Holanda Cavalcanti, engenheiro civil,
e setores oprimidos e uma alternativa fundar o Sindicato dos Servidores ex-bancário do Banco do Brasil, lideran-
real à decadente oligarquia liderada Públicos Municipais do Cabo (SINTAC) e ça popular de Garanhuns; a deputado
por Paulo Câmara (PSB), que destrói o atua nos movimentos populares com- estadual, Ivanildo Santos, natural de
estado. pondo várias trincheiras da luta popu- Ribeirão, filho de trabalhadores rurais,
Amanda Palha é travesti, femi- lar, como no enfrentamento às políti- funcionário público municipal da Com-
nista, educadora popular e estudante cas antipopulares instaladas com o pesa, fundador da Associação dos Pre-
de Serviço Social, há seis anos vinculada Porto de Suape. sidentes de Bairros e Líderes Comunitá-
a associações filiadas à ANTRA - Associ- Elvira Cavalcanti é candidata a rios. Gerlane Simões, educadora popu-
ação Nacional de Travestis e Transexua- deputada federal pelo PCB. Iniciou sua lar, feminista, estudante de sociologia,
is (atualmente à Amotrans - Articulação militância aos 16 anos de idade partici- mãe de três filhos, começou sua mili-
e Movimento de Travestis e Transexua- pando ativamente do Instituto Brasilei- tância no movimento hip hop, é candi-
is de Pernambuco) e candidata a depu- ro de Amizade e Solidariedade aos data a co-governadora ao estado de
tada federal pelo PCB. Milita há 12 anos Povos. Em 1997, ingressou no PCB. Pernambuco na coligação PSOL/PCB.
pelas causas da classe trabalhadora, Atua no Coletivo Feminista Classista Na Coligação VAMOS SEM
das mulheres, das LGBTI e pelas lutas Ana Montenegro, na Associação Per- MEDO DE MUDAR O MARANHÃO
populares. Defende que o povo esteja nambucana de Anistiados Políticos- (PSOL/PCB), são candidatos do PCB:
no centro das decisões, com a gente APAP e na Associação Político Cultural Iêgo Bruno (Senador), Dra. Valuzia (De-
decidindo realmente nosso destino, Brasil-Cuba. Participa de várias campa- putada Federal), Francinaldo (Deputa-
combatendo toda forma de exploração nhas de solidariedade aos povos opri- do Federal), Moreira do Marwel (Depu-
e opressão. midos. tado Federal), Gato Félix (Deputado
Luiza Carolina da Silva tem 23 José Agamenon de Medeiros Estadual) e Maria Aparecida (Deputada
anos, é feminista, negra, lésbica e can- Pereira, mais conhecido como Agame- Estadual).
didata a deputada estadual pelo PCB. non do Gás, motorista aposentado, é Em Alagoas, na Frente de
Estudante da UFRPE, militante da UJC, candidato a deputado estadual pelo Esquerda com o PSOL, o PCB apresenta
atua no movimento estudantil e cam- PCB. Iniciou a militância na década de as seguintes candidaturas: Osvaldo
ponês da cidade de São Lourenço da 1980. Nos anos 90, enquanto trabalha- Maciel (Senador), Samuel Dasilvah (De-
Mata, na defesa da educação pública, va no Aeroporto do Recife, contribuiu putado Federal) e Wanessa (Deputada
agroecologia, reforma agrária e do com a luta e a organização dos aeroviá- Estadual).
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

PCB NAS ELEIÇÕES DE 2018

RECONSTRUIR O BRASIL NA
DIREÇÃO DO SOCIALISMO
Os 21 pontos programáticos da campanha do PCB

