Você está na página 1de 7

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO


PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL

Enunciado

No dia 23 de fevereiro de 2016, Roberta, 20 anos, encontrava-se em um curso preparatório para concurso na
cidade de Manaus/AM. Ao final da aula, resolveu ir comprar um café na cantina do local, tendo deixado seu
notebook carregando na tomada. Ao retornar, retirou um notebook da tomada e foi para sua residência. Ao
chegar em casa, foi informada de que foi realizado registro de ocorrência na Delegacia em seu desfavor, tendo em
vista que as câmeras de segurança da sala de aula captaram o momento em que subtraiu o notebook de Cláudia,
sua colega de classe, que havia colocado seu computador para carregar em substituição ao de Roberta, o qual
estava ao lado.
No dia seguinte, antes mesmo de qualquer busca e apreensão do bem ou atitude da autoridade policial, Roberta
restituiu a coisa subtraída. As imagens da câmera de segurança foram encaminhadas ao Ministério Público, que
denunciou Roberta pela prática do crime de furto simples, tipificado no Art. 155, caput, do Código Penal. O
Ministério Público deixou de oferecer proposta de suspensão condicional do processo, destacando que o delito
de furto não é de menor potencial ofensivo, não se sujeitando à aplicação da Lei nº 9.099/95, tendo a defesa se
insurgido.
Recebida a denúncia, durante a instrução, foi ouvida Cláudia, que confirmou ter deixado seu notebook acoplado à
tomada, mas que Roberta o subtraíra, somente havendo restituição do bem com a descoberta dos agentes da lei.
Também foram ouvidos os funcionários do curso preparatório, que disseram ter identificado a autoria a partir das
câmeras de segurança. Roberta, em seu interrogatório, confirma os fatos, mas esclarece que acreditava que o
notebook subtraído era seu e, por isso, levara-o para casa. Foi juntada a Folha de Antecedentes Criminais da ré
sem qualquer outra anotação, o laudo de avaliação do bem subtraído, que constatou seu valor de R$ 3.000,00
(três mil reais), e o CD com as imagens captadas pela câmera de segurança. O Ministério Público, em sua
manifestação derradeira, requereu a condenação da ré nos termos da denúncia.
Você, como advogado(a) de Roberta, é intimado(a) no dia 24 de agosto de 2016, quarta-feira, sendo o dia
seguinte útil em todo o país, bem como todos os dias da semana seguinte, exceto sábado e domingo.

Considerando apenas as informações narradas, na condição de advogado(a) de Roberta, redija a peça jurídica
cabível, diferente de habeas corpus, apresentando todas as teses jurídicas pertinentes. A peça deverá ser datada
no último dia do prazo para interposição. (Valor: 5,00)

Obs.: o examinando deve indicar todos os fundamentos e dispositivos legais cabíveis. A mera citação do
dispositivo legal não confere pontuação.

Gabarito Comentado

O examinando deve redigir Alegações Finais na forma de Memoriais ou Memoriais, com fundamento no Art. 403,
§ 3º, do Código de Processo Penal, devendo a petição ser direcionada ao juiz de uma das Varas Criminais da
Comarca de Manaus/AM.
De início, deveria o examinando, na condição de advogado, requerer a nulidade dos atos processuais realizados
durante a instrução probatória, tendo em vista que não foi oferecida proposta de suspensão condicional do

Padrão de Resposta Página 1 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

