Você está na página 1de 4

A

 História  do  Teatro  Musical  

Década  de  20  –  Parte  V  


Três  Marcos  
Por  John  Kenrick  
Traduzido  e  adaptado  por  Rafael  Oliveira  
 

Capa  do  programa  da  montagem  original  de  Good  News.  Repare  no  título  
da  publicação:  The  New  York  Magazine  Program.  Em  1934  esta  
publicação  mudaria  de  nome  e  passaria  a  se  chamar  The  Playbill.  

Boas  Notícias  
O   músical   Good   News   (1927   –   557   performances)   não   foi   a  
primeira  comédia  musical  sobre  a  vida  colegial,  mas  obteve  tanto  sucesso  
que  se  tornou  o  exemplo  definitivo  deste  despreocupado  subgênero.  O  enredo  conta  a  história  
de   um   rico   jogador   de   futebol   americano   que   precisava   ser   aprovado   em   suas   provas   para  
poder   jogar   na   grande   final   e   ganhar   o   coração   da   pobre   garota   que   ele   amava.   O   musical  
inspirou  inúmeras  imitações  no  palco  e  nas  telas,  mas  ninguém  conseguiu  chegar  aos  pés  da  
partitura   contagiante   composta   por   Ray   Henderson   com   letras   de   Buddy   DeSylva   e   Lew  
Brown.  Suas  canções  dançantes  incluíam  The  Best  Things  in  Life  are  Free,  Lucky  in  Love  e  The  
Varsity  Drag,  um  número  de  Charleston  que  se  tornou  uma  febre  internacional.  

O   libreto   contava   sobre   um   raso   caso   de   amor,   permitindo   que   membros   do  


elenco  oferecessem  à  plateia  números  com  suas  especialidades  sem  depender  do  enredo.  Com  
uma   produção   de   aproximadamente   $75.000   (quantia   típica   dos   musicais   da   Broadway  
daquela   época),   Good   News   fez   milhões   e   permaneceu   popular   por   décadas,   virando   um   filme  
em   1932   e   um   bem   sucedido   remake   Technicolor   em   1947.   Um   revival   nos   palcos   cruzou   os  
EUA  com  Alice  Faye  em  1970.  Retratando  os  “efervescentes  anos  20”  como  muitos  gostariam  
de  lembrar,  este  show  permanece  como  um  dos  marcos  teatrais  desta  era.  

Al  Jolson:  O  Maior  Artista  que  o  Mundo  já  Teve  


 

Esta  foto  montagem  compara  o  rosto  sem  maquiagem  de  Al  Jolson  com  seu  
alterego  em  blackface  Gus.  Foi  com  este  personagem  que  Al  estrelou  o  filme  
The  Jazz  Singer  (1927),  considerado  o  primeiro  filme  que  incluía  diálogos,  
músicas  e  efeitos  sonoros  sincronizados  com  as  imagens.  

A   maior   estrela   dos   palcos   da   década   de   20   nasceu   numa  


cidadezinha   judaica   na   Rússia   na   década   de   1880.   Assim   que   sua   família   se  
mudou   para   os   Estados   Unidos   em   1894,   o   jovem   Asa   Yoelson   decidiu   se  
tornar  um  entertainer  e  mudou  seu  nome  para  Al  Jolson.  Depois  de  ganhar  
fama   nos   Minstrel   Shows   e   no   Vaudeville,   Jolson   fez   sua   estreia   na   Broadway  
no  teatro  Winter  Garden  na  produção  La  Belle  Paree  (1911)  dos  Irmãos  Shubert.  O  show  era  
pouco   mais   que   uma   série   de   atos   de   variedades   amarrados   por   um   fino   enredo   (turistas  
americanos   visitando   Paris   –   não   mais   que   isso),   mas   Jolson   roubou   o   show   e   se   tornou   a  
sensação  de  Nova  Iorque.  

Quando   as   plateias   responderam   com   entusiasmo   ao   canto   carismático   de   Jolson,  


os   Shuberts   aproveitaram.   Eles   criaram   uma   série   de   musicais   feitos   sobre   medida   para   o  
talento   gigantesco   de   Jolson,   e   até   construíram   uma   passarela   na   plateia   para   que   Jolson  
pudesse  cantar  bem  no  meio  de  seus  fãs.  Seus  shows  cruzaram  o  país  durante  anos,  fazendo  
dele   uma   estrela   de   costa   a   costa.   A   mistura   carismática   de   comédia,   paixão   e   canto   poderoso  
de  Jolson  tinha  um  apelo  quase  sexual  na  plateia.  Sua  potente  voz  enchia  qualquer  teatro,  uma  
habilidade  auspiciosa  já  que  a  amplificação  elétrica  ainda  estava  engatinhado.  Com  um  ego  tão  
grande   quanto   seu   talento,   Jolson   não   se   surpreendeu   quando   os   Shuberts   começaram   a  
anuncia-­‐lo  como  “O  Maior  Artista  do  Mundo”.  