Medidas de emergência União) e das desonerações e renún- boração de políticas específicas para
para reconstruir o Brasil cias fiscais. as mulheres, incluindo a legalização
1) Revogação de todos os atos do 5) Nova política tributária, com redu- do aborto, salário igual para traba-
governo Temer e combate rigoroso ção ou isenção da tributação sobre o lho igual, além de políticas públicas
aos corruptos e corruptores, enten- consumo de bens e produtos de pri- de proteção contra a violência, o
dida a corrupção como fenômeno meira necessidade. Cobrança de feminicídio, assédio moral e sexual e
endêmico ao sistema capitalista. impostos progressivos de acordo o machismo.
2) Programa emergencial de empre- com a renda de cada pessoa ou agen-
go baseado nos investimentos públi- te econômico, além de um imposto Medidas de transição
cos: formação de Frentes de Traba- especial sobre as grandes fortunas e para um novo Brasil
lho Urbana e Rural para reduzir o ganhos de capital. Isenção da
desemprego; tabelamento dos gêne- cobrança do imposto de renda para 8) Estímulo à criação das instâncias
ros de primeira necessidade; expro- os trabalhadores que ganham até 5 do Poder Popular, com formação
priação dos imóveis abandonados mil reais. Nova tabela do imposto de dos Conselhos Populares eleitos nos
ou ociosos para abrigar os sem teto; renda, respeitando o princípio de locais de trabalho, moradia, estudo,
rede de restaurantes e mercados que quem ganha mais paga mais, lazer e cultura. Abertura do Parla-
populares; transporte gratuito para quem ganha menos paga menos e mento aos movimentos sociais e
os desempregados e suas famílias, quem não ganha nada não paga garantia de realização de plebiscitos
estudantes e componentes das fren- nada. e referendos sobre temas de inte-
tes de trabalho, na perspectiva da 6) Regularização imediata dos resse nacional. Parlamento unicame-
tarifa zero para todos. assentamentos e uma nova política ral e garantia de revogação dos man-
3) Concessão de abono salarial para de incentivo à produção de alimen- datos por parte da população.
os que ganham salário mínimo, inclu- tos saudáveis, com redução do uso 9) Controle social dos meios de
sive Bolsa Família, aposentados e de agrotóxicos nas plantações e comunicação e criação de uma rede
seguro desemprego. Estabilidade apoio à agricultura familiar. Sobera- pública de comunicação social, com
no emprego para todos os trabalha- nia, demarcação e titulação imediata ampla liberdade para que as organi-
dores e fim das terceirizações. das terras indígenas, quilombolas e zações políticas e sociais construam
4) Auditoria da dívida interna e cria- ribeirinhas, com garantia de políticas seus meios de informação. Reforma
ção de uma Comissão da Verdade públicas nas áreas de educação, do Judiciário, com novas regras e
para analisar todo o processo da saúde e previdência. prazos de mandatos para as instânci-
dívida, com suspensão do seu paga- 7) Combate firme a todas as formas as superiores e constituição de Jun-
mento dos juros. Renegociação e de opressão, como o racismo, o pre- tas Populares de Justiça para peque-
reestruturação da dívida dos Esta- conceito étnico, religioso e a violên- nas causas.
dos com a União. Revogação da Lei cia e o preconceito contra as comuni- 10) Abertura imediata de todos os
de Responsabilidade Fiscal, da DRU dades LGTBs, com garantia de seus arquivos da ditadura, com o mapea-
(Desvinculação das Receitas da direitos. Garantia dos direitos e ela- mento dos atos de repressão, envol-

06
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

vendo prisões, torturas, mortes e mentos com mais de 50 trabalhado- lares.


