Você está na página 1de 15

Estruturas de Concreto e Fundações

Estruturas Especiais
Muros de Arrimo - Exemplo
Prof. M.Sc. Antonio de Faria
Janeiro/2013

1
Muros de Arrimo – Exemplo numérico

• Calcular e detalhar o muro de arrimo Corte BB: b


dado, considerando: a

γsolo = 18,0 kN/m3 ,


φ = 300

h
Aço CA-50 f a
b
c

i
fck = 40,0 MPa

j
e

σsolo = 0,20 MPa


coeficiente de atrito solo/concreto = 0,55;
Considerar para efeito de geometria, as cotas abaixo em metros;
Geometria do Muro
a (m) b (m) c (m) e (m) f (m) i (m) h (m) L (m)
0,15 0,10 3,00 4,25 1,00 0,15 5,50 1,00
Resolução:
• A sequencia de resolução, uma vez que a
geometria está definida é de:
– A) verificação de tombamento;
– B) Verificação de translação;
– C) Verificação de tensão no solo;
– D) Cálculo das armaduras;
Resolução:
• Verificação de tombamento:
– Inicialmente pode-se calcular o momento de
tombamento que nada mais é que o momento do
empuxo do solo aplicado no muro que o faz girar em
torno do ponto x , conforme figura abaixo:
L

L/3
X S
Resolução:
• O valor da tensão no solo (no nível do ponto X) e da resultante do
empuxo são dadas (para uma espessura unitária), por:
σs = ka.h.γs
h
E = (ka.h.γs ). 
2
• No caso h é a profundidade considerada, que conforme anterior,
para a determinação do tombamento é igual a L;
• Assim, o momento de tombamento é dado por:
 h  h 
3
h
Mt = (ka.h.γs ). .  = ka.γs.
 2 3 6
h3 5,653 kN.m
Mt = ka.γs. = 0,33.18. = 180,0
6 6 m
Resolução:
• O momento de restituição é dado por:
MRest = ∑ Pi.zi

• Sendo:
• Pi – O peso de cada elemento considerado na tabela abaixo e
mostrado na figura a seguir;
• zi - a distância da resultante de força do peso de cada
elemento no ponto X;
• O ideal neste caso é se fazer uma tabela para se preencher os
valores auxiliares para o cálculo do peso vertical do muro e o
solo e obter ainda o momento de restituição;
Resolução:
Corte BB: b
a

Solo 2

Cortina 1
5,50 m
h

Solo 1

Cortina 2
b
f a c
1,00 m 0,10 3,00m
0,15

0,15
i

X Sapata
j

e
4,25 m
Resolução:
• Tabela – Determinação das ações verticais e respectivos momentos:
Ações Verticais
espessura fator Volume Peso Mtomb
Elemento b (m) h (m) 3 γmat. (kN/m3) z (m)
(m) forma (m ) (kN) (kN.m)
a,hCortina 01 0,15 5,50 1 1 0,8250 25 20,63 1,075 22,17
b,hCortina 02 0,10 5,50 1 0,5 0,2750 25 6,88 1,183 8,14
e,jLaje 4,25 0,15 1 1 0,6375 25 15,94 2,125 33,87
c,hTerra 1 3,00 5,50 1 1 16,500 18,0 297,00 2,750 816,75
b,hTerra 2 0,10 5,50 1 0,5 0,2750 18 4,95 1,217 6,02
Somatório 345,39 886,95
Corte BB:
a
b
Desta maneira, obtém-se o valor do
momento de restituição:
Solo 2
MRest = 886,95 kN.m
Cortina 1
5,50 m
h

Solo 1
MResist 886,95
b
Cortina 2 γ= = = 4,92 > 1,4 ok!
f
1,00 m
a
0,10
c
3,00m Mtomb 180,36
0,15

