Você está na página 1de 236

'Kl~tórl,\ J,,~

RELAÇÕES DEGÊNERO
N:1s s<1ck·d:1tk·s IH1111a 11;1 s.
hollll'llS t' 1111ilhL'l'l.'S s;·10 tr:11:1dos
dl' 111;11wir:1s igu;lis < >li dik·rl'llll'S
n ,111, 11'1lll' 1.: :1d:1 u111;1 dd:1s 1x·r-
n:lw L' l'l:1h< ,r:1 :1s difl'rl'nc:1s
Sl'Xll:tiS . () (jllL' <>l'<>ITL' l'<>lll :IS

dl'fink_úL'S dl' 111asnilinid:1de L'

feminilid:tde L' com as rl'l:11..·c·,es


dl' gênl'ro quando c.lu:1s culturas
distint:1s L'lltr:1111 L'tll cont:1to?
O que :1contece qu:111do um:t
soc:il'dade quL· acredita que
as mulheres devem obedecer
aos homens encontra pessoas
de outr:1 sociedadl:' que en-
XL·rw1m :1 feminilic.bde como

uma ,·inudc? Dt· que manl'ira


uma socicdac.lL· que cnf:1tiz:1
a import:1nda dl:' m:1n1cr :1s
mulht·rt·s rec:!l:1das e em c1s:1
1kb com intlul.'.:-ncias cu li u r:1 i"'
r1
(k• outra S<><.: k·d:1<.k· <jlll' :1ceit:1 i
1
'
-
Copyright© 2007 Gende_r in World Hiscory
Autorised translar1on from Úle
English language edirion (2006)
by Rouclegdge, a member of rhe Taylor & Francis Group.

Todos os direitos desta edição reservados à


Editora Contexto (Editora Pinsky Lrda.)

Ilustrttção dtt captt


"Candaule" , Jean-Léon Gérome, século XIX
Montttgem de capa e diagramação
Gusravo S. Vilas Boas
Tradução
Mirna Pinsky
Revisão técnica
C a rla Bassanezi Pinsky
Revisão
Lilian Aquino
Ruth Kluska

Dados Internacionais de Ca1alogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Stearns, Perer N .
História das relações de gênero/ Perer N . Srearns ; [tradução M im a
Pinsky) . - 2. ed., l • reimpressão. - São Paulo : Contexto, 2012.

Título original : Gender in world history


Bibliografia
ISBN 978-85-7244-355-5

l. História universal 2. Identidade de gênero 3. Papel sexual


4. Relacionamento homem-mulher - História 5. Sexo - Diferenças -
História /. Titulo

07-0490 CDD-305.309
f ndice para catálogo sistemático:
l . Relações de gênero : Sociologia : História 305.309

EDITORA CONTEXTO
Diretor ec.licorial: Jaime Pinsky

UNESP ASSIS - BIBLIOTECA Rua Dr. José Elias, 520 - Alto da upa
05083-030 - São Paulo - s P
TOMBO CLASSIFICAÇÃO l'ABX: ( J ) ) 3832 5838
q((;?Lf
.J , , .. . )oCr. ~~ con texto@edi coracon texto.com . br
www.editoraco111exto.com.br
, 1 D~TA, I
.:-../ .9. J;._i, . ~- . , ~ )-e; VJ j
~

t
2012
~
SYS
8 1 ~ J ~ '1 'Os
,\
1

l- - Ru~ri(a
-r . ,- . Proibida a reprodução rotai ou parcial.
infratores serão processados na forma <l:i lei.
Para Meg. Dehorah, Clio e Carde/ia,
com amor e gratidão
5l J1\ 11\ RI O

A PRE SENíA(AO .. . .. .. ......... ... ......... ... .. ..... ... .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . 1 1

INTRODU( AO 15

A BASE TRADICIONAL CIVILIZAÇÓES E PATRIARCADO .... .. ... · •· .... ... · · ·- .. . . . . 27

DAS CIVILIZAÇÕES CLÁSSICAS AO PERÍODO PÓS-CLÁSSICO ... .... .... ...... .. 4 1

PRIMEIROS CONTATOS : INFLU~NCIAS DA DIVERSIDADE CULTURAL .. .. .... ... .. ..... . .. . 47


GRf ( IA E HELENISMO .. .. . . ... . ... . . .. . . ... ........ . ... ... . .. .......... . . .. .. . .. . .. . .. .. ... . . . 48
V IAJANTE S GREGOS: HERoooro . .. ... . . .... .... . .... .. .. . . . . .. . .. .. . . . .. . . . .. . . . . . . ..... 50
A SO(l[DAOE HflfNISTIC A ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

Ü BUDISMO E AS MULHERES CHINESAS . .... .. .. . . ... .. . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. .. . . . . . . 61

PADRÓES ISlÀMICOS EXTERNOS A REGIÃO CE NTRAL :


r...1uDAN(AS t CONTINUIDADES NA INDIA E NA Á FRICA SUBSAARIANA .. . . . . ... 73
l'>LAIAISMO, HOMf N) f M lJL HE RE '> .. . . .. . . .. . . . . . . .. . ... .
74
A [ X.P4NSAO DO ISl.AMIS ,10 . . . . . ...... .
76
Ü CASO DA j DIA 79
A, 10( A \Ufjs_AAll.l AN A . 83
( l .tv\ Aü
86
A INFLUÊNCIA CHINESA .... .............................. .. ................. ............................... 89
JAPÃO ........ . ....... . ........•... . ... ......... .... ... . . .......... . .............. . .. . .................. . 90
Ü INTERLÚDIO MONGOL ...... •... ........ . ................... . ............. ............ . . ..... ....... 96
( ONCLUSÃO ........ . .. ..... . .... . . . ...... . ..... . ... . . . ... .. .... ......... . ... ..... ....... . . . . .... . .. .. . 98

RESULTADOS DA EXPANSÃO EUROPEIA, 1500-1900........ ... ...... ............. . 101

Os EUROPEUS E OS POVOS NATIVOS DAS AMÉRICAS .. ..... ....... .. ...................... .. . 109


PADRÓES BASICOS ..... . .. . ... ... ..... ... ........ . ....... . ... .. ...... . .. . ..... . ..... .. .. ... .. .. . . .. . . 110
AMÉRICA LATINA ... . ...... .. .. . .. . . .. ..... .. ... . ....... ... ... ... .... . .. . .. ......... ·•·· · . ..... ... . .. 112
UM CASO CANADENSE ...... .... .......... ..... . ...... ........ .. . . ........... . .. .. ...... . . . ... ..... 11 5
ÜOIS CASOS NOS ESTADOS UNIDOS ......... .. .... . .. .. . .... . .... .. .. . .. ......... ..... ... ....... . 118
CONCLUSÃO ..... ... ... .. . . ... .... . . .... . .. .. .... . ... . .... ........ .. ... .. .. .. . •.. ....... . .. ..... . . ... 123

HOMENS E MULHERES NO IMPERIALISMO BRITÂNICO NA ÍNDIA ....... ... .. ............ .... 127
Ü CONTEXTO ........ ..... .. .. . . . .... . . .. .. .... . .. .. .... . .... .. .. . . .. .. ... ........ . ..... . . ... .. . .... . 128
Ü CENÁRIO ECONÔMICO . ..... .. ......... ... ..... . . ........ ........... .. ..... .. . .. .. .. ...... . .. .... 131
Ü IMPULSO REFORMISTA: DA INGLATERRA E DA fNDIA ... .. .. . ... . .. .. .. . ..... . .... .. ... .... .. . 133
MEMSAHIBS E OUTRAS VOZES FEMININAS .... .. ... .. .. .................. ..... ............. . . .. .. . 138
NACIONALISMO E REFORMA .... . .... . .. ... ...... ....... . .. . ... .. .. .. ..... . . . . .. .. . ......... . . .. . ... 141
CONCLUSÃO ..... . ... .. . .. .... . .. .. . .... ... .. .. ... . ... ............ .. .. .. . .. . ... . .. . . . ....... ... . . .... 143
INFLUÊNCIAS OCIDENTAIS E REAÇÕES REGIONAIS : A POLINÉSIA E A ÁFRICA .. ........ 147
A POLINÉSIA .... .. .. ..... .. ........ .. .. . . . ..... .......... . ... .. ... ... . ...... .. . •.. . . .. .... . .... ... . .. 149
ÁFRICA SUBSAARIANA ..... .. . .... •.... •.. . •.. . .... .... . . ... . ... . .... .. .. . . . .. . . ..... . .. . •... ..•. .... 1 54
CONCLUSÃO .... . .. .... . ... . .. .. .... ....... . .... . .. .............. . .. .. ... .. . ... .... . ... .... . ..... .. .. 158
OCIDENTALIZAÇÃO E GÊNERO: ALÉM DOS MODELOS COLONIAIS ....... ............. .... .. 161
Ü CASO RUSSO ... ..........•..... .•... ... ... ... . ...... . .. . .... . . . . .. ......... . .... . . . .. . . . .. . . . ... . . 165
Ü CASO DO JAPÃO ... . ... .. ..... .. ....... . •. . .. . .•... . . . .. .. . . . . .. . . •. • .. . . . .... . .... . . . .. .. . .. . ... 171
CONCLUSÃO .. .. . . ..... .. .. ... ... ... .. .. .. .. . .... .. . . . . . ...... .. ....... ..... ... .. . ... . .. .. .. .. .. ... . . 179

O SÉCULO XX· ········ ··············································· ········· ···························· 183

IMIGRAÇÃO COMO CONTATO CULTURAL .. .. .. ........... .. ........ .... .... ... .... ... ........... .. 189
POSTURAS E INTERVENÇÕES AMERICANAS . ... •... . . .... •.•........ . .. .... . . ..... . . ... . . .. ... . ... . 191
IMIGRANTES CHINESES .... . ......... . .. ... . .. . .. ... . .. . •... •. . . .. . . . .. . . •. .. ... .. . •. .. .. .. ... .. ... .. . 195
CONCLUSÃO .. . ... .. ... . .... . ..... .. .... . .. ... .. ..... . .. .. . . . . . ... .. .. . .. . . . .. . . . .. .. . ... . .. ... . .. .. . 197

CONTATO E RETRAIMENTO :
O ORIENTE MÉDIO NO SÉCULO XX .. ............ ...... .... ..... ........... .. .. ........... .. . .. ..... 199
TURQUIA ... .. .. .. ... . . .. .. ... .. ... . . . .. ... . .... . .... . .. .. ... . ... .. . .. . ......... . ... ... . . . .. ..... ..... 201
IR÷·· · · · · · .. . . . ....... .. .. ... . .... . . . . . ... . . .. .. .... .... ..... .. . .. ... , . . , . . ... . . . . .. .... . .. .... . .. . ... 206
CONCLUSÃO . . ... •·· ...... ... . . .. ..... .. . . .......... .. . . . ....... .. . .. . .. . .... . .. . . . .. . ·• . .. .. . . .. .... 209
-

N OVAS INI LUÊNCIAS INTERNACIONAIS .. ....................................... ......... ............ 2 13


Q (l\':,0 DA ( l·IIMA: MISSIONÁRIOS, FEMINISTAS E MARXISTAS ... ......... . .... . .... ·········· 21 7
A Ál·RICA f O PAPE L DAS ORGANIZA(ÓE S INTERNAC IONAIS
I· DA 11:GISL/\( AO INTERMACIOhlAL .......................................................... .. .... 224
(ONCLUSAO ........... . ........... ....... ... . ...... ......... . . . ...................... . .............. 232

(ULTURA DE COI\JSUMO INTERNACIONAL: A QUESTÃO DO IMPACTO ......... ........... 235


T UHl'.iMO ..... . ..... ·················· ·············································· ·· ···· ············· 237
( tN[MI\ L [ SPE'IACULOS............ . ........... . ...... . ...... . ........... . ........ ............ . .... 239
( ONCI U':,/\0 .................. . ............. . . ........ . .... . .. ... .......... . .. .......... .... . .... . ... 242

( ONCLUSAO ..... ···· ······· ··· ········ ····· ··· ······ ······ ······ •··· ··•· ··············· •· ··•····· ..... ..... 245
PADROES E TEND~NCIAS ................. .. . .. ....... . .. .... .. .. ... .. . ............... .. ............ 245
TIPOLOGIAS .. .. .. . .... . .. .. .. .. ·· ···· .... . . . . · · · · · ··· · · · · · ·· · · ··· · ·· ·· ·•··.··•· •· . .. . . . .. ...... ... . .. . 245
IMPAC ros ........ ............. ...... ... ........... .... .. ...·•..... ..... ..... ..... .. ......... .. ... .... 246
MUDANÇAS AO LONGO DO TEMPO ........ . ... . .. .. . .... . ... . . .. . .. ..... . . . .. . ....... . ... . . ..... . 249

Ü AUTOR ..... . .... .... . ... .......... .... ... .. ... ........ .. .... ........ ...... .. ...... ........... .... ...... .. .. 251

A GRADEC IMENTOS .. .... ......... .... .......... .. .. .... ...... .... ... .... .... ... ...... .. ... ... .... ..... . .. . 253
APRESENTAÇÃO

Cttrltt Bossmwzi Pi11sky

Existe algo 111ais particular, íntimo e pessoal que o relacio-


narnento entre homem e mulher? Entretanto, isso é também social
e histórico. Quando examinadas pelos historiadores, as relações
entre homens e mulheres socialmente detenninados, assin1 como
as definições de 1nasculino e feminino e as atribuições de papéis
sexuais - enfim, tudo o que envolve a questão de gênero -, ganham
uma nova cliinensào. É co1no passar do 1nicroscópio ao telescópio.
Telescópio esse cujo alcance fica ainda maior com o casan1ento
d.JS pesquisas históricas sobre gênero com o ca1npo de estudos
cha1nado história mundial.
Falar en1 gênero é u1na forma de enfatizar o caráter social e,
portanto, histórico, das concepções baseadas nas percepções das
diferenças sexuais. Os inúmeros trabalhos dedicados a investigar
gênero contribuem enormemente para o entenclitnento ele uina
din1ensào importante das relações sociais e suas variações ao longo
cb história .
Os historiadores que pensam grande elegem o mundo c 01110
objeto de pesquisa. Comparam sociedades e civilizaçôes e observ301
as mL~ch1nç1s nwi_s _signitkativ;~s _e gerais nos processos de longa
dur;içao. Nessa v1s;10 m;1croscop1c1, os contatos entre sociedades
--,
1.' li ' 1 1 ·,

d1st in1:1s ~:tu um:1 o p o rtuni cL1 ck ímpar p :tr:1 se compreender :1


<.:ultur:1 . :1, pr;'i1ic:h e o de--en,·oh·imento ele c 1cb uma cleLls. além
do:-- 1\__·,u ludo-, ck -corrt·n tes e.los interc'1rnbios . que poclern produzir
n--1ud:111 c1 , v rn muita , c.l irecõ es.
l\ ..·t1...T :'\ ~l eJrns pensa t· m ~ê nero e pensa gr:1ncle. Esse histo-
ri:tdur. :n1t u r de o ut r<) livro e\Ce ll:'nte tradu zido e public 1do no
lh--; 1~t1 ( .- 1 i 1ljâ u c w . Edito r~, .onIex I0) . un e com maestria c>sses dois
rrn.-o:-,; e n o:-,; hrind:1 com um li,-ro único cujo co nreC1clo ulrr:1p:1ss:1
Crrn111...·ir:1, g1...·og rj ri c:1s 1.. · 11::mpor:iis. o~
, Chin :1~,s Am érica .. Oriente
\ k·c..li o . HC1~., i:1. _l :tp:'10 t' J\ustr:ili:1. clJ Afri c 1 J O nonl' cb Eu ror:1.
c.l:1 r,ré -hi-,tóri:1 :10 s0culo \:\1. o qu:1Jro dos encontros culturais
i nI1...·rn:1c io n:1 is m:I i.-.; significtti,·o · e seus efeitos sobre as rel:tções
lk' gL·nero . F. nes~c quadro . depois ele identificar tendênci:1s e
p :1dr<'>c> . urn:I :111:'tlise :1euracb cio que afin:tl é capaz ele move r :1
hist c'>ri :1 g1..' r:tl 1.. · cm que sentidos.
Q u:1i~ :Is c rt"n<.::ts ~1 respeito ele feminilidade e masculinidack
Lksc n,·o h-icb s n:Is ci,·ilizações agrícolas? China , Índia e paísc..:s
rn1..., Jitl."1T:1nt·o s cl:íssicos cr::w l\'am seus homens e suas mulheres
c..l :1 J11t.'S m:1 fo rnu ? O qu e ocorreu quando de sua interaç {10
com socic>dades nô mades? E qu:..indo nações comerciais ou até
industrializ:1cbs depararam-se com sociedades agrícolas ou meno s
··dé~1...·n\'oh·iJ:1s .. economicamente, como, por exemplo, na conquista
d:i:-; Améric1s , que en,·olveu tradições de gênero tão distintas
q u:1111 0 er: I111 os po,·os colonizadores. as tribos nativas e as etnias
J os escr:1nJs impo rudos?
Como a expans:io ele clecenninaclas religiões e seus clogn1as e leis
:1fc:t ..ir..1m concepções de gênero locais e as hierarquias estabelecid:1s
t:nrre m:1sculino e feminino? Como o gênero foi e é usado p:1ra
m o lcbr o piniões sobre o estrangeiro e, tendo este con10 espécie
cJe espe lho. sobre si mesmos? Como o exótico acaba aceito ou
rech:.1ç~1do? Sed que o Ocidente, desde que passou a dar as canas
n:1 po lític 1 intern:icional. conseguiu 1nodificar realn1ente as tradições
de g2nt:ro n~,s sociedades sob sua influência?
J>o(k·-Sl"' faL.H em um modelo ociclenral único e definido de
gê- nc-ro ~ Ou o ch:1rn:1do pen sa mento ociclent~tl aprese nu v~íri:t."i
m:inc-ir.1~, por ve zes co ntr~1ditórias, de compreender o que é ser
homem e :-t:r mulher o u o que é considerado própri o do m~tsculino
t · cio Íl'minino!
A l'R f \l Nf A(.AC' 1)

ln1igrações, ideologias, nacionalismos, 1novin1entos sociais,


o rga nisn1os internacionais e boJoba lizaçào
,
cultural - novidade
ele períodos histórico mais recentes - conseguiram transfonnar
concepções a rraigadas de gêne ro? E em que sentido: novas libe r-
dades ou restrições, av3 nços o u re trocessos, tendê ncia igualitária
ou ele opres ão?
Evitando juízos de valor precipitados e avaliações sin1plistas,
incon1patíveis com uma história bem-feita e digna do non1e, Peter
N. Stearns trata de todas essas questões e 1nais algu1nas neste seu
pequeno grande livro, que convida à reflexão e também à ação, já
que não é possível ficar indiferente a un1 tema que diz respeito a
todos e a cada un1 de nós.
INTRODUÇÃO

O que acontece quando un1a sociedade que enfatiza a obrioaçào


b .
de as 1nulheres acataren1 a vontade dos hon1ens encontra pessoas
de outra sociedade que acredita que as mulheres são, por natureza.
morahnente superiores aos homens? O que acontece quando a
sociedade que reverencia a 1nasculinidacle e :1s façanhas 1nasculinas
n1as na qual a 1naior parte dos homens são comparativamente
limitados, encontra pessoas de outra sociedade que equipara a
1nasculinidade corn grandeza?
De que maneira u1na sociedade que enfatiza a importânci:1 ele
manter as ,nulheres e1n casa poderá lidar com influências culturais
ele outra sociedade que destaca estilos sensuais de vestuário e
u1na variedade ele papéis profissionais? O que farão as pessoas
nun1a sociedade en1 que atividades homossexuais s~1o toleradas
há n1uito te,npo quando são pressionadas por representantes de
outra sociedade que se sente superior por princípio e é abe11an1ente
hostil ao ho1nossexualismo?
Este livro trata de interações entre definições ele n1asculino e
fen1inino, e dos papéis designados para ho1nens e n1ull1eres, ele
um lado, e cios encontros entre culturas diferentes, de outro. Fo-
calizando essas interações, enfatiza dois dos tópicos mais agudos
na pesquisa histórica das últiJnas décadas e os leva a se relacionar
no ca1npo cb história mundial.
lo 11 ,, , ~, r1 , ,, , , r. \ l \ 1,,,- l.' I ' l' I ,, l l'll l~ c,
- - -- - - -- -- - - --

A ~lst·ens:k) cio feminis1no c:onte1npodneo na sociedade ocidental


:1 p:,nir dus :tnos 1960. sorn~1da ~•s i1nensas 1nudanças nos papé·'
. f IS
k·1nininos tanto clotnéstico quanto pro issional, esti1nulou ti
ma
inY~s1ig:1ç:·,o 1naciça e ~1bn:1ngente sobre a condição das mulheres
no p~lssado e sobre corno os 1x1drões antigos tê111 condicionado
:ts situ~tÇÕt'.S :Hu~lis. De forn1a crescente, essa investigação tam-
h1...; n1 atingiu o papel cios hon1ens - na história ele an1bos os
g0neros - , un1J vez que u1n gênero ó pode ser co1npreenclido
S1...' con11x1r~1clo con1 o outro. Os historiadores apontaran1 a grande

variec.bcle de definições ele fe1niniliclade e n1asculinidade, e como


cl:ls se rebcionan1 con1 o funciona1nento elas sociedades nào
apen:ts na vida Luniliar, n1as tan1bé1n nas instituições políticas e
atividades econô1nicas. Eles exa1ninaran1 co1no padrões de gênero
recon1encbclos ac1bam influenciando o con1portan1ento vigente
e t:1n1bé1n con10, e1n vátias sociedades, un1 grande nú1nero de
indi, íduos insiste e1n adotar padrões diferenciados. Alén1 disso,
cstudaran1 a inaneira pela qual padrões de gênero pode1n mudar
- por exen1plo, na verdadeira revolução de papéis profissionais
elas 1nulheres, oconicla na Europa Ocidental e nos Estados Unidos,
113 últitna n1etade do século passado.

A pesquisa histó1ica sobre gênero explorou un1a an1pla variedade


ele sociedades, alé1n das do Ocidente, aproxin1ando história do
gênero e história 111undial de forn1a crescente. Vários padrões
de gênero foran1 con1parados con10 forma de testar diferenças
e se1nelhanças ilnportantes nas 1naneiras pelas quais homens e
,nulheres se definen1 e definen1 suas funções na vida. As tendências

t gerais tên1 sido analisadas. Por exe1nplo, há Lnna concordância ger~il


ele que ~1 desigualdade entre ho1nens e 1nulheres aun1enta qua ndº
;:is sociedade s n1udan1 suas atividades econô1nicas da caça e coleta
para a agriculrura . E n1ais, quando as civilizações agrícolas se tornam
rnais prósper::is, con1 governos 111ais fortes, as desigualdades ele
oênero JJarticubm1ente nas classes n1ais altas tende1n a aun1ent~r
ô ' ' - :l
:J inda n1ais, ~1 1neclida que os ho1nens pressiona111 as n1ulhere~ ..
. , / . f T , e ma,~
se ate ren1 a tunçoes don1esticas, dependentes da an1~ 1~1 aê-
de coracivas. Din5n1icas de sse tipo ajudan1 a fundir historia doº
J ,'-T~ODUC\O 17

nero co,n h istó ria 1nundial , ai nda q u e a ,naio r p arte d as h istó rias
mundiais até recenten1ente tenha sube tünad o questões d e gên ero,
detendo -se n as ativid ad es de elites p o líti cas e intelectuais en1 grande
p art e n1a ·culinJs. É ve rdad e , p o ré n1, que e,n questõ es ele gên ero
con side ra-se e m geral u,na d etern1inada socied ade, evitando -se
cru zJ r fro nte ira , e p o r is o às vezes fi ca difícil co n1binar histó ri a
d o gê n e ro c o ,n históri a mundial. Este livro reto n1a o ten1a p ara
verificar ele que forma elen1entos d a fo rmulação dos gêneros - as
de finições do que h o ,nens e rnulh eres são e fazen1 - responden1 a
fo rças internac io n ais.
A ate n ção crescente dada à histó ria mundial n ão ten1 tido c o n -
trapartida na p esquisa histó rica sobre gênero, 1nas tem produzido
i1npo rtantes re\'elaçõ es . Crna área-chave de p esquisa enfocou o
leque e a vari edade de contatos entre so ciedades i1nportantes.
através d a mig ra ção, com érc io . :itiv id:.tde missionária e outras
fo nnas. Em vez d e se con stituir em hi.stó rias sep ar::idas de un1a
civilizaçã o apó o utra, a hi~tó ri ~1 n1undial é v ista cada ,·ez 1nais
en1 termos de processo~ e co ntatos compartilhad os. Estudos in1-
p o rtantes 1nostraram o leque d e ro ta s d o con1ércio antigo e o
con sequente impacto d a difu sào de ideias. Ao n1esmo ten1po
em qu e a inte n sidade e o escop o d os contatos intern:1c io nais
aume ntara,n n os séculos m o d ern os. to rn ando essa abo n.b ge1n
ainda 1nais in1po11ante no sentido ele definir a histó ri a mundial.
os te m as d e troca e interação ajudaram a config urar os p eríod os
,nais antigo . Assim , os hjsto riad o res examinaram ~1s in1plic 1ções
c ulturais das conquistas d e Al<:xa ndre, o G rande, n o O riente Médio
e n o noroeste ela Índi a tentando rerceber o irnpacto que !i\'eran1
os n1o d e los e id e ias g regas sobre a Pérsia e a índi~1, e , ·ice-n:.·rs~1.
El es d e1no n straram as inte ra~·ões entre o islarnism o e a A fric i
subsaa ri ana , n o tando que, embora o islamis1no renh~1 e ncontrad o
rece ptivjdade en1 vá ri Js p an es ela Á frica , isso n :1o sig nifico u
n ecessariam ente con versüo to tal p ara os pa drões social e c ultura l
cio O ri ente M édio.
De fo rma geral, o contato entre duas o u 1nais sociedad es difere nte~
0 v isto com o poten ci:.d1nente frutífer o - abrindo p ossib ilidad es par:.,
i rni t~1~·~10 t: inovação - . n1as t:Hn bén1 ten so e co,nplexo. Pou c:.1~
IH 11 1 , 1 , , ll 1 \ ,, \ , 1t 1 1 A C (1 1 \ O I l o I N 1 ~ ()

sociedades se convertem rá piela ou totahnente para os padrões d


. e
outra , n1esmo quando existen1 contatos ~1te~so~ ou un1a conquista
to la 1. O que ocorre co1n n1ais frequencia e un1 conjunto de
con11Jromissos chan1ado de sincretis1no, no qual as crencas locais.
• ' J

se n1isturan1 con1 algu1nas ideias trazidas pelo novo contato, mesmo


quando ~1 fusão une ele1nentos aparente1nente incompatíveis. Assim
os indígenas na An1érica Central se converteran1 ao catolicismo,'
·ob a press~to espanhola nos séculos Ã'VI e XVII , mas preservaram
rituais e deuses de sua religião tradicio nal que eram explicitamente
atacados por seus tutores 1nissionários.
É claro que tanto os papéis de gênero co1no os contatos cul-
tura is são partes vitais da história 1nundial. Tan1bén1 é evidente
que, graças à expansão do conhecimento histórico em décadas
recentes, sabe1nos bastante sobre esses tópicos. Este livro une os
tó picos, corno fonna de relacionar n1ais inteiran1ente a história
do gênero com a história n1undial e mostrar como contatos in-
te rnacionais afetan1 alguns dos aspectos mais enraizados das
.sociedades envolvidas.
Valores de gênero são profundan1ente pessoais, parte da iden-
tidade individual e social. As pessoas poden1 ser particularmente
re lutantes en1 substituir padrões que define1n feminilidade e
n1asculinidade, mesn10 quando pressionadas por uma sociedade
que parece excepcionalmente poderosa e be1n-sucedida, ou
poden1 buscar formas de con1pensar quaisquer concessões que
seja1n obrigadas a fazer. Ao 1nesn10 te1npo, representantes ele

[ u1na sociedade co1nercial ou missionária ativa poden1 fazer fortes


julgan1e ntos sobre u1na região, se desaprovam a maneira como
as mulhe res são tratadas ou se comporta1n. Assi1n, viajant~S
'
1
t
árabes na África frequente1nente la1nentava1n a forma de ::igir
1
elas mulheres em sociedades que de 1nane ira geral aprovavc1fll·
Vis ita ntes japoneses nos Estados Unidos no século xrx desracan~fl1
5
Particularn1ente a independê ncia das n1ulheres co1no algo que ºº~ 'l '
nável (nun1a é poca en1 que, para os padrões a1nericanos, ~e
n1ulheres e ran1 cons ide radas reprin1idas) . Frequente1nente, _ e;
. droe-
fato , n zio apenas Jtdgan1e ntos, mas tan1bé1n mitos sobre Pª
JN 1 R ( 1 [) LJ ( .\ C• J<)

ele gênero exóticos S30 produtos cruciais do contato inten1aciona1


- con10 as histó rias sobre as amazonas guerreiras que circulavan1
na G récia antiga o u alguma das impressàes de liberdade sexua l
re btaclas por antropólogos ocidentais que visitaran1 as ilhas do
Pacífico no século xx. Valores de gênero -ão tão importantes
que servem con10 pedra ele toque para descortinar o sentido dos
contatos interna cionais.
A con1paraçào ele interaçàes internacionais que afetan1 gênero
revela n1uito sobre os valores das sociedades envolvidas - se a
sociedade está sendo influenciada por, formando julgamentos
sobre, ou n1esn10 resistindo a incorporar um conjunto alternativo
de padràes. Este livro conta un1a série de histórias sobre as forn1as
pelas quais os valores de gênero e os contatos culturais interagirarn,
co1no parte do n1aterial da história n1tmdial, desde que os registros
to1naram-se suficienten1enre abundantes para explorar esse assunto.
O resultado é Utna face n1ais humana de episódios que, de outra
fon11a , serian1 n1ais abstratos, sobre quando a Grécia e a Índia se
encontraran1, ou quando n1issionários cristãos entraram na Coreia no
século :\.'lX (en1 que o significado de pressàes religiosas rnissionárias
pode ser n1edido en1 parte por suas complexas consequências nas
vidas de hon1ens e n1ulheres coreanos).
Por fin1, o livro busca fazer niais do que unir tópicos-chave
ela história 1nundial. Também levanta questões sobre a n1udança
através dos tempos. Será que as sociedades se tornaran1 1nais
ou n1enos abertas para as influências externas sobre padrões de
gênero, à 1neclida que os contatos internacionais aun1entara111? Ser5
que a tolerância à diversidade em relaçàes de gênero aun1entou
ou decresceu no decorrer do te1npo? O que, nos dias de hoje ,
pode znos aprender ele episódios passados, quando un1 nú1nero
de agentes internacionais (incluindo grupos fenlinistas) tenta
deliberadamente alterar os paclràes de gênero en1 detern1inadas
~ociecbcles consideradas severas ou atrasadas? Será que as relações
de gênero ele foto estão se tornando mais uniforn1es, ?1 1nedida
que as interaçàes globais proliferam - ou será que a insistência
em v~ lo res de gênero distintos para masculinidade e fen1iniliclade
•.' , l ll 1,t (1r1, 1, , , 1 1 1 , 1.,. 1\ t\ l 'I ,, f Nl ' 1 _" _ _ __

é· ulll:1 d:1s 111:1nciras de ck:tennin:1das sociedades preservarem sua


--
ic.lcnt id:,dc, rrccis:11nente porque :1s influências externas se tornararn
sistc1n;1t ic:,mcnre m:lis visíveis? Essas questões necessita1n ele an~llis<:
históric:1 cuidados:,, depois que os d::.1clos forem apresentados l:lll
·studos de ciso individu:lis.
T :11110 cm e·pisódios históricos p~1rticulares , qu~into em análises
, ,u is L'lcv:1d:1s dos p:1drões :10 longo cio tempo, o drama inerente da
intL-r:1<::·10 prccis:1 ser preservado. Muitas sociedades e tio convictas
do quL· 0 :1 condi<,-:·10 masculina e cio que é a condiçào feminina .
C) que ~1contecl"' quando encontran1 estrangeiros influentes ou
pL'rsistL'ntes que lhes dize1n que estão errados? lsso é um velho
dr:1111:1 , :1ind:.1 presente e vivo no dias ele hoje. Algun1as sociedades
_.. _. ._, mostran, :1berta.s ~1 influência . Outras fica1n divididas, alguns
grupos se mostram sensíveis, outros não. Ainda outros tentam
rt:sist.ir inteir:.11nente. E por fitn, algu1nas ocieclades, tentando
n.:sistir :1 influência externa e1n questões cão pessoais, acabam
:--L' tc,nsfonnando ao dar n1ais ênfase à tradição. As opções são
tlo complexas, precisa1nente porque os proble1nas penetram tão
pro fundainente nas identidades individual e coletiva.
Os capítulos inici~1is do livro preparan1 o terreno, tanto em
rcrn1os ele tradições de gênero quanto ele contatos culturais. Para
entender o i1npacto dos contatos sobre as crenças a respeito de
fe1ninili(bde e nwsculinicbcle, começa1nos, no capítulo "A base
rr;idicional: civilizações e patriarcado,,, apresentando alguns padrões
de civilização ben1 estabelecidos co1n rebçào a gênero. China, Índia
e p~1 íses 1nediterrâneos dás ~icos mantiveram siste1nas de domínio
,n~1scu Ii no ou pa triareal is1no, rnas enfatizaran1 especificidade~
d ifen.:ntc-s e n1ec1nis1nos cletalhaclos en1 relação aos valores cultun1 is
don1 in:1 ntes . Esses sistemas ele gênero clã~ algun1as pisrns sobre
con10 influ ências externas pocle1n ser recebidas e con10 w111bét11
as rrórrias civiliza<.;ões cUssicas poclen1 influenciar outras regiôe:;,:
/\ r8
ri e •' D:1s civi I izac.;ôes dt1ssicas ao período pó::--clássicO
. -
se volta par:I as Intcraçoes envu vendo civilizaç õ e s unp _ ' . "
1 . ornntcs
· 1os e Iassteo
d u r,I n te os penoc - · e pos-c - 1o~ " 1) 1·11n~1ro-.
- 1-assico. Os c1p1tu
:> • ['.,

conl,lto~: influências da diversidade cultur:d" e "O budismo e '

l 111111
-
I Nltt l • L'llllc> 21

mulheres chinesas" examinan1 contatos relativamente iniciais entre


c iviliz~1 çô<..:s e como eles puderam afetar representações artística
de homens e n1ulheres, ou gerar um misto de mito e fantasia sobre
como outros povos liclav~1m com essa questão vital. Relatos dos
viJj~1ntes ~1ntigos, por exemplo, destacam histórias escanclalizaclas
sobre mulheres exóticas, u,na indicação ele como o gênero poderia
ser us~1cJo para rnoklar opiniões sobre o estrangeiro. Durante o
próprio período clássico (1000 a .e.e. - 450 e.e.), os contatos entre
Ocidente e o Oriente da região do Mediterrâneo sugeren1 con10
C'l.:'.rtas influências podian1 afetar as n1ulheres, quando culturas bern
estabelecidas acolhiam aquelas ainda en1 estágio de formação. E
:,1 expansão do budismo da Índia para a China n1arcou a primeira
vez que duas in1portantes concepções de gênero interagiram
diretamente con1 resultados intrigantes.
Os capítulos seguintes exa1nina1n revelações do período pós-
clássico ( 450-1450). Aqui, três tipos ele contato predon1inaram
e algumas vezes interagiram. Con10 era de esperar, a expansão
contínua de religiões rnissionárias levantou questões vitais en1
lugares con10 África , Índia, Ásia Central ou Rússia . Co1no as ideias
locais sobre ho1nens e rnulheres interagian1 com as posições
fonnais cios sisten1as religiosos principais, gerahnente apoiadas
por leis religiosas? A expansão cio islan1isn10, a religião 1nais
clinân1ic.1 dessa época, é particularn1ente reveladora nesse sentido,
e continuou nos séculos seguintes, em particular co1n a expansão
turca no sudeste europeu . Da n1es1na forn1a, 1nuitas sociedades
no período pós-clássico imitaram vizinhos mais poderosos. o
impacto da imicaç:'10 pode ser verificado no efeito que a China
tc:vc sobre~• hierarquia menos rígida entre homens e ,nulheres que
c1r;_;1eteriz:1va oJap~to. Por fim, as interações entre povos nôrnacles ,
cn1 que as relações ele gênero tendia,n a ser 1nenos desiguais, e
civilizaç-ôes estabelecidas criaram algumas interessantes tensões e
mútuas apreciac;;ôcs, em p;1rticubr durante os itnportantes s~culos
cLi expans~)o mongol.
Os capítulos ela parte "Resultados cb exp~ms:10 europeia . J 500-
J 900" volt;11n-se par~t ~•s influências origin~tdas na Europ~1 Ocidental
'
ll 1t 1 \ 1 ~ ~ 1~ 1~ _ ,P 1 1 A 1.. C1 1 \ 11 I (", f N I ~ 1)

cruciais para un1~ nova série de contatos e imitações que passa


, . · raru
~, ocorrer en1 séculos após 1450. A Russ1a con1eçou adotanct
p:1clr<'>es da cultura ocidental, co1n iinplicações interessantes n:
que clii'. respeito üs ideias sobre homens e , mulheres . A inflltênCta .
ociJenta l l~11nbérn afetou certas partes ela Asia, co1no,
as Filipinas,
conquist:1cl~1s pe los espanhóis e, n1ais tarde, a India, dominada
pelos hrit~1nicos . Finaln1ente, é claro, a colonização das Atnéricas
desencadeou debates in1portantes, ainda que in1plícitos, sobre
:1 qu estão ele gênero entre colonizadores, americanos nativos e
cscr:1vos itnportados. A crescente expansão da Europa Ocidental
cleveri~1 ser con1paracla cotn os resultados ele maiores e mais variados
contatos no período anterior. Será que o Ocidente imprimiu uma
1nudança consistente nas sociedades que influenciou? Houve,
re~d n1enre, un1 n1oclelo ocidental claro de gênero?
M~lis para o final , os capítulos dessa seção se voltan1 para o
Sl'Culo x,x, em que a história se 1nantém focada na influência do
Q c jclente, n1as con1 três diferenças en1 relação aos séculos iniciais
cb Era Moderna . En1 prin1eiro lugar, a influência era bem mais
a1npla, à medida que a intervenção do Ocidente começou a afetar
a Oceania e a Nova Zelândia no Pacífico, a China, a Coreia e o
Japão, e a África. Un1 número n1aior de sociedades tinha de tomar
decisões sobre o que fazer con1 relação aos padrões ocidentais
e as críticas ocidentais. Em segundo lugar, os próprios padrões
de gênero ocidentais estava1n se transfonnando rapida1nente,
levantando questões interessantes sobre quais modelos itnitar. No
geral, os desafios às tradições das civilizações agrícolas au1nentarat11
precisamente porque os europeus estavam construindo novas ideias
sobre o que era apropriado para os ho1nens e para as n1ttlheres.
Por fin1, as apreciações cios ocidentais sobre outras sociedades
em re rn1os ele co1no lidar con1 questões de 1nasculinidade e
fe miniJidac1e f..1caran1 n1a1s
. f'lft11es e paternalistas, o que PÔS tJt11~
1
pressão significativa sobre algun1as das sociedades envolvidas. fie~~
n1ais difícil escap~H ela pe rcepçao , elos julga1nentos dos ocic· le otí:1 1,' '.
_ 31 u1n,1:,
ao ,nenos em ~1reas urbanas, por todo o n1undo. Enquanto g :;-
das tensões 1nais óbvias decorrian1 de discordâncias sobre ª re
-
I N 1 ~0011c , o 23

peii-abilidacle ela n1ulher, a quest::io ela n1asculinidacle tan1bén1 era


discutida, algun1as veze con1 consequências inesperadas à medida
que sociedades tentara1n superar o Ocidente no que se referia à
assettivicbcle 1nasculina. Nunca os padrões ele gênero fora1n sujeitados
a influências externas t::io radicais.
As interações entre tradições ele gênero e influências externas
prosseguiran1 eviclente1nente, no século xx, an1pliaclas pelo de-
senvolvin1ento elos n1ovitnentos fe1ninistas e pelo itnpacto elas
organizações internacionais con10 as Nações Unidas (con1 o
prin1eiro patrocínio na história 1nundial de conferências globais
sobre o status das n1ulheres), 1nas tan1bé1n pelo desenvolvimento
ela nova capacidade de várias sociedades de reafinnare1n suas
próprias identidades nun1a época de descolonização. Essas
questões são ten1a da parte "O século xx". Cordões mais an1plos
ele in1igraçào através de linhas culturais - por exernplo, da Ásia
para os Estados Unidos, ou do Norte da África para a Europa -
suscitararn u1n conjunto de conflitos específicos sobre valores de
gênero. Os capítulos da última parte tratan1 da imigração, co1n o
caso específico e co1nplexo do Oriente Médio, con1 novos tipos de
influência decorrentes ele 1novin1entos fonnais globais, incluindo o
co,nunismo, e com a ascensão de un1a cultura popular internacional.
Juntos, os capítulos fornecen1 un1a oportunidade de discutir se
estava surgindo um padrão "111oderno" característico de interação
entre contato e gênero, em contraste con1 os tipos de episódios
discutidos na primeira e na segunda pane. Será que internacional
agora significa liberação ou essa fórn1ula está se tornando n1uito
sin1plista? Ser~í que a toler~ncia para con1 o exen1plo externo
tem au1nentado ou decrescido ao longo cio ten1po? Será que está
surgindo u1n p::iddo que aponta para novas direções, à 1nedida que
o mundo encolhe, etnbora debates sobre os papéis dos hornens e
mulheres conlinuen1 a causar indignação?
Os casos selecion~1clos para este livro não são exaustivos. Outr:.1s
instâncias de contato têm sido imponantes. Os casos são, no entanto
si~nificatívos e , ele ,~árias fornws, representativos . Eles tarnbérn per~
m1ten1 um foco mais ZllllJ)lo crucial: obre a muclan,·-1 '"lt , . , ~ d
~" raves os
•l
11 1 ~ t ,
} t \ \ •\ ll \ \ r I 1 , 1...· ,..... f \
- -- - - - -- - - - - - -
f') 1 t, f "" I fl. 1l

h ..·1n 1)o Sou :1 ausêrn:i:1 ele mudança . Os contatos discutidos na


•• e Pan
.. D:1s civiliz:l(:ôes cljssicJs ao período pós clássico" envol e
. .. . . . ve1n
cl\·il 1z;1ç<'>cs agrícob.s, a !guinas vezes 111terag1ndo co1n sociedades
nô 1n:1clcs. Co,n exce~:ôes, as interações . nesse contexto tende ram
:1 :11npli:1r as desigu:dclades ele gênero. Os capítulos das Partes
"Rcsull :1dos <.b expans~10 europeia, 1500-1900" e "O século XX"
cnvolvcrn interações entre sociedades con1erciais e frequentemente
industri:lli1.ad:1s com civiliz:.,1çàes agrícolas ou "en1 desenvolvimento"
c,n lcnnos econôn1icos. Comparando con1 o pano ele fundo ela
rx1 rtc .. Das civil izaçàes cl:.íssicas ao período pós-clássico", será que
~, din:1,nica se tornou diferente - con1 novas opottunidades ele
1iberd:1dc cm vez d e enrijecin1ento - ou será que os padrões sào
1nais con1plexos do que essa fórn1ula sugere? Exan1inar a questão
cio gênero na história 1nundial relacionada a trocas entre sociedades
fornt.·ce a base para unia análise fundan1ental sobre as direções
cb n1ucbnç_1.
DLus últin1;:is questões. O livro focaliza a questào do gênero, o
que envolve papéb e definições para os hon1ens assin1 co1no para
~•s 1nulheres. Há atenção n1aior sobre as 1nulheres, porque existe
un1 nuior nú1nero de inforrnações diretas disponíveis sobre como
as n1ulheres se clefinira1n ou fora1n definidas; n1as os ho1nens e
a n1asculinidade ta1nbén1 estão envolvidos. É o equilíbrio entre
111ulheres e hon1ens, n1ais do que cada sexo separada1nente, que
no final d~1s contas in1porta . À n1eclida que os historiadores têm
passado da história específica ela n1ulher para a história do gênero,
que é 1nais abrangente, essa interação é exata1nente o que eles
té n1 buscado.
A v~diaç;ões no livro pressupõe1n que un1a igualdade relativa entre
os sexos seja urna coisa '·boa", o que é un1 valor moderno e não
incontestáve l. É nesse sentido que alguns capítulos usan1 palavrJS
·
con10 ·'a rnn1or~n1ento " ou ''d etenoraçao".
· , Pessoas que ,ao·ediwíll
.
que u1.n sexo ou o outro deva ser superior pode1n bene 1c1ar
f. ·, -se do.
as d~•:,
livro. si1nplc s1nente concordando ou discordando de algun1 ·
. - , . f.,, ·1 ~alculJf
3 finnac<>es. O livro nao pressupoe, no entanto que se,a aet e, .
• A 1here~- • '

q u a l sistt'n1a d e genero n1~11s protnove o status das n1 u


l , 1 .-:. \' l l l l \ ,\ \ l }~

l )d111 i,'t'K·:-: ft't n i11 i:-:t:1:-: ()l'id1..'nt:1is rorrentt'.-- s:10 itnpo rt:t nl(.:'S. 111:1:--

n.'1\, :-:.'l l) :1 til\i1.::1 mcdid:1. Alguns si:,fl:'lll:lS quç p:tr1..'CL't11 opn.-:·:--sin)s


1 '11. ,:,; 11:1d rl)l'S 1..)1..·idi.:nt:1i:-: po<.k'm IL'r funcion:1do muito bem (e , n,1
, 1..' 1\.l.1d1..' .. 1 1..k.--i 'l.!u:lld:11.. k 111.xk· "flln cin 11:1r" :ilnum:1s
~
, ·czcs 1:1rnb0111 .
1n1..·st1h ) r".1r:.1 gn1pl)S :-:uhurdin:1dn:-:). Acinu de- 1uclo , o li vro nJo
1"1\.'l1..'th.k' im por julg:1111t.' nto:-: f:tl'l'is , que lun:'ri:1111 ck· simplific 1r
\.knui:-: l ' indc,·id:11111..'nlc' l..'Otllp:1r:1ç(ws 1:ntn:· socie<.bdes L'n,·olvid:1s
1..· 111 1.. \ 1nt:11 c, ",u :1.-- :1 n:í l i:--1..' S d:1 mucl:rnç:1 :1tr:1v0s dos tempos.
A BASE TRADICIONAL: CIVILIZAÇÕES E PATRIARCADO

Por volta do quarto n1ilênio a.e.e. , um número de sociedades


estava con1eçanclo a 111udar para a fase ele organização conhecida
por "civilização". E1nbora os contatos entre diferentes grupos
fosse1n virtualmente tão velhos quanto a existência ela espécie
hu1nana, a 111aior parte das civilizações antigas vivia de certa forma
separada. A civilização mesopotâmica, que surgiu depois de 3500
a.e.e., diferia da civilização egípcia, que en1ergiu logo depois no
norte da África, não 111uito distante do sul. Por volta cio quarto
1nilênio a.e.e., também, a maior parte das sociedades agrícolas
tinha desenvolvido novas formas ele desigualdades entre ho1nens
e 1nulheres, num sisten1a geralmente cha1naclo de patriarcal -
com o domínio ele maridos e pais. As civilizações, ele uma fonna
geral, aprofundaran1 o patriarcado e, ao mesmo tempo, definiram
seus detalhes de fonnas distintas que co111binavam com crenças e
instituições mais amplas ele cada civilizaçüo e1n particular. Nesse
~entido, pondo um selo próprio no patriarcado, cada civilização
uniu as questões de gênero com aspectos de sua estrutura cultural
e instirucionaJ. Este capítulo, prepara ndo o terreno para o estudo
do itnpacto ele contatos de convívio social sobre sistemas de
gênero, dedica-se a estudar vários aspectos: civilizações, contatos,
patriarcado e certos patriarcados e exceções.
A sociedade hun1ana começou na base de pequenos grupos de
pessoas, en1 bandos ele caçadores e coletores. Com essa estrutura,
_l ~ 11 1, 11)1\ I \ ll A\ ll l l A~l) I \ Ili GI NIR Cl

as pessoas se espalharam nas áreas ma is habitáveis do mundo


p o r volt~1 ele 12000 a.e .e. De pois, por volta de 10000 a .e.e
·, a
agricultura foi introduzida no norte elo Oriente Médio, mudando
radica linente a estrutura da vida hu1nana nas regiões em q
Ue
se estabeleceu . À n1edida que a agricultura se espalhou , muitas
sociedades forn1aran1 padrões ele 1noradia 1nais estáveis, embora
itnportantes grupos continuassen1 a caçar e coletar ou se apoiassem
na criação nôn1ade de anitnais, con10 ocorreu e1n largos trechos
cb Ásia Central . A agricultura pern1itiu a geração de u1n excedente
ele produção con1 relaçào às necessidades imediatas. A partir desse
xceclente, un1 pequeno nú1nero de pessoas pôde se especializar
en1 atividades não-agrícolas, con10 artesanato, religião e governo.
Os a prin1oran1entos na produção agrícola foran1 graduais, n1as, por
volta ele 4000 a.e.e., novamente no Oriente iVIédio e arredores, uma
in1portante série de invenções introduziu novas n1udanças lideradas
pela invenção da roda e o uso de metais, pa1ticulannente o bronze.
E1n decon-ência disso, por volta de 3500 a.e.e. , a prin1eira civilização
foi fo nnada na Su1néria, no vale entre o rio Tigre e o Eufrates. Isso
foi logo seguido pelo estabelecin1ento de civilizações em outros
centros localizados en1 vales, como ao longo do Nilo na África, do
rio Indo no noroeste da Índia e do rio A1narelo na China.
As civilizações diferiam de outros tipos de sociedades agrícolas
no fato de terern governos fonnais, no lugar de lideranças menos
expJícicas e diferenciadas. Apoiavam-se e1n cidades, en1bora só
uma 1ninoria vivesse ali. Estin1ulava1n o co1nércio. A 1naioria delas,
ta mbé1n, tinha a escrita, o que facilitava atividades burocráticas e
comerciais.
O estabelecimento da civilização tan1bén1 fez avançar uma
" · a en fa r·1zar as· c11erenças
tc:nclenc1a 1·c d as 1nst1tu1çoes
· · · , e forn1as ' cu!~
.
rurais dest1n~das a pron1o ver a lgu111a unidade de ntro d O t:,art1Pº
' 1 JS
e.: dife renciá-lo do inundo exterior. Dessa fonna, qu ase roe as _
. d quJO
c ivilizações dese nvolve ram um pronunciado sentido ~ de
11
dife rente e ran1 elos ,,ou t ros " - a que1n os gregos e l1a1U 'lrt,-11
' ·do
nd
b{lrbaros. E,nborGJ ne m todas as civilizações tenhan1 se exPª .~0 ~
" . . l - r recu1
rnuito houve u1na re nlIenc1a expansionista a fi1n e e son1a
'

A 8 A sl r RA D I e Io N A 1 29

e aliviar a pressão populacional. Con1 a expansão, surgiu uma


necessidade óbvia de identificar a1gu1nas característica co111uns
- tanto e1n tern1os de iclio1na, religião ou estilo político - que
n1anteria1n o território e as populações (n1uitas vezes diferentes)
junto . Cada civilização desenvolveu algo de próprio. O Egito
enfatizou un1a forte n1onarquia , definiu uma preocupação co1n a
vida após a 1norte e u1na arte alegre e colorida. A Mesopotâtnia,
n1ais sujeita a desastres naturais e instabilidade política, colocou
,nenos realce nun1 governo único e central; sua religião era 1nais
pessimista, apoiada en1 punições na outra vida. Por outro lado, a
Mesopotâtnia introduziu um interesse maior pela ciência.
O período inicial da civilização, nos quatro centros afro-eu-
rasianos, estendeu-se até cerca de 1000 a.e.e., ponto e1n que 1nuitos
tinham se desestruturado ou enfraquecido, con1 frequência e111 face
de un1a nova ordem de invasões de grupos nô111ades, con10 as tribos
indo-europeias da Ásia Central. Seguiu-se un1 período clássico na
história das civilizacões. No Mediterrâneo (envolvendo o norte da
~

África, o oeste da Ásia e o sul da Europa), na Índia e na China,


co1nplexos civilizatórios maiores começara1n a emergir a partir ele
800. As civilizações clássicas expandira1n seus aparatos culturais,
políticos e con1erciais. O con1ércio interno au1nentou, pern1itindo a
regiões diferentes de cada civilização se especializaren1. Governos
mais ambiciosos constituíran1 ilnpérios. A China pron1oveu a
tradição iinperiaJ n1ais duradoura, mas in1périos foran1 in1portantes
tan1bém na Índia, na Grécia e principaln1ente e111 Ro1na. Afin11ações
de valores culturais-chave - hinduís1no e budis1no na Índia,
confucionisn10 e daoismo na China, religiões civis 1nas ta1nbén1
filosofia secular na Grécia e em Ro111a - ajudaran1 a ciinentar 0
arcabouço cultural. Essas culturas oferecia111 certa unidade, ao
n1enos nas classes altas, perpassando a sociedade: os ben1-nascidos
chineses podiam falar e escrever a 1nesn1a língua e participar de un1
siste1na filosófico co1nurn. As culturas e instituições cornpartilhadas
ta1nbén1 ajuclararn a expandir o sentilnento de identidade, de estar
apartado elas outras sociedades.
À n1eclida qu e as economias agrícobs e depois as civilizações se
forrnar~un, continuaran1 os contatos ele vários tipos . Uina v~z que
~ - o~ t~ G ~I N~ l~l\~o _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __
/\ , ,, 1 1 /\ ( l?.__1 \
1() ,, , \ 1 ,, '' ' _:_:_
" ~11_ __

-- - ta frequência, os contatos e as
1i rou con1 tan . d
~1 espécie hun1ana 11 g ndêmicos. Por 1ne10 eles, bein
. ., virtualtnente e
trocas se tot na1a1n . ., .· s áreas ganhara1n acesso a novos
, 1O clásstCO vai ia
ante~ do penoc ' _ ' . da região, e a novas tecnologias
. I' to nao natura1 5 . _
tipos e1e a unen , . b lho con1 1netais . As 1n1graçoes e as
· 1 · lo agricultura e t1 a ª
- inc umc . ., . d O os nôn1ades fornecera1n uma fonte
inva ·ões penochcas e ºrup d ,
. ne"r·ci·o foi outra fonte. Bem antes o penado
de contatos. O co1 . ,
, . . le conlércio se estenderam da China atraves da
class1co, as 1otas e ., . . ."
Índia e Ásia Central até O Oriente Med10 e o Med1tenaneo; esse
percurso todo ficou conhecido con10 a Rota ela Seda, por ser a seda
a principal 1nercadoria co1nercializada. Ao 1nesn10 ten1po, o itnpacto
de n1uitos contatos foi bastante lin1itado. Pessoas muito ricas na
regiào n1editerrrânea gostavam da seda chinesa - tecido favorito
no In1pério Ro1nano, por exen1plo -, mas não sabia1n nada sobre
a China , un1a vez que não se fazia1n viagens diretas. O comércio
ocorria por 1neio de etapas.
A maior parte dos avanços e111 uma civilização se n1antinham
i~tern?s, exatamente con10 o con1ércio. As restrições decorriam
nao so ele ,,º 111ª considerável suspeita con1 relação aos forasteiros,
n1as
-
tambe111
· d da lentidão das viagens de longa d 1stanc1a . ,.. . se1npre
t ao arnsca as o que Iünitav . _
_ .' . . , a a extensao e o ünpacto das trocas.
As grandes c1v1ltzações dá • ,
. . . . SSicas raramente tinhan1 contato ime-
c1iato ent1e s1. A n1a1or parte t'101
a1norteciinento,, llab·r d
ta a por no d
.:ª
ao redor de si u1na "zona de
menos organizados A . tna es ou por povos agrícolas
. ss1m, tanto o O 1.· , . .
e depois a região nled ·t .." tente Med10 quanto o Egito,
· 1e11anea cl' 5 • ~
com o centro e 1n clesenv . as ica, estabeleceran1 ligaçoes
. . o 1vunento aO l ., .
su b saanana que se cl ongo do alto Nilo na Afn01
t.10 l1, - l , 1a1nava Kush A C} .
ª ª guma influência n C01. . · 1111a , sob a dinastia Han,
ele con1 , · • ª eia e no v· ~ , • d
, ereto 1na1s ativa f . ietna. A India a soCJeda e
da Asia i ·! • ' azia trocas , . '
, , nc u1nclo a atual I d , . co1n vanas partes do sudeste
O unico exempJ . n ones1a.
. ·1 o in1pona
c1v1 izações cV 5.· nte de co . .
d . as teas antes d 0 r· ntaro chreto entre as n1aiores
epo,s de jQQ ~ tna I d , , •-
Alexa d - e.e. envolveu ~ os seculos da Era Cbssic.t
n re,ocn I as conq · ~ d
da Ínclh u :·nc e, no Oriente M, Ut 5tas no século 1v e.e. e
(. · rn re ino s0 t 1• eclio ·t'
estabelecid . . ) nfluênc· d , na Pérsia e no noroe~ e.:
o nessa p ta a Cl l e- i
an e ela Índia . . 1 tura grega - Báccrü1 - '(:
P01 n1-1i · 1
(. 5 e e un1 século. A P~1
rttr
-
A ~ 11 1 , , v II n, e I u , 11 1 Jl

dessa permuta incon1un1, a Índia, durante algum tempo, imitou


estilos artísticos helenísticos, com estátuas de Buda vestidas com
roupas ele estilo mediterrâneo. A Índia também utilizou alguns
conceitos mate1náticos desenvolvidos na Grécia . Além disso,
a troca encorajou regentes indianos posteriores a pensar em
enviar emissários budistas para o Oriente Médio. Ali eles não
conseguiran1 conversões, mas possivelmente introduziram conceitos
éticos que haveriam ele influenciar os sistemas filosóficos como
os estoicos e , por intermédio deles, o cristianismo. Esse foi um
resultado in1portante, 1nas ele forn1a geral o contato, excepcional
a princípio, teve poucas consequências duradouras. As próprias
civilizações foram influenciadas por trocas internas - como as
"religiões misteriosas" que se espalharam para o oeste do Egito e
Oriente Médio no hnpério Romano, ou o impacto crescente das
instituições do Norte da Índia, incluindo o hinduísmo e o sistema
de castas, no sul da Índia. No entanto, as mais características formas
políticas e culturais de cada civilização permaneceram separadas: o
confucionis1no era chinês, o hinduísmo (exceto por uma pequena
incursão no sudeste da Ásia) era da Índia etc.
À medida que as civilizações se desenvolveram, a partir dos
contatos e das linlitações das trocas, os sistemas de gênero - relações
entre homens e mulheres, determinação ele papéis e definições
dos atributos de cada sexo - foram tomando forn1a tambén1. Por
fim , essa evolução haveria de se entrelaçar com a das civilizações.
O deslocan1ento da caça e coleta para a agricultura pôs firn
gradualmente a u1n siste1na de considerável igualdade entre hon1ens
e mulheres. Na caça e na coleta, an1bos os sexos, trabalhando
separados, contribuíam com bens econômicos i1nportantes. As
taxas de natalidade eran1 relativan1ente baixas e mantidas assim
em parte pelo aleitamento prolongado. E1n consequência disso, o
trabalho elas mulheres de juntar grãos e nozes era facilitado, pois
nascimentos inuito frequentes e cuidados com crianças pequenas
seriam uma sobrecarga . A agricultura estabelecida, nos locais en1
que se espalhou, mudou isso, beneficiando o domínio 1nasculino.
À medida que os sisteinas culturais, incluindo religiões politeístas ,
apontavam para a importância de deusas, co1no geradoras de
forças criativas associadas com fecuncliclade e , portanto, vitais
- _l _1 li 1 , 1 ,, k 1 \ ll \, ll l i \ 1.· 0 1 ' li 1 1• ( N l ll ~ _ _ _ _ _ _
- - - --
r;1r~I :1 :1gricultur:1, :1 nov:I econo rni:1 pro 1nov i:1 un1~I hier;irquiél ele
gênero m:1io r. O s homens ;igo r:I er:1111 respo ns{tveis, e m gerJI, pela
;)bnr:1\jo; :1 :1ssislênci:1 feminina er:I viuil , n1as cabi~1 aos ho mens
surrir :1 m:1io r p:trt e cio s :tlirnenros. A t:Ix:I de n:1talicbcle subiu , em
p:Irtc po rq ue os suprimentos ele :tlimênfos se to rn :Iram um po uco
nuis seg uros, em p:Irte po rq ue h:1via m:1is concl i\-·ões ele aproveitar
o tr:1b:tlho cbs cri:lnç:1s. Ess~• fo i prov:1velmente a r:12{10 principal
ck' os ho mens :Issu mirem :1 m:I ior p:irte cbs funções :1g rícolas, já
q u e ;1 nut ernicbcle co nsumi,1 m:lis tempo . D es.s::1 fo rm a, :1s vicias
d :ts mulheres p:1ss:1r:11n :1 ser cle finicb s ma is em termos ele gravidez
e c u iclaclos ele crL1nç 1s. Er:1 o cen:írio p:Irn um n ovo e p en etrante
p:1 t ri:1 re i !ismo .
N:1s socie<.bcles p:1tria rc1is, os h o m en s er,1111 co n siderad os
cri:..1tur:1s superio res. Tinham direitos legais que as n1ulheres não
p o ssuí: 1111 (ernho r:1 :is leis pro tegesse1n :1s n1ulheres ele alg uns
:1buso s, pelo 111enos no p rincípio ) . Assirn, o Có digo de Han1urabi,
na .M esopo tfünü , a p ~11tir cio segundo rnilênio e.e., estabelecia que
um~I mulher que nJo ''tenha sido uma clona de c isa cuidad osa,
renh:.1 v:1diado, negligen ci:1do sua c isa e depreciado seu nia riclo "
c.Jeveri:.1 ser •'jog,1da na ~íg ua ''. Não h~1vü1 contrap artida disso para
os ho n1ens, ernbo r~1 o código est~1belecesse que a esp osa p o d eria
:.1b:1 ndo n;1r o 111:iriclo se ele n ão provesse suas necessidades.
!vluiw s socied:.,des agrícohts i1npeclira1n as 111ulheres ele p o ssuíren1
p ro priedad e de fo rn1:1 indep endente. Muitas pern1iti~11n que os
ho n1ens ti vessen1 várias mulheres (se puclessern su stentá-las). A
ma ior p~rte punia :.15 o fen sas sexu ais elas 1nulher es - p o r exen1pJ o,
o :.1 dultério - muito n1ais severn,nenre cio que as d os ho,nen s. D e
faro , alg uns hísto ri 1do res arg un1entara1n que u1na justificativa-ch,1ve
p ara a existên cia d o p atria rcado e ra g~1ra ntir, con1 o n1áxilno d e
certeza p ossíve l, q ue os filh os d e L1111a n1ulher fossen1 cio 1n a riclo.
Dttd a a Íin p o rtfi nc ia ela p ropriedade en1 socie dad e s agrícola.s (e,n
co ntr..Jsre co,n as d e c ,ç~, e cole rc1), os ho1ne ns sentian1 ne ces-
:;;idaci e de conrro br a he rança de gerações futuras, e isso corne-
çou regulando ;1 sexu ~dicbde das esposas. Outro s indíc ios er;un
ig ualn1enrc in1ro rtanrc:s. H avi a p refe rê nc ia p o r filh os e ni vez
de filh a~ . Niu it~1s fon1íli,l s ado tara 111 o inf antic ídio pa r;.1 a jud 8r J
A 1', A I l T R /\ O I CI O N AI JJ

controlar a taxa de natalidade , eliminando as meninas co1n mais


frequência . Culturaln1ente, os siste1nas patriarcais enfatizavan1 a
fragilidade das 1nulheres e sua inferioridade. Insistiam nos deveres
clon1ésticos e algun1as vezes restringiam os direitos das mulheres a
aparecere1n em público. O alcance cio patriarcalismo foi p oderoso
e extenso. Muitas n1ulheres ficaram tão intimidadas e isoladas pelo
sisten1a que forn1as ele protesto se tornavam irnprováveis - embora
algu1nas n1ulheres pudessem obter certa satisfação en1 n1anipular
seus maridos e filhos ou e1n dar ordens a mulheres inferiores no
an1biente don1éstico.
A desigualdade das n1ulheres tendeu , alén1 do mais, a aumentar
co1n o passar do ten1po, à medida que as civilizações agrícolas se
tornavan1 1nais be1n-sucedidas. A lei judaica, surgida um pouco
depois do Código de Ha1nurabi, era mais severa no tratan1ento
da sexualidade das mulheres ou de seu papel público. Em outras
panes do Oriente Médio, surgiu o uso do véu quando as mulheres
estivessen1 e1n público, como sinal de sua inferioridade e de seu
pertencin1ento a pais e maridos. A deterioração dos papéis das
mulheres na China apareceu com o costume de enfaL-xar os pés,
sob a dinastia Tang, depois que tenninou o período clássico;
os pequenos ossos dos pés das meninas eram quebrados para
itnpedir que andasse1n com facilidade, e o jeito desajeitado de
andar que resultou disso era recebido con10 sinal ele beleza e
modéstia respeitável. Pressões desse tipo existian1 principalmente
sobre mulheres da classe alta, em que as fanu1ias tinhan1 condições
econôn1icas para dispensar o trabalho produtivo feminino; essas
pressões tenderam a se espalhar, e ter un1 impacto si111bólico n1ais
an1pJo. o costurne chinês de enfaixar os pés terminou apenas no
início do século xx.
As razões da tendência à deterioração em civilizações estabe-
lecidas envolveram o crescimento do poder de governos don1inados
por hom.e ns, que levaram à redução do -~apel político inforn1al
exercido pelas mulheres dentro elas fan 11lt 3 s. O fator-chave , no
entanto, foi uma prosperidade, em particular para a classe alta, que
pe rmitiu enfatizar o papel ornament~I das mulheres ein detrimento
de papéis práticos.
- -....._
1

34 H IS 1O RI A. D AS R [ l Aç Ol S D[ G ( N [ ll O

A força do patriarcado caiu sobre as 111ulheres, n1as obviamente


afetou ta1nbé111 definições de 111asculinidade. Os ho111ens, inde-
pendenten1ente da personalidade de cada u1n, deverian1 assumir
seus papéis de dominantes. Deviam evitar 1nin1ar as mulheres )

especialtnente en1 público . Con1 frequência , precisava1n estar


prontos a assun1ir deveres n1ilitares ou de outro tipo de liderança e,
e111 princípio, eran1 evidente1nente responsáveis pela sobrevivência
econôn1ica da fa111ília . E111 1nuitos casos, os filhos n1ais velhos eram
privilegiados de 111aneira pa11icular, mesn10 entre os ho1nens, pois
o patriarcado poderia estabelecer un1a hierarquia e lhes entregar
o poder total sobre a fan1ília . Algumas sociedades autorizavam
outras categorias para os ho111ens, tolerando-lhes co111porta1nentos
ou vestin1entas n1ais próprios de 1nulheres, ou n1esmo orientação
ho1nosse:,.,.'Ual. Outros grupos de homens podian1 ser selecionados:
em algumas religiões os sacerdotes deveria111 evitar o sexo,
enquanto os homens que supervisionavan1 esposas e concubinas da
corte de um governante (e que por vezes alcançava1n considerável
poder político em parte porque não podia111 ter filhos para não
confundir com a prole do rei ou imperador) podian1 ser castrados,
con10 eunucos - um teste1nunho algo desajeitado da ênfase na
sexualidade n1asculina.
A ascensão e o aprofunda111ento dos sisten1as patriarcais de
relações de gênero forn1ara1n parte do n1esn10 processo que
gerou econo1nias agrícolas que substituíran1 a caça e a coleta e ,
depois, e111 1nuitas delas, u1n leque organizacional característico
de civilizações. A agricultura e , depois, a civilizaçào aprofundaran1
progressivamente as desigualdades entre hotnens e 111ulheres.
Apesar disso, um ponto é crucial, e foi ben1 estabelecido durante
0 período inicial de civilização da história 111undial: os sisten1as
patriarcais variara1n 111uito, e os sisten1as nunca foran1 de fato
universais . A 1nes111a ênfase na diversidade das instituições
culturais e políticas globais que as civilizações forjaran1 em
seus períodos de gestação aplicava-se às ideias sobre homens e
n1uJheres e seus papéis.
Aqui há dois pontos principais. Em pritneiro lugar, a agriculru 1:
~' 1 ~11~
e a c iviliza ção não envolveran1 todos os grupos popu lªºº'

d
A ~ A \ t 1 11 A D I C I U N I\ 1 35

principais, n1es1no no final do período clássico. De particular


in1portância foi o estabeleciinento de grupos pastoris nômades, ou
grupos - con10 1nuitas tribos indígenas nos Estados Unidos - que
con1binara1n caça e agricultura transitória de corte e quein1ada .
Muitas dessas sociedades sin1plesn1ente não estabeleceran1 as
condições que geravan1 o patriarcado. Podian1 enfatizar aJgun1as
dife renças agudas entre hon1ens e n1ulheres - por exen1plo ,
pressupondo que os hon1ens tinhan1 responsabilidade pa11icular
pela guerra ou por façanhas a cavalo - , n1as con1 frequência não
instituíran1 o tipo de desigualdade siste1nática característica elas
civilizações mais in1portantes. O confina1nento don1éstico das
1nulheres, por exe1nplo, foi litnitado pelo fato de gn1pos nôn1ades
não estabelecerem 1noradias pennanentes elaboradas. A existência
ele alternativas ao patriarcado pleno obvian1ente deu 1nargem a un1
grande nú1nero de possibilidades con1plexas quando, por exen1plo,
valores de gênero ele um grupo nô1nade se vira1n frente a frente
com os de urna civilização patriarcal.
O segundo ponto envolve un1a variação significativa entre as
próprias sociedades patriarcais. Nem sempre é claro por que elas
diferem - assi1n como é difícil explicar por que a sociedade india na
clássica acabou enfatizando a religião 1nais do que a chinesa, ou
por que a Grécia e a China diferira1n e1n suas definições de ciência.
Un1a vez que as diferenças foran1 clesencacleaclas, na quest.1o do
gênero e em outras, elas tenderan1 a persistir. As con1parações s{10
sutis: todas as civilizações dos vales e clássic.1s era1n patriarcais,
n1esn10 quando i1npunhan1 papéis e culturas específicas diferentes.
As semelhanças e as diferenças poclia1n ser igualtne nte importantes.
As prin1eiras civilizações cios vales, próxin10 do Egito e da
Mesopotârnia, ilustraram con1 clareza o potencial de diferenças que
havia dentro cio patriarcado. Enquanto a Nlesopotâmia realçava a
inferioridade das n1ulheres e sua sujeição ao controle n1asculino a
'
civilizaçào egípcia clava a elas 1nais crédito, ao n1enos nas classes
altas, e vivia a experiência de várias rainhas poderosas. A beb
Nefe11iti , con10 esposa do faraó Aquenaton , influiu e1n disputas
religiosas durante seu reinado. Nlais tarde. Cleópatra desenipenhou
• [ G( N f fl 0
l)AS llLLA<.:01~ D
H 1 ' 1 1' ~ 1 A

. b rtado conio rainha egípcia, lutando


b o1 a a o
umpape 1po de roso ' en1 ,, .' R no As mulheres eram
a ra ··
mochf1car os contro les do Itnpeno oina ,, . · . 'd
P .O arte eg1pcia e as p1 ov1 encias
A •

tan1bén1 retratadas com esinet na ' . .


. elaboradas (einbora nunca nvaltzassem
para seu enterro poc11am ser h
com as de hornens poderosos). Tanto n1ulheres como omens
podian1 se tornar estrelas no co1·po d a deusa celeste Nut _ , u1na .
·d
n1aneira em que a v1 a apos a n101 ,, . ·te se manifestava.,, . Nao havia
dúvida sobre o patriarcado egípcio. U1n escritor eg1pcio, Ptah Hotep,
deixou isso claro, por volta de 2000 a .e .e., ao escrever que, "se
você for un1 hon1em de reputação, busque u1na mulher de fa1nília,
e an1e sua 1nulher e1n casa, co1no convém. Alimente-a, vista-a .. . 1nas
não deixe que ela domine". Entretanto, no cotidiano e no social,
o sisten1a egípcio diferia.
Nem todas as sociedades agrícolas permitiam a poligan1ia; a
f ndia diferia da China e do Oriente Médio. Algumas sociedades
traçavam a descendência das crianças a partir da mãe - como na lei
judaica - en1 vez do pai. Isso não evitava a desigualdade, 1nas dava
à maternidade u1na in1portância cultural e legal 1naior. Os códigos
legais podia1n variar muito em função dos direitos de propriedade
da 1nulher ou sua capacidade e1n abandonar un1 casa1nento infeliz.
Representações culturais variavam amplan1ente. Em algumas reli-
giões, as deusas dese1npenhava1n u1n papel poderoso e vital, ao
passo que e1n outros sistemas culturais os princípios 1nasculinos
clo1ninavarn inteira1nente. A China, sem tanta ênfase na relioiào
b '
oferecia escape menos silnbólico para as 1nulheres do que a índia,
com seu forte interesse nas figura s das deusas, ou o Mediterrâneo,
com seu politeís1no diversificado en1 tennos de gênero.
As variações afetava1n tambén1 os homens. Sociedades con1
religiões fortes, co1no a Índia, podiam ter ein alta conta sacerdotes
e figuras n1asculinas sagradas , en1 contraste - com soei· e d acles con10
as. do
.
Mediterrâneo
,, .
clássico , que tendiatn -1e enfar 1·2 -e1r,,uS qua 1·d d
l a es
militares e atleticas corno ideais para os hoinens As b d d
. .
h on1ossexlla1Isn10 . . a or agens o
ou do b1ssexualisn10 va .· , .
. 11avan1. Na Grec1a e e1n
Romél , homens da alta classe con1 frequênc1·a - 11 . -
. ' , esco 11an1 garoto~
como. protegidos e amantes. Isso não enrr,Jva e1n t1 ·
,. f ' ' C con 1to COlD pa-
Cl
peis am1l1ares nonnais.
A ~ ,. 1 , , H ,. 11 1 e ,o N A , ]7

A~ diferenças possíveis ele sistemas patriarcais foram mostradas


cbr:1tnente nas três principais civilizações clássicas. A China instituiu
o 1nais con1pleto patriarcado, como parte ela ênfase de Confúcio
na hierarquia e na orcle1n. O home n1 na família era, em princípio,
con10 o iniperaclor na sociedade: ele governava . As mulheres
e r~11n instadas a ser subservientes e eficientes nas habilidades
do1nésticas . Ban Zhao foi uma n1ulher influente, que, apesar de
su:.1 posição ou talvez por causa dela , escreveu un11nanual clássico
cio patriarcado sobre seu sexo (e1n algum n10111ento do primeiro
século ela era con1u1n; ele se tornou o 1nanual para 1nulheres mais
duradouro ela China, tendo sido republicado até o século x1x) .
Seu conselho: "Humildade significa prestar obediência e agir com
respeito, colocando os outros e1n primeiro lugar. .. suportando
insultos e aguentando 1naus-tratos .. . Prosseguir nos sacrifícios
significa servir a seu amo e senhor com 1naneiras adequadas". A
ocupaçào diligente co1n os deveres do1nésticos e a concepção ele
filhos hornens envolvia as vicias elas 1nulheres be1n-sucedidas, de
acordo co1n o siste1na chinês.
O siste1na da Índia contrastava com esse. As mulheres erarn
consideradas inferiores; os pensadores indianos discutia1n (se1n
chegaren1 a um acordo) se a n1ulher teria de ser reencarnada
con10 hon1e1n a fin1 de avançar espiritualn1ente, caso tivesse levado
unia vida digna, ou se ela poderia prosseguir cliretan1ente para
u1n don1ínio 1nais elevado. Os casan1entos eran1 arranjados com
cuidado pelos pais para assegurar os objetivos maiores ela fa1nília,
geraltnente quando as n1eninas e os n1eninos eran1 be1n jovens. Das
n1ulheres se esperava que se1vissern aos pais e depois aos n1ariclos
fieln1ente. En1 contraste con1 a China, no entanto, a cultura da Índia
valorizava a inteligência e a beleza elas mulheres. Atnor e afeição
mereciam n1uito crédito, o que poderia ligar n1ulheres e homens
infornialniente, apesar ela desigualdade básica . As futuras 1nàes
eram cercadas de solicitude. A ênfase no confinam.ento do1néstico
das mulheres tan1bén1 era 1nenor na Índia clássica.
A civilizaç~-10 clássica no Mecliterrf1neo apresentou ainda um
te rceiro caso. Uina forte ênfase no radonalis1no na filosofia e
na ciência forjou tuna tradição de distinguir traços intelectuais,
1 -,
38 1-1 1 ~ 1 , ' R 1 /\ 11 A ~ R 1 1 A Ç 1) 1 1 D I G I N l RO

considerados 1nasculinos, e traços 1nais emocionais e menos


n1e ntais, atribuídos às 1nulheres. Pensadores gregos apregoavam
un1 bon1 trata1nento para a 1nulher, ao mesmo ten1po em que
reforçavan1 sua inferioridade e seus papéis alta1nente domésticos.
A atuação pública , assim como papéis atléticos, eram reservados
aos homens. Estuprar un1a n1ulher livre era criine, n1as merecia
punição n1enor do que seduzir un1a esposa - pois isso envolvia
conquistar a afeição e lealdade que ela devia ao 1narido. No en-
tanto , algu1nas 1nulheres possuía1n propriedade ; sua presença
pública e ra 1naior do que na China. E as condições 1nelhoraram no
período helenístico, pelo n1enos na alta classe, co1n a participação
das n1ulheres e1n atividades culturais e con1e rciais (e1nbora sob
a guarda 1nasculina).
Além do n1ais, em Roma, as condições das mulheres novamente
se aprin1orara1n con1 o tempo - desafiando o padrão geral (e1nbora
houvesse um retorno subsequente depois do primeiro século da era
con1u1n, sob o Império). A sociedade romana e1n seus pritnórdios
impunha duras punições sobre as mulheres, por exen1plo por
contravenções sexuais. "O marido é o juiz da esposa. Se ela co1nete
un1a falta, ele a pune; se ela bebeu vinho, ele a condena; se ela
con1eteu adultério, ele a inata." As regras das leis ron1anas posteriores,
no entanto, somadas a um desejo de encorajar a estabilidade da
vida familiar, trouxeram alguns aprimora1nentos. Os poderes do
marido foram substituídos pelo estabeleci111ento de cortes ele família,
co1npostas de membros tanto da fa1nília de origem da esposa
quanto do marido, em casos de disputa ou acusação. As 1nulheres
era1n livres para aparecer e1n público e participar da 1naioria dos
entretenin1entos. Ainda que elas fosse111 punidas por adultério com a
perda de u1n terço de suas propriedades, a punição era relativamente
suave con1parada com outras civilizações patriarcais. Por fin1, ~1
literatura ron1ana, assim con10 a grega, registrou inún1eras histórias
de deusas ativas e extravagantes, assin1 como deuses.
Ein su1na: a variação coexistiu co1n o patriarcado, antes e durante
0 período clássico, sendo que algumas sociedades importantes
escaparam inteirarnente ao patriarcado. As diferenças afetaram
clefiniçàes e papéis masculinos, ocorrendo o mesmo co1n relação
às 1nulheres. As tendências ao longo do ternpo tan1bén1 diferirarn-
J\ ~ A \ 1 í RA O1 1 O :-J A 1 )?

Aqui houve um contexto fértil para o co mplexo impacto dos


cont3 tos culturais, ocasião em que sociedades difere ntes adquiriram
conhecin1ento mútuo. Precisamente porque o patriarcado gerava
tensões no.. relacionamentos entre hon1ens e mulheres com os
'
hon1ens ansio os por preservar o domínio, mas algumas vezes
incertos sobre corno is o funcionaria num cenário familiar, e com
as mulhe res em geral evitando protestar, mas não necessa ria1nente
1nuito felize con1 a p:irte que lhes cabia , o conhecimento ou
o suposto conhecimento ele como outra sociedade lidava com
questõe ~ de gênero poderi3 ter resultados poderosos. Seria fá-
cil , en1 particubr p:ira os ho mens que muito provavelmente ex-
perimentariam os resultados das trocas por meio do comércio
ou dJ guerra , usar os conutos para tentar confim1ar a correção
de seus próprios arranjos e , portanto, exagerar ou distorcer os
padrões de gênero na outra sociedade. O fato de o patriarcado
ser baseante sólido sugc:re que apenas contatos prolongados (o
que não era usual) dariam :1c1?sso ~1 novos padrões. No entanto os
contatos poderiam causar rompimentos; poderiam sugerir opções
e alternati,·as. Os padrões patri:..trcais diferiam o suficiente de uma
sociedade a o utra . para tomar o contato potencialmente causador de
rompimentos quando ocorriam confrontações entre as ~ociedades
nômades e as civilizacões estabelecidas.
Nem o período das civili.za(:õcs cios vales nem o período cbssi~·o
mais rico em eYiclências enfatizaram a importfrncia elo contato
com padrões dife rentes; o foco se detl:ve em construir sisten1Js
separados, incluindo sistemas patriarcais, e integr~1r diversos po,·os
por meio desse processo. A maior parte dos povos n~1 0 tinha
qualque r consciência de qu e outras sociec.l:tdes poderi~1m fazer
coisas ele formJ diferente. mas as troc::is entre sociedades, e1nbor;:.i
raras, realmente existiam , incluindo viagens ocasionais fora dos
limites familiares. Por essas trocas, por sua vez, podernos ter um
prinleiro lampejo elas possíveis reações: como cultur~1s q_ue lutaram
para definir os papéis de gênero c~n:o L_1 m con:ponente 1111portante
da ordem social lidavam com ev1clenna ocasional de que o utros
arranjos eran1 possíveis? . ..
Ao fim do período clássico, ::.i poss1b1l1dade de troca estav:1
esquentando. Problen1as com o sistema p~lí~i~o, particulannente
cm Roin::.i e 113 China , abriran1 no\'as poss1btl1dades de contatns.

