Você está na página 1de 3

SURREALISMO

Conceito

O Surrealismo foi um movimento artístico que iniciou na literatura e passou para as outras formas artística
surgiu em Paris na França do século XX, em 1924 pelo escritor francês André Breton, que se caracterizava
pela expressão espontânea e automática do pensamento (ditada apenas pelo inconsciente) e,
deliberadamente incoerente, proclamava a prevalência absoluta do sonho, do inconsciente, do instinto e do
desejo e pregava a renovação de todos os valores, inclusive os morais, políticos, científicos e filosófico
fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud enfatiza o papel do inconsciente na
atividade criativa.

Principais características

- Livre expressão do pensamento


- Valorização do inconsciente e dos sonhos
- Pintura com elementos surreais
- Formas baseadas na fantasia (sonhos, inconsciente)
- Busca da perfeição do desenho e das cores, dentro da dimensão do imaginário

Principais artistas

- André Breton (1896-1966)


- Salvador Dalí (1904-1989)
- René Magritte (1898-1967)
- Max Ernst (1981-1976)

Salvador Dali - Persistência da Memória 1931

A Persistência da Memória é um quadro do pintor surrealista Salvador Dalí, produzido em menos de cinco horas, com
dimensões pequenas de 24cm x 33cm, em 1931. Dalí estava indisposto para ir ao cinema com sua mulher e amigos e,
nesse tempo que ficou em casa, pintou um dos quadros mais famosos da história da arte. A obra está exposta no
Museu de Arte Moderna (MoMa), em Nova York, desde 1934. As obras de cunho surrealista dão margem à diversas
interpretações já que são carregadas de simbolismos e possuem poucas representações diretas da realidade. A
Persistência da Memória nos fala sobre a noção da temporalidade e da memória.

René Magritte - Chuva de homens 1953

A tela é considerada uma das mais famosas do pintor, e nela ele expressa o espírito travesso de sua pintura
surrealista. O quadro apresenta uma chuva de estranhos homens de chapéu-coco, que caem do céu com uma
expressão absolutamente serena de quem não se abala com a improbabilidade do fato. Essa serenidade expressa a
compreensão oculta do ser humano pela esquisitice terrena. A composição é feita com tamanha nitidez que acaba por
se parecer realista. Esse tipo de recurso destaca o amor surrealista pelos paradoxos visuais. Embora as coisas
pareçam ser normais, é possível encontrar anomalias em toda parte. A obra apresentada hoje possui uma estranha
exatidão, coisa que o surrealismo atraía para si com frequência, por explorar a compreensão oculta do ser humano
pelos acontecimentos improváveis do dia-a-dia.

Max Ernst - Édipo 1922


As complexas relações de Ernst com a mãe e o pai, às quais ele se refere em muitos escritos de maneira ambígua,
parecem pulsar por trás de sua obsessão por pássaros e olhos. As investigações psicanalíticas de Freud e o complexo
de Édipo têm sido relacionados à sua insistência no segundo. A clareza da imagem e a precisão nos detalhes referem-
se a uma pintura realista, enquanto as alterações de escala nos fazem pensar mais sobre as colagens.