0,15
i

X Sapata
j

e
4,25 m
Resolução:
• Verificação da translação:
– Neste caso, é preciso (sem considerar inicialmente o
dente indicado no desenho) que o atrito provocado pelo
peso da estrutura e solo acima da sapata seja maior que
o empuxo com coeficiente de 1,4. Como se trata de solo
acima da sapata, h = 5,65m;
Assim, tem-se: h 5,65 2
E = (ka.h.γs ). = 0,333.18. = 90,75 kN/m
2 2
f atrito = µ .P = 0,55.345,3 9 = 190 kN/m
fatrito 190 Como r > 1,4, não é necessário
r= = = 2,10 > 1,4 executar o dente!
E 90,75
Resolução:
• Determinação das tensões no solo:
– Para a determinação das tensões de contato entre a sapata e o
solo, faz-se inicialmente a redução dos esforços do ponto X, para
o meio da sapata como indica a figura abaixo;

P
P

Mrest
M=P(e/2)+Mtomb-M resis
Mtomb

X X
e/2 e/2 e/2 e/2
Resolução:
• Assim, o momento atuante no centro da sapata será de:
e
M = P. + Mtomb − Mrestit
2
4,25
M = 345,39. + 180,36 - 886,95 = 27,36 kN.m
2
Para que o funcionamento seja sem tração é necessário que e excentricidade do
momento e carga vertical seja inferior ao valor da cota do núcleo central (neste caso
igual a e/6);

M 27,36 4,25
e= = 0,08 m < = 0,71 m
P 345,39 6
Resolução:
Assim, não haverá tração no solo, podendo-se utilizar a fórmula da resistência dos
materiais;
Tensões no solo, na face da sapata
P 6.M
σs, máx/mín = ±
L.e L.e 2

P 345,39 6.27,36 kN
σs, máx = + 2
= 90,36 2 / m
1.4,25 1.4,25 m
345,39 6.27,36 kN
σs, mín = - 2
= 72,18 2
/m
M=P(e/2)+Mtomb-M resis 1.4,25 1.4,25 m

X kN
σs, máx/mín ≤ σsolo = 200 2
m
S,min
S,max
Resolução:
• Determinação das armaduras:
– Para a determinação das armaduras, é necessário calcular os
momentos fletores nas seções S1, S2 e S3, conforme se mostra na
figura abaixo;
Seção S1:

  
3
h h h
MS1 = (ka.h.γs ). .  = ka.γs.
h E
 2 3 6
1 5,53
h/3 MS1 = .18. = 166,38 kN.m/m
S1
3 6
X S2 S3 S

Seção S2:
S,min
S,max
Para se determinar o momento fletor na
seção S2, é necessário se calcular a
tensão no solo, na referida seção;
Resolução:
P 12.M 345,39 12.27,36  4,25  kN
3 
σs2 = + 3
.yS2 = + . − 1 = 86,08 2
L.e L.e 1.4,25 1.4,25  2  m

 σS2.c 2 c2 
MS2 = L. + (σS, máx - σS2 ). 
 2 6
 86,08.1,0 2 1,0 2 
MS2 = 1. + (90,36 − 86,08).  = 43,75 kN.m/m
 2 6 

 σSmín.c 2 c2 c2 
MS3 = L. + (σS3 - σSmin ). − γ .h. 
 2 6 2
 72,18.3,0 2 3,0 2 3,0 2 
MS2 = 1. + (85,01 − 72,18 ). - 18.5,5.  = - 101,45 kN.m/m
 2 6 2 
Resolução:
• Valores de d:
– Na seção S1, considerando cobrimento de 1,5 cm e armadura com
diâmetro de 20,0 mm, tem-se: d = 25,0 – 1,5 – 1 = 22,5 cm;
– Nas seções S2 e S3, cobrimento de 1,5 cm e armadura com
diâmetro de 12,5 mm, tem-se: d = 15,0 – 1,5 – 0,625 = 12,875;
– Considerando ainda: fck = 40,0 MPa, Aço CA-50 e bw = 100 cm;
M
Seção d (cm) kMd kx kz As (cm2/m)
(kN.cm/m)

S1 22,50 16637,50 0,161 0,265 0,894 26,63

S2 12,875 4375,28 0,129 0,207 0,917 11,93

S3 12,875 10145,03 0,300 0,572 0,771 32,90