processo. Prevê o Art. 89 da Lei nº 9.099/95 que caberá ao Ministério Público oferecer proposta de suspensão
condicional do processo quando a pena mínima cominada ao delito imputado for de até 01 ano, abrangidas ou
não por esta Lei, preenchidos os demais requisitos legais, dentre os quais se destacam a primariedade e a
presença dos requisitos do Art. 77 do Código Penal.
Roberta era primária, de bons antecedentes e as circunstâncias do crime não justificam a recusa na formulação da
proposta de suspensão condicional do processo. Ademais, o delito de furto simples tem pena mínima prevista em
abstrato de 01 ano, logo irrelevante o fato da infração não ser de menor potencial ofensivo. Assim, não estamos
diante de mera faculdade do Promotor de Justiça, mas sim de um poder-dever limitado pela lei, de modo que
deveria ter sido oferecida a proposta do instituto despenalizador.
Em seguida, quanto ao mérito, deveria o examinando alegar a ocorrência de erro de tipo. Prevê o Art. 155 do
Código Penal que pratica crime de furto aquele que subtrai coisa alheia móvel. Ocorre que Roberta estava em
erro em relação a uma das elementares do tipo, qual seja, a coisa alheia, tendo em vista que acreditava estar
levando para casa o seu próprio notebook, o que não configuraria crime.
De acordo com o Art. 20 do Código Penal, o erro sobre elemento constitutivo do tipo exclui o dolo, mas permite a
punição do agente a título de culpa, caso previsto em lei. Inicialmente deve ser destacado que o erro de tipo, na
hipótese, era escusável, de modo que não há que se falar em dolo ou culpa. Ademais, ainda que assim não fosse,
não existe previsão da modalidade culposa do furto, logo, ainda assim, Roberta deveria ser absolvida.
Com base no princípio da eventualidade, o examinando deveria enfrentar eventual pena a ser aplicada em caso
de condenação da ré. Na aplicação da pena base, deveria o candidato destacar que deveria ser fixada no mínimo
legal, tendo em vista que a agente possui bons antecedentes e as circunstâncias do Art. 59 do CP são favoráveis.
Na determinação da pena intermediária, deveria ser solicitado o reconhecimento da atenuante da confissão
espontânea, prevista no Art. 65, inciso III, alínea d, do Código Penal, assim como da menoridade relativa, uma vez
que Roberta era menor de 21 anos na data dos fatos, conforme o Art. 65, inciso I, do CP.
Não havia causas de aumento a serem reconhecidas. Todavia, considerando que houve restituição do bem
subtraído antes do recebimento da denúncia, que tal ato decorreu de conduta voluntária da denunciada e que o
delito não foi praticado com violência ou grave ameaça à pessoa, cabível o reconhecimento da causa de
diminuição do arrependimento posterior, prevista no Art. 16 do CP.
Em caso de aplicação de pena privativa de liberdade, deveria ser requerida a substituição desta por restritiva de
direitos, pois preenchidos os requisitos do Art. 44 do Código Penal.
O regime inicial de cumprimento de pena a ser buscado é o aberto.
Diante do exposto, deveriam ser formulados os seguintes pedidos, requerendo:
a) Nulidade da instrução, com oferecimento de proposta de suspensão condicional do processo;
b) Absolvição do crime de furto, na forma do Art. 386, inciso III, do CPP;
c) Aplicação da pena base no mínimo legal;
d) Reconhecimento das atenuantes da menoridade relativa e confissão espontânea;
e) Aplicação da causa de diminuição do arrependimento posterior;
f) Substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos;
g) Aplicação do regime aberto.
A data a ser indicada é 29 de agosto de 2016, tendo em vista que o prazo para Alegações Finais é de 05 dias.
Por fim, deve o examinando finalizar a peça, indicando o local, data, assinatura e OAB.

Padrão de Resposta Página 2 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

PADRÃO DE RESPOSTA – QUESTÃO 1

Enunciado

José Barbosa, nascido em 11/03/1998, caminhava para casa após sair da faculdade, às 11h da manhã, no dia
07/03/2016, quando se deparou com Daniel, ex-namorado de sua atual companheira, conversando com esta. Em
razão de ciúmes, retirou a faca que trazia na mochila e aplicou numerosas facadas no peito de Daniel, com a
intenção de matá-lo. Daniel recebeu pronto atendimento médico, foi encaminhado para um hospital de Niterói,
mas faleceu 05 dias após os golpes de faca.
Já no dia 08/03/2016, policiais militares, informados sobre o fato ocorrido no dia anterior, comparecem à
residência de José Barbosa, já que um dos agentes da lei era seu vizinho. Apesar de não ter ninguém em casa, a
janela estava aberta, e os policiais puderam ver seu interior, verificando que havia uma faca suja de sangue
escondida junto ao sofá. Diante disso, para evitar que José Barbosa desaparecesse com a arma utilizada,
ingressaram no imóvel e apreenderam a arma branca, que foi devidamente apresentada pela autoridade policial.
Com base na prova produzida a partir da apreensão da faca, o Ministério Público oferece denúncia em face de
José Barbosa, imputando-lhe a prática do crime de homicídio consumado.