• , (l 11 1\ 1 <) ll I A l l /1 1 H 1 1 /1 (. 1) 1 \ ll I C. r. N 1 1\ U

1:1 nto por n1cio de invasões externas co1no por intennédio de


1nissóes religiosas . Vários povos nôn1ades invadira1n território
ele civilizações estabelecidas - os hunos da Ásia Central na China
e d e pois Índia, tribos gennânicas adentraran1 o sul da Europa.
fVfissionários budistas e cristãos buscaran1 fazer conversões em
países estrangeiros, tanto em outras civilizações con10 en1 regiões
politican1ente 111enos organizadas con10 a Ásia Central ou o norte
cb Europa . O que tinha sido u1na experiência periódica durante
as prin1eiras civilizações e o período clássico, agora, por meio
de invasões, guerras e co1nércío limitado, tornava-se co1nun1, à
1nedida que vários povos se deparavan1 com outras 1naneiras de
se organízare1n os padrões de gênero.
ÜAS CIVILIZAÇÕES CLÁSSICAS
AO PERÍODO PÓS-CLÁSSICO
Os carítulos nesta seção liela1n com inútneros tipos de conratos
L·n!rL' civilizações ou e ntre civilizações e outros tipos ele sociedades,
p:1rticuLirn1ente grupos nô1nades, durante os períodos clássico
e pós-clássico. Focaliza1n os séculos entre 500 a .e.e. e cerca de
! -SOO t: .e. Esses são os primeiros períodos com extensa inforn1açào
disronívcl a respeito dos tipos de contatos que poden1 ter afetado
construções de gênero - isto é, a forn1a co1no hon1ens e n1ulheres
1...~ os p~t péis n1asculinos e femininos foran1 definidos. As prin1eiras

11uc1s enrre grupos, sen1 dúvida, influenciararn os papéis de gênero,


por exemplo quando a agricultura foi copiada ele un1 centro
l'SUhelecido, resultando nun1a nova ênfase no patriarcalismo. No
l'nunro os aspectos específicos, incluindo as forn1as pelas quais
J fl:'n1inilidade e a 1nasculinidade foran1 explicitamente discutidas,

1.•.'~tào encobertos en1 considerável tnistério.

Como foi discutido no capítulo "A base tradicional: civilizações e


r ~nriarcado", as civilizações cl:íssicas, centradas pat1iculam1ente na
China, Índia e no Oriente Médio/ regiões rnediterrâneas, enfatizara1n
:1 expansão e un1 considerável isolamento. Grandes esforços foran1
Íl'ilo.;; par:i construir siste1nas políticos e culturais, con1 especializações
( ·on)crciais, que hav~rian1 de aproxi1nar toda a jrea civilizada . Existia1n
cc ,n1;11os, principaln1ente por intt·nnl·dio do con1ércio ink·r-regional,
mas l'm gl'r~d e, i1np~1ct<, n;)o cr:1 rrofundo.
G { N 1 1\ 0
I\I I A(• I I D I
+I H 1 ,1 0 1,1A l)A ~
,. . _ d·da ue O declínio interno e as
Ao final do período classJCO, a me _1 ~ ·ios tais como a dinastia
- li , l os grandes unpe1 , ,. . .
inv~tsoes fora1n ta 1anc O d 1,. t·a e O 1n1peno Romano,
,. .· Grupta a nc l .
Han ela China, o Itnpeno travessar as fronteiras de
. .- .
as rehg1oes 1111po 1 a
·t ntes co1neçara1n . a a e m massivo e1nb ora
- . 1· . l ·s O budismo teve u '
civilizaçoes 1nc ivic uai · t cristianisino se espalhou
. . a China enquan o o
contestac1o, nnpacto n '.. . gínquas fronteiras de
do por hn1 as n1a1s 1on
pela Europa, a Icançan . . . . _ ainda outra força .
Roma Depois a ascensão do islan11sn10 to1 nou se. . 1 .
c • ' - • internaciona extensivo,
Com as conquistas árabes e un1 con1erc10 c ,. .
a expansão das religiões n1undiais ajudou a est~1 ~~Iec:r urna ~e~1e
sem precedentes de u·ocas regulares entre as ov,hza~oes da Asia,
África e Europa . Ao 111 esino ten1po, a área geograf1ca coberta
pelas civilizações expandiu-se. Regiões que tinh~rn estado nas
bordas elas civilizações copiara1n ativarnente padroes de centros
mais estabelecidos, particularn1ente ern assuntos culturais con10
religião, estilos artísticos e n1esn10 escrita. Assün, o Japão interagiu
con1 a China, a Europa con1 o mundo n1editerrâneo, a Rússia com
o In1pério Bizantino e a África OcidentaJ subsaariana co1n as terras
muçuhnanas.
Os séculos entre cerca de 450 e .e. e 1450 e .e. ficaran1 conhecidos
como era pós-clássica, período do1ninado pelas novas religiões
ou religiões en1 expansão, pela difusão da civilização co1n novas
oportunidades ele contato e in1itaçào, e crescente regularidade do
c01nércio afro-eurasiano. O n1unclo árabe e a China exercerarn
grande influência nesses séculos, n1as no final do período tuna
nova onda ele invasões nôn1ades mongóis redefiniu as relações de
poder e a natureza dos contatos internacionais.
As r~lações de gênero durante o período pós-clássico tenderatn
a e~at1zar a ~rescente desigualdade no padrão da farnília das
sociedades . agncolas.
,. Foi quando houve
· a eXJ)ansa-e: 0 d o costu rne
L •

e.fe enfaixar
. • _
os pes na China
. .. . '
enquanto
.
na fnd 13
· un1d,. nova pra- tica,

conhec1dc1 . instigava viúvas a se fa zeren1 queunar
con10 satl,
. - .·, _ d ,
• nas piras·
ft_in_era1 ias os rnandos, co1n a justificativa de ue ], ;- -
n1a1s razão p-u--1 viver o d _ . q e .as n c:10 t1nhan1
, ' . uso o ~ati era rar - . 1 .
revelador. Ainda que o isla1nis1no tenha :I· o_,dn1as s1111 )olican1ente
rec uz1 o alguns r , - -
as 1nu ll1eres na sociedade árabe d . - ecuos para
incluindo o uso do véu enfat' '. esenvo~vunentos subsequentes,
N ' izararn n1a1s disti - d
t o entanto, as civilizações pó , d, _ .· · nçoes e gênero.
~- asSicas foran1 tan1bén1 n1arcadas
D A; C 1 V 1 1 1 2 A ÇO l > C LA\ 1 1C A I AO r l RI O D ü r O; · C LA S S 1 C O 45

pelo crescitnento das interações culturais, que aumentaran1 as


instâncias e1n que os valores de gênero podia1n ser retomados à
luz do conhecin1ento trazido pela experiência de outras sociedades.
Os contatos discutidos nos próxilnos capítulos realçan1 inúmeros
ten1as relevantes para a questào de gênero, tanto nos séculos
clássicos con10 pós-clássicos. En1 primeiro lugar, as interações
recorrentes con1 grupos nô1nades tivera1n in1plicações importantes
para todas as partes envolvidas, durante todo o período mongol.
En1 segundo lugar, os relatos de viajantes, que con1 frequência era1n
interessantes no sentido de revelarem n1itos e especulações sobre
práticas de gênero de "outros" povos. E se a frequência desses
relatos au1nentou nos séculos pós-clássicos, o período clássico
tan1bé1n registrou balanços ü11portantes. En1 terceiro lugar, e1nbora
os episódios de contato 111ais importantes tivessen1 envolvido, na
n1aior parte, sisten1as de patriarcado evidentes ainda que variados,
grupos ou sociedades nô111ades nun1a fase inicial e imitativa da
civilizaçào possiveln1ente tatnbém estiveran1 envolvidos.
Por fim, 111uitos contatos-chave, do final do período clássico em
diante, envolveram novos ele1nentos religiosos, graças à intensa
atividade 111issionária e ao fato de a religião, em geral, acon1panhar
o co1nércio e a guen-a. O contato co1n religiões desconhecidas
podia ser um teste crucial para a questão de gênero. As grandes
religiões- budis1no, cristianismo e islamisn10-insistian1 na igualdade
espiritual fundan1ental; as mulheres tinhan1 al111as da 1nes111a for-
1na que os hon1ens. Assim, em princípio elas podia1n desafiar
consideraveln1ente o patriarcado. No e ntanto, de várias fonnas,
as religiões tolerava1n o domínio masculino e , con10 enfatizava1n
a vida após a n1orte, em vez de mudanças nas condições deste
mundo, podiatn itnplicitamente aceitar o patriarcado. As interações
religiosas, etn outras palavras, tinham efeitos in1previsíveis, ernbora
quase sernpre desafiasse1n, en1 alguns sentidos, as relações de
b
oênero existentes. Essas questões serão exa1ninadas nos capítulos
"O budismo e as 1nulhe res chinesas" e ''Padrões islâtnicos externos
à região central" e tainbé111 se aplíca1n a situações discutidas n1ais
adiante, na parte ·'Resultados da expansão europeia, 1500- 1900'',
em que O cristianis1no se torna un1a evidente força n1undial.
Os contatos deslanchados no final do período clássico e pa11icu-
lam1ente no período pós-clássico conünuaram nos séculos seguintes.
1
11 1 , 1 1) 1 1 \ 11,, 1 1 1 "1,. () 1 ' IJ 1 ' ' 1 "" RO

Es.,:1n ini i nu idade, anal isa da nos ca pítu l?s "~ _bu~i5n~-º ,~ as mulheres
d1incsas" e " Padrües islf1mícos externos" reg1ao cent, dl , te5remunha
~, impor1 :1nci:1de novas intera ções, mas també m o te mpo requerido
p:1r:1se mocl ific 1r h:íbitos de gênero já estabelecidos.

PA RA SABEI~ MAI S
/\ rL·spci10 dt' corll:Hos L' c:ivilizaç·10 : Jerry Bencley, O/d World E11counters: Cross-
Cullur:d Cont:1c1 :1ncl Exchanges in Pre-modern Times ( New York: Oxford Uni-
vcr., il >' PrL'~S, l 995). A re.-,peito de gênero: Dale Walde e Noreen Willows (eds.),
,lrcboeology <?/ C<!itder (C:ilg~11y: Archaeological Associarion of the Un.iversity
of C ilg:11y, 1991); i\tl:lrgard Ehrenburg, \\1/0111e11 ín Prebisto1y (Lonclon : British
i\lu., cum PrL·s., / Norm:.111: Univl"rsiry of Oklahoma Press, 1989); Barbara Lesko
kd .). Wo111e11\· f:r11-/iest Recnrds/rom A11cie11t Egypt and Western Asia (Atla nta :
Sd1ul:1rs PrL·., s, 1987).
PRIMEIROS CONTATOS:
1N FLUENCIAS DA DIVERSIDADE CULTURAL

Os desenvolvimentos durante o período clássico permitem


perceber de que maneiras as trocas com sistemas de valores
alternativos podem afetar a questão de gênero - e particulannente
a avaliaçào e os papéis das 1nulheres. O Oriente Médio e a região
do Mediterrâneo (oeste da Ásia, norte da África e sul da Europa)
fornecem in1portante estudo de caso, por duas razões. En1 pritneiro
lugar, existe suficiente documentação para oferecer u1na visão
de como ideias divergentes sobre as mulheres podem influenciar
grupos que entrem e1n contato com elas. En1 segundo lugar, a
região era sem dúvida diversificada, e várias ondas de conquistas
e invasões forneceram oportunidades de contato e trocas.
Ao 1nesmo tempo, os padrões que e1nergira1n durante os úl-
tin1os séculos a.e.e. e os primeiros séculos da e.e. sugeren1 alguns
impactos experirnentais. Os romanos podem ter notado un1as
poucas diferenças entre suas ideias sobre as 1nulheres e as que
discerniram entre os gregos quando negociara1n co1n eles e depois
os conquistaram. No entanto, ainda que as ideias sobre as mulheres
e U1na parte itnportante das filosofias clássicas estivessem bein
desenvolvidas, não estavam claramente articuladas e1n sisteinas
culturais amplamente populares con10 as religiões. As trocas reli-
-IS H 1 , , o n, " o " ~ K r 1 11 ç o, ~ oI G IN 1 1t o

giosJs dese1npenhara1n un1 papel nas n1udanças con1 relação a


gênero nesse período, con10 veremos, ernbora exercesse1n influência
n1uito menos radical cio que as religiões n1undiais rnissionárias que
con1eçara1n a se espalhar alguns séculos n1ais tarde. O contato, em
outras palavras, não trazia necessarian1ente a conversão religiosa,
e sem isso as ideias específicas sobre as mulheres podiam não ser
profunda1nente afetadas.
A 1naioria cios grupos se aferrava daran1ente a suas fonnulações
de gênero, refletindo as influências externas apenas nu1n grau túnido.
-
As n1uclanças, quando oconia1n, tinhan1 n1enos a ver com interações
"
culn,rais cio que con1 desenvolvimentos políticos internos. Contatos
1nais importantes, como os que surgiran1 no século IV a.e.e. entre as
culn1ras grega e indiana, não trouxera1n necessarian1ente resultados
notáveis com relação a gênero, apesar do impacto 1nensurável em
outros aspectos, na arte e no pensamento. Evidenten1ente, isso
foi um período bastante prelin1inar na história dos contatos entre
civilizações, en1 que as interações eram complexas e algun1as vezes
surpreendenten1ente limitadas.
Havia outro aspecto, numa época e1n que sociedades-chave,
como Grécia e Roma , estavan1 estabelecendo suas ideias sobre
homens e 1nulheres: era possível desenvolver noções de outras
terras sobre co1no gênero era tratado fora elas fronteiras conhecidas
da sua própria civilização. Viajantes dos prüneiros ten1pos des-
pertavarn imenso fascínio e certa ansiedade, denotando não só
urna ignorância sobre povos mais remotos, n1as tan1bém certo
nervosismo sobre a solidez elas próprias convenções.

GRÉCIA E HELENISMO

À medida que uma civilização ganhou fonna na Grécia depois


de 800 a.e.e. (as sociedades prünitivas tinhan1 sido esti1J1açadas
pelas invasões), n1uiros aspectos padronizados do patriarcado ra-
pidamente emergiran1. Não se sabe se a Grécia einprestou essas
idei~s sobre hon1ens e n1ulheres da .Mesoporfünia ou do Egito (dos
quais co,n certeza ernprestou outros aspectos). Provavelmente o
sistema resultou dos padrões da agricultura estabelecida e de um
sistema político paulatinamente mais claro.
pR 1 ,, 1 1 J( V , l 11 ..,: 1 A I l 1 ' ~J()

O patriarcado grego gerou algumas flexões diferentes, con1 as


crenças normais sobre a inferioridade das mulheres e sua prioridade
nas obrigações don1ésticas . Muitas cidades-estado gregas eram
n1ilitares, o que pode ter sustentado uma versão mais agressiva
de masculinidade. Em Esparta, em que a organização militar era
particularn1ente pronunciada, os meninos eram mantidos se-
parados elas meninas por períodos essenciais de treinamento.
E1nbora as n1ulheres se ocupasse1n com exercícios físicos, suas
funções principais eram a maternidade - para criar mais garotos - e
incentivar a coragem masculina. Um espa11ano assim aconselhou
as mulheres: ·'Case-se com um bom homem e gere bons filhos" .
Muitos homens da classe alta grega eram bissexuais, escolhendo
garotos para protegidos e arnantes. Isso não excluía o casan1ento,
mas podia reduzir contatos sociais com mulheres. A política grega,
que com frequência envolvia extensa pa1ticipaçào em eleições e
se1viço público, enfatizava o domínio masculino na vida cl01néstica.
O controle de propriedade era vital para o direito de votar, o que
pode ter explicado, em parte, essa orientação. Evidentemente n:1o
se consideravam as mulheres aptas para as atividades políticas,
e isso aumentava a distância entre os dois gêneros. O realce da
racionalidade dado pela filosofia grega criou outro clistancian1ento
entre os sexos, porque as mulheres eram consideradas mais
próxin1as da natureza e incapazes de raciocinar. Um escritor expôs
a questão assin1:
No início, deus fez a mente feminina separada. Uma ele fez ele
uma porca de rabo torcido. Em sua casa tudo fka em desordem,
misturado com lama [.. .J ela não se bva, suas roupas süo sujas,
senta-se sobre uma pilha de esterco e vai engordando. Outra ele
fez de uma raposa malvada: uma mulher que sabe tudo. Nada
de ruim ou de bom se perde nela porque em ger.1! ela chama
de ruim uma coisa boa e de boa uma coisa ruim. Sua postura
não é nunca a mesma.

En1 última instância, as mulheres eram vistas como castigos im-


postos aos homens por deuses raivosos.
Embora as mulheres pudessem ser honradas corno mães e como
pa,ticipantes de festivais religiosos, seu status no cotidiano era
baixo. NJo eram vistas como competentes perante a lei - primeiro
~ 1 1 /\ ~ (1 1 \ ll 1 <, 1 N 11~ 11~0 _ _ __ __ _ _ _ _ _ _ _ __
50

.., seLtS gu'trdiões. A palavra grega


.
· 1 ·· 11'1rido •serviam
o 1x11 ~ t. epois O 1 '-
(1e ,.· . '
lheres P 'lSS' lV' tm
. 'f' ., .:.mprest1n10: as ,nu ,'- 1 '1 ,' ·
l,:tra c1san1ent.o s1gn1 ,c ..tvd e r
·
_ . ., , .· l Nesse contexto, o etc u teno
como emprest11110 e.lo pai ..to rn.cttK 0 · . :.> .

.
e · 1 scduç-1o eran1 mais pesac dn1 ent.e P
, lr unidos do que o estupro
.
'- · .'- . . .. , 111 ulher ele seu n1an(1o; a
1
11orc1ue os JJrin1eiros envo v1an1 tuar d· 1 lo a
-
versao grega
. - te
punicao · ,,,, ofen..::r1
. íl e t 1~.1 '- ele • Acuna e e tuc ' '
,.,.. t·e1·ta ··1 l·
· .
cio patriarcado, ainda que n1enos :-,is et1l'1 . '- .· _
. .· t ~tic i elo que a e 11nesa,
r •

compartilhava muitos ele1nentos ao realçar a tnapudao das 111 ulhetes


e seu statu.,.- servil.

VlAIANTES GREGOS: HERÓDOTO


o sistema grego inevitavehnente abarcava vanos pontos de
vista. Mesmo dentro da Grécia havia un1a variedade. Os líderes
atenienses con1 frequência criticavan1 os espartanos por darern
n1uita liberdade às 1nulheres. Os gregos tainbé111 con1erciava1n 1nuito
com regiões do Mediterrâneo e Mar Negro, o que os expunha a
muitas cuJturas diferentes. Etn geral, forn1as alternativas de agir
e fazer eram acolhidas con1 um 1nisto de zon1baria - os gregos
chama varn outros povos de "bárbaros" - e tolerância . Não havia a
postura de acolher o novo con10 .sendo útil aos próprios costumes.
Ao mes1no ten1po, considerável ignorância cio inundo externo e
con1placência sobre os padrões gregos, son1adas a algumas tensões
no que diz respeito às 1nulheres, podian1 se co1nbinar para que
os relacionan1entos hon1en1-1nulher e1n outras sociedades fossen1
vistos con1 exageros curiosos.
Heródoto, o prin1eiro historiador grego autor de relato ele via-
gens, n.,tsceu por volta de 484 a.e.e. Estudou e1n Atenas e viajou
por grande parte cio Império Persa, isto é, por quase todo O Oriente
Médio, assi111 con10 Egito e partes vizinhas do norte da África,
incluindo a Líbia. Tan1bén1 viajou para o norte do Danúbio na
~urop~1 e para o Mar. N~~ro. Nessas viagens, n1uito extensas para a
epoca, ele c~le~ou h1stonas sobre sociedades, algumas sein chegar
~, entender d1re1to. Escreveu sobre o inundo que descobriu em sua
obra flístória, que focalizou livren1ente as gLier. - G ,, ·
, . . ~ tas entre recia e
Pers1a, ocornclas entre 499 e 479 a.e .e.

l
l' KIMIIKl • I ( 11NIA I O I 51

He ródoto era um observador cuiclacloso, ávido para separar o


Lllo da ficçüo . Era tunbém muito interessado e to lerante para com
os costumes que dife riam ele sua Grécia natal. No entanto, aceito u
e re produ ziu inúme ras distorçôes. Foi ingênuo no que diz respeito
a ~1nilnais bizarros e incorpo rou sem críticas histórias ele sociedades
em que as pesso~1s teriam o hábito ele comer os pab idosos. Além
cio mais, acatou vari:.ições dramáticas no tratamento das mulheres.
Ao descrever o povo lídio, por exemplo, afirmou que
As filh:is ele todas as famílias de classe baixa da Lídia são prosti-
tutas para que possam acumular um dote que lhes permita casar,
L' elas arrumam seus próprios casamentos ... Afora essa prática
de terem suas filhas trabalhando como prostitutas, os costumes
na Lídia não são diferentes dos da Grécia.

Como observador tolerante e encantado com a variedade da


vida humana, Heródoto aceitou uma implausível generalização,
focada em hábitos sexuais extremados. No caso dos agartisianos,
do norte do Mar Negro, ele afirma que
qualquer mulher está disponível para qualquer homem para
fazer sexo, para assegurar que os homens são todos irmãos e
que eles estão em termos amigáveis uns com os outros. uma vez
que são todos parentes. Em outros aspectos, seu tipo de vida é
semelhante ao dos trácios lum grupo cio norte da Grécia].

Descrevendo os líbios, do norte da África, diz que "Outro cos-


tume raro deles é que quando suas mulheres jovens estão para
se casaren1 , postam-se perante o rei e as que lhe agraciarem são
defloradas por ele." De outro grupo líbio, escreve u:
É costume que c::ida homem tenha número de esposas,
ce110
mas [...I qualquer mulher está acessível para qualquer homem
para sexo; um pessoal postado em frente de uma casa indica
que está havendo uma relaç:~o sexual lá dentro. Quando um
homem nasmoni:.rno se c.: asa , primeiro é costume a noiva ter
sexo com rodos os convidados, um depois cio outro em sua
noite de núpci:1s; cad.J homem que tem sexo com ela lhe dá
um presente que trouxe de casa.

Outr;1s histórias destacam mais a violência do que sexo. Uma


tribo influenciada pelos gregos morando no Egito , os ausees,
11 1,
"'
_.::º-- -
1 .~ "....'.."' ..:.
'
RI l /\l 1'
1
DI
' ~
t, f N I RO ---------
~

52_ _ _ _ - em a Atena [uma deusa grega]


r

· 1 m homenag
leb1"1111 o festiva e
' ·ctem-se
ças solteiras e1a tn'bo d iv1
ce · · ando as mo
1111•1vez por ano qu, . coin pedras e paus; as mulheres
L • 1 ,ram entre s1 d' 'd d
" tl1 dois grupos e L •• la qual pagan1 as 1v1 as e seus
e , mane11a pe,
dizem que essa eª Elas dizen1 que as mulheres que
·-1 os deuses...
.
ancestrais pai, _ e ·am verda d eiran1ente
. .
virgens.
. disputas nao i .
morrem nessas , . elas se unem para vestir a mais
1 . 'ª ·em-nas 1ut.:11, ,
Antes d e e e1.x, 1 •. ele moças con1 un1 eln10 conntio e
bela ela geração seguinte
uma armadura grega .

n fascinante caso de sincretismo, .


A · se é verdade, h avia Ut . -
qui , · , . . , ·estada p ara u1n nrua l que nao era
com a parafernaha giega enlpt · xt novan1ente
ele forn1a algum~ grego. Heródoto termina esse te o
com sexo.
Eles tinham relações sexuais con1 mulheres de _forn1a promís~ua;
· e re 1n ein casais
em vez de v1v , , sua vida ~sexual e a de verdade1ros
animais. Quando o bebê de uma mulher cresce, na altura do
terceiro mês, todos os homens se reúnem e a criança passa :i

ser filho do homem com o qual mais se parece.

He ródo to dedicou considerável atenção às an1azonas, grupo


de n1ulheres guerreiras que em geral agían1 sen1 os homens, e
supostamente viverain na Ásia Central. Aqui, ele elaborou uma
crença já dissen1inada na Grécia. Os gregos afirmavam ter lutado
contra as a1nazonas, que viciosan1ente n1atavan1 todos os hon1ens
que podiam. Num relato e1n que as an1azonas se n1isturavan1 com
outros povos para pelo 1ne nos se casarein e se reproduzire1n, um,1
garota amazona tinha de matar u 1n homem antes de se casar. Outra
histó ria via as amazo nas se n1isturaretn com outra tribo cha1nach1
sc~ti~~~s cujos ho~11e ns conseguiram ter re lações con1 as guerreiras.
Os sc1t1anos conv1daran1 as a1nazonas para viver en1 sua terra, n1a~
as an1azo nas respo nderan1:

Será para nós impossível · e


., , . ·_ · viver com suas n1ulheres, porqu
nos.sas praticas sao co l ~.
N' · mp etainente diferentes das ele voces.
ao aprendemos traball,os de
·
ll
m u 1ere.s.· Nos
fl h'ts
- Jançamo.s ec , · .·
manejainos da ·d .
I o.s, n1ontamos cava.lo . . ., . ue :-;u:1s
mulheres não sab i·ct s - co1s,1s con1 q
- · em I ar· Elas · , r·1e:1n1 en1 seus lugares e f:aze1n
' so
p 1\ 1 M 1 1Ru I e l) N r A r o 1 53

trabalhos ele mulheres; elas nunca vão caçar ou a qualquer


outro lugar.

E os jovens concordaram, e daí en1 diante as mulheres passaran1


a guerrear e a caçar con1 seus maridos, "usando as mes mas
vestin1entas dos hon1ens".
Várias questões relativas a gênero ernergen1 desse relato de
viage111. En1 prirneiro lugar, Heródoto com frequência considera
os con1portarnentos das n1ulheres muito mais estranhos cio
que qualquer coisa que tenha encontrado, provavelmente un1a
decorrência natural de vir de urna organizaçào forten1ente patriarcal
que tornava fácil rotular e exagerar as diferenças. Em segundo
lugar, ele rararnente condena - e nisso é como outros observadores
mais tarde na história n1undial, ávido por acolher e embelezar a
variedade hun1ana. Pela n1esn1a razão, contudo, não considera
nada digno de adrniraçào: não viu nada que os gregos pudessen1
incorporar para apriinorar os relacionamentos entre homens e
mulheres. Outros povos sim poderiam copiar os gregos. Ele nota
que os persas, por exernplo, emprestaram o hábito dos homens de
ter sexo com garotos jovens. Os próprios gregos, no entanto, não
tinha1n nada para a prin1orar.
Por fim, existe o óbvio fascínio com sexo e violência. Elnbora
não fosse un1a sociedade repressiva, a Grécia desencorajava a
prorniscuidade; nesse contexto, não seria surpreendente que um
homern aceitasse ingenuamente histórias de estrangeiros devassos.
Certamente isso era un1 terna comum nos relatos de viajantes: un1
'
uso dos "outros" para estimular fantasias sexuais e/ ou despertar
desdén1 moral em casa (ver capítulo "Influências ocidentais e
reações regionais: a Polinésia e a África"). As preocupações com
mulheres agressivas misturaram un1 elemento de realidade com
alguns 1nedos mais arnplos. À medida que os gregos foram tendo
contato com grupos nômades, viram-se diante de povos que davam
às mulheres papéis maiores cio que eles próprios - inclusive papéis
de luta. Isso é perfeitamente registrado nos relatos sobre povos do
norte do Mar Negro, mas acontece ram exageros, como testen1unha
a credulidade sobre as amazonas. A ideia de mulheres 111ais liberais
era intrigante, n1as ran1bé1n assustadora, ao mes1no tempo que con-
r ~-

54 H 1; 1 O R I I\ DA$ RI l I\ Ç ô l ) OI GÍ N LRO

trastava co1n a obediência e do111esticidade


_ .reque ridas na terra
natal. Aqui, 0 exagero reflete tensoes e ans1edades, advertincl
0
que qualquer relaxan1ento nos controles patriarcais levaria ao cao
- l
Viagens, nesse sentido, geravam tanto percepçoes sobre assuntos
do1nésticos con10 sobre os con1porta1nentos estrangeiros _ inas a
tendê ncia era de preservar o que tinhatn, não de utilizar contatos
con10 fonte de inovação.

A SOCIEDADE HELENÍSTICA

O sisterna grego do patriarcado teve seu maior desafio quando


u1n conjunto mais amplo de n1udanças ocorreu sob o grande im-
pério estabelecido pelo conquistador 1nacedônio, Alexandre, o
Grande, a partir do século rx. Nessa época, as cidades-estado gre-
gas estavam e1n declínio. Os macedônios conquistaram a Grécia
e depois usaram soldados gregos, burocratas e intelectuais para
construir u1n império abarcando Oriente Médio e Egito. Ainda que o
itnpério tenha se diluído rapidamente em reinos regionais, a misn1r:1
ele ele1nentos gregos con1 outros permaneceu por n1uitos séculos.
Alexandre casou-se com uma princesa persa, para silnbolizar seu
desejo de forjar uma nova fusão cultural no Mediterrâneo oriental.
O resultado, a sociedade helenística, foi sem dúvida diferente da
Grécia clássica, e1nbora intin1an1ente relacionada co1n ela, em par-
ticular na questão cultural.
O confronto cultural n1~lis dran1ático que Alexandre desencadeou
foi e ntre os gregos e os indianos, no nordeste do subcontinente'.
nurn reino então chamado ele Bactria. Por dois séculos, os greg~
g overnaran1 esse reino . · c1 1ano
m · criando 111 uitas oportun 1·dades
'
, . · · - D '
d e rnutua urutaçao. os gregos, os indianos e1nprestaran1 est1 °·
·1 <;
, . · · pinturas
art1st1cos, · do B ucIa co1n togas n ecliterrâneas e eorte de.
1 , . os
cabelo, nun1 padrão que resistiu na região por cen1 anos. Matemat~c.
. . efic10
1ncfianos promove ra1n trocas co1n cientistas gregos para beD , e
5
mútuo - e1nbora 1nostrando a grande distância entre as cult1J~íl-
. . . . d1~ir10,
a fragilidade das trocas, un1a vez que O sisten1a nu1neral 111 rtº
apesar ele muito superior ao dos gregos, não foi encan1pad 0 · ~e 0 .
,.
nun1ero d e l,1,.d eres gregos en1 Bactria converteu-se ao buciJ~f11 . ílr,1
Alguns nússionários budistas aparenten1ente foran1 enviados p
pR I M 1 1RO I C O N TA 1 O 1 55

o Oriente
~ º 11d o a 1guns J11stonac
Médio e· , seoli · · 1ores, teriam
· trazt'd o
no\~as enfa~es e1n ética e espiritualidade que rnais tarde haveriarn
de influenciar aspectos religiosos e filosóficos. As especificidades,
no entanto, sào difíceis ele fixar. E nas relações entre ho1nens e
mulheres, não fica claro se o encontro entre gregos e indianos teve
algum irnpacto sério. Possivelmente os detalhes era111 dife rentes
den1ais para e1nergire1n; possiveltnente, como con1 Heródoto, os
gregos estavan1 tão confiantes en1 seus próprios can1inhos que o
exernplo de outro conjunto ele relações de gênero, 1nais sensual e
espiritual, parecia irrelevante ou repelente. O contato, de qualquer
fonna, teve vida curta. Provaveltnente há necessidade de ímpeto
e troca n1a ior para afetar valores tão pessoais co1no as relações
entre hon1ens e rnulheres. Certarnente a ausência de un1 resultado
evidente contrasta co1n o tipo de troca desenvolvida poucos
séculos n1ais tarde entre a Índia e a China (capítulo "O budismo e
as 1nulheres chinesas").
No âinbito mais en1blemático ela penetração grega - Oriente
Médio e o Egito - a situação era diferente. As condições do
belenisrno para as 1nulheres eram, en1 n1uitos aspectos, irnpo1tantes,
melhores do que as que prevaleciam na Grécia, e o intercân1bio
cultural tinha a ver co1n o contraste. As rnulheres dese1npenhavan1
u111 papel político maior, manobrando com príncipes e algumas
vezes assurnindo o governo. As leis afrouxararn, pern1itindo que
n1ais n1ulheres adquirissem propriedades e dirigissem negócios. As
n1ulheres participaram n1ais ativan1ente na viela cultural, e surgira1n
niuitas escritoras notáveis. Da mesn1a forn1a, textos sobre 1nulheres
rnostrarain-se mais favoráveis a elas, en1bora não chegasse111 a
sugerir igualdade. Por fim, representações artísticas n1udaram dra-
ni,:Hicamente, coin u1n crescente interesse na representação do nu
feniinino, etn contraste corn o estilo pesado e coberto de roupas,
característico da Grécia.
Muitos acontec.in1entos contribuírarn para esses novos padrões.
A inuclança para rnonarquias autocráticas elin1inou a pressão por
famílias dirigidas pelo hon1en1 - isso não mais era visto co1no base
para a expans[10 da participaç~10 política -, 1nas os intercân1bios
cultura is tan1 bérn fizerarn sua parte. Da l\llaceclônia veio a tradição
de mulheres ela realeza polit.ica1nente ativas, contrastando com 0
\t , 1f J ••, 1 \ n , , ' ~l(~•i~ ' ~
1 '.__''.___'._ r, 1~ 1,_:__ 1 P_:_
I •:_:_: 1 '_ _ _ _ _ __ _ _ _ __

p:1 pcl dccL1rac..bmente passivo das muJJ~ere · da _rnaior pane dos


lic..k-rc.-, político . grego •. o Egito contribuiu co1n leis que permitiarn
:1s mulheres :tluar po r conta própria sen1 requerer guardiões. Talve7.
m~1is importa ntl' ainda tenha sido unia nova onda de religiões
ch:1rn;1tbs r<.:I igió ~s misteriosas, ela África cio Norte e cio Orient~
Mé·dio, n:1s quais ~1 clevorào altamente en1ocional diferia do ritua-
lis,110 d :1s cc_:rimôni;1s mais caracterís ticas ela religião grega . Nas
rL'ligiôcs misteriosas, ~1s deusas gregas, como a Isis egípcia , podiam
dcscmpcnli ~tr um rapei central. A ênfase na criatividade realçava
o prindpiu ícminino; Isis se tornou a deidade n1ais importante em
seu cul10, com um:.1 série ele fun ções, incluindo presidir os ciclos
cio n:1scimcn10 e renascin1ento da natureza .
N~-,o se devem exagerar os resultados desses contatos culturais.
.
1
' As co ndi(õcs na Grécia muclaran1 menos do que e1n outro.s lugares.
Por L'Xl'rnplo, un1a mulher grega n1orando no Egito podia dispensar
u,n proteror, 111as sLw contrapartida na terra natal mantinha o velho
sbrc111~1 . Além disso, a mudança afetava particularmente as classes
:ilr~ts; n;1o há evidências de que as relações de gênero nas classes
haix:is tenham mudado ,nuito. De fato , a incidência crescente de
infanticídio fen1inino , como forn1a de controle populacional, sugere
que ess:1 autoestin1:1 recém-adquirida pelas n1ulheres pode ter sido
be,n superficbl. N~10 havia, com ceneza, uma reavaliação sistemática
dos atributos e papéis das n1ulheres, do tipo in1plen1entado pelo
bucli.--1110 (en1bora com resultados con1provada1nente lin1itados) na
China n1aís tarde.
Padrões ele diversidade cultural persistiran1 na era romana, él
Cil1in1a fase da civilizaç,1o clássica no mundo 1nediterrâneo. lni-
cialn1e nre, no ten1po en1 que Ro1na era cidade-estado, os ünpulsos
,,oJlados ~1s n1ulheres parecen1 ter sido, a princípio, bem severos;
,,in1os que sob a lei ron1;-ina, por exen1plo, un1 marido podia mata_r
~ 1nulher por :idultério. No entanto, o aprin1ora1nento gradual c~1 le1.
con1binaclo co1n a exposição a influências helenísticas 1noderad:is,
produzirarn uni siste1na mais brando por volta elo século 11 ,i.e.C-:
i'.J n1eclida que a república ro1nana a,nadureceu e se expandiu. O~
intelectu;1i.s rornano.s copiaram os escritores gregos em cliscus~ôL'_=-
sobrc :1 inferioricbde elas mulheres e se us apetites sexuais avilwnrc=-•
- . . 1
, n~,s t;un t1ern co r1aran1 o 1111pu so helenístico para honr:..1r ,1-
s n,u-
---
I' ll I M 1 1 1t l i I C l i N 1 ,\ 1 l 1 \ 57

lhe n:s boas, incluindo aquelas que, como esposas e n1àes leais ,
contribuí,.ini par~, o Estado. A religiã o romana, embora n1uito se-
melh~u1te ~ grega , devotou mais atenção às de usas, aclama ndo
Vê nus, por e xen1plo, con10 o "poder ~rientador cio universo". A
iníluê ncia helenística , vinda do comércio e das conquistas rornanas
no Mediterrâneo oriental, tJ111bém ajudou a criar direitos lega is para
~1s mulhe res possuíre rn propriedades e algumas proteções contra
acusações in1procedentes feitas pelos maridos. També m ajudou a
gerJr literarura con1 abertura para o sensual , como os poen1as de
Jmor de Ovídio.
As influências cb Grécia e do Mediterrâneo oriental ta1nbén1
fornece ra1n às n1ulheres ro1nanas da classe alta novos n1odelos
de ornamentos e luxo. No início da República Romana , un1a
vida sin1ples era altan1ente valorizada, tanto para hon1ens quanto
para n1ulheres. Após u1na conquista bem-sucedida e os contatos
resultantes, no entanto, joias, sedas importadas e outros adornos
viraran1 1noda. Isso en1prestou un1a nova diinensào à vida das
mulheres, ernbora pudesse tê-las afastado de outras metas e assim
~1judado a confirmar a desigualdade cio patriarcado. Alguns hon1ens
ron1anos desaprovavan1 a frivolidade, enquanto outros apoiava1n
as 1nulheres con1 a justificativa de que elas tinha1n poucas coisas
alén1 disso na vida. Etn detern1inado n10111ento, a discussão sobre
padrões de beleza in1portados se estendeu à política. A lei opiana
foi aprovada após u1na série de guerras se1n trégua, lin1itando a
quantidade de ouro e roupas coloridas que unia 1nulher podia usar.
En1 195 a.e.e., o Senado ro1nano discutiu a revogação da lei. As
n1uJheres se juntaran1 nas ruas, pedindo a restn1raçào do luxo, agora
que a República florescia novan1ente. Os políticos recla1nara1n,
alegando que as n1ulheres não deveria1n ter voz política , e sin1
pennanecer etn casa, n1antendo-se rnodestas. Outros, no entanto,
defendiJtn as n1ulheres: "O fato é que nós te1nos ouvidos orgulhosos,
pois, enquanto patrões n5o zon1bam cios apelos dos escravos, nós
ficunos zangados quando mulheres honradas nos peden1 algun1a
coisa ··. Segundo eles, os ho1nens gostavam de roupas elegantes,
portanto as 111 ulheres deverian1 poder con1pa1tilhar esse direito. ''As
mulheres não pode1n panilhar a n1agistratura , sacerdócio, triunfos ,
511 11 1 \ 1 ,') IL I A IJ li \ I< 1 1 A<: 0 1' DI l, í N l R l'

l ·os de guerra : elegância,


insígni~1s oficiais, presentes, ou e e:p~J .
• , ~- 'lS ins1gnias das n1ulheres, e nisso
finc7.a ele lmc1as roup,1s sao " ,, .
elas e ncontram alegria e fica1n orgulhosas, e e iss~ q~te nossos
antepassados chamavatn e1o mune1o e.:h 111ulher·,, A lei foi .anulada
. ::. . ,
embora O texto a favor ela revogação tenha exposto os limites ela
o pini~10 dos home ns sobre as 1nulhe res.
Ronla se nunteve fu,11e mente patriarcal e, no geral, sua abordagem
cb s mulheres foi 111ais dura do que a dos estados helenísticos. Un1a
fo11e ê nfase na fainília, retornando nos prin1eiros dias do hnpério,
trouxe a reafinnaçào da autoridade n1asculina sobre, por exen1plo,
a questão do adultério. A lite ratura ro1nana posterior con1eçou a
condenar as n1ulheres assertivas, ünitanclo ten1ática grega. O fato
é que, con10 na Grécia, as considerações políticas dominara1n o
trata1ne nto dado às n1ulheres, pelo 1nenos nas classes altas, e isso era
expresso na lei . Contatos com diversas culturas apenas li1nitaran1,
em geral de forn1a transitória , o in1pacto nessa situação. Alérn do
1nais, nào havia um sisten1a claro a1ternativo que acenasse a homens
e mulheres com u1n conjunto diferente de padrões. Mes1no nos
séculos helenísticos, e1nbora fossen1 pernlitidos contatos n1aiores
e ntre gêneros do que na Grécia clássica, nào foi desenvolvido um
modelo.
suficienternente distinto e poderoso para reconfiourar o
o
patriarcado ro1nano.
. O p: rí~clo clássico no Me diterrâneo e no Oriente Médio gerou
mcontave1s cont:Hos culturais p ara povos na Ásia Ocidental sul
ela Europa. e norte da África · Os resultados ' , no que se re1ee re' ao
relac1o na1nento e ntre hon1ens e n1ulhe res n;- .- 1
. . . ) · , .10 estao se1npre Jen1
~1º.e u~1en~~~l~s. I _ar~ce que ~llguns contatos tiveram de fato poucos
1esultados. as pa1tes envolvidas en1 amb l
. ·, . .. . " . .... .: os os 1ac os, ou porque se
sent1an1 .suhc1e nte1nente contiantes d ~ , .
, . . "' . . e seus propnos valores, ou
c1bsolut,tmente convtetas de que rlS , lt . .
•-, ., . . .: d ernativas eran1 estranhas e
b1z.c1n ,1.s clen1a1s , acabaram deixando . 1 . .
. 0 v11 ua 11nente 1ntoc·1d ·1s le1s· e
1111a º ens . O utros. . eon tatos · tn · íl uenc1.a ran1 p --1 l · - · ' .: . . .' l
1
em P'trticular nos sé, 1 . · .. e oes en1 certa n1edtc. a,
e: • , , - cu os u1 e ,v a.e.e., quando os re in , h 1 ~ ·t· os
prevaJeceran 1 Ron1 a )· t· . -- o~ e erus te
. " r "tr te1po u nessa inter~ .,- l , . . ,
1nas J)Or fim prefen·L1 a· f~ . . . l Ç,lo e e algun1.:t fo11n.:1,
.:t:-:;ta 1-se en1 fav
n:t sub1niss~~10 fe ininina O . e: or e1e un1a renovada ênfase
e> _

. s exen1plos desse , d ,, .
' peno o na historia
r R1 " 1 1 ll o5 eoN T" 1 o 1 59

cio Medite rrâneo são con1plexo , mas sugerem fo rterne nte uma
considerável in1unidacle a conta minaçõe na questão ele papéis ele
gêne ro, n1esn10 en1 me io :.1 substancial dive rsidade cultural.

PARA SABER MAIS


Dois livros ele Sarah Pomeroy fornecem insigbts virais: Goddesses, Whores, \\1/il'es
rmd 5/cwes: Women in Classical Antiquiry ( New York: Schocken Books, 1975: com
novo prefácio, 1995; l ondon: Pimlico, 1994) e Wome11 in Hellenistic Egypt.- From
Alexancler to Cleopatra (New York: Schocken Books, 1984). Veja também Mary
Leflwwitz e Maureen Fant (eds.), Women in Greeceand Rome(Toronto: Samuel-
Stevens, 1977); Roger Just, \\í'omen in Alhenian Law and Life(london/ New York:
Routlec.lge, 1989). Uma versão legível de The Histories de Heródoto foi traduzida
por Robin Waterfield, com introdução e notas de Carolyn Dewaled (Oxford/New
York: Oxford U n iversity Press, 1998).
,~
1

Ü BUDISMO E AS MULHERES CHINESAS

A expansão do budismo para a China, do final do período cl;:bsico


até o século XIX e.e., constitui o primeiro contato elaborado entre dois
siste1nas de gênero do qual te1nos registros significativos. O caso é
interes ante ta1nbé1n porque as ideias budistas e chinesas sobre as
1nulheres, e1nbora não se opusessem de forma total, u1na vez que
an1bos os sisten1as pressupunhan1 a inferioridade fen1inina, diferiam
marcadamente . Ainda que os escritores budistas tenhan1 tido de
fazer alguns ajustes em suas afirmações sobre a questão ela mulher
para adequá-las às acepções chinesas, o budismo realn1ente teve
um i1npacto. Diferindo do contato inicial que houve entre gregos e
indianos, a expansão do budismo para a China envolveu substanciais
conversões ao sistema religioso estrangeiro, e a rei igiào, por sua vez,
afetou as ideias sobre gênero. No entanto, a longo prazo, esses fatores
não 1nudara1n muito a estrita versf10 chinesa de patriarcado e, nesse
sentido, foi nova1nente um caso hesitante de contato. O inrercfunbio,
poré1n, afetou as vidas de muitas mulheres individualn1cnte durante
alguns séculos. Ao lado cios ajustes no budisn10- u1n óbvio exemplo
de sincretis1no próprio da complexa troei entre culturas - 1 ess~1
influência torna a história do budis1no chinês uni caso interessante
e de certa forma único de relacionamento ho1nen1-rnulher en1 1neio
~o contato co1n outros povos.
A história, é cbro, difere cio impacto elas diversas culturas cio
Mcdii-errâneo e do Oriente Médio, discutidas no capítulo anterior.
o2 11 1 ' 1 (l 1\ 1 A 1) A \ 1\ 1 1 A e (l 1 1 o I G r N ' R o

. · ·t os 1o chros: observadores chineses, in-


Por· urn1 1 d , · . ,11r e,·es'- prestavan1
a o, o~ reg1s , mais. a tençao
_ ao 1esultado
.
e1u me o .as propnas 1
v,·1nL
das elas 111, ulhe res Alén1 do 1na1.s, o budismo
e. o J UC ismo nas '- , · .
e1ra 1um1bala nço espiritual mais sistemático do que o existente nos
séculos do he lenismo, e isso provavelmente teve ma is .resultados
· ·r· r·
s1g n1 ·1c.1 1vos o
cl qLte as cori·e ntes di s1Jersas exa1n1nadas no
'- .. . · . . . . ,,
ca pítulo "Primeiros contatos: infl uenoas da_d1ve1 sida de cultw ai ._A
dife re nça , e m o utras palavras, foi real, e nao a penas uma questao
de evicÍência disponível. No fina l, houve também semelhanças:
mesmo a capacidade do budismo de mudar um be m montado
. i re ma patriarcal e ra limitada, e outros fatores podem ter tido mais
peso que ele nessa 1nudança .
O sisten1a chinês do patriarcado, no taveltne nte rigoroso no
princípio, foi bem estabelecido nos primeiros séculos da era
con1u1n, con10 visto no capítulo "A base tradiciona l: civilizações
e patriarcado''. As mulheres eran1 instadas a sere1n subservientes.
Esposas deviam obedecer não apenas ao marido, mas também
aos país dele. Ficava1n sujeitas ao divórcio se desobedecessem,
não pudesse1n ter filh os (e filhos ho1nens eran1 particulannente
desejados) e n1esmo se fa lassem muito. Muitos homens da alta
classe tinhan1 n1ais de u1na n1ulher ou concubinas, e o código
ele co1nportame nto insistia e n1 que as rnulheres não podiam ser
ciwnentas. As respo nsabilidades para as n1ulhe res se concentravam
na vida doméstica . O siste1na estava be1n atado a crenças maiores
do confucionisn10 sobre hierarquia e deve res dos inferiores.
_N~o se dev_e supervalorizar a uniforn1idade do rigor. O siste111a
ch111es podena ser mais plenan1ente realizado nas fan1ílias de
classe alta, en1 que o trabalho produtivo da 1nulher não era ne-
cessário (embora mesn10 aqui , os deveres d o tnésticos fossem
conside ráveis _e res~eitados). Dependendo de su a personalidade, a
mulher
•• , podena
• . se impoi· mais
· · - d o que os modelos permitiam, e um
0 1and~ nume10 de mulhe res, usando sua influê ncia sobre O
111ariclo
0
e particularme
. :- nte sobre
.. os filhos , pocle 11a.· a 1cançar vereiad e1ro .
1~ode1:,.N"~ era perm1trdo aos home ns abusar elas n1ulheres, ois o
confuuo
• __ nismo
. colocava
• .P . -
obrigações t·le 111b,e1n. para os s upe nores
e 1nbo1 a os constrang11ne ntos ne ni senlpt·e fossen1
':> • _ •
.
, e1e
e t1vos
. na prauoi.
,. .

J\llesmo
• 1 assim,
• o padrao de clonlínio pe rpctssava
, .. ta nto aspectos d.'1
cu rura chmesa corno a prática fatniliar.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ _ _ __.::
0 ~ ~1~ 11) 1 \ MO , ,\ \ MUl ll l l' L\ C II I NI I AI úJ

O budismo ofl'.rcce u um quadro diferente ainda que complexo. A


religi:10 começou n~, Índb no século v1 a.e.e. (Buda viveu entre 563 e
~í83 :1.l'..c.), como uma reheliJo parcial contra o sistema religioso que
:1c 1bou se tr:111sforn1~1nclo no hinduísmo. O desagrado com a ênfase
hindu 11:1 desigualcbde era unu motiva ção-chave para a aceitação
cio hucli.smo, e :ti nela que isso fosse particularmente dirigido contra
o sistem:1 ele castas, tinha implicações nas relações de gênero
t:1111bém. Todos, do ponto ele vista do budismo, independente do
status social, participavam da essência divina, o que implicava, en1
última instância, alguma igualdade espiritual.
Corno outras religiões importantes, o budismo era altamente
,1mbivalente J respeito elas mulheres, refletindo sua operação dentro
cb estrutura patriarcal. As 1nulheres podiam ser representadas como
o mal, particularmente por causa de seu potencial para seduzir os
homens e afastá-los, pela luxúria, dos caminhos ela virtude. Uma
hisrória budista falava de um deus mau que mandou três mulheres
(Luxúria, Aversão e Desejo) para tentarem o Buda. E conclui:
As mulheres podem arruinar
Os preceitos d,1 pureza.
Elas rnmbérn podem ignorar
A honra e a virtude.
Levando alguém para o inferno
Ebs impedem o renascimento no céu.
Por que deveria o sábio
Deleitar-se com elas?

No entanto, as n1ulheres tarnbém poderiam ser santas, em contraste


com O hincluísn10, que tendia a afirmar que a reencarnação corno
homem era uma pré-condição essencial para o avanço espiritual de
uma 1nulher(ernbora o budís1no 1nantivesse um elemento dessa crença
t1tnbé,n). Um surra budista, ou verso sagrado, descrevia umJ 1nulher
chamada Ananda, uma "deusa cio Ganges" "dotada de conheci1nento
~ espírito prático". Mais tarde, o Buda rnucb1ia seu sexo de mulher para
homem e pennitiria que ela realizasse "Hurninaçào perfeita, supren1a'·.
Outro sutfZI, escrito por um buclisw chinês descrevendo u1na n1ulher
n~1 índia fala ela filha de um rei que, com outras mulheres, meditou
cm Buda' e. corno decorTência, viu-se clireta1nente iluminada. Aqui. é
enfatizado que a ilu1nin~1~·ào nào é "masculina nem ferninina'', porque
~6-l~ ~H~l~ST~O~R~
I .,~o~.,~s_:R~l:_:LA~C~ó~ls~D~(___'.G~
, f~N_:,:LR : _ : º ~ - - - - - - - - - -- - -

- , rolvido A }Jtincesa fala sabian1ente de seu


o corpo humano nao esta ern · .
. •. d budista e suas palavras cheias de sabedoria
compron11sso com a vu tu e ' . .
• d , •o de santos budistas (chamados bodhrsattvas).
guiam um gran e nume1 , . * "
rometeu-lhe bud1dade. Seu n1undo ele
Em recompensa, o Bt Ida P
Buda será chamado ele esplendor."
l\lluitas mulheres bodhisattvas eram adoradas corno fontes de
santidade e cura na teITa. Era comun1 encontrar a estátua de algumas
delas na índia por volta do século v e.e., fato notado por peregrinos
chineses ávidos ele aprender sobre religião. (Algu1nas das mulheres
eram descritas também como homens, mantendo essa tensão na crença
budista.) Muil1eres santas podia1n ser vistas con10 patron nesses nào
só de questões femininas - como o desejo de ter filhos - 1nas tan1bém
de situações do universo masculino. como a n1arinha. De fonna mais
prática, as seitas budistas com frequência organizavam conventos para
mulheres, análogos aos monastérios para hon1ens santificados, em que
as vidas podiam ser devotadas à prece e à contempbçào.
Era evidente, em princípio, que o contato entre budismo e pa-
triarcado chinês poderia produzir algumas tensões interessJntes,
embora amortecidas pela crença compartilhada na superioridade
masculina. O budismo podia contestar as Jfirmacões confucianas
do domínio sistemático masculino, notando O po.tencial espiritual
das mulheres e sua .
capacidade de ·" v'•nç·ir a , . ,
1 nO r·ma 1, en1 d'treçao-
, l -i f. do estado de santidade cio nirvana o budi·sr"Y'lo pod.1a tan11)en1
• • _ • 11
, neu-
tralizar a ,v,sao. chinesa
. de que o casamento
, e os deveres domésticos
eram as umcas coisas apropriad , ,1
. as par~ uma mulher, acenando com
a ~portumdade ~~ uma vida independente santificada . O budismo
le, antava uma sene de questões , ., , . , .
d d , _ . . , · pa, d " visao confuciana clotninante
e mun o, mas as rmphcaçoes para a " . ;- =- " •
mais proeminentes O , _ .que~tdo de genero eram as
que c1contecena qv d
.
mteragissem?
·
'ªº o os e101s. sistemas
. .

O teste começou por volta d ,


. o secu1o Iv e e D _ . - d.
o bud1smo começou como 1. ·,- · · · esenvo 1vicio na ln 1a,
., . re ig1ao tolerant d .
vanos cenários culturais e Utl1 e, . . e eseJosa de abraçtr
. . , a 1e n1iss1o , ·, , .
indianos promoverain O budis nana. Inun1eros 11nperadores
, ~ ·
Lan k·a e su d·este da Asia ein q · mo em outras, reg1oes. ·- en1bora o Sn
. ' ue as rotas d , . ..
se estabeleceran1, fossem , '. e comercio indianas melhor
a meta mais 0'b .·
via. Os contatos budisfjS
· ;--J F..: ''b tado Je Buda " ilu · , .
· min.içao cons,., ·, 1
1:gu1ua atrt.1,·és d · .
a 11nrover~.1o.
Q ~ U D 11 M O l ~S M IJ l H l R. 1 S C 11 1 N L I A 1 65

con1 a China con1eçaran1 hesitantes, principaln1ente pela conversão


de n1ercadores nô1nades operando na Ásia Central, perto dos grandes
impérios do norte e das fronteiras ocidentais. Por volta do século rv,
abastecida por histórias de n1ilagres executados por hon1ens budistas
santificados, u1na região do noite chinês registrava a existência de
dez n1il discípulos. Nesse ponto, não apenas os 1nercadores atuando
na Índia, n1as tan1bé1n convertidos relioiosos o cheoavan1
o à Índia
explicita1nente para conhecer essa fé.
O budis1no na China encontrou forte oposição dos confucionistas,
que viam a seita como fanatisn10, temian1 a falta ele interesse dos
budistas en1 política con10 uma afronta à autoridade do Estado e
repudiavan1 o movi1nento n1onástico como um dreno não-produtivo
na econon1ia . Essa postura era um ressenlin1ento para com ideias
de fora, ''bárbaras", mas era tan1bém uma preocupação de que
o budisn10, e1n sua hostilidade para com os prazeres n1uncbnos,
incluindo a sexualidade, fosse desestruturar 3 vic.b fa1nHiar. Assim
mesmo, o budismo avançou , ganhando muitos adeptos no sul da
China, incluindo me1nbros da classe ::ilta, por volta elo início do
século v. Seu progresso coincidiu com o colapso da grande dinastia
Han, resultando em caos político na China ( entre os século 111 e 1v
e .e.). A instabilidade política, numa cultura que tinha realçado a
importância da orden1 estatal e política, abriu as ponas para u1na
religião alternativa. Rapidamente houve conversões ao budisn10.
traducões ele textos, adoção de temas e estilo budistas na a11e chines:i,
geração ele sutras chineses, e o estabelecimento de monastérios e
conventos budistas, particularmente a pa11ir do século v1. Cerca <ll'
8% dos poen1as na dinastia Tang, por cxc1nplo, tinha1n re,na cx-
plicitJn1ente budista. Curiosan1ente, quando o sistema i1nperia\
chinês foi restabelecido no final do século v1, e em particular nos
prin1eiros estágios da dinastia Tang, o governo muitas vezes adotou
o budisn10 buscando se beneficiar de sua popubriclade. Muitas
'
pessoas 111 isturavam o bu<lisn10 con1 daoisn10 ( religi~to chinesa
anterior, algo se n1elhante ao budisn10 e,n seu desejo ele unidade
espiritual , etnbora se1n as irnplicações de gênero próprias do
budismo), e t.1n1bé1n co1n o confucionis1no.
Ainda que O budisrno tive sse :.1lgum relacionamento , durante
algun1 t.e mpo, con1 a po lític.1 chinesa. sua atração 1na ior p ara o povo
eh in0s. c n1 vúrios níveis socb is. era sua espiritualidade. seu estín1ulo
~ 1 1 ' \. C) 1 ' ll I C I N I R L'
11 1, 1 ,, r 1 \ P ' '

, , final e,n direção à união com


- , ·s·-1deum,1v,1nc;o . ,.. ·, d f.
:, ( >Ll~'ÚL'S 1...: su~• p1 umc, , . ,. , ·t·-111 Lilou a ex1stenc1c1 e 1guras
. . I r . - chineses 1
:, L'Ss0nci:1 d1v1n:1 . O 1uc ismo · _ . . , .·,_ avanço para as pessoas
. .. , . . 1O ele i-ac1 11t.H td 0 .
s:1 nt ti 1L·~,d~1s, que scgu nc . , ., p·ua O bud1sn10 - desde
. 1 · ,st . ., · contrt 1Ju 11,1111 · '
n>mu11s . Muitos e 11nc ~ e 'IIJ'tclrinhando sutras - em
1 , .· .. t .:-. escrevenc1o , '
1ünd:1rn.lo 111on: stc, ,o~ .1 e · . _ lo e,11 -1gracleciJnento pelo
,· . 1-1 t"ch1 )Or exemp
1 · '
rL·sposl :1 :1 prohk:m.ts e ' ' •' . 1 -" fício futuro. Muitas
. 1· .. , 1-· ou pedmclo u1n Jene
rcst:1hcll.'umen1o l ·' s.iuc e . 1- ~ ,. , lt't entraran1 em
. . 1O , . 1 -· i-n~1sc1das ou ela e asse d ' '
pl'sso~,s, 1nclu1nc .,s Jen . . =-- • • perpetuara1n o esforço
, . . O. I' 1~rcs hucl1stas e 11mese s
11Hrn:1stcrios. s K l'. · . , . urur)os nô1nades que
. . , .· , , __. rtc nclo mesmo d 1gun:-; o
1111ssHnu110, c.on,t .- l Pori11L1itosséculos
·1I ·1cn-1rn ck sur1)res:1 :1 reg1ao -~ e1L,nnteope11oco.
' . ,.. , ·. ,
· · · ·
o hu<.lismo se tornou um produto mte11.::1n1~n e
. · · ., t =- ch1nes - e o un1co
e.> , , •

. .
L'lllj)t'L':-illlllO .. 1 ~,grn
cultu1.i .· ICcl t"vo
I que
. ·r· ,
a China tolerou desde su ..1~
orig1....·ns :lt0 rl'.cente mente . . .
· lllll GISO 111~\~SI\
[1s . . · ,0 cl e, co 11t·lto
e cultural entre duas 1111po1 tantes
civiliz:,çôcs, c:tda qual com sua estsutura de crenç~s. . be1n estabe-
k·cicLt . Qu:d foi o i1npacto no siste1na patriarcal ch1nes?
f'vl.uitas conexões se desenvolveran1. A pritneira, ele certa forma
menos surpreendente, envolvia un1 ajuste das crenças e vocabulári~s
hudist:1~. no que dizi~1 respeito ~1s mulheres, com o intuito de reduzir
choques potenci:1is, assim como a real possibilidade da resistência
confuclan:1. O resultado foi uma abordage1n alista ou sincrética de
g0ncro. Pass~1gens nos sutras indianos que ofendian1 a n1oralidade
confuciana for:1m omitidas. Palavras como "beijo" e •'abraço", que
n:, Índia inclic1va.n1 gest.os de a1nor e respeito por un1 bodhisattva,
for:1m eliminadas. A alta posiç~10 no buclisn10 para 1nulheres e 1nàes
foi também modificada nas traduções. Por exe1nplo, a exigência
de "marido sustentar a mulher" tornou -se '·n1arido controlar sua
L'spos~, ... enquanto ··a esposa confo1ta o 1narido" 1nudou para ·'a
esposa revere ncia o marido". Muitos chineses ta111béin buscaram
g~inhos pr~íricos cio budismo, 111.antendo objetivos 111ais antigos:
:tssim. acre_ dit:1va-se que un1a mulher boclhisattva tinha poder de
O
c~nl~eder filhos a qualque r mulher que lhe rogasse, e esse tipo de
suplic~ tornoL!-s~ comum: N~sse sentido, o budisn10 se enquadrava
no esrdo cont-uc,ano ele bm1lia.
No cnt:11110, ~1 :icon1odação sincrétic-1 na' o pod·
. · , .
1· · t·- to
1a e 1n11nar o ,1
c.lL' qul' nu budismo as mulheres tinh-1n1 c-1 1·,·e·t 1 ()
. . -= .1 1 o e e ser santas,
qul' 1mpl1c1v~1 tanto um status quanto un1a fLinç ' -. · · l ·tc1
" ao esp1ntua 1nu1
- (,7
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _lJ I li 1) 1 1 \I (1 1 A 1 " 11 1 li 1 1 I \ 1 li 1 ,.._ 1 1 A}

difcrt:nt c e.lo s 1x1drü c:s confu c i~111os. O budísrn o chinês ele foto p asso u
:1 cnfatiz:. 1r c x c,nplos de n1ulh c: res .santas, contribuindo sig nific 1-
ti v;1mcnte para esse aspecto d~1 literJtura budista . A :Jrlé c hinesa
1:. tn1hé1n, com fn.::qu ên c ié1, rdrat;1va fig urélS femininas sagradas. N o
co nie(o , algum ~1s s:. 1nt~1s rece bian1 fo nna s rna.sculina s, incluindo
bigodes, I11:.is p o r volta do século vII , no início da clina.stia Tang, uma
rcrrcscnt a<,:flo lx:111 femininé1 emergiu, ca ra cteristica m ente esbe lta e
vestida d e branco . Po r vo lta de 828 havia uma estátua cb mai.s fan1osa
bodhis~1ttv:..1 fe ,ninina , Juan -yin , em tod os os rno nastéri os chinesés -
lí-1 m il :. 10 to d o . /\ sanra er:..1 particularment e rc:spo ns{1 vel p elo alívio
dos so frirnentos de quem qu er que a invocasse (ou ·•o'' invoc~ssc:,
po is :. 1 referên c ia de gênero continuava flutuante).
Se ::is rnulheres p o clian1 ser sagradas , o que aco ntecc:ria co1n
ns relacio na1nentos fan1iJiares chineses? A resposta geral seria : c.Jc
um ponto d e vista pessoal, muita coisa, mas do p o nto de vist:1
c.~ trutural, n1uito pouco. As norn1as de família chinesas não foran1
rt:definiclas: não se tornaran1 mais semelhantes às da Índia , ern que
:.1 sensualidade e sabedoria das mulheres 1nerecian1 gr:..inde esti1na.
Nesse sentido, as implicações desse contato culturJl particular foram
muito lin1itadas.
M u ilas 1nulheres, no entanto, encontraram no budisn10 u1n
acréscimo vital para suas vidas, e isso se1n dúvida tornou a insis-
tência confuciana na inferioridade e diferença m:..iis palatáveis.
A possibilidade de encontrar salvação nos mesmos tern1os que
os ho mens poderia ser um equalizador precioso , setn 1nudar a
superfície d~ts relações farniliares, da mesn1a forn1a que as rnulhcres
infelizes com a vida neste mundo poderian1 encontrar a felicidade
no outro.
Para algu1nas ,nulheres, o budismo forneceu oponunidades de
atividades fora ele casa ou da farnília. Gruros de n1ulheres podian1
se re unir para visitar t.e1nplos. En1 un1 ternplo, um cluhe ele n1ulheres
·e encontrava m ens~lmente para estudar sutras. Algu1nas mulheres
alc;,inçara 1n papéis de liderança ou con10 figuras sagradas nesses
grupos; n o século xv1, certa senhoril:1Ts'ai recusou se casar e ohteve
s<.:guiclo rl.'s de todos os c:..inco s que acreditavarn que eb e ra in1onal.
FcJi rnai~ con1um, no entant o, de acordo com algun1:.1s biografias
( foc:tlíz~1das princip:d1nenlc n;1 alta cla~se ), as 1nulhcres usaren1 0
budismo r :1r;i mcrgullwr n1ais fundo dentro de si n1esrnas. l.'t1l e.isa .
p

c,R 11 1 , 1 ,• 1 1 \ li \ \ 1< 1 1 /\ (, r, 1 \ D I í • Í N I R ()

Muit~,s c.1nI:1v;Im ora,·ões e liam textos budistas, ao nleSino tempo


qLH.: jcju;1vam oc1sion.:ilmente para se santific~re_ m . Certa senhorita
Picn, no século x1, recitav::,1 sutras budistas clianamente enquanto
<jllL'im~1v;1 incenso. Muilas punham estátuas budistas en1 casa . Os
homens com frcquênci~t aprovavam a devoção elas esposas, em
p:trti cul:.H se continuavam a organizar o culto ancestral co1no um
ritu:11 doméstico (t.: o budismo podia ser be1n adequado nesse
SL'nl ido). Muitos sentiram que a devoção ajudava a fan1ília, por
L'Xcrnplo, quando as preces auxiliavam alguén1 a se restabelecer, e
podi:. 1111 tornar : ,1s c.:sposas 111:tis dóceis. Referindo-se a u1na esposa
budist:1 , um biógrafo co1nentou : "Em te1npos de crise, ela podia
cst:tr tr:1nquib e.: s::l lisfcita con1 seu destino, não deixando coisas
cxtern:.1s ::,1gitare m sua mente" . Alguns casais compartilhavam
interesses budistas, mas er,t mai.s comum os n1ariclos estarem menos
intcrt'ssaclos. Alguns poucos, de fé confucionista, tentavan1 afastar
:J esposa ele séu entusbsmo, 1nas em geral era mais comum a
:tccita(::'to - precisamente porque o budis1no não an1eaçava a fa1nília
cm termos de papéis e valores. Uma vez que muitas mulheres se
volu1vam para a religião mais tarde na vida, depois de ter os filhos,
mesmo o iJ11pulso budista de "livrar-se cios desejos mundanos" podia
n:1o i1nportar muüo. (Alguns 1naridos até aprovavam o in1pacto
favorável no orçamento alimentar da família .) O budis1no ta1nbém
podia 3judar com a questão de mães idosas, 1nantenclo-as longe dos
negócios da fan1ília nos quais, de outra fonna, poderian1 interferir.
Con1entanclo sobre u1na viúva que lia livros budistas avidamente,
um biógrafo disse: "Ela incu111bia os filhos cios assuntos da fa1nília
<: vivia tranquilamente sem se envolver".
A .s irua~:ào ele mulheres que entraram para conventos budistas
t'r:1 rn~1is complexa, porque aqui se tratava de uina alternativa para
;i vida f:imiliar. Uma história discutia o caso ele un1 a inulher cujo

1crnpernmen10 difícil . i1npossibilitava a convivência., sendo un1fracasso


co~no espos:1, por tim entrou para un1 convento, 11135 0 escritor
cJe1xou claro que ela via isso como sério rebaixan1ento de status, e
n;·10 um n1odelo ~ara a~ jovens. Muitas mulheres ricas entraran1 para
conventos clt:po,s do falecim ento do rn·tr·i·do
, , O q ue era u111a 1c01-0 ,-1< 1

cbr;i. .de conciliar o bu<lisn10 com ,,ª devoç-'


. ,,l o con
, f_.uc1ana
. ·
aos va to,·ec.,,
f;1n1d1J rc~. No entanto ' aloumas
0 ·
mull1ei·es p re,enan1
e •
o convenro_ - •io
,
c;,~;im<:nto, o que podia ser n1ai.s complicado. Aconteceran1 brig~1s
-
Ü ~ li ll I \ ,_, ( 1 1 AI MU I li 1 ~ 1\ (; 11 ,._ 1 \A \ Ú')

ferrenhas
_ com . pais de ·ei·osos de i,11 p or. a, f'II1 1a um compan h e1ro . ,e a
rc:1ç~10
. . negat1v~1 .. dela era vista como clesres pe1·to aos pais. · uma mu li1er
1ns1ste nle atirmo u "Po r que eu prec,·..,~o 1TI e u bmeter tres vezes fao A

rx1 i, aomariclo
. eaofilh0Jantesclesercoii
. . · . · ~ · í" - um
s1··c1e ra e1a pro pnetana.
sentimento clec,cl,damente não confuciano. Alguns pai , no entanto ,
conc~rdava m ~om o de ·e jo da filha, geralmente persuadido de que
um;i l·'.!ha ~ionia "pode ria levar a família à gló ria e trazer bênção e
ho nra • O tipo ele arranjo era particularmente possíve l nas famílias c.le
classe alta em que os próprios pais eram budista , e no período em
qu e o governo imperial parecia estar apoiando o budismo. Outros
arr~mjos tatnbém poclia1n funcio nar: uma história falava ele uma filha
que in1pô sua vontade s in1plesn1ente jejuando quase até a mo11e;
outra fala de u1na 1nulher que orou para que seu casamento não se
re ~dizasse, tendo a i1nagem de Buda lhe respondido que seu noivo
h;1veria de 1norre r logo. "Você precisa apenas prosseguir com sua
pr:í l ic1 ardente [de orar]" e realn1ente o homen1 morreu no dia seguinte
quando um boi chifrou-o. A mulher se viu livre para entrar para um
conve nto. As 1nulheres que explicitamente evitavam o casamento
podian1 inspirar centenas de outras a se juntar a elas.
A independência sugerida na vicia de convento podia ser levada
para a política. Algun1as mulheres em conventos eram consultadas
sobre in1portantes decisões políticas e sua santidade lhes dava auto-
ridade . Um relato 1nostra isso: "Assim o poder [da monja] invalidou
toda a corte, e sua autoridade se estendeu tanto dentro quanto fora
ele círculos budistas''. A única verdadeira i1nperatriz chinesa, Wu ,
argu1nentou estar autorizada a servir como governante, contra o
costurne estritarnente p atriarcal, por ser a reencarnação de un1a santa
a quen1 0 próprio Buda prometera renasci1nento espiritual. Apoiada
por rnonges budistas, usurpou o trono em 683, encontrando na
religião a autoridade alternativa essencial para refutar a tradição
con.fucionista. Manteve o poder por mais de 25 anos, afastando-se
só quando adoeceu .
Poder polílico e vida .sem casa1nenr~, mesmo ~m oposição aos
desejos c.b fa,nília, niostrarnn1 o potencial do buc.l1smo para c1usar
impacto nas tradições ele gênero chinesas. No entanto, embor;.1
individualniente houvesse repercussões importantes e mesn10 ocor-
r<:ncic1 na história iinperial, as estruturas b~ísic1s não foran1 abaladas.
De fato , deixar mulheres t1sse11ivas fazer seu c1nlinho se1n desafiar
i li 11 , , , ", , , ", , ~, , , ._ ,, , , 11, e, rN , ~ri1~
1 _ __ _ __ _ _ _ _ _ __

· · · , - · 1 un1·1 válvula de esc1r


o c1:-.:Irncnto como 1nst1tu1c.10, se1v1u co11 0 '
· ·
A isso se somou o impacto mais comwn, e •
d a1·udar '1S n1ulheres
' '
. f -1· f •
sc :qust~, rem clent ro ela an11 ia , com 1eqL
1e
"' r1c1·, se
.,. . tornando
1
. m-<l
c tlnns l' mais submiss~,s cio que antes de seren1 rnsptraclas pe'
budismo. O poder da tradição confuciana no que diz re~peito ~
mulhere ·, ~tlém do foco espiritual no outro n1unclo trazido pel
budismo, permitiu que esse resultado preclon1inasse. ~udança
ocorreram; milhares ele indivíduos foram afetados, rnas nao houv,
um~, reclefinicào do sistema . O fato de a prática ele enfaix:ar os pé,
ter corneçacl~ nesse pe ríodo - os ossos dos pés ele un1a menin~
cr~tm quebrados para lhe dar um andar meio n1an co, que passava
él se r conside rado marca de beleza ao 1nesn10 te1npo que reservava
um luga r mais ornamental para a mulher - confirn1a as lin1itações
cio impacto budista . O budismo não pôde desacelerar a tendência
de c.le terio raç~to das condições de vida para as n1ulheres chinesas,
próprios das civiJizações agrícolas.
No século xrx. a dinastia Tang voltou-se contra o budismo,
atacando muitos monastérios e perseguindo líderes religiosos. O
budismo n~1o morreu , mas sua influência nunca foi recuperada.
Elementos budistas persistiram na arte e pensarnento chinês, mas
~1quele · aspectos da religião que podiam subverter padrões de
gênero soçobraram. Diminuiu o número de conventos, reduzindo
essa opção. Mulheres individualmente podia1n continuar buscando
d evoção no âmbito ela família, como alguns exen1plos antes
apontados, mas os contatos maiores com o budisn10 reduziram-se.
O ataque ao budismo refletiu a inquietação con1 o fracasso da
religi~o em reforçar uma lealdade ao sistema político aciJ11a de tudo.
O confucionismo voltou a dominar totalmente. A preocupação com
as mulheres não estava configurada nesse ataque, mais voltado a
uma ansiedade pela falta de ligação do budisn10 com a fa1nília como
prioridade. O resultado, de forma patente, intensificou as Jin1itaçàes
da influê ncia do budismo sobre as relações entre os hotnens e as
mulheres na China .
A interaçào budista com a Chin:-i foi característica con1o s~1o
todos os casos de c~ntato cultural - mas foi tan1bém ~enetrante.
Houve uma verdadeira mudança, a maior que uma força externa
havcri~1 de trazer para as questões de gênero na China até O final
do sécu lo xrx. No entanto, as mudanças podem ser verdéldein1s
-
Ü IIU OI\MU I AI M ll l l·fl RII C I I I N l \/1 1 71

sem reclefiniren1 a estruturas, e pode1n afetar muitas pessoas,


durante un1 período prolongado, se1n se tornarem urna nova moda .
Pes·1r o que aconteceu e o que poderia ter acontecido, e explicar
por que os re ultados não foram mais raclic::i.is, abre espaço para
an5l ises históric1s.

PARA SABER MAIS


Um estudo clássico é o ele A11hur Wrighr, Budhism in Chinese Histo,y (Sranford :
Stanford Universiry Press/ London : Oxford Universiry Press, 1959); veja também
\'Xl right, ed . Robert Somers, Studies in Chinese Buddhism (New Haven: Yale
Univer.sity Press, 1990). Veja também Kennerh Ch'en, 7be Chinese Transformation
o/Buddhism (Princeton: Princeton Universiry Press, 1973). Uma fonte importante
é ~hih Pao-ch 'ang (ed.), Lives o/ the Nuns: Biographies of Chinese Bucldhisr
Nuns, traduzido por Kathryn Tsai (Honolulu: University of Havaii Press, 1994).
Sobre mulheres: Diana Paul, \Vomen in Buddhism. Images of the Feminine
in Mahayana Tradition, 2. ed. (Berkeley: Universiry of California Press, 1979);
Patrícia Ebrey, Tbe Jnner Quarters. Marriage anel the Lives of Chinese \Xi'omen
in rhe Sung Period (Berkeley: Universiry of Californfa Press, 1993).
PADRÕE S ISLÂMICOS EXTERNOS À REGIÃO CENTRAL:
~UDANÇAS E CONTINUIDADES
NA I N DIA E NA ÁFRJCA SUBSAARIANA

A expansão do islamismo, surgido na península arábica por


volt:1 de:; 610, é urn dos grandes episódios de contato cultural na
história mundial. As interações decorrentes superaram os resultados
da expansão elo budisrno; aliás, o raio de influência religiosa do
islamismo foi sern precedentes. A força do islamismo con10 religião
repousava na ênfase ern prescrições que ajudarian1 o indivíduo a ter
acesso ao céu, dando grande atenção à lealdade para co1n Alá. O
islarnisn10 ta1nbén1 se expandiu co1no resultado de ben1-sucedidas
conquistas militares dos árabes, inicialmente, e depois atividade
missionária explícita e ampliação do con1ércio internacional. Em
poucos séculos, o islan1is1no tinha feito incursões itnportantes não
apenas pelo Oriente Médio e África elo Norte, n1as tambétn no sul
ela Europa, Índia, África subsaariana, Ásia Central e sudoeste da Ásia.
O islamisn10 tinha ideias n1uito definitivas sobre os papéis de
ho1nl:ns e n1ulheres. Assitn como em muitas religiões - o buclis1no
entre elas - as ideias eran1 complexas, quase contraditórias. Alén1
'
disso, o islan1 isino no Oriente Médio reto1nou algun1as velhas práticas
referentes a g~·nero, como o uso ele véu para as n1ulheres, que não
er;,m essl'.nci,1is para a religião, ,nas clera1n a impressão c.le ser - na
v<:rdadl:, un1 c1so de sincretismo com o Oriente Médio, con10 veren1os.
1 -1 11 '- ~ ,, 1, 1 \ I' \ ' 11 1 1 \ 1. (1 1 \ (} 1 , , ( N 1 1\ l'

01nplcxicl1cles eles l t.ipo afetaram inevitaveltnente o impacto do


isbn1is1no obre práticas de gênero en1 regiões externas à sua base,
1...·1n p:t rt icub r en1 1ugares en1 que operara1n corno fé n1inoritária.
Este c1pítulo e xan1ina dois casos itnportantes de influência
isEt1nica : Índia e África subsaariana . En1 an1bos, as ideias islâmicas
1.. · seu revestin1e nto do Oriente Nlédio não fora1n retornados intei-
r~,1ne nte ; a · culturas anteriores continuara n1 a te r influência. Isso
desencadeo u críticas elos viajante islfünicos, que achavam ina-
pro priado · os pa pé is elas n1ulheres e n1 lugares con10 a África . Ao
longo elo te n1po, no entanto, a influência islân1ica pro1noveu outras
rnucbnç;1s, leva ncl ~t clete rior:içào da condição fe1ninina, tornando-a
:1t2 pior elo que no pró prio Oriente Médio.
O profern Maon1é, que levou o islarnisn10 ao Oriente Médio,
:,creditava estar n1elho ranclo a condição fen1inina, quando compa-
r:1cla con1 forn1Js árabes 111ais tradicionais de patriarcado. Embora
su~• motiv:1çào fosse fo1te , o islan1isn10 acabou confin11ando várias
fo rn1as de re lações patriarcais e, quando se 1nisturou con1 práticas
con10 a do véu, ofereceu sinais algo confusos. Outros povos,
:.1pe ·ar d e 3ceitaren1 o islanusn10, continuaran1 a preferir as próprias
rntdições de gênero. Fo i isso que viajantes árabes perceberam e
não gostaran1. A longo prazo, no entanto, o islan1is1no se n1isturou
con1 versões regionais de patriarcado e enrijeceu as relações de
gênero. 1'vluitos dos resultados persiste1n até hoje.

