Você está na página 1de 26

Nossos filhos são Espíritos

Deus não julga oportuno revelar-nos coisas para


as quais ainda não temos “olhos de ver”. Muitas
vezes os olhos são apenas de olhar... 1
Coisas para desaprender
• As crianças não herdam
características psicológicas dos
pais.

• A alma não é criada no momento


da concepção ou do nascimento.

• A criança não é um anjinho


inocente.
2
Responsabilizando-se pelos atos cometidos

“A geração de um corpo humano, para que


nele se instale um espírito, representa um
convite formal a alguém que já existe numa
dimensão que nos escapa aos sentidos
habituais”.
3
Responsabilizando-se pelos atos
cometidos

Um bebê não deve ser fruto de um


impulso impensado, de uma união
fortuita.

Não se deve assumir, perante o filho que


está para nascer, atitudes hostis, de
rejeição ou indiferença.

A interrupção da trajetória do corpo em


formação acarreta impactos físico e
emocional para o espírito.
4
Estudos - Drª. Helen Wambach
Regressão da memória por transe
hipnótico, em busca de lembranças do
passado;

Lembranças iniciais mais recentes,


juventude, infância, momento do
nascimento, vida intrauterina, período em
que viveu como espírito e vidas passadas;

Pesquisadas 750 pessoas.


(Life before life)
5
Alguns resultados
Morrer até que é bom, nascer é que não
é nada interessante.
Indiferença quanto ao ser interior
masculino ou feminino.
Sensação de existência como entidade
independente do feto.
Objetivos planejados para a nova vida -
prioritariamente, aprender a
relacionar-se e a amar.

6
Alguns resultados
81% - decisão própria de renascer

68% - relutantes, tensos ou resignados ante a


perspectiva de nova existência

90% - as mortes foram experiências


agradáveis, mas os nascimentos constituem
momento de desventura e tensão

87% - declararam ter conhecido os pais,


amantes, parentes e amigos em vidas
anteriores

89% - somente se envolveram com o feto


após seis meses de gestação
7
Sensações ao nascimento
• Nascimento antes do tempo – “sentia
estar sendo forçado a sair”... “intensa
fúria”

• “Parecia que não percebiam que eu estava


consciente e me tratavam como mera
coisa”;
- “minha mãe está cansada e dolorida”
- “uma mulher me apanha bruscamente -
sinto-a zangada”. Ela sai comigo nos
braços. Lágrimas genuínas escorriam de
meus olhos, enquanto ela me levava. Na
verdade, eu queria voltar para aquele
espaço luminoso de onde viera”.
8
Recado às grávidas
“Converse com a “pessoa” que está no seu ventre.
Diga-lhe que a ama, que a espera de coração aberto,
que conte com você em tudo que for possível.
Acaricie-a mansamente, com as mãos. O magnetismo
do amor se transmite facilmente, como energia
positiva a escorrer pelos dedos”.

9
10
O retorno à vida corporal

O espírito que
anima o corpo
de uma criança
pode ser tão
desenvolvido
quanto o de um
adulto, ou
mesmo mais
evoluído.
Apenas os
órgãos
imperfeitos o
impedem de se
manifestar.
11
O retorno à vida corporal
A Reencarnação acarreta ao espírito uma
perturbação “muito maior e sobretudo muito mais
longa” do que o da morte. Na morte, o espírito
sai da escravidão; no nascimento entra nela.” LE
Questão 339

O espírito vive os primeiros anos da encarnação


mais ligado ao corpo - a infância é como um
“tempo de repouso para o espírito”.

Durante a infância, o espírito é mais acessível às


impressões que recebe e que podem ajudar seu
adiantamento. Nessa fase se pode reformar seu
caráter e reprimir as más tendências.

12
SÓ ESQUECEMOS O QUE SABEMOS
Por que não se lembrar de
existências anteriores?

“Reconcilia-te com
teu adversário
enquanto
estás a caminho
com ele”
(Mateus, cap. V, v. 25 e
26. ESE Cap. X)

13
Medos e comportamentos inexplicáveis
podem ser reminiscências de encarnações
anteriores - nem sempre nítidas e
explícitas;

Influência do meio - dons ou tendências


podem ser estimulados ou inibidos, mas
também pode a criança impor-se a ele,
com maior ou menor segurança e
determinação. Se encontrar quem o
auxilie, poderá obter maior êxito.

14
Projetos reencarnatórios
envolvem complexidades

15
Pesquisas do passado e avaliação de
possibilidades futuras;

Identificação e localização de pessoas


com as quais devam ser negociadas
futuras atividades;

Atento exame de condições sob as


quais espíritos programados para uma
tarefa coletiva devam renascer;

16
Tendências a estimular, combater ou
desestimular;

virtudes a enfatizar, erros a corrigir;

Limite do suporte de pressões


corretivas - problemas que devem
ser postergados para outras
existências.

17
Não é trágico ser Médium

Se alguma criança de sua família


apresentar indícios ou manifestações
de faculdades mediúnicas, não se
assuste, nem procure reprimir as
manifestações.
Tenha calma, observe, consulte quem
entenda do assunto e não tome
atitudes como proibições, ameaças ou
castigos.

18
Filhos deficientes
Filhos de Deus como nós, que vieram
condicionados a certas limitações;

Situação transitória – o espírito ESTÁ


deficiente, NÃO É deficiente;

Os pais têm, necessariamente, uma quota


de responsabilidade perante aquele ser;

A Lei de Deus é generosa e compassiva -


oportunidades de recuperação e purificação.

19
Avaliando nossos filhos pela
pluralidade das existências
Que programas trazem?
Que fraquezas?
Quais os traços mais fortes na
personalidade?
Que tipo de experiências?
Que correções pretendem fazer?
O que podemos fazer para ajudá-los em
relação a sua mazelas?

20
21
O lar, nossa maior escola
Ponto de encontro, o momento
cósmico em que as condições estão
ali criadas para que tudo dê certo

A família é nossa Universidade.

Representa o melhor modelo de


célula social - se as coisas não estão
dando certo, a falha não é do
modelo, mas das pessoas.
22
A PRESENÇA DE DEUS

A escolha da religião ocorre, muitas


vezes, antes de nascer.

O Espírito traz denso conteúdo de


experiências religiosas do passado.

O QUE IMPORTA NÃO É ESTA OU


AQUELA RELIGIÃO ESPECÍFICA.
É A PRESENÇA DE DEUS EM NÓS E,
SOBRETUDO, NOSSA CONSCIÊNCIA DE TAL
PRESENÇA.
23
Algumas conclusões
O ser humano é dotado de alma imortal,
que sobrevive à morte do corpo;

A morte é momento de libertação e


reencontro com inesquecíveis amores;

Necessário reformular o conceito de


responsabilidade pessoal - não há
condenação eterna; as oportunidades de
recuperação nos são incansavelmente
concedidas pelas leis divinas.
24
“O amor não acaba nunca.
Como poderia acabar se é da
própria essência de Deus?”

25
Apresentação baseada na Obra abaixo:

Obrigada!

Eugênia
Calazans

Setembro 2018

26