Considerando a situação narrada, na condição de advogado(a) de José Barbosa, responda aos itens a seguir.

A) Qual argumento a ser apresentado pela defesa técnica do denunciado para combater a prova decorrente da
apreensão da faca? Justifique. (Valor: 0,65)
B) Existe argumento de direito material a ser apresentado em favor de José Barbosa para evitar o
prosseguimento da ação penal? Justifique. (Valor: 0,60)

Obs.: o(a) examinando(a) deve fundamentar suas respostas. A mera citação ou transcrição do dispositivo legal
não confere pontuação.

Gabarito comentado

A) A defesa deveria alegar que a prova obtida a partir da apreensão da faca é ilícita, não podendo ser valorada no
momento da sentença. Estabelece o Art. 5º, inciso XI, da CRFB/88 que a casa é asilo inviolável, não podendo nela
ninguém ingressar sem consentimento do morador. A própria Constituição, todavia, traz exceções a esta regra,
como na hipótese de flagrante delito ou mediante ordem judicial, durante o dia. Não havia, no caso apresentado,
situação de flagrante delito, já que a simples posse de faca não configura crime e, em relação ao crime/ato
infracional praticado no dia anterior, não havia situação de flagrância, pois ausentes os requisitos do Art. 302 do
CPP. Ademais, não houve autorização do morador e nem existia ordem judicial de busca e apreensão, já que os
policiais decidiram ingressar no imóvel porque viram a arma suja de sangue através da janela aberta.
B) Sim, existe, tendo em vista que José Barbosa não poderia ser denunciado pela prática de crime de homicídio
qualificado, já que era inimputável na data dos fatos. O Código Penal, para definir o momento do crime, adota a
Teoria da Atividade, prevendo o Art. 4º que se considerado praticado o crime no momento da ação ou omissão,
ainda que em outro seja produzido o resultado. Dessa forma, o crime foi praticado no dia 07.03.2016, quando
José Barbosa tinha 17 anos. Estabelece o Art. 27 do CP que será inimputável o menor de 18 anos. O fato de a
consumação do delito só ter ocorrido após a maioridade penal de José Barbosa é irrelevante para o caso
concreto, já que outro foi o momento da ação.

Padrão de Resposta Página 3 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

PADRÃO DE RESPOSTA – QUESTÃO 2

Enunciado

Gabriel, condenado pela prática do crime de porte de arma de fogo de uso restrito, obteve livramento condicional
quando restava 01 ano e 06 meses de pena privativa de liberdade a ser cumprida.
No curso do livramento condicional, após 06 meses da obtenção do benefício, vem Gabriel a ser novamente
condenado, definitivamente, pela prática de crime de roubo, que havia sido praticado antes mesmo do delito de
porte de arma de fogo, mas cuja instrução foi prolongada.
Diante da nova condenação, o magistrado competente revogou o livramento condicional concedido e determinou
que Gabriel deve cumprir aquele 01 ano e 06 meses de pena restante quando da obtenção do livramento em
relação ao crime de porte, além da nova sanção imposta em razão do roubo.

Considerando a situação narrada, na condição de advogado(a) de Gabriel, responda aos itens a seguir.

A) Qual o recurso cabível da decisão do magistrado que revogou o benefício do livramento condicional e
determinou o cumprimento da pena restante quando da obtenção do benefício? É cabível juízo de retratação
em tal modalidade recursal? Justifique. (Valor: 0,65)
B) Qual argumento deverá ser apresentado pela defesa de Gabriel para combater a decisão do magistrado?
Justifique. (Valor: 0,60)

Obs.: o(a) examinando(a) deve fundamentar suas respostas. A mera citação ou transcrição do dispositivo legal
não confere pontuação.

Gabarito comentado

A) Narra o enunciado que Gabriel cumpria pena privativa de liberdade pela prática de crime de porte de arma de
fogo, quando obteve livramento condicional. No curso do livramento condicional, todavia, vem a ser condenado
pela prática de crime de roubo, tendo o magistrado da execução decidido pela revogação do benefício e também
por desconsiderar o período de pena cumprido em livramento. Da decisão proferida pelo juízo da execução cabe
Agravo em Execução, na forma do Art. 197 da Lei de Execuções Penais, com prazo de interposição de 05 dias. Não
há previsão expressa em lei sobre o procedimento a ser adotado no recurso de agravo, de modo que pacificou a
doutrina e a jurisprudência que o processamento a ser adotado é semelhante ao do recurso em sentido estrito.
Diante disso, cabível o juízo de retratação pelo magistrado competente para execução.