desaparecimentos políticos ainda res. 17) Previdência social pública e uni-
não revelados. Rigorosa punição aos 14) Reforma agrária sob o controle versal, com teto de 60 anos para
torturadores e seus mandantes. das entidades dos trabalhadores, homens e 55 para as mulheres; recu-
Democratização das Forças Arma- com desapropriação imediata dos peração das perdas salariais e
das, com formação militar baseada latifúndios improdutivos, das fazen- aumento real dos proventos e pen-
na defesa da soberania nacional e das com trabalho escravo e das que sões, restabelecendo-se o princípio
respeito aos interesses populares. não estejam cumprindo a função solidário amplo da seguridade social.
Desmilitarização da Segurança social. Criação de uma nova política 18) Política sustentável de meio
Pública, focando atuação na preven- agrícola sustentável ecologicamen- ambiente, com garantia de demarca-
ção, inteligência, combate ao tráfico te, visando a produzir alimentos sau- ção e manutenção das terras indíge-
de armas e à onda de homicídios em dáveis. Estímulo à formação de gran- nas, quilombolas e ribeirinhas. Defe-
todo o país. Fim da criminalização des cooperativas agropecuárias para sa da Amazônia, dos aquíferos em
das comunidades populares e do racionalizar o sistema produtivo e território nacional e o Aquífero Gua-
genocídio da juventude negra. ampliar a oferta de produtos bási- rani. Defesa da biodiversidade, dos
11) Estatização e controle público cos. Reforma urbana, com desapro- diversos recursos naturais brasilei-
das instituições financeiras, dos priação dos terrenos vazios para a ros e revitalização do Rio São Francis-
oligopólios ligados aos insumos e construção de habitações popula- co como forma de garantir a trans-
produtos essenciais básicos, além res, praças, parques e locais de lazer. posição de suas águas.
das empresas estratégicas e dos 15) Estatização do sistema privado 19) Política cultural de incentivo às
meios de produção essenciais à vida, de saúde, incluindo rede assistencial manifestações populares, para a
como água, luz elétrica, transporte, (hospitais, serviços ambulatoriais, construção de um amplo movimen-
saúde, educação, petróleo e infraes- de apoio diagnóstico e terapêutico), to cultural com capacidade de inovar
trutura, passando sua direção para setores de pesquisa e de produção estética e politicamente o panorama
um Conselho de Trabalhadores e de fármacos, imunobiológicos, cultural brasileiro, buscando romper
redução das remessas de lucro das hemoderivados e de insumos e com os interesses dominantes dos
multinacionais. Reestatização plena indústrias de material médico- oligopólios nacionais e internaciona-
da Petrobrás e todas as empresas e hospitalar e de equipamentos. Orga- is, que mercantilizam a cultura e as
recursos naturais que foram privati- nização do Sistema de Saúde a partir artes.
zados; extinção das agências regula- da atenção primária à saúde, evolu- 20) Respeito à autodeterminação
doras e anulação de todos os contra- indo até os níveis de maior complexi- dos povos e a seu direito de resistên-
tos de risco, leilões e parcerias públi- dade, conjugando ações de promo- cia frente à opressão e à dominação
co-privadas realizados em território ção, prevenção, cura e reabilitação. estrangeira; luta pela retirada da 4ª
brasileiro. Ampliação da rede assistencial, com Frota e das bases estadunidenses da
12) Nova política industrial e tecno- construção de unidades básica de América Latina e do Caribe. Criação
lógica para modernizar o parque saúde e hospitais nos bairros popula- de espaços comuns de integração
industrial brasileiro, desenvolver ou res. voltados a fortalecer os vínculos
criar setores de ponta, com forte 16) Estatização do sistema de ensi- econômicos, sociais e culturais e de
incentivo à pesquisa, à ciência e à no nacional, especialmente das uni- comunicação entre os povos da
tecnologia. Suporte às micro, peque- versidades privadas e escolas parti- região.
nas e médias empresas e à agricultu- culares e nova regulação para as enti- 21) Revogação do acordo militar
ra familiar, colocando o BNDEs e os dades confessionais, com vistas à Brasil/Estados Unidos; retirada das
Bancos Públicos a serviço das reais criação de uma escola pública e popu- tropas brasileiras do Haiti e sua subs-
necessidades da população e não lar de qualidade para todos, da edu- tituição por médicos, engenheiros e
dos lucros capitalistas. cação infantil ao ensino superior, professores; luta pela democratiza-
13) Valorização do salário mínimo e além da pós-graduação. Campanha ção da ONU. Solidariedade irrestrita
recuperação do poder de compra nacional para a erradicação do anal- à Revolução Socialista Cubana e aos
dos salários, por meio de um progra- fabetismo no prazo de dois anos, processos de mudanças na Bolívia,
ma discutido com os sindicatos, de aplicando os métodos universal- Venezuela e outros países; devolu-
forma a alcançar o valor do salário mente testados e exitosos em Cuba, ção do arquivo da Guerra do Para-
estipulado pelo Dieese. Redução da na Venezuela e na Bolívia. Constru- guai ao seu povo. Luta pelo fim da
jornada de trabalho para 35 horas ção e ampliação dos espaços comu- agressão imperialista aos povos do
sem redução do salário e obrigatori- nitários de esporte e lazer, com uma mundo; apoio à construção do Esta-
edade de formação de comissões de política de fomento à prática espor- do Palestino democrático, popular e
empresa em todos os estabeleci- tiva, especialmente nos bairros popu- laico.