1sLA M 15 MO, HOMENS E M U LH ERE S


O Corão e outros escritos centrais do islarnis1no enfatizaram
dois princípios vitais no que diz respeito às mulheres. E1n prin1eiro
lugar, elas tinhan1 almas e, e1n princípio, eram espirituahnente iguais
~1os ho1nens; podia1n ir para o céu . A igualdade espiritual também
pern1itia a algun1as participar ativan1ente en1 rituais 111uçuln1anos
co1no peregrinação a Meca, em que gozavam de liberdade n1aior do
que suas innàs cristãs na Europa, quando engajadas em viagens de
devoç{lo. E1n segundo lugar, tinham direitos definidos, nu1na religião
que era bastante legalista . As mulheres podian1 possuir propriedades.
E rnantínhan1 os direitos sobre a propriedade que havian1 Ievado p~ 1~
o casa1nento. Podia1n .se divorciar. Maomé ta1nbén1 atacou outr~s
odiosas desigualdades, con10 a prática cio infanticídio fen1inino.
l' , t,,,,' , , , ,t 1(\'' 1,t 1K ~\, , , r, t l, 1 , \ 1 1...11-..:1 1\ , 1 75
---

.-\ 1,_) llll':-tn1,.) k 'tllOO


r •
l) 1·•,!·1111
,
··
1~1110 · 11:1
111:1111111 unu t: Struru1:1 cl:ir:1mt·nt e
l):trri.u\ ·:1 l. O Cord n Li1·z1··1 · c•·1Lt l .. "O· 10 llk' lb ll'~ lll :1u1onc
~ 1 · 1:l ( 1t' so 1) re :IS
inulhc't't.'.'.' dc'Yid1.. .) ··1,, l•Ltc.' D '-~ L1,·-~ l.,.,
v ·1
• , ·I 1 · 1 .. /\ S mu -
vi1U : ( c' ll :l t' t'S t:' n:10 :1 l:' :IS .

lhc'tV.:- n:h, ll, m:1,·:1m p:trre no cult o junto com os homens; fic:1v:1m
~"-p:n:id:1.:-. O~ direitos de bmili:1 dos ho me ns e ram supe rio res :1os
d.1s mul ht'rt's. Pcldi:tn1 se di,·urciJr 1,.·o m rn:1io r f:1 cilid:1cle. Punições
l r rr:.1ns~rc':-S:l1....) Sc.':-ü1:tl nusL·ulin:1 c:r:11n ~er:tltnc>nte nuis le, es cio
que :1s c.b~ mu lherc.'s . ..\ Harlitb. colt."tjne:i, tbs prirneir:1s tr:tclições e
L''-iiro s muçulmJnos. :1finn:1Y:1 que:> ":1 primeir:1 concliç 1o p:1ra qadi
~iu1~.1r) ~ .'.'c'r homem 1. ..) qu:mco :'ls mulheres , d:1s s:1o in:1dequad:.1s
p:ir:1 p1.1. siçõe:- de :1urorid:1dc.' .. . .-\s c'spos:1s se comprorneri:1111 :1 "servir
e) nu rido. cuid:ir das cri:1nças e :.1d1ninisrrar :1 casa ... Os homens eram
.1 uto riz:1do.:-- :1 us:1r ,·iol~nci:1. se:> necessirio. par:1 manter as mulheres
n:1 linln . _-\l~m disso. 1nesmo :1igu:lld:.1cle espiritu:li era condicionada
~ or um:1profund~1crenç1 de que JS mulheres er:1m por natureza m:1is
pcc:1do r.1s do que os homens. Recon-endo :1 história bíblica ele Eva
( orno :1 pri1neir:1 pec:1dor:1. :1 doutrina muçulm:111:1 sustentava que
o infe n10 er:1 desproporcion:limenre po,·oado pelo ~exo feminino .
_-\.ind:t :1 Haditb :1fin11a,·:1: "Eu dei uma olhacb no infen10 e vi que :t
m:1iori:1 de seus habitantes eram mulheres ... Escritos isl:1micos exigiam L,

que os ho1nens fossem ama,·eis com as mulheres. evitando abusos.


mas ess:.i · ad,·errênci:1s tinh:1111 sido inrrocluzid:1s para amortecer :1
profund:1 desigu:.1kbde.
'-
E, ·i denrernen tc' sào inúmeras :is mens:1gens no isbmismo no
que diz respeito a gênero. Ainda hoje, as fe1ninist:.1s debatem o
isbn1isn1o : :dgumas. sustenundo padrões ocidentais de liberr:1ç:10
feminina, exigein que o isbmismo mude, enquanto outras afirnum
que a doutrir;a cr:.1dicion:1l protege de form:1 adequada os direitos
das mulheres. É un 1a quescjo de ênfase em algumas mens·1gens
em detrimento de ourras .
.-\ conlplex.idade islfünica se ,·iu acrescida de uma :iclapraçào
dos hábitos preexistentes no Oriente 1'lédio. O uso cio ,·éu se espalhou
mais cedo no Orienre ~tédio, incluindo o Império Romano e t:11nbéin
a PérsiJ , como sinal de status ela dite. Enfatizava J reclus~1o das
mulheres e sua posse por pJrte do pai e marido . Cobrindo ~• boca e 0
n:1riz . enqu:into oculr::iva inteiramente o corpo em túnicas. destacava
a indisponibilidade sc:\.7.Jal da.s mulheres respeit:tveis. Esse costun1e
nunca se e~tendeu paí.1 as mulheres do c1mpo, que. como nJ 1naior
/ <, 11 1 , 1 ,, 11 1 ,- ll ,- 1 R 1 1 ,- ~ () 1 1 ll 1 (, 1 N I R O
-
parte das 'Ocieclacles agrícolas, se cledicava1n ao duro trabal~o_físico .
o~ 1nuçulmanos ára bes aclotara111 o véu de forma crescente, imitando
povo · que
conquistaram; 0 costun1e era visto con10 sofisticado e
S<.:'.rvia a uma sociedade patriarcal, talvez co1npensando algu1nas
das vantagens que O is la1nis1110 tinha conferido às n1ulheres.
Con10 aconteceu co1n tanta frequência en1 civilizações agrícolas, o
sincretis1no reforçou novas n1arcas de separação para as 1nulheres,
n1isturando 1narc;s de inferioridade iniciahnente desenvolvidas em
dife re ntes culturas. O hábito de usa r véu se espalhou tanto que a
n1aior parte elas pessoas, tanto n1uçu1tnanas con10 não-muçulmanas,
ho je s upõem que ele foi sancionado pelo Corão - o que não é
verdade. O Corão recon1enclava que as 1nulheres cobrisse1n seus
seios e joias e que as 1nulheres do profeta Maomé cobrissem seus
corpos firmemente a fin1 ele não sere1n incomodadas em público,
,nas não mencionava o véu. O fato é que os muçulmanos adotaram
a prática do véu gradualmente - só no século XVI espalhou-se na
parte urbana do Oriente Médio e Norte da África. Era verdade, no
entanto, que além das recomendações do Corão e da Hadith, as
fan1ílias 1nuçuln1anas de classe alta tendiam a enfatizar a reclusão
elas mulheres, 1nantendo-as em casa para minimizar as aparições
públicas como forma de controle sobre a sexualidade. Precisan1ente
porque as 1nulheres detinha1n o controle sobre a propriedade depois
do casa1nento, era vital que os hon1ens regulasse1n seus contatos,
uma consequência irônica dos direitos outorgados pelo islan1ismo.
A reclusão também era consequência da aceitação dos 1nuçulmanos
de que as n1tdheres poderiam ter prazer sexual co1no os homens:
essa visão, be1n diversa da ideia de passividade fe1nínina realçada
pelo cristianismo, nova1nente teve decorrências práticas co1nplexas.
Questões como o uso do véu e a reclusão, apesar de sua tê nue relação
con1 o próprio islamisn10, podem ser vistas con10 parte de un1 único
pacote cultural muçultnano, quando a re ligião coineçou a se expandir
para outras regiões.

A EXPANSÃO DO ISLAMISMO
Maom~, nasc~do e1_n 570 e .e., dirigiu sua pregação aos á rabes, e
~ conversao ao ~sla1n1s1no tornou-se parte da missão de conquisW
po r esse povo noniade através do Orie nte Médio e África do Norte-
p li 1) R O1 1 1S I AM IC O S l X r l R N C"l 1 ,1 ~ l G I AO C l N I R II l 77

O colapso do In1pério Ron1ano deixou u1na profusão de pequenos


Estado e várias religiões no sudeste do Mediterrâneo, numa si-
tuaç1o propícia tanto para u1na fé nova e clinâtnica corno para
a consolidação do controle político e 1nilitar árabe. Os exércitos
árabes se espalhara111 rapidan1ente pela 1naior parte do Oriente
Nlédio, incluindo a Pérsia. Durante algu111 ten1po, os árabes tentaran1
preservar o islan1isn10 apena:s para seu povo, n1as 1nuitos povos
buscaran1 acesso a ele, inclusive adotando a língua e cultura árabes.
O poder nlilitar árabe se fortaleceu pela posição do Oriente Médio
co1no centro de co1nércio con1 a Ásia, África e Europa, e mudanças no
isla1nisn10 promoveram uma atividade n1issionária explícita. Depois
de cerca de 900 e.e., u1n 111ovimento chan1ado sufismo se instalou,
defendendo a pureza espiritual e intensa devoção. A exaltação e o
exe111plo de devoção ao sagrado dos líderes do sufisn10 ajudaran1 a
atrair 1nuita gente para a verdade do islamismo.
U1na combinação de fatores ajudou a expandir o islan1is1no - o
que não é de surpreender; todas as religiões mundiais avançaran1 por
vários n1otivos e de várias 111aneiras. Existe, no entanto, un1a tosca
divisão entre casos en1 que o isla1nisn10 teria chegado na esteira ele
un1a invasão militar, e casos e111 que a conquista ele adeptos se deu
a partir de contatos con1 con1erciantes e con1111issionários.
A índia, por exen1plo, estava dominada pelo hinduísmo - que
prevalecia sobre o budismo- no final cio período clássico. O isla1nis1110
e o hinduísmo diferian1 n1uito entre si. O isla1nisn10 insistia e1n u1n
Deus único, ao passo que o hinduísn10 defendia u1n alinhan1ento
con1 a orden1 divina a partir de un1a série de divindades específicas.
O islan1isn1o enfatizava a igualdade espiritual e rejeitava o sisten1a de
castas (en1bora reconhecesse a desigualdade neste n1unclo). A 1naior
parte dos hindus preferia ignorar o isl~n1ismo, ernbora o tolerasse, n1~s
o islanlisn1o acabou penetrando na Inclia por contatos cornerciais e
por ataques-suipresa árabes a seu território. Houve ta1nbé1n interação
cultural inesn1o sen1 conversões. Os 111uçuln1anos aprenderan1 a
ciência 'e maternática indiana, incluindo o sistema nun1érico que
passou para O Oriente Médio (onde os europeus o conheceran1
e passaran1 a deno 1niná-lo de "arábico")._ Por volta do século x,,
conquist;is niuçulrnanas n1ais an1plas na India (enc3beçadas por
turcos convertidos) criara1n Estados governados politican1ente por
muçuhnanos coino o Sultanato de Déli, e ocorrera1n alguns ataques
/S
- 1 1 1-, , __
11 1, 1 , _121l_:
.'.__
A~I ~~_'.__
' ~• ,1:_'.,_(,~0_'.I__.'.__
' ~U_'.__ 1,~
1 _': f:!._N_'I.__'.:._'.~'~'_ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

. . , eles dos 1nissionários sufistas


;1 tl'.lllJ1los religiosos hindus. As ativtC1c1 ' _ • l· .
.tor~,rn 1ntcnsll
. . ..1cadas, resultdnclo
. . 'em
-' . atnp las conversoes . ao 1s a1111sn10,
. t· . , .
cm J)Jrticular no noroeste . Lic1eies 11 , . . I ·ndus reag1ra1n, te
d 01çanc.1_ o
. .
idcias e ritu~1is religiosos . popu 1,c1re5, e ,se en1pen 1
1na1s .1an .~o en1 n11s-
1ur:1r as du ~,s relig1oes (po, e xemp 1o, ni--mtenclo
• • _
' • e,
. o h1ndu1s1no, n1as
"'

. .
rcnunc i::.111Clo ~,o s1stem~1 e1e ca~L:ls,
. n L111Yle tent·-itiva
" •
r de •conservar

.
as

G lSl:.lS inferiores longe da. attd.. ÇclO
:- 1gua
· , litári'te do 1slan11sn10). Outra .

· 1·
oncb tn ucu 1111 ;,,111~1 a1nc a 1na1s . 1· • fo ·te' cheoou
o con1 as conquistas
. , .
dos invason~s · mughals pot· vo It8 e1e 1500 , que ·;e:1tnJJliaran1 o 1111peno
muculmano . Nos dois séculos seguintes, ele floresceu . Os governantes
mu~h:tls no início foram tolerantes par~ ~0111 o hincluís1110, 111as
m~lis tarcle os imperadores atacaran1 a fe, favorecendo os 1nuçul-
m:111os em sua administração. Con1 essa variedade de encontros
dur:mte muitos séculos, a 111aior parte dos indianos continuou
hinc.lu. A interação foi e)(tensa, mesn10 para a n1aioria, e inevitaveln1ente
e nvolveu considerações de gênero.
O islamismo atingiu a Áftica subsaariana ele duas fonnas, e1nbora
apenas uma 1ninoria de africanos tenha se conve1ticlo durante o
período pós-clássico. Na África Oeste os contatos se concentrara111 nos
reinos sudaneses e111 expansão, começando co111 Gana. O con1ércio
com a África do Notte muçuln1ana se desenvolveu através elo Saara,
provendo Gana ele impostos e rr1ercadorias, con10 cavalos. O rei de
Gana empregou 1nuçulmanos árabes para 111anter registros, usando sua
experiência com escrita e burocracia. Os contatos tan1bén1 auxiliaran1
quando ocorreram ataques nlilitares de surpresa vindos do norte. O
reino de Mali, sucedendo o de Gana por volta de 1200, non11alizou
as interaçôes. Governantes de Mali usaram n1ais tnuçuhnanos con10
burocratas, que, num gesto de boa vontade, convertera1n-se. Un1
r<:i, Mansa Musa, fez un1a fan1osa peregrinação a Meca en1 1334-51
fascin~tndo os árabes com sua opulência en1 ouro. Missionários sufistas
espalharam-se pela África, mas pouco se einpenharan1 ein conveiter
pessoas comuns. Mesn10 os africanos conveitidos 111antiverain uitos
111
ele seus costumes anteriores, con10 a crença na divindade do rei e
rejeiç-ào elas punições 1nuçuln1anas, por considerarem desun anas,
1
~·om~ a ele cortar as n1àos dos ladrões. Um segundo filan ento do
1
1slarn1smo percon-eu a costa leste africa1y1 levacl l · -
, , . ', · o pe os co1nerc1ante,
.11c1hes no Oce~no lnchco. Do Egito os come ·, • • , · -
. , · rc1antes e n11ss1onanos
Jtuaram diretamente em clirec:lo ao sul n·t n· - 1 • nJ · 1
• , " ctçao 10Je co 1ecic a
- - '
-----...:..._:___:_'. ____~--· _ __
___:_'_'...:.._ ____: ....:..._:_'_'
_:_'

nlllt 1
~ut[io . .\ in b nui~ .1 :-ui. fo n n.1r:1t11-:-<.' n bclc5 .ir.Ü)(.:'-.1fri'"-:111.1::
:10 lon~) Lb ·L),t:1. mi~cur:1ndo 1clil 111:1.:- .1r:1l '.:' t" Jfric1nL, c . e
·l:lf\.). pn.)mo , cnck o i.:-Lm1i5n10 .\luiro., ç ) llk'T et.tnce:- :-<.· t':t~u--.un
L'l'lll mulh1.:>n..·.:' l:t d1I1.· :1frit-:111:1 .b L'L)rn·c~t :- .1 i., Luni,m ') t°L)r.1111
, )lunuri.1:: o 1.:-l.uni5m) :--i:'nific:1,·:1 :-UL",.::,n ·L)t11L-r,.:i.ll \."' ·"º'"·'-::-
·i:t l.
L• • L ' 1111 .'.'e c'::p.dho u ~'h co.:-l:l do Oce:1 110 I ndicl). O 1,\:1mi5m o

L" 1..1111t: ·ou :t .1tr.11r u nu popu l:1"--:·10 m:11:- :1mpl:1 no f1n:ll du ~~·u lo ,, 111.
I x n1t:·10 d e- .ll°t."!lrtuJ:1 :ni, i d:1de 1ni:,i1.. n:iri.1 L Querr.1:-: n..--lif!i( ~.:-.
4

rr0l.·c-. ' ) que ,..-oncinu:1 :.itc o., n ·,o~ di:15 . .--\ .-\tri<..-:1 ~ut ~u ri:tn.1 hoje
e~o\ m u,; ulnu n:1. L\ ) 111 e •J)c\.i:.il concc-ntrJ<..--:.1o :1 p:irtir J o ~:1:1r.1.
:llr.1,·c>_ ~ind ) :1 .-Ürie .1 Ocidcnc:11 e' Ccntr:tl e .-\fric:.1 Jo Ix..:-tc'.
D'--1 1:- pom o :-: ~:10 ób, ·io.:-. Em pri.Inciro lug:u . o:- l -L) nU t o :- e l'L) l1 -
, 1.-r<'c', de unu m :1gnicudc que :1feu unto :1 Índi3 qu:1nr1..') .1 .-Ü ri(·:1
, uh-:-:uri :1n:1 ine,·it:1,·dmcnte mcreccr:1m rcco n sidc>-r:1ç:10 do~ ru-
fx..' t, e- priticas rd;ici,·o,:; :1 ho mcn~ e 1nuJhcre~. umo dJ p:tnc do-:-
rnucul nnn o:-- corno d:1 do:-: n:.1o-muçulnunos ne5~:lS rcg ió ~='- Em
:-cgun do lug:1r. :1 intêrJ<;.-:'io fo i prolong:td.1 . ê cc,ntinu.1 :tlt' o~ di.1~
Jt.· hoje. o~re~ulr:.idos inici:ti~ :1 rc-:--pcito lc> gt'nenJ fo r:un mud:mJo
J medi b que o i~la misn10 .:-e c~ubcle-cia. L·m primeiro itnpubo d e
rn.inrer o:,; cornpo11:101entos de g~nt.>ro ~1 p:1rtc sotn:u u-:m~fo nn:H;e>c>s
1..· 0111 o.:- ronuros pr0 Jong:1clos . .-\ longo prJzo. ú in1p:teto cb c.' xpo ~iç:·10
JO isl:l mi sm o foi considcd,·cl. :ilcer:1ndo o:- comport :1menco5 d e
gcnero me~mo de pc~~o.1s n:10 con,·c rtic_bs fo nn:tl1nc ntc.' .

.
Ü CA O DA [ ND l r\
o~ prin 1ciro:-. ~:1que~ mu ç ulm:1no .:- n:1 Índi:1 ri,·er:un pequenc-.
impacro n :1cukur:1. porqut"' os :iuc:1nre-s n:10 fic1r:11n ce1npo ~ufi1...·ienh..'
p:ir:i dt.?ixJ.r 111 :1rc1. .-\lgun~ rd:u os d :10 cont:l de que o :; hindu~
fL":-:r,lir:un ao i~l:unisrno c.·m pJrte por c nfatiz:1r denni~ :1 redu~:1n d:1~
mulhcn.:.s. 0 q ue er:1 co nrr:1 o co~tun1c> indi:1no . nu:-; h:1,·i:1 muit o~
outro - m o ti,·o~ p :ir:1 rc~i~rir :i rdigi:io c>~tr:1ngeir:1. Conhcl't'ntk) o
i:--bin i.smo. ~dgun:-- se '.'cnri:im cli,•idiclo~ entre ~c:u ~tpelo snci:i.l :b
c:ista..--. m :ii_,; b:li._x:1.. ; _ :1 pro me:-,:-;J de unu maio r igu~dd:idc ~~piritu:tl -
e 3.~ implic:tcões ele um di~unci:irnenro nuis :unrk) entrL' h o n1L·n:-; e

mulherL· ·.
1-I:n ·i:t demenro~ p:ir.1 um:1gr:tndt:' roli<10 COI11 o~p:qx i:-- r~•tninino~.
~<.-r:í CjU L' J l ·nf:t,e do Oriente \kdio nn u~o do ,-~u 1: n:i rc>c\u ~.10 cb ~
1-() li 1 , 1 , 11 1 , p , , r I t , <.. 0 1 , 11 l G 1 ' 1 "- O

• · . . , : nf- ·ndiana no prazer afetívo e


mulht.·rl's predo,ninana sob1e a e ase 1 . .
- - 111eres o que predo1runana : a
sensu~il! Em termos de proteçao as mu , , ..
f . •
en as~ leg~1 11sta 1s1a1nica, su es 1
A A b r·macla
• pelo hinclu1sn10 no .
que d121a
.
· , 11
rcsre1lo as rnu 1eres enquanto re,1 e , lça,,a o poder .
dos
_
1nanclos e pais
ou o ~1pelo hindu por ligações afetivas e ad1nlfaçao? .
Qu~iis componentes d e cada um dos sisten1as culturais perrna-
ncceri:1111? Ser{1 que o isla mismo seria visto con10 defensor ~o status
espiritu:.11 elas 1nulhe res e de seus direitos (con10 os de propriedade),
o u as rn ~, rcas concretas ela inferioridade seriam ton1aclas como
ccntr:..1 is na estrutura de gênero? Como o afeto fa1niliar no hinduísmo
se equilibrariJ ante questões como casamentos arranjados, dotes aos
nuridos, e mesmo a ilnolaçào elas viúvas no fogo funeral de seus
m:.1ridos (a prática do satismo, que se espalhou na Índia durante
o período pós-cláss ico)?
A interação viu-se dificultada, por fon, pelo fato de ambos os
sistemas culturais serem patriarcais, o que tornava fácil emprestar
elementos específicos da prática do outro sern necessidade de
grandes mudanças na prática própria. Era possível que os hindus
convertidos ao islamisn10 acreditasse1n que o tratan1ento que davam
às mulheres requeria pouca alteração, apesar ele, en1 princípio,
existirem diferenças de abordagem .
Assim, o que ele fato aconteceu? Os muçulinanos na Índia,
incluindo os convertidos, nunca adotaram alguns dos aspectos do
h~ndu_ísmo como o satismo. Este, baseado na noção ele que a viúva
nao t1~ha, ~or que viver depois da n1orte elo marido, opunha-se
ao~ ,p1_-mc1p10s 111uçuln1anos de aln1as individuais e restrições ao
~u 1~ 1dio. E~sa prática, de qualquer forma, não estava espalhada pela
~ndia, particularmente ern algumas regiões em que o islamismo se
impunha
.
. Os imperador·e 5- n1ugha ls no seculo , :X'VI tentararn barnr
·
isso, sem grande sucesso.
Da mesma fonna
, . . _ , '.
os hincl , t· -:- d .
uis as nao a enram de fonna atnpla
,10: r_1pos r~e vestuano feminino correntes nas cidades do Oriente
Meci10. Nao usaram O véu ela 111 esm f . .
a 01 n1a e n1ant1veram a
pn: ferenc1a por roupas coloridas Ne
A •

.d . . ..
. 1. •. . . · m as 1 e1as 1slamicas sobre
os e 1rc ltos ele propnedade das tnull1e .e
embora -1f,·t-isse, I
. res a1etaran1 , · l· d
.
' '" , - · 11 0 s muçu 1nanos c •ct . a pratica .11n u,
e>
. ·1- . - • . ·. onverti os, un1a vez que as
c.omp1 cl( oes •
muçulmano-mclhn·ts
., ' ' '
cl-1
e
le I. IS
. l"am. , . ·
bastarne fidelidade as prescri·ço-e I H d' ica 1epet1a1n com
sco a1tb.
-
I' A U HÔ 1 \ I \ 1 A ~I I L li \ 1 \ 1 1 R N () \ A R I G 1 ~ l> ( I N 1 ~ A 1 81

Em o utras palavras, a pesar do exte nso contato cultura l, alguns


dos símbolos 1nais extre mados cb inferioridade fe n1inina n~10
atrave ·saran1 as fro nteiras, assim como ce11as medicl"1s cultural1ne nte
específicas designadas para proteger as mulhe res.
J-LI via , no e ntanto , vários po ntos de fu são - os si ntornas previsíveis
d e sin cretisn10 - que se dese nvo lve ram ao lo ngo do ten1po . Os 1


muçulmanos, tanto os convertidos quanto os chegados do Orie nte
Médio, co n1 frequência aclotavan1 costumes n1atrin1oniais hindus. As
mulheres con1 frequência voltava1n à casa dos pais para o nascin1e nto
do prin1eiro filho - costu1ne hindu - e adotara1n outras práticas
hindus relativas a casan1ento e nascin1ento dos filhos. Ao n1es1no
tempo, os convertidos COITI frequência adotaran1 aspectos das leis
consuetudinárias, incluindo ideias sobre o fornecimento de dote ao
marido, por parte dos pais da esposa. Só que a lei de pro priedade
muçuln1ana n1antinha o direito de posse das 1nulheres sobre o dote , ao
passo que a tradição hindu o entregava diretamente ao 1narido. Nesse
sentido, o que se configurava co1no colisão direta entre ideias oficiais
foi anulado na prática, para desvantage1n das 1nulheres. Mesn10 nos
dias ele hoje, os homens n1uçuhnanos no subcontinente indiano
continuam a defender com unhas e dentes seus direitos ao dote, assim
co1no os extre1nistas hindus. Por fi1n, detenninados governadores
mughals adotaram alguns dos costumes dos príncipes hindus no
que diz respeito ao número de n1ulheres que to1navan1, nova1nente
violando a lei 1nuçuln1ana. De novo, houve un1a troca cultural que
afetou costu1nes íntilnos, cotn ganhos para os ho1nens.
O n1aior resultado do encontro mútuo, no e ntanto, envolveu a
expansão do sisten1a do purdah entre as 1nulheres da elite hindu.
O purdah era a reclusão das n1ulheres en1 casa, geraln1ente atrás
de biombos ou cortinas e1n quartos se parados, de fonna que
estivessen1 isoladas da sociedade 1nasculina. Na época en1 que 0
isla1nisn1o ganhou grande influência na Índia, a ideia de colocar
véu nas 1nulheres, isolando-as e1n apa11an1entos privados de ntro
de casa, ganhava terreno no Oriente Médio, à 1neclida que os
;'irabt>s se aclaptavarn aos costu1nes en1p~·estados de gregos e p e rsa~.
lsso não era uin costu 1ne indiano. Na Inclia , as rnulheres estavain
autorizadas ;:i andar 111 ~1is livrernente, assin1 e ssa prática era evitad:-1
h{1 n1uito ten 1po por indianos e n1t1ç uln1anos convertidos. Etn geral
chocados, 05 viaj~intes ~írabes notaram que os ho1nens e as 1nulheres
~.l 11 1\ 1 O RIA 1) A, ll t 1 ,, <.. 0 1 \ D I G Í N I RO
-
indianos trabalhavam juntos e que as mulheres não _escondiam o
rosto ou ,nesmo partes cio corpo. En1 1415, un1 etnbaLXador chinês
em Bengab notou que "hotnens e mulheres trabalhavam nos
G1111pos ou na Lecelagem, dependendo da estação" . Segundo um
observador árabe, por volta de 1595, as n1tilheres com frequência
apresentavam-se aos líderes políticos e "as principais transações
públicas recaímn sobre as mulhe res". Dito de outra forma, mesmo
de pois ele formadas, as comunidades muçul,nanas preservaram por
,nuito tempo os costu,nes indianos quanto a papé is e ,naneiras de
,-;e vestir em público, e obviamente a n1a ioria hindu fe z o mesmo.
No entanto, o exemplo cultural cio Oriente Médio era poderoso.
Estava associado corn muitos governantes na Índia; podia parecer
n1ais sofisticado do que a cultura local; e realçava a preponderância
rnasculin3 na sociedade que já era profundan1ente patriarcal.
Assin1, Jentan1ente, ele foi se expandindo. As indianas ,nuçulmanas
co111eçaram a adotar o véu, e1nbora, e1n geral, não adotassem
as roupas sóbrias das innàs do Oriente Médio. E as diferenças
fo ra1n alé1n. Por volta do final do século xv1, un1a história bengali
islfünica ele Adão e Eva enfatizava a divisão do trabalho: Adão era o
fazendeiro ("a agricultura será seu destino") enquanto Eva aprendia
a cozinhar. No entanto, a literatura bengali, durante pelo 1ne nos mais
uni século, enfatizou o co,npartilhar ele tarefas. Un1a ca1nponesa
mu çul1nana conta, en1 outra história por volta de 1700, que ela e
o marido "costun1ava1n ceifar juntos o can1po de arroz no o utono
f... J depois nós dois sentávan1os para descascar O arroz [. .. ] a1nbos
sentáva1nos peito do fogo e nos esquentávan1os (.. .]. Quão felizes
ficávan1os quando depois de um dia ele trabalho nós nos retirávamos
para descansar em nossa casa''. Mesn10 nessa época tardia, ,1
versão cio Oriente 1\!Iédio do isla1nis1no não tinha itnpregnaclo os
costu1nes de trabalho indianos. No entanto, 0 processo continuou.
E, durante os séculos xrx e xx, os hornens fazian1 trabalhos no
ca1npo separada1nente, enquanto as 1nulheres se concentravam e01
operaçôes de pós-colheita, con10 joeirar e descascar as sementes,
que poclian1 ser feitas no rerreiro da fazenda .
Es.sa mudança é u1n achnirável exen1 plo do poder da culcur.-1
sobre. a ''racionalidade"
. , . o .si·~~te n1a en1pres taclo
econôtnic-t , er,1
n1utto 1:1a1s G~ro, pois limitava a contribuição das tnulheres pan1 ~1
produ~ao agncola. No enlJnto, 0 fascínio pelo esplendor do isl~-
-
I' A DR ú I l 11 l Á M I e o I l X rl R No \ A RI G I Ao eI N I RAl 83

mismo importado, operando por muitos séculos, priorizou uma


redefinição cio comportamento respeitável.
Por fim, o sistema cio purdah se espalhou pelas elites hindus
e e ntre as família · indianas muçulmanas em geral. O processo de
mudança foi não só lento como desigual. Os camponeses hindus
comuns não adotaram a reclusão e a divisão de trabalho por
gênero. Em função disso, o hinduísmo no sul da Índia mostrou
menos influência muçulmana - mesmo entre as elites - do que a
contrapanida no norte da Índia , em que o exemplo muçulmano
tinha sido mais fo1te . No entanto, para aqueles afetados, a mudança
foi bem real. O purclah teve grande poder de inibição sobre o
hinduísmo, assim como sobre as atividades políticas e educacionais
das mulheres muçulmanas no início do século xx, embora o nacio-
nalismo indiano o tenha gradualmente atenuado.
No caso indiano, houve aos poucos uma influência cultural mútua,
e muito poderosa , afetando as famílias muçulmanas com respeito
à lei, e algun1as famílias hindus no que diz respeito à prática social.
Deixando de lado costumes informais, o denominador comum foi
um empréstimo mútuo cio que realçaria o poder masculino sobre
a mulher. Elementos culturais, particularmente no islamismo, que
enfatizavam a espiritualidade e direitos das mulheres tinham menor
impacto, à 1nedicla que as duas culturas interagiram de fon11a extensa,
embora 1nutuamente desconfiada, no subcontinente.

AFR.ICA SUBSAARIANA
Como O islamismo se espalhou tanto lenta como seletivamente
na África subsaariana, nào é de se surpreender que seu impacto
nos costumes ele gênero africanos fossem bem limitados por 1nuitos
séculos. Nas cidades árabe-africanas mistas da costa leste , e 1n
que havia uma 1nistura do idioma swahili, as mulheres africanas
geralmente oozavam de alto status. Muitas mulheres e rainhas in-
º ..
fluentes desempenharam importantes papeis em assuntos públicos
nessas cidades. Elas ajudavam a supervisionar eventos importantes
para seus grupos consanguíneos, participavam ele celebrações
públicas como cerimônias de Ano Novo e tomavan1 parte no culto
nas mesquitas com seus ho1nens. Eran1 estimuladas a se alfabetizarem
e estudare m O islamismo erudito. Algumas evidências sugerem que a
-
~84~_!1:!._-f~l l.!._f~ô!:_R~IA~DA:_;l~ A~Ç~O~ll~D~[~G~í ~N~lR~O
R ~ll~ ~ - - -- - - --------

casos era herdada pela linhagem


autoridade governamental ein certos N t
. . nsan uíneo que governava. esse con exto, as
fernmma do grupo co g dº ·t s das mulheres sob
, · u· · l"
praticas espec 1cas 1s amica ,· s con10 os irei od 1ato sugere re
. t , se esten er: un1 re
a propriedade e herança pocl1am a e . . ,.. .
• ·
direitos de herança 1gua1s aos os d hoinens , enquanto a lei 1slamica
· · senan1
especificava que os direitos · de apenas 50% . do. dos homens , . ·
Os costuines africanos prevaleciam sobre islamismo na Afnca
O
Ocidental, no que dizia respeito a gê~er~ - e novainen~e aqui
nu1n contexto em que apenas a minona ,ti~ha se co~vertido~ ~s
mulheres muçulmanas não aceitavam o cod1go do Oriente Med10
sobre vestuário ou injunçôes sobre reclusão.
Esse foi um aspecto da sociedade africana que surpreendeu
pa1ticulannente o grande viajante muçultnano Ibn Battuta 0304-
69). Africano do noite, Battuta estava acostumado ao uso do véu
e à segregação, o que não encontrava mesmo em comunidades
muçuln1anas subsaarianas que en1 outros aspectos eran1 exen1plares.
"Com respeito a suas n1ulheres, elas não são 1nodestas na presença
dos ho1nens, não se cobrem de véus apesar de sua perseverança
nas preces (. . .]. As 1nulheres lá têm a1nigos e companheiros
entre os homens." Battuta afinnava que os hon1ens não sentiam
ciúme sexual ("A condição dessas pessoas é estranha e seus com-
portamentos bizarros.") Ele elogiou uma con1unidade africana por
seu zelo religioso, sua observância 1neticulosa das orações, insis-
tência ele que as crianças aprendessem o Corão. No entanto, "entre
as coisas nlins que elas faze1n" estava o fato de "suas serviçais,
mulheres escravas e suas filhas pequenas aparecerein nuas perante
as pessoas, expondo suas partes íntin1as". Mes1no as filhas do sultão
podian1 se expor inadequada1nente.
Battuta fico~, ai~da mais chocado quando un1 qadi africano, que
fez L,1,ma peregn~a~~o pa~·a_a Meca, descontraidan1ente apresentou-o à
s~a companheira . O v1a1ante retraiu-se, quis se afastar, 111as ambos
nram d~le, 111enos_Prezan_do a discrição que Battuta esperava deles.
O fato e que ~le nao P_?C~ta entender con10 os africanos, que tinhatn
estado- no. Onente
d:c Medro e sabian1 con10 as e 01sas ·. d even·am ser,
eram tao m uerentes. Um hon1em lhe cti·sse : "O co1npanh e1ns · · mo de
wna mulher _ un1, hon1en1 em nosso pai's e, h onra, ve1 e e,. 1ee1·co de
. . para
un1 bom Jeito: nao ha desconfiança "-1 respe·c 1 O.
Elas nao
- SaO - COmo as
mulheres em seu país". . E ele comentoLi ·• "Eu f·1que1. aton1to
... . com 1·s~o. ...,
En1bora ele me conv1classe muitas vezes , e u. nao - ace1te1
. . o conv-1·ce···
p .\ 0 RÔ l l 1 > l Á \\ 1 C O < l X f { RN O , A R I G 1 .\ () C l ,-.J I R A l 85

A África Ocid_e ntal e1n particular dependia do extenso trabalho


das n1ulheres, incluindo vender n1ercadorias na feira-livre . A
insiStênci·:i do ~ n1uçultnanos na seoreoaçào e no vestuário sobre-
. P l esn1ente não pegouº. Aoº longo do ten1po, oco1Teran1
caITega d O : 1111
acon1odaçoes, e111 particular nas regiões n1ais perto da África do
Norte, con10 a n1oderna nação do Sudão. En1 geral, no entanto, esse
aspecto da versão cio Oriente ivlédio do islan1isn10 e o islan1isn10
africano sitnples1nente não se n1isturaram .
Houve tan1bén1 alguns recuos do padrão resultante. Os árabes
n1uçul1nanos con1prara111 n1uitos escravos da África, cuja versatilidade
econô1nica e padrões de vestuátio fe1nininos exercera1n excepcional
atração sobre eles. Deixando de lado o aspecto sexual, 1nulheres
escravas sen1 véu podia1n realizar operações no n1ercado, coisa
que as n1uçulmanas livres respeitáveis evitavan1. Muitas n1ulheres
africanas escravizadas tornaran1-se concubinas no Oriente Médio.
Por volta de 2500 um hun1orista egípcio, Ibn al Marzuban, ridi-
cularizou a preferência árabe por ··pessoas de pele escura ... Na
própria África, e1n particular na África Oriental, padrões iniciais de
status das n1ulheres fora111 se erodindo con1 o te1npo; depois de
1600, eram escassos os relatos de papéis fen1ininos significativos
na vida pública urbana.
Houve ainda outro resultado do encontro cultural que teve
consequências radicais. No nordeste da África (do sul do Egito
ao atual Quênia) a prática da circuncisão fe1ninina - cortar ou
costurar os lábios e clitóris para in1peclir o prazer sexual e assitn,
presumivehnente, reforçar a fidelidade sexual - foi desenvolvida
antes do isla1nismo. A prática era vista con10 essencial para a
honra de fan1ílias de do1nínio n1asculino. Não era lt1na inovação
111 uçulmana, e de fato não se estendeu para alén1 dessa região.
o i;bmismo atacou essa prática, pois não coincidia con1 a visão
oficial dos direitos da 1nulher e sua sexualidade. No entanto nessa
região da África a prática se disse1ninou co1n o isla1nis1no. A visão
rnuçulmana da inferioridade das 1nulheres e sua reclusão parece
ter encorajado a incorporação de ideias. Assin1, a maior parte
das pessoas que praticava, e continuou a praticar, a circuncisão
feminina e outras alterações genitais nessa região era 1nuçulmana.
Nào-muçuhnanos que adotaram a prática o fazia1n con10 parte de
sua conversão ao islan1ismo, sob pressão dos vizinhos 1nuçuln1anos .
,,.

'o r: - '- ' . :: . : ; . ' ::: - : . :: ! ::: : •, ' : .:

~e..; -a rendiç::io sincrética. n1uiros african os do nordeste encararam


::i cirurgia genital nas mulheres como parte da incorporação das
tradiçõe d.a fé islân1ica.
O islamismo na _-\frica te,-e. é daro. resultados di-.~ersos. _-\.s pressões
africanas por maior independência das mulheres ti,·eram efeito reais.
produzindo uma ,·ersào diferente do islanl.ismo: essa \·ersào têYt
pouca influência direta no pensamento árabe - por i so o espanto
do ,·iajanres - embora seus resultados práticos fossem complexos.
Como na Índia. ao longo do tempo. a influência do n1odelo do
Oriente .\lédio fo i intensificada, en1borJ nunca a ponto de produzir
a expansão da reclu ão ou pu rdah. Eln determinada região, outra
\·ersào d o increrismo reforçou um costume patriarcal preexistente.
de rinado a limitar as experiências eÀllais das mulheres.

Co .---:c LusÃo
O islan1ismo apre -enrou um modelo complexo de relacionamenco
entre homens e mulhere . Suas configurações mais ób\·ias não
são a - intrínsecas à religião. assim como o uso do véu e a reclusão
praticados no Orienre .\Iédio ..\·Iuitas ociedades en1 contato resistiram
longamente a e es costumes e ,·árias delas. declaradamente islánlicas
em o utros sentidos, nunca chegaram a adotá-los de fonna total. ..\o
longo do tempo , no entanto. a pres ão pela adaptação cresceu. e
afetou pessoas que não haviam se con\·ertido ao islamismo, como
os hindus que adotaran1 o purdah. O que é surpreendente é que.
em todas as combinações desen\·oh·idas até o século XL'\. dominou
o ponto de , ·ista do patriarcado . O aspectos d o islan1isn10 que
e nfãtiza vam a espiritualidade e os dire itos, en1bora pudessen1 afewr
as mulheres em sua vida de de\·oçào , tiveram pouca presenÇ3
n a interacào.
culrural. Embora de formas di,·ersas ' na índia e 0 0
norde ·rt- da África, a tendência foi adotar combinações culturais que
prejudicaram as mulheres ainda mais que aquelas pre\-alecentes l3DCO
na culrural original quanto no próprio Oriente i\tlédio.
Esse mt-srno processo de assimilação baseado em patriarcado
rígido se a plico u também a outros casos. Quando o islarnisD1°
~ -
se espalhou para os p ovos non1ades da Asia Central , con10 -
o'
turco . não elín1inou o fa vorecimento entre os nômades do poder
111
e líberdade da mulheres . Assim, as mulheres turcas contínU 3 í-l
,
1
!
87
1
PAOl\ ôLS ISLA M I COS L X T [ RN OS A RlGIA O C í N l RA L
1 1

a participar en1 conselhos tribais e ocasionalmente em conflitos


arn1ados (isso também chocou Ibn Battuta, quando visitou essa
região) . As n1ulheres ton1ava1n conta dos animais, riqueza principal
das tribos, e da organização da 1nigraçào. No entanto, quando os
turcos nôn1ades se n1udaran1 para o Oriente Médio, estabelecera1n
uma organização agrícola e se expusera1n mais aos cosn.1n1es elo
Oriente Médio, tanto islâmicos quanto bizantinos, que enfatizavam
o uso do véu e a reclusão - rapidan1ente adota1n esses costun1es,
pelo n1enos nas classes altas, e esses costumes continuan1 presentes
na Turquia até hoje .
Apenas e1n áreas en1 que o islan1isn10 se expandiu a grande
distância do Oriente J\llédio, con10 a Indonésia (hoje a nação que
abriga a maior população n1uçulmana do inundo), o uso do véu
e a reclusão não tê1n qualquer i111pacto (fora o vestuário en1 festas
religiosas). E1n outros locais, os resultados, a longo prazo, e1n
padrões de gênero do contato com o isla1nis1110 - incluindo os
nào inerentes ao próprio islan1is1no - são os 1nais in1portantes na
história mundial, e1n tern1os de núrnero ele pessoas envolvidas e
de aspectos da vida íntin1a afetados .

PARA SABER MAIS


Sobre O islamismo: Judith Tucker, "Gender and Islamic Histo ry''. em Michae l
Adas (ed.), Islamic and Europecm Expansion: The Forgi1:g of a Global Order
(Philadelphia: Temple Universiry Press, 1993). Sobre a India: Richa_rd E_a ton _
The Rise of Islam and the Bengal Fronlíer,. 72~4- 1760_ (Berk~ley: Uni:1e r~ty ot
California Press 1993)· Zinat Kauser, Musltm Wome11 m 1\lled1eua/ !11dw (1 atna :
Janaki Prakash~n 1992). Sohre a África : Esther Hicks , Infihu/atio 11: f e m~1le
Mutilation in Isla~ic No,theas tern Africa , 2. ecl. (New Brunswick: Transaction
Publishers, 1996); John Ralph Willis (ed . ), Slc:oes and 5/cwer-;1 in_~\111~slim Africa,
2 vos.
1 (Lon d on / T o tow",,, NJ : fi·a- nk Cass
· · • 198)); Ranclall L. l ouvvels,
.. H o rn anel
erescen I: e u 1rura 1 Cl1ange ",, nd Traditional lslam o n the East Afncan Coast, 800-
1900 (Cambridge e New York: Cambridge Universiry Press, 1987).
p
.....
1
1
'

A INFLUÊNCIA CHINESA

No período pós-clássico, un1 importante caso de contato cultural


foi irradiado da China, durante as dinastias Tange Song (618-1279).
Diferente do islan1ismo, não havia un1a postura n1issionária na
China. Havia un1 desejo, por parte dos funcionários do Estado, de
pro1nover uma integração cultural dentro do território chinês, 1nas
mostrava1n desinteresse para fora de suas fronteiras. No entanto,
o poder n1ilitar e a influência econôn1ica regional cio país eram 11

enonnes. Sob os Tang, houve total expansão ntilitar, levando a


China a novos territórios da Ásia Central e do Tibet e a arranjos
tributários com a Coreia e o Vietnã. Outros vizinhos foran1 atraídos
para o rnodelo chinês, simplesmente por causa de seu sucesso.
Assim, uma segunda zona de expansào cultural se desenvolveu ,
menor do que a do islamis1no, mas n1uito forte en1 sua órbit::i.
A China ' é evidente ' estava bern definida na questão de ....,
gênero ,
que se apoiava en1 crenças confucianas e nun1 profundo senso de
hierarquia. O budismo havia alterado muito tin1ida1nente esse siste1na,
con10 visto no capítulo "O budismo e as rnulheres chinesas'', e 0
posterior declínio desse síste1na religioso reduziu o modesto ajuste
feito. As crenças e práticas chinesas enfatizavam a importância do
n:speito e da don1 esticiclade das mulheres. Ocorria1n variações, é
claro. As can1 ponesas, cooperando ativan1ente no trabalho da fan1ília,
não se diferenciavan1 tanto dos ho1nens con10 as 1nulheres das
clcts..,~s altas (en1 bora fosse111 as classes altas que os observadores
estrangeiros ,n~is tom ~1riam corno n1odelo). Durante a dinastia Tano
<"" '
90 H 15 T O R I A D A5 R ELA Ç Ô ( 5 D [ G f N ERO

e em particular na Song, o crescimento econômico patrocinou o


aun1ento de cidades e surgiu uma categoria de mulheres urbanas
com funções de entretenimento para homens ricos; talentosas,
algu111as dessas mulheres chegaram a deter poder considerável,
ainda que inforn1al. Por outro lado, processos ocorridos durante
essas dinastias ampliaran1 restrições para um número maior de
111ulheres. A prática de enfaixar os pés tornou-se wna n1anifestaçào
física da estrita hierarquia de gênero. Como já visto, os pés
fe111ininos eram enfaixados vigorosamente, en1 geral quebrando
ossos pequenos, e o resultado era um andar breve e vacilante,
cuja estética era valorizada, mas que lünitava a mobilidade das
mulheres. Essa prática espalhou-se lenta, mas inexoravelmente,
até o século xrx. Começou em famílias de classes altas, em que
a exigência de tratar as mulheres corno objetos decorativos
pôde ser prontamente aceita. Depois se espalhou em cidades e
mesmonocan1po, como óbvio prejuízo ela proclutividadedas mulheres.
Foi um caso clássico a tendência de as desigualdades de gênero
aun1entarern ao longo do tempo em sociedades patriarcais, como
decorrência da crescente prosperidade e mesmo fazendo uso dela.
A expansão crescente da China possibilitou o encontro com
sociedades em que as mulheres encontravam-se em posição superior
à de seu país. A questão é: o que aconteceu na interação entre tradições
que funcionavan1 bem e os contatos com uma civilização clara1nenre
superior (em termos de poder e prestígio)? Nenhuma sociedade
buscou na China aconselhamento sobre gênero. O que buscavam er,1111
infonnações sobre arte, tecnologia ou política. No entanto, os conwcos
culturais não respeitam fronteiras de assuntos, e inevitavelmente as
ideias sobre gênero passaram a circular também. Este capítulo analisa
dois casos: o doJapão, em que a iinitaçào deliberada começou por volta
de 600 e.e. e continuou pela maior parte cio período pós-clássico; e ~1
dos 1nongóis, povo de pastores nô1nades que conquistou a China e sua
dina~tia Song e governou o país por cerca de cem anos, entre meados
do seculo XTJJ e 1neados do século XIV 0279-1368).

]APÃO

O ~apà~ e:teve i~?l~do do continente asiático por n,uito tempo,


exceçao fe1ta as penodicas ondas de nligraçào para as ilhas. Dtm1ntt'
A I N r I u' N e I A e H 1 ' ( 1 A 91

o período clássico, o sisten1a agrícola en1ergiu , registrou-se o uso


elo ferro e alguns governos regionais rudünentares se fom1aram. A
religião xintoísta se desenvolveu, envolvendo adoração de espíritos da
naturez~ ein sa~tuários locais. con1 celi1nônias dirigidas por sacerdotes.
_os lideres Jª poneses ton1aran1 conhecilnento das realizações
cl11nesas por volta de 400 e.e. Dois séculos mais tarde, por intermédio
ele estudantes e outros enviado à China, que relataram as maravilhas da
econontia e da política daquela sociedade, os costun1es começaram a
ser in1itados seletivan1ente. Em 604, u1ngovemador regional, o príncipe
Shotoku, fez publicar u1na constituição estabelecendo go,·erno e
burocracia centralizados e exigindo respeito pelos valores budistas
e confucianos. Uma arquitetura e un1 planejamento urbano de estilo
chinês foram introduzidos, a ideografia chinesa e proporcionou a
prin1eira forma de escrita, embora, mais tarde, acabasse111 ocorrendo
adaptações à língua japonesa. O gove1no japonês organizou trocas
regulares, incluindo viagens co1nerciais anuais, e os emprésti1nos tanto
culturais quanto tecnológicos aun1enraram . A dança, n1úsica e ane
chinesas penetraram na classe alta. Estilos poéticos foram ajustados
ao idioma japonês. Un1a jardinagem requintada foi adotada co1no
expressào artística. Por algu1n te1npo, foi i1nplantado o sisten1a político
chinês, n1as o Japão, regionaln1ente dividido por ilhas e n1ontanhas.
não conseguiu sustentar o nível de centralização desse sisterna. e
voltaram ao poder fonnas n1ais feudais de organização, junta1nente
con1 constantes guerras inte1nas.
A invasão mongólica da China no século xi11, son1acla ao fracas~o 1
de duas tentativas n1ongóis de conquistar o Japão, reduzir:1111 a ,·is:'"lo
japonesa da superioridade chinesa, e os contatos ativos clin1inuírarn
por volta do século xv1. No entanto, sob o regin1e mais centralizado.
l
porém ainda feudal do xogunato Tokug;nva, o neoconfucionismo
ganhou nova vida, tornando-se o siste1na cultural principal do país.
A educação confuciana se espalhou an1pb1ne~te, e u1na burocracia
confuciana se desenvolveu por volta do seculo :\T11 para ser\'ir
ao xogunato.
Era evidente que o Japa- 0 1·mira,·a n1oclelos de fonna seletiva.
nu 1n rrocesso que se estendeu por urn longo período. >Jen1
todas as fonnas chinesas se mantjveram, ou porque o Japão não
roclia Jssin1ihí-bs ou por Jversào baseada na tradição do país. Ao
mesmo rernro. ficou claro que as prio1idades ta1nbé111 dife.1ian1
~92~ •~ -------------
__!:H~t~, f~()~R_!.__'.IA~DA~l_;R:!_l~IA~(~O_!;__l1:._~D~I~G~(N~l~R

. d' mo por exe1nplo, teve um impacto mais


das dos chineses. O bu is ' . F ·t na China ao te1np d
- d na China. 01 e o o
duradouro no Japao o que
· · ortado com 1nenos reservas do
contato com os japoneses, f01 unp . ~
.d b d'nastia Tang mais tarde. Mesmo no penodo
que as surgi asso a 1 . .
·onismo cnou un1a cultura mais secular
To k'ugawa, quan d o oco nfucl ,
o budisn10 continuou significativo.
Em suma, havia um conjunto con1plexo ele contatos, inas quais
terian1 sido as ilnplicações de gênero, para uma cultura que, pelo
1nenos por um tempo, admitia sua inferioridade, ao mesmo tempo
em que mantinha uma noção de identidade própria?
Con10 várias sociedades agrícolas antigas, o Japão apresentava
considerável flexibilidade nos relacionamentos culturais e de poder
entre homens e mulheres, antes dos contatos co1n a China. Co1110
a escrita não existia, não há registros disso. A n1aior parte dos
historiadores, no entanto, levanta hipóteses de que as n1ulheres
co1npa1tilhavan1 direitos de propriedade com os hon1ens e que a
descendência era traçada a partir das mães. Embora não haja provas,
alguns pesquisadores acreditam que o Japão fosse um 1natriarcado,
co1n as 1nulheres mantendo considerável poder. Havia diferenças
agudas com o patriarcado chinês e, com isso, probabilidade de o
contato i.nspirar considerável mudança .
. E. f~i o q~1e _oc~rreu. O prestígio cultural da China tomou quase
mevit~vel a •~taçao de questões de gênero, ainda 1nais nu111 Japão
qu~ ~ao quena ser taxado de falta de sofisticação. A cópia de inodelos
poht1cos
,- .
acabou. criando
.
mudanças clarase
na 1e1· d e propne · d ad e,
rebaixando os d1re1tos das 1nulheres no final do ~ 1 A º' _
·- - f-- . . . . _ secu o vu. orba
ruzaçao ami11ar . e as condiçoes de transiru·ss'ao d e 11erança passaram
a se. caractenzar
_ _ por um modelo patriarcal' . lo. No entanto,
e1ef'1111c
o Japao nao se tornou a China. A inlitacào _ e . · d
. nao 101 1eva a a ponto
e1e copiar extremos coino O de enf; . .
J

~ .
modelos chineses pel · t _ aixai os pes das n1eninas, e os
' a m erpretaçao que o Ja ,- lh
oferecendo algumas op t 'd d . pao es deu, acabaram
or uru a es mespe d . . l
1nulheres. Em certo sent'd e . ra as para deten111nac as
. " . i o, 101 um caso dá . l . . .,
novas mfluenc1as se mishi . d SSJco e e su1c1 et1smo, com
lL I an o co1n co t . . .
porém, algumas mudanças t'ne s urnes trachc1onais. Houve,
e sperada, J, 1
condições das mulheres nào te. s, ª en de a deterioração nas
. 1 c11egaclo ,10 ~ .
D01s complicadores foram , . . ' nive1da China.
. . l pai t1cularn1ent . ·f· . E
primeiro ugar as versões J'apo e s1gn1 teat1vos. m
' ·· nesas do b d',
u 1sn10 forneceran1 oportu-
A I N I l ur N e IA e li I N l ) A 93

nidacles espirituais e organizacionais para algumas 1nulheres. Alguns


líderes na seita an1idista do budismo deran1 realce à ilu1ninaçào
pessoal, ressaltando a capacidade das 1nulheres nesse quesito,
detern1inando que elas tivessen1 "toda oportunidade de salvação".
O clero budista foi ativo en1 levar a religião para as mulheres,
ainda que, contraditorian1ente, alguns santuários budistas temessem
que as 1nulheres pudessen1 trazer profanação (provavelmente por
menstn1arem, o que era visto co1no poluição). E1n raras ocasiões,
as 1nulheres alcançaram altas posições no budismo, chegando a
mestres na escola japonesa zen de religião e dirigindo redes de
mosteiros. U1na dessas raras 1nulheres foi Mugai Nyodai, que, no
século XIII, dirigiu mais de 15 te1nplos e mosteiros zen. De fa1nília
aristocrática, foi capacitada por um n1onge budista chinês convidado
a visitar o Japão por um governante regional. Mugai acabou
sucedendo ao monge. Isso não foi regra, pois o budis1no japonês
não se mostrou a princípio tão aberto às mulheres, e mais tarde a
ideia da impureza feminina foi reabilitada. No entanto, a alternativa
da vida em mosteiro em vez ele casa1nento para as n1ulheres
persistiu por vários séculos. As peregrinações budistas tambén1
foram itnportantes oportunidades para as mulheres saíren1 de casa.
E os líderes masculinos zen apresentara1n notáveis declarações de
princípios. Como Dogen:
Quando falamos dos fracos existem alguns homens entre eles.
Quando falamos de pessoas nobres, isso certamente inclui
mulheres. Aprender a Lei de Buda e alcançar libertação da
ilusão não tem nada co1n ser homem ou mulher. [. ..1 O que há
de tão sagrado em se ser ho111em? [. ..] Os quatro elementos que
constituen1 0 corpo humano são os mesmos para um homem e
para uma mulher. f. .. J Não perca seu tempo em discussões fúteis
de superioridade de um sobre o outro.
A segllnda coinplicaçào advinda ela influência patriarcal chinesa
foi ainda mais inesperada, en1bora tivesse sua lógica . Pelo prestígio
dos novos contatos culturais chineses, e nun1 cenário que realçava a 11
.superioridade n1 asculina, os ho1nens japoneses se viran1 no direito
de orientar a absorção dos ele1nentos culturais chineses. Isso. no
entanto, abriu oportunidades para as n1ulheres, fora dos clonúnios dJ.
cultura chinesa, tanto antigos quanto novos. A poesia, por exemplo.
'~
l.l:___!_
ll~ I~\ I~ 1)~P.!_:
I A~ll ~A1~~1~ 1!..,_A~(0~ 1~1_l:D~l~ G~,l_.'.:N_:_:IK
~' ( ~l _ __ _ _ _ __ _ __ __

. . , dos ho1nens. que estL1davan1


era da junsd1çao ~ ' o .idion1a chinês , 'ao
· nao
qua 1as mu li 1eres , tm
· 11am ,lr cesso·, 111as
'
elas pocltam escrever prosa,
em japont·s ( utilizando caracteres chineses acla~tados: qu~ elas
hercbram). Assim, grandes trabalhos l1teranos . , · elo penodo . pos-cla
. ·
ss1co
cio Jap:}o são ele autoria ele mulheres, incluindo O ~nn~e1ro romance
do mundo História de Genji (escrito por Muraskai Shtkbu, cerca de
978-1016)., Escritoras mulheres tiveram no Japão uni lugar maior cio
que em qualquer outra sociedade antes dos tempos n1oclernos. Vindas
ela classe alta , tinham tempo para estudar, tempo acentuado pelos
novos limites colocados pelos costumes confucianos importados
no que dizia respeito aos contatos entre os gêneros. Sua exclusão
da cultura chinesa certan1ente as estimulou a reagir, e1nbora sem
manifestações diretas. Livres para se expressare1n na língua nativa,
escreveram obras clássicas da prosa japonesa. Etn alguns casos, a
literatura elas mulheres e o budismo se entrelaçaram, con10 em As
confissões da senhora Nijo (escritas no século xiv), e1n que a autora
descreve a vida de uma monja, cumprindo votos para copiar os surras
e trabalhando para locais sagrados, além ele aconselhar a coite em
assuntos de vestuário e decoração.
Mesmo no nível político e legal, em que a influência chinesa
era mais presente , o Japão mantinha seu próprio tom. As leis
permitiam às mulheres herclare1n posições feudais. No entanto, a
superioridade dos homens persistia, co1no no preceito, de inspiração
chinesa, que autorizava o marido a se divorciar segundo sua própria
conveniência. Esse preceito se combinava con1 a ideia confuciana
dos três níveis de obediência, ao pai, marido e filho. A posição do
homem como cabeça ela família ganhou crescente ênfase.
A influência _ch~nesa sobreviveu ao período ern que a in1itaçào
ele costumes fo, ativa. Como aconteceu con1 0 islanlisino na índia,
sur~reenclentemente houve impactos tardios, conl novas assimi-
laçoes.
. Durante
. . o xogunato Tokugawa, , a enie " · ela rn
. rgenc1a · fl ueAn -
. confuc1ana .mtroduziu novos' consti··,ng
.eia ª 1·01 en t os as
, n1u lh eres .
Entre
_ . outras coisas, desapareceram
. virtualine
, n te as oportumca · l des
de liderança descortinadas pelo buct 1·s 111 . · o
. · ) o, ass11n como o espaç
na literatura. I ara manter a humiklade c!-i , . ll . f .
, • • • J • s n1u 1eres, oran1 m1postos
, • ,

no\ os l1m1tes sobre o vestuano fen11·ni· U . .b.,


. ., . no. 1na 1e1 de 1683 pro1 1,1
cre pe de seda fino bordados e roupas t· .
. ' ' 1ng1c1as . Outras leis torna-
ram-se mais severas, como demonstr e . . -1
a um caso ocorndo en1 171 ,
A I N I l ur N eIA e H I N l 5 A 95

. que urna.·1nulher relatou


em . a auseA neia
. d o ma11··d o e a suspeita
. de que
ovesse n1on ido..d Confrrn1ou-se que O pai. d e 1a 11av1a . . d o na
. part1c1pa
11101te d o 1nan
. o . A partir da~ e ·1
1, 101 evantacla a questao- se ela teria violado
um preceito
. •
de obediência
• e
c onfuc1ano,
· • •
ao atacar, 1nvoluntanamente,
o par. As leis
"
chinesa , citadas
'
pelas auto 11-·da d e Japonesas,
· o b ser-
varam que qualquer pessoa que expõe o crin1e de pai e rnàe deve
ser inorta", . ao passo que o código japonês dizia que ·'qualquer
pessoa que tnfonna u1n n1al feito por seu pai e 1nàe deve ser banida".
Autorida?es acadê111icas citara1n, na apelação, os "princípios fun-
da1nenta1s que governa1n as relações hu1nanas", incluindo as obri-
gações da n1ulher para com pai, marido e innào. Evidente1nente
o fato de que pais não deveria1n matar 1naridos e de a 1nulhe;.
ignorar o acontecido foi atenuante para a pena . Ela não 1nerecia
pena de morte, observou o diretor da universidade, mas "deveria ser
condenada à escravidão" (e antes disso ficar presa por u1n ano).
O confucionismo reinou absoluto, detenninando não só novas
condições de inferioridade para as 1nulheres, con10 tambén1
aun1entando a distância educacional entre os gêneros, à 1nedida que
os hon1ens, e apenas poucas mulheres, puderan1 se beneficiar da
proliferação das escolas confucionistas e budistas nos séculos xvm
e XJX. Os valores estéticos chineses mereceran1 ta1nbén1 atenção.
Um ro1nance da era Tokugawa descreve co1n admiração o ideal de
beleza fen1inino: "Seus pés tinha1n o co1nprin1ento de oito 1noedas
de cobre; o dedão se curvava para cüna e as solas era1n translúcidas
e delicadas". No entanto, apesar dessa evidência de assitnilaçào, tuna
tradição 1nais independente sobreviveu para i1npedir a expansão
do enfaixamento dos pés femininos. O sincretisn10 persistiu, ainda
que pesasse 1nais a influência chinesa. ~
Assim, durante e depois do período pós-clássico, na Asia Oriental
a questão de gênero se viu bastante influenciada, e1nbora não
totalmente detenninada pelos padrões chineses. lVlenos extensa
do que O território 1nuçuln1ano, era ta1nbé1n un1a região n1enos
variada; nela os valores chineses gradualtnente se n1ostrara1n 1nais 1
persuasivos cio que os do Oriente Médio (e1n ~arte po_rqt~e havia
menos complexidades religiosas internas pa1~a cnar an1b1gu1dad~s).
Em ambos os casos, é claro, os contatos aJudaran1 a expandir o
patriarcado em sociedades cujas relações de gênero tinhan1 sido
rnais equ ilibraclas. Na Ásia Oriental, o patriarcado se apoiou intei-
o,~
~
~ ~ ~~ ~ ~ ~ - ~~D:_.'..f_:_G~í~N ~ll\~0'..____ __
i-1 11TOR I A DAI ltl lAl,, ÓlS
_ __ __ _ _ __

ramente em argumentos secu 1,ue - s · Essa diferenciação


. d1nostrou-se
. . t quando outros tipos e contato
importante mais recentemen e . d d . 1l d
_ l ,
levaran1 à reconsicleraçao e os pa drões antigos e es1gua e a e ·

Ü INTERLÚDIO MONGOL
A influência chinesa foi menos persuasiva, no entanto, no caso
mongol . As condições ali eram bem diferentes, porque os mo~góis
cheoaram como conquistadores, não co1no alunos-aprendizes.
Sua: tradições ele gênero eram mais distantes elas da C?ina do
que as japonesas haviam sido (pelo menos sabe1nos n1a1s sobre
os contrastes no caso dos mongóis). O período de contato foi
também muito mais curto. As interações na questão de gênero
foram importantes, despertando uma aversão mútua n1ais do que
propiciando um sincretismo. Os episódios de contato tiveram po-
tenciais diversos, e isso foi uma variável reveladora.
Como com muitos povos não agrícolas, os n1ongóis avaliavam
as mulheres por uma variedade de funções . Chefes de clã e outros
altos líderes podiam praticar a poligamia - 1nais pela falta de
homens devido ao número de guerras do que pelo n1enosprezo
pelas mulheres-, mas a esposa principal ele um governante tinha
status especial. As mulheres tinham importância na política e
ocasionalmente em conflitos armados e desempenhavam papéis
vitais na ad1ninistraçào dos rebanhos. Mesn10 antes da conquista
n1ongol ela China, visitantes observaram a importància e a in-
dependência das mulheres mongóis. Gêngis Khan , o primeiro
grande conquistador, 1T1ostrava grande respeito pela opinião <la
mãe e ele sua primeira esposa. Depois da morte de un1 Khan, ou
g~vernante, a viúva com frequência assumia a regência, engajava-se
anvamente em lutas de poder pela sucessão (algun1as vezes sendo
derrotada e execurnda - preço a ser pago pelo papel significativo
que desempenhava) .
O maior imperador mongol, Kublai Khan, embora cercado por
, · h · d
competentes burocra tas chines
, . . ~ .·, es, n1antm a as tradições ace1tan
a míluenoa de sua esposa mais ve]l1a CI b ' A
°
. , , 1a 1. ta1entosa Cl1..-1b1· ,
cunosamente, defendeu uma maior ad- t , . 1i-
. . . .·. " c:lp açao aos costun1es C1
neses. Assnn, aconselhou os mongó· , . . I ra
. ~ .. · 1s a respe1tare1n a agncu tu
c1110esa, que para eles en L _.
m ~15tema novo e inferior, porque
1
'
A IN 11 U rN C 1" CH IN 1 ~" 97

via ali un1 enonne potencial de produtividade. Ela redesenhou


os unifonnes n1ilitares para torná-los n1ais práticos e ad1ninistrou
JS rotinas da corte. Seu desejo era construir un1a dinastia nova e
duradoura que se inscreveria na história chinesa.
Não é de se surpreender, no entanto, que Chabi tivesse pouca
tolerância co1n o trata1nento chinês dado às 1nulheres. Ela e outras
líderes mongóis tentaran1 usar o casamento para concretizar alian-
ças políticas no vasto i.tnpério. O resultado implicitan1ente desafiou
o grande ainda que informal poder que o sisten1a imperial chinês
deu às viúvas dos imperadores, com o apoio de suas fa1nílias de
origem. No sisten1a n1ongol, o poder de u1na mulher decorria
de seu próprio talento, so1nado ao casan1ento que tinha feito, e
não das ligações da fa1ní1ia 1naior. No entanto, essa n1udança não
durou 1nuito.
A principal consequência do contato chinês-n1ongol foi convencer
ambos de que as práticas de gênero do outro estavan1 erradas e, na
visão dos chineses, os mongóis eram simplesmente in1orais. Para
observadores chineses, a independência das n1ulheres n1ongóis
somava-se à aversão dos mongóis à higiene e à inexistência de
sobrenomes sendo todos sinais de barbárie. Por vezes, o contato
'
entre duas culturas aun1enta as hostilidades mútuas e1n vez de gerar
acon1odações na questão de gênero, e foi o caso aqui. Ainda que
os chineses não tenham piorado o status de suas n1ulheres con10
reação, é bem verdade que o enfaixan1ento cios pés continuou a
se expandir, enquanto as leis, durante e i1nediatan1ente depois cio
do1ninio mongólico, reduziran1 as reivindicações das esposas e
l

viúvas sobre direitos de propriedade dos dotes levados por elas por
ocasião do casainento. Os regulan1entos sustentavan1 que viúvas e
divorciadas não pocliain retomar os dotes se voltassem para casa ou 1
1
tornassem a se casar. As razões para essas re,,i sões legais tardias sào
co1nplexas, mas induían1 o desconforto de eruditos neoconfucianos 1
com o controle ela propriedade por parte das esposas. Quando os
mongóis se vinHn a final expelidos ela China, as relações de gênero
nào refletian1 tra<,;os de seu regiin e, e os chineses estavam ainda
ll1ais convictos da inconveniência de receber valores do mundo
exterior, particubrn1ente questões bastante arraigadas con10 fan1ília
e política .

>
')i:'J fj j \
~ ~~-- - ---
1 ' I I f ) /} A \ 1 1 1 A ( Ú f \ 0 I
(, t ,., U O

CONCLUSÃO . · r ·
fl . eh'inesa e confuciana atmg1u as rt-
eia - r • r

A (.,'xpansao da m uen d As,ia embora nem todas as


~ u nde pa11e a ,
L.1cô<:s
· de genero
., em bra h' . cassem
e mese5 ,, afetadas.
· Os contatos
05
pcsso;.is em contato com · tos 1-111 prevísíveis da reproducào
1 . dos aspec ·
demonstraram a guns , . espeitavam a superioridade
-. J/ O5. . oneses ha muito r .
de. mode .,
os. lªP
, - r certo tempo o empres '
, t'mo de costumes cnou
l
e 1inesa, mas po mulheres tanto por inter-
oportunidades surpreendentes para as ' . _
, . . d'
med10 do bu 1s1110 como . por seu papel em assuntos
_ cu
. 1rurais na.o
.
chineses. As d'istrnço. ' es o'bvias entre as reaçoes . dos Japoneses
. e
a cos1 mongo1s ,. . a- m· fltie~ncía cultural da Chma .refletem diferentes
.
pos1çoes· - de- poder em relação , aos chineses, assim como diferentes
rradições relativas ao papel político das mulheres.
Hi~roricamente, a reação japonesa foi a mais importante, mos-
trando como o contato com padrões chineses ajudou a disseminar
um sistema patriarcal mais rigoroso por grande parte da Ásia
Oriental. Aqui, a comparação com o islamismo e a influência
elo Oriente Médio nos mesmos períodos, do século VII até xvn e
xv111 , é reveladora . As especificidades diferiram de várias maneiras
importantes e em nenhum dos casos houve uma aproximação
cultural homogênea, mas o contato ajudou a redefinir os papéis e
slatus cbs mulheres, levando a uma maior inferioridade feminina e
funcões mús limitadas durante virtualmente um milênio, em grande
pa11e elo mundo afro-eurasiano. Elnbora não fosse inevitável, o
exemplo dado por civilizações mais patriarcais foi muito forte. O
empn:stimo de sistemas de gênero fazia parte de esforços mais
amplos para desenvolver estados e culturas, e os líderes masculinos
nas sociedades que reproduziam modelos de outra rapidamente se
apoderaram das vantagens aparentes cJ . d I
• e tais 1no e os.

f>ARA SABER MAi S

\obre :1 J)r<>pri;.i China: Patríci;.i Ebrty Jb,, . .. -


1
<JÍ Chint.'-,<: W(Jm<:n in tht Sun , P" . ,d (; nner Qua rters. tvlarriage an<l the Li' e.,
f 9<,JJJ; kutJi S. W;itwm t Patrici,7f-/no ( (Derktley : University of Californía Pres;·
focíe{y(Ji<:rkclty: Universirv r ~ C,·)l~~y t_cis.J, Mantage and fnequality ín Chínese
J }1n F;.11rh;ink
0 . , J .a 11orn1;.1 Prc:s 199 _
e h.Jwin Rti<;c.·/1,1 _ c·i . ·s, JJ. Sobre o período moo
gol:
1 . . 'll(f, IJlrta J', /' · . ri:
i< n,g!JJun M1ft1m 1989 )· I< 1 _ A ' Jac llton and7 ransronnation<Bo 5to
' • () )t ft 1vfarshJ1l Sto ·. ~ .Jl . bt1ll
' rrnJ,om lhe fast,from Gengh1s K
---
_ _ _A , N , , 11 r "'l , A _ _
t 1, , N , , A <J_' 1

to M111hilal Kh(/11 ( lkrkc k -y: l lniversi1y of C ilifnrntt Prl'ss, 1993); David Morgan ,
n,e 1llu11_wils (Oxford L' Nl'w York : I3lackw cll , 1986). Sobre o Jar~10 : Ry usaku
Tsi1r1od:1 , Willi:1111 de Oa,y L' Donalcl Kcenc <eds.), So11rces <if}aj)nnese 1i'adilio11,
(NL' 'vV York : Columhic1 lJn iversity Press, 1964); Conrad To lman , h'cir~y lvlod ern
1

/ti/H Iii (lkrkcll'y : U ni vc..:rsi1y of Ca lifornia Press, 1993); Da v id Lu , japa11, / I


·u orn111e11lmy 1-Jístory (l\rmonk, NY: M. E. Sharpe, 1997); Conrad Schirobuer, A
/Jric{I /ist,ny r!{ Chi11ese and_fapunese Ciuflizat/011s, 2. ed . (San Diego: Harcourt
Br:tCl ' _l ov: 1novich , 1989); Kozo Y~1mamura, The Cambridge History o f Japan, 3,
Medie1Ja!JajJa11 (Ca mhriclgc e New Yo rk : Cambr idge University Press, 1990) ;
_1cífrcy tvl:1ss, l.ordsb1/w 11d l11beritm1ce 111 l:.árly MedievaUapan(Stanforcl : Stan ford
lJni vl'rsil y Prl'SS , 1989).
. l
1

1
RESULTADOS DA
EXPANSÃO EUROPEIA,
1500-1900

, /
1
1
Os contatos entre as principais culturas se aceleraran1 nos
séculos após 1500, envolvendo várias formas de expansão e in-
trusão promovidas pela Europa Ocidental. Foram os séculos do
colonialismo europeu e depois iinperialismo. Os países europeus
conseguiram vastos territórios nas Américas. Pouco depois, den1ar-
caram importantes territórios en1 várias partes da Ásia, em particular
no sul e sudeste. Mais tarde, voltaran1-se para aquisições na África
e na Oceania. A conquista não era a única forn1a de expansão
europeia. Os europeus desempenharam u1n papel crescente no
co1nércio mundial, estabelecendo pontos dessa atividade por todo
o globo. E por fitn, precisamente por causa cios novos sucessos
da Europa, líderes de inúmeras sociedades decidiran1 introduzir
certas reformas internas inspiradas no padrão europeu. A Rússia
foi a priJneira a se dedicar a utn progran1a de ocidentalização sele-
tiva, n1as outros países con10 o Japão desenvolveriam n1ais tarde
tentativas semelhantes de reproduzir costu1nes ele forn1a controlada.
Todos esses contatos, é evidente, tinham itnplicações nos relacio-
namentos entre homens e 1nulheres e nas concepções de gênero.
Os europeus tinhatn visões be1n definidas sobre o que era certo e
errado com respeito a gênero, e não se intin1iclavam ern julgar os
outros ou insistir em 1nudanças. A expansão europeia foi, desde
o começo, acompanhada por tentativas deliberadas de interação
q
104 H I S I t) RIA O II S R L L II ç O I S O I G ( N l RO

cultural, nos tern1os europeus. Missionários cristãos seguirarn


calca~l~ares dos conquistadores e come1:ciantes. As autorida~~s
colon1a1s, refonnadores e outros grupos particulares também leva . s
narn
1nensagens sobre gênero nos anos que se seguiram.
Os capítulos desta seção trata1n de alguns dos casos mais lfh. .
portantes de contato, envolvendo a Europa Ocidental ou pessoas d
origen1 europeia que interagiran1 con1 outras sociedades regionaise
Vários pontos 1nerecen1 destaque. A expansão europeia não foi~
único acontecimento histórico n1undial nesses quatro séculos. Cena
nún1ero de sociedades tinha se isolado há n1uito do contato com
a Europa; outras interagian1 através do comércio usual e parcerias.
Vimos nos capítulos "O budisn10 e as 111ulheres chinesas" e "Padrões
islâmicos externos à região central" con10 as influências islâmica
e chinesa continuaram a ocorrer en1 partes in1portantes da Ásia e
África, independente1nente da interferência europeia. É verdade que
o crescimento da Europa detem1inou alguns dos 111ais extensivos
contatos internacionais, con1 ricas implicações para a questão de
gênero, mas houve 1nuitas n1udanças além dessa .
A ascensão da Europa não transforn1ou n1agica1nente a natureza
do contato internacional. Por certo, os europeus, lidando com o
que costumavam cha1nar de "nativos··, era1n noraveln1ente seguros
de si mes1nos e intolerantes com as diferenças. A 1naior parte dos
contatos delineados nesta seção envolvem de forn1a ampla , embora
não exclusiva, u1n trajeto de mão única, exan1inanclo o que associe-
dades regionais absorviam ou deixavam de absorver dos modelos
europeus, n1as muitos dos tipos de contato fora1n bastante sen1elhantes
a contatos precedentes. As atividades n1issionárias crist~1s ern
particular se alinharam con1 as atividades 1nissionárias conduzidas
anteriormente por outras religiões, com alguns tipos se1nelhanres
de in1plicações nos relaciona1nentos hon1em-n1ulhe r. As contradições
do cristianismo ta1nbém afetaran1 as intera ções con1 povos 1130~
cristãos, e isso incluía algu1nas das 1nes1nas te nsões entre crençi_;
1
na igualdade espiritual e ênfase na autoridade 1nasculina que " •
mos no budis1no e isla1nis1no. Cotno ern outras religiões, JS ren·
,, . d o cnstian1sn10
sões propnas . . . aca bavan1 na prática acentu -indo o 0

patriarcado. . 0
No entanto, alguns tópicos eratn novos. En1 prüneiro lugai , 10
. l
.
a 1cance europeu era 1ncnve n1ente vasto, mesmo compara do 'ao e

ll 1
' " 1 1 ,.. lJ u ' r> /\ 1 x r ,. N \ " CJ I u~o 1· 1 1 " • l 5 O O l <) O O 105

isl:1111is'.no pôs-cl[~s~ico_. Assim, os contatos com. padrões de gênero


L'rwolvi:,m un1a scne diversa de ·ocieclacles regionais, o cilando de
grupos ele c 1ç~1 e coleta a civilizações mai eminentes ela Ásia . Da
rnc:--111:1 fo1:1n~~, os re_sultaclo - variava1n, em pri1neiro lugar porque
1inh:1m v:1naçoes regionais precedentes, n1as tan1bé1n porque grupos
difere ntes ele e uropeus tentaran1 coisas diversas. Os protestantes,
por exen1plo, e n1 geral era1n 1nais lentos e111 interferir con1 os
:,rranjos locais na questão ele gênero do que os católicos, e1nbora,
qu:1nclo is ·o acontecia , o irnpacto pudesse ser inte nso.
Al~1n cio mais, os padrões europeus n1uclaram ao longo elo te111po .
No início cios contatos, nos séculos >-"-'1 e >-'VII, eran1 forte1nente 1narcados l 1

pelo cristianis1no, sendo o catolicisn10 particulannente itnportante.