B) O argumento a ser apresentado pela defesa de Gabriel é que não poderiam ter sido desconsiderados os dias de
livramento condicional como pena cumprida. De fato, Gabriel foi condenado, definitivamente, pela prática de
crime no curso do livramento condicional, logo cabível a revogação do benefício. Trata-se, inclusive, de hipótese
de revogação obrigatória. Ocorre que a condenação que justificou a revogação foi em razão da prática de delito
anterior à obtenção do benefício, e não de novo crime praticado no curso do livramento. Dessa forma, as
condições do livramento condicional vinham sendo regularmente cumpridas pelo apenado, de modo que os dias
em que ficou em livramento deverão ser computados como pena cumprida e não desconsiderados. Assim, errou
o magistrado ao afirmar que deveria Gabriel cumprir 01 ano e 06 meses de pena, desconsiderando os 06 meses
cumpridos de livramento. Nos termos do aqui exposto estão as previsões dos Art. 86 e do Art. 88, ambos do
Código Penal.

Padrão de Resposta Página 4 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

PADRÃO DE RESPOSTA – QUESTÃO 3

Enunciado

No dia 29 de dezembro de 2011, Cláudio, 30 anos, profissional do ramo de informática, invadiu dispositivo
informático alheio, mediante violação indevida de mecanismo de segurança, com o fim de obter informações
pessoais de famoso ator da televisão brasileira, sem autorização do titular do dispositivo.
Após longa investigação e representação da vítima, o fato e a autoria de Cláudio foram identificados no ano de
2014, vindo o autor a ser indiciado e, posteriormente, oferecida pelo Ministério Público proposta de transação
penal em razão da prática do crime do Art. 154-A do Código Penal, dispositivo este incluído pela Lei nº 12737/12.
Cláudio aceitou a proposta de transação penal, mas, em julho de 2015, interrompeu o cumprimento das
condições impostas.
Temeroso em razão de sua conduta, Cláudio procura seu advogado, informando que não justificou o
descumprimento e, diante disso, o Ministério Público ofereceu denúncia por aquele delito, tendo o juiz
competente recebido a inicial acusatória em agosto de 2015.

Considerando apenas as informações narradas, esclareça, na condição de advogado(a) prestando consultoria


jurídica para Cláudio, os seguintes questionamentos.

A) De acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, é possível a revogação do benefício da


transação penal pelo descumprimento das condições impostas, com posterior oferecimento de denúncia?
Justifique. (Valor: 0,65)
B) Os fatos praticados por Cláudio, de fato, permitem sua responsabilização penal pelo crime do Art. 154-A do
Código Penal? Justifique. (Valor: 0,60)

Obs.: o(a) examinando(a) deve fundamentar suas respostas. A mera citação ou transcrição do dispositivo legal
não confere pontuação.

Gabarito comentado

A) Sim, de acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, é possível a revogação do benefício da
transação penal, com posterior oferecimento de denúncia pelo Ministério Público, caso as condições impostas
venham a ser descumpridas, nos termos do Enunciado 35 da Súmula Vinculante do STF. Durante muito tempo se
controverteu sobre as consequências do descumprimento das condições impostas quando da transação penal,
alguns defendendo que apenas seria cabível a execução das mesmas, pois, uma vez homologada, haveria
imediata extinção da punibilidade, enquanto outros admitiam a revogação do benefício, que estaria condicionado
ao cumprimento das imposições. O STF, diante da controvérsia, pacificou o entendimento, por meio de enunciado
vinculante, entendendo que a decisão homologatória de transação penal, nos termos do Art. 76 da Lei nº
9.099/95, não faz coisa julgada material, de modo que, descumpridas suas cláusulas, a situação anterior deve ser
retomada, inclusive possibilitando ao Ministério Público o oferecimento de denúncia.

Padrão de Resposta Página 5 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

B) Embora, literalmente, os fatos praticados por Cláudio se adequem à figura típica descrita no Art. 154-A do
Código Penal, não é possível a responsabilização penal do autor pelo crime em questão, tendo em vista que os
fatos ocorreram antes da entrada em vigor da Lei nº 12.737/12, de modo que não pode uma lei mais grave ao
acusado retroagir para prejudicá-lo. O princípio da legalidade impõe que não é possível a punição de qualquer
pessoa por fato que a lei não define como crime no momento de sua ocorrência. Como consequência desse
princípio, estabeleceu o Art. 5º, inciso XL, da CRFB/88 que a lei não retroagirá, salvo para favorecer o réu. No
mesmo sentido as previsões do Art. 1º do Código Penal. Assim, diante da irretroatividade da lei penal
desfavorável, considerando que os fatos ocorreram em 29/12/2011 e a Lei que introduziu o Art. 154-A no Código
Penal somente foi editada no ano de 2012, incabível a punição de Cláudio pelo delito em questão, ainda que a
denúncia seja em momento posterior.

Padrão de Resposta Página 6 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado
ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Aplicada em 17/09/2017
ÁREA: DIREITO PENAL
“O gabarito preliminar da prova prático-profissional corresponde apenas a uma expectativa de resposta,
podendo ser alterado até a divulgação do padrão de respostas definitivo.”
Qualquer semelhança nominal e/ou situacional presente nos enunciados das questões é mera coincidência.”

PADRÃO DE RESPOSTA – QUESTÃO 4

Enunciado

Manoel conduzia sua bicicleta, levando em seu colo, sem qualquer observância às regras de segurança, seu filho
de 02 anos de idade. Para tornar o passeio do filho mais divertido, Manoel pedalava em alta velocidade, quando,
em determinado momento, perdeu o controle da bicicleta e caiu, vindo seu filho a bater a cabeça e falecer de
imediato.
Após ser instaurado procedimento para investigar os fatos, a perícia constata que, de fato, Manoel estava em alta
velocidade e não havia qualquer segurança para o filho em seu colo. O Ministério Público oferece denúncia em
face de Manoel, imputando-lhe a prática do crime previsto no Art. 121, §§ 3º e 4º, do Código Penal, já que a
vítima era menor de 14 anos. Durante a instrução, todos os fatos são confirmados por diversos meios de prova.

Considerando apenas as informações narradas, responda, na qualidade de advogado(a) de Manoel, aos itens a
seguir.

A) A capitulação delitiva realizada pelo Ministério Público está integralmente correta? Justifique. (Valor: 0,60)
B) Qual argumento a ser apresentado para evitar a punição de Manoel pelo crime de homicídio culposo?
Justifique. (Valor: 0,65)

Obs.: o(a) examinando(a) deve fundamentar suas respostas. A mera citação ou transcrição do dispositivo legal
não confere pontuação.

Gabarito comentado

A) A capitulação delitiva realizada pelo Ministério Público não está integralmente correta, pois, em que pese
exista prova da materialidade e indícios de autoria em relação ao crime de homicídio culposo, não poderia ter
sido imputada a causa de aumento prevista no Art. 121, § 4º, do CP, tendo em vista que a idade da vítima
somente é relevante, no momento de analisar tal causa de aumento, quando o homicídio é de natureza dolosa.
Assim, deveria ser afastada a causa de aumento imputada.

B) O argumento a ser apresentado pela defesa técnica é da aplicação do perdão judicial, devendo o juiz deixar de
aplicar a pena. De acordo com o Art. 121, § 5º, do CP, o juiz poderá deixar de aplicar a pena se as consequências
da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção se torne desnecessária. De fato, pelas
circunstâncias narradas no enunciado, houve crime de homicídio culposo, já que Manoel conduzia sua bicicleta
em alta velocidade, com o filho de 02 anos no colo, sem observância do dever objetivo de cuidado. Todavia, seu
comportamento causou a morte de seu próprio filho, o que, por si só, demonstra que as consequências da
infração já foram graves o suficiente para o autor do fato, tornando a sanção penal efetivamente desnecessária.

Padrão de Resposta Página 7 de 7


Prova Prático-Profissional – XXIII Exame de Ordem Unificado