07
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

SÃO PAULO: CONTRA O DESMONTE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS

Os trabalhadores de São Paulo advogada e professora universitária, é da Palestina e da RPDC.


encontram-se numa situação extrema- formada em Direito pela USP, mestre
mente precária, com milhões de desem- em Direitos Humanos, difusos e coleti- ESPÍRITO SANTO:
pregados, aumento da miséria e péssi- vos (UNIMES). Fundadora do Coletivo COM MAURO NA FRENTE DE
mos serviços públicos. Os mais de 20 Feminista Classista Ana Montenegro, ESQUERDA SOCIALISTA
anos de PSDB no governo apresentam participa da luta internacionalista, inte-
longa ficha corrida de desastres, que vão grando diversos comitês de defesa dos MAURO RIBEIRO, nascido e
desde a pior crise hídrica da nossa histó- povos oprimidos (palestinos, sírios, vene- criado no Morro do Pinto em Vitória, é
ria, passando pelo massacre de Pinheiri- zuelanos e do povo Sarawi). Foi dirigen- servidor público estadual lotado na
nho, o escândalo do trem salão, a tirada te do Sindicato dos Advogados do Esta- CETURB/ES (Companhia Estadual de
do estádio do Morumbi da Copa do Mun- do de São Paulo, fundadora da Comissão Transportes Coletivos de Passageiros do
do, o fechamento de milhares de salas da Mulher Advogada da OAB/SP, mem- Estado do Espírito Santo). Sua militância
de aula, etc. bro do Conselho da Condição Feminina. política inicia-se nos anos 80 na UJC
Nesse cenário conturbado, os É autora do livro “A imagem da Mulher (União da Juventude Comunista) e
comunistas trabalham cotidianamente na Mídia” e de diversos textos, referen- segue nos movimentos sociais e popula-
para a organização e a luta dos trabalha- tes às lutas das trabalhadoras e traba- res até hoje. Em 2013, com a refundação
dores. Nestas eleições, em aliança com o lhadores. do PCB no Espírito Santo, tornou-se
Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Secretário Político do Comitê Regional
apoiando a chapa da Professora Lisete e ERNESTO PICHLER é engenheiro for- e, nas eleições de 2014, representou a
Maurício Costa para o Governo do Esta- mado pela Politécnica, com pós- Frente Classista e Socialista como candi-
do e de Daniel Cara e Sílvia Ferraro para graduação na Michigan State University. dato ao governo do Estado. Concorre
o Senado, os candidatos do PCB pro- Foi pesquisador do IPT por mais de 30 agora ao Senado representando a Fren-
põem: piso salarial estadual com base no anos. Consultor da ONU em muitos paí- te de Esquerda Socialista (PSOL/PCB),
salário mínimo necessário (Dieese), taxa- ses da América Latina, Ásia e África. Estu- disposto a enfrentar as forças conserva-
ção do lucro e das grandes fortunas, dioso das políticas de ciência, tecnologia doras que hegemonizam a política esta-
estatização plena do METRÔ e da CPTM e desenvolvimento socioeconômico e dual. Técnico em transportes e arquite-
com transporte 24 horas, auditoria cida- ecoambiental. Luta contra o atual suca- to, Mauro tem acúmulo de ideias e solu-
dã da dívida pública estadual, dentre teamento dos Institutos de Pesquisas ções para as questões da mobilidade
outras medidas que devem ser conquis- científica e tecnológica. Está na luta urbana e da habitação. Defende a estati-
tadas por meio da mobilização da classe popular contra o avanço do fascismo. zação do transporte público e a tarifa
trabalhadora e da ação no parlamento. Luta pelo socialismo, entendido como zero. Luta pela construção do poder
combinação de democracia radical com popular como via de superação do capi-
MAURÍCIO ORESTES PARISI, profes- planejamento e educação. Internaciona- talismo e garantia de melhores condi-
sor de história, pesquisador, é historia- lista, defende os povos agredidos pelo ções de vida para os trabalhadores.
dor formado pela USP. Professor da imperialismo, como os de Cuba, da Síria,
Rede Municipal de São Paulo, represen-
ta sua escola no sindicado. É conselheiro
do SINPEEM. Anteriormente trabalhou
nas redes pública e privada da educação,
em todos os níveis. Luta por melhores
condições de trabalho em todos os âmbi-
tos da educação. Organiza atividades de
formação e reflexão no campo das
ciências humanas e da educação, junto
aos professores do PCB/SP.
MERCEDES LIMA, integrante
do comitê central do PCB, feminista,
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