As ideias cristãs sobre sexualidade adequada e domínio n1asculino
no c1s:1n1ento eram bastante ressaltadas. Por volta dos séculos XVIII
e x,x, no entanto, a 1nensagen1 europeia ficou mais con1plicada.
Os europeus (sobretudo, 1nas nào exclusivamente, protestantes)
clescortinaran1 uma definição sen1 precedentes de ideais n1asculino '
1
1
e fe1ninino. Nessa equação, os ho1nens eram en1 pritneiro lugar
trabalhadores e figuras públicas. As responsabilidades das mulheres
eram prioritaria1nente don1ésticas - un1 velho ten1a , é claro, agora
aclornaclo con1 novas crenças sobre a fragilidade e bondade 1noral
., I
do "-exo 1nais fraco" . Arranjos que clava1n às n1ulheres clen1asiacla
liberdade, co1no trabalhadoras ou ativas sexualtnente, podiam ser
criticados a partir desses p adrões, assim con10 arranjos que não
cred itavan1 qualidades morais e virtudes do1nésticas às mulheres.
Então, por volta da segunda 1netade do século x,x, e mergiu un1
terceiro 1nodelo, no qual certos grupos de 1nulheres ocidentais
1x1ssaran1 a exigir novos direitos, e1n parte baseados en1 argu1nentos
ele orden1 moral, em parte para co1npensar sua infe rioridade no
trabalho e na vida pública. Essas asse rtividades podia1n afetar as
interações coni O inundo 1nais an1plo. E1n sun1a: 1nuitas trocas
internacionais e ntre 1500 e 1900 tinhan1 un1 con1ponente con1u1n,
que envolvia contatos coin a Europa, só que a própria Europa estava
em rápida ,nuda nça. Isso con1plica as avaliações sobre as interações
e complicou as próprias inte rações. O que, por exen1plo, o esforço
missionário trouxe por volta do século x1x: pontos de vista cristàos sobre
gênero~ Novas ideias e urope ias sobre a "verdadeira" fe n1inilidade?
Ou n1esn1o propostas ele novos direitos das tnulheres? A resposta , ~ls
VC?es, podia ser as três.
~lvO~o_::H~ 12_:
-
1 T~,,~;_~1\~[',\~
) ~ 1-.:..:_I~l\~
(~,}~[S~ D:_:(~G:'....'..(_:_

o contato com a Europa com frequência se reveStia de um status


N ~(
---
":.:º-:. - - -- - - -- - -

político e econômico colonial, diferente das interações dos períodos


cl:íssico e pós-clássico. A superioridade europeia era mais difícil
de contestar do que a chinesa ou muçulmana, introduzida que era
peb força das ai11ias e de contratos comerciais desequilibrados.
Mudanç;s econômicas, além do mais, geralmente complicaram
os resultados da troca cultural. Algumas vezes, o patriarcalismo
cristão tornou mais fácil as mudanças nos papéis econômicos de
ho1nens e mulheres - ou seja , todos os contatos impulsionavam na
me ma direção - mas, algumas vezes, as implicações se chocavam.
Essas complic1ções não foram tão significativas em outras épocas.
O sincretismo e a resistência eram ainda possíveis, 1nas as várias
configurações da presença do crescente mundo europeu tenderam
a mudar as regras do jogo.
Os europeus. embora afetassem, consciente ou inconscien-
temente, sistemas de gêneros em outras sociedades, nem sempre
alcançaram o que . pensavam ou professavam estar alcançando.
Embora não surpreenda, é bom que se ressalte isso. Os europeus
em geral reivindicavam estar ajudando a aprin1orar as relações de
gênero. e em particular as condições das mulheres - isso realmente
ocorreu nos séculos >-.'\ rn e :\lX - , mas por se equivocarem com
os sistemas de gênero nas sociedades envolvidas, e1n vista de se
prenderem a avaliações limitadas sobre homens e mulheres, e
porque seus esforços culturais podiam ser contestados pelas mu-
danças que geravam na vida econômica e política, suas alegações
eram, com frequência, enganosas. Em décadas recentes, graças
principalmente à ação feminista aplicada à história mundial,
historiadores abriram novos debates sobre O que O colonialismo ou
o comér~io sob domínio europeu, suplementado pela troca cultural,
verdadeiramente fez nas vicias de homens e mulheres.
Para finalizar, dois pontos: os europeus quase nunca conseguiram
reformular padrões ele gênero regionais como esperavam. Isso ern
parte decorre~te das contradições inerentes a seus esforços - por
exemplo, podiam defender maior importância para as nlulheres, mas
ao mesmo tempo sola par sua independência econômica. Isso cambé01
decorre da teimosa . . insistência e,n soci·ed ad es reg1ona1
. •s de reter
componentes
, . familiares e em configurar parte d a mteraça
. , 0 em setJ5
propnos termos. Isso, é claro, é um padrão predo1ninante em conratoS
Rl S lJ L 1 ,\ O O I nA I X I' A N I A O I li R O I' 1 1 A , 1 5 Q O . 1 ') Q Q 107

culturais,
_ e não s .urgiu nesse peno , d o . o s grupos e 1nist uravan1 e
·e a1ustavan1, aceitando
_ alouns
o con1ponei1tes e uropeus e re1e1tan
· · do
outros, n:.i 1nelhor torn1a sincrética • o te 111ae cla e xpansao
, europeia·
com un1:1
.
arrogante
,
auto-e tin1a não
e
eleve obscurecer esse processo.
As mte raçoes e nvolvian1 ho1ne ns assin1 con10 n1ulhe res. Os
cap~tl~los nesta s,e çào tratan1 desproporciona line nte d a parte
femmma porque e esse o aspecto de gênero mais discutido, mas
ele fato os europeus co1n frequência tentara1n redefinir padrões
tanto para n1asculinidade con10 para fe1niniliclade . Isso fica evi-
dente, por exemplo, quando, no século x,x, os europeus se
mostraran1 chocados perante as diferenças regionais a respeito elo
co1nportamento homossexual. As redefinições, no entanto, podiatn
ser 1nais sutis. Os arranjos europeus, ao tentare1n alterar aspectos
tradicionais da guerra ou colocaren1 homens locais en1 posições de
inferioridade econômica e política nào usuais, poclen1 ter gerado
reações 1nasculínas que buscavan1 recuperar, de novas forn1as ,
as identidades de que gostavan1. Muitos europeus encarava1n
os hon1ens "nativos" como crianças, e essa perspectiva poderia
detenninar tanto empenhos 1nasculinos e1n i.tnitar a respeitabilidade
europeia quanto ataques contra o ridículo, incluindo esforços para
afinnar a n1asculinidade de novas formas. Não raran1ente, esse
processo exerceu impacto sobre as n1ulheres tan1bén1, algu1nas
vezes suplen1entando, outras co1nplicando as 1nudanças que os
europeus esperavam inspirar nessa categoria .
Os capítulos desta seção envolve1n grandes períodos, desde
o início da nova expansão europeia no século xv1, avançando
século xx adentro. Con10 antes, as i1nplicaçôes da interação nos
relacionatnentos hoinen1-n1ulher con1 frequência leva1n décadas,
mesmo séculos, para apresentare1n resultados. Alén1 disso, o contato
europeu era extenso ein termos geográficos. Começan10s co1n os
impactos sobre as Ainéricas, estendendo pelo s~culo x1x e con1
implicações para alén, desse ponto. A que~t~o n~1 India env?l~e os
séculos xvm e xi x, prolongando-se pela cont1nu_açao do colon1ahsn10
e uropeu e surgimento do nacionali~n1~ no secu~o xx. Os contatos
ela Europa con1 a Polinésia são topteo dos seculos >-·vu1 e XIX, 1
pre e nte no capítulo "Influências ocidentais ~ reaç~es region~is: :1
Polinésia e a África .,, enquanto novos tipos de mteraçao con1 a Africa
coineç~nain 110 século XIX , n1as continuararn na prin1eira n1etade do
I08 H 1, ro R, , o ,; R 1 1A eo1, or G rN t Ro

século xx. Por fim, 0 capítulo "Ocidentalização e gênero: além d


modelos coloniais" examina um tipo diferente de interação coos
o Ocidente, em que as sociedades envolvidas: em_ vez de sere:
encaradas como colônias, deslanchavam tentativas independentes
de reformas seletivas ao longo de linhas ocidentais. Um desse
/ . 1 s
casos de ocidentalização começou com a Russia por vo ta ele l 700
e se estendeu até o final do século xix e início do xx. '
Em 1900, a maior parte das sociedades continuava patriarcal,
No entanto, graças aos contatos, incluindo as decorrências das
1nudanças nas fón11ulas europeias para a questão de gênero, as
expressões do patriarcado com frequência se modificaram, muitas
vezes realçando as desigualdades, mas em outras 1nudando pelo
n1enos algumas das manifestações tradicionais principais.

PARA SABER MAIS


Dois modelos históricos discutem as implicações do aumento da influência
europeia, do século xv1 até o xx, de fonnas bem diferentes. A teoria econômica
mundial realça as novas formas do poder político e econômico europeu, e isso
pode ser aplicado à questão de gênero: Immanual Wallerstein, The Modem W!orld
System, vols. 1 e 2 (New York e London: Academic Press, 1974, 1980), vai. 3
(San Diego e London: Academic Press, 1989). A teoria da modernização realça
os esforços de imitar modelos ocidentais, com frequência na direção de uma
reforma. Um bom e recente trabalho é de Alex Inkeles, One Wor/d Emerging?
Convergence and Divergence in Industrial Societies (Boulder, Colo.: Westview
Press, 1998).
...

ÜS EUROPEUS E OS POVOS NATIVOS DAS AMÉRJCAS

Um dos grandes episódios do contato cultural na história mun-


dial envolveu a incursão dos europeus na América do Norte e
do Sul a partir de 1492. Os contornos da história são fan1iliares .
As descobertas de Colombo levaram a uma rápida conquista
europeia, en1 particular na América Latina e no Caribe; na A1né-
rica do Norte foi um pouco mais lenta . Virtuahnente todas as
vantagens no intercâmbio ficavam cio lado europeu. Eles tinha1n
superioridade tecnológica, co1n armas de feITo e de fogo e G1v:.1los.
Tinham imunidades superiores às doenças; os contatos com as
doenças europeias e africanas acabaram matando 80°/41 ou n1ais
da população nativa a1nericana em dois séculos. Rapicl:1n1ente, os
europeus estabelecera1n arranjos econômicos que os beneficiari:.1111
confiscara1n terras dos nativos, tentaram usar sua força de trabalho
e, quando isso não foi suficiente, importaram escravos. As estruturas
ele governo dos nativos americanos foram rapidamente sobpadas.
em particular onde , como na América Central e nos Andes, eran1
.

n)
ais elaboradas.
As incursões desse tipo inevitavelmente sacudiram as culturas
tradicionais an1ericanas _ 0111 a rica variedade delas. Além disso, os
europeus deliberadamente tentaram converter os nativos ao cristi3-
, . o n1ovunen
nis111o • to SL11.,._,º1·u p1-1·111eiro em· áreas católicas, sob o
controle da Espanha, Portugal e França . As atividades protestantes
- ~• l_'..
I ~A(.:-._'.l~) 1~1 ~ l~l 1__:<>
~ f~N~l~ll ~p_ __ _ _ _ _ _ _ _ _ __ _ _ _
11() li 1' 1 ,,1 " - '.:_) '
~ '

. • t maior no século x1x. Por fii


foram mais le ntas, com ,mpac O . , . n,
. . . lt' do 1c0 i um assalto n1ass1vo sobre as praticas
no entanto, o 1e.su a '

culturais ex istentes quase por toda parte. .


1111
A questão ele gênero esteve e1n pauta desde c~d~, ta~to Plícita
. •~
quanto exp 11cttamen t
e . A don1inaçào europeia 1nevitaveltnente
.
afetou o status dos homens nativos, forçados ª relacionamentos
ele subordinação. Isso se deu particulannente onde economias
agrícolas substituíra1n a caça e a coleta, con1o e~n gran_d e P: rte da
América do Noite. Em muitos casos, ocorreu n1aior sub1ugaçao das
mulheres, à ineclida que os ho1nens afirmavam sua inasculinidade
de novas formas. A força cultural inais explícita era o cristianismo,
cujos missionários tinhan1 fortes convicções de como hon1ens e
mulhere deveriam se relacionar. A visão cristã, en1 particular o
protestantismo do século x1x, incluía juízos finnes sobre sexualidade,
e isso afetou a organização dos relacionan1entos entre inulheres e
homens nativos das Alnéricas.
As culturas nativas não foram destruídas. Elementos centrais se
combinaram com demãos de cristianis1no, tomando uma forma
sincrética característica. Ainda assim, a n1udança foi inassiva, mesmo
quando se pennitiu a grupos indígenas ceita liberdade e1n questões
específicas. A questão de gênero foi um item en1 que os contatos
com os europeus interferiram na vida dos nativos americanos, com
frequência confundindo-a no nível mais básico e pessoal.
As trocas entre europeus e indígenas se desenvolveram durante
wn longo período, começando seriamente no século xvI em
algun1as áreas-chave, mas gerando sempre novos contatos até o
século xrx estar bem adiantado. Ainda assitn, talvez pela evidente
superioridade europeia nos contatos, o que houve de con1un1, tanto
nas missões católicas do século xv1 quanto protestantes do século
xrx, foi a n1eticulosa organização de internatos administrados por
brancos.

PADRÕES BÁSICOS

· f'igenas e os europeus
. Os. resultados dos contatos e n tre os 1nc
finevitavelmente variaram. Em primeiro luga1,. cu Ituras tn·bais
· d1· -
erentes envolviam relacionan1entos homem-1nulher bastante di-
-
-----
_ __ __ __
Ü ..:.._
I _:_'..::_U..::_F-O:::__r'._::_':
U_:_ ~~~~~~~~-~
I ~t~O~l~ P O~V~O'._.:I
N A 1 l VO I DA I A l R C -~ 1
1.1 I 111

versos , que por sua vez haveria m d e d eterrrunar


· · eo
a perspectiva
. acto europeus.
1rnP . Em segundo lugar, os modelos levados pelos
europeus vanaram, dependendo do momento e do lugar. Os índios
na ~.\ u.-nérica
.
Latina e em partes importantes
· do Canada✓ sofnam •

pressão do catolicismo missionário, que chegou primeiro. Quando


os protestantes - crença que predominou nos Estados Unidos -
começaram, no final do século Xv1II , a incitar a conversão religiosa,
sua abordagen1 foi supleinentada por crescentes crenças no papel
doméstico quase sagrado da mulher - o que alguns chamavam de
-- 0 ritual da verdadeira feminilidade".

Um grande número de experiências importantes na América do


\iorte diferiu das de grandes civilizações ameríndias na América
Central e nos Andes. Na Anlérica do Norte, o contato co1n os
europeus justapôs sistemas que combinavam caça e agricultura,
nos quais as divisões relativas aos gêneros eram agudas, n1as
sem grandes desigualdades, com as presunções do patriarcalismo
europeu. Nos principais casos da América Latina, o contato justapôs
sistemas patriarcais diferentes, em que a desigualdade já era
marcante antes da chegada dos europeus. Aqui, os resultados do
contato foram também notáveis, mas em geral mais sutis do que
as deterioracões ocorridas na América do Norte.
::,

Apesar da variedade, no entanto, houve un1 fio co1num . Em


primeiro lugar, o contato con1 os europeus e1n geral piorou as
condições das mulheres índias, en1 parte por causa das reações dos
homens índios, mas principalmente porque os europeus tentaran1
reforçar a hierarquia de domínio masculino. Em segundo lugar,
os europeus se declaravam muito chocados com as condições
dos índios, e convictos, com frequência, de estaren1 ajudando
as mulheres. Visões conflitantes sobre trabalho e sexualidade
figuravam com destaque nessa confusão, a qual , por sua vez,
tendia a reforçar a propensão para a deteri<:raçào na condição
das mulheres . As visões europeias sobre genero eran1 menos
igualitárias do que as da maioria dos grupos indíg~n~s, pelo
menos até O final do século xix. Essas visões eram constnu1das por
Pressões para mudar para a agricultura e se af~sta~ de conflitos
armados , o que teve co nlo 1·nesperada consequenc1a a volta das
agressões dos índios para dentro do grupo, em geral contra as
.- _ ___:_:__'__:__'__:_..:...:___:__:__~
_ __ · --~!•_ _ _ _ _ __ __ _ _

mulhert:S. Essa ítuacào


.
ce-rumente dt:corrt-u da ín<.~.f>"Gt<.í<k.<1-,
. }._, í
t-uropeu dt- admitir O bom funci0namtnt0 de rJutr(J ~i~ r.: r./, r1,:
género dift-rtnte do SéU. -.

.-\ conqui t2 t spanhola Je\·ou ób\·ios desafkJS para r)~ éVirr.'-r


. . .. •.
é" mulhE:res indígenas. Os líde-rE:s rnilit.are s tspanh0í\ VJ:::

frequéncia . enfrentaram a oposícão militar t.antrJ de mulh~r'~


como de homens. :\ão raro. depois de urr12 \·it6ri2.. tzíg;;:.r_r_
mulheres entrt outras mtrcad0ri.as t rtu jmpensas: -\·r.JCé<, dt·:cí~..r,
E:ntregar mulht-res com pelt clara. milho. galinhas. 0WJ5 t r)r14ç _
registra um rt-latório asteca. Embates déSSt: tipo podt-riam ttr fY.r-U,
irnpaao cultural direto. t-xceto demonstrar aos índios sua inabílidai::t
em mantt-r o que tra seu contra 2 força in\·asora Tentacr:a.~ et
con\·ersào ao cristianismo foram outr(J impacto significatiwJ. (I,rr_ r 1

lhes parecia lógico. em \·ista de suas formulações dE: géntrr.,_rF-


espanhóis no inicio Sé concentraram n0s homens, pressup<Jndr; ~ut
lidt-rariam as mulheres feito um rebanho . .-\ t-stratfgia func i<..1 r/J
com frequência . Outro relato asttca retrata o caso de um filhü ~·.:t
\·irrualmente forçou a màt a se con\·erttr com dE.:, e ela Sé" trJmo a
primeira mulher na região a receber (.JS sacramtntos. Ela o ac sara
de estar louco por ter sido tão facilmente persuadido -por es~
punhado de bárbaroÇ. e elE: lhe respondeu que -se ela não fosse
sua mãe, ele responderia cortando-lhe a cabeca-, e entàü ordenou
que seus aposentos fossem incendiados. Foi depois disso que t l2
concordou em se con\·erter.
A medida que o intercâmbio E:ntre europeus e índios aument.a.\" 3 -
os líderes cristãos logo se persuadiam da imoralidade de urna sérit
de práticas sexuais que en\·oh-iam particularmente as mulhere-5-
Segundo os missionários, os indígenas toleravam demasi 3 d'.?
nudez: pratica\·am sexo antes do casamento. adultério e potiga.rni'.l-
Ac;sírn que estabelecidas. as misst.,e-, cristãs exigiram que: os í.ndio5
. é'
_e.e cobnssem com roupa . mesmu em rtgiões muito quenteJ
úmjda. . Com frE:4u éncia . separa\·am h 0 men,; e mulheres jo\ en~-
......
---
r:ir;i t'.vita'.· _r~laç~e~ ~exuais . Intervinhan1 ativa,nente na escolha
do:-> par~~ 1_1os ele Ccls~n1ento, para tentar assegurar fatnílias que
rossetn fieis à nova fe . Ataca van1 práticas tradicionais funciona is
como o aborto. Enl geral, coino observado por un1 historiador,
,rabalhava1n tnuito para subverter a conduta norn1al de vida ela
ra111ília indígena, ein non1e elos valores cristãos . Os resultados
er~im variados. Muitos indígenas abandonaram as áreas elas
missões ou se rebelaran1 de n1oclo ativo, precisan1ente por causa
das prescrições ele conduta sexual. Alguns conseguiran1 n1anter
cletenninados segn1entos de sua cultura tradicional. Mesn10 quando
adaptadas às n1issões e aceitando o casa1nento cristão, as n1tdheres
podian1 persistir na prática de relacionan1entos extraconjugais ou
mentir sobre o grau de parentesco co1n o n1arido (as tradições
indígenas pern1itian1 casa1nento entre parentes próxin1os e as
regras católicas não).
Em geral, e para alén1 da questão da sexualidade, os esforços
missionários se voltara1n para a redução dos papéis dese1npe-
nhados pelas 1nulheres na vida indígena, tanto na Atnérica Central ,, l
quanto na do Sul. Aos olhos elos n1.issionários, as 1nulheres era1n
\
parideiras e agentes domésticos, irracionais e, con1 frequência,
proble1náticas. Raran1ente conferian1 muita virtude 1nesn10 às 1nais
fiéis convertidas, embora, ironica1nente, tenhan1 sido 1nulheres,
incluindo ú1clias, os principais suportes da Igreja na Atnérica Latina.
Uma questão crucial e provavelmente inevitável de conflito
envolvia as funções religiosas das n1ulheres. E1nbora as civilizações
indígenas principais tenhan1 sido patriarcais - os hon1ens 1nantenclo
papéis de destaque -, as 1nulheres con1 frequência tinha1n itn-
portantes papéis artísticos e rituais nas cerimônias religiosas.
Preparavan1 ricos vestuários e adornos para paramentar as estátuas
dos deuses e eran1 responsáveis pelas práticas religiosas clon1ésticas.
Essas oportunidades fora1n interro1npidas, ernbora secreta1nente
os índios 1nantivessen1 algu1nas atividades religiosas e decorações
artísticas, algutnas vezes aplicando-as ao culto cristão. Fora esses
remanescentes escondidos, as n1ulheres perderan1 terreno, exceto
Por benefícios espirituais que o culto católico proporcionou a
muitas. O catolicisino exigia que as 1nulheres fossen1 subordinadas
em assuntos religiosos. Elas ta1nbé1n p e rdera1n terreno quando
114 H ,, ,, . , , ;::, , . - 11 , O !· r , _1 ,,1.. o

0 Estado espanhol aparelhou un1a burocracia própria_ af


a nobreza nativa; nesse caso, també m as auton·ctade Col cl.stanr!. ')
não concebia1n n1ulheres en1 posições d~ poder. selecionan~~t~
0
hon1ens até o ní,·el de dirigentes de aldeia . 05
Os intercân1bios rebri,·o- à questão de gênero tiYeram '-
. G C14rç,
resultados con1plexos no caso dos 1na1a . na uaremala e pe . )
· ~1 • ílJ.n.s 1-
d e Iucat:1. . Par,1 3 ociedade tra dic1on~u n1a1:i. 3. n1ul.here <
era_,...
nitida111ente inferiores. incapazes n1es1no de possuir pro priecta ~-
O co1npon3 .n1ento se~--ual er:i cui~1dosa1nente regulado. e~~
não da 1nesn1a n1aneira que encre o europeus. _-\ iln. 0 - rttf"'I~
se chocaran1 con1 a explíciu lubricid::ide dos c.Spanhóis e O :
~-
questro de 1nulheres locüs tom:id:1 concubin:1s. enqu:.1nro o,
espanhóis se indign:1r::in1 con1 o Luo de n1enino: e menin~
n1aias nus con1pJ.11ilharen1 JS piscin::is. Co1no en1 oucros loc:üs. °"
prin1eiros resultados da conquista esp::i.nhob. n o século x,1. for.1.m
desorientadores: n1ortes n1:1s.si,·:1s por doenç:1s '-'01110 , ·mob. :ib\.15
sexuJ.l e sequestro de n1ulheres pel:.ls forç:is n1iliures.
Quando ::is cois:1s se :1co1nod:1r:un. e1nerg1u un1 J o rdo Ol.1.!S
cornple:xo. semelhante. cn1 :llguns aspectos. :10 de o utros intcr-
c5.n1bios culrur::iis. co1n ~Ilguns g:1nhos e n1uiu~ perd~t=- p:ir.i :L,
1nulheres. Alguns :lrr:lnjos no,·os benefici:1r:un :ls 111ulhcrc~ . .-\m-
buíran1-lhes :l1111:1s t:1o bo:ls qu:into :ls do~ ho 1nens. e Jl~un ..1~
irnagens relig ios:1s fe1ninin:1s rnuit o p osit.i,·:1s. L'Otno J d-:.- :'. Lni:1.
n1~e de Jes us. to rn:1r:1n1-sc> p:1rte do no \·o l.'c>nJrio . E1n Cl1ntr.1~1c
c-0111 a segreg:1ç:'io tr:1dicio n:d d:1 inLlnL i:1 . :1s 1nc>ni1u~ :1~'-,r.1 ~
junt:l\·:1111 :1os 111c>ninos. :iincb que rr.1nsitü1i:1tncnte. n:1 ~s ·c1l:HitbJc
religios:1 dbponí,·el. E1n :dguns :1:-:pel'tl)..,. :1 iinpo 11jn~:i:1 dl1 tr.Ü'Jlh'
cb." n1ulhL'rcs :n11ne11tou . .-\s mulhc-res n1:1i:ls tinh:1111 SL' tnpn.' :-i1.k
re~pons:í\·eis peb tl'cebgem d:ibor-.1cb : J~OrJ lhe'~ pc-di.un \{ur
fize~se1n os tecidos L'Ot11uns que os c-sp:1nh0 is rcl.'t•bi:1n11.:c1llll" p,H1t '
cios i1nposros. e :1ssi1n se rorn:1r:11n 1n:lis t·ssc'n'-:i:iis : \1..1 :-u:-tc'nt~'
d:1 f:1 nlil i:1.
No t:'11(:lntu. :lS rcrd:1s :1 p:trt'I1h..'ll1c'tHt' for:.1111 nu il )fL'S . .-\ ,·i,J\'
de i1npor n L':1s:1 tllt'ntu lTistJ.n. os nlissi1. )n:1ric,s t r:1 b:i llur.tn, pJr.t
fr:1g1ne1H:1r l) :11nplo e.' t'Xlt'n:--i\·n ~run\_) ctn l.lllt' :is f.111,di .1., :-
.... \. t .. '
l·onst iru í:1111. '-·nn:--idt·r:1 ndo-t b. t'tHrc.' l)Utr:.1:-; '-"-) i:--~•=-- - Ct'llt 11. ,, dt' ,·,\. i-
.....

Ü 1 l lJ P l)J
- - - - - -- - - - -___:__~....:....:...:..'._'._~'U~l~ I~ú'._:l_l~ f~• .!.·'~
O~V~O_:,_I ' A_r_r~
, V~O:!_S_r~>A~I~ ;\ .2. I __!1
'•I ~r''._'_'..:._C!:_A:_ ~15

sexual. O resultado foi O aumento do isolamento das mulheres


umas elas outras. Os missionários ta b / b lh
~ . m em tra a avam contra a
,,nciga pratica cha1nada de "serviço d • ,,
• . . a noiva , pe 1o qua 1 a esposa
continuava a viver com seus pais de . d
. · pois o casamento, 1nas
tinha relac1onan1ento
/ sexual
. . com O mari·d o; segun d o a tra d 1·çao,
-
se esse penodo preliminar não funcionasse bem o casamento
Pod ia ser anulado e mai·s tarde a rnu Ih er podena · ' casar-se com
outro. Do ponto de vista cristão, a prática era escandalosa e foi
rapidamente restringida . O resultado foi uma 1nenor flexibilidade
no casamento para ho1nens e mulheres e, aparentemente, um
aumento da violência masculina em casamentos que não davam
certo. E, ainda que o trabalho tivesse aumentado para as mulheres,
a produção artística diminuiu, embora o empenho em produzir
tecidos brilhantes e coloridos para as vestimentas de seus próprios
festivais continuasse, contornando a fraca oposição dos espanhóis.
No final, alguns dos ganhos talvez te nham sido 1nais aparentes do
que reais: o mais evidente é que, apesar da breve equiparação
da escolaridade entre meninos e meninas, os antigos padrões de
segregação não foram superados en1 o utros aspectos da vida das
crianças, e o status das mulheres não se aprünorou muito aos oil1os
dos homens.
O resultado foi a soma do pior dos dois mundos patriarcais:
dos maias e dos espanhóis. Apesar das sinceras conversões ao
cristianismo, as implicações religiosas sobre a igualdade das almas
nào tiveram um in1 pacto profundo sobre as ideias d: gênero na
sociedad e maia. Ao m esmo tempo, algumas proteçoes e opor-
tunidades que a tra dição proporcionava para as n1ulh~res ~ora1n
red uz1·d as. H ouve u1na fusa~· o cultural , uma forn1a de s1ncre t1s1no,
mas que con1 poucos ganhos p a ra as mulheres.

ÜM CASO CANADENSE
. .
Em b. ora a 11nigraçao _ francesa para O Canadá tenha sido pequena
ra Popu1açao -
francesa ca na e1en
se aun1e nto u graças a altas taxas de
. . / ~
nat~ lid d -
ª a e), logo uma vasta a 1 1 t·v ·ctade russ1
1 o nan
/ a. se desenvo lveu. .
\1u 1·r - . .
os m1ss1on~ uios d a nova o rden1 1·esu íta ' avida de consegulf
/ .
conversoes,
" - .
se guiram os exp 1o radores franceses e os caçadores de

-
Ili,
l
. _ ~, ·os dos americanos nativos c0
peles. Suas reaç·oes ao:, arranJ . . ,. . rn rela .
A lh' ntes aos dos n11ss1onanos espa h_. Qll
a genero erJn1 seme a n Ois
. essárias mudanças substanc·1 . fl;J
América Latina: senam nec . a1s s.
. . • quisessem ter algum s1gnif t a.\
conversões ao cnst1arnsmo tcact0
uais o contato operava n0 · O\
padrões anteriores contra os q ,. . ' entan
existentes na Amenca Lat· l(J.
era1n bem diferentes daque1eS . tna, f\" ·
. . t ·areal desenvolvido antes d h JJ\J~
aqui não havia u1n s1ste1na pa n a e egada
dos europeus. .b
• t
As 1n eraçoes- com os índios hurons e tn os associada
,. . s, ao
norte dos Grandes Lagos, tiveram aspectos cara~tenst1cos durante
os séculos xvH e XVlII. Em contraSre ~otn os ma~as e outras tril)o
5
da América Central, os hurons coinbinavam agncultura migratória
co1n caça. Assim, o contato com os europeus envolveu enorrn
diferenças culturais ' intensificadas pela diSrância entre relacio~es
mentos de gênero mais livres nas sociedades,. .de caça e 05 de
civilizações agrícolas estabelecidas. Desnecessano ressaltar que 05
representantes europeus, convictos da virtude de suas definições
dos papéis masculino e feminino, não apreciavam a distinção é
sequer a entendiam inteiramente.
Como muitos grupos indígenas norte-americanos, os hurons
organizavam as relações de família pela descendência materna.
não paterna. A associação na família estendida era baseada ne se
foco matrilocal, que dava às mulheres un1 grande poder. Como o·
homens se ausentavam nos meses de verão, eram as mulheres que
mantinham a união familiar. Os jesuítas imediatan1ente consideraram
esse relacionamento suspeito, pois aos seus olhos as n1ulheres hu-
rons tinham liberdade demais. Elas também participavam ativamente
nos rituais religiosos e de cura, sendo algumas xa1nàs ou curandeiras
na religião e na magia. Se uma menina nascia, havia n1ais celebração
do que no nascimento de um menino.
Nesse contexto, contrastando com outros casos históricos em
que houve conversões, as mulheres n1antiveran1-se afastadas do
cristianismo, pois não havia benefícios claros para ela. Os ho-
mens eram un1 pouco mais abertos à conversão mas mesmo
'
então podiam enfrentar fortes pressões, até O ponto de ostracismo
da ('grande família" se a mulher ou a sogra desaprovassem. A
oposição feminina intensificava a preocupação dos missionário5

.
0 1 [ UR 0 r t u
- - - - - - - - -- - ---.:....::....::.:::...:.....:_::'..._:I'....__:_[.-5:o~s.....:r~o~v:_:o~S.....:N~A~T~l~Vo~ s ~D~A2.._S_!_A~M~E~R~IC
~A~ S'..__~1~17

perante a dificuldade de conseguir que os homens convertidos


obtives~en1 ª o~ediência das mulheres (que era o padrão que
con~eciam) · ~ui_tas m~l~eres hurons acreditava1n que o batis1no
cristao causana infortúnio e, com frequência , insistiam para os
rnaridos se retratarem. Um observador francês relata o caso de
urna mulher: "tirou-o [o marido] da cabana, e recusou-se a alimen-
tá-lo; censuravam-no pela morte de un1a de suas sobrinhas, que
tinha sido batizada . Ele foi deixado sem recursos de subsistência
e obrigado a fazer o que era trabalho de n1ulheres". Os jesuítas,
por sua vez, consideravam "1negeras" e "diabólicas" as mulheres
tradicionalistas. Era fácil associar a resistência das 1nulheres com
o Diabo, que os jesuítas acreditavan1 estar ativo no Novo Mundo:
afinal de contas, a ideia de que a n1tilher era responsável pelo
pecado original, como EYa , era de grande in1portância no pensa-
mento europeu. Preocupações com o comportamento sexual - os
jesuítas consideravam as mulheres sexualn1ente provocadoras e
de\·assas - junra,·am-se a essa objeção.
A solução para a refo nnJ . JO o lhos do missionários, era
a instituição do casamento c risr~o. no q ual os hon1ens, agora
do1ninantes , obrigassem as n1ulhe rc · a pern1anecer na linha -
com o uso da força , se nece -·ário. As mulheres deveria m servir
e obedecer, e a desobediê nc ia justifica ria o uso ele violência .
Os jesuítas relatan1 o ca o d e um marido cristão que ··bateu na
mulher que insolente,ne nce o provocou··. Arnbas as partes foran1
repreendidas, mas especiahnente a mulher, ··que era 1nais culp:1da
do que o marido·· . As mulheres punidas pe los 1naridos po r deso-
bediência eram acusada ele tere n1 peca do e esti1nuladas a se
confessar aos jesuítas. A imposição do casan1ento cristão constituía
um controle sexual sobre as 111e ninas e mulheres, contr~1rio aos
costurnes tradicionais , que eran1 1nais livres. U1na n,enina cristã
poderia ser punida simplesn1ente por estar na 1nes1na cabana que
um ho1nem. Aos poucos, as 1nulheres hurons foram persuadidas
3 manter controle cuidadoso sobre seu con1portan1ento, para não

ca ir em pecado. Uma garota chorou porque permitiu a u1n horne1n


lc >c ar sua n1ào, •·ficando muito a 1nedrontada de que isso a iinpedisse
de: f)e rn1a necer virgen1·,. Mulheres que tinham abandonado os n1a -
--
\ IS tl l ' l \ \ ,~ l \ '' \ '
H I I ,\ \ \"\ \ ' \l 1 \, I N I lt l l
---
. . . • IYI socied:. 1de huron , eram su
ridos. o quL· L'CI um d1rc1to st li .. · . . . rracta,
. . , . _. . homens hu,ons JUntavam-s.
L' ;1pns1on:1d:1s SL' pcg,1s, e os · <..: ar)~
nüssio1ürios 1K·ss:..1 puni\jo.
. . . vez saudavam a oportun·ct 1 adt
Os homens hurons, pot sud ~, . .
. , • , li .. ,·es Un1 convert1clo insisti-ª que
de to rn:1 r m:11s cloce1s ~,s mu 1e · ·
:1 noY:1 cspos;1 (cons1c · 1erac1a "·,11·1·og·1nte")
'
clama ·se be m alto que:
senJ . obed1entt'
. ., . • · , · varam : "D eus abençoou
:1 ele . Os. f1.1ncc:-;es "P'º
,·isivelmente e ·s1.:: c1samento, e nunca vimos uma oportunidadt
in:lio r do que ~1 dess:1 mulher que se tornou verdadeiramente um
cJrneiro e tem profundos e afetuosos senti1nentos de devoção'
A 1notiYaç:10 dos homens era complexa, indo bem além do poder
individual. Com o crescente controle colonial francês, as antig~
e e1n geral brutais fonnas de agressão, particularmente ataque
a outras tribos, que podiam envolver tortura e canibalização dos
catiYos, caíram em desuso. As agressões voltaran1-se para dentro.
fazendo das n1ulheres as vítimas preferenciais. Sendo consideradas
inferiores, e fonte de tentações sexuais, era óbvio que qualquer
desvio da mansa submissão que se esperava delas, seri:i at:1cado.
Os jesuítas estimuiaDm os homens hurons a organizJr conselho·
de aldeia para ajudar a controlar as mulheres e insistir em su:i
conversão; desnecessário dizer que nesses conselho - n}o ha,·i:i
representante feminina.
O resultado foi uma reestruturaçào intensa dos re lacionamento·
hon1em-mulher. Sob a pres ão jesuíta, muitas mulhere · inter-
nalizaram ideias de serem pecadoras , enquanto os homens
aceitaram novas formas de desigualdade para se sentirem Jdequ:i·
dan1ente masculinos.

ÜOIS CASOS NOS ESTADOS UNIDOS

O desenrolar dos acontecimentos nos Estados Unidos, em que 0~


protestan!es do1ninavam, adicionou alguns aspectos car3 ccerísti(O~
aos padroe_s da cultura americana. As preocupações com O podc 1
e a sex-ualidade das mulheres asseinelha ram-se aos l lel·orrenrc'.~
dos inter~~mbios n_a ~m~r_ica Latina e em particular no C1nJd:1;
mas a at1v1dade m1ss1onana e outras pr·e . , u .., ,·icr:1111 ·
_, . . . _ . ~oes no q e , .. l , 111
ser os Estados Unidos (ocorndas· ll!Tl J)OLI co
,
eiepo1....,
· . l 1:.1 ~,Jo(..t

1 11
O ' 1t o 1· 1 u, 1 " , ru v O , N ,.. 11 v ~" n" , A M r u, L " , li')

que as relações de gênero estavam sendo redefinidas na Europa)


,iclicionaran1 un1a nova preocupação cultural no que diz respeito
~.s relações ele trabalho . No geral, isso foi mais u1n elemento de
;,,udança, que não beneficiou as 111 ulheres .
De vez en1 quando, os contatos entre nativos e missionários
euroan1ericanos parecia1n trazer benefícios para as mulheres. Na
tribo sioux, en1 que o intercân1bio se desenvolveu ern Iowa no século
x,x, as 1nulheres já eran1 consideradas inferiores. Nesse contexto,
a conversão ao cristianis1no beneficiava rnais as 1nulheres do que
os bon1ens. Depois de seis anos ele atuação, urna sede missionária
instalada entre os siouxs tinha quarenta me1nbros, dos quais só
dois era1n hon1ens . Na religião tradicional, os ho1nens don1inava1n
os rituais e os papéis elas 1nulheres era1n pequenos; assin1, urna
participação 1naior das n1ulheres na Igreja cristã forneceu escapes
sem necessariamente arriscar as práticas tradicionais. As mulheres
siouxs vestian1-se con1 austeridade, costun1e que os 1nissionários
aprovavan1. Tudo isso pode ser ben1 absorvido pelos hon1ens - algo
já familiar e1n vista de outros casos de contato - porque as escolas
cristãs ensinavarn às rnulheres novos e aprin1orados n1étodos de
lidar com os afazeres dornésticos. Independente1nente da seita
protestante - quadker, batista ou n1etoclista - ou da tribo - sioux
ou shawnee -, as escolas ,nissionárias ensinava111, con1 entusiasn10,
as meninas a costurar, lin1par e cozinhar.
No entanto havia certa diferença aqui que poderia vir a ser
problemática. Americanos de origen1 europeia alin1entavan1
ideias diferentes com relação ao papel ele cada sexo, e isso se
intensificou co1n o tempo. As 111ulheres cleverian1 se concentrar na
casa e caberia aos homens lavrar os campos. Lar significava agora
residência fixa e assi1n o trabalho elas n1ulheres nesse donünio
'
se expandiu. Pela tradição indígena, no entanto, organizar u1na
casa e cultivar o solo era considerado trabalho fen1inino, e u1n
homem que cortava un1a árvore para un1a casa ou usava un1 arado
era ridicularizado e considerado afen1inado. En1 contraste, para
pessoas de origem euroa1nericana, os hon1ens deverian1 liberar as
mulheres de arar os ca1npos, trabalho considerado "inadequado
para esse sexo". Tratar as n1ulheres como o sexo 1nais puro e
frágil era uma básica "linha de discritninaçào entre a sociedade
-
1! ll ll 1 , 1l \11 1 , ''" ' HII-'\.º' ' l'I L, í N I I' ' .'- - - - - - -

ci vi Iizacl:1 barbárie". Os índios ai in1enta v~1 m cre nçél


t.' ~1
· · , . "EI ~ ºP<>st-
st: gunclo relato de u,n n11ss1onano: ~ es te m a 1dciél d. · ,,,
:> • .•

, - é (jlt (.:
trabalho d e cultivar a terra e degradante p a ra o cara ter cio 110 ,11 . ()
que (clizen1 eles) foi feito para a guerra e caça , e para Pél rt · ~ni,
IC1pa
ele conselhos e que 1nulheres pele-venne li1a e po rcos-c.:s . r
. ' 1 h ~
f oran1 f e1tos para arran 1ar o c ao .
,, . Pinhos
·
O contato tinha desdobramentos con1plicados. Os homens t .
1nulheres siouxs conviviam com a ideia de hierarquia ue gêner~\
no qual as 1nulheres eran1 mais fracas e de alguma forma inferiores'
O discurso do protestante branco de que as mulhe res eram baluar1es·
ela civilização e do ilu1ninismo 1noral não tinha grande repercussão
ainda que as convertidas tenham encontrado no cristianismo nova~
fonnas de expressão; mas ta1nbém não era considerado nocivo 1

dada a grande ênfase nos papéis domésticos. No entanto, o reforço


dado à hierarquia ia contra as profundas alterações nas atribuições
de tarefas. Não é de se surpreender, portanto, que os nativos ame-
ricanos, ern pa1ticular os homens, só tenham abraçado muito lenta
e incompleta1nente o modelo europeu, apesar da forte insistência
dos centros missionários. E quando se converteram, o resultado,
.. tanto para os homens quanto para as mulheres, pareceu muito
confuso.
Tribos nativas americanas sediadas no sul do país, em especial
o s cherokees, eram diferentes, pois suas 1nulheres tinham maior
status e papéis mais a1nplos. Elas se dedicava n1 à agricultura
enquanto os homens caçavan1; e a divisão de trabalho determinava
considerável igualdade, porque a importâ ncia da contribuição
fe minina e ra reconhecida . Em função d e seu trabalho árduo, as
mulheres ganhara1n u1n papel de liderança en1 rituais religiosos que
celebravam as colheitas. Assin1 como acontecia com os hurons, :i
origem d as pessoas seguia a desce ndência das mães, e as farnílit1 ~
se fixa va1n perto do tronco materno. As 1nulheres cherokee~
tinharn poder e autonon1ia considerável e desempe nhavam uf11
Pa pel a tivo nos conselhos tribais. Quanto aos co1nportamend~o: ,o ,a-
1
sexu a is , incluindo sexo pré-n1arita l, eram livres , e as mulheres· w~
~
_ -)

geralmente clispensavarn o con1editnento (pelos p adrões cnsesses


e rn assuntos d e sexo, e gracejava n1 com frequê ncia. Em todos
Ü \ 1 11 k ll I' 1 11
- -- - - - - - _ _ : _ . : . : _~ : _'....'._'.__:'_l~ ()~\~r~o~v~o~,~N~A__!..
1 ~·V~O'.__:,_l~)"~'~
A ~M!___í~k•~C!._
A ~\- ~121

. •ctos ' _con10. um historiado r o b servou, as n1ulheres cherokees


;,1spe
~
es·ravam tao chstantes cios padroes , protestantes conte1nporaneos
quanto qualquer outro grupo elo continente.
~
,S urg e então ' a pa1tir d 0 secu 1o XVIII, um intercâtnbio com mis-
.· ,ários e fazendeiros ele origein europeia.
s101
. Assim
. como aconteceu
com os siouxs, inas por razões bem mais limitadas as 1nulheres
viram alg~°:~s vantagens nas mudanças induzidas 'pelo contato:
havia possibilidade de aprender n1étodos de cultivo 1nais eficientes e
'
muitos líderes cherokees, incluindo homens, sentiran1-se orgulhosos
de poder mais bem assimilar 1naneiras europeias e aprin1orar seu
nível de "civilização". Com frequência, acreditavam que só uma
adaptação lhes permitiria sobreviver numa sociedade branca
dominante . Assim, havia pressões dentro da comunidade para
promoverem os ajustes.
Por outro lado, as visões sobre relacionamento homen1-1nulher
colidia1n enormemente. Os euroamericanos, cada vez mais imbuídos
do Culto à Verdadeira Feminilidade, criticavam com vigor o
envolvimento das mulheres no trabalho manual; a caça praticada
pelos homens era vista como passatempo frívolo. "Selvagem" e
"degradante" eram dois adjetivos comumente aplicados a esses
aspectos da cultura cherokee. Não a penas os 111issionários co1no
também os funcionários do governo desejosos de estabilizarem
a região, junto com fazendeiros (incluindo George Washington),
conclamavam mudança, associada com o que entendiarn como
padrão de agricultura, aquela dominada pelos hon1ens . Os
comportamentos sexuais, incluindo a disseminada poliga1nia e o
vestuário despojado das 111ulheres, ta111bém fora1n atacados. A pa1tir
de 1800, uma rede de escolas ad111inistradas por brancos propagou
a visão euroamericana de propriedade e o que consideravan1 a
divisão adequada de trabalho por gênero.
Muitos cherokees saudara1n essas propostas . As 1neninas,
orientadas a perceberem que O trabalho do1néstico, e não a agri-
cultura, seria a garantia de seu poder e1n casa, escreveram con1
gratidão sobre lições que as ajudaran1 a "fazer roupas que seria1n
úteis para nós na vida " ou que as ensinaram a "ton1ar conta das
'
1

~
11 1 1 1 1' ll 1 1

, lo vamos para casa podemos cu·ct 1 ar


t·..1m1-1·1Js
• · ( \e_, f0 1·1w1' que quanc .· ' 1 tambén1 aumentou
Ja c1s~1 ele nossa mãe". A au st e 1icac 1 ~. , d. l ' ou Pelo
. . . 1 . issionanos, a me 1C a que tentav
menos assim foi vista pe os tn . f' arn
- V • ninas nunca 1na1s 1cassem iunt
g·wintir que mernnos e me os
' ' f ,., eia dos cherokees pela polig .
sozinhos. No entanto, a pre eren . an11a
. l , 11 .b dade sexual não desapareceu rapidamente
e por cons!C erave 1 er . • .. • ·
1
Enquanto algun1as famílias educadas pe os miss~onanos conver.
. .
tera m-se inteiramente pai.a o modelo euroamencano de famíl· 1 1a
agrícola, com as mulheres clesen1penhando ut~l ~apel econômico
subsidiário, muitas persistiram na forma tradicional. Entretanto,
en1 nível de chefia, a tribo mudou , copiando crenças europeias,
e no processo encontrou novas formas de compensar as perdas
ela autoridade masculina. Novas leis deram precedência aos pais,
em vez elas mães, para o traçado da descendência . Os papéis das
mulheres nos conselhos tribais terminaram e só os hon1ens agora
podiam votar. As mulheres também ficaram mais isoladas umas das
outras, graças ao declínio de seu papel na família e, frequentemente,
por residirem e1n fazendas separadas e distantes. E, contudo,
,. as 1nulheres indígenas viram o desafio aos novos padrões como
... tuna reversão à selvageria; nesse sentido, perdera1n a oportuni-
dade de usar os valores dos brancos sobre as mulheres como
base de protesto, 1nesmo quando as 1nulheres euroamericanas
começaram a se engajar em 1nanifestações fen1inistas justificadas
pela "pureza feminina".
A questão de gênero era um ca1npo de batalha no contato
entre euroamericanos e índios nos Estados Unidos e O conflito
'
se estendeu pelo século x1x, entrando no xx. Escolas e agências
oficiais, assim como missionários, continuarain a acusar as tra-
dições indígenas de fazer das mulheres burros de carga, tanto
pelo trabalho que lhes era atribuído coino pela liberdade do
c~n~portamen:º. sexual. Apesar de alguinas medidas terem-nas
aliviado de_ _praticas abusivas ' ou lhes dad o novas oportun 1·dades
de expressao,. no geral o . conflito
, se f·1rmava so b re profundos
1nal-entend1dos. Onde as v1soes euroam • d • ra01 o
, . . encanas pre omina '
papel das mulhe1es na sociedade arne · . d · rou-
, . . . ncana nativa se eten0
Onde os md1os res1st1ra1n, eles forain a . d. _ f r ados :t
·r· ,, . . .
moetI tear os 11a1Jttos trad1c1onais en
, pesar isso, o Ç
. d ' . - c1Ç1'
,
' , 1 espec1a1 a 1st1nçao ·
() 1
-- ~ 11 1• 1 11 , 1'
----... ~ \ I' (1 V tl \
- NA 11 vo,
' A
- - -'!' .,. ,,_,,,_.. , _ 12.1

·i~rit"tillur:1. e com isso os . ,.


·' . .· __, . . ' P.t pe1s e id •
l•nt :--tu , ,~.10, ~• proprtaclo.s a ,, l· . . e nt1c1~ides consider,.1dos
•· · - - · 1 . cic ..i a t1v1ch 1 . '
dd1n1ç10 ntlt<. a . D1 ~1nte cio e ce, perde riam qualquer

. · ,.· . ' f'· I


pocercla1)res c, •r •
~uJ h1pou1u lOn tança ernseu ençc.1 euroamencana e
111
os n;itivos a1nerica nos na' 0 , odeio de gênero, era difícil p·, n
e c.1pen·1s f 01. e "
t>ros~10 desse aspecto da tr·td. ;, '" mular preocupações com a
e tçao n1r1s p .· . 1
com clareza o que estava errado .' '' t tnctpa 1nente perceber

CONCLUSÃO

O enonne distancia1nento ele p 1 . ::, . . .


.d . . oc e, entie eu1opeus e nativos fica
ev1 ente na n1a1or parte cios inte1. " b.
_. . ,, .. . " cain tos que afetavan1 gênero,
as~1111 corno a p1 opr 1a distancia ent . . . _ __
. . ' te as t1ac11çoes de genero
en,·olv1das.
,, . O s1ncretisn10 ele fato
, ei·a, 1·11n1tac
· 1o , en1 particula

r
na. .. Atnenca do Norte , porque os gi·upos 1·n d"1genas encontraram
dificuldades en1 defender seus costt1n1es . Quand , o as cone11çoes
· -
das 111ulheres se deteriorara1n, os hornens índios talvez tivessen1
apoiado essas mudanças, en1bora suas definições de 1nasculinidade
tan1bén1 tenhan1 se to1nado rnais sutis. As 111Ltlheres podian1 servir de
agentes de 1nudança, por exe1nplo importando novas ideias sobre
a vida do1néstica ou sexualidade aprendidas nas escolas, n1as não
puderan1 conter a erosão das oportunidades que suas n1àes gozara1n
na vida de 111uitas tribos. O equilíbrio cultural e a inabilidade de
levar a cabo un1a fusão vigorosa entre velhos padrões e novas
influências contrastam con1 outros casos envolvendo europeus,
corno os intercâinbios na Índia, discutidos no próxin10 capítulo,
em que a superioridade europeia pode ser avaliada pelo tamanho
e coesão das comunidades indianas.
AIguns 10,, d 10s
' ·canos coino fan1ílias de fazendeiros che-
amen e ,
.
rok ees, sunp 1esn1ente 1 ·ncoi·porarain-se aos padrões europeus.
e
\.r esar do distancian1ento de poder, grupos
!\ gera1, no entanto, ap '-
0 ; . .
· d; . ~ europeizaran1. Ao contrario, cont1-
10 1genas 1111portantes nao se d' - d --
. - 1 bora suas tra 1çoes e genero
nuara1n a buscar a diferenoaçao, en '- . f
. . d resultado foi con uso para
tenhJ m sido be1n dan1f1ca as· O . l d · l"
, . ,. rias cornuntC a es 1nc 1genas.
observadores brancos e para as P1op
11 1
12 •1 11 1,1,, , 11 1, , 1 11 11 ,~ 1) \ 1 l' I l ,I N__!_.~ ~'- - - - -- - - - --

. , · , L· r·n·1 foi um pouco diversa e


A s1t u:1ç:'10 na Arne nc.1 d 1 ' . · on10
· ·1 · · - • / . t,
· J -
~1s c,v, 1z:1çoes me1,gena.s 11 1 .,11 ·n tido um desenvolv1me. nto rl'lai,\
· - . , · -es tinham se manttdo 111
eLihor;1clo, e populaçoes mat 01 . esn10
depois do violento ataque europeu, houve mai 's oport unic · 1acles
• .
e1e smcret1smo. As con d 1çoes
' - • pat , 1·1·a1·cais ' ·1ssin1
' como a agr1·cLilt ura
estabelecida, j{t existiam, como com os ªstecas, tornan~lo as formas
europeias menos estranhas, apesar das enormes diferenças de
características. No entanto, houve substancial di st ªnciamento elas
tradições ele relacionamento homen1-mulher.
o intercâmbio nas Américas tendeu , extraordinariamente, a ser
ele mão única. Os homens euroa1nericanos podiam admirar aspectos
ela masculinidade indígena, pelo 1nenos em princípio - grande
bravura na guerra-, mas não havia qualquer interesse em aprender
as tradições indígenas que envolvessem família ou 1nulheres. Os
hábitos dos nativos eran1 vistos como selvagens e errados. Só
indiretamente, ajudando a intensificar a insistência euroamericana
1
na delicadeza e moralidade, como contraste entre a civilizaçào e
J o "outro" a1neaçador, o contato teve algmn impacto nos próprios
euroamericanos. A imagem da mulher virtuosa e doméstica se
L' formou na Europa, mas pode ter alcançado suas fo1mas mais
extre1nas na América branca, como emblema de identidade contra
os "selvagens". Claro que havia ironia aqui: mulheres brancas
capturadas pelos índios com frequência preferiam permanecer
entre eles, para horror dos colonos; quando as mulheres brancas
começaram, no final do século XIX, a se n1anifestar por novos
direitos, tais como posse de propriedade, exigiram com frequência,
e sem saber, o que as mulheres índias havian1 tido - mas haviam
perdido como resultado elos contatos com os brancos.

PARA SABER MAIS

Sobre os Estados Unid~s: Karen Anderson, Chain Her by One foot. The
Subjugation of Women m Seventeenth-century New France· (London e Ne~v
York : Routledge_, 1_991); Robert Be_rkhofer, Sa/vation and theSavage. An AnalY51~
of Procestant M1ss1ons anel Amencan Indian Response 1787_1862 (Lexingto0 ·
Unive1_·siry of Kentu_cky Press, 1?65); Nancy Shoemaker: Negotiators of Change.
H,sroncal Perspect1ves on Nat1 ve American Women (New York: Rourled!Zt'·

'-
........
____________ O, l l lll lll' III \ 1 (1\ l' OV( I \ NA II VOI IJA > A M I RILA 1 125
_:__:_.:_:_:__:_:___.____:__:.._.:___:~~:.._::~....'....:~~~__.::.::...:..::..:__::...:.:.._:___.:.::.:.

----
')· 11,,vicl \XI . Acb1ns , Education for E.,Y linction, American /,zdlans and the
199"'). ·,;,,~ Scbool E:xperience, 1875- 1928 (Lawrence , Kan .: University of Kansas
fJ()tiii '
.. 1995); 1 1)erc1u e , C'h erokee Wome11: Gender and Culrure Change,
1• heca
pn:·:-:-· 25 (Lincoln , Nebr. : Unive rsity of Nebraska Press 1998).
1700- 18;, ' ,
.., .
..;o1_,r... •1 América Latina: lnga Clendinnen , Ambivalent Conquests, Maya
. and.
· allirlrd ;n Yucatan, 1517-1570 (Cambridge e New York: Cambridge U111vers1ty
Sp
press, 1987); E'kL nc. anger e Rb .
o e~ Jackson Ceeis.) , The New Latin Amen~c!n
Míssion Histo1y (Lm:oln , Nebr.: ~ntv~rsity of Nebraska Press, 1995); Asunc1on
i,,ivrin (ed.) , Sexuahty and Marnage m Colonial Latin Amen·ca (Lincoln , Nebr.:
University of Nebraska Press, 1989); Susan Schroeder, Stephanie Woocl e Robert
1-1:iskett (eds.), !n.dian Wom.en of Early Mexico (Norman, Okla. : Unive rsity o f
Oklahoma Press, 1997); Richard Trexle r, Sex and Conquest: Gendered Violence ,
Political Order, anel the European Conquest of the Americas (Ithaca , NY : Cornell
University Press, 1995); Merry Wiesner-Hanks , Christianity and Sexualíty in
ihe Ear~y Modern World: Regulating Desire, Reforming Practice (New York e
London: Routledge, 2000).
......

HOMENS E MULHERES
NO IMPERIALISMO BR.ITÂNICO NA ÍNDIA

A Índia viu-se exposta à influência Ocidental, primeiramente


britânica, da n1etade do século XVIII en1 diante. Depois das A.Jnéricas,
essa foi a tnaior área colonial do1ninada pelo Ocidente. O c::1so
indiano merece ser co1nparado com o das An1éricas, embora tenha
sido bem diferente. A Índia era tuna civilização agrícola perpetuada,
capaz de resistir ao exemplo ocidental con1 muito maior sucesso
que os nativos an1ericanos, e no geral os europeus se n1ostraran1
mais hesitantes em impor suas posições relativas a gênero. De
qualquer maneira, ocorrera1n intercâmbio e mudança .
Houve quatro fases no contato indiano-britânico. As intervenções
iniciais britânicas foram co1nerciais, buscando mercadorias e mer-
cados. A operação co1no un1 todo foi levada a efeito não pelo
governo britânico, 111as pela Con1panhia das Índias, sancionada
pelo governo, n1as co1n fins lucrativos. Gradualn1ente, a Con1panhia
assumiu o papel de governo colonial, à 1nedida que tuna variedade
de guerras com potências europeias rivais (em particular a França) e
rebeliões locais exigiu un1a adn1inistraçào mais forn1al. Os contatos
com os indianos para além dos comerciais eran1 1nuito limitados .
Embora as atividades econômicas das mulheres con1eçassen1 a
s_tr seriamente restringidas nessa fase, houve a lguns resultados
culturais 1nais amplos.
r ~tl_ _J J 1' I l ) ll IA f• A, 1\ I I A ( r, 1 ' 11 l ~ - I I' °}_ _ __ __ -

A segunda fase , iniciada por volta cic '1:82(~, <.:nvolv~u inlérvc.:nu ,l:'>
britftnicas muito mais sérias na vida dos mdia ~os. Um C<..Tt<, n(1rnl:n,
ele leis in1po rtantes atacou o que, segundo os mg l<.:scs, e::r;;1m U<..: fc..:itJ,-"
escandalosos no tratan1ento dado às mulhe r:s. O au,nento da pn:.:sc:nca
britânica levou mulheres inglesas para a Jndia , o quê r od<:: tt r uJ(,
certo ilnpacto, pró e contra , como mo de los dê compo rtamc..:nt<,.
Pelo final do século xrx, ainda sob o do mínio britânico, os indian<,s
começaran1 a organizar uma série de movin1e nto.s nacionalistas ck
resistência e reforma. Esses movi1ne ntos tinh am acepções próprias
sobre papéis 1nasculino e fe minino, que po di am tanto impelir a
mudança quanto confinnar a continuidade. Por volta do século
xx, líderes nacionalistas abraçara1n urn conjunto rnais com pleto dt
direitos femininos.
E1n 1947, a Índia ficou independente. A criação de um Estado
indiano bem-sucedido reordenou a influência ocidental , sem, no
entanto, causar uma ruptura completa . Os indianos continuaram
a reagir a sinais do Ocidente ernbora fossen1 cada vez mais
seletivos.
Este capítulo enfoca principalmente as três primeiras fases,
quando o intercâmbio era mais decisivo. Por volta dos anos 1920,
e certamente depois de 1947, as agendas indianas dependiam
1nenos do intercârnbío e mais do que os indianos tinham mantido
da experiência anterior.

Ü CONTEXTO

A Índia é uni dos grandes casos para o estudo da influência


ocidental e de reaçào regional na história n1undial moderna. Era
uma civilização co1nplexa e be1n estabelecida con1 uma longa
'
tradição de patriarcado, na qual o dornínio masculino e os arranjos
m atrünoniais feitos pelos pais era1n fen11entados pelo louvor à belez3
e sensualidade das n1ulheres, sua inteligência e seu papel com0
inãe . O hinduís1no, a religião local niais ünporta nte, confirmava :i
infe rioridade espiritual das 1nulheres, mas tambénl destacavJ su~
p articipação no processo de avanço espiritual; embora abai.,xo do:,
ho m e ns, elas eram parte d a comunidade d ivina com os mesJ1l0 ~
o bjetivos fin ais de fusão con1 a essência divina . '
---
~,t N , 1 "-l l ' 1 11 1r,1 , 1'-.1' 1,, r : h l \l l \ \l, , t._,. ,, ,' i l (1 l
- - -- - ---------- - -
"' "' 1~. 'l"
- --- -
J]'l

<\ ,r~ diçào indiJna incluía tambérn un1a considerável experiência


1
·1. hr com influências e>..'lernas. Novas ideias poclian1 ser recebidas
·111 Jl • .
l.
0111
wlerf111c1a , inas ra ran1ente afastavam a rnaioria dos padrões
L ·t:lbdeciclos. Nenhun1a outra religião havia conseguido conquistar
r:, 1· l / d
indianos do 11 nc u 1s1110 e os rituais e crenças a ele associados;
:ipesar das tenta:ivas_ do Ocidente de in1por o cristianismo e de
:1
lgumas conversoes isoladas, /
o hinduísmo pern1aneceu .
A influência britânica na India não era ' essencialmente ' religiosa '
apesar das ilnportantes atividades missionárias existentes. Por
volta do século >-.1x, as convicções britânicas sobre gênero era1n
sobretudo seculares, envolvendo ideias de como o lar deveria ser,
cio que consistia a educação secular etc. Nesse sentido, o impacto
britânico na Índia foi ben1 diferente ele outros contatos, nos quais
religiões missionárias levavan1 a mensagem principal. O conflito
básico envolveu convicções ocidentais "1nodernas" sobre padrões
de gênero versus tradições indianas embutidas no hinduísmo.
O intercân1bio era sin1ples, nun1 sentido. Os representantes
ingleses na Índia estavan1 absoluta1nente convencidos de sua
superioridade. Ainda que alguns se apaL'<onassem pela Índia , não
houve uma influência substancial desse país sobre os padrões ele
gênero britânicos. Co1no em muitos casos no passado, essa troca ,
organizada a partir de grande desequilíbrio de poder econôn1ico
e militar, era ele rriào única.
Fora isso, nada era sin1ples no intercâmbio. Houve, por exemplo,
uma enorme variaçào de fonnas de os indianos absorverem os
padrões britânicos. A grande 1naioria era da área rural e seu contato
com os valores britânicos, extremamente remoto. A presença britâ-
nica afetava-os por n1eio de algumas poucas leis e muitas restrições
econômicas, inas a oportunidade de considerar uma cultura alter-
nativa maior, que e nvolvesse papéis fen1inino e mascu lino, não
lhes era acessível. Para a população urbana , no entanto, nas castas
l11ais altas, e principaln1ente nos escalões 1nais baixos .cio gove1~no
colonial, era diferente. Essas pessoas podiam absorv~r _mformaç?es
da versão inglesa de relaciona1nento masculino-femmmo , e muitas
1
<w1 ·.rn ,,,lv1das
· .
nisso, pelo 1nenos e1e fo niu, s-elet1·va · . .
ii -
o~ prc1/p nos .· b n·r~ · s estavain
arnco , · divididos.
_ _ Pers1st1u
.. . _um forte
__ _
11Pulsc, . . .· e1 · ., 1 tase de nao tocJ1 ,.1 s questoes
11111 ,
0 . . - · e s1110 e.1e po 1s e1a p
111 1 , . . _. :> •• . _ , _

e: gi_:nero. Fias não tinham ilnportância nos obJettvos nnpe11ahst"L"


~Í~'-_!__:f~~l)~- - - -- - - - - - ------
-~~~~~~~~~~-
~ 1
IJl) 1 1 ' 1 ,, ' 1 \ r, \ ' ' 1 1 \ ( ,) 1 ' r, ,. --------

·A·
_ cros , qua nto ele adquirir ganho,s
1 alc1nca1 1u
b ntanico s, canto e e · ' , d. intensan1e nte d a aceita ,
]-· 1 - · b ·cânico de pen ia ~ Çao
po 1t1cos. O e o mmio n ' . , era un1 risco. Essa p ostura nà
india na e mexe r com a trachçao ' d . d. 0
' . . d as con1O qua n o os in 1a 110
ev itava consequ ê ncias mespe ra '. nf1·anca d os br1·taA . s
uistan a a co , , n1cos
te ntavam ima 0oinar o que conq · · d · l '
antes A n1a1o n a as mg esa
mas podia limitar contatos re1ev, · . s
, . d d . ·stradores ingleses, era n1ant1da em
na Incha esposas os a m i ni b
' d
situações restritas afastada as oen, d case do conta to co1n
. a po reza•,
' · d. Jém do expressivo grupo d
e m contrapartida, poucas m 1anas, a . . _e
· ham con t a to co 111 elas · De fonna n1a1s. geral,
serv1·ça1·s, tm . a ma1ona
. • • b ntamcos
d os o f1c1a1s . apegava -se a convicções
A •
. .p atnarca1s . Se albRUns
po ucos aspectos dos padrões de gênero 1nd1anos lhes causavam
algun1a espécie - era ne cessário, p or exe mplo , uin ato especial
ele autorização para imprimir a arte indiana e 1~1 selo~ Ac~loniais,
porque en1 meados do século XIX, pelos p adroes bntamcos, as
cenas estan1padas eram pornográficas - , a ideia básica do domínio
1nasculino parecia normal e sensata. E havia até u1na ce rta inveja do
distanciamento entre hon1ens e 1nulheres, que lhes p arecia menos
contestado do que na Inglaterra .

ti 1 1 Na Inglaterra, os valores de gênero estavan1 e1n transfonnaçào e
. ' isso condicionava tanto as possibilidades de refonna na Índia quanto
confundia os indianos ao tentar entender o sisten1a britânico. i'ia
Grã-Bretanha, com a industrialização , oportunidades de trabalho
para as mulheres diminuíram, particularn1ente nos círculos mais
respeitáveis. Ainda que algumas ganhassen1 e1nprego em fábricas,
um grande número perdeu postos de trabalho no co1nércio e em
manufaturas rurais, e a classe média desenvolvia tuna forte convicção
de que as mulheres respeitáveis não deve1ian1 trabalhar fora de casa.
Ao mesmo te1npo, no entanto, o poder das 1nulheres na famfüa
aumentava, e sua estatura moral ta1nbém se apriinorava . En1 assuntos
essenciais e contra velhos preceitos, agora as inulheres podiam ser
vistas como 1nais 1norais por natureza do que os hon1ens. Eram
consideradas capazes de maior controle sexual (en1 bora , da mesma
forma , as que desrespe~tassem essa hipótese fossen1 profundamente
depl~raclas). A edu~açao para as 1nulheres se an1 pliou, en1bora se
cont1nuasse a acrednar na menor capacidade racional das mulheres
para aproveitar essa educação. Por volta de 1870 outras mudanças
tornaram-se visíveis. A taxa de natalidade britânica caía, à medida

---
I11 1 M 1 ,_,- \ I f,A 11- I -11 1 I' 1 '. 1'-1 1 1 I M I ' 1 1, 1 /\ 1 1 \ IA ' 1 1, 1• f I A 11 1 1 '> ti A 1 l i l • IA J ·11

ut: ,.,1~. ,nulhcres. afinnavan1 que cri~n,·as 1-· , •. c..:ra, ruim


.., · cemd1s .. rara
~1;1s e ran.1 ~1 ,sc~ci.cda~I~.. ~l~u111as ':1ul_hcrcs corajosas lutavam por
ov,1, s cHre1r
.. .. 1·1<.:in.:1
. .1s/.en1 ..ireas c.:01110 d1re1to ,.._.. 111,.._e .· ( e a mesma
11
!)use" por ~,1~e1s / n_o vos e atuantes cnc.:arninhou algumas para a
:itiviclade rnissionana). Mudanças _na lei concederam dire itos de
propriedade pa_ra. as 111ulh~r~s e acesso ao divórcio. Surgiu um
movimento fen11n1sta con: ~anas reivindicações, incluindo, 0 que já
era consenso entre as fem1n1stas por volta de 1900, 0 direito de voto .
como haverian1 de interagir esses vários modelos britânicos na
índia? Havia u111 111odelo doméstico sagrado, um modelo novo e
inais assertivo, e un1a porção ele variantes entre os dois. Como era
de se prever, 1nedidas explícitas para intervir nas relações de gênero
na índia era111 mais prováveis quando todos os grupos ingleses,
tanto os adeptos da beatitude do1néstica quanto os da interferência
pública nos assuntos do lar, concordavam que algo tinha de ser
feito. No entanto, havia 1nuitas áreas de controvérsia para as mu-
lheres indianas relativas a diferentes aspectos do imperialisn10
britânico - assim como enormes consequências - que a.s discussões
a respeito de gênero não abarcavam corn clareza .

Ü CENÁRIO ECONÔMICO
Para as mulheres o resultado mais importante da intervenção
britânica na índia dizia ' respeito à perda de oportunidades, graças
à política e concorrência industrial que deixaram em desvantagem
a produção indiana a partir da metade do século xv11; até boa parte
do século xx. O que estava envolvido com frequenoa operava
sub re t· · d·a di·storcer profundan1ente os contatos
- p 1ciamente, mas po 1
culturais mais evidentes entre as. duas " • sociedades.
s logo percebera1n que a
eomerciantes e políticos ntanico b .
manufatura indiana tinha de ser desestimulada se quises~em queª
e l" • . · erialistas. No seculo xvm,
a0 1on1a
• se"tornasse lucrativa. para . os •unportaçoes_ d as merca d onas ·
ms eis britanicas buscaram hm1tar . as imp
t cidos de a 1god-ao, d e 1onna
e

riuanufaturadas
. indianas ' especialmente
. e se desenvo1ver. Tec1·ctos
desse
'1 e a 1ndustna
/ · b ntanica
· -- · 1nc1p
· · 1ente pu am-se rapidan1ente
(le algod-ao , colon·ctos e d e f" ·1 lavaaem, tornar
ao
1
✓ d.1 fosse1n um setor in-
O

P<
,
)pu la res• na Gra-Bretan
- h a , embora na. n ª 0 prin1eiro passo na
"1llst
1 -· l - · diana era
· 11 ª antigo. Reduzir a produçao in

I .( ! - ~ l 1, l t 'l H I A IJA\ 111 I At.,,0 1 ' 111 l, í_.'.:'..
N ..'_;
l l~ll~> .- - - -- ------

· · 1:1 cxp:1ns;10
r:1p1c - e eIcpors , 11·z
· rnec.11 · ' 1r;-
~.:1o da IJroclucào
·· na Inglate.
' tra. ()
r

5 1
que :1 lngl:1i-crr:1 querié1d::1 Índia , em vez ele :" força tnanu_fatureira
t r:1clicion;il , er:-1 a expa nsào ela produção agncola , en1 P_articular de
itens como ch~ís e especiarias, além ele um inercac~o dtreto para a
indúsrria britflnica . A partir ele 1760, co1n a Revoluça~ I~~lustrial na
lngbterr,1, essa reorientação con1eçou a se acelerar. No inicio de 1800
de zen:1s ele milhares ele ~rabalhaelores de n1anufaturas indianas, e~
grande parte mulheres, forain den1itielos, pois seus n1étodos manuais
nJo conseguiam rivalizar con1 as fábricas britânicas movidas a vapor.
O re su ltaclo foi o crescente en1pobreci1nento de famílias india-
nas e un1a redu(é'1o severa nas possibilidades econômicas para
as n1ulheres. De fonna crescente, o serviço do1néstico, a men-
J

dicância e , sobretudo, a agricultura era1n as opções para as mu-


lheres. A n1iséria afetava os hon1ens tan1bé1n, 1nas estes em geral
encontrava1n alternativas co1n n1ais facilidade. No início do século
xx, por exen1plo, e1n Bengala - u1na das mais importantes regiões
1'
industriais da Índia - cerca de 90% dos empregos nas indústrias
;
; 1nodernizadas (têxtil, 111ineraçào, metalurgia) estavam preenchidos
1 1 por hon1ens. O status relativo das 1nulheres e, com frequência , seu
1 1
poder de negociação dentro das famílias cleclinaran1.
Os funcionários britânicos resistia1n en1 adn1itir esses desdo-
bramentos. E1n prin1eiro lugar, eles estavam lá para lucrar e não
querían1 perder vantagens imperialistas econô1nicas en1 nome de
preocupação hu1nanitária co1n as mulheres. Alé1n disso, os valores
britânicos do século XIX não favoreciam o e1nprego de n1ulheres.
Ainda que houvesse n1uitas n1ulheres trabalhando na indústria
britânica, a classe n1édia n1ostrava-se desfavorável ao trabalho
fen1iníno, preocupada co1n as consequências na n1 oralidade se-
xual e na vida fa1niliar. A regula1nentaçào do trabalho fen1inino
foi introduzida por volta de 1850 e a porcentagem de mulheres
e1npregadas co1neçou a decrescer. Nesse contexto, a retirada de
1nulheres da força de trabalho manufatureira na Índia podia ser

vista co1no uma benesse. As 1nedidas coloniais frequentemente


restringiam a oferta de trabalho para as inulheres limitando seu
trabalho na mineração, por exemplo, com uma Íei de 1928. O
processo de reduzir as oportunidades de trabalho das mulheres
e piorar sua posição econômica relativa aos homens continuou
por n1eio da co1nbinaçào de políticas imperialistas explíciws e
N I il _ _ _ _ _ _ _ __
11
"l , l'I l, 1 1 ---
111 11 ,, ,.,, 1, , , ~
1 __
\'t\ \ \,l
__ _
i__---

··
Oh~ ~1ght O1· 111 · i"t:''"''~
.. · ~. _ their souncl
l •·1rherct1e~
You c 1nnot 1L ,. • clrownecl;
1. .. n·ince 1s
ln thJt wilc1e ts~o '
l3ut in I heir Ltce you see
. , ion ·1nd the ~gony, -
The supplic.it . ' oat the desperate strength
1
See in her swelhng t 1f 00 les yet for life·
• ff ·t stru ,
That with va1n e ot nowº~ f ru1t. 1ess s trife,
111
Her ~mns contractec1
Now wildl)' at full length
.
. d
· f r p1ty sprea ·
Towards the crowd tn vain o . "'
. they bind her to the clead. ·
They force 11e1 on,
, ··os do c01nércio 111ais severos se retraíam
.
Mesmo func1ona1 1 pe.
rante a1ou mas pt.:d r·cas
1
indianas ' ainda que. soubes em não ser ulllJ 1,

,~ l'r·ca Oll comercial interferir., Gradualmente , dep0!5.


boa tattca po 1 1 .
que O governo britânico reforçou seu do1n1n10, algu1nas mudança
óbvias tiveram de ser implen1entadas.
o infanticídio de n1eninas foi de in1ediato chocante. Um
funcionário da Companhia das Índias Orientais e1n 1789 descobriu
que O infanticídio de n1eninas era un1a prática disseminada mesmo
1 1
em famílias nobres, como fonna de lin1itar demandas de heranç3e
evitar a vergonha de filhas solteiras. Ele conseguiu que um grupo de
nobres se pronunciasse a respeito: "isso é un1 grande crime": . nós
sabemos que embora seja costume entre nós, é um grande crime".
Houve um acordo inicial con1 pequeno impacto, e os britânicos
prosseguiram tentando persuadir a população. Gradualmente. o
governo colonial registrou sucessos na questão, a pa1tir de meadoi
do século xix, quando o índice de sobrevivência de crianças foi
nivelado entre meninos e 1neninas. En1bora nào houvesse consenso
entre os funcionários sobre o quanto deverian1 pressionar, e Sl'
os valores familiares indianos deveriain ser "ocidentalizados"ou
simplesmente se adequarem a princípios indianos 111ais esclarecid01·

• N.T.: Oh, cena desgrJ~·acla1 // Você n:lo pod . 1// Afoo3don<"'


sdv;igem dissonànc·· // M· . . ' e ouvir os bme mos dela - seu som. e~~
. - i,t ..1sernsuafacevocêvê // A . • 1·· . ·, // Vêcrn~uJ , ,.
dilatada a força desesperada // Que . . sup tCa e a agoni:.t. - . . conií.l;,,
'
a~ora em contenda inútil. / / A ora e
com vao eslo
. .
1 • i •ct / /
. rço utaamca por \'l a; .
seus· .
hí.lço
pt'<k t'OI \,
··
" .- 1 d g o rn seh agena e por inteiro / / Contra :l rnuludito
,.or pie( a e ampla: // Eles a forr,;am ele · , ,
· s ª ,tt,trn aos mortos.

1
....

--- -
H o ~, 1 N \ L M u I H I R 1 1
- - - - ------....:_:___:_:_..:....::.._:__..:____.:N~()::._'._

as mudanças forain positivas. Segundo um funcionário: "nós es-


wmos navega nd0 contra a torrente de sangue infantil derra1nado
I ~M~I'l~R:..:_
I _:;A1~1.2._IM~O~R!_R~I 1~ I N~O~l!__A_
I ~Cl~l~N~A~
/1.~N~ ~l.15

pelas n1ãos de pais desnaturados".


A questão do sati veio en1 seguida : de acordo com os valores
britânicos, era crin1e forçar ou mes1no pern1itir que a esposa se
imolasse porque o marido tinha morrido. Essa prática não era datada
do início do hinduísmo, mas do período pós-clássico. Não era muito
comu1n, en1bora sua ünportância sünbólica tenha sobrepujado eu
papel real nas vidas das n1ulheres indianas. Ocorria, e1n pa1ticular,
em algu1nas regiões ünportantes . O sati pretendia enfatizar a
desin1portância da vida de u1na n1tilher se1n o n1arido, além, é
claro, da pouca itnpo1tância, n1anifestada no hinduís1no , da vida
terrena. O sacrifício era un1a fonna de adquirir n1érito espiritual.
Também ajudava a aliviar a carga econômica de 1nanter uma viúva ,
um assunto constante nas sociedades patriarcais. E sem dúvida era
uma ilustração dran1ática , ainda que atípica, do do1nínio n1asculino
na sociedade indiana.
Pelo final do século XVIII, funcionários britânicos con1eçara1n
a agir contra o sati (governantes portugueses en1 Goa já por
volta de 1510 condenavam essa prática , e alguns governantes
muçultnanos de estados indianos tan1bém). A primeira tentativa
usou de persuasão: a prática parecia profundan1ente enraizada
no hinduísmo (mais, de fato, do que o infanticídio, que nào tinha
apoio na religião). De vez e1n quando, funcionários tentavan1
dissuadir u1na viúva a se sacrificar na pira, en1bora en1 geral fa -
lhasse1n diante da obstinação dela en1 se juntar ao n1arido n1orto.
Muitos relatos exigiam ação legal, 1nas o governo protelava. Tenta-
ran1-se alguns acordos, exigindo regulan1entaçào estrita do sati
para assegurar que fosse inteira1nente voluntário e que nenhu1na
mulher grávida pudesse n1orrer. O governo se preocupava con1 a
resistência indiana eventuais rebeliões, se tuna n1edida geral fosse
)

imposta, mas afinal, tendo ganho 1naior controle da ad1ninistraçào


colonial, os britânicos abandonara1n as hesitações e baniram o sati
0 ficialtnente em 1829. Qualquer auxílio a essa prática passou a

ser encarado como homicídio. Houve pouca repercussão. Alguns


h_ornens indianos protestaran1 junto ao governo contra o que
viam como interferência em seus direitos, e itnolações ocasiona is
. ~~~"1~1~ \ .::._•~ú~
I ,~f)~I~,~;l~N~
l ..'.'.,_R~•l_ _ _ _ _ __ _ __
1 lt, 11 1 , l •' R I_:'._11 \ ' " ' ~
---
, ce mandato britânico. Passou
continu~1r;,1n1 a ocorrer d ur.JI1_ . O . b- • l -se '11· .
un1~1 décad~1 ~1nres que a prattea fosse dan1c ~·d~on10 resultado ~is
." . s dos esta os a1n a governact a
pn::'S~~•o bntan1G1, en1 a 1gui1 _ os p
. . .· cipesco oconeu en1 1861 ina 1 or
príncipes - o últuno sati P1 l1l ' s 1ouve
de faro L11na 1nudança. . .
.
A 111uc1.ança f 01 1e1,
. corçada por reformadores
_ . 1nd1anos _ em ca 111_
panha, apesar de o hinduísn10 parece_1 sanc_1o_narb ~ pratica. Essa
. _ . . . ·t nte elo que a 11npos1çao ntanica v-
trans1çao foi n1a1s 11npo1 a . . _. " . . · arios
-d . . d
11 e1es 1n 1anos, . expostos às
J
1de1as b11tan1cas, persuadiram-se d
e • •

que a n1udança era necessária. En1 seu senso d~ JUSt1ça , na questão


--
d e genero, estavam abertos
e
a redefinições e sent1ran1

e1nbaraço eorn
t
os ataques britânicos a sinais do que ~ra. VlS o como _barbárie dos
indianos. Ra111n1ohun Roy foi o líder indiano refonrusta do início
do século xrx, dedicado a refonnular O hinduísmo em inúmeros
aspectos. Intelectual, Ran1111ohun insistiu en1 defender u1na cultura
indiana separada e expurgada de aspectos que pareciam manter
0 atraso indiano aos olhos do Ocidente. O primeiro panfleto de
Ranunohun contra o sati apareceu em 1818, no n1omento em que
os funcionários britânicos discutiam qual política adotar e alguns
líderes indianos, resistindo à pressão britânica, argun1entavam
que a preservação do sati era vital para a independência religiosa.
Contrário ao e111prego de restrições legais, que irian1 contra os
direitos dos indianos, Ra1nn1ohun den1onstrou que o sati nào se
apoiava em te:x"tos hindus. Afinnava que a prática n1enosprezava
as mulheres, negando-lhes os "excelentes n1éritos a que tinham
direito por natureza". Ran1mohun acreditava que uma campanha
de educação e persuasão, dirigida contra o sati n1as envolvendo
revisões 111ais an1plas das ideias sobre as mulheres, eliminaria
gradualn1ente a prática; te111ia as possíveis reações à proibição routl.
Con1partilhava co111 os britânicos, no entanto, un1a crença de que
ce11as práticas indianas era111 brutais, en1 bora seu argun1ento fosse
de que o hinduís1no puro e original não apoiava essa nódoa. Assim.
quando o édito de 1829 finahnente passou, Rammohun juntou-se ao

l júbilo britânico. Agradeceu aos ingleses pela proibição, e alegrou-se


··~e qu~ o h~diondo ~ecado de crueldade para com as mulhe~;
nao 1na1s sena co1net1do", acrescentando, en1 apoio a sua agen_
n1aior, "que o sisten1a 1nais antigo e puro da reliaiào hindu 0ª
0

d ~vena . . . d º
~a~s _ser arn11na o pelos próprios hindus ". Apoiou
corll

vigor a re1e1çao dos britânicos às petições indianas.

-~--
II 1 ' "" 1 "' ' 1 M 11 1 11 1 " , , ,~ u ,M ,. , " , ,. , , , M o ,. " , , A ,, , e u N ,. iN ,, , " 137

A trajetória reforniista continuou a atacar aspectos da prática ele


ct.1san1entos dos indianos, à tnedida que os britânicos prosseguiarn
ressionanclo a tradição hindu e esti1nulanclo seus líderes a coor-
~enarem e atualizaretn as leis religiosas. A tradição hindu há muito
:e
proibia as viúvas de .recasarem , principalmente nas classes altas.
Mais u1na vez o obJet1vo era enfatizar a ligação com um 1narido
e impedir a dispersão da propriedade do marido. O efeito, no
entanto, podia ser devastador, pois as viúvas, sem meios próprios
ele sobrevivência , podiam cair na miséria, e consu1nir as posses da
família . O proble1na era co1nplexo quando um casamento tivesse
sido arranjado na infância - prática comum nas castas altas - e
a viúva não fosse ainda adulta . As perspectivas para o resto da
vida dela era1n n1uito áridas . Funcionários britânicos, a partir dos
costu1nes de sua própria sociedade, olhavam com desconfiança
para casamentos arranjados na infância, mas evitavam inte1ferir.
A questão das viúvas, embora um assunto 1nenor, era muito pro-
blemático e chamava a atenção. Uma lei de 1859 legalizou o
recasamento das viúvas e legitimou as crianças nascidas dessas
uniões. A propriedade do marido morto, no entanto, voltava para
seus herdeiros mais próxin1os; a viúva que se recasava não tinha
direito sobre ela, embora a propriedade que ela tivesse levado ao
casamento permanecesse intacta. Esse resultado, curiosamente,
prejudicou as mulheres que (por sua casta baixa ou pela região em
que viviam) não estavam sujeitas à lei hindu estrita - n1ais um caso
em que o contato cultural infligia inesperado dano pela comple-
xidade das tradições envolvidas e pelas limitações dos padrões
modernos. A nova lei fez surgir uma porção de casos submetidos
às cortes britânico-indianas nas décadas seguintes, principalmente
sobre questões de propriedade. Uma lei de 1937 finalmente revisou
o édito, permitindo às viúvas compartilhar a propriedade do falecido
marido mesmo quando recasava1n; as leis 1nais igualitárias na Índia
independente, depois de 1947, pern1itiram 1nais igualdade ainda
no acesso à propriedade.
Os reformistas britânicos pretendiam, com clareza, melhorar o
que vian1 como aspectos 1nais danosos da tradição indiana, que
Pesavam sobre os oinbros das 1nulheres quando julgadas pelos
Padrões ocidentais. Propuseram mudanças cautelosas. O im-
pacto foi frequenteinente limitado e en1 alguns casos pioraram a
1 1~ 11 , , , ( • , , , " , , " 11 " ~ ,·, , , n , e, r N 11( 11

situ~1<.;:10 cbs 1nulheres, mas algumas práticas indianas tradicionais


for~1n1 reconsideradas. De igual in1portância foi o estímulo para os
refonni.st~1s indi::lnos repensaretn questões de gênero, un1a corrente
que se a1npliou dali para frente .
As n1ecliclas reforn1istas, no entanto, não envolveram as vozes das
próprias mulheres. Tanto os líderes britânicos quanto os indianos
não considera ran1 útil consultar as mulheres; as medidas deveriam
ser to1nadas en1 seu no1ne, co1no parte da benevolência patriarcal.
Assin1, não é possível saber o que as 1nulheres pensavan1 das re-
forn1as iniciais, ou quão an1pla1nente isso as tocava. O contato cul-
tural nessas décadas, a1nortecido pelas condições econômicas em
deterioração, foi lin1itado não só pelas hesitações dos reformadores,
1nas tan1bén1 por seus preconceitos.

