Você está na página 1de 3

A

 História  do  Teatro  Musical  

Década  de  40  –  Parte  I  


Antes  da  “Bela  Manhã”  
Por  John  Kenrick  
Traduzido  e  adaptado  por  Rafael  Oliveira  
 

O  Souvenir  Book  ou  programa  de  Something  for  the  Boys  (1943)  
estrelando  Ethel  Merman  em  seu  quinto  musical  com  Cole  Porter.  A  
revista  Life  descreveu  o  musical  como  “gay  and  glittering”  dizendo  que,  
do  começo  ao  fim,  o  show  pertencia  à  exuberante  Ethel  Merman.  

O  Melhor  dos  Mundos  


Com   o   mundo   em   guerra   e   a   América   ainda   sofrendo   os   ecos   da   Grande  
Depressão,   a   maioria   dos   profissionais   da   Broadway   sentia   que   a   plateia   da   década   de   40  
queria   escapar   da   realidade,   quanto   mais   frívolo   melhor.   Por   exemplo,   Irving   Berlin   reinava  
como   o   compositor   mais   popular   da   América   desde   1911,   contribuindo   com   hits   para  
numerosas   revistas   nos   palcos   e   nas   telas.   Em   1940   ele   trouxe   seu   primeiro   book   musical   para  
a  Broadway:  Louisiana  Purchase  (1940  –  444  performances)  foi  uma  divertida  paródia  sobre  os  
políticos   corruptos   da   Louisiana,   co-­‐estrelando   a   popular   dupla   William   Gaxton   e   Victor  
Moore.  

Quando   a   América   entrou   na   Segunda   Guerra   Mundial,   Berlin   (o   compositor,   no  


caso)  triunfou  novamente  com   This  is  the  Army  (1942  –  113  perfs),  uma  revista  produzida  pelo  
próprio   Tio   Sam   com   um   elenco   formado   por   soldados   do   exército,   fazendo   graça   com   as  
provações   da   vida   militar.   Destaque   para   as   canções   I   Left   My   Heart   at   the   Stage   Door  
Canteen.   O   próprio   Berlin   cantou   Oh,   How   I   Hate   to   Get   Up   in   the   Morning,   música   que   ele  
introduziu   na   peça   Yip,   Yip,   Yapank   (1918   –   32   perfs),   criada   para   arrecadar   fundos   para   a  
Primeira  Guerra  Mundial.  Depois  de  uma  temporada  estendida  na  Broadway,  This  is  the  Army  
fez  uma  turnê  pelos  EUA,  foi  sucesso  em  Londres,  e  virou  filme,  arrecadando  mais  de  9  milhões  
de  dólares  para  o  Fundo  de  Emergência  do  Exército  Americano.  

No  início  da  década  de  40,  o  mestre  da  comédia  musical  Cole  Porter  continuava  
sua  infindável  sequência  de  sucessos,  com  quatro  shows  que  se  destacaram:  

• Panama   Hattie  (1940   –  501   perfs)   estrelando  Ethel  Merman  como  a  nada  elegante  
dona   de   uma   casa   noturna   na   zona   do   Canal   do   Panamá   que   tenta   aprender   a   ser  
uma   dama   para   impressionar   a   filha   refinada   de   seu   noivo   (enquanto   casualmente  
salva  o  Canal  do  Panamá  de  ser  implodido  por  uma  bomba).  Merman  e  Joan  Carroll,  
com   apenas   oito   anos   de   idade,     cantaram   Let’s   Be   Buddies.   A   personagem   Hattie   foi  
o  primeiro  papel  solo  de  Merman,  e  foi  o  primeiro  musical  da  Broadway  a  alcançar  
500  performances  desde  os  anos  20.  
• Let’s   Face   It   (1941   –   547   perfs)   apresentava   Eve   Arden   e   Danny   Kaye   contando   a  
história  de  três  ricas  esposas  que  se  vingam  de  seus  maridos  infiéis  contratando  três  
soldados   como   gigolôs.   A   partitura   incluía   You   Irritate   Me   So.   A   plateia   se   deliciava,   e  
Porter  teve  outro  show  com  mais  de  500  apresentações.  
• Something  for  the  Boys  (1943  –  422  perfs)  é  um  perfeito  exemplo  do  que  a  Comédia  
Musical  tentava  ser  no  início  da  década  de  quarenta.  Colocando  uma  grande  estrela  
numa  situação  improvável  e  acrescentando  algumas  reviravoltas  cômicas  inusitadas.  
Ethel   Merman   interpretava   uma   trabalhadora   de   fábrica   na   época   da   guerra   que  
herdava  uma  propriedade  adjacente  à  base  militar  no  Texas.  Lá  ela  se  apaixona  pelo  
soldado   que   é   o   líder   da   banda   e   descobre   que   suas   obturações   são   capazes   de  
receber   sinais   de   rádio   (sim,   você   leu   certo).   Esta   bobagem   deu   a   Merman   muitos  
momentos   cômicos   e   as   canções   de   Porter   (incluindo   Hey,   Good   Looking)   permitiram  
que   ela   beltasse   em   seu   estilo   característico.   Nada   muito   profundo,   mas   lotou   o  
Imperial  Theater  por  mais  de  um  ano.  