SANTA CATARINA

UM CAMINHO
PRA GENTE É O
OD E R PO P U LA R
P
Nosso Estado dito europeu lança o nome da camarada Carol Bella- Sartori (PMDB), devemos ampliar inves-
sofre com problemas sérios: a média guarda a vice-governadora, para denun- timentos na educação e saúde públicas e
salarial dos trabalhadores é de metade ciar o poder das grandes famílias ricas e revogar a EC95, que desmonta o serviço
do salário mínimo necessário calculado seus comparsas e, ir além, na direção de público e precariza ainda mais o atendi-
pelo DIEESE; a saúde pública está em um governo socialista. Contra o desem- mento da população. Ao invés de parce-
péssimas condições, impondo sacrifícios prego, as ameaças à aposentadoria, a lar salários e cortar direitos, devemos
ao trabalhador e sofrimento ao povo; a violência contra a mulher, a falta de sane- valorizar todos os servidores públicos
educação está abandonada, com um amento, a precarização e privatização federais e do RS, pagando o piso nacio-
governo que fecha escolas às dezenas e de escolas e hospitais, da água, luz e dos nal do magistério, acabando com a ter-
impõe sucessivas perdas salariais, intimi- serviços públicos, é preciso organizar as ceirização e aumentando as vagas em
dação e pioras nas condições de traba- lutas no rumo do Poder Popular. concursos públicos.
lho de professores num Estado que São também candidatos a Depu- Cleber Soares é trabalhador dos
ainda tem 180 mil analfabetos; a infraes- tado Federal do PCB em SC: Rodrigo correios, sindicalista, professor de Histó-
trutura de rodovias e ferrovias está suca- Lima (2121), Giancarlo Capistrano ria, diretor de carnaval da escola de
teada; não existe política estadual de (2123) e Filipe Miséria (2100). samba Imperatriz Dona Leopoldina,
habitação capaz de enfrentar a falta sempre batalhando em defesa da cultu-
crônica de moradias, que só em Floria- RS: Reconstruir o Rio Grande ra, da educação pública e do povo traba-
nópolis chega a 10 mil casas. Ao invés de rumo ao Socialismo lhador.
enfrentar as causas sociais da violência, Raimundo Poty é operário meta-
como a desigualdade extrema e a falta No Rio Grande do Sul o PCB lúrgico de Caxias do Sul. Participou de
de ocupação e de perspectivas à juven- apoia Robaina (PSOL) para governador, diversas lutas por moradia para o povo
tude das periferias, os governantes pre- Romer (PSOL) e Cleber Soares (PCB - pobre, com incansável combatividade
ferem combater seus efeitos com mais 212) para o Senado. A camarada Marian- junto aos movimentos populares. Além
violência, ignorando que a atual "guerra na Rodrigues (PCB) é candidata a Depu- da jornada na fábrica, também é poeta!
ao crime" faz com que a polícia brasileira tada Estadual (21021) e Raimundo Poty Transforma o suor cotidiano da vida de
seja uma das que mais mata e que mais (PCB), a Deputado Federal (2121). trabalhador em versos inspiradores para
morre no mundo. O povo trabalhador gaúcho já a revolução
Há uma política deliberada de não aguenta mais tanto desemprego, Mari Rodrigues é jovem, mulher
desmonte do Estado: o sucateamento miséria, falta de leitos na saúde, escolas e trabalhadora, sempre lutando em
da saúde, da educação, da segurança e precárias, salários parcelados, ataques defesa dos direitos da classe trabalha-
de outros serviços essenciais à popula- aos seus direitos e opressão. Enquanto dora, da juventude e da educação públi-
ção faz parte do plano de quem quer isso, os grandes empresários milionários ca. Compõe as fileiras da luta antimani-
transformar nossos direitos em merca- só aumentam sua riqueza às custas da comial e em defesa do SUS público, gra-
dorias, disponíveis somente a quem exploração do povo com apoio dos seus tuito e de qualidade. Combate todas as
possa pagá-las. O Estado gasta quase R$ governos capachos. formas de opressão, em defesa das
8 bilhões com juros da dívida e isenções Ao invés de destruir o serviço mulheres e das comunidades LGBT.
às grandes empresas. Mas é possível e público e privatizar, como faz Temer e
necessário resgatar o papel do Estado
como planejador e indutor de um desen-
volvimento ambiental e socialmente
sustentável, que garanta ao povo traba-
lhador acesso às riquezas que ele
mesmo cria. Para deputado estadual, o
PCB apresenta a candidatura do enge-
nheiro da Companhia Catarinense de
Águas e Saneamento Eduardo Grandi
(21000).
Em composição com o PSOL,
com Camasão para Governador, o PCB
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