MEMSAHIBS E OUTRAS VOZES FEMININAS


Outra forma de contato cultural desenvolvido durante o primeiro
século ou pouco mais de mandato colonial britânico foi a presença
de n1ulheres inglesas na Índia. As consequências também foram
lin1itadas e a1nbivalentes.
A política britânica inicialmente desencorajava as esposas de
acompanhar os maridos à Índia, porque a vida seria difícil e tediosa.
Muitos homens se casavam com portuguesas ou mulheres de outra
origem. A política da Companhia das Índias Orientais se deslocou ,
no entanto, no final do século XVIII, para subsidiar 1nulheres inglesas
aventureiras que quisessem ir à Índia em busca de marido. Por
volta do século xrx, um notável grupo de esposas inglesas residia
na Índia, e as da alta classe eram conhecidas como memsahibs.
A vida delas girava em torno de dirigir uma equipe de serviçais
indianos, cuja língua quase nunca dominavam. A tolerância pela
cultura indiana diminuiu no decorrer do século, à 1nedida que a
Grã-Bretanha prosperava e construía enclaves isolados nos quais
os costumes europeus se aco1nodava1n ligeiramente ao ambiente
indiano. O cotidiano concentrava-se em rituais sociais, realçados por
jantares em que a comida era u1na versão indiana de pratos ingleses,
cozinhados por pessoas do lugar e1n cozinhas de ca1npanha en1 que
a memsahih nunca punha os pés. A vida se tornou uma caricatura
do ideal clo1néstico britânico, con1 mulheres circunspectas, 1nas
-----
fi t."" ·~, 1 ' ' ! v L \ t 1 ( r, ,. ~ •
- -- - ---._..:._..:......:....:•....:.._~
· (~> _...'.._
1~"!_í~1 ':...:'~'~' 1~1~"~º__.:•~ f_.. 'I. _.!_
f :__:_~•'-~l~C~o----2. 1 •:__!l~J')
" ~,__!_l_..::.,~11.!_

. . concentradas en1 assuntos d on1est1Cos


· t'11c.>1:--.
, · • • e1e1enc
e soc1a1s e 1·d
I as
i11 d O 111 d ,
d:t rc.>Jlida~e un º. exterior. As esposas dos funcionários do
,c:0 ·iço ci,•il _e ranl _descntas como obtusas: "As senhoras civis são
~01 geral rnui~o quietas, sem energia, falan1 sussurrando se vestem
de 01311 eira snnples, quase sempre elegante".
Éincerto o in1~acto ~ue esse grupo europeu teve, apesar das discussões
:1cirr3das dos histonadores. Os serviçais indianos evidenternente
:1prenderan1 r~1uito s~bre as n1ulheres europeias, mas a ligação foi pouca.
su:1 a,·ersão nao pocha ser mostrada abertan1ente como a das nienisahibs
3 respeito da Índia, rnas foi sem dúvida bem forte.
\"o entanto, a situação não estacionou . No final do século )(TX ,
um crescente nú1nero de cargos subordinados do serviço civil era
preenchido por indianos. Isso determinou uma socialização liJnitada
e n1uito tínlida con1 n1ulheres britânicas, e co1n esse contato, um
conhecimento maior dos costumes europeus relativos a gênero. E
mais importante: houve n1udanças nas próprias mulheres inglesas .
O final do século xrx viu crescer o ativismo e a atuação em reforn1as
sociais por parte de mulheres, co1nplementando o idea l do1néstico.
Começou com a presença de algumas mulheres, para em seguida
se estender a grupos maiores, que introduziram um novo leque ele
opções em suas vidas na Índia . Além disso , cresceu o nún1ero de
mulheres inglesas em trabalhos rnissionários .
Algumas mulheres inglesas co1neçaram a pressionar por mu-
danças em vários aspectos da vida indiana, desde saúde a té
casamento. A crescente preocupação pelos direitos das mulheres n a
Inglaterra acaba se traduzindo numa atenção para con1 as relações
de gênero na colônia . Flora Steele, por exe1nplo, que acompanhava
o marido num posto fronteiriço remoto, decidiu ilnpriinir muda nças
em sua vida. Aprendeu a língua local e se dedicou tanto a transnlitir
informações sobre a índia para outras me1nsahibsquanto a estimular
a educação das mulheres _ um 1novimento que se fortalecia na
Europa Ocidental e agora era a plicado à colônia. Abriu u~~ escola
de meninas e foi indicada para inspetora d e escolas fen11n1nas em
t<)da a província . As missionárias também desenvolveram esforços
ed~cacionais, começando com uma primeira escola _para "meninas
nativas·· em 1818. Por volta de 1901 , com algum apoio do governo,
havia 5.628 escolas prinlárias e 467 escolas secundárias, orientando
44 47( ·
· J tndíanas e també nl capacitando f uturas- pro fessoras. -
(\· 'I ~\ _'2.
D~I ~<,~I~N~l_!'..~~u _ _ _ _ _ _ _ _ __
1-11) 11
- - ----
1 ' 1 ( " 1 ,, ll ' 1 R1 1 A~
---·~
. . . . , , ·esceu no século xx com a cheg'lcl-
de 1111c1attv...i e 1 ·
\--:.s·s·c, t1· \A
.... ) , - ' <t cl
J outros JY11ses na I 1·
. ,. · .. . , ericanas e e e '" '" nc 1a t
mulheres bnta~tcd~, am . a ão das n1ulheres . Nessas altur• Para
aprimorar a saude e a educ ç . d .d . as, as
, , ,1111 novo estilo e v1 a, mteressan 1
mulheres tambem levav'- um co-se
-
. cosme 1
, ' t'cos e tipos ele danças e festas . As mu1J 1eres
por novas moe1as, . . .
, · , enfermeiras e parte1ras india
se empenharam em cdpacitar nas na
. . .
mecl1cma ocK1enta 1. 1 En 1916
, foi fundada a Faculdade . de Medic• Ina
.
LacIy H acInnge, 1
•ntei·ra· inente constituída de n1ulheres indianas ,
ee in
1922 foi criada outra escola de tnedicina para n~u~here~ em Madras.
Muitas iniciativas foram proteladas pela adn11n 1straçao colonial e
pela oposição de homens indianos, incluindo refonnistas que apesar
ele tudo persistian1 em 1nanter as 1nulheres "no banco de trás". Havia
mais cio que a supremacia n1asculina envolvida aqui, pois várias
escolas também ensinavam hábitos ali1nentares e fonnas de se vestir
ocidentais, ao 111es1no te1npo e1n que pron1oviam o cristianismo ou
pelo menos neutralidade religiosa. As próprias mulheres indianas
podiam colocar objeção a esses aspectos do intercâmbio cultural.
Além do n1ais, pelo tamanho da população indiana , mesmo as
iniciativas mais bem-sucedidas só alcançavam un1a pequena parte
das pessoas, predominantemente das cidades e da classe alta.
Paralelamente às 1nudanças nos papeis de algumas mulheres
ocidentais na Índia, surgia a nova voz das mulheres indianas instruídas.
Nos anos 1880, por exemplo, Pandita Ramabai publicou (nos Estados
Unidos) uma análise sarcástica da vida das mulheres na Índia, pondo
e1n evidência as altas castas e criticando a negligência dos funcionários
britânicos, assin1 co1no a tradição hindu. Estin1ulada pela infelicidade
conjugal da irmã, decorrente de um casamento arranjado na infância,
do qual a comunidade hindu não lhe permitia se libertar, Ramabai
tambétn se viu influenciada pelos padrões familiares bem diversos
que encontrou nas viagens para a Inglaterra. Seu alvo era a colônia
e o hinduísmo. Denunciou a limitação das leis contra O infanticídio
feminino, por exe1nplo, observando que O censo de 1881 registíJVíl
cinc~ :nilhões_de homens a 1nais do que mulheres. Descreveu ª
servida o da 1na1or patte dos casainentos, incluindo frequentes abusos,
reclamando que pela lei hindu as inulheres eran1 classificadas 00
nível de anünais e escravos. Vozes independentes desse tipo er~1~
raras,
. 1nas refletiam o impacto · sol)re as
'" 1nu lheres m . d.1anas das ide1t,
ocidentais, recebidas pela instruça'0 0 .
u por viagens.
,
lill M IN\ t
- - - - -__.:_~ M ~
l l l~l~
l tl R I \
---- - N t)
-_..:__' ::.:._~ r l~R~
' .:._: I A~l..!.:
1 l~M~O'.___~~R~ ~~.'!.!_~~-
t ~IA N I L li
N t, 1 N ll I t, ~1·11

No início cio século xx .


. 1· e ·ita ~ . , ' surg1ran1 várias re vis. tas t·emininas na
JrK w, es , 's ou por indiana 5 .
~ ,. . . . . ' ou inglesas _~ , • .
dos. costu1nes
.
n1dt1tn1ontats i d . · , nas qua1s u1na avaliaçào
n tanos figu ., .
Jrligo, por exe1nplo, un1a 111 L . iavam com destaque. Num
' 111e1 escreveu:
Uma jovem, pura com ,
o as aguas do G ,.
um velho viúvo de 6 anges, ve-se casada com
7 anos que não
f 1·1110s e fºl1 has adultos ._ • -
" apenas tem mumeros
, mas e tambén1 , E A

frequentes na sociedad . avo. sses casamentos são


e, e apoiados ne --
podem tratar as mulhe·· ssa pratica os homens
ies como clesca1t' . d'
sapato velho está furad ;- . ave,s, e tzer que se o
" o, vao usar outro -
lavar uma roupa em frang , e nao veem por que
e a1110s ou lamentar uma mulher.

. A essa
- altura,
, as 111ulheres indianas ms
. t.I u1'd as pressionavam
. por
movaçao
. d a sua volta ' refletindo a infl ,. · •d
uenc1a oc1 ental, 1nas nào
ma1s ependendo de n1odelos ocidenta1·s exp1-1c1tos. ·

NACIONALISMO E REFORMA
A ascensão de n1ovünentos em prol de 1naior autono1nia nacional
~ de~ois _indep~ndência refletiu n1uitas das ambiguidades do
mtercamb10 da India co111 o Ocidente no final do século xrx. Os
prüneiros 1novünentos nacionalistas era1n liderados por homens.
Mostraram-se forte1nente influenciados pelos ideais políticos
ocidentais - as ideias de nação e lealdade nacional eram in1por-
tadas -, 1nas não priorizavatn proble1nas de gênero. O próprio
nacionalismo europeu tinha sido un1 donúnio n1asculino, buscando
mudança política e militar, 1nas 1nantendo o status quo no que dizia
respeito às 111ulheres. O nacionalis1no indiano ta1nbé1n realçava
a validade de vários aspectos da tradição indiana, incluindo o
hinduísmo, que potencialmente li.I11itava n1udanças nos papéis e
re1aciona1nentos de hoinens e n1ulheres. No entanto, os nacionalistas
perceberam que seriain necessárias algun1as alterações no
hinduísmo para criar 0111a nação 1noderna e respeit~ve_I aos oll:os de
observadores estrangeiros e capaz de forjar novos 111ve1s d~ urndade.
Muitos n1ovimentos nacionalistas refonnadores cont1nuara1n a
Pensar a mulher não coino indivíduo, 1nas co1no esposa ~ n1àe.
Exig1·am a pr11nora1nen
. tos 11'a s,,tícle
,,
e n1esn10 . na educaçao
.
das
_.
inulhe . f' d eJhorar o atend1n1ento ela ta1111ha .
res, 1nas co1n o 1111 e 01 '
. . !ade de n1elhores escolas, atacanct
Muitos realçavam ª nece:;SK . n fornecer padrões consoi ·ct O 0
• . fracassai et 1 act
regi me co1orna 1 pot ~ _ · tnulheres (o que tem 0~
· d lucaçao para ª5 · grand
e rigorosos e ec · . 1naior fonnaçào religiosa (h· t
, · ) 1ndu)
1•e~sionava1n pot
mento , tnas P :; . d treina1nentos doméstico 5 ·
Alouns
0
clefendiatn cletennina os d - . l . corno
.d . . de que a e ucaçao a1uc . ana as mulhe res
11 )lel11e nto A 1 eia eia
cot I · . instruídos e apnmoraria seu ta
'l se relacionarem con1 1na ndos . lento
L , , a instrução promovena as mulheres corn
con10 1naes - nao que . d b lh 0
indivíduos ou as prepararia para outros t1~os ~ tra a o. Era urna
tensao , que ta1nb en1 , existia nos debates , . oc1denta1s . sobre a educaçào
d as n1u 111eres, 1nas a dl·scussào na Ind1a se desviava para um ponto
de vista n1ais tradicionalista :

0 caráter da educação elas meninas deveria ser diferente do dos


meninos em vários aspectos essenciais [. ..l. A educação nào deve
dessexualizar as nossas meninas.
Apesar de toda a tristeza e dor qu~ um hindu instruído sente
pela presente posição fe1ninina na India, ele não deixará suas
filhas e irmãs saírem pelo mundo em busca de emprego como
as meninas europeias, muito menos aceitará outros excessos aos
quais estão todas expostas pelas condições de vida.

No entanto, mesmo essa abordagem tín1ida teve resultados.


Indianos de casta alta, tanto o homem como a mulher, aos poucos
se acostumaram con1 a ideia de algum tipo de educação para as
mulheres. As mulheres individuahnente, operando dentro da órbita
dos 1novimentos nacionalistas reformistas, puderam criar escolas -
algumas delas com grande sucesso-, fazendo, entre outras coisas,
a capacitação de u1n nú1nero crescente de professoras. Surgiu
u1na variedade de organizações e clubes fetnininos a partir dos
1novünentos reformistas. Ainda que n1antendo uina visão bastante
tradicional da 1nulher, os líderes 1nasculinos tan1 bén1 pressionara~1
por outras mudanças, incluindo limitações ao casan1ento na infância
. ·
e meIhores d1re1tos para as viúvas _ vistas coino vitais para cn
·ar
uma atmosfera familiar mais saudável. .
~ssas _tentativ~s i_niciais avançaram para uin acolhin1ento rna;
nac1o~altsta dos direitos educacionais, políticos e legais das 1nulhere '
a pa~ttr do século xx. Gandhi, líder carismático surgido nos anos 192~-
pecl1u explicitamente o apoio das mulheres. Milhares de mulhere~,
--------- 11 ,, 1-\ 1 -
- - -
l'I \ 1 M li I li 1 1,
--- I \ N cl IM r_ __
l ltlA I 1 ~ •..'...'.......! 1 1 A 1~ 1 < <J II A ( 11 ~ a___!.'.11

.,nctuindo de casta . alta


. (e instruídas) , par , t·JCtparam
. d as manifestações
,,·1,,endo. pe
. 1.a pnn1e1ra
. utna exp · e nencta
'?. •
e,
pol1tica.
• , . A• enfase na não- A • • ~ '

. 1ênc1a f-01 cruc1a 1 para. convencet


v10 ... . as mu Ihe res a se aventurarem em
r •

,
·1tividades fora do confinamento dome'st1·co , a, med'd I a que o ve Ih o

costume do ~urdª _hco~~:çou cair e m desuso ( ver apítulo "O budismo


as· 111ulhe1es
_ ,chmes,Js
. ) . A respei·to . c1 ·isso . , G an . dh 1' a f'irmava que
e"a salvaçao da Incita depende do sacrt' f'tci·o e ela 1·1 ummacao • - d e suas
mulheres" ..•. Ho111e111
A e 1nulher são um · · 50- , ·se us. pro bl emas·· sao
- 1gua1s
· ·
en1 essencia. a 1tna em an1bos é igual". Ainda assim havia restrições:
"o dev~1: da maternidade, que a vasta maioria de mulheres se;,pre
assu,nura, _requer ~ual'.~ades que .º homem não precisa possuir.
Ela e passiva, ele ctttvo • Gandh1 discretamente reviu o hinduísmo
atribuindo-lhe um papel de equilibrador explícito de almas, e també~
defendendo uma educação de alta qualidade , mas manteve contato
com tradições n1ais antigas .
Na independência, em 1947, as n1ulheres ganharam direito
de voto, status igual de cidadãs e licença para ocupar cargos
em qualquer nível para os quais fossem eleitas. Em 1955, a lei
matrimonial hindu deu às mulheres o direito ao divórcio e elevou
para 15 anos a idade mínima de se casar. Outras medidas deram
às meninas direitos iguais aos dos meninos quanto à herança de
propriedades. Por volta de 1956-7, 40% das mulheres com direito
a se candidatar efetivamente o fizeram e um grande número delas
foi eleito para os parlamentos nacional e estadual.

CONCLUSÃO
Os resultados do contato cultural para as indianas foram e con-
tinuam a ser extremamente complexos. A pressão e o exemplo
britânico abriram polêmiea sobre inúmeras práticas tradicionais.
Contatos coloniais e esforços desenvolvidos por algumas mulheres
ocidentais na índia ajudaram a estimular outras mudanças. O zelo
britânico por reformas foi, no entanto, \Imitado tanto por um
interesse imperialista no lucro e na estabilidade quant~ pe_la longa
insistência no papel doméstico d as mulhe~es. As reaçoes indianas
foram igualmente complexas. A associaçao das reformas. com o
Ocidente p d' ·ça~ Aspectos do nacionalismo 1nd1ano
o 1a gerar opo51 0 • . . . . .
estavam ligados à reafinnação dos papéis e 1dea1s trad1c1ona1s. Toda
1-1-1 H 1,1o r 1A 0,1 R ll~( Ó l > DI G ( N l RO

~
a questão de contatos estava condicionada por padrões arnpia
desfavoráveis de 1nudança economica ' en1 particula r no qu I11ertt
A

. e
. e d12·
respeito às massas rurais. . .. Ia
Uma consequência do contato foi bein fa~iltar : o impul
I d. so ern
direção ao sincretismo. Poucas n1u Iheres na n 1ª se conve
e . . d nerarn
ao cristianis1no; en1 vez disso, buscaram n1u ança ou continuicta
dentro de un1a das religiões estabelecidas. Ivluitas rnulheres inst - de
.d . - . íll1das
das cidades conscientes dos va 1ores oci entais e avidas de s
' . . . e de.
fenderem da repressão tradicional, contmuavan1, no entanto a ac .
. ' eitar
certos costurnes, como os casamentos arranpdos. Algun1as PUnh
em dúvida se a n1udança realn1ente trazia liberdade para as mulherarn
. A es
en1 vista das exioências ocidentais com d tetas e aparencia para at .'
o ra~
os hoinens . Poucas indianas abraçaran1 os costurnes ocidentais
totalmente. Tratava-se de un1 padrão de contatos entre culturas bem
definidas, n1as acentuado por constrangimento e con1plexidades
decorrentes de uma prolongada interação con1 o Ocidente.
Por fim, a mudança foi desigual ( con10 ern todas as sociedades
do século xx). A Índia absorveu inuitos direitos legais e políticos ao
,, estilo ocidental. No entanto, corno fundan1entalisn10 hindu surgido
nos anos 1980, casos ocasionais de sati e infanticídio fen1inino ou
negligência de meninas tomaram a acontecer (ainda que contra a lei),
enquanto a violência ligada a questões de dote rnostrou a persistência
de uma determinada visão de casamento por parte de un1a minori:i
masculina extremista. A modernidade no que diz respeito a gênero
não se instalou na Índia co1n unanimidade. Se ele u1n lado as tensões
nacionais entre tradição e mudança foran1 con1partilhadas com outras
sociedades, inclusive Europa Ocidental e Estados Unidos, aspectos
l específicos continuarain distintos.

PARA SABER MAIS

A experiência de homens e mulheres indianos sob O coloni:.tli~mo 1em sido


muito discutida nos últimos anos, graças à atuação e teoria feminisca e 11 rea(to
contra a ideia de equiparação entre influência britânica e progresso: Kurnkut1~
13
Sangari e Sudesh Vaid (eds.), Recasttng Women . Essays on Jndian Col0 ~ ,
1
Hisrory (New Delhi: Kali for Women, 1989; New Brunswick, ~J : Rutgers Uniü"f::,.!'.
Prcss, 1989); Mary Ann Lind, lhe Compassíonate /'Vfemsahibs. Welfare Acrivi[le;
.. h W . I d. (N · r.r,-,1rud 1 •
o f Bnt1s omen m n Ia ew York: Brenwood Press, 1988); Rita ~' .. t'd
J mpena· / Ob7.1ects.
· -. on v·ictonan
Essays
· · W'omen's
, , r1,onz
Emigration anel the Un.1u
H '-l \\ t N ' l ~Ili l li l ~ 1 ' N l' 1 M I' 1 RI A 1 1, M \,.l p. R 1 1 A N ICO NA I N l) 1 A )~15

rütl E:.;pe dence ( Ne w Yo rk : Twayne Publishe rs , 1998; Lo ndo n : Pre ntice


1
111, \tinrern:1tio n:1l. 1998); .J. Krishnamurty, Wo111e11 i11 Colon ial / nclia. Essays o n
t-1.t .· .
. ,r, ,,~1, \v'o rk a nd the Stare (New De lhi e New York : Oxford University Press,
~t )_ Sobre estudos de ho m e m e Colo nialismo na f nclia : Anne McClincock,
19'89, ·ial Leatbe1: Race , Ge nde r, a nel Sexualiry in the Colo nial Conte.sr (Lo ndo n e
1 ,,,,p(. 1"ork: Ro utledge , l 99-) ) ; Gra han Dawson Soldier h eroes: British Aclvenrure ,
1 1Nc''' . l e - ncl rhe lmaging • . . . )
o f l'vla.scu\1111t1es (Lo nclo n/ New Yo rk : Ro utle d ge ,
1
En~~;~ ;,,;inalini Sinh:1. Col o nia l i'v/asc11/i11izv. The "Manly Englishma n" a nel the
3 19"" · ace Be ngali'' in the Late Nineteenth Centurv (Manchester: Manchester
110
··E11c.> n • '
University Press, 1997).
r
l

r
:;
l
:;

)
{NFLUÊNClAS OCIDENTAIS E REAÇÕES REGIONAIS:
A POLINÉSIA E A ÁFRJCA

Os contatos ocidentais com 3 ilhas do Pacífico ou Oceania e


com a África subsaariana intensificar;1m-se no século xrx. Partes do
Pacífico, como a Polinésia - com arquipébgos con10 os do Taiti e
Havaí - , registraram u1na pe netracào significativa no século ::---·Ym,
em seguida uma eclosão de atividades comerciais, n1issionári:1s e
por fim coloniais, a partir de 1820. Essas regiões tinham estado
isoladas durante n1uito tempo de outras panes do mundo, de fo1n1a
que a chegada de estrangeiros acabou sendo ao mesmo te1npo
atraente e desagregadora. Na África subsaariana, o imperialis1no
ocidental irron1peu a partir de 1850/ 1860. Aqui as sociedades locais
~inham tido longo contato com outras partes do n1undo, 1nas a
intensidade dessa penetração política, religiosa e comercial feita
pel~ Ocidente não teve precedentes. Tanto na Polinésia , quanto
na Africa, os ajustes básicos do intercân1bio com o Ocidente -
1
ncluindo os Estados Unidos e a Europa Ocidental - estenderan1-se
Pelas primeiras décadas do século xx.
O intercâmbio coin a Polinésia e a África teve profundas iin-
Plica,,,
,oes para a questão de gênero, a1nc . pro f un d as e1o
· la n1a1s
que as na Incha
, . AResar de o contexto co1on1a · l ter s1·d o sen1e-
1
hante Ỽ eia India
, • diferenças ele tra d.1çao,
, as - d e pod er e os mo-
;-..~I ::_
!_:14~8-~H~l.:_I1:..._'.ô~R~l~A~D~A\~R~I~I ;,..~Ç~O~l~~D~l__::G~[~ lt ::,_O_ _ __ _ _ _ __ _ __________

Ocidente tiveram seu p ap el J\;Ju,·ros ,,


delos a presenta d os pe lo .~ · \j

semelhança co1n a expenencia ant (J\


l mos t raram
resu 1tacos h d . . erirn
nas Américas particularn1ente pelo e 1npen o o cnst1 anisn
, ✓ , 10 •

. . / . T bé1n co1no nas A.rnencJ ' a p opu 1acao local re


miss1onano. am • agiu
· · a/ r1·os · al 001 1ns entre o qua 1·5
de várias fonnas aos m1ssion.: ' ~ ' / grandt
nún1ero de n1ulheres, sentiran1-s: n~uito atra id~ , ao pa o qut
outros se ressentiran1 da interferenci 3 n a que5 wo d e idenridad
, 1 t
de gênero. o
inodelo ocident:d no ·ecu o x, x era diferente do
apresentado aos índios an1ericanos . Ha,,ia u,n cód igo exual rnai
severo e un1:1 insistência nun1a d efini çJo n1:1is re ·p<::ith·e] de faíllJlia.
con1 papéis ben1 diferences par:1 o h o n1en1 ê :.i mulher. I o tra
acon1panhado de un1:1 exploraçào econôn1ica n1uíro m ai - extensa.
pois o Ocidente industri::il foi n1~lis r:ípiclo en1 penetr:1 r J · economus
locais do que o Ocidente con1ercial tinha sido no sécu lo· ,, 1 e:
\.,1-1. Esse aspecto se juntou ao in1pacto do interc}rnbio ulrun'. .
com n1aiores result3dos do que no caso indiano .
Cn1a principais diferenç:1s no s r~1drões cb Polinési:1 e d:1 .\friu
com relaç-Jo à Índi~. no S<...:C-ulo ~x e início cio . ·. cli z rc..; peilo Jo
fato de que as incursóc·~ mi '.')ion[trias forarn ,naion:> ~. Corno .1 nuior
parte dos indianos st: n1anre,·l:' ligada ~to hinduís1no ou i~!Jnlisn11.1.
as inren·encões ocidentai-... crnbor:i ~ignificlti,·as, for:1m rt.'~[riU:.-
( As mesmas restrições aplicad:is :1 rcgiúes afric1n:1s rnu c;ulnun:1~.
que não se \ ·iram :.1traída~ pelo!'.) a pdu.-.; ,ni~.-.,ion:·1rios cri~c:·10:-. l Foi
também na Polin<:sia e na Africa qut.· os i,upcri:ilisu:,; ocidcrHJL'
deran1 rnaior ,·azão ao ~cnridu ci,·ilizauor de su:1 nli~.< 10 - u du·
n1ado ··dever do ho1nern branco ·· _ p :tra levar :, ilumin.1 ~-:'tu J(l.:-
povos atrasados.
Nlissionários ociden~Iis e funci< >n:'irios lLt col(>ni:i _ L·uj:1~ polílil'J:-.
c~n~o veremos, n~o er:in1 a~ rnc:-.n1as. especialn1L•nfL• nJ 1Üric 1-:-c•1n
du\ 1da pensaYan_ 1_ e star melhorando a con<liç·iu <..b 111 ullwr co 11 _1: )
1
parte cios benef1C1os proporcionados pelos p:turões ocic.knL1 ·
Houve,
. / . de fato , algun1as niucl-•r,, •_, s p o t enc1:.1
. < .·r·,,- :,; . l·u111,
.... ,._(.,. 1n1ente p >~ 1 1 ·1
1ndic10s de que o - loca · · • . • •; _ . . ·rclW·
. ,. is se Sl nt1,tn1 atr~udos por certos .1 ·. .(·>t ''
do n1ocleJo ocidental . Mas nesqui ·s··L. . . . 1 -,v·d1.1,
, • ,✓ s recentes. 1nc1u1nuo · ·
- , _'>!( 1
elas propnas n1ulheres t01n enhttiz· i d ·- --iu e L'_._n.1.
. ' ~ .ac. o a esorg~tn 1z~1<,.. . :..11·
proporc1onaclos pelas incursõ,__.s _. . .. . 1,-,diCJ( )fl
, .. , .. . _ .... . oc,c. 1entat.s . _S1Sll:'t1):l~ . .,J.t'
longc1n1ente:: estabelecidos for·in d , ·t 'J
~- 1 CS nlJ OS f10í 1)(.:"!ll - líl L
. t •nt·1 c 1rl·

~
'

e rrnas co1nbinadas com explo. ::- ~ .


reio raçao economtea m en os bem-
ifltencionada. O resultado, inevitavelmente, não foi a ociclentalizacão
is os locais retiveran1 · _
,
cora1, Po ~ . e importantes ele1nentos d o pas ado
e ctvera1n, alem disso, de reagir ao potencial d esorganizador. No
encanto, houve rnudança e n ovas divisões, à medid a que diferentes
grupos se aju 5t aran1 de várias m aneir3s. Entre o utros resultados,
as disputas de gênero acrescentaram elem entos às confusões
proporcionadas por décadas de contatos.
As interações con1 n1o d elo · culturais externos na Polinésia e
na África afetaran1 a histó ria ele regiões i1nportante · cio mundo
em tem1os humanos. An1pli:1ran1 a longa história do in1pacto d o
Ocidente sobre reb cionan1encos de gênero nos séculos n1oclernos,
com toda a sua cornplexidade . Aqui cava envolvida un1a série de
aspectos locais , corno tabu. dl..' gênero q u e garantiam a confiança ,
tanto na Polinésia quanto n:.1 ..\fric:1. nos relaL·ionamentos da família
extensa. Além disso. :ilgun:-- co1nponente;..; tinham estado presentes
em casos antigo con10 o~ d: Am0ri c:1s e J :1 índia , :.1 começa r pel:.1
distância entre as inren~.-õe:-- profL'~ ·:ida.., pelo.s ocidentais e os reais
resu1tado ·. Assirn como L'ITl c:1sos :intL·riores. os novo · padrões
justapunham pro tótipos cxrerno-, CjUL' tinlum sistemas ele gênero
ativos, bem desen\·olvido~ L' cm ger~il muito tr:1dicion:1is . l{epensar
os casos antigos pennite Lizer rn.·visõe~ sobre :1s linhas r rincipais
de troca , Jntecipando detalhes. O que .-.,cri,1 m:1is arr~tL·ntL' nos
modelos ocidentais~ o qut: cria mais destrutivo~ Os 1nissionjrios
e imperiali stas deran1 pouca atL"ncüo ~1s surilez:.1s históric:1s,
convencidos de s ua contribuicão ;1os paclrúcs que consider:1v:11n
indiscutíve!Inenre civilizados, rna.s os analis1:1s histó ricos pode1n
enxerga r isso
· rne 111or, a p a 111·r cf,. .1 -~1n·ílisc
' · de casos anteriorL"s.

A POLINÉSIA
.
Governantes 1n1portantes en1 p.u ~
. •res cb Polinési~1, con10 o .rei
Kameha rne I1a no H ava,,- t··tCHd, nl irnpressionados

corn .os . padroes
0 cicJent· • . _. . f . . outn razào a supenoncbde J :.1
a1s, no 1n1c10: na o osse P01 ' ' .
1Vc- n Jc)g·· . ..• "''l ponto. O interesse en1 reto rn1Js
0
1a nJva 1 ooc1enta 1 ma1<. .1 • . .
de, l'\tilo oc1·c1 enta , tanto parJ 101
e tJJecer reinos reg1o na1s co,no r:.1r:1
1 ·-
1\(l 11 1 ' 1 \) ll I A I' A ' ll 1 1 A ( ,'\ I ' I1 1 l; 1N I ll 1 1
-,

~11nples1nente . e1nba1aços
evitar . a os olhos europeus ' surgiu cedo. A0
- · 1 t s os contrastes entre os pad ~
n1esn10 ternpo, era1n tao evlC en e . roes de
gê nero ocidentais e as tradições locais, que os relacionamento entre
ho1nens e 1nulheres in1ediata1nente se tornarain teina de reforrna
Foi nesse contexto que, logo após a n1orte d~ ~atnehameba, se~
joven1 filho decidiu acabar con1 u1n tabu tradicional, o kapu, que
itnpedia ho1ne ns e 1nulheres de comerem juntos. Num banquete
ern 1819, e le se juntou à 1nesa das mulheres, declarando que "os
tabus estão no fi1n ... os deuses são uma mentira" -
Os 1nissioná rios chegara1n logo depois, tanto da Europa quanto
elos Estados Unidos. Encontraram 1nuita coisa aflitiva na situação da
n1ulher, alétn ela ausência do cristianismo. A fonna de se vestir e a
sexualidade eram te1nas in1portantes. A maior parte dos ocidentais
supunha que as 1nulheres fosse1n profundamente corrompidas em
1
' . vista da liberdade sexual de que gozavam na juventude; muitos
acreditavam que atividade sexual precoce e pro1níscua era também
u1n sinal da degradação das mulheres. Assim, parecia itnportante
não só para o decoro, como para o interesse das próprias n1ulheres,
fazer pressão por mudanças no vestuário, que cobriria corpos nus, e
outras alterações como restrições a danças tradicionais provocativas
co1no a hula. Os missionários ta1nbé1n exigiram a interrupção
de abortos e infanticídio, usados como fonna de controle da na-
talidade. As restrições sexuais, no ponto de vista do Ocidente
conten1porâneo, faria1n esse controle. O aborto tinha sido tolerado
por muito te1npo ta1nbén1 no Ocidente, 1nas por volta de 1820, 1830,
tornara-se critne para desencorajar excesso de atividade sexual. Os
havaianos resistiram a muitas das 1nuclanças, 1nas no decorrer do
te1npo se curvaram perante questões co1no estilos de vestuário. Os
1nissionários e suas esposas não ficara1n 1nuito convencidos dos
procediinentos tomados, 1nas por volta dos anos 1840 111encionaral11
alguns avanços.
A introdução da educação fonnal para jovens inulheres, e mesmo
adultas, foi feita de maneira tnais suave. Aparenteinente, muiWS
estava1n interessadas, e os professores inissionários logo observar~111~
meninas "ansiosas por aprender" ou "que repetiam co1n praze;
suas lições". E111bora os n1issionários estivessen1 particuhirrnerir

L
---- 1
- - - -- - - ~..:..:._N...:..._
1
f .'.·:__'U'...::[~N...'.:_C.'.._'.A~S___'O:?.;C:_'_

vo!wdos para conveiter os ho1nens ao cristianismo, como cabeças da


família, rnuitas mulheres tomaram a liderança. Nesse caso, parecia
I l~D.:_lN~T~A~I~S~l__':R:._!_l~AÇ~O~f'._:S~R I O~N~A~I~~- ~
~[~G~ 151

que os 1nissionários estavam oferecendo novas perspectivas para as


mulheres, ainda que as religiões politeístas tradicionais reservassem
papéis de liderança significativos para algumas mulheres.
Os n1issionários também induziram mudanças no trabalho.
ficaram estarrecidos com a quantidade de trabalho das 1nulheres
fora de casa, enquanto os homens pareciam desocupados e as
mulheres desproporcionahnente focadas em assuntos domésticos.
Do ponto de vista deles, na família respeitável cabia ao homem
prover a renda básica, e às 1nulheres 1nanter a casa limpa e to1nar
conta das crianças. O trabalho na agricultura era "inadequado
para o sexo fen1inino" , "depreciativo para as mulheres e hostil
ao apritnoramento moral". Assitn, deu-se considerável atenção
em promover habilidades femininas co1no a costura (que trazia o
benefício adicional de produzir roupas "decentes"), e empregar
os homens nos ca1npos. Utn resultado evidente foi lnna crescente
desigualdade de poder econômico entre hornens e mulheres,
comparado aos padrões tradicionais polinésios, an1pliaclo pela
insistência dos missionários de que as 1nulheres respeitassen1 a
autoridade dos maridos - como era o padrão corrente na Europa
e nos Estados Unidos.
A pressão dos missionários acabou ro1npendo tradições ela fa1nília
extensa. Aquela considerada adequada era a nuclear, e as tradições
familiares antigas, em que muitos adultos diferentes colaboravam
no cuidado com as crianças, foram vigorosa1nente reprovadas.
O resultado da perseverante campanha por 1nudanças foi a
redução de muitos dos controles que as n1ulheres polinésias 111an-
tinha1n em suas vidas. Tornou-se 1nais difícil regular o número
de nascimentos ou de crianças, dados os esforços de suspender
os métodos tradicionais. Os cuidados das crianças ficaram afetos
individualmente a mulheres. Ocorreram ganhos educacionais, 1nas
seu in1pacto foi atenuado pelas restrições às oportunidades de
trabalho. Acin1 a de tudo, a consequência do contato com persiste ntes
Padrões do Ocidente trouxe confusão e disse nsão. Foi difícil abrir
~
152:__~H~i~I l~O~R~IA~OA~l~~:_t_l_:_'.lA~C~O.:__:IS~ Dl~ G (~ N:..'...
l :._:
RO
~ - - - - - - -- ~

n1ào de inúmeras tradiçôes para assumir uma feição ocidental, rn


também foi vittualmente ilnpossível manter os costumes tradicion ~s
nf d ais
sem qualquer modificação. O poder e ª autoco iança os rnodel
.d . " os
ocidentais não puderam ser estremeci os e ª restSlencia forrnaJ
foi quase inexistente. Deixou-se que os home~s e, as mulheres
individualmente dessem sentido às novas combmaçoes possíveis
Mais tarde, é evidente, os próprios modelos ocidentais mudariam.
O advento do turismo do final elo século XIX em diante troux~
novos modelos de consumismo e sexualidade. Alguns visitantes
ocidentais tentaram se aproveitar dos interesses dos polinésios, reais
ou imaginários, no desfrute sexual e de danças sedutoras, e, em
consequência, contrastando com as décadas iniciais ela interação,
desenvolveu-se uma mútua influência. Campanhas feministas
também marcaram ponto, exigindo novos tipos de direitos. o
processo de ajustes continuou durante o século KX .
" 1' Os padrões de interação entre a Europa Ocidental e a Polinésia
(
também se aplicaram à Nova Zelândia, em que a população maon
representava um grande grupo ele polinésios. (A imigração polinésia
para a Nova Zelândia , em pa1ticular para a Ilha Norte, ocorreu entre
1150 e 1450.) Corno em outros lugares, o contato com o Ocidemt
primeiro se desenvolveu na forma de comércio disperso, com pouco
impacto cultural, mas a colonização foi agilizada depois ele 181-1, com
a atividade missionária católica e protestante seguindo Jo encalço.
O impacto europeu foi acelerado por vários fatores conhecidos.
As estruturas social e política maoris foram severamente :ivariadas
pela intrusão europeia, incluindo confiscos ele larg::1 extensào dr
terras. As doenças também se espalharam. A população maori de·
cresceu consideravelmente nos anos 1850 ( para 56.000), caindo par.1
42.000, por volta de 1896. Os europeus, incluindo os míssion:írio:·
itnpunham seus padrões culturais, mas também seus métodos agn·
colas, que evidentemente eram mais produtivos. Ficava difícil resisrir
inteiramente. Pelos anos 1850, a maior parte cios maoris cinh:t ~t'
tornado, pelo menos oficialmente, cristã.
0
Houve algumas características especiais. Tradicionalinenrt'. ~
maons • eram pol'igarnos e ,ortemente
e
patriarcais, como 1:117 0 urro~
f '-' f 1 1, , ..,~ 1
,
- - _ / \ {lj I f\ f ' i
' 1 \ ' ... 1 \ " f • ' ( 1 ... ' ' 1\ 1

)onl<>-" d:1 PolinésiJ . As pro ibiçõ "'. 1


' • • , ,· _, • • '
r :, • .> e s e l' con(~tto, f)Or exemplo, clu -
1nlC ;1s rc e1~0 s, er.1111 m e nos s - , e:. -.. . . .
r: . . . . __ . e\erc1s. Oseuropeuscrrt1c1v~1rnos
11 •
r1onsPº' , .
suh1ug ...11en1 as Inull "
L •
. -
l eres, mas d e foto n{10 ente ndi:1111
, , caractcnst1c1s cJa religiào p 0 J' , . .
,1. , , . • ,. • • • • . , tteista que ~1tnbu1a muito po der ~,
·1• s cll1 p3111eula1. ,1ssoc1ado a •e xua 11C
t ,1·,
· 1ac1e. Novamente o impulso
do•s europeus. fo1 cJe preceitL1ar uma e1·f · ~
1 erenc,açJo ele (Te nero

,nais· oc1cJental ' com as muU1ere • eon macas 1 ,1 ra peIs r·


-. cl o me:--t
- Icos.

1lla ~ muito louvadas· por boa e onc1uta. . Havia · ameia


· outro Jspecto
l·ce:..,,·encial no contexto ehe No vc1· ze 1anc
e,,, :- 1ia
· : em algumas partes ela llh~,
Norte, a liderança maori havia muito s encontr~Iva bt: m o rg~iniz~1cl::l ,
capaz de insuflar rebeliões (ainda que infrutíferas) contr~I o go-
verno colonbl inglês nos anos 1860. As rressôcs cio governo
por 3s.si1nilação fora1n crescendo e, em 1879, 0 Est,ic.lo l~)mou o
controle da educação tnaori . No entanto, pern1itiu cena lihcrcbclc ele
preservar aJguns costumes - co1no a extensa taru~Igcm cios homens -
L' a sinergia das tradições religiosas com o cristianismo . As mulheres

m:1oris, no século xx, exigiram acesso a profecias e rcvela ç{K·s


religiosas que pudessem lhes dar considerável voz políIic 1. A v isJo
europeia das tradições fan1iliares maoris era especialmente severa ,
atenuada, no entanto, pelo desejo de 1nanter rela ões pacífica · d e
raça. As pressões em prol de assitnilaçào, porén1, continuaram ,
em particular quando alguns n1aoris con1eçaram a se 1nucbr para
cidades n1aiores e os casa1nentos 1nistos aun1enraram.
As condições na Nova Zelândia també1n estitnubram inovações
bastante precoces em leis a respeito de relacionamento hon1en1-
rnulher. Con1o en1 111uitas sociedades coloniais ocidentais, en1 que
as mulheres de origetn europeia eran1 n1inoria e seu trabalho na
agricultura de fronteira excepcionalinente valioso, n1anifestaçõe ·
por mudanças na questão de gênero en1ergira111 co1n fo 1\·a nJ
1
'>l'gunda inetade do século xix . A Nova Zelândia se rornou a pri-
meira nação, enl 1893 , a permitir a mulheres adulus vot~1re1n. t'
<JLJtras J · .
, eis garanttran1 ·
n1a1or ·gualdade no ~,cesso ao. tr~1balho e ~10
1 1 ,
divc·,rc·· E . nros ri-1o c.lecorrera1n d1rt'U1nentt' <.b
10. Jsses acontec1n1e • ' . . .
1 in t(:r· ,,' . "" no linésios 1n~1s to r~un insenclos
,içao cultur~tl entre europeu~ e t '
1 no ,"r·o, cesso e1e ass11111 - clu1··.. I11t·e o •século · ·
· ·1 ~,çao
f .... .. ,
1 ' H 1' '

1\ 1 li 1 . 1\ \ lJ I\ \ 1\ 1\IU /\ N 1\

\ ..., Cll 11.... . ., tc')c•.. ,


ele gê nero n;"io ;1p;1rece r;1n1 de forn1 :1 t;)o a,n 111
;i no
( ·0 111:11 0 ....
.
ocidc nt ;ti.-.. 11;1 Afric 1, ;i p;irtir cLt m et.~tcl e cio s(•cul 0 x,
1
i
( Hn,) 11 : 1 Polin(,~i:1. G r;tndcs riv:1l icbcl~s ele po~le~-, ;ico r:teci 1nento:
t.:c() n c'nn il·o ."- 1u rhu lento-" e ataques a e sera v1clao a frtca na er·i
. - ' 1))
f)r< lhk-111:1.-.. considcr:1clos mais importantes. A mte ra çao e urop1.:i·
1· - ,1
cc) I11 :1 Afri c:1 ,~1mh(·m foi complic 1c1a por e isse n sot::s e ntre niis.
>,ic >11:·1riCl.-.. c ri .•-;i :,os e funcion:.írios ~olo niais . Os tni~si_o~J rios logo
dv.-.,1._·nvc >lvcr:tm um program..1 parcc 1clo com o cb Poltnes1~1. te nt:inc.lo
inc 1tlc1r idc:1is de L11níli:1 n o estilo ocide ntal num contexto traclicion:il
h1._·111 d i k-r1...·ntc . CJs fun c io n:.í rios coloniais , n o e ntanto , n:10 queri:tni

~1...· :1rri.sc:1r :1 choques com os africanos , p o is seu objetivo era a


l'St : 1hi I id:1clc pol ític:1. Assim , mostravam-se le ntos em regu l:1ment:ir
os coI11pon:ImcnIos que os missionários achavan1 n ec<:ssários.
As qucsltH.:·s dl:' gênero variavan1 nas difere ntes partes cio
vIHHI11c subcontinente ao sul elo Saara, e ern geral as mulhcre\
ti nh:1111 m:1 ntido v[1rias forn1as de poder antes do contato colonial.
Co111 frequência , trabalhavam en1 diversas tarefas na agricultura
1._• assu rnia rn responsabilidades significativas no comércio de
..p n1L·rc1dori:1s. Algurnas eran1 chefes, un1a vez que o pode r político
n:'tc) se confinava ~tos hon1ens; outras detínha111 funções religiosas. As
rnulheres e1n geral criaran1 associações e conquistaran1 voz política
infonn~d; existia un1a forte tradição de participação feminina em
prn1esros. Muitos grupos obedeciarn a descendência 111atriline:u na
org:1nizaç~10 familiar.
Jsso nt10 fazia sentido para os padrões europeus ociclent:..tis
conren1porJneos. Funcion;írios coloniais e rnissionários escavam
ir1tc.·ressaclos e n1 pro1nover o trabalho dos ho1nens, co1no fonte de
1n;}o ele obrJ nas minas e en1 propriedades rurais voltadas par~1 J
:1griculrurJ co111erci ..d e funcionando co1no u 1n a base para novos
sistcrnas de :1rrecaclaçào ele irnpostos . Os papéis tradicionais de
rr:-11>:Jlho p:1r:.1 as rnulheres parecian1 pesados, alén1 ele as irnpeclirck
d e dic:ir ~1~1tenc;,1o :-1clequacla a suas famílias. Assi.Jn, urna lei de 1929, nJ
· e- G.,;_Ina, 1evou a• pnsào
rl'gi :·10 que 1101e · ·
111ulheres cornerciante~ · 1·uri!0
Iheres ;1
corn prosri1utas. I--f ouve gr;incIe pressão par~, confinar as mu · . ·
11
un1 JXXf lH.:' flO ntmKTo de tarefas, ~rn ger:tl bastante relacion ~icJ:is <.Ot
1-" 0 H 1 , 1 l' i:. 1 , n", i:. 1 1 , ...- l, 1 , o1 ...; r 1'-1 1 f:. 0

várias partes da África, no início do século À..°'-: , co1n in1pleme


de "1noral , educ1çào
,. liter[1ria e. indusu·ia
. l'" . i'vluiras alunas asp 1ra\·a
· ntos
a tornar-se professoras ou enfenneiras 1nas por volta de 1930 11:l
b ?111 .n ún1ero de 1nulheres se ave nt~ 1~0~1 .n1a 1.s l onge. Un1a n1ulher Ufll

n1genana se fonnou na Oxford Un1ve1s1ty en1 1934, enquant


0
pritne.ira advogada con1eçou a atuar na Nigéria em 1935. ª
A insu·uçào ta1nbén1 podia desencadear novos tipo de atividact
econô1nica, apesar da pressão ocidental por don1e ticidacte, :
ta111bén1 novos tipos de organizações fen1ininas . Foi forn1ada uma
Liga Fe1ninina en1 Lagos, na Nigéria , nos a no 1920, que buscou
apoio governa111ental para pro1nover educação e saúde pública e
itnpedir a prostituição fenl.inina .
Grande parte da atenção voltou-se para a sexu alidade. Crenças
europeias racistas tendian1 a enfatizar o que e ra visto como
excessiva seJ...'"l.lalidade africana . Havia grande desconforto com
relação à presença de n1ulheres europeias n a África , pelo ··n c0 -
sexual. Parte dessa preocupação se traduziu e111 tentati,·as de
regular o comportamento fe1ninino, em particular na - cidades.
Precisamente por causa das novas li1nitações en1 ath·idades
econômicas, algumas mulheres africanas tornaran1-se prostiruus
urbanas, e eran1 alvo de grande preocupação. Foi nesse contexto que
algun1as administrações coloniais aprovaran1 leis contra o adulrério
fe1ninino, deixando o co1nportamento 1nasculino intocado . t'vluiros
africanos cristãos, tanto hon1ens quanto n1ulheres, juntaram-se ~1s
t tentativas de controlar o co1nportan1ento sexual , con10 quót:io
'
de convicção religiosa. Tambérn fora1n desenvolvidas ca1npJnh:1S
I
!
entre homens africanos das cidades, ainda n1ais an1plas. Aqui. :i
religião e o desejo de respeitabilidade era1n suplen1entados por
tentativas de reforçar a autoridade 1nasculina sobre n1ulhere5 e'
filhas potencialtnente teimosas . Muitos hon1ens africanos sentin1111
u 1na profunda insegurança econôn1ica e s ujeição a empres:i:
co111erciais ocidentais para as quais trabalhava m e1n cirgo~
, . d:i~
subordinados e geralmente segregados. Assegurar o don11 010
- • - i esse'
111 ulheres, nesse cenano, era uma evidente con1pensaçao. ·_
. e . car nJO
contexto, os n1ov11nentos re1onn1stas tinha1n espaço para ata iri
. b ,
só as prosututas, mas tam e1n outras mulheres que in11t:Jh . ·-1111 LI 1 '
1
. ~ _'ll.'._~
11 ,_, , ~ _,, _ ,, ~ ,
' l_:_A~l.(~> ,~,~n,~e!...:
' N~l_.':ll~l'- - - -- - - -- -~

. f. · . as relações entre hon1ens e 111 11


1raclic{10 que deveria e1e tnll _ li 1ere,
·' f bre que padroes adotar. s,
t: 1nuitos estava1n con usos so .
As qu estões de gênero acabaran1 c~nta_m1na ~do os moviment
• · · · d s nas pruneiras decadas do s , os
n~1cionalistas africanos 1n1oa O . . ecu]o ~
. .
P~1ra alguns naoona11stas, a cau
sa da nação serv1na para fazer a
. vanços
·
,. ~ e proclamações alt1ssonantes procuraran1 most
nos generos, . _ rar
isso. Foi grande a participação nas man1festa~oes nacionalistas
de n1ulheres africanas, que acreditavam que ª 1ndependência do
controle colonial lhes traria melhorias. No entanto, nem seinpre
ficou claro como seriam esses aprimoran1entos : seria uma volta
para condições antigas, ne111 sen1pre clara1nente recordadas, ou
0 advento ele direitos de un1 tipo 1nais fen1inista? Nacionalistas
ho1nens, para que1n as questões de gênero nào erarn prioridade,
por vezes defenderam padrões de gênero tradicionais a que
algun1as 111ulheres africanas agora se opunham. Assin1, a poligamia
foi apoiada como expressão da cultura tradicional africana e
proteção para as mulheres en1 situações e1n que não houvesse
homens suficientes por ali. O grande líder nacionalista queniano,
]01110 Kenyatta, ta1nbém defendia a circuncisão fe111inina (unu
"sin1ples 111utilaçào corporal"), não porque restringisse a se:,.a.1alidade
fen1inina , mas porque era pa1te integrante da solidariedade familiar
e tribal - essencial para as instituições con1 "enormes ünplicações
educacionais, sociais, n1orais e religiosas". O nacionalismo, em
outras palavras, não conseguiu resolver as pressões sobre questões
de gênero, promovidas pelo 1nodelo ocidental ,na África moderna.

CONCLUSÃO

Os 1nodelo_s ocidentais, coinbinados corn pressões econô1:1i~:1~-


. , . e na, AfncJ.
rnudaran1 n1u1to as condições de ºoe"ne ro na p o 11nes1a
solapando as tradições de inuitos gi·upos. A o 1nesn10 ten1po , fo1~1111.
poucos os polinésios e africanos que . . ,, tn ente :i~
_ . . ace1tara1n 1nteg1 ,1 1 e
nonnas oc1denta1s, e os próprios pa 1. _ , . te•·ra1neot
.. . . e 1oes nao era1n 1n ' ,
consistentes. A 1na1or parte d _ c1· . l101·e qL1
os estu 10s0s acredita 11
as n1ulheres perderan1 inais do e"so, rl
. que ganharan1 no proc · ,·~
partJCular e111 questões c 01110 po 1 , .. . . e pílpcl·
1- · , . . e e1 econo111ico relanvo . ,ti'
po 1tteos 1nforn1a1s. Ao 111e 51110 te _ _ _. tent:l'~ f
n1po, os padroes oc 1c
1
----~ - - - -- - - - --.:_
' :..:_ l l~N'.._l:C
N .:.._::....'.l~I ~l.:._A~
~~O~C~l__!::0'...!_l~~l!._~',~ f ~ RI~~~~~.!:.:_!__:__~5<)
A C• I > RI G ll) N A I '

, aJJOntar ca1ninhos de inell1onas,


de1.,1111 · a, n1e d ida
• que as mul h eres
,1p1·endia1n novos
. usos da educaçao - e d a as ociaçao
. - e ganhavam
novas Perspectivas. e1n _Praticas
~ · .
de fan1íha que pode1n não ter sido de
5eu int~resse. A s~tua_çao foi ainda 1nais co1nplicada pelas pres ões
culturais e econot~icas sobre os ho1nens, cuja masculinidade,
frequenten1 ente cntICada pelos observadores ocidentais, buscou
novas forn1as ele se expressa r.

PARA SABER MAIS

Sobre a Po linésia: Patrícia G rimshaw , Patbs o/Du (v. American Missionary \Xf j\·es in
Ninereemh-Cenrury H ~1~Yaii ( H o no lulu : University of Hawaii Press, 1989): Victoria
s. Lock"·ood . Tabílian Transformatíon: Gencler anel Capitalist Oevelopmenr in a
Rural Society ( Bo ulcler. Colo.: Lynne Rienner Publishers, 1993); Alan Mooreh eacl ,
TlJe Fatal Jmpac t: The Irw:1sion o f tJ1e South P~1cific, 1767-1840 (New York: Harper
and Row. 1987). Sobre a :'\o , ·::.i Zelândia: Geoffrey Rice (ed.), The O>..fo rd Hístory
o,( Xeu· Zealand ( Au ckl and e :"-:ê w Yo rk : Oxford Universiry Press, 1992); BarbarJ
Griffiths. Pe!licoat Pioneer)~ S ulh bl:rnd \\'o men o f the Colonial Era ( \v'ellington:
ReecJ , 1980). o bre :.i .-\.fri c:1 : Eliz:thcrh lsicl1L·i. A Historyo/Cbrístía11ity i11 rl.Jn·co.
from Antiquiry ro rhe Pn::-ent < Gr~tnd R:tpids , ~lich .: Eerdmans. 1995); El len
Charlron, J:1na E,·em e K.nhlecn St:1ud1 k d-;. ). l\' ame11. tbe Sta te. and Derelopmenr
(Albam·: Sr.ate L:ni\'C:·rsirv of -'l' \\' York Press, 1989); \Vunyabari Malob:1 , .\Ja11 .Ha11
and K~nya: An Anal y~;_ .., o f :1 Pc::1:--:1111 Jk\'Oh ( 131oomington: lncli:rna L ni,·ersiry
Press, 1993); A . D. Ro bc r1.".-> kd . ). 77JC! Cmnhndge Histo,y 0/ 1\frica, 7, 190.:;-1 9..w
(Cambridge e .'\'ê\V Y o rk : Cambridge Univcrsiry Pn:·ss, 1986): lfi Am:idiume . .\fale
Daugbters, f"emclle Husbcmds. Gcnd~r and Sex in ~in Africin Socic:ty (Lonclo n :
ZecJ Books, 1987): Margarer Strobd . 1v/11slim Wo 111e11 i11 t\lomhasa. 1890-19 75
<New Have n : Y.de ü ni ver.~íry PrL·:--:--, 1979>.
---

r
1

Ü _CI DENTALIZAÇÀO E GÊNERO:


ALE1't1. DOS MODELOS COLONIAIS

Este capítulo lida com um cipo diference - embora não to tal -


mente contrastante - de conuco com o Ocidente, um contato que
se estendeu d o fin :1 ! d o ·écu lo .\\.II J Cé os no-so dias. Sociedades
que não eram colô ni:.is ( o u, como no c iso do Egito e da CoreiJ,
que ainda não ha \ 'ÍJn1 sido curn:1cJas como colôniJs ), decicliclas
a manter a independên ci~1, o pt:.ira m po r mud:1nç:1 :1 pJrrir da
assimilação de elementos pinc.1dos seletivamente ele modêlos
do Ocidente. Progra n1 a~ de ocidentaliz:1(:JO in vari;,i , ·e lmenc e
envolvera1n a questão de gênero t:m :dgum gr:1u e ~ts \' t"Zes as
mudanças no status das mulheres mereceu consicler,ível prio1icl:.1de .
Os casos de ocidentalização qu e começa ram J co mar fo nn:1 Jntes
de 1900 podem ser exaininados em rc:rmos de imp:1cro coloni:11:
será que a habilidade de manter um control e ma ior ·obre o
~rocesso de muda nça 3 renuou alguns dos Jspecros nega ri,·os do
impacto ocidental?
ou · d d ue 0 ,1 0 foram colonizadas clirerarnente
Al b 1nas soCJe a es q ., . .
[)th E •d l lo tai·ri n1 reformas ao estilo oCidenta 1
.:. uropa O c1 enta ac "' , . , .. _ .., . .
c.h,r-:i t , J , Este capitulo exan110.1 clo1~ do~ c.1.sn~
an e OS SeCU OS :XV/11 e XJX. . , ,
111· · · · . 1· ;- _ Rússia e Japao - . ~ilem de
,iic;; impo rtantes de oCidenta 1zaçtto · . .
ril), ., . ~ ·, . no Egito e na Co reta. Nenhum:1
( rv;1r o utras cJua.s 1nstanoas , .
'!-1 . ., . . . l . _, on centrou tuncbmenultnente l.'111
S( ,c,cdz1de~ envo lv1c as st e

....11111111
---
~,t N , 1 "-l l ' 1 11 1r,1 , 1'-.1' 1,, r : h l \l l \ \l, , t._,. ,, ,' i l (1 l
- - -- - ---------- - -
"' "' 1~. 'l"
- --- -
J]'l

<\ ,r~ diçào indiJna incluía tambérn un1a considerável experiência


1
·1. hr com influências e>..'lernas. Novas ideias poclian1 ser recebidas
·111 Jl • .
l.
0111
wlerf111c1a , inas ra ran1ente afastavam a rnaioria dos padrões
L ·t:lbdeciclos. Nenhun1a outra religião havia conseguido conquistar
r:, 1· l / d
indianos do 11 nc u 1s1110 e os rituais e crenças a ele associados;
:ipesar das tenta:ivas_ do Ocidente de in1por o cristianismo e de
:1
lgumas conversoes isoladas, /
o hinduísmo pern1aneceu .
A influência britânica na India não era ' essencialmente ' religiosa '
apesar das ilnportantes atividades missionárias existentes. Por
volta do século >-.1x, as convicções britânicas sobre gênero era1n
sobretudo seculares, envolvendo ideias de como o lar deveria ser,
cio que consistia a educação secular etc. Nesse sentido, o impacto
britânico na Índia foi ben1 diferente ele outros contatos, nos quais
religiões missionárias levavan1 a mensagem principal. O conflito
básico envolveu convicções ocidentais "1nodernas" sobre padrões
de gênero versus tradições indianas embutidas no hinduísmo.
O intercân1bio era sin1ples, nun1 sentido. Os representantes
ingleses na Índia estavan1 absoluta1nente convencidos de sua
superioridade. Ainda que alguns se apaL'<onassem pela Índia , não
houve uma influência substancial desse país sobre os padrões ele
gênero britânicos. Co1no em muitos casos no passado, essa troca ,
organizada a partir de grande desequilíbrio de poder econôn1ico
e militar, era ele rriào única.
Fora isso, nada era sin1ples no intercâmbio. Houve, por exemplo,
uma enorme variaçào de fonnas de os indianos absorverem os
padrões britânicos. A grande 1naioria era da área rural e seu contato
com os valores britânicos, extremamente remoto. A presença britâ-
nica afetava-os por n1eio de algumas poucas leis e muitas restrições
econômicas, inas a oportunidade de considerar uma cultura alter-
nativa maior, que e nvolvesse papéis fen1inino e mascu lino, não
lhes era acessível. Para a população urbana , no entanto, nas castas
l11ais altas, e principaln1ente nos escalões 1nais baixos .cio gove1~no
colonial, era diferente. Essas pessoas podiam absorv~r _mformaç?es
da versão inglesa de relaciona1nento masculino-femmmo , e muitas
1
<w1 ·.rn ,,,lv1das
· .
nisso, pelo 1nenos e1e fo niu, s-elet1·va · . .
ii -
o~ prc1/p nos .· b n·r~ · s estavain
arnco , · divididos.
_ _ Pers1st1u
.. . _um forte
__ _
11Pulsc, . . .· e1 · ., 1 tase de nao tocJ1 ,.1 s questoes
11111 ,
0 . . - · e s1110 e.1e po 1s e1a p
111 1 , . . _. :> •• . _ , _

e: gi_:nero. Fias não tinham ilnportância nos obJettvos nnpe11ahst"L"


162 H 1 \ t O li 1 " D A , i; 1 LA Cô 1 1 D I G I .._ 1 ~ U
--
-,
assunto de gênero no seu proce so d e refo~1na , m as sua~ ÍJ(J líti .
inevitavelmente afetaram os p ap é is mascul m o e fe minino e: _e.a \
"' . 1, . - Ccirr1
frequencia tiveran1 alguns efeitos co aterais que · e <:.:~tC::nde::ra
l'll (:
complicaran1 esses resultado .
A ocidentalização
~
variou de caso p ara .ca o . A Rú •sia
.
com,-'-C< ilJ
u1n processo de i1nitaçào da Europa Ocidental , d e_lib rada, rna\
1nuito seletiva , na reoência
b
d e Pedro , o G rand<:: , n o final d o sfcul Í J
:\"VII . Os objetivo iniciais e ta van1 o ltad os p a rn a tecno logia t (J<;
estilo políticos que fortaleces · 111 o E ta d o <:: o ex f rcno russ(J-i.
n1as hou\ e tan1bén1 certa apropri~lc~10 c ultura l p o r parte: da ela t
alta . O contatos continu~n:.1111 e , e n1 ger::11 , arnrli ararn-se íl<J~
séculos ).."\lII e >JX. O go\·erno russo se afastou , p o r oca ifx:: . cb
ocidentaliz:1çào - entre 1825 e os anos 1850, p o r e~em r lo - , m:i~
as pressões refon11istas continuaran1 e o nún1e ro d e ,·iagen da e
para a Rússia , o n1úruo intercân1bio ·c ultural e a Jti\·idadt: comcrc1:i.l
aumentaran1 sisten1:1tic1mente .
O Japão, h:.í n1uito ten1ro isobdo , foi exposto J inlluenci:1
estrangeira quando u1n:1esqua<lr..1 a1neric:.1na \'isitou em 1 ~- 31 bJ ·:1
de Edo e insi~liu n o intercâ1nbio co1nercial. Depo is de u m rx:ríoJo
confuso corn m:li.s pre~ 6t.·~ por parte dos :11nerictno:- e- c:uropcu~
e com a pro xin1idadt: de un1a guerra ci\'il entrt:.· Llcçt' c s dJ d llc'
japonesa , foi deslanchado u1n processo de rd.onn:1 nu1~ 1..' l)n L' tc'n e
en1 1868. Durante o JX:río<lo seguinte, d:i dinasti:1 \kiji - \..- u 10 nüt lc'
ven1 de ··o ilun1ina<lo " - , o J:tp~io :.iboliu o ft.·ud:disn1u. t:'.'l.l hc'k1.:c>u
um governo parlan1cnt~.n. :tf)n:s~ou 1nutbn<.;as L'l'o nC>n,1c.1:-- L.' u!ll
início de industrial izaç~10, impulsionou u 111 gr:1nLk r ro;:!rJnl.l
de saúde pública e in~tituiu uni no\·o sistcnia ck 1...'Ju1...·ac:1u d
n1assas. Visitas à Europa Oci<lental L' Esudos l ·niJos e l:'rnprc~ ) Jc>
especialistas ocidentai~ con1u orientadores constituíun1 un,J p:t!1c'
i1nportante desse processo, designado deliberadan1cntc :1 tL)rt1.1r
o Japão podero o o suficiente r~1ra n1antL'r O controk sobrL' .1
interferência ocidental e, por fim, para cotnpetir con1 0 OciLkíllL'
Os progran1as d e oc1'd enta 11z::içào · · 1º'· LI,
fora rn 111 u it o vJ nJ1...
·' Ocidente·· que era copiado dependia da época cn 1 q u1...' i~'l' , l
clava . A oc1'd enta 1·1zaç30
' d a Russ1:1, . conle<.;ou qu:in<ln :i:-; , ·:_1n 1•1l'L• .- 'fl '
1
el O O CI·den te pa 1·ec·1·am e-nf·a t 1z~r
· ·- · <..'. ~l ,nonJ.r<.-lu1J •1l
a c1enc1a
G • )._nlL
· ,rJ,,
1
junto co1n an1plo co 1nércio que a Rússia, c.k L.1to . L'St:..1,·:1 rdur.1 11 fL' l: •
- - - - - - -- - - - - - - - - - - - - ~ º ~C~l~O~l_!:'..N~r.:_Al~l!.._
Z~A~
e A~O~[~G_:_:L•'~'R~O~ ~l~óJ

·rar A ocidentalizaçào 1·aponesa 1 • - l -


IP• 1
.f"l1
· envo veu imitar u1na revo uçao
industrial c~mp_leta, assin1 como a monarquia constitucional.
A ocident~h~aça_o tan1 bén1 dependia 1nuito da sociedade que
praticava a 11rutaçao: 0 cristianisn10 ortodoxo tradkional ru o e uma
sociedade subs rancialtnente ca1nponesa representavam uma base
muito diferente ela cio confucionisn10 japo nês e seu comércio mais
ativo . Para a Rússia , o Ocidente era diferente, mas não inteiJ·arnente
estrangeiro. entre outras coisas pelo con1pron1is ·o con1 o cristianismo
que con1partilha,·an1 . >lo _JapJo, os contatos com o Ocidente ur-
giran1 depois ele séculos ele grande isolamento, e o Ocidente
parecia un1a sociedade . e1nbora poderosa, de estranha barbárie.
Diferenças de ·-.a espécie h:1n~riJ m de afetar de forma significati,·a
o unpacto da i1nitaç::io n o que se refere a gênero. Veren10 - que
as interpretaçõe ·, j:1 ponc~~1 e' russ~t. e o· u ·os do que , ·iram n o
Ocidente. no que- diz rt>~pei10 :l g~nero. diferiram enormen1enre .
Outros exernpl o -., d 1.: oç idenr:iliz:1ç1o. embora muito n1eno.~
c.\1ensi,·o . cio (lllL' o ~ J:1 Ru....,si :1 e J1p:10 . ilusrr:im nitidamenre
3 ,·:irieclade p o cenu:.il d:.1-, rL·:1 ·c>L·s . :-;o Egito. :1 ociclenta!iz.1ç:1)

iniciou-se n o o rne ·o d o L·<.. ulu .\ 1 \ ...... ub 1\ luh:1med Ali . De ·cjoso de


fonalecer :1 eco n u rn i:.1 e u gu, L·rno L'gípcio. J pós :--e r oc u p:1do
péla Franca crn 1-98 e crn 111c·1 0 it crL·'>ccnrL· influênci:l eçonônlic1
ocidental , ele -.e concentrou L·rn quL·~toL-~ de..' podt.' r. go,·e 1-no
tn,·iuu estuc.bntes do ....,cx u 111:1-,cu lino p:1r:1 scrL·n1 c1r:1cirddo ·
técnici e n1ilit:.trnient1:.· n:1 Furu p:1. Progr:1rn:1s curtos L' irllensi,·o.:--
cle treinanientu n o país busc1r:1m t.·x p :1ndir : 1 c:1r:1ci1:1çh) técnic1
e esrin1 ular exporta (.'()cs :igrícoLts e rc:c~·t:i_gc~s . 1 L'S."t.:'_ contc..' xto .
e numa s1tuaç:10 · - e. n1 eJL1,,.:. C>"..,- pri·nc.·1·11i os- 1sL1m1cos cont1nu:1,·:m1 a
fornecer alguns bene t..1c10.s · . p ..-ir,•1 ·-1s· ,nulhLTL'S_ - nor 1• .
t."Xl:'_ lllj)! O._
n:1
· ce
1) o~se 1 propneca· 1 cJ e.s. - , 0 .,...- ,~s·fu1·
~ - ~ '- -
1 ·os de ondent~tl1za\::1
. __ . . . .
0 n:.1 0 ,-.;e
--:. _._.
.
eoncentravarn na quest~to ~ e-- - clµ ot•r1 ero l:'tnbor.1 J~ ( on.sc que nu.1.s
' . • . . , .. . • . ••.
incJ·
1retas nessa qu es tao oss
- t· . ·e rn cons1deravt:1s _-
. Nov.1.s po!1r1c.1s
__ _, .
econo1n1ca .. • , . pressoL'S para que .is nnil h c> r e .s
s aumentaram c1s ·· . .
t1·• l I
ª Xl hassem ·trcluan1ente. O Es·t'acio exioiu · f:°'
explic1tan1entc> o tub:tlho
r-.crnin1no,
· . por'exen1plo, na consuu . ç--' 10 do can:tl , apesar de o lr:1ba!ht )
, . _ . ., .. _ .. . .
' cr. L:-10 ~trcluo;
. ,
so n os anos
- 1s-o -,
eSS'lS polrt1GIS for ,Lill .1hou.x.1d..1.s .
.. ' . ., .
\· . . . _1., trn balh, 1r ~,0 !:te.lo e.los lionH:: ns
is fa hnc1s ;:is n1ulhere-.; poc. iam _ .
17 li tn :1 ll( llável inovaç~o. rn,1s cm gt • 1
- L • • ' .,n l . seureu~1ç10 co11t111uou . 1 <.)
L ... ,-.. .:--
lo-1 H 1 , T O • 1" D , , ._ l l , C 0 l > D f L ( ' ( i_ ()

~
começo . os noYos nÍ\·eis de contato ocidental ape nas pre to
. naraf11
pelo aun1ento da exploração.
Os prin1eiros passos do reformismo ocidental n a Coreia
entanto que foi desenvolvido mais tarde e com 1naio r energia P' ,no
' .. . . e os
n1issionári.os cristãos do Ocidente , t1veran1 d1fe r~nte 1mpli caçõe\

Os padrões ocidentais , no contexto de um antigo patri arcatis mo


estrito con1 fortes elen1entos confucionista ., recon side raram , de
u1na forrna geral. o status das mulheres. A s pre õe p o r reforma~
inspiradas no Ocidente na n1onarquia Yi , muito co nse rva do ra, nos
ano 1880, le,·ar::1111 a n1edidas destinadas a pro tege r a, m ulhere
contra o s piores abusos de c~san1ento 3rranjacl os , e tabelecendo
a idade mínin1:J. de 16 ::ino_: :1s nov:J.s leis wmbé m pe rmitiam à
, ·iú,·as se rec:is::iren1 . O s reformistas en1i tira n1 i n stru çõe exigindo
respeito pelas mulheres e condenando o '· trat:ime nto b:írbaro
dado a ebs ob o confucioni mo. Ao mesmo tempo em que Jd-
, ·ertian1 contra 3 n1iliúnci:1 fen1inista , gn1pos corno :1 ~·oc1eLbdc
de Independência de 1890 fizer:1111 pressão por opo rtun icbde:-
educacionai s n1 o dernJ · e Jlguns tipos de igu :llcb ck . T.1nto
.. os n1issionári o - pro te:'.'.> t:1ntc.·s quant o uni no,·o g ru p o c o reano
fen1ínino . o Chany:1n g h oc , est:.1he lecer:11n esco bs p :HJ mulherc ·.
espalhada:::. pelo p:1í~ . L·nu n o , ·a ger:1~·:1 0 dt:· 111ulhere~ e:-,cnco r.is.
com frequênci:.i con\·ertiJ:1 · :1 0 cristi:1nis1n o (:1 Core i:1 cun1ou-~c'
o único cenário :1:::i i[lli co . :ilén1 Lbs filipina s, en1 qut.' un)rrer.im
amplas convcrsõ c:-.) , ,·ir:1m na~ no,·:1s idt.·i:ts :-,obre din..'i ru::- dJ:-
n1ulheres uma m:.1ncir;1de de~t:n\·olvcr a r,cr~un:tlid:tdc . Yi K,\·Jn~-
su, por exen1plo, <.:.~ crc,·cu que :1 fn:qLh~·nci:1 cn1 SL'rvi <.,-· l)S rL·ligio~v'
con1 os homens lhe d<.:u .. a conccp(,,-':·10 de que h o inL'n:-- 1..~ t11ulhcrt'~
são filhos e filhas de Deus d:1 n1esn1:1 funn: 1" . Coinp~1r:1ndo .1~
experiências iniciais cgípci;..1 e corl·an:.1 . fil:: 1 cviLkntc quL' dcpc'n·
dendo da <.:poca e cio contexto , :.i rL-fonn:1 de estilo ocidenul podi.1
ter resultados , ·irtualn1entt.: opostos para as rnulhere~ . A Cl)n~unll'
n1ais evide nte era u1na pressão ror n 1 ud:in1.::t :i luz d u :-- 1llLKklt 1~
ocidentais e no nível do poder ocidenul.
Apesar de todas as diferenç3s, n o entanto, :ts oci<.knul1 z.1~·l·)~-
11
, ·oluntárias - isto é , prograrnas de re fonn~t hase:iJus ru in1ici<." .l
ele ideias e instituições o cidentai s sern c o ntrok colo ni ~,I pk 11 l ~
1

--------- - - - -- - - -- - - - - ~O:_::-.:_:__
::- .:._
l ,~ -=...:•'._:.·__:__• .:~•:.::...':__.:..__:.:...!_'_::'~ ' ___:__~lc~5
2 :__:

1
(inh:u11 :1 lgun :i~ ar:icterí"tic:is co1nuns . Eram en1pre seleti\·:t · .
. l-1·..:,d•1des e1n que -tão quer·i·a
..\~ ::-0 '- _- _ _ _
· d d· ·
m preserTar ::i 1n epen encIa
e :1:-i trJdiçoes culrur:iis 1mpon:1nte · . :\°::'lo queriam e tomar in-
reir.u11entc oci~ental iz:ida -• Is_o signific:1 \·a também que u n1a
pJrte sub stJ ncial ~o - progrc1n1as de ocide ntal ização _e preo -
cup:.1YJ con1 que st oe~ d poder - fo rtJ1eccndo go\· rn o -. fo rca
nüliur e cconon1 i3 . Isso tinh:.1 implicaçõe · de gê nero . co m
frequ~nci:1 fa\·orcccndo :1 a5serti\·idacle n1a ·culina . A. o mê -rno
rctnpo . :l ocident:1liz:.1 _:'lo co ntinh a um compo nente cultural.
con1 no \·:1s irruuções da :1rte e cultur_1 popubr do Ocidente . L -o
rcfletiJ :.1 superiorid:1de d o Ocidente e cont:imina,·a :.1 que ·cfi o
_k poder.
1 Ha,·ia un1 desejo de c\·itJr en1b:1ra o :1 0 _ olho do
u :identai~. Er:1n1 di,·er~ift -:1d;1:- :1:- in1pl icaçõe~ n o - relJci o nJ. -
mento · entre hon1en~ é' n1ulheres e h:1,·ia um empen ho po r
p:.u1e das sociecbde-s cn1 n:io p:L ir,· x:.1n1e f)c'í.l.nte o_- obse0 ·:idore..:-
ocidenuis pelo tr:1un1en I0 d-1Jo :1s n1ulhercs. Esse · f:.1t orc~ -
::elet.Í\"id:ide . ênf:.bc n u rx.xkr . f)íl'lK llp:1 :1 o c:'111 p:lSS.H \ c>X:l.!11c' -
não ~e> rg:.1 n iz:.ir:.1n1 de fo mu 11ldlX.li<.::1. i~to ~- :i L-1dcnuliz:.1 -:1o
Jnc.-\·ita\·eln1ente prcx.1uz1u rc uludo . .; e )mplex )S ru quesúo d e
c-ênero. q uc n:i o --.e conL-rd1z:1r.1111 dt.· fo n11J su:1,·e nc> m r.í pid:1.
O pro gr:im:.i.-- d e- c.x idcnt:il11.. 1(:10 en, o h l..:'r:tn1 L·onut<. :- c u ltu r.lis
profundo. . Lon1 -,oc1cd:H_k.., bu , t:1ndu :1rrt·ntkr 111: 1i~ ~obre o
O idente. L'n\·i:.indo :.duno, : 10 Ocide nte p:1r.1 t.'Stud:1r. 1.·. )n,·idando
\·1sitante. d o OciLk·n rc . Cun1u cu m p:1 r.1 r º "' re,uludos 1.:1.)111 :::- de
('2X)S de coloni:Lli~n1o oci<.k·nul ~ ~t: r:·1 que.: o , olu nuri:-rnu nuio r - o
fato de 0 p~dr:io ocic.Jenul . cmho r:1 rx1derl b O. tc.·r sido L. ) !l\ id:1Jo
em \·ez de imposto peb fu re i - rt.·du zi u u u :1111rliou :1s irnpli1.·. :1ç · <:..' S
de mudanc1 n:1 ~ue t:1.o de reb<.:<.><..:~ Jc g(·ncrn~

Q CASO RU o
· d a OC!l
O l·n l· CJO - lenta 1·- __. 0 cb RússiJ
1z:.1 ç,-, -- fo rnece um c 1:-- cLlro
~ e-a ra e-1en· stico· d o in1p:1cto
· cio r-.. o ncado • cu ltural : ~1 l ·onJiç:1o J ~1.:,;
-~ re. n1<:: li1o r o u _ e om re::,~..
llul 11,,__ -" ll\··•1-;- · no l?nUnto
_ _- _ rcbr1, Jlllt? ntc' .
'><.,ul -1 !} f
' ~ mu 1eres orJ 1n :1 era .L -f . d· s poi, · ~1· .s rdonn:1~ m1u:1t:-. nJ Hu...,:-- u
' r ,!t-1r- . . , houn: :dguns n:cuo :-- . u h ·1: 1. { ouco
' d J11 - e rar"t a cb~<--t.' LI1t.l , <.: <
• 1 ' , : •'

pl"' r cc-h ido~ pcl: 1:-; rnullwrl·:-; l ·n,·o lY id:1:·-. 1 o !'in:11, o prl ) , ..
-· . . . . ) ' . ' gi ,1111;1
octclen t :ll 1z:w:10 lk:--l'tK:ldl·:1do pot I l d I o . o <., r:1n 1.. k , ,. <.lv
~ . 1' o,·
r esi~tê n ci:1:-,; e ntrl.:' con ., l'tY:1do rl':-- ru .,:-;o:-- . i nd ui ndo c kri ......
1 ,l > ' ºr1)11
., \.:
de cen a fo rnu rc.' 1:1 rdou o ritmo d :1 rnud: 1n,·: 1. ) :-; c on s1..·1,·:i<.-'<~ rc '''q
geral n:·10 ~e detinh:1rn l ' l1l qul:':-l Ól '-" lk gC·nero . nu.--. su :1 rl·,, .' l·n1
, . . . . ·' kn .
~l 111ucl:1n ç:1 indu iu d :1r :1poio :1
unu 111:11or t r:td Iç 10 p :tt ri :, r\.::tl (i.,
0111
is ·o , o conuto con1 o ()çidcnt1...· :1té o .,1...-culo ,, . 1..: LT l1 l"L' rt o , ·.
. . . . U 1!1d,,
ate clcpo1:-- cb r , ·o l u<.::·10 comun1:-,;1:1. tl·, ·1..· urn .-...1...·rn1d o de li hnt· .
. d( ,1()
p:1r:1 :1~ 1nulhere:-. b:-o , ·~1ku 1111..: :-,;rn o qu :111do :1." co nd1 (_·u1...·:-- c1I Furo
O c 1.c1enu l 1rnpu:-cr:.1111
· · · . . 1 1 rJ
111umt.'U:- rl'SI rt (OL'-' ·"º ) rc :1:- I11 u hL·rL·, ( f)eln\
padrões ele n o~:-o:- ck1:--) . I.:' nh::--rno qu:tndo . c·rn lL-rrn o .-.. d :1.-., prof)r1J\
t.radi\· , es e.lo Oci d c:· n1 e . un)tTL'll :tlgunu piur:.1.
Os cosrun1c:•:- n.1:-:-os cr:1rn :tlumcnt e r:.11ri:1rc 1i.-; . E. como íl..!
n1:1ior p:.irte d:1::- socic>Lbd c":- 1x 1tri:.1rc.1i_...;_ :1 difc.:rern,;:1 t.' nl rl · h() m~n t
1nulheres cr:1 nuio r 11:1.:-- c Lt~"L'.S :llu~. 0:- L':ts:1111cnto:-- 1..'1-:1111 :1rr.tnpJ1i,
pelos pai s . Qu:.ind o o :1cn rd o d l.:' p~u·l ·L·ri:1 L't-::1 e )n1..·lu 1d o l'ntre
o - pais . o:-- n o in.h co n!1L·ci:1m um : H ) u utrn . Com fr1..'qlll't h. u n1~
,1 propn C l.'arnc:nc u . o p .1 i d:1 noi,·:1 d :l\·:1 um:1 chicouJ.1 , 1mbt)!i.__--.i
na filh:1 . entrcg:1nJu o l ·h in)Cc L' lll SL·guid:.1 :10 n u ,, o. (Otlll) , -:
tran ~feri .s~c :1 ck- o p }JL·r : - -.....__. , u ·t: 11:·10 :--L' L·ornpo n :1r U ) fl lO 1.k, e
par:.i com .-..1.:u m :1riJo . l·k . c u 111 ll1l'Ll nH1"L' nti111c....·n1 t ) . , _1 1 .1d, -r11-l1
con1 o c hicocc - . .\l ulhcrL·, d:1 d :1,,c :tlu l ·r:1111 i:--ol J d :1.-.. . .__·lirü111.1J.1~
a parte cb c:1.':i ch :mulb-... de t en.•111 ; qLu nd t > l ' lll pu hlt1..·1.1 . 1.·11 1
ger;1I u s:1,·:.1111 , é·u . Er:1 gr:tnd c :1 (·nf:1.-...c 11:1 , ir~ind:td
~ . L' .1 1111.·--. .__k,
c .1 sa n1en1 0 , e- d cpoi , n:1 fiJd id:1<..k · -..,cxu :tl . O LT i.-...1 i:111 i,1 1\l 1 1. >nud 11 ' 11
russo pc-rn1iti:1 ao h umcrn , du:1-.., , .L.IL'S n:1 , ·id:1, t11 :1nd.tr uI1u ...•--.p1.1".1
qu e n:io fus~<..: ..... :11i,J:1t(>ri:1 r:1r:1 u111 co n,·L·nto . L:'t l ·L1 l ·,u ru nH>r!.I
para o 111undu L'Xtcri u r ; e o ho rncm rodl'ri:1 SL' c :.1s:1r nu , ·.1n1l·n!l'-
.
O s d e\'en:s <.I:1s rnu li l L' rL·.-.., g1r:1\':1111 :10 rL'l1o r L1:1 ni:ttL'rnt' <..1JL1L . L. dl'~
1
serYiço · d o n1ésticu.-... . Cli:1111:1r um lio tnL' lll lk rnulhl·r , u u /Jo /J(f. l'r

un1 grJnde insulto.