Três  dos  maiores  hits  musicais  de  Jolson  foram  construídos  em  volta  de  Gus,  um  
personagem   blackface   que   Jolson   interpretou   durante   anos   desde   seu   início   nos   Minstrel  
Shows.  

• Sinbad   (1920   –   164   perfs)   apresentava   Gus   como   um  


carregador   na   velha   Bagdad,   onde   ele   conhece   uma   série  
de   personagens   das   Mil   e   Uma   Noites,   inclusive   o   próprio  
Sinbad.   Jolson   cantava   Rock-­‐a-­‐bye   Your   Baby   with   a   Dixie  
Melody,   Swanee   e   My   Mammy   entre   outras   canções  
descartáveis.   Ao   lado,   a   capa   da   partitura   de   I’ll   Tell   the  
World.
• Bombo  (1921  –  219  perfs)  transformou  Gus  num  tripulante  
da   frota   de   Cristóvão   Colombo.   Jolson   manteve   a   plateia  
vidrada   cantando   Toot,   Toot   Tootsie,   April   Showers   e  
California   Here   I   Come,   mesmo   essas   canções   tendo  
absolutamente  nada  a  ver  com  o  enredo.
• Big   Boy   (1924   –   180   perfs)   trouxe   Gus   como   um   jockey,   trazendo   ao   palco   cinco  
cavalos  de  verdade  correndo  em  esteiras.  Jolson  interpolou  Keep  Smiling  at  Trouble  
com   reprises   de   seus   maiores   sucessos.   Com   interrupções   ocasionais,   Jolson   viajou  
com  Big  Boy  por  mais  de  três  anos.

Quando   a   plateia   estava   particularmente   entusiasmada,   Jolson   dispensava   o  


elenco  e  cantava  solo  por  uma  hora  ou  mais.  Porém,  se  Jolson  sentia  que  a  plateia  não  estava  
respondendo,   ele   fazia   uma   apresentação   meia   boca   e   pulava   refrãos   para   que   as   cortinas  
fechassem  logo.  

Por   mais   ofensiva   que   a   maquiagem   blackface   de   Jolson   possa   nos   parecer   nos  
dias   de   hoje,   era   um   recurso   teatral   aceito   e   usado   por   muitos   artistas   negros   e   brancos   na  
primeira  metade  do  século  XX.  Atrás  de  uma  máscara,  ou  cobertos  com  pó  de  rolha  queimada,  
criava-­‐se  um  “qualquer”  que  passava  por  provações  e  corações  partidos.  Jolson  afirmava  que  a  
maquiagem  blackface  lhe  dava  o  distanciamento  emocional  necessário  para  que  ele  pudesse  
se  libertar  como  performer.  Uma  vez  que  ele  está  em  blackface  em  seus  maiores  momentos  
capturados   em   filme,   fica   fácil   reparar   que   esta   maquiagem   teve   um   papel   importante   em   seu  
sucesso.   E   Jolson   não   o   fazia   por   racismo:   de   acordo   com   seus   amigos   e   colegas,   ele   lutou  
pelos  direitos  dos  artistas  negros  em  várias  ocasiões.  

A   fama   de   Al   Jolson   diminui   com   o   passar   no   tempo,   mas   nenhum   estudo   sobre   a  
cultura  popular  do  século  XX  pode  deixar  passar  sua  presença  em  branco.  Ele  era  a  estrela  do  
Minstrel   Show,   Vaudeville,   Broadway,   Hollywood   e   da   rádio,   liderando   a   evolução   do  
entretenimento   popular   de   sua   época.   Jolson   foi   uma   das   maiores   estrelas   que   o   show   biz  
conheceu,  e  ele  seria  a  primeira  pessoa  a  insistir  que  a  história  deveria  se  lembrar  dele  desta  
forma.  

Show  Boat:  O  musical  épico  


Um   dos   musicais   mais   populares   e   poderosos   já  
escritos,   Show   Boat   (1927   –   572   perfs),   foi   a   colaboração   entre  
três   gigantes   do   teatro   musical:   o   produtor   Florenz   Ziegfeld,   o  
compositor   Jerome   Kern   e   o   letrista   e   escritor   Oscar  
Hammerstein  II.  Contando  a  épica  história  de  como  a  tripulação  
de  um  barco/teatro  leva  a  vida  entre  1880  a  1920,  lidando  com  
problemas   de   racismo,   separação   e   alcoolismo   –   assuntos   que  
antes  eram  considerados  tabus  no  teatro  musical.  Ao  lado,  uma  
foto  da  capa  do  programa,  com  uma  caricatura  dos  artistas  que  
estrearam  o  musical.  