GOIÁS
EM DEFESA DOS DIREITOS DA
CLASSE TRABALHADORA

Em Goiás os comunistas dispu- para a vida da classe trabalhadora goia- mentos realizados de forma precária.
tarão pela quarta vez o governo do na. Segundo a dirigente estadual do As mulheres que decidem não realizar
Estado. Em 1986 essa tarefa coube ao partido, Marta Jane, “não apresenta- o procedimento por questões culturais
radialista Paulo Vilar, em 2010 e 2014 a mos nossas candidaturas com o objeti- e religiosas devem ser respeitadas, mas
incumbida foi a professora Marta Jane vo de eleger uma grande bancada. o Estado tem a função não só de descri-
e, em 2018, é o professor e sindicalista Nosso objetivo é fazer um debate polí- minalizar o aborto, como garantir a
Marcelo Lira que cumprirá tal tarefa. tico de qualidade, sobre as questões assistência antes, durante e após o
Presidente licenciado do Sindicato dos relevantes para a classe trabalhadora. procedimento, bem como de fornecer
Trabalhadores dos Institutos Federais Acreditamos que tais pontos não irão educação sexual a todos".
e Tecnológicos de Goiás (SINTEF-GO), aparecer nessas eleições caso não haja MATHEUS BENAZI reforça os
nosso camarada militante da Unidade essa candidatura da esquerda socialis- objetivos da campanha eleitoral ao
Classista é acompanhado pela candida- ta que, de fato, mantém essa disposi- afirmar que “o retrocesso neoliberal é
ta a vice-governadora, a educadora ção” afirmou. sentido de formas diferentes pelas
Bruna Venceslau, que integra o Coleti- MARCELO LIRA defende a distintas parcelas da classe trabalhado-
vo Feminista Classista Ana Montene- educação pública, gratuita e de quali- ra, e nesse sentido, somos nós, os
gro (CFCAM). Também fazem parte da dade e se posiciona de forma radical LBGTs, que mais sofremos; por isso é
campanha a professora e também mili- contra a militarização das escolas esta- tão importante que as pautas LGBT
tante do CFCAM Magda Borges como duais. Luta contra a privatização dos sejam apresentadas sob uma perspec-
candidata ao Senado, a estudante de serviços públicos e a implementação tiva anticapitalista e anti-imperialista”.
medicina veterinária da Universidade de Organizações Sociais em qualquer Nesse mesmo sentido, Andriele Qua-
Federal de Goiás e militante da União ponto da administração pública. lhato ressalta que uma candidatura de
da Juventude Comunista Andriele Qua- MAGDA BORGES assegura juventude tem o dever de defender
lhato como candidata a Deputada Fede- que uma candidatura feminista e clas- uma educação pública gratuita e eman-
ral, e o estudante de Direito da rede sista “é fundamental para que o cipatória, o acesso à cultura e o fim do
privada e militante LGBT Matheus Bena- machismo e a opressão de gênero extermínio da juventude trabalhadora,
zi como candidato a Deputado Estadu- sejam compreendidos como relações ao mesmo tempo em que “levanta
al. funcionais ao sistema capitalista. questões fundamentais como a impor-
As candidaturas lançadas por Defende a legalização do aborto, tância do acesso e permanência de
nosso partido no Estado de Goiás são entendendo que a questão precisa ser estudantes da classe trabalhadora no
fruto e expressão de nossa atividade discutida na perspectiva de garantir a ensino superior público, para a forma-
militante orgânica e ativa, são camara- vida das mulheres. “Hoje o aborto é ção de uma Universidade Popular”.
das de grande dedicação à construção uma questão de saúde pública, pois Em Brasília, o PCB apresenta a
do Poder Popular em suas bases de mais de 1 milhão de procedimentos são candidatura do professor, sindicalista e
atuação. É nesse sentido que nestas realizados no país todos os anos, além membro da Unidade Classista Jamil
eleições o PCB em Goiás tem como de 250 mil pós-operatórios, sendo que Magari para Deputado Distrital.
objetivo levantar pontos importantes tudo isso é clandestino, em procedi-
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