. . • . 1.•f~I(11
As reforn1as 1mplcrnt:nt:1da:-i ror Pedro . o G r:indL' . 1nllf' 1 1
•rt' .
nesse pJdr::'lo. Ele tinha um durlo objeti\·o . Prirncin>. l ':•{>L .' ,
11
torna r a aristocrJcia uma fonte m:1is efcti vJ d e hurocr:1 1-I' k-u,.i
1 1
Pa ra tanto. queria red u zir o i~o b1ncnto individu:tl . :1 hiL•r: ~\ '-. 11 1
tunifjar, e,ornecenc1o J- .. mu li1ere~ Of)o rtunid:1dc:--, l 1L' :ipr·i111<H .1flll1 '
. . '• .
ca pac1dJ.de d e d;ir u,na boa ed u c1c10 :1os ttlhl > .
' . l·. I11 ..;l•~U
·
3
- - - - - - - - - - - -- - - - - - - ~ º ~ ' N~i~ll'..'__l~1/~ /\~C~À~O__!_I~r.~r~
C~I ~o!....: .... ~,~R0~~167

, . tornar a cultura russa m


1ugat , , enos atrasada aos olhos do Ocidente
111 111
abrindo as ~ ~res da classe alta oportunidades de part1·c1·par'
eventos publtcos, como e
em . l oncerto · e danças, co1no acontecia
na O I
Europa cte enta . De cena fonna , ao n1eno , Pedro como os
. fon11adores russos posteriore . ' '
1e . , , . , peice1)eu que a rnuclança na Rús ia
rena de n1exer na est1 utura da fan,ília .
Em 17l8, Pedro ordenou que as mulhere.- da aristocracia
aban donassen1
. _o . cosn..1111,=,'-- elo t e1em
. . · ·
e part1c1pas ·em ele evento,
culturais e ociai~ en, público . Tan1bém ~1boliu a prática dos
casamento _~u~ra n i:1do · · U n1 decreto ele 1702 cletermi no u que
todas as decisoes rebti,·:1-· :1 c:1 ·amento ele,·e rian1 s r voluntária .
que futuros pJrceiro~ de,·eriJm ~e conhecer pelo men o ·eis
sen1:1n:.1s :1ntes do con1promis ·o e e ·ur li,Te~ para rejeitaren1 o
outro. e ~u bstiru i u o :1çoite 1n:1tri1no n i:tl si1T1bólico por uIn beijo.
~eu progr.un:1 de ocidentaliz.:1 ·:-to l ' X.igiu mudanças no vestuário ,
tanto do~ h on1ens qu:1nto J:1 , mulhcr1..·:-- n:1 cLts~e :tlta , e :1 isso :is
mulheres rl:':.1girJn1 n1u1to me lhor. En.\.t:"rgJr:1111 :ti :i pos ·ihilicbde ele
usufruir co res n1:.1i:--. cbr:.h e n1 x.L1 , 111:11::-, :1ri:1J:1~ ,·indas cb fr:.1nc1.
enquJnto o~ hornt.·n-- cnc:lr.1r_1m :1 nu, :1, t:"X1~0 nci:1s de \'t:'srujrio :i
moda ocidenDI com o -,u b1ug:11.,·:"to :i-.. u rlkns 1s:1ri~t:1s. \-lulht:'r1..~s da
ari~tocracia. incluind o :1 " rró prl'.l-, fi llu-.. dl· l'l·dru. ti,'1..·r:un :1c1..' ·so
à tduc1çào fon11a l e :10 aprcnd1:.1-:1d (J d e l1ngu:1s do Ocilk.·nt1: . cnrrc>
outr~b aqui'.'!iCÜ<.:. ck·-.,ejj \ ·c 1....,. (.()m o nu Ocidc- n tc , mu I Ileres d:1
clas~t- alta con1eçaran1 a ler o br:1 d e til ó~ofos ilunlinist:1-..; _ Ernhou
JS mudanças n L'1 cundic ·1u (bs mulhcrL-~ n ~'to fossem o uhjeti\'O
maio r do projeto ck Pedro , gr:.indc p:trtl' do-.; histori:1dor1..·s ·ug~rc..'
que os efeitos libertadorc~ for:1m m~1iorc.., nt:·ss:1 qul·súo du que
em quJ]quer outrd . ( De fato , ,nuitos outros asrectos lLls n.:fon1u~
de Pedro piorara 111 ~1 ~ condi<.-·ô e~ cxi~tcntcs_, ro'.· excn 1plo. PJ rJ ~•s
inassas de servo . , coloc.ido~ a incb com m~, 1or rigor sob o c~r~trol_e
dos senhores.) Ao n,esrno tl:'rnpo ern que :1 cn:-.-ccntc L'X1genc1~1
c.le l)e l eza para as n1u li1ere ~. l ",.tLi...:ou um novo constr~1ngi1ncnto .
J . _ , _ , · , • . • . " .

r 1 t l t· ótict fe,n1nista . .1 pnnupJI lin11t..1<._..10


,, o menos por un1;1 cer â , _ _ . ., . . .
e.las · · · . d d qLte sen1 duvida er,1n1 1111e n~.1s - to,
' · 1n1c1at1vas e Pe ro - ·
'éL 1 · p-1 cros As n1ulhcre~ cLI nuhn:z~1
1 1n1
pequeno leque (e , · · . ;- , . . . .· .. . ..
r1rc . · .· , ,· ·(lec.11nponesasn.1otxpuunenLL1..1111
,, >\ inc.1~1na e as vasw~ 1n:Jssas

qu:il q uc.--r n1ud:1 n(;a.


10 8 H 1, ro 1.. 1 , [) ., , h 1 1 e ,, 1, o 1 ,; r :-i I R '-1

Após a 111orte de Pedro, o i1npulso d e ocidentaliza ção f


~. . . 01 e~
radico . Catarina , a Grande, ennqueceu 3 r eforn1a, d o antcce Po.
estabelecendo o Instituto S1nolnyi para ~1enin::i · B e m - a . . or,
, bl . - C1da\
en1 1764, a sin1 con10 escob s pu 1c 1~ e n7 que P qu en 0 nú ·
·
d e n1en1na ·
de onge1n n1a 1 ·- o b te r eclucac·
·s l1un11·1e1e p o d 1a mero
Outra ironia aqui . A educação 11~1 Rússia deu _~1· n_ i u_lhe res (ai·n:
que só a un1:1 n1ino ria) acesso a te xt o s dos il umin1sta,, quand
o próprio Ilurninisn10 . n o contexto ocidental , d e rrec i::i ,·a ele Vá~
1ias fom1as o status d:..is mulheres , dando n o \ ·as liberclacJe - aos
hon1ens. A s dete m1in:1çó es de C:1urin:1 e li1nin:.1 vam ~l. d iferencas
educ1cion:iis entre h o men~ e n1ulherc s, nus d e p o is h o u v\.: urn ~e-
cuo . est::ibelecendo-se que ··:1 intê'nç:10 e ob je ti\·o cl:..1 ccJuc.1çào de
1nenin3s de,·eri:i con sistir princip:1ln1ente ern torn :.í -Ll s boa · don:i
de cas:1. espos:is fiéis e 111:1~~ L"':.1rinho s~1s .. . No enunro . bu~c:i de J

independência intele-cru:.d pt'J"Si:--tiu - e. de acordo com um p rojeto.


as n1enin:.1s n:1o de\·eri:.1111 .x-r :1pcn:1s alfal:>ctiz:1c.bs. m~1s Lu11 tkm ··cer
un1a n1ente ilumin:.td:.1 peb \·.1rit:J:1<..k· <lL· c o nhec iment o . .; (1cc1:- pJrJ
::i \·ida cí\·ic:.1 -. Enfim . h:1,·i:1 nu:tnl.- c ~: d:ts cri:.1nç:1s que frcqu~nur.1m
a escola e ntre 1-82 é l of)(J, "){.) - 11 u L-r:1n1 1nL·nin:1s .
:'--:o início d o S(...~-ulo \J:\, :1 mL·dü. b quL' :1 po litic1 n:1 Rú:--si:1 "'I..' to muu
n1::ii s resi st~ntc :i cx·iJcnLlliz:1\·j< > 1..·m nulllL' du co n:--L·n .1don:;rnu
o exen1plo ocidL·nt:d tc\·c dob imp:1l·tos i111po11:1ntL':-- . O prú11ç,•1r1.1
é qu e n1uilo~ c ." crilorc:-- ru:--~o, , in:--pir,1Jos t.·m U HT1..·ntt.·~ u ~: idl'nu 1.:-
con10 o ro1nanti ~Ill(J. comc<.:ar:un :1 ídc~diz:1r :1~ 1null11..·rl·:-. l\K'l .l'
corno Pu shkin e~c.Te\·cr.1111 sobre a lx.:lcz:1 e o rd.inamL'nro t"1:: lllin inu
\tluitos hon1en:-i r:.1Jic1i ..... con~L i1..·ntL':-- de que unu ,·1..· rd .1Lk ir.1 í L'·
forma te ria de c:nvoh·cr :1 f:1I11il ia, ju lg~1v:un q u1..• :1 tL.k:div1)ll
das n1ulheres sub~ti1uiri:1 :1 hicrarqui~1 1r:1dic ion: d . O prupri1.i
contexto ocidental conten1ror:inc<, n1ustr:l\·:1 :ls limiu<;ü1..·s 1.k:-:-:i
a 1.)Orelagen1 , que ue , 1 t crmrn:t\'a
.
u,n novo 11 .
r u l tL' 1
.so 1:1111L. [l l L) dJ~
11d
111 ulheres da vida pública em nomt.· d ~1 purc z~1 k ·miniru : n,:i.-;
ciso da Rússia. a associ:.i(ào curn m odelo s ocident:iís e ,nud:inÇt'
11
libertador:::is persistiu . Em seg undo lug~ir. muni <.bs d :1."' iLk : .:
ocidentais . d e l i"b ercal d e , ce rtas mulhen..:s desati~t\'Jlll
. . li111 1ll_·,
t):--
1
. . . d d . . \ jlr UJl l·
conve ncionais. pJrtIClf)Jn o e 1n ovin1cntos r:1d1 c 11:--. 1
. ... .1
·L•' l 1·
escrito r ~•~ con1eçar:11n :1 conden:1r :1 subniiss:::iu d :1s 111u li K ' l ·
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __so
~ c~1~0~1N~f~/\~I~I '-:..:"~ ; í~N~l..':_K~
C~/\0~ 1~(~ o -~
169

classe alta . Em lS07 , uina 01 ulher da nobreza , Nadezhda Durova


roupas de hon1ens e ent . '
usou . rou na cavalaria rus a , servindo com
d1s. tinçào e n1a1s tarde publicot1 d'~ .
, seus 1anos. Quando o espírito
da refo 1111a voltou ao cenário da Rússia , sob Alexandre H (1855-
81) , mulheres
. .
de vários esu·at - . ·, · .
, os soc1a1s começaram a un1tar as
. .
irmãs ocidentais~ es_~idando n1edicina e direito. Artigos obre a
.. questão da n1 ulher escritos por hon1ens e mulheres ernergfram
no cenário gerado pela en1ancipaçào dos se rvo (1861). Um
cirurgião escre,·eu sobre a necess idade de dar 1nais instrução às
mulheres, en1 parte para tomá-la melhores esposas e n1àe , mas
r.a111bén1 para lhes dar outras funçõe~. como a ele enfenneira . Nos
anos 187 0, o go,·emo foi :.:iutorizando gradualmente a abertura
de cursos para as n1ulheres . como o ele medicina , e finalmente
estabeleceu um:.1 uni,·ersicbde para cL1s. Surgiu LHn n10,·imento
feminista forte , seguindo o exen1plo ocidental. Grande nún1ero de
mulheres co1neçou a participar dL"" 1T10 \·imento · como o a narquisu
e o nihilista . :\esses rno ,·irncnto . !"o um muito be1n-:1ceitas pelos
homens não ó p o rque c:::le.- :qx , i:1 \ ·:1m :1 libcrra,:10 da mulher, m:i ·
t3mbém porque percehi:un quL· rnulherc:::- com bombas te rrorisus
atrairiam 1neno~ ~ :.tre n <.,. io cb f)<Jl íci:.1. A'-i mulhL-rt.·s :11i\·isl:1.s tinham
objetivos femini'-iu.-, enl 1ncntc, corno suas irnüs ocident:1is. nus
contavam com rncno'> recurso.'> lcg:1i:, p:1r..1 L1 zcr av:.1n1.;:tr :1 c1us:t.
Ü ímpeto po r n1uJança.-, na.-, condi<.:üt.·~ d:.1 ll1Ull1L·r St.' enr:..tizou
pro f un da, n1ente n.:...1 po 1-L, . .. t', ---•o
, .<.··..,i e· ,. . •duc·' '"' ru ·...·s:1· n:10 denendendo
,~ nuis
do contato com o Ocic.lenLc: .
._ t··u1 alni,~ntc
Quand o a revo 1uçao ... cl JL·gou
, ~1 Rúss i:1 , cn 1 l 91 7. Lrouxe
.
· • ·· , · t· c..iuc era um produto do Oetdente .
o tnunfo da 1deolog1a n1:1rx1." a , _ .· _..· ·. _... "
P. . _ ;· .. ~
.ncro nau e r:1 pI10IIldn ..I. ma:, :,e
· ara os n1arx1sta , a q uestao e1t:: c-t 0
. .. • . .. _ __, _
. 1.. 110 lib(:'ran~1 as mu lhe rt:~ e 111 me 10
supunha que o fim do ca pita tsr . . .· -•. _ • _
. , . . 0 novo rcgirne .so,, 1l't1co. c1nbor.1
a outras mudanças d esepveis. . . . . . . . . . ..-
, <l f, 'li·, c-rnHta s111a1s c.k l1bt:rU<;do
conservador e n1 ce rn1os a an11 '.' . , 1 c111bot"t cl,.,siou-tl
e
,em · · · 1· d -
I c1ç1O 1na:,·s 1V'·I e lOU · '- '- ô • '
1n1na, 1nc u1n o ec u .. l, . . leres re, olucion:trios
e · · - t· de trabalho. 0 s 1ic.
Partic1paçao na orça ~ ,d Ocidente, o nde aind:. 1
-, . ~ . r·nh·1
1 s uperJ o o
' ssegurava1n qu e a Russ1a .: ·d· · t·· · ·· · 1
· . . . bnçarenl :i v1 ..1 pro 1ss1on ..1 .
hav·, · ili - ara n1ulhe1 e:," .. -
ld ITla1s ernpec 105
r-~s~ 1 linh
· ~1 d e ar~urncnta~·ao r .
- re fl t' ria ' e1e 1·on11'1
..
retróoracb ~, anri~J
t"1 ' ,
L
,-

170 H 1~ 1 o R I A D A1 1:. 1 1 A e 1) 1 ~ D I G I N l n (l

associação entre Ocidente e aprin1oramento da mulher_ e _


qual o sentido de se vanglonar
. d a nova supenon
. .d a d e ru a:. naci
Enfin1 por n1ais de dois século , a partir d e Pedro O G ·
' . . , rande:
os crescentes contatos com o Ocidente ~lJudaram a fornecer .·
íl O\ O\
modelos e oportunidades para ;..1s n1ulhere. , num a ociect
- . ade
forten1ente patriarcal. No final , e ele fato p o rqu e a imitação recor.
rente do Ocidente se e ·tendeu p o r tào longo p eríod o . o resultado
levou 3 reais n1uclanç as. p or exemplo em te rmo · cl educacào
e oporrunidadê de trabalho . e t:11nbé m e timul o u e. fo rco Por
n1aiores reforn1:1 ·. Os n1ode los culcur~tis cio Ocicle nté , inclu indo o
1nJ.rx.isn10. junto con1 paclrõ e~ cduc1cionais e de famJ1 ia . fornecer::irn
alternati,·3s às condiçõc~ rus~:is e' encoraj:1ra1n fort m o \·irnemo·
por n1udança . A atitude ck i1nit:t(30 continuou sdeti,·::i . me mo
ao lado cio fato , ·iul dê que :i rnaioria das n1ulhere · nao estara
diretan1ente en,·o h ·ida pebs mudan~~as de estilo ocidenral ame.., de
191 7. \:~10 h o u,·c um gr..i nJc.: m o , ·imento para re1no ver ~b mulherc..,
da força de trab:1lho . ~1pc.:~:1r do impulso rondncico clc- 1 k :1ltza\l v
ferninina . \:cs ·e ~cntiJo. u contato con1 o Ociclentt: fun.etonou
para difen.:nci:n a cxpc.:ricnci:.1 ru s~ a . Antes d:t t:"t1Un.c1p:11.::.10
dos serY0 . o:-. senhun.· - ru:-, <. h :1 umL·nt :1r:1cn o ri~u r do lub:dh'-1

ru r31, incluindo tr.ib:i lho cm pru pricc.Lidcs :lristocr:H ic.1~ 1..\) íl\ o
objecí,·o dt' fornecer 1ncrc1dori:1:-, agrícolas rx1r~1 exruru ·:10 L]llc'
pudes~en1 pagar pela in1port:1r:ú) de l)L·ns de luxo d o 0....:idc.·nlc'
Isso rec1í u ~obrt: os < nnbro~ de hutncns e 111ulhcrL·s 1~lLLl1ncntc.
Depois, n o fin;_il do "éculo -.:1x, quando :1 Hüs~ia con1L't,:uu J irniurJ
industrializJ cào do OciJcnt<:. o rr:tlulho tbs 1nulhL'rL·~ n u , ·Jíllt.'íllt:
se tornou vit:11, con10 for<.:a d<: tr:ih:tlhu Lthril. , :cs~L· L·o ntcxru. u
i1npulso ocidental do ~éculo XIX r~Ir:1 exigir llll\ p:1pcl rurJ t1\t.'f1[c'
doméstico pa r~1 as m u I ht:rcs rc-.,rei t:'1veis tc,·t.· poucu 1..•L"O n:i
Rússia . E tornando tudo n1ais complexo, u Ocidente.: cun1inuuu
. . - . ·l (l )\\l
a ser f ontc e1e 1ns p1rac..10 qut: ne m sc inprc foi u>mp:ll1,·c.
111 1
o ínipeto de ganhar novas lihercL1des . As \oj:1s dl' dep:1n:1 111L' l
. _ . .· 1,nt.l 1·
russas , abertas a partir de 18-,o. m1iu ndo :J Eu rorJ U1.. tl c . 1'
-,
procurarc1m - . rnu li 1eres
,1tra1r . . . que se cons i(kr:1,·:1n1
- rnt >Lk ·il
111 · ·
1

e foram condenadas pe los consL' rv-1dc.)r• '


•s f)Or c:--s:1 1nc!inJt·
'- • . l 'l' '
1

··~strangeira ... Mesrno no reríodo co111u n ist ~l. JS cnt ic1~ J() JL·:- L
-------------------~Ü~Cl~O~i!:!._N!_:TA~l.. '._1:.:_
L A~C~~_'.:•>_1~
,,~1:-:'._"l~R:_.'.!iJ'.___!_1~71

mulheres russas serviram d , ,


das . . e rep,1ros a nova sociedade, em
pa11icular ~or est1a~ge1~0s, n1as tan1bém por mulheres ru ssa . O
010delo oodental nao tinha uniformidade.

Q CASO DO }APÀO
o conratocom o Ocidente no J-11)'-10 ,, pé! r1 lf
· 1 ~ d ~-r ·..
C O pt: no O lv e l)l ,
• • • , .i

reve aspecto~ comuns com o c iso cb HC1ss ia , e mbora durante um


tempo menor. T:un bém :iqui as tradiçõ s dava m grande ênfa e
à hier3rqu iJ P 3 tri:1rc 11. ê rn bou co m c 1racterí.sricas diferente ·.
Os reformaclore: . incluindo mulherc.s, c>ncontLJ\'J m no Ocidente
c\:emplos in1po runrc~ ck no ,·:1:-; e' :11r:1t·nres liberd ade · para a ·
mulheres. J come Jr pt."'lo · mo,·irncnrn.s ft'minisr:1s que emergiam
ncSSJ ~poca nos E.suclo.· l. nic.Ju:, L' nJ Euro pJ OL·iclentJI. Como o
JJp:io introduziu mu bn ·:L nui:-. dpi<.b.s e.lo que ::1 Rú ssia , pelo
meno.-; ante:- dt: 19 I - . ~1 briu p<='r.-;p ·cri,·:i.-; p:1r:1 um~1 refo m1ub jo
do papéi · Je géncru t ·m ru1u p rL·-..cnrc k)i J c\.iu cJçj : unto J
Rú~_iJ quanto u .J:1p:iu · cmr<-·nhar:1111 n:t c:duc1~·jo em nu ·.:--J no
íin:1l do _t·culu _\ J\ 1x 1r_1 :1 mulJIU t · r ~1u os 111L'ninu,:,;, nus o j:tp:'i )
foi muico m:ú::- :í ,jJ. dcrcrm1n:1ndu que :1 dist:1r1ci:t 11:1 qut:·~rjo cLi
alfal.x-t iz:tc'tu entre u~ d o1 -,c.X<J-, Jc.·...,:1 p:1rc.·cc.·:-.,c.· rn:1i:,; r:1pid:tlllc.'n re .
:\ Jigac.io entre.: u co nt:llo tom cJ üc1du1tl' e.· :1 rL.furnu n:I que.-.;t:'tu
Jt gtrn:rc> fui rn:.ii..., curnpkx:.i nu Gt...,c> jJpunL·-.., por tr0:-. r:tZl>c:~ . Ern
rrimL·iro lugar. nwiru 111 a 1-, duq ue 11:1 HC1:-,...,iJ , o Ocidc rH L" s1gnifil-~L\.'a
mais mocli:,mu ciu qut: li l>crd:1dc . ,-\ t·.x1JL·riL·ncia du _J.1p:·10 nrn 1 Ll
Ocidente tomou fo rrn:1 q u:rndo c.·~tL· c.xp:1ndu Sl'll Lido u.>1isu1uidur,
-,~~ · n ·l .1
• 11 1 anuo urna pu ~~1 0
r .· tie. nu,·c>, f)rodutu~ p:1r:1 111ull1e rL'-"' . c.·0 1110
·' etico.s. 1\ s mu lix·n:s. 11o Ol·1·Jcnrc- hL·siuv:1111 c.·ntrc Jdour novos
(C)~n1 , ·

.., 1·J 0 s. e1e \·1-c1J - cumu u_.._.1, r IJ· ·-,iro m o u furn~1r - L' :1l>ra~·:1r pu.sic.,·oes
t--t
ntl'1 - • t· · · ·r· como
~ propnamen l c cmm1s .is . ·
exigir dirL'il o :1 vu1u . N:10 I:'.
.
POI1':imo, e.1e se surpreen cJ t~ r r,ul· '1
muitJS 1nu1!1c._·rcs FlfXH1t:SJS <..k
.
ciu· 1 . o
,te e, que v1an1 no u<- entL L .· j , l lll f:.1rol Jc 111ucl~m (a , [!Vt"S.Sc:'111 :IS
_ .
1n. , . .1 . -,nos J 920, grupos de Fl~X>r1c.'s:1.-. .
l ....,mas cluv1clas. Por vo 1w e os · · ., .
l'] . . . . .. , ·ons modern]s - s urg 1r:1111 11:1.,
t:g,.in1e, - conhc:c1das por g.u • -
r·i·I· , , . , . ,n , 1w:diz~1d:1s co111 u t:ºllll'lllJ , :1:-;
, L <l ue-., , ~,vicias por sl' mantcrl 1 ·
l'f ){Jrv . 1 l ..
J •Ll ,'-, l' as uanc;as ocr<. en :1IS .
172 H , , r o ~ ," o,. 1 ~ 1 t "e o r , or " r " 1 ~ 0

Ern segundo lugar, a iinitaçào cio Ocide nte:: logo envolve:u


gorosos e p o r filn bem-sucedidos esforços cl intro du zir a in v,_
trializaçào
- nos n1olde · ocidentais. Como n a Rú ssia , 1.·~o .,~1gn1f1 . du\.
de início uma grande aclesào a n o , ·as form as ele trabalho fc: . Criu
que era1n com frequ e~ nc 1·a ra- o e x1
· ·g"' 1te· q Lnnt o h um1·1hant- rnininrJ e, - "
. . . <::s 1\ir
a lgurn re rnpo. no,·o s con strang 1n1c:· nro s n o tr:_dxtl h o se iunt.ara
a outras n1udanç as p :1r~1 config ur,1 r a vicl,1 cb ... mu l ht:rc:'> rri
· . ~ . . , num
n1omento e n1 qu e :1 ~ ex1gen c 1~1-- cio tr~1b:ilho fo rn1 :il f)<.1 r,1 c.:la\ nr
Ocidenre diminuíam . Com o ~,con cc ·c u_ com frequf:n c 1a , ,·m··ltar>
econonlican1enre o Ocidente p o cli~1 signit ic1r d iferi r clcle no qut d,
7
respeiro à n1ulher. Es -::i compkxicbcl e ocorrL' U u rn bém na Rú tl.
rna s precedida p o r unu :bsoci:1c1o muito m :1is c lara cio rnodd~
ocidenr.al corn no , ·:1.s opo11unid:.tlk:-- inrc>kcru:.1is e fam ili:.irc~ .
En1 rerceiro lug::i r - e nu1s in1 ro r1:1nre - . o conuto j:.1po nê com
o Ocidente foi ro lhic.lo , ·irtu:11nh:-nte dt:~ck o início p or urn:i cb.rJ
j percepção de que :1s con<li · ·x~ ele gc:ncro n o Ocidt:ntl:' LTJm mu 1ro
diferente · d as d o J :tp:io L- qu e e -,:t~ cond i<,:õe.s cr:1m ind1.: ~ jj\-l'1,
Orientado p o r h omt:n ~ rc.:LH1\·~1n1enrL· u ,11sen·:1dore . . . incl uind0
funcion.ári o ..., d o go\ ·crno .1 ()Cic..k--n c:d1L1t·jo j:tronc -;:1 hu,c,)u e.'\ 1rn
alguma_ das a lk rrura-.. parJ :t .... rnulhe rc.'...; , di~ccn1iJ:1~ no<...) ·ilkntt
A m a nute n<.: 3o d e papz-, de f:u nilu 111:1,..._ tr:1dic1un:11, e t11J1or
deferência J~'>Cgur~tr:irn que a 1denrid:1c.k L. :1 c ....,t:1l> ilid:1dc.: rol 1m:1
japon esa pc::-r~is ci ~~c rn :10 n1ciu dt: granJL· 111ud:1n<,.- ~1 1iou \ e u11u
seleçào n1;:iis ra dic d na" rnucbnca-., rd :1 ti\·:1-" ;·1 111ulllcr do qu1.: .1
1 ocorrida na R ú s_...,i;1. 1.-;~< J refletiu n 1:1iur IH_. ..., i t:lí~·::t o n :1 ~tJu<,::ú) du
1 n1ode lo ocic.lenwl. fü: fk-liu u rnbt·rn o f:110 deª·"' 111:1~.s~t...., n u J:ipju. t'
l
n;1o só él. n1inuri:.i cb dite , tcn: rn .. , idu _
...,ug;tda.-., rx.·las tL tn:•Jon1u ~úl''
d esd e o iníc io . A Rú...,-,i~ c\·1t<>u ficar exrliu LuncntL' n:i Lkfc.·n~i,•J.
. f
em parte rorqu~ :..L~ n: f ornl:L', ur:.H n lc nu-.; L li1niud:.1.-. . . Ü 1p.1 ' • r -· O t'il 1

contra.ste, se lançou sobre: o prucc-;su de rcforrna-... Je n1o d u in!L'n:,;u.


quando clec1·c1 1u
· 13Zt:r
e . cJ
mu anc:.i.s , rna.~ :1<, nll·.- .rnu tcrnpo prol
·urou
1
3tivan1enre usar g[·nero r a rJ contra balançar O c i os. Ahord:t!-!t' ;~
trc"1dic io nais corn respeito 3 ,nulhtr. pre-;e,<·ac.L.1 s l'Il1 rnL·io ~1 gr.1n_
( ~.
, , ~ . -u111 \L-1
muclança , nao soo c:recerarn cont~Ho corn ic.Jentic..l:Jdes ,n~11 ~ ~ · ,l:1
- . l )" f1l
corno ra1nbén1 forn ecera rn ao~ h o n1cns i~• pon<..'St.'~. t·ngolt:iL < • _ <11
rn uda n (~I e co n1 frequC·n ci;:,1 hun1illi ~1do., l·ornn :.1fe1ni.n:.1Jc>:-- r
-----
b"ervaclores ocident ai:-; inform·iis ,1
O . _
------...::..º_:'._:. .:_ 1
0:...:_l~N_:_
l ..:.._
-1 'I...._'l.:_ I _.:.:t,~(~N~I1'.__:'
. I ~•(~A:__'_Il ~ ( ) ~~ )7:.l_)

~.
O
··tretn do estresse .
OJ)ürtllíl!C1~l(1e e.e
1 se COtnf)en-
' · , ..

A~ reações j~1 ponesas aos t"'1C)\' Os e t · 1 · · 1


•' . • on ~tro.s ocK enta1s, a partir e e
,

1860 combtn~1 r ~1n1 qu~ttro cor"'lpone


1 t . E · · 1 h ·
, • - n es. _m rnme1ro ugar, a via
..:...,.nrnnento de d e snrezo ·1 ,. .:,n •- , 1 -
ui11 •''-- · t' - , • .,t .)açao e e que essa nao era uma
jrê'J que se d e, ·ia imiur. Em segundo lugar, no entanto , ha via a
imir:1ç}o . que to nu,·a \'á ri~ts clire· ões. Em terce iro lugt1r,. ombreada
pela imiuç:1o. h:t\·i~1 :1 nec~.;;sicbcle de alterar a absorção econômjca
cbs mulhere~ como base par:.1o início da industrialização. Em quar10
lugJr. mJis irnporunre :i lo ngo ruzo. e mais complexo, hJ\·ia uma
polítiCJ que 1niscurJ \·:1 corn po ne ntc...·s ocidentais bem seletivo. com
d emenro -.; co n fuci: tno , . pJr:1 produzir uma Jbo rdagem distinu e
5incr~tic1 d:1~ mulher\.:' .. co 1s:1 q ut continu:.1 :.1 afeur o JJp:10 Jté o ·
di:is de hoje .
O ~ntin1entu de de_r rczo c.:r:1 c,·idente . .-\ntt:'s eles ·e inter :1n1bio,
0 JJpào er..t unn .'>()Cie-c.bde p.1tn:trL·:1I. fortt,nwnre influenciacb pel o
c~nfucio ni_m o. l°urnu I t o nu c 1rü ulo -.-\ influ0ncL1 chines:1 .. . :\ s
rc-bçõe dt: ,é-nero lX.ttk·nu1 p~1 rc ·i.1rn t·., aranhJs t' perigo~:1s ao'i
pJdroe" jaf)OOL''>t:. . primuru. ,·u1:.tn tt·.. ., qut' f,x:11:1 f)Jr.1 :1 Europ:1
Oo·Jenu J e u ~ t·-. c.·id<J" L·,11·u'tJ". . ..-1,·1dus- cm ~~t-r:il de 1111pkmL'ntJrem
n.·foniu" :i· rncx..!·.1 ex. tut:
-1 -r 1t ·.11 rn• L·1t: 1Ki:1, lL'l' n o logi:i
, t' mt.·smo
. ru
polt·t1·Gl flL:lr:tlll
·. . J
c :-,U TTCL I (J\
l<Jl ll · 1 1nlkJ)t·ndt· r1ei:1 L' tr:1nquc.>z:1
• ·. _ .

•1
u:t m u 11.1 e r U<...·. , nt·1
1u e • l . r\ -'. . i11 ulhul:" j):lrL•UJ tll lt'f o . upu de ,·oz n:1~.
- . íl . . \ i-,·t( ) 1:1r<>11L·SJ dt'\'L'rl: I f)t' r(L' flCc:r JO~
qucsroe, de t:lm t 1:1 q uc ru · . . .. . , .. . .. .
. . 1 .
rn:1is \'clh o-.., e'-""<' cr:1 .., ,1 11p t .., 1,1t·1tt L· \ ' lr:tl· : 1s cu1:--. l S de.. l,lbt\J r.11,.
r, l

I),~.X . ('<
() f, J- . . Ol ,dcill:ti:-. l ·SUfL' l11
·t"I lllll j 1lLfL" pt.·rLk·ndo po<.. t r
ui. () . . .i J e • · . ,· . .. 1 . rnlnlho Sl' reJu ziJ ,
~ . • . . • ',(_'l( r~I [)t:I n.1 l H (. , 1 l l " "
econun11cu, a rncdiJ.i qut ... Y°io fu i rq .!,istudo com o
. , . 'd, . d rucc..., ·u po 1i11u>. r. . . -
( ~l ndo L'XCIu I J", u e.:
. . . 1urnrtt" umo n > , .
r . ( .
<.."lSO d;i l{u~.'iU . L'I1UO ,
pen.b de direito'.') ~ucr:11.-.., 117 ' ·: • . .l ·r<..1-tdes p:tr:t ;is rnulht•res
. . " . ·nt·tr 11\JJOfLS 11)l '
o Oc1dcntc p:.1rec1:1 represe ' . ('>l)vi't diferL·nç 1dt' qut'
. ·. nn-... lOll
.
1 •1 '
do que ~t cr:tdiç:10 local pt:rmiri(t. . · - _. . . m:iis inirx) rrJntL'S, rnuirl)
. .. . func1onJnu~ , .
1s.so apJrentava ser. rar.1 °~
A longo du tempo , J 11h...·d1d:1 ,
. . 1 .. n mdho r:.i. . o • o-anh·tram
. . ·1 ~ .. .
íl1JJ.s urna pior..,, e o ~ut:: un . , 1nt UL'l1l l.l 11<)
. do Ocre 1enlt r , . . .
que os hábitos de consun1o . . . · os com rt·Lt<.::10 :.1 tr.qc:-. ~
. . , . . , esses lu111n1n . . , ·-,
.Lqx10. l<:-va ndo a no, os intt r .·. . nfirnudo pdo ,11u10:-- L n11 t
. . l , •n1osc11.1L O . . . ..-
·10 hzc·r
•·
PL~1hl1'r·c> e SSl' )li g..,llllL
'- , - . ..
. ·· 1
· li Jl1 J qJOl,
L'lll íllJL' .1 ir11ll.l
'-1
J()
1
h
l 1)omc ns . >n.r·1dort:--.
. con.si.::
m,11s ' '·
174 H 1 ) 1 ,.- 1: 1 , o, 1 "1 1 "e o 1 , o I e 1 " ' ~ ''

do Ocidente prosseguiu rapidamente na · e fe rJ.. d e Po cier da\ .


n1ilitar e industrial , a questão d e gênero e r;,i u.m p o nto vital'ida
diferenciação que ajudaria o Japã o a se mante r Jap o nê. e nqu < .k
assegurava estabilidade e hierarquia e m m e io ~1 mudança _ ªntn
No entanto. era impossíve l njo i1nit~1r. 0 1110 v imos, a. f)ró n(,
. - . j . i ,, la\
n1ulheres. à 111 edicb que :i urtx1r11zaça o e ;,1 1nc ustrtJ. izac;ào crc:~·-
ceran1 , n10 trJ.r:1111 inten~~se e m :tl~uns :ispcc to~ cio consumo
do Ocidente . e isso n ;1.o po di:1 ser to t:ilmt:111l:' c,·1~;,1clo . f\lgurn::i-..
1nulheres r::unb~m ti,·er:1111 :Icesso :1 no , ·:1s oponunid;,iclc:."i :i Partir
do conc:1ros corn o O cide nte:'. Po r e xempl o . mtilhc re-; arti.'ltJ~ que
tinhan1 sido ::1incb meno · prüt'mint:>ntc'S n o _1:q;:t~> tr:1cl ic1onal do que
n::i Euro pa O c iclent:il tr.1dicio n:tl . mui1 u :--L· bL·nc·tici:1r:_,1rn _ H:1\ 13 rn:1 1.
oporrunidade · p:ua :i · mulhcrc-~ c-stu<l:1ren1 fo r:1 :1gor:1 . Ya m:i hil:l
Rin . por exeniplo. n :L id:1 cm IH:;- _ L'S tudo u n:1 Rús_-.;i:1 (e fo 1 urnJ
das primeir:is mulheres :1 , :ur Jo p:11-. .; _ :1rru \ ·e it:1ndu :1 chance de
,,, ser ba/Jy-siuer p :1r:1 um Jiplo n1:1u ru~., o \ "Í~tjantt:) e m :1 '"' urJe fez
in1port.anres pinrurJ~ d<..· ít.-un<..·, r:1r:1 1grcj:1, o rt odox :1.-.. ru -..J..., 00
Japão. R:1gu.,:.1 T:1n1:1 L-L J U -:--<.: 1..·u m uni :1 rti,t:1 iuk1nu . U)n\·i~L1do J
ser ins truto r visi Unlc d o •1 u , ·crnu 1.1po n t:~ cn 1 :-LU n c)\ :1 :11..·:1 Lk: au.1 Jt'
arte . Eb de~nn ,kcu unu 1..:1rre1r:1 nul:Í\'ci n.1 :111c de t.'., t ilo rn. . 11..knuJ
(en1bor:.1 .,eu lr:.t b:.ilh o t 1..· nh :1 rc rrrunc c ido 1..k~cunhc..·1.. ido por
111uiro ten1po n u J:.1rao>. Outr:h mull1t.· rc .. 11,·t.·r:1111 dc:-.uquc: curnu
escritoras (renc)\·:1 ndo um:1 \·cllu !L 1J u;:H, j:1pu nt::-.:1> 1..· 111L·--. 1110 1..\>1 t10
n1ilitantes fen1ini."it:1~. cn 1 c.. . unLlt <J pr< -JX 1111C > co 111 :1uHll c.·c 1rnt·11tn, do
fen1inisn10 ocick·nral.
I-fouve un1:1 in1ir:.i \' jo n1:1i-.. "ii-..tcn1:üi c 1 L1111l>i·111. u J1p:1 i ,e.'
co1npron1eteu con1 :1 cduL :1c~1u rrirn:úi~1 u n i\·crs:tl t·111 1~ - !. u
nO\'O Código c..b Educa \Ju L·~ciruluu c:-..pcc ific 1ru 1..· 11lc qu 1..· ·.1

aprendizãgezn nJo ci<:\'l' ni:ú~ f)crtcn cl· r :Ipcn:I...; ~1 d :1~,1..- :tlLI . inJ~

deve ser igu3lmenrc heranc:1 de ... 1101ncn.-. ; e 111 LI lhL·rc:-- " . De rt' fK'lll c'.
o Japf.lo decidi;..1 in1ít..lf r:idn>e.~ llUC \'inlurn ~endo d esenvu h ·iLk>~
no Ocidenrc por uni longu tt·n1pu . incl LI i nJo o r o rruni d:id~"
.. ·· 1l l
de a lL.1 betizacào para as 111 ulht-rc~ . () _.._ign ific.1c.lo c_b t_>duL Jl • .. 1
1 1
para a particip~ çào cia.'-1 rnulherc~ na furr~ 1 dl.' rr~th~d]l o L' 1 :1 ••
. . )"l L1l
0 cun1primento cie seus d e \ ·erl·...; de L1n1ili:1 passo u rnr un · 1
1
<

. . 1· . . . l '1..·0 11
hicr;irquias rna1 s tr;Jc JCJ<>n:.,IIs - ernhor:1 . co1110 \ 't>rl'nln=-- L , ,r11
cr~r no Ocidente n e ...,s~, t-poca ), in1po11 ~1.ntl'S distin(<°>L'~ de ~cnc
---
se '
n1antivessem . A expans~10 d-
. . . '1'-u ic..tçao pnmana 0 1sc:gu I a por
r-., 1L ., , • - • f • •c1
0 f tas n1a1s l1111nadas de esc J - . ~ d- · · ·
er . · oas secun anas par~I meninas <c:m
1908, havia l 59 escolas .-~cunct[1rias para mt:ninas, contra 300 para
meninos), pela abertur:.t ele escol:ts ele medicina ( J900) , ele uma
universicl~icle ó para rnu lheres ( 190 l) e mesmo pcb pt rmissào ck:
acesso lünitido pa r,1 algurn~,s outras universid a<..k~. A c:du c:¾çào
1
contribuiu par~ unu llü\'J gamJ ck- o p o rtuni cbcles parn mulh ere<;
indiYidualn1ente : o JCc:--~) ~, cl oc0 nci:.1 Sl: ex xindiu ( prin cipalmente
1
pl,J u-Jbalh~ir en1 e~cob~ de menin:1s) . e cless:i · e-;cola. emergiam
.•ilouma:-;
::::, escrito ra:-- fen1inisus de lidc-r:inç 1.
A imiuç:to umbém se ~tplico u ~1 q uest:10 cl:.1 scxualic.lacle , com
implic1ções n1:1i~ Jmbígu:1~ . .-\ ~ :1u1o ricbcl~·s j:1po ncsa.-, .-<: t·m pe--
nhJram un e\·iur l' rit ic:i.... tX' idc nui:-- :10~ hjbitos po pubre que
p:irect:~ ·em. pel o p.1Jr<'x ·, n irr l·nk-.. oci Jerna is, inci ,·il iz:1cl~J. .
TenL1r.1m intrcxluz1r , ·i .. o ro 1-.. l'l'. ' til.tml· nt:..1cõc : em du :t~ q ut.:~toe-,
00 , -3 :_ O ho n10,~·xu:d1 1nu nunl.l r·u r.1 gr:1nde problc-m:i n:t culrur..1
, 1 11, , · Lh., rd.onn:1 d e- ncic.lcnuliL1
2
·
ppone~a • e- 111 l • .... _}
- . nu-.. · .__ .._ - _ . . _
,-jo _
i -. •.

u go\·emo p ;L u u un :1 lc, impv nJu pri-,:tu de no, ~nu . c~ u .-~ .i


. __. . ..,<.:_ d L. -·ic ,, tJ..tdt.· l1< JrTh> ..,..,l'.\ Lui-.,
quem pan1up.1. .
. :-\ t11L'dtcLt _tut_ lo~o
.

rtlaxa<l.J . CjU:tnu_1u (>.., L·nt t" 1 u ll H>.., Jx: lu Oudc:nll· , t.· ;1tenu.1r,tm.. . . . . . ..- u
-
lflíl1t' r 1. :1 1) ()-1IU(J
10 ·.1 Llf\
- - l . ·~
--' e -.,uh l! tuiJt J po r uni: . t ,·:igJ dt~l íllllmJ,.L)
· ,

dt --nirudc:- mclcccnlc
_ e ti. " 11 l'• 1nik-.,t·ti,:uc-,
' - pub lic. t:-- Lk· :Lkto l'ntrt.
h ' .. t· . ·1 i n-11'-I u1 n:1 ,·c 1 t u 1L·rJtl-t'> • . ().., c~lon;o~ p:tr:t . ttnpo
- r
omtn~ o r.in
i· -f . ·11.1 o bre :1 '>L' .Xlld. 1.tL1..l<.. 1t.. fo rtm

m:11::- seno:-; .
nu,·o.':l controle~ e :i. :rnii • .., _ _1 ·l· . ·tlt·i -,l· tnprt.· unlurn sidu
. . , . 1· .., -...c.xu :ll '> ua L .t~..,L . • .
Enqu.into º " cuc igo. . . t urh:inu L!Ll ~tnt ü rur~d .
. . - . u pupu Lt r, 1.111 u
estrilo.. . , o curnpu rur11t:nl . 1 ,- . ·l ·ttiviLLIJc ....cx u~tl ~1nte:: - du
• A .r1 cuns1( cr.1 , L ,
• - .
crJ mai s t·.spo nuneu. cui . ., tinln dcusJ~ com \'~trtü .'>
. , . . . o X10l U l."ll l< > ' .
c:.i~amento. ( Cunu~.une ntt.: ' . , , ·h..,sc ~tltt tradicto n~tl . ~1 mu-
. (' - ·1 rd u nn.1 ) .1 l , .-
fX.trceiros sexu:11s . ) ,oni ' , .. víturi ~ina nu Oc idente .
t:XL'll1plo <..1 J cr. 1 .
ralidade confuci:..tna e O ·.. _ . . al ul·r !íl)crd:tdt· St.'X.LLtl ~e._•
._ _ . - . . >fiua1s J qu 4 .. . .
com suJs conden.:1~ oc s < . - l"go sexu~LI , t.· m p~1, tl p,1 u
. . . n1 novo co<..1 . ..
combinaram para produzn u . . s sobre a rnor:tl Ft ponc·:--.1 ·
- . , . . embara<,.oso-
L·,·nar cu1nent{1rios o udent.:11..., . r suas fillus .
. furan1 c:st1mu
. 1-,ic1os. contro 1.i -
Oc.., pa1.'-l . ~1
.. ·omhmaç . -
10 <.. k, l 1'-,:---pr.<..., lt)
. , -• s I nu 11 <) r<.. .i 1' <.. . · .•- . 1 -,
_Junt o com a b1zarrd, m..i. . . . n·i industn~tl1 La1, •.1 u . 1.un 1 u 11
· . ·. 1n<::S(~ '
( •r l('JO, os l'tdorcos
li n imi t~ J..I pl
17 <> H i l TOl'. I A DA> J:. ( LAC0l> Dl v ! 'IIRl

rnodelados a partir do Ocidente , intro duziran1 mudanca .


. ._ . V1ta·
~as v idas de 1nuitas n1ulheres. Ainda que o Japà~ tenha tornac1c/\
1
industria lização ocidental con10 1no d e lo , usou n1etoclo , dife re '
. ntes
Era u 111 p aís po bre , sen 1 grandes recursos n at u'.a 1s, e tinha de:
acu111ular capital e atrair n1oecb estr~1nge ,_ra par:..i Impo rtar o, rna.
teriais e o 111aquin:uio necess:'trios pa_r:1 contin u:..ir o clc:se n-volv irntntc
indus trial. !\·Elo de o br:1 barat :. 1 e r:.1 L'S~cnc i:J I nesse pro c~~o. tant~
para a· inún1e r:.is no \·J s Líbric:.1s. como rx 1r:1 :is o fi c ina~ ck:.">tinada~
à n13.11ufa rur:1 da secb. q uê' logo ~e to rno u o maio r rroduto de
e xpo rta ç::1o do p:iís . .-\ fo n;:1 d e tr:1b:. tlh o das fabri c:.1. jaro nt-,,:1"
era 62°0 fen1in.in:1. en1 o ntr:.1~tc U.) 111 -1Y1 u n:1 Fr:.inç:..1 no rne'>rno
e ·t..1.gio indusrri:il. l Por ,·o lt:t J c· 1900. l .2º o LLl fo rc:1 d e traba lho
brit5.n ic:.1 er:.1 fe1ni nin:1. 2-l, o J:1 fr:tnl·L' S:l. c o n1 p :1 u cb com (>2'\
da ia p o n es:1 ). ..\ n1:1io r p .1r1c Jc:--··-:l~ mullH: rc~ . crn gc.· u l jo\·1:.·n, e'
solte ir:is . er..1n1 lr.1z.id:1~ d<: \·ibrejo..-; rur.li:-- distante~. cnt refu c:,; por
un1 pai o u um innjo :1 u m rt:~unc in1rl:1nudu n:1 indú-"rn:1 . rru.\1mu
à escr::i,·id:10 . , ·,, 1.:1m 1:.·. m d u n n it ; rio-. . u>1npleun1cntt.· 1..: >m ru l.tcLL-.
pelo patr:io . Tr.1lx.d h.1 , ·:1n1 rx·lo 11 l cno ~ 12 hor.b ror di:l , t.·nqu:tnco .b
fabrica~ co ntrob, a m x:u ,.:1b ri t>~ (>-..tub1,·:1111L·nrc . t.' 111 "'-'li pnipnu
interes::-c , :.ilcg::i n J o '<..·r p.1r-.1 ~uc n :ú > g:1~t:1~~c111 c..: 111 t"ri , u lid.td ·:--
Ln1 g r:1n<le nú m ero d L: m ulh c rc-.. tr. 11>:tlludu ra~ :1du 1:..·1.. 1.1 . .\l u1u,
1
n ão tinh:in1 c o ndi ç<x: d e t.·")ul x ·kccr rd:11,,:t)c:-- f:unil i:1n: -.. t':-l.l\c·1, :
1
o~ ní\·e i~ Je pro .-..tit u1 ·:"to t.: d 1, círc 1u :1u111cnur-.1rn u p1d.1n1c.·ntc.·
.1
Esses a~pec tu.., do inít io J :1 , ·1d:1 indu-..tri:tl L' r :111\ r:1d1ctl 11..1, u~·--
cle .siruaç6<::-, que :1 FunJr:1 Otilk- nul 11:1,·i:. 1 L·nfr1:..·nudu d ur:.1ntc'
su a pró pria indu-.trí:tli z:1c ·1u - L·x:igcru~ que r cfkti:1111 J 11uiur
depe ndência d o J :1p~u da f<> n.·:1 c.k· tr:...th.dh o lur: 1u d :1:-- 1null1t.'ft'"
Os res ultado-". L' c \ ·iue nt c , irll cn-,ific:1r:.1111 :1.-.. rL·~1,·l·>1..: :-. l ·u ntrJ Ll
O c ide nte. corn frcqu0nci:1 c<>n tr:1di zcnd o o utru.-., i111pubo " r u nH >u
controle cb scxualicbJL· .
Po r fün, en1 ,ne io :1 ljlll'.stóc:-. conflit:intc~ . u go, ·crnu 1:i r<>nL'"' ~l'
. 1 ' {' 11'
e n ca1ninho u p;_ira un1 cun :-,L·n .-.;t >. q u e u:-.:..iria clt.: 1nL·nto :-- t >c 1c. L 11 ·
n1i stu rados co rn IOJ -" ~1 lr:.idic..- ào. p;.ira pro<luzir um ~trn~1lg:1111:t l·: ii: il·
terísticu . A chavt.· foi un1:.1 ê nL..1~c c re :-.CL'ntc n o n:fr·.."lu .. h<>:t t.·:-po"':~ 1
. ):1 1-
ll1 à t' s5h i:..t .. que su rgiu n o~ ;,.1no -; 1H8U e 1H90 com o l.'strutu r: • 1 .
.·l·1:-- -.l
:i ,·ida das n1ulhere-.; . As n1ul'1en..:-... inderx.·nt.kntt:JncntL' J :t '-: ·. Jt'
. ·. :d1d-1
'-,()C i~d . d c\·eria n1 r ronlOVl'f ~I U>t:S~h> Lt1nili;1r . rrat1G lr ;) 1,uJ,!

- •
----
f. de
a un
contribuir co1n a p
. . oupdnça
,
I
Oe o1" 1" 1 1 z Ae , n

para o desenvolvimento in -
1 <, 1 N I R u 177

t rial e, de uma rnanetra ge .. 1 f l ,


duS ' . _. 'ª ,
azer e a fa1nilia o primeiro elo
de un1a soCiedade politica e 'tável O co· c1 · e· ·1 1\ ,1 ... 1 1898
. · 1go !VI lv e1p, ce t ,
e rçou a autondade d o J)·1i d e f· ·1· A Ih ·
reio .
1
~ am1 1a . s ,nu eres prec1. avJ. m
do consentin ento dos lllariclos para ass inarem um conlralo lega l.
0 111
No divórcio, - ~1riclos ftcn·:1111 com :1 cust ódia elas criancas . O
adultério de un ~ e · p o~~l (e n ~'10 o do marido) consrituía h~~ e de
11

diYórcio e ele proce~s c rin1inal. O conscmimenlo do r ai para o


cas~unento e r:i nece · •jri p~1r:1 um~, mulher ~llé 25 anos , e para
0 ho1nen1 :Hé'. )Ü ~1110~ . .-\s mulherc.>s L' r:1m rro ihicl:.1s ele r~rti cipar
de cncontr " pú b li c ~ o u ing r~..':--:<u· cm u rgJnizJções p o líli c 1·:
~ó em 1922. :1 pre.· ·:to fc.>n1ini:--u h~1 \ ·cri:1 de :1fruux:1r :1 rro ibiç~10
ck participar de encontro ... . embor.1 L·onti nu:.isst.·m n ~10 podendo
:-cr mcrnbn.J:- d(' o rganiz:1çtx-, . .-\ ... ruh l il·:1r - cs d o go\·erno n:1o
,e l -,'1ns-1
. . , ,··un
.. de d i,"l.ll, 1 :tr .1 1nu ,~t.·m 1Je:tl iL1d:1 de mulherê'-. cuj:1
Uc\ -..,u e :JU[(}-. :1crifíuo r)(:nl 1(1r:u 11 .h t'J.rníl i:1:-- so brt.:'\ ' j\·eren_
1. .-\
polítjlJ de -t->0 :..i c ~po . . t . .......1bu rn. e n:1u t..·\d u 1:1 o tr·.tbalho ; Lk· tJco ,
Jlgum:b cli~ niulhcrL· 1dL.th/-1J_1, u,cr:Im dl· :1:--.:,utrn r c:-_nlrre~o."
pJr:i n1: 1n ce r J:-- f:.unílu .. . 1 Er: 1 fl(J .:í, d rH) 1.: nl.l rH o . q ut..· o null1L'_ru ~ic
mulhc-re. en1prccn J cuu . 1 r:1 -. J ~"
., lt rn~ x: U Jll\U .tn >IHLTL' . _ll no. tntUO
.
cb induscna . 1·11..ac.:: 1CJ cJ e,. Ul1L ·r1cL . J \ f) ,lll1 L t umhcrn . ru o tlllpc·d . 1u
tt:rto~ tipo~ de :tl J\ ..J(. la J e. pu· 1' 1JL .l . ., ·1-.

rttulla: rl •-., l l>r:1111 L' llL'l>r:1pd:1~
.. ._ . ..-
~
J tonna r grupu
J e pou p ·· 1r' ' ' t ( Jll l L ·
l~ •
1 . l ·1111r·1nh
' h
' · <.k rnu ,.t 11?...l .1(.)
• · • .

locai~. e pudc..:r:Hll :1 )U(b r u gcJ, L. rn1J dur :ir Hc q><H..':1 -., d e l n:--.L 1.. u mu

L-m . guerras
, .
. ,
·J· . . dt·finir~1111 JS LlikrL·n,,- :1~
.. ") í :i r 1 •! 11 l l n 1L
0 ]'
E ob\'10 que no\ J~ r J(J L ...i . I· ·cund:üi:1s, un f)Jrti~·uLtr ,
de gênero n:1 educ.i~·ao . ' ~ · . ·. .- nulht·rL·-.. . Puhlil·~1(ót.·s de
· ~ t;'-\l U l~ -"L

. . , . . prurn.t<.1. IS J ~ 1
:.t f)on t"'n ·:1111 :1s obng:1c..ot::-, .1 _ . . irn l' u~.- upuu :iu lo ngo du
, ... ,· I· lon1l:st1c 1< KL ~, . . ..
19) darna,·an1 ljlle :..i 'ic. :..i e ,· , h rnulllt.· r 1apo nl'~:1. h:--.o
. . ·1nt L' d ~t \ it1.i l . . .
lt:'.mpo, a e~f e r a rn:11s in1purL .· I· ,, Os currículus t·nLtt1z:1,·J1n
1
.\<:ra :.iss1n1 a1nanh:.1 , t por to da :..i ' e. •1 ·h . •.· ~-ntus cum u l .:d1g1Jti.t
• • - À · •. ·· .
. con L l '-- 1111
.,t. ·untcJ.~ do1nest1cus, , · n1-....s r:1 111 1)ern
1
. . . , . Aubs ( 1e ct1c1 · · ( '' l)·, t ~·r·111ll'
·
. - , ·s te1111n1n.1s. - .
:i n l~t icr1 ,~( )nl.. ·, , 'e ra d os f LI n~ oc. de li lll.l
• " ,:, u . ... ·cgun( ! () <>hserv:1,·ao
.
· ll
· .1r opu la r e~ e ntre <..1s · · rn '·~ n 111 ·' 1,· . °' ·r:idor, p :11s · ....--:tr~,
· L' :111<.L
'
· ,...,· ,"·,' Hlh)
1 1 l 11
n .1 hl~r) 1·n"1·r.;,t1··11n n :1 1l" ~·1ld·" de ''HJ npc , - s·1111l·nt o ·111 l 1qx · ·n ~11...' lll c'
. • . , t < > e> pc 11. ~
r ,1)rig:1c;·1o rnc >ra I rri n1j ri ~1, cnq u ,1n . . ·ntos ngidos ·01npk ·L..1vJ n 1
. i . , ·,
\ r.i: 1·1, t;1n 1c c.k·~encor , IJJ C. u .
1 Cc ,n1po1 t,1111t...
' 1 .~ \ '
1- ;; 1t ' •' ' ' ,, ' • • 1 • 1 ' •' 1 ' \

o tn. .' in:lnk' nt<.). Pl)r ,'-L' ll l:1do. :1s L':--col:1.-.; rx1r:1 n1cninos tinh:1,11
l'Odi~<.) difcrL"' lllL'. (lLIL' indui:_1 nuiorcs rcsult :.1do .-.; ::.1 :.H.lê niico~ l' l . lln1
1
' . 1 . 1 . 1 f)q~
d(:' l 'Otnp:tnhc'iristno n ..' k,,·.tnl L'., p :ir: t :i , ·ic. :t inl LJSllT I e rnilit:.i r .
.-\ politiL·:1 c.k "bo:1 L' spos:t. ~;ihi ~1 _
n1JL' .. _:1u~·:1_v:.1 c~r rc."·" :1111<:n1l:
intrus<)t :-- oc:idenu i:-- con10 o IL·n11 n 1s1no , ncl, \' icl u:tl L"l : 1. D ·sIina.
, ·:1-~e. e ntre oucr:1:-- t·ois:is. :1 restringir grupo~ .
co m o o n1ov inienrr
. )
dc' " Dirc-itu:-- Hununo :--" c.k- lK~O . quL· ·' l' rn .-.;urg, ~i co nir:.1 :1 fr1míli:i
p :llri:tn.::ll L' o E:--t:1do :n1torit:írio . i\l:1.-.; cr;i r:imhé· m urn:I nova
polítict. E~cc-ndi:t o :-- princípios d <.) r1t:oconfu cio nisrno :.1 tocb~ :i.~
1nulhc-r ~- njo ~) :t=' d: 1 cL1:----"L' :1'1:1. Gl· nL·ro , dL' L.11 0 , ro rn o u-,t.· urn:i
c tte~o ri:t nui:-- i1Hpl)rt:1n tt.' d o quL' c L1.,:--L· . L' 1-"-" º L'rJ n ovic.l:.idc A
políric1 c.k u n u , :1 i111ro rt:i n c i:1 :b nntl hL' rL ., . :1i nc.Ll qu e Ii rn ,u '-e "eu
leq ue de :1t i \ ·id:1dcs. F.1zi:1 eCl :1 :ilgun., :1spt.'C to .., ela., conviccoe~
ciJc-nu i.:-- J:1 n1c.· uJt.' do :--t' ·ulo , ,,. corno :1 pro fu nc.L.1 i m r o rüncJJ
d o n1t':--tic:i d :i.s m ulht.·rt.·:-- . nu> L~ t)bYi o qut.· ."'t.' :1f:hl.l \J c.\Ccn.":.i
e.' deliher:1d:.u11entt.· J :1_.. ; tt.· nJ~·ncia~ concen1porjnc.·:i... n cidem:.11,.
que" st.: n10 \·i:1m c m J i r~ ·jo :1 111:11(.)r igu:..1IJ:1dc k·µ :il e.' nn \ <)
direito:- fX> lír ic ).., .\ fX>l t(JC:.l urnlx·m L· r.1 :IL'Utnr:1nlu d.t d e: upiJ\.,
Cfe~ i menlu p o pul.1uu n.ll no _J .1r :l l ) , q LI<..' LTi :1, ·:1 n c}\ u , d '\ t.'ít"" Jc
Lin1ília p :1r:I rnuiu.., rnu ll crL-,
.-\ p o lític 1 n:'tu te\ e , utt.· ""' crn urg:111i.1.:1r ltxL1..., :1 , f..1\.·dJ , de
rebci o n:11nt:nt o Jt.· c nc.·nJ 1.q x ,r1c~.•~ nu rn rod u L'Ut'rt·rH · Ern
1

particubr, n jo irnpc.:1..l1u mu1L1.., mulhcrt.·" de.· ~e.: cunurun pJul.1·


tin:.1n1entc rn:1i-.. trHt.: rt.· . tc..L,.., un l '1>rhu1111 ..... rtH> . 10 L·:--ulu u\.·i knul
:'\c:111 ímpcJiu L"~ rito~ t.· nunifc l:l ~Üc~ fernnu~LL:-- . .\ju,ruu-, c-. nu
cnunco. :.t n o , ·:1 C::·nb~.- cm rt..·...,pc11 :1l>il1d:1<..k· ... e-'.LUI. l-' .. Ljudou J
:1d1niní.str:.,1r a.s n oL1.., e trnpu n ~ntt:_') in,n.1Ii,·:.,1~ cill L'dUL'~t,-:"iu ( l.°IJ 1'l1
que :.tlx1rco u um:1 rc:1c.::to Jc Llt:~prczu pl.'!u:-- 111 udo., o cidc n1.1I~ ·'
polícíc.1. junco curn o Ut.·~cnvoh·imcntu indu:-,tri:. d , c:unhcn1 rt•duLJLI
:ios pouco~ ~1 cxplor~t<.'~lo tb-" rnulhcrc-.; tr..tb:., tlti~tdor..ts e ;__1 in....,ubililL1dt'
L1nliliar que ís..., u pro , ·<.>ea , ·:1. .-\ porccnt~•~L.·ni de 1nulhen::- nJ for\.l
de tr:ibalho dintinuiu s,~tcn1Jtic11nL"ntt..· e , no final do sc.iL'Ldo ''·
:i.s 1nulhcre~ japonc..·~a:-, L'Sl:.,1\·:.1m muito nit.·no~ enlpn:g:1<..b:-- du yut'
11
sua~ innj~ n :.1 Eurup:.1 Ocident. d ou no:,, Estado~ l 'níJ( >~ te.· t~unb<.-' 1.
é ó b\·io. n :.,1 Rús~ia) - zi dik·n.·n,·a enrrt· os salúrio:-- d<.· 1uull 1ert·•" l .
homens no Japjo e r~, c:1rnlx·n1 111:.,1io r .
O, ,n1 " 1" 1 1, " e,, u I e 1 -.. r "e, l 7'l

A 111-istura de rea ç~es ao contato com o O cide nte que em e rg iu na


ra Meiji e prosseguiu pelo anos 1920 e 1930 n ão permanece u , é
;J~ro, it11Utável~ Outra r o dada de contatos com o Ocicl nte ocorreu
depois de 194) , sobª ocupa '3-~0 ameri ca na . Estimubcla~ em parte
poress~s contat~s. a ~-rnull~e re_- iapo nes~1s cons~guir:1111 dire ito a voto
e total igualdade p e t ,inte :.1 lei. . s rLstri çõ1.:s sexu;.,iis diminuír~rn1 , à
medida que o compo rum t:'nto ~l..."XLul , ·o lto u ~1 s1.: r m ais uma questão
pe oal. A t:JXJ de n ::1ulid:1cie 1.·. 01111-' · u J c 1ir. ~ksrnoco m esses no"·os
desdobramentos e:' 1.·. om um consumis mo nuio r , urn:1 cCrnic:1 ca r:1Ctc -
risticarnent c j:1 p o nc:-:1 pc>rnu nc ·l:'u . O J:1pjo L'r:t u m J soc iedade
muito mai~ co n~cie nte 1..b que , 1:·10 dL" !..!L' l1c' r o d o que o Ocick· nte ,
no final do -~cuia ::x . L"' .l" prc t>L·up:11,; õc:s d o s h u mc:ns :1 rcspc: ir o
de ~u:i m :1.:,;culi.nid:H.h .> 1: r:1m nu1u r1.•-; _ .\:- Jikrcn c 1~ L·m p:1drõ e,:,; de
cr3b:1lho ünh:un eco n :1 f:1mí! u cm q u1..· Ll-"' htrn1L' n" L' ~1s mulhe rc~
comp3rtiJh:1 \·:1m menu , .t , urcf:i . ., h > que: n, > Oc1dcntL' .

Co~cLu .
:\ · re:1 ( ..... :l(J '> rl <,, º' u ,n .l[ y', LU!H .1 LunJp.1 ( · i1_k·11ul rrud u -
zir:un imp<Jrunce" ru uLLtni_.1 n<, _L1p~1 t> _ly,11 11 L< Hll u !1.1 , i.1rn pru -
duzido n:t Rú -,u DL· L1t<1 u>llllJ _1, 111uJ:1m.-.l-, lugu --1.· 1_•--tc:ndtT .1111
par:i J m:J iu r i:1 c_b rnulhl.·rt· ruo l1L ·.1nd<J -,ú 1.u1n :1..., l L L 1..· ltlL' , 1.>"
rc ...,ultados nu Jap:iu fo r:1111 nu1-, ,ut,.,unu.11-, pdu 111u1u..., :1tt ll)l-
Em amlxx·, o:- ·l J ,tb . u ::. p:idnx.-.., de ;.;l.·nc:r<J du (k1 l kn1c.: ( in1..·lui nd o
:i:-. impliGic,.:ú c~ d o 1..un-,uI1lI'>J11< > k 1111111nu, t·L1!11 , ,..,t u -.._ 1..·u 11h > li -
1),~rt·•-1 1 . 1 u - u , c- 1-,0-, c -..-..: 1 r1..·.11.;:10 I<>"~t· nui:--
1111 1
... uuo re~ . l:Ill )OfJ U 11 - ' .
'(JI11j) l. 1 1 1 . (.11..· 1r·1l,·1U1u 11u1:-. n i,u rch~I..., 11n1)0-.,c~1~
'- lCI(. :1 pc ;J~ CU [ 1(. l ~ U L :-. · · r-, .
·""· ull , 1•' L. 111 p ·1I·dlnr clt, n u 1111c:u1k· nr c n m1
'" 111 1en:~ . n:1 tcnr :111, .1 L .... ·
CJ Q,··ct \ . ) ftii c· i· r) · 11 .., j 1, {..- rlt.·11<.":l< > do lihcr~tli srn u
d t~nte . ; s rc:1c,.-oc...., 1 .
ncid , t I J ·f _. ., 111 •'r·tnn t1 c uncnlL" . r\ Ru-..:--1 :1 , ·ul ru u -~1.. · ,
Ln a , no enuncu , 1 ~r11,1 u... •
dt: fc)m , 1 . _ . , td<> m:iis oL·idenul ; ;1tL· ~l rt: , ·u lu1,;:·1u
1:1 1e~1r:1nte, pJ1 :1 u1n 1110 .... . . . . .
tr)fflu · -1-1 ,t1rL·rn:111,·J 1nrc1r:1mc.:ntL' :1rucubcb
n1~ta, pe o n1cnos, nen 11u • ·
1 0 . .
U>n1 e . . · -1km d l' um puru tr~1d1uo n :tl1s 1no .
1 1o oci<..1c-nr:..1 1 :--urgtL1, ~
>mote . . ..
CJ )·i rv . l . . fl . ·re co l11 um:..1 11111r:11.,;·: tu 1..· 111 gr:tn<..k·
·' ,,.\() , :.lf)OS Utl1 )rt..·\ (..' LI
t·,c·1J·t . Ul' t:n\·o lvia tnud~1n<.::1 SL' Ilt unu rL·:tl
· ' , gvrou urn;.1 :1 1tc rn a t1\'a q _ _ . .
' '' ,fi, ·nt 1·. - d LI·, ciut·st:10 d1...· g1.. · nc-ru rut) 1rn su
' a 11.c1c: 10. :'\ ; 11)or ~1gcm ... · . .
',1:: 1 <. . ·l•cli·cn tc ,·it:d n o prugr~1ni:1 1:.1ptH11....·s
111. ff >C <>", ffl<l . 117 ;1.._ UJ11 1ng1
1 ~ - ~~~~~~~~~'~'.__~_!..(~e..,~
~Q H 1 1 í O R I A D A~ R l l AC l • ' • Í~N~
' 1~1-:_.Ü
'.:~ - - - - -- - - - - - - - - - - - ---------

cíedade n1oderna e in dustria l qu


mais an1plo de criar un1a O ' e: <:ra
ta1nbén1 definitivan1ente japonesa ·
No nível global , os cont~ttos que exp a nc~iranl ~ _influ ê ncia elo
Ocidente de 1600 a 1900 ocorTeran7 in dois e . n an ~. cliftrente:s
0
(na verdade. tres. se as ~oueci-icle"
A

.. ·_ qu e con
• • •

. scn u1ra_1n 1gn o r·.,,. r un,a


1"níl uencia
" · s1gn1 : ·r· ·
1cir1,·J . cor110 'I~ f\'-Í · ·' I . Onenté.il. J{e O . éCLtlo XI\ ,
. -
forern 1nclu1d:1s). · · cen.i,
O pn1neiro - •- -·10 t0 1· eo lo n ,~d. ' eo m eerro · grau
de ünposiçào do in1pacto o cidenul ~o hrt:> ~_ _soc ieclacJc cm pauta1

Isso pro duziu un1J porçjo de re:-- ulu cJo.-. ditt: rentt:.-.. , cle penclenclo
do períod o . n1:.1 · ~crnprc ·o nun1ino u º·" nio dcl os de rcl Jçoe de
gênero ocidenuis 0 111 s Lu :h~ )Ci :1c ·10 c o ni :1 d o niin 3 çao colonial.
\luius pe~ ·0 :1 ·. incluindo rnu lhc'rL ·" · p d i:1111 J f)LJ~:tr- ·t: :J p3clroc'I
trJciicion:iis ele gê-ncro . prL' ·i ..;:1!llL'nl1...· p o rqut.· p:trL'Cun1 :er f)Jrte de
un1:i idcnüdack n :1cio n:d qu1..· lh L·~ L· r.1 L·:1r.1. .-..egu n d o <..cn:.írio. íl1J1.
raro . n1:1~ extrt.·n1:unence i1npo r1.1n rc . c.:n , ·o h ·cu rro ·e ·_·o. elc:tii. o~
de ocident:iliz.:.1 .io qu1.. · t.x.urr1...-r.1 n1 Ct>lllO c.sco lh~t < en1ho u num
contex10 de c n:_· ·c:nce ri,·:1Jid.:.1Jc e 1nrcrft.·r0nci:1 oc 1denu l ). o JJrJo
e :.1 Rú · ·i:1 fo rnec t:>111 u e crnpl c>-. nui-.; -;ignific1tiv o ..., :1nct: ri o re)}
prin1eir:1 met:1dc do ·t. u o \ .\ q u 1 c:untx·rn . e )rl1o Lkmo n ·crJ m
1 e s ~e:; c.\ e rnplu -. . o rc u . .1uu f < ,r-_1n1 d 1, cr'>iJiL·:1do:-,; t.· cu rnp lc , u.'.'
.-\Jfn1 d o n1:.11-. . :d;.!Un, Jo flk: rtt< , l c...- 111: 1-- un1h<..~ lll ~<..' rrc . . uurn J 1J
1 ca~o da~ . c,<_ tt.·cbdc L<>l 1,n1:11" () rr:dulllo c.b ~ 111ulht.·rt.·~ p > li.1 .;c'I'
m~li~ ínregr:.iln1<...·nrc expio .1JtJ u 1111, ) 111:ú> d t.· obr:1 1):1LtU kl Hl1ü
n(J Egito e n cJ ,nít io t..b indu -,tri :tl 11.:1 ·: 10 do J:1p :tu) t >li p rt·.. ,_-õ..:--
co n1erc 1:11 ~ p cxli~Jlll C fl :J.f TlU\', 1-., dc-.. 1gu.tl bdc . . de u r or1ur11d:tdL''.' dt'

rrabalhu p :Jra h <Jnk"rl'> l ' n1uJhe rL·-, < u >llH > <>currc u ru indu Afn1..-:i e'
J1 pão ) . r\~cn -,il)ili c.b ck· p ;1r:1 (_'()ll) :h LTÍ t 1c .1, <>C ide nt:I 1:-, :1..., r 1·:'t(il':l'-
considl.'rada~ - ir, cí , ·iliz:Jc.Li-. ~ l u 1 :1 n lL· .... , 1u n o'.') cc n :i nu~ colun1Jt" e'
no.s cen:trios (lUL" ....,e o cit.k·nul11.:tr;.1rr 1.
O que cJiferi:.i LT~ t ~e J _.._ rcf<>nn: 1:-. i i nluirt .-..;t d () co n:--t.·nttdJ:-- (>LI
in1posu~ . O_s ~11ocJclc >,.., ocick·nr:1i.-. . Jc rl'l: i \·út.•:-, de: gê nt.·ro podrJI1 1
J parecer rna 1s fr~tn c 1n1cntl.' cor nu u ,ru f orc,. ~1 dl' lit.k·rt~tt..·:h> ( unc l> p:i r:
1

n1e_l hor quanrc~ pi o r) , ....,e n :~o fo:--.... t.>ni I ing idu.s pelo culo ni:tli:-;t11l) cl
OocJenle era \'I."-ito pelos rc-forni-1do rL•-; 1.L1... os,. l'Ul'l ~: IJH )",. l ' )··, 11 )( H1t' ' L' '
< • - ~ .....

en1 te rn1os de direiro.-.. cduc·1c '


i,'- >r1•.11· .,... f) :1r:I J~ IllU li l l.'f"l..,"., 111.11l 11
1
inclepencJ0nc ia no c 1,<1111enro ' 11 ,>,··, ' • ' '
. 1~l l l.'~. (.1(. . t ·c)r 1...; u111t
... '>J)<.. H·r Ll 11. ll
1
nnvas o p o rtunicJ:.ides p a. r~1 paniciJ)Jrdc l'V l.' fl t ( )S j)ll 1) 1IL 'l )",. l ,rl .· '-\l~11 11·'
• .,
c.le~st ·-.: el<:rnl·nr o ... . s Lir~ ir~1n1 vnrn.: -1..., l)r· . · >t·nt 1Jl,íl
' ' Of)( b(~IS l (),-.; n: 1<1 ~

a
Ü SÉCULO XX
Muitos tipos de contatos culturais conhecidos prosseguiram no
sé~ulo xx, ao lado d~ 1nuitas configurações tradicionais de gênero.
O interesse pela ocidentalização se estendeu para algu1nas novas
sociedades, como a moderna nação da Turquia, tendo semelhanças
co1n os primeiros esforços de ocidentalização de uma n1aneira
geral e suas implicações para os relaciona1nentos homem-mulher.
As atividades missionárias e coloniais ocidentais continuaran1.
Vimos que o impacto colonial na África, que só con1eçou de fato
seriamente no final do século xrx, deu ensejo a un1a série de reações
complexas que adentraram o século >-..'X, refletindo-se na atitude
de líderes nacionalistas. A atividade 1nissionária cristã e islân1ica
se acelerou na África. Urna onda de fundan1entalisn10 cristào
ganhou terreno a partir de 1970 na América Latina e en1 partes da
Europa Oriental assitn como nos Estados Unidos, nova1nente con1
i~nplicações imp~rtantes e já conhecidas para as relações de gê~ero.
E vital lembrar a persistência de padrões e precedentes anteriores
ªº lidar com nossa época.
~, 1 .,
, . .
peri'odo na historia mundial, no entanto,
O secu o xx e um novo . . . _
e iss . .. dos contatos culturais e suas unphcaçoes
· o se ap11ca a natureza ,, .
Para - d ,. . Acu · na de tudo o seculo xx configura
a questao e genero. ' .
uin d , . d t·vo do Ocidente, manifestado e1n
ec11n10 do po er re 1a 1 _ . . ,
ºn l . d d 1O nizacao e no su1g1mento ele novas
~ ' nc es n1ov11nentos e esco ~
18h li 1, 1 1 11< I A I'/\\ Il i 1 /\ ~ ( J I ' P I C. I N I ~11 0 ~ - - - -- - -- - - - - - - -

. , 1 raratn ,nuito o rit1110 do trans


na'-·ócs. Nov~1s tccno log1as ace e - .. Porte
- . ;, ele novos contatos cultura·1 .
e cb co1nuniG1cào, con1 a cnaçao . . . s 1n.
-· . porações mult1nac1ona1s env 0 1Veu
ternacionais. O surgunento e1e cor , .
·
l1gaçües ao redor cio g!oJo 1 tan1 be"1n · O cresomento
. populac·1ona1
·
n1ass1vo fot. se,n precec1entes na h1·sto"ria 1nund1al ' con1 eno rmes
in1plicações nas vicias de ho1nens e mulheres, ao passo que duas
guerras n1undiais testen1unharan1 as conexões globais e o terrível
potencial da tecnologia 111oderna.
Os contatos culturais imprimiran1 inudanças na questão de
gênero de duas maneiras fundan1entais, embora sem subverter
in1portantes continuidades elo passado. Ein prinleiro lugar, os
contatos internacionais se acelerara1n e diversificara1n. Em segundo
lugar, alguns elen1entos novos e vitais fora1n introduzidos nas
111ensagens disponíveis a respeito dos papéis masculino e feminino.
U1n 1naior nú1nero de pessoas pode conhecer os padrões de
gênero de outras sociedades do que antes - e com frequência, de
sociedades muito distantes-, graças ao aumento do comércio e das
viagens e acüna de tudo às novas mídias como cinema e televisão.
Os missionários e os representantes do colonialis1no deixara1n de ser
os únicos intermediários. E ainda que pequenos e acidentais núcleos
de isolamento deliberado continuassem a existir, a possibilidade
de estar fora do entrecruzamento de conexões diminuiu de forma
extraordinária.
Essa não foi a única mudança nos contatos. A liderança da Europa
Ocidental e dos Estados Unidos em apresentar alternativas de n1odelos
culturais persistiu, mas agora acompanhada de outras fontes . O
aparecimento do Japão no cenário inte1nacional, cotn n1uita presença
na televisão, disse1ninou novos modelos de gênero. E mais importante
que a intervenção japonesa foi o impacto, durante boa parte do século
xx, do marxis1no 1usso e depois chinês. Aqui havia tuna religião secular
ávida de disse1ninar internacionahnente ideias pronunciadas sobre
mudança nos padrões de gênero tradicionais. Einbora O n1arxistn°
fosse originado no Ocidente, sua influência internacional no século;,._'\
foi tirada de outras fontes. Muitas regiões_ c01110 a África e O Oriente
Médio- estavam recebendo modelos culturais internacionais de vári05
centros, incluindo do Oc~dente, 1nas não apenas dele. _
Com a mudança nas fontes, uma série de caminhos de imigraÇ~'º
aceleraram o intercâ1nbio de pessoas. o movitnento da EuroP;
1
\ ~~ t\ '1 ,' , 1 \ 1' \ , ,:..1 l~'~' ~,':__: I __'..:'•_1__~~ _'.__:~~
l , ~ 'l.'.__
1 1
- ':._'- - - - -- - - - - - -

· p:l rh::' tt:'ntou su l1Yct•t,J.


n.1:uor ~t
tot ·tli11cnte

·ts \:'Struturas
.... • . . .
patririi•c·,·
• •is. a 1

:1c1~sci1no do fcnlinis1no :1list:1 ck inflt11..:-nuas culrut~lls internacionais


· un1:1 inoY:l\':'\o \·iul. ~rn b or:1 n:io
toi - te11lY1
. · . conse
. . L' u ido v·1r1·e
0

1- todo
0
p:1ss:1do. O rn:1r:\:is1no foi :i seguncb influencia nova . Sen1elhante a
padrões nnis :1ntigos de ser un1a ideologia geral coin iinplicações ele
gênero, ctifetiJ d:~" religiões n1a is in1port:1 ntes e ci o confucionisino
e1n seu :1lYo ex-plícito de ren10\·er os :1rran.jos econô n1ico e ociais
existentes. Por últiino. :i questJo do const1111is1no, con1 la nçamento
de noYos produtos. frequentes n1udanç~1s t1él 1nocla , constantes
bu"c:1s de no,·:1s fonnas de entretenitnento, representou a terceira
fo rç:i cultural con1 ilnpacto potencial e1n gênero.
O s três noYos 1nodelos culturais não se encaixaran1 ele forrn3.
nítid:i . i\Iarxistas e fen1inistas podian1 concordar sobre a impor-
tância de liberaren1 pessoas dos grilhões do passado, rnas nào
concordaYan1 necessarian1ente na definição de liberação ou sobre
as prioridades que questões de gênero deverian1 n1erecer. As
influências do consu1nis1no, en1bora desafiassen1 serian1ente os
costu1nes tradicionais, pelo n1enos nun1 nível superficial, podiJm ou
não ser con1patíveis con1 empenhos fe1ninistas . Controvérsias sobre
que can1inho to1nar. e1n outras p3lavras, fora1n u1na configuraç:io
ilnportante da história do gênero no século xx. Isso se somou :10
debate sobre se havia necessidade de escolher un1 novo caminho
ou manter os arranjos tradicionais.
Os próxin1os capítulos traçan1 a teia de influências cultur:iis de
várias formas . Um capítulo exa1nina un1a região particularmente
con1plexa, o Oriente ivlédio, interagindo con1 influências externas.
É um estudo de caso sen1elhante a outros estudos de caso region~is
vistos no início deste livro. Os outros três capítulos lidam mai~
diretan1ente co1n alguns dos novos forn1atos do século, tratando
de iI11.igraçào, organizações internacionais, incluindo 01arxisino e
culturas de '::onsu1no. Nesses capítulos, regiões específicas, como
a China e a África, merece111 exame, assim co1110 as in1plicações d~
alguns dos padrões n1ais amplos. A grande pergunta é : as 111udanÇ~~
significativas do século >..."X na natureza dos contatos internacion~u~
relativos a gênero conduziran1 a 111 udanças con1paraveis 0 0 ~
relacionan1entos homem-n1ulher? Se não , por quê?
IMIGRAÇÃO COMO CONTATO CULTURAL

Os índices e a diversidade das fontes de imigração aumentaram


sistematicamente no século xx, fornecendo uma forma importante
de contato entre culturas, con1 grande efeito na questão de gênero.
Taxas diferenciais de aun1ento populacional e expansão econôn1ica
estão na base desse fenôn1eno : a pesar dos fortes laços con1 o lugar
de origem e, e1n geral , a enonne discrirninaçào que encontravan1
no mundo industrial, n1uitas pe~soas se loco1novera1n. Este capítulo
examina algumas das configurações mais in1portantes da interação
de imigrantes com a cultura nacional dominante nos Estados Unidos
no início do século, con10 exemplo cio fenôn1eno 1nais an1plo . O
modelo apresenta 1nuitos aspectos conhecidos de outros casos de
contato cultural: duas visões contrastantes do con1porta1nento de
homens e 1nulheres encontram-se, a visão do clo1ninante busca
alterações importantes nos padrões ela cultura subordinada e
acaba1n surgindo alguns comprornissos de sincretisrno. A inl.igraçào,
porén1, em suas formas usuais do século xx, era um contato cultural
co1n uma diferença vital : as culturas dos in1igrantes tinhan1 raízes
no lugar de origein e, assim, poucas defesas ~o~tra as mudanças
nos padrões. Na verdade, as con1unidades de 1n11grantes em geral
se fechavarn em grupos e às vezes c_ri~van1 orga~iz~ções prot~t~ras;
no entanto, cercadas pelas institu1çoes ~ª- m~10~1a - de _m1~1~ a
esc-olas e a éditos governainentais - , a res1stencia !•cava ma1~ d_1ficil,
resultando, corno tendê ncia , a adoção dos padroes da ma1ona .
.- novidade do século xx G
A in1ioraçào nào e ra uni ..i . . · ruPos
º · . .- . ,15 cultura 1s estabelec1clas ele f0 ·
1ninoritários se n1uclaram pai a cite, . _ , . rn1a
recorrente ao lonoo d a I11 •sto' i·i·i
', en1 ntn10 que se acele1 ou no séc LI 1o
~ c1º , lo XJ- x e do século xx, no entanto foi··
xrx. T res traços o secu , , . . _ . , ' . a1n
, . p . . nL,
no tave1s. nn1eiro, os 1111 eros cont1nuaran1 , a c1 esce1. . Os tnclices na
· d a d o secu
vu-a , 1o nos Estados'
, Unidos ' Canada , Argentina e em outros
luoares nào tiveran1 precedentes. Houve uni certo afrouxamento na
n1:tade do século, particularn1ente devido à depressão ~ à 9uerra,
1nas a onda retornou depois da Segunda Guerra Mundial. lndices
de ünigraçào para os Estados Unidos desde os anos 1960 têrn
sido os n1aiores na história da nação. Nesse n1on1ento, tan1bém a
Europa Ocidental se tornou alvo ele in1igraçào. Em segundo lugar,
a diversidade de fontes de ünigraçào au1nentou . Ocorreram mais
ünigrações a longa distância . Os tipos de in1igraçào no século xrx -
irlandesa e alen1à através do Atlântico, por exen1plo - tinham sido
1nuito difíceis. Agora, no entanto, n1uito 1nais asiáticos, africanos
e latino-a1nericanos participava1n elas loco1noções, que a1npliaram
o leque de encontros culturais. Por fün, a itnigraçào do final do
século x:rx e1n diante mais e ,nais en\·olveu n1ovi1nento e1n direção
a centros urbanos e para culruras agressivan1ente nacionais, em que
os imigrantes tinhan1 dificuldade de se adaptar. As experiências
anteriores de imigração tinharn às vezes sido atenuadas por loco-
1noção para zonas rurais (co1no os ale1nàes para o 111eio oeste
a1nericano), em que velhos hábitos, incluindo iclio1n:1, podi;,1111 st'r
preservados en1 con1unidades rurais relariva1nente isobcbs. ivlesrno
e1n algun1as ciclacles pré-n1oclernas, gn1pos 1ninorit::1rios poc\iJm st:r
autorizados a fonnar enclaves separados, que seria1n visto~ com
certa suspeita pela maioria, mas nào sofrerian1 interfe rê nciJ Jtiv:1.
Nas cidades, e sob governos que queriarn garantir que rodos os
residentes 1nantivessen1 certos padrões nacionais, essa capacidade
de se isolar era reduzida . Nova1nente, 0 resultado acabou sen-
do u1n tipo de contato cultural mais rápido e algun1 as vezes
n1ais desorientador.
Cada exp:riência de itnigraçào tem suas próprias características'.
n1esmo no ~eculo xx, que é assin1ilacionista. Os próprios exemplos
norte-a n1encanos deste capítulo sào difere ntes entre si , con1
~le~erentes ti~os de reações (n1ais racistas quando envolver~i!ll
11n1grantes chineses do que italianos) e acima de tudo clepeoclenJo

~- - - - - - - - -- -- - - - ~' M
~ l~G~R A~C~A~O~C~O~~~~~~~:.:__~
M O e o N r Ar o e u t r u R A t 191

da cultura
.
e das condições
. / presentes entre os imigrantes. Outros
1mportantes 1nclu1ram d l
cas05 d/ /. es ocamentos em direção à A1nérica
tina
La ' Cana a e
/ d
Austraha
. '
• desl .
ocamentos mais recentes em direcào
1
a- Europa·_ ' a em . e a1ustes asiat1cos,
·/ · •
por exemplo na contínua
• igraçao de chineses pa ra a Ta,•lAand1a.
1111
. No entanto apenas
com uma an1ostra da exper'eA 1 nc1a · nacional
. e/ possivel
/ perceber
' a
amplitude do leque dos contatos culturais no século xx. Os padrões
de gênero ~os imigrantes por vezes mudaram rapidamente. Os
resultados tiveram consequências mais amplas à medida que os
imigra?~es retornavam às teITas de origem, para permanecer ou
para v1s1tar. Em an1bos os casos, a imigração ajudou a disseminar
alguns modelos do1ninantes de como se esperava que homens e
mulheres viessem a ser.