O   libreto   sem   precedentes   vinha   acompanhado   de  


uma   partitura   inovadora,   pois   as   músicas   serviam   aos  
personagens,   trazendo   sucessos   como   Make   Believe,   Old   Man  
River  e  You  Are  Love.  A  cantora  de  saloon  Helen  Morgan  teve  o  
maior   sucesso   de   sua   carreira   interpretando   a   atriz   mestiça   Julie   La   Verne,   introduzindo   a  
canção  Can’t  Help  Lovin’  That  Man  e  Bill,  sendo  a  última  cantada  em  cima  de  um  piano.  Apesar  
de  Old  Man  River  ter  se  popularizado  na  voz  de  Paul  Robeson,  a  canção  estreou  na  Broadway  
com  Jules  Bledsoe.  Robeson  cantou  na  produção  londrina  de  1928  e  no  filme  de  1936.  

Show   Boat   foi   uma   tremenda   aposta   comercial.   Nada   parecido   havia   sido   feito  
antes   na   Broadway   e   Ziegfeld   tinha   sérias   dúvidas   se   o   show   traria   lucro.   Mesmo   assim,   ele  
não   poupou   gastos,   dando   à   saga   a   grandiosidade   visual   necessária.   Na   noite   de   estreia   a  
plateia  saiu  do  Teatro  Ziegfeld  em  completo  silêncio.  Ziegfeld  tomou  isto  como  um  sinal  de  que  
seus  piores  temores  eram  reais.  Ele  ficou  surpreso  quando  na  próxima  manhã  haviam  longas  
filas  na  bilheteria  e  críticas  extasiantes  nos  jornais.  De  fato,  Show  Boat  firmou-­‐se  como  o  mais  
duradouro   feito   da   carreira   de   Ziegfeld,   e   o   único   musical   por   ele   produzido   que   ainda   é  
montado  hoje  em  dia.  

Show  Boat  pode  ser  apreciado  em  vários  níveis.  Para  muitos,  ele  é  um  conto  épico  
sobre   o   amor   imortal,   mas   também   demonstra   como   o   triunfo   e   o   sofrimento   humano   se  
desvanece  com  o  tempo,  engolido  pela  correnteza  do  rio  Mississipi  que  nunca  para.  Esta  obra  
prima   inovadora   não   virou   uma   tendência,   mas   serviu   de   inspiração   para   o   teatro   musical.  
Uma   inspiração  que   voltaria   com  tudo   dezesseis  anos  depois  quando  Hammerstein   se   juntaria  
com   Richard   Rodgers   para   dar   à   luz   o   musical  Oklahoma!.   O   apelo   de   Show   Boat,   depois   de  
três   versões   cinematográficas   e   quatro   bem   sucedidos   revivals   na   Broadway,   sobreviveu   ao  
teste   do   tempo,   com   cada   geração   enfatizando   diferentes   aspectos   da   história,   tornando-­‐as  
únicas.  

No   final   de   1929,   algumas   coisas   não   estavam   fluindo   tão   bem   quanto   fluíam  
antes.  A  desastrosa  quebra  da  bolsa  de  valores  em  Outubro  deste  ano  pôs  um  fim  efetivo  aos  
“efervescentes   anos   20”.   Mas   o   golpe   final   chegou   em   Dezembro,   quando   o   pobre  
gerenciamento  forçou  o  Banco  dos  Estados  Unidos  a  fechar  suas  portas,  levando  as  economias  
de   toda   uma   vida   de   400.000   famílias.   Outros   bancos   quebraram   nos   anos   seguintes   e   o  
mundo  caia  na  pior  depressão  econômica  já  vivida.  Firmas  faliam,  empregos  desapareciam,  e  
sem  um  seguro  desemprego  ou  assistência  pública  para  segurarem  a  barra,  mais  de  um  terço  
dos   americanos   adultos   não   conseguiam   encontrar   emprego.   Apesar   da   maré   baixa   (e,   em  
parte,   por   causa   dela)   o   Teatro   Musical   conseguiu   crescer   e   se   desenvolver.   As   pessoas  
precisavam   da   satisfação   emocional   trazida   pelo   entretenimento   mais   do   que   nunca.   E   qual  
será  o  rumo  que  o  Teatro  Musical  encontrou  para  sobreviver?  

SE   VOCÊ   LEU   ESSE   TEXTO   ATÉ   O   FIM,   ASSIM   QUE   VOCÊ   ME   ENCONTRAR  
EM   SALA   APRESENTE-­‐SE,   ME   DIZENDO   SEU   NOME   E   SOBRENOME,   E   ME  
CUMPRIMENTE   COM   A   MÃO   ESQUERDA.   ASSIM   SABEREI   QUEM   LEU   O  
TEXTO  SEM  EU  PRECISAR  PERGUNTAR.