CEARÁ
PÃO, TRABALHO, TERRA E MORADIA!
Prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio de Letras de Campo Maior, sua cidade
(PDT), a mando dos interesses dos pode- natal, Edilene é diretora de mulheres do
rosos, que querem retirar os pobres da Sindicato dos Trabalhadores dos Correi-
zona costeira para garantir seus empre- os do Piauí (SINTECT-PI). Luta por melho-
endimentos. res condições de trabalho para as
Para deputado federal, apre- mulheres e contra a privatização da
senta Benedito Oliveira, operário da empresa.
construção civil, coordenador nacional
da Unidade Classista, que atua no movi-
mento sindical e na luta por moradia. Foi
diretor do Sindicato dos Trabalhadores
da Construção Civil de Fortaleza e
Região Metropolitana, além de ter
No Ceará, o PCB mantém sua representado o PCB nas eleições anteri-
tradição de constituir a Frente de ores, como candidato a vereador em
Esquerda Socialista com o PSOL e os 2016, vice-governador em 2014 e sena-
movimentos sociais que estão no dia a dor em 2010. Está sempre presente na
dia da luta, representando a classe tra- luta da classe operária, nas passeatas e
balhadora, a periferia e os movimentos nas comunidades, destacando a impor-
de mulheres, negros e negras e indíge- tância de se organizar para a luta e a DEPUTADO FEDERAL
nas. A coligação “Coragem pra lutar!” conquista do poder popular. JOSÉ RODRIGUES 2121
apresenta: Ailton Lopes (PSOL), bancá-
rio, LGBT, para governador; Anna Karina PIAUÍ: COMBATER O Filho de Arraial-PI, de pais lavra-
(PSOL), professora da rede estadual e RETORNO AO PASSADO dores, empregado público dos Correios
militante feminista, e Jamieson Simões há 32 anos no cargo de carteiro, é sindi-
(PSOL), pastor e militante da luta das A coligação O Poder Popular na calista e liderança nacional dos Correios.
comunidades da periferia de Fortaleza, Construção do Piauí, expressão da união Já presidiu o Sintect-PI e Fentect e tem
para o Senado. entre o PSOL, o PCB e os movimentos combatido com rigor as injustiças come-
A Frente de Esquerda Socialista populares, com a Profª Sueli e Chiquinho tidas pelo capitalismo, participando de
combate a tentativa de reeleição do da Luta para o Governo do Estado, luta todas as lutas em defesa da classe traba-
governador Camilo Santana (PT), num para garantir os direitos negados ao lhadora. Atualmente é secretário jurídi-
arco de alianças composto por golpistas povo do Piauí, excluído das decisões co do Sintect-PI e coordenador nacional
como Eunício Oliveira (MDB) e partidos políticas. Vamos virar esse jogo e cons- da Unidade Classista. É advogado traba-
como PRTB e Patriotas, verdadeiros truir a democracia direta! lhista/sindicalista e tem usado seu
inimigos da classe trabalhadora que Os candidatos comunistas, atu- conhecimento jurídico e sua experiência
desejam manter o sistema político de antes na luta sindical, no combate à desi- como dirigente sindical para conscienti-
conchavos que só favorece a burguesia. gualdade de gênero, contra o extermí- zar e organizar os trabalhadores e o
nio da juventude negra, enfrentam os povo pobre na luta pelos seus direitos.
problemas ligados ao feminicídio, lutam Luta pelo fortalecimento das empresas
pela reforma agrária e o desenvolvimen- estatais, pela revogação da reforma
to social do Piauí. trabalhista e da lei da terceirização, con-
tra a reforma da previdência e em defe-
DEPUTADA ESTADUAL sa das liberdades democráticas.
EDILENE PINHO 21.234
SENADOR PROF.
Militante feminista, atendente FAUSTO RIPARDO 211
dos Correios e integrante da Academia
Professor de história, bacharel
em Direito, sempre esteve ao lado da
classe trabalhadora lutando contra as
injustiças. Milita no PCB há 20 anos e é
Como vice-governadora, o PCB membro da Unidade Classista. Seus
lança a camarada Raquel Lima, mulher objetivos são a construção do Poder
negra da periferia que constrói a luta Popular com uma democracia direta e
por moradia na Unidade Classista e teve participativa, onde os trabalhadores
sua casa destruída na remoção da comu- terão o poder de decidir sobre suas prio-
nidade Alto da Paz, em 2014, pelo então ridades.
Agosto/Setembro 2018 - Ano 04