POSTURAS E INTERVENÇÕES AMERICANAS


Duas configurações das interações cultllrais envolvidas na imi-
graçào moderna sem dú,·ida ::i disringuiram de contatos culturais
mais convencionais, e ambas intensificaram os resultados do relativo
isolamento cios irnigrantes n:1 sociedade ::infitrià. Em primeiro lugar,
uma série de inter-Yenções era possível. No início cio século >-.."\.
os imigrantes nos Estados Unidos eram obrigados a ir para a escola ,
e ainda que algumas instituições educativas separadas tenham sido
criadas, em particular para católicos relutantes em aceitar a tônic1
protestante dominante nas escolas públicas, a maior parte das
crianças foi para instituições subvencionacbs pelo Estado que
realçavam os valores dominantes. iVluitos imigr~ntes urb,1nos rece-
beram visitas de assistentes sociais com a inrenç~1o ele corrigir pro-
blemas de família. Essas visitas eram aciona elas pela vizinhança,
inclinada a auxiliar a integração cios imigra ntes com a sociedade
maior. A publicidade também divulgava ,,mensa~e_ns importantes,
por exemplo, sobre formas "modernas, de h1g1ene e sobre a
responsabilidade das mulheres em implanta-las em seus lares. Alguns
empregadores_ como a Ford, com seu programa de ame~ic~mizaçào
- tambe/m procurararn reoularizaro
os costumes
. .
dos
,
1m1granres,
constrLi
, m · d o uma iorca
e detrabalhomaisef1c1enteeestavel . Em sum;.1.
Os s1·n -li·s
, , , cult ura1s . eram
·· 1·nescapáveis. Nem
, todos eram seguidos
mas com certeza se tornaram familiares. E evidente que e~ses vjrios
• ais extensos do que e m outros 1-
ponros ele contato eram muito m . nter.
· m sooedades separadas e desig .
cJmbios culturais que envo1via . Ua1s_
Em segundo lugar, os conta
, tos logo se tornaram
/. muno pessoa1s_ .
. e am muito cnticos com os costu
O · observadores amencanos ior _ 111es
. . . / . d
reais ou 1magmanos os g nipos imigrantes. Nao achavam
. sufici·en te
. d
mostrar a necessidade e e uca d ça~o ou de deternunados com Por.
tamentos no trabalho. Queriam golpear fundo e interferir tambérn
na vida privada. Com variações, é claro. Muitos assistentes sociais
e funcionários do sistema de habitação passaram a ter um cen0
conhecimento e dispensar certa simpatia pelos valores dos imigrantes,
e não achavam que tinham de americanizá-los completamente. Havia
tensões nos próprios valores dominantes. A maioria dos observadores
entendia que O ideal seria a mulher não trabalhar fora de casa, pelo
menos depois do casamento. Por outro lado, també1n se preocupavam
com a ociosidade, por isso passavam boa parte do tempo capacitando
as mulheres para o trabalho. Advertências com relação à conduta
sexual coexistiram com propaganda com implicações se:xuais, por
exemplo no uso de cosméticos. Ainda assim, alguns ten1as estiveram
1
na base dos vários esforços feitos para aculturar os ünigrantes e rever
suas definições de gênero.
Muitas das suspeitas alimentadas pelos americanos nativos com
relação aos imigrantes europeus otientais e do sul e asiáticos focalizavam
diretamente a questão de gênero. Os imigrantes homens eram
considerados suspeitos por seus hábitos de trabalho, sua sexualidade e
seu potencial de radicalismo. As imigrantes mulheres enfrentavam uma
lista niaior. Poclian1 ser acusadas de falta de asseio. Muitas eram vistas
como supersexualizadas, nu1na sociedade que ainda acreditava que as
mulheres tinham uma responsabilidade especial pelo controle se11.1al.
Um observador, explicando sua denúncia de que nluitas 1nulherrs
judias era111 prostitutas, disse que

como na Europa O sentimento sobre imoralidade sexual é muiW


menos ?ronunciado do que nos Estados Unidos, as mulheres
presumivelmente em muitas instâncias nào têm a consciência de
degradação ele sua condição ele decaídas que [... ] causa ,1gud:1
dor à garota americana.

Tan1bé1n se acusava a itnigrante de nào ter habilidade pafí1 :i


1
n1ziremiclade: a 1nulher tinha u111 número irTesponsável de filhos (cuW
- - - - - -- - -____!l~M l l, k A(. A 1l C0
"' n L 0 N 1 ,. 1 u eu 1 1 11 K ,. , 11 > 1

1 ·h do tnaddo) e nào cuid·iv3 ct·. • d


t'
L (_ • . • . ., • ., r • • " ll eito eles, pern1itindo-lhes, entre
1 outr~is co1.s.:1s, t1 .:1ba_lha1 ainda niuito jovens.
l Atitudes desse tipo subscre .
. _ d veian1 programas radicais de refo nna
,,r-1~, cnaçao e novas nonnas l
p, ., /. _ " e e genero, adequadas para um novo
A '

·pode
li
fa1nilia
.
. E nao era de s
.
.
e su1preender que n1uitos in1iorantes
·vessen1
t1 se 1nsurg1do contra b ' . º.
" os o Jet1vos desses progran1as. TJrar as
-·anças do trabalho ' por exe tnp1o, nao
CI 1'
- f azia
· sentido
• en1 termos de
sobrevivência ~conôtnica e das tradições de longa data . A proteção
da c~ltura tr~~tda _do país de origen1, incluindo religião, era um
objetivo fan11har vital dos in1igrantes, pelo qual as n1ulheres co1n
frequência se sentian1 particularmente responsáveis, e isso não estava
presente na lista elos reformadores. Os in1igrantes tinhan1 algu1nas
possibilidades de defesa cultural. Sua área ele habitação separada
e seus centros religiosos podiam ser suple1nentados, como logo
aconteceu com os judeus, por exemplo, por associações étnicas
e religiosas, propiciando uma vida social diferenciada. Alguns grupos
- com os italianos à frente - lutaram con1 sucesso para manter a
maioria das mulheres trabalhando e1n casa, para que não fosse1n
expostas a pessoas de fora . Por exen1plo, os italianos diferiam dos
imigrantes eslavos, pois impedia1n en1 geral que as 1nulheres se
empregassem como domésticas, ficando assiln expostas ao choque
entre diferentes valores domésticos. As 1nulheres que chegavam já
casadas com frequência evitavam se assimilar, mantendo a língua
nativa e ficando e1n casa e na vizinhança. Podian1 ficar muito
desorientadas, e 1nesn10 perturbadas, n1as sua exposição à n1udança
era limitada. Mulheres solteiras e filhas de itnigrantes tinham menor
resistência. As filhas foran1 trabalhar fora 1nuito n1ais do que as
mães, e sua exposição à língua inglesa e aos novos hábitos foi
grande. Isso adicionava um certo choque e sentin1ento de culpa à
experiência da imigração. Comentário de tuna 1nulher itnigrante:
"E 1eoi para isso que cruzamos o 1nu~do.i" .
Entre pressões e atitudes defensivas, ocorreram rap1dan1ente
ajustes básicos refletindo ünportantes 111udanças de valores. As taxas
de natalidade 'caíran1 0 que levou a novas ideias sobre crianças
t paternidade/ matern,idade. As taxas de natalidad: e~tre os judeus
logo acompanharain a inédia nacional e1~ decresc1n10, e a taxa
entre 1'ta1 o-amencanos . C'ti't·"ttn
,_ e: LllTI pouco 1na1s devagar. l\lles1no entre
os í~ilo- ae mencanos, • que como c"itólicos sofrian1 a restrição ela i2:reJ·a ....,
1'1 1 }11 \ ' 1 \ ., 1 ' ' ' "' I l i .\ \, (')\ \
--
Il i l,j N I ~ - ----------

;1ousock·controk:~dcnata 11c..t . 1- dec


"' •t11ificiais ' a n1uclança foi ll1Lit·t On1ais J

r:1· pie. - e1e no vo..: métodos por parte dos pr1·nCtpais


· 1;1 do q uc :1 ~1c1oç10 oJ
· _

grupos de itnigr:..tntes cio século x1x, como aleni~~s . Os italianos?s


Li bv:1111 cn1 cortar a taxa ele natalidade "dorn1111d0 do Je ito americano''
isto é , crn camas e n1esrno en1 qua1tos separados. Gradualtnente, n~
cnunto, as rnulheres adquiriram informações sobre outros métodos
ele contro le , incluindo a1tefatos como diafragmas e preservativos.
As v:t rias fontes ele contato cultural se intensifica ram claramente.
Iclci:.1s sobre escolaridade e trabalho infantil também mudaram, com
crescente reconheciinento de que as crianças precisava1n de ênfase
e 1n educação, pelo menos na escola primária, e as 1nàes deveriam estar
disponíveis para facilitar a organização do1néstica. Curiosamente,
filhas d e in1igrantes frequentavan1 a escola em geral por mais tempo
cio que os filhos, porque havia 1nenos empregos disponíveis para
garotas adolescentes, beneficiando-se assim de u1na educação que
podia prepará-las para cargos de colarinho-branco. As ideias sobre
casan1ento 1nudaram. Os índices de divórcio entre imigrantes ficavam
atrás dos índices de divórcio entre os americanos nativos, mas as
crenças de que o casamento deveria ser escolhido co1n liberdade,
baseado em a1nor e a salvo da violência don1éstica se espalharam
rapida1nente. Em decorrência, as mulheres itnigrantes c01neçaram
a se casar n1ais tarde do que suas mães, reflexo dos novos padrões
de trabalho, 1nas tambén1 de novas expectativas sobre con10 levar
u1n casa1nento.
Essas n1udanças de valores pessoais não significaram un1 amálgam::i
con1pleto com o cadinho nacional que não tinha traços característicos.
A 1naior parte dos iinigrantes manteve ligações religiosas e étnicas
trazidas de suas terras; poucos se convertera1n ao protestantismo.
Alguns dos valores de família que lhes foratn in1postos tinham a ver
co1n seus padrões tradicionais. Alguns historiadores verificaram que
os i1nigrantes escolhia1n os produtos de consumo, a despeito dJ
propaganda nacional, a partir de seus hábitos e preferências étnica~-
0 casal italiano que clonnia e111 quartos separados com frequên~1~1
donnia con1 u1na criança do n1es1no sexo, 0 que não era o padra~
an1ericano. Os casarnentos em geral se consutnavan1 entre pessoJ~
da 1nes1na origen1 étnica, 1nesn10 quando as ideias sobre casamento
tinha1n n1ucbclo . Apesar elas pressões intensas da experiência de
imigração, ocorreran1 con1binações culturais criativas .
IM l t 11l 1\l.., A l l LtlMll Lll N l /\ 1 1) '-. Ili f l/ll/\l I')

1MI G RA N TE S C H I N ESES

U!ll cios gi_


· upos sujeitos a pressões ele gênero mais intensas da
cultur:..1 :..rniencana e ra o de mulhe res i1nigrantes chinesas, e , por
intermédio _delas, 0 dos ho1nens . A in1igraçào chinesa para os
Esticlos Unidos conieçou e1n n1eados cio século x1x co1no res ultado
elas neces_sidacles de trabalho americanas, e1n ~articular con1 o
clesenvolvmiento da estrada de ferro para o oeste cios Estados Unidos
e o aun1ento ela população chinesa. A maior parte cios in1igra ntes
eram hon1ens que desde cedo se depararam com intenso pre-
conceito racial , incluindo o n1edo ela classe trabalhadora a1nericana
diante da concorrência. Chegara1n algu1nas 1nulheres tan1bé1n, para
casa1nentos arranjados ou para a prostituição. Algu1nas tinhan1 s ido
vendidas pelas próprias famílias, outras seduzidas por pron1essas
de casa1nento que não se n1aterializaram.
Havia aqui u1n amplo ca1npo para esforços de conversão cultural.
Além de tentar banir a imigração - leis restritivas foratn aprovadas
na Califórnia nos anos 1880 - alguns dos reformadores a1nericanos
quiseram socorrer as mulheres envolvidas. Esse esforço teve início
nos anos 1870, mas se intensificou no início do século xx. A classe
média protestante ficava consternada com o que via nas estruturas
patriarcais dos chineses, incluindo o enfaixe dos pés das 1nulheres.
A subordinação radical das mulheres não se coadunava co1n as
convicções americanas em que a mulher era a referência n1oral
do lar. No caso das próprias imigrantes, n1uitas das quais havian1
aceitado arranjos dúbios em decon-ência de seus votos de obediência,
as convicções confucianas era1n misturadas co1n questões de sexo, o
que levava a un1a exploração sexual incontestável. Muitos hon1ens
imigrantes chineses estava1n irritados co1n a discrin1inaçào sofrida
nos Estados Unidos, que mexia co1n sua 1nasculinidade. Quando
os empregos na construção da estrada de ferro tern1inaram, 1nuitos
tiveram de assutnir trabalho en1 lavanderias, que tradicionahnente
era trabalho feminino, 0 que foi razão de tonnento. Da parte dos
an1ericanos, a exploração sexual de itnigrantes - 1nuitas zonas
de meretrício se forn1aram ao redor dos prostíbulos chineses -
ameaçou O recato da tendência cultural, que buscava restringir a
sexualidade ao casan1ento e també1n limitar a atividade sexual. O
choque resultante transfonnou-se en1 ataques racistas contra os
chineses ou pressões por reformas.

.
li~()(~
, ~ I~ • l~A __i:n~A,.:__I~1\:2_
I 1~,~I O~~:_: 1 ~IA~\,~0~
1 ~0_!_1~G'.!
1 !:N~f~R t!___
l - - - -- -------------

. .
At1v1stas protestantes, como os envolvidos no Presbyte nan ·
· .
M1ss1on . · ,, · Presbiteriano]
Ho1ne [Lar M1ss1onano , de. S.
~
Franc·isco
0874-1939) forneceratn uma forte alternativa ª tradiçao chinesa e
às circunstâ~cias especiais das n1ulheres imigrantes. As 111 tdheres
que entraran1 no Lar foran1 protegidas dos hoin~ns. Ali era111
vigorosarnente doutrinadas pelo cristianismo, que multas aceitava111,
e inculcadas de ideais da fan1ília an1ericana, a saber: domínio
n1asculino rnas - também influência 1noral feminina baseada na
pureza. A organização do lar "sobre princípios cristãos" era vista
pelos reformadores como "o prüneiro passo para u1na evoluçào
do paganis1no para a civilização". Rigorosas rotinas de trabalho
eram encaradas como úteis e co1no suporte de controle sexual.
Casamentos arranjados com sino-a1nericanos be1n-estabelecidos,
e se possível cristãos, eram bem-vindos. Curiosamente, para o
desconforto dos eclesiásticos protestantes, as atividades reformistas
continuavam depois do casan1ento també1n. Precisa1nente pelas
novas expectativas que tinham formado, as esposas chinesas eram
ávidas de relatar a insatisfação no casa1nento, principaln1ente em
caso de abuso físico. Nesse sentido, os esforços missionários se
voltaram diretamente para os homens, buscando dissuadi-los do
sentimento de superioridade herdado do confucionismo. Casos
pungentes incluía1n mulheres que não conseguiam ter filhos:
os maridos com frequência tomavam u1na concubina ou mais
uma esposa, de acordo com o sistema tradicional chinês, mas as
mulheres, iinbuídas dos valores de família americanos, passaram
a se opor a isso energicamente.
Os empenhos dos reformadores não tiveram sucesso uniforme,
mesmo entre as n1ulheres. Algumas que podiam entrar e1n refú-
gios, se recusara1n a isso. Sabiam quão estrito era O regin1 e e quão
estranho era, a seus valores, e optaram por continuar sozinhas.
Algumas entraram com a intenção de manipular: encontrar uma
pausa para a exploração sexual que sofrian1 01 as sem se entre-
. '
gar a u1n novo con1unto de crenças. Uma constante dos contatos
cuJturais envolve diversidade de reações. Outra constante refe-
re-se à capacida.de, mesmo de pessoas sein qualquer poder, de cl~ir
nova forn1a a s1ste1nas culturais dorninantes adequando-os à su~
conveniência, sern "comprar" o pacote todo. Além do 01ais, mes1n°
a mulher que se converteu inteiramente não se encaixou de fori11~1
-------- - - -- - - - ----~! M
~l~G~R~AÇ~À~O~
C O~M~O~C~O~N _.!:..
í ~AT~O~ C ~UL
!:_2l~U~R~A ~I _!IJ!_97

to tal na tendência
. cultural aineri·cana . o rac1sn10
• 1n1pe
• d.1u isso
· - a
.ins1·stênc1a e1n se casar co1n l10111ens c h.1neses confinou
. •
a ma1ona •
das mulheres a determinados setores econom1cos e res1·d enc1a1s
A • · ·
na Sociedade americana , ,·a, estand o o seculo
, xx bem avançado.
No entanto, houve sim conversões, ao 1nenos até um certo grau, e
e1n al?~ns cas~s ela foi notavelmente rápida. Em resumo, um grau
dramauco d: di~erença cultural, um conjunto especial de problemas
co1n frequencia angustiante que deixou algumas mulheres
particularmente a~ertas à 1nudança e um grupo autoconfiante de
reformadores amencanos juntaram-se para produzir u1n caso notável
de intercâmbio no universo da imigração.

CONCLUSÃO

A experiência do contato cultural dos imigrantes foi uma


configuração vital da história 1nundial do século xx. Merece ser
comparada com casos mais conhecidos de contato cultural. Por
exemplo, as influências externas n1ais difusas sobre práticas de
gênero na própria China, ten1a do capítulo "Novas influências
internacionais", contrastan1 obvian1ente con1 o intenso intercâmbio
de alguns sino-americanos.
A variada experiência de itnigraçào nos Estados Unidos no início
do século xx teve algun1as características especiais. A tolerância
dos reformadores para com valores alternativos não duraria para
sempre. Por volta de 1930, por exemplo, os lares 1nissionários para
mulheres sino-americanas começaram a diminuir, e1n parte porque
as convicções sobre restrições sexuais estavam se desfazendo. A
mensagem moral se tornou menos clara. (Cutiosamente, au1nentaram
os esforços de assimilação por parte dos sino-americanos, produ-
zindo, entre outras coisas, desfiles de beleza destinados a mostrar
conexões com a tendência consumista.) Comparado con1 situações
de imigração fora dos Estados Unidos, o zelo americano em
reformar culturas foi singularmente intenso. O zelo resultava tanto
do medo do excesso de diversidade, numa sociedade altamente
imigrante, e de crenças diga1nos modestan1ente otin1istas de que
os imigrantes fossem capazes de se aprimorar. Outras sociedades
Podem ter se preocupado menos com a assimilação, ou desejado
que os imigrantes ficassem permanentemente segregados, sob a
1• 11 ,, , , , 1 , Ili l ,I N ~ -- - - - - - - - -
l l 1 '_ 1 11 1t l~ I ) ~' - '

. •. , inferioridade era irren1ecliável p . ·,.


prl'llllSS:I e 1l' qut ,'-ili ,1 . ' . . . Or ISS()
. . .· ~- 10c 11'-10 devetn sei to1naclos co1no nlocleJ , ()~
1
L'Xl:'ll1posalll<:'IIC.JI ,J e • 0Sge, · . · " .r • •

. . .. , . n Jortâ ncia da expe11enc1a de 1m1gracào ra,\


Ame 1a ~Iss11n , d 11 1 . ~ - Par•
, . 11nIg1aI
propnos . . . ,tec" ' para
, '
O povo ela soc1eclade hospedei·,
. . ta e d os
0
povo cio país ele origen1 que recebia a volta cios tmigrante;ªra
ouvia suas not1C1as, ou pensava no processo - desempenha ,uou
p;:1 pel vital no panora1na ~111__ 1:1udança_ dos contatos culturais ~:
período n1ais recente da h1stona n1und1al.

PARA SABER MAIS

Jucly Yung ' Unbouncl Feet. A Social


.
History of Chinese
.
Women in San· F,-/..,,111c1sco
.

(Berkeley: University of Califorrna Press, 1995); Dons Weatherford, Foreígn ª"d


Female: Immigrant Women in America, 1840-1930, 2. ed. (New York: fam on
File, 1995); Kathie Friedman-Kasaba, Memories ofMigration: Gender, Ethnicirv.
anel Work in the Lives of Jewish and Italian Women in New York , 1870-192q
(Albany: State University Of New York Press, 1996); Ronald Takaki, Strangers
from a Different Shore: A History of Asian Americans, 2. ed. (Boston: Linle,
Brown , 1989).
CONTATO E RETRAIMENTO:
O ÜRIENTE MÉDIO NO SÉCULO XX

O caso do Oriente Médio é um dos n1ais fascinantes do século


xx, no que diz respeito à crescente interação com ideias e iinaoens
do exterior que afeta1n os relacionamentos ho1nen1-mulhe; As
questões ligadas a gênero foran1 centrais na polê1nica que juntou
influência ocidental e internacional, de un1 lado, e a tradição isl5-
mica, de outro. O quadro foi inevitaveln1ente con1plexo. A própria
tradição islâ1nica, como vin1os no capítulo "Padrões islân1icos
extremos à região central: mudanças e continuidades na Índia
e na África subsaariana", era fonte de controvérsias: ao n1esn10
tempo e1n que protegia n1uitos direitos das 1nulheres, insistia na
sua inferioridade, e os n1uçulinanos conte1nporâneos continuara111
a discussão sobre quais e len1entos deveriam predo111inar. Os
modelos do exterior não eran1 consistentes . Estando perto
geograficamente da Europa e sujeitas a uma série de exe1nplos e
influências, muitas regiões do Oriente Médio co1neçara1n a ton1ar
de e1npréstimo novos eleinentos no con1eço cio século xx. O fato
é que a influência europeia e1nitiu sinais confusos, acenando
Por um lado coin legislações que realçavan1 a domesticidade
ela mulher e a lide rança do1néstica 1nasculina e, de outro lado ,
novas correntes feinini.stas, novas oportunidades educacionais e

-
1 1 \ \ \,. , 1 1 \ 11 1 \, ~N I fll l
.! l\) t 1 , 1 ,, 1 1 \ 1' , '

. . t'tt·(lc ~ocieclacJes que continuar-1111


tH)\.1.--.
,. d <>rcs••
) 1.. 1no~. 1· no,.i rv1;11~ , ,
• ::, •·c noreceberan1 •
. ·oiJe U e . .1n1e 11 3 novos
vo lt;1d:1s p :1r:1 os moe1e 1o~ eut _ . ,.. . .
. . . ,. ._, JJadroes ele genero, que I e flet,a 1
l'k:•ml·nto.s :1clv tnclos ele d1k1 e ntes . . n
, . 1_,. .• balho e o fe n11n1s n10 . Com u 111.
:1s mud:111<.;:1s nos p3pe 1s ce ttt.l _ . a
· ~ padroes do extenor tarnbé
hcrJ n(~t :1 mbiva lente e em 111e io ' 1 rn
, d · ar que a n1udança ocorresse d
:1n1biv:tlentes, 11~10 e ele se a n1ir e
forn1 :1 int(:Tn1itente . l .d l
Como e n1 outras áreas , o exe1nplo cultura oci enta viu-se
. .
rcstnng1clo por mud ança econoi ,. 111·cas · Tentativas , de in1itar
·- o
de.senvo lvin1ento industrial ocidental , que chegaran a regiao com 1
:.1.s inv:.1sôes con1erciais ocidentais, co1n frequência reduziram as
o pc.;óes econôn1icas das n1ulheres. Para os ho1nens o acesso a novos
lrJbalhos nJs cidades foi desproporcional, enquanto a atividade
elas n1ulheres, inclusive no carnpo, viu-se reduzida pela introdução
ele 1naquinários. Nesse contexto, a inspiração cultural do Ocidente
caiu por vezes e1n solo infértil ou provocou resistências, por causa
cios evidentes conflitos con1 a realidade econômica.
O Oriente Médio ficou sob a influência do exterior no século
)(X, nu1na situação de desorde1n política fora do co111um. O ex-

poderoso Império Oton1ano, que unificara grande parte da região,


declinou e1n consequência da Pritneira Guerra Mundial. U1na rede
ele pequenas nações, en1 geral rivais, surgiu con1 pouca resistência
à intervenção econô111ica e por vezes diplo1nática do Ocidente. Era
uni cenário no qual as ideias estrangeiras sobre gênero poderiam
parecer particulannente envenenadas por con1plicarem identidades
nacionais frágeis e seren1 associadas con1 poder exterior - o que
os povos do Oriente Médio sen1pre encararain, justificada1nente,
con10 un1 in1perialis1no anacrônico.
Esses fatores geraran1 u1na discussão sinoulannente forte e
polê1nic~ sobre o qu: se poderia aceitar cotno ~udança _ se é que
se pod_ena - na que~tao de re_lacionan1 entos de gênero. Os 1110delos
ofereetclos pelo . Oc1clente
. chferia 1n dos cl a t ra d'1çao - regiona• 1, e o
poder do Ocidente era incontestável· conf . dênci~t
, . . , . _ , _. _ . . . , 011ne o gn1po, a ten
~ra 11n1u1 ou rcsist11 . Surgiran1 polêinica , l ,, sobre
r , , • J e S en1 toe os os pa1ses
• • • ,,' .
o qu,1 nto .1 oudl'.ntaltz . .1ç,10 era aceitáv l b . · 111 ~1~
, . , . . . :- . . . . . e , ou so re quais sena .
.iltt rn.1t1vas ,1 1nucl.1nç..1 substancial No f.. l ,, to J-'
. . . · tna 1e o seculo enqu~1n
d1scussoc~ prossegu1~1tn por toda part ' . de
' . ' e, os resultados varwv~1111
1
I /\ I li 1 11 I I 11 A I M I N I e )
(_ . ~ ,j
lO I

1tit!:1r p:1r:1 lugar. Esll' cipílul ) .. , . .


, e tX,I111111·1 dois c-I . . 1 T .
t' (> do lr:1 - , nos qu~iis
O ex' em
. ... · • sos - o e a urqu1~1
P1O e.lo Oc · I =- • 1 1 . e, •

rcsL·nlc·, com rcacôes . .


11iu1to diversas O
ll en lc e esc e cedo esteve
11 ., . . , ., , ., .
-11 nhns os casos, v:irhn IO I · · co 11 c 1,1m rnucl.inç.:a.-; em
· .. - . . · e e e um secularis · .· • ::, . ,
rL·:d1nn:1rao rcl1gios~1. · mo ins1.stente ...1 umd

TURQUIA

O contato com o Ociclent · e dJUC , • 1ou a promover consideráveis


muc!Jn
_ , ,
ças• • •nas_"'
condições
,- _ " •
chs
e
,11L1ll1e., e s t u r c as , a p e a r e1os
1esult1clos
.
111eguLu es. As muchnç·is e .• '
c o meça ram, ce I t·ato, antesco 1

surgimento d a moderna nação - turca, , nos ,-,nos. 1920 , com re . forma.s•


ele influência ocidental promovid as pelo Impéri o Otomano .
Por . exe1nplo,. en1 1863, un1a faculdade para a capacitação de
professoras foi aberta em Istambul, seguida pelo estabeledmento
de escolas primárias para 1neninas. Um novo período de reforma
otomana, depois de 1908, estimulou ainda n1ais a educação de
mulheres e a criação de associações femininas em algumas ctdades.
As mulheres também conquistaram novos empregos, em fábricas
e escritórios, em particular durante a Pritneira Guerra Mundial,
mas os decretos governamentais continuaram a regulamentar o
compri1nento das saias para as trabalhadoras, e foi necessário um
decreto imperial específico para abolir a obrigatoriedade do uso
do véu no trabalho de escritório.
A parte turca do Império Otomano nesse ponto foi marcada pelos
contatos com O Ocidente. Os negócios com o Ocidente operava1n
ativa1nente. Conselheiros ocidentais influenciava1n a escola militar
e mesmo escolas mais especializadas, como centros de engenharia.
Os refonnadores turcos, embora predominantemente homens,
consideraran1 a ideia de tornar a Turquia mais Ocidental - como
fom1a de preservar a independência. Quando a nova ~~públi~a. turca
se formou em l923, essa orientação se tornou poht1ca of1c1aJ. O
nov o 1Ker, ~·l K e1na1 Ata tLit·k , estava determinado. a tornar a Turquia
res · ✓ d oci·dente e nesse sentido as mudanças na
, pe1tave 1aos o 1110s o ' .
- - d ,. .
qu estao e genero eran1 111 u quesito funclan1entaJ. Ataturk deIXou
isso claro em um discurso de 1923:
'

...
- - - - - --
} ( l ,' t1 1 \ 1 11 1 1 \ J l \ \
1 1 1 \ \ 11 1 \ li ~ 1,
f N I li j l
------
pode ser consi·(l·
. . . . .1r·111·w11n que.. <. 1 Turciui ~1 11 ~10 . (-
Nosso,-.; 1111rnIµ0..., • • . _. consiste de duas partes separac.l•
- . ·1·z·1ch 1101que I a:-.-
r:tt 1:1 11;1(,.'~10 e1v 1 1 ·• • , odemos fechar o s o hos p::in L ·
.. . , . Ser~1 que P ' 1n1a
ho mens e rnu li 1ercs. 1mos em o utro , e ass1n
_ . enquanro ,e1vanç:
, , '
..
1
pon;:1O ele um gt u_po ,_ _ a ra O grupo todo? O camin ho cl
mesmo levar o pt ogt esso P o
· . •itndo jJOf ambos os sexos, marchando
pro gresso precisa ser tn L

juntos , ele nüos d adas.


• . e na~o dirigido explicita1ne nte à emanei
O o 1JJet1vo era e1up 1o , ' d b ·
1x 1(jo da mulhe r. Em primeiro luga r, 0 fator e em ar~ço tinha
gr~1ncle irnpo rtf1ncia : a Turquia prec isava p a rec~r _ma~s Acom o
Ociclenle, e isso significava atacar de fre nte as tradiçoes islamicas.
De :1co rcl o co m Ataturk , to1nar 1ne didas como pro1nover a
igu:1lclacle e o utras refo rmas na lei da família seria um vigoroso
símbo lo da clete nninaçào turca de "alcançar um nível de civilizaçào
conternporânea" - definida pelos padrões ocidentais. Etn segundo
1uga r, as 1nuclanças para as n1ulheres eram vistas como pré-
condições para novos tipos de atividade econômica e política , pelo
pa pel socializante vital dese1npenhado pelas mães. En1 suma, se
as n1àes não n1udasse1n, seus rebentos, tanto do sexo masculino
quanto fe1ninino, não mudaria1n o suficiente para construir uma
nação mais forte . Diz Ataturk:

Se se achar que é suficiente que apenas um dos dois sexos


que compõAem a sociedade seja equipado con1 as necessidades
contemporaneas, metade da sociedade co nr·1nuara, / fraca. [...l
Portanto
. ' se o .conhecimento e a tecnologia
. são necessanos
,.
pa1 a nossa soCJedade , ta n t homens quanto 1nulheres devem
ter acesso a eles.
°
Assi1n, a educação tornou-se ob . / .
. ngatona em 1923 para ambos
os sexos e, en1bora as escolas d f
le nta1ne nte, a educaçà . e / • e ato tenhan1 se espalhado
o pnmana para a lh çou
apenas um pouco mais le t s mu eres avan
n a1nente do q d h o rr1
arena vita l in1plicou legisla - ue a os on1ens. L1 (
.. 'çao e políti E · ~s
a uin hesitante Parbn1ento ca . m 1926, Ataturk 1mPº
un1a versà O ct·f· /d·go
1
legal suíço. As novas leis ,1s 1no 1 1cada do co
'" seguravr1111 . . d l aal
para as n1Ldhe res, introduzind ' na teona 1gua lda e eo .
direitos ao divórcio_ vistos comº ~ monogamia e a paridade de
0
111unclo civiliz'1do"
~'- ·
u ,
111 seg und
princípios n ecessários parí.1 uni
. · ·,
o con1unto de inedidas perrn1t1L
- -- - -- - -- C ,)N IA 1 ,, 1 h l I l\,\ I \11 N 1 , , 203

(luc a~ 1nu I heres votassen1 11 .1 _ 1 . -


.. , . · .:Se e1çoes municipais ele 19.:31 , e
dei)ot::- vot.1ssen1 e fossern eleitas .: nas_ e 1e1çoe
. -
· oera1s.
ele 1934 - 14
.1110 ~ antes que as 1nulheres g , __ e, . .
. , . an 11assen1 esse clirettos em lugares
(-0 111·0 França
- e Itaha. En1 1935 , 18 n1u ll1eres conseguir:1111 vagas d e
Cleputado no parla1nento
. · ln spu·.a d·as nas lutas pro-su , fra, 0 10
. cio
Ocidente,.
or00 an1zações fe 1111·ninas,
· con10 a Liga • Fen11111na . . ºTurc1,
Press1onaran1 por refor111as "
i\ ,1 · •
• 1v es1no assim , havia um enonne

tlu, mero ,ele líderes


. do sexo 1naseu 11110, · ·me lu1ndo
· , · Ataturk ,
o propno
responsaveis pelas niudanças, que a n1aioria cios turco , tanto
mulheres con10 hon1ens , desaprovava .
Ataturk ta1nbé1n atacou a tradi ção de vestuário fen1inino ,
adotando aqui a persuasão no lugar de ações legais. As leis força ran1
mudanças no vestuário cios hon1ens, procurando torná -los 1nais
parecidos con1 o dos ocidentais, n1as a questão do véu e do 1nanto
tradicional (xador) para as 1nulheres era i1nportante clen1:o1is par~1
soluções tão simplistas. A retórica era forte :
En1 alguns lugares eu vejo mulheres que escondem o rosto e
os olhos jogando um pedaço de pano, um cachecol , o u algo
assin1 sobre a cabeça, e quando cruzam com um homem, viran1
as costas pra ele . [... ] Qual é o sentido e a explicação desse
con1portamento? Senhores, será que as mães e in11às de uma
naçào civilizada teriam um comportamento assim tão absurdo
e vulgar? Essa é uma situação que põe nossa nação no ridículo.
Tetn de ser corrigida imediatamente.

Muitas mulheres turcas das cidades aclotaran1 estilos ocidentais


de vestuário assin1 como .de cos1néticos. A clivisào visível entre as
mulheres tradicionais e 1nodernas da Turquia foi un1 dos sinais da
complexidade das reações aos n1oclelos ocidentais.
A refonna fez inais do que dividir os turcos: tarnbé1n revelou
as grandes ambiguidades dos próprios refonnaclo~·es. O código de
leis suíço que a Turquia adotou era un1 dos n1a1s conservadores
da Europa, insistindo no lugar do ho1nen1 ~0111~ cabeça ,~ª
fan1ít
. 1·a . In t ro d uz1u • oi·tantes mudanças
• 1n1p . na_ leg1slaçao .da fan1íha
1slâ1n 1·ca , n1as cont1n . 11a vae' 1-1·,'-15 n1an1festaçoes ele desigualdade
Como- "O h ✓ beça da união cio casa1nento'' e "O direito
· 01ne1n e a ca ..
e responsabilidade de decidir O lugar d e n1orada pertence ao
1
~~_!
P~I _'.l~•l ;:_r-J~I~~•:_- ------------------
_'d l 11 1 \ 1 1' ll l .\ l'I A\ _!:_I 1 ~ ('I I \ -----

recebian1 punições diferentes e,11c


111 ere
1n;1nc o . 11 orne,, 1s e rnu
· 1 .,
b levava1n vantagen1 no V

, .
(."ISO ele ·1clu lteno . S
o I
10 n1ens tatn e 01 e
} d·
r
caso r
' ' ' • I das crianças. A etn lSSO, quando se
r

ck· c.ltspuu sobre a guareª . k e seus colegas adv ·


_ d
tr;.iuv~1 de questoes e ves L e , • t iáno Atatur "
' en1a 111 r ,,
. estilos pro1n1scuos que estava
:is ,nulheres turcas a evitar os l d mr
.1 uma epoca tu1nu tua a . Elas n,
ganhando terreno no Ocic ente n
-- .
.
rpos e devena1n assu1n1r "u
. ªº
deverian1 mostrar de1na1s seus co , ma
111
atitude virtuosa". Durante os anos 1930, as ulheres tambem foram
n1anticlas fora ela ad1ninistraçào pública, e Ataturk fez lobby junto
, organ1zaçoes
as • - · · tas pai·a na~o 1·rem longe demais
fe1111n1s _ com. SLias
cle111a ncbs, no interesse na unidade nacional. A educaçao foi outra
[\reJ difícil. Por volta de 1926, havia 54 escolas secundárias para
hoinens e só 15 para 111ulheres. Escolas vocacionais, quase sempre
segregacionistas e111 termos de gênero, enfatizavam a economia
do1néstica e cuidados infantis para as mulheres, "para treiná-las na
questão de higiene, orde1n, organização de um lar econômico e de
bo1n gosto, pennitindo-lhes manter casamentos alegres e felizes,
e assim, levando-as a contribuir para o desenvolvimento social
cio país". E ainda que essa abordagem e sua retórica pudessem
ser facilmente encontradas também no Ocidente nesse período, o
in1pacto no contexto turco era muito intenso. Fortes remanescentes
da tradição indicaram o rumo da reforma, e, ao n1esmo te1npo, o
exe1nplo ocidental foi bastante variado para pennitir certa seleção na
abordagem adotada - como, por exemplo, a escolha da legislação
suíça em vez da escandinava.
No entanto, apesar de todas as dúvidas, aquilo que os estudiosos
cha1naram d~ um feminismo patrocinado pelo Estado produziu
u1na verda?eir~ 1:1u~ança, tornando a Turquia realn1ente singular
entre os pa1ses 1sla1rucos, 1nesmo no fi·nal d o secu ✓ 1o xx. , 0 proararn,o
1

de ocidentalização de Ataturk foi bem mais . onge d o qu e O de


1
Pedro, o Grande, na Rússia em altera - d aênero,
. • • . r as re 1açoes e or '

poss1veln1ente porque o proprio n)od 1


. /
.d
e o oc1 enta1 11av1a 111
. udado
1nu1to. Un1 grande nu1nero de inulhe . ressar
• __ . . . res turcas começou a 1ng .
e 1n e ,t 111 pos con10 mechc1na e d ire·1t uiW:,
. o, con1 uma presença 111
vezes n1a1or elo que na Europa O . i . rd,,s d;1S
. . . cic enta 1. Mulheres 1nstru1 " 1
cidades n1ant1vera1n ltgacões ec " . . . cof1
, onon11cas e cultl1ra1·s íntuna~
suas colegas do Ocidente.
l • •1 '" 1" 1 ' 1 1 11 1 1 lt A. 1 ,., 1 N 1 1 J )l) <;

o pn>cl·sso tk· 111t1d:,nc.1 s. .


· · e l 1t. ll num lTL'SCL'n 1 · ., ., ,,
. .,\} de on11)()S r 'I . . ' ((), por C IUS.I (LI
r f'L'~~.i( . 1•'"' r . 1' 1 l .lllt1lllOS' l.' lO · 1
tll() rcsu t:.,do ela íorça cinélÍGI.
por vo 1t.1 <- o ,n.1 e os :1nos 1910 1· . , . :·
. . _, . • , <- 1m111u1ram-sc ;1s cli.tcrcncas ele
,t'•ncro110<.u111<-ulocbcscoh . -. , . , ,
~ .. . . . . _ .. , pt c-cond1l.·:10 para o c rescimento
rol 1ss1on,il d.is . lllulhcrc ·s · Por vo lt a e1os a nos 1970 JS forças
11
intcrn:1.s d .:1 rdorm:1 soinac.hs . '· ,.1 conlatos
. . .
acl1c1ona1s. com 'o Ocid e nte ,
L' 0 rrcsu1ne111'0 cio le minis 1 1....,o 1nte1
· , .. . . · .
. n.1c 1o na l estimulara m novos
(lcscnvolv1mcnt
· ~ os. Muit o s
· lLit· . · ·
co.s 1m1g rara m para trabzdhar a lg um
1c t111)0
_ n :.1 1 ~
.uro. .p:1 Oc ide nt ·d
.. , e. enq . uanto uma parte pe rmaneceu
na l: uro pa e k>t :ilvo , co111 1-1·ec1L,,'"'':;, nc ,··d, e1e gra nc1e e1·1scn1n111açao, · · -
outr: 1 part e retorno u ~1s raízes e m s uas cidade s e a lde ias na tais .
/\ participação a tiva da Turquia na Otan tro uxe ao país e nclaves
militares oc identa is, particularmente a me ri ca nos, e O Lurismo
do Ocidente au1nentou ele forma inte nsa. A profusão de filmes
e modismos ocidentais a 1nplio u o interesse gera l pela cultura
ocidental. Nesse contexto, novos grupos de mulhe res e publicaçôes
surgiran1, e n1 particula r a p ,utir cios anos 1980, defendendo urna
ocidentalização tnaior na questão ele gêne ro na Turquia. Em 1986,
uma coalizào encan1inhou petição destinada a imple n1e ntar a
Conven ção pel a Eli111inaçào ele Qu a lquer tipo de Discri1ninaçào
Contra as Mulheres da ONU, que a Turquia assinara, no entanto a
ignorava a1npla1nente. Uma nova revista - Feniinista - surgiu en1
1987, atacando forn1as d e a uto ridade patriarcal tais con10 abuso
doméstico e assédio sexual. Manifestações públicas detenninaran1
algumas 1nuda nças na legisla ção, con10 revogação de un1 artigo
que exigia O consentin1e nto cio marido para a n1ulher trabalhar
fora de casa .
As disse n sões p e rs is tiran1. Co1n as mudanças na econon1ia
elo país, muitas 111 uJhe res tornara1n-se ma is d epende ntes econo-
micamente cio ca sainento; a ide ntidade fornecida pela tradição
islâmica tornou-se um forte atrativo para an1bos os gê neros .
Un, mo virncnto funclan1e nta lis ta islfünico significativo surgiu
nos anos 19 , logo gan h a ndo poder político, _e ten~lo c?n10
90
alvo as t IA . secLilarizaç::ío cios reforn11stas, 1nclu1ndo
, L e nc e ne tas e1e ' -
as fem 1·n 1.·str,1s. N a
· pr,1,' t'1c•~«, n o entanto, n ão ho. uve grande
.
e sforço A

l)a~a restaurar as antigas tradições, no que ~ltz respeito a g~n ~ro .


Alem do mais, s urg iu um impo rtante movune nto pelos chre 1tos
li , , 11 1 i 1 1 h i'
\ , \ , ,. 1 \ \ \ ,' 1 '

li~.\
t,l, unu nunt'ir:t ~l'Ltl. 0 ltj desenvolveu :1s mes ma s te ndê ncias
n.'f1..)t1ni~t:1:-- quê :1 Tu~·qui:1 no século \X, :1 p:1rtir cio 1node lo ocidental,
nun1 l·onk'Xto en1 que, con10 n:1 Turquia , él legislação isl[1mica tinha
hj n1uito definido :1s rel:1ç-óes b:.ísic1s e ntre hon1ens e 1nulheres. Os
rc-suludos. no é'ntanto, fora1n diferentes. Na revolução de 1978-9,
()S ir:1ni:1nos se desfizera1n dos 1nodelos ocidentais, tendo muitas

1nulhên:•s se junt:1do aos hornens para buscar un1 1noclelo diferente,


nuis tr-.1dicional na quest:10 de gênero. Não se deve superestimar a
difcrenci:1çào: os turcos, tan1bén1, continuara,n a se debater e ntre o
tr:1dicionJl e a inclinaç:10 à ocidentalização, enquanto os iranianos
n:10 esri,·eran1 irnunes à influência internacional 111esn10 depois
d:1 grande revolução. O que foi diferente, é claro, foi o equilíbrio
Jkançado.
O Irà 1nanteve alguns dos 1nesn1os tipos de contatos comerciais
que o hnpério Oton1ano tinha con1 o Ocidente - de fato , o governo
:1colhi:1 be1n os investünentos estrangeiros -, 111as O intercâmbio
cultural era 1nenos intenso. Só e1n 1907 foi criada lllna escola
de ensino fundan1ental para n1ulheres. Ern 1906, un1a nova
constituição nacional reconfirmou princípios islâinicos, definindo
legaln1ente 3S n1ulheres con10 sendo esposas e filhas dependentes
de lares encabeçac~os por hon1ens. No entanto, logo depois, um
no,·o 1nonarca, o xa Re za con1eçou a disputar O controle religioso,
propondo uma série ele 1nodernizações, reformas seculares que
gradual1nente haverian1 ele in1pritnir rnudanças no status d,15
n1ulheres. E1n 1937, por exe1nplo, o xá e n1itiu uin decreto banindo
0 ,·éu e o xador, que recobre todo O corpo da inulher; as mulheres

tin!Y1n1 ele aparecer en1 público con1 roupas 110 estilo ocident::il.

.. J
----- C O N r /\ 1O 1 1( 1 1RA I M I N I O 20 7

Escolt1s, incluindo a nova Universidade ele T -


--·. mulheres. Co1no na Turquia li eera, fora,n abe11as para
:i~ ' as tnu 1eres no Id -
"rim vistas co1no vitais no process0 d d' . pape e. maes,
e:: ' , e mo erruzaçào e
Tu rquia, ta1nbe1n, no entanto a mud ~ · orno na
' ança era deseq ·1·b d
or causa de u1na difundida resistênc·1 ui i ra a , tanto
P
h
ª quanto porque os próprios
refonna d . rad1ca1s
. .
. ores omens . vacilavam diante d os mod e1os mais
do ocidente. Assim, a nova legislação
, d· d f ,. . A ' em 1932 , pouco fez para
mudar o co igo a a~tl1a islan1ico, apenas subindo a idade do
casamento para · , 1, as meninas . para 15 anos · Um novo co'd·1go cnm1na • • 1,
em 1940, f 01 a em, abolindo a antiga lei islâmica, que considerava
0 testemunho de um ho1nem equivalente ao de duas 111ulheres. No
entanto, esse 1nesmo código deu aos homens o direito de inatar a
mulher adúltera, enquanto a mulher não gozava do mes1no direito
com relação ao marido infiel.
Por volta de 1960, depois que os Estados Unidos ajudaram
a destituir um governo islâmico desfavorável aos interesses
ocidentais, a reforma corrente se expandiu . Os contatos com o
Ocidente agora incluíam colaboração 1nilitar ativa, como parte da
rede de alianças que os Estados Unidos patrocinavam na Guerra
Fria, e atividades ocidentais mais extensas na indústria do petróleo
e no desenvolvimento econômico. Muitos estudantes iranianos
foram estudar fora. Um nú1nero substancial de comunidades
ocidentais se desenvolveu no país, tendo, com frequência , suas
próprias áreas de lazer, fornecendo exen1plos de co1nportan1entos
femininos livres em público e, mais tarde, no vestuário (e na praia,
a quase nudez). A importação de produtos de consun10 e filn1es
e assemelhados ampliou as influências culturais, principaltnente
nas cidades. Um movimento de mulheres iniciante surgiu, pres-
sionando por inais mudanças, con1 frequência ,, p~r meio de
manifestações significativas; de sua parte, ~ propno gov~1~no
se mostrava e ntusiasmado ein se co1npron11ssar co1n pad1oes
ocidentais. · Nesse cenano, ,, • as 111 ulheres
· 0aanharam direito a voto
. .
ern 1963 . cargos con10 juíza, deputada , m1n1stra
, e 1ogo assu1ntram . 1 d
e palestrantes universitárias. Utn conjunto de . leis pro_mu ga as
entre 1967 e aboliu a poligamia e reduziu a de:1gua_lclade
1975
de
. clirei·tos perante o d 1v ' o' rcio·, as 01 ulheres estavam a beira da
igualdade legal.
f f J 1 11 li
.' OK 11 1 ' 1 l' H 1 \ 11 -\ \ P I I A l.,, tl l \ ~ - •:__ _ _ -

. _ . .- ". rrcntc c.b rcjei c,·ão rnovi1ncntc, d. ~10


l-.nt:10 veio ;1 reae,ao , e1eco , . 1..:
. 1 . , J ern geral clcgc..:ndo as mud,1n ..1
rcforn1a e c1~1 influênc ia oclC c..:ntd ' . ~ . . . ~• s
n~1s reL1çôes de gênero e a erosao
.,
- das
·
trad,coc..:s
·
f a1nil1arcs ccir
. l1ci
, ·
sm1 1Jo 1os-e11ave e1o que e leveria ser recha çado. Muitos . homc..:ns ·
aderiran1 ~, reacào, tanto por co rnpromissos
· com
. anllgus Vé!]c ire..: s
·· elas. mu clanças econômicas a form as trad icíc, 11 ,, 1·s
con10 p e 1a ameaça J • CJ •

ele subsistê ncia ª to rnando tentador recupe rar cc:rta autoric.l ::1c.k
n1ascu I i na como ' co m pensaçao.
- O fato é que ta mhém mui1.a. ,s
n1ulheres participaram. O s moe1e 1os· o c1·clent'1i
'- ·s haviam
. , ·se: torn,adu
sín1bolos ela maldade e d o engano. Segundo O a,atola Khom c:í ni,
1ícler ela revolução :

As mulheres em alguns países ocidentais desviara m-se: c.kJs limitl.'i


naturais de suas personalidades em forma ção e fura m além
de suas condições sociais e naturais . Isso trouxe sofrirrn::nto <:
destruição às próprias mulheres e à sociedade como um todo.
l... ] Em nome da libertação das mulheres, geraçôes inteira .., dt
crianças foram abandonadas sem cuidados e sem proteção. Elas
se tornaram pessoas sem alma, seres mecânicos destitu ídos dt
sensibilidade humana.

Um problema funda1nental era a natureza dos modelos oci-


dentais disponíveis no Irã dos anos 1970, que davam ênfase ao
consumismo. Embora algumas mulheres das cidades abraçassem
com detenninação os modismos mais recentes, outras se se ntiam
consternadas; líderes do renascimento islâmico lame ntavam que
"a mulher que deve ria ser a preservadora da tradição, da família
[. .. J tenha sido atraída para as ruas. Ela foi levada a vagar, se
expondo; co1nportando-se de forn1a solta e descontrolada" . Todo
o processo e nfatizava as divisões ocorridas na sociedade iraniana,
com saias curtas, discotecas e hotéis de luxo ao lado de mesquitas
e choupanas. Ainda 1nais do que na Turquia, muitas iranianas
começavan1 a e nfrentar privações econômicas à 111eclida que os
ho mens 1nonopolizavam os en1pregos me lho~es das cidades; ª
re ligião tradicional oferecia un1 conforto e un1a ide ntidade que ª
c ulrura de consun10 ocidental, de qualquer maneira fora de alcance.
não podia prornete r. Mesn10 entre inuçt11manos cu tos, cresceu ,ª
1
crítica ao que e ra cha1nado ele "intoxi·c., , .d t 1·· iSto e.
,. uÇao OC l en a -


-
C (I N I A I O 1 ~ 1 1 RA I M I N I O 209

.•
L":11 1 •
.;oh influência
J

ela cultun' to'xi·c·a co
1 0 c1·d ente. As re,orma
e
. . ,·r·ic.b~
,n~P · . no Octdente na ques' t•'ao d e genero foram igualadas as
A • · •
A ,

in tl ue~ncns

econo1111cas 1mpe1··ia1·1stas, e eram criticadas da mesma
• . 1-1 O mo delo ocidental ta b -
lorn ·· , ' ' m em era censurado por levar ao
1
divórcio, a pobreza de un grande número de n1Ldheres solteiras e
;1 c1-iaç~10 de uin~, ~era~ã? de crianças sem perspectiva - e deixara
ele p~1recer einancipatono. Ataques ao regime pró-Ocidente 1nas
:1urocrático do xá envolvian1 invocações explícitas a nonnas mais
tradicionais; as tnulheres presentes nas manifestações usavam
xadores de propósito.
Quando a revolução aconteceu , era inevitável que os modismos
ocidentais fossen1 atacados pela lei. As mulheres fora1n forçadas
a retomar o véu e o xador (sendo punidas com 69 açoites se se
recusassen1) e seus papéis no espaço público e no trabalho foram
muito restringidos . Mães de crianças pequenas não podiam n1ais
rrabalhar e1n tempo integral. Os direitos legais foram erodidos, por
exemplo restabelecendo-se direitos n1asculinos corno o de optar
pela poliga1nia e se divorciar a seu bel-prazer. As oportunidades
na educação também retrocederam .
A c01nplexidade do quadro, no entanto, manteve-se, en1 particular
quando o í1npeto revolucionário foi atenuado. As influências
internacionais continuaram atuando. En11989, uma enquete de rádio
sobre quem seria um exemplo a ser seguido escolheu em prin1eiro
lugar Oshin, a heroína ativista de um seriado de televisão japonês,
popular no Irã. o exemplo ocidental ainda estava presente. Zahra
Mustafavi, filha de .Khomeini, deliberadamente se inspirou numa
organização fetninista, criando unw nova Associação de Mulheres
Muçulmanas em 1989 e patrocinando palestras internacionais de
mulheres. Na mesma época, surgiu uma n1anifestaçào de base
!s1âmica por direitos inais ainplos e explícitos, contestando as
interpretações conservadoras e patriarcais da lei de fan1ília. Como
na Turquia, a polê1nica não foi encerrada.

CoNcLusÃo
Os modelos culturais do Ocidente foran1 fundamentais tanto
Para as mudanças mais importantes nos relacionamentos de gê-
.!_111 - 11 ~~l 1" , , "1 H1 1 "e ,, 1 ' ll I e I N' " o

nero no Oriente Médio_ em educação, direito e vestuário_ qua


1--- . c1·n. nto
para 1nanobra.s ele resistência. Ern po emicas _1 isas ~ ern geral
cáusticas, diferentes regiões escolheram caininhos diversos. A.
refonna prevaleceu na Turquia porque co1neçou antes do que n
Irã - no século X1X e não no xx -, pois foi patrocinada por urn~
1iderança extre1na1nente efetiva, incluindo ativo desempenho
do próprio Ataturk, e porque a independência da Turquia, uma
vez estabelecida, não foi seria1nente ameaçada, 0 que reduziu a
necessidade de associar a ocidentalização com o imperialismo.
As condições no Irã refletiram a existência de u1na maioria de
muçulmanos conservadores (xiitas), e os excessos consumistas de
visitantes ocidentais e n1ulheres iranianas da cidade, nos anos 1960
e 1970. Na Turquia, os 1nodelos ocidentais há 1nuito tinham mais a
ver corn a lei e a educação do que co1n comporta1nentos pessoais,
que não estavam abertos a 1nudanças tão drásticas.
Partes distintas do Oriente Médio muçulmano e do norte da África
rnuçulmana desembocaram em diferentes estágios do espectro de
reforma-resistência. Depois da Segunda Guerra Mundial, a Arábia
Saudita era uma fortaleza conservadora 1nuçulmana acessível à
crescente influência ocidental. As conexões co1nerciais, n1ilitares
e diplomáticas co1n o Ocidente se multiplicaram. Muitas mulheres
sauditas viajaram para o exterior. O governo se con1prometeu com
li
1
algumas mudanças de inspiração ocidental, con10 novo acesso
à educação, mas até o final do século não ocorreu nada como
uma ocidentalização. Mulheres que fora do país guiava1n carros
não tinham permissão de pegar no volante quando na Arábia
Saudita. Predo1ninou a lei de família muçuln1ana, com punições
dramáticas por atos de adultério. O Egito, onde as interferências
reformistas começaran1 n1ais cedo ( ver capítulo "Ocidentalização e
gênero: além cios modelos coloniais"), optou por um modelo mais
mesclado, con1 influências ocidentais afetando os direitos legais e
coin oportunidades de rnudança no vestuário e no trabalho. E01
todos os lugares, no entanto, havia grande polêmica. O Egito,
coino a Turquia, viu u1n renascitnento muçulmano clamoros~
contra a mudança. A Arábia Saudita enfrentou pressões recorrente,
para se a b n1· - a 1na1ores
· · muclanças. Se esboços de urn model 0


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ~ C ~ O ~ N!_T~AT~O?___!_l~R~ET~R:_:"A'._l_l~M.!:_l!!._N~1~0-~2~J J

explicitainen~e. muçulmano, mas nào inteira1nente tradicionalista ,


surgiu em vanos lugares, o conflito sobre con10 lidar com os
padrões ocidentais - abraçá-los ou rejeitá-los - não foi uma ques-
tão resolvida.

PARA SABER MAIS


Nikki Keddie e Be th Baron (eds .), \flomen in Midd!e Eastern History. Shifting
Boundaries in Sex and Gender (New Haven: Yale Univers iry Press, 1991); Nira
Yuval-Davis e Flya Antlias (eds.), Woman-Nation-State (New York: Sr. Martin 's
Press, 1989); Martin Marty e R.S. Appleby (eds.), Fundamentalisms and Socie~y,
Reclaiming the Sciences, Tbe Fami!y and Education (Chicago: Universiry of
Chicago Press, 1993); Valentine Moghadam (ed.), Genderand National Jden tity.
wromen anel Politics in Muslim Sociecies (London: Zed Books, 1994; Karachi:
Oxford Universiry Press. 1994); Fatma Mugu Gocek e Shiva Balaghi (eds .).
Reconstn,cting Gender in tbe 1líidd!e East: Tradicion, Identiry and Power (New
York: Columbia Universicy Press, 1994); Elizaberh Wamock Fernea (ed .), \Vomen
a,zd the Fami!y in the Jl,Jidd/e East. New Voices of Change (Austin: Universiry of
Texas Press, 1985).
NOVAS INFLUÊNCIAS INTERNACIONAIS

No século xx, ocorre uma nova configuração no contato entre


sociedades com a emergência de novas instituições e movimentos
internacionais que influenciam de fom1a intensa, intencionalmente
ou não, os relaciona1nentos entre homens e mulheres . Algumas
dessas instituições não têm precedentes na história mundial . A
tentativa de criar fóruns governamentais internacionais - a Liga
das Nações entre as duas grandes guerras, e a Organização das
Nações Unidas, depois da Segunda Guerra Mundial - foi um novo
empreendimento. As Nações Unidas, em particular, procuraran1
estabelecer padrões de tratamento para com as mulheres a serem
atingidos a partir do estudo de influências externas culturais e
Políticas nas questões de gênero dentro ele cada sociedade.
A emergência de corporações multinacionais também é essen-
cialmente uma novidade. As multinacionais tinham tido precedentes
no século xrx, con1 as indústrias que estabeleceram sedes e111
diferentes países, mas a verdadeira multinacional , com instalações
es~alhadas pelo mundo, é wna criação do século xx, e tem seu
Proprio papel a desempenhar na questão de gênero. Con1 a s
<'o rporações multinacionais, surgiram novas ligações na cultura
0
~ rnercial internacional. A partir de 1920, o cinen1a começou
d ~er distribuído mundo afora . Programas de televisão for:.11n
.'l i li 11• \ I•\\ 1 1 1 , ,1 1 1 , _ P_' ~ ~ 1
' _ _ _ __

. · . 1 s -I nos 1950. Evenros e ·porr


JK'nnuudos ;1mpbme11te a p::1rt11 CO, " ' lVos
o A • • • •

·llll<...Tn:1cion:c1is conur~1111 com ,as· 111·11


'
· ore aucl1enc1as 1
ama1s v1st·1s
~ '· na
• - . . -
h1sto n ;1 mundial. Empre :JS corno 0 ·sney
1 e Club Mecl começ- 1 • n1
. 'rt1
- . .
:1 <...'St ~1be lece r centros tunstJCOS o u '
·igeAnci:J ' literalmente por to co 1

Mouse se ro1· n OLI Lllll roedor ° lobal


· 0
o rnu ndo · o rv11ckey
'
O 111:1rxismo, ·
o utro mov1mento · - ente do século ,xx f0 1a
b as,c,tm · da
Europa , é c m definitivo uma ideologia moderna . No entanto, ·eu
p:ipel pode ser comparado com o elas igrejas ele p eríodo anteriores,
que buscavam disse minar crenças para toda s as sociedade, a partir
ele uma forte convicção da vercl~1cle. O fenômeno de um m ovimento
ideológico internacional , em outras palavras, é meno novo n;1
história mundial, embora o marxismo, inclinado à reforma radical
e puramente secular, sem dúvida difira cios primeiros movimentos
religiosos (e os marxistas são, em princípio, extremamente hostis
Js religiões).
Por fim , o feminismo - voltado expressan1ente a mucbnças
nos relacionamentos homem-mulher - emergiu como um~• força
internacional , embora na 1naioria dos países não tenha atingido
as organizações de 1nassa periodican1ente criadas na Europa
Ocidental e nos Estados Unidos. O fe1ninismo teve origem no L

século x1x (embora ideias ilu1ninistas sobre liberdade e igualdade


tenham inspirado escritos feministas no final do século xv 111). Surgiu
prin1eiro na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. O feminismo
organizado refletiu novas ideias, avanços na educação de mulheres
e ta1nbém a percepçào de que os direitos e o poder econômico
dos hon1ens estavam sobrepujando os das mulheres. No século
x1x, 1nuitas fen1inistas abraçava1n convicções vitorianas no poder
moral especial das n1tilheres. As questões ferninistas eran1 variad~1s,
rnas por volta de 1900 apoiava1n-se e1n esforços para terein 3cesso
ao voto e igualdade de direitos. Conquistado O direito 30 vo!O
na Escandinávia, Austrália, Estados Unidos, Alen1::inha e outros
lugares, o fe1ninis1no recuou un1 pouco durante a prinleira inetadr
do século xx, p3ra ree1nergir nos anos 1960 fazendo uin no"º
conjunto de exigêncí~1s, incluindo inaior iouL~ldade no an1biente
ele rralxdho. Desde o início, no Ocidente, :s fenlinistas de v{trio~
pJíses n1antiveran1 contatos entre si. As inglesas e as 3111eric1n:1~
mantiveran1-se em contato estreito no séclil . Jor e-'etnP10·
o \.IX, I
q

do ·éculo xx. embora hotl\·esse vozes fe1ninistas_importantes fora


dele com ra1nificações a elas relacionadas._ Por fun_- e !sso é um.a
questao, mais · comphca· d a - . ort:>oanizações
- mternao
. ona1
. s como as
Nações Unidas, embora abertas a uma vanedade de influências.
com frequência adotaram unu linha surpreendentemente ocidental
en1 rem1O de gênero. Esse aspecto precisa s~r bem ilustrado e
explicado. O ponto geral, no entanto, devena ser claro desdt
o co1neco. O mundo do século ~ conheceu e).'1raordinárias. é
excepci~naln1ente intensas, fon11as de intercâmbio e influéncia
internacional. .\.Iuitas dessas fon11as, entretanto , continuaram a
corporificar contatos enue sociedades pa.rticulam1ente poderosas
e sociedades n1ais influenciáveis. Essa configuração gera resultados
con1plexos, nos quais as sociedades recipientes enfrentan1 pressões
ine,·itá,·eis, n1as tan1bém buscan1 escolher a dedo o que incorporar
e como resistir.
Este capítulo e o seguinte delineiam os contatos no no,·o come:x.10
de internacionalização cultural. Este capítulo analisa dois casos.
en, olvendo principalmente combinações de marxismo, feminismo
e atuações das organizações internacionais. O objetivo é exa!11inar
as principais influências internacionais aplicadas a determinadas
sociedades, em que a ideia de no,·os contatos se ajusta à história
mais ampla de experiências de contato. Os casos são , ariados. _-\
China no século xx recebeu influências do feminismo inte111acion:tl
e , é claro, do n1arxisn10. A história aqui mostra con1O essas in-
fluências (acrescidas de um impacto 1nissionário inicial) a1ucbra01
a construir um forte conjunto de forças nacionais de rnudança.
A África, desde a descolonizaçã o (isto é , desde os anos 1960). é
um bom estudo de caso para as ali\·idades de grupos e modelos
internacionais, incluindo o alcance das Nações Unidas.
E um último ponto introdutório: os principais ino\·in1entos
internacionais considerados neste capítulo buscaram explicita e
honestan1e nce aprimorar
~
as condições das mulheres en1 luaares ~

con1O China e Africa . (Enfocaren10s no próximo cap ítulo o utí.15


influências - con10 a cultura come rcial inte rnacional _ menos
explicita n1ente compron1etidas com reforma .) As questões d~
n1ulhe r não fora m o obje tivo primeiro dos inarx istas. mas J
n1e dida que se de bruçavan1 sobre a questào d e gêne ro buscaY:1111
- - - - - - - -- - - - - - -- - ~ N~ Q~V!._A.:_
I ~/ N~l~ l ~ \~
U ~{N~C~ l !._A ~~~~~-~
IN T tRN AC I ON A /1 2 17

remover as opressões tradicionais. A N _ .


esforços feministas estavam Is açoes Unidas e, é evidente,
oS votados -
rimoramento dessa questão . ~xpi essa mente para o
aP · O s pnme1 · d
iscutidos neste livro não tinha ros tipos e contatos
d m um program 1/ ·
·z respeito a questões de -- a exp 1c1to no que
d1 genero, embora t h ·
uns movimentos missio / . en amos visto que
alg nanos e mesmo l . -
coloniais pensassem em termos de t a gumas tntervençoes
. . - re orma. O quanto é importante
explicitar-se
. a
b questao?
. Ter
_ boas inte - nao
nçoes - e/ o 1nes1no que ser
eficaz; e as oas 1ntençoes podem esta r r~ ao amarradas a, cultura
cão dependentes de hipóteses alheias sob re o que e/ me1hor para'
0 homem. e/ a mulher, que falham en1 contextos espec1/f•1cos. A esse
respeito,_ ha outras questões a serem consideradas com relacào a
essa flexao contemporânea do contato cultural. ~

Ü CASO DA CHINA:
MISSIONÁRJOS, FEMINISTAS E MARXISTAS
A China sob o confucionisn10 foi, durante 111uito tempo: uma
1 sociedade patriarcal clássica. Em princípio, o confucionis1no oferecia
'
1
importantes papéis para as mulheres, consideradas vitais, en1bora
inferiores; e, ideologia à parte, o trabalho das mulheres era muito
necessário na economia agrícola. Mas não havia dúvida de que a
maior parte das mulheres levava grande desvantagem no siste111a
chinês. Também vimos que a situação piorou ao longo do te1npo,
em particular com a instituição de práticas co1no o enfaixa111ento
dos pés.
A China foi um pouco lenta em se adaptar aos novos tipos de
~ontatos internacionais, impostos ao país a partir de 1830. O país
tinha orgulho não só de sua tradição de independência política, só
raramente interrompida depois do período clássico, mas também
de 1 " . H/ .
seu considerável isolamento cultura e econo1n1co. a 1nu1to
Panicipava do comércio internacional, mas não dependia dele,
tendo uma base diversificada de produção e comércio interno.
Ess ,
co as tradições dificultaram os ajustes .as mu d ~nças. O s no~os
ntatos com E . Ocidental foran1 1ntroduz1dos por coerçao,
co a u1opa .
111 0 na p · • G do Ópio de 1839, que levou a n1a1or
ai) nme1ra uerra /
t rtura de d p
1nerca o . or v olta do final cio seculo XJX, houve uma

'
21
~l~~Rl~A~D~A~l ~R~l~l ~A(~Ó~l~I_!:D~l~Lo~
:_ •.::_8___'.H~ 1\.2._l
-
crescente interferência econô1nica por parte de comerciantes
- l_!:!.
N~I ~R
---
º=------- - -- ---

europeus e a1nericanos que se combinou com confisco t~rritorial,


na forn1a de longos contratos de arrendan1ento, em particular ao
redor de cidades portuárias. Inglaterra , França, Alemanha e Rússia
participara1n dessa disputa e, depois de vencer a China em 1894,
o Japão se juntou ao grupo. Esses acontecimentos aumentaram em
1nuito as oportunidades para contatos internacionais, desejáveis ou
não. A política oficial, no entanto, tentou n1inimizar a necessidade
de mudança, buscando apenas pequenos ajustes nos procedimentos
do governo e nas estruturas 1nilitares. Só nos anos 1890 emergiu
u1n n1ovünento mais c01npleto que enviou estudantes para fora e
abriu caminho para outros tipos de mudança .
Foi nesse ponto que os contatos internacionais começaram a
afetar os relacionamentos de gênero. Como na Coreia e em outras
regiões u1n pouco antes, as ideias ocidentais sobre gênero eram
vistas como libertação. Os missionários cristãos desen1penharam
um papel importante em ajustes iniciais, criticando práticas como
o enfaixamento dos pés das meninas e criando escolas para elas.
Os protestantes ta1nbém patrocinaram a ida de uma pequena
mas contínua corrente de alunas para universidades europeias e
an1ericanas. Esses acontecimentos in1portantes já era1n familiares.
Rara foi a velocidade com que pressões maiores por reforma,
e mesmo un1 movimento feminista, desabrocharan1 na China,
refletindo un1 ímpeto contido de mudança, o papel crucial que
as questões de gênero desempenharam nessa corrente maior
e o fato de que o exemplo ocidental por essa época incluía
a óbvia e1nergência de uma investida em prol dos direitos
das mulheres.
Intelectuais radicais nos anos 1890 logo toinarain a questão da
mulher como parte do pacote de reforn1as necessário para conduzir
a China a um papel efetivamente moderno. o enfaixamento dos
pés, que é u1n item diferencial visível e excepcionalmente rigoroso'.
pode ajudar a explicar esse foco . O líder refonnista Kang yuwe 1
observou como o enfaixamento fazia a China parecer atrasad~
aos observadores ocidentais (um fator de einbaraço, que agor~
adentrava a história mundial): "Não há nada que nos torne 111~11:,
objetos de ridículo do que o enfaixan1ento dos pés ... Eu olho p:u-:J
N OVAS I N ILU ! N CI A S I NTf llNACI O NA I I 21 9

~
. uropeus e a inericanos, tão fortes e vigorosos porque suas
~ e não e nfaixaran1 o s pés e portanto tivera1n filhos fortes". Os
0
n1,1es st 1·f
1 . . .
1es a esse co ume pro eraram em Jornais e e1n petições ao
,tl~qt . d d tº ✓d d .
overno. Socie a es cons itui as e intelectuais se empenharam
g persuadir os camponeses a interromper a prática· muitas
e!l1 . . l

d Ias i1nportavan1 sapatos fem1n1nos do Ocidente para dramatizar


ea causa. A educação das n1ulheres era um segundo foco ele
su,
reformas, inspiradas en1 exe1nplos conhecidos elo Ocidente e
em escolas n1issionárias que se estabeleciam n a China. Ainda
que ensinassen1 co1~portan1e ntos contidos e condutas fe mininas
consideradas apropnadas, as escolas missionárias condenava1n o
velho status e estimulavan1 as 1nulheres a se prepararem para vidas
ativas e1n 1nedicina, docência ou mes1no como esposas. Isso era
comple1nentado com bolsas de estudo en1 escolas fora elo p aís.
Revistas femininas surgiram com as novas escolas, propagando
a defesa de mudanças na tradição de gênero. Assim, fruto das
condições chinesas em contato con1 modelos ocidentais, en1ergiu
um fen1inisn10 explícito surpreendente . Este texto foi publicad o
numa das primeiras edições da Revista Fen1inina de Pequhn:

Oh duzentos milhões de chinesas, nossas irmãs, escutai! Na


China diz-se que o homem é superior e as mulheres inferiores;
que o ho1nem é nobre e as mulheres, desprezíveis, que os
homens devem comandar e as mulheres obedecer. .. Mas não
estamos sob o domínio dos homens. A natureza cios homens e
elas mulheres é o senso universal do céu. Então como alguém
pode fazer distinções e dizer que a natureza do homen1 é de
um tipo e ela 1nulher de outro?

Ou nas palavras d e Jiu Jin, urna professora ele Xa ngai, e n1 1907:

Homens e mulheres nasceram iguais


Por que deven1 os deixar os homens manter o controle?
Nós va1nos nos levantar e nos salvar
Livrando a nação de toda sua vergonha.

