Você está na página 1de 1

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DE UMA DAS VARAS CÍVEIS DA COMARCA DE SALVADOR/BA.

A QUEM
COUBER POR DISTRIBUIÇÃO LEGAL.

FREDERICO, brasileiro, casado, profissão..., portador do RG n.00.000-0, expedida no Detran e do CPF sob
o n. 000.000.000-00,e-mail xxx@hotmail.com, residente e domiciliado na Rua..., nº..., no bairro de..., Fortaleza/CE, CEP..., vem por
meio de seu advogado, com endereço profissional na Rua..., nº..., no bairro de..., cidade/UF, CEP..., onde recebe intimações, vem
mui respeitosamente perante Vossa Excelência, para propor:

AÇÃO DE ANULAÇÃO DE NEGÓCIO JURÍDICO,


Pelo rito ordinário em face de GEOVANA, brasileira..., estado civil..., profissão..., portadora do RG n.00.000-0, expedida no Detran e
do CPF sob o n. 000.000.000-00,e-mail xxx@hotmail.com, residente e domiciliado na Rua..., nº..., no bairro de..., Salvador/BA, CEP...,
pelos fatos e motivos a seguir expostos:

I- DOS FATOS
O autor foi surpreendido com uma ligação exigindo a importância de R$300.000,00 (trezentos mil reais)
como pagamento pelo resgate de sua filha, Julia, que acabara de ser sequestrada.
No dia 13 de janeiro de 2014 os sequestradores enviaram a residência de Frederico, um pedaço da orelha
de sua filha, junto com um bilhete afirmando que caso não fosse efetuado o pagamento do resgate, sua filha seria devolvida sem
vida.
Frederico desesperado, só conseguiu juntar a importância de R$220.000,00 (duzentos e vinte mil reais),
o que era insuficiente para o pagamento do resgate. Decidiu então vender seu único imóvel situado em Fortaleza, Ceará. No dia 16
de janeiro de 2014, concretizou a venda no valor de R$80.000,00 (oitenta mil reais) para a ré, sua prima Geovana, residente em
Salvador, Bahia, que tinha ciência da situação do sequestro de sua filha e a necessidade desse valor.
O imóvel em questão tem valor venal de R$280.000,00 (duzentos e oitenta mil reais). Ocorre que em 20
de janeiro de 2014 a filha de Frederico foi encontrada pela polícia com vida, sem a necessidade do pagamento do resgate.
Assim, diante do exposto, o autor entrou em contato com a ré desejando desfazer o negócio celebrado,
contudo não logrou êxito.

II- DO DIREITO
A propositura da demanda adveio do fato que, o autor sofreu coação em virtude de estar em estado de
perigo. Evidenciando assim uma das modalidades de defeitos do negocio jurídico. Configurando assim estado de perigo, conforme
o art. 156 do Código Civil Brasileiro que dispõe que Configura-se o estado de perigo quando alguém, premido da necessidade de
salvar-se, ou a pessoa de sua família, de grave dano conhecido pela outra parte, assume obrigação excessivamente onerosa.
É notório o aproveitamento de tal situação por parte da ré, evidenciando-se o que alguns doutrinadores
chamam de dolo de aproveitamento, haja vista a diferença exorbitante do valor pago frente ao valor venal do imóvel.
Não obstante a gravidade da situação do risco enfrentado pela filha do autor, fez com que o mesmo se
sentisse coagido a vender o seu único imóvel por valor inferior. Por fim, a obrigação assumida foi excessivamente onerada.
Mediante ao exposto evidenciando-se a lesão ao negócio jurídico realizado entre autor em face da ré,
deve ser anulado com base no art. 171, II, e o art. 178, I e II, ambos do Código Civil Brasileiro:
Ainda conforme art. 171.que dispõe que Além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável o negócio jurídico: por vício
resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores.
Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado:
I - no caso de coação, do dia em que ela cessar;
II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico;

III - DOS PEDIDOS


Diante do exposto, requer:
1- A citação da ré no endereço acima citado para apresentar contestação, no prazo legal sob pena de preclusão, revelia e confissão;
2-.Que seja julgado procedente o pedido, para anulação do negócio jurídico celebrado entre as partes sendo oficiado o cartório
competente de Registro Geral de Imóvel, para a devida notificação da presente lide;
4-A condenação da ré dos ônus sucumbenciais .

IV - DAS PROVAS
Requer a produção de todas as provas em direito admitidas, em especial a prova documental suplementar
e superveniente, pericial, testemunhal e o depoimento pessoal da ré sob pena de confesso, caso não compareça ou comparecendo
se recuse a depor.

V – DO VALOR DA CAUSA
Dá-se à causa o valor de R$80.000,00 (oitenta mil reais).

Nestes termos,
pede deferimento.

Rio de Janeiro 28,de Novembro de 2017

Patricia Alcantara
OAB/UF

Você também pode gostar