GERAIS
MINAS

UMA MINAS SOCIALISTA É


POSSÍVEL E NECESSÁRIA

O PCB, o PSOL e diversos movi- eleição de outubro. Circulou pelas tado estadual. Daniel é professor,
mentos sociais, culturais e populares regiões metropolitanas de Belo Hori- negro, desportista e militante da Uni-
constituíram a Frente Minas Socialista, zonte e do Vale do Aço, Vale do Mucu- dade Classista. Foi candidato a prefei-
que apresenta um programa de ri, Vale do Rio Doce, Zona da Mata, to pelo PCB na eleição extemporânea
enfrentamento ao aprofundamento Triângulo Mineiro, Região dos Inconfi- para a Prefeitura de Ipatinga, em junho
da exploração das classes trabalhado- dentes, Centro-Oeste, Sul e Campo passado, conquistando o segundo
ras, imposto pela burguesia. Indica- das Vertentes. Em todas as atividades lugar, com mais de 20 mil votos. “A
mos o nome da professora Dirlene têm sido reforçadas as históricas ban- precarização das relações trabalhistas
Marques 50 PSOL para governadora deiras das lutas do povo brasileiro e e das políticas sociais que o governo
de Minas Gerais, tendo como vice a organizados Comitês Populares, que Temer fez contra os trabalhadores
professora Sara Azevedo 50 PSOL. desenvolverão as atividades da cam- devem ser combatidas com a unidade
Nossas candidaturas ao Senado são o panha e propagarão os 21 pontos da e organização da classe trabalhadora”,
Professor Túlio Lopes 210 PCB e Duda plataforma do Partido, para a constru- reforça Daniel,
Salabert 50 PSOL. ção do Poder Popular. “Os exemplos da Bolívia, de
A Frente Minas Socialista é a Cuba e da Venezuela mostram que a
alternativa classista e popular no Esta- O PCB apresenta 12 candidaturas a organização da classe trabalhadora é
do contra os representantes do gran- Deputados(as) Federais: capaz de enfrentar as elites econômi-
de capital, liderados pelo PSDB, assim cas no continente e tornar real a cons-
como a proposta da conciliação de Arthur Miranda 2161 trução de um outro Brasil e uma outra
classe, que busca a reeleição do PT ao Bruna Thariny 2121 Minas Gerais, o que é possível e neces-
governo de MG. A Frente Minas Socia- Fabrício Avelino 2150 sário”, afirma Túlio Lopes.
lista é a força que reúne os setores Fernando da Federal 2158 A campanha das candidaturas
engajados na organização política dos Gabriela Marreco 2102 do PCB tem animado a militância, o
trabalhadores, das camadas populares Paloma Silva 2100 movimento sindical, trabalhadores do
com um programa anticapitalista e Pedro, o Cabo Franco 2101 setor público e privado, profissionais
anti-imperialista que crie as condições Professor Agnaldo Alexandre 2122 liberais, estudantes, camponeses,
para derrotar os retrocessos em curso Professor Luís Fernando 2123 ativistas culturais, feministas, do movi-
e fortalecer a luta pelos direitos da Renata Regina 2180 mento negro e LGBTs e setores popu-
classe trabalhadora na construção do Wagner Schneider 2110 lares, organizando a resistência, forta-
Poder Popular, rumo ao socialismo. Zulu 2111 lecendo a consciência e construção de
O camarada Professor Túlio Comitês do Poder Popular para dispu-
Lopes 210 PCB, candidato a Senador, As candidaturas estão distri- tar o poder do Estado rumo ao socialis-
tem como suplentes Eloísa Aquino buídas por todas as regiões do Estado, mo.
PSOL e Emanuel Bonfante PCB. Já representando a classe operária, Conheça mais sobre as
percorreu mais de 6 mil quilômetros negros, mulheres e juventude. candidaturas do PCB em MG:
por MG levando as propostas e os A prioridade é garantir a eleição de www.poderpopularmg.org
nomes apresentados pelo PCB para a Daniel Cristiano 21210 PCB para depu-