Grupos de n1ulhe res coineçara1n a se formar, focalizando todos


Os ti ~ .
A • Pos de assuntos, incluindo O problema do consun10 de opio .
" s n1ulh
,, e res ta mbé tn desen1penharam um pape 1 ativo
· · ,
na cnaçao
\J (:' so .
' crectades revolucionárias e, num grau me nor, nos eventos da
2 20 1-1 1\ 10 R I A 1J A \ R1 1AÇ O 1 ; O I G f N I RO

revolução de 1911 , que derrotou a dinastia itnperial - entre outras


coisas, portando annas e conseguindo o envio de armas do exterior.
Depois da revolução, campanhas impo1tantes em prol do sufrágio
fora1n desencadeadas, etn contato estreito com modelos ocidentais.
1 Un1 visitante a1nericano notou que a primeira pergunta que as
1 n1ulheres lhe faziatn era "Fale-nos sobre as sufragistas na Inglaterra",
e a Sociedade Sufragista Chinesa se espelhava diretamente na
1
equivalente inglesa. Muitas líderes fe1ninistas começaram a se vestir
em estilo ocidental, ou no estilo dos homens chineses, e ambas as
alternativas era1n vistas co1no libertadoras. Não há dúvida de que 0
alcance desses movimentos era limitado, com pequeno impacto nas
massas rurais . Para n1uitas 1nulheres, a propagação de fábricas de
propriedade de estrangeiros, que explorava a mão de obra barata,
com trabalho árduo, era uma mudança muito n1ais importante cio
,· que qualquer feminis1no inspirado no exen1plo cultural ocidental.
O governo, além disso, 1nesn10 depois da revolução, não era
particularmente simpático à causa das mulheres.
As manifestações feministas continuara1n, no entanto, e os anos
1920 intensificaram a adoção de rnodelos feministas ocidentais.
Artigos de cunho reformista citavam os exernplos ocidentais - a
interação social entre homens e mulheres, o avanço das 1nulheres em
profissões como direito e rnedicina - co1no contraste explícito das
desigualdades produzidas pelo confucionismo. Artigos fen1inisras
ingleses eram com frequência traduzidos na itnprensa feminina
1 que crescia. Os reformadores começara111 a a1npliar seu domínio,
,. pressionando, por exemplo, por igualdade e liberdade de escolha
na contratação de casamento. Como as feministas do Ocidente, eles
também estimularam ataques à prostituição, o aprilnoran1ento das
condições de trabalho em fábrica para as 1nulheres e a defesa de
leis 1nais liberais de divórcio. Estudantes 1nulheres começaram a
usar roupas ocidentais e a pentear os cabelos em estilos modernos
alérn de pa1ticipar ativamente de organizações políticas e ferniníst3S-
Modelados em padrões an1ericanos, 05 clubes de mulheres
surgiram em inúmeras cidades, dando algum apoio às feministt15
que enfrentava1n árdua batalha contra tradições arraigadas e, c0111
frequência, a visão das próprias mães.
____
__ _ __ _ _ __ __ __!N~
o ~VA~S~ I N~ f ~LU~(~N~
C~ A'.:_!S~ ~ ~~ ~~ '.___~~J
-------- I N T E RNACI O N A IS

O final dos anos 1920 . '


no ent .
anto, viu un1 distanciamento dos
modelas purarnente oCidentais . _ · A 1uta pelo voto parecia irrealista
irrelevante nas condiçoes chinesa d d .
oU . . ,, . s, e acor o com muitos
l]di·cais. Os 1n1ssionanos cristãos agora . ,, d
r" . eram vistos como ttmi os
dernais ' demasiado
. devotados . . -
as oraçoes e trabalhos sociais;
seu relacionamento . mesmo pa ra o 1em1nismo
e . .
era suspeito. Os
obs
ervadores ocidentais não pa ·
reciam corretos e suas visões em
geral apoiavam interesses comerciais ocidentais. Nesse contexto e
diante das .dificuldades
,, correntes em se entender com o governo
'
chinês, muita~- lidere:,,, ~e voltaram para outro modelo estrangeiro,
o da nova Uniao Sovietica. As condições russas pareciain prometer
mudança mais sistemática, tanto para as n1ulheres como para
outros grupos, e isso significava afastar a atenção de preocupações
limitadas com casamento ou sufrágio, voltando-se para ataques
mais radicais às condições socioeconôn1icas que mantinha1n as ..r .;

mulheres dependentes.
O marxismo, co1no foi desenvolvido no Ocidente e na Rússia,
ofereceu sinais misturados no que diz respeito a gênero. Muitos
líderes marxistas, ávidos do avanço da classe trabalhadora, adn1itiram
que o domínio dos trabalhadores hon1ens sobre suas mulheres e
-
.-
filhas era um fenô1neno normal; 1nudanças no equilíbrio entre
os gêneros simplesmente não faziam parte da agenda . Os líderes
russos, embora defendendo os direitos das mulheres e1n princípio,
por fim (no final dos anos 1920) voltara1n-se para urna abordagen1
conservadora da política da fanúlia. No entanto, o n1arxis1no lutou
Por mudança, pois ein princípio se deveria buscar liberdade da
opressão para todos. os líderes russos falava1n da in1portância
dos direitos da mulher ao trabalho e ao voto, e cuidadosan1ente
colocavain as tnulheres en1 posições visíveis, ainda que con1 fre-
quência simbólicas, de liderança. Os con1unistas chineses, em es-
treita cooperação com os colegas russos, to1nara1n_e:sas ideia~, e
tarnbém a prove1tan . d o o 111, , 1peto do movitnento fem1nmo na China,
~:senvolveram objetivos reformistas próprio~ ~ara a questão de
gener0 o E d p tido Comunista Chmes em 1/foscou, em
1928, assitn d f ld o armo parte da platafom1a: "Concretizar
· ncontro .
o
,"/ 0
, es ra ou co
, fsctn· d a 11bertação
· da n1u Ihe1·" •
.'' --- ---
11 \ ' ll I I \ l. '1 1 ' I' I I , 1 M I li 11

------
( ,.01110 com us rnov1111cn . 1os. <.·omunist:: 1s c m o utros .. lug-·11.cs,
·1 • 1· . .. . 1· 1lntn ctluuma
l)S l H. L'l'L'S L'()l11Lll11SLIS C 11nese.... 11 ' e,
cl1f1culcbcl,:,'- tn1
,
, tr;1 1):t1;1nr:1r :1tcncao
urn - JS- e'--
1,.. 111 ,'111 c1·1s
' elas mulhe res co m Li,11a
:tgl'nd:1 lll:tis· :1mpl;1 ·rar~l ~, 11•1Jertaçao - <.h(. eh'. ·.se Oj)er-í
. (. ri-1
' . dos
c:1111po ncscs. Critic:1vam ~, estrita agitação femmi~ta , clivorciacla ele
ohjct ivos rcvolucio nj rios maio res. No entanto, lide rados por Mao
Tsé·-tung, os co munistas insistiram na itnportância de mobilizarem
:1s mull~crcs e os tralx dh::idores para a reestruturação radical elas
rcl :t(,'<>cs c.lc gt·ncru, l'. paulatinamente foram tomando a liderança
e.lo 111ovimL:nto c.léis mulheres na China . Assim , logo os comunistas
p:1ss:1r:1rn :1 dcl'enc.lcr O direito ao divórcio, fazer oposição ao
c:1s;1mcn1O de meninas, ~1 poligamia e aos casarnentos impostos, e
:1 ac.lvog:11· os direitos das mulheres à herança. Mao observou que,
enquanto todos os membros das n1assas chinesas eran1 dominados
por :1utoridades injustas, às mulheres cabia ainda a sobrecarga
ele serem "dominadas pelos homens". Por volta de 1929, ao lado
ela organização de grupos constituídos de 1nulheres, o partido
defendeu "a inteira emancipação das 1nulheres [. .. ] para permitids
mulheres obter gradualn1ente a base n1aterial necessária par" sua
en1;;111cipaçào dos grilhões cio trabalho do1néstico e para lhes dar
a possibilidade de participar da vicia social , econôtnica, política e
cultural ele toda a socieclacle" .
As mulheres foram efetivamente recrutadas co1no membros
e representantes do Partido, sendo pelo menos 25% da força
atuante em todas as organizações locais. Artigos e aulas para
camponeses e operários 1nisturavam reivindicações da classe
trabalhadora com reivindicações das mulheres. Entre estas, havia
ataques explícitos ao confucionis1no, coin injunções específicas
de pode r "cortar o cabelo e deixar de enfaixar os pés" e "lutar
pela liberdade de casan1ento". As 1nulheres foran1 estimuladas
a assu1nir novos tipos ele empregos e participar diretamente
das guerras contra o governo nacionalista e contra os invasores
j~iponeses. Pe-;;as de teatro populares drainatizavam mulhere~
heroicas que permanece ram firmes contra pais e maridos
opressores. Em regiôes sob o controle coniunista por volt~1 de
I 930, grupos ele mulheres pressionaran1 os ho1nens a mudar ;1
maneira ele agir - por exemplo, suspendendo a violência contrJ
Nn V A 1 1N 1 1 ur N l I A 1 1 N 1 1 1\ N A e I ti N A 1 ' 22.1

:i~ 11,ulher~s - _co~i bons resultados . Por volta ele 1943, havi ~1
. . de dois. n1tlhoes
~ .
de 1ne111bros na seçao
, fen11n1na · 1o .
· · e1o Part1c
111;11~
cotn a viton~ coinunista e1n 1949, un1a nova constituição
procla111ou to~a\tgu~l~l~de e_ntre _inulheres e hon1ens. "As mulheres
devem gozai e e dn eitos 1gua1s aos hon1ens na vicia política ,
econôn1ica, cultural, educacional e social." Continuou-se a recrutar
mulheres para O coinando de co1nitê locais , e a participação
feminina subiu para 48% en1 alguns casos, por volta ele meados
de 1950.Uina lei de 1950, baseada em doutrinas e experiências
marxistas na União Soviética insistiu na livre escolha do parceiro de
casa1nento, na n1onogamia e na proteção dos direito das 1nulheres.
o divórcio era aceito quando ambas as partes o quisessen1, e
negociável quando un1a das partes resistia. Não apenas panfletos ,
mas ta1nbém pôsteres para os analfabetos divulgaran1 a nova lei .
A expansão da educação atingiu ativan1ente as n1ulhe res, e e las
també1n foram encorajadas a assumir empregos e1n fábricas e outro
setores que as tirasse1n de casa (e a1npliasse a produ ção nacional).
Embora a política co1nunista 1nudasse periodican1ente, os esforços
de controle da natalidade tambén1 foran1 apoiados, e facilidades
para cuidados infantis procuraran1 reduzir a carga sobre as n1ulheres .
Aqui, novamente, o exemplo soviético inspirou o estabelecirnenro
de novos programas.
Inevitaveln1ente, a oposição cresceu . Muitos homens e algun1as
mulheres mais velhas opunha1n-se às n1udanças na estrutura
do casamento. Algu1nas 1nulheres n1ais velhas, por exe1nplo ,
argu1nentavam que bater nas mulheres era aceitável, desde que
quem batesse fosse a sogra. O Pa11ido titubeou, algumas vezes se
opondo a elas por excesso de radicalisn10; seu grupo de liderança
incluía mulheres no inelhor dos casos, de fom1a siinbólica. E talvez
0 mais impressionante ' eran1 - quando a política do governo n1udou
depois de 1978, linlitando estrita1nente o nún1ero de crianças que
c:ada fanülia podia ter_ os relatos de que o infanticídio n1eninas ?~
\.oltara a crescer na zona rural, para assegurar que a fa1n1lta pudesse
ter un, filho honlem. Velhas fórn1ulas são difíceis de elitninar. No
tntanto, os papéis designados para as 1nulhere~ _e as possi~ilidades
j ~e rnuctança inestno nos relacion~unentos fam1ltar~s ampli~ran1-s~
~ gulannente. Utna niistura de diferentes exe1nplos e mov1n1ento.s
1

~
/.~l'l: _ ~
1-1_'._I~\1~n~•~1•~O~A~\ C~o~Il _
_;:__~~Il_!..A~ D~[~G~l ":_:
' l_:_
i'- ~O - - - - - - - -- - - - - - - - - - - -

e trangeiros, incluindo fe minismo e marxism~, produzi~ uma fone:


- interna
pressao . po r uma mu da n ça substancial ' associada a u111a
revolu ção fundamental. Apesar dos rema nesc_~ntes curioso ou
problemáticos, a China não e ra ma is um b a st1 do patriarcact0 ªº
ina lte rado no fim do século xx.

A ÁFRJCA E O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕ ES


1N TER.NACIONAI S E DA LEGISLAÇÃO INTER.NAC IONAL

A Áfri ca su bsaariana vasto e variad o subcontine nte . recebeu


'
d o is ti pos de co ntato inte rnaciona l relevantes re lacionados a
gênero, antes dos movimentos nacionais d e inde pe ndência . Pri-
meiro , co mo vimos no capítulo .. Influê ncias ocide nta is e reaçõe·
re gionais: a Polinésia e a África .. . a ativ idade missio nária e. num
grau meno r, alguns éditos colonia is visaram a aspectos seleti\·o·
de relacio namentos tradiciona is e ntre home ns e mulhere·. O·
missioná rios buscavam certas muda nças nas práticas de c:1-:irnemo
1
~
k
a fricanas, enqu anto pro mo\·iarn no vas fo rn1:1s d e educJÇJO p ~H1
as mulhe res. Funcio nári os da colo nizJçào mostrJ\·an1-se reluurncS
e m inte rfe rir com os costumes locais , po is a resistê nc i:1 pocleri.i
complicar a estabilidade po lític:::i . Te ntJ ra m , no e ntanto . inst:ibr
le is ao estil o ocide ntal q ue e ncora javam a pro priedJcle pri,·Jd:1
e reconhecia m os ho me ns como o cabeça d o la r. c:nquJnro
inte rvinha m ocasio nalme nte contra pr~nicas como circunci~:10
fe minina, qu e pa rec ia m pa rtic ul a rme ntl'. irno ra is JOS p:1clróc."
ocide nta is. A segunda influê nc ia ,•e io de opera~·ões c.b ccono11úJ
colonia l na África, à medida que e la ava nça\•3 d urJnte ~1 pr1111cir.1
me tad e d o sécul o xx. Ta nto as min as qua nto os tr~ibalho · urbJno~
recrutavan1 d e mane ira d espro po rc io na l os ho me ns , dei..·oodo
g ra nde p a rte d as mulhe res nas a lde ias, corn 111 e nos acesso :i
a ti vidad es econô1nicas do que tradicion alme nte tinha m . As fanúliJ~
e ra n1 tan1bé 1n con1 frequê nc ia desestabilizad as, nu n1a cultura que
costun1ava valo ri zar a coesão. Esse padrão continuo u na AfriC-J
n o fin a l d o século xx.
o avanço d o naciona lismo dura nte O século xx fo i um~ fJ(J lk'
dois g uines no q ue d iz respeito às rn ulhe res. Eb~ particirJ'·:i!l'
2.!(,
~~.:'.__"_~
11 1 1 1 ll p I A
~~~~~'.__l__'.G~
1 R I I A(Ó/\
D A
íll º-:__-- - -- - - - - -
l_:::."~I ~R ---------
---------
~

70 as relações de gênero na Áf .
Em suma : nos anos 19 ' _ . . rica
. , s contradicoes e complexidades \
apresentavam 1nu1nera ., ~ _ . h . ., · · acJ
. d. . . mas tambem nao t1n am evolu1do nu
era1n 1na1s tra 1C1ona1s, ma
direção consistente. Tratava-se de um contexto em,q~e .ª pre õe
. . . a lgumas especialmente adequada a Afnca, podiam
1nternac1ona1s, " l

ter um poder fora do comurn. . . .


Foi nos anos l 970 que as organizações 1nternac1o na1 aumentaram
a atencào sobre questões de gênero . Tinha havid o precedente .
Em 19l9, as feministas francesas tinharn realizado uma conferéncia
internacional para influenciar a conferência de paz pó -Primeira
Guerra Mundial. o resultado foi tín1ido : pouco mais do que uma
referência às mulheres na Organização Internacional do Trabalho.
agência da Liga das Nações. Un1a \·ariecbde de grupo intemaciona' ·
de mulheres surgiu ( inicialn1ente don1inados pelo Ocidente), entrê
eles a Associação Cristã ele ;\1oças, Federação Inrernacion::d de
Mulheres Cníversitárías e J Feder:1ç:to Internacional dc:- .\Iulhere~
de Negócios e ProfissionJis. As fen1inistas a1neric.1nas ,·ia j:inm p:irJ
a América Latina nos anos 1920. pau ajudar a pron10,·c:-r dirciros
políticos relevantes. e a Lni:lo Pan-an1eric.1na es ubelcccu um.1
Comissão Interamerican3 sobre J .\Iulher . .\lernbros cles~:1 ( omis~.io
ajudaram a inserir a frase "sem distinção c.k~ sexo" ru CJn:i d:1:- \ .1ç · ~
Unidas, na seção de dire itos hum~tnos . Ern 19• 7 , no ,·Jrncíllc> p r
pressão das feministas das Américas e dJ EuropJ. incluindo EkJne1r
Roosevelt, as Nações Cniclas estabelec~ran1 u,n:t Coinis.<10 p:trJ L)
Status da Mulher. EssJ comissao produziu urn~ 1 sé'rit: de r~Liwrio~.
incluindo o da "Convençào para a Eli,nin~içjo de ToJ:i:-; J:,; Fo n1tl)
de D~sc~ilnina~ào Contra a 1\ilulher'' . No~ princípios en unl'i:tdo~ p<.>lJ
Con11ssao havia provi.::o·e-= p-1 ·- · 11 1
u 1, 1 1gua e ac e no ctsJ rnento , n.1
.J .J
• pc''·"'c'
·
ele _propriecla~le,_salári~s , oportunicbdes ele ernpregn e eduoç:i_o.
assim con10 dlfe1tos politicos e leo:.iis D 1. · l·tr ••ttcnc:10
, ·- ., . t-- . . ec1Cou-sep~trt1cu.
as reg1oes e1n desenvolvimento" , con10 a Africa n~to-inclu~triJliz:iJJ.
Em 19 ~5 , qua nd o ª no\·a onda ele fen1ini s n10 J,·anc;ou no
n1undo ocidental , as Nações u n · 1, . , d· p·1r.1 c1
·· ic ds procb1n:1r3n1 a De J .l · .
Avanço das Mulheres e re l'1 , . . drt1
. : ª zc1 ran1 a pruneir:i Conferênc1:t ~ tu 11 ..
da Mulher, na c1dacle cio M, . . _ . . IL' Jl ll ~
f ~- · , exico . Conterennas sub:--eql 11 ,
ora1n re<d1z.idas na Din-) 111,1 ,, _ 1 , 1(
u , rca, no Q ~ ·. ( 19c°') t' l l 1
n ~1 China (em 199:;) , , . Utn1J e n1 º .; Lk'
- · C,tclc1 con ferê ncia recebeu dek~:idJ-
· •~~~~~~~~~~~~[~G~I~ l~R_'.:'.O_ _ _ _ _ _ _ _ __ _
~8 H 1 \ l O ll 1 ,-. D ,-. S R l l A Ç O 1 \ D ~

~ da de novas ade õe . (Em conr


isso foi natural se juntar a on . _ . , . rast(:,
✓ eh· co111 uma v1sao inarx1sta , eram mais cétic
pa1ses como a 1na, . . o~
luções internac1ona1s, e os Estado Unid
quanto a en d ossar reso _ . . . os,
desconfiando das organizaçoes internac1o n a1s de forma geral,
... . d e1•xavrim
con1 frequenc1a " de assinar tratado relevantes)· 0s
impactos revelaram-se en1 três áreas: uina p~c1e nte nova onda de
agitação de grupos fen1ininos , por vez~s estimul ada_ ~or recentes
1nanifestações nacionais; un1 tipo fascinante ele atividade legal,
fundado en1 princípios internacionais ; e indício de novo níveis de
consciência, em parte relacionados ao dinan1isn10 de informaçào
gerada internacionahnente .
A Costa do Nlarfim é un1 exemplo claro das novas ati\·idade
políticas. Na época da declaração das Nações Unidas sobre a Década
da Mulher, o presidente do país já pron1ovia esforço - ne a áre:i.
Em 1975, proclamou o Ano da ~lulher, e estabeleceu um :\Iinistério
da Condição Fen1inina e p:.ira :.1 Pron1oç30 cb ~Iulher. indicando
uma contissào para lidar con1 assuntos de igu::ildade pe rJnte a lei.
a educação e o en1prego. ,1ulheres instruídas con1eça1"-Jm ;1 f:.izer
pressões por mudança na lei de fan,ília de 1964. Seu foco er.1 J
injustiça de a n1ulher não ter controle sobre seus gJnho ·. Em risu
disso, e1n 1983, unia no,·a con1issJo reco1nendou limitaçõó '.l
autoridade do marido e reconhecimento da autono1niJ cconônliLJ
das mulheres, n1ais exigências de colabora,_:ào no , trJLnlho~
domésticos. As mulheres da elite trabalharain ati\ ainenlL' no~ b:i:-li-
dores para convencer men1bros do partido governisu ; ~1 A~'-t:111bki.1
Nacíon~I _aprovou ~ovas leis ( e1n n1eio a forte oposiç-•o qut> c.kfl'ndi:i
o clon11n10 tn✓asc_ulmo e a poligan1ia). As inulheres podiJ!l1 Jgor.1.
Por conta
.
propn-1
· .: ,
esc 0 li1 er os· en1rregos, controlar seus ~a 1:ino-
· · "e'
propnedades pessoais e lidar con1 bancos tendo co nt~• nc>ks. p:1r.1
n1uitos obse1vadores essas n1Lvlanc-- h ' . . • ul·ir 111:ti~
, ✓ • ' ,ts avena1n e1e est1n1
'- • ·
açoes polit1cas por pane das 111 li . ; eJidJ
, :- _ u 1eres. e1n parttCu 1ar .1 111 . ,
que a educaçao se espalhasse· d f . t- nin1no-
. . , e ato. novos grupo~ er . ..
surgtran1 en1 1990, tlrando V'tnta l .. pol1t1t 0·
. .. . .: • gen1 e o recente plur~d1sn10 , . _,
e seu dlfelto de voto, para ex·10 - . d~ pol1t1L.l
• olf un1 novo con1unto t::
governamentais.
En1 1981 , a adocào. por pa , . _ . . k \fn·
., _ . · . ne e..1.,i Organ1zac.10 c..Lt l 11 1<.1.ic. . 1'
l clO ,l (rn ;\) , da Carta Africana d . o· . , I -.; j'(J \ l
os 1renos l-lu1n~1nn~ <.' e. 0 ·

j
,.. Aqui ra1nbé n1 a corte decidiu em f
independente do genero. . / . .. ª'"or
da ioualdade legal , e un1 dos 1uizes obsef\,~U ~u~ a~ora , mais do
0 d do percebeu que a d1scnn11na çao po r raz -
que nunca. o mun o to .. d . ot
· . [ ] e -cra,·id:1o. n ao po e ma1 er
de sexo, ass1111 con10 .•· :1 ~ ~ ace11.J
•· ouu·os proces ·o · , p o r ex n1pl o em Lganr'-
ou 1nesn10 to l erJ d a . . u.:i .
. d.d 5 d.e> mulheres ele con1parttlh a r a rropriedaci
apo1ar:1111 pe 1 o '-- . . _ t
da fanu1ia (com frequênci3 descons1cleranclo clec1soe-; de co ne)
inferiores. que defender:un dt>finições ma is Lr~td ic io n a is) e direno
de ,·iú,·a - ou filh::1s de herd:uern :i reJT:l , n1e·sn10 quando ( como t
comun1 em ociedades que :1eredit:1n1 ser m :1u pres ·:1g io f:i z~r urr
restan1ento) n:1o hJ,·i:1 di-"po~i -jo e.--pecífic1 .
Por fün . cleclarJçÕC's inten1:.1cio nJi:-. :-0111:.H.bs ~1 frequc me :1u ·é:nCD
cio hon1em e J difus:io d:.1 educH;--:"io. :1jucbr:11n J pc>r~ u:iclir rn 1n..0
mulheres afric:inas que certo:- ripo~ de 1nudarn,.·:1.s er:1111 e :-cn :i:i~
:\os anos 19-0 e 1980. mulhcn:~ cb .-\fric:1 Orienul nun ifc..,Ur.trn-'{"
en1 entre,·ist.3..S :i fa,·o r de t.· ·o l:tnd:1de l:' d o L·ontro lc cLt n.1uliJJj t
- .. :\o ent3nt0. primeiro . J-.. mu lht.·rt.·:-- tL·n1 de.· Jdqu iri r cJu ·:1 ~- \..,
[ . . .]. As menin:1· e o :-- mcninu " Jc\ t.·m ser t.·duc:.1du.:- Lb m e,!:-...;
fonna- . .-\ucoriclJdc~ d:1-, [)<J \ ·u:11,·t'> e .., , junto nH n I n C:·diL°l ... u l~un.,
p atrocin:.idos pd:.i~ \':.i çcx..-.., t_·niJ~1~ >l " u utro:-- .. c:--tr:.1rH,!L' ir~> ... .. . t1 , ··r.1i::
um p:.ipt-I cre~enct.' no t:n~mo do n >11trulc da n:.1LiliLl.t Lk J mulh R .
africanas, t:' · embor:.i •· 1-.,· t ··1v ·
.,.L..., (. 1L. n:tLI 11·J :tl 1L' n>t1[lllll..t,,1..·111
· [1l.l l '

:.ilt;v; n:1 Africa d o que n •I m:.1i·<J r ,n,.Lrtt.·· 1 g 1() 1)O . l' 1: LS l 'l) t11 ' ~.t rJl1\ .l
lO
c1ir .por.
,·olca
.
o
dos ]no". 1990 · ·"' () 1)jC[l\'()S, - . • L'lll p :lr1t.' . l'lH1ltnU.lí.l ill
trad1c1ona1Y _ as me~m:1., · mui!1l.rt...., . qul:' cnLLt · t.Lt , ·:i 111 :. 1 nn.·l •:---..1· IJ1.!
de, educ1
.. çao e de inici:Hi,·:is . - · · .. .
. · l l o no1nIct:-. \'oludJs pJc.I J.-, 111u lh c.' rt '
f a1..n .1111 em g:.1r:.1n1ir que .1 f . .. .
.. · r . • .Irnt 1I.I .I\ :.11nrx 1r,l:-._'.",L' n:1 ,·dh il•c.· e.' ,u
neces..-.1dacle de e,·Itar o indiviJ . 11· 111 . . 1•
l l u.i ~ 0 l' :.1 ~ol1d:.1u . H:1, 1:1. J[X':--.1r L1.
tllC O. pe O menos um:1 ll1UUan ., . . . .,
e . , ~ ~ ._- .
et13~ :.lge OCl.l.':1 int1•m rt(.·I·
\ ,l
. .
n., lorr1u dl' rt::tl1z:1r u . ., u h1elt\l>.
... '" . una,-.. Jt.1 .. 1 · • 11c.
cíficos con1o a cir ~ _. __ · l~H~ n1 pro hk·nus 111J1:-- L:-
lunc1s:10 fen1in · . . .. l ..-1 1l
que ainda eram ;,in pl· in.t ( e 1llurecronli:1 1..· int1bu J<.- t ·
1 .unente pr.tt · .. i· -. . \
1
Organização .\lundial . s·· _ · c:1 <... :..i n o nordcstt.· LLI .-\tnL.1 - .
1 ~ Jlldl"' ( e 1 )
l:..t . 1•nll
nesse assunto apesar d . >-' " :tg1u 111uiro ~·:iurc•!L),:-;Jn c.
· e cons1clerj \ . .. 1 1 . 1nlk
nún1ero de mulheres P· t.: 11LH1L1 çjo ~lling1r u111 ~r- ·
~. .tr.1 as ~tut . l· . . , ., ·11.11
a rupn.1r.1 elas lr:tcli<;o . Al Ofl<. .ldt·s cr:L u11rur1Jnt1.. L
- . -. . e .. gun~ n. .--gir , . l . . 1 1 1r11 1 ·'
rrJtJCl ofiualn1ente no r . 1
IT1.t de St>u
I h .. :-- CD on1 :..i l 1'.'{J:-, x n ..
1·1lL'r .
1
~ tlUndJto - l ·(,n1u J ln.~·
,
1

._ - ~231

------ - _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ____:_:
N:__'o.:'....:v'....'.:A:...:5_.'....'.':I"'.....'.f~l~U_:__(N~C~l~A__:
S___;''_'.:N~f....!:_(2R::'_N~A'.:__C'...:.'o:___::N::_A:_.'12._I
1
r
o
ºº sudão e no Quênia em 1946. Alguns dos líderes nacionalistas
nais radicais, por exemplo no Egito e na Etiópia fizeram o rnesrno
' d~ '
após a indepe~ encia. Etn 1958, o Conselho Social e Econômico
das Nações Unidas recon1endou que a OMS agisse, mas seu pedido
1,
foi rejeitado con1 0 argumento de que "a cirurgia ritual em questão
originava-se de uni contexto social e cultural" . As próprias mulheres
s
africanas pres ionar3 m as Nações Unidas; e m J 979, um semm a no
s
advertiu que 3 • prátic1s tradicionais prejudicavam a saúde da
mulheres. Ent:10. em 1982, a o.,1s se mobilizo u , recomenda ndo que
Os go , ·e m o~ dc>,·eria rn ador:1r po líric.1 · n:_1cionais claras para abo li r
:1circunc i :1o fcminin:1 e' p:1r:1 imensific:1r prog r:ima · ed u cacion ai
p:u,1 in fomnr o públi sobre> :1 nociv icbcle ele. a prát ica . Em
p:irticular. :1s o rg:1n iz:1ç · e>., feminina:- ~m ní,·c-is loc..1i · clc,·em e r
estimula b s :1 ~e c rwoh-erL'lll. um:1 \'c'Z que- ~em que :is mulheres
se co n s ientizcm 1.: --~· comrro md:un, n:·10 ha,·er:'t mudança .

Grupo · e ·pecífico ..; qu t.· e o pu nlnm :1 1:--~:1 pr:'itic1. em geral


liderados p o r n1ulher~ :-. -,ur~I r:1rn L·rn lug:uL·~ como o ·enegal.
O alc1nce cio · irnp:1t tu . Ju_ ,·:dnrt.'" inIern:1ciun ai~ n:1 :Ürica
foi con ...,iderá,·el. Cb ro llll L· hou\ L. Inumcro · empecilh os . .\luiu:,;
mulherc::~, p:ir:1 n:·10 mcnu u n.1r <J ..., ho111L·n:-- . :tind:1 rü o L·on co1·d :un
com a .sub,·cr~5o J:1" pr:ü1c1.., tr:1diuon:1i ..... :\ circur1e 1-.;:1n obre,,e
um:i ,·itóriJ t:m .\l :d1 qu:1ndu rnulht.·rç, LjllL' t i n!L1m imigr~1c.lo
par:1 J Fr:rnc1. e foum 1mrx·díd:1, . pd :1 il:gisL1 ~·:10 fr:inct.· ·:1. ck
adot:..1rem t: ~1 pr:'ttic t. ,,ol rar:1111 1x1 r:1 Ch:t rx1r:1 qut.· su :1:-..: t'illl:1:-..:
i' fo !-tem uper;1J:1.'> . _,\.-; 1nu tL1rn.·~1-, n~1 k-i ne 111 s1.:rnp rt.· :1k:1n<,::1m :1 , ·id:1
prática. As m u lhcrc"i \'C>lr:1r:111 l- '>L' p:1 r:1 u con rrulc d:1 ruul ilLtde ,
mas cum frec..iuC-ncia ~c."J clcpoi, Jc rcr d :1do :1 luz qu:1tru uu cinco
crianc1s Je,·ic.lu :.to (cornprccn:....í,·L·I) ck·~L·jo c.k gaL1ntir. cm rnciu ~t
proragaçJo de tant~is cicx:nc:1~. que :ilgurn:1s crianç1s sohrc, ·i,·Jm - e
o resultado-, é que a popuLt<..':to co ntinu:1 :1ument:1ndo rapic.bn1t nce.
A Organização cb L nic.ladc Afric1n;,i 1c111 fundos lirniudos p~1r~1
'1
fiscalizar as · Jtivici:Jde~. As nJ<.:ÓL'S se rnostr~1r~1m nrn1 fn:qu t:· nci:1
111uito mais entu~iasn1:.1c.bs em aprov:.1r princípios retu111b~1ntcs d o
c~uC:' tr~1c.luzi-Jos e in leis protetoras cspecífic1s. AIL·1n e.lo n 1:1is. :..t
1
~-: na Africana é controversa : ao mesmo tempo em que ern..loss:.1 : 1

igu~tlciac.lc perante ; i lei , perniite a fst :1dos lev~tr em considl.'r~t<._·:·10 J:--


\·irtuc.lc.'.-- c os v;tlorc ... c.k· su~1 rr~tc.lic:1o his1c')ric1, c.JcknJt:ndu J r:..1,nili J
1

H . C., t l \ , ~ "' 1 " ·" J .._. 1 '- l i,.. .,,

con10 :1 -- unid~1dc> n:irur:il e' :.1 b:.1.-.c> d:i se e'. d :.ic.le " e ":.t gu:.irc.Ji:1 u
n10 1-:1.l e dos , ·:.1Jo rc>s rr:.1d ic io n :1i:-- n~c o n h<:'c 1cl :-; peL~ ~·on1un id:1de J
En1 1999. u111:.1 co rte do Ziinb:íbue r<:', ·ogou u n u clec is:i o ele heranç~
d e pro prie dad e e111 fa v o r d e un:_:.1 n:ulhc"r. :.1rgu rn ~n unclo que. dt
acordo con 1 J --u:i cliç1o afri c:1na . so h o n1en s p ock1rn te r po ··e

Co NcLu ÃO
_-\ Ch in:1 e :1 Afric:1 o ferece111 d o is c ~1-.o s irnpo rt:i n te.s cm que
n o ,·os tip os de conr:n o s inrern:1eio n Jis se> co n1 b in:1r:1rn com pr~· ·oe,
inrern::is p ::ir:i p ro d u zir mu d :1nç:1s sign ific:i ci, ·:i:-, _ O CL o ch ine
represe nt:1 unu hisró ri:.1 n1ais con1plc:-t:1 . p o rq u e º·" no , ·o:- cnntJto,
rên1 agido por rodo urn sé-culo e> p o rqu e :--e e ntre b çar:.1m com um
processo re,·o lucío nl rio fund.rn1encal. \lesn10 :.1ssin1. n o c:ntJílC()_
ern particubr n :1 zo nJ rur.il. h:i sin:.lis d e traços remanescente:,
do patria r c1do rr:.i dicio n al. Os c· xen1pl os afri c an o .:- .<1 0 m.11,
experimenr::iis. porque :.l.S pre_·sãt's fL"rni nisc:1s incern:1c1(1n:1b ,.io
m.J.is n o , ·a..s e incer:igc m Je fu n11:1 con1ple x a corn Lb prinop10~
n acio n :1.lisL:b . .\Iu ito rn .:1i.-- J o q u e n.t Ch in :.1, ê a J2n1 d is~o . o~ OLAL~
, ·alores luun1 o m dcecrior:1ç(x~ cco n ô nlicas . e J S o p orrunid.1Jc,
de traba lh o pro d u ri \ 'O p.ir:.1 :1., m u I herL'S sj o L·o m fn.:qu~ncu
restring idJ _.., _ Co nrudo . <xDrrerarn gr:1nde~ n1ud:tn 1,; :b em :imtx.,,
os casos. e: r..:i h ·ez :1 rTt:.11 " in1po rta nrL' ~c j:1 :1 con suenciL I ·:"tu J.1:-
n1ulheres. :i m e d ic.b que h:íbiro " prufund~1n1L'rHL· :l rr:l ig:1d ,~ for.u 1
ju staposco~ com u ma ,-~u ít:(bch: d e ., i n :tl i z: 1ç ü es JLh ·1nd.1.:- k
m o \ ·imenros rn:lis inrt: n1:1cion :..1 i .

pARA SA BER ,\ ti\ 1S


. ' 1 ( ,1 ) T u .. . . I \ (/ ( /()11'
_Ta nice ·"~r 1 c u . . 1 () r>t'l) tnf.< _{/ n d & -')v"J nt/. f->ifl., lm~h '- " " ' th<' { 11Jft.'t · ft'=-'
Fourth U orld Conjéreuce (j f1 \t o nu.•11 ( Prlt-.bu rgh · l.'11 i,·crs 1ty o f P1tbl )u~l 1 p L'[i
1998 ). Sobre::- ~1 Ch ma : Eli~lx--rh Cro ll , Femin i.sm and Socitiiism lrt Cb i m t <LunJ i·.
1 / •
e . B_o con : Ro urJ~--c.lgl" e ~ ega~- P:tul. 19~8 >: Chri~r in:1 G ilm:.irtin . Enµt!rtdt•fl:~t' i'.
Cb111ese ~ elol u~1o n :._fb_d1 c_~~ ~ o rrn:n: c _ o nununi.')I J>o liric-. :rnd .\-t 1:·-. _\lo , c.· 111; ,,, ,, . •
rhe- J 920~ ( Berkefe~ . l nJ\ t: ~1~ of C.difumi::i Prt:'~:, . 199:; ): O no K.:..t zL1.l--o . _ ,r,if'
u·omen in a Ce-n !Lff) _o/ Rez '<>l utio n . J&5/J-J 9 50 1 Swn fonJ : sunt o rd l ·• 11 ;~,1 .
Pre~., . 1989 ): An f D irltke e::- .\ .tauricl" :\.1ei~n e r ( l_, 1..., ) \.J, , ....... ..-,m t1 rul 1/1< · ( 1(_
. , ~ ' ' . ' •"'" · ·11.IÍf
E\pene nce-. h~ue~ 1n Conte mpo r,u y Ch ine:---t: ~,ci~di~m I rmo nk . "' . \ I [· "
No V A s 1 1 L urN e I A 1 1N 1 1 R' A eIo, A 11 233

9); Shirin Rai, HHary P'.lkington e Annie Phizacklea (eds.), Women in the Face
198
oJCbange-. the Sov1et Uni~n, _Eastern Europe, and China (London e New York:
Routledge , 1992). Sob~e a Afnca : Rebecca Cook (ed .), Human Rights of Wome11.
National and l11ten7at10 11a/ Pe,~--pecti1;es (Philadelphia : Univer ·iry o f Pennsylvania
press, 1994) ; Catherine Coquery-Viclrovitch . Afn·ca11 U'lomen, A 1\tlodern History
(Bounder, Colo.: \.Xi esr,;iew Press. 199 ): Cor:.1 Presley, Kilmy11 Women , the Mau
Mau Rebellion, and Social Cha11ge i11 Ke11ya (Boulcler Colo .: We rview Pre:-;- ,
992): Bolanle A"-·e et :d . kcb.). \\' 'o 111e11. Fmni~l'. State and t:co110111y i11 Ajn·ca
1
(Chicago: U ni,·ersiry of Chicago Pre.s.s. 1991): Sue Charlto n, lr-'0 111e11 in 7bird
\flor/d Del'elopme 11t ( Bo ulder. Colo.: \Ve.sr,·it'". Pre.ss. 198-l ).

1
.....

CL1LT U \ DE · 1 N _· u , 1 O I N TE R1 1\ C 10 1 AL:
l U r : TA J D ) 1,\ \ f1 . rO

l ·nu '-LL n,, .L I tA·n\. ...... '- u iruu1, tlll(xJrt:Jnlt.' do .., ·culo '(.\.
'iJ t" \. fL· . l.. . l <.:.H.L1 (. . \.. •• l Ll ~·(1 \ u:, t: ;1 prur:1 .1:1 ·~1 0 d ..1 culrur..1 ck
1

con.,umt, h pru<l u d1 ~ -nu J lll· "c l 1rcr:tlmt.·ntc- p )r todo u


;".<,bo Fdn1'., e l.~ t H.: _• .,... de, L-.t\ 1 , ..........10 t!llf xu ln -. d ,-; rn:t1< ) fL':--
u ..-nrrc'"' - d< f:..-.t.lJu .., l ru ) p. t l qul rrn.·ntc 1n. t, Ltnü ém d , J. tp~'l o
e de o u ro , pouuJ, • 1'-rtrHc" 1ndu . . u1:11" ) cun u . . e " JX.tlhan1--;<-•
:i pJ.rttr J o mt.· 1110, L crttr,, lfH.iu-.,crut..., hu 'l :tndo -.. o l e lo -~11..;
·\( 1co-,, e t (Jffic1.. e n rn, ,de lt >' , 1, t r- 1.k . ,.o fi'>llL':L --.1u Iw xl ·rn:1 t\ 1u itt h
0t· · '.llonrcun cncc,, ri:-m ut1pl1l:t1,_ (>t: de ·nero l--' no fi n~Ll . l h
ilmt·~ e u-, cu n ... u, :a. :du111 1 ruç,or 1on;1ndu '-·u nu··.1.:-cl·" '-1t~.1nÜl1u >S
J l· t-sti l<J e :qX .trL·f c 1:1 r:H: t :1, tr.1<.1 1~·0 "+ r q.~t U lUI "
Ei., :1q u1 u 1u n u vu ctp<, Jc Lunutu L·ulrur:tl . qu · difere 1..k' i n -
!luênlia .. j:i um.ht:cid: 1 , lk rcl 1g 1:l u u u 11 H_:-.11 1t > idc.:olugt:1:,; ~t.·1..· u -
larl·-, con1u u rll Jr.xi"nH.J E con1u o fcn ..m,c:no C.:· n u , u e..· <. b rt.·-
1., uJwdos uifu~o-. , :und:i n:iu hj um t.:~ruclu pr .>fundo du unp..1u 1.. 1
d3 cultur~t de- c un~urn <> intcrn:1cio n:tl . O qut.· j:'l ~<..· ":tbl' -" Ligt.· rc
P<>v,ihilic.bJ<..·-. bern conrr:iuir,,>ria"- Em :tl g un:-- c:1:-,0 ...; _:1 t ' _ p( _,._j ·.in .1 1..1
e (>n-..urnis1nu internacion :t! gt:n)U rjriuas L' clr:1n1.ltÍl':l.-.; rnud ..1n -:1-- t.' ll l

1·r >n 1ron amc-nto.'-i Ut.' ~C:-nero . En1 uu tn>~ l ':L~()~ :1 lllc..':-. tl\. l L' ." f)<.hi1._·.'1c )
n:io l t:v<.· q u a..,c nenhun1 irnp~1ct< >. P:1dn){_·.., rn:11s n )f1\ <..' r11.. ·1<) t1 :11:-- d<..·
~'. i;it ~it( , tivt:r~un , C< m i fr ·qu (·rH.·i ~i . r1..·s u lt:1dc,s di, <..T:--t ,., . J..._..._,n, . 1.. k•
1 i, ,
· 11 111;1 fr )rrn;i l.,....,...: k ·ciu l · l k' n.::ic<·> •, e :q1c n :1:-- llf11 c: 1,<1 t ' '. tn: 111< ) _
--11 -1'
~_Jt, 1 \.'l \t l ,\
-- - - - -
I' .\ '
--
1\ 1 l \ 1.,. ~'l i ' l'I \; í N I H\'- - - - - - - - - - - - -
---
e1nbor:1 surpreendente, de un1 result;1clo co 1nu1n. Eis u,n assunto
ainda n:to resolvido . -
Hj questões nas próprias sociedades ge racl?ras. E óbvio que :is
regiões 111;1is ricas e tecnologic11nente n1:lis sotistic1cbs estej;1111110
centro cb cultura de consun10 internacio n al. Produze m os filn1es
n1ais exportados. Fornece1n turistas ávidos por prazer. No entanto
ne1n se1npre fica claro qu:d o i1npacto de estilos ele consu 111 ~
internacionais, 1nesn10 nas sociedades que os procluzen1. Milhões
de pessoas assisten1 aos 1nesn10s progran1as de televisão em países
con10 Estados Unidos ou Ale1nanha, 1nas nen1 todos os assimilam
ela 1nesn1a fonna. Alguns assiste1n con10 si1nples escapismo, nào
aceitando que o progra1na tenha ligações con1 ª·vida real ; outros
corren1 para in1itar o últin10 corte de cabelo de Hollywood, mas
1
1.
l se1n interesse en1 itnitar hábitos sexuais disponíveis no 1nesmo filme
' 1'! ' ou, pelo n1enos, sen1 un1a esperança realista de fazer isso - estudos
recentes de1nonstram conclusivan1ente que o con1portamento
sexual dos norte-a1nericanos, na 1nédia, é 1nuito n1ais conservador
do que se poderia itnaginar assistindo a progra1nas de televisão
co1no Friends ou Melrose Place, e alguns julgan1 que o itnaginário
retratado nos filmes deveria pautar suas vidas. Por fin1, nào há
evidências de que os filmes e progra111as realn1ente desafiem os
padrões básicos de gênero ele forn1a intensa. Na verdade, estilos
específicos e imagens corporais diferem da 1nédia da vida real,
1nas os filn1es, e1n geral, não pro1noven1 revoluções nas relações
de gênero. Ao contrário, pode-se afirn1ar que apenas exageram as
in1plicações de padrões bastante convencionais. Assin1, a cultura
ocidental há muito ve1n insistindo que um dos papéis das n1ulheres
é ser atraente: os filmes apenas realçan1 isso. A cultura há muito
reforça o co111po1ta111ento agressivo dos ho111ens: os fihnes apenas
dão à agressão uma coleção de arn1as fora do co1nu1n e efeitos
especiais. Os desvios dos padrões de gênero que já existem, em
outras palavras, são bastante superficiais.
Muitas dessas questões aplicam-se tan1bén1 ao in1pacto da cultur3
de consumo internacional em sociedades algun1 as vezes descrita5
como n1ais ''tradicionais". Não é de surpreender que a variedade
dos impactos seja tão grande quanto é nos lugares que irradia•~1 ~:
influencia, eles d e a ausenc1a d e ap 11cação
A • · na vida real ate,, u1n,l ..:l VId.
A •

busca de irnitação. Isso não significa que as influências do consumisilW



------ -- -- - - - - ----.'.C~l~
! l...!_f~U~RA~D~l~C~O~N~
S ~UM~O
~ l ~N~ll~K~N~
A.:._
C ~I ____.'.2~)7
O~N~A~I

lto internacional não preocupem os tradicionalistas. Exa1ninando o


oriente Médio, vimos coino os líderes islâtnicos criticaram o estilo
~, de vestuá_rio do Oci~ente e os filmes de Hollywood por seu potencial
10 de ron1punento. Lideres marxistas, também, con1 frequência se
es opuseratn ao consumismo por afastarem homens e mulheres de
o, seu propósito coinum de construir uma sociedade socialista. Nos
10 anos 1970, 0 primeiro-1ninistro russo Nikita Khrushchev num ce-
es nário de Hollywood, ladeado por u1n gnrpo de moças c~m pouca
es roupa, reclainou coin veemência da ênfase dada por Hollywood à
n1 sexualidade• Essas reações são, de fato, parte de um retrato con1plexo,
io quando 1nodas internacionais provocam esforços explícitos para
:JS reafinnar valores tradicionais ou alternativos de gênero.
3.S Há, é claro, muitas formas de consumo internacional. O blue
1e jeans primeiro apareceu nos Estados Unidos como emblema
JS de masculinidade, passando a fazer parte do guarda-roupa da van-
to guarda masculina de Moscou a Tóquio. Depois deixou de ser símbo-
:Jr lo especificamente masculino, quando as n1ulheres começaram a
lO usá-lo. À medida que a moda ocidental foi ganhando terreno mundo
io afora, a image1n de gênero tainbém mudou. Elnpresas do Ocidente
1á identificavam com frequência cigarro com atividade masculina
)S sofisticada, associada a trabalho árduo ou proeza sexual. Da mesn1a
)S fonna, sociedades em que o cigarro estava muito presente, co1no
.1, em várias partes da Ásia Oriental, exibia1n grandes diferenças de
~s gênero no comportamento ligado a cigarro. Se isso teve um efeito
LS
., fundamental em definir os relacionamentos homem-mulher é outra
1

·a questão, e faz parte de questões inais a1nplas decorrentes das


tendências consumistas. Este capítulo se concentra em duas áreas
o de contato novo: turis1no e cinema/ televisão.
tS
,s
TURISMO
n
Os fatos são in1pressionantes. A partir ~o séc~lo ~x,. mas ~0111
a especial intensidade devido à recu peraçao da 1ndustna a pos a
.S Segunda Guerra Mundial, dezenas de milhões de turistas invadiran1
e resorts e hotéis por todo O mundo. Imensos c?~plexos foram
construídos em lugares coino Caribe e ilhas do Pacífico ~ara _receber
a americanos, europeus e japoneses e m busca de divertime nto .
o Dezenas de milhares de trabalhadores, saídos das á reas rurais,
:?J/1 11 1 ' 1 <l ll I A O A ) R t I A ~ ô 11 D l e;

passaram a servir os exóticos estrangeiros. O que aprendiam eles,


f N I RO
-
se é que aprendiam alguma coisa?
Algumas consequências foram diretas. Por exemplo, um grande
número de mulheres em áreas turísticas se envolveu no comércio
sexual. A partir de 1970, viajantes masculinos constituíam 70% dos
visitantes internacionais da Tailândia, e muitos deles estavam - e
continuam estando_ apenas interessados em turismo sexual. Esse
padrão con1eçou no retorno dos soldados convocados para o Vietnã
e se estendeu por excursões organizadas do Japão e da Coreia.
Grande nú111ero de tailandesas fora111 envolvidas nesse comércio,
trazendo co1110 consequência novas doenças e novos hábitos com
relação à bebida. Mesmo onde sexo era 111enos explícito, a exposição
ao turis1110 podia n1udar os padrões de recreação das mulheres.
1 Mulheres gregas oriundas da área rural e envolvidas pelo comércio
. turístico nas ilhas Aegean passaram a beber con1 mais liberdade do

r que as irn1às que ficaram em casa, e adotaram u111 leque n1aior de


(

1
1 interesses de lazer. Também incorporaram estilos mais urbanos de
se vestir e se cuidar (por exemplo, depilar as pernas e as axilas, uma
moda introduzida en1 partes do Ocidente no início do século xx).
Inovações semelhantes também se aplicam ao outro sexo. Na
Jamaica, alguns homens se especializam no entretenitnento ele
n1ulheres, que visita111 o país em turis1110 romântico, organizado
nos Estados Unidos ou Europa. Esses ho1nens adotam fonnas de
se vestir e cortes de cabelo diferentes - em parte ocidentais, em
parte típicos do local, como o "Rasta" (rastafári), mechas e desenhos
vennelho-verde-dourado que presumivelmente re1netem à heranca ,
africana e uma ligação co1n a música reggae. Ter caso cotn n1 ulheres
brancas significa "tornar-se estrangeiro", e os homens que fazem
isso se distancian1 da sociedade jamaicana.
O turis1no pode alterar os relaciona1nentos de gênero, propor-
cionando novas oportunidades de ganhos para as inulheres. Em
Bali, muitas mulheres declica1n-se ao a1tesanato para O turisn10,
aumentando sua condição econôn1ica. Tanto em Bali coino em
outras sociedades, 1nulh_eres dirigem pequenos hotéis e pousadas,
aumentando seus rendimentos. Nas Filipinas, certo número de
1nu1heres opt~ por ficar solteira por causa das oportunidades de
traba]ho nas ar:a~ de resort. Algun1as dessas oportunidades estão
ligadas ao comercio sexual Cem atividades organizadas por exibdos
- - -- - - - - - - - - -~C_1:_u_:__:LT~U~R!__A~D~l~CO~N~\~U~M~O~
i N~T..:._(~RN~A~C:._'_I~o~NA~l:.___~239

americanos, i~gleses ou australianos) e outras envolve1n trabalhos


coino camaretra, cantora ou recepcionista.
No entanto, _de forma geral , o tunsmo
· - parece ter alterado
nao
n1uito os pa~roes locais de gênero, apesar de divulgar novos
111o
delos . de interação ho1ne1n-mu Ih er e de proporcionar
· ·
cons1-
,, el 11npacto ec onoin1co.
derav " · Mesmo para aquelas pessoas que
" contat 0 d 1. ,, 11·· ·
111ante1:1 . _ ª 0 co1n turistas, os estrangeiros em geral
são e,:'oticos e _nao 111_o ~elos a serem seguidos. Preservar padrões
de genero mais tradte1onais pode funcionar como antídoto ao
status de subordinação que hon1ens e n1ulheres locais têm de
aceitar no trato com os estrangeiros. Os próprios turistas com
frequência buscan1 isolamento. Procura1n resorts que os afastem de
excessivos envolvünentos con1 as condições locais. A cadeia belga
de reso11s Clube Med, fundada em 1950, especializa-se em criar
estabelecimentos de estilo europeu, servidos por locais, mas co1n
pouco intercâmbio diário co1n as cidades e vilas vizinhas; mes1no
as refeições sào europeias, com exceção do jantar semanal de
comida típica. Uma abordage1n desse tipo evidentemente minilniza
o contato cultural efetivo.
Em suma, o turismo, con1u1nente, e1n vez de corron1per, reforça,
na questão econômica, os papéis de gênero locais. As 111ulheres sào
vistas como pessoas para servir, para produzir artesanato típico e
fornecer sexo aos homens. Não há qualquer revolução na divisão
sexual do trabalho ou no ünaginário. O trabalho na indústria do
turismo também não altera as tarefas do1nésticas. As can1arefras dos
hotéis, ao voltaren1 para casa, realizam a n1aior parte dos trabalhos
domésticos (junto com as filhas ou irmãs). Os p_adrões usua!s d~
subordinação feininina, ein sociedades do Bal_1 ao Pan~1na a_te
Filipinas não têm sofrido mudanças funda1nenta1s con1 a 1rrupçao
do turismo.

CINEMA E ESPETÁCULOS
Filmes e seriados de televisão amplamente ,,e xportado_s, e 1n~is
recenteme n te os vi'deogame''".,, alcançam um numero 1nu1to maior . _
de
. pesso d
as o que o tuns . mo . Embora a área rural
. tenha
_ expos1çao
._
~1tnitada a eles, e alguns governos restrinjam as importaçoes,-~ ace~~~
aos proclut os oc1.d enta1s
. e JªP
. oneses se espalhou exponene1,1ln1ente
..
l -lO f-1 1 1 1 O RI A OAI R I l AÇ ó I S O 1. G I N I R O

durante O século x:x. Hollywood tornou-se a capital internacional


do cinema nos anos 1920 estabelecendo sucursais de distribuição
) /

não só na Europa como também no Egito, Africa cio Sul, América


Latina e Japão. Depois da Segunda Guerra Mundial, o cinema e os
programas de televisão tornaram-se o segundo item de exportação
dos Estados Unidos. Centenas de milhões de pessoas puderam
assistir a seriados televisivos populares corno Baywatch. Também
foi através da televisão que o esporte profissional, e1n grande parte
tan1bém originado no Ocidente, ganhou massivas audiências. Mais
de u1n bilhão de pessoas assistem à final do Campeonato Mundial
de Futebol, a maior audiência jamais vista.
A exposição aos enlatados pode ter enormes efeitos. Nas Ilhas Fiji,
no Pacífico, a televisão surgiu em 1995. Os programas locais eram
limitados pelo custo da produção. Como resultado, o único canal
de TV apresentava de forma massiva programas de grande audiência
a1nericanos, britânicos e australianos, entre eles Melrose Place, ER e
X ena, a princesa guen-eira.Jovens mulheres, expostas regularmente
ao imaginário ocidental, punham em xeque o padrão estético de
suas sociedades, que valorizava corpos mais roliços, e optavam pelo
modelo divulgado pelas estrelas ocidentais. Assitn, nu1na cultura que
.1 tradicionalmente promovia a boa mesa e via a perda de peso com
preocupação, um grande número de mulheres con1eçou a lançar
1
mão de medidas drásticas para ficar magra. Em três anos, houve um
I
1 ' aumento de 500% nas ocorrências de bulimia, com garotas no final
f
1 da adolescência se impondo o vômito para perder peso.
O contato com o esporte internacional ta1nbé1n teve certo
impacto, embora os resultados gerais sejan1 difíceis de medir.
Constatou-se, por exemplo, aun1ento da participação das 1nulheres
nos esportes, e1n particular depois da Segunda Guerra Mundial,
como resultado da imensa divulgação das competições nos Jogos
Olímpicos. No Ocidente houve aumento do interesse feminino pelo
atletisrno, ao lado de uma nova onda de feminismo que emergiu
nos anos 1970. Os países cornunistas prornoveram com entusiasmo
os esportes fernininos con10 parte do empenho atlético nacional.
Esse esforço acabou inspirando mulheres de várias partes do
111 undo. Surgiu, por exernpl?, un1 nú1nero grande de corredor.1s
bem -sucedidas no norte da Africa, apesar da oposição dos funda~
rnentalistas muçuhnanos a esse tipo de atividade pública .
r

I fl 1 1 1, H /\ t \ 1 , 11;. 1 ).•11

\)L' fonn:1 ger;l\ , ;1s :\\ U;\ is


. , · ...iv.i. 1.1açocs
_
sug. •. .
Cl'L'~L'L't1\l' cxpos,\:ao ~\ rnídi·1 . t· • . .. . c 1cm que <> impacto da
.. 111 e 1na c1on:. tl rns 1. ·1- -
~ .. e d~_;ocs e1e gcncro
A

fni ~urprL'c.:: t1dL't1le1ne nt e ,nodes e.·


1
· lo . o , c1m pou c 1s a · · 1 1
. \)crt:is p e \ :1 consc ie ntiz~ir·'i e.· s opon.un1c ac e~
·1 . ..... .: • 0 e.Ie rn odelos cl ~ ~ ·
no :\\kt1s1no . Novos inodisrno , ., . . 11 . o exl<::'.nor - corno
s espc1 ,ararn-sc.: mais . 1. d
questões d e :qx1rênci~, _ rn·-is se 111 . . · · - me uin o
. . "., ,. , , . ' .. • · uniformidade nos resultados e
:\\gutn..\ s pessods cont1nua ra n, d'f 1 '"'. ., . ·,
__ . . . . .. _. . eie nciJ ndo o q ue v1arn daquilo
que busc.iv •
..nn p:u~1 .
st. O t·unch rne 11 t,· \ , f·
" a so I eu po uca alteraçao. -
Um estudo de _ 1994 sobre "-1 rníc\i··,"' e m Ugane.la, na Afnca , . One · . ntal
mostra un1 pac\rao con,un1 .
. Os -e rviços ª •
de te 1evIsao · - e rac , 1·10 perten cem'
;io
. goven10. Con1b1nan1_. . noticiários~ nacio n-"11·s eom mui·tos progra1nas
nnportac\os,• pnnopaln1ente

na televisão e. .
Ass1·1n , so b o pa t roem , 1·0 d o
goven10, fo~ a 1 ada ~u~a espécie de "Secretaria da Mulher", c01no parte da
progran1açao televisiva; o governo de Uganda ton1ara-se consciente da
necessidade de fazer n1a is pelas rnulheres , e1n parte en1 decorrência
da Década da Mulher pro1nulgada pelas Nações Unidas. No entanto,
a Secretaria não possui fundos próprios e ocupa apenas 2% do tempo
da rede. Alén1 do n1ais , as representações das 1nulheres na mídia
pouco reflete1n as n1udanças que atuahnente ocorrem na sociedade
ugandense. As n1ulheres sào raramente retratadas trabalhando fora de
casa, e as assertivas são descritas con10 insubordinadas e arrogantes. A
maior parte dos filmes e programas de televisão i.tnportados respaldam
essa visão. Nesses progran1as e fihnes de televisão, as n1ulheres
são n1ostradas como objeto sexual e os homens, corno predadores
sexuais naturais e legitimados. As 1nulheres que se sobressaem
geralmente se utilizam de atrativos sexuais, e não de qualquer outra
capacidade. Segundo relato de uma unidade das Nações Unidas sobre
espetáculos iinportados e produzidos localmente, as n1ulheres são
geralmente retratadas coino depende ntes (esposas, mães e objetos
sexuais) e "rarame nte mostradas co1110 racionais, ativas ou membros
detennmados da sociedade".
São muitos os fatores e nvolvidos no surpreendentemente super-
ficial 1·m pacto d a expos1·ça- 0 à 111ídia n as ch amadas sociedades
. .
tradicio na1.s. E1n pnme1ro
. . lugar , as pessoas en1 geral d1st1nguem
.
entre · . ºd real Em alguns casos, os diferentes
entretenimento e v1 a · .
comp rt d s ao espectador pode1n tornar ma is
o amentos apresenta o , _ b.
aceitá . . _ . • as em vez de levantar questoes so 1e
veis as restnçoes cornque1r ,
t \as. Muitas culturas criara1n histó rias de heroínas, sem pron1over J

~t&
2-l 2 H,, ,l' 1t I A D A, 1< , , A ç O , , 1) , e; rN 1 1t v

assertividade feminina em situações do cotidiano. As mulheres poden1
se divertir com histórias que as ajudam a aceitar os confinamentos
ele sua vida diária . A nova mídia parece n1uito diferente, por sua
qualidade internacional e sofisticação tecnológica , mas pode apenas
reproduzir situações familiares. Diante de wn progra1na estrangeiro,
com atores e situações que são evidentemente diferentes das de seu
cotidiano, a capacidade das pessoas de separar o que gosta de ver
ele con10 quer se compo1tar pode aumentar mais.
En1 swna, a própria mídia internacional dificilmente funcionará
con10 baluarte de inovação fundamental na questão de gênero. É
(
revelador que algumas das mudanças mais dra1náticas que a mídia
(
promove, corno as mudanças nos hábitos alimentares das jovens,
envolva1n não novas afirmações de poder, mas u1na redefiniçào
do que é preciso para se tornar bonita e atraente sexualmente.
É fácil concluir, dos programas mais assistidos no n1undo, que o
patriarcado continuará reinando: os ho1nens decidem as coisas,
as mulheres se empenham em agradá-los. Esse efeito é realçado
pela seletividade dos importados. Espetáculos americanos e
europeus que mostram as mulheres em situações nova-iorquinas
e que drarnatizam 1nulheres como decididas não são, em geral, os
que recebem divulgação internacional 1nais ampla. Não é de se
surpreender que seja o estilo, mais do que a substância, que esteja
sujeito a alterações.

CONCLUSÃO

O avanço do consumismo internacional é u1n fenô1neno novo e


seus resultados até agora são, no tnelhor elos casos, experünentais.
Isso pode mudar. Uma elas lições de um estudo do contato
cultural é que os primeiros resultados pocle1n ser enganosos. Com
frequência, leva muito te1npo para que os impactos 1nais profundos
da exposição a alternativas penetre numa área tão pessoal como
a de gênero. As ca1nareiras dos hotéis podetn estar aprendendo
novas n1aneiras de tratar meninas, ou como as esposas podem se
dirigir aos maridos, que serão in1itadas 1nais tarde, em gerações
subsequentes (para n1elhor ou para pior). Tentativas de imitar
vestuário ou aparência ocidental, que afetain particulannente os
jovens, podern obscurecer os esforços para introduzir 111udanças
( U l TU ~A D [ C O ,' I S U .\\ O I N T E R :-J AC I O -.: A l 2-tJ

fundamentais na fase adulta subsequente. Ta1nbém podem, é


claro, desviar a atenção desses esforços, e as mulheres ficare1n
mais preocupadas com a elegância e as roupas do que com outros
assuntos. É difícil saber, nesse 111omento, o que acontecerá . O
consurnis1no internacional é um fator novo nas relações de gênero.
pode, no final , conduzir a 1nudanças ünportantes, e mes1no uma
maior hon1ogeneidade e1n torno de 111odelos comuns. Os resultados
precisam ser monitorados, con1 outros fatores que configuram os
relacionan1entos entre hon1ens e n1ulheres.

PARA SABER MAIS

Sobre o impacto da mídia , a revista Media, Culture and Society é uma fonte ex-
celente; começou a ser publicada nos anos 1970. Sobre rurismo: M. Thea Sinclair
(ed.), Gender, \Vork and Tourism (London: Routledge, 1997; também a re,·ist.2
Annals o/Tourism Research, que igualmente apareceu nos anos 1970. Parn uma
visão histórica mais geral : Theodore von Laue, nJe \'(ior/d Revolurion ofrresterni-
zation (Oxford e New York: Oxford Uni,·ersiry Press, 1987).
CONCLUSÃO

PADRÕES E TENDÊNCIAS

Um olhar geral sobre os casos principais de intercâmbio inter-


nacional que afetaram os relacionamentos hon1em-n1ulher con-
vida a três avaliações. Todas respondem a esta questão: o que
acontece quando alguém se move das boas histórias individuais
para a investigação de padrões mais gerais? A priineira avaliação,
e pode ser breve, envolve o leque ele contatos propriamente dito.
A segunda, busca generalizações nos resultados do contato sobre a
questão de gênero e a verificação da emergência de algun1 eventual
padrão. E a terceira olhando sequencialmente os casos históricos
'
procura descobrir alguma tendência ao longo do tempo. '

TIPOLOGIAS

Usar os efeitos sobre homens e mulheres como um recorte


Privilegiado para examinar a natureza dos intercâmbios culturais
~onduz a grandes revelações das características dos próprios
tntercâmbios. Estudiosos da história mundial enfatizam o contato
corno um apoio de seu ambicioso tema, uma forma de relacionar
., ~~~~~~_.:"~L_l:_L~Aç~O~L_:__S_!:D~l~G_l:_
I. ~N R~º- - - -- - - - - - - - - -
~
:_.'.I.
~Ó H I S 1 0 R 1 /\ D /1 S ----------

. . •d · a um processo mais amplo p


as sociedades mdivi uais . , or vezes
. - de gênero ilustra con10 os contatos p d
global. A d nnensao . ,.. . o em
. d d 1 ser desde um interca1nbio casual e lim·
ser vana os: po en . _ ltad0
/ .
ate a1go 1nais co 1n plexo coino .a introduçao ele uma nova reli· .,
g1ao
. ten1a culniral estabelecido. Podem se da r entre ociedactes
nu1n sis LL / • • •

relativan1ente iguais, n1as tambem por_ineio de u~a ~irtual coerção


cultural, con10 quando a Europa Ocidental ~e unpos aos nativos
an1ericanos, coin alternativas entre esses dois extremos. Além de
variado, 0 fator de gênero é consistenten1ente complexo; mesmo
a imposição cultural mais evidente deixa de gerar os resultados
esperados ou desejados.
os contatos tambén1 determina111 conexões inesperadas. A
expansão do islamismo incluiu uma interação com outras práticas do
Oriente Médio como o uso do véu; o cristianismo, com frequência,
viu-se ligado a definições ocidentais pouco usuais da vida familiar e
doméstica; o consun1ismo internacional combina elegância e estilo
com mensagens sobre o compromisso específico da mulher com
a beleza, uma mistura de aparente liberdade e novas imposições.
Os pacotes de interações estão desordenados.

IMPACTOS

Que papel desempenhou o intercâmbio cultural em confirnnrou


mudar os ideais e compo11amentos dos hon1ens e mulheres? Aqui.
0 exaine dos tipos ele contatos na história n1undial que afet::u-a 01 as
relações
/ . d e genero
" ·
sugere chversos · ·
aspectos genéricos. O pruneiro
e sunplesmente cautela: cada caso de contato é diferente coin
co~sequências muitas vezes co111plexas e difíceis ele prever. N;10
existem "leis histórica " , ver
s nesta area. Assin1 o contato pode pro!110
melhores condições pa . ' ens.
ta as mulheres en1 relação aos 11001
ou exatamente O cont , • ,. ·, urn:i
. _ rano - ou ainda com 1nais frequeno.'1• .
com b maçao cios d · A . _ , . , d dJ:i
influências e t ois. vanaçao depende da complexid:1. ed· de
x ernas mas ta b , d -oCl~ ,1
receptora, razão ela, -~1 em dos costu1nes ~ ~ iQ.L1~1iS·
A variaça-o t pb, qual dois casos nunca são exatamente "'1 uíls
am em se e . · Ag
contatos afeta xpressa nos padrões de t1m1ng. n~t'
ran1 com np·d d I ol11e .
mulheres· foi O ca. d e . 1 ez os co111portan1entos e 1 1 qt1t'
, so o un 1 . . t>tl
rnulheres pudera111 - pacto do budismo na C 11n,1. . --,r ti'
usar o bu 11·. . nt',1,.
e sn10 com o escape . setn .1 i
--- - --
. ·l·,cion:1111cnlos
ll • .
fund·11ne~
._ 11 t··i,·. 1 "
, s L t' generu. Por cc-rto, os conLllos

qltl
, envolve111
. .
11nposiç·'1o . · ,
, . . .. , co1no ~1 tncursao europeia n~1s An1éric1s,
1L... ,,, Utll et('tlO r~lj)tclo , 111·1.:-
0
'._
·11 guns contttos apenas dao' certo ~1
longo ,pr~tzo, "cot~lo ~ in11x1cto cio isla1nis1no em regiões c1~1 Índia .
ha const-1 0 ·u··1,.... t1·c1• · s ..,
NFtc)
, .
nc,as· o" .. • as . e1 ..1 que a 1guns cios novos contatos
t~,,..:t·1bdec1clos
• no n1u nclo cio v...:e' cLtl o ,-x. ta 1111Jem
, so t·rerao
- v::tnaçao
· - no
período que leva para detenninar resuludos b{1sicos? · ·
As cr~nç~is e instituições que cercam as interações homen1-
111ulher sao extren1an1ente in1portantes em qualquer sociedade. Co,n
frequência, parece111 ser parte ela iclenticlacle ela socieclacle, e ela
identidade cios indivíduos no seu interior. Constantemente, ele fato,
p~uecem Verdades Absolutas - baseadas na natureza humana ou
no co1nando divino - e fechadas a alternativas. Essa é a razào pela
qual a troca cultural pode ter pouco efeito, en1 particular quando
duas sociedades e1n contato são pouco parecidas, de forn1a que
o empréstitno n1útuo pode ser ben1 seletivo. Assin1, a visão que
o Oriente Médio tinha da n1ulher não foi a1npla1nente in1portada
pela África subsaariana, 1nes1no quando a religião, o islan1isn10,
foi adotada; da 111es1na forn1a, as trocas iniciais entre a Índia e a
Grécia, depois dos contatos de Alexandre, tivera1n pouco resultado
nos padrões de gênero. Quando as trocas envolverarn n1aiores
desigualdades, con1 u111a sociedade poderosa in1pondo-se à outra ,
o empenho e1n alterar os papéis n1asculino e fen1inino pode, no
entanto, ter sofrido forte resistência, 1nesn10 quando outras ofertas
culturais foran1 aceitas. Isso, é claro, é outra razão de arranjos de
gênero continuaren1 a se diferenciar, n1es1no quando os contatos
internacionais se estreita1n.
Outros arranjos sociais ele gênero são difíceis de entender. A
história dos contatos culturais está cheia de exernplos en1 que
estrangeiros ben1-intencionados silnples111ente não consegue1n
compreender O verdadeiro significado dos papéis de hon1ens e
mulheres quando diferein dos de sua terra natal. Eis aqui outra
razão pela qual O contato cultural produz n1enos 1nudança cio que
alguns pretenden1 (ou produz resultados inesperados).
Os contatos são, con1 frequência, 1nultifac~tad~s, o que co1:1plica
qualquer itnpacto e pode anular ou red1rec1onar os esforços
reformadores . o cristianisino 1nissionárío en1 geral se con1binou
coin rnudanças econôinicas induzidas pelo co1nércio colonial. An1-
/ , .~ _ l1; ~ 1,, " ~ ·'_ , , A 1 ~ 1 1 A L () 1 \ D 1 ,; 1N I R[)

has ~,s forç 1s pocli~1m encorajar a domesticidade elas mulhere , mas


os esfor~~os ecluc.itivos cristàos e o deslocamento econôtnico nào · e
cngren~ram tJo facilmente. O feminismo internacional no éculo XX
pressionou por novos direitos, mas O aun1ento nos diferenciais ele
e mprego e ntre homens e mulheres en1 algumas sociedades exigiu,
por vezes, uma atitude 1nais defensiva . O impacto do consumismo
t.1mbém se opô ao do feminismo, outro entrelaçan1ento cio século
xx de importància literalmente global.
No entanto , em muitos casos, o contato produziu tnudanças ele
fato. As pressões de uma cultura poderosa crnnbinaram-se com
inleresses ele alguns grupos na sociedade mais frágil. O impulso
comum de sincretismo teve res ultados con1plexos: algumas
sociedades tenderam a adotar alguns aspectos da outra sociedade
e combiná-los con1 ele1nentos da terra natal , criando um sistema
que diferiu tanto da· tradição, quanto do modelo estrangeiro. (O
novo siste1na, por sua vez, foi eventualmente desaprovado tanto
pelos conservadores locais con10 pelos observadores estrangeiros.)
Por outro lado, houve tambén1 uma con1plexidade decorrente da
tendência de grupos-chave - homens em particular, sexo que
usufrui de status mais alto - de usar gênero para se compensar por
proble1nas en1 outros aspectos advindos do intercâmbio cultural.
Assit11, quando os hornens sentem sua situação econômica ameaçada
por novas relações co1nerciais, ou seu poder político subvettido
por controle externo, por vezes recorre1n a mudanças nas relações
de gênero para ganhar algurna nova vantagem. Esta é outra razão
pela qual ideias itnportadas têm consequências inesperadas; e os
ganhos das mulheres, advindos de novas concepções, pode m ser
revertidos pela deterioração en1 outros aspectos.
1 Usar exe1nplos históricos, em sun1a, ajuda-nos a buscar n1odelos
i
de sincretisn10 ou esforços de poder co1npensatório, quando um
novo caso de contato cultural se apresenta . Isso é mais do que um
exercício acadêntico. As sociedades de hoje e no futuro continuarão
3 desenvolver novos padrões de interação que poden1 colocar em
xeque os arranjos de gênero estabelecidos. A Gue rra do Golfo, em
1992, por exernplo, levou grande número ele n1ulheres 1nilitares
aniericanas para a Arábia Saudita, un1 aliado crucial dos ainericanos
no conflito. Os sJuclitas e nfrentara1n evidentes dilemas sobre como
agraciar o pode roso arnigo, enquanto 1nininlizavan1 05 impactos
( ll N C I li IA O 2.J')

lo~ co~tumes de gênero americanos sobre suas 1nulheres; e os


t b, . l
. cric:1nos tam en1 t1vera1n ele evitar ofensas, respeitanc o , por
1111
~-~e 1nplo, os códigos de vestuário locais ou restringindo atividades
iiblicas ele suas funcionárias . Precisa1nente porque as ideias e
:,,{iticas a respeito de ho1nens e 1nulheres continuam a diferir mui:º'
111 esmo com o aun1ento dos contatos internacionais, a questao
continua. A história dos gêneros-en1-contato não permite prog-
nósticos precisos, n1as sugere algu1nas questões e possibilidades
analíticas con1uns.

MUDANÇAS AO LONGO DO TEMPO

Terá havido tendências na história do gênero-en1-contato ao longo


ela história mundial? Vimos que algu1nas das estruturas importantes
que ajudara1n a configurar os resultados dos intercâmbios mudaram.
O aumento ou expansão das grandes religiões mundiais constituiu
um novo e importante componente nos contatos internacionais
do terceiro século e.e. em diante. Mais recentemente, enquanto as
religiões continuaram a afetar os relacionamentos entre os homens
e mulheres, sistemas de valores novos e mais seculares, como o
consumismo e o feminismo , vieram desempenhar um papel maior
nos intercâmbios culturais.
O intervalo entre 1SOO e 1900 distingue-se do que veio antes
e depois. Foi o período em que os contatos culturais sustentaram
um rigor maior nas relações de gênero, apesar dos ataques a
símbolos específicos de desigualdade como o sati. Os padrões
europeus, quando afirmados em outras sociedades, apresentaram
algumas limitações embutidas (por exemplo, ideias sobre quais os
trabalhos adequados às 1nulheres ou que direitos de propriedade
elas mereciam ter, ou o que significava respeitabilidade sexual), e
ª insistência dos europeus na superioridade de seus próprios valores
com frequência reduziu a flexibilidade ta1nbé1n. Comparados
com influências internacionais anteriores, os europeus de então
ofereceram alguns componentes distintos. Também houve reações
ern
outras sociedades, quando os homens procuraram exercer
nova autoridade sobre as 1nulheres para se co1npensar de insegu-
::nças e limitações vivenciadas à medida que o poder europeu
an1pliava .
·''°"t l tl 1 , 1 , , 1l l \ 1,~, U~lt\1..,l) I \ Ili \ ~~ N ~
111
_ _' -- -- ---
Fm contr:1stc, os rcsult :1dos cio interc:,mbio ~,nt·eri o r a esst:
período forarn com frequênci~t vari~1clos, raramente subve rt e ndo
p:1clrõcs ~tnteriores , mas se 1novenclo par~, cliferen_tes direções em
potcnci~,I. Assirn , o impacto cio buclisino na Chma durante un1
tempo criou novas alternativas, enquanto a influ ê ncia chinesa sobre
o Japão ilustrou outro caso ele u1na sociedade poderosa impo ndo
algumas ele suas rigicleze ele gê nero por n1eio cio contato.
E sobre o século xx? A imposição dos valores ocidentais per-
maneceu poclero ·a, 1nas estes não eran1 1nais os ele antigamente,
e m particular à me dida que incluíran1 definições mais vastas
dos dire itos das mulheres e um compron1isso oficial par~• com a
ecluc1ç~10 elas 1nulheres. Alén1 cio n1ais, o declínio do colonialismo
au1nentou o poder de outras sociedades de apontar as limitações
cio cenário "ocidental" - e lin1itações 1nes1no na capacidade do
fe1ninis1no ocidental ern definir o que era bo1n para as mulheres
ern outros lugares. O contato internacional, incluindo o papel
das organizações internacionais voltadas para questões de gênero,
viu-se n1ais faciln1ente associado no século xx co1n refonna cio que
con1 reforço do patriarcado, embora a avaliação ainda seja con1plicacla.
Con1 certeza, o co1npasso mais acelerado dos interc~tmbios
internacionais tomou os arranjos alternativos ele gênero n1ais visíveis
cio que nunca, pressionando as sociedades a dissimula r, resistir
ou se adaptar a novas fonnas. Essa é L1111a pressão por mudança
que evidente1nente se estende para o século xx 1 que está em
seus prirnórdios.
1

Ü AUTOR

Peter N. Stearns é diretor e professor de História da George


\bson Universit:y, autor de A infância (publicado no Brasil pela
Contexto), Consumerisn1 in Wlorld History (2001) e Western
Cirilization in \':Vorld History (2003). Publicou ta1nbé111 The Global
E\perience (2005) e Wlorld History in Brief(2004).

\
1
1
AG flADECI MENTOS
1

\
·1

Agradeço a Tom Sweterlitsch, por seu excelente trabalho como


pesquisador assistente deste livro, e a Joanne Ursenbach, pela ajuda
com o texto. Agradeço também aos 1nuitos alunos de história geral
nas universidades de Carnegie Mellon e George Mason, pelas novas
ideias que forneceram para o ensino deste te1na.
estilos sensuais de vestuário e
uma \·ariedade de papéis pro-
fissionais para as mulheres? En1
que medida o i1npacto de novas
ideias r_eligiosas, · o saldo das
conquistas coloniais, a atuação
de organismos internacionais
ot.1 a difusão global de hábitos

~~/ '·.:, ··
ero? • -
'
·, . .,. --
. .
~ória das relações de gê-
-
nero trata de .interaçôes entre
Lk·finin'>es de masculino e fe-
minino, os 1x1pC·is designados
p :1r:1 home ns e mulheres, de

um Lido, e encontros entre

culturas diferentes, de outro.


P:1r;1 responder ~1s que stôes

acima , o ~tutor divide o livro etn


tr(·s JXtrtes. Etn pritneiro lugar,
enfat iza :ts ci\·ilizaçôes cbssicas.
\:um segundo mrnnento, trata da
l'\J):ms~to europeia. Por últitno,
L'SLTe\·l· sobre o século \\, con1
Lk·suque JXtra ~ts itnigraL;óes e
:1s inrlu0nci~ts internacionais.
• •• ! •, ~ : • , -:' e '

. \ - -'~~~~ft-.~\:,{: /" <,:· ~


~JGM,,;,. J~G:;, ~ .
RELACÕiES
' or·GÊ'NlRO./·
- . ,
...,. . •. '
.
; _.,_
.
.... ~-~ ' ., ,
. "'-, ' . '1 •.
. . ,·• ~"½~ ··-Y

"' ··,
.•, •. '

·;ti":"
História das relaçóes de gênero é u111a exploração fascinant~-1. do que
•.;: . ..
ocorre con1 as ideias estabelecidas sobre ho111ens e 111ulheres-qua_ndo sistemas .~
' .

culturais distintos entrat11 en1 contato. Valendo-se de tuna grande varieclade de:(
exeinplos, da pré-história ao século XXI, e abarcando diferentes sociedades, da ~
d1ina às An1éricas, da África ao norte da Europa, passando por Oriente Médio, ·j
Rússia, Japão e Austrália, o historiador Peter N. Steams delineia o quadro_dos
encontros culturais internªcionais n1ais significativos e seus efeitos ~obre as •
relações de gênero. ~:·";~~': _· . -~::;-,
O in1pacto do islà~~sij{9 -~ as práticas de gênero do Oriente Médio
na Índia e na África-.st &; :1,~ â,n_a~ resultado dos contatos da China conl .ª
condição fen1inina : :ntre itr:p~nesê.s e~n1ongóis; a influência colomal eur~peta .
, . 1' 1· •Af' ...,..,~ - A'ffl'.< ,!'" , . , ciona1s no
na Amenca, nc 1a,_:~ ·:?ncj ~~e-~~7A~? º hnpacto das açoes mtem~l . '
Oriente Médio; ,é~oS'!e(çitóSw ~ra~~ o de organizações internac1onats e do
consu1nis1no glob_étl são alg~,i'ns dos,. assuntos discutidos neste livro~
Peter N. S~;.:;1ft'.~'.~ ;' ~ a·: stria duas das áreas mais dinâmicas da

- editora
contexto