Assim,   no   início   dos   anos   40,   criar   obras   de   arte   não   era   o   objetivo   do   Teatro  
Musical.  A  maioria  dos  produtores  e  críticos  estavam  convencidos  que  boas  canções  e  diversão  
era  tudo  que  o  público  exigia.  Como  já  havia  acontecido  antes  (e  como  ainda  vai  acontecer),  os  
especialistas  subestimaram  o  público  pagante.  

Sinais  de  Mudança  


Poucas  pessoas  estavam  determinadas  a  promover  a  evolução  do  
musical  na  Broadway,  e  seus  esforços  inovadores  passavam  totalmente  
despercebidos.  O  compositor  Vernon  Duke  e  o  letrista  John  LaTouche  ofereceram  
Cabin  in  the  Sky  (1940  –  156  perfs),  a  parábola  de  um  anjo  e  um  demônio  em  pé  
de  guerra  pela  alma  de  um  negro.  A  partitura  refinada  (incluindo  Taking  a  Chance  
on  Love)  era  integrada  com  o  texto,  mas  o  show  tinha  um  apelo  limitado.  O  
esplendido  filme  da  MGM  de  1943  teve  um  destino  similar:  críticas  entusiasmadas  
e  fraca  bilheteria.  
 
O  cartaz  e  o  Playbill  do  elenco  original  de  Pal  Joey,  que  incluía  o  novato  Gene  Kelly  
e  June  Havoc  (a  verdadeira  Baby  June,  irmã  de  Gypsy).  

Richard  Rodgers  e  Lorenz  Hart  assumiram  alguns  riscos  com  Pal  Joey  
(1940   –   374   performances),   o   primeiro   musical   da   Broadway   a   ter   um   anti-­‐herói  
como  foco.  O  personagem  título  é  um  nada  respeitável  sapateador  que  alcança  a  
fama   manipulando   uma   rica   amante,   e   perde   tudo   quando   ela   o   abandona.   A  
partitura  vai  do  romance  inocente  de  I  Could  Write  a  Book  à  insinuação  sexual  de  
Bewitched,   Bothered   and   Bewildered.   Em   seu   primeiro   papel   de   destaque,   Gene  
Kelly  estrelava  ao  lado  de  Vivienne  Segal,  no  papel  da  amante,  com  June  Havoc  
como   uma   das   showgirls   da   boate   onde   Joey   se   apresenta.   Claro   que   a   direção   do  
veterano  George  Abbott  contribuiu  para  fazer  com  que  o  infame  enredo,  conforme  apontado  
pela   crítica,   ficasse   em   cartaz   durante   um   ano   muito   lucrativo.   Muitos   dos   mesmos   críticos  
iriam  elogiar  o  espetáculo  quando  este  teve  um  revival  em  1952.  
Ira   Gershwin   tinha   parado   de   escrever   canções   depois   da   morte   de   seu   irmão  
George   Gershwin.   Ele   retornou   com   estilo   se   unindo   ao   compositor   Kurt   Weill   e   o   escritor  
Moss   Hart   para   criar   Lady   in   the   Dark   (1941   –   467   perfs),   a   história   de   uma   editora   de   revistas  
que  utiliza  da  psicanálise  para  explorar  suas  inseguranças  emocionais.  A  música  era  restrita  a  
várias   sequências   de   sonho   na   qual   a   personagem   principal   via   a   si   mesma   em   eventos   que  
representavam  seus  conflitos  interiores:  uma  festa,  um  julgamento  e  até  um  circo.  O  novato  
Danny   Kaye   recebeu   grande   destaque   como   o   fotógrafo   fashion   afeminado   Jerry   Walker   ao  
cantar   a   patter   song   Tschaikowsky,   mas   nem   mesmo   ele   conseguia   roubar   os   holofotes   de  
Gertrude   Lawrence.   Com   My   Ship     e   Jenny,   essa   habilidosa   estrela   dos   palcos   manteve   as  
plateias  vibrando  na  maior  temporada  de  sua  carreira.  

O  resultado  foi  uma  estonteante  mistura  de  todos  os  componentes  do  teatro.  De  
acordo   com   os   relatórios   impressos   na   época,   a   produção   envolveu   58   performers,   51  
contrarregras   e   4   palcos   giratórios.   O   custo   da   produção   foi   de   $130.000   (na   época,   uma  
enorme  quantia)1.  

Um  Fim  e  um  Começo  


Ray  Bolger  (que  viria  a  ficar  conhecido  como  o  Espantalho  do  filme  O  
Mágico  de  Oz)  interpretando  Sapiens,  o  emasculado  marido  de  uma  
amazona  em  By  Jupiter,  o  último  musical  da  dupla  Richard  Rodgers  e  
Lorenz  Hart.  
Rodgers   e   Hart   fizeram   um   pequeno   desvio   com   By   Jupiter  
(1942  –   427   perfs)   contando   a   história   do   conflito   entre   os   gregos   antigos   e  
guerreiras   amazonas.   Apesar   de   ser   uma   comédia   musical   tradicional,   a  
troca   de   papéis   entre   homem   e   mulher   ultrapassou   as   fronteiras   criativas,  
as  amazonas  saiam  para  batalhar  enquanto  os  homens  ficavam  em  casa,  cuidavam  dos  filhos  e  
compravam   chapéus.   Uma   performance   estrelar   de   Ray   Bolger   e   uma   partitura   que   incluía  
Wait  Till  You  See  Her  fez  deste  o  musical  de  Rodgers  e  Hart  que  mais  tempo  ficou  em  cartaz.  

A   morte   da   mãe   de   Hart   muito   o   afetou,   e   ele   se   tornou   um   alcoólatra.   Seus  


talentos   continuavam   intactos,   mas   ele   desaparecia   por   dias,   às   vezes   por   semanas,  
impossibilitando  a  conclusão  de  novos  projetos.  Um  Rodgers  ansioso  implorou  para  que  Hart  
colaborasse   com   ele   na   adaptação   musical   da   pela   de   Lynn   Rigg   intitulada   Green   Grow   the  
Lilacs.   O   Theatre   Guild,   que   havia   produzido   o   primeiro   grande   musical   da   dupla   chamado  
Garrick   Gaieties   (1925   –   211   perfs),   precisava   de   um   novo   sucesso   para   se   recuperar  
financeiramente.   Hart   recusou,   mas   antes   de   ir   para   o   México   beber   todas,   encorajou   que  
Rodgers  se  juntasse  a  Oscar  Hammerstein  II.  

Oscar,   por   sua   vez,   estava   muito   interessado   em   adaptar   Green   Grow   the   Lilacs,  
mesmo   a   peça   original   tendo   sido   um   fracasso.   Seu   colaborador   de   longa   data   Jerome   Kern  
havia   rejeitado   o   projeto   por   vários   anos.   E   foi   assim,   quase   que   por   acaso,   que   a   mais  
reconhecida   colaboração   criativa   do   teatro   musical   americano   teve   início.   Como   diriam   as  
letras  de  Oscar:  “Eles  não  poderiam  ter  escolhido  uma  melhor  época  para  começar”.  

                                                                                                                       
1
 Stanley  Richards,  Great  Musicals  of  the  American  Theatre,  Vol.  2,  (Radnor,  PA:  Chilton  Books,  1976),  p.  
74.  

